You are on page 1of 2

ÌNSTÌTUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CÌÊNCÌA E TECNOLOGÌA DA PARAÍBA

PRÓ-REÌTORÌA DE ENSÌNO – DEPARTAMENTO DE ENSÌNO SUPERÌOR
CURSO SUPERÌOR DE TECNOLOGÌA EM DESÌGN DE ÌNTERÌORES
UNÌDADE ACADÊMÌCA 1 CAMPUS JOÃO PESSOA
DISCIPLINA: HISTÓRIA DA ARTE E DA ARQUITETURA
PROFESSORA: ROBERTA XAVIER DA COSTA
CARGA HORÁRIA: 50 HORAS / AULA PERÍODO: 2° CRÉDÌTOS: 03/SEMANAIS
PLANO DE CURSO
OBJETÌVOS:
Apresentar os elementos que compõem a caracterizam historicamente os diversos estilos
arquitetônicos.
OBJETÌVOS ESPECÍFÌCOS
! Utilizar a narrativa histórica como recurso para refletir sobre as sociedades e suas
expressões artísticas;
2! Ìdentificar dentre os diferentes períodos históricos estudados as formas e estilos que lhes são
próprios;
3! Reconhecer as reconceituações por que passa a categoria Arte;
"! Apreciar de forma crítica e contextualizada a obra arquitetônica a partir do repertório estético
adquirido na disciplina.
EMENTA:
Arte na Pré-história: neolítico e paleolítico. Arte Greco-romana. Arte Egípcia. Arte na Ìdade Média.
Renascimento. Barroco. Rococó. Neoclássico. Modernismo. Pós-modernismo. Arte e arquitetura
contemporânea.
JUSTÌFÌCATÌVA DA DÌSCÌPLÌNA NO CURSO
A disciplina HÌSTÓRÌA DA ARTE E DA ARQUÌTEURA é de fundamental importância para a
formação profissional do Tecnólogo em Design de Ìnteriores, pois permite ao mesmo contemplar,
em sua formação, os elementos norteadores da criação artística em toda a história.
Ao longo de milhares de anos uma diversa produção artística e arquitetônica tem sido realizada e
deixada para gerações futuras; inúmeros são os artistas, as ideias inovadoras, as técnicas
construtivas, os materiais utilizados, os conceitos desenvolvidos e consequentemente os resultados
formais obtidos. O que faz com que uma obra de arte se diferencie de um objeto não artístico?
Em sua futura atuação profissional, o Tecnólogo em Design de Ìnteriores estará diretamente
envolvido com o universo das artes, pois são agentes criadores e transformadores da percepção
comum.
Esta disciplina é o contato inicial com um amplo contexto que insere a produção artística e busca
compreender a necessidade do homem em "fazer existir¨ obras orientadas pelo senso estético e
artístico, demonstrando como a evolução das artes e da arquitetura está intimamente relacionada
com a evolução do homem e da sociedade.
CONTEÚDOS PROGRAMÁTÌCOS:
UNÌDADE ASSUNTO QTDE AULAS
I
Definição dos conceitos fundamentais da História da Arte e Arquitetura.
Pré-história e 1ªs civilizações. Evolução histórica da arte e da
arquitetura na antiguidade clássica: Grécia e Roma. Arte Paleocristã.
Ìdade Média: A estética, a arte e a arquitetura entre os séculos VÌÌ e
XÌÌ: Românico, Bizantino e Gótico.
5
II
Ìdade Moderna: A estética, a arte e a arquitetura renascentista.
Barroco Europeu.
2
III
A ruptura com a tradição artística. As Vanguardas. Arte e Arquitetura
Moderna e Contemporânea. Pesquisa arte e arquitetura
associado ao Design de interiores na Paraíba.
2
MÉTODOS E TÉCNÌCAS DE APRENDÌZAGEM
Aulas expositivas: ilustrações e slides com reproduções de obras de arte e de mapas.
Conversação didática, trabalhos em grupo e investigativo (leitura dirigida, seminários, mesa
redonda, releituras, questionários e pesquisa).
RECURSOS DÌDÁTÌCOS
Ìlustrações, slides, transparências, documentários, filmes, textos e visitas a museus,
monumentos e galerias de arte.
TÉCNÌCAS DE AVALÌAÇÃO DA APRENDÌZAGEM
Os exercícios de verificação serão aplicados gradativamente, conforme o desenvolvimento dos
assuntos a serem abordados. Consistirão de exercícios em sala e extra sala de aula, podendo
ser: criação de textos (redação), fichamentos, questionários, trabalhos de pesquisa, apresentação
oral, etc. Os critérios de avaliação da aprendizagem levarão em conta a capacidade do aluno:
0. Falar e escrever fluentemente a língua portuguesa;
1
02. Ter clareza na exposição das ideias e estruturas do texto;
03. Ao escrever fazer referências à bibliografia utilizada;
0". Fazer reflexão teórica aplicada a exemplos concretos;
05. Ter capacidade de realizar leitura e interpretação de textos e imagens;
0#. Ser capaz de realizar uma boa apresentação gráfica e oral;
0$. Demonstrar graus de interesse e participação em sala de aula.
