Hugo de S.

Vitor
OS SETE LIVROS DAS MISCELÂNEAS
Livro Segundo
ANOTAÇÕES EXPLICATIVAS SOBRE ALGUNS SALMOS DE DAVI.
“Saboreei para ti,
irmão caríssimo,
alguns versículos do salmista.
Da profundidade do abismo
extraí uma pequena gota de orvalo!.
"apitulos #$%$&
ANOTAÇÕES EXPLICATIVAS SOBRE
O SALMO CENTÉSIMO DÉCIMO OITAVO
#$. 's duas escolas, a da virtude e a da verdade, e os dois g(neros de aprendi)es. * como
todos dese+am ser feli)es, poucos, por-m, se aplicam a serem imaculados.
“.em aventurados os imaculados no camino,
que andam na lei do Senor.
.em aventurados os que perscrutam seus testemunos,
em todo cora/ão o buscam0.
Salmo 112, 1%3
Duas são as escolas, e dois são os g(neros dos que aprendem4 alguns buscam a virtude,
outros buscam a verdade. 'queles, por-m, aos quais apetece a virtude dentro da verdade
não despre)am a nenuma das duas, pois nem a virtude - odiosa para quem ama a verdade,
nem a verdade - despre)ível para os que amam a virtude.
H5, entretanto, alguns que parecem buscar a verdade os quais a buscam não na verdade,
nem pela verdade, mas pela vaidade. São os querem possui%la sem a virtude. ' verdade, no
entanto, não existe sem a virtude, nem a virtude existe senão na verdade.
6utros di)em querer ser bons sem, por-m, pretenderem ser s5bios. *stes tamb-m não são
+ustificados, pois - pela sabedoria que a virtude - assim denominada. São como os que
di)em querer ser s5bios sem quererem ser bons, os quais igualmente não aprendem, porque
a sabedoria - confirmada pela virtude.
1
0.em aventurados os imaculados no camino,
que andam na lei do Senor0.
*is a escola da virtude.
0.em aventurados os que perscrutam
seus testemunos,
em todo cora/ão o buscam0.
*is a escola da sabedoria.
'ssim tamb-m - o Salmo primeiro4
0.em aventurado o omem
que não anda no conselo dos ímpios,
que não permanece no camino dos pecadores
e não se senta na c5tedra da pestil(ncia0.
Salmo 1, 1
*is a escola da virtude.
07as na lei do Senor p8e a sua vontade,
e na sua lei medita dia e noite0.
Salmo 1, 3
*is a escola da sabedoria.
Devemos notar, por-m, que o estudo da virtude precede a ambos, porque muitos
querem saber, poucos fa)er. ' consci(ncia deve primeiro ser purificada pelo estudo
da
boa obra para que depois, pelo cora/ão puro, a sabedoria possa ser buscada.
'prende
primeiro a fa)er, busca depois que cone/as. 9or isso est5 escrito antes
0.em aventurados os imaculados0,
para s: então ser dito4
3
0bem aventurados os que perscrutam0.
0.em aventurados os imaculados0. ;odos ouvem de bom grado o 0bem
aventurados0,
nem todos, por-m, ouvem com id(ntica boa vontade o 0imaculados0. ;u, por-m, se
queres ser bem aventurado, s( imaculado.
<uem - o imaculado= > aquele que ou nunca foi mancado, ou então aquele que
foi
lavado. 6 santo - imaculado, o santificado tamb-m - imaculado. 6 primeiro - o
que
nunca se afastou, o segundo - o que voltou. 'quele - imaculado porque não
prevaricou, este - imaculado porque se reconciliou.
#2.
6s nomes dos preceitos divinos, contidos no Salmo cent-simo d-cimo oitavo, e a
ra)ão dos mesmos.
