UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

INSTITUTO DE LINGUAGEM
CURSO COMUNICAÇÃO SOCIAL
HABILITAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA






SINTESE
A SOCIOLOGIA E O MUNDO MODERNO

















Síntese elaborada a partir do artigo “A
Sociologia e o Mundo Moderno”, sobre a relação
entre a Sociologia e a emergência da sociedade
urbano-industrial com destaque para as suas
principais características e problemas sociais em
evidencia, apresentada à disciplina Sociologia da
Comunicação de Massa.












CUIABÁ - 2014
2

IANNI, Octavio. A Sociologia e o mundo moderno. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 1(1): 7-27,
1.sem. 1989.
* Aula inaugural, proferida no dia 19 de março de 1988, para os alunos do Curso de Ciências Sociais, promovida
pelo Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São
Paulo. Escrita depois da fala.
** Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Sociologia FFLCH-USP.

Trabalho esta síntese, primeiro, tentando explicar da relação entre a Sociologia e a
emergência da sociedade urbano industrial. A Sociologia disponibiliza de procedimentos de
reflexão que são capazes de traduzir e explicar as originalidades dos fatos, acontecimentos e
dilemas da sociedade urbano-industrial. Depois procuro esclarecer as principais características
da sociedade urbano-industrial. Estas são as visões de uma sociedade superior e aperfeiçoada
formada na sociedade moderna, e de homem livre que busca uma organização melhor de vida
e trabalho, produção e distribuição de riquezas. E por último falo dos problemas sociais em
evidência da sociedade urbano-industrial, que está na desigualdade contra as quais lutam os
trabalhadores, que também se exprimem em seus dilemas com o indivíduo solitário em meio a
multidão.
A Sociologia surgiu em meio a emergência da sociedade urbano-industrial, com as
suas transformações e crises, procurando compreender, explicar e controlar suas as
manifestações de protestos e revoltas. Ao olhar para o passado, nos escritos dos grandes
clássicos se percebeu uma tentativa de explicar o nascedouro de uma sociedade moderna, onde
com a urbanização de cidades industriais se daria a formação da sociedade urbano- industrial.
Assim na Sociologia os novos procedimentos de reflexão surgem com as sugestões
epistemológicas de Vico, os enciclopedistas, Herder, Rousseau, Hegel e outros, quando o
pensamento se torna capaz de dar conta da originalidade dos fatos, acontecimentos e dilemas
mais característicos das sociedades que se formam com o Mundo Moderno. O Relacionamento
da Sociologia com a Emergência da Sociedade Urbano-Industrial é que aquela tem
procedimentos de reflexão que dão conta de traduzir e explicar as originalidades dos fatos,
acontecimentos e dilemas desta outra.
Para explicar a sociedade urbano-industrial temos que olhar para a corrente de
pensamento da Sociologia Positivista, que fez muitos adeptos no Brasil e influenciou a
organização do estado nacional, marcando uma época. A expressão “Ordem e Progresso”
sintetiza uma visão interpretativa desta sociedade, de classes, em sua formação e transformação.
Progresso tem a ver com a ideia de uma sociedade superior, aperfeiçoada. Nesse ponto o estado
tem que ser forte, pois o progresso econômico, industrial, capitalista, depende da ordem. A
ordem social é uma exigência do Estado que deve ser forte para pôr a sociedade em ordem afim
de evitar que as desigualdades das diversidades de grupos, classes, regiões, nacionalidades
possam afetar a sua harmonia.
Voltando ao alvo da Sociologia, que procura compreender, explicar e controlar a
multidão, povo, massa e classe social, vê-se que a análise da revolução social é um modo de
conhecer as forças sociais que governam os movimentos da sociedade nacional, pois revela as
relações, os processos e as estruturas, compreendendo dominação política e apropriação
econômica, que organizam e movimentam a sociedade moderna. Em suas representações a
sociedade civil e o estado mostram as rupturas revolucionárias. Assim subentende que a
sociedade urbano-industrial tem esse perfil.
A revolução social é vista como extrema, ao revelar as diversidades e disparidades que
governam os movimentos da sociedade. Ao passo que a sociedade nacional, urbano-industrial,
burguesa, de classes evolui, se dissolve a comunidade feudal. Concretiza-se aí os processos
sociais de âmbito estrutural, industrialização, urbanização, divisão do trabalho social,
secularização da cultura e do comportamento, individuação, pauperismo, lumpenização e
outros. Esse é o palco do trabalhador livre, formado com a sociedade moderna.
3

Entre os dilemas que a sociedade moderna enfrenta, está o fato de que, com os
indivíduos intelectualizados, a racionalização das organizações e o progresso da ciência, o
homem e a sociedade se pôs no controle de seus atos, do seu presente, emancipados do passado,
abandonando as tradições e a religião. Porém este homem se encontra só, solto e perdido na
multidão. “A Modernidade é o transitório, efêmero, contingente” como diz Baudelaire. As
máquinas reduzem o trabalho do homem, mas provoca a fome e o esgotamento do trabalhador.
Vê-se que o homem nunca teve a autonomia da liberdade que lhe parecia. O homem solitário
esconde-se na solidão niilista. Não obstante perceber que a liberdade da sociedade moderna é
uma ilusão, apesar disto, essa ilusão persiste em subsistir.
As transformações e crises provocadas pela emergência e o desenvolvimento da
sociedade civil, constituem outra matriz da Sociologia, que desvendam o ambiente em que se
deu tal transformação e como se deu o aparecimento das crises com suas manifestações de
greves e revoltas, como foram transformadas as sociedades europeias, américa e dos demais
países desenvolvidos ou quase desenvolvidos em outros continentes. As contribuições da
Sociologia em diversos países foram marcantes, ora seguindo as performances da Sociologia
europeia e americana, ora trabalhavam de forma original. Com base no artigo “A Sociologia e
o Mundo Moderno” chego à conclusão de que a Sociologia surgiu junto com o Mundo
Moderno, porém a sociedade burguesa tomou para si o seus serviços e a assalariou, afim de
dominar a manifestações da sociedade urbano-industrial, a qual faz da multidão, da massa, do
povo e das classes sociais, visto que a história tinha como primeiro plano a revolução da
multidão, foi então que se percebeu que a sociedade burguesa, também fazia parte desta história,
surgindo aí a Sociologia e a Modernidade.