Freqüência mínima de 75% das aulas.
ÉPOCA DAS AVALÌAÇÕES
Os alunos serão avaliados durante todo o semestre letivo através da participação efetiva nas
aulas e no desenvolvimento dos exercícios em sala de aula. Serão aplicadas também avaliações
prática e teórica para avaliação do desempenho do aluno. Comunicação antecipada de pelo
menos 02 dias corridos (48 horas) antes da realização dos exercícios
BÌBLÌOGRAFÌA BÁSÌCA (DE ACORDO COM PUBLÌCAÇÃO NA PÁGÌNA DO CSTDÌ/ÌFPB)
SANTOS. Maria das Graças Vieira Proença, H%&'()%* +* A)',! São Paulo: Ática, 2003.
BAUMGART, Fritz. B),-, H%&'()%* +* A)',! São Paulo: Martins Fontes, 1999.
BÌBLÌOGRAFÌA COMPLEMENTAR
GLANCEY, Jonathan. H%&'()%* +* A)./%','/)*! São Paulo: Edições Loyola, 2001
PEVSNER, Nikolaus. O)%0,1& +* A)./%','/)* M2+,)1* , +2 D,&%01! São Paulo: Martins Fontes, 1996.
BÌBLÌOGRAFÌA SUGERÌDA PELA PROFESSORA
B3&%4*:
ARGAN, G. C. A)', M2+,)1*. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
BENÉVOLO, L. H%&'()%* +* A)./%','/)* M2+,)1*. São Paulo: Perspectiva, 1998.
COSTELLA, A. F. P*)* A5),4%*) * A)',: )2',%)2 +%+3'%42! São Paulo: SENAC, 2002.
GOMBRÌCH, E. H%&'()%* G,)*6 +* A)',. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
JANSON, H. W. I1%4%*782 9 H%&'()%* +* A)',. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
STANGOS, Nikos. C214,%'2& +* A)', M2+,)1*. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.
STRÌCKLAND, Ph. D. A)', C2:,1'*+*. Ediouro: Rio de Janeiro, 1999.
STRÌCKLAND, Ph. D. A)./%','/)* C2:,1'*+*. Ediouro: Rio de Janeiro, 2001.
ZANÌNÌ, Walter. H%&'()%* G,)*6 +* A)', 12 B)*&%6. São Paulo: Ìnstituto Walther Moreira Salles e
Fundação Djalma Guimarães, 1983.
C2:56,:,1'*):
COLLÌNS, Peter. L2& I+,*6,& +, 6* A)./%',4'/)* M2+,1*: &/ ,-26/4%(1 ;$50<=50>!
Barcelona: Gustavo Gili, 1998.
FABRÌS, Annatereza. E46,'%&:2 1* A)./%','/)* B)*&%6,%)*. São Paulo: Nobel, 1987.
FEÌST, Hildegard. P,./,1* -%*0,: 5,62 :/1+2 +* *)',! São Paulo: Moderna. 2001.
FER, Briony et al. R,*6%&:2? R*4%21*6%&:2? S/)),*6%&:2: A *)', 12 ,1'),<0/,))*&. São
Paulo: Cosac&Naify, 1998.
GOÌTTÌA, Fernando et al. H%&'()%* G,)*6 +* A)',! Barcelona: Ediciones Del Prado. 1996.
MARTÌNS, Miriam Celeste(coordenação). A&&24%*782 B)*&%6@500 < M2&')* +2
R,+,&42A)%:,1'2! São Paulo: SESC. 2000.
MUNFORD, Lewis. A)', , 'B41%4*. Lisboa: Edições 70, 1986.
PANOFSKY, Erwin. A)./%','/)* G('%4* , I4212463&'%4*: * *1*620%* ,1'), *)',? C%62&2C%* ,
',2620%* 1* I+*+, MB+%*. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
READ, Herbert. O S,1'%+2 +* A)',. São Paulo: ÌBRASA 1978.
RÌCKEY,George. C21&')/'%-%&:2: Origens e Evolução. São Paulo: Cosac&Naify, 2002.
ROBERTSON, D. S. A)./%','/)* G),0* , R2:*1*. São Paulo: Martins Fontes, 1977.
SCRUTON, Roger. E&'B'%4* +* A)./%','/)*. Lisboa: Edições 70, 1983.
OUTRAS FONTES DE PESQUÌSA SUGERÌDOS
Revistas especializadas; Sites oficiais de Museus e Galerias de Arte; Sites ligados à História
da Arte; Sites de Arquitetura; Programas de TV a cabo; Filmes e Catálogos de Mostras de Arte
Contemporânea.
2