Veja SP Veja RJ Exame Info Contigo!

MdeMulher Capricho Revistas e sites Assine Clube SAC Grupo Abril
VEJA
OK
Notícias
Assine VEJA
Brasil
Celebridades
Ciência
Economia
Educação
Esporte
Internacional
Saúde
Vida Digital
Infográficos
As Listas de VEJA
Veja SP
Temas
Vídeos e Fotos
Blogs e Colunistas
Acervo Digital »
Brasil
06/07/2014 - 07:33
COMPARTILHAR IMPRIMIR
Tweet
Tráfico de drogas
As estrangeiras atrás das grades por tráfico no Brasil
Site de VEJA visitou a Penitenciária Feminina da Capital, em São Paulo, onde cumprem pena 76% das mulheres estrangeiras
detidas no Brasil
Mariana Zylberkan
Foto 1 / 10
Ampliar Fotos
Foto anterior
Próxima Foto
A portuguesa Vanda Cristina Grades Paulino - Heitor Feitosa/VEJA.com
Principal porta de saída do país para o exterior, o Estado de São Paulo contabiliza atualmente 2.087 estrangeiros presos por crimes em território brasileiro, segundo dados da Secretaria da Administração
Penitenciária. Na lista de crimes, mais de 70% dos casos são flagrantes da tentativa de embarcar levando drogas no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Um relatório do ano passado da International
Narcotics Control Board (INCB), da Organização das Nações Unidas (ONU), indicou que o Brasil é o principal corredor da cocaína produzida na Bolívia e no Peru para a Europa. "O Brasil, com suas extensas
fronteiras terrestres com todos os três principais países produtores de cocaína e um litoral extenso, além de ser um país de destino para grandes quantidades de cocaína, também oferece fácil acesso ao Oceano
Atlântico para exportar drogas para a África Ocidental e Central e de lá seguir para a Europa e outros países". Os registros do governo paulista mostram que um terço dos estrangeiros presos no Estado são
mulheres, a maioria as chamadas "mulas" no jargão do narcotráfico. Na semana passada, o site de VEJA visitou, com autorização judicial, a Penitenciária Feminina da Capital, na Zona Norte de São Paulo,
onde estão 349 das 519 estrangeiras que cumprem pena longe dos seus países – no Brasil todo, são 727 estrangeiras presas.
VEJA INTERNATIONAL
Heitor Feitosa/VEJA.comHeitor Feitosa/VEJA.comHeitor Feitosa/VEJA.comHeitor Feitosa/VEJA.comHeitor Feitosa/VEJA.comHeitor Feitosa/VEJA.comHeitor Feitosa/VEJA.com
Heitor Feitosa/VEJA.comHeitor Feitosa/VEJA.comHeitor Feitosa/VEJA.com
As estrangeiras atrás das grades por tráfico no Brasil - Brasil - Notícia ... http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/as-mulheres-estrangeiras-presas-p...
1 de 5 19/07/2014 18:44
Estrangeiras atrás das grades
Bolívia
64
África do Sul
63
Angola
52
Demais países
256

Recomendados para você
Para tentar embarcar com a droga, essas mulheres recebem, em média 2.000 dólares. Segundo os dados do governo paulista, elas são procedentes de 55 países, mas a maioria hoje é de origem boliviana
(64), sul-africana (63) e angolana (52). A maioria foi detida no aeroporto de Guarulhos com a droga em pacotes colados ao corpo ou ingerida em cápsulas improvisadas. É o caso da portuguesa Vanda Cristina
Grades Paulino, de 32 anos, dois deles atrás das grades depois de ter sido flagrada com dois quilos de cocaína a caminho de Londres. Vanda afirma ter sido contratada por 7.000 libras (cerca de 26.000 reais).
A droga, relata, saiu do Paraguai e foi recebida por ela em Curitiba (PR). “Tinha passado os dois dias anteriores sob efeito do crack e sabia que ia ser pega, dava para sentir o cheiro da droga por onde passei”,
diz Vanda, condenada a seis anos e cinco meses de prisão em regime fechado. “Ter sido presa foi bom porque acho que nunca teria conseguido parar de me drogar de outra forma.”
A angolana Eduardina Julia Wadi, de 29 anos, chegou ao Brasil há quatro anos atraída por relatos de amigas que afirmavam estar ganhando muito dinheiro como garotas de programa no Centro de São Paulo.
Três meses depois de desembarcar no país, ela foi presa tentando viajar para a África do Sul com pacotes de cocaína escondidos debaixo das roupas. Foi condenada a dezoito anos de prisão com o agravante de
associação ao tráfico. Por meio de interceptações telefônicas, a polícia descobriu que ela era ligada a traficantes estrangeiros presos pela Polícia Federal.
No presídio, Vanda e Eduardina trabalham para uma empresa que fabrica peças e equipamentos hospitalares. A jornada é de oito horas diárias. Recebem um salário mínimo. Outras detentas da Penitenciária
Feminina da Capital trabalham em empresas credenciadas pelo Estado, ajudam na limpeza ou na cozinha.
Lei – Até o fim da década de 1990, presos estrangeiros ficavam em uma custódia montada dentro da unidade da Polícia Federal no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Diante do aumento do número de
prisões, os acusados do sexo masculino passaram a esperar o julgamento na penitenciária de Itaí, no interior do Estado, e as mulheres na Penitenciária Feminina da Capital.
Além dos defensores públicos da União, a única rara visita que elas recebem é de representantes do consulado de seus países. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) recomenda que a policia comunique aos
consulados imediatamente sobre estrangeiros detidos no país.
No início de abril, o Conselho Nacional da Imigração (CNIg), do Ministério do Trabalho, aprovou norma que concede um visto especial aos estrangeiros presos beneficiados com progressão de pena –
podem cumprir o restante da pena no Brasil em liberdade. “Temos um custo com esse estrangeiro. Além disso, nossa legislação é muito branda, os presos estrangeiros conseguem progressões de pena e,
recentemente, o Supremo Tribunal Federal fixou jurisprudência que lhes permite permanecer no pais de forma regular, respondendo ao processo em liberdade”, diz o juiz federal criminal Ali Mazloum.
A peruana Luz Mercedes, de 57 anos, aguarda decisão sobre a progressão de sua pena. Ela foi condenada a oito anos e seis meses de prisão por tráfico internacional de drogas e portar documentos falsos – já
cumpriu cinco anos e nove meses. Mercedes diz que foi detida com nove quilos de cocaína numa mala no aeroporto de Guarulhos. De lá, seguiria para Madri, na Espanha. Ela já havia sido presa por dois anos
e cinco meses em 2003 pelos mesmos motivos em Campo Grande (MS). Com perfil debochado, ela reage com ironia quando fala do futuro: "Vou escrever um livro de memórias, conheço muita gente da máfia
italiana e nigeriana”.
No dia 22 de maio, a Polícia Federal incinerou 541 quilos de drogas apreendidas em Guarulhos. Produzida nos Andes para consumo na Europa, a cocaína, felizmente, ficou pelo caminho. Muitas estrangeiras
que se associaram ao mundo do crime também.
brasil, prisão, tráfico de drogas
Comentários
VEJA
As famílias mais ricas dos
Estados Unidos: fortunas
justas
Saiba quem são os
criminosos que comandam
o PCC
Dois turistas americanos
serão julgados na Coreia
do Norte
Esquartejadora de
motorista diz que foi
ameaçada de morte
Por que acontecem tantos
estupros na Índia?
Shailene Woodley e Ellen
Page estão namorando, diz
revista
Polícia divulga foto e
preso 'sexy' vira
celebridade no Facebook
As estrangeiras atrás das grades por tráfico no Brasil - Brasil - Notícia ... http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/as-mulheres-estrangeiras-presas-p...
2 de 5 19/07/2014 18:44
PUBLICIDADE:
Previsão do tempo
São Paulo
Hoje, 19/7
MIN 12°
MAX 20°
» Outras cidades
Personagens
» Dez motivos para apoiar
» Simulação
» Participe
Nome: E-mail: Comentário:
Comentar
Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais(e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam
ininteligíveis, serão excluidos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.
» Conheça as regras para aprovação de comentários no site de VEJA
Lauro
Linda essa angolana.
06.07.2014
Minhas Notícias

Siga VEJA no Twitter
Temas em destaque
» 25 anos da Constituição
» 45 anos de VEJA
» 50 anos da renúncia de Jânio Quadros
» A tragédia nordestina
» Acidente na Imigrantes
» Outros temas
As estrangeiras atrás das grades por tráfico no Brasil - Brasil - Notícia ... http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/as-mulheres-estrangeiras-presas-p...
