You are on page 1of 100

Digitalizado por Luis Carlos

www.semeadoresdapalavra.net
Nossos e-books são disponibilizados gratuitamente, com a única finalidade de
oferecer leitura edificante a todos aqueles que não tem condições econômicas para
comprar.
Se oc! " financeiramente priilegiado, então utilize nosso acero apenas para
aaliação, e, se gostar, abençoe autores, editoras e lirarias, adquirindo os liros.
S#$#%&'(#S &% )%*%+(% e-books eang"licos
Sumário
Introdução............................................................................................. 6
Capítulo 1 - Aprendendo a Falar a Linguagem de Deus.......................
Capítulo ! - " #$eito das %alavras no &eino 'atural............................1!
Capítulo ( ) C*amando + #,ist-n.ia as Coisas /ue não #,istem
Como 0e #,istissem............................................................................. 16
Capítulo 1 ) %ro$etize 0eu Futuro....................................................... !(
Capítulo 2 )3ornando-se %orta-4oz de Deus..................................... !5
Capítulo 6 6 7urmure e 'ão 0aia do Lugar8 Louve e 0e9a #,altado... (!
Capítulo - %asse para a "utra 7argem............................................. 11
Capítulo : ) Cultivando a 0emente..................................................... 1:
Capítulo 5 - " ;e9um In.lui a Língua..................................................... 2(
Capítulo 1< - A Língua Di$amadora....................................................... 2
Capítulo 11 - %alavras Irritadas e Impa.ientes Causam %ro=lemas..... 6(
Capítulo 1! - 'ão Fale %alavras 3orpes................................................ <
Capítulo 1( - >ma Língua ?ue Cura....................................................... :
Con.lusão .............................................................................................. :6
4ersí.ulos so=re a Língua ...................................................................... :
"ração %ara um &ela.ionamento %essoal .om o 0en*or....................... 56
'otas Finais.............................................................................................. 5
@i=liogra$ia................................................................................................ 5:
0o=re a Autora ......................................................................................... 55
#ntre em .ontato......................................................................................1<<

Como crentes, precisamos entender a alma e ser treinados para discernir as suas atividades.
Como definido neste estudo, a alma consiste de mente ou intelecto, vontade e emoções. Uma
vez que a alma está cheia do "eu", ela pode e deve ser purificada e transformada em um vaso
pronto para o uso do Mestre. ( 2 m 2.2!."
# l$n%ua e&pressa o que pensamos, sentimos e queremos. # mente diz o que pensamos, n'o
necessariamente o que (eus pensa. # vontade diz o que queremos, n'o o que (eus quer. #s
emoções dizem o que sentimos, n'o o que (eus sente. #o mesmo tempo em que nossa alma )
purificada, tam*)m ) treinada para conduzir os pensamentos, dese+os e sentimentos de (eus e,
assim, transformar,nos em porta,vozes do -enhor.
# .alavra de (eus ensina, em ! Cor$ntios 2.!/, que nos foram dados, a mente de Cristo e os
pensamentos, sentimentos e prop0sitos do seu coraç'o. emos a mente de Cristo, mas a alma
n'o crucificada os "impede" de aparecer. 1á uma luta cont$nua entre a carne e o esp$rito.
2 corpo e a alma unidos formam o que a 3$*lia se refere como "a carne". .ortanto, usaremos os
termos "a alma" e "a carne" alternadamente.
2 homem quer pensar seus pr0prios pensamentos, mas (eus dese+a usar a mente do homem
para pensar os pensamentos dele. 2 homem tem seus pr0prios dese+os, que podem ser mudados
conforme os dese+os de (eus, se ele se su*meter ao 4sp$rito -anto. 2 homem vive %rande parte
de sua vida %uiado por seus sentimentos, que parecem ser o inimi%o n5mero um dos crentes. 2s
sentimentos podem ser treinados a estar so* a liderança do 4sp$rito, mas este ) um processo que
requer tempo e zelo.
6este livro fala,se so*re a l$n%ua, que pode e&pressar a carne ou o esp$rito. 4la pode ser usada
para ver*alizar a .alavra de (eus ou como um ve$culo para e&pressar a o*ra do inimi%o. Creio
que nenhum filho de (eus quer ser usado como um porta,voz do dia*o, mas muitos o s'o.
.rov)r*ios !7.2! declara8 A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come
do seu fruto. 6'o há nenhum outro assunto na 3$*lia que dever$amos levar mais seriamente em
conta do que a l$n%ua. 4la pode ser usada para trazer *9nç'os ou destruiç'o, n'o somente para
n0s, mas tam*)m para muitos outros.
:ivros e&celentes t9m sido escritos so*re a l$n%ua. ;uando (eus colocou no meu coraç'o o
dese+o de escrever um livro so*re esse assunto, devo admitir que pensei8 ".ara qu9 < 2 que
posso dizer que +á n'o tenha sido dito"< Mas creio, realmente, que (eus quis que este livro
fosse escrito e tam*)m que ele será oportuno na vida de todos aqueles que o lerem.
2ro para que a unç'o do 4sp$rito -anto este+a neste livro, de maneira poderosa, para trazer
revelaç'o, convicç'o e arrependimento. 2ro para que, enquanto voc9 o estiver lendo, cada
palavra desperte em sua alma um novo dese+o de ser um porta,voz de (eus.
==================================================================
!
6a sua maioria, as citações *$*licas, no ori%inal, s'o da #mplified 3i*le, vers'o ainda n'o traduzida para o
portu%u9s. 6esta traduç'o, portanto, optamos por utilizar a vers'o Almeida >evista e #tualizada (-33 !??@",
compati*ilizada com o te&to da vers'o King James. 2s te&tos entre colchetes s'o traduções da Amplified Bible.
(6ota da tradutora"

Aoc9 tem pro*lemas< # resposta está *em de*ai&o do seu nariz. .elo menos, em %rande parte.
6'o creio que al%u)m possa viver em vit0ria sem estar *em informado do poder das palavras.
6ormalmente, quando temos montanhas em nossa vida, falamos sobre elasB mas a .alavra de
(eus nos instrui a falar para elas, como o*servamos nas palavras de Cesus nessa passa%em.
Você Está Falando sobre Suas Montanhas - ou para Suas Montanhas?
;uando Cesus disse para falarmos D nossa montanha, em f), ordenando que se er%a e se lance ao
mar, essa ) uma declaraç'o fundamental que merece um estudo.
4m primeiro lu%ar, o que falamos para as montanhas em nossa vida< E 0*vio que n'o ) para
lançar so*re elas a nossa vontade, mas sim a vontade de (eus e&pressa em sua .alavra.
4m :ucas F, quando Cesus estava sendo tentado por -atanás no deserto, ele respondeu a cada
tentaç'o com a .alavra de (eus. Cesus, repetidamente, diz "4stá escrito", e os vers$culos citados
que v'o de encontro Ds mentiras e decepções do dia*o se se%uem.
emos uma tend9ncia de "tentar" isso por um tempo e, quando n'o vemos resultados rápidos,
paramos de falar a .alavra para os pro*lemas e novamente começamos a falar nossos
sentimentos, que ), provavelmente, o que nos levou ao começo de tudo.
Um entalhador pode martelar uma pedra ?? vezes sem que ha+a evid9ncia de que este+a
acontecendo al%uma coisa. 4nt'o, na cent)sima vez, ela pode partir,se em duas. Cada %olpe
estava enfraquecendo a pedra, sem que houvesse sinais que o indicassem.
# persist9ncia ) um elo vital para a vit0ria. (evemos sa*er em que cremos e dedicar,nos a
conhec9,lo at) ver o resultado.
Obediência e perdão são tão importantes quanto fé e perseeran!a
.or isso, vos di%o que tudo quanto em oraç'o pedirdes, crede (acredite e confie" que rece*estes,
e será assim convosco. 4, quando estiverdes orando, se tendes al%uma coisa contra al%u)m,
perdoai, (esqueça" para que vosso .ai celestial vos perdoe as vossas Gpr0priasH ofensas.
GMas, se n'o perdoardes, tam*)m vosso .ai celestial n'o vos perdoará as vossas ofensas.H
Mc !!.2F,2/
.ara ter certeza de que mantemos o equil$*rio neste ensinamento, dei&e,me dizer,lhe que falar a
.alavra de (eus ) al%o poderoso e a*solutamente necessário para vencer. 6o entanto, essa n'o )
a 5nica doutrina na .alavra de (eus.
.or e&emplo, a o*edi9ncia ) i%ualmente importante. -e uma pessoa pensa que pode viver em
deso*edi9ncia e ao mesmo tempo falar a .alavra de (eus para suas montanhas e, ainda assim,
ser vitoriosa, ficará profundamente desapontada, como Cesus demonstra claramente nessa
passa%em.
Marcos !!.22,2/ deve ser considerado como um todo. 6o vers$culo 22, Cesus disse que
devemos ter f) em (eus. 6o vers$culo 2I, ele ensina a li*erar a f) falando para as montanhas.
6o vers$culo 2F, ele fala da oraç'o e da importJncia de orar, crendo. 6o vers$culo 2K, Cesus
manda perdoar. 4 no vers$culo 2/ ele afirma claramente que, se n'o perdoarmos, tam*)m nosso
.ai celestial n'o perdoará as nossas ofensas.
6'o há nenhum poder em falar a uma montanha se o coraç'o estiver cheio de falta de perd'o. 4
esse ) um pro*lema end9mico entre os filhos de (eus.
Multidões de pessoas que aceitam Cristo como seu -alvador pessoal se decepcionam ao tentar
colocar em prática um dos princ$pios de (eus enquanto i%noram completamente outro.
2*edi9ncia ) o tema central da 3$*lia. .ara muitos de n0s, a vida está um caos por causa da
deso*edi9ncia. # deso*edi9ncia pode ser resultado de i%norJncia ou de re*eli'o. # 5nica
maneira de sair do caos ) arrepender,se e retornar D su*miss'o e D o*edi9ncia.
"ão #$nore os %Ses% e os %Mas%
-e atentamente ouvires a voz do -4612>, teu (eus, tendo cuidado de %uardar todos os seus
mandamentos que ho+e te ordeno, o -4612>, teu (eus, te e&altará so*re todas as nações da
terra.
-e ouvires a voz do -4612>, teu (eus, vir'o so*re ti e te alcançar'o todas estas *9nç'os.
(t 27.!,2
.or favor, o*serve os "ses" nesta passa%em. Com muita freqL9ncia, escolhemos i%norar os "ses"
e os "mas" na 3$*lia. Considere, por e&emplo, ! Cor$ntios !.?,!M8
Niel ) (eus (confiável, fidedi%no e portanto, verdadeiro em suas promessas e podemos depender dele",
pelo qual fostes chamados D comunh'o de seu Nilho Cesus Cristo, nosso -enhor. >o%o,vos, irm'os, pelo
nome de nosso -enhor Cesus Cristo, que faleis todos a mesma coisa e que n'o ha+a entre v0s divisõesB
antes, se+ais inteiramente unidos, na mesma disposiç'o mental e no mesmo parecer.
(eus ) fiel, e nos *eneficiamos dessa fidelidade ao honrá,lo em o*edi9ncia nos
relacionamentos. # deso*edi9ncia n'o muda a (eus. 4le ) fiel, apesar da deso*edi9ncia. #
o*edi9ncia, no entanto, a*re a porta para a *9nç'o, que +á foi li*erada por causa da *ondade de
(eus.
4ste livro seria uma tra%)dia, na minha avaliaç'o, se eu tentasse ensinar que podemos rece*er o
que dizemos sem esclarecer que isso deve se alinhar com a .alavra de (eus e sua vontade.
"Nalar para nossas montanhas" n'o é um passe de má%ica ou encantamento que usamos quando
estamos com pro*lema, ou quando queremos al%uma coisa e continuamos num estilo de vida
deso*ediente e carnal.
&rian!as
4u, por)m, irm'os, n'o vos pude falar como a GhomensH espirituais, e sim como a carnais
Ghomens na carne, nos quais a natureza carnal predominaH, como a crianças Gna nova vidaH
em Cristo Gincapazes ainda de falar.H
! Co I.!
4nquanto estivermos na carne devemos orar e esperar que (eus nos mostre miseric0rdia e n'o
nos d9 o que pedimos. Nalamos muitas coisas que s'o da nossa vontade, e n'o da vontade de
(eus, simplesmente porque n'o conhecemos a diferença. Como "*e*9s em Cristo",
simplesmente n'o sa*emos como falar ainda, como .aulo diz nesta passa%em8
Assim como bebês naturais devem aprender a falar a língua dos mais velos! assim os cristãos devem
aprender a falar " maneira de #eus.
'prendendo a Falar a (in$ua$em de )eus
2ra, todo aquele que se alimenta de leite é ine&periente na palavra da +ustiça (conforme a divina vontade
no prop0sito, pensamento e aç'o", porque ) criança Gincapaz ainda de falarH. Mas o alimento s0lido ) para
os adultos, para aqueles que, pela prática, t9m as suas faculdades e&ercitadas para discernir n'o somente o
*em, mas tam*)m o mal.
1* K.!I,!F
.recisamos de tempo para aprender a .alavra de (eus e conhecer seu coraç'o. 4m*ora muitas
coisas este+am claramente definidas na .alavra e se+a 0*vio qual é a vontade de (eus, há outras
coisas que n'o estão escritas em preto,e,*ranco. (evemos conhecer o seu coraç'o e ser %uiados
pelo seu 4sp$rito.
# 3$*lia n'o diz que tipo de carro comprar ou quando vender a casa e comprar uma nova ou em
qual empresa tra*alhar. ;uando tra*alhamos em uma empresa e queremos uma promoç'o, esse
dese+o pode ser a vontade de (eus para n0sB mas tam*)m pode ser co*iça. Como sa*er a
diferença<
2 tempo ) a resposta.
:eva tempo para conhecer a (eus, conhecer nosso pr0prio coraç'o e ser totalmente sinceros
com n0s mesmos e com (eus. :eva tempo para aprender so*re motivações e discernir se as
nossas s'o puras.
%Se For da *ua Vontade%
G...H 6ada tendes, porque n'o pedisB G2uH pedis Ga (eusH e n'o rece*eis, porque pedis mal, para Gquando
conse%ue o que dese+aH es*an+ardes em vossos prazeres.
% F.2,I
Uma vez ouvi dizer que uma pessoa de f) nunca orará8 "-e for da tua vontade". 6'o houve
nenhuma outra e&plicaç'o, portanto, como uma rec)m,convertida, tomei a declaraç'o ao p) da
letra. (a mesma forma, ouvi que eu poderia ter o que dissesse, mas nin%u)m me falou que eu
precisava crescer. alvez al%u)m tenha dito, mas estava t'o cheia de mim mesma que n'o ouvi.
4stava totalmente fora do equil$*rio. 4u queria o que queria e pensei que tinha encontrado uma
nova forma de conse%uir. 1á al%umas coisas t'o claras na .alavra de (eus que n'o temos que
orar "se for da tua vontade".
# salvaç'o ) um *om e&emplo.
4m ! im0teo 2.I,F, a 3$*lia declara que ) da vontade de (eus que todos se+am salvos e
che%uem ao seu pleno conhecimento.
4u nunca oraria, "querido .ai Celestial, peço, em nome de Cesus que
salves============================ se for da tua vontade". 4u +á sei
que ) da vontade de (eus salvar aquela pessoa.
ia%o F.2 diz que n'o temos porque n'o pedimos. 2 vers$culo I diz que, Ds vezes, pedimos e
n'o rece*emos porque pedimos mal e por motivos e%o$stas.
.erce*o que, Ds vezes, ) dif$cil pensar isso de n0s mesmos, contudo ) verdade, principalmente
para o crente que n'o permitiu o processo de purificaç'o de (eus em sua vida. 6esse estado,
uma pessoa tem (eus dentro dela, mas tam*)m tem uma a*undJncia de "si" mesma.
;uando o que pedimos n'o está claramente descrito na .alavra e n'o temos certeza da resposta
de (eus, ) sá*io, e ) um ato de verdadeira su*miss'o, orar "se+a feita a tua vontade".
:em*ro,me de um e&emplo, muitos anos atrás, quando meu marido (ave e eu estávamos de
f)rias num lindo lu%ar na Oe0r%ia. 4stávamos muito cansados, e (eus permitiu que tiv)ssemos
um tempo de fol%a para reco*rar nossas ener%ias. Oostamos tanto do lu%ar que plane+amos levar
nossos filhos para passar umas f)rias prolon%adas no ano se%uinte. 4stávamos cheios de planos
e animadamente falávamos so*re eles. Comecei a "declarar" (fazer uma confiss'o ver*al"8
"Aoltaremos aqui nas f)rias do ano que vem, e toda nossa fam$lia será a*ençoada neste lu%ar".
(e repente, o 4sp$rito -anto falou em ia%o F.!K8
$m vez disso! devíeis dizer% se o &enor quiser! não s' viveremos como também
faremos isto ou aquilo.
4 mais tarde, ao estudar este vers$culo, tam*)m o*servei o vers$culo !/8
Agora! entretanto! vos (actais )falsamente* das vossas arrogantes pretens+es. ,oda
(act-ncia semelante a essa é maligna.
1á uma diferença entre f) e confiança, tolice e presunç'o. # menos que a diferença se+a
discernida, a vida espiritual se torna uma tra%)dia, em vez de um triunfo.
.essoalmente, n'o sinto que se+a fraca na f) quando oro8 "-enhor eu quero isto===se for da tua
vontade, se isso se encai&a no teu plano, se for o teu melhor para mim e se for no teu tempo".
.rov)r*ios I.@ diz8
.ão se(as s/bio aos teus pr'prios olos...
Ouardo esse vers$culo no coraç'o e, acredite, ele me poupou de muita an%5stia.
1ouve um tempo em que pensei que sou*esse tudo e que, se todos me ouvissem, nos dar$amos
*em. (esco*ri, no entanto, que n'o sei a*solutamente nada, comparado com o que (eus sa*e.
(evemos resistir D tentaç'o de *rincar de ser o "4sp$rito -anto". .elo contrário, devemos dei&ar
(eus ser (eus.
Equil+brio, Sabedoria, -rudência, .om Senso e .om /ul$amento0
odo prudente procede com conhecimento, mas o GautoconfianteH insensato espraia a sua loucura.
.v !I.!/
.erce*o que, nos meus vinte anos de o*servaç'o no >eino de (eus, que pessoas e mestres t9m
dificuldade com o equil$*rio. # doutrina que se refere ao poder das palavras, D l$n%ua, D
confiss'o, a proclamar as coisas que n'o s'o como se fossem e chamar coisas D e&ist9ncia ) um
e&emplo pelo qual tenho visto pessoas che%arem ao e&tremo. .arece que a carne quer viver D
*eira do caminho e tem dificuldade em se manter nos limites de se%urança.
-ede s0*rios (temperados, equili*rados" e vi%ilantes. 2 dia*o, vosso adversário, anda em derredor, como
le'o que ru%e Gcom uma fome ferozH procurando al%u)m para devorar.
! .e K.7
2s e&tremos s'o, na verdade, o pla0ground do dia*o. -e ele n'o pode levar um crente a i%norar
completamente uma verdade e viver decepcionado, sua pr0&ima tática será torná,lo t'o parcial e
sem equil$*rio com aquela verdade que n'o estará numa condiç'o melhor do que antes. Ps
vezes, ele estará *em pior.
# sa*edoria ) o tema central da .alavra de (eus. 6a verdade, n'o há verdadeira vit0ria sem ela.
6o 1ebsters 22 .e3 4ollege #ictionar0!
5
sabedoria é definida como "!. Compreens'o do que )
verdadeiro, certo ou duradouro. 2. 3om +ul%amento, senso comum." enho lidado com muitas
pessoas nos 5ltimos anos, tanto lei%os quanto ministros da Q%re+a, que simplesmente n'o usam o
*om senso.
# sa*edoria n'o ) radical. .rov)r*ios !.!,F diz que8 A sabedoria ê ceia de prudência e a
prudência é boa despenseira.
6este mesmo dicionário, prudência é definida como "administraç'o cuidadosa, 4C262MQ#."
2
2 ad+etivo prudente ) definido como "usar *om +ul%amento ou *om senso ao lidar com assuntos
práticos".
I
Creio que podemos dizer que sa*edoria ) uma com*inaç'o de equil$*rio, *om senso
e *om +ul%amento.
Um mestre da .alavra de (eus tem a responsa*ilidade de se fazer entender de maneira sensata,
para que os crentes de qualquer n$vel espiritual o compreendam. Nazer uma declaraç'o
%eneralizada de que "voc9 pode ter o que diz", sem qualquer e&plicaç'o, ) peri%osa para o
crist'o imaturo. Creio que, como mestres chamados para treinar os filhos de (eus, ) nossa
responsa*ilidade perce*er que nem todos que nos ouvem compreendem essa declaraç'o.
-i%nifica que voc9 pode ter o que diz, se o que diz está alinhado com a .alavra e a vontade de
(eus naquele momento particular.
#s pessoas carnais ouvem a mensa%em com um "ouvido carnal". (urante seu crescimento
espiritual, elas podem ouvir a mesma mensa%em de maneira completamente diferente do que
ouviram na primeira vez.
Qsso n'o quer dizer que a mensa%em estava errada, mas um pouco mais de esclarecimento
poderia ter evitado que os "*e*9s" espirituais ficassem inse%uros.
# maioria dos mestres tem uma "tend9ncia" pr0pria em seus ensinamentos , o que ) le%$timo.
Qsso tem a ver com o chamado de (eus na vida deles. #l%uns s'o chamados para e&ortar e
manter os filhos de (eus animados, zelosos e perseverantes, outros podem ser chamados para
ensinar a f) e outros, prosperidade. 1á aqueles que s'o chamados para ensinar quase que
e&clusivamente finanças. Muitos t9m sido chamados para ensinar e ministrar so*re a cura.
.enso que quando as pessoas s'o chamadas para fazer al%uma coisa, est'o t'o cheias do que
(eus colocou nelas, que, se n'o forem cuidadosas, podem ficar tendenciosas. .odem começar a
a%ir como se o que est'o ensinando fosse a 5nica coisa importante na 3$*lia. Qsso pode n'o ser
intencional, mas novamente sinto que ) nossa responsa*ilidade ter certeza de que estamos
apresentando o material de forma equili*rada, lem*rando que os "*e*9s em Cristo" s0
conhecem o que ministramos a eles, e nada mais.
Creio fortemente no poder da confiss'o. Creio que devemos falar para nossas montanhas e
tam*)m que muitas, sen'o a maioria, das respostas aos pro*lemas est'o definitivamente *em
de*ai&o do nosso nariz , na l$n%ua. Creio fortemente na maturidade do crente, na crucificaç'o
da natureza carnal, na morte do e%o$smo, na necessidade da o*edi9ncia e na su*miss'o ao
4sp$rito -anto.
4m outras palavras, n'o estou tentando ensinar al%o que somente o a+ude a sair do pro*lema ou
conse%uir al%o que voc9 queira. enho esperança de a+udá,lo a aprender como cooperar com o
4sp$rito -anto para ver a vontade de (eus cumprida em sua vida.

6essa passa%em, o ap0stolo .aulo destaca uma verdade espiritual aplicada D salvaç'o, mas creio
que ) uma verdade que pode ser aplicada a outras questões tam*)m.
# confiss'o da crença de uma pessoa confirma sua salvaç'o diante dos homens, mas n'o diante
de (eus. (eus +á sa*e o que está em seu coraç'o.
# confiss'o confirma a posiç'o do crente diante do inimi%o de sua alma. 4la declara uma
mudança de fidelidade. #ntes ele servia ao dia*o, mas a not$cia que ) dada a%ora ) que ele
mudou de dono.
2 estudioso *$*lico R.4. Aine definiu duas das palavras %re%as, confirmar! na 6ersão King
James! como "firmar, esta*elecer, fazer se%uro"
!
e "validar, ratificar, conferir autoridade ou
influenciar",
2
e a palavra confirma7ão ele definiu como "de validade fidedi%na."
I
3aseados nessas definições podemos dizer que a confiss'o ver*al firma, esta*elece, asse%ura,
ratifica e dá validade fidedi%na D salvaç'o. 4m outras palavras, a confiss'o "fi&a a salvaç'o no
lu%ar".
-roclamando o )ecreto
.roclamarei o decreto do -4612>8 4le me disse8 u és meu Nilho, eu, ho+e GdeclaroH, te %erei.
-Q 2.@
#ssisti a um filme uma vez em que um rei *ai&ou um decreto real. 4le decretou uma ordem ou
lei e enviou cavaleiros por todo o pa$s para "proclamar o decreto" aos cidad'os do reino.
6o #nti%o estamento, encontramos a emiss'o de tais decretos reais em 4ster 7.7,!F e, no
6ovo estamento, em :ucas 2.!,I.
6o -almo 2.@, o salmista escreveu proclamarei o decreto do &enor. ;ue decreto< 2 decreto no
qual o -enhor proclama que ele (falando de Cesus" ) seu Nilho uni%9nito. (1* !.!,K."
# .alavra escrita de (eus é seu decreto formal. ;uando um crente declara essa palavra com sua
*oca, com o coraç'o cheio de f), suas palavras s'o pronunciadas para esta*elecer a ordem de
(eus em sua vida. 8uando o #ecreto 9eal é proclamado! as coisas come7am a mudar:
O -lano de )eus - "ossa Escolha
;ois tu formaste o meu interior! tu me teceste no seio de mina mãe. <ra7as te dou! visto que por modo
assombrosamente maraviloso me formaste; as tuas obras são admir/veis! e a mina alma o sabe muito
bem; os meus ossos não te foram encobertos! quando no oculto fui formado e entretecido )como se tecido
de v/rias cores* como nas profundezas da terra )uma região de trevas e mistério*. =s teus olos me
viram a subst-ncia ainda informe! e no teu livro foram escritos todos os meus dias )de mina vida*! cada
um deles escrito e determinado! quando nem um deles avia ainda.
&2 5>?.5>@5A
2 plano de (eus para nossa vida tem sido esta*elecido no reino espiritual desde antes da
fundaç'o do mundo e é um plano *om, como vemos em Ceremias 2?.!!8
$u é que sei que pensamentos teno a vosso respeito! diz o &enor; pensamentos de paz e não
de mal! para vos dar o fim que dese(ais.
-atanás tem dado duro para destruir o plano do -enhor na maior parte de nossa vida e tem
alcançado alto $ndice de sucesso.
(eus enviou seu 5nico filho, Cesus, para nos res%atar e restaurar todas as coisas na ordem
correta. 4le escreveu sua vontade para nossa vida, e, se crermos e falarmos, isso começará a se
tornar realidade.
#l%umas pessoas cr9em em muitas coisas, mas v9em pouca manifestaç'o delas. alvez se+a
porque cr9em, mas n'o falam. 4las podem ver al%um resultado de sua f), mas n'o os resultados
radicais que e&perimentariam se colocassem a *oca e o coraç'o a serviço de (eus. (>m !M.?,
!M."
#l%umas pessoas est'o tentando viver nas *9nç'os do -enhor enquanto ainda falam como o
dia*o. 6'o devemos cometer esse erro. 6'o veremos resultados positivos em nossa vida se
falarmos coisas ne%ativas. (evemos lem*rar que o que estamos falando estamos trazendo D
e&ist9ncia. .enetramos no reino do esp$rito e rece*endo de acordo com as nossas palavras.
.odemos penetrar no reino de -atanás, o reino das maldições, e o*ter coisas más, ne%ativas, ou
podemos penetrar no reino de (eus, o reino das *9nç'os, e o*ter coisas *oas e positivas. #
escolha ) nossa.
&riado e Sustentado pela -alara de )eus
;ela fé! entendemos que foi o universo )durante eras sucessivas* formado Bconfeccionado!
colocado em ordem e equipado para o seu prop'sitoC pela palavra de #eus! de maneira que o
visível veio a eDistir das coisas que não aparecem.
Eb 55.>
# terra que (eus criou n'o foi feita de material que pudesse ser visto. Como lemos em O9nesis
!, (eus falou e as coisas começaram a aparecer8 a luz, o c)u, a terra, a ve%etaç'o, as plantas que
davam sementes, as feras selva%ens e os animais dom)sticos. # terra e tudo o que nela há foram
criados do nada, e ho+e ) sustentada por nada que possa ser visto.
4m 1e*reus !.I, lemos que (eus está... sustentando todas as coisas pela palavra do seu
poder... 2 universo criado por suas poderosas palavras at) ho+e está sendo sustentado pela
mesma coisa.
Aoc9 pode dizer8 "3em, ) claro CoSce, mas ele ) (eus".
(evemos nos lem*rar, sempre, de que somos criados D ima%em de (eus (On !.2/,2@" e a%ir
como ele.
Fa!a o 1ue )eus Fa2000
&ede! pois! imitadores de #eus )copie@o e siga seu eDemplo*! como filos amados
)que imitam os pais*. $f F.5
6essa passa%em, .aulo declarou que devemos imitar a (eus, se%uir seu e&emplo. 4m >omanos
F.!@, lemos que (eus... vivifica os mortos e cama " eDistência )o que ele prometeu e previu*
as coisas que não eDistem. # .alavra de (eus ) sua promessa para n0s e devemos falar das
coisas que ele nos promete como se +á e&istissem.
6'o devemos esquecer o equil$*rio. .or e&emplo, ve+amos o caso de uma pessoa que está
visivelmente doente, tossindo muito. -ua voz está muito rouca e o nariz e olhos est'o vermelhos
e lacrime+ando. -ente,se muito cansada. Um ami%o lhe diz8 "Aoc9 está doente"< ;ual ) a
resposta apropriada que ela poderia dar ao ami%o< Uma resposta cheia de f), mas que tam*)m
fosse honesta e cort9s< Creio que parte da resposta se encontra no n$vel espiritual do ami%o.
000 Mas Fa!a com Sabedoria
.orque, sendo livre de todos, fiz,me escravo de todos, a fim de %anhar o maior n5mero poss$vel Gpara
CristoH. .rocedi, para com os +udeus, como +udeu, a fim de %anhar os +udeusB para os que vivem so* o
re%ime da lei, Gtornei,meH como se eu mesmo assim vivesse, para %anhar os que vivem de*ai&o da lei,
em*ora n'o este+a eu de*ai&o da lei. #os sem (fora" lei, como se eu mesmo o fosse, n'o estando sem lei
para com (eus, mas de*ai&o da lei de Cristo, para %anhar os que vivem fora do re%ime da lei.
Niz,me fraco Gnecessitado de discernimentoH para com os fracos com o fim de %anhar os fracos. Niz,me
Gem resumoH tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos (a todo custo e de toda maneira"
salvar al%uns Glevando,os a ter f) em Cesus CristoH.
!Co ?.!?,22
2 ap0stolo .aulo disse que ele ia onde as pessoas estavam, com o fim de %anhá,las para Cristo.
#l)m de nos dizer para imitar a (eus, ele tam*)m nos diz para imitá,lo8 &ede meus imitadores
Gsi%am meu e&emploH como também eu sou de 4risto (o Messias" (!Co !!.!". Qsso ) importante,
principalmente quando se lida com "os sem" conhecimento e sem compreens'o espiritual. -e o
ami%o que per%unta pela sa5de do outro n'o ) um crist'o, a resposta deverá ser diferente
daquela dada a um crente.
.or e&emplo, se fosse eu a pessoa doente e me per%untasse so*re minha sa5de, diria apenas8
"6'o me sinto muito *em, mas dias melhores vir'o." 2u poderia dizer8 "Meu corpo está sendo
atacado, mas estou pedindo a (eus que me cure".
NreqLentemente, crist'os *em,intencionados, mas e&a%eradamente zelosos, que n'o usam de
*om senso t9m afastado as pessoas a%indo como criaturas alienadas.
(evemos nos lem*rar de que n0s, crentes, falamos uma l$n%ua que o mundo n'o compreende.
-eria impr0prio, por e&emplo, dizer a um n'o crente8 "3em, o dia*o pensa que colocou uma
doença em mim, mas, %raças a (eus, n'o aceitoB estou curado pelas cha%as de Cesus"T 4sse tipo
de conversa n'o mostra amor pela pessoa que per%unta, principalmente se sa*emos que ela n'o
tem id)ia do que estamos falando.
#s pessoas t9m usado esse tipo de lin%ua%em comi%o e, em*ora entenda o que querem dizer,
isso sempre me soa como uma *ofetada. 6ormalmente, essas pessoas s'o muito ásperas em suas
atitudes. 4st'o t'o empenhadas em o*ter a cura, mas n'o s'o sens$veis ao 4sp$rito -anto. 6'o se
importam nem um pouco em como suas palavras podem ferir a pessoa que se preocupa com
elas.
Como crentes, podemos "re+eitar a doença" sem escandalizá,los com uma resposta r$spida.
Muitas pessoas pensam que est'o em um elevado n$vel espiritual, mas, estranhamente, n'o
mostram nenhum fruto do 4sp$rito (Ol K.22,2I" , principalmente o fruto do amor, o "caminho
so*remodo e&celente" que o ap0stolo .aulo diz que "n'o se e&aspera, n'o se ressente do mal."
(! Co !I.K."
Uma vez que a f) se manifesta em amor, de acordo com Oálatas K./, duvido que a minha f)
funcionaria e eu seria curada se fosse áspera com os outros.
#s pessoas n'o pretendem ser %rosseirasB s0 est'o inse%uras porque pensam que, se admitirem
que este+am doentes, estar'o fazendo uma confiss'o ne%ativa. -e realmente est'o doentes, e isso
) 0*vio para todo mundo, por que ne%ar<
Cesus ) quem nos cura, e a verdade ) mais poderosa do que o fato.
4u estava numa terr$vel confus'o por ter sido a*usada durante minha vida inteira, mas fui
curada pelo poder da .alavra de (eus e pelo 4sp$rito -anto. 6'o tive de ne%ar onde estive para
che%ar onde estou. .recisei encontrar uma maneira mais positiva de falar e permitir que minha
fala fosse cheia de esperança em vez de desesperança, f) em vez de d5vida.
Como imitadores de (eus, devemos fazer o que ele faz , cama " eDistência as coisas que não
eDistem. B9m G.5H.C 4 podemos faz9,lo sem ofender as pessoas que ainda n'o entendem.
.odemos "proclamar o decreto" em particular e, quando al%u)m per%untar, podemos responder
com palavras positivas e n'o dei&ar a outra pessoa pensando que os crist'os s'o de outro planeta
e que tudo em que cr9em ) estranho.
.essoas n'o espirituais t9m de ser ensinadas , e n0s tam*)m.
2 ap0stolo .aulo compreendia esse fato. 4 o que quis dizer quando escreveu para a Q%re+a em
Corinto8
=ra! o omem natural não aceita as coisas do $spírito de #eus! porque le são loucura Bsem
sentido ou significadoC e não pode entendê@las Bprogressivamente reconecer! compreender e
ficar familiarizado com elasC! porque elas se discernem espiritualmente. B5 4o I.5G.C
4m uma passa%em posterior, .aulo escreveu aos Colossenses8
;ortai@vos com sabedoria )vivendo prudentemente e com discri7ão* para com os que são de
fora Bos incrédulosC ...A vossa palavra se(a sempre agrad/vel! temperada )como se fosse* com
sal! para saberdes como deveis responder a cada um )que le fa7a alguma pergunta*.
B4l G.F@A.C
4m outras palavras, .aulo estava dizendo aos crentes do seu tempo e a n0s8 "enham cuidado
em como falam Dqueles que n'o est'o no seu n$vel espiritual. Usem de sa*edoria e *om senso.
-e+am %uiados pelo 4sp$rito -anto".

