You are on page 1of 6

Gênesis

Capítulo 7 da lição 7

LER GEN:7 todo

Este capítulo abre com um convite… ou, para os batistas entre nós, uma chamada do
altar: Deus diz “venha, Noé, você e todos seus familiares.....entrem na Arca”. Noé
pode ter construído a Arca, mas Deus preparou-a toda. E, não seria a última Arca do
refúgio que Deus prepararia. Este era um convite muito exclusivo; somente aqueles a
quem Deus escolheu poderiam atender. Este convite incluiu mesmo um RSVP.....Noé
teve que responder, ele teve que atuar. Sentar e não fazer nada significava morte.
Qual era a linha divisória entre aqueles que receberam o convite e aqueles aos quais
ele foi negado.....aqueles que foram escolhidos e aqueles que não foram? A pessoa
tinha que ser tzaddik.....palavra do hebraico para íntegro. E, Deus diz que Noé era o
único homem íntegro que havia na terra.

Se nós puxarmos este padrão para a frente alguns milhares de anos, nós
encontraremos que Deus preparou uma Arca final, Yeshua, Jesus Cristo, como um
abrigo seguro para o íntegro.....o tzaddik.....para aquele dia em que derramará Sua ira
e acabará com o mundo como nós o conhecemos...... outra vez. Pois, alegremente, eu
Jesus é a Arca final, preparada posso garantir a vocês que Deus não destrói o bom junto com o mau.
por Deus, para nós.
Agora, diz-se freqüentemente que a maior diferença entre o caminho de Deus do AT, e
o caminho de Deus do NT, é que no AT um homem tinha que trabalhar para alcançar sua retidão, e o homem do NT
recebe-a como um presente. Mais ainda, eram as boas obras que conduziam um homem a algum tipo
indeterminado de Salvação no AT, e a graça através da fé que traz um homem a um tipo bem definido de Salvação
no NT. Bem, nós poderíamos passar muitas semanas falando sobre isto, mas deixe-me apenas gastar alguns
momentos para dissipar algum ensinamento e teologia anti-semita realmente horrível, e substituí-lo com a verdade.

É verdade que se lermos os trabalhos (comentários) dos mais antigos dos sábios hebreus, ou dos mais atuais (os
rabinos), geralmente nós encontraremos uma grande ênfase colocada em FAZER o que Deus ordena.....o que é
chamado geralmente de obras e legalismo; mas, a razão para a obsessão dos hebreus com o FAZER.....sua
motivação.....é muito menos uma questão de ganhar algo com isto, do que da obediência devida à gratidão extrema
de ser alguém do povo escolhido por Deus. Quando nós nos transformamos em
crentes, e quando nós estudamos os grandes eruditos cristãos, fica claro para
nós que a graça é a chave de nosso relacionamento com Deus. Mas, igualmente
ensina-se geralmente que a graça é uma dispensação do NT que não estava
disponível antes do nascimento de Cristo. E que, essa retidão concedida ao
adorador, completamente imerecida e gratuita, é um conceito do NT. Daqui em
diante esta falsa proposição é colocada constantemente diante de nós em
nossos locais de culto: que nós devemos escolher a Lei ou a Graça. A idéia é que
nós poderíamos escolher tentar seguir a Lei (o AT, à maneira que se diz que os
hebreus fazem) suficientemente bem para “ganharmos” ou “merecermos” nossa
retidão e conseqüentemente nosso lugar no céu (mas, naturalmente, iremos
finalmente falhar), ou nós podemos escolher ter a fé em Cristo, e pela Graça
termos 100% garantido nosso lugar no céu. Deixe-me dizer-lhe algo: nunca,
nunca, nunca Deus colocou esta escolha diante de nós na Bíblia. Esta dinâmica
simplesmente não existe em qualquer lugar nas Escrituras Sagradas. É uma
doutrina feita pelo homem para assegurar que os Judeus fiquem mal-vistos e
sejam mantidos fora da igreja gentia. Agora, apenas para que você não comece a É dito que no AT a justiça é pelas
formar uma idéia errada, NATURALMENTE a única maneira de se ter um obras, e no NT ela é pela fé. Isso não é
relacionamento com Deus é pela graça imerecida, um presente de Deus, dado correto.
por meio de Jesus.
O fato, entretanto, é que os hebreus não acreditavam que eles poderiam “trabalhar seu caminho para o céu”. E,
reconheceram inteiramente que a retidão tinha que ser um presente de Deus.....isto é, pela graça.....porque mesmo
o melhor dos homens não era diferente do pior. Se você aprecia desafios, eu recomendo que você leia um livro de
E.P. Sanders, considerado um dos grandes eruditos cristãos mais influentes de nosso dia; esse livro é Paulo e o
Judaísmo Palestino. Porque ele faz um estudo inovador sobre o que era o judaísmo e conseqüentemente, Paulo. O
que ele estava querendo dizer através do que ele disse. É uma leitura pesada, porque traz citações extensivas do
Mishna, do Zohar, e do Talmude para extrair um retrato do que ele chama de Judaísmo Palestino. Embora não seja o
ponto de seu livro, dissipa muitos mitos e acusações ignorantes atiradas constantemente de encontro à religião dos
hebreus, que os acusa geralmente de ser uma fé legalística e baseada em trabalhar-a-própria-salvação.