6s preceitos de Deus são designados por muitos nomes4
0"amino0?Salmo 112, 1@,
0lei0 ?Salmo 112, 1@,
0testemuno0 ?Salmo 112, 3@,
0mandamento0?Salmo 112, A@,
0+ustifica/8es0 ?Salmo 112, B@,
0+ulgamentos0 ?Salmo 112, 2@,
0sermones0 ?Salmo 112, &@, voc5bulo latino
abitualmente tradu)ido como 0palavra0,
0eloquia0 ?Salmo 112, 11@, voc5bulo latino
abitualmente tamb-m tradu)ido como 0palavra0,
0maravilas0 ?Salmo 112, 12@,
0eqCidade0 ?Salmo 112, AD@,
0verba0 ?Salmo 112, 3B@, voc5bulo latino que siginifica
0palavras0,
0verdade0 ?Salmo 112, ED@
0+usti/a0.
6s preceitos de Deus são ditos 0caminos0 porque, operando%os, alcan/amos a
vida.
E
São ditos 0lei0 porque pelo seu rito de observa/ão ligam ao proposto.
São ditos0testemunos0 porque advertem claramente os que os contestam com
penas,
com promessas, com primícias ou com dons.
São ditos 0mandamentos0 porque indicam o que fa)er.
São ditos 0+ustifica/8es0 porque, quando cumpridos, libertam do reato.
São ditos 0+ulgamentos0 porque pronunciam para cada um a devida retribui/ão pelo
m-rito.
São ditos 0sermones0 porque narrando instruem.
São ditos 0eloquia0 porque significam abertamente.
São ditos 0maravilas0 porque preceituam o incomum e prometem o desconecido.
São ditos 0eqCidade0 porque são todos segundo a +usti/a.
São ditos 0palavras0 porque são as significa/8es de Deus para os omens.
São ditos 0verdade0 porque conforme di)em, assim -.
São ditos 0+usti/a0 porque nada cont-m de desordenado.
#&.
6s tr(s caminos.
06xal5 os meus caminos se diri+am
para guardar tuas +ustifica/8es0.
Salmo 112, B
;r(s são os caminos4 o camino de Deus, o camino do omem, o camino do
demFnio. 6 camino de Deus - a verdade, o camino do omem - a necessidade, o
camino do demFnio - a iniqCidade.
6 camino de Deus e camino do demFnio nunca podem dobrar%se, nem inclinar%
se a
A
outro. Gunca o camino de Deus pode Hs ve)es ser mau, nem o camino do
demFnio
pode Hs ve)es ser bom.
> o camino do omem que - mut5vel, e pode dobrar%se a diversos, isto -, para o
camino de Deus ou para o camino do demFnio. Se, de fato, a necessidade se
curva H
cobi/a, e a cobi/a se dobra H iniqCidade, o camino do omem se dobra para o
camino do demFnio. Se, por-m, a mesma necessidade se dirige H medida, e a
medida
H +usti/a, o camino do omem passa a se dirigir ao camino de Deus. 9or isso di)
o
salmista4
06xal5 meus caminos se diri+am
para guardar tuas +ustifica/8es0.
$D.
<uem são os que caminam na Lei do Senor, os que nela permanecem, e os
que dela declinam.
0.em aventurados os que andam
na lei do Senor0.
Salmo 112, 1
'lguns andam na lei, outros permanecem na lei, outros ainda declinam da lei.
'ndam na lei aqueles que progridem no bem.
9ermanecem na lei aqueles que não se afastam do bem.
Declinam da lei aqueles que presumem o que não se deve fa)er.
$1.
' dire/ão do cora/ão umano.
B
0"onfessar%te%ei na retidão do cora/ão,
porque aprendi os +ulgamentos de tua +usti/a0.
Salmo 112, $
6 cora/ão do omem - reto quando a vontade umana se conforma H vontade
divina,
isto -, de tal modo que o omem odeie aquilo que Deus odeia e ame aquilo que
Deus
ama.
Somos instruídos para esta retidão pela lei de Deus, pois nela nos - mostrada a
vontade de Deus, vontade que - a regra de nossa vontade.
6 salmista mostra, por este motivo, que em primeiro lugar os caminos do omem,
isto -, as suas obras, se dirigem a guardar as +ustifica/8es de Deus para que depois,
então, o omem confesse a Deus na retidão do cora/ão.
