You are on page 1of 5

Valores Mobiliários (art 2 lei 6385/76

)
Ações Conceito> Ações são valores mobiliários representativos da unidade do capital social de uma
sociedade anônima. É a unidade mínima desse capital social, que não pode ser fracionada em relação a
sociedade. A ação é indivisível e negociável podendo circular livremente! no mercado de valores mobiliários. A
ação confere ao seu titular" # direito de intervir na sociedade através do voto, a cada ação o acionista tem o
direito de receber os proventos concedidos pela sociedade anônima dividendos!.
Naturea !ur"#ica>A ação é um bem m$vel passível de todos os direitos reais garantidos. %rata&se de um
valor mobiliário emitido por uma sociedade anônima. 'omo a nature(a )urídica é das *.A é uma nature(a de
capitais, as ações poderão ser transmissíveis sem o affectio societatis livremente!. 'omo as ações são
consideradas bens m$veis são passiveis de todos os direitos de garantias.
Valor no$ina> +ra ac,ar o valor nominal de uma ação, fa(&se uma conta matemática, dividindo o capital
social, que tem um valor, pelo numero de ações em que eu dividi o capital dessa sociedade. e-." o capital social
da sociedade é ././//, e tem ././// ações, o valor nominal das ações é ..
Ações co$ %alor no$inal> É diferente de valor econômico. Art. .0 da 1ei 2323452, não pode ser lançado
abai-o do valor nominal.
Ações se$ %alor no$inal6 7o estatuto social que deve estar escrito eu as ações são sem valor nominal, art
.3 da lei 23/3452.
Ações or#inárias> todos os acionistas que tem ações ordinárias, tem ações em comum, direito comum & a
cada ação da direito a . voto & voto pleno & art ../ lei 23/3452 & #7! & art 08 da lei & %#9A* A* A'#:* *A#
7#;<7A%<=A*.
Ações &re'erenciais ( tem algumas prefer>ncias, quem tem ações preferencial vai ser o primeiro a receber o
reembolso & art .5 lei 23/3452.
Ações #e )ruiç*o> são ações que a compan,ia /pode amorti(ar ou com lucro ou com capital de reserva,
amorti(ar é pagar pros acionistas o valor que ele pagou pra comprar aquela ação, e ai tira as ações de
circulação. & art 33 lei 23/3. 1iquidação da compan,ia é quando se vende todos os bens da compan,ia. 7a
amorti(ação a sociedade compra de volta as ações e não ,á a liquidação da sociedade
no resgate a sociedade compra de volta as ações que querem tirar do mercado e ,á a liquidação da sociedade.
Ações No$inati%as> ,o)e s$ temos ações nominativas. *ão aquelas que possuem o nome do titular da ação
beneficiário!. art 8/ e 0. lei 23/3452
Ações escriturais> *ão aquelas que não possuem certificado Aquelas que estão registradas nas intuições
financiadoras. & todas são, não tem mais ação cartular. & art 03 lei 23/3452
C+,C-.A/01 2A3 A/453
'irculação. +ropriedade & art 02
'onstituição de 9ireitos reais e outros ônus & art 0? da lei 23/3452
1bs6 # pen,or é sempre uma garantia, como ações são bem m$vel, voc> pode dar suas ações como garantia a
alguma coisa, s$ que é necessário que esse pen,or se)a registrado no livro de registro.
+en,or e caução é a mesma coisa.
)i#eico$isso ( quando alguém morre e tem 8 fil,os, ele então dei-a em fideicomisso pra . fil,o um
determinado bem, em que este terá que cuidar e manter durante 8/ anos
2i%i#en#os> art 8/. a 8/@ da lei 23/3452. É um direito eventual de crédito, é um direito do acionista, caput
do ./?. 7o estatuto social que define o percentual do lucro que vai para os acionistas.É a percentagem ou
rendimento que cabe aos s$cios ou acionistas de uma sociedade, proporcional ao capital que possui na mesma
sociedade.
Conceito> é o rendimento que cada s$cio ou acionista de uma sociedade, proporcional ao capital que possui a
mesma sociedade. #s dividendos representam, parte do lucro liquido que compete aos s$cios, segundo o valor
de sua participação. # dividendo é distribuído conforme estipulado no :statuto da *ociedade. A rigor o
dividendo sempre pressupõe a e-ist>ncia de lucro, decorrentes da e-ploração do ob)eto social da '<A. #s
dividendos não poderão ser distribuídos sem que ,a)a lucros disponíveis. A distribuição de dividendo que
infringir essa regra acarreta as seguintes consequ>ncias"
a) É considerada nulaA b) <ndu( a responsabilidade civil ou criminal dos diretoresA c) 'abe ação penalA #) 'abe
reposição ao cai-a social da importBncia distribuída
2eb7ntures6 art @8 da lei 23/3452. 9eb>ntures é um direito de crédito, contra a compan,ia nas condições
constantes da escritura de emissão ou de certificado. +odemos também afirmar que deb>ntures são títulos de
investimentos que garantem empréstimos regularmente tomados pelas sociedades dos investidores de
mercado. A lei 20C@452, no art. 8 regulamenta as deb>ntures como valores mobiliários.
2eb7nture co$ 8arantia real> Duando é emitida a sociedade leva um bem m$vel a cart$rio, esse bem não
pode ser alienado ele serve apenas para pagar os credores. *e entrar no processo de fal>ncia o art. C0 da lei
..../.4/@ a satisfação deve ser primeiro dos créditos trabal,istas e o 8E a receber é o credor com garantia
real.
9arantia )lutuante> É uma garantia que voc> pode tirar mais voc> tem que repor, ela pode perecer, tem
sempre que está repondo.
Valores Mobiliários
:artes ;ene'iciárias> 1egislação aplicável" art. 32 da 1. 23/3452. 'onferem a seus titulares direito de crédito
eventual contra a '<A, consistente na participação dos lucros anuais.
;<nus #e 3ubscriç*o & art 5@ da lei 23/3452. 'onfere aos seus titulares o direito de subscrever ações do
capital social como se fosse uma sen,a pra comprar um lançamento de um s,oF, por e-emplo, é o direito de
comprar primeiro q os outros!.
Co$&et7ncia &ara e$iss*o6 art 55. AG ou 'onsel,o de Adm.
Certi'ica#os6 art 5? & o bônus de subscrição pode ser emitido através de certificados ou escritural.
Caracter"sticas6 nominativo6 art. 78. C irculável6 voc> pode vender o seu bônus de subscrição, é como se
fosse vender o seu luar na fila.
Acionistas> É toda pessoa física ou pessoa )urídica titular de uma ação de uma sociedade anônima. Art. ./2
obrigações 1egais dos acionistas! e art. ./? direitos essenciais do acionista!.
1bri8acoes #os acionistas6 a) le8ais6 art ./2 da lei 23/3452!. <ntegrali(ação do valor das ações subscritas
ou adquiridas. Art. ./5" s$cio remisso.
b) estatutárias6 normas contidas no estatuto social.
c) contratuais6 acordo de acionistas. art ..C lei 23/3452
1bs6 Dualquer acordo é válido desde que se)a registrado e arquivado na sociedade.
2ireitos #os acionistas & art ./? lei 23/3452
a) 2ireitos essenciais6 7em a assembléia geral nem o estatuto social poderão modificar4retirar esses
direitos do acionista, por eles serem essenciais. *ão eles" direito de participar dos lucros sociais receber
dividendos!A participar do acervo da compan,iaA fiscali(arA direito de prefer>nciaA direito de retirada.
b) 2ireitos $o#i'icá%eis6 9ireito ao voto" Duando o s$cio é remisso não integrali(ou as suas ações! numa
assembléia geral pode ser privado ao voto. É residual o que não for direito essencial art. ./3 é modificável.
=r8*os #as 3ocie#a#es An<ni$as
Asse$bl>ia 9eral6 é soberana, limitada somente pelo estatuto social.
Asse$bl>ia 2eliberati%a> s$cios ou acionistas. art .8. 9:1<H:IA%<=#
Asse$bl>ia 9eral 1r#inária e 5?traor#inária> art. .0. 1. 23/3452.
Art. .08 A.G.#6 obrigat$ria
art. .0. A.G.:6. ve( ao ano
2iretoria6 art. .0C &6 $rgão e-ecutor.
Consel@o #e A#$inistraç*o6 art. .3/. Jrgão de aconsel,amento
Consel@o )iscal> art. .2. Jrgão fiscal.
Cia aberta> %ransaciona valores mobiliários no mercado aberto bolsa de valores!. %em que ter
obrigatoriamente" AG, 9iretoria, 'onsel,o Adm.
Cia 'ec@a#a> %em que ter obrigatoriamente" Assembléia Geral e 9iretoria.
1bs6 +ara ambas o consel,o fiscal é um $rgão facultativo. : ele pode ser feito e desfeito a todo tempo devendo
constar no estatuto social.
A asse$bl>ia 8eral6 é soberana, porém o limite dela está no estatuto social. :la vai até o estatuto social
permitir. Art. .8. e seguintes.
2iretoria> art. .0C e seguintes.
Co$&et7ncia> art. .80 da lei 23/3452 & se for uma compan,ia aberta, vai ter o 'onsel,o de administração.
7a compan,ia fec,ada não é obrigat$rio ter um consel,o de administração, mas ela pode ter.
35MANA3
6) A compan,ia fec,ada KAH'4*.AL foi constituída em 8//C, com o capital social de IM .@/.///.///,//, representado por
ações ordinárias e preferenciais, sendo que aquelas distribuídas em duas classes e, estas, as preferenciais, em classe Nnica.
:m )aneiro de 8/.8 , os administradores, consultam voc> O especialista no assunto, para abrir o capital da referida
sociedade, mantendo a mesma estrutura em relação Ps classes das ações da compan,ia. 'om base na situação ,ipotética
apresentada responda" 7esse cenário, respeitando as normas das sociedades anônimas, diga se a divisão das classes das
ações da compan,ia poderá ser mantida com a abertura do capital da sociedade. Qundamente. ,6 3i$A $as se ela abrir o
ca&ital social #i%i#o e$ classe #e ações or#ináriasA ser*o to#as ações or#inárias i8uaisA &o#en#o as ações Bue
era$ or#inárias #e classe #o artC D6A + (con%ers"%eis ) &assar a ser ações &re'erenciais na C+A abertaC

E-53F01 1;G5F+VA
9e acordo com o que dispõe a 1ei das *ociedades por Ações, as ações, conforme a nature(a dos direitos ou vantagens que
confiram a seus titulares, podem ser ordinárias preferenciais ou de fruição. As ações de fruição"
A) constitue$ t"tulos Bue &o#e$ ser atribu"#os aos acionistas a&Hs suas ações sere$ inte8ral$ente
a$ortia#asC ArtC II .C 6IJI/76
H! conferem aos titulares apenas os direitos comuns de acionista sem quaisquer privilégios ou vantagens.
'! conferem ao titular algum privilégio ou vantagem de ordem patrimonial, sem que, entretanto, o acionista ten,a direito de
participação nos lucros reais.
9! são tipicamente usadas por acionistas especuladores, ou por aqueles que não t>m interesse na gestão da sociedade.
correcao semana 2
caso & ele pode ao abrir o capital diividir as preferenciais em classe & art .5, porem as acoes ordinarias nao
podem continuar dividias em classa por força do art .2
7) Ana é acionista da sociedade *iderurgia 'ampo ;ourão *.A, uma compan,ia de capital aberto, com ações bem
valori(adas no mercado de valores mobiliários. # momento promissor da sociedade no mercado vem contribuindo para que
Ana tome a decisão de alienar suas ações na Holsa de =alores. Antes, porém , procura voc> advogado especialista na
matéria com algumas indagações"
'onsiderando que Ana ainda s$ integrali(ou ./R sobre o preço de emissão de suas ações em din,eiro, diga & respeitando
as normas das sociedades anônimas& se é possível a venda no mercado das ações de Ana. Qundamente. ,6 :o#eria
alienar &or se tratar #e 3CA abertaC 5nBuanto a ne8ociaç*o artC 2K #a .C 6IJI/76 &ara Bue ele &ossa ne8ociar
ela teria #e inte8raliar 3JL #o ca&ital socialC
E-53F01 1;G5F+VA
Assinale a opção correta quanto P disciplina )urídica das sociedades anônimas"
A! A emissão de ações por preço inferior ao seu valor nominal depende de prévia autori(ação de, no mínimo, um quarto dos
acionistas.
;) -$a %anta8e$ &ol"tica con'eri#a a certas classes #e ações &re'erenciais > o #ireito #e se ele8ere$A e$
%otaç*o e$ se&ara#oA $e$bros #os Hr8*os #e a#$inistraç*o #a co$&an@iaC ArtC D8 .C 6IJI/76
'! :m sociedades anônimas que admitam a negociação de suas ações no mercado de valores mobiliários, as ações somente
poderão ser negociadas depois de reali(ados 2/R do preço de emissão.
9! Ss sociedades anônimas é vedado, em qualquer ,ip$tese, receber em garantia as pr$prias ações.
8) # consel,o de administração da compan,ia aberta KT4*.AL & com a finalidade de captação de recursos O deliberou no
sentido de emissão de deb>ntures não conversíveis em ações no mercado, indicando para o agente fiduciário dos títulos
negociáveis o Hanco Alfa. # acionista 9ante 9omingues, no entanto, apresenta contrariedade na decisão societária,
alegando a ilegitimidade do consel,o emitir deb>ntures, visto se tratar de matéria privativa da assembleia. 'om base na
situação ,ipotética , responda" # 'onsel,o de Administração apresenta legitimidade para emitir as referidas deb>ntures da
compan,iaU Qundamente. ,6 N*o #e acor#o co$ o artC 5K #a lei 6IJI/76C
E-53F01 1;G5F+VA
'om relação P emissão de deb>ntures nas sociedades anônimas, assinale a opção incorreta.
A) 5?cetua#os os casos &re%istos e$ lei es&ecialA o %alor total #as e$issões #e #eb7ntures n*o &o#erá
ultra&assar o ca&ital social #a co$&an@iaC ArtC 6 #a .C 6IJI/76
H! A emissão de deb>ntures é mecanismo de autofinanciamento feito pela sociedade, no qual, a sociedade emite títulos que
conferem, a quem os adquirir, direito de crédito contra ela.
'! As deb>ntures são títulos emitidos pelas sociedades anônimas, e cu)a conversibilidade em ações é admitida pelo direito
brasileiro.
9! A garantia flutuante assegura P deb>nture privilégio geral sobre o ativo da compan,ia, mas não impede a negociação dos
bens que compõem esse ativo.
K) *amara, investidora no mercado de valores mobiliários, adquiriu em 8/.. bônus de subscrição de uma compan,ia que,
dentre outras clausulas de a)ustamento, estabelecia a subscrição das ações em )aneiro de 8/.8. 'onsiderando que a
compan,ia não reali(ou a emissão dos títulos , *amara procura voc> O advogado especiali(ado na matéria O com as
seguintes indagações"
Dual a medida )udicial cabível para que *amara possa efetivamente adquirir as ações da compan,iaU Qundamente.
,6 a $e#i#a !u#icial cab"%el será aç*o #e obri8aç*o #e 'aerA artC I6D C:CA &ara Bue a C+A 'aça o Bue @a%ia
co$&ro$eti#o artC 75 #a lei 6IJI/76
E-53F01 1;G5F+VA
Iespeitando as normas das sociedades anônimas, em relação Ps partes beneficiárias, assinale a opção incorreta.
A! As partes beneficiárias conferirão aos seus titulares direito de crédito eventual contra a compan,ia, consistente na
participação nos lucros anuais.
;) As co$&an@ias abertas e 'ec@a#as &o#e$ o&tar co$o 'or$a #e auto'inancia$ento a e$iss*o #e &artes
bene'iciárias no $erca#oC ArtC I7 .C 6IJI/76
'! É vedado conferir Ps partes beneficiárias qualquer direito privativo de acionista, salvo o de fiscali(ar, nos termos desta
1ei, os atos dos administradores.
9! As partes beneficiárias são títulos negociáveis, sem valor nominal e estran,os ao capital social.
DJ) *ílvio subscreveu ações da VI# +articipações *.A., mas não reali(ou o pagamento do valor das ações que subscreveu,
ao contrário das condições estabelecidas no estatuto, constituindo&se em mora, e informou aos acionistas ma)oritários que
não dispun,a de recursos financeiros, requerendo que o cumprimento de sua obrigação se convertesse em prestação de
serviços em favor da pessoa )urídica.
7essa situação ,ipotética, é lícito que *ílvio reali(e o pagamento das ações subscritas mediante prestação de serviçosU
Qundamente.
,6 N*oA &or se tratar #e socie#a#e #e ca&itaisA seu ca&ital &o#e estar co$&osto so$ente &or
#in@eiroA bensA ou cr>#itosA con'or$e o artC 7 #a lei 6IJI/76C
E-53F01 1;G5F+VA
'onsiderando a doutrina das sociedades por ações ,em relação aos direitos essenciais do acionista, pode afirmar"
A! # direito de voto é um direito essencial do acionista.
;) )iscaliar > u$ #ireito essencial #o acionista Bue n*o &o#e ser su&ri$i#o &elo estatuto ne$ &ela asse$bl>iaC
art DJK lei 6IJI/76
'! # direito de retirada é um direito essencial e absoluto podendo ser e-igido pelo acionista em todas as situações.
9! <ntegrar o consel,o fiscal da compan,ia é um direito essencial do acionista.
DD) Alberto, Hartolomeu e 'ésar são acionistas da AH' *.A., detendo respectivamente 3/R, 3/R e 8/R das ações, todas
ordinárias. Alberto e Hartolomeu celebraram acordo de acionistas, pelo qual se comprometeram a eleger Alberto 9iretor&
+residente da compan,ia, na pr$-ima assembleia geral ordinária. # acordo foi arquivado na sede da compan,ia. 9urante a
assembleia, Hartolomeu mudou de idéia e resolveu apoiar 'ésar para o cargo, contra Alberto. 'onsiderando a situação
,ipotética apresentada, responda"
'onsiderando o acordo firmado entre as partes, é possível que a mesa da assembleia , verificando o voto contrário de
Hartolomeu, redirecionar seu voto para Alberto U ,6 1 acor#o #e%e ser res&eita#oA 'a lei entre as &artesC 3e $u#ar
#e o&ni*o #urante a %otaç*oA seu %oto n*o será contabilia#oC ArtC DD8 M 8N #a .C 6IJI/76C

E-53F01 1;G5F+VA
7as *ociedades Anônimas, é considerado necessariamente controlador aquele"
A) Bue 'a o &o#er #e %oto #e suas ações or#inárias &re%alecerA #e $aneira &er$anenteA nas #eliberações
sociais e nas eleições #e a#$inistra#oresA orientan#o os ne8Hcios #a co$&an@iaC ArtC DD6 #a .C 6IJI/76
H! que possui mais de 5@R das ações da compan,ia.
'! que é titular de mais de @/R do capital social da compan,ia e ten,a integrali(ado sua participação tempestivamente, nos
termos do quanto definido no estatuto social.
9! acionista eleito como controlador pela compan,ia , independente do nNmero de ações que se)a titular.
D2) :m 0/4248/.., o consel,o de administração da pessoa )urídica WW ;etalurgia *.A., reunido em assembleia&geral
e-traordinária, deliberou a aprovação de aumento de classe de ações preferenciais e-istentes, com a presença de acionistas
que representavam 0/R das ações com direito a voto e cu)as ações não estavam admitidas P negociação em bolsa ou no
mercado de balcão. A deliberação foi feita sem guardar proporção com as demais classes de ações preferenciais e sem que
,ouvesse previsão desse aumento no estatuto. +edro, titular de cinquenta mil ações preferenciais da pessoa )urídica WW
*.A., sentindo&se e-tremamente pre)udicado pela aludida deliberação, impugnou administrativamente o ato, sob a alegação
de que ,averia necessidade de prévia aprovação ou de ratificação por titulares de mais da metade de cada classe de ações
preferenciais pre)udicadas. 'onsiderando as normas das sociedades anônimas, diga se ,á proced>ncia no argumento
apresentado pelo acionista +edro. Qundamente. ,6 artC D36A MDN $as #a $eta#e #e classe #as ações &re'erenciaisC
E-53F01 1;G5F+VA
'aio, acionista titular de ações ordinárias representativas de @R cinco por cento! do capital da 'ompan,ia Hrasileira de
%ecidos , dese)a que a compan,ia instale o 'onsel,o Qiscal. +ara atingir esse intento, 'aio poderá"
A! :m nome pr$prio, convocar imediatamente Assembléia Geral para a instalação do 'onsel,o Qiscal.
H! +ropor a instalação do 'onsel,o Qiscal em qualquer Assembléia Geral da qual participe, ainda que o assunto não conste
da ordem do dia.
C) ,eBuerer aos a#$inistra#oresA necessaria$ente e$ con!unto co$ outros acionistas Bue re&resente$ ao
$enos 5L (cinco &or cento) #o ca&italA a con%ocaç*o #e Asse$bl>ia 9eral &ara #eliberar sobre o assuntoC ArtC
D23A al"nea 2 .C 6IJI/76C
9! Iequerer aos administradores a instalação do 'onsel,o Qiscal, competindo a estes deliberar pela instalação, ouvido o
'onsel,o de Administração, se e-istente.