You are on page 1of 11

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA OU A LÓGICA DO GALINHEIRO

Heleieth I. B. Saffioti
DO GALINHEIRO
Um galinheiro sempre se organiza hierarquicamente, isto é, há nele
uma "ordem das bicadas". ssa hierarquia garantirá sempre o maior poder
para o galo. !ensando"se em um galinheiro com dez galinhas e um galo, a
"ordem das bicadas" n#o apenas permite ao galo a posse se$ual de todas
as galinhas, como também lhe assegura o direito de bicá"las todas, isto
é, praticar %iol&ncia.
Uma das galinhas, a n'mero (, ou a )fa%orita*, como se diz quando
se trata de um harém +um homem e %árias mulheres,, é bicada pelo galo,
mas desfruta do direito de bicar as outras no%e. - n'mero . é bicada
pelo galo e pela galinha n'mero (, podendo bicar as outras oito. -
n'mero / é bicada pelo galo e pelas galinhas n'meros ( e ., bicando as
demais, e assim sucessi%amente. - galinha n'mero (0, a 'ltima, é a que
mais sofre, pois é bicada pelo galo e por todas as demais galinhas, n#o
podendo bicar nenhuma. -ssim, a hierarquia come1a no galo e termina na
(02 galinha. 3 galo é o mais poderoso, detendo as galinhas de n'mero (
ao 4 diferentes parcelas de poder, estando a (02 e$clu5da dessa
possibilidade. - 'ltima na hierarquia poderia até ser comparada com as
pessoas que moram nos ruas, n#o tendo o que comer nem direito algum.
6rata"se dos e$clu5dos do mercado do desen%ol%imento, enfim, e$clu5dos
dos direitos humanos mais elementares.
7essa forma, um galinheiro é estruturado segundo uma escala de
poder. 8o e$emplo figurado foi estabelecida uma "ordem das bicadas", que
pode ser muito duradoura, mas que pode, também, sofrer transforma19es.
Se for introduzido um no%o galo nesse terreiro, o galo n'mero ( fará
tudo para manter seu poder no territ:rio. 3s dois galos podem brigar até
que um deles morra. 8esse caso, o sobre%i%ente torna"se "dono" do
terreiro, dominando todas as galinhas. ;as pode ocorrer um empate na
luta, quando, ent#o, os galos di%idem em dois o territ:rio original.
<ada galo manda em um deles.
3 terreiro dos galos corresponde a um espa1o f5sico mais as
galinhas sob seu dom5nio, e n#o pode ser in%adido pelo outro galo. <aso
isso aconte1a, tra%a"se no%amente uma luta entre ambos, a fim de se
redefinirem os limites do terreiro de cada um. 3 territ:rio de cada galo
é demarcado geograficamente. 7esse modo, n#o se estabelece um %5nculo
entre as galinhas e o galo, mas entre este e as galinhas de seu
terreiro. Se uma galinha fugir, o galo n#o a segue, pois ela dei$a de
pertencer ao territ:rio dele.
sse fato permite a %erifica1#o de uma grande diferen1a entre os
galináceos e os seres humanos= quando há uma separa1#o, o homem " muitas
%ezes inconformado com a perda de sua amada ou de seu ob>eto de
domina1#o " passa a perseguir a mulher, amea1ando"a de morte, caso ela
n#o concorde em restabelecer a rela1#o marital e, n#o raro, comete esse
homic5dio. Isso significa que, embora o casamento formal tenha sido
desfeito, a rela1#o continua e$istindo para o homem, pelo menos
simbolicamente. - grande diferen1a entre o galinheiro e a sociedade,
entre os animais e o ser humano, reside na capacidade humana de
simbolizar. !or construir cultura, elemento ausente nas sociedades
animais, o ser humano atribui significado a suas a19es e ?s dos outros,
assim como aos ob>etos e aos fatos. m %irtude disso, o macho da espécie
humana estabelece n#o apenas seu territ:rio geográfico, mas também um
territ:rio simb:lico no qual reina soberano sobre mulheres, crian1as,
adolescentes e idosos. 3 homem é socialmente poderoso, e essas outras
categorias s#o frágeis. Isso é fruto do processo cultural de
simboliza1#o.
AS SOCIEDADES HUMANAS E SEUS TERRITÓRIOS SIMBÓLICOS
3s seres humanos também organizam a sociedade hierarquicamente. m
%irtude disso pode"se dizer que também há uma "ordem das bicadas"
socialmente construída, isto é, convencional, não-natural. Sua
constru1#o é muito mais comple$a do que a e$istente entre os galináceos.