<uem - que confessa a Deus= 'quele a quem agrada o que Deu) fa), este - quem
confessa a Deus. 'quele cu+a vontade e cu+o cora/ão são retos, que não difere de
Deus aprovando, discordando, odiando, amando, não fa)endo menos, não
transgredindo al-m.
$3.
<uem são os que buscam a Deus de todo o cora/ão, o que - buscar a Deus e
como deve ser buscado. * como algu-m - repelido dos mandamentos de Deus.
0*m todo ora/ão te busquei,
não me afastes dos teus mandamentos0.
Salmo 112, 1D
6s pagãos e os infi-is, os quais tributam onra divina H criatura, não buscam a
Deus.
Semelantemente tamb-m, os falsos fi-is, os que amam outros mais do que a
Deus,
0não buscam a Deus0.
#
.uscar a Deus - busc5%Lo al-m de tudo o mais, crendo pela f- estar *le al-m de
tudo
e amando%6 mais do que a tudo. .usca%6 de todo cora/ão aquele que dese+a
encontrar somente a *le.
0Gão me afastes dos teus mandamentos0.
> freqCente que o omem que se aproxima de Deus d*le se afaste por si mesmo,
pelo
mundo, pelo demFnio, Hs ve)es por Deus.
'fasta%se por si mesmo quando assim o fa), se+a por vontade pr:pria, se+a pela
concupisc(ncia da carne. 'fasta%se pela vontade pr:pria quando fa) algo grave
contra
aquilo que Deus quer porque pela vontade pr:pria ele quer algo diverso daquilo
que
Deus quer e que não pode ser feito simultaneamente com aquilo que Deus quer.
'fasta%se pela concupisc(ncia da carne quando a carne apetece alguma coisa
diversa
e s: com dificuldade a vontade condu) o espírito ao seu efeito.
'fasta%se pelo mundo quando - pressionado pelas adversidades ou - enredado
pelas
prosperidades.
'fasta%se pelo demFnio quando pela inoportunidade de suas sugest8es -
atormentado
sem cessar.
> afastado por Deus quando, levantando%se H contempla/ão de sua ma+estade, -
repelido pelos raios de incompreensível lu). *sta repulsão não - ira, mas exercício,
porque o omem - temporariamente repelido da sumidade para que pela
umildade
se+a melor exercitado nas coisas menores. De onde que est5 dito4
0Gão te afastes na ira
do teu servo0,
Salmo 3#, &
isto -, se te afastas, afasta%te de modo a que voltes.
0Lembra%te, portanto,
$
da escada de Iac:,
seus an+os sobem e descem0.
'lguns sabem subir, mas não sabem descer. Jma coisa - descer, outra coisa -
precipitar%se. Gão pertence ao omem subir sempre. Se não soubeste subir pela
devo/ão da mente, saibas descer pelo exercício da boa obra. Se não sabes descer,
não
sabes subir, e come/ar5s a cair depois de uma indiscreta e imoderada veem(ncia de
subir. 'o desceres, parecer5 que Deus, que est5 acima, se afasta. 9or-m est5
escrito4
0*xcelso - o Senor,
e ola para os umildes0.
Salmo 1E$, #
7elor, portanto, ser5 para ti que se+as umilde e visto por Deus, do que sublime e
por *le ignorado.
's aves, ao voarem, se cansam e descem sobre a terra para repousarem. 'lgumas,
por-m, amam os lugares limpos, enquanto que outras buscam os lugares
enlameados e
su+os. Se desces, portanto, que o teu repouso se+a nos lugares puros.
6 que - a contempla/ão, senão o c-u= 6 que - a opera/ão, senão a terra= Ga
contempla/ão voas, na opera/ão sentas%te. 7as escole locais limpos, obras boas,
evita e foge dos enlameados, onde se contaminam os que deles se aproximam, os
quais são as obras da imundície que contaminam os que delas se aproximam.
>s, portanto, repelido, ao te refa)eres, porque se descansas bem, tornar5s a
levantar%te mais forte.
$E.
"omo devem ser escondidas as palavras do Senor.
0Go meu cora/ão escondi tuas palavras,
para não pecar contra ti0.
Salmo 112, 11
2
*sconde no cora/ão a palavra de Deus aquele que a recebe pelo amor, que a ret-m
pela mem:ria e que a cobre pela umildade.
Se nunca fosse coberta, não seria conservada, se nunca fosse manifestada, nunca se
multiplicaria.
Gosso cora/ão - o nino, a palavra de Deus - o Fvo, a obra - a prole. 9rotege%a e
nutre%a. Gão ser5 vivificada a não ser que se+a alimentada.
9ecas, se não a recebes, pecas, se recebida a re+eitas, pecas se, retida, a expuseres
antes do tempo. 6 primeiro - dure)a, o segundo - neglig(ncia, o terceiro - soberba.
9or isso esconde%a, para que não peques.
$A.
's +ustifica/8es se fa)em pelas obras.
0.endito -s, Senor,
ensina%me tuas +ustifica/8es0.
Salmo 112, 13
Di) o 'p:stolo4
0Gão são +ustos diante de Deus
os que ouvem a lei,
mas os que praticam a lei
- que serão +ustificados0.
Kom. 3, 1E
Deus, portanto, +ustifica pela boa obra.
"onece as +ustifica/8es de Deus aquele que entende ser +usto que quem perpetrou
o
mal com deleita/ão não possa fa)er o bem sem dor e trabalo, e aquele que não
murmura na pena quando - umilado pela culpa.
&
$B.
<uais são os impedimentos do falar e quais são os +ulgamentos do cora/ão e da
boca. 's quatro coisas pelas quais se dão os +ulgamentos.
0Gos meus l5bios pronunciei
todos os +ulgamentos de tua boca0.
Salmo 112, 1E
.oa - a ordem4 primeiro a umildade do sil(ncio, depois o estudo da boa obra,
finalmente a confian/a de pronunciar a palavra.
Go meu cora/ão, o sil(ncio4
0*nsina%me tuas +ustifica/8es0,
a obra4
0nos meus l5bios pronunciei0,
e a palavra4
0todos os +ulgamentos de tua boca0.
Duas são as coisas que impedem o l5bio do omem de falar4 a ignorLncia, quando
não
sabe, e a consci(ncia m5, quando se envergona. 9or este motivo, contra a
ignorLncia,
0no meu cora/ão escondi tuas palavras0,
contra a m5 consci(ncia,
0ensina%me tuas +ustifica/8es0.
1D
09ronunciei0 significa a confian/a no falar. 0;odas as palavras de tua boca0
significa
nada ter escondido, isto -, tudo ter dito. 6 que me disseste eu pronunciei, nada do
que
- teu eu escondi, nada do que - meu eu acrescentei, para que não pregasse a
falsidade ou negasse a verdade.
6s +ulgamentos do cora/ão são os que são escondidos, os +ulgamentos da boca são
os
que são manifestos. 6s +ulgamentos da boca são os que propuseste, os +ulgamentos
do
cora/ão, os que escondeste. 6s +ulgamentos do cora/ão são aqueles onde a
senten/a
- ditada, os +ulgamentos da boca, aqueles onde a senten/a - estendida.
's coisas, portanto, que são manifestas, são pronunciadas, as coisas que são
escondidas, não podem ser conecidas. Silenciar aquelas seria torpor, presumir
nestas
seria orgulo.
<uatro são as coisas pelas quais se fa)em os +ulgamentos.
'lgumas ve)es Deus d5, para o bem, o mal pelo mal. Moi este o caso de Saulo em
que,
para sua corre/ão, foi%le imposta uma pena pela culpa.
6utras ve)es Deus d5, para o mal, o bem pelo bem. Moi este o caso do rico que
recebeu, em retribui/ão, abundLncia de bens pela +usti/a.
6utras ve)es Deus d5, para o mal, o mal pelo mal. Moi o caso de Herodes, de
'ntíoco
e de Iudas, que receberam, para sua condena/ão, a pena pela culpa.
6utras ve)es, finalmente, Deus d5, para o bem, o bem pelo bem. Moi este o caso de
'braão e de I:, que receberam, para a salva/ão, a abundLncia pela +usti/a.
$#.
<uem se exercita nos mandamentos de Deus.
07editarei nos teus preceitos,
e considerarei os teus caminos0.
11
Salmo 112, 1B
7edita nos preceitos de Deus aquele que pelo estudo presente os aprende para
alcan/ar bens melores e futuros.
7edita, portanto, nos preceitos de Deus quem sempre considera os bens que fa),
para
que por eles creia preparar%se para fa)er os bens que ainda não iniciou, para que se
+ulgue não como consumado, mas se considere sempre como principiante.
$$.
6s mNltiplos caminos de Deus, e quem são os que os consideram.
0* considerarei os teus caminos0.
Salmo 112, 1B
6 camino de Deus - aquele pelo qual nos vem a inspira/ão interior, - a boa obra
pela
qual vamos at- *le.
"onsidera os caminos de Deus aquele que, pelo estudo da boa obra a ser exercida,
est5 sempre vigilante. "onsidera tamb-m os caminos de Deus aquele que, para
conecer o tempo de sua visita/ão, observa diligentemente dentro de si o seu
advento,
quando vem e aos quais vem.
$2.
"omo o salmista afirma que as palavras do Senor são doces para as suas
faces. Se ele as come e se, portanto, são alimento. De que alimento se trata.
0<uão doces são para a mina garganta
as tuas palavras,
são mais doces do que o mel
para a mina boca0.
13
Salmo 112, 1DE
Gão consideras, irmão, que este omem costumava comer as palavras de Deus,
para
que dissesse4
0<uão doces são para a mina garganta
as tuas palavras0=
* quem - que comeria as palavras de Deus= Se, portanto, as palavras de Deus
podem
ser comidas, - porque na realidade elas são alimento. * que alimento= Gão são
alimento para o ventre, mas para a mente. 9odem ser para a mesma pessoa +e+um
para o ventre e alimento para a mente. De fato, di) a *scritura,
0Gão s: de pão vive o omem,
mas de toda a palavra
que procede da boca de Deus0.
7at. A, A
*, todavia, 5 alguma semelan/a entre o alimento do ventre e o alimento da
mente.
9or este motivo a palavra de Deus - dita alimento, porque assim como o alimento
corporal - refei/ão para a carne, assim tamb-m a sabedoria - pasto para a mente.
6 alimento corporal cont-m em si tr(s coisas4 sabor, nutri/ão e massa. 6 sabor
deleita, a nutri/ão sustenta, a massa onera. 6 sabor pertence ao paladar, a nutri/ão
H
nature)a, a massa H mis-ria. ' gula percebe o sabor, o estFmago recebe a nutri/ão
e a
massa. 6 estFmago recebe a nutri/ão para a refei/ão e recebe a massa para o peso.
'
nutri/ão - recebida para que se transforme em corpo, a massa - recebida para que
se+a expulsa. 6 sabor, de certo modo, - espiritual, e por isso somente deleita, sem
onerar.
' fome, por este motivo, nunca pode ser saciada na garganta, porque ali o apetite
não
tem medida, nem a deleita/ão tem fim.
I5 no estFmago a fome recebe a saciedade, pois ali o apetite de comer possui uma
1E
certa medida e a deleita/ão possui fim. 'li a nutri/ão que sustenta não - recebida
sem
a massa que onera. Go estFmago, para que não se apete/a al-m do modo em que
aproveita, a pr:pria massa simultaneamente recebida, onerando%o, refreia o apetite.
<uando o seu peso come/a a agravar o estFmago e de certo modo, a sufoc5%lo,
algo
que - tolerado contra a vontade, a nutri/ão pela qual nos refa)íamos +5 deixa de
nos
apetecer.
9ortanto, irmão, quando comeres, não queiras consultar se a tua garganta est5
satisfeita, se seguires o seu +ulgamento, antes que satisfa/as a sua deleita/ão, ter5s
sufocado o teu estFmago pelo peso. 9refere consultar o ventre quanto H medida do
comer, antes que ele comece a te doer, modera a avide) da garganta.