3 de 5 19/07/2014 18:44
Tablet Android Facebook Orkut Foursquare Twitter Google+ RSS Newsletter Anuncie Tempo Cotações iba Assine
VEJA
17% de desconto
8 x R$ 58,75
PACOTE SUPERIN...
20% de desconto
8 x R$ 23,50
CARAS
26% de desconto
8 x R$ 52,40
EXAME
10% de desconto
8 x R$ 49,35
Veja outras assinaturas, clique aqui.
Nome: Nasc.:
E-mail:
CEP:
Apenas 8x R$ 58,75
Saber mais
60º Debate do Mensalão
O Julgamento do Mensalão durou um ano e sete meses, foram realizadas 69 sessões, e dessas apenas três foram usadas para julgar os embargos infringentes. Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo, Marco
Antônio Villa e Roberto Podval discutem o desfecho do julgamento.
Blogs e Colunistas
Tablet Samsung
Galaxy Tab 3
Kids 7.0 SM-...
PontoFrio.com
14 x
R$ 42,79
Mochila de
Notebook
Manhattan
Olympian 4...
KaBuM!
12 x
R$ 4,99
D-Link DIR-610
Balão da
informática
à vista
R$ 44,33

Informática Eletrônicos Telefonia Games Eletrodomésticos
Serviços
Assinaturas
Notícias
Brasil
Celebridades
Ciência
Economia
Educação
Esporte
Internacional
Saúde
Vida Digital
RSS
Infográficos
As Listas de
VEJA
Saber +
Na História
Em profundidade
Perguntas e Respostas
Conheça o país
Cronologia
Quem é Quem
Testes
Vídeos e Fotos
Vídeos
Galerias de fotos
Galerias de vídeos
Revistas
VEJA
Os livros mais vendidos
Os e-books mais vendidos
Edições especiais
Expediente
VEJA São Paulo
VEJA Rio
Comer e Beber
VEJA na Sala de Aula
Temas
Reportagens, vídeos,
infográficos e cronologia
de assuntos em
destaque no noticiário
Blogs e colunistas
Antonio Ribeiro, de Paris
Reinaldo Azevedo
Blog
Assim não fica
Aécio põe o dedo na ferida do programa 'Mais Submédicos'
As estrangeiras atrás das grades por tráfico no Brasil - Brasil - Notícia ... http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/as-mulheres-estrangeiras-presas-p...
4 de 5 19/07/2014 18:44
Augusto Nunes, coluna
Caio Blinder, de Nova York
Felipe Moura Brasil, blog
Fernanda Furquim, séries de TV
Geraldo Samor, mercados
Isabela Boscov, cinema
Lauro Jardim, Radar on-line
Leonel Kaz, cultura
Lucia Mandel, dermatologia
Patrícia Villalba, Quanto Drama!
Paula Pimenta, Fazendo meu blog
Reinaldo Azevedo, blog
Ricardo Setti, coluna
Rodrigo Constantino, coluna
Sérgio Rodrigues,
livros e escritores
Cidades Sem Fronteiras,
Mariana Barros
Parceiros
Contas Abertas
Excelências
Blogs da redação
Impávido Colosso,
infográficos
Viver Bem, saúde
VEJA nas Olimpíadas
Enem e Vestibulares
Maquiavel, política
VEJA Acompanha
VEJA Meus Livros
Dez Mais, variedades
Vida em Rede, internet
Acervo Digital, história
+ Tech, tecnologia
Sobre palavras,
Sérgio Rodrigues
Enquetes, opinião
Sobre Imagens, fotografia
Imperdível, variedades
Conversa em Rede, internet
Testes,
conhecimentos gerais
Serviços
Assine VEJA
iba
Busca
RSS
Twitter
Facebook
Orkut
iPhone
Celular
Newsletter VEJA
Fale conosco
Para anunciar
Abril SAC
Aponte erros
Tempo
Cotações
Redes Sociais
Termo de uso
Política de Privacidade
Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados
As estrangeiras atrás das grades por tráfico no Brasil - Brasil - Notícia ... http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/as-mulheres-estrangeiras-presas-p...
5 de 5 19/07/2014 18:44