You are on page 1of 21

Relatório

Apresentação de Aspectos Profissionais


da Informática

Tema:“Trabalho de Grupo (ou não) ”


Data da Apresentação: 16 de Abril de 2009

Apresentação realizada por:

Marina Leite, nº 13280

Pedro Lopes, nº 15597

Docente: Rui Fernandes

1
Introdução

Esta apresentação foi realizada no âmbito da disciplina de Aspectos


Profissionais da Informática, leccionada pelo professor Rui Fernandes.

Este entregou aos alunos, relatórios dos trabalhos realizados pelos colegas do ano
anterior, e o seu objectivo era que os alunos do presente ano lectivo, tendo por base os
trabalhos dos anos anteriores, criassem uma apresentação da situação de forma a gerar
uma discussão/ debate entre público/ oradores.

Cabe aos oradores tentar defender os vários pontos de vista, que a situação em causa
expõe.

A nossa apresentação tem como título “Trabalho de grupo (ou não) ”, e conta a
história de dois amigos que frequentam o mesmo curso e tinham a mesma disciplina,
Programação, e decidiram fazer o trabalho de grupo em conjunto.

2
Situação Fornecida


Aspectos Profissionais da Informática

O Carlos e o Nuno estão a frequentar uma licenciatura em Engenharia


Informática na Universidade da Beira Interior. No âmbito de uma cadeira do curso,
Programação, decidem fazer juntos, o trabalho de grupo relativo a essa cadeira. Como
até ao prazo de entrega ainda tinham dois meses e existiam muitos trabalhos de outras
cadeiras pendentes acordaram começar a trabalhar quando faltasse um mês para a
entrega.

Na data prevista encontraram-se para acertar detalhes e dividir tarefas entre si.
No trabalho era pedido o desenvolvimento de uma aplicação similar a uma agenda
electrónica em linguagem C. ficou então acordado entre os dois que o Carlos era
responsável pela parte dos contactos e o Nuno com a parte das tarefas, o relatório seria
feito por ambos posteriormente. Combinaram então encontrar-se passadas 2 semanas
para não deixarem tudo para a última.

Passadas duas semanas o Carlos tinha a parte que lhe competia feita e o Nuno
nem sequer apareceu no dia e na hora combinada. O Carlos depois de tentar contactar o
Nuno várias vezes ele lá atendeu o telefone. O Nuno disse que ainda não tinha feito
nada porque tinham havido umas festas de Medicina com umas miúdas giras e tinha
andado a jogar um jogo novo e ainda não tinha tido tempo, mas que ficasse descansado
que o trabalho ia aparecer feito. O Carlos pensou que o Nuno ia cumprir o que tinha
prometido e ficou descansado.

Na última semana do prazo o Carlos tinha a parte dele pronta e até já tinha
começado o relatório. O Nuno mais uma vez não apareceu nem atendia o telemóvel.
Passados dois dias lá deu notícias. Tinha muitos trabalhos e ainda não tinha tido tempo
para esta cadeira porque deixou atrasar tudo por causa das noitadas e do jogo. O prazo
começou a aproximar-se e o Nuno não dava notícias.

O que deve o Carlos fazer?

Fazer o resto do trabalho sozinho e colocar na mesma o nome do amigo?

Fazer o resto do trabalho sozinho e não colocar o nome do amigo?

Falar com o professor responsável da cadeira e explicar a situação?

Desistir e fazer para o ano com uma pessoa responsável?


3
O Carlos decide fazer a parte do Nuno do trabalho e o relatório e entregar com o
nome do amigo na mesma. Entretanto avisou o Nuno que tinha entregado o trabalho
com o nome dos dois e avisa-o que vai existir uma defesa do trabalho para ele ao menos
tentar perceber o que existe no código, para saber explicar ao professor na altura da
defesa.

No dia da defesa ao acordar Carlos verifica o e-mail e qual não é o seu espanto
quando vê e-mail de Nuno a dizer que não vai à defesa porque desistiu de fazer a
cadeira este ano.

Carlos vai defender o trabalho sozinho.

O que vai dizer ao professor?

Que o amigo desistiu e não fez nada e que ele fez tudo sozinho?

E o professor que lhe irá responder?

4
Situação Apresentada
“Trabalho de grupo (ou não) ”

Decidimos fazer uma apresentação não “comum”, que é designada por


Storyboard, ou seja, contámos a nossa situação através de uma pequena história, para
que a audiência percebe-se mais facilmente a historia, e tivesse mais atenta aquando da
sua exposição.

