You are on page 1of 23

14

Índice
APRESENTAÇÃO........................................................................................................................................................................................... 3
UMA PALAVRA DO AUTOR......................................................................................................................................................................... 3
A TÍTULO DE INFORMAÇÃO APENAS..................................................................................................................................................... 4
TRINTA RAZOES POR QUE NÃO GUARDO O SÁBADO.......................................................................................................................5
1) O SÁBADO FAZ PARTE DE UM ONERTO OU PATO ENTRE DEUS E O POVO ISRAELITA E NINGU!M MAIS"........6
#) ANTES DO ONERTO DO SINAI DEUS NÃO ORDENOU A NINGU!M QUE GUARDASSE O SÁBADO"............................6
$) O SÁBADO ERA UM PATO ENTRE DEUS E OS ISRAELITAS" ERA BILATERAL" S% TERIA VALIDADE OM A
AEITAÇÃO E O UMPRIMENTO DE AMBAS AS PARTES"................................................................................................................7
&) O SÁBADO ONSTA DO DEÁLOGO E ESTA NÃO ! A PARTE MAIS IMPORTANTE DA LEI DE DEUS".............................7
') A PALAVRA (LEI( EM NEN)UMA DAS &** VEZES QUE OORRE NA BÍBLIA SE REFERE SOMENTE AO DEÁLOGO+
ONDE ENONTRAMOS A GUARDA DO SÁBADO"................................................................................................................................. 8
,) O SÁBADO NÃO ! UMA INSTITUIÇÃO PERP!TUA+ OMO A LEI NÃO !"................................................................................8
-) DEUS ABORREE O SÁBADO+ PORQUE ENVOLVE UM PREEITO ERIMONIAL ARENTE DA VERDADEIRA F!". . .9
.) O SÁBADO FAZ PARTE DA LEI E ESTA FOI TOTALMENTE ABOLIDA POR RISTO".............................................................9
/) ESTAMOS EM UM NOVO ONERTO+ O DA GRAÇA"..................................................................................................................10
1*) NO NOVO ONERTO+ SOB O QUAL ESTAMOS+ NÃO E0ISTE MANDAMENTO PARA GUARDAR O SÁBADO+
EMBORA ENONTREMOS TODOS OS OUTROS DO DEÁLOGO"..................................................................................................11
11) 1ESUS RISTO+ O MEDIADOR DO NOVO ONERTO+ E NOSSO SALVADOR+ NUNA ORDENOU A NINGU!M QUE
GUARDASSE O SÁBADO"........................................................................................................................................................................... 11
1#) O MINIST!RIO DA LEI 2O SÁBADO TAMB!M) FINDOU OM O MINIST!RIO DE 1OÃO BATISTA".................................12
1$) A GUARDA DO SÁBADO NÃO 1USTIFIA NINGU!M+ PORQUE A LEI NÃO FOI DADA PARA 1USTIFIAR+ MAS PARA
REVELAR AO )OMEM O SEU PEADO"............................................................................................................................................... 12
1&) GUARDAR O SÁBADO+ PARA O RISTÃO+ ! INORRER EM UM GRAVE PEADO )AMADO 3 ADULT!RIO
ESPIRITUAL"................................................................................................................................................................................................ 13
1') EM NEN)UM LUGAR DO NOVO TESTAMENTO O ESPIRITO SANTO DÁ SEU PAREER FAVORÁVEL 4 GUARDA DO
SÁBADO"........................................................................................................................................................................................................ 13
1,) OS GRANDES AONTEIMENTOS DO RISTIANISMO NÃO SE DERAM NO SÁBADO+ MAS NO DOMINGO"...............13
1-) A IGRE1A PRIMITIVA GUARDAVA O DOMINGO E NÃO O SÁBADO"........................................................................................14
1.) TODOS OS QUE GUARDAM O SÁBADO 2LEI)+ OMO MEIO DE 1USTIFIAÇÃO+ OU AÍRAM DA GRAÇA OU NUNA
ENTRARAM NELA" ESTÃO SEPARADOS DE RISTO"....................................................................................................................... 15
1/) PAULO )AMA A GUARDA DO SÁBADO DE RUDIMENTO FRAO E POBRE"......................................................................15
#*) NEN)UM DOS AP%STOLOS+ EM NEN)UM LUGAR DO NOVO TESTAMENTO+ REOMENDA OU ORDENA A GUARDA
DO SÁBADO"................................................................................................................................................................................................. 16
#1) NAS RESOLUÇ5ES TOMADAS PELA IGRE1A NO ONILIO DE 1ERUSAL!M+ NADA ONSTA SOBRE A
NEESSIDADE DA GUARDA DO SÁBADO"............................................................................................................................................ 16
##) O AP%STOLO PAULO ERA AP%STOLO DOS GENTIOS+ E EMBORA TEN)A DITO QUE TUDO DE PROVEITOSO ELE
ENSINOU+ E QUE ENSINOU TODO O ONSEL)O DE DEUS+ NADA ENSINOU AERA DA NEESSIDADE DA GUARDA
DO SÁBADO"................................................................................................................................................................................................. 17
#$) GUARDAR O SÁBADO+ POR SER PREEITO DA LEI+ E PROURAR IMPOR SUA OBSERV6NIA SOBRE OUTROS+ !
O MESMO QUE TENTAR A DEUS"............................................................................................................................................................ 17
#&) OS AP%STOLOS+ OLUNAS DA IGRE1A+ PEDRO+ TIAGO E 1OÃO+ E TAMB!M PAULO+ DOUTOR DOS GENTIOS+ NÃO
GUARDAVAM O SÁBADO 2LEI)7 PELO ONTRÁRIO+ FORAM DUROS E RIGOROSOS NO OMBATE 4S DOUTRINAS
SABATISTAS8................................................................................................................................................................................................ 18
#') PAULO DIZ QUE NINGU!M DEVE 1ULGAR ALGU!M QUE NÃO GUARDA O SÁBADO+ PORQUE TODOS OS DIAS SÃO
IGUAIS".......................................................................................................................................................................................................... 19
#,) O SÁBADO+ A LUA NOVA+ OS DIAS DE FESTAS E OUTROS ERIMONIAIS DA LEI+ SÃO MERAS SOMBRAS DOS BENS
FUTUROS"...................................................................................................................................................................................................... 19
#-) O SÁBADO 9 UM SINAL ENTRE DEUS E ISRAEL" NÃO ! NEM PODE SER UNIVERSAL"....................................................20
#.) DURANTE SUA VIDA NA TERRA+ 1ESUS ESOL)EU O SÁBADO OMO DIA DE TRABAL)O"..........................................20
#/) PROURAR GUARDAR O SÁBADO ! O MESMO QUE TENTAR GUARDAR A LEI DE MOIS!S+ PORQUE ! ELE
PREEITO UNIAMENTE MOSAIO" E QUEM PROURA 1USTIFIAR3SE PELA OBSERV6NIA DA LEI ESTÁ8.............21
$*) O SÁBADO DO DEÁLOGO TEM UMA PARTE MORAL E ETERNA+ E UMA OUTRA ERIMONIAL E TRANSIT%RIA" 22
ONLUSÃO................................................................................................................................................................................................ 22
14
11: EDIÇÃO Re;i<=d= e A>?@i=d=
APRESENTAÇÃO
Em Trinta Razões Por Que Não uar!o o "#$a!o% o Pastor &mi'to (ustus )onse*uiu e+ternar )om
)'areza o mais ,uro e-an*e'.o !e nosso "en.or (esus /risto% on!e não .# 'u*ar ,ara a 0'ei !e 1ois2s0%
,or3ue se tornou 4a'.a e ino,erante.
5 Pastor &mi'to ,enetra na ess6n)ia !o ,ro$'ema e no -er!a!eiro sentimento !os a,7sto'os 3ue%
ins,ira!os ,e'o Es,8rito "anto% re4utaram a i!2ia !os 4a'sos )ristãos 3ue !ese9a-am ser-ir a /risto e
*uar!ar a 'ei.
:azen!o uso )orreto !os te+tos $8$'i)os% não '.es tor)en!o o senti!o e não in-a'i!an!o o )onte+to% o
autor !estr7i% em )a!a uma !as trinta razões% o ,rete+to 9u!aizante !e 4azer !o )ristianismo uma seita
9u!ai)a e !a 'ei !e /risto remen!os a,enas.
5 Pastor &mi'to sou$e !emonstrar ,or 3ue somos ministros !e um No-o Testamento% e 3ue a
re'i*ião !e /risto não est# !e,en!ura!a a ru!imentos e !is,õe !e suas ,r7,rias 'eis. /risto não )o'o)ou
0remen!o !e ,ano no-o0 ;seus ensinos< 0em -esti!o -e'.o0 ;a =ei e os 1an!amentos<. (esus esta$e'e)eu
tu!o no-o e 9o*ou 4ora o -e'.o ;>e$reus 8?13@ #'atas 4?30<.
"e*un!o a E,8sto'a !e Pau'o aos /or8ntios% os Aez 1an!amentos são o minist2rio !a morte% um
minist2rio !e )on!enaBão% uma =ei Transit7ria% 3ue 3uer !izer? ,assa*eira% tem,or#ria e inst#-e'. 5s Aez
1an!amentos 4oram tem,or#rios e não t6m mais -a'or a'*um% ,or3ue 4oram a$o'i!os ,or /risto.
osto !o Ce'.o Testamento. osto !as )oisas anti*as ,e'os seus as,e)tos .ist7ri)os% mas 9amais
serei to'o !e usar uma )oisa anti*a e o$so'eta% 3uan!o e+istem )oisas su,eriores. Não tro)arei a 'uz e'2D
tri)a ,e'as to).as !e 4o*o. &ssim% não tro)arei o !omin*o% 3ue etimo'o*i)amente 3uer !izer AE& A5
"EN>5R% 0 AE& E1 QFE 0 "EN>5R RE""F"/ET5F% ,or nen.um outro% nem mesmo ,e'o s#$a!o !a
=ei% )u9a *'7ria !es-ane)euDse ante o res,'en!or !o !ia !a ressurreiBão.
5 ,o-o !e Aeus est# !e ,ara$2ns% ,or3ue t6m em mãos orientaBões $8$'i)as e )ristãs 3ue ,o!erão
'i-r#D'o !as .eresias !os G'timos !ias% orientaBões ,ro!uzi!as ,or um ser-o !e Aeus% )u9a )onsa*raBão e
!e!i)aBão a /risto e H sua E*re9a nem os sa$atistas ousam )ontestar.
UMA PALAVRA DO AUTOR
5 ,resente tra$a'.o 3ue a,resentamos aos !istintos 'eitores% #-i!os !e )on.e)imentos s2rios e .onestos no
3ue tan*e aos mara-i'.osos ensinamentos !a "anta Pa'a-ra !e Aeus% 2 4ruto !e estu!os $8$'i)os 4eitos )om to!a
.umi'!a!e ,or a'*u2m 3ue 9# mi'ita nas 4i'eiras !o e+2r)ito !o "en.or .# mais !e -inte anos% )omo ,astor e
ensina!or !as -er!a!es es,irituais e eternas.
Por muito tem,o resistimos ao im,u'so !e )o'o)ar em um o,Gs)u'o as -er!a!es e )onsi!eraBões )onti!as
nesta mensa*em 3ue a*ora ,assamos Hs mãos !os 3ue a '6em. Re'utamos ,or3ue a).amos 3ue assim 4azen!o
,o!er8amos ma*oar ou entriste)er a'*umas ,essoas 3ue são *uar!a!oras !o s#$a!o% muitas !e'as% 7timas e ami*as
).e*a!as a n7s. To!a-ia% )omo não ti-emos a mesma )onsi!eraBão ,or muitos sa$atistas% 3ue se intro!uziram em
nossos arraiais% semean!o suas !outrinas% 3ue a nosso -er% )are)em !e $ase $8$'i)a% ,ro)uran!o 'e-ar ,ara seu meio%
)omo a)onte)eu em a'*uns )asos% ,essoas sem 4irmeza e sem me'.ores )on.e)imentos !a Pa'a-ra% um tanto
)onstran*i!os% ,or2m )ertos !e 3ue 2 a -onta!e !e Aeus% reso'-emos !ei+ar e+tra,o'ar !o )oraBão e !a mente ,ara
o ,a,e' a mensa*em% sim,'es mas ).eia !a Pa'a-ra !e Aeus% 3ue o 'eitor .onesto e inte'i*ente tem em suas mãos.
5 o$9eti-o !esta mensa*em não 2 4azer !e'a uma es,a!a ,ara 4erir 3uem 3uer 3ue se9a% ,or2m us#D'a )omo
es)u!o. Não 2 nossa ,retensão a*re!ir os 3ue não ,ensam )omo n7s% mas )o'o)ar nas mãos !os nossos irmãos em
/risto (esus uma mensa*em 3ue os a9u!e a !e4en!erDse !os ata3ues ma'!osos% ma'i)iosos e at2 .er2ti)os !a3ue'es
3ue nos 3uerem meter !e$ai+o !o 9u*o% não o 9u*o sua-e e 'e-e !e /risto% mas !o 9u*o ,esa!o e insu,ort#-e' !a
=ei% 9# )o'o)a!o !e 'a!o ,e'o "en.or (esus.