.ara mim, um dos maiores privil)%ios em ser filho de (eus ) o de penetrar no reino onde (eus
está e chamar "D e&ist9ncia coisas que n'o s'o como se fossem".
6o entanto, essa prática pode atuar contra n0s se estivermos chamando por coisas que n'o s'o
da vontade de (eus, mas do inimi%o. 6a verdade, o mundo parece estar viciado em chamar a
destruiç'o.
.or e&emplo, uma pessoa espirra e diz8 ".rovavelmente pe%uei este resfriado que está por a$".
2u, ao ouvir al%um rumor de que a empresa para a qual ele tra*alha vai demitir al%uns
empre%ados, lo%o diz8 ".rovavelmente, vou perder meu empre%o. 4sta ) a hist0ria de minha
vida8 toda vez que as coisas começam a ir *em, al%uma coisa sempre acontece".
-em sa*er est'o penetrando no reino do esp$rito (o reino invis$vel" e chamando as coisas que
ainda n'o s'o como se +á fossem. 4st'o temendo o que n'o aconteceu ainda e, pela f) ne%ativa,
est'o pronunciando as palavras que moldar'o o seu futuro.
Mantenha uma (ista de &onfissão
$u cria Bconfiava em! dependia de e agarrava@me ao meu #eusC! ainda que disse...
&2 55A.5J
>ecomendo que voc9 tenha uma lista de confissões , respaldadas pela palavra de (eus , para
declarar so*re a sua vida, sua fam$lia, seu futuro.
;uando comecei a aprender esses princ$pios que compartilho com voc9 neste livro, eu era
terrivelmente ne%ativa. 4ra crist' e ativa na o*ra da Q%re+a. Meu marido e eu )ramos dizimistas e
freqLentávamos a Q%re+a re%ularmente, mas n'o sa*$amos que poder$amos mudar as
circunstJncias.
(eus começou a me ensinar que n'o devia pensar nem dizer coisas ne%ativas. -enti que ele me
dizia que n'o poderia tra*alhar em mim at) que parasse de ser t'o ne%ativa. 4u o*edeci, e como
resultado tornei,me mais feliz, pois uma pessoa ne%ativa n'o pode ser feliz.
(epois de certo tempo, senti que as circunstJncias realmente n'o estavam mudando. .er%untei
ao -enhor so*re isso e ele disse8 "Aoc9 parou de falar coisas ne%ativas mas n'o está dizendo
nada positivo". 4sta foi minha primeira liç'o em "chamar as coisas que n'o s'o como se
fossem".
Qsso n'o me foi ensinado por nin%u)m maisB (eus mesmo estava me ensinando, e isso provou
ser uma das maiores revelações, um dos maiores avanços em minha vida.
Niz uma lista das coisas que estava aprendendo e que eram minhas por direito, de acordo com a
palavra de (eus. inha as escrituras para apoiá,las.
(uas vezes ao dia, durante seis meses apro&imadamente, confessei essas verdades em voz alta.
Niz isso em casa, sozinha. 4u n'o estava falando com nenhuma pessoaB estava declarando a
palavra de (eus.
$stava proclamando o decreto:
Oostaria de compartilhar com voc9 parte da minha lista, mas voc9 deve fazer sua parte e
preparar uma lista so* medida para sua situaç'o8
$u sou uma nova criatura em 4risto; as coisas antigas (/ passaram; eis que se fizeram novas.
BI 4o F.5H.C
$u morri e ressuscitei com 4risto e agora estou assentada nos lugares celestiais. B$f I.F@A.C
$stou morta para o pecado e viva para #eus! em 4risto Jesus. B9m A.55.C
$u fui liberta. $u sou livre para amar! para adorar! para confiar sem medo de ser re(eitada ou
ferida. BJo K.>A; 9m K.5.C
$u sou um crente! não um incrédulo: BLc F.>A.C
$u cone7o a voz de #eus e sempre obede7o ao que ele me diz. BJo 5J.>@F!5G@5A!IH% 5G.5F.C
$u amo orar! amo louvar e adorar a #eus. B5 ,s F.5H; &2 >G.5.C
= amor de #eus é derramado em meu cora7ão pelo $spírito &anto. B9mF.F.C
$u me umilo e #eus me eDalta. B5 ;e F.A.C
$u sou criativa porque o $spírito &anto vive em mim. BJo 5G. IA; 54= A.5?.C
$u amo a todos e sou amada por todos. B2 Jo >.5G.C
$u teno todos os dons do $spírito &anto. ,eno o dom de línguas e interpreta7ão de línguas!
opera7+es de milagres! discernimento dos espíritos! a palavra da fé! a palavra do
conecimento! a palavra da sabedoria! curas e profecia. B5 4o 5I.K@5J.C
$u teno um espírito ensin/vel. BI ,m I.IG.C
$u estudarei a ;alavra de #eus; eu orarei. BI ,m I.5F; Mc 5K.5.C
$u nunca me canso quando estudo a ;alavra! oro! ministro ou busco a
#eus! mas estou alerta e ceia de energia! e enquanto estudo me torno mais
alerta e mais forte. BI ,s >.5>; 2s GJ.>5.C
$u sou uma praticante da ;alavra. $u medito na ;alavra durante todo
o dia. B,g 5.II; &2 5.I.C
$u sou ungida de #eus para ministrar. Aleluia: BMc G.5K.C
,rabalar é bom. $u gosto do trabalo. <l'ria: B$c F.5?.C
$u fa7o todo o meu trabalo com eDcelência e grande prudência! fazendo
o melor! em todo o meu tempo. B$c ?.5J; ;v II.I?; $f F.5F.5A.C
$u ensino a palavra. BLt IK.5?!IJ; 9m 5I.H.C
$u amo aben7oar as pessoas e espalar o $vangelo. BLt IK.5?@IJ.C
$u teno compaiDão e compreensão por todos. B5 ;e >.K.C
$u impono as mãos nos doentes e eles são curados. BLc 5A.5K.C
$u sou uma pessoa respons/vel. $u gosto da responsabilidade.
BI 4o 55.IK;Nl G.5>.C
$u não (ulgo meus irmãos em 4risto Jesus segundo a carne. $u sou uma
muler espiritual e não sou (ulgada por ninguém.
BJo K.5F; 9m lG.5J; 54o I.5F.C
$u não odeio ou ando na falta de perdão.
B5 Jo I.55; $f G.>I.C
$u lan7o todas as minas ansiedades no &enor porque ele cuida de mim.
B5 ;e F.H.C
$u não teno um espírito de covardia mas de poder! de amor e de modera7ão. BI,m 5.H.C
$u não temo os omens. .ão temo a ira do omem. BJr 5.K.C
$u não temo. $u não me sinto culpada ou condenada.
B5 Jo G.5K;9mK.5.C
$u não sou passiva em coisa alguma! mas eu lido com todas as coisas em mina vida
imediatamente. B;v H.I>; $f F.5F@5A.C
$u levo todo pensamento cativo " obediência de Jesus 4risto! destruindo fortalezas! anulando
sofismas e toda altivez que se levante contra o conecimento de #eus. BI 4o 5J.F.C
$u ando no $spírito o tempo todo. B<l F.5A.C
$u não dou lugar ao diabo em mina vida. $u resisto ao diabo e ele tem que fugir de mim.
B$fG.IH; ,g G.H.C
$u pego o diabo em todas as suas mentiras enganosas. $u as lan7o fora e escolo crer na
palavra de #eus. BJo K.GG; I 4o I.55; 5J.F.C
.enuma arma for(ada contra mim prosperar/. Las toda língua que ousar contra mim em
(uízo! eu a condenarei. B2s FG.5H.C
4omo um omem imagina em sua alma! assim ele é. ;ortanto! todos os meus pensamentos são
positivos. $u não permito que o diabo use meu espírito como uma lata de liDo! meditando em
coisas negativas que ele me sugere. B;v I>.H.C
$u não penso de mim mesma além do que convém. B9m 5I.>.C
$u sou tardia para falar! pronta para ouvir e tardia para me irar. B,g 5.5?.C
#eus abre mina boca e nenum omem pode fec/@la. #eus feca a mina boca e nenum
omem pode abri@la. BAp >.H.C
$u não falo coisas negativas. B$f G.I?.C
$u me propono a não transgredir com a mina boca. $u falarei da (usti7a e do louvor ao
&enor todo o dia. B&2 5H.>; >F.IK.C
$u sou uma intercessora. B5 ,m I.5.C
A instru7ão da bondade est/ na mina língua. A delicadeza est/ em meu toque. A miseric'rdia
e compaiDão estão em meus ouvidos. B;v >5.IA.C
$u fa7o o que digo que farei! cego ao meu destino " ora certa. BMc 5A.5J; I ;e >.5G.C
$u nunca prendo um irmão com as palavras da mina boca. BLt 5K.5K.C
$u sou sempre um encora(ador positivo. $u edifico e construo. $u nunca OarraseiOou destruí.
B9m 5F.I.C
$u clamo ao #eus ,odo@;oderoso que age em meu favor e me recompensa. BI 4r 5A.?.C
$u cuido bem do meu corpo. $u me alimento bem! teno uma boa aparência! eu me sinto bem!
eu peso o quanto #eus quer que eu pese. B5 4o ?.IH; l,m G.K.C
$u eDpulso demPnios; nada mortal pode me ferir. BLc 5A.5H!5K.C
A dor não pode prevalecer sobre o meu corpo porque Jesus levou toda a mina dor. B2s F>.>@G.C
$u não corro nem me apresso. $u fa7o uma coisa de cada vez. B;v ?.I; I5.F.C
$u uso meu tempo sabiamente. ,odo meu tempo de ora7ão e estudo é gasto com sabedoria.
B$f F.5F@5A.C
$u sou uma esposa obediente e nenuma rebelião / em mim. B$f F.II@IG; 5&m 5F.I>.C
Leu marido é s/bio. $le ê o rei e sacerdote do nosso lar. $le toma as decis+es corretas.
B;v >5.5J@5I; Ap 5.A; ;v I5.5.C
,odos os membros de mina família são aben7oados em seus atos. &omos aben7oados ao
entrar e ao sair. B#t IK.A.C
Leus filos amam orar e estudar a palavra. $les abertamente e cora(osamente louvam a #eus.
BI ,m I.5F.C
Leus filos fazem as escolas certas! de acordo com a palavra de #eus. B&2 55?.5>J; 2s FG.5>.C
,odos os meus filos têm muitos amigos cristãos e #eus separou uma esposa ou esposo cristão
para cada um deles. B5 4o 5F.>>.C
Leu filo #avid tem uma personalidade agrad/vel e não é rebelde. B$f A.5@>.C
Lina fila Maura age com prudência e sabedoria! ela é ceia de energia. B;v 5A.5A.C
$u sou uma doadora. Lais bem@aventurado é dar do que receber. $u amo dar:
$u teno dineiro suficiente para sempre dar. BAt IJ.>F; I 4o ?.H@K.C
9ecebo convites para palestras! pessoalmente! por telefone ou por correspondência!
todos os dias. BAp >.H@K.C
$u sou muito pr'spera. $u prospero em tudo o que pono a mão. $u teno prosperidade em
todas as /reas de mina vida Q espiritual! financeira! mental e social. B<n >?.>; Js 5.K; >Jo I.C
,udo que teno est/ pago. $u não devo coisa alguma! eDceto o amor em 4risto. B9m 5>.K.C
.odemos confessar coisas que n'o encontramos nos cap$tulos e vers$culos<
-im, creio que sim, desde que tenhamos a*soluta certeza de que o que estamos declarando ) da
vontade de (eus para n0s, e n'o apenas nosso dese+o.
6osso ministro de louvor está conosco há muitos anos. (eus colocou em seu coraç'o que al%um
dia ele diri%iria o louvor em nosso minist)rio antes mesmo que houvesse propriamente um
minist)rio. 4le nos contou que (eus continuou colocando o dese+o nele e, finalmente, disse,lhe8
"Aoc9 precisa declarar este dese+o em voz alta".
4le fez como (eus o instruiu, em*ora se sentisse muito tolo. 4 começou a declarar palavras
cheias de f)8 "4u serei o ministro de louvor do Minist)rio Aida na .alavra".
2 que estava confessando veio a acontecer al%um tempo depois. 60s o contratamos para ser
nosso ministro de louvor em*ora n'o tivesse nenhuma e&peri9ncia anterior. 4ra um m5sico
secular de muito talento, mas (eus dese+ava usá,lo no reino. 4le estava para cumprir o plano
ori%inal de (eus. .ara ele, ver*alizar a f) foi um passo importante no cumprimento do prop0sito
de (eus para sua vida.
4u declarei minha lista de confissões durante seis meses, e desde ent'o ela se tornou parte de
mim. #t) ho+e, quase vinte anos depois, quando oro e confesso a .alavra, ainda ouço muitos
desses vers$culos sa$rem da minha *oca.
6o #nti%o estamento, o -enhor instruiu Cosu) a meditar em sua .alavra "dia e noite" (Cs !.7".
6o -almo !!?.!F7 e em outros lu%ares, o salmista descreve como ele meditava constantemente
na .alavra de (eus. 6o -almo !.2, lemos so*re o homem reto8
... o seu prazer est/ na lei do &enor e na sua lei Bos preceitos! as instru7+es! os ensinamentos
de #eusC medita Bpondera e estudaC de dia e de noite.
.arte do meditar ) murmurar,
!
conversar alto consi%o mesmo ou declarar al%uma coisa.
2
Confessar a .alavra de (eus a+uda a interiorizá,la no coraç'o.
1o+e, olho para minha lista e fico a*solutamente impressionada com tantas coisas que escrevi e
que vieram a se realizar. 6a )poca pareciam imposs$veis.
'braão e Sara
#*r'o Glouvado paiH +á n'o será o teu nome, e sim #*ra'o Gpai de uma multid'oH, porque por pai de
numerosas nações te constitu$...(isse tam*)m (eus a #*ra'o8 # -arai, tua mulher, +á n'o lhe
chamarás -arai, por)m -ara GprincesaH. #*ençoá,la,ei e dela te darei um filhoB sim, eu a a*ençoarei, e
ela se tornará naçõesB reis de povos proceder'o dela. On !@.K,!K,!/
#*ra'o e -ara nem sempre se chamaram assimB houve um tempo em que o nome deles era
#*r'o e -arai. 4les n'o tinham filhos e passaram da idade de t9,los. Mas rece*eram uma
promessa de (eus de que ele lhes daria um filho, fruto de suas entranhas.
Qsso seria um mila%reT
#parentemente (eus mudou os nomes deles porque #*r'o e -arai precisavam de uma nova
identidade antes que o mila%re acontecesse. 2s novos nomes tinham um si%nificado especial.
Cada vez que eram chamados, o futuro estava sendo profetizado8 #*ra'o seria o pai de uma
multid'o e sua princesa, -ara, seria a m'e das nações.
(uvido que a est)ril -arai visse a si mesma como uma princesa. >ece*er um novo nome foi
parte importante de sua nova identidade.
#%ora as coisas certas estavam sendo ditas so*re #*r'o e -arai. ;alavras estavam sendo
declaradas e estavam penetrando no reino do esp$rito, onde o mila%re deles estava. 4ssas
palavras começaram a dar vida ao mila%re que (eus tinha prometido. #s palavras na terra
entraram em acordo com a palavra de (eus, declarada em O9nesis !K.
'braão &reu em )eus
#epois destes acontecimentos! veio a palavra do &$.E=9 a Abrão! numa visão! e disse% .ão
temas! Abrão! eu sou o teu escudo! e teu galardão ser/ sobremodo grande. 9espondeu Abrão%
&$.E=9 #eus! que me aver/s de dar! se continuo )neste mundo* sem filos e o erdeiro da
mina casa é o )servo* damasceno $liézerR
#isse mais Abrão% A mim não me concedeste descendência! e um )servo* nascido na mina
casa ser/ o meu erdeiro. A isto respondeu logo o &$.E=9! dizendo% .ão ser/ esse o teu
erdeiro; mas aquele que ser/ gerado de ti ser/ o teu erdeiro.
$ntão! conduziu@o até fora )de sua tenda para a luz das estrelas* e disse% =la para os céus e
conta as estrelas! se é que o podes. $ le disse% &er/ assim a tua posteridade. $le )Abrão* creu
Bconfiou em! dependeu de e permaneceu firme emC no &$.E=9! e isso le foi imputado para
(usti7a Bdireito diante de #eusC. <n 5F.5@A
#qui vemos que, quando (eus disse a #*r'o que ele teria um filho e se tornaria pai de muitas
nações, ele creu em (eus. 4m >omanos F.!7,2! lemos8
Abraão! esperando contra a esperan7a! creu! para vir a ser pai de muitas na7+es! segundo le
fora dito% Assim )incont/vel* ser/ a tua descendência.
$! sem enfraquecer na fé! embora levasse em conta o seu pr'prio corpo amortecido! sendo (/
de cem anos! e )quando considerou* a idade avan7ada de &ara! não duvidou BquestionouC! por
incredulidade! da promessa de #eus; mas! pela fé! se fortaleceu! dando gl'ria a #eus! estando
plenamente convicto de que ele era poderoso para cumprir o que prometera.
#ssim como #*ra'o, +amais rece*eremos um mila%re se n'o acreditarmos que (eus pode
realizar o imposs$vel.
6o caso de #*r'o, o mila%re prometido n'o ocorreu imediatamente. Muitos anos se passaram
entre o tempo que (eus lhe disse que seria o pai de muitas nações e o nascimento de seu filho
Qsaque. Creio que ) importante notar que n'o somente #*ra'o e -ara creram em (eus, mas as
palavras proferidas por eles estavam sendo usadas para li*erar a sua f).
:em*re,se, a vers'o da Amplified Bible de >omanos F.!@ diz que servimos um (eus que
...fala das coisas não eDistentes )que ele previa e prometia* como se )(/* fossem.
# refer9ncia está em O9nesis !@.K, que narra como (eus mudou os nomes de #*r'o e -arai.
Nalar de acordo com a .alavra de (eus ou uma palavra espec$fica que tenha sido dada a+uda a
manter a f) fortalecida at) que nossa manifestaç'o aconteça.
4m #mos I.I, lemos8 Andarão dois (untos se não ouver entre eles acordoR
6'o podemos andar de acordo com o plano de (eus se n'o estivermos de acordo com 4le , em
nosso coraç'o e com nossas palavras.
' Escolha 3 "ossa
=s céus e a terra tomo! o(e! por testemunas contra ti! que te propus a vida e a morte! a
bên7ão e a maldi7ão; escole! pois! a vida! para que vivas! tu e a tua descendência!
#t >J.5?
Creio que (eus está procurando pessoas em quem plantar suas "sementes de sonhos". .ara
sonar os sonhos de (eus, devemos estar dispostos a "conce*er", a concordar mentalmente com
(eusB em outras palavras, crer no que (eus diz.
Crer ) o primeiro passo importante, porque o que está no coraç'o sairá de nossa *oca8
...porque a boca fala do que est/ ceio Bdo que transborda! o que est/ superabundanteC o
cora7ão BLt 5I.>GC.
6a introduç'o deste livro, eu disse que a *oca e&pressa o que está na alma. Como definimos
anteriormente, a mente ) parte da alma. #tra$mos as coisas que est'o em nossa alma. -e nossa
alma e nossa *oca estiverem cheias de d5vida, descrença, temor e tudo de ne%ativo, atrairemos
essas coisas para n0s. .or outro lado, se as mantivermos cheias de (eus e de sua .alavra e de
seu plano, isso ) o que atrairemos.
A escola é nossa:

;ual foi a primeira coisa que disse esta manh' quando saiu da cama< -o*re o que voc9 tem
conversado o dia inteiro< #pesar do que voc9 possa pensar, isso ) importante , para voc9 e para
o seu *em,estar, como ia%o aponta nesse vers$culo.
#s palavras s'o muito importantes e poderosas e seremos responsa*ilizados por elas, como
Cesus alertou em Mateus !2.I@8
;orque! pelas tuas palavras ser/s (ustificado e! pelas tuas palavras! ser/s condenado.
.or isso, cada um de n0s precisa aprender a domar a sua l$n%ua.
)omando a (+n$ua
=bservai! igualmente! os navios que! sendo tão grandes e batidos de ri(os ventos! por um
pequeníssimo leme são dirigidos para onde queira o impulso do timoneiro. Assim! também a
língua! pequeno 'rgão! se gaba de grandes coisas. 6ede como uma fagula p+e em brasas tão
grande selva: =ra! a língua é fogo; )A língua* é mundo de iniqSidade; a língua est/ situada
entre os membros de nosso corpo! e contamina o corpo inteiro! e não s' p+e em camas toda a
carreira da eDistência umana Bo ciclo da natureza umanaC! como também é posta ela mesma
em camas pelo inferno B<eenaC. ;ois toda espécie de feras! de aves! de répteis e de seres
marinos se doma e tem sido domada pelo gênero umano BnaturezaC; a língua! porém!
nenum dos omens é capaz de domar; é mal incontido Bindisciplinado! irreconcili/velC!
carregado de veneno mortífero. B,g >.G@KC
ia%o diz, nessa passa%em, que nenhum homem pode domar a l$n%ua , n'o sozinho. 6o
vers$culo 7, ia%o declara que a l$n%ua ) "incontida." ;ualquer coisa incontida será selva%em e
incontrolável, sempre querendo fazer sua pr0pria vontade. Uma criança ) assim, como tam*)m
um animal selva%em. #ssim tam*)m ) o apetite. # l$n%ua humana n'o ) diferente.
.or isso precisamos da a+uda do 4sp$rito -anto para controlar a l$n%ua, mas (eus n'o fará tudo
por n0s. (evemos aprender a disciplinar a *oca e responsa*ilizar,nos pelo que sai dela.
-e nossa vida n'o está adequada, talvez dev9ssemos fazer um inventário do que falamos.
Como voc9 fala so*re seu futuro< -e n'o estiver satisfeito com sua vida e quer v9,la mudar, terá
de começar a profetizar um futuro melhor para si mesmo e para seus queridos, de acordo com a
palavra de (eus. 6ocê pode mudar as coisas na sua vida cooperando com #eus.
-em (eus voc9 n'o pode mudar coisa al%uma, mas, em concordJncia com ele, todas as coisas
s'o poss$veis. (Mt !@.2M". -im, voc9 pode começar a mudar as coisas na sua vida se tomar a
.alavra de (eus e começar á declará,la.
# maioria de n0s n'o usa a *oca para a finalidade conce*ida por (eus. 1á um %rande poder e
autoridade nas palavras. 2 tipo de poder depende do tipo de palavra. .odemos amaldiçoar nosso
futuro falando mal dele ou podemos a*ençoá,lo falando *em dele.
#l%uns t9m aprendido o peri%o de falar ne%ativamente, mas (eus quer que avancemos um passo
a mais. 4le quer que comecemos a profetizar o que dese+amos ver acontecer conosco.
# maioria de n0s tem al%um tipo de sonho ou vis'o. 1á al%uma coisa que queremos da vida ,
pessoal, financeira, social, espiritualmente , para nossa fam$lia, para nosso minist)rio, para
nossa sa5de, etc.
1á coisas materiais e espirituais que dese+amos , quase sempre ) uma mistura de am*os.
;ueremos crescer espiritualmente e ser usados por (eus e tam*)m queremos ser a*ençoados
em nossas circunstJncias materiais.
1ouve dias em que dese+ei coisas que seriam "*9nç'os", mas dada a i%norJncia do assunto
tratado neste livro, declarei que provavelmente nunca veria aquelas coisas acontecerem. Nalei de
acordo com o que tinha e&perimentado no passado, e com isso amaldiçoei meu futuro com
minhas pr0prias palavras. 4stava concordando com o dia*o, e n'o com (eus.
.recisava chamar D e&ist9ncia as coisas que n'o eram como se fossem. .recisava chamar do
reino espiritual o que dese+ava, mas eu esperava s0 a manifestaç'o.
.recisava cooperar com o plano de (eus para minha vida, mas estava enganada: 4stava crendo
em mentiras. Qsso ) o que a decepç'o ) , uma mentira.
-atanás ) chamado de en%anador porque, como Cesus disse em Co'o 7.FF, ele ) um mentiroso e
pai da mentira e de tudo o que ) falso. 4le se esforça para nos atrapalhar e usa isso para nos
influenciar a profetizar aquele mesmo tipo de pro*lema no futuro.
'ben!oe-Se a S# Mesmo4
... aquele que se aben7oar na terra! pelo #eus da verdade é que se aben7oar/; e aquele que
(urar na terra! pelo #eus da verdade é que (urar/; porque (/ estão esquecidas as angTstias
passadas e estão escondidas dos meus olos. ;ois eis que eu crio novos céus e nova terra; e
não aver/ lembran7a das coisas passadas! (amais aver/ mem'ria delas. Las v's folgareis e
eDultareis perpetuamente no que eu crio; porque eis que crio para Jerusalém alegria e para o
seu povo! regozi(o. 2s AF.5A@5K
6essa passa%em, na qual o -enhor fala ao seu povo, Qsrael, vemos um princ$pio duplo que pode
ser considerado em cada área em que dese+amos vit0ria8
!" .enuma palavra tem tanta autoridade como a que n's pronunciamos e
2" nosso futuro não pode ser aben7oado até deiDarmos o passado para tr/s.
4m Qsa$as FI.!7,!?, o -enhor propõe este mesmo princ$pio8
.ão vos lembreis )seriamente* das coisas passadas! nem considereis as antigas.
$is que fa7o coisa nova! que est/ saindo " luz; porventura! não o percebeisR $is que porei um
camino no deserto e rios! no ermo.
Uma consideraç'o cuidadosa dessas passa%ens me leva a crer que podemos cooperar com o
plano de (eus, pois ele diz no 5ltimo vers$culo8 ".orventura n'o o perce*eis"<
.odemos li*erar o plano de (eus n'o mais considerando (pensando so*re" as coisas velhas, mas
crendo que (eus tem um *om plano para nosso futuro. -e o que pensamos sai da *oca, n'o
conse%uiremos domá,la se n'o fizermos al%uma coisa so*re nossos pensamentos.
Creio que, se pararmos de viver mentalmente no passado, começaremos a pensar e a falar de
acordo com (eus. Nazendo assim, estaremos, na verdade, profetizando nosso pr0prio futuro.
-oder 5equer 5esponsabilidade
#igo@vos que de toda palavra frívola Binoperante! inTtilC que proferirem os omens! dela darão
conta no #ia do Juízo. Lt 5I.>A
Cesus ensinou que um dia os homens ter'o de prestar contas por suas palavras. .or qu9< .orque
as palavras cont9m poderB elas carre%am o poder criativo ou destrutivo.
.rov)r*ios !782! declara que o poder da vida e da morte está na l$n%ua. Qsso soa como poder
para mim. # qualquer momento em que nos ) dado o poder, deve tam*)m haver
responsa*ilidade.
Oeralmente as pessoas querem o poder para *rincar, n'o para ser responsável por ele, mas (eus
n'o permitirá isso.
(eus nos deu as palavras e espera que se+amos responsáveis pelo poder que elas li*eram.
's -alaras *êm -oder4
-e realmente cr9ssemos que as palavras t9m poder e que (eus nos responsa*iliza por elas, tenho
certeza de que ser$amos mais cuidadosos com o que dizemos.
Ps vezes, falamos coisas totalmente rid$culas. -e colocássemos um %ravador no cinto e o
levássemos a todo lu%ar durante uma semana, compreender$amos por que al%umas coisas nunca
mudam, em*ora se+a da vontade de (eus que nos livremos delas.
enho certeza de que naquela %ravaç'o ouvir$amos d5vidas, descrenças, murmuraç'o,
resmun%os, medo e muitas declarações ne%ativas. am*)m sa*er$amos por que isso está
acontecendo conosco e n'o ouvir$amos nada a respeito do nosso futuro %lorioso. .oder$amos
ouvir declarações como estas8
"Meu filho nunca vai mudar. .osso esquecer , quanto mais eu oro, pior ele fica."
"4ste casamento simplesmente n'o funciona. 6'o a%Lento mais. Aou em*ora se mais al%uma
coisa acontecer. -e necessário, vou me divorciar."
"4 sempre assim. oda vez que consi%o al%um dinheiro, al%um desastre acontece e leva tudo
em*ora."
"6'o consi%o ouvir a (eusB ele nunca fala comi%o."
"6in%u)m me ama. .arece que estou condenada a ficar sozinha minha vida inteira."
-0 que, ao mesmo tempo em que fazemos tais declarações ne%ativas, tam*)m afirmamos que
cremos em nossos filhos, em nosso casamento e em nossas finanças, que acreditamos ser
%uiados pelo 4sp$rito e que encontraremos nossa outra metade.
#qui está um e&emplo de minha pr0pria vida, das coisas rid$culas que disse so* press'o.
Uma noite, eu estava em casa procurando al%uma coisa, mas n'o conse%uia encontrá,la. Aários
mem*ros de minha fam$lia estavam pedindo minha a+uda ao mesmo tempo para coisas
diferentes que estavam fazendo. -enti a press'o aumentando, e sa*emos que, quando a press'o
se acumula, *otamos a *oca no trom*one.
4m minha frustraç'o, dei&ei escapar8 "4ste lu%ar me dei&a loucaT 6unca consi%o achar nada
aquiT
Qmediatamente, (eus chamou,me atenç'o para as minhas palavras. 4le me levou a analisar o
que eu tinha aca*ado de falar. .rimeiro, tinha mentido, ele me disse, porque posso e encontro
tudo o que procuro em minha casa o tempo todoB s0 porque n'o conse%ui achar al%uma coisa na
hora, n'o si%nifica que nunca encontre as coisas.
emos uma %rande tend9ncia em e&a%erar demasiadamente quando nos sentimos pressionados.
#umentamos as coisas e&a%erando sua proporç'o e fazendo,as parecer muito pior do que
realmente s'o. #s palavras descuidadas pronunciadas no calor do momento podem n'o
si%nificar muito para n0s, mas definitivamente elas pesam no reino espiritual.
2 -enhor disse depois8 "CoSce, n'o ) apenas uma mentira que voc9 nunca encontra nada, e
tam*)m n'o é verdade que está loucaT -ua casa não dei&a voc9 louca, mas, se continuar falando
assim, isto pode acontecer".
-e houver um caso de doença mental na fam$lia, o inimi%o adoraria a*rir uma porta para
continuar a maldiç'o por meio das palavras declaradas.
-e voc9 o*servar, muitas pessoas fazem declarações ne%ativas so*re sua capacidade e condiç'o
mental8
"Qsso sumiu da minha mem0ria."
".arece que estou perdendo a ca*eça."
"Ps vezes parece que vou ficar louca."
"Minha ca*eça n'o funciona direito."
"4squeço as coisas o tempo todo."
"6'o consi%o me lem*rar de nadaB devo estar com a doença de #lzheimer."
"-e isso continuar, sei que vou ter um ataque de nervos."
"-ou t'o *urra, t'o i%norante, t'o est5pida"T
#penas ouça as outras pessoas e a voc9 mesmo, e lo%o compreenderá o que quero dizer.
Um dia, meu marido (ave e eu +o%ávamos %olfe com um homem que deve ter se chamado de
"idiota" uma d5zia de vezes no espaço de quatro horas. 4u pensei8 "-e voc9 tivesse id)ia do
quanto está amaldiçoando sua pr0pria vida, pararia de falar assim imediatamente".
-e voc9 sente que está com pro*lemas, ore e profetize coisas *oas so*re sua capacidade mental,
e assim seu futuro pode ser diferente.
2 que a maioria de n0s tem feito com relaç'o ao passado ) orar e depois ne%ar nossas pr0prias
orações com uma confiss'o ne%ativa.
Fale Vida, não Morte!
= espírito é o que vivifica )ele é o doador da vida*; a carne para nada aproveita )não /
nenum proveito nela*; as palavras BverdadesC que eu vos teno dito são espírito e são vida.
Jo A.A>
;uando su%iro que profetize seu futuro, n'o se trata de declarar Ds pessoas o que voc9 vai fazer
ou ter. Aai che%ar o tempo para isso, mas n'o ) a%ora. >efiro,me a profetizar primeiro para si
mesmo% enquanto se diri%e para o tra*alho, limpa a casa, tra*alha no quintal, me&e no carro ou
faz sua rotina diária.
Nale palavras cheias de f), crendo. Como Cesus disse, as palavras que voc9 fala s'o esp$rito e
vida.
Nale vida, n'o morte.
#o entrar num restaurante lotado, voc9 diz8 "6'o vou conse%uir uma mesa e, se conse%uir, será
uma ruim e com um serviço precário"< 2u voc9 diz8 "#cho que tenho um tratamento especial
neste restaurante e vamos conse%uir uma *oa mesa e um serviço e&celente"<
Aoc9 pode per%untar8 "CoSce, isto realmente funciona com voc9"<
1onestamente, n'o posso dizer que isso sempre funciona comi%o, mas prefiro ser positiva e ter
KMU de *ons resultados do que ser ne%ativa e ter !MMU de resultados ruins.
Um *enef$cio adicional ) que, quando sou positiva, sou mais feliz e as pessoas %ostam mais de
estar perto de mim.
Oaste apenas IM se%undos por dia para declarar que voc9 tem o favor de (eus por onde quer
que voc9 váB os resultados podem surpreender voc9.
:em*ro,me de ter ido a uma lo+a certa vez e ter visto al%uns casacos. Muitos deles estavam com
KMU de desconto. 4ncontrei um de que realmente %ostei, mas estava sem a etiqueta de
liquidaç'o. .er%untei D vendedora se o casaco estava em liquidaç'o e ela respondeu8 "6'o, n'o
está". 4nt'o, ela olhou para mim e disse8 "Mas se o quiser pela metade do preço, dei&arei voc9
levá,lo. 6'o faria isso por mais nin%u)m, mas farei por voc9". 4u n'o conhecia aquela mulher e
nem ela me conheciaB n'o havia nenhuma raz'o "terrena" para ela fazer o que fez.
#%rada a (eus favorecer seus filhos. 2 que ele fez por mim fará por voc9 tam*)m. #linhe sua
*oca com a .alavra de (eus e prepare,se para ser a*ençoado. :em*re,se sempre de louvá,lo e
a%radecer,lhe.
(eus ) *om. Aárias vezes ao dia dever$amos dizer,lhe que temos consci9ncia disso.
6ma )or no -é
Uma tarde estava estudando na cama quando, de repente, senti uma dor no p). enho um
+oanete e d0i de vez em quando. ;uando comecei a sentir dor, eu disse8 ">epreendo esta dor, no
nome de Cesus. .or suas cha%as eu sou curada. .elo poder de seu san%ue eu sou curada e
li*erta."
Qmediatamente veio outra dor. 6ovamente eu disse, "4m nome de Cesus, eu sou curada e
li*erta".
.arecia um duelo. 4u dizia al%uma coisa positiva da .alavra de (eus e a dor vinha novamente.
.ensei8 "6'o me importo se tiver que ficar deitada aqui o dia inteiro, mas eu vou vencer".
Nalei em voz alta8 "4u sou curada pelas cha%as de Cesus. 4ssa dor tem de sair".
Continuei deitada na cama e, toda vez que a dor me atacava, eu atacava o dia*o com a .alavra
de (eus. :o%o depois, a dor passou e n'o me incomodou mais pelo resto do dia.
Vi$iar e Orar
6igiai e orai... Bfiquem atentos! se(am cautelosos e ativosC
Lt IA.G5
Ps vezes, somos culpados por n'o sermos mais persistentes ou por "a%Lentar as imund$cies do
inimi%o". Ps vezes, ficamos espiritualmente pre%uiçosos. 6o entanto, devemos ficar atentos e
despertos.
# advert9ncia de Cesus aos seus disc$pulos, "vi%iar e orar," devia ser aplicada primeiro em nossa
vida.
Ai%ie os ataques do inimi%o e ore imediatamente.
Aá contra -atanás quando ele estiver tentando tocar o seu ponto fraco, e ele nunca terá uma
fortaleza em sua vida.
Vida na -alara
2 -enhor me disse uma vez8 "#t) que meu povo aprenda a usar a minha .alavra como uma
arma contra o inimi%o e como profetizar seu futuro, pode esquecer de ter muito poder".
1á mistura demais em nossa *oca e isso nos faz a%ir com força zero. Misturar positivos e
ne%ativos n'o i%uala o poder na matemática de (eus.
# .alavra de (eus que sai da *oca do crente é uma espada afiada contra o inimi%o. 4m
#pocalipse !?.!!,!K, Cesus está montado num cavalo *ranco com uma espada afiada saindo de
sua *oca. 4ssa espada afiada ) a .alavra de (eus.
4m 1e*reus F.!2 lemos que... a palavra de #eus é viva e eficaz )tornando@a ativa! operante!
energizante e efetiva* e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes...
2 Cor$ntios !M8F ensina que...as armas da nossa milícia não são carnais )armas de carne ou
sangue*...
Uma vez que as armas n'o s'o naturais, devem ser armas espirituais. # .alavra de (eus se
manifesta no reino espiritual. 4 uma arma espiritual (invis$vel" que derrota um inimi%o
espiritual (invis$vel".
.odemos n'o ver o dia*o, mas certamente podemos ver as suas o*ras. .osso testemunhar que
sofri seus ataques durante toda minha vida. Comecei a aplicar esses princ$pios que estou
compartilhando com voc9 e lo%o vi os efeitos da .alavra de (eus em minha vida.
# vida conquista a morte.
1á "Aida na .alavra."
)eclarando o Fim desde o -rinc+pio
Membrai@vos )seriamente* das coisas passadas )que fiz* da antigSidade% que eu sou #eus! e
não / outro! eu sou #eus! e não / outro semelante a mim; que desde o princípio anuncio o
que / de acontecer e desde a antigSidade! as coisas que ainda não sucederam; que digo% o
meu conselo permanecer/ de pé! farei toda a mina vontade. 2s GA. ?@5J
6essa passa%em o -enhor diz8 "4u sou o mesmo (eus que te a+udou no passado e eu anuncio no
princ$pio como ficará no fim".
2 -enhor ) o #lfa e o 2me%a, o .rinc$pio e o Nim (#p !.7". 4le tam*)m ) o meio. 4le sa*e que
podemos ser vitoriosos, antes mesmo de o pro*lema acontecer, se %uerrearmos D sua maneira. 4
a maneira de (eus n'o ) ne%ativa.
>omanos 7.I@ diz que somos "mais que vencedores." Qsso si%nifica que podemos sa*er, antes
mesmo de a *atalha começar, que venceremos. 4m outras palavras, podemos ver o fim no
princ$pio.
;rofetizar nosso futuro é literalmente declarar no início o que acontecer/ no fim.
Declare e Faça!
As primeiras coisas )que aconteceram na época de 2srael*! desde a antigSidade! as anunciei;
sim! pronunciou@as a mina boca! e eu as fiz ouvir; de repente agi! e elas se cumpriram
)diz o &enor*. 2s GK.>
2*serve o princ$pio *ásico do m)todo de operaç'o de (eus8 primeiro ele declara, depois ele
a%e.
4sse princ$pio e&plica por que (eus enviou os profetas. 4les vieram falar ao mundo as palavras
inspiradas, e as instruções de (eus trou&eram a sua vontade do reino espiritual para o reino
natural. Cesus n'o veio ao mundo antes que os profetas tivessem falado so*re ele durante
centenas de anos. (eus opera nas leis espirituais que ele mesmo esta*eleceu, e n'o podemos
i%norá,las.
.lantar e colher s'o leis espirituais que vemos manifestar,se no mundo, mas tam*)m acontecem
no reino espiritual. -emeamos sementes materiais e colhemos *9nç'os materiais de todos os
tipos.
As palavras também são sementes. &emeamos palavras e colemos de acordo com o que
semeamos.
(eus dese+ava que o povo teimoso de Qsrael sou*esse que era ele quem fazia as %randes o*ras na
vida deles, por isso as anunciou antecipadamente. Nomos criados D sua ima%em, por isso
devemos se%uir o seu e&emplo e fazer o que ele faz.
-rofeti2e e (ucre4
;or isso! to anunciei desde aquele tempo e to dei a conecer antes que acontecesse! para que
não dissesses% = meu ídolo fez estas coisas; ou% A mina imagem de escultura e a fundi7ão as
ordenaram.
J/ o tens ouvido )as coisas preditas*; ola para tudo isto; porventura! não o admitesR #esde
agora te fa7o ouvir coisas novas e ocultas )mantidas reservadas*! que não conecias.
Apareceram agora )foram camadas " eDistência pela palavra profética* e não / muito! e
antes deste dia delas não ouviste! para que não digas% $is que (/ o sabia.
2s GK.F@H
.or favor, o*serve que o -enhor disse que as coisas que dese+ava fazer foram proclamadas, no
in$cio, pela .alavra prof)tica.
Qsso ) o que temos de fazer, falar e declarar a palavra de (eus , antes que aconte7a.
"Mas eu n'o sou profeta"T , voc9 pode dizer.
Aoc9 n'o tem de se "posicionar como profeta" para profetizar. .ode profetizar (falar a palavra
de (eus" so*re sua pr0pria vida a qualquer hora.
)eclare &oisas "oas em Sua Vida4
$is que as primeiras predi7+es (/ se cumpriram! e novas coisas eu vos anuncio; e! antes que
sucedam! eu vo@las farei ouvir. 2s GI.?
6esse vers$culo de confirmaç'o no qual (eus fala com seu povo Qsrael, vemos que o -enhor
declara coisas novas antes que aconteçam.
-e voc9 ) como eu, tenho certeza de que espera al%uma coisa nova em sua vida. Aoc9 precisa de
al%umas mudanças, e ler este livro ) da vontade e está no tempo de (eus para voc9.
4m*ora conheça esses princ$pios, eu tam*)m preciso ser lem*rada deles de vez em quando. Ps
vezes, temos de ser "sacudidos" nas coisas que +á sa*emos. Qsso nos encora+a a começar a a%ir
novamente nos princ$pios poderosos que dei&amos escapar.
-e voc9 está cansado das coisas velhas, pare de falar delas. Aoc9 quer al%o novo< Comece a
falar coisas novas. Oaste tempo com (eus. -epare um tempo especial para estudar sua .alavra.
(escu*ra qual ) a vontade dele para sua vida. 6'o dei&e mais o dia*o mandar em voc9.
.ão se(a o porta@voz do diabo.
(escu*ra o que a .alavra de (eus lhe promete e comece a declarar o fim no in$cio. 4m vez de
dizer "nada vai mudar", di%a "mudanças acontecer'o em minha vida e circunstJncias todos os
dias."
2uvi a hist0ria de um m)dico n'o crente que desco*riu o poder do princ$pio *$*lico que estou
compartilhando com voc9. -ua receita para os pacientes era ir para casa e repetir diariamente8
"4u estou melhorando a cada dia". 2 m)dico o*teve resultados t'o maravilhosos que as pessoas
via+avam de todas as partes do mundo para se *eneficiarem de seus serviços.
Qncr$velT (eus falou primeiro e um homem levou a fama.

Fa!a 7 Maneira de )eus4
Cesus disse8 $u sou o camino! sigam@me. (Co !F./B !2.2/." 60s nunca vemos Cesus ser ne%ativo
ou falar ne%ativamente. Aoc9 e eu dever$amos se%uir seu e&emplo.
(eclare a sua situaç'o, o que cr9 que Cesus diria e voc9 a*rirá a porta para o poder operador do
mila%re de (eus.

2s profetas eram porta,vozes de (eus. 4ram chamados para falar a .alavra de (eus ao povo ,
situações, cidades, ossos secos, montanhas ou qualquer coisa que (eus ordenasse. .ara cumprir
o chamado de (eus, tinham de se su*meter ao -enhor. # *oca dos profetas tinha que ser de
(eus.
#queles que dese+am ser usados por (eus, precisam permitir que ele lide com a sua *oca e o
que ela profere. ;uase sempre, os que t9m dons "ver*ais" tam*)m t9m al%uma fraqueza %ritante
na área da *oca.
4u falo por e&peri9ncia pr0pria.
Fale somente quando )eus Falar por #ntermédio de Você
,endo! porém! diferentes dons Bfaculdades! talentos! qualidadesC segundo a gra7a que nos foi
dada% se )aquele cu(o dom é* profecia! se(a )deiDe@o profetizar* segundo a propor7ão da fé;
9m 5I.A
Como ministra do evan%elho sou uma porta,voz no corpo de Cristo. enho o privil)%io
tremendo de ensinar a .alavra de (eus por todo o mundo. 4u ensino muito.
4m >omanos !2./ e @ o ap0stolo .aulo escreveu em ess9ncia8 U&e você é camado para
ensinar! entregue@se a fazê@loU. 4 o que tenho feito há muitos anos. Creio que (eus me disse
que em tudo o que fizesse eu deveria, de al%uma forma, fazer uso do dom de ensino que ele me
deu.
#pesar do nosso minist)rio espec$fico no Corpo de Cristo, cada um de n0s ) um porta,voz de
(eus de al%uma forma. anto faz se foi dado a voc9 e a mim o dom de ensinar mundialmente
ou a ha*ilidade de testemunhar para nossos cole%as, (eus quer usar a nossa *oca.
Um sá*io me disse certa vez8 "CoSce, (eus tem dado a voc9 o ouvido de muitos. -e+a sens$vel e
fale somente quando (eus falar por interm)dio de voc9."
-e voc9 ) um mestre da .alavra de (eus, aconselho,a a fazer o mesmo. #prenda a falar somente
quando (eus falar por interm)dio de voc9. 2*viamente, isso requer treinamento intensivo do
4sp$rito -anto.
-e dese+armos que as palavras carre%uem o poder de (eus, ent'o nossa *oca deve pertencer a
ele.
-ua *oca ) a *oca de (eus< Aoc9 realmente a entre%ou para o prop0sito de (eus<
2 coraç'o de uma pessoa pode ficar endurecido por +ustificar seu comportamento.
(urante muito tempo, arrumei desculpas para os "pro*lemas da minha l$n%ua" colocando a
culpa na minha personalidade, nos a*usos do passado, no fato de me sentir mal ou estar cansada
demais.
6a verdade, a lista de desculpas quando falhamos em conformar,nos com a vontade e a .alavra
de (eus ) infinita.
Ninalmente, o 4sp$rito -anto conse%uiu minha atenç'o total para que eu começasse a me
responsa*ilizar por minhas palavras. -ei que ainda tenho um lon%o caminho pela frente, mas
sinto que tenho pro%redido muito, parque alcancei o n$vel do verdadeiro arrependimento.
' 5esponsabilidade de Ser um Mestre
Leus irmãos! não vos torneis! muitos de v's! mestres Bauto@intitulados censores e reprovadores
dos outrosC! sabendo que avemos )os mestres* de receber maior (uízo )uma responsabilidade
maior e maior condena7ão*.
;orque todos trope7amos em muitas coisas. &e alguém não trope7a no falar )nunca diz a coisa
errada*! é perfeito varão! capaz de refrear também todo o corpo.
,g >.5@I
-a*emos que (eus lida com todos, mas creio que há uma diretriz r$%ida para aqueles que s'o
mestres da .alavra.
4spera,se que os l$deres mostrem um %rau de maturidade e dom$nio pr0prio que sirvam de
e&emplo aos os que estiverem so* suas lideranças 4les devem se%uir a Cristo e mostrar "o
caminho" com sua vida, respaldados pela .alavra de (eus.
4m !im0teo I.2, o ap0stolo .aulo escreveu que os l$deres espirituais devem ter dom$nio
pr0prio. 4stou certa de que uma das áreas em que eles t9m que e&ercer esse fruto do 4sp$rito ) a
l$n%ua.
#queles que s'o treinados para ser porta,vozes de (eus freqLentemente ser'o usados para trazer
encora+amento, consolo e edificaç'o aos outros. 1á tempo para correç'o e repreens'o, mas
tam*)m há tempo para falar "uma palavra temperada" ao cansado.
*ra2endo &onforto
= omem se alegra em dar resposta adequada! e a palavra! a seu tempo! quão boa é:
;v 5F.I>
4omo ma7ãs de ouro em salvas de prata! assim é a palavra dita a seu tempo.
;v IF.55
)= &ervo do &enor diz* = &$.E=9 #eus me deu língua de eruditos! para que eu saiba dizer
boa palavra ao cansado. $le me desperta todas as manãs! desperta@me o ouvido para que eu
ou7a como os eruditos )como um que é ensinado*.
2s FJ.G
4ssas tr9s passa%ens merecem meditaç'o. -'o realmente incr$veis. ;ue *9nç'o tremenda ) ser
usada por (eus para animar os outrosT
.odemos a*ençoar as pessoas com as palavras de nossa *oca. .odemos falar vida para elas. =
poder da vida e da morte est/ na língua. B;v 5K.I5.C .odemos escolher falar vida. ;uando
edificamos ou e&ortamos, estamos impulsionando,as. .ense nisso8 podemos impedi,las ou
impulsioná,las apenas com nossas palavras.
2s pais deveriam ser mais cuidadosos no modo de tratar os filhos. -er pai ) uma
responsa*ilidade incr$vel. (eus confere autoridade ao papel de pais. Como pais, os casais t9m
autoridade so*re a vida de seus filhos at) que eles tenham maturidade para levar a pr0pria vida.
.or causa dessa autoridade, as palavras dos pais t9m o poder de encora+ar ou desencora+ar uma
criança. #s palavras dos pais podem curar ou ferir.
;uando uma criança foi ferida emocionalmente por um professor ou por outra criança, os pais
podem ser usados por (eus para a+udá,la a se recuperar rapidamente e restaurar a sua confiança.
6o entanto, palavras duras ou palavras sem entendimento podem aprofundar ainda mais a
ferida.
;uando as crianças cometem erros, o que ocorrerá milhares de vezes, os pais precisam sa*er
como "ensiná,las" (.v 22./.", como cri/@las na disciplina e na admoesta7ão do &enor B$f A.GC.
4 muito importante que os pais n'o façam uma criança se sentir est5pida, desa+eitada ou
inadequada. Qsso pode acontecer, se n'o forem sá*ios com as palavras. #s crianças s'o frá%eis e
mais sens$veis nos primeiros anos de vida. 6esse per$odo, ) fundamental que os pais a+udem os
filhos a se sentirem se%uros e amados.
1o+e, muitos pais t9m pro*lemas e pressões tremendas e quase n'o encontram tempo para
ministrar a seus filhos so*re seus desafios. 1á uma tend9ncia de se pensar8 "Qsso ) coisa de
criança, eu tenho pro*lemas reais para tratar".
-e voc9 tem filhos e eles forem feridos, lem*re,se de lhes dizer "uma palavra temperada," uma
palavra que irá curá,los e encora+á,los.
O )om de E8orta!ão
4onsolai@vos Badmoestai@vos! eDortai@vosC! pois! uns aos outros e edificai@vos Bfortalecei@vosC
reciprocamente! como também estais fazendo.
5 ,s F.55
2 "dom de e&ortaç'o" está em >omanos !2.7. 4le ) um dos dons ministeriais conferidos pelo
4sp$rito -anto a certos indiv$duos.
4m Co'o !F.2/, o 4sp$rito -anto ) chamado de "Consolador". 4le e&orta as pessoas em seu
crescimento com (eus, encora+ando,as a ser tudo o que elas podem ser, para a %l0ria de (eus.
Como um Consolador e um 4&ortador, ele un%e outros para esse minist)rio.
Aoc9 e eu devemos compreender que eDorta7ão é um ministério , um minist)rio muito
necessário. 1á sempre muitas pessoas na Q%re+a que est'o prontas a desistir a qualquer momento
se al%uma coisa n'o acontecer para encora+á,las. Como e&ortador, podemos realmente evitar
que al%u)m retroceda ou desista.
2 4sp$rito -anto tam*)m ) chamado de "Consolador." 4&ortadores trazem conforto. 4les fazem
as pessoas se sentirem melhores , com elas mesmas, com suas circunstJncias, com o passado,
com o presente, com o futuro e com tudo mais que se refere a elas.
Como vemos em !essalonicenses K.!!, o ap0stolo .aulo instruiu os primeiros crist'os a
continuar consolando uns aos outros.
;ualquer pessoa que dese+a ser um porta,voz de (eus deve ser ou se tornar um e&ortador.
#l%umas pessoas s'o muito un%idas nessa áreaB conheço vários indiv$duos que s'o e&ortadores
naturais. udo o que lhes sai da *oca ) al%o que conforta as pessoas.
Meu dom ministerial n'o ) e&ortaç'o, mas tenho aprendido a sua importJncia e sempre tento me
lem*rar de que as pessoas est'o feridas e precisam ser encora+adas.
&uidado com as -alaras *orpes
.ão saia )(amais* da vossa boca nenuma palavra torpe! e sim unicamente )discurso* a que
for boa para edifica7ão! conforme a necessidade! e! assim! transmita gra7a Bfavor de #eusC aos
que ouvem. B$f G.I?C
#l%umas pessoas cr9em que s'o chamadas para corri%ir todo mundo. (eus concede dons que
trazem correç'o. 2 ap0stolo .aulo tinha um forte dom nessa área. 4le disse que corri%ia as
pessoas pela %raça que lhe foi dada. (>m !2.I"
6o entanto, pessoas que somente querem corri%ir e nunca edificam, constroem ou consolam
est'o sem equil$*rio. ;ualquer coisa sem equil$*rio desmorona.
(eus dese+a tocar a l$n%ua de mais pessoas e fazer delas seu porta,voz. 1á muito a ser dito e há
muitos que precisam ouvir. 4ncora+o voc9 a permitir que (eus trate dessa área muito importante
que, de acordo com Qsa$as, sem o poder de limpeza de (eus somos pessoas de lá*ios impuros
(Qs /.K".


Murmuraç'o ) pecadoT E uma forma corrupta de conversaç'o que causa muitos pro*lemas na
vida das pessoas. am*)m a*re muitas portas para o inimi%o.
:em*re,se8 n0s declaramos que as palavras t9m poder. .alavras de reclamaç'o e murmuraç'o
carre%am um poder destrutivo. 4las destroem a ale%ria daquele que murmura e tam*)m pode
afetar as pessoas que as ouvem.
4m 4f)sios F.2?, o ap0stolo .aulo nos instruiu a n'o usar nenhuma palavra torpe. #ntes, eu n'o
sa*ia que isso inclu$a murmuraç'o, mas a%ora aprendi que sim.
Murmuraç'o e reclamaç'o poluem nossa vida e provavelmente soa como maldiç'o para o
-enhor. .ara ele isso ) poluiç'o ver*al.
.oluir ) envenenar.
Cá parou para pensar que voc9 e eu podemos envenenar nosso futuro ao murmurar so*re o que
está acontecendo a%ora< ;uando reclamamos so*re nossa situaç'o, permanecemos nelaB quando
louvamos a (eus no meio da dificuldade, ele nos li*erta delas.
# melhor maneira de começar o dia ) com %ratid'o e ações de %raça. (9 uma rasteira no dia*o.
-e voc9 n'o encher os seus pensamentos e conversas com coisas *oas, ele definitivamente os
encherá com coisas ruins.
.essoas verdadeiramente a%radecidas n'o murmuram. 4st'o t'o ocupadas sendo %ratas pelas
coisas *oas que fazem que n'o t9m tempo de notar as coisas so*re as quais poderiam murmurar.
2 mundo está cheio de duas forças8 a *oa e a má. # 3$*lia nos ensina que o *em vence o mal
(>m !2.2!" e que devemos escolher o *em. -e estivermos numa situaç'o ne%ativa (má",
poderemos venc9,la com o *em.
2 louvor e as ações de %raças s'o forças *oasB a murmuraç'o e a reclamaç'o s'o forças más.
' (+n$ua -ode *ra2er Sa9de ou )oen!a
= -nimo sereno é a vida do corpo! mas a inve(a é a podridão dos ossos.
;v 5G.>J
#l)m de envenenar o futuro, a murmuraç'o e a quei&a tam*)m podem envenenar o presente.
Uma pessoa que murmura e se quei&a pode ficar muito doente. .alavras podem afetar o corpo
f$sico. 4las podem trazer cura ou podem a*rir a porta para doença.
(oença traz doençaT
(e acordo com .rov)r*ios !K.F, a l$n%ua tem o poder de curar8
A língua serena )com seu poder de cura* é /rvore de vida! mas a perversa quebranta o espírito.
.ense nisto8 uma pessoa que tem uma mente calma e tranqLila tem sa5de para o corpoB mas,
como vimos em .rov)r*ios !F.IM, a "l$n%ua perversa" cheia de inve+a, ci5me e ira pode, na
verdade, destruir o corpo f$sico. Qra ) raiva e a maioria das pessoas que murmura está com raiva
de al%uma coisa. .or isso, podemos afirmar que as pessoas que se quei&am, murmuram e
reclamam n'o t9m a mente calma e tranqLila.
2 louvor e ações de %raça li*eram ener%ia e cura f$sica. 1ouve muitos momentos em minha
vida em que me senti mal ou fisicamente doente, mas, ao louvar a (eus na Q%re+a ou em casa,
e&perimentei uma li*ertaç'o de todos os sintomas ne%ativos. # mesma coisa provavelmente +á
aconteceu com voc9.
Creio que uma pessoa deveria se sentir 0tima pela manh', depois de uma *oa noite de sono.
Mas notei que, em momentos de des%aste f$sico, sinto,me pior pela manh'. (isciplinar,me a
passar um tempo de qualidade com o -enhor de manh', incluindo tempo de louvor e ações de
%raças, tem sido maravilhoso para mim, fisicamente.
Murmura!ão e 5eclama!ão 'brem a -orta para a )estrui!ão
.ão ponamos o &enor " prova )testar sua paciência! tornar@se uma prova para ele! fazer
uma avalia7ão crítica dele e eDplorar sua bondade* como alguns deles (/ fizeram e pereceram
pelas mordeduras das serpentes. .em murmureis! como alguns deles murmuraram e foram
destruídos pelo eDterminador BmorteC. $stas coisas les sobrevieram como eDemplos )e avisos
para n's* e foram escritas para advertência nossa! de n's outros sobre quem os fins
Bconsuma7ão e conclusãoC dos séculos têm cegado.
5 4o 5J.?@55
;uando murmuramos, (eus leva isso para o lado pessoal. 4le considera que estamos a*usando
da sua *ondade. (eus ) *om e quer nos ouvir falando da sua *ondade. ;uando murmuramos,
nos quei&amos ou reclamamos, estamos fazendo uma cr$tica ao (eus que servimos.
#o murmurar, os israelitas a*usaram da *ondade de (eus, por isso foram destru$dos. Qsso está
re%istrado no #nti%o estamento e confirmado no 6ovo estamento, para que nos sirva de
liç'o, a 3$*lia diz. 4m outras palavras, para que possamos ver o erro que cometeram e n'o
voltemos a repeti,lo. 4les murmuraram e enfrentaram a morte e a destruiç'o. (ever$amos ser
mais cautelosos com esses e&emplos para n'o se%ui,los.
(ouor e '!ão de :ra!as 'brem a -orta para a Vida
= que guarda a boca e a língua guarda a sua alma das angTstias.
;v I5.I>
= que guarda a boca conserva a sua alma! mas o que muito abre os l/bios a si mesmo se arruína.
;v 5>.>
4sses vers$culos comprovam que a pessoa que %uarda a *oca prote%e a alma, mas quem n'o
%uarda a *oca pode trazer destruiç'o D sua vida.
;uando os israelitas foram para o deserto, um dos pro*lemas com que (eus teve de lidar
repetidamente foi a murmuraç'o. 4ra uma via%em de onze dias do 4%ito D erra .rometida
((t !.2", mas depois de quarenta anos eles ainda va%avam no deserto da morte e da destruiç'o.
Cesus, no entanto, entrou no deserto de sua afliç'o com uma atitude louvável. 4le continuou a
louvar a (eus, independentemente da circunstJncia, recusando,se a murmurar, e como resultado
(eus o ressuscitou da morte para a nova vida.
Qsso deveria ser uma liç'o para n0s. (ever$amos nos %uardar da tentaç'o de murmurar e nos
quei&ar e, propositadamente, escoler oferecer sacrif$cio de louvor e ações de %raças.
(1* !I.!K."
;odemos escoler murmurar e não sair do lugar ou louvar e ser eDaltados.
O -oder da '!ão de :ra!as
.ão andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo! porém! se(am conecidas! diante de #eus! as
vossas peti7+es! pela ora7ão e pela sTplica Bpedidos específicosC! com a7+es de gra7as.
Np G.A
# .alavra de (eus tem muito a dizer so*re ações de %raças e pessoalmente creio que isto ) o
ant$doto para o veneno da murmuraç'o. .rovavelmente deveria enfatizar que eu creio que a
murmuraç'o ) o pro*lema principal entre os crentes. Qsto tem se tornado t'o s)rio que Ds vezes
pedimos a (eus al%uma coisa e quando ele responde nossas orações nos quei&amos de ter que
cuidar da coisa que pedimos a ele. (evemos tratar da tentaç'o de murmurar como uma pra%a,
porque ela tem efeito semelhante em nossa vida. # murmuraç'o enfraquece enquanto as ações
de %raças li*eram poder , poder para trazer respostas Ds nossas orações.
4m Nilipenses F./, o ap0stolo .aulo diz que as ações de %raças põem nossas petições em linha
com a aprovaç'o de (eus.
:em*ro,me de que uma vez pedi a (eus al%uma coisa e ele disse8 ".or que eu deveria lhe dar
mais< Aoc9 +á se quei&a do que tem".
-er %rato ) prova de maturidade. (emonstra que estamos maduros espiritualmente para lidar
com qualquer tipo de promoç'o ou aumento.
-er %rato tam*)m pode ser um sacrif$cio. -e n'o somos %ratos ou se nossas circunstJncias n'o
ditam isso, as ações de %raças podem se tornar uma oferta sacrificial feita pela f), em
o*edi9ncia, porque amamos ao -enhor e queremos honrar sua .alavra.
'!;es de :ra!as como Sacrif+cio
=ferece " #eus sacrifício de a7+es de gra7as e cumpre os teus votos para com o Altíssimo.
&l FJ.5G
9endam gra7as )e confessem* ao &$.E=9 por sua bondade e por suas maravilas para com
os filos dos omens: =fere7am sacrifícios de a7+es de gra7as e
proclamem com (Tbilo as suas obras:
&l 5JH.I5@II
=ferecer@te@ei sacrifícios de a7+es de gra7as e invocarei o nome do &$.E=9.
&l 55A.5H
2*serve que no -almo !!/.!@ o salmista disse que invocaria o nome do -enhor, mas somente
depois que tivesse oferecido sacrif$cios de ações de %raças.
-ei que muitas vezes clamei pelo poder do nome de Cesus em al%uma situaç'o e&trema,
enquanto a minha pr0pria vida estava cheia de murmuraç'o.
6'o há poder positivo na murmuraç'o. 4la está cheia de poder, mas ) um poder ne%ativo (mau".
.ara que o poder de (eus se+a li*erado, devemos parar de murmurar.
(oue e '$rade!a o *empo *odo
;or meio de Jesus! pois! ofere7amos a #eus! sempre! sacrifício de louvor! que é o fruto de
l/bios que confessam o seu nome.
Eb 5>.5F
6'o dev$amos louvar e oferecer ações de %raças apenas quando há raz'o para faz9,lo. 4 fácil
a%radecer e louvar quando temos uma raz'o para isso, mas isso n'o ) sacrif$cio.
(ever$amos, espontaneamente, oferecer louvor e ações de %raças o tempo todo, dever$amos
a%radecer a (eus por todas as suas *9nç'os e pelo favor que ele tem nos concedido. -e
fiz)ssemos uma lista de *9nç'os, perce*er$amos claramente como ) *om ser t'o a*ençoados.
Muitas vezes n'o damos valor a tudo o que temos porque temos em a*undJncia, enquanto
pessoas de outros pa$ses se considerariam ricos se as tivessem.
V%ua limpa e fresca ) um e&emplo. 6a Wndia e em muitas outras partes do mundo, a á%ua ) um
produto que n'o ) fácil de se encontrar. #l%umas pessoas t9m de andar quilXmetros para
conse%uir o suficiente para apenas um dia, ao passo que n0s temos á%ua suficiente para tomar
*anho, cozinhar, lavar a louça, nadar, etc. .odemos t9,la quente ou fria, da forma que
quisermos, tanto quanto dese+armos. 1á momentos em que enquanto tomo uma ducha quente,
principalmente quando me sinto cansada, paro para a%radecer a (eus pela á%ua quente.
1á muitas coisas pelas quais a%radecer se decidirmos ser uma pessoa que oferece ações de
%raças continuamente. # carne procura razões pelas quais reclamar, mas o esp$rito *usca razões
para %lorificar a (eus.
4m Nilipenses 2.!F, o ap0stolo .aulo nos alerta8
Nazei tudo sem murmura7+es )contra #eus* nem contendas )entre v's*.
4m ! essalonicenses K.!7, ele nos e&orta, $m tudo! )não importa quais circunst-ncias* dai
gra7as! )a #eus* porque esta é a vontade de #eus em 4risto Jesus )o 9evelador e Lediador*
para convosco )que estais em 4risto Jesus*.
Ninalmente, em 4f)sios K.2M, ele escreve que dever$amos dar sempre gra7as por tudo a nosso
#eus e ;ai! em nome do nosso &enor Jesus 4risto.
.or esses vers$culos, vemos que n'o s0 devemos evitar nos quei&ar, pra%ue+ar, acharmos falhas
nas pessoas, murmurar, questionar e duvidar, como tam*)m dar %raças "o tempo todo," "em
qualquer circunstJncia," "por tudo." Qsso n'o si%nifica que temos de a%radecer a (eus por todas
as coisas ne%ativas que nos acontecem, mas a%radecer,lhe nelas.
2 -enhor ) %randemente honrado quando nos recusamos a murmurar numa situaç'o na qual
naturalmente o far$amos.
#nde uma milha a mais e recuse,se a murmurarB pelo contrário, escolha ser %rato no meio de
suas circunstJncias.
:em*re,se8 voc9 terá de a%ir assim "de prop0sito", mas nem sempre voc9 vai querer fazer isso.
Mas pode li*erar poder em sua vida se o fizer.
# vida de louvor ) vida de poderT
"ão Entriste!ais o Esp+rito Santo
$ não entriste7ais o $spírito de #eus )não o ofendais* no qual fostes selados Bmarcados!
carimbados como propriedade de #eus! firmadosC para o dia da reden7ão Bliberta7ão final do
mal e conseqSências do pecado! através de 4ristoC.
$f G.>J
4u ouvi esse vers$culo durante muito tempo at) entender que entristecer o 4sp$rito -anto está
li%ado D l$n%ua. .ara entender corretamente esse vers$culo, devemos l9,lo no conte&to, com
al%uns dos vers$culos anteriores e se%uintes8
.ão saia )(amais* da vossa boca nenuma palavra torpe! e sim unicamente a que for boa para
edifica7ão! conforme a necessidade! e! assim! transmita gra7a Bfavor de #eusC aos que ouvem.
$ não entriste7ais o $spírito de #eus )não o ofendais* no qual fostes selados Bmarcados!
carimbados como de propriedade de #eus! firmadosC para o dia da reden7ão Bliberta7ão final
do mal e conseqSências do pecado! através de 4ristoC. Monge de v's! toda amargura! e c'lera
BpaiDão! 'dio! temperamento difícilC! e ira Braiva! animosidadeC e gritaria Bbriga! contenda!
polêmicaC! e bem assim toda malícia Brancor! m/ vontade e torpeza de qualquer tipoC.
$f G.I?@>5
.arece,me que entristecemos o 4sp$rito -anto quando maltratamos os outros ou lhes falamos de
maneira áspera.
4le tam*)m se entristece quando falamos mal, o que inclui todo tipo de conversa ne%ativa,
reclamaç'o ou murmuraç'o.
#inda nessa passa%em podemos o*servar que somos "selados no 4sp$rito -anto". Ps vezes eu
visualizo esse conceito como um saco zip@locV. 6ada pode nos atin%ir enquanto tivermos a
marca do selo.
-e colocarmos um pedaço de p'o num zip@locV! ele se conservará fresco, desde que n'o
dei&emos que o ar penetre nele, mas, se formos descuidados e permitirmos que o selo se+a
que*rado, o p'o ficará velho e duro em poucas horas.
.enso que a mesma coisa acontece conosco. ;uando respeitamos o 4sp$rito -anto e n'o o
a*orrecemos, o ofendemos ou o entristecemos, estaremos prote%endo nosso selo.
6m Esp+rito Murmurador, &r+tico e 5epreens+el
.em conversa7ão torpe Bobscena! indecenteC! nem palavras vãs Btolas e corruptasC ou
cocarrices! coisas essas inconvenientes; antes! pelo contr/rio! a7+es de gra7as )a #eus*.
$f F.G
2 que .aulo está dizendo aqui )8 "#o inv)s de irar,se, ofender e entristecer o 4sp$rito -anto,
mostre sua gratidão a #eus.
2 esp$rito murmurador, cr$tico e repreens$vel deve ser completamente *anido da Q%re+a.
6ocê (/ murmurou o(eR
Aoc9 tem que ser honesto... porque (eus sa*eT
60s nunca mudamos ou crescemos sem antes enfrentar a verdade e admitir que falhamos.
Aoc9 pode pensar8 "3em, sim, eu tenho murmurado, mas tenho uma *oa raz'o. -e fosse tratado
da maneira como sou tratado, se levasse a vida que levo, voc9 murmuraria tam*)m".
(esco*ri, muito tempo atrás, que desculpas de qualquer tipo s0 me mant9m onde estouB elas me
impedem de se%uir em frente.
4m Co'o 7.I!,I2 Cesus disse8
&e v's permanecerdes na mina palavra... e conecereis a verdade! e a verdade vos libertar/.
(.aráfrase da autora.".
# verdade nos li*ertará quando for aplicada em nossa vida.
2 4sp$rito -anto está no ramo da convicç'o. 4le ) o a%ente de santificaç'o. 4le desenvolve o
processo de santidade em n0s. Cesus planta a semente em n0s, sua pr0pria semente, e, ent'o, o
4sp$rito -anto nos ensina a .alavra a%uando a semente. 4le tam*)m nos v9 como um +ardim de
(eus que est/ sendo cultivado, e, amorosamente, nos mant)m capinados. (esculpas s'o como
ervas daninhas8 se permitirmos que cresçam, sufocar'o os frutos.
$u era murmuradora! crítica e repreensível.
6a verdade, eu tinha um %rande pro*lema nessa área. .odemos ser li*ertos. ;ualquer um pode
ser. 1avia circunstJncias %enuinamente ne%ativas em minha vida. Com um hist0rico imenso de
a*uso, sentia,me no direito de reclamar, mas a atitude de reclamar n'o me permitiu sair do
lu%ar.
.arece,me que os que vivem em crise o tempo todo tam*)m t9m v$cios de murmuraç'o e s'o
repreens$veis. 4sses dois traços ne%ativos sempre est'o +untos.
2 pro*lema inau%ura um ciclo. .rimeiro, al%u)m encontra al%uma circunstJncia amar%a, ent'o
murmura, o que o faz permanecer na circunstJncia. #$, -atanás acrescenta mais mis)ria, o que
leva a mais murmuraç'o. #%ora, a pessoa tem duas razões pelas quais murmurar.
4nquanto o ciclo continua, lo%o estará perdido num mar de pro*lemas e murmurações. 4
transforma,se em um estilo de vida. 4le se sente carente e oprimido. NreqLentemente tam*)m se
sente s0.
.essoas com um esp$rito cr$tico t9m dificuldades em manter amizades. 4st'o acorrentados aos
seus pro*lemas e, depois de um per$odo de tempo, os que est'o ao seu redor se cansam de ouvir
seus "ais" e começam a evitá,las , a menos que, ) claro, murmuradores e ouvintes se+am i%uais,
e a$ temos um caso de masoquismo.
# murmuraç'o ) como asso*iar para o dia*o.
ive um cachorro chamado 3uddS. ;uando estava do lado de fora e queria que entrasse, eu
asso*iava, chamando8 "#qui, 3uddS, aqui, 3uddS". .ouco depois, ele entrava correndo.
# mesma coisa acontece quando murmuramos8 estamos chamando o dia*o, que vem
imediatamente para nos causar mais sofrimento.
-e voc9 e eu decidirmos n'o mais murmurar, posso afirmar de antem'o que isso será um %rande
desafio. Muitas vezes n'o perce*emos o quanto murmuramos at) que al%u)m ou al%uma coisa
(como este livro" chame nossa atenç'o.
Com que facilidade nos impacientamos e começamos a murmurar quando ficamos presos no
trJnsito ou enquanto esperamos na fila do supermercado ou do shoppin%T Com que rapidez
apontamos as falhas de nossos ami%os ou mem*ros da fam$liaT Murmuramos so*re nosso
tra*alho, quando dev$amos ser %ratos a (eus por ter um. >eclamamos so*re os preços altos,
quando dev$amos a%radecer a (eus por poder sair e fazer compras.
.oderia continuar enumerando os fatos, mas creio que cada um de n0s reconhece as áreas nas
quais tem pro*lema com murmuraç'o.
ive de encarar a dura verdade de que um esp$rito cr$tico quase sempre está enraizado no
or%ulho. # indi%naç'o e&plode numa pessoa or%ulhosa quando ela está transtornada. #
indi%naç'o ) uma atitude que diz8 "4u n'o merecia estar nesta situaç'o. 4u merecia ser tratado
melhor por (eus e pelos outros". .ensamos8 "Milhares podem estar na mesma situaç'o, mas
isso n'o devia acontecer comi%o"T
6'o conse%uiremos parar de murmurar so*re o que n'o temos se n'o nos humilharmos e
perce*ermos como somos a*ençoados em tudo o que temos. (evemos aprender a apreciar o que
as pessoas fazem por n0s e parar de reclamar so*re o que n'o fazem.
Meu marido, por e&emplo, n'o ) do tipo que compra flores em dias especiais, mas ele ) muito
fle&$vel e e&tremamente fácil de lidar. 1ouve muitas ocasiões, como aniversários,
comemorações e dia dos namorados, em que eu esperava mais dele. 4le sempre dizia8 "-e voc9
quiser al%uma coisa, eu a levarei para sair e comprarei tudo o que pudermos pa%ar". Claro que,
como toda mulher, eu %ostaria que ele comprasse al%uma coisa no shoppin% e me fizesse uma
surpresa. 4u me quei&ei ao -enhor so*re isso fervilhando por dentro , com raiva, ofendida e
ferida , e sentindo pena de mim mesma. 4ra tudo o que n'o deveria sentir, pois os meus
sentimentos n'o a+udaram a mudar meu marido nem em um mil$metro sequer.
(ave ) maravilhoso, *om e %eneroso. 4le me dei&a fazer quase tudo que quero e me compra
qualquer coisa que dese+o, se houver dinheiro para isso. 4le ) *onito, cuida,se fisicamente, diz
que me ama quase todos os dias e ) muito amoroso.
.osso olhar para o que ele n'o ) e ficar triste, ou posso olhar para o que ele ) e ser %rataT
;uem disse que sou perfeita< odos n0s somos i%uais. emos pontos fortes e pontos fracos, e
para termos um *om relacionamento devemos realçar os atri*utos positivos e diminuir os
ne%ativos.
6ma :era!ão #n$rata
&abe! porém! isto% nos Tltimos dias! sobrevirão BestabelecerãoC tempos difíceis )de lidar e
suportar*! pois os omens serão egoístas! avarentos! (actanciosos! arrogantes! blasfemadores
BzombadoresC! desobedientes aos pais! ingratos! irreverentes!
I ,m >.5@I
Como .aulo previu muito tempo atrás, vivemos numa %eraç'o in%rata e corrupta. .arece que
quanto mais as pessoas t9m, menos valorizam o que t9m.
4stamos no mundo como crentes, mas devemos nos esforçar para n'o nos parecermos com o
mundo. ;uanto mais murmuram ao nosso redor, mais devemos e&pressar nossa %ratid'o a (eus.
Luzeiros no Mundo
Nazei tudo sem murmura7+es nem contendas )contra #eus e entre v's*!
para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros! filos de #eus inculp/veis no meio de uma
gera7ão pervertida )espiritualmente perversa* e corrupta! na qual resplandeceis como luzeiros
Bestrelas ou far'is brilando intensamenteC no mundo )tenebroso*.
Np I.5G@5F
4ssa passa%em enfatiza o que estou compartilhando. (ever$amos evitar murmurar porque este )
o esp$rito do mundo ho+e. (ever$amos mostrar ao mundo como (eus ). (ever$amos imitar a
Cesus e se%uir seu e&emplo sendo luzeiros no mundo.
Uma nova %eraç'o tem se levantado, e a muitos n'o foi ensinado nenhum princ$pio divino. 6'o
lhes foi ensinado nada so*re (eus na escola nem foram ensinadas a orar em casa. 4las t9m visto
al%uns e&emplos tristes de l$deres espirituais que ca$ram pu*licamente e sem ter um fundamento
s0lido, por isso ) fácil para elas concluir que "reli%i'o" n'o vale nada.
.'s somos cartas lidas por todos os omens. (2 Co I.2."
6'o precisamos mostrar a reli%i'o do mundo, que ) hip0crita, falando o que fazer quando n0s
mesmos n'o o fazemos.
.recisamos mostrar,lhes Cesus mediante um estilo de vida que e&alte seus princ$pios. 4sses
vers$culos em Nilipenses devem ser levados *em a s)rio no que se refere ao mandamento de n'o
sermos murmuradores, quei&osos ou repreens$veis. -omos ordenados a ser diferentes do mundo,
para que possamos mostrar ao mundo uma maneira diferente de viver.
6m )esafio )iário
$ste(am sempre ceios de alegria no &enor; e digo outra vez% regozi(em@se:
8ue todo mundo ve(a que vocês são generosos e am/veis em tudo quanto fazem. Membrem@se
de que o &enor vir/ em breve.
.ão se afli(am com nada; ao invés disso! orem a respeito de tudo; contem a #eus as
necessidades de vocês! e não se esque7am de agradecer@le suas respostas.
Np G.G@A! B6
Aoc9 e eu precisamos fazer um desafio diário de n'o murmurar ou culpar. 6'o si%nifica que n'o
devemos corri%ir situações equivocadas ou viver com a ca*eça nas nuvens e fin%ir que nada
ne%ativo e&iste. Qsso si%nifica simplesmente que ser t'o positivo quanto poss$vel ) o alvo da
nossa vida.
.ão murmure quando a murmura7ão não produz nenum bem.
2 pro*lema começa no coraç'o e sai pela *oca. .rimeiro, uma atitude de a+uste ) necessária e,
ent'o, o fruto dos lá*ios mudará.
Aá para a cama D noite e medite so*re tudo pelo qual voc9 tem que ser %rato. (ei&e que essa
se+a a primeira coisa que voc9 vai fazer de manh'. #%radeça a (eus pelas "pequenas" coisas8
pela va%a para estacionar que ele faz voc9 encontrar, por levantar na hora certa para o tra*alho,
por poder andar, por ouvir ou ver seus filhos.
(esenvolva uma "atitude de %ratid'o". Naça disso um desafio "um dia de cada vez". 6'o se
sinta desencora+ado quando falhar, mas n'o +o%ue a toalha nem desista. Continue at) que voc9
desenvolva novos há*itos.
Oostamos de orar so*re as nossas necessidades e levar nossas petições diante de (eus, mas
quantos de n0s se lem*ra de a%radecer a (eus quando a resposta che%a< Oostamos de dar aos
filhos o que eles nos pedem, mas nos sentimos ofendidos se apenas "a%arram as coisas" e
correm, sem ao menos a%radecer. ;uando s'o %ratos e se lem*ram de dizer "o*ri%ado" e se
disserem isso mais de uma vez, com certeza, ficaremos motivados a querer fazer mais por eles.
(eus ) assim conosco.
-e+a %eneroso em sua %ratid'o, e seu relacionamento com o -enhor será mais a%radável.
5eclamar 'ntecipadamente
=: 4omo é bom e agrad/vel viverem unidos os irmãos:
&2 5>>.5
(avid, nosso filho mais velho, e sua esposa, certa vez, venderam um trailer e compraram uma
casa. 2 5nico pro*lema era que s0 tinham um m9s para sair do trailer em que moravam e
mudar,se para a nova casa.
Como ficaram sem lu%ar para morar temporariamente, n0s os convidamos para morar conosco.
2 interessante foi que (avid e eu tivemos pro*lemas de relacionamento durante a estada dele
em nossa casa. 6ossas personalidades s'o muito parecidas. emos opiniões pr0prias, o que nem
sempre é uma *oa com*inaç'o.
(epois que tudo passou, nosso relacionamento voltou ao normal. 4le tra*alha para n0s, e isso
funciona *em, mas morar so* o mesmo teto ) outra hist0ria. 6ada de ne%ativo aconteceu, mas
minha mente continuava pensando "4 se..."
4nquanto (ave e eu desc$amos a rua de carro, a minha l$n%ua coçava para falar coisas ne%ativas
que poderiam acontecer8 "4 se n'o houver á%ua quente suficiente para o meu *anho de manh'
depois que todo mundo tiver tomado *anho< 4 se eles dei&arem a *a%unça para eu arrumar"<
6ada de ruim tinha acontecido ainda. (avid e sua esposa nem tinham se mudado, mas a minha
l$n%ua +á estava pronta para declarar o desastre antecipadamente.
-atanás queria que eu profetizasse meu futuro. ;ueria que eu criticasse a situaç'o com
anteced9ncia.
-e o dia*o pode conse%uir que nos tornemos ne%ativos, ele pode nos prover de circunstJncias
ne%ativas , se semearmos sementes ne%ativas.
Meu liquidificador funciona independentemente do que ) colocado nele. -e *ater sorvete e leite,
terei um milV@saVe; se misturar á%ua e terra, terei lama. 2 liquidificador funciona. 4le ) criado
para funcionar. (epende do que eu colocar nele. 2 que ponho é o que terei.
2 mesmo acontece com nossa mente, com o nosso coraç'o e com a nossa l$n%ua. 2 que entra é
o que vai sair , para o *em ou para o mal.
(avid e -hellS moraram conosco durante um m9s, e tudo correu *em. 4u conhecia *em esses
princ$pios para resistir D tentaç'o de murmurar antecipadamente e insisto que voc9 tenha
cuidado com essa tentaç'o tam*)m. ;uando era tentada a falar palavras ne%ativas, eu escolhia
dizer8 "(avid e -hellS morando conosco vai funcionar *em, n'o será nenhum pro*lema. enho
certeza de que todos v'o cooperar e ser sens$veis Ds necessidades dos outros".
(avid e eu fizemos piada so*re o fato de termos ficado trinta dias so* o mesmo teto. 60s dois
%ostamos de estar certos, ent'o ele disse8 "Aou lhe dizer uma coisa, m'e8 Aamos revezar quem
está certo. (urante os trinta dias que estivermos +untos, voc9 pode estar certa por quinze dias e
eu estarei certo por quinze dias". >imos e nos divertimos.
-lantando Sementes para uma Futura &olheita
,anto sei estar umilado como também ser onrado; de tudo e em todas as circunst-ncias! (/
teno eDperiência! tanto de fartura como de fome; assim de abund-ncia...
Np G.5I
Como vemos em sua carta aos Nilipenses, .aulo n'o murmurou diante das dificuldades pelas
quais todos n0s passamos, principalmente no in$cio.
6o nosso caso, (eus a*ençoou nosso minist)rio e nos favoreceu muito. 1o+e, temos a chance de
ministrar reuniões e seminários em 0timas i%re+as e centros de convenções em todo o pa$s. Mas
n'o foi assim no começo. Como no caso da maioria das pessoas, começamos por *ai&o.
#prendemos a n'o menosprezar nem murmurar so*re aqueles dias. (Yc F.!M."
Um dos primeiros salões de hotel que alu%amos para um seminário era feio e velho. 4stávamos
indo de -t. :ouis, Missouri, para uma reuni'o em outro 4stado e t$nhamos alu%ado o espaço por
telefone, sem t9,lo visto antes. Claro que o pessoal do hotel falou que o lu%ar era *onito e que o
serviço era *om.
;uando che%amos, o vento estava soprando forte, e a primeira coisa que notamos foi que várias
ripas do telhado estavam ca$das no estacionamento.
As cadeiras do sal'o estavam numa condiç'o muito precária. # espuma sa$a pelos furos do
estofamento. 4m outras havia restos de comida e muitas manchas. 2 ar,condicionado estava
desre%ulado, e toda hora a temperatura precisava ser a+ustada no local (porque estava ou quente
demais ou frio demais"8 um empre%ado da manutenç'o tinha de entrar no sal'o de confer9ncia
durante o evento e su*ir uma escada. 4le su*ia at) o telhado e a+ustava al%uma coisa porque os
controles do ar,condicionado n'o estavam funcionando.
#nalisando a situaç'o, sa*$amos que n'o havia nada a ser feito porque a primeira reuni'o tinha
começado por volta de cinco horasB ent'o, todos come7amos a murmurar! o que ) "natural" em
circunstJncia como essa.
Qmediatamente, o 4sp$rito -anto começou a ministrar ao meu coraç'o dizendo que, se
passássemos por essa situaç'o sem reclamar, estar$amos construindo uma *ase firme para o
futuro. 4le me mostrou que poder$amos at) ir aos melhores lu%ares, mas nunca ser$amos
"promovidos" a coisas melhores se n'o semeássemos a%ora as sementes para o futuro.
# murmuraç'o teria produzido sementes, mas sementes que nos dei&ariam em situaç'o pior do
que aquela em que estávamos. -emear sementes de %ratid'o em @e n'o por@! enfrentar a situaç'o
na qual estávamos produziria uma colheita a*undante depois.
>euni a equipe (que naquele tempo era de, no má&imo, meia d5zia de pessoas" e disse,lhe o que
o 4sp$rito -anto tinha me mostrado. Concordamos em n'o murmurar so*re coisa al%uma no
hotel.
.ropositadamente, procuramos coisas das quais pud)ssemos dizer al%uma coisa *oa.
2 resultado foi que tivemos uma reuni'o de sucesso e aprendemos uma liç'o vital que renderia
muitos dividendos no futuro.
6ma 'ntecipa!ão das &oisas .oas 1ue Virão
$ assim! depois de esperar )Abraão* com paciência! obteve )no nascimento de 2saque como
uma promessa do que estava para vir* Abraão a promessa.
Eb A.5F
6esse vers$culo o escritor do livro de 1e*reus declara que Qsaque era uma promessa do que
estava por vir.
(eus n'o prometeu a #*ra'o apenas um filho, prometeu que ele seria o pai de muitas nações.
Muitas pessoas ho+e t9m uma "promessa" ou antecipaç'o das coisas *oas que (eus tem para
elas.
4m ! >eis !7, depois de um lon%o per$odo de seca que 4lias tinha profetizado, (eus lhe disse
que falasse ao rei #ca*e que iria chover. 4lias falou a .alavra de (eus pela f) sem nenhuma
evid9ncia de chuva.
4nt'o, su*iu ao topo de uma montanha e começou a orar. 4nquanto orava, ele enviou seu servo
ao ponto mais alto para olhar o c)u. -eis vezes o servo foi e voltou com a resposta de um c)u
limpo e sem nuvens. Ninalmente, na s)tima vez, ele voltou e relatou8 ZAe+o uma nuvem do
tamanho da m'o de um homem". (iante da imensid'o do c)u, isso n'o ) muito, mas foi o
suficiente para motivar 4lias a dar o pr0&imo passo de f). 4le disse a #ca*e8... aparela o teu
carro e desce! para que a cuva não te detena (v. FF".
4sta nuvem, em*ora muito pequena, foi o in$cio de uma %rande chuva (v. FK". 4ra uma
promessa ou antecipaç'o de coisas *oas que viriam.
Só uma Semente
;ois quem )com razão* despreza o dia dos umildes come7os...
Wc G.5J
.rovavelmente a maioria de n0s que está esperando em (eus por al%uma coisa pode ver a
evid9ncia de um pequeno começo8 uma sementinha, uma nuvem do tamanho da m'o de um
homem.
#le%re,se com a sementeB ela ) um sinal de coisas %randes que vir'o. 6'o amaldiçoe sua
semente murmurando.
(eus nos dá semente, al%uma coisa que produza em n0s esperança, uma pequena coisa, talvez,
mas al%uma coisa ) melhor que nada. (ev$amos dizer8 "-enhor isto ) somente uma coisinha,
mas o*ri%ado por me dar al%uma esperança, al%uma coisa D qual me ape%ar. 2*ri%ado, -enhor,
por um começo".
.e%ue essa semente e plante,a, crendo.
2 4sp$rito -anto me mostrou que eu estava +o%ando fora muitas de minhas sementes.
;uando desprezamos al%uma coisa, damos pouca consideraç'o a ela. 6'o a notamos e a
consideramos como nada. 6'o cuidamos dela. -e n'o cuidarmos do que (eus nos dá, n0s o
perderemos.
-e perdermos a semente, nunca veremos a colheita.
1e*reus !I.K diz, na ess9ncia8 "Contente,se com o que voc9 tem".
Aamos ser como .aulo8 vamos aprender a viver tanto na escassez como na a*undJncia , e estar
contentes em qualquer circunstJncia, sa*endo que cada pedaço ) uma parte do quadro inteiro.
# 3$*lia diz8 $u )#eus* nunca te deiDarei.
4 por isso que podemos ficar contentes , pela f) , durante o pequeno começo.
-a*emos que o -enhor é o #utor e o Consumador. (1* !2.2." 2 que (eus começa ele termina.
(Np !./." 4le fará isso por n0s , se mantivermos nossa f) firme at) o final. (1* I./."

Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro
foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus
tosquiadores, ele não abriu a boca.
Is 53.7
Um dos momentos mais dif$ceis para disciplinar nossa mente, nossa l$n%ua, nosso humor e
nossas atitudes ) durante uma tempestade. 4&perimentamos tempestades de muitos n$veis.
emos nossa f) testada e provada. 4 devemos aprender como nos comportar na tempestade:
Aers$culos como os de Co'o !F.IM e Qsa$as KI.@ sempre me dei&aram confusa. 6'o tinha
compreens'o real da mensa%em at) que o 4sp$rito -anto me revelou que se relacionavam com a
l$n%ua e a tempestade.
;uando Cesus estava e&perimentando a mais intensa press'o, ele "decidiu" que seria sá*io n'o
a*rir a *oca. .or qu9< Creio que foi porque, em sua humanidade, Cesus teria sido tentado a fazer
a mesma coisa que voc9 e eu ser$amos tentados a fazer, ou se+a, duvidar, questionar a (eus,
murmurar, dizer al%uma coisa ne%ativa, etc.
#t) mesmo um crente maduro dirá coisas que n'o deveria, quando a press'o ) intensa e dura
muito tempo.
Cesus ) o filho de (eus, ele mesmo ) (eus, mas veio na forma de um ser humano. 2 escritor de
1e*reus F.!K diz que ele ...foi tentado em todas as coisas " nossa semelan7a! mas sem pecado.
;uando Cesus enfrentou situações nas quais poderia ser tentado a dizer coisas infrut$feras, ele,
propositadamente, decidiu que se calaria.
4ssa ) uma decis'o sá*ia para qualquer um tomar durante tempos de estresse. #o inv)s de falar
de emoções conflitantes ou sentimentos feridos, ) sempre melhor aquietar,nos e permitir que a
tempestade emocional se acalme.
's .ên!ãos Estão &he$ando
.aquele dia )quando*! sendo (/ tarde! disse@les Jesus%
;assemos para a outra margem )do lago*.
Lc G.>F
E sempre emocionante quando Cesus nos diz8 "Aamos fazer uma coisa nova". .ara mim, a frase
"passemos para a outra mar%em" equivale a dizer "a promoç'o está che%ando," ou "as *9nç'os
est'o a caminho", ou "su*a mais alto", ou qualquer outra palavra que o -enhor usa para nos
dizer que ) hora de mudança.
enho certeza de que os disc$pulos estavam animados em ver o que aconteceria "no outro lado."
2 que eles n'o esperavam ou previam era uma violenta tempestade no caminhoT
' Fé é para o Meio
=ra! levantou@se grande temporal de vento )como um furacão*! e as ondas se arremessavam
contra o barco! de modo que o mesmo (/ estava a encer@se de /gua. $ Jesus )mesmo* estava
na popa )do barco*! dormindo sobre o travesseiro )de couro*; eles o despertaram e le
disseram% Lestre! não te importa que pere7amosR Lc G.>H@>K
2s disc$pulos, provavelmente, n'o estavam t'o a%itados no meio do caminho como estavam no
in$cio. 4m*ora (eus freqLentemente nos chame para um novo destino, quase sempre ele n'o
nos dei&a sa*er o que vai acontecer no caminho. #*andonamos a se%urança de onde estamos e
partimos para as *9nç'os da outra mar%emB mas é no meio que %eralmente ocorrem as
tempestades.
2 meio ) %eralmente um lu%ar de teste.
# tempestade estava com força total, e Cesus estava dormindoT Qsso soa familiar< Aoc9 +á
passou por momentos em que sentiu que estava afundando rapidamente e Cesus estava
dormindo< Aoc9 orou e orou e n'o ouviu nada de (eus< .assou tempo com ele e tentou sentir
sua presença e, ainda assim, voc9 n'o sentiu nada< 3uscou uma resposta e, apesar de ter lutado
tanto contra o vento e as ondas, a tempestade ficou ainda mais violenta , e voc9 ficou sem sa*er
o que fazer<
Ps vezes nos referimos a essas estações como "a meia,noite" ou "a noite ne%ra da alma".
# tempestade na qual os disc$pulos se encontravam n'o era uma chuvinha de a*ril ou uma
inofensiva tempestade de ver'o, mas "um verdadeiro furac'o". #s ondas n'o estavam indo e
vindo calmamente, mas chicoteavam o *arco com tanta f5ria a ponto de rapidamente ench9,lo
de á%ua.
-0 isso +á seria o suficiente para assustar qualquer um.
E em momentos assim, quando o *arco parece que vai afundar conosco, que devemos "usar"
nossa f). .odemos falar ou ler so*re f), ouvir sermões, cantar m5sicas, mas, na tempestade,
devemos usá,la.
E tam*)m nessas horas que desco*rimos quanta f) realmente temos.
# f) ) como um m5sculoB ela se torna mais forte quando ) usada e n'o apenas quando falamos
dela.
Cada tempestade que enfrentamos nos capacita a lidar melhor com a pr0&ima. :o%o nos
tornamos um nave%ador t'o *om que as tempestades n'o nos pertur*am mais. Cá passamos por
isto antes e sa*emos como terminará.
,udo ficar/ bem:
(e acordo com a 3$*lia, somos mais que vencedores (>m 7.I@". .ara mim, isso si%nifica que +á
sa*emos que venceremos antes mesmo da *atalha começar. .ara alcançar o alvo, temos de
enfrentar a tempestade, o que nem sempre ) divertido. Mas ) uma *9nç'o sa*er que a fé é para
aqueles dias quando não vemos a manifesta7ão ainda. A fé é para o meio.
Começar uma coisa n'o requer uma f) tremenda. 2 começo e o fim s'o emocionantes, mas,
pu&a, o meio... Mesmo assim, temos de passar pelo meio para che%ar D outra mar%em.
Cesus queria que seus disc$pulos cressem nele. ;assemos para a outra margem! disse ele. Cesus
esperava que cressem que, se ele disse, aquilo iria acontecer. 6o entanto, assim como n0s, os
disc$pulos ficaram com medo.
*empestade 'calmada, )isc+pulos 5epreendidos
$ ele! despertando! repreendeu o vento e disse ao mar% Acalma@te! emudece: Bcala@teC = vento
se aquietou BrelaDouC! e fez@se )imediatamente* grande bonan7a Buma paz perfeitaC. $ntão! les
disse% ;or que sois assim tímidosR: 4omo é que não tendes fé Bnenuma confian7a firmeCR
Lc G.>?@GJ
Cesus acalmou a tempestade, mas repreendeu os disc$pulos pela falta de f).
.or que Cesus faz isso<
4 vital para nosso futuro que cresçamos na f), que ) a confiança em (eus. -e Cesus permitisse
que ficássemos com medo e continuasse a acalmar as nossas tempestades, sem nos corri%ir,
nunca aprender$amos a insistir para passar para a outra mar%em.
Uma das coisas que devemos mudar ) a nossa resposta Ds tempestades da vida. Claro que
devemos crescer no dom$nio pr0prio e disciplina da l$n%ua Como vimos, n'o podemos "domar a
l$n%ua" sem a a+uda de (eus, ma nem ele fará isso por n0s.
'$<ente Firme4 ' '=uda Está a &aminho4
<uardemos firme a confissão da esperan7a! sem vacilar! pois quem fez a promessa é
BcertamenteC fiel. Hb 1.!3
6'o *asta ser positivo e falar com f) quando nossas circunstJncias s'o positivas.
E hora de passarmos para a outra mar%em, ) hora de su*irmos mais alto 4 hora de %uardarmos
firme a confiss'o da esperança (1* !M.2I" e so*revivermos Ds tempestades, sa*endo que (eus
tem seus olhos em tudo inclusive em n0s e na tempestade. (eus ) fiel, e podemos se%urar em
sua m'o sa*endo que 4le n'o permitirá que afundemos.
6ma Fonte com >$ua )oce e 'mar$a
#e uma s' boca procede bên7ão e maldi7ão. Leus irmãos! não é conveniente que estas coisas
se(am assim. Acaso! pode a fonte (orrar )simultaneamente* do mesmo lu"ar o que é doce e o
que é amargosoR
,g >.5J@55
(ev$amos nos esforçar para eliminar a "conversa contradit0ria" , falar uma coisa nos momentos
*ons e outra nos momentos ruins.
(ev$amos nos esforçar para n'o ser fontes que +orram á%ua doce em momentos a%radáveis e
amar%a em momentos amar%os.
Cesus estava su+eito Ds mesmas pressões e tentações que n0s, e mesmo assim ele permaneceu
sempre o mesmo. (1* !I.7." Cesus teve de disciplinar sua l$n%ua e sua conversa durante as
tempestades da vida, e n0s tam*)m devemos fazer o mesmo.
2 controle da l$n%ua deveria ser o nosso alvo. 4 um sinal de maturidade. 4 uma maneira de
%lorificar a (eus.
5efreie a (+n$ua
&e alguém sup+e ser religioso Bobservador de deveres eDternos de sua féC! deiDando de refrear
a língua! antes! enganando o pr'prio cora7ão! a sua religião é vã BinTtil! estérilC.
,g 5.IA
Meu ami%o, essa ) uma declaraç'o forte. .odemos fazer todo tipo de "*oas o*ras" por
convic7ão reli%iosa, mas, se n'o "refrearmos a l$n%ua," n'o ter'o valor al%um.
;uando o assunto ) palavra, l$n%ua e *oca , n'o sei se esse é o seu caso , fico deveras
preocupada.
2 termo cabresto é definido no 1ebster como um arreio que consiste de uma testeira, freio e
r)deas, que se encai&a na ca*eça de um cavalo e ) usado para controlar a marcha ou para %uiá,
lo.
!
6o meio das tempestades da vida, se n'o refrearmos a l$n%ua, +amais e&perimentaremos a
li*ertaç'o. 2 4sp$rito -anto será nosso ca*resto, se aceitarmos sua liderança e orientaç'o.
&oloque um Freio na .oca4
=ra! se pomos freio na boca dos cavalos! para nos obedecerem! também les dirigimos o corpo
inteiro.
=bservai! igualmente! os navios que! sendo tão grandes e batidos de ri(os ventos! por um
pequeníssimo leme são dirigidos para onde queira o impulso do timoneiro. Assim! também a
língua! pequeno 'rgão! se gaba de grandes coisas. 6ede como uma fagula p+e em brasas tão
grande selva:
,g >.>@F
4sses vers$culos indicam que a l$n%ua direciona nossa vida. #l%u)m pode dizer que nossas
palavras delimitam mar%ens nas quais devemos viver.
# l$n%ua ) um mem*ro t'o pequeno do corpo, e mesmo assim pode realizar %randes coisas.
-eria maravilhoso se fossem somente coisas *oas, mas n'o ) assim. >elacionamentos s'o
destru$dos pela l$n%ua. # l$n%ua pode causar , e freqLentemente causa , div0rcio. .essoas s'o
emocionalmente feridas, e nem todas se recuperam. #l%uns idosos ainda est'o feridos por coisas
que lhes foram ditas quando eram crianças. -im, a l$n%ua pode ser um pequeno 0r%'o, mas,
pu&a, qu'o poderosa ela )T
2 freio que ) colocado na *oca de um cavalo tam*)m ) muito pequeno, mas dá direç'o.
1ebster define o freio como "a peça de metal de um ca*resto que controla e reprime um
animal... #l%o que controla..."
2
.recisamos de um freio na *oca, mas n'o será colocado de maneira forçada8 devemos querer. 2
4sp$rito -anto funcionará como esse freio se escolhermos sua direç'o. ;uando começarmos a
falar coisas erradas, n0s o sentiremos pu&ar na direç'o correta. 4le está sempre tra*alhando em
n0s, para nos manter lon%e dos pro*lemas. -eu minist)rio ) para ser muito valorizado.
O Esp+rito Santo como Freio e &abresto
.ão se(ais como o cavalo ou a mula! sem entendimento! os quais com freios e cabrestos são
dominados; de outra sorte não te obedecem.
&2 >I.?
Um cavalo o*edece ao comando do ca*resto, que lhe controla o freio na *oca. -e deso*edecer,
sofrerá %rande dor. #contece o mesmo em nosso relacionamento com o 4sp$rito -anto. 4le ) o
ca*resto e o freio em nossa *oca. 2 4sp$rito -anto deveria estar controlando as r)deas de nossa
vida. #o se%uirmos sua ordem, che%aremos ao lu%ar certo e ficaremos fora de todos os lu%ares
errados, mas, se fizermos o contrário, sofreremos muito.
' (+n$ua *em Vontade -r?pria
... e toda altivez que se levante contra o )verdadeiro* conecimento de #eus! e levando cativo
todo pensamento " obediência de 4risto Bo Lessias! o XngidoC.
I 4o 5J.F
4m tempos de prova, a l$n%ua parece ter vontade pr0pria. Ps vezes, sinto que minha l$n%ua tem
um motor que al%u)m li%ou quando eu menos esperava.
E muito importante ser responsável por nossos pensamentos, porque a fonte da palavra ) o
pensamento. -atanás su%ere um pensamento como8 "4u n'o posso mais continuar assim". 2 que
vai acontecer depois, +á sa*emos8 a l$n%ua dispara e ver*aliza o pensamento.
Como o pro*lema começa na mente, a soluç'o deve estar lá tam*)m. (evemos levar todo
pensamento cativo D o*edi9ncia de Cristo. (evemos "lançar fora" as ima%inações erradas.
(2 Co !M.K."
A mente é o campo de batala
I
e deve ser renovada completamente para e&perimentar a *oa
vontade de (eus. (>m !2.!,2."
A boca nunca ser/ controlada a menos que a mente se(a controlada.
.or falar em controle da mente, ) interessante o*servar que pessoas que fazem *ru&aria *uscam
controlar os pensamentos de outras pessoas. #prender a pro+etar pensamentos errados em
direç'o a pessoas inocentes ) uma das prioridades delas.
2 que eu concluo disso ) que &atan/s quer controlar nossa mente.
2 4sp$rito -anto tam*)m quer controlar nossa mente, mas ele nunca nos força. 4 nossa escolha.
4le nos %uia na direç'o certa e nos revela os pensamentos errados. .or isso, devemos escolher
lançar fora o pensamento errado e pensar em al%uma coisa que produzirá *om fruto, como
somos instru$dos em Nilipenses F.78
Ninalmente! irmãos! tudo o que é verdadeiro! tudo o que é respeit/vel! tudo o que é (usto! tudo
o que é puro! tudo o que é am/vel! tudo o que é de boa fama! se alguma virtude / e se algum
louvor eDiste! se(a isso o que ocupe o vosso pensamento )fiDeis vossa mente nisso*.
6o -almo !?.!F, o salmista ora8
As palavras dos meus l/bios e o meditar do meu cora7ão se(am agrad/veis na tua presen7a!
&$.E=9! roca )firme! impenetr/vel* mina e redentor meu.
2*serve que ele menciona tanto a *oca quanto a mente. 4 porque elas tra*alham +untas.
#cho que al%umas pessoas tentam controlar a l$n%ua, mas n'o fazem nada so*re os
pensamentos. 4 como arrancar as folhas de uma erva daninha e dei&ar a raiz. 4m pouco tempo,
ela crescerá novamente.
Or$ani2e Sua &onersa
Bem@aventurados Bfelizes! afortunados! inve(adosC os irrepreensíveis Bos corretos!
verdadeiramente sinceros e inculp/veisC no seu camino )da vontade revelada de #eus*! que
andam Borganizam sua conduta e conversaC na lei do &$.E=9 Ba vontade completa de #eusC.
&2 55?.5
(evemos or%anizar nossa conversa de acordo com a vontade de (eus.
;uando estiver sendo provado, n'o olhe s0 para onde voc9 está a%ora e o que está acontecendo
com voc9, mas olhe tudo com os olhos da f).
Aoc9 se afastou da praia e a%ora está no meio do mar com a tempestade ru%indo, mas você
passar/ para a outra margem. 1á *9nç'os esperando por voc9 lá, ent'o, não desista:
Muitas pessoas retrocedem em tempos de desafio porque nunca aprenderam como falar.
-u*meter,se a uma prova +á ) muito desanimador e n'o precisamos de palavras de desalento que
piorem ainda mais a situaç'o.
4m (euteronXmio 2/.!F, foi ordenado aos israelitas que trou&essem suas ofertas ao -enhor e
dissessem8 #os dízimos não comi no meu luto... Ps vezes, quando as pessoas est'o de luto,
começam a comer seus pr0prios d$zimos em vez de oferec9,los ao -enhor, retrocedendo, assim,
na oferta. .or qu9< .orque ) mais dif$cil ser o*ediente ao -enhor nos momentos de dificuldades
pessoais.
2 dia*o sussurra8 "4sse ne%0cio de d$zimo n'o está funcionando, ) melhor voc9 se%urar o que
conse%uiu ao inv)s de dá,lo". # l$n%ua coca e diz8 "Qsso n'o está funcionandoB ) melhor usar o
dinheiro para suprir minhas pr0prias necessidades porque nin%u)m mais está me a+udando".
:em*re,se8 -atanás n'o quer que voc9 passe para a outra mar%em. 4le n'o quer que voc9 faça
nenhum pro%resso. 4le quer ver voc9 voltar para o lu%ar de onde veio.
4m Marcos F, quando Cesus contou a pará*ola do semeador, a ima%em do solo representava
diferentes tipos de coraç'o que rece*iam a .alavra. 6o vers$culo !@, Cesus fala da semente que
foi plantada no solo rochoso, referindo,se Dqueles que t9m o coraç'o endurecido como a rocha8
Mas eles n'o t9m raiz em si mesmos, sendo, antes, de pouca duraç'oB em lhes che%ando a
an%5stia ou a perse%uiç'o por causa da palavra, lo%o se escandalizam (tornam,se des%ostosos,
indi%nados e ressentidos".
#s pessoas podem retroceder durante per$odos de provaç'o e tri*utaç'o. 4m Co'o !/.II, Cesus
declara que devemos ter *om Jnimo durante tais per$odos, pois ele venceu o mundo por n0s8
$stas coisas vos teno dito para que tenais )perfeita* paz em mim. .o mundo! passais por
afli7+es; mas tende bom -nimo! )tenais coragem! se(ais confiantes! certos! não duvideis* eu
venci o mundo. )$u o privei do poder de pre(udicar@vos e o conquistei por v's*
4ssas s'o coisas que precisamos nos lem*rar e dizer.
-oderão 5eier Estes Ossos?
6eio sobre mim a mão do &$.E=9; ele me levou pelo $spírito do &$.E=9 e me deiDou no
meio de um vale que estava ceio de ossos! e me fez andar ao redor deles; eram mui numerosos
)os ossos umanos* na superfície do vale e estavam sequíssimos. $ntão! me perguntou% Nilo
do omem! acaso! poderão reviver estes ossosR 9espondi% &$.E=9 #eus! tu o sabes. #isse@me
ele% ;rofetiza a estes ossos e dize@les% =ssos secos! ouvi a palavra do &$.E=9.
$z >H.5@G
Aoc9 pode achar que sua vida n'o passa de ossos secos e mortos. -uas circunstJncias podem
estar t'o mortas que +á cheiram mal. -ua esperança pode parecer perdida, mas dei&e,me
mostrar,lhe a sa$da de (eus. 4sse te&to narra que o profeta fez como (eus ordenou e viu o
-enhor reviver e colocar fXle%o e esp$rito nos ossos secos e mortos.
# mesma coisa pode acontecer conosco, desde que nos tornemos porta,vozes de (eus e
profetizemos sua .alavra. 6'o podemos mais falar nossas pr0prias palavras v's e, so* press'o,
permitir que nossa l$n%ua assuma o papel principal.
(á2aro, Vem para Fora4
$stava enfermo M/zaro! de Bet-nia! da aldeia de Laria e de sua irmã Larta. $sta Laria! cu(o
irmão M/zaro estava enfermo! era a mesma que ungiu com b/lsamo o &enor e le enDugou os
pés com os seus cabelos. Landaram! pois! as irmãs de M/zaro dizer a Jesus% &enor! est/
enfermo aquele a quem amas.
Jo 55.5@>
4m Co'o !!, a doença e morte de :ázaro s'o relatadas. ;uando Cesus entrou em cena, :ázaro +á
estava morto há quatro dias. Qndo ao encontro de Cesus, sua irm' Marta disse,lhe8 ... &enor! se
estiveras aqui! não teria morrido meu irmão (v. 2!". Mais tarde, sua irm', Maria, lhe falou
e&atamente a mesma coisa8 ... &enor! se estiveras aqui meu irmão não teria morrido! (v.I2"
60s nos sentimos assim, Ds vezes. -entimos que se Cesus tivesse aparecido mais cedo talvez as
coisas n'o tivessem ficado t'o ruins. enho certeza de que os disc$pulos sentiram que a sua
situaç'o teria sido diferente se Cesus n'o tivesse adormecido no *arco.
4m Co'o !!.2I,2K, vemos como Cesus respondeu a essas palavras de desesperança e desespero8
#eclarou@le Jesus% ,eu irmão / de ressurgir.
$u sei! replicou Larta! que ele / de ressurgir na ressurrei7ão! no Tltimo dia.
#isse$lhe %esus% $u )eu mesmo* sou a ressurrei7ão e a vida. 8uem crê Badere a! confia em e
depende deC em mim! ainda que morra! viver/.
Aoc9 sa*e o resto da hist0ria. Cesus chamou :ázaro, o homem que esteve morto durante quatro
lon%os dias, para vir para fora do t5mulo, e ele veio totalmente restaurado. -e Cesus pXde
ressuscitar um morto, certamente pode ressuscitar uma circunstJncia morta.
.odemos ver, pela e&peri9ncia de 4zequiel com os ossos secos e pela ressurreiç'o de :ázaro,
que n'o importa qu'o ruim as coisas pareçam, (eus trará a soluç'o. Mas lem*re,se8 há
princ$pios espirituais que devemos respeitar para ver o poder de (eus operando mila%re.
Um desses princ$pios espirituais ) ilustrado pela hist0ria da mulher com o flu&o de san%ue.
&ontinue )i2endo a Si Mesmo
Aconteceu que certa muler! que! avia doze anos! vina sofrendo de uma emorragia
e muito padecera " mão de v/rios médicos! tendo despendido tudo quanto possuía! sem!
contudo! nada aproveitar! antes! pelo contr/rio! indo a pior! tendo ouvido a fama de Jesus!
vindo por tr/s dele! por entre a multidão! tocou@le a veste.
Lc F.IF@IH
;ue diremos da mulher com o flu&o de san%ue< 4stava doente há doze anos. inha sofrido
muito e nin%u)m pXde a+udá,la.
Com certeza essa mulher era constantemente atormentada por pensamentos de desesperança.
;uando decidiu ir at) Cesus, ela deve ter ouvido8 "(e que adianta"< Mas decidiu enfrentar uma
multid'o t'o %rande que che%ava a sufocá,la. ocou as vestes de Cesus, virtude fluiu e ela foi
curada (.aráfrase dos vs. 2?,IF." Mas há um detalhe que n'o podemos perder8
;orque! dizia% &e eu apenas le tocar as vestes! ficarei curada. (Mc K.27."
4la dizia: 4la dizia: Aoc9 entende< 4la dizia:
6'o importa como a mulher se sentia, n'o importa quanto tentaram desanimá,la. 4m*ora o
pro*lema +á durasse doze anos e parecesse imposs$vel passar pela multid'o, essa mulher
rece*eu seu mila%re. Cesus disse que fora a f) que a tinha salvado (v. IF". # f) dessa mulher foi
li*erada por meio de suas palavras. # f) tem de ser ativada para funcionar, e n0s a ativamos
pelas palavras.
4ontinue falando Q e não desista da esperan7a:
-resos de Esperan!a
6oltai " fortaleza )de seguran7a e prosperidade*! ' presos de esperan7a; também! o(e! vos
anuncio que tudo vos restituirei em dobro.
Wc ?.5I
#ca*amos de ver tr9s situações8 ossos secos que reviveram, um morto trazido de volta D vida e
uma mulher com uma doença incurável, totalmente curada. odas essas "tempestades" eram
imposs$veis para os homens, mas para (eus todas as coisas s'o poss$veis. (Mt !?.2/."
>ecentemente, durante uma tempestade, o 4sp$rito -anto me levou a esse vers$culo em
Yacarias, o qual nunca tinha visto antes. Noi como se o tivesse escondido como um tesouro, s0
a%uardando a hora em que eu realmente precisasse dele.
Como "presos de esperança", devemos ser cheios de esperança, devemos pensar esperança e
devemos falar esperança. 4sperança ) o fundamento no qual a f) se ap0ia.
#l%umas pessoas querem ter f) depois de perder toda a esperança. 6'o vai funcionar.
>ecuse,se a parar de ter esperança, n'o importa qu'o secos os ossos possam parecer, qu'o
morta a situaç'o possa estar, quanto anos tenham passadoB (eus ainda ) (eus, e esse vers$culo
nos diz que, se permanecermos positivos e formos "presos de esperança," (eus nos restituirá em
do*ro tudo o que perdemos.
Ora!ão para o &ontrole da (+n$ua
;+e guarda! &$.E=9! " mina boca; vigia a porta dos meus l/bios.
&2 5G5.>
2ro este vers$culo com muita freqL9ncia porque sei que preciso diariamente de a+uda para
controlar minha l$n%ua. ;uero que o 4sp$rito -anto me condene quando estiver falando demais
ou dizendo coisas que n'o deveria, quando estiver falando ne%ativamente, quando estiver
murmurando, quando for r$spida ou falar qualquer outro tipo de "má conversaç'o."
;ualquer coisa que ofenda a (eus precisa ser eliminada de nossas conversas. E por isso que
devemos orar continuamente8
;+e guarda! &$.E=9! " mina boca; vigia aporta dos meus l/bios.
2utro vers$culo importante so*re este assunto está no -almo !@.I8
... a mina boca não transgride.
Como disse anteriormente, temos de nos propor a fazer a coisa certa nessa área. udo quanto
fizermos pela f) deve ser feito com um prop0sito.
(isciplina ) uma escolha. :0%ico que n'o ) fácil, mas começa com uma decis'o.
;uando estamos passando para o outro lado e de repente nos encontramos no meio da via%em,
em uma violenta tempestade, temos de nos propor a n'o trans%redir com a *oca.
4 quando devemos orar esse vers$culo.
2utro vers$culo que oro re%ularmente ) o -almo !?.!F8
As palavras dos meus l/bios e o meditar do meu cora7ão se(am agrad/veis na tua presen7a!
&$.E=9! roca Gfirme, impenetrávelH mina e redentor meu:
2re a .alavra. 6ada chama t'o rápido a atenç'o de (eus. 4 a sua .alavra que cont)m o poder
do 4sp$rito -anto.
.ermita que esses vers$culos se+am o clamor do seu coraç'o. -e+a sincero em seu dese+o de
%anhar a vit0ria nessa área. 4, enquanto *usca a (eus, voc9 vai notar que est/ mudando.
Qsso é o que o -enhor tem feito por mim. 4 ele n'o faz acepç'o de pessoas. (#t !M.IF." odos
aqueles que o*edecem aos mandamentos de (eus rece*em o cumprimento de suas promessas.
2re esta oraç'o de compromisso para e&ercer controle so*re a l$n%ua8
&enhor, oro para que tu me a'udes a desenvolver uma sensibilidade
ao Esp(rito &anto sobre toda a minha maneira de conversar. )ão
quero ser teimoso como um cavalo ou mula, que s* obedece ao
toque do cabresto ou freio. +uero me mover em tua dire,ão apenas
com um leve toque teu.
#urante as tempestades da vida, enquanto estiver passando para a
outra mar"em, pe,o tua a'uda. -reciso sempre da tua a'uda,
&enhor, mas esses per(odos são per(odos de tenta,ão.
.oloque "uardas nos meus l/bios e que todas as palavras da minha
boca se'am aceit/veis diante de ti, * &enhor, minha for,a e meu
redentor.
Em nome de %esus eu oro, am0m.
4u me lem*ro quando (eus falou ao meu coraç'o8 "CoSce, está na hora da sua l$n%ua ser salva."
Qsso pode soar estranho, mas ) verdade.
4 poss$vel ser salvo e n'o parecer. Um indiv$duo pode ser um filho de (eus e, ainda assim, n'o
falar como tal. -ei porque eu era assim.
6'o *asta ser salvo, a l$n%ua deve ser salva tam*)m. 2 ap0stolo .aulo chama esse processo de
"desenvolver" a nossa salvaç'o.
2 que si%nifica e&atamente "desenvolver a nossa salvaç'o"<
4m 4f)sios 2.7,?, .aulo declarou plenamente que a salvaç'o n'o pode ser %anha, ela ) dada
pela %raça de (eus e rece*ida mediante a f). # salvaç'o n'o ) a recompensa por *oas o*ras,
para que nin%u)m se %lorie.
6o novo nascimento, (eus, por sua %raça, miseric0rdia, amor e *ondade, envia seu filho Cesus
Cristo para viver em n0s, nos confere seu 4sp$rito -anto e cria em n0s um novo coraç'o. (eus
faz todo o tra*alho, e n0s rece*emos o dom %ratuito da salvaç'o pela f).
ra*alhar a salvaç'o que rece*emos %ratuitamente ) uma outra etapa da nossa caminhada com
ele. (eus deposita a semente e n0s cooperamos com a o*ra do 4sp$rito -anto para que a
semente cresça como uma planta que se apodera de todas as áreas da nossa vida.
&ultiando a Semente
=ra! as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. .ão diz% $ aos descendentes!
como se falando de muitos! porém como de um s'% $ ao teu descendente! que é 4risto.
<l >.5A
# 3$*lia se refere a Cesus Cristo como "a semente." Oosto disso porque si%nifica que se tiver
uma semente vou ter uma colheita.
Cesus ) a semente de tudo de *om que (eus dese+a para n0s. # semente ) plantada por (eus,
mas deve ser cultivada, nutrida, a%uada e cuidada. 2 solo no qual ela ) plantada deve ser arado e
sem ervas daninhas.
6osso coraç'o e nossa vida s'o o solo. udo o que precisa ser mudado e removido n'o ) feito
de uma s0 vez. 1á um %rande tra*alho a ser feito, e somente o 4sp$rito -anto sa*e "quando e
como." 4nquanto o 4sp$rito -anto tra*alha certos aspectos da nossa vida, temos de su*meter a
ele nossa vontade, o que si%nifica su*meter a carne D liderança do esp$rito.
-e cada um pudesse se lem*rar do in$cio de sua caminhada com (eus e fizesse um inventário de
todas as coisas que o 4sp$rito -anto mudou desde ent'o, ficaria maravilhado em reconhecer
qu'o diferente está a%ora, comparado ao que era quando começou.
:em*ro,me de que (eus começou tra*alhando a quest'o da minha independ9ncia, pois n'o
conse%uia fazer nada sozinha. (epois, foi a vez das minhas motivações. 4le me mostrou que o
que eu fazia n'o era t'o importanteB o mais importante era por que fazia. (eus lidou com as mi,
nhas atitudes, com aquilo ao qual eu assistia na A e no cinema, com minha maneira de vestir,
com meus pensamentos , e com minha l$n%ua, naturalmente.
.ara ser sincera, (eus tem tratado mais constantemente da quest'o da minha l$n%ua do que de
qualquer outro aspecto.
;uando (eus quer usar al%uma coisa, o dia*o, com certeza, levanta,se e vai tentar rou*ar isso.
(esde que fui chamada para ensinar a palavra de (eus, -atanás está sempre se intrometendo na
propriedade do -enhor.
Claro que aprendi muitas coisas so*re a l$n%ua no decorrer dos anos, mas che%ou o dia em que
(eus me disse8 "4stá na hora de sua l$n%ua ser salva". -a*ia que isso n'o era apenas um
pequeno ensinamento do 4sp$rito -anto so*re o poder das palavras, mas uma revelaç'o so*re
mudança de vida por interm)dio da língua:
Endireite Sua (+n$ua
=uvi! pois falarei coisas eDcelentes; os meus l/bios proferirão coisas retas.
;orque a mina boca proclamar/ a verdade; os meus l/bios abominam a impiedade.
&ão (ustas todas as palavras da mina boca Bcorretas e de acordo com #eusC; não / nelas
nenuma coisa torta! nem perversa.
;v K.A@K
;uando li esses vers$culos, sa*ia que tinha um lon%o caminho a percorrer. 4u estava orando por
uma unç'o mais forte no meu ensino e minist)rio e (eus tinha que me mostrar tr9s homens na
3$*lia que foram chamados, mas que tiveram pro*lemas com a l$n%ua. (eus me revelou que foi
preciso tratar primeiro das palavras, da l$n%ua desses homens, antes que 4le pudesse usá,los da
maneira que tinha plane+ado.
' (+n$ua *emerosa de /eremias
A mim )Jeremias* me veio! pois! a palavra do &$.E=9! dizendo% Antes que eu te formasse no
ventre materno! eu te coneci )como meu instrumento escolido*! e! antes que saísses da
madre! te consagrei! e te constituí profeta "s na7+es. $ntão! le disse eu% a: &$.E=9 #eus:
$is que não sei falar! porque não passo de uma crian7a.
Las o &$.E=9 me disse% .ão digas% .ão passo de uma crian7a; porque a todos a quem eu te
enviar ir/s; e tudo quanto eu te mandar falar/s.
.ão temas diante deles! porque eu sou contigo para te livrar! diz o &$.E=9.
#epois! estendeu o &$.E=9 a mão! tocou@me na boca e o &$.E=9 me disse% $is que pono
na tua boca as minas palavras. =la que o(e te constituo sobre as na7+es e sobre os reinos!
para arrancares e derribares! para destruíres e arruinares e também para edificares e para
plantares. Jr 5.G@5J
(eus chamou Ceremias como "um profeta Ds nações" e, imediatamente, Ceremias começou a
falar coisas que (eus não tinha dito. (eus tinha de endireitar a l$n%ua de Ceremias antes que
pudesse usá,lo. 6'o será diferente conosco. .rimeiro, devemos entender que, quando (eus nos
chama para fazer al%uma coisa, n'o devemos dizer que n'o podemos faz9,lo.
-e (eus diz que podemos, ent'o podemosT NreqLentemente falamos de nossas inse%uranças ou
ver*alizamos o que os outros disseram so*re n0s ou o que o dia*o nos disse.
;recisamos dizer sobre n's mesmos o que #eus diz sobre n's:
Cesus disse8 "6'o falo minhas pr0prias palavras, mas as palavras daquele que me enviou. 4u
di%o somente o que tenho ouvido de meu .ai." (Co 7.27B !2.KM, paráfrase da autora".
(eus nos chama para ir mais alto. 4le nos desafia a n'o mais falar nossas pr0prias palavras. 4le
quer que falemos n'o o que vem da alma, mas o que vem do esp$rito.
(eus está preparando seu povo para ser usado por ele na colheita do final dos tempos. 6in%u)m
é usado sem preparaç'o. Qsso si%nifica que (eus deve lidar conosco e que devemos nos
su*meter a ele.
(eus quer nos "lapidar." 4le tem tra*alhado em nossa vida há anos, mas a%ora está na hora de
al%uns a+ustes finais.
Aoc9, provavelmente, ouviu outras mensa%ens so*re a l$n%ua antes, por isso esta palavra pode
n'o ser uma nova revelaç'o para voc9. Mas a verdade é que, como muitos de n0s, voc9 continua
tomando certas li*erdades que +á n'o lhe s'o permitidas.
"oa Etapa, "oo )em@nio
;ortanto! assim diz o &$.E=9! o #eus dos $Dércitos% 6isto que proferiram eles )o povo* tais
palavras! eis que converterei em fogo as minas palavras na tua boca )Jeremias* e a este povo!
em lena! e eles serão consumidos.
Jr F.5G
(eus está nos chamando para su*ir mais alto, a uma nova etapa. 4 em cada nova etapa do poder
e das *9nç'os de (eus e&perimentamos nova oposiç'o.
6o passado, Ceremias pode ter falado da maneira que falamos a%ora, mas (eus estava
chamando,o para uma nova etapa. 6ela, aquele tipo de fala lhe causaria s)rios pro*lemas.
(evemos reconhecer que palavras erradas podem a*rir portas para o inimi%o que n'o
dese+ar$amos.
(urante anos, (eus me falou para n'o a*rir portas e um dia ele disse8 "CoSce, esqueça as portasB
-atanás está procurando uma pequena *recha para entrar na sua vida".
2 que quer que Ceremias tenha feito n'o foi t'o a%ressivo contra o reino das trevas como o que
(eus tinha plane+ado.
Creio que a mesma coisa acontece na minha vida e na sua. Coisas que (eus dei&ou passar
anteriormente a%ora n'o s'o mais permitidas. 6'o podemos andar na carne e na hora de e&ercer
nosso dom ministerial tentar entrar no esp$rito rapidamente. 6'o haverá nenhum poder,
nenhuma unç'o.
(eus disse a Ceremias que transformaria sua palavra como fo%o em sua *oca e o povo, em
lenha.
4u creio nesta mesma coisa em minha vida e no meu minist)rio. ;uando falo a palavra de (eus,
quero que tenha efeito dramático na vida das pessoas, mudando,as radicalmente.
Aoc9 deveria querer tam*)m.
6'o temos mais tempo para um pouco aqui e um pouco lá. (Qs 27.!M,!I."
4 hora de continuar a o*ra de (eus.
4u li al%uns livros que falavam de reavivamentos passados e de como a unç'o do -enhor era
poderosa na pre%aç'o. Centenas de pessoas ca$am ao ch'o e começavam a clamar por
livramento e salvaç'o. Creio que essa ) uma manifestaç'o de (eus transformando as palavras
da *oca do pre%ador em fo%o e o povo, em lenha. Qsso n'o acontecerá conosco se permitirmos
que ha+a mistura de palavras em nossa *oca. alvez n'o e&perimentemos a perfeiç'o completa
nesta área, mas é hora de tratarmos esse compromisso de maneira muito mais s)ria.
2rei por uma unç'o mais forte, e (eus estava prestes a dá,la, mas primeiro ele disse8 "CoSce, )
hora de sua l$n%ua ser salva."
;uando pedimos al%o a (eus, há coisas que devem ser removidas primeiro do caminho para
que a unç'o possa ser li*erada.
#o adquirir uma nova mo*$lia de quarto maior que a anterior, voc9 pode ter de mudar al%umas
coisas para acomodá,la melhor.
.ão fique de luto pelo que tem de acabar; alegre@se pelo que est/ cegando:
' (+n$ua -esada de Moisés
$ntão! disse Loisés ao &$.E=9% A: &enor: $u nunca fui eloqSente! nem outrora! nem
depois que falaste a teu servo; pois sou pesado de boca e pesado de língua.
YD G.5J
;uando (eus chamou Mois)s para ser seu porta,voz a Nara0 e aos Qsraelitas, ele ale%ou que n'o
era t'o eloqLente para fazer o que (eus queria, porque tinha "um pro*lema com a *oca."
# resposta de (eus foi... 8uem fez a boca do omemR... .ão sou eu! o &enorR (v. !!".
Ps vezes pensamos que (eus n'o conhece todas as nossas fraquezas ,mas ele conhece.
;uando entendi que (eus me chamou para ministrar sua .alavra em lar%a escala, eu o lem*rei
de que sou mulher. (uvido que (eus tenha se esquecido desse fato al%uma vez. 4u mesma n'o
via nenhum pro*lema nisso, mas conhecia pessoas que n'o aceitavam, o que criou uma certa
d5vida em mim.
#quela d5vida tinha de ser eliminada antes que eu pudesse prosse%uir.
6o vers$culo !2, (eus disse a Mois)s8 6ai! pois! agora! e eu serei com a tua boca e te ensinarei
o que /s de falar.
(a pr0&ima vez que (eus chamá,lo para falar por ele e o medo nascer em voc9, lem*re,se8 se
ele o enviou, ele será com sua *oca e o ensinará o que dizer.
Os (ábios #mpuros de #sa+as
.o ano da morte do rei Xzias! eu vi o &enor )numa visão* assentado sobre um alto e sublime
trono! e as abas de suas vestes enciam )a parte mais sagrada* o templo.
&erafins estavam por cima dele; cada um tina seis asas% com duas cobriam o )pr'prio* rosto!
com duas cobriam os seus pés e com duas voavam.
$ clamavam uns para os outros! dizendo% &anto! santo! santo é o &$.E=9 dos $Dércitos; toda
a terra est/ ceia da sua gl'ria. As bases do limiar se moveram " voz do que clamava! e a casa
se enceu de fuma7a. $ntão! disse eu% ai de mim: $stou perdido: ;orque sou omem de l/bios
impuros! abito no meio de um povo de impuros l/bios! e os meus olos viram o 9ei! o
&$.E=9 dos $Dércitos:
$ntão! um dos serafins voou para mim! trazendo na mão uma brasa viva! que tirara do altar
com uma tenaz; com a brasa tocou a mina boca e disse% $is que ela tocou os teus l/bios; a tua
iniqSidade foi tirada e perdoado o teu pecado.
#epois disto! ouvi a voz do &enor! que dizia% A quem enviarei! e quem / de ir por n'sR #isse
eu% eis@me aqui! envia@me a mim. $ntão! disse ele% 6ai e dize a este povo% =uvi! ouvi e não
entendais; vede! vede! mas não percebais.
2s A.5@?
2 chamado de Qsa$as ) um e&emplo e&celente da necessidade de (eus purificar a l$n%ua antes de
usar o homem.
# passa%em *$*lica me ensina que quando entramos na presença de (eus ele vai lidar conosco.
Qsa$as perce*eu que tinha uma l$n%ua impura. Creio que o clamor do seu coraç'o era por
mudança, por isso (eus lhe enviou a+uda.
# apro&imaç'o do serafim com uma *rasa viva ) re%istrada aqui como um acontecimento
instantJneo, o que nem sempre vai acontecer conosco. .referir$amos um livramento mila%roso,
mas, normalmente (creio que na maioria das vezes", o -enhor tem de nos colocar num processo
de limpeza.
2 que precisamos e&trair desses vers$culos ) o princ$pio esta*elecido neles.
2 vers$culo @ declara que o pecado de Qsa$as foi perdoado, portanto, podemos presumir que sua
l$n%ua impura era pecadora e precisava ser purificada.
6o vers$culo 7, vemos o chamado de Qsa$as. (eus disse8 A quem enviarei e quem / de ir por
n'sR Qsa$as respondeu8 $is@me aqui! envia@me a mim. -eu coraç'o queria servir ao -enhor, o que
(eus +á sa*ia antes de levá,lo D sua presença.
(eus sempre *usca al%u)m que tenha um coraç'o perfeito em relaç'o a 4leB n'o
necessariamente al%u)m que tenha um coraç'o perfeito diante d4le. ;uando o -enhor tem o
coraç'o, 4le sempre pode mudar o comportamento.
4ssa verdade deveria encora+ar quem quer ser usado por (eus, mas sente que tem defeitos
demais.
(eus usa vasos rachadosT
Aamos a ele como estamos, e ele nos molda e nos transforma em vasos para seu uso.
(Qs /.7B 2 m 2.2!." (epois que os lá*ios de Qsa$as foram purificados, no vers$culo ?, (eus
disse8 6ai e dize a este povo. 2 chamado, a unç'o e a capacitaç'o, Ds vezes, s'o concedidos
separadamente e em diferentes per$odos de tempo.
&hamado, 6n!ão e &apacita!ão - (an!ar um Fundamento antes da
Edifica!ão
;orque ninguém pode lan7ar outro fundamento! além do que )(/* foi posto! o qual é Jesus
4risto Bo Lessias! o XngidoC.
5 4o >.55
(eus me chamou e me un%iu. 4 essa unç'o aumentava enquanto eu %anhava e&peri9ncia na
ministraç'o e me su*metia D o*ra do 4sp$rito -anto em minha alma. 4le me capacitou, me
li*erou para se%uir em frente e começar a edificar seu reino somente depois que um fundamento
adequado foi constru$do.
-e voc9 quer edificar o reino de (eus, deve %astar tempo em lançar o fundamento adequado.
Um dos primeiros passos para lançar esse fundamento ) endireitar sua l$n%ua.
%Senhor, Sala Minha (+n$ua%4
$ conecereis a verdade! e a verdade vos libertar/.
Jo K.>I
Ceremias, Mois)s e Qsa$as perce*eram que (eus tinha de mudar al%umas coisas na l$n%ua deles
para poder cumprir o chamado divino.
2 mesmo acontece comi%o e com voc9.
(eus curará nossa l$n%ua, mas primeiro devemos entender que necessitamos de cura.
Cesus disse que a verdade nos li*erta. 2 que precisamos dizer ao -enhor )8 "Minha l$n%ua
precisa ser salva"T

Qsaias K7 ) uma porç'o poderosa da .alavra que nos ensina o que (eus considera "o verdadeiro
+e+um." -u%iro que voc9 leia o cap$tulo inteiro neste ponto, antes de continuar a leitura.
3 #sto 1ue Você &hama de /e=um?
&eria este o (e(um que escoli! que o omem um dia afli(a a sua alma )o verdadeiro (e(um é
meramente mec-nicoR*! incline a sua cabe7a como o (unco e estenda debaiDo de si pano de
saco e cinzaR )para indicar uma condi7ão que não tem no cora7ão* 4amarias tu a isto (e(um
e dia aceit/vel ao &$.E=9R
2s FK.F
# cena que encontramos aqui ) uma troca entre os israelitas e seu (eus. 2 povo estava +e+uando
e sentia que (eus nem notava. 4le disse que estava +e+uando com a motivaç'o errada e que
havia coisas que precisavam ser tratadas.
2 verdadeiro +e+um deve ser feito com o prop0sito de que*rar o poder da carne. (eve ser um
tempo de oraç'o especial no qual o povo *usca a (eus de maneira mais intensa para alcançar
vit0ria para si mesmo e para os outros.
Meu prop0sito neste cap$tulo n'o ) ensinar todos os princ$pios do +e+um de alimento, mas posso
dizer,lhe que há várias maneiras de +e+uar.
-e voc9 está começando um +e+um por conta pr0pria ou se está sendo chamado por (eus para
começar um, ele o %uiará nesse compromisso particular.
4m Qsa$as K7, as pessoas estavam se a*stendo de alimento, mas tinham perdido o foco real.
(eus lhes disse que estavam +e+uando pelo motivo errado e que aquele +e+um n'o faria com que
seus clamores fossem ouvidos. 6esse vers$culo, (eus per%unta8 "2 verdadeiro +e+um )
meramente mecJnico , apenas al%uma coisa a ser feita como um e&erc$cio, sem nenhum
si%nificado real"< 4nt'o, nos vers$culos / a ? o -enhor compartilha com eles qual é o seu +e+um
escolhido.
(iberte-se para (ibertar
;orventura! não é este o (e(um que escoli% que soltes as ligaduras da impiedade! desfa7as as
ataduras da servidão! deiDes livres os oprimidos e despedaces todo (ugo )de escravidão*R
2s FK.A
Creio que isso si%nifica que devemos n'o s0 li*ertar uns aos outros, como tam*)m n'o devemos
ficar passivos e nos permitir permanecer atados.
Cesus disse8 ... se o filo vos libertar (fizer de v0s homens livres", verdadeiramente sereis livres
(Co 7.I/".
Creio que devemos cooperar com o 4sp$rito de (eus para que*rar o +u%o em nossa vida e na
vida daqueles que est'o ao nosso redor. .ara poder li*ertar os outros, devemos primeiro nos
li*ertar.
/e=uar para &ompartilhar
;orventura! não é também que repartas o teu pão com o faminto! e recolas em casa os pobres
desabrigados! e! se vires o nu! o cubras! e não te escondas
)das necessidades* do teu semelanteR
2s FK.H
#l%umas pessoas se envolvem tanto no minist)rio que se esquecem da pr0pria fam$lia e de seus
parentes. 6esse vers$culo, o -enhor dei&a claro que n'o devemos ne%li%enciar um lado para
atender o outro.
#qui o -enhor nos diz que n'o somente devemos ir ao encontro das necessidades daqueles que
est'o ao nosso redor no mundo, o po*re e o nu, mas tam*)m devemos ir ao encontro das
necessidades de nossos semelhantes, nossa pr0pria fam$lia e parentes.
enho uma tia vi5va a quem ministro freqLentemente. 4u achava que era ocupada demais para
esse tipo de coisa, mas o -enhor me mostrou que ela ) minha "semelhante" e que ) minha
responsa*ilidade ministrar Ds necessidades dela tanto quanto Ds necessidades dos outros. -e eu
i%norar essa responsa*ilidade, posso ter parte da unç'o de (eus tirada de minha vida.
6'o *asta apenas ser chamado. 6'o *asta apenas orar. 6'o *asta apenas ler a .alavra de (eus.
(evemos fazer o que a .alavra diz. 4 ela diz que devemos alimentar os po*res, vestir o nu e n'o
nos esconder do nosso semelhante.
(epois de fazer tudo isso, então o vers$culo 7 funcionará para n0s.
5eceber :ra!a 5equer )ar :ra!a
$ntão! romper/ a tua luz como a alva! a tua cura Btua restaura7ão e o poder de uma nova vidaC
brotar/ sem deten7a! a tua (usti7a Bteu direito! teu (usto relacionamento com #eusC ir/ adiante
de ti )conduzindo@te " paz e prosperidade*! e a gl'ria do &$.E=9 ser/ a tua retaguarda.
2s FK.K
enho estudado *astante o cap$tulo K7 de Qsa$as porque há al%umas promessas *em definidas
nele, mas tam*)m há al%umas e&i%9ncias muito claras.
Uma depende da outra.
#%radeço a (eus por sua %raça. -ou %rata por n'o ter de tentar fazer tudo sozinha. -ou %rata por
ele me dar a %raça para cumprir o que for que ele me peça para fazer. (essa forma, (eus rece*e
o cr)dito e a %l0ria, n'o eu.
Qsso n'o si%nifica que eu n'o tenha nada para fazer, que possa apenas me sentar numa cadeira e
esperar que o -enhor faça tudo. 6'o, eu tenho de cooperar com a %raça de (eus. 4 voc9
tam*)m.
6este cap$tulo, há muitas promessas de paz e prosperidade para n0s, como povo de (eus, mas
elas dependem do cumprimento de certas coisas, como vemos nesse vers$culo.
"ão /ul$ue, "ão )espre2e - E Vi$ie Sua (+n$ua
$ntão! clamar/s! e o &$.E=9 te responder/; gritar/s por socorro! e ele dir/% $is@me aqui. &e
tirares do meio de ti o (ugo )onde quer que o encontres*! o dedo que amea7a )em dire7ão ao
oprimido ou temente*! o falar in(urioso.
2s FK.?
-e nossas orações n'o est'o sendo ouvidas, pode ser que n'o este+amos fazendo o que (eus nos
disse claramente para fazer. 4 uma delas ) tirar do meio de n0s o +u%o e o dedo que ameaça.
Qsso ) +ul%amento.
;uando voc9 e eu pararmos de +ul%ar uns aos outros, as coisas começar'o a melhorar em nossa
vida.
am*)m devemos parar de falar falso, áspera, in+usta e mali%namente. # 6ersão King James
desse vers$culo traduz esta 5ltima frase como "falar coisas v's." 2 que ) falar em v'o< E a
conversa in5til e sem sentido.
-e n'o tiver cuidado, posso ser culpada de falar coisas v's. .osso começar a falar e n'o parar
mais. Ps vezes, em minha vida pessoal e em meu minist)rio, falo desde a hora em que me
levanto at) quando vou dormir. 1á momentos em que +á falei tanto que fico en+oada e de ca*eça
quente. Nico mental e fisicamente e&austa.
-a*e o que o -enhor me disse so*re isso< 4le disse8 "# raz'o de estar t'o cansada o tempo todo
) porque voc9 fala demais"T
4nt'o, fiz o que esse vers$culo diz e aprendi a controlar a minha fala.
Como ministra do 4van%elho, fui chamada para o serviço de -ua Ma+estade, o >ei. Como
em*ai&adora real (2 Co K.2M.", as pessoas e&i%em e esperam que eu e&erça um controle
cuidadoso so*re minhas palavras.
2 mesmo ) verdade para voc9 e para todos os que servem o -enhor.
'ben!oe, não 'maldi!oe
&e abrires a tua alma ao faminto e fartares a alma aflita! então! a tua luz nascer/ nas trevas! e
a tua escuridão ser/ como o meio@dia.
= &$.E=9 te guiar/ continuamente! fartar/ a tua alma até em lugares /ridos e fortificar/ os
teus ossos; ser/s como um (ardim regado e como um manancial cu(as /guas (amais faltam. =s
teus filos edificarão as antigas ruínas; levantar/s os fundamentos de muitas gera7+es e ser/s
camado reparador de brecas e restaurador de veredas para que o país se torne abit/vel.
2s FK.5J@5I
;ue promessas maravilhosasT
;uando ) que voc9 e eu podemos esperar que todas essas *9nç'os do -enhor venham so*re n0s
e nos cu*ram<
;uando pararmos de +ul%ar uns aos outros e a*andonarmos toda forma de e&press'o in5til,
falsa, áspera, in+usta e má.
(evemos parar de esperar que (eus derrame suas *9nç'os so*re n0s enquanto derramamos
maldições so*re os outros.
"ão Vale a -ena?
&e desviares o pé de profanar o s/bado e de cuidar dos teus pr'prios interesses no meu santo
dia; se camares ao s/bado )espiritualmente* deleitoso e santo dia do &$.E=9! digno de
onra! e o onrares não seguindo os teus caminos! não pretendendo fazer a tua pr'pria
vontade! nem falando palavras vãs )torpes*! então! te deleitar/s no &$.E=9. $u te farei
cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a eran7a )prometida a ti* de Jac'! teu
pai! porque a boca do &$.E=9 o disse.
2s FK.5>@5G
3asicamente, o que o -enhor está dizendo nesta passa%em )8 "-e voc9 realmente quer desfrutar
as minhas *9nç'os, n'o fique por a$ fazendo suas pr0prias coisas. #o contrário, descu*ra o que
quero que voc9 faça , e, ent'o, faça. 6'o *usque o seu pr0prio prazer, mas *usque, em primeiro
lu%ar, a minha vontade. 6'o fale suas pr0prias palavras v's, mas fale minhas palavras poderosas
porque elas n'o voltar'o vazias, sem produzir nenhum efeito." (Qs KK.!!".
-e realmente queremos as *9nç'os do -enhor, n'o podemos continuar dizendo o que queremos,
a qualquer hora que quisermos. emos de usar a l$n%ua para *endizer a (eus, aos outros e a n0s
mesmos.
emos de levar as *9nç'os de (eus D nossa Q%re+a, D nossa casa, ao nosso tra*alho, D nossa
sociedade.
.recisamos tanto pre%ar Ds pessoas quanto viver di%namente diante delas. 6'o devemos "e&alar
mau cheiro," mas e&alar um aroma suave e a%radável aos outros e a (eus. (2 Co 2.!F,!K."
2 -enhor me disse8 "6'o cheire mal, e&ale o *om perfume. 4&ale o fruto do 4sp$rito, que )
*ondade, *eni%nidade, amor, ale%ria, paz e todos os outros frutos."
4nquanto vivemos, há um aroma que e&ala de n0s. 4m*ora n'o sintamos o cheiro, o -enhor
sente. 4le tem um nariz muito sens$vel. ;uando oro, n'o quero que minhas orações e&alem mau
cheiro nas narinas do -enhor por causa das palavras que tenho pronunciado fora do meu
momento de oraç'o.
# 3$*lia diz que (eus conhece cada palavra que ainda n'o foi pronunciada por nossos lá*ios.
Ainda a palavra não me cegou " língua )ainda não pronunciada*! e tu! &$.E=9! (/ a
coneces toda.
B&2 5>?.GC
4le sa*e n'o somente o que dissemos ontem e o que estamos dizendo ho+e, mas tam*)m o que
vamos dizer amanh' , at) mesmo o que estamos pensando. 4 por isso que nossas orações
precisam ser a do salmista8
As palavras dos meus l/bios e o meditar do meu cora7ão se(am agrad/veis na tua presen7a!
&$.E=9! roca )firme! impenetr/vel* mina e redentor meu:
B&l 5?.5GC.

-e voc9 ouviu ou leu qualquer ensinamento so*re a l$n%ua, provavelmente passou por esse
vers$culo várias vezes. Cá o mencionamos neste estudo, mas ele ) t'o vital que vale a pena rev9,
lo.
.ense so*re ele por um momento8 A morte e a vida estão no poder da língua. emos al%uma
id)ia do que si%nifica< -i%nifica que voc9 e eu passamos pela vida com um poder incr$vel ,
como o fo%o, a eletricidade ou a ener%ia nuclear ,, *em de*ai&o do nosso nariz, um poder que
pode produzir vida ou morte, dependendo de como ) usado.
Com esse poder, temos a capacidade de fazer um %rande *em ou um %rande mal, um %rande
*enef$cio ou um %rande malef$cio.
.odemos usá,lo para criar morte e destruiç'o ou para criar vida e sa5de. .odemos falar de
doença, enfermidade, dissens'o e desastre ou de sa5de, harmonia, e&ortaç'o e edificaç'o.
# escolha ) nossa.
Semear e &olher
.ão vos enganeis% de #eus não se zomba; pois aquilo que o omem semear! isso também
ceifar/.
;orque o que semeia para a sua pr'pria carne da carne coler/ corrup7ão; mas o que semeia
para o $spírito do $spírito coler/ vida eterna.
<l A.H@K
2*serve que a se%unda parte de .rov)r*ios !7.2! diz que comeremos do fruto de nossa l$n%ua.
Qsso lem*ra o princ$pio espiritual de que colhemos aquilo que plantamos. -e semearmos para a
carne, da carne ceifaremos ru$na, decad9ncia e destruiç'o, mas, ao semearmos para o 4sp$rito,
do 4sp$rito ceifaremos vida, sa5de e a*undJncia.
-a*ia que voc9 tem o poder de fazer al%uma coisa por seu futuro< 4sse poder está *em de*ai&o
do seu nariz.
>ecentemente, estava lendo um livrinho so*re como, neste dia e nesta hora, (eus está
procurando por á%uias que voem alto, homens e mulheres $nte%ros, que tomar'o posiç'o,
manter'o suas palavras, honrar'o seus compromissos e viver'o em santidade. 2 livro dizia8 "4
terrivelmente dif$cil ser uma á%uia que voe alto quando voc9 est/ rodeado por tantos uru*us".
Ps vezes ) dif$cil manter o controle da l$n%ua, ser positivo, louvar e %lorificar ao -enhor quando
ao redor todos preferem ceder D murmuraç'o, Ds quei&as e a todo tipo de ne%ativismo.
Aoc9 está usando sua l$n%ua para e&ortar e edificar ou para desencora+ar e destruir< Aoc9 a usa
para edificar a si mesmo e aos outros ou para destruir< Aoc9 tem al%uma id)ia do quanto Ds
palavras de sua *oca s'o importantes<
Como +á enfatizamos, se há uma área na qual precisamos e&ercer disciplina e dom$nio pr0prio )
na escolha de nossas palavras.
Compartilhei com voc9 como o -enhor uma vez me disse que o meu pior pro*lema era que eu
falava demais. 2 que dizia não era ruim, era s0 ta%arelice. Aoc9 sa*e o que a 3$*lia diz so*re
isso< 4la diz que se falarmos demais vamos ter pro*lemas. (4c K.!,@."
4 o que tenho aprendido em meus anos de minist)rio. -e falar demais fico desconfortável e
perco a minha paz , n'o por falar al%uma coisa má, mas simplesmente porque preciso ficar
quieta e ouvir.
)i2er uma .oa -alara
)= &ervo do &enor diz* = &$.E=9 #eus me deu língua de eruditos! para que eu saiba dizer
boa palavra ao cansado. $le me desperta todas as manãs! desperta@me o ouvido para que eu
ou7a como os eruditos )como um que é ensinado*. B2s FJ.GC
.recisamos ser treinados a manter um ouvido afinado com (eus. am*)m precisamos ser como
ia%o nos orienta8 prontos para ouvir e tardios para falar. (% !.!?."
2 que voc9 acha que aconteceria se pensássemos antes de falar< -erá que evitar$amos falar o
que n'o dev$amos<
2 profeta diz que o -enhor lhe deu l$n%ua de eruditos , um aprendiz, al%u)m a quem ) ensinado
, para que ele sou*esse como "dizer *oa palavra" ao cansado.
Aoc9 v9 pessoas cansadas no Corpo de Cristo< -im, o mundo tem pro*lemas s)rios, mas
tam*)m há muitos que s'o nascidos de novo, cheios do 4sp$rito de (eus, mas que est'o
necessitados.
Como uma ministra, n'o ve+o a ale%ria que deveria estar em evid9ncia no povo de (eus. (e
acordo com a 3$*lia, a alegria do &enor é a nossa for7a. (6m 7.!M." # ale%ria n'o )
encontrada nas circunstJncias, ela ) encontrada em Cristo, o Mist)rio das 4ras, que ha*ita em
n0s. Aoc9 e eu estamos aprendendo a encontrar ale%ria somente em Cristo. 4nquanto estivermos
no processo, falar palavras no tempo devido nos impedirá de enfraquecer.
"ão 3 &oneniente 1ue Estas &oisas Se=am 'ssim
A língua! porém! nenum dos omens é capaz de domar; é mal incontido! carregado de veneno
mortífero. 4om ela! bendizemos ao &enor e ;ai; também! com ela! amaldi7oamos os omens!
feitos " semelan7a de #eus. #e uma s' boca procede bên7ão e maldi7ão. Leus irmãos! não é
conveniente que estas coisas se(am assim.
,g >.K@5J
(urante os anos de minha vida e minist)rio, aprendi muito so*re fofoca, +ul%amento, cr$tica e
so*re achar falha nos outros. enho aprendido que essas coisas desa%radam a (eus. Qncomoda a
4le o fato de que, com a mesma *oca que usamos para *endiz9,lo e louvá,lo, amaldiçoamos e
condenamos nossos companheiros, feitos D sua ima%em, assim como n0s.
Qsso n'o ) fácil de fazer, n'o )< Aoc9 sa*e por qu9< .or causa do or%ulho. 2r%ulho ) uma
atitude da qual pensamos que estamos limpos e, se as pessoas n'o est'o de acordo, achamos que
deve haver al%uma coisa errada com elas.
# 3$*lia diz que todos os caminos do omem são puros aos seus olos. (.v !/.2."
-eria *om se pud)ssemos escolher tr9s ou quatro ami%os, sentar com eles várias vezes ao ano e
per%untar8 ZComo voc9 me v9[< .orque nos vemos muito diferentes da maneira como os outros
nos v9em. #cho que um dos maiores favores que podemos fazer a (eus e a n0s mesmos )
entender que temos muito de caminhar a fim de nos tornarmos perfeitos. 3em, n'o há nada
errado em ser imperfeito se tivermos um coraç'o perfeito em relaç'o a (eus.
2 -enhor olha o nosso coraç'o e nos considera perfeitos enquanto *uscarmos o caminho da
perfeiç'o. -e fXssemos t'o humildes a ponto de nos ver como realmente somos, n'o ser$amos
t'o rápidos em criticar ou espalhar aquela cr$tica, aquela difamaç'o.
Espalhando a )ifama!ão
6o dicionário %re%o encontrei uma definiç'o da palavra "difamadores"8 aqueles que s'o
culpados por +ul%ar os outros e espalhar a cr$tica.
!
(epois de ler essa definiç'o, comecei a pensar so*re a palavra "espalhar." 4spalhar n'o
si%nifica sair e contar al%uma coisa a outras dez pessoas. #l%uma coisa pode ser espalhada
apenas por uma pessoa.
Uma vez passei por uma e&peri9ncia em que tive de superar a fofoca e a mania de levar rumores
a outras pessoas. Compartilhava confid9ncias com meu marido e, em*ora sou*esse que (ave
n'o passaria adiante o que conversamos, dei,me conta de que e&pondo,o a essas hist0rias
(verdadeiras ou n'o" eu estava correndo o risco de envenenar,lhe o esp$rito.
Aoc9 sa*ia que quando ouvimos al%o so*re outra pessoa, mesmo que n'o acreditemos, isso
contamina o nosso esp$rito< (a pr0&ima vez que nos encontrarmos, vamos olhá,la de um +eito
diferente. .or qu9< .orque nosso esp$rito foi contaminado.
(e acordo com o 1ebster! a palavra "difamar" ) derivada da palavra em latim scandalum!
si%nificando "escJndalo," que por sua vez ) derivada da palavra %re%a sVandalon! que si%nifica
"armadilha."
2
# palavra %re%a traduziu "difamadores" na 6ersão King James de ! im0teo I.!!
como diabolos! que &trong define como "um maledicente8 especialmente -atanás... o falso
acusador, dia*o, difamador."
I
Como constatei, o dicionário %re%o declara que essa palavra ) um ad+etivo e si%nifica
"difamador, que acusa falsamente"B sua forma no su*stantivo ) traduzida como "difamadores\...
quando se refere Dqueles que +ul%am o comportamento e conduta dos outros e espalham suas
insinuações e cr$ticas na Q%re+a." .ara mais informaç'o, ve+a "acusador" ou "dia*o."
F
# palavra
traduzida como "dia*o" em portu%u9s ) e&atamente a mesma palavra %re%a diabolos! que
si%nifica "um acusador, um difamador."
K
Aoc9 perce*e o que isso si%nifica< -i%nifica que quando difamamos al%u)m ou acusamos outra
pessoa falsamente estamos permitindo que o dia*o use nossa *oca. Como ia%o nos diz, não é
conveniente que estas coisas se(am assim. (% I.!M".
#%ora, por favor, compreenda. 6'o estou trazendo esta mensa%em porque n'o tenha pro*lema
nessa área. 4u tenho. .or isso, se voc9 tam*)m tem, n'o se sinta culpado. # raz'o para que o
-enhor revele esta mensa%em ) porque dese+a fazer al%uma coisa *oa em nossa vida, mas a
l$n%ua está afetando a unç'o.
Muitos de n0s, provavelmente, rece*emos revelaç'o para n'o +ul%ar os outros ou falar
asperamente. 4m*ora rispidez n'o si%nifique e&atamente difamar, essa palavra tem o mesmo
peso. -e tenho a oportunidade de encora+á,lo, de a+udá,lo, de fazer voc9 se sentir *em, fazer
com que creia que conse%ue, mas escolho desencora+á,lo, destru$,lo, fazer voc9 se sentir
miserável, levá,lo a querer desistir, ent'o há al%o errado com minha l$n%ua.
1á muitas pessoas no Corpo de Cristo que usam a l$n%ua para prop0sitos errados, para maldizer
e criticar, humilhar e desencora+ar os outros.
.reocupa,me ver tantas pessoas que v'o at) o altar para *uscar conforto e li*ertaç'o por terem
sido feridas por outros dez, quinze ou at) vinte anos atrás.
Com muita freqL9ncia, n'o conse%uem tomar posse das coisas *oas de (eus porque al%u)m as
feriu ou mesmo que*rantou seu esp$rito, fazendo com que elas ficassem com uma ima%em
inadequada. Ps vezes, est'o t'o deprimidas e desesperadas que n'o conse%uem superar sua
condiç'o.
Aoc9 n'o faz id)ia do quanto me d0i ver pessoas que mal conse%uem ficar de p) para se
apro&imar e conversar com al%u)m que tenha autoridade espiritual como eu, simplesmente por
causa da maneira como foram tratadas no passado ] %eralmente por al%u)m de casa ou da
Q%re+a.
Leu irmão! mina irmã! não é conveniente que essas coisas se(am assim:
"ão 1uebrante o Esp+rito das -essoas
;ais não irriteis os vossos filos )não se(am duros com eles ou implicantes* para que não fiquem
desanimados. ).ão quebrantem o espírito deles*.
4l >.I5
4u fiz isso com meu filho mais velho. 4ra i%norante e n'o sa*ia nada. Oostaria de ter criado
meus dois primeiros filhos t'o corretamente como criei meus dois 5ltimos.
-omos produtos do am*iente de onde viemos. Oraças a (eus, Cesus a*re aquelas portas e
podemos ser livres. 4le ) o Curador dos que*rantados de coraç'o. (Qs /!.!." # 3$*lia diz que ele
) t'o manso que... não esmagar/ a cana quebrada... (Qs F2.I."
Cesus tem o *álsamo curador para corpos e esp$ritos que*rados. (Cr 7.22B Ml F.2."
-e voc9 vem a Cesus ferido e machucado, ele o curará, para que vá e leve a cura para outras
pessoas. #queles que voc9 feriu tam*)m o perdoar'o e rece*er'o cura.
1o+e, meu filho mais velho tra*alha para a "Aida na .alavra". emos um 0timo relacionamento.
60s nos amamos, mas eu o feri, fazendo as mesmas coisas mencionadas nesse vers$culo. 4u o
tinha importunado, incomodado e irritado. 4stava constantemente insti%ando,o, provocando,o,
falando sempre a mesma coisa.
#ntes que meu filho e eu pud)ssemos ser li*ertos daquela pris'o, tive de aprender a liç'o
contida nessa passa%em. 4spero que voc9 aprenda mais rapidamente do que eu.
.ão quebrante o espírito de outra pessoa:
%Se=a 'moroso%4
$sposas! sede submissas )subordinadas e adaptadas* ao pr'prio marido! como convém no
&enor. Laridos! amai vossas esposas )se(ais amorosos e solid/rios com ela*
e não as trateis com amargura.
4l >.5K@5?
6essa passa%em, vemos como maridos e esposas devem tratar e considerar um ao outro no
-enhor.
#s esposas devem ser "su*missas" aos seus maridos. 1o+e eu sei que nin%u)m quer se su*meter
a nin%u)m. Qsso faz parte da nossa natureza, mas tam*)m faz parte do nosso chamado em Cristo
Cesus... su(eitando@vos uns aos outros no temor de 4risto (o Messias, o Un%ido". (4f K.2!."
(a mesma forma, os maridos devem ser amorosos e solidários. -er "solidário" n'o si%nifica que
o marido vá sentir pena de sua esposaB si%nifica que deve ter consideraç'o por ela, n'o sendo
áspero, indelicado ou amar%o.
4nt'o, vemos aqui um relacionamento rec$proco. # esposa se su*mete ao marido, e ela se torna
amorosa com ele. 2 marido, por sua vez, ama sua esposa e a considera. 4les aprendem a tratar e
a falar um ao outro com amor, di%nidade e respeito.
Compreendi que (eus queria que eu fosse amorosa com meu marido, mas n'o sa*ia como e
resisti. (urante a semana toda ele continuou repetindo "se+a amorosa, se+a amorosa, se+a
amorosa", mas eu n'o conse%uia entender.
;uase no fim da semana, uma senhora me deu uma pulseira com as letras ^,U,Q,.,2 %ravadas.
;uando per%untei o que si%nificava, ela disse8 "#h, ) a palavra havaiana para \amorosa\".
4u disse8 ".u&a". .erce*i, ent'o, que (eus quis mostrar,me o que esteve falando comi%o a
semana inteiraT 2 presente foi uma forte confirmaç'o.
-e há al%o que aprendi de (eus ) que ele n'o desisteT 4le ) mais determinado do que qualquer
um que conheço.
(e repente, entendi que no seu tempo perfeito, (eus estava me li*ertando da aspereza.
2 -enhor continuou transmitindo a mensa%em "se+a amorosa" de maneira incomum. 2 *racelete
era t'o apertado que, ao colocá,lo no pulso, n'o conse%uia tirá,lo mais. ive de usar sa*onete e
creme, e deu muito tra*alho para tirá,lo. 4m um ano e meio, s0 o tirei duas ou tr9s vezes.
#ssim, durante anos carre%uei o sinal de (eus em mim, dia e noite8 "amorosa"T
4ssa palavra pode n'o ser a mais apropriada, mas nessa passa%em ) e&atamente o que (eus está
dizendo aos maridos e Ds esposas8 "-e+am amorosos"T
-e voc9 quiser ter um marido amoroso, se+a uma esposa amorosa. -e voc9 quiser ter uma esposa
amorosa, se+a um marido amoroso.
4&perimenteT
NuncionaT
6o começo, eu n'o sa*ia como ser amorosa. #inda estou aprendendo, mas estou muito melhor.
#penas se+a doce, carinhosa, a%radável e incentivadoraT
O Esp+rito é a &hae
= espírito firme sustem o omem na sua doen7a! mas o espírito abatido! quem o pode
suportarR
;v 5K.5G
Aoc9 compreende o que diz esse vers$culo< (iz que, independentemente, do que aconteça na
vida de uma pessoa, ela pode suportar, se tiver um esp$rito forte para sustentá,la nos momentos
dif$ceis. -e o esp$rito dela, entretanto, estiver fraco ou ferido, vai ter dificuldades para suportar
qualquer coisa.
-a*e o que há de errado com muitas pessoas no Corpo de Cristo, ho+e, e por que parece que n'o
conse%uem lidar com seus pro*lemas< E porque est'o fracas ] fracas no esp$rito.
# 3$*lia diz que devemos suportar as de*ilidades dos fracos. (>m !K.!." (evemos e&ortá,los e
ampará,los. (! s K.!F."
Aemos em >omanos !2.7 que um dos dons ministeriais para a Q%re+a ) o de e&ortar. 4&ortadores
s'o fáceis de reconhecer porque, quando estamos perto deles, nos fazem sentir melhores, pelas
palavras que dizem e por suas atitudes. .arece que lhes ) natural levantar, encora+ar e fortalecer
os outros com sua presença e personalidade.
.odemos n'o "estar na posiç'o de e&ortadores", mas podemos incentivar. .odemos e&ortar.
.odemos construir, edificar, levantar e transmitir vida. .odemos nos recusar a ser maldizentes.
.odemos nos recusar a fazer o tra*alho su+o do dia*o com nossa l$n%ua.
5eanime-se no Senhor
#avi muito se angustiou! pois o povo falava de apedre(/@lo! porque todos estavam em
amargura! cada um por causa de seus filos e de suas filas;
porém #avi se reanimou no &$.E=9! seu #eus.
5 &m >J.A
Aoc9 pode estar pensando8 "3em CoSce, esta ) uma *oa mensa%em mas a verdade ) que eu
preciso de al%u)m para me reanimarU.
(ei&e,me dizer,lhe o que fazer nessa situaç'o. 4u sei porque +á estive nela muitas vezes. 4m
meu minist)rio, costumava ficar t'o desencora+ada e deprimida que s0 queria desistir. .arecia
n'o haver nin%u)m para me reanimar.
Niquei t'o "estressada em fazer tudo perfeito" , tra*alho árduo, via%em cansativa. 6aquele
tempo eu ainda criava os filhos, lançava a *ase para um novo minist)rio, tomava incontáveis
decisões. 4stava ficando f$sica, mental e emocionalmente es%otada. -entia que necessitava de
incentivo, mas nem sempre havia al%u)m para isso.
6a verdade, eu ficava com raiva porque n'o havia nin%u)m para me incentivar. .ensava em
tudo que fazia pelos outros e o pouco que eles faziam por mim.
-a*e o que esse tipo de pensamento faz< 4nche a alma de amar%ura e ressentimento. 6'o ) a
reaç'o que o -enhor quer que tenhamos. (eus quer que nos ache%uemos a ele e encontremos
força e encora+amento nele.
Ninalmente aprendi que, em vez de ficar com raiva, amar%a e ressentida, deveria *uscar a (eus
com uma oraç'o sincera e humilde, e as coisas melhorariam muito para mim. 4u dizia8 Z-enhor,
preciso ser reanimada,[ e, em uma semana ou duas, (eus providenciava seis ou sete pessoas
para que me reanimassem. 4u comecei a rece*er cartões, presentes e flores.
.arecia que chovia de %ente ao meu redor com palavras e %estos de Jnimo. Mas, toda vez que
me permitia ficar ressentida e começava a murmurar so*re a falta de incentivo, as coisas
pioravam.
6o momento voc9 pode sentir que nin%u)m se importa com voc9, que nin%u)m o valoriza.
alvez se+a porque as pessoas s'o t'o e%oc9ntricas que n'o sa*em valorizar nin%u)mB ou,
talvez, n'o compreendam sua necessidade. -e voc9 se tornar amar%o e ressentido, elas nunca
aprender'o, e voc9 nunca rece*erá delas o que mais dese+a. 6a verdade, sua amar%ura e
ressentimento podem destruir voc9 e seu relacionamento. Mas, se voc9 levar seu fardo ao
-enhor, ele o ouvirá e o a+udará. (eus tem milhares de e&ortadores no Corpo de Cristo. 4le
enviará pessoas para levantar, reanimar e edificar voc9.
.rimeiro, oreB depois, plante.
6'o fique sentado esperando al%u)m encora+ar voc9. 6'o se recuse a encora+ar os outros s0
porque voc9 mesmo n'o está sendo encora+ado. 6'o espere que venham at) voc9B vá at) eles.
:em*re,se8 a re%ra espiritual ), voc9 colhe aquilo que semeia. 6o momento, voc9 pode estar
colhendo o fruto de sementes que semeou no passado, por recusar,se a encora+ar os outros, mas
isto pode mudar. M'os D o*ra e semeie nova safraT
Comece a ser um e&ortadorT
(+n$ua )ifamadora ou (+n$ua *ranq<ili2adora?
(e acordo com a concordJncia, a palavra %re%a traduzida como eDortar é paraValeo! e si%nifica
"chamar para perto".
/
4stá relacionada aparaVletos! traduzida como "Consolador, "na 6ersão
King James! e ) usada para referir,se ao 4sp$rito -anto.
@
;uando chamamos uma pessoa para fortalec9,la e encora+á,la a se%uir Cesus, porque (eus )
com ele, para fazer %randes coisas por interm)dio dele, estamos en%a+ados na e&ortaç'o.
2 que acontece<
2 *álsamo curador de Oileade começa a %ote+ar na alma ferida. (e repente, ela começa a
pensar8 "-im, creio que posso conse%uir".
E e&atamente isso o que o 4sp$rito -anto, o Consolador, faz por n0s8 ele vem para nos confortar,
encora+ar, incentivar a continuar, vem para nos impulsionar.
4 o que devemos fazer uns pelos outros.
2 que tudo isso si%nifica< -i%nifica que podemos escolher. .odemos a*rir a *oca e usá,la como
diabolos para difamar, acusar, achar falhas, espalhar insinuações e cr$ticas ou podemos usá,la
como paraVletos! para encora+ar, fortalecer, a+udar, inspirar e consolar.
;uando a*rimos a *oca, o que sai pode ser do dia*o ou do 4sp$rito -anto.
2 que vai ser<


Cada palavra desse vers$culo identifica as causas dos nossos pro*lemas8 ira, pai&'o, raiva,
temperamento dif$cil, ressentimento, 0dio, animosidade, %ritaria, *ri%a, contenda, pol9mica,
*lasf9mia, maledic9ncia, lin%ua%em a*usiva ou difamaç'o, mal$cia, rancor, má vontade ou
torpeza de qualquer tipo.
;ue listaT
;uais dessas coisas s'o os maiores pro*lemas para voc9<
6o meu caso, eram raiva e temperamento ruim. 4u tinha um temperamento terr$vel, mas n'o
tenho mais. 6o entanto, o mais dif$cil de superar e tratar foi a minha tend9ncia em ser áspera e
dura.
Noi um luta para renunciar a isso e aprender a me tornar mansa. -e o -enhor pXde fazer um
mila%re nessa área por mim, ele pode fazer por voc9 tam*)m.
Aoc9 e eu n'o temos de ter temperamentos ruins. 6'o temos de ficar loucos toda vez que
al%uma coisa n'o acontece do nosso +eito. emos a capacidade, no 4sp$rito -anto, de ser
a+ustados e adaptados. (>m !2.!/".
*ardio para Falar e *ardio para Se #rar
&abeis estas coisas! meus amados irmãos. ,odo omem! pois! se(a pronto para ouvir Bouvinte
disponívelC! tardio para falar! tardio para se irar.
,g 5.5?
ia%o nos diz para ser prontos para ouvir, mas tardios para falar, ofender e nos irar. (esses, o
mais importante , e quase sempre a parte mais dif$cil , ) ser tardio para falar. #o soltar a l$n%ua,
outras coisas começar'o a se soltar com ela.
Nicamos contrariados quando plane+amos al%o e aparece al%uma coisa para nos atrapalhar.
;uando acontece isso comi%o, aprendi a respirar fundo, fechar a *oca por um minuto, controlar,
me e, ent'o, se%uir em frente.
(i%o8 "udo *em, -enhor, com sua a+uda posso fazer isto. 6'o tenho de ter tudo do meu +eito.
(e acordo com >omanos !2, posso me adaptar. .osso mudar meus planos. (e todo +eito meus
planos foram mudados, ent'o eu tam*)m posso dei&ar o *arco correr".
%)ei8e o .arco &orrer%
.ara mim, "dei&ar o *arco correr" tem duplo sentido, por causa de um incidente que acontecia
com freqL9ncia quando meus filhos eram pequenos. .arecia,me que toda vez que nos
assentávamos para uma refeiç'o al%u)m derramava um copo de leite. -empre que acontecia, o
dia*o usava isso para me pertur*ar. Qmediatamente, eu ficava com raiva8 "6'o acreditoT 2lhe o
que voc9 fezT .assei a tarde toda arrumando o +antar e voc9 aca*a de estra%á,lo"T
Mas n'o era a minha fam$lia que estava estra%ando as refeições, era outra pessoa , e n'o era
-atanásT 4u achava que o pro*lema era o leite derramado, mas na verdade era eu.
6aquele tempo, tomávamos nossas refeições usando muitos pratos e talheres. ;uando o leite
derramava, escorria por de*ai&o de todos aqueles pratos e talheres e se%uia direto para "fenda"
no tampo da mesa em que ela ) e&pandida.
6a verdade, eu achava que o dia*o pro+etava esse tipo de mesa com fenda s0 para me dei&ar
louca. 1o+e, entendo que foi (eus quem a pro+etou daquela forma (pelo menos a minha" para
a+udar a crucificar o esp$rito impaciente em mim.
2 que mais me incomodava quando o leite derramava era que escorria pelos p)s da mesa e de
todos. inha de a*rir a mesa, limpar a fenda (onde normalmente havia muita su+eira acumulada,
o que fazia uma %rande lam*ança" e me a+oelhar e en%atinhar para de*ai&o da mesa para limpá,
la e limpar o ch'o. 6ossos filhos eram pequenos, por isso a cena do leite derramado virou
rotina. ;uando um deles derramava al%uma coisa, na mesma hora +á sa*iam que eu teria um
ataque. 4u me levantava num pulo, com raiva, e corria para pe%ar um pano. 4u me colocava de
quatro e en%atinhava de*ai&o da mesa, com as crianças chutando minha ca*eça.
(efinitivamente, eu n'o era uma "feliz dona de casa"T 6a verdade, ficava t'o louca que quase
e&plodia.
-a*ia que quando ficamos loucos assim, numa situaç'o fora do controle, é o momento de
aprender a aceitar com ale%ria<
"#ceitaç'o com ale%ria." 4ssa ) uma frase pequena e 5til que aprendi.
4m tais situações, o -enhor me ensinou a dizer8 "3em, aconteceu de novo e s0 (eus pode
resolver. 4, se 4le n'o resolver, ent'o devo aceitar com ale%ria".
-0 n'o sa*ia era como fazer isso quando tinha de ficar de +oelhos de*ai&o da mesa para limpar o
leite derramado. 4u ficava lá em*ai&o tendo um ataque, %ritando e *errando , a%indo como um
adulto mimado.
(urante uma dessas cenas, o 4sp$rito -anto falou comi%o, enquanto estava *em de*ai&o da
mesa8 "-a*e, CoSce, nem todo ataque do mundo fará com que esse leite derramado su*a pelos
p)s da mesa, atravesse,a e volte para dentro daquele copo".
4m outras palavras, ele me dizia que o acesso de raiva n'o iria reverter a situaç'o.
4ssa ) uma dentre várias lições, que dese+o compartilhar com voc9 neste cap$tulo.
6'o importa qu'o enraivecido fique, qu'o irado se torne, qu'o impaciente possa estar, n'o
importa que tipo de f5ria voc9 sinta ou que tipo de ataque possa armar , nada disso vai mudar o
quadro.
-e voc9 ) pe%o num en%arrafamento, pode fazer um estardalhaço, fume%ar, *errar e irar,se
durante uma hora inteira e n'o vai adiantar nada, porque n'o sairá de lá nem um minuto mais
cedo. Aoc9 terá dor de ca*eça, dor no pescoço, dor nas costas, desordem estomacal, erupç'o de
pele, press'o alta, possivelmente uma 5lcera e at) um colapso nervoso, se n'o tiver antes um
ataque do coraç'o ou derrame.
Aale a pena<
2 -enhor me disse de*ai&o da mesa naquela noite8 "-a*e CoSce, voc9 tam*)m pode aprender a
dei&ar o *arco correr. -e o leite escorre pelos p)s da mesa, vá com ele e n'o perca sua paz".
Noi a$ que comecei a aprender a "dei&ar o *arco correr." Muito mais coisas a%radáveis saem de
minha *oca quando dei&o o *arco correr ao inv)s de ir contra ele.
Seja Adaptáel e Ajustáel
,ende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulosos Besnobes!
soberbos! metidosC! condescendei com )pessoas! coisas* o que é umilde; não se(ais s/bios aos
vossos pr'prios olos.
9m 5I.5A
(e acordo com o ap0stolo .aulo, podemos aprender a ser adaptáveis e a+ustáveis. am*)m
podemos ser maleáveis e fle&$veis.
6'o quer dizer que n'o ha+a coisas Ds quais tenhamos de resistir ou mudarB ou que a%ora vamos
nos deitar e dei&ar que o mundo e o dia*o nos atropelem.
Mas há questões menores que sur%em no nosso dia,a,dia, rou*am nossa paz e so*re as quais n'o
podemos fazer a*solutamente nada. .recisamos aprender como lidar com essas pequenas
irritações, como nos acalmar e parar de ter um ataque toda vez que a m$nima coisa dá errado.
4m 4f)sios F.I!, .aulo lista as causas dos nossos pro*lemas, como amar%ura, c0lera, ira,
%ritaria, *lasf9mias e mal$cia. Creio que cada uma delas tem uma raiz e uma cura. Creio que a
raiz ) o or%ulho, a auto,sufici9ncia e o e%ocentrismo 4m outras palavras, temos pro*lemas
porque queremos o que queremos quando queremos.
Como .aulo aponta em >omanos !2.!/, temos uma opini'o t'o inflada so*re n0s mesmos que
pensamos que temos o direito de ter tudo do nosso +eito. 4 por isso que ficamos t'o loucos
quando as coisas n'o acontecem do +eito que queremos ou esperamos. Qra %era palavras iradas, e
quase sempre aca*amos ferindo os outros.
)e onde Vem a &ontenda?
#e onde procedem guerras Bbrigas e discuss+esC e contendas Bdisc'rdias! disputasC que /
entre v'sR #e onde! senão dos prazeres que militam na vossa carneR
4obi7ais )dese(ais o que os outros têm* e nada tendes; matais )odiar é matar*! e inve(ais! e
nada podeis obter )a gratifica7ão! o contentamento e a felicidade dese(ada*; viveis a lutar e a
fazer guerras. .ada tendes! porque não pedis;)=u* pedis )a #eus* e não recebeis! porque pedis
mal! para esban(ardes )quando conseguis o que pedis* em vossos prazeres.
,g G.5@>
-e pararmos para analisar, temos um pro*lema tremendo com o e%o$smo, n'o ) mesmo< 4sse
pecado era o meu pro*lema, por isso precisava tanto ser tratada nessa área.
6'o sei se voc9 ) como eu, mas minha carne (minha natureza carnal" ama a si mesma. 4la
sempre quer as coisas da sua pr0pria maneira, mas n'o posso dei&á,la satisfazer,se o tempo
todo.
4 essa ne%aç'o causa conflito.
Aoc9 conhece as duas razões principais pelas quais as pessoas discutem< .rimeiro, para provar
que est'o certas, porque sempre querem estar certasB se%undo, para fazer as coisas D sua
maneira, porque sempre querem sua pr0pria maneira em tudo.
.recisamos aprender que (eus ) o 5nico que pode nos colocar no caminho certo. ;uando as
coisas n'o acontecem da maneira que queremos, temos apenas que nos acalmar e e&ercitar a
humildade um pouco mais. (evemos entender que as menores coisas que nos irritam e pelas
quais discutimos n'o fazem tanta diferença assim na vida. 2 que importa ) a unç'o de (eusB e a
5nica coisa que vai manter essa unç'o ) nossa disposiç'o de vivermos +untos em paz e
harmonia.
&e quisermos a un7ão de #eus! devemos viver (untos em paz e armonia com nossos irmãos e
irmãs em 4risto:
O 'mor não é E$o+sta
= amor é paciente! é benigno; o amor não arde em ciTmes! não se ufana! não se ensoberbece!
não se conduz inconvenientemente Bnão é arrogante ou orgulosoC! não procura os seus
interesses! não se eDaspera! não se ressente do mal...
5 4o 5>.G@F
# soluç'o para o pro*lema da discuss'o ) o amor. emos de aprender a amar a paz e a
harmonia com todo o nosso ser. emos que amá,las tanto a ponto de preferi,las a estar certos ou
fazer as coisas do nosso +eito.
Qsso ) o que .aulo quis dizer quando declarou8 #ia ap's dia morro:\ (! Co !K.I!." Morrer para
n0s mesmos ) al%o que voc9 e eu temos de praticar diariamente para ter paz e harmonia.
:em*ro,me de uma discuss'o que (ave e eu tivemos al%uns anos atrás so*re a cor das listras
que colocar$amos em nossa 6an. -erá que seria importante, dali a seis meses ou seis anos, se as
listras da 6an estivessem da maneira que eu queria, sa*endo que isso causou uma %uerra entre
n0s<
6'o ia ficar pendurada na +anela olhando as listras o tempo todo. 4, mesmo que ficasse, lo%o
estariam co*ertas de su+eira, a ponto de n'o mais se ver a cor delas.
.or que começamos %uerras por coisinhas, ninharias< .or duas razões8 porque queremos estar
certos e porque queremos do nosso +eito, o que é e%o$smo.
;ual ) a soluç'o para o pro*lema do e%o$smo< #morB o amor que se importa mais pelas
opiniões e dese+os dos outros do que pelo seu pr0prio.
6este estudo, o -enhor está pedindo para voc9 e para mim, pelo poder do 4sp$rito -anto, para
fazermos al%umas escolhas. (evemos escolher su*ir mais alto, desistir de tentar ter tudo do
nosso +eito o tempo todo e lem*rar que o que quer que este+a em nosso coraç'o sai da nossa
*oca. (Mt !2.IF."
A paz tem um pre7o! e! se escolermos pag/@lo! as recompensas valem a pena.
Se$ui a -a2
;orque o reino de #eus não é comida nem bebida! mas (usti7a Baquele estado que torna uma
pessoa aceit/vel a #eusC! e paz )no cora7ão*! e alegria no $spírito &anto. Aquele que deste
modo serve a 4risto é agrad/vel a #eus e aprovado pelos omens. Assim! pois! seguimos as
coisas da paz e também as da edifica7ão BdesenvolvimentoC de uns para com os outros.
9m 5G.5H@5?
# versão King James do vers$culo !? diz8 ;ortanto! seguimos as coisas que fazem a paz e as
coisas das quais um possa edificar ao outro.
Creio que o que o -enhor está nos revelando nessa passa%em ) a necessidade vital de andarmos
na paz. (e acordo com 4f)sios /.!K, a paz ) parte da armadura de (eus com a qual devemos
nos cin%ir.
(eus tem a*ençoado o nosso minist)rio. Uma das razões ) porque ele está *aseado em certos
princ$pios que nos foram revelados pelo -enhor e esta*elecidos por n0s quando começamos.
;uando Cesus enviou seus disc$pulos de dois em dois para pre%ar e curar, ele ordenou que
fossem a cada cidade, encontrassem uma casa di%na para ficar e dissessem Ds pessoas8 ".az se+a
conti%o." Cesus continuou dizendo que se fossem aceitos deveriam permanecer lá e ministrar,
mas se n'o fossem aceitos deveriam sair e sacudir o p0 dos seus p)s. (Mt !M.!!,!K".
4u ficava ima%inando por que Cesus teria dito isso, ent'o o -enhor me revelou que se os
disc$pulos permanecessem em uma casa ou cidade que estivesse em contenda, eles n'o
conse%uiriam fazer nenhum tra*alho lá. -a*e por qu9< .orque contenda ofende o 4sp$rito -anto.
;uando a paz sai, o 4sp$rito -anto sai, e ele ) o 5nico que faz o verdadeiro tra*alho. ;uando
voc9 ima%ina Cesus ministrando aos outros, como voc9 o v9< Certamente n'o era de maneira
apressada, como normalmente fazemos. .elo contrário, voc9 pode ima%iná,lo ministrando com
uma paz tranqLila e serena.
6a )poca da .áscoa, assisti a parte do filme Jesus de .azaré. 2 que mais me impressionou foi a
resposta de Cesus Ds pessoas ao seu redor. #l%umas rea%iam violentamente contra ele, &in%ando,
o e at) mesmo +o%ando coisas nele, mas n'o importava como o tratassemB ele nunca perdia o
controle, ficava chateado ou revidava. 4u admirei o tra*alho maravilhoso que aqueles cineastas
fizeram ao retratar a paz interior e o equil$*rio que nosso -enhor manteve, apesar das
circunstJncias.
4sse ) um traço que voc9 e eu temos que desenvolver. Como em*ai&adores de Cristo, devemos
ser parecidos com nosso Mestre.
-e quisermos fazer qualquer coisa por nosso -enhor e -alvador, precisamos aprender a ter fome
e sede de paz, porque ) nessa área que -atanás está rou*ando do povo de (eus. -e tivermos um
esp$rito pac$fico, teremos uma l$n%ua pac$fica.
&uidado com Sua (in$ua$em
&abemos! porém! que a lei é boa! se alguém dela se utiliza de modo legítimo.
5 ,m 5%K
Oestos, tom de voz e e&pressões faciais transmitem a mensa%em tanto quanto as palavras. E
poss$vel dizer todas as coisas certas e, mesmo assim transmitir uma mensa%em completamente
errada.
6o in$cio do nosso casamento, quando meu marido me pedia para fazer al%o que realmente n'o
queria fazer, eu dizia8 "-im, querido". >espondia num tom t'o sarcástico que ele sa*ia o que
realmente eu queria dizer. 4le sa*ia que eu n'o estava dizendo8 "-im, querido, voc9 ) um
marido t'o maravilhoso que, mesmo que n'o queira fazer o que pediu, farei porque eu o amo".
#o contrário, ele sa*ia que realmente eu estava dizendo8 "-im, querido, farei como voc9 pediu,
mas somente porque tenho de fazer".
#s palavras disseram sim, mas o tom de voz e a e&press'o facial transmitiram uma mensa%em
*em diferente.
)ois *ipos de #ra
;orque a ira do omem não produz a (usti7a de #eus )dese(os e pedidos*.
;ortanto! despo(ando@vos de toda impureza e acTmulo de maldade! acolei! com mansidão
Bgentileza! modéstiaC! a palavra em v's implantada )em seu cora7ão*! a qual é poderosa para
salvar a vossa alma.
,g 5.IJ@I5
6esta passa%em, ia%o nos diz que a ira do homem n'o produz a +ustiça de (eus, e ) verdade. E
por isso que devemos controlar nossa ira e outras emoções peri%osas. Mas há uma ira +usta.
Creio que há momentos em que n'o faz mal ficar furioso e demonstrar ira.
.or e&emplo, Cesus ficou irado e purificou o templo porque compravam, vendiam, corrompiam
a casa de (eus (Co 2.!I,!@" e n'o cuidavam das pessoas %enuinamente. 4le entrou naquele lu%ar
virando as mesas, e&pulsando os animais com um chicote, indi%nado com o que estava
acontecendo, e n'o creio que Cesus estava sussurrando quando fez isso. 4le estava irado e tinha
todo o direito de se sentir assim. # ira de Cesus era uma ira +usta. am*)m temos o direito de
sentir o mesmo tipo de ira.
(eus nos deu sentimentos, e a ira ) um deles. -em ira, n'o poder$amos discernir se al%u)m está
a*usando de n0s. -e eu pre%asse que nunca devemos nos irar, estaria prescrevendo al%o
imposs$vel. 2 sentimento da ira deve se su*meter ao fruto espiritual do dom$nio pr0prio.
4ssa diferença pode ser decidida pelo que ) chamado na 3$*lia de "instruç'o da *ondade".
' #nstru!ão da .ondade
Nala com sabedoria! e a instru7ão da bondade est/ na sua língua )que aconsela e instrui*.
;v >5.IA
Um dos maiores pro*lemas para controlar a ira e minhas palavras era o fato de nos primeiros
anos de minha vida ter sido maltratada e a*usada. Como resultado, tornei,me uma pessoa áspera
e dura, determinada a n'o permitir que nin%u)m me ferisse de novo, e essa atitude influenciou
minhas palavras e meu discurso.
4m*ora tentasse dizer coisas certas e a%radáveis aos outros, por causa da dureza e da amar%ura
que estavam escondidas em minha alma, as palavras sa$am ásperas e duras.
6'o importa qu'o certo seu coraç'o possa estar diante do -enhorB se voc9 tem or%ulho, ira ou
ressentimento em seu esp$rito, n'o vai conse%uir a*rir a *oca sem e&pressar esses traços e
sentimentos ne%ativos.
.or qu9< .orque, como Cesus nos disse, a *oca fala do que está cheio o coraç'o. (Mt !2.IF."
2 -enhor tinha uma o*ra para fazer em mim. # %entileza se tornou um assunto,chave em minha
vida. .arte do que (eus me revelou em sua palavra so*re esse assunto foi o que está escrito em
.rov)r*ios I!, o cap$tulo que fala da "mulher virtuosa". 6ele, o escritor diz que na l$n%ua está a
instruç'o da *ondade.
;uando li isso, pensei8 "2hT (eus, eu tenho tudo em minha l$n%ua menos a instruç'o da
*ondade". .arecia que estava t'o dura por dentro que toda vez que a*ria a *oca sa$a um martelo.
Aoc9 pode estar na mesma situaç'o. .ode ter sido maltratado e a*usado como eu e, por isso,
este+a cheio de 0dio, ressentimento, desconfiança, ira e hostilidade. #o inv)s de *ondade e
%entileza, voc9 está cheio de aspereza e dureza. #o inv)s da lei da *ondade, voc9 vive pela lei
da selva.
! "u#o da $ondade
,omai sobre v's o meu (ugo e aprendei de mim! porque sou manso Bd'cilC e umilde BsimplesC
de cora7ão; e acareis descanso Balívio! sossego e refrigérioC para a vossa alma. ;orque o meu
(ugo é suave BTtil! bom Q não /spero! pesado! difícil! mas confort/vel! gracioso e agrad/velC! e
o meu fardo é leve. Lt 55.I?@>J
#ntes de o -enhor fazer uma o*ra em minha l$n%ua, eu era terr$vel. 6'o podia nem mesmo dizer
Ds crianças para +o%ar fora o li&o sem parecer um sar%ento. ;uem quer viver com uma pessoa
assim< 4u n'o queria ser daquele +eito, sempre t'o irritada e impaciente.
Aoc9 ) assim< -e for, posso dizer que voc9 está se tornando mais infeliz que qualquer outra
pessoa. 6'o estou dizendo isso para trazer,lhe condenaç'o, mas para derramar um pouco de luz
na raiz de muitos de seus pro*lemas.
6osso principal pro*lema está *em de*ai&o do nosso nariz, em nossa *oca. Como vimos, ia%o
nos diz que nenhum homem pode domar a l$n%ua, mas há al%o que podemos fazer. .odemos
su*met9,la a (eus, pedindo que seu 4sp$rito tome o controle de nossa l$n%ua e tra%a,a em
su*miss'o D sua vontade.
Qsso ) parte do que Cesus estava falando quando nos disse para tomar seu fardo.
Se=a :entil, mas Firme4
A sabedoria! porém! l/ do alto é! primeiramente! pura Bnão contaminadaC; depois! pacífica!
indulgente Btem considera7ão! gentilC! )est/ disposta a ser* trat/vel! plena de miseric'rdia e de
bons frutos! imparcial! sem fingimento Blivre de dTvidas! esita7ãoC.
,g >.5H
:em*ro,me que estava em casa procurando a palavra "%entil" na concordJncia de &trong
dizendo8 "-enhor, tu tens de me a+udar"T
4u pensei que nunca poderia ser %entil.
Ninalmente, o -enhor começou a fazer uma o*ra em mim na área da %entileza.
2 5nico pro*lema era que, como tantas outras pessoas no Corpo de Cristo, eu era tão radical
que n'o conse%uia "alcançar um meio,termo." Uma vez notei que estava inse%ura em uma área
e pensei de tinha que ir numa direç'o totalmente oposta.
"#+ustei" e "adaptei" demais. 4u me tornei "t'o %entil", "*oa" e "paciente" que n'o e&ercia
nenhuma disciplina so*re meu filho mais novo, que nasceu depois que meus outros filhos
estavam crescidos.
am*)m afundei no meu relacionamento com os outros.
(ei&ei que as coisas sa$ssem do controle em meu casamento, em minha casa e em meu
minist)rio. -0 que estava t'o acomodada e compreensiva que me tornei ineficaz ao lidar com
pessoas ou situações que pediam uma m'o firme. 4 continuava dizendo para mim mesma8
"CoSce, voc9 se superouT Aoc9 lidou com aquela situaç'o t'o *emT Aoc9 foi t'o doceU.
Nez,me sentir *em pensar que era t'o "doce" , principalmente quando lidava com meu filho.
Mas ele n'o estava mudando, pelo menos para melhor. 6a verdade, estava ficando pior.
Um dia fiquei louca com ele e o avisei8 "2lhe, nunca mais faça isso de novo"T 4 ele n'o fez.
3usque sempre o equil$*rio no amor firme e demonstre uma atitude *randa e suave.
1o+e, meu filho ) precioso para mim, mas há momentos em que tenho de dizer,lhe de maneira
firme8 "3asta, eu amo voc9, mas n'o vou tolerar esse tipo de comportamento".
#prendi com minhas e&peri9ncias que um e&tremo ) t'o ruim quanto o outro. 2 que devemos
aprender em tudo isso ) o equilíbrio.
-e, por um lado, n'o podemos ser ásperos e duros, por outro, n'o devemos ser fracos e
e&cessivamente suaves. 6'o devemos ser irritáveis e impacientes, irando e a%indo com emoç'oB
tampouco ser t'o mansos a ponto de nos tornarmos capachos e muros de lamentaç'o dos que
querem levar vanta%em so*re n0s.
1á tempo para ser pacientes e tolerantes, e há tempo para ser firmes e decididos. 1á tempo para
"n'o nos irar" e tempo de demonstrar +usta indi%naç'o. 4 sá*io sa*er quando fazer qualquer
coisa.
Semeado em -a2 pelos 1ue Estão na -a2
=ra! é em paz que se semeia o fruto da (usti7a Bde conformidade com a vontade de #eus em
obras e pensamentosC! para Bo fruto da sementeC os que promovem a paz )neles mesmos e nos
outros! aquela paz que significa conc'rdia e armonia entre indivíduos com uma mente
pacífica! livre de temores! paiD+es e conflitos morais*.
,g >.5K
4ste é um vers$culo muito importante.
Aoc9 sa*e por que -atanás tenta nos dei&ar preocupados antes de irmos D i%re+a e por que ele
tenta de tudo para dei&ar o pre%ador preocupado antes que ele su*a ao p5lpito<
.orque o dia*o n'o quer que nos reunamos em uma atitude de paz. 4le sa*e que se estivermos
pertur*ados as palavras que ouvirmos n'o nos atin%ir'o. 4las n'o criar'o ra$zes. 6ossas
palavras deveriam carre%ar vida, e n'o tumulto.
4sse vers$culo diz que a colheita da +ustiça ) o fruto da semente semeada em paz por aqueles
que tra*alham e promovem a paz em si mesmos e nos outros.
6'o me admira o -enhor ter,me dito para n'o tentar promover a paz na vida dos outros sem
antes tirar a contenda da minha vida.
Cá ima%inou por que voc9 ouve uma mensa%em pre%ada por pessoas diferentes, em momentos
diferentes, e n'o tem nenhum efeito e, de repente, voc9 ouve a mesma mensa%em e ela tem um
%rande si%nificado para voc9<
4 por causa da unç'o que está na mensa%em, quando ) pre%ada por al%u)m que semeia a
semente enquanto vive em paz, al%u)m que n'o tem contenda em sua vida.
Qsso n'o si%nifica que o pre%ador se+a perfeito. .ara que a palavra do -enhor crie ra$zes, deve
ser semeada num solo de paz, por al%u)m que este+a andando em paz.
.or isso, se voc9 pretende ou plane+a tra*alhar para o -enhor, deve tirar a contenda de sua vida.
-imples assim.
"?s *emos uma Escolha
... escolei! o(e...
Js IG.5F
2 dia*o tenta, de todas as formas, nos dei&ar preocupados e, realmente, conse%ue. Mas n'o )
porque ele nos forçaB ) porque n0s escolhemos.
# escolha ) sempre nossa.
Aoc9 sa*ia que a maneira como rea%imos em cada situaç'o ) uma escolha< Cada um de n0s tem
atitudes. #titudes produzem respostas para situações. 60s respondemos o dia todo, todos os
dias, mas nem sempre da mesma forma.
.or que duas pessoas diferentes podem estar no mesmo en%arrafamento e uma rea%ir de um
+eito e a outra rea%ir de forma completamente diferente< E por causa de suas atitudes diferentes
que as levam a fazer escolhas diferentes.
E por isso que al%umas vezes podemos falar al%uma coisa para duas pessoas diferentes, e uma
delas ficará pertur*ada e ofendida enquanto a outra n'o se importará nem um pouco.
enho uma personalidade muito franca. #l%umas pessoas %ostam disso e outras, n'o. Uma
pessoa pode pensar que o que aca*ei de dizer ) maravilhoso, enquanto outra pode achar que é
terr$vel. .or qu9< .orque uma pode ser se%ura e a outra, inse%ura.
(a mesma forma, voc9 e eu temos uma escolha so*re as reações em várias situações da vida.
"Mas, CoSce, isso n'o pode ser t'o simples quanto fazer uma escolha. Como voc9 diz, as
pessoas s'o diferentes e, portanto, elas t9m maneiras diferentes de perce*er, de e&perimentar e
de se relacionar com as influ9ncias e&teriores."
-im, eu sei que temos um perfil psicol0%ico diferente, e cada um de n0s foi e&posto a
e&peri9ncias diferentes na vida que nos formaram e moldaram de formas diferentes. -ei que a
maioria de n0s carre%a má%oas e outros tipos de feridas mentais, emocionais e espirituais e que
n'o há dois de n0s e&atamente i%uais. Mas a verdade ) que, independentemente de nossas
diferenças, temos o poder de fazer uma escolha so*re como vamos responder Ds situações e
circunstJncias e&ternas.
6ossas feridas e dores passadas podem fazer com que tenhamos reações ne%ativas, mas
superamos essas respostas ne%ativas aprendendo a palavra de (eus e escolhendo a%ir de acordo
com ela, em vez de rea%ir Ds circunstJncias.
(eus nos criou com o livre,ar*$trio, com a capacidade e a li*erdade de tomar nossas pr0prias
decisões. #cho que a palavra que (eus está compartilhando conosco em nosso tempo ) a
mesma que ele falou aos filhos de Qsrael nos dias de Cosu)8 $scolei! o(e. (Cs 2F.!K."