8as sociedades humanas n#o há um 'nico ei$o de hierarquiza1#o, como no
galinheiro. Socialmente, s#o constru5das %árias gramáticas +con>unto de
regras, para reger o comportamento de homens e mulheres, de brancos e
negros, de ricos e pobres, de crian1as, adultos e %elhos, das pessoas
consideradas normais e daquelas rotuladas como loucas etc. -s tr&s
gramáticas principais s#o=
(. - gramática sexual ou de gênero, que regula as rela19es entre
homens e mulheres, as rela19es entre homens e as rela19es entre
mulheres, especificando as condutas socialmente aceitá%eis quanto ao
se$o. 3 g&nero é uma construção social que define o ser mulher e o
ser homem. É das no19es de mulher e de homem que nascem as normas
que permitem a transforma1#o de um beb& em um ser feminino ou
masculino. 3 se$o anat@mico constitui uma refer&ncia estat5stica,
mas nada impede que um beb& com genitália de f&mea se>a educado como
homem e %ice"%ersa.
.. - de raça/etnia, que define as rela19es, por e$emplo, entre
brancos e negros, determinando que estes obede1am ?queles. Brancos e
negros pertencem a ra1as diferentes, que s#o socialmente
hierarquizadas. 3s negros que %ieram da Africa para o Brasil
pertencem a etnias distintas. 8esse caso, há %árias etnias
e$istentes no interior da ra1a negra. ;as pode ocorrer o oposto. !or
e$emplo, os >udeus constituem uma etnia, no seio da qual há brancos
de olhos claros e negros de cabelo carapinha.
/. A de classe social, cu>as leis e$igem comportamentos distintos
dos pobres e dos ricos. stes, para se manterem no poder, precisam
dominarBe$plorar os pobres. 3 processo de domina1#oBe$plora1#o faz
parte integrante da di%is#o da sociedade em classes. - reprodu1#o
biol:gica e social se dá segundo a classe, isto é, a classe dos
ricos se reproduz enquanto classe rica, a dos pobres, enquanto
classe pobre.
7entre as outras gramáticas, que poderiam ser chamadas de
secundárias, está a de idade, que rege as rela19es entre crian1as,
adolescentes e idosos, de um lado, e adultos, de outro. -o adulto, a
sociedade confere poderem suas rela19es com menores de (C anos, e também
com as pessoas que, em raz#o de sua idade a%an1ada, s#o e$clu5das do
processo decis:rio.
Uma grande diferen1a entre as tr&s primeiras gramáticas principais
e esta, secundária, que regula as rela19es entre distintas gera19es
reside no fato de que o adulto domina apenas transitoriamente menores e
idosos. 7a mesma maneira como >á foi crian1a e adolescente e, portanto,
dominado por adultos, ficará %elho e, conseqDentemente, submisso ?queles
em quem mandou, que >á dei$aram de ser menores. 7ada sua
transitoriedade, a domina1#o dos adultos sobre pessoas de outras fai$as
etárias é aqui considerada secundária. 6oda%ia, ela tem sua importEncia
e de%e ser le%ada em conta num trabalho que focaliza a %iol&ncia
doméstica.
mbora n#o se>a fácil, é poss5%el pensar em uma 'nica "ordem das
bicadas", combinando"se os quatro ei$os normatizadores aqui
especificados. -s pessoas mais poderosas s#o aquelas situadas no topo
das quatro hierarquias= homens brancos, ricos e adultos. m segundo e
terceiro lugares %&m ou homens negros, sem muito poder econ@mico e
adultos, ou mulheres brancas, economicamente remediadas e adultas. ssas
duas categorias n#o ocupam lugares fi$osF trocam de posi1#o de acordo
com as circunstEncias. m quarto lugar %&m as mulheres negras, pobres,
geralmente, e adultas. m quinto, %&m os menores de idade, que de%em
obedecer aos adultos. 7entre estes há ainda outra hierarquia= os meninos
dominam as meninas. ssa domina1#o se torna mais aguda quando o garoto é
branco e a garota, negra.
-ssim, considerando apenas uma hierarquia, integrada por quatro
escalas de poder, ou resultante de quatro gramáticas sociais, conclui"se
que, na fase adulta da %ida, a mulher negra %iria em 'ltimo lugarF
considerando todas as hierarquias, conclui"se que, sobre a menina negra,
pesariam as mais agudas discrimina19es. Gazer um esfor1o para refletir
con>untamente sobre todas as hierarquias é e$tremamente importante para
se analisarem as rela19es de %iol&ncia doméstica e no seio da fam5lia.
VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR
- fam5lia é constitu5da por parentes consangD5neos eBou afins=
consangD5neos s#o aqueles que t&m o mesmo sangueF afins s#o os que se
tornam parentes pela %ia do casamento. Huando uma mulher e um homem se
casam, ambos ganham cunhados, sogros, sobrinhos, primos, seus parentes
por afinidade. -tualmente, sobretudo nas grandes cidades, as fam5lias
tendem a ser nucleares, ou se>a, a se compor do casal e de seus filhos.
-s fam5lias e$tensas, que re'nem em um mesmo domic5lio tr&s gera19es
eBou parentes colaterais, t&m sofrido acentuada redu1#o. Há, por
conseguinte, no m5nimo, duas no19es de fam5lia= a que re'ne parentes em
um mesmo domic5lio, geralmente a fam5lia nuclear, mas e%entualmente a
e$tensaF e a fam5lia em sentido amplo, isto é, o grupo de parentesco,
ocupando %ários domic5lios.
- fam5lia é um grupo de reprodu1#o biol:gica e social. 8#o basta
que os casais tenham seus filhos. I preciso cria"los, ensinando"os a
desempenhar os papéis sociais espec5ficos de cada idade, de cada g&nero
+masculinoBfeminino,, de cada ra1aBetnia, de cada classe social. sse
processo, que se chama socializa1#o, obedece a %árias gramáticas, além
das que est#o sendo consideradas aqui. Socializar significa cuidar com
afeto, mas também reprimir. -ssim, na fam5lia n#o se desen%ol%e somente
o amor, mas também o :dio. - sociedade brasileira permite que se
apliquem castigos f5sicos moderados aos filhos. 6oda%ia, há pais e m#es
que e$trapolam esses limites, espancando duramente as crian1as, abusando
se$ualmente delas +em geral, os agressores s#o homens, e até matando"as.
Há, dessa forma, uma %iol&ncia intrafamiliar, que se desenrola entre
parentes.
mbora esses parentes n#o precisem necessariamente %i%er no mesmo
domic5lio para que se caracterize a %iol&ncia em fam5lia, a
probabilidade de ocorr&ncias %iolentas é maior quando eles habitam sob o
mesmo teto, con%i%endo cotidianamente. 3 parentesco é determinado por
con%en19es sociais. Isso significa que ele se insere no terreno
simb:lico= a cada pessoa se atribui uma posi1#o num esquema de
significados, que é o parentesco.
- fam5lia costuma ser chefiada pelo homem. 8o Brasil, a mulher
desempenha a fun1#o de chefe em cerca de um quinto das fam5lias.
<onstituem n'mero pequeno as fam5lias chefiadas por mulher que s#o
biparen tais, isto é, com m#e e pai presentes. - maioria é mono-
parental, estando presente s: a mulher. 3s n'meros se in%ertem quando se
trata de fam5lia chefiada por homem= a maioria é biparental, tendo m#e e
pai. !esquisa realizada em (440 pelo Sistema stadual de -nálise de
7ados +S-7, re%elou que (J,/ por cento das fam5lias da regi#o
metropolitana de S#o !aulo s#o chefiadas por mulheres. 7este total, KK,.
por cento s#o monoparentais. -tingem C.,J por cento as fam5lias
chefiadas por homens, mas deste total t#o"somente (,. por cento s#o
monoparentais. Isso significa que, em geral, quando o homem chefia a
fam5lia, disp9e de ampla retaguarda= ou a mulher trabalha fora, a>udando
no or1amento doméstico, ou cuida da casa e dos filhos, ou ainda
desempenha as duas >ornadas de trabalho. 8o caso da maioria das fam5lias
com chefia feminina, a mulher de%e ser também o "homem da casa", na
medida em que está sozinha com os filhos. <omo as mulheres ganham, em
média, a metade do que recebem os homens, as fam5lias chefiadas por
mulheres s#o, em geral, as mais pobres.
Huando o homem é o chefe da fam5lia, é também, de fato, seu amo e
senhor, mandando e desmandando na mulher e nos filhos. I muito alta a
freqD&ncia de rela19es %iolentas entre o chefe da fam5lia e sua mulher e
filhos, crian1as e adolescentes. 3b%iamente, o homem, por ter mais for1a
f5sica, e também por ter sua agressi%idade estimulada e aplaudida pela
sociedade, sai %itorioso nas brigas familiares.
8#o apenas o homem pratica %iol&ncia intrafamiliar. Sobretudo em sua
aus&ncia, a mulher se torna todo"poderosa em rela1#o a seus filhos,
cometendo numerosos atos de %iol&ncia contra as crian1as. 8a aus&ncia do
chefe da fam5lia, a mulher assume seu lugar, apropriando"se do poder que
cabe ?quele, para desempenhar a tarefa de socializar a gera1#o mais
>o%em, atribu5da, na esmagadora maioria das sociedades, ?s m#es.
-inda que a mulher perpetre %iol&ncias contra seus filhos, o homem
é o maior agressor f5sico, pois suas %5timas n#o s#o somente seus
filhos, mas também sua mulher. Huanto ?s agress9es se$uais, em cada cem
ocorr&ncias t#o"somente de uma a tr&s s#o cometidas por mulheres.
- m#e, ainda que puna fisicamente os seus filhos, amea1a"os, quase
sempre, com a autoridadeB%iol&ncia paterna, porquanto é o pai o detentor
reconhecido do maior poder. ;esmo que a m#e n#o bata na crian1a é
freqDente a presen1a da amea1a, e$pressa na frase= "Huando seu pai
chegar, contarei tudo para ele". ssa amea1a, e$pressa %erbalmente para
intimidar as crian1as, paira também sobre a mulher. mbora as leis
brasileiras pro5bam o marido"pai de infligir maus"tratos a sua
esposaBcompanheira e a seus filhos, os homens desfrutam de fato desse
poder, na medida em que quase nunca s#o punidos. m decorr&ncia de sua
menor for1a f5sica e da tolerEncia da sociedade em rela1#o ? %iol&ncia
masculina, a mulher tende a se especializar na %iol&ncia %erbal. Há
mulheres capazes de torturar emocionalmente seus maridosBcompanheiros,
todos os dias, usando sua l5ngua afiada. ssa atitude n#o impede que a
mulher responda á %iol&ncia f5sica do homem com outra %iol&ncia f5sicaF
isso ocorre com certa freqD&ncia. 6oda%ia, e$ceto em casos e$cepcionais,
a mulher sai perdedora. - idéia que se dese>a firmar aqui é a de que n#o
e$iste %5tima passi%a. sta sempre reage, se>a f5sica, se>a %erbalmente.
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
sse tipo de %iol&ncia é poss5%el gra1as ao estabelecimento de um
territ:rio f5sico e de um territ:rio simb:lico, nos quais o homem detém
praticamente dom5nio total. Seu territ:rio geográfico é constitu5do pelo
espa1o do domic5lio. 6odas as pessoas que %i%em sob o mesmo teto,
%inculadas ou n#o por la1os de parentesco ao chefe do local, de%em"lhe
obedi&ncia. 7esta sorte, n#o se trata, para o homem, de ter sub>ugados
apenas mulher, filhos e outros parentes que e%entualmente morem no mesmo
domic5lio. -gregados de forma geral de%em obedi&ncia ?quele senhor. ;ais
do que isso, até pessoas assalariadas est#o su>eitas a essa condi1#o. I
o caso da empregada doméstica que, contratada para realizar os ser%i1os
da casa, é, muitas %ezes, obrigada a prestar fa%ores se$uais ao chefe do
domic5lio.
Se a %iol&ncia doméstica e$trapola, por um lado, os limites do
grupo familiar, por outro, também e$tra%asa o espa1o da resid&ncia. 8#o
é raro que o marido %á esperar sua mulher quando ela sai do trabalho
para lhe aplicar um e$emplar castigo, surrando"a diante de seus colegas.
-ssaltos se$uais do pai contra a filha podem perdurar mesmo depois do
afastamento da garota de seu domic5lio, se ele conseguir driblar a
%igilEncia e obter acesso a ela.
- %iol&ncia doméstica, portanto, n#o se limita ? fam5lia, nem ?s
quatro paredes do domic5lio. ntretanto, a maioria das ocorr&ncias de
%iol&ncia doméstica ou se dá no domic5lio da %5tima, ou no da %5tima e
do agressor. m n'mero n#o desprez5%el de casos, depois de sofrer %ários
espancamentos por parte do maridoBcompanheiro, a mulher decide separar"
se dele, passando a residir em outra casa. 8umerosas %ezes, o marido
continua importunando a e$"mulher. I grande a probabilidade de isso
ocorrer quando a mulher %i%e s: ou com seus filhos. 6oda%ia, quando ela
encontra um no%o maridoB companheiro, a situa1#o muda. Se o e$"marido
quiser reconquista"la, terá de enfrentar o senhor de um no%o territ:rio.
-ssim, fica claro que a posseBpropriedade das mulheres pelos homens é
regulamentada por estes e n#o por aquelas. 3s limites nas rela19es
humanas, no ei$o do g&nero, s#o fi$ados por homens, n#o por mulheres,
is por que a maioria dos agressores é constitu5da de homens e a maioria
das %5timas, de mulheres, quer a %iol&ncia se>a f5sica, quer se>a
se$ual.
8#o custa assinalar que há %iol&ncias cometidas no interior do
domic5lio que n#o constituem nem %iol&ncia intrafamiliar nem doméstica.
I o caso, par e$emplo, de assalta com morte eBou agress#o se$ual
praticado por estranhos na resid&ncia da %5tima.
A SITUAÇÃO BRASILEIRA
!ara %iol&ncia f5sica e$istem dados globais sobre o pa5s. Um
suplemento da !esquisa 8acional por -mostra de 7omic5lios +!8-7, de
(4CC, !articipa1#o !ol5tico"social " Justiça e itimi!ação +GIBL "
Gunda1#o Instituto Brasileiro de Leografia e stat5stica, Mio de
Naneiro, (440,, traz dados organizados de modo a permitir a forma1#o de
uma idéia bastante clara do fen@meno da %iol&ncia intrafamiliar e da
%iol&ncia doméstica. Huase dois ter1os +KO,C por cento, das %5timas de
%iol&ncia f5sica de parentes s#o mulheres, sendo homens apenas /P,. por
cento. -s cifras in%ertem"se quando se e$aminam os dados para agressores
conhecidos, mas n#o"parentes= KK,K por cento das %5timas s#o homens e
t#o"somente //,P por cento, mulheres. -s %5timas comparecem praticamente
com as mesmas cifras quando se trata de agressores desconhecidos= KO,/
por cento de homens e /P,J por cento de mulheres.
!ara mulheres, a fam5lia é um grupo muito perigoso. 8#o obstante
essa %erifica1#o, continua"se a ensinar ?s crian1as em geral, e ?s
mulheres em especial, o temor dos desconhecidos e a confian1a irrestrita
nos parentes. 8a %erdade, n#o somente para mulheres, mas também para
crian1as, o inimigo está dentro de casa. 7entre as mulheres %5timas de
parentes, C.,0 por cento s#o, muito pro%a%elmente, espancadas por seus
maridosBcompanheiros +a rigor, c@n>uges n#o s#o parentes, mas tudo
indica que foram considerados como tais,, pois t&m entre (C e P4 anos,
fase da %ida em que, em geral, est#o casadas. - partir dos O0 anos,
quando é grande a probabilidade de as mulheres estarem separadas ou
%i'%as, seu comparecimento como %5timas de agress9es f5sicas cometidas
por parentes cai para O,/ por cento.
mbora nem todos os agressores se>am homens, seguramente a maioria
o é. !ode"se afirmar, portanto, que o homem é mais possessi%o como
marido do que como pai, uma %ez que as %5timas femininas entre 0 e 4
anos de idade de agress9es f5sicas praticadas por parentes alcan1am
apenas .,C por cento do total, e as situadas na fai$a de (0 a (J anos
n#o atingem um décimo +4,4 por cento,.
ssa afirma1#o, contudo, deri%a e$clusi%amente da aprecia1#o dos
dados relati%os ? %iol&ncia f5sica, >á que a crian1a, sobretudo a
menina, é al%o freqDente das in%estidas se$uais de parentes. sses dados
sobre agressores parentes referem"se, e%identemente, ? %iol&ncia
intrafamiliar.
<onforme o local da ocorr&ncia pode"se ultrapassar a fam5lia
imediata e penetrar na %iol&ncia doméstica, embora parte dessa %iol&ncia
n#o possa ser identificada, por ter acontecido em %ia p'blica ou prédio
comercial. Sendo o bar um local de freqD&ncia eminentemente masculina,
CJ,0 por cento das %5timas de %iol&ncia f5sica nesses estabelecimentos
comerciais s#o homens. Gen@meno semelhante ocorre na %ia p'blica= KC,0
por cento das %5timas s#o homens. 8a resid&ncia, porém, K/,0 por cento
das %5timas de agress#o f5sica s#o mulheres. Isso mostra que a mulher é
a grande %5tima também desse tipo de %iol&ncia, ainda bastante
in%is5%el.
VIOLENCIA FÍSICA
7ados o caráter sagrado da fam5lia e o incontestá%el poder do
maridoBpai, as pessoas costumam calar"se diante da %iol&ncia
intrafamiliar e da %iol&ncia doméstica. - pr:pria mulher, quando %5tima,
costuma atribuir a perda de controle do marido ? bebida alco:lica eBou
ao estresse pro%ocado por uma condi1#o do momento, como, por e$emplo, o
desemprego. Se é %erdade que o estresse precipita situa19es de
%iol&ncia, o álcool constitui mais prete$to do que causa de
espancamentos e assassinatos de mulheres eBou crian1as. Migorosamente, o
alcoolismo n#o responde pela %iol&ncia, mesmo porque um n'mero imenso de
homens pratica %iol&ncia de g&nero +contra a mulher, quando est#o
s:brios. ;ais do que isso, sabem calcular o tipo de %iol&ncia que mais
atinge a mulher. Há mulheres que >amais sofreram alguma %iol&ncia em
seus corpos e que nem por isso ter seus direitos humanos %iolados. Há
homens que n#o tocam o corpo da mulher para castigá"la, mas que cortam
em pedacinhos suas roupas, ou destroem seus documentos, ou ainda quebram
tolos os seus ob>etos de maquiagem. m qualquer dos casos, Q a pr:pria
identidade da mulher que está pendo agredida.
sse fen@meno afeta negati%amente a sa'de mental e orgEnica da
mulher. ;uitas, dentre as que ti%eram esse tipo de %i%&ncia, separaram"
se há muitos anos de seus maridosBcompanheiros e continuam a apresentar
sa'de precária. - %iol&ncia dei$a, portanto, seqDelas mais ou menos
gra%es, muitas das quais incurá%eis. -lém disso, a %iol&ncia é um
comportamento aprendido. <rian1as %5timas de %iol&ncia apresentam maior
probabilidade de se tornar adultos %iolentos que as n#o"%5timas.
VIOLÊNCIA SEXUAL
- %iol&ncia se$ual é também um fen@meno muito freqDente. 8#o se
disp9e de dados globais sobre o pa5s. !esquisas mais restritas re%elam
que o al%o preferencial dos agressores se$uais n#o s#o osBas
adolescentes, mas as crian1as entre J e (0 anos de idade. - maioria
esmagadora das %5timas é de meninas, mas nem mesmo os meninos escapam a
esse tipo de %iol&ncia.
m S#o !aulo, a freqD&ncia da %itimiza1#o se$ual de garotos em
fam5lia está, a >ulgar pelas poucas in%estiga19es realizadas, entre O,0
e J,0 por cento. 3u se>a, as %5timas, entre 4/,0 e 4O,0 por cento, s#o
meninas. 8esses casos, os maiores criminosos s#o os pais biol:gicos,
sendo que, em segundo lugar, mas muito atrás, %&m os padrastos. 3cupando
posi19es menos e$pressi%as, %&m outros parentes, como tio, a%@, cunhado,
primo, irm#o. 3s pais s#o mesmo os maiores praticantes de agress#o
se$ual, compondo J(,O por cento do total dos abusos, seguidos pelos
padrastos, com ( (,( por cento +Heleieth I. B. Saffioti, <ircuito
fechado= abuso se$ual incestuoso, (44O,.
-parentemente, as crian1as s#o as grandes %5timas do abuso se$ual.
ntretanto, é preciso ter cuidado ao refletir sobre esse assunto. 3
<:digo !enal brasileiro n#o considera o estupro no interior do
casamento. 6ampouco pro5be que, no casamento, esse ato se>a considerado
crime. Seria interessante que as mulheres estupradas pelos maridos
denunciassem esse tipo de %iol&ncia, a fim de se iniciar um processo que
poderia resultar na codifica1#o dessa agress#o como crime. 8a Gran1a, as
feministas conseguiram, em (4C0, criminalizar " passando a se considerar
estupro " a rela1#o se$ual ocorrida contra a %ontade da esposa.
8o Brasil continua %igente o chamado débito con>ugal, que significa
o de%er de manter rela19es se$uais com o c@n>uge. -inda que essa
obriga1#o e$ista, no <:digo <i%il, para ambos os c@n>uges, na prática s:
constitui um de%er para a mulher. !resas a esse conceito, as mulheres
cumprem seu de%er, mesmo quando n#o est#o a fim de ter uma rela1#o
se$ual. !odem até se sentir %iolentadas, mas se submetem ao marido para
e%itar que ele procure uma outra mulher. <omo a infidelidade con>ugal
masculina é amplamente tolerada, "o marido procura na rua aquilo que n#o
tem em casa".
DESFAZENDO EQUÍVOCOS
Há uma idéia muito difundida de que s: pessoas pobres e sem cultura
s#o capazes de praticar %iol&ncias " se>am f5sicas, se$uais ou
emocionais " contra outras com quem coabitam ou até mesmo contra membros
de sua pr:pria fam5lia. 6rata"se de puro preconceito contra pobres e
pouco instru5dos. -s %iol&ncias aqui comentadas s#o praticadas em todas
as classes sociais, em todas as ra1asBetnias, nos pa5ses de cultura
ocidental assim como nos de cultura oriental, nos industrializados como
também nos n#o"industrializados, em todos os continentes da 6erra.
<omo os costumes %ariam segundo o pa5s, há formas de %iol&ncia
espec5ficas de uma cultura. !or e$emplo, embora se>a proibido por lei,
persiste o sati, costume indiano segundo o qual a %i'%a de%e se imolar
+morrer queimada, na mesma pira onde foi cremado o corpo de seu marido.
8a Africa é muito comum se praticarem mutila19es se$uais nas mulheres,
como=
(. a clRteridectomia, que consiste na abla1#o do clit:risF
.. a infibula1#o, opera1#o de sutura dos grandes lábios da %ul%a, de
forma a se dei$ar apenas um pequeno orif5cio para a passagem do
sangue menstrual.
8os dois casos, a mulher é pri%ada do prazer se$ual= quando seu
clit:ris é e$tirpado, ela perde uma importante fonte de prazerF com a
infibula1#o, cada rela1#o se$ual passa a ser um mart5rio, para n#o
mencionar o parto, que e$igirá no%a sutura. -lém disso, a mulher
infibulada está constantemente e$posta a infec19es das %ias urinárias,
uma %ez que, para esconder o clit:ris, acaba"se transformando a %ul%a em
uma bolsa retentora de urina, l5quido que contém to$inas.
8o Brasil, n#o se mutilam se$ualmente as mulheres, mas pratica um
%erdadeiro crime contra elas, esterilizando"as. $iste até uma demanda
da ligadura de trompas por parte de milh9es de brasileiras que,
dese>ando ter menos filhos, recorrem a essa inter%en1#o cir'rgica,
ignorando suas conseqD&ncias para a sa'de e seu caráter irre%ers5%el.
;uitas dessas mulheres separam"se de seus maridosBcompanheiros e
reconstituem suas %idas com outros parceiros. Soltam a dese>ar procriar,
descobrindo, ent#o, que est#o definiti%amente estéreis. <omo se obser%a,
há %árias formas de se mutilar um ser humano.
QUEM SÃO OS ALGOZES?
Uma maneira simples de as pessoas "resol%erem" esse intrincado
problema consiste em afirmar que os homens %iolentos s#o doentes
mentais, alco:latras, perturbados. Huem diz isso está, ao mesmo tempo,
afirmando que em sua fam5lia n#o há %iol&ncia, que é s: a fam5lia dos
outros que enfrenta essa %ergonha. <omo a fam5lia é considerada um ninho
de afeto, as pessoas sentem"se en%ergonhadas de admitir, mesmo para
amigos, que um membro de sua fam5lia pratica %iol&ncias. -ssim, qualquer
que se>a a modalidade de %iol&ncia, geralmente se forma em torno dela
uma conspira1#o do sil&ncio. 8inguém fala sobre o assunto.
- partir de (4CO, quando se come1ou a criar e implantar as
7elegacias de 7efesa da ;ulher +77;,, muitas mulheres %&m encontrando
coragem para denunciar se>a a %iol&ncia masculina praticada contra elas,
se>a aquela cometida contra crian1as e adolescentes. ;uitas das que
denunciam seus maridosBcompanheiros ? pol5cia, toda%ia, %oltam ? 77;
para solicitar a retirada da quei$a. I dif5cil compreender esse %ai"e-
%em da mulher. - %iol&ncia intrafamiliar e a doméstica ocorrem no seio
de uma rela1#o afeti%a. !or essa raz#o, misturam"se amor e :dio. -
mulher denuncia o marido por t&"la espancado ou abusado se$ualmente de
uma filha, mas, gostando dele, acaba encontrando uma desculpa para sua
conduta, e decide pedir que n#o se abra inquérito policial.
8em sempre, contudo, o moti%o é esse. ;uitas %ezes, o marido,
tomando conhecimento da apresenta1#o de quei$a ? 77; por parte da
mulher, amea1as de morte, caso n#o o obede1a sustando o inquérito.
Incapaz de manter a si pr:pria e a seus filhos, a mulher cede ?s
press9es do marido. I raro ocorrer um ato unilateral de %iol&ncia.
Huando acontece, en%ol%e pessoas estranhas. <onhecidos, parentes e
pessoas que coabitam desen%ol%em certos tipos de rela19es que comportam
%iol&ncia. 7essa forma, a %iol&ncia é rec5proca, embora os pre>u5zos
se>am muito maiores para as categorias socialmente mais fracas=
mulheres, crian1as e adolescentes. ;esmo uma crian1a se$ualmente
%itimizada por seu pai aprende maneiras de agredi"lo. - chantagem é,
nesses casos, muito comum.
!or meio dela a crian1a obtém %antagens secundárias. 6ais
%antagens, porém, saem muito caras para a crian1a, que con%i%erá o resto
da %ida com a e$peri&ncia traumática.
;uitos estudiosos tentaram tra1ar um perfil do espancados, do
homicida e do agressor se$ual de mulheres, crian1as e adolescentes. 0
fracasso tem sido total. -penas P,0 por cento dos agressores se$uais
apresentam hist:ria psiquiátrica, sendo s: .,0 por cento doentes
mentais. 7o ponto de %ista da sociologia, n#o faz sentido procurar
caracter5sticas indi%iduais nos perpetradores de %iol&ncia, se as causas
de sua conduta s#o sociais. feti%amente, quase todos eles trabalham
para ganhar o sustento da fam5lia, cr&em em 7eus, praticando, muitas
%ezes, uma religi#o, mant&m rela19es sociais normais com seus colegas de
trabalho e amigos, muitos sendo considerados acima de qualquer suspeita.
3s algozes podem, dessa maneira, estar em qualquer o classe social,
em qualquer ra1aBetnia, em qualquer profiss#o, participar de qualquer
credo religioso, pertencer a qualquer partido pol5tico, a qualquer clube
etc. - estrutura da sociedade, formada pelas hierarquias comentadas mais
atrás, torna cada um e todos os homens potencialmente %iolentos. -
con%ers#o da agressi%idade em agress#o pode ser desencadeada por fatos
os mais banais e corriqueiros. 0 sentimento de posseBpropriedade que a
sociedade alimenta no homem, em rela1#o a sua mulher e a sua prole, e a
impunidade da maioria esmagadora desses criminosos e$plica amplamente a
generaliza1#o da %iol&ncia masculina contra mulheres, crian1as e
adolescentes. Huando se trata de mulher agressora, >á se indicou que ela
desempenha%a a fun1#o do patriarca, a quem é reconhecido o direito de
submeter os socialmente mais fracos.
3s idosos também constituem uma categoria social frágil, muitas
%ezes %5tima de abandono e maus tratos por parte de seus parentes
adultos, homens e mulheres. - legisla1#o brasileira obriga os filhos a
amparar os pais na %elhice, garantindo"lhes o sustento. 8o entanto, os
asilos est#o cheios de pessoas idosas en>eitadas pelos pr:prios filhos
eBou outros parentes.
CONCLUSÕES
Sem a %aloriza1#o das categorias socialmente frágeis, as solu19es ser#o
sempre precárias. ;as é preciso que se tomem medidas para remediar o mal
no plano imediato. -s delegacias de pol5cia especializadas no
atendimento desses segmentos da popula1#o +mulheres e idosos, t&m
prestado rele%antes ser%i1os ? sociedade brasileira ao %isibilizarem
problema de tamanha gra%idade. S: isso, contudo, n#o basta. <omo pode
uma 77; insistir na instaura1#o de inquérito contra um homem que
praticou o crime de les#o corporal contra sua mulher se ela está
amea1ada de morte por ele e n#o há abrigos para acolher mulheres %5timas
de %iol&nciaT Galta, pois, infraestrutura de apoio ?s 77;. -lém disso, é
preciso dar forma1#o quanto a rela19es entre homens e mulheres aos
profissionais que lidam com pessoas em situa1#o de %iol&ncia
intrafamiliar eBou doméstica. 8#o somente a pol5cia de%e ter
qualifica1#o, mas também os profissionais da sa'de, da educa1#o, enfim
todos os que lidam diretamente com o fen@meno analisado.
8a %erdade, trata"se de um fen@meno que requer a mobiliza1#o de
toda a sociedade. $atamente pelo fato de a %iol&ncia intrafamiliar e a
doméstica estarem escondidas, de n#o estarem e$postas, como a %iol&ncia
cometida no espa1o p'blico, seu combate e$ige um sem"n'mero de soldados.
<ada cidad# +o, é um desses numerosos soldados, cu>a tarefa fundamental
consiste em zelar pela harmonia das rela19es familiares e domiciliares
e, mais amplamente, pela harmonia de todas as rela19es humanas.
Heleieth I. B. Saffioti " Bacharel e licenciada em <i&ncias Sociais pela US!,
aposentada como professora titular de Sociologia da Uni%ersidade stadual !aulista.
-tualmente é professora de Sociologia na p:s"gradua1#o da !U<"S! e pesquisadora da
UGMN, tendo escrito %ários li%ros e mais de cem artigos, publicados no Brasil e no
e$terior. 6em participado de congressos nacionais e internacionais, e orientado
disserta19es de mestrado e teses de doutorado.
S-GGI36I, Heleieth I. B. SI3UV8<I- 73;IS6I<- 3U - UWLI<- 73 L-UI8HIM3.
In= XU!S6-S, ;árcia +org.,. V!"#$%& '( D')&*'. S#o !aulo= ;oderna,
(44J. p. /4"OJ.