Desde que nós estamos estudando a época do Grande Dilúvio, eu


gostaria de oferecer como um exemplo deste umas citações do
Mishna Rabbah (um comentário hebraico antigo) sobre por que é que
Noé foi salvo, mas o resto do mundo não. Compreenda, isto não é
certamente a ÚNICA visão judaica do assunto, mas é de longe a mais
aceita. Igualmente entenda , que nós estamos lendo os escritos dos
mesmos homens hebreus que os eruditos cristãos gentios dizem não
ter nenhuma compreensão da graça, nem que a graça tenha existido
até o advento de Jesus'. Interessantemente, entretanto, o primeiro
uso da palavra graça na Bíblia não é encontrado nos evangelhos do
NT, mas em Gênesis 6. Ouça com cuidado agora um trecho do
comentário de Mishna Rabba Bereshith.....isto é, Mishna Rabba no
livro de Gênesis. PORÉM NOAH NOÉ ENCONTROU GRAÇA AOS OLHOS
DO SENHOR (6:8). ARCJó 22:30: "e livrará até ao que não é inocente (i
naki) ; sim, ele será libertado pela pureza de tuas mãos". R. Hanina
Porém, Noé encontrou graça aos olhos do SENHOR. disse: Noé possuía menos do que uma onça (unkia) [de mérito]. Em
caso afirmativo, por que foi poupado? Somente ‘pela pureza de Tuas
mãos'. Isto concorda com o que o R. Abba B. Kahana disse: Pois eu me arrependo de tê-los feito e a Noé. Mas Noé
foi poupado somente porque achou graça; PORÉM NOÉ ENCONTROU GRAÇA AOS OLHOS DO SENHOR.

Ou seja quando o rabino disse que Noé foi poupado somente pela pureza das TUAS mãos, as “tuas mãos” estavam
se referindo às mãos de Deus, não ás mãos da pessoa. Mais ainda, onde diz que Noé possuía somente uma onça
(unidade de medida equivalente a mais ou menos 28 g – N. do T.) de mérito, é simplesmente uma expressão que
significa que Noé tinha muito pouco mérito em sua vida. Tão pouco, que, de acordo com estes rabinos, Deus não se
arrependeu apenas de ter feito todos os homens, à exceção de Noé; Arrependeu-se de ter feito todos os homens
INCLUSIVE Noé. Assim, é um bocado misterioso, pensavam os rabinos, o que fez com que Deus salvasse Noé em vez
de alguma outra pessoa ou povo. A resposta? Graça. Favor imerecido.

Estavam eles errados? Esperava Deus certamente que eles trabalhassem seu caminho de volta para a retidão (já
que nós estamos na parte a mais inicial do AT), naqueles dias pré-Jesus, dias antigos? Bem, estes líderes dos hebreus
não pensavam assim. E, escute esta referência a Abraão, encontrada em Gênesis 15:6 ARAGenesis 15:6 Ele (Abraão)
creu no SENHOR, e isso lhe foi imputado para justiça.