4sse vers$culo espelha a mesma mensa%em de .rov)r*ios !7.2!, que diz que com a l$n%ua
ministramos vida ou morte.
Z por isso que por toda a palavra de (eus nos ) dito que devemos cuidadosos ao usar a l$n%ua e
prestar a atenç'o em nossas palavras. .aulo disse, em 4f)sios F.2?8
.ão saia da vossa boca nenuma palavra torpe! e sim unicamente a que for boa para
edifica7ão! conforme a necessidade! e! assim! transmita gra7a aos que ouvem.
Aoc9 e eu nunca devemos falar coisas que façam com que as pessoas desistam. 6'o devemos
nos dei&ar poluir com palavras ne%ativas que saem de nossos lá*ios. 2 escritor de .rov)r*ios
nos diz que a l$n%ua perversa que*ranta o esp$rito. 2*serve que a palavra "esp$rito" ) escrita
com o "e" min5sculo, porque n'o se refere ao 4sp$rito &anto! e sim ao esp$rito humano. #
depress'o ) outro pro*lema criado e aumentado por palavras e pensamentos errados , os nossos
ou de outras pessoas.
6'o usemos a l$n%ua para ferir, que*rantar ou deprimir, mas para curar, restaurar e encora+ar.
En$randecendo o .em sobre o Mal
.ão te deiDes vencer do mal! mas vence BdomineC o mal com o bem.
9m 5I.I5
2 que creio que o -enhor quer nos ensinar ) que, em cada situaç'o, há al%o *om e ruim, assim
como nas pessoas há o *em e o mal.
odos os dias haverá al%umas coisas que nos a%radam e haverá coisas que podemos dispensar.
.or sermos filhos da luz, para en%randecer o -enhor, 4le quer que aprendamos a en%randecer o
*em na vida nos outros e em n0s mesmos.
6esse sentido, en%randecer si%nifica tornar maior. ;uando levantamos nossa voz e dizemos
"-enhor, n0s te en%randecemos", tornamos (eus maior que todos os nossos pro*lemas. Qsso ) o
que ele quer que façamos com o *em em nossa vida , torná,lo maior que o mal.
6ovamente, essa ) uma escolha que precisamos renovar constante e continuamente para que ela
se torne um há*ito em n0s.
Superando a Fortale2a do "e$atiismo
;orque as armas da nossa milícia não são carnais )armas feitas de carne e sangue*! e sim
poderosas em #eus! para destruir fortalezas! anulando n's sofismas.
I 4o 5J.G
# 3$*lia fala so*re fortalezas que s'o constru$das dentro de n0s , especialmente na mente. #t)
que tais fortalezas se+am destru$das, elas v'o nos causar pro*lemas.
2 -enhor me mostrou que uma fortaleza ) como um muro de ti+olos. 4la ) constru$da com um
ti+olo de cada vez, pelo revezamento de certos tipos de pensamentos. .oder$amos dizer que, por
termos os mesmos pensamentos, repetidamente, por um per$odo de tempo, criamos sulcos na
mente. Uma vez esta*elecidos, esses sulcos ou formas ha*ituais de pensar e ver as coisas se
tornam muito dif$ceis de mudar.
Uma vez aconselhei uma +ovem que tinha uma auto,ima%em terr$vel. Qsso aconteceu porque
durante toda a vida foi,lhe dito, repetidamente, que n'o prestava e nunca seria %rande coisa.
;uando ficou mais velha, ela começou a reprisar aquela mensa%em8 "4u n'o sou *oa. 6unca
serei %rande coisa. (eve haver al%uma coisa errada comi%o, sen'o as pessoas me amariam e me
tratariam *em".
4ntendo como essas fortalezas s'o constru$das na vida de uma pessoa porque aconteceu
comi%o. Como disse, eu era muito ne%ativa nos pensamentos e palavrasB porque muitas coisas
ne%ativas aconteceram comi%o e me foram ditas.
Cresci num am*iente ne%ativo , cercada de pessoas ne%ativas, que olhavam as coisas de forma
ne%ativa. #prendi a ser da mesma maneira, e quando cresci senti que estava me prote%endo por
ter uma vis'o ne%ativa da vida. .ensava que se n'o esperasse que nada de *om acontecesse
comi%o, n'o ficaria desapontada quando acontecesse. :em*re,se, eu era deprimida e dif$cil de
lidarB tam*)m tinha muitas doenças f$sicas associadas a pessoas ne%ativas.
4m meu minist)rio, conheço pessoas assim o tempo todo. #ssim como eu, elas foram criadas
em um am*iente ne%ativo, por isso t9m um esp$rito ne%ativo. 6'o ) a%radável conviver com
pessoas assim. 6'o s'o a%radáveis nem para si mesmasB mas há uma maneira de evitar que nos
tornemos ne%ativos , ou superar isso, se +á somos.
6m 5elat?rio "e$atio
$! diante dos filos de 2srael! infamaram a terra que aviam espiado! dizendo% A terra pelo
meio da qual passamos a espiar é terra que devora os seus moradores; e todo o povo que vimos
nela são omens de grande estatura.
.m 5>.>I
#qui está uma verdade que eu %ostaria %ue oc& tomasse posse8 (eus considera ne%ativos os
relat0rios ruins.
E por isso que o t$tulo deste cap$tulo ) "6'o fale palavras torpes".
#l)m de n'o falar ne%ativamente so*re as circunstJncias como os espias he*reus fizeram e
foram corri%idos pelo -enhor, tam*)m n'o devemos falar ne%ativamente so*re outras pessoas.
Aoc9 conhece al%u)m que se+a perfeito< Cá encontrou o pastor perfeito, a Q%re+a perfeita ou o
lu%ar de tra*alho perfeito< Aoc9 vive numa vizinhança perfeita< #l%u)m ao seu redor mant)m a
casa, o carro e o quintal em perfeitas condições<
udo li%ado a esse reino natural tem um pouco de decad9ncia.
2 ap0stolo .aulo nos diz que, quando Cesus voltar para nos rece*er, seremos transformados de
corrupt$veis para incorrupt$veis (! Co !K.K!,KK", mas, enquanto estivermos aqui neste reino
terreno, sempre teremos de lidar com a corrupç'o.
#ssim como n0s, muita pessoas s'o um "saco de mistura." # maioria tem al%uma coisa *oa e
má, tal como n0s. (eus n'o quer que aumentemos o mal nos outros ou em n0s mesmos. 4le
quer que aumentemos o *em.
2 ap0stolo .edro diz que o amor co*re uma multid'o de pecados. (! .e F.7." 4 o que voc9 e eu
devemos fazer. (evemos co*rir ,n'o e&por, as imperfeições das pessoas.
6'o estou falando de fechar os olhos para tudo de ruim nesta vida ou nunca reconhec9,lo e lidar
com ele. 2 que estou tratando neste estudo n'o ) das nossas ações e&ternas, mas dos
pensamentos que ocupam a mente e das palavras que saem de nossa *oca.
6'o importa se uma pessoa está a%indo mal comi%o ou com voc9. Contar a todo mundo o que
está acontecendo conosco n'o vai melhorar nada a situaç'o. 1á somente uma coisa que vai
faz9,la melhorar8 voltarmo,nos para o -enhor e clamar pela sua a+uda.
# raz'o pela qual precisamos parar de correr para os outros, quei&ando,nos da nossa situaç'o, )
porque, quando a%imos assim, outro ti+olo ) acrescentado D fortaleza que está sendo constru$da
em nossa vida.
Qsso n'o si%nifica que nunca devemos falar so*re nossa situaç'o ou pro*lema. -e precisarmos
de aconselhamento nessa área, devemos *uscá,lo. -e pudermos falar do pro*lema com al%u)m
que tem o poder de mudar isso em n0s, ent'o, por todos os meios, devemos *uscá,lo. Mas s0
levar hist0rias v's so*re uma situaç'o ne%ativa n'o vai melhorá,la, s0 vai piorá,la.
6'o estou dizendo que nunca devemos falar so*re nossos pro*lemas. 4stou dizendo que
precisamos falar com prop'sito.
4m Mateus !2.I/, Cesus disse que daremos conta de nossas palavras fr$volas, o que a vers'o
King James chama de toda palavra vã. .recisamos manter essa verdade em nossa mente antes
de a*rir a *oca. 4sse foi o erro que os espias cometeram e foram corri%idos pelo -enhor , por
entre%ar um relat0rio ruim, ne%ativo , a Mois)s e ao povo de Qsrael.
5elat?rio .om ou 5uim?
Ao cabo de quarenta dias! voltaram de espiar a terra! caminaram e vieram a Loisés! e a
Arão! e a toda a congrega7ão dos filos de 2srael no deserto de ;arã! a 4ades; deram@les
conta! a eles e a toda a congrega7ão! e mostraram@les o fruto da terra.
9elataram a Loisés e disseram% Nomos " terra a que nos enviaste; e! verdadeiramente! mana
leite e mel; este é o fruto dela. = povo! porém! que abita nessa terra é poderoso! e as cidades!
mui grandes e fortificadas; também vimos ali os filos de Anaque )de grande estatura e
coragem*.
$ntão! 4alebe fez calar o povo perante Loisés e disse% $ia: &ubamos e possuamos a terra!
porque! certamente! prevaleceremos contra ela.
;orém os omens que com ele tinam subido disseram% .ão poderemos subir contra aquele
povo )de 4anaã*! porque é mais forte do que n's.
$! diante dos filos de 2srael! infamaram a terra que aviam espiado! dizendo% A terra pelo
meio da qual passamos a espiar é terra que devora os seus moradores; e todo o povo que vimos
nela são omens de grande estatura.
,ambém vimos ali gigantes Bos filos de Anaque são descendentes de gigantesC! e éramos! aos
nossos pr'prios olos! como gafanotos e assim também o éramos aos seus olos.
.m 5>.IF@IK; >J@>>
;uando os doze espias voltaram da e&pediç'o de reconhecimento na terra prometida, somente
Cosu) e Cale*e deram um relat0rio favorável. 2s outros dez produziram um relat0rio ruim ou
ne%ativo.
6'o foram todos para o mesmo lu%ar e n'o e&perimentaram as mesmas coisas< 4nt'o por que
essa diver%9ncia em seus relat0rios<
Aoc9 sa*ia que cinco pessoas podem ser confrontadas com a mesma tri*ulaç'o, quatro podem
ser totalmente derrotadas, simplesmente, por causa da sua atitude e uma pode sair vitoriosa pela
mesma raz'o<
.or que a diferença< .orque uma escolhe en%randecer o *om, enquanto as outras escolhem
en%randecer o ruim.
:em*re,se8 assim como na hist0ria dos %i%antes de Cana', tudo o que é en%randecido se torna
ainda maior aos olhos daquele que está en%randecendo.
&e(a o que for que este(amos falando @ isso é o que vai se realizar @! se(a negativo ou positivo.
Mantenha o Vaso -urificado e -reparado para 6so do Mestre
=ra! numa grande casa não / somente utensílios de ouro e de prata; / também )utensílios*
de madeira e de barro. Alguns! para onra; outros! porém! para desonra. Assim! pois! se
alguém a si mesmo se purificar )do que é impuro e vil! que se separa do contato com
influências corruptas e contaminadas* destes erros! ser/ utensílio para onra! santificado e Ttil
ao seu possuidor! estando preparado para toda boa obra.
I ,m I.IJ@I5
E dif$cil n'o falar so*re os nossos pro*lemas. Aoc9 sa*e por qu9< .orque queremos compai&'o.
-e continuarmos a falar para todo mundo como nos sentimos e como as coisas est'o horr$veis,
n'o vai demorar muito e n'o haverá mais nin%u)m com quem conversar.
E poss$vel cansar as pessoas com nosso relat0rio ne%ativo , mesmo aquelas que mais se
importam conosco.
6'o importa o quanto nos amem, elas n'o querem ouvir aquele mesmo relat0rio ne%ativo dia
ap0s dia. Uma raz'o ) porque +á t9m seus pr0prios pro*lemas e n'o querem nem precisam
suportar os nossos.
Qsso ) compreens$vel.
;uantos de n0s pode verdadeiramente dizer que quer ouvir os pro*lemas de al%u)m o tempo
todo< -e a quest'o ) essa, talvez n's é que precisemos de aconselhamento e oraç'oT
Aoc9 e eu temos duas responsa*ilidades em relaç'o aos "relat0rios ruins"8 primeiro, n'o
produzi,losB se%undo, n'o rece*9,los.
Cada um de n0s tem a responsa*ilidade de n'o falar ne%ativamente e n'o permitir que falem
conosco dessa maneira.
E nossa responsa*ilidade a+udar,nos uns aos outros de forma piedosa, evitando pensar e falar
ne%ativamente so*re os outros, so*re n0s mesmos ou so*re as situações que todos temos de
enfrentar.
;uando as pessoas vinham fazer fofoca, eu pensava que era o*ri%ada a escutá,las. enho de
admitir que havia uma parte de mim que queria ouvirB ent'o eu me escondia atrás da desculpa8
"3em, n'o posso dizer,lhes que n'o me contem essas coisas porque n'o quero ferir seus
sentimentos."
6'o ) o que o ap0stolo .aulo nos diz nesses vers$culos que vimos em 4f)sios F. .aulo disse que
n'o devemos permitir que nem a nossa mente nem a dos outros se+a polu$da.
(e acordo com o que .aulo escreveu ao seu +ovem disc$pulo im0teo, voc9 e eu devemos ser
vasos limpos. (evemos nos manter puros e a+udar os outros a se manterem puros tam*)m.
.ara isso devemos pensar e falar da maneira que (eus quer que pensemos e falemos. (evemos
estar sempre conscientes de nossos pensamentos e palavras, porque (eus ouve e re%istra cada
um deles em seu memorial.
O Memorial Escrito de )eus
$ntão! os que temiam ao &$.E=9 falavam uns aos outros; o &$.E=9 atentava e ouvia; avia
um memorial escrito diante dele para os que temem ao &$.E=9 e para os que se lembram do
seu nome.
Ll >.5A
Creio que ale%ra o coraç'o de (eus quando ele nos ouve dizer a coisa certa, e tam*)m acho que
ele fica muito infeliz quando usamos a l$n%ua para fofocar, murmurar, acusar, maldizer e causar
pro*lemas para n0s mesmos e para os outros, quando aumentamos nossos pro*lemas em vez de
e&altar a (eus.
.ense nisto8 voc9 e eu temos a oportunidade de a%radar o coraç'o de (eus, en%randecendo,o em
nossas conversas. .odemos andar como filhos da luz, sendo sal e luz para o mundo,
en%randecendo o nome do -enhor ou podemos en%randecer o inimi%o e sua o*ra.
:em*ro,me de como eu era antes que o -enhor me revelasse muitas dessas verdades que estou
compartilhando com voc9 neste livro. 4u era t'o ne%ativa e cr$tica...
.odia entrar na casa de al%u)m que havia sido redecorada recentemente que em vez de admirar
todo o *om tra*alho que havia sido feito, tudo o que eu conse%uia ver era uma área min5scula
na qual o papel de parede n'o estava perfeito.
"3em, voc9 tem de consertar aquilo," eu diria, i%norando totalmente todas as coisas *oas que
haviam sido feitas.
.or acaso eu tenho uma daquelas personalidades que mostram os pro*lemas. Qsso n'o ) de todo
ruim porque, se nin%u)m mostrasse os pro*lemas em minha vida e em meu minist)rio, n0s
ter$amos pro*lemas. 2 -enhor me mostrou que n'o posso sair por a$ en%randecendo os
pro*lemas e ainda ter paz e ale%ria. 4m*ora ha+a pro*lemas em minha vida e em meu
minist)rio, n'o vai a*ençoar, a+udar, edificar ou encora+ar, a mim ou qualquer outra pessoa, se
eu en%randecer tudo de ne%ativo que ve+o.
6'o si%nifica que eu i%nore os pro*lemas e nunca lide com eles. -i%nifica que tenho de colocá,
los na perspectiva adequada.
1o+e, quando entro na casa de al%u)m que foi decorada recentemente, em*ora ainda ve+a
imperfeições m$nimas, n'o mais me concentro nelas. .elo contrário, eu di%o al%uma coisa
assim8 "#dorei seu carpete"T 4ncontro al%o pelo qual ser positiva e encora+adora e, mais tarde,
em particular, posso apontar o pro*lema m$nimo com o papel de parede dizendo8 "alvez voc9
queira colar este pequeno ras%o".
Como v9, há uma forma adequada de lidar com assuntos sens$veis. # 3$*lia diz que (eus v9
como lidamos com todas as circunstJncias da vida.
)ê o .om 5elat?rio, não o 5elat?rio 5uim
=s amalequitas abitam na terra do .eguebe; os eteus! os (ebuseus e os amorreus abitam na
montana; os cananeus abitam ao pé do mar e pela ribeira do Jordão.
.m 5>.I?
;uando os doze homens voltaram com seus relat0rios, depois de espiar a terra que o -enhor
lhes tinha prometido dar, eles ralaram so*re os diferentes povos que a ocupavam8 os
amalequitas, os heteus, os +e*useus, os amorreus e os cananeus.
Cada um desses "eus" representava um pro*lema diferente para os filhos de Qsrael.
E por isso que dez dos doze relataram8 "-im, ) uma terra que mana leite e mel, mas...U e s'o
sempre os "mas" que nos causam pro*lemas na vida.
4sