You are on page 1of 32

• Conceito

• Importância
• Conseqüências
• Metodologia
• Monitor/Instrutor
 Apoiando esta iniciativa, o Espírito
Angel Aguarod, em mensagem
recebida, no ano de 1977, na
Federação Espírita do Rio Grande do
Sul, enfatiza:

“Cabe, pois, aos Espíritas,


responsáveis pelo
Movimento Espírita, uma
ampla tarefa de
divulgação das obras
básicas da Doutrina
Espírita, promovendo um
estudo sistemático das
Campanha do Estudo
Sistematizado da Doutrina
Espírita - ESDE, ocorrido
na reunião do Conselho
Federativo Nacional de
1983, em Brasília,
representou avanço
significativo no trabalho
de Unificação do
Movimento Espírita.
Mensagem recebida na ocasião do
lançamento da Campanha do ESDE
de 1983
“Um programa de estudo
sistematizado da Doutrina Espírita,
sem nenhum demérito para todas
as nobres tentativas que têm sido
feitas ao longo dos anos (...) é o
programa da atualidade sob a
inspiração do Cristo (...).”

Bezerra de Menezes, psicografia de


Divaldo P Franco

(
Obras Póstumas, Projeto, 1868

“Considero esse curso


como de natureza a
exercer capital
influência sobre o futuro
do Espiritismo e sobre
suas conseqüências”

Allan Kardec
Conceito

 O ESDE é uma reunião privativa de


grupos, a qual objetiva o estudo
metódico, contínuo e sério do Espi-
ritismo, com programação
fundamen-tada na Codificação
Espírita.
Importância
A necessidade de sistematização do
estudo do Espiritismo foi antevista por Allan
Kardec, conforme se lê no Projeto 1868,
inserido em “Obras Póstumas”, in verbis:
Um curso regular de Espiritismo seria
professado com o fim de desenvolver os
princípios da Ciência e de difundir o gosto
pelos estudos sérios (...) Considero esse
curso como de natureza a exercer capital
influência sobre o futuro do Espiritismo e
sobre suas conseqüências.
Importância (cont. 1)

O pensamento espírita, neste ponto,


não deixa margem para muita
divagação. O conhecimento há de ser
limitado, porque somos naturalmente
limitados. Mas o espírito progride em
conhecimento e em moralidade, cedo ou
tarde, como aprendemos em “O Livro
dos Espíritos” – Questão 192.
Importância (cont. 2)

Conhecimento
... É fruto de longa paciência, de
ardorosa boa vontade e de profunda
meditação (DEJEAN, Georges. A Nova Luz).
Importância (cont. 3)

O conhecimento espírita é orientação


para a vida essencial e profunda do ser.
Claro que a evolução é lei para todas as
criaturas, mas o Espiritismo intervém no
plano da consciência, ditando normas de
comportamento suscetíveis de traçar
caminhos retos à ascensão da alma, sem
necessidade de aventuras nos labirintos
da ilusão que correspondem a curvas
aflitivas de sofrimento.
(XAVIER, Francisco Cândido. Agenda Cristã. Ditado pelo Espírito André Lu
Importância (cont. 4)

Então, à medida que o Espírito


desenvolve todo o seu potencial, não
apenas intelectual, mas também
moralmente, tem mais possibilidade de
avançar no conhecimento. Se não pode
chegar à essência absoluta das coisas
porque não tem instrumentos adequados
a este tipo de inquirição, pelo menos
adquire uma visão mais lúcida e cada vez
mais profunda e ampliada.
Importância (cont. 5)

O conhecimento real não é construção


de alguns dias. É obra do tempo.
(XAVIER, Francisco Cândido. Agenda Cristã. Ditado pelo Espírito André Lu
Importância (cont. 6)

O velho problema do conhecimento da


coisa em si mesma dividiu muito os
círculos filosóficos. Para uns, o
conhecimento humano é todo exterior,
pois ninguém chega à essência. Para
outros há possibilidades de ir além do
aspecto formal. E onde a Doutrina nos
deixa, a este respeito?
Importância (cont. 7)

Ela nos deixa exatamente neste ponto:


embora reconhecendo a nossa
incapacidade para chegar às últimas
causas, temos meios de progredir no
conhecimento e ultrapassar as restrições
impostas pela matéria. É questão de
maturidade e perseverança, pois a verdade
não está nos objetos nem tampouco nas
fórmulas e nos conceitos: a verdade é luz
interior. (AMORIM, Deolindo. Análises Espíritas)
Conseqüências
Não obstante a definição muito clara do seu
objetivo, que é o de estudar a Doutrina Espírita, o
ESDE traz conseqüências bastante amplas para
aqueles que dele participam. Essas conseqüências
podem-se resumir da seguinte maneira: 1) facilita a
reforma íntima; 2) garante a unidade de princípios
doutrinários espíritas; 3)
proporciona a
propagação da
Conseqüências (cont.)

Doutrina Espírita nas bases em que foi


codificada; 4) desenvolve a fé raciocinada;
5)
se-gurança; 6) serenidade; 7) equilíbrio 8)
auto-ridade.
Princípios Metodológicos
utilizados no ESDE

1. O (...) “estudo de uma doutrina, qual a


Doutrina Espírita (...), só pode ser
feita com utilidade por homens sérios,
perseve-rantes, livres de prevenções
e animados de firme e sincera
vontade de chegar a um resultado.”
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Introdução VIII.
Princípios Metodológicos
utilizados no ESDE
2. “O que caracteriza um estudo sério é
a continuidade que se lhe dá (...).
Quem deseje tornar-se versado numa
ciência tem que estudar
metodicamente, começando pelo
princípio e acompanhando o encadea-
mento e KARDEC,
o Allan.
desenvolvimento das
O Livro dos Espíritos. Introdução VIII.

idéias.”
Conteúdo Programático

PROGRAMA
PROGRAMA FUNDAMENTAL:
FUNDAMENTAL: subdi-vidido
subdi-vidido
em
em dois
dois tomos,
tomos, cada
cada um
um contendo
contendo nove
nove
módulos
módulos de
de estudo.
estudo.

PROGRAMA
PROGRAMA COMPLEMENTAR:
COMPLEMENTAR: cons-
cons-
tituído
tituído de
de um
um único
único tomo,
tomo, também
também com
com
nove
nove módulos
módulos de
de estudo.
estudo.
Formatação Pedagógica
Utilização, em ambos os programas, do sistema de
módulos para agrupar assuntos semelhantes, os quais
são desenvolvidos em unidades básicas denominadas
roteiros de estudo.
A duração mínima prevista para execução do Curso
é de dois anos letivos.
Cada roteiro de estudo deve, em princípio, ser
desenvolvido numa reunião semanal de 1 hora e 30
minutos.
Composição Didática do
Roteiro de Estudo
• PÁGINA DE ROSTO: número e nome do módulo; objetivos: geral e
específico, idéias básicas.
• SUGESTÕES DE DIDÁTICAS: indica como aplicar e avaliar o assunto de
forma dinâmica, segundo os seus objetivos e o seu conteúdo básico.
• FORMULÁRIO DE SUBSÍDIOS: variáveis em número, de acordo com a
complexidade do assunto.
• FORMULÁRIO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. Alguns roteiros
possuem anexos, glossários e atividades extraclasse.
Novo Programa do Curso Estudo
Sistematizado da Doutrina
Espírita

Oferece
Oferece Segue
Segue aa
uma
uma visão
visão ordem
ordem
panorâmica
panorâmica seqüencial
seqüencial
ee dos
dos assuntos
assuntos
doutrinária
doutrinária existentes
existentes
do
do em
em O O Livro
Livro
Espiritismo
Espiritismo dos
dos Espíritos
Espíritos
Programa Fundamental –
Tomo I
Módulo I: Introdução ao estudo do
Espiritismo
Módulo II: A codificação espírita
Módulo III: Deus
Módulo IV: Existência e sobrevivência do
Espírito
Módulo V: Comunicabilidade dos Espíritos
Módulo VI: Reencarnação
Módulo VII:Pluralidade dos mundos habitados
Módulo VIII: Lei divina ou natural
São conteúdos doutrinários existentes em O Livro dos
Módulo: introdução,
Espíritos IX: A lei de adoração
primeira, segunda e terceira partes.
Programa Fundamental –
Tomo II
Módulo X: Lei de liberdade
Módulo XI: Lei de progresso
Módulo XII: Lei de sociedade e Lei do trabalho
Módulo XIII: Lei de destruição e Lei de
conservação
Módulo XIV: Lei de igualdade
Módulo XV: Lei de reprodução
Módulo XVI: Lei de justiça, amor e caridade
Módulo XVII: A Perfeição Moral
Módulo XVIII: Esperanças e Consolações
São conteúdos doutrinários existentes em O Livro dos
Espíritos: terceira e quarta partes.
Programa Complementar – Tomo
Único

Módulo I: Vida no mundo espiritual


Módulo II: Fluidos e perispírito
Módulo III: O fenômeno de intercomunicação
mediúnica
Módulo IV: Dos médiuns
Módulo V: Da prática mediúnica
Módulo VI: Obsessão e desobsessão
Módulo VII: Fenômenos de emancipação da alma
Módulo VIII: A evolução do pensamento religioso
Módulo IX: Movimento Espírita e Unificação
São conteúdos doutrinários existentes em O Livro dos Espíritos:
segunda parte.
Novo Programa do ESDE
O Monitor/Instrutor do
ESDE
Conceito:
 é a pessoa que se dispõe a
orientar a aprendizagem de
alguém;
 é o estimulador do processo
ensino-aprendizagem.
1. Relação com o grupo
 Observar a equipe.
 Ser alegre, sem irreverência.
 Ser paciente.
 Obter atenção.
 Falar olhando o participante.
 Falar com segurança (convicção).
 Demonstrar interesse e entusiasmo.
 Incentivar o grupo.
2. Controle do Nervosismo

 Dominar o assunto.
 Desenvolver auto-estima e
autoconfiança.
 Ter cautela no que falar, como falar
observando o momento propício.
3. Controle da voz e da
Postura
 Usar linguagem digna e correta (evitar gírias e
vícios de linguagem).
 Formular corretamente as frases evitando as
dúvidas.
 Administrar a velocidade, o tom, as pausas e a
pronúncia das palavras.
 Gesticular com moderação.
 Vestir-se com discrição.
 Portar-se com gentileza.
 Exemplificar no bem.
AS QUALIDADES DESEJÁVEIS DO
MONITOR COMO LÍDER
DEMOCRÁTICO (sua atuação em
sala de aula)
 Sabe o que faz sem perder a tranqüilidade.
Todos podem confiar nele em qualquer
emergência.
 Ninguém se sente marginalizado ou rejeitado por
ele. Ao contrário, sabe agir de tal forma que
cada um se sente importante e necessário no
grupo.
 Interessa-se pelo bem do grupo. Não utiliza o
grupo para interesses pessoais.
 Mantém-se calmo no debate.
 Distingue bem a diferença entre o falso e o
verdadeiro, entre o profundo e o superficial,
entre o importante e o acessório.
AS QUALIDADES DESEJÁVEIS DO
MONITOR COMO LÍDER
DEMOCRÁTICO (sua atuação em
sala de aula)
 Facilita a integração do grupo. Procura fazer com que o
grupo atue harmoniosamente, sem dominação.
 Pensa que o Bem sempre acaba vencendo o Mal. Jamais
desanima diante da opinião daqueles que só vêem perigo,
sombra e fracassos.
 Sabe prever. É flexível, porém evita a improvisação. Pensa
até nos menores detalhes.
 Acredita na possibilidade de que o grupo possa encontrar
por si mesmo a saída para as soluções dos problemas e
conflitos, neutralizando os melindres e a insatisfação.
 Dá oportunidade para que os outros se promovam e se
realizem. Pessoalmente, proporciona todas as condições
para que o grupo funcione bem.