&os 3ue não ,ensam nem )r6em )omo n7s% nossas es)usas ,or !istri$uir es)u!os aos mi'.ares aos ama!os
3ue 3uerem ser-ir a Aeus na sim,'i)i!a!e !o E-an*e'.o !e (esus /risto. E a estes% nossos -otos !e 3ue 4aBam $om
uso e a mãos ).eias !este tra$a'.o% 3ue tem ,or 4ina'i!a!e 4orta'e)erD'.es a )on-i)Bão $8$'i)a !e 3ue somos sa'-os
Gni)a e e+)'usi-amente ,e'a *raBa !e Aeus% me!iante a 42 em nosso "en.or (esus /risto.
A>i@AB 1C<AC<
14
A TÍTULO DE INFORMAÇÃO APENAS
Estamos )ientes !e 3ue a maioria !os 'eitores sa$e i!enti4i)ar 3uem são os 3ue *uar!am o s#$a!o.
To!a-ia% -isan!o orientar es,e)ia'mente a3ue'es 3ue ain!a não os )on.e)em% re*istramos a'*uns 4atos inD
teressantes so$re a ori*em !o mo-imento !os *uar!a!ores !o s#$a!o% ou se9a% &ACENTE"T&" A5 "ID
TE15 AE&% ou )omo são ).ama!os mais -u'*armente% "&J&T1"T&".
)IST%RIO
:un!a!or? Ki''iam 1i''er% 4azen!eiro norteDameri)ano% natura' !e =eL >am,ton% Esta!o !e No-a
Eor3ue% nas)eu em 1782 e 4a'e)eu em 1849. & ,rin)8,io era $atista e ,re*a!or 'ei*o% !e ,ou)a )u'tura% e
nun)a 4oi o4i)ia'mente or!ena!o.
Em 1818% a,7s estu!ar !ois anos as Es)rituras% 1i''er )on-en)euDse !e 3ue (esus -o'taria H terra em
10M12M1843. Ae!uziu isso !e Aanie' 8?13%14% toman!o as 02.300 tar!es e man.ãs0 )omo sen!o 2.300
anos% )onta!os a ,artir !e 457 a./.% ano em 3ue Es!ras su$iu a (erusa'2m% -in!o !a Ja$i'Nnia.
1i''er% )om )on-i)Bão ,r7,ria% )omeBou a !i-u'*ar a sua mensa*em anti$8$'i)a? /RE"T5
C5=T&RE& O TERR& E1 1843 !./.
Em 1831% 1i''er ini)iou a ,re*aBão !as suas !outrinas e )omeBou o seu ,rose'itismo% mas sem
nen.uma or*anizaBão.
/ate3uisa!os ,e'o 4a'so ,ro4eta% )er)a !e 30.000 ,essoas o se*uiram% !ei+an!o suas o)u,aBões.
Cen!eram suas ,ro,rie!a!es e% na noite !o !ia 4i+a!o ;10M12M1843<% reuniramDse ao ar 'i-re% ,er8o!os
montes /atsPi''s% Esta!o !e No-a Eor3ue% ,ara a*uar!ar o e-ento. To!os tra9a-am as 0-estes !e as)ensão0.
&'*uns !os mais )uriosos a*uar!a-am !e )ima !os te'.a!os !as )asas ,r7+imas. Es,eraram em
-ãoQ. . . & ,ro4e)ia !e 1i''er !is)or!a-a !as ,a'a-ras !o "en.or (esus em 1ateus 25?13? 0Ci*iai ,ois%
,or3ue não sa$eis o !ia nem a .ora em 3ue o :i'.o !o .omem .# !e -ir0.
/omo (esus não -eio na !ata ,res)rita% 1i''er a'e*ou 3ue .ou-era en*ano !e um ano% ,or ter 4eito
seus )#')u'os $asea!o na )rono'o*ia .e$rai)a% em -ez !e na romana. 1ar)ou no-a !ata ,ara 22M10M1844.
& mu'ti!ão 3ue se reuniu nesse ano 4oi maior. 1as% outra -ez% es,erou em -ão. . . Então a maioria% en4ureD
)i!a% a$an!onou o mo-imento. 5utros% mais e+a'ta!os% a,e'aram ,ara a -io'6n)ia% a 4im !e -in*arDse !o
4a'so ,ro4eta% 3ue te-e !e 4u*ir.
5 4azen!eiro% !e,ois !isso% )essou suas ati-i!a!es% !esistiu !a no-a re'i*ião e% se*un!o a'*uns
)omenta!ores% -o'tou H )omun.ão !e sua i*re9a.
1i''er 4oi o ,re)ursor !o mo-imento sa$atista% ,or2m e'e mesmo nun)a ensinou a)er)a !a *uar!a
!o s#$a!o% )omo ensinam os sa$atistas% em$ora ten.a ensina!o 3ue os .omens ain!a são su9eitos H 'ei.
"u)essor? & essa a'tura% um !os au+i'iares !e 1i''er entra em )ena DD a "ra. >e''en ou'! K.ite%
3ue se ,ro)'amou ,ro4etisa e '8!er !o mo-imento. Para sa'-ar a situaBão !ei+a!a ,or 1i''er% e'a )riou a
teoria !o 0"&NTFRRE50. Essa teoria a4irma 3ue o santu#rio !e Aanie' 8?13%14% est# no )2u% e não na
terra% e 3ue /risto -eio a e'e em 22M10M1844 ,ara ,uri4i)#D'o% tra$a'.o esse 3ue ain!a est# 4azen!o at2
.o9e. & "ra. K.ite asse*urou 3ue tu!o isso '.e tin.a si!o !a!o ,or 0re-e'aBão !i-ina0. Em meio ao
4anatismo re'i*ioso e Hs )ontra!iBões teo'7*i)as sem $ase !a sua seita% e'a 'anBou a teoria !o
0"&J&TE"150% ,ara a *uar!a !o s#$a!o. Em uma !e suas 0-isões0% !iz e'a% 4oiD'.e re-e'a!o 0um
)amin.o estreito 3ue se !estina-a ao )2u% em 3ue somente os a!-entistas )amin.a-am0.
& "ra. K.ite ,ro)urou 1i''er ,ara '.e transmitir as 0$oasDno-as0% mas ten!o sa8!o !o mo-imento%
1i''er não as a)eitou. A SD=" EFiAe+ =ind= GC=ndB 1i''er ,re*a-a a -in!a !e /risto ?=D= o ano de 1.&$+
!iz ter ti!o uma -isão 3ue )onta no seu 'i-ro 0",iritua' i4ts0% )om as se*uintes ,a'a-ras? 0Eis -i 3ue
Aeus esta-a na ,ro)'amaBão !o tem,o em 1.&$("
Ten!o ameniza!o o ,ro$'ema )om a !outrina !o santu#rio% a "ra. K.ite mar)ou outras !atas ,ara a
-o'ta !e /risto% 3uais se9am os anos? 1847% 1850% 1852% 1854% 1855% 1866% 1867% 1868% 1877%et).% e nun)a
/risto -eioQ Nun)a (esus re-e'ou esse !ia a nin*u2m% ,ois e'e mesmo !isse? 0Por2m !a3ue'e !ia e .ora
nin*u2m sa$e% nem os an9os !o )2u% nem o :i'.o% mas uni)amente meu Pai0 ;1ateus 24?36<. Que ,ensa o
14
,reza!o 'eitor !e um mo-imento )om uma $ase tão arenosa assimS =em$remos as ,a'a-ras !e (esus?
0E a3ue'e 3ue ou-e estas min.as ,a'a-ras% e as não )um,re% )om,ar#D'oDei ao .omem insensato% 3ue
e!i4i)ou a sua )asa so$re a areia@ e !es)eu a ).u-a% e )orreram rios% e asso,raram -entos% e )om$ateram
a3ue'a )asa% e )aiu% e 4oi *ran!e a sua 3ue!a0 ;1ateus 7?26%27<.
TRINTA RAZOES POR QUE NÃO GUARDO O SÁBADO
&s trinta razões ,or 3ue não *uar!o o s#$a!o% men)iona!as a3ui% não são as Gni)as% to!a-ia ,enso
3ue são su4i)ientes ,ara !emonstrar )a$a'mente 3ue nen.um ser .umano% se9a *entio ou 9u!eu% uma -ez
)on-erti!o a /risto% tem 3ua'3uer o$ri*atorie!a!e )om a *uar!a !o s#$a!o% -isto ser e'e um ,re)eito !a
'ei !e 1ois2s% a 3ua' )onsistia em um )on)erto entre o "en.or e Esrae' somente. To!a-ia% )omo (esus )oD
'o)ou o Ce'.o /on)erto !e 'a!o ao )um,riD'o tota'mente% e ao esta$e'e)er um No-o /on)erto% .o9e% nem
mesmo o 9u!eu tem 3ua'3uer )om,romisso )om a *uar!a !o s#$a!o% uma -ez estan!o em /risto (esus.
"u*iro ao ,reza!o 'eitor uma 'eitura sem ,re-enBão !outrin#ria% e )om .onesti!a!e e .umi'!a!e no
e+ame !os te+tos )ita!os% ,e!in!o a !ireBão !o Es,8rito "anto na inter,retaBão !os mesmos.
14
PRIMEIRA RAZÃO
1) O SÁBADO FAZ PARTE DE UM ONERTO OU PATO ENTRE
DEUS E O POVO ISRAELITA E NINGU!M MAIS"
TFalou mais o Senhor a Moisés, dizendo: 'Tu pois fala aos filhos de Israel: Certamente
guardareis meus sábados; poruanto isso é um sinal entre mim e !"s nas !ossas gera#$es;
para ue saibais ue eu sou o Senhor, ue !os santifi%a& 'ortanto guardareis o sábado,
poruanto santo é para !"s; auele ue o profanar %ertamente morrerá; porue ualuer ue
nele fizer alguma obra, auela alma será e(tirpada do meio do seu po!o& Seis dias se fará
obra, porém o sétimo é o sábado do des%anso, santo ao Senhor; ualuer ue no dia do
sábado fizer obra, %ertamente morrerá& & & )uardar*o pois o sábado os filhos de Israel,
%elebrando o sábado nas suas gera#$es, por %on%erto perpétuo& +ntre mim e os filhos de
Israel será um sinal para sempre; porue em seis dias fez o Senhor o %éu e a terra, e ao
sétimo dia des%ansou, e restaurou,seU ;V+o!o 31?12D17<.
5$ser-eDse nos te+tos *ri4a!os 3ue o "en.or 2 )'aro% )'ar8ssimo em !izei )om 3uem 2 o )on)erto
,ara *uar!ar o s#$a!o. "7 não en+er*a 3uem não 3uer -er. "omente os 3ue estão )om os o'.os -en!a!os
ou os 3ue 3uerem tirar -anta*ens 4in*em não -er 3ue a *uar!a !o s#$a!o 2 um )on)erto entre Aeus e
Esrae'% somente. ;=er Romanos 1?18D21@ 2?12D16.<
Enten!emos tam$2m 3ue% a,7s a -in!a !e (esus% 3ue )um,riu a =ei !e 1ois2s% inte*ra' e
)a$a'mente% nem mesmo os 9u!eus t6m ne)essi!a!e !e *uar!ar o s#$a!o% -isto 3ue o 4im !a =ei 2 /risto.
Portanto to!o 9u!eu )on-erti!o a /risto não est# mais !e$ai+o !a =ei% não ,re)isa *uar!ar o s#$a!o% a'i#s%
4oi isso 3ue Pau'o 3uis !izer em #'atas 3?23D29 e Romanos 7?4D6.
5s a!-entistas a'e*am 3ue os )ristãos não *uar!am o s2timo !ia !a )riaBão W 3uan!o Aeus
!es)ansou !a sua o$ra )ria!ora em seis !ias e a$enBoou o s2timo ;6nesis 2?1D3<. =em$ramos? Entre o
s2timo !ia !o tem,o !a )riaBão e o s2timo !ia 3ue 1ois2s restaurou% a !istXn)ia 2 *ran!e. :az ,ou)o
tem,o 3ue 1ois2s esta$e'e)eu a semana 9u!ai)a. . . e a semana !a )riaBão tem muito. . . 5 ,r7,rio s#$a!o
!e 1ois2s 2 su,osto. . . Quem *arante 3ue e'e 2 o )Nm,uto !o s#$a!o !a )riaBãoS E Aeus 4az 3uestão
!esse )Nm,utoS
SEGUNDA RAZÃO
#) ANTES DO ONERTO DO SINAI DEUS NÃO ORDENOU A
NINGU!M QUE GUARDASSE O SÁBADO"
& Gni)a =ei !a!a ,or Aeus ao .omem a ,rin)8,io 4oi a 3ue est# inseri!a em 6nesis 2?16D17?
T+ ordenou o Senhor -eus ao homem dizendo: -e toda ár!ore do .ardim %omerás li!remente;
mas da ár!ore da %i/n%ia do bem e do mal& dela n*o %omerás; porue no dia em ue dela
%omeres, %ertamente morrerás.U
Quan!o o "en.or ).amou &$raão e '.e anun)iou o E-an*e'.o !a sa'-aBão% o 3ua' -iria a ser
re-e'a!o !e maneira mais am,'a e )'ara )om a -in!a !e (esus% na!a '.e )omuni)ou 3uanto H ne)essi!a!e
!e se *uar!ar o s#$a!o% ou mesmo a 0=ei !e 1ois2s0% )omo a'*o ne)ess#rio ,ara se o$ter a sa'-aBão%
)on4orme re*istra!o em #'atas 3?8?
T0ra, tendo a +s%ritura pre!isto ue -eus ha!ia de .ustifi%ar pela fé os gentios, anun%iou
primeiro o e!angelho a 1bra*o, dizendo: Todas as na#$es ser*o benditas em ti.U
E 7$-io% ,ortanto% 3ue antes !o "inai nin*u2m 4oi o$ri*a!o a *uar!ar o s#$a!o. E )erto tam$2m
3ue% mesmo !urante o ,er8o!o !a =ei% nen.um *entio tin.a 3ua'3uer )om,romisso !e *uar!ar o s#$a!o%
-isto ser um )on)erto Gni)a e e+)'usi-amente )om Esrae'. E )'aro est# tam$2m 3ue% nem *entios nem
9u!eus% t6m o$ri*aBão !e o$ser-ar a *uar!a !o s#$a!o a,7s a -in!a !e (esus% ,ois% não estamos mais
!e$ai+o !a =ei% mas !e$ai+o !a *raBa. &'e'uiaQ
Ae-emos -i-er as 'eis !e Aeus ,or3ue 4omos a')anBa!os e sa'-os ,or sua *raBa% em /risto% e não
*uar!ar a =ei !e 1ois2s ,ara a')anBar a *raBa !a sa'-aBão. . . &ssim (esus /risto teria -in!o em -ão. . .
14
TEREIRA RAZÃO
$) O SÁBADO ERA UM PATO ENTRE DEUS E OS ISRAELITAS"
ERA BILATERAL" S% TERIA VALIDADE OM A AEITAÇÃO E O
UMPRIMENTO DE AMBAS AS PARTES"
T1ntes por amor deles me lembrarei do %on%erto %om os seus antepassados, ue tirei da terra
do +gito perante os olhos das na#$es, para lhes ser por -eus: +u sou o Senhor& +stes s*o os
estatutos, e os .u2zos, e as leis ue deu o Senhor entre si e os filhos de Israel, no monte Sinai,
pela m*o de Moisés&
Chega tu, e ou!e tudo o ue disser o Senhor nosso -eus; e tu nos dirás tudo o ue te disser o
Senhor nosso -eus, e o ou!iremos, e o faremosU ;AeuteronNmio 5?27@=e-8ti)o 26?45%46<.
I e-i!ente% 3uem esta$e'e)eu as re*ras% ou 3uem ,ro,Ns a 'ei 4oi o "en.or% ,or2m est# $em )'aro
3ue os israe'itas ou-iram% enten!eram e !eram o sim@ em outras ,a'a-ras% )on)or!aram )om o te+to e
assinaram o )ontrato% !a8 4i)arem )om,rometi!os a *uar!ar o s#$a!o.
To!a-ia% nem os *entios% e nen.um re,resentante !a E*re9a !e /risto esta-am '# ,ara ou-irem a
'eitura !o )on)erto% enten!6D'o e assin#D'o 4i)an!o assim )om,rometi!os )om a *uar!a !o s#$a!o.
Nesse -e'.o ,a)to% Aeus ia se re-e'an!o ao n8-e' !o ,o-o% ,or seus or#)u'os% 3ue se torna-am 'eis.
Tu!o a,onta-a ,ara /risto% 3ue .a-ia !e -ir. E'e re-e'aria to!a a 'ei !e Aeus% in)'usi-e a 'ei 3ue 'i$erta !a
es)ra-i!ão H *uar!a !e um s#$a!o 4i+o ;1ar)os 2?27%28<.
QUARTA RAZÃO
&) O SÁBADO ONSTA DO DEÁLOGO E ESTA NÃO ! A PARTE
MAIS IMPORTANTE DA LEI DE DEUS"
T+ um deles, doutor da lei, interrogou,o para o e(perimentar, dizendo: Mestre, ual é o
grande mandamento na lei3 + 4esus disse,lhe: 1marás o Senhor teu -eus de todo o teu
%ora#*o, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento& +ste é o primeiro e grande
mandamento& + o segundo, semelhante a este, é: 1marás o teu pr"(imo %omo a ti mesmo&
-estes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetasU ;1ateus 22?3540<.
Este te+to 4az ,arte !o ensino !e (esus ministra!o aos 4ariseus% e 2 re,etiBão !e ,arte !o Ce'.o
Testamento D AeuteronNmio 6?5@ 10?12 D e 3ue não 4az ,arte !o !e)#'o*o. (esus !isse 3ue !estes !ois
man!amentos !e,en!em to!a a =ei e os ,ro4etas. Em outras ,a'a-ras% )remos 3ue (esus 3ueria !izer 3ue
se o .omem não amar a Aeus a)ima !e to!as as )oisas% e ao ,r7+imo )omo a si mesmo% a *uar!a !o
s#$a!o e !os outros man!amentos% mesmo 4eita )om o m#+imo !e ri*or e serie!a!e% não ,assa !e ,er!a
!e tem,o e a'*o tota'mente inGti'.
& maioria !as ,essoas 3ue )on.eBo 3ue são *uar!a!oras !o s#$a!o se ,are)em $astante )om
a3ue'es aos 3uais (esus 4a'ou% !izen!o?
TMas, se !"s soubesseis o ue signifi%a: Miseri%"rdia uero, e n*o sa%rif2%io, n*o
%ondenar2eis os ino%entes& 'orue o Filho do homem até do sábado é SenhorU ;1ateus
12.7%8<.
(esus /risto resume to!a a 'ei numa ,a'a-ra? &mor. 5s 3uatro ,rimeiros man!amentos? &mor a
Aeus. 5s seis G'timos? &mor ao ,r7+imo. Ci-er a 'ei !o amor% se*un!o (esus /risto% 2 me'.or 3ue *uar!ar
'eis% se*un!o o 'e*is'a!or 1ois2s. . . Eis a !i4erenBa entre a -e'.a e a no-a a'ianBa. . .
14
QUINTA RAZÃO
') A PALAVRA (LEI( EM NEN)UMA DAS &** VEZES QUE OORRE
NA BÍBLIA SE REFERE SOMENTE AO DEÁLOGO+ ONDE
ENONTRAMOS A GUARDA DO SÁBADO"
Pau'o% o maior ar*umento )ontra os sa$atistas% !iz em seus ensinos 3ue a 0=ei0 4oi ,or /risto !es4eiD
ta% ris)a!a% tira!a !o nosso meio e )ra-a!a na )ruz.
T5a sua %arne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, ue %onsistia em
ordenan#as& para %riar em si mesmo dos dois, um no!o homem, fazendo a paz& 6a!endo
ris%ado a %édula ue era %ontra n"s nas suas ordenan#as, a ual de alguma maneira nos era
%ontrária, e a tirou do meio de n"s, %ra!ando,a na %ruzU ;E42sios 2?15@ /o'ossenses 2?14<.
Por 3ue tentar a Aeus 3ueren!o tornar a e!i4i)ar uma )oisa 3ue e'e 9# a$o'iuS Aessa maneira
estaremos tra$a'.an!o )ontra Aeus% o 3ue 2 a'*o ,eri*oso !emais ,ara ser 4eito.
Por 3ue *uar!ar o s#$a!o% ou ,ior ain!a% ,or 3ue im,or so$re outras ,essoas um 9u*o ,esa!o 3ue
nem os ,r7,rios 9u!eus ,u!eram su,ortar% e 3ue 4oi ,or
(esus a$o'i!o ,or sua 4ra3ueza e inuti'i!a!eS ;&tos 15?10%11@ >e$reus 7?18<.
"e somos a $or$o'eta% -oan!o 'i-res nas asas !o amor e !a *raBa !e /risto% ,or 3ue -o'tarmos ao esD
t#*io !a 'a*arta e !a )ris#'i!a% ,resos H 'ei 3ue at2 .o9e não sa'-ou os 'e*a'istas% e 'e-ouDos a )on!enar e
)ru)i4i)ar o ,r7,rio :i'.o !e AeusS
SE0TA RAZÃO
,) O SÁBADO NÃO ! UMA INSTITUIÇÃO PERP!TUA+ OMO A LEI
NÃO !"
5$ser-an!o a re-e'aBão !e Aeus !a!a a Pau'o !es)o$rimos 3ue a =ei 4oi !a!a )omo uma
a'ternati-a% at2 3ue -iesse a 42% 3uan!o então seria tira!a% ou se9a% )o'o)a!a !e 'a!o% ,or3ue teria assim
)um,ri!a sua 4ina'i!a!e ;EE /or8ntios 3?11<.
TMas digo isto: 7ue tendo sido o testamento anteriormente %onfirmado por -eus, a 8ei ue
!eio uatro%entos e trinta anos depois, n*o o in!alida, de forma a abolir a promessa& 8ogo,
para ue é a 8ei3 Foi ordenada por %ausa das transgress$es, até ue !iesse a posteridade a
uem a promessa tinha sido feita; e foi posta pelos an.os na m*o de um medianeiro& 0ra, o
medianeiro n*o é um s", mas -eus é um& 8ogo, a 8ei é %ontra as promessas de -eus3 -e
nenhuma sorte; porue, se dada fosse uma 8ei ue pudesse !i!ifi%ar, a .usti#a, na !erdade,
teria sido pela 8ei& Mas a +s%ritura en%errou tudo debai(o do pe%ado, para ue a promessa,
pela fé em 4esus Cristo, fosse dada aos %rentes& Mas, antes ue a fé !iesse, está!amos
guardados debai(o da 8ei, e en%errados para auela fé ue se ha!ia de manifestar& -e
maneira ue a 8ei nos ser!iu de aio, para nos %onduzir a Cristo, para ue pela fé f9ssemos
.ustifi%ados&
Mas depois ue a fé !eio, .á n*o estamos debai(o de aio& 'orue todos sois filhos de -eus
pela fé em Cristo 4esusU ;#'atas 3?17%19D26<.
"e a *uar!a !o s#$a!o 4osse uma instituiBão ,er,2tua% )omo ,o!eria Aeus )o'o)#D'o !e 'a!oS Aeus
não 2 Aeus !e )on4usão. Aeus não 2 .omem ,ara 3ue minta% nem 4i'.o !e .omem ,ara 3ue se arre,en!a.
I ,e'a 42 3ue nos tornamos 4i'.os !e Aeus@ não ,or *uar!ar um !ia 4i+o !e !es)anso. Não
ames3uin.emos o "en.or ,e'a mes3uin.ez !e nossa mente.
14
S!TIMA RAZÃO
-) DEUS ABORREE O SÁBADO+ PORQUE ENVOLVE UM
PREEITO ERIMONIAL ARENTE DA VERDADEIRA F!"
5 ,ro4eta Esa8as% *uia!o ,e'o Es,8rito !e Aeus% o4ere)eDnos a se*uinte in4ormaBão?
T5*o %ontinueis a trazer ofertas !*s; o in%enso é para mim abomina#*o, e também as luas
no!as, os sábados, e a %on!o%a#*o das %ongrega#$es; n*o posso suportar ini:idade
asso%iada ao a.untamento solene& 1s !ossas luas no!as, e as !ossas solenidades, a minha
afana as aborre%e; .á me s*o pesadas; estou %ansado de as sofrerU ;Esa8as 1.13%14<.
5 ,ro4eta (eremias tam$2m )orro$ora )om as se*uintes ,a'a-ras?
T0 Senhor em Si*o p"s em esue%imento a solenidade e o sábado, e na indigna#*o da sua ira
re.eitou %om desprezo o rei e o sa%erdote.U ;=amentaBões !e (eremias 2 ?6$<.
Tam$2m o ,ro4eta 5s2ias !iz?
T+ farei %essar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas no!as, e os seus sábados, e todas
as suas festi!idades.U ;5s2ias 2?11<.
"e a *uar!a !o s#$a!o 4osse% )omo a'*uns !izem% um man!amento 0mora'0% isto 2% a'*o 3ue não
,o!e ser -io'a!o% )omo ,o!eria Aeus !izer 3ue o a$orre)iaS /omo ,o!eria Aeus% 3ue 2 santo% ,er4eito%
imut#-e'% em 3uem não .# som$ra !e -ariaBão% a$orre)erDse e 4i)ar satura!o !a o$ser-Xn)ia !e uma 'ei
3ue e'e mesmo esta$e'e)eu )om )ar#ter 0mora'0 e imut#-e'S "7 3uem não ra)io)ina )om $oa '7*i)a ,o!eD
r# a!mitir ta' a$sur!o.
Portanto% o s#$a!o 4oi institu8!o ,or Aeus ,ara ser *uar!a!o ,e'os 9u!eus )omo um )erimonia'% no
3ua' a sin)eri!a!e e a ,ureza !o )oraBão tin.am !e estar ,resentes 3uan!o o mesmo 4osse o$ser-a!o.
I ,or isso 3ue em -#rias o)asiões o s#$a!o era -io'a!o% e os trans*ressores 4i)a-am sem )u',a
;1ar)os 2?23D28@ 1ateus 12?5%11%12@ (oão 7?22%23<.
uar!ar um s#$a!o 4i+o 4anati)amente% 4arisai)amente% ,ara a')anBar o 4a-or !i-ino% 2 uma ).anD
ta*em !e 42 3ue a$orre)e e satura o )oraBão amoroso e *ra)ioso !e Aeus. ..
OITAVA RAZÃO
.) O SÁBADO FAZ PARTE DA LEI E ESTA FOI TOTALMENTE
ABOLIDA POR RISTO"
T5a sua %arne desfez a inimizade, isto é, a 8ei dos mandamentos, ue %onsistia em
ordenan#as, para %riar em si mesmo dos dois um no!o homem, fazendo a pazU ;E42sios
2?14%15<.
T6a!endo ris%ado a %édula ue era %ontra n"s nas suas ordenan#as, a ual de alguma
maneira nos era %ontrária, e a tirou do meio de n"s, %ra!ando,a na %ruzU ;/o'ossenses 2?14<.
T'orue o pre%edente mandamento é ab,rogado por %ausa da sua fraueza e inutilidadeU
;>e$reus 7?18<.
T-izendo: 5o!o %on%erto en!elhe%eu o primeiro& 0ra, o ue foi tornado !elho, e se
en!elhe%e, perto está de a%abarU ;>e$reus 8?13<.
T+nt*o disse: +is aui !enho, para fazer, " -eus, a tua !ontade& Tira o primeiro, para
estabele%er o segundoU ;>e$reus 10?9<.
5 3ue est# e-i!ente nos te+tos a)ima )ita!osS &o )um,rir /risto a =ei% esta 4oi ,or e'e?
-esfeita;
;is%ada;
14
Tirada de nosso meio;
Cra!ada na %ruz;
1b,rogada;
1%abada por en!elhe%er;
Tirada para dar lugar < gra#a&
Por 3ue a'*uns ,ro)uram )om,'i)ar uma )oisa 3ue 2 tão sim,'esS /a$e a3ui a a!-ert6n)ia !e Pau'o
re*istra!a em EE /or8ntios 11?3? TMas temo ue, assim %omo a serpente enganou +!a %om a sua ast=%ia,
assim também se.am de alguma maneira %orrompidos os !ossos sentidos, e se apartem da simpli%idade
ue há em Cristo.U
& )om,'i)aBão )om as )oisas sim,'es !o E-an*e'.o *eram a )on4usão !outrin#ria% e esta )on!uz H
.eresia@ !a8 sur*irem a3ue'es 3ue !izem 3ue% ,ara ser sa'-o% o .omem tem 3ue *uar!ar o s#$a!o% e 3ue%
3uem *uar!a o !omin*o tem o sina' !a $esta.
(esus /risto% o Gni)o 3ue )um,riu rea'mente a 'ei% 0)ra-an!oDa na )ruz0% re)usouDse a *uar!ar o s#D
$a!o !o 4ariseu. Ressus)itou no !omin*o% ,rimeiro !ia !a semana% e sua E*re9a tomou esse !ia )omo seu
!ia !e !es)anso. E (esus /risto não ,roi$iu essa ino-aBão% nem ).amou !e $estas os ,rimeiros )ristãos
3ue )omeBaram a *uar!ar o !omin*o )omo seu !ia !e re,ouso e )u'to. Jesta 2 o .omem 3ue tro)a o amor
e a *raBa ,e'os ri*ores !a 'ei D 3ue s7 )on!ena. . .
NONA RAZÃO
/) ESTAMOS EM UM NOVO ONERTO+ O DA GRAÇA"
Para 3uem 2 .onesto% es,iritua'mente 4a'an!o% $astaria essa a4irmati-a !e Aeus% tão )'aramente e+D
,osta no 'i-ro !e >e$reus% ,ara 3ue nin*u2m ,ertur$asse nin*u2m% )om essa !outrina 4ura!a% ras*a!a%
en-e'.e)i!a% a$Dro*a!a e !es4eita ,or (esus% 3ue 2 a o$ri*atorie!a!e !a *uar!a !o s#$a!o ,ara se )onseD
*uir sa'-aBão.
TMas agora al%an#ou ele ministério tanto mais e(%elente, uanto é mediador dum melhor
%on%erto, ue está %onfirmado em melhores promessas& 'orue, se auele primeiro fora
irrepreens2!el, nun%a se teria bus%ado lugar para o segundo& 'orue, repreendendo,os, lhes
diz: +is ue !ir*o dias, diz o Senhor, em ue %om a %asa de Israel e %om a %asa de 4udá
estabele%erei um 5o!o Con%erto& 5*o segundo o %on%erto ue fiz %om seus pais no dia em
ue os tomei pela m*o, para os tirar da terra do +gito; %omo n*o permane%eram nauele
meu %on%erto, eu para eles n*o atentei, diz o Senhor& 'orue este é o %on%erto ue depois
daueles dias farei %om a %asa de Israel, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu
entendimento, e em seu %ora#*o as es%re!erei; e eu lhes serei por -eus, e eles me ser*o por
po!o& + n*o ensinará %ada um ao seu pr"(imo, nem %ada um ao seu irm*o, dizendo: Conhe%e
o Senhor; porue todos me %onhe%er*o, desde o menor deles até ao maior& 'orue serei
miseri%ordioso para %om as suas ini:idades, e de seus pe%ados e de suas pre!ari%a#$es n*o
me lembrarei mais& -izendo: 5o!o Con%erto, en!elhe%eu o primeiro& 0ra, o ue foi tornado
!elho, e se en!elhe%e, perto está de a%abarU ;>e$reus 8?6D13<.
5 No-o /on)erto% ,or3ue /risto 2 seu me!ia!or% 2 me'.or. I me'.or tam$2m ,or3ue est#
)on4irma!o em me'.ores ,romessas. I muito mais im,ortante ,or3ue 2 es,iritua'. I su,erior ,or3ue 2
irre,reens8-e'. I mais su$'ime ,or3ue suas 'eis estão *ra-a!as em nosso enten!imento e nas t#$uas !e
)arne !e nosso )oraBão. Est# a)ima !o anti*o% ,or3ue 2 4orte e eternamente Gti'. I e+tremamente mais
im,ortante% mais ama!o% mais !ese9a!o% mais sim,'es e 4#)i' ,or3ue 2 )on)erto !a *raBa% !a miseri)7r!ia%
!o 4a-or% !a *enerosi!a!e e !o amor !e Aeus% aos 3ue o a)eitam ,or 42 e o *uar!am so$ a !ireBão e ,o!er
!o Es,8rito "anto. &'e'uiaQ
1ais im,ortante 3ue ter uma 'ei !o "en.or ,ara )on!enar o ,e)a!o 2 ter o "en.or% ).eio !e *raBa e
amor% sa'-an!o !o ,e)a!o% 'i$ertan!o e !an!o a )on!iBão ,ara se -i-er ne'e% em no-i!a!e e santi!a!e !e
-i!a.
14
D!IMA RAZÃO
1*) NO NOVO ONERTO+ SOB O QUAL ESTAMOS+ NÃO E0ISTE
MANDAMENTO PARA GUARDAR O SÁBADO+ EMBORA
ENONTREMOS TODOS OS OUTROS DO DEÁLOGO"
1Y 1an!amento? V+o!o 20?2%3 D E /or8ntios 8?4D6@ &tos 1723D31
2Y 1an!amento? V+o!o 20?5%6 D E (oão 5?21
3Y 1an!amento? V+o!o 20?7 D Tia*o 5?12
4Y 1an!amento? V+o!o 20?8D11 D SSSSSSSSS
5Y 1an!amento? V+o!o 20?13 D E42sios 6?1D3
6Y 1an!amento? V+o!o 20?13 D Romanos 139
7Y 1an!amento? V+o!o 20?14 D E /or8ntios 6?9%10
8Y 1an!amento? V+o!o 20?15 D E42sios 4?28
9Y 1an!amento? V+o!o 20?16 D /o'ossenses 3?9@Tia*o 4?11
10Y 1an!amento? V+o!o 20?17 D E42sios 5?3
Esto 2 a'*o e+tremamente im,ortanteQ Em nen.um 'u*ar !o No-o Testamento en)ontramos 3ua'3uer
te+to 3ue ensine 3ue o )ristão !e-e *uar!ar o s#$a!o )omo man!amento 3ue% uma -ez 3ue$ra!o% tra*a a
)on!enaBão !a ,arte !o "en.or. E 2 7$-io% ,or3ue estamos !e$ai+o !o No-o /on)erto% e a *uar!a !o
s#$a!o 4az ,arte !o Ce'.o /on)erto% o 3ua' 4oi torna!o sem e4eito !es!e a im,'antaBão !o No-o. Pau'o
!iz 3ue? .a-en!o mu!anBa !o sa)er!7)io% ne)essariamente se 4az mu!anBa !a 'ei. Aes!e 3ue o sa)er!7)io
!o No-o /on)erto ,assou ,ara (esus% .ou-e tam$2m mu!anBa !o !ia !e *uar!a% !o s#$a!o ,ara o
!omin*o% ,ois (esus terminou sua tare4a no s#$a!o e ressus)itou ;!es)ansou< no ,rimeiro !ia !a semana%
o !omin*o.
No Ce'.o Testamento% a sa'-aBão 2 ,e'a *uar!a !a =ei e 42 no "en.or 3ue .# !e -ir. No No-o TestaD
mento% a sa'-aBão 2 ,e'a 42 no "en.or 3ue 9# -eio e im,'antou a no-a re'i*ião% $asea!a na 'ei maior? !o
amor e !a *raBa.. . ;Romanos 5?8D' 1<.
D!IMA3PRIMEIRA RAZÃO
11) 1ESUS RISTO+ O MEDIADOR DO NOVO ONERTO+ E
NOSSO SALVADOR+ NUNA ORDENOU A NINGU!M QUE
GUARDASSE O SÁBADO"
"e 4osse ,ara o )ristão *uar!ar o s#$a!o% )omo a'*uns a4irmam% ,or 3ue ser# 3ue (esus não o
or!enouS Teria e'e )ometi!o taman.o 'a,so !e mem7riaS Que ti,o !e 1estre seria esse 3ue iria e+i*ir !e
seus !is)8,u'os a *uar!a !e um ,re)eito% sem nun)a t6D'o ensina!oS Ri!8)u'o% não a).aS Fm sim,'es
.omem ,o!eria es3ue)er% to!a-ia 4i)aria sem mora' ,ara e+i*ir )um,rimento ,or ,arte !os seus
se*ui!ores. To!a-ia% (esus não es3ue)eu% ,or3ue 9amais te-e intenBão !e ensin#D'o. (esus não 4oi nem 2
a'*um to'o% )omo a'*uns o 3uerem 4azer. E'e 2 o :i'.o !e Aeus 3ue tu!o sa$e ;(oão 2?25<.
I $om 'em$rar o 3ue est# re*istra!o no E-an*e'.o !e (oão 5?16D18?
T+ por esta %ausa os .udeus perseguiam a 4esus, e pro%ura!am matá,lo; porue fazia estas
%oisas no sábado& + 4esus lhes respondeu: Meu 'ai trabalha até agora, e eu trabalho
também& 'or isso, pois, os .udeus ainda mais pro%ura!am matá,lo, porue n*o s"
uebranta!a o sábado, mas também dizia ue -eus era seu pr"prio 'ai, fazendo,se igual a
-eus.U
14
1ais im,ortante 3ue *uar!ar o s#$a!o !o "en.or 2 -i-er )om o "en.or !o s#$a!o% na 'i$er!a!e !o
amor% 3ue )um,re to!a a 'ei ;1ar)os 2?28@ Romanos 13?10<.
D!IMA SEGUNDA RAZÃO
1#) O MINIST!RIO DA LEI 2O SÁBADO TAMB!M) FINDOU OM
O MINIST!RIO DE 1OÃO BATISTA"
Esta 2 uma a4irmati-a !o ,r7,rio "en.or (esus% ,ortanto !i*na !e to!o o )r2!ito% menos ,ara 3uem
não )r6 ne'e nem o ama% ,ro)uran!o 4a'si4i)ar ou ne*ar suas ,a'a-ras ,uras% imut#-eis e -er!a!eiras.
T1 lei e os profetas duraram até 4o*o; desde ent*o é anun%iado o reino de -eus, e todo o
homem emprega for#a para entrar neleU ;=u)as 16?16<.
T'orue todos os profetas e a lei profetizaram até 4o*oU ;1ateus 11?13<.
T'orue a lei foi dada por Moisés; a gra#a e a !erdade !ieram por 4esus CristoU ;(oão 1?17<.
5usa a'*u2m tirar ou a)res)entar a'*uma )oisa Hs ,a'a-ras !o "en.or (esusS I $om 'er &,o)a'i,se
22?18%19.
Reino !e Aeus% na sua ,rimeira a)e,Bão% 2 Aeus reinan!o !entro !e n7s. Não .# 'ei maior 3ue esse
reino em n7s% 3ue nos 4orBa a !ei+ar nossos ma'es ,ara -i-er os ,rin)8,ios !o Pai !e amor. & maior !as
'eis 2 esse reino !e Aeus em n7s.
D!IMA3TEREIRA RAZÃO
1$) A GUARDA DO SÁBADO NÃO 1USTIFIA NINGU!M+ PORQUE
A LEI NÃO FOI DADA PARA 1USTIFIAR+ MAS PARA REVELAR
AO )OMEM O SEU PEADO"
Em *era'% 3uem *uar!a o s#$a!o o 4az ,ro)uran!o a')anBar 4a-or !e Aeus% ,ro)uran!o me'.orar sua
situaBão !iante !e Aeus. Aizem tam$2m 3ue 3uem não *uar!a o s#$a!o não ,o!er# ser sa'-o. To!a-ia
isso 2 um a$sur!o% ,or3ue a 'ei !o s#$a!o 2 ,re)eito !a 'ei% e não 4oi !a!a )om o o$9eti-o !e 9usti4i)ar
nin*u2m. & 4ina'i!a!e !a 'ei 2 mostrar ao .omem o seu ,e)a!o e então 'e-#D'o at2 (esus /risto% ,ara 3ue%
a ,essoa a)eitan!o o sa)ri48)io !e (esus /risto ,e'a 42% re)e$a então% o ,er!ão e a 9usti4i)aBão !e seus
,e)a!os.
T8ogo, para ue é a lei3 Foi ordenada por %ausa das transgress$es, até ue !iesse a
posteridade a uem a promessa tinha sido feita; e foi posta na m*o de um> medianeiro& 8ogo
a lei é %ontra as promessas de -eus3 -e nenhuma sorte; porue se dada fosse uma lei ue
pudesse !i!ifi%ar, a .usti#a, na !erdade, teria sido pela lei& -e maneira ue a lei nos ser!iu de
aio, para nos %onduzir a Cristo, para ue pela fé f9ssemos .ustifi%ados& Mas depois ue a fé
!eio .á n*o estamos debai(o de aio& Sabendo isso, ue a lei n*o é feita para o .usto, mas para
os in.ustos e obstinados, para os 2mpios e pe%adores, para os profanos e irreligiosos, para os
parri%idas e matri%idas, para os homi%idas, para os forni%ários, para os sodomitas, para os
roubadores de homens, para os mentirosos, para os per.uros, e para o ue for %ontrário < s*
doutrinaU ;#'atas 3?19%21D25@ E Tim7teo 1?9%10<.
Pau'o )om$ate os 'e*a'istas% os 9u!aizantes% mostran!o 3ue a 9usti4i)aBão% so$ a a'ianBa !e /risto% 2
,e'a 42% e não ,e'a 'ei. 5 )ristão -i-e as 'eis !e Aeus ,or3ue senteDse sa'-o em sua *raBa. . . 1as não )umD
,re a 'ei ,ara sa'-arDse. . . "e *uar!ar o s#$a!o sa'-asse% os 9u!eus estariam sa'-os...
D!IMA3QUARTA RAZÃO
1&) GUARDAR O SÁBADO+ PARA O RISTÃO+ ! INORRER EM
14
UM GRAVE PEADO )AMADO 3 ADULT!RIO ESPIRITUAL"
5 *ran!e ser-o !e Aeus% a,7sto'o Pau'o% assim o !eu a enten!er em sua /arta aos Romanos% na
)om,araBão 3ue 4ez no )a,8tu'o 7% -ersos 1D4?
T5*o sabeis !"s, irm*os ?pois falo aos ue sabem a lei@, ue a lei tem dom2nio sobre o
homem por todo o tempo ue !i!e3 'orue a mulher ue está su.eita ao marido, enuanto ele
!i!er, está,lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está li!re da lei do marido& -e sorte ue,
!i!endo o marido, será %hamada ad=ltera, se for doutro marido; mas, morto o marido, li!re
está da lei, e assim n*o será ad=ltera, se for doutro marido& 1ssim, meus irm*os, também !"s
estais mortos para a lei pelo %orpo de Cristo, para ue se.ais doutro, dauele ue ressus%itou
dentre os mortos, afim de ue demos fruto para -eusU ;Romanos 7?1D4<.
Neste te+to !es)o$rimos 3ue tentar *uar!ar o s#$a!o% ,or3ue 2 um ,re)eito !a 'ei% 2 4azer o mesmo
3ue 4aria uma mu'.er 3ue% estan!o )asa!a% ,ro)urasse an!ar )om outro .omem. Não 2 uma 3uestão tão
sim,'es% )omo ,o!em a'*uns ,ensar. "er a!G'tero 2 ,e)a!o s2rio e )on!ena!o ,or Aeus.
"e uma ,essoa entre*a sua -i!a a /risto% est# 'i*a!a a e'e% )omo uma moBa est# 'i*a!a ao ra,az !esD
!e o momento !o )asamento. Portanto% tentar *uar!ar a 'ei% em outras ,a'a-ras% )o'o)arDse !e$ai+o !o
9u*o !a 'ei% ,e'a *uar!a !o s#$a!o% 2 3uerer -i-er )om outro mari!o D 2 ,e)a!o !e a!u't2rio es,iritua'.
Que ,ensaria o mari!o !e uma mu'.er 3ue esti-esse ,ro)uran!o -i-er )om outro .omemS Que
,ensar# (esus !e uma ,essoa 3ue% 'i*a!a a e'e ,e'a )on-ersão% )omeBa a se )o'o)ar !e$ai+o !a 'eiS
E ,or isso 3ue !isse Pau'o? TSeparados estais de Cristo, !"s os ue !os .ustifi%ais pela lei& -a gra#a
tendes %a2doU ;#'atas 5?4<.
/risto em n7s e n7s em /risto D eis a *ran!e 'ei !a no-a a'ianBa... Nessa re'aBão !e amor% -o'tar a
*uar!ar um !ia 4i+o !a -e'.a a'ianBa 2 não )on4iar no amor !e (esus /risto...
D!IMA3QUINTA RAZÃO
1') EM NEN)UM LUGAR DO NOVO TESTAMENTO O ESPIRITO
SANTO DÁ SEU PAREER FAVORÁVEL 4 GUARDA DO SÁBADO"
(esus !isse aos seus !is)8,u'os 3ue ia su$ir aos )2us e 3ue '# ro*aria ao Pai ,ara 3ue en-iasse o
/onso'a!or% 3ue -iria ,ara 4i)ar )onos)o. "ua missão seria a !e ensinar to!as as )oisas% !e nos 4azer
'em$rar tu!o o 3ue (esus !isse% e !e nos *uiar em to!a a -er!a!e% et).
"e a *uar!a !o s#$a!o 2 ,re)eito ,ara ser o$ser-a!o ,e'os )ristãos% ,or 3ue razão teria o Es,8rito
"anto es3ue)i!o !e ins,irar os a,7sto'os ,ara 3ue inserissem esse ensino !e (esus nas ,#*inas !os
E-an*e'.os% !o 'i-ro !e &tos e !as )artas a,ost7'i)asS I muito mais razo#-e' e $8$'i)o )rer 3ue% se !essa
maneira o Es,8rito ,ro)e!eu% 2 ,or3ue a *uar!a !o s#$a!o não 4oi ensina!a ,or (esus% nem o Es,8rito !eu
im,ortXn)ia a e'a.
T5a !erdade pare%eu bem ao +sp2rito Santo e a n"s, n*o !os impor mais en%argo algum,
sen*o estas %oisas ne%essárias: 7ue !os abstenhais das %oisas sa%rifi%adas aos 2dolos, e do
sangue, e da %arne sufo%ada, e da forni%a#*o; das uais %oisas fazeis bem se !os guardares&
Aem !os !áU ;&tos 15?28%29<.
"e 4osse 3uestão !e ,er!iBão ou sa'-aBão a *uar!a !o s#$a!o% (esus /risto e o Es,8rito "anto noD'o
teriam !ito% )om muitas 6n4ases. 1as essa 6n4ase s7 e+iste na )a$eBa 'e*a'ista !os 9u!aizantes sa$atistas.
D!IMA3SE0TA RAZÃO
1,) OS GRANDES AONTEIMENTOS DO RISTIANISMO NÃO
SE DERAM NO SÁBADO+ MAS NO DOMINGO"
(esus ressus)itou !entre os mortos no ,rimeiro !ia !a semana ;(oão 20?1@ 1ar)os 165D11<.
14
(esus a,are)eu a !ez !e seus !is)8,u'os no ,rimeiro !ia !a semana ;(oão 20?19<.
(esus es,erou uma semana% e no outro ,rimeiro !ia !a semana a,are)eu aos onze !is)8,u'os ;(oão
20?26<.
(esus a,are)eu no ,rimeiro !ia !a semana a -#rios outros !is)8,u'os ;1ateus 28?1D10@ =u)as 24? 13D
35@ (oão 20?11<.
& ,romessa !a -in!a !o Es,8rito "anto )um,riuDse no ,rimeiro !ia !a semana% no !ia !e
Pente)ostes% 3ue ,e'a 'ei )a8a no ,rimeiro !ia !a semana ;=e-8ti)o 23?16@ &tos 2?1D13<.
No mesmo ,rimeiro !ia !a semana 4oi ,re*a!o ,e'o a,7sto'o Pe!ro o ,rimeiro sermão e-an*2'i)o
so$re a morte e ressurreiBão !e (esus ;&tos 2?14<.
Nesse ,rimeiro !ia !a semana os tr6s mi' )on-ersos 4oram uni!os H ,rimeira i*re9a neoD
testament#ria ;&tos 2?41<.
&in!a no mesmo ,rimeiro !ia !a semana o rito !o $atismo )ristão em nome !o Pai% !o :i'.o e !o
Es,8rito "anto 4oi a!ministra!o ,e'a ,rimeira -ez ;&tos 2?41<.
No ,rimeiro !ia !a semana (esus /risto 4oi ao a,7sto'o (oão% na E'.a !e Patmos% e '.e !eu a *ran!e
Re-e'aBão ;&,o)a'i,se 1?10<.
"7 estes 4atos 9# a,ro-am o !omin*o )omo o !ia !e re,ousa e )u'to !os )ristãos. & no-a ,r#ti)a )oD
meBou )om a no-a 42? no /risto !a no-a a'ianBa.
D!IMA3S!TIMA RAZÃO
1-) A IGRE1A PRIMITIVA GUARDAVA O DOMINGO E NÃO O
SÁBADO"
& 4amosa a'e*aBão !e 3ue /onstantino e o ,a,a 2 3ue !eterminaram a *uar!a !o !omin*o em 'u*ar
!o s#$a!o 2 ,or !emais 4r#*i'% -e'.a% )arun).a!a e !estitu8!a !a -er!a!e ,ara ser )ri!a. "7 a a)eita 3uem
não )on.e)e a .ist7ria -er!a!eira. /onstantino a,enas o4i)ia'izou a3ui'o 3ue 9# esta-a sen!o ,rati)a!o ,or
)entenas !e anos. "e /onstantino a!eriu ao )ristianismo% e não o )ristianismo a /onstantino% ,or 3ue
razão iria e'e tentar mu!ar o !ia !e *uar!a% -isto 3ue os ,a*ãos não tin.am !ia !e re,ouso esta$e'e)i!oS
ente es)'are)i!a não )ai nessa.
& -er!a!eira E*re9a !o "en.or nas)eu no ,rimeiro !ia !a semana@ *uar!ou esse !ia% e ain!a o *uar!a
at2 .o9e% ,or3ue esse 2 o !ia em 3ue (esus ressus)itou% o !ia em 3ue E'e !es)ansou !a sua tare4a !e sa'-ar
o .omem e re)riar ou re*enerar o mun!o.. .
T+ depois dos dias dos p*es asmos, na!egamos de Filipos, e em %in%o dias fomos ter %om eles
a Troas, onde esti!emos sete dias& + no primeiro dia da semana, a.untando,se os dis%2pulos
para partir o p*o, 'aulo, ue ha!ia de partir no dia seguinte, fala!a %om eles; e alargou a
práti%a até < meia,noiteU ;&tos 20.6%7<.
T0ra, uanto < %oleta ue se faz para os santos, fazei !"s também o mesmo ue ordenei <s
igre.as da )alá%ia& 5o primeiro dia da semana %ada um de !"s ponha de parte o ue puder
a.untar, %onforme a sua prosperidade, para ue n*o se fa#am as %oletas uando eu %hegarU ;E
/or8ntios 16?1%2<.
Para 3uem 3uer enten!er ra)iona'mente% 2 4#)i' !e!uzir ,or 3ue a )eia e as o4ertas eram 4eitas no
,rimeiro !ia !a semana. Por3ue os )ristãos *uar!a-am esse !ia% e natura'mente as reuniões mais im,orD
tantes eram rea'iza!as 9ustamente no ,rimeiro !ia !a semana.
Em *era'% em 3ue !ia !a semana n7s% os )ristãos !e .o9e% rea'izamos a )eia !o "en.orS E em 3ue !ia
4azemos o 'e-antamento !as o4ertas es,e)iaisS I '7*i)o 3ue 2 no !omin*o% ,or3ue 2 nesse !ia 3ue o ,o-o
!e Aeus% ,or *uar!#D'o )omo !ia !e !es)anso% !e!i)aDo ao "en.or% ten!o assim me'.or o,ortuni!a!e ,ara
estar em maior nGmero em seu tem,'o.
"e .o9e 2 assim% essa .eranBa -em !os !ias !a i*re9a ,rimiti-a.
14
5s a,7sto'os )ontinuaram a3ui'o 3ue (esus /risto esta$e'e)eu% ensinou e ,rati)ou. "e o "a'-a!or
-eio ,ara mu!ar e reno-ar o 9u!a8smo% ,or 3ue )riaria um re*ime !e *raBa 'e*a'ista% )om o s#$a!o o$ri*aD
t7rio% o s#$a!o 4i+o !o 4ariseu 4an#ti)oS
D!IMA3OITAVA RAZÃO
1.) TODOS OS QUE GUARDAM O SÁBADO 2LEI)+ OMO MEIO DE
1USTIFIAÇÃO+ OU AÍRAM DA GRAÇA OU NUNA
ENTRARAM NELA" ESTÃO SEPARADOS DE RISTO"
Este ensino est# $em )'aro nos es)ritos !o a,7sto'o Pau'o% ain!a 3ue e'e 4a'e mais em )ir)un)isão%
,or2m o ,rin)8,io 2 B mesmo. Fm se )ir)un)i!a ,ara *uar!ar a 'ei% o outro ,ro)ura *uar!ar o s#$a!o ,ara
*uar!ar a mesma 'ei. 5s !ois )ometem o mesmo erro. E-i!entemente são )u',a!os i*ua'mente e so4rem a
mesma )onse3Z6n)ia W se,araBão !e /risto?
T+stai pois firmes na liberdade %om ue Cristo nos libertou, e n*o torneis a meter,!os
debai(o do .ugo da ser!id*o& +is ue eu, 'aulo, !os digo ue, se !os dei(ardes %ir%un%idar,
Cristo de nada !os apro!eitará& + de no!o protesto a todo o homem, ue se dei(a %ir%un%idar,
ue está obrigado a guardar toda a lei& Separados estais de Cristo, !"s, os ue !os .ustifi%ais
pela lei; da gra#a tendes %a2doU ;#'atas 5?1D4<.
Pau'o est# 4azen!o uma a!-ert6n)ia !as mais s2rias ,oss8-eis aos irmãos !a E*re9a !a a'#)ia.
Tin.am e'es se )on-erti!o a /risto% e 4irmes ,ermane)eram at2 3ue ).e*aram '# os 4ariseus sa$atistas% os
3uais )omeBaram a semear a )on4usão em suas )a$eBas% !izen!o 3ue !e-iam )ir)un)i!arDse e *uar!ar a 'ei
!e 1ois2s. Aa8 )omeBarem a 4ra3ue9ar na 42% ,ois a$an!onaram a sim,'i)i!a!e !e /risto% !ei+aram a 42
!e 'a!o e en-ere!aramDse ,e'as o$ras !a 'ei% a)a$an!o então ,e'a )arne. 1eteramDse !e no-o !e$ai+o !e
ru!imentos 4ra)os e ,o$res% ,ois )omeBaram a *uar!ar o s#$a!o e outros !ias !e 4estas% meses% tem,os e
anos. Aa8 a o,ortuna e s2ria a!-ert6n)ia !e Pau'o% !izen!o 3ue !essa maneira esta-am se,ara!os !e
/risto% ten!o )a8!o !a *raBa.
Re,etimos a3ui? & *uar!a !o s#$a!o )omo ,re)eito !a 'ei !e 1ois2s% ne)ess#rio ,ara a sa'-aBão%
não 2 )oisa sim,'es )omo muitos ,ensam% 2 .eresia ,ura 3ue !es-ia o )rente !e (esus% 'e-an!oDo a )air !a
*raBa% o 3ue e3ui-a'e a !izer? 'e-a o in)auto e !es)ui!a!o H ,er!iBão.
I ,re)iso enten!er% !e uma -ez ,or to!as% 3ue (esus /risto -eio trazer 'i$er!a!e. Ceio 'i$ertar.
=i-rar !o 9u*o !o ma'. =i-rar !a es)ra-i!ão !o ,e)a!o. =i-rar !a 'ei 3ue )on!ena. Ceio ).amar H -i!a no
amor e na *raBa. Nen.uma ser-i!ão )on-2m aos e'eitos !e /risto% )omo a o$ser-Xn)ia 4an#ti)a !e um
s#$a!o 4i+o.
D!IMA3NONA RAZÃO
1/) PAULO )AMA A GUARDA DO SÁBADO DE RUDIMENTO
FRAO E POBRE"
Ru!imento 4ra)o e ,o$re% no !izer !e Pau'o% 2 a'*o sem muita im,ortXn)ia% a'*uma )oisa ,ara a 3ua'
não se !e-e !ar muito -a'or% ,rin)8,io 3ue tem a'*um si*ni4i)a!o s7 ,ara a ,essoa 3ue o o$ser-a em sua
-i!a% mas 3ue aos o'.os !e Aeus não tem -a'or 4un!amenta'% e ,ortanto ,o!e ser o$ser-a!o ou ,o!e ser
!ei+a!o !e 'a!o% não a)res)entan!o na!a !e im,ortante ,ara o 3ue o o$ser-a% e não !iminuin!o na!a !e
3uem não o o$ser-a?
TMas agora, %onhe%endo a -eus, ou antes, sendo %onhe%idos de -eus, %omo tornais outra
!ez a esses rudimentos fra%os e pobres, aos uais de no!o uereis ser!ir3 )uardais dias, e
meses, e tempos, e anos& ;e%eio de !"s, ue n*o ha.a trabalhado em !*o para %on!os%oU ;'.
4?9D11<.
Pau'o est# e+,ressan!o sua in)erteza 3uanto H 4irmeza !os irmãos !a a'#)ia% 9ustamente ,or
14
estarem e'es se meten!o !e$ai+o !o 9u*o !a 'ei% ao estarem ,reo)u,a!os em *uar!ar o s#$a!o e outros
)erimoniais.
Que ,ensar .o9e !a3ue'es 3ue ,ersistem no mesmo erro !os *#'atasS Para on!e estão in!o a3ue'es
3ue% em nossos !ias% imitam os irmãos !a E*re9a !a a'#)iaS /ertamente 3ue temos 3ue )on)or!ar )om
Pau'o.
Ae,ois !a 'am,arina% o 'am,ião... Ae,ois !o 'am,ião% a 'uz e'2tri)a. . . Ae,ois !os ru!imentos !a 'ei
!e 1ois2s% a trans)en!6n)ia e a i'uminaBão maior !as 'eis !e (esus /risto. ..
VIG!SIMA RAZÃO
#*) NEN)UM DOS AP%STOLOS+ EM NEN)UM LUGAR DO NOVO
TESTAMENTO+ REOMENDA OU ORDENA A GUARDA DO
SÁBADO"
Ae-e ser $astante estran.o ,ara os sa$atistas% e !i48)i' !e enten!er% e mais )om,'i)a!o ain!a
e+,'i)ar o 4ato !e os a,7sto'os% em meio a tantas re)omen!aBões 3ue 4izeram em suas )artas% não terem
,e'o menos re)omen!a!o aos irmãos !as -#rias i*re9as 'o)ais ,or e'es 4un!a!as% a ne)essi!a!e !e se
*uar!ar o s#$a!o% )omo ,re)eito 0mora'0.
Para n7s% )ristãos 3ue ,ro)uram an!ar ,or !entro !a ,ura -er!a!e $8$'i)a% 2 a'*o 4a)8'imo !e
enten!er. Não o 4izeram ,or3ue eram .omens es,iritua'mente .onestos% ,ois -i-iam no Es,8rito e ,or este
eram *uia!os% !e mo!o 3ue não ,o!eriam )ontra!iz6D'o. Aes!e 3ue a 'ei 4oi a$o'i!a% ,or3ue (esus
)um,riuDa )a$a'mente% !es!e 3ue (esus nun)a or!enou a*uar!a !o s#$a!o% e $asea!os no 4ato )'aro 3ue o
Es,8rito -iria ,ara *uiar os !is)8,u'os em to!a a -er!a!e% não ,o!eria ser !e outra maneira. 5s a,7sto'os
4oram *uia!os ,e'o Es,8rito% 3ue 2 o Aeus !a -er!a!e% e não !e mentira e )on4usão?
TMas, uando !os entregarem, n*o !os d/ %uidado %omo, ou o ue ha!eis de falar, porue
nauela mesma hora !os será ministrado o ue ha!eis de dizer& 'orue n*o sois !"s uem falará,
mas o +sp2rito de !osso 'ai é ue fala em !"sU ;1ateus 10?19%20<.
T+ todos foram %heios do +sp2rito Santo, e %ome#aram a falar noutras l2nguas, %onforme o +sp2,
rito lhes %on%edia ue falassemU ;&tos 2?4<.
T+nt*o 'edro, %heio do +sp2rito Santo, lhes disse: 'rin%ipais do po!o, e !"s, an%i*os de IsraelU
;&tos 4?8<.
TMas fa#o,!os saber, irm*os, ue o e!angelho ue por mim foi anun%iado n*o é segundo os
homens& 'orue n*o o re%ebi de homem algum, mas pela re!ela#*o de 4esus CristoU ;'.1?11%12<.
"er# 3ue os a,7sto'os ne*'i*en)iaram% no anGn)io !a sã !outrina% a *uar!a !o s#$a!oS "er# 3ue o
Es,8rito "anto es3ue)eu !e 'em$rar essa -er!a!eS "er# 3ue (esus a ensinou e 4oi re'e*a!a% ,or ser )oisa !e
9u!euS D NãoQ "im,'esmente não entrou no )Xnon !os ensinos !e (esus e !os a,7sto'os.
VIG!SIMA3PRIMEIRA RAZÃO
#1) NAS RESOLUÇ5ES TOMADAS PELA IGRE1A NO ONILIO
DE 1ERUSAL!M+ NADA ONSTA SOBRE A NEESSIDADE DA
GUARDA DO SÁBADO"
5 /on)i'io !e (erusa'2m 4oi )on-o)a!o 9ustamente ,ara tratar !a o$ri*atorie!a!e ou não !a o$serD
-Xn)ia !a 'ei !e 1ois2s% na 3ua'% 2 )'aro% est# in)'usa a *uar!a !o s#$a!o. &,7s muita ,o'6mi)a% ,or ,arte
!os sa$atistas% ).e*ouDse H )on)'usão unXnime% )om ,are)er tam$2m !o Es,8rito "anto% 3ue não .# neD
)essi!a!e nen.uma !e os )ristãos *uar!arem a 'ei !e 1ois2s% -isto ser um 9u*o ,esa!8ssimo 3ue nem os
,r7,rios 9u!eus% 3ue -i-eram !e$ai+o !a !is,ensaBão !a =ei% )onse*uiram )arre*ar?
T5a !erdade pare%eu bem ao +sp2rito Santo e a n"s, n*o !os impor mais en%argo algum,
sen*o estas %oisas ne%essárias: 7ue !os abstenhais das %oisas sa%rifi%adas aos 2dolos, e do
sangue, e da %arne sufo%ada, e da forni%a#*o; das uais %oisas fazeis bem se !os guardardes&
Aem !os !á0 ;&tos 15?28%29<.
14
Que a'8-io ,ara n7s o 4ato !e os a,7sto'os serem .omens 3ue an!a-am no Es,8rito% 3ue se*uiam
suas instruBões% 3ue tu!o 4aziam )om .umi'!a!e e .onesti!a!e% so$ a !ireBão s#$ia e inte'i*ente !o "anto
Es,8rito% o 3ua' 9amais )o'o)ou so$re os !is)8,u'os !o 1estre 9u*o ,esa!o% ,or3ue o 9u*o !e /risto não 2
,esa!o% antes e'e 2 sua-e e 'e-e ;1ateus 11?28D30<.
&i !e n7s se os sa$atistas ti-essem 'e-a!o -anta*em ,or o)asião !o /on)i'io !e (erusa'2mQ
"e a no-a E*re9a !e (esus /risto% em )on)i'io% so$ a orientaBão !o Es,8rito "anto% não -otou a *uar!a !o
s#$a!o ,e'os )ristãos% 2 ,or3ue essa !outrina não 4oi a,ro-a!a e ,assa!a ,e'o 1estre aos seus se*ui!ores !o
,rin)8,io...
VIG!SIMA3SEGUNDA RAZÃO
##) O AP%STOLO PAULO ERA AP%STOLO DOS GENTIOS+ E
EMBORA TEN)A DITO QUE TUDO DE PROVEITOSO ELE
ENSINOU+ E QUE ENSINOU TODO O ONSEL)O DE DEUS+
NADA ENSINOU AERA DA NEESSIDADE DA GUARDA DO
SÁBADO"
"e Pau'o )on)or!asse )om a ne)essi!a!e !a *uar!a !o s#$a!o% o$ri*atoriamente teria !e ter
ensina!o essa !outrina% ,or3ue )omo !outor !os *entios% a 3uem !iz ter ensina!o to!o o )onse'.o !e
Aeus% não se 9usti4i)aria taman.a omissão em 3uestões !outrin#rias. "e e'e não tratou !esse assunto 2
,or3ue não '.e !eu -a'or nen.um% ,ois !o )ontr#rio teria 3ue ter orienta!o seus se*ui!ores?
TB"s bem sabeis, desde o primeiro dia em ue entrei na Csia, %omo em todo esse tempo me
portei no meio de !"s& Ser!indo ao Senhor %om toda humildade, e %om muitas lágrimas e
tenta#$es, ue pelas %iladas dos .udeus me sobre!ieram& Como nada, ue =til se.a, dei(ei de
!os anun%iar, e ensinar publi%amente e pelas %asas, testifi%ando, tanto aos .udeus %omo aos
gregos, a %on!ers*o a -eus e a fé em nosso Senhor 4esus Cristo& 'ortanto, no dia de ho.e,
!os protesto ue estou limpo do sangue de todos, porue nun%a dei(ei de !os anun%iar todo o
%onselho de -eusU ;&tos 20?18D21%26%27<.
Que tran3Zi'i!a!e !e )ons)i6n)ia !iante !a E*re9a !e I4eso% e tam$2m !iante !e Aeus. Ter
anun)ia!o tu!o o 3ue 2 Gti'% to!o o )onse'.o !e AeusQ
"e Pau'o !iz ter anun)ia!o tu!o o 3ue 2 Gti' e to!o o )onse'.o !e Aeus% e ao mesmo tem,o não
en)ontramos em seus ensinos na!a so$re a ne)essi!a!e !a *uar!a !o s#$a!o% 2 '7*i)o 3ue esta não 4az
,arte !o 3ue 2 Gti' nem !o )onse'.o !e Aeus. Na!a mais '7*i)o e )om,reens8-e'.
& o$sessão !o sa$atismo 2 tão sem $ase e inGti' )omo o 'e*a'ismo morta' !os 9u!eus% 3ue )on!enaD
ram o ,r7,rio :i'.o !e Aeus% ,or sa'-ar% )urar e 'i$ertar no s#$a!o ;(oão 5<. "o$re isso Pau'o !iz? 0& 'etra
mata% mas o es,8rito -i-i4i)a0 ;EE /or8ntios 3?6<.
VIG!SIMA3TEREIRA RAZÃO
#$) GUARDAR O SÁBADO+ POR SER PREEITO DA LEI+ E
PROURAR IMPOR SUA OBSERV6NIA SOBRE OUTROS+ ! O
MESMO QUE TENTAR A DEUS"
(# o$ser-amos 3ue a 'ei 4oi )o'o)a!a !e 'a!o !es!e 3ue (esus )um,riuDa e )ra-ouDa na )ruz. 5
)ristão% o$-iamente% na!a mais tem a -er )om e'a% no senti!o !e ,re)isar )um,riD'a ,ara sua sa'-aBão.
Aa8 o ensino !e Pe!ro% )'aro e ine3u8-o)o% !e 3ue ,ro)urar *uar!ar a 'ei% ou mesmo ,arte !e'a%
)omo é o )aso !o s#$a!o% 2 a'*o ,ro-o)a!or !e re,res#'ias !a ,arte !o "en.or% ,or3ue 2 tent#D'o.
&nanias e "a4ira )ometeram o mesmo erro% tentaram o Es,8rito !o "en.or% e re)e$eram uma re)omD
,ensa 3ue não !e-e ser as,ira!a ,or nin*u2m ;&tos 5?1D10<.
T1gora, pois, por ue tentais a -eus, pondo sobre a %er!iz dos dis%2pulos um .ugo ue nem nossos
14
pais nem n"s pudemos suportar3 Mas %remos ue seremos sal!os pela gra#a do Senhor 4esus Cristo,
%omo eles tambémU ;&tos 15?10%11<.
T+nt*o 'edro lhe disse: 'or ue é ue entre !"s !os %on%ertastes para tentar o +sp2rito do Senhor3
+is a2 < porta os pés dos ue sepultaram o teu marido, e também te le!ar*o a tiU ;&t. 5?9<.
Preza!o irmão em /risto% tomemos )ui!a!o )om )oisa tão s2riaQ Não 2 $rin)a!eira ,ro-o)ar a Aeus. E'e 2
miseri)or!ioso% ,or2m sua ,a)i6n)ia e to'erXn)ia não !uram ,ara sem,re. ># muitos te+tos na J8$'ia 3ue ,ro-am
isso% um !e'es est# no "a'mo 78?36D42%56D64.
PNr a 'ei )on!ena!ora na 4rente !a *raBa sa'-a!ora 2 ,Nr 1ois2s na 4rente !e (esus. . . I inuti'izar o 4eito
'i$erta!or e sa'-a!or !o Aeus amoroso% *ra)ioso e $om. I ,or a 'ei na 4rente !o san*ue !e (esus /risto% 3ue 9# a
)um,riu% ,ara )o'o)ar o testamento !a *raBa. /ontrariar o ,'ano !e Aeus 2 tentar a Aeus e ).amar a sua ira. ..
VIG!SIMA3QUARTA RAZÃO
#&) OS AP%STOLOS+ OLUNAS DA IGRE1A+ PEDRO+ TIAGO E
1OÃO+ E TAMB!M PAULO+ DOUTOR DOS GENTIOS+ NÃO
GUARDAVAM O SÁBADO 2LEI)7 PELO ONTRÁRIO+ FORAM
DUROS E RIGOROSOS NO OMBATE 4S DOUTRINAS
SABATISTAS8
T+nt*o alguns ue tinham des%ido da 4udéia ensina!am assim os irm*os: Se n*o !os
%ir%un%idardes, %onforme o uso de Moisés, n*o podeis sal!ar,nos& Tendo tido 'aulo e
Aarnabé n*o peuena dis%uss*o e %ontenda %ontra eles, resol!eu,se ue 'aulo e Aarnabé e
alguns dentre eles subissem a 4erusalém, aos& ap"stolos e aos an%i*os, sobre auela uest*o&
+, uando %hegaram a 4erusalém, foram re%ebidos pela Igre.a e pelos ap"stolos e an%i*os, e
lhes anun%iaram u*o grandes %oisas -eus tinha feito %om eles& 1lguns, porém, da seita dos
fariseus, ue tinham %rido, le!antaram,se, dizendo ue era mister %ir%un%idá,los e mandar,
lhes ue guardassem a lei de Moisés& Congregaram,se pois os ap"stolos e os an%i*os para
%onsiderar este assunto& + ha!endo grande %ontenda, le!antou,se 'edro e disse,lhes: Bar$es
irm*os, bem sabeis ue .á há muito tempo -eus me elegeu dentre !"s para ue os gentios
ou!issem da minha bo%a a pala!ra do e!angelho, e %ressem& + -eus, ue %onhe%e os
%ora#$es, lhes deu testemunho, dando,lhes o +sp2rito Santo, assim %omo também a n"s& +
n*o fez diferen#a alguma entre eles e n"s, purifi%ando os seus %ora#$es pela fé& 1gora, por
ue tentais a -eus, pondo sobre a %er!iz dos dis%2pulos um .ugo ue nem nossos pais nem n"s
pudemos suportar3 Mas %remos ue seremos sal!os pela gra#a do Senhor 4esus Cristo, %omo
eles tambémU ;&tos 15?1%2%4D11<.
T+stai; pois firmes na liberdade %om ue Cristo nos libertou, e n*o tomeis a meter,!os
debai(o do .ugo da ser!id*o& +is ue eu, 'aulo, !os digo ue, se !os dei(ardes %ir%un%idar,
Cristo de nada !os apro!eitará& + de no!o protesto a todo homem, ue se dei(a %ir%un%idar,
ue está obrigado a guardar toda a lei& Separados estais de Cristo, !"s os ue !os .ustifi%ais
pela lei; da gra#a tendes %a2doU ;#'atas 5?1D4<.
"e .omens !e Aeus% )onsi!era!os )o'unas !a E*re9a% não *uar!aram o s#$a!o% ,or não re)e$erem ta'
,re)eito !e (esus e !o Es,8rito "anto% ,or 3ue n7s !e-er8amos *uar!#D'oS
"omos sa'-os ,e'a 42 em (esus /risto% e não ,e'a 'ei !e 1ois2s. Nosso )oraBão 2 0,uri4i)a!o ,e'a
420% e não ,or 0usos !e 1ois2s0. Tro)ar a *raBa 'i$erta!ora !e Aeus ,e'o 9u*o !e 1ois2s 2 sim,'esmente
an!ar ,ara tr#s% an!ar ao )ontr#rio% e 0tentar a Aeus0% na tese !os a,7sto'os.
VIG!SIMA3QUINTA RAZÃO
#') PAULO DIZ QUE NINGU!M DEVE 1ULGAR ALGU!M QUE
NÃO GUARDA O SÁBADO+ PORQUE TODOS OS DIAS SÃO
IGUAIS"
14
T'ortanto ninguém !os .ulgue pelo %omer, ou, pelo beber, ou por %ausa dos dias de festa, ou
da lua no!a, ou dos sábados, ue s*o sombras das %oisas futuras, mas o %orpo é de CristoU
;/o'ossenses 2?16%17<.
T7uem és tu, ue .ulgas o ser!o alheio3 'ara seu pr"prio Senhor ele está em pé ou %ai; mas
estará firme, porue poderoso é -eus para o firmar& Dm faz diferen#a entre dia e dia, mas o
outro .ulga iguais todos os dias& Cada um este.a inteiramente seguro em seu pr"prio Enimo&
1uele ue faz %aso do dia, para o Senhor o faz& 0 ue %ome, para o Senhor %ome, porue dá
gra#as a -eus; e o ue n*o %ome, para o Senhor n*o %ome, e dá gra#as a -eusU ;Romanos
14?4D6<.
Em nen.um 'u*ar !a $8$'ia somos autoriza!os a 4azer 9u8zo !e um irmão. Tia*o !iz 3ue se
9u'*armos o irmão estamos 9u'*an!o a 'ei% e se assim o 4azemos% estamos nos )o'o)an!o no 'u*ar !e
9u8zes% ,or2m% .# um s7 (uiz% 3ue 2 o "en.or. Portanto% 9u'*ar um irmão ,or3ue não *uar!a o s#$a!o 2%
,rimeiramente% um ,e)a!o aos o'.os !e Aeus@ em se*un!o 'u*ar% 2 4a'ta !e amor ,or E'e@ em ter)eiro
'u*ar% 2 !emonstraBão !e i*norXn)ia !os ensinamentos $8$'i)os% ,ois Pau'o !iz 3ue to!os os !ias são
i*uais.
Por 3ue )o'o)armoDnos !e$ai+o !o 9u*o !a 'ei% ,e'a *uar!a !o s#$a!o% se tanto 4az *uar!ar o
s#$a!o% o !omin*o% ou 3ua'3uer outro !iaS Esso !emonstraria 3ue somos i*norantes% n2s)ios.
Em 1985% o 7 !e setem$ro )aiu num s#$a!o. Em 1986% )aiu num !omin*o. Em 1987% )air# numa seD
*un!aD4eira. &ssim% no )Nm,uto !os !ias% to!os os !ias são s#$a!os. . . To!os os !ias são i*uais...
VIG!SIMA3SE0TA RAZÃO
#,) O SÁBADO+ A LUA NOVA+ OS DIAS DE FESTAS E OUTROS
ERIMONIAIS DA LEI+ SÃO MERAS SOMBRAS DOS BENS
FUTUROS"
"om$ra 2 um es,aBo ,ri-a!o !e 'uz ou torna!o menos )'aro% ,e'a inter,osiBão !e um )or,o o,a)o%
arremessa!o em !ireBão o,osta H 'uz% 3ue ,ro9eta a som$ra% ,o!en!o esta !esa,are)er 3uan!o )o'o)a!a
'uz !o outro 'a!o !o )or,o.
5 s#$a!o% 3ue 3uer !izer 0!es)anso0% 2 uma som$ra !e /risto% ,or3ue (esus /risto 2 o -er!a!eiro
!es)anso ,ara a a'ma% se*un!o 1ateus 11?28D30 e Esa8as 32?2. Fma -ez 3ue /risto -eio ao mun!o% não
temos mais ne)essi!a!e !e *uar!ar o s#$a!o. (esus 2 a 'uz !o mun!o. & som$ra !esa,are)eu ,or3ue a
=uz ).e*ou.
&ssim sen!o% a *uar!a !o s#$a!o ,ara .o9e 2 um )ontraDsenso. Pois 2 i'7*i)o a)eitar 3ue a som$ra e
a 'uz este9am 9untas. "7 2 a!miss8-e' a *uar!a !o s#$a!o ,ara 3uem não a)eitou ain!a o "en.or (esus
/risto% em sua -i!a. "e /risto est# em n7s não .# mais 'u*ar ,ara o s#$a!o?
T'ortanto ninguém !os .ulgue pelo %omer, ou pelo beber, ou por %ausa dos dias de festa, ou
da lua no!a, ou dos sábados, ue s*o sombras das %oisas futuras, mas o %orpo é de CristoU
;/o'ossenses 2?16%17<.
TMas, antes ue a fé !iesse, está!amos guardados debai(o da lei, en%errados para auela fé
ue se ha!ia de manifestar& -e maneira ue a lei nos ser!iu de aio, para nos %onduzir a
Cristo, para ue pela fé f9ssemos .ustifi%ados& Mas depois ue a fé !eio, .á n*o estamos
debai(o de aioU ;#'atas 3?23D25<.
I me'.or an!ar na 'uz !o 3ue na som$ra. I me'.or estar em /risto !o 3ue tentar *uar!ar o s#$a!o.
I me'.or ser )ristão !o 3ue sa$atista. I me'.or estar em /risto% ,or3ue 3uem est# ne'e atin*iu o 4im !a
'ei% e 3uem est# no s#$a!o% ain!a est# no )omeBo. "a'omão% ins,ira!o ,e'o Es,8rito !o "en.or% !isse?
01e'.or 2 o 4im !as )oisas !o 3ue o ,rin)8,io !e'as0 ;E)'esiastes 7?8<.
Não )on-2m 4anatizar% misti4i)ar e i!o'atrar o 3ue 4oi es)rito )omo 'ei. Não )on-2m aos e'eitos !e
Aeus i!o'atrar nem a J8$'ia% )omo a'*uns 4azem. Aiz muito $em esta )omuni)aBão? 1e'.or 3ue ter a
14
J8$'ia !e Aeus 2 ter o Aeus !a J8$'ia. Esto a,'i)aDse H 'ei !o s#$a!o?
1e'.or 3ue ter o s#$a!o !o "en.or% 2 ter o "en.or !o s#$a!o. . .
VIG!SIMA3S!TIMA RAZÃO
#-) O SÁBADO 9 UM SINAL ENTRE DEUS E ISRAEL" NÃO ! NEM
PODE SER UNIVERSAL"
TTu pois fala aos filhos de Israel, dizendo: Certamente guardareis os meus sábados;
poruanto isso é um sinal entre mim e !"s nas !ossas gera#$es; para ue saibais ue eu sou o
Senhor, ue !os santifi%a& )uardar*o pois o sábado os filhos de Israel, %elebrando o sábado
nas suas gera#$es por %on%erto perpétuo& +ntre mim e os filhos de Israel será um sinal para
sempreU ;V+o!o 31?13%16%17<.
T1gora, pois, por ue tentais a -eus, pondo sobre a %er!iz dos dis%2pulos um .ugo ue nem
nossos pais nem n"s pudemos suportar3 Mas %remos ue seremos sal!os pela gra#a do nosso
Senhor 4esus Cristo, %omo eles tambémU ;&tos 15?10%11<.
Esrae'DnaBão ,o!ia *uar!ar o s#$a!o ,or3ue% sen!o um ,a8s ,e3ueno% tem em to!os os 'u*ares o
mesmo 4uso .or#rio% em to!o o ,a8s a .ora 2 sem,re a mesma. Por2m não 2 o mesmo )aso no mun!o
to!o% on!e são o$ser-a!os .or#rios !i4erentes.
5s a!-entistas não ,o!em o$ser-ar to!os o mesmo ,er8o!o !e tem,o na *uar!a !o s#$a!o% !e-i!o
aos 4usos .or#rios. Por e+em,'o? 5s a!-entistas !a /a'i47rnia tra$a'.am tr6s .oras no s#$a!o !os
a!-entistas !e No-a Eor3ue. 5s sa$atistas !a /osta Ri)a )omeBam a *uar!ar o s#$a!o 12 .oras !e,ois !os
sa$atistas ).ineses. 5 s#$a!o na &ustr#'ia )omeBa 18 .oras antes !o s#$a!o na /a'i47rnia.
/omo os sa$atistas -ão sa$er 3ue estão *uar!an!o o !ia !e !es)anso !a /riaBão% se a !ata !esse
,er8o!o não ,o!e ser ,re)isa!a e se os )a'en!#rios .ist7ri)os mu!aram um semDnGmero !e -ezesS
Nas re*iões ,o'ares% !e a)or!o )om a 2,o)a !o ano% o !ia !ura -#rios meses.
E ,or isso 3ue 2 $om an!ar !entro !a J8$'ia% )om .onesti!a!e e se*un!o # orientaBão !o Es,8rito% e
não !os .omens.
VIG!SIMA3OITAVA RAZÃO
#.) DURANTE SUA VIDA NA TERRA+ 1ESUS ESOL)EU O
SÁBADO OMO DIA DE TRABAL)O"
Esta 2 uma !es)o$erta 3ue muita *ente não 4ez ain!a. ># muit8ssimos 3ue ima*inam (esus
assenta!o .oras se*ui!as% em !ia !e s#$a!o% ,or2m isso não )orres,on!e H -er!a!e !a Pa'a-ra !e Aeus. I
tão -er!a!e 3ue 4oi esta uma !as razões ,or 3ue e'e 4oi ,erse*ui!o e at2 )ru)i4i)a!o?
T+ por esta %ausa os .udeus perseguiam a 4esus, e pro%ura!am matá,lo; porue fazia estas
%oisas no sábado& + 4esus lhes respondeu: Meu 'ai trabalha até agora, e eu trabalho
também& 'or isso os .udeus ainda mais pro%ura!am matá,lo, porue n*o s" uebranta!a o
sábado, mas também dizia ue -eus era seu pr"prio 'ai, fazendo,se igual a -eusU ;(oão
5?16%18<.
:oi no s#$a!o 3ue (esus 4ez as se*uintes o$ras% se*un!o re'ato !as Es)rituras?
1. & 'i$ertaBão !o en!emonin.a!o ;=u)as 4?31D37<@
2. & )ura !a so*ra !e Pe!ro ;=u)as 4?38D39<@
3. & )ura !o .omem !a mão mirra!a ;=u)as 6?6D11<@
4. & )ura !a mu'.er ,ara'8ti)a ;=u)as 13?10D17<@
14
5. & )ura !e um .i!r7,i)o ;=u)as 14?1D6<?
6. & )ura !o ,ara'8ti)o !e Jetes!a ;(oão 5?5D16<? ;(esus não s7 )urou )omo man!ou o .omem )arD
re*ar a sua )ama% ,ro-o)an!o ,rotestos.<
7. & )ura !e um )e*o !e nas)enBa ;(oão 9?141<@
8. & ,re*aBão aos es,8ritos em ,risão ;E Pe!ro 3?18D20@ 4?6<.
(esus 4ez 3uestão !e tra$a'.ar muito no s#$a!o% ,ara ensinar a a'ianBa !a *raBa aos 9u!eus. E'e 4ez
3uestão !e )ontra,orDse ao 'e*a'ismo 4an#ti)o !os 9u!eus% satirizan!oDo. . .
VIG!SIMA3NONA RAZÃO
#/) PROURAR GUARDAR O SÁBADO ! O MESMO QUE TENTAR
GUARDAR A LEI DE MOIS!S+ PORQUE ! ELE PREEITO
UNIAMENTE MOSAIO" E QUEM PROURA 1USTIFIAR3SE
PELA OBSERV6NIA DA LEI ESTÁ8
1. Tornan!o sem -a'or a morte !e /risto.
T5*o aniuilo a gra#a de -eus; porue se a .usti#a pro!ém da lei, segue,se ue Cristo
morreu debaldeU ;#'atas 2?21<.
2. Ci-en!o na )arne e não no Es,8rito.
TSe uisera saber isto de !"s: re%ebestes o +sp2rito pelas obras da lei ou pela prega#*o da
fé3 Sois t*o insensatos ue, tendo %ome#ado pelo +sp2rito, a%abeis agora pela %arne30
;#'atas 3?2%3<.
3. /o'o)an!oDse !e$ai+o !a ma'!iBão.
TTodos aueles pois ue s*o das obras da lei est*o debai(o da maldi#*o; porue es%rito está:
Maldito todo auele ue n*o permane%er em todas as %oisas ue est*o es%ritas no li!ro da lei
para faz/,lasU ;#'atas 3?10<.
4. 1eten!oDse !e$ai+o !o 9u*o.
T+stai pois firmes na liberdade %om ue Cristo nos libertou, e n*o torneis a meter,!os
debai(o do .ugo da ser!id*oU ;#'atas 5?1@ &tos 15?10<.
5. "e,aran!oDse !e /risto e )ain!o !a *raBa !e Aeus.
TSeparados estais de Cristo, !"s os ue !os .ustifi%ais pela lei; da gra#a tendes %a2doU ;'.
5?4<.
6. Passan!o ,ara outro e-an*e'.o.
TMara!ilho,me de ue t*o depressa passásseis dauele ue !os %hamou < gra#a de Cristo
para outro e!angelhoU ;#'atas 1?6D9<.
7. Pon!oDse !e$ai+o !o minist2rio !a morte e !a )on!enaBão.
T+ se o ministério da morte, gra!ado %om letras em pedras, !eio em gl"ria, de maneira ue
os filhos de Israel n*o podiam fitar os olhos na fa%e de Moisés, por %ausa da gl"ria do seu
rosto, a ual era transit"ria& & & porue se o ministério da %ondena#*o foi glorioso, muito
mais e(%ederá em gl"ria o ministério da .usti#aU ;EE /or8ntios 3?7D9<.
5$ser-amos assim 3ue a *uar!a !o s#$a!o )omo ,re)eito mosai)o% ne)ess#rio ,ara se o$ter a
14
9usti4i)aBão !iante !e Aeus% não 2 a'*o !e somenos im,ortXn)ia. I )oisa muito ,eri*osa% ,ois% se*un!o os
te+tos $8$'i)os a)ima men)iona!os% ,o!er# 'e-ar a ,essoa a ,er!er a sa'-aBão ou im,e!iD'a !e a re)e$er.
"omos sa'-os somente ,e'a *raBa !e Aeus% me!iante a 42.
TRIG!SIMA RAZÃO
$*) O SÁBADO DO DEÁLOGO TEM UMA PARTE MORAL E
ETERNA+ E UMA OUTRA ERIMONIAL E TRANSIT%RIA"
& ,arte mora'? Fm !ia !e !es)anso em sete.
& ,arte )erimonia'? Fm !ia 4i+o !e !es)anso.
5 as,e)to )erimonia'% isto 2% o !ia 4i+o !e !es)anso% 2 mut#-e'. (esus mostrou isto ;1ateus 12?5@
(oão 7?21D23<. Este 'a!o )erimonia' era ,arte !o ,a)to )om Esrae'% ,ortanto 'o)a'?
T+ ha!endo -eus a%abado no dia sétimo a sua obra, ue tinha feito, des%ansou no sétimo dia
de toda a sua obra, ue tinha feito& + aben#oou -eus o dia sétimo, e o santifi%ou; porue nele
des%ansou de toda a sua obra, ue %riara e fizeraU ;6nesis 2?2%3<.
T8embra,te do dia de des%anso para o santifi%ar& Seis dias trabalharás, e farás toda a tua
obra& Mas o sétimo dia é o des%anso do Senhor teu -eus: 5*o farás nenhuma obra, nem tu,
nem teu filho, nem tua filha, nem o teu ser!o, nem a tua ser!a, nem o teu animal, nem o teu
estrangeiro, ue está dentro das tuas portas& 'orue em seis dias fez o Senhor os %éus e a
terra, o mar e tudo ue neles há, e ao sétimo dia des%ansou; portanto aben#oou o Senhor o
dia do des%anso, e o santifi%ouU ;V+o!o 20?8D11<.
& ,a'a-ra 0s#$a!o0 si*ni4i)a 0!es)anso0% 0)essaBão !o tra$a'.o0% !a8 a )on)'usão )'ara 3ue o 3ue o
"en.or 3ueria !izer em 6nesis !ois% 2 3ue% !e,ois !e seis !ias !e tra$a'.o% !e-eDse !es)ansar um% não
im,ortan!o em 3ue !ia !a semana )ai o s2timo.
5 !es)anso !e um !ia a,7s seis !e tra$a'.o 2 !e )a,ita' im,ortXn)ia ,ara !es)anso !o )or,o% e esta
2 a ,arte mora' !o 3uarto man!amento% e nisto nin*u2m !e-e errar% ,ois ter# 3ue ar)ar )om as )onseD
3Z6n)ias. 5 )or,o !es*asta!o e sem ,o!er re)u,erar as ener*ias ,er!i!as a)a$ar# 4ata'mente ,or a!oe)er
e morrer ,rematuramente.
uar!amos o !omin*o ,or3ue 2 o !ia !o "en.or (esus /risto% isto 2% ,or3ue (esus /risto% )om,'etaD
!a sua o$ra re!entora% ne'e !es)ansou% 3uan!o ressus)itou !os mortos e assentouDse H !estra !a 1a9esD
ta!e% nos a'tos )2us. .
ONLUSÃO
5utras razões ter8amos ,ara )o'o)ar neste o,Gs)u'o% ,or2m% a).amos 3ue trinta 2 um nGmero mais
!o 3ue su4i)iente ,ara e+,'i)ar nossas )on-i)Bões% as 3uais estão tota'mente em .armonia )om os ensinos
$8$'i)os e !e-em 'e-ar o 'eitor .onesto a enten!er ,or 3ue o )ristão não tem ne)essi!a!e !e *uar!ar o
s#$a!o ,ara 9usti4i)arDse !iante !e Aeus.
:i)ou $em )'aro 3ue o )rente 2 sa'-o tãoDsomente ,e'a *raBa !e Aeus% me!iante a 42 no sa)ri48)io !e
nosso "en.or (esus /risto% 4eito uma s7 -ez% ,er4eito ,ara sem,re.
[$-io est# tam$2m 3ue a 'ei 2 $oa e o man!amento santo% 9usto e $om. To!a-ia não 4oi a 'ei !a!a
,ara 9usti4i)ar% senão ,ara mostrar ao .omem os seus ,e)a!os% e ,ara )on!uziD'o ao "en.or (esus.
& 'ei usa!a sa$iamente 'e-a o .omem a /risto e% )onse3Zentemente% H sa'-aBão !e sua a'ma. Por2m
usa!a erra!amente 'e-a o ser .umano H )on4usão% H .eresia e H ,er!iBão !e sua a'ma.
Tomemos )ui!a!o )om o uso 3ue 4azemos !a 'ei !e 1ois2s. "e9amos .umi'!es e sin)eros neste
)am,o% ,ois% !o )ontr#rio% n7s mesmos seremos os mais ,re9u!i)a!os. Que assim Aeus nos a9u!e e nos
!iri9a ,ara não nos !es-iarmos !a sim,'i)i!a!e e ,ureza !o E-an*e'.o !e nosso "en.or (esus /risto.
14
APELO OM AMOR
Não ,o!er8amos terminar estas )onsi!eraBões sem 4azer% em nome !e (esus /risto% um a,e'o
.onesto% sin)ero e )om amor H3ue'es 3ue estão ain!a !e$ai+o !o 9u*o !a 'ei% tentan!o *uar!ar o s#$a!o
,ara se 4azerem me'.ores aos o'.os !e Aeus. 5 a,e'o 2 no senti!o !e 3ue !ei+em o Es,8rito "anto a$rir
seus o'.os ,ara a -er!a!e !a Pa'a-ra !e Aeus% !e 3ue somos sa'-os uni)amente ,e'a *raBa !e Aeus%
me!iante a 42 no sa)ri48)io !e /risto% e ao mesmo tem,o% !ei+em !e in)omo!ar os 3ue 3uerem -i-er
!e$ai+o !a *raBa !e Aeus.
Preza!o ami*o 'eitor% se -o)6 ain!a não )onse*uiu a )erteza !e sua sa'-aBão% 2 ,or3ue -o)6 não
a)eitou o "en.or (esus )omo "a'-a!or e "en.or !e sua -i!a% ou 2 ,or3ue -o)6 não est# )on4ian!o em suas
*'oriosas ,romessas.
Co'te a 'er esta mensa*em% me!itan!o )om serie!a!e em to!o o seu )onteG!o% ,or3ue Aeus 3uer '.e
!ar essa $en!ita )erteza% 3ue 2 a )oisa mais $e'a e )on4orta!ora 3ue e+iste no E-an*e'.o !e /risto.
Aeus o a$enBoe ri)amente.