É uma história bastante real e que poderia acontecer com qualquer um de nós
que frequenta o mundo universitário, mas situação também é facilmente transposta para
o mundo de trabalho. Usa-se a abordagem de um trabalho em meio escolar, de forma a
aproximar a audiência da situação.

Resolvemos dar os nossos nomes às personagens para que se tornasse mais fácil a
encenação da situação.

A nossa situação/caso é o seguinte:

✔ A Marina e o Pedro são alunos da Universidade da Beira Interior e vão


frequentar a mesma disciplina, Programação;
✔ Para a aprovação desta disciplina, é necessária a realização de um trabalho de
grupo (dois elementos). Este trabalho tem duração de dois meses e tem por
objectivo a elaboração de uma Agenda Electrónica em linguagem C e no final é
necessária a defesa do mesmo;
✔ Os amigos resolvem fazer o trabalho em conjunto e, como ainda têm bastante
tempo para realizarem este trabalho, combinam encontrarem-se um mês mais
tarde, apesar dos receios de Marina;
✔ Um mês depois, os amigos encontram-se e combinam começar o trabalho. Para
isso, ficam de se encontrar à noite (21 horas) no café para depois irem para a
biblioteca realizar o trabalho, mas o Pedro chega um pouco atrasado;
✔ Decidem dividir o trabalho em duas partes distintas, tarefas e contactos, e
decidem que cada um irá fazer individualmente o máximo possível de sua parte.
De forma a unir as duas partes e completar o trabalho.
✔ Na data acordada para unir o trabalho realizado, o Pedro ainda não completou a
sua parte, ou melhor nem sequer fez nada. A vida de estudante “caloiro” não é
fácil, muitas actividades sociais, ritmos novos, muita coisa para fazer ao mesmo
tempo, o tempo não dá para tudo.
✔ Combinam um data futura, para o Pedro acabar a parte dele, já que a Marina já
tinha completado a sua parte.
✔ O Pedro nunca chega a entregar a sua parte a Marina, O que deve fazer a
Marina?
○ Tentar fazer o resto do trabalho sozinha?
5
○ Entregar o máximo possível do trabalho, colocando ou não o nome do
Pedro?
○ Expor o problema ao professor da cadeira?
○ Desiste e volta a tentar no ano seguinte.
✔ No fim a Marina sempre consegue concluir o trabalho todo e decide colocar o
nome do Pedro no relatório do trabalho. E diz ao Pedro para ir a defesa do
trabalho.
✔ No dia da defesa o Pedro inventa um desculpa e diz que não consegue ir a defesa
do trabalho.
✔ Novamente a Marina encontra-se perante algumas dúvidas, O que vai dizer ao
professor:
○ Diz que foi só ela que realizou o trabalho?
○ Encobre o amigo?
✔ Qual será a atitude que o professor deve tomar?
✔ Fim da situação!

6
Considerações Finais

Como esperado a situação apresentada, fomentou opiniões e apresentação de diferentes


pontos de vista.

Tal como a situação foi apresentada, sendo o extremo, ou seja um dos colegas do grupo
nada fez e não se importou, toda a audiência se mostrou a favor da posição da Marina.

Mas no caso de haver justificações “plausíveis” para o Pedro não ter contribuído para a
elaboração do trabalho, as posições já não eram tão “preto e branco”.

O debate seguiu depois o rumo da situação em que existe um pedido de “ajuda” num
teste a um colega do lado, qual seria a atitude mais correcta a ser tomada por quem foi
questionado, se devia responder, se devia não responder.

Aqui a maioria da audiência não via com bons olhos a situação em que alguém não
partilha-se as respostas num testes, sendo mesmo, em surdina apelidado de “porco”, ou
seja ninguém via a situação de fraude, como algo de grave, chegando mesmo a ser
recriminado aquele que não pactuava com a fraude.

Na micro representação da sociedade portuguesa que é a audiência da sala, revelam-se


traços característicos da sociedade portuguesa, comuns a outras sociedades
mediterrânicas, tal como: a pouco relevância do mérito, o uso de esquemas para ter
sucesso, não premiar o trabalho e a honestidade, espírito de compadrio.

Esperamos que o nosso trabalho, dentro dos objectivos da disciplina, tenha contribuído
para a reflexão e consciencialização das atitudes e comportamentos futuros, quer no
ambiente académico quer no ambiente profissional.

7
Anexo

8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21