Abraão confiou em Deus, e assim Deus diz que considerará essa confiança como a razão para DAR a designação de
íntegro a Abraão. Isto é EXATAMENTE o que acontece quando nós confiamos em Jesus. A palavra que nós usamos
para isto é graça. Noé não ganhou sua retidão e nós não ganhamos a nossa; ele e nós recebemos simplesmente a
graça. Essa parte da equação NUNCA foi diferente desde o começo do mundo até hoje.

Assim, já é tempo de a doutrina cristã equivocada que exige que nós escolhamos a Lei ou a Graça, ser deixada de
lado. Essa escolha nunca foi colocada diante de nós pelo Senhor. A Lei nunca foi um documento de salvação. Desde o
começo, ao longo de todo o AT, e até o Apocalipse, a Graça foi sempre a única maneira de se ter um relacionamento
direto com o Senhor. Os hebreus acreditaram nela, da mesma forma como nós acreditamos. Esta dinâmica foi
formada com o único propósito de conseguir fazer-nos acreditar que, para o cristão, a Bíblia começa no livro de
Mateus. Que o AT é obsoleto. Que a Torah está abolida agora. E, que os judeus foram descartados por Deus em
favor da igreja gentia. Nada disso é assim.
Freqüentemente todos nós temos visto figuras nas Bíblias, livros de
igreja, e mesmo em livros escolares, dos animais que entraram na
Arca, dois a dois. Contudo, aquela é somente metade da história;
porque quando nós olharmos com cuidado no verso 2, nós veremos
que de fato somente ALGUNS animais deveriam vir em um único par,
e outros deveriam vir em 7.....isto é, sete pares, 14 animais. 14 de
cada animal limpo, mas somente 2 de cada dos animais imundos,
deveriam ser levados a bordo da Arca.

Nós somos introduzidos aqui ao conceito de animais limpos e


imundos.....no hebraico, tahor, limpo, e tamei, imundo. Agora, em
nossa moderna igreja cristã gentia, uma igreja que foi desprovida há
muito tempo de todas as conexões judaicas, este conceito de limpo e
de imundo é estranho a nossas mentes, e nós atribuímos-lhe

tipicamente todas as sortes de significados fantásticos e Dois a dois?


errôneos.....ou nós apenas contornamos mentalmente aquelas
palavras. No devido tempo, na Classe de Torah, nós estudaremos com cuidado os conceitos de limpo e de imundo, e
eu prometo-lhes uma riqueza da compreensão de Deus, da Bíblia, e de como o universo espiritual e físico opera em
conseqüência.

Um exemplo de nossa triste ignorância sobre limpo e imundo está contida no famoso (e excelente, eu posso
acrescentar), comentário de Henry Morris chamado O Registro de Gênesis; lá ele explica que talvez os animais
limpos fossem os animais que Deus decidiu que seriam bons para a “domesticação e companhia do homem”, e os
imundos não eram. Nada disso. Toda criança judaica poderia dizer-lhe exatamente o que é limpo e o que é imundo:
limpo significa ritualmente puro, e imundo significa NÃO ritualmente puro. No caso dos sacrifícios de animal a Deus,
somente os animais “limpos” podem ser usados. No caso do alimento, somente os animais limpos podem ser
comidos. No sentido do alimento, a palavra comum que nós usamos para ele hoje é “Kosher”.

Mas, a pergunta é, estavam estes animais.....ou pelo menos


alguns deles.....sendo carregados na Arca com a finalidade de
ser parte da cadeia alimentar durante seu confinamento na
Arca.....alimento para o consumo humano? Bem, até agora, o
único alimento apropriado para seres humanos era vida
vegetal. Deixe-me pausar aqui por um momento e dar-lhes
um princípio que os ajudará a estudar a Bíblia; é que o termo
“alimento” se refere SOMENTE às coisas que são comidas
normalmente e habitualmente. Ou seja para dar um exemplo
extremo, se nós estivéssemos discutindo os benefícios do fio
dental, ninguém retrataria o fio dental como uma possível
fonte de alimento. Inversamente, se nós discutíssemos o
alimento, ninguém incluiria nunca o fio dental como um
membro possível de nossa pirâmide alimentar. Para qualquer
de nós, alimento é aquilo que nós podemos comer, e o que é
entendido para essa finalidade. Assim, para um hebraico, a

carne que não é kosher não é alimento. A carne ritualmente


imunda não é alimento proibido.....ela não é alimento de
forma nenhuma. Assim, quando a Bíblia fala do alimento, de
NÃO ERA ALIMENTO ATÉ nenhuma maneira está se referindo às coisas que não
estavam dentro da atual escala do normal e do habitual. E,
DEPOIS DO DILÚVIO
lembre-se, a Bíblia é um documento hebraico, redigido por
hebreus, em um ambiente cultural hebraico. Isto é assim de
Gênesis à Apocalipse. No caso de Gênesis e de Noé, antes do
dilúvio, o alimento era SOMENTE plantas verdes. Os animais
não eram mais candidatos a ser alimento do que uma rocha ou um punhado da sujeira. Noé e suas crianças não
estavam com fome de uma agradável bisteca.....porque aquilo não era alimento; o alimento eram plantas
comestíveis.

O homem, na época do dilúvio e desde o tempo de Adão, não tinha recebido o conceito de comer outras criaturas
vivas como uma fonte de alimento. Eu tenho poucas dúvidas de que aqueles da linha má de Caim, como ficaram
cada vez mais maus, provavelmente mataram animais e até mesmo comeram de sua carne, mas isto era parecido
com o canibalismo. Mas, desde que Deus chamou Noé de homem íntegro, eu igualmente não tenho dúvida que Noé
e sua família permaneceram vegetarianos. Assim, antes do dilúvio, para Noé, limpos e imundos simplesmente
significava os animais que Deus lhe tinha dito que eram apropriados para o sacrifício e aqueles que não
eram.....alimento não era parte da equação.

Agora, quais animais eram


limpos, e quais não eram? Nós
não podemos ter 100% de
certeza. Muitos séculos no
futuro, Deus daria a Moisés uma
lista detalhada de animais
limpos. Nós sabemos somente
com certeza que carneiros,
cordeiros, eram limpos nos dias
de Noé, porque aquele é o único
animal mencionado como tendo
sido sacrificado, e isto por Abel.
Dito isto, é razoável concluir que
as classificações de limpos e de
imundos permaneceram as
mesmas até a era de Moisés; no
Monte Sinai, a lista daqueles
LIMPOS IMUNDOS animais apropriados para o
sacrifício tornou-se harmonizada
com aqueles apropriados para a alimentação.

Assim, os animais, Noé, sua esposa, suas crianças, e as esposas dos seus filhos estão agora em segurança na Arca.
Então, há uma pausa solene. Uma pausa de sete dias antes de Deus derramar sua devastação sobre o mundo. Eu não
sei se esta era simplesmente uma coisa prática, para dar a Noé algum tempo para realizar alguns dos últimos
detalhes.....ou.....se era hora para que Noé e sua família contemplasse o que estava a ponto de acontecer. Ou talvez
fosse a hora para aqueles que estavam fora da Arca reconsiderar; aqueles que prestaram atenção a esse homem a
quem consideraram um maluco religioso e seus filhos construírem essa embarcação de madeira enorme e então
entrarem para dentro dela. Infelizmente, mesmo aqueles que podem ter reconsiderado estavam demasiado
atrasados. Alguns podem bem ter recebido a mercê espiritual de Adonai, mas ninguém escaparia do horror do
dilúvio; teriam que assistir a todos que amaram se afogarem, porque eles mesmos igualmente pereceram.

No futuro muito próximo, isto se repetirá. E, é certamente uma


repetição do Grande Dilúvio, que nós veremos em um minuto. Os povos
de Deus serão removidos de repente por meio de nossa Arca celestial,
Yeshua, e arrebatados para serem preservados. E, então enquanto Deus
derrama sua ira sobre o mundo no tempo final, milhões de pessoas
descrentes entenderão que Deus é real, e tudo que Ele nos disse e
avisou-nos, era verdadeiro. Mas, estarão demasiado atrasados. A morte
estará sobre eles, e não haverá nenhum escape. Abram suas Bíblias em
Mateus 24 e vamos olhar as próprias palavras de Cristo para
verificarmos que o que eu disse a vocês não é de maneira alguma uma
alegoria: é literal e é muito direto. LEIA Mateus 24:30-44.

O fim da humanidade.....ou no hebraico “kol yeyum”, que significa “toda Noé e seus filhos constroem a Arca.
a existência” estava apenas há algumas horas quando Noé e sua família e
essa coleção enorme de animais se amontoaram dentro da Arca.
Eu não estou certo se algum de nós pode imaginar o que deve ter
atravessado as mentes de Noé e de sua família enquanto ouviam
os gritos frenéticos de seus vizinhos e amigos e família, sabendo
que eles não poderiam ajudar.

Há realmente muito pouco detalhe sobre o dilúvio. Contudo, há


algumas coisas que nós devemos observar, e guardar para
referência futura. Não há nenhuma dúvida de que os números
têm grande importância na Bíblia; podem ser literais, ou podem
ser simbólicos, e geralmente são literais e simbólicos ao mesmo
tempo (um outro aspecto da Realidade da Dualidade).

Depois do número 7, 40 é o segundo número mais usado na Bíblia. É usado geralmente quando uma
experimentação ou um teste de algum tipo está envolvido; ou como um período de provação. Pode marcar algo que
será o que nós podemos pensar como uma passagem de uma era para outra. Os hebreus vêem quarenta anos como
a idade da sabedoria. Os gregos viam quarenta como o pináculo da vida. E, é da combinação destas duas vistas que a
tradição cristã faz uma geração ser igual a 40 anos. Aqui no relato do dilúvio, nós encontraremos que choveu 40 dias
inteiros (isto é, quarenta períodos de 24 horas), e então foram outros 40 dias até que as partes superiores das
montanhas aparecessem e a janela na Arca fosse aberta. Jacó, chamado Israel, foi embalsamado por 40 dias. Moisés
esteve na montanha do Sinai e sem alimento por 40 dias. Jesus jejuou no deserto por 40 dias antes de ser tentado
pelo diabo (e, você pode achar interessante saber que ONDE Yeshua jejuou era Ofra.....que é agora um
assentamento Judaico Ortodoxo de West Bank que a Classe de Torah apóia financeiramente). Os 12 espiões de
Israel, em seu êxodo do Egito, que foram espionar os habitantes da terra de Canaã, fizeram seu trabalho por 40 dias.
No livro de Jonas, a Nínive foi concedido 40 dias de arrependimento para evitar a aniquilação. Quarenta dias são o
tempo da purificação exigido de uma nova mãe quando dá à luz uma criança masculina.

Isaac tinha 40 anos de idade quando casou com Rivkah (Rebeca). Moisés conduziu Israel no Deserto por 40 anos. Os
Reis Davi e Salomão governaram Israel cada um por 40 anos.

Nós veremos múltiplos de 40 anos sendo usados (esta é simbologia hebraica comum). Moisés seria de 120 anos de
idade quando morreu (3 x 40). Uma nova mãe é ritualmente imunda por 80 dias quando dá à luz uma criança do
sexo feminino (2 x 40).

Eu poderia dar muito mais exemplos, mas talvez agora você consiga ver a conexão.

Um item de interesse, negligenciado freqüentemente, é que não foi simplesmente os 40 dias de chuva que fizeram
com que os oceanos da terra transbordassem.....nos é dito igualmente no vs. 11 que as “fontes do grande abismo”
se abriram e a água jorrou delas também. Esta grande caverna subterrânea, ou talvez rede de cavernas, que até
então tinham se enchido com água, vomitavam-na agora para fora na superfície. NOTA: nós já encontramos o termo
“o grande abismo” antes. Lá atrás em Gênesis 1, nos é dito que a escuridão, ESCURIDÃO ESPIRITUAL, pairava sobre a
face do abismo. Poderia ser que este grande abismo, sendo esvaziado de sua água a fim de julgar o mundo com uma
inundação, tivesse sido aprontado igualmente para julgar Satanás? Pois em Apocalipse, lemos que no fim da
Tribulação Satanás será jogado no Abismo, o “abbussos”, a mesma palavra usada para “grande abismo”. Poderia a
fonte da água da enchente, e o lugar onde Satanás será acorrentado por 1000 anos, serem o mesmo lugar? Sim, eu
penso que é.

Agora, o verso 11 diz-nos que Noé tinha 600 anos de idade quando a chuva começou. Dá-nos até mesmo a data
onde o dilúvio começou, pelo menos com relação à vida de Noé. Diz que foi no 2º mês, no 17º dia desse mês,
quando o dilúvio começou. Agora, tem havido muitas interpretações sobre o quê exatamente foi dito aqui; e, a
igreja tem idéias variadas sobre se esse verso estava se referindo ao 17º dia do 2º mês do ano hebraico, ou, o 17º dia
do 2º mês do 600º ano da vida de Noé . Bem, é ambos. É tradição que Noé nasceu no 1º dia do 1º mês.....isto é, em
nossos termos, dia de Ano Novo. Além disso, como nós encontraremos no capítulo seguinte, teria sido no 27º dia do
2º mês que as águas baixaram suficientemente para que Noé e sua família saíssem da Arca ..... exatamente 1 ano.
Como posso eu dizer que isto é realmente um ano? Agora, tenha uma coisa em mente: este não era um ano solar, de
365 dias. Este era um ano lunar hebraico. Eram 12 luas novas mais 11 dias; geralmente aproximadamente 359 dias.
Agora, desde que a numeração dos meses, o começo do ano hebraico realizava-se originalmente na estação do
outono, era provável que o dilúvio tenha começado no que nós chamamos a primeira metade de novembro.

Uma vez que Noé e sua família.....especificamente, seus 3 filhos chamados Shem, Ham, e Yefet.....e suas esposas,
estavam a bordo, um período de 7 dias havia passado, e então os céus se abriam em cima, e a água jorrou de baixo
para cima. E então uma coisa verdadeiramente notável aconteceu: Deus fisicamente fechou a porta da Arca e os
trancou dentro. Que melhor retrato do controle do Deus sobre todas as coisas do que Ele mesmo fechando essa
porta, e assim naquele momento selando o destino de todos habitantes restantes do mundo à morte; exceto Noé e
a sua família. E, tenha sempre em mente, que estes eventos nos dão os padrões pelos quais Deus opera; eles nunca
mudam. Se você quer uma maneira muito mais satisfatória de compreender a Torah, e a Bíblia inteira.....cesse de
fazer a pergunta que todos nós fomos ensinados a fazer: POR QUE. Em vez disto, procure o padrão, e isso explicará
a mente de Deus sobre o assunto tanto quanto Ele escolheu nos revelar.

O verso 20 diz-nos que a água se manteve acumulando na superfície


da terra até que os cumes dos mais elevados montes estivessem 15
cubits.....aproximadamente 7,5 metros.....sob a água. Agora, vamos
ser muito claros sobre o que morreu, e o que viveu, através do
dilúvio. Os versos 21-23 devem ser tomados em conjunto. O verso 21
dá-nos as categorias amplas do que pereceu, e o verso 22 dá
detalhes mais adicionais SOBRE o verso 21. No verso 21 não é uma
categoria de coisas que pereceram, e no verso 22 outra. Nos é dito
que toda a carne “basar” os animais.....a humanidade......morreram;
e além deles os pássaros, e as coisas que vivem em bandos como
ratos e camundongos e lagartos e serpentes morreram afogados.
Mas, isto não incluiu peixes ou criaturas do mar. Eu sei disto porque
o v.22, particularmente no original hebraico é completamente
específico sobre isto. Era tudo que tinha “o fôlego da vida” neles que morreu. O Neshemah, que eu denomino o
espírito da vida colocado nas criaturas vivas, foi o que morreu. Toda a vida vegetal não morreu..... plantas não têm o
neshemah. Além disso, foram aqueles seres vivos que viviam na charabah, a terra seca, que pereceram. Se vivesse
em terra seca, morreu. Se requeresse um período prolongado de vida em terra seca, morreu. Os peixes e outros
animais aquáticos viveram. Os anfíbios que podiam viver na água por períodos de tempo prolongados viveram.

A chuva durou 40 dias e 40 noites. Mas a água manteve-se aumentando por um total de 150 dias, mesmo depois que
a chuva parou, porque o abismo não tinha se esvaziado ainda da água. A única vida.....os únicos nephesh.....seres
vivos que permaneceram na terra, estavam dentro da barriga da Arca