;udo isto, por-m, deve ser entendido do alimento corporal. Go que di) respeito H
refei/ão espiritual, ao contr5rio, deve%se consultar antes a garganta do que o
ventre.
Digo a garganta, não a da carne, mas a espiritual, e digo o ventre, não por-m o
ventre
da carne, mas o espiritual.
'ssim como reconecemos o alimento espiritual, assim tamb-m devemos entender
espiritualmente a garganta e o ventre. 6 alimento espiritual, isto -, a palavra de
Deus,
tal como o alimento corporal, tem H semelan/a deste o seu sabor, pelo qual se
deleita
a garganta espiritual, tem a sua nutri/ão, que - pasto e que d5 vida H substLncia
espiritual. 9ossui tamb-m a sua massa que, de certo modo, pressiona e onera a
enfermidade.
"amamos de garganta espiritual ao paladar do cora/ão. 6 sabor da palavra de
Deus
- o gosto da do/ura interior.
' alma - ela pr:pria a substLncia espiritual. ' nutri/ão da palavra de Deus - o
exercício da virtude, a sua massa - o peso do trabalo.
<uando o sabor da do/ura interior - recebido sem fastio, a garganta do cora/ão
recebe sua deleita/ão como de um certo gosto de alimento espiritual, mas não pode
saciar%se. 6 exercício da virtude, pelo qual a alma se alimenta, não - recebido sem
o
peso do trabalo, pelo qual a carne - onerada, como se esta fosse um certo
estFmago
de nossa sensualidade.
1A
<uando algu-m recebe o alimento pelo exercício da boa obra, o pr:prio trabalo
da
obra castiga aquele que - onerado para que não se apete/a al-m da medida a
virtude
atrav-s da qual se fa) a refei/ão.
I5 entendes suficientemente, conforme penso, o que significavam para o salmista
estes versos4
0<uão doces são para a mina garganta
as tuas palavras,
são mais doces do que o mel
para a mina boca0.
6 salmista, de fato, não di) que as palavras de Deus eram doces para o seu ventre,
mas para a 0sua garganta0. Gão que fossem doces para o seu estFmago, mas para a
0sua boca0. *le se expressa como se quisesse di)er4
09ela tua palavra, Senor,
o ventre da carnalidade - onerado,
mas o paladar do cora/ão se deleita0.
6 paladar do cora/ão deleita%se interiormente pelo sabor da do/ura porque, se
exteriormente o labor da obra onera a enfermidade, interiormente, por-m, o dese+o
encontra o pasto pela do/ura e pelo gosto da suavidade.
Daqui procede o modo com que aquele amado e querido Ioão, que tão
freqCentemente
e de tão boa vontade costumava comer a palavra de Deus, se mostra a si mesmo,
di)endo4
0Kecebi o livro da mão do an+o
e o devorei.
Ga mina boca
era tão doce quanto o mel,
tendo%o, por-m, devorado,
amargou o meu ventre0.
'poc. 1D, 1D
'ssim tamb-m tu, irmão, devora o livro da vida. "ome a palavra de Deus. 7as não
apenas come, come tamb-m avidamente, e não queiras, se sentires no ventre algo
do
1B
seu amargor, afastar%te da do/ura de seu sabor.
$&.
"omo "risto - lu) para n:s.
0LLmpada para os meus passos
- a tua palavra,
lu) para o meu camino0.
Salmo 112, 1DB
' lLmpada - uma lu) em um vaso, a lu) est5 no vaso assim como a divindade de
"risto
est5 em sua umanidade. 6 vaso - a sua umanidade, a lu) - a sua divindade.
6 camino de que nos fala o salmista - a vida, as trevas são a ignorLncia.
"risto nos precedeu condu)indo a lLmpada, segue%o o cristão tendo o camino do
exemplo. *le nos propFs a sua umanidade resplandescente, levantou esta lLmpada
pela sua divindade, para que pud-ssemos v(%la pela f-, caminar pela obra e
dirigir%nos pela imita/ão do Nnico que nos precede, n:s, os muitos que o seguimos.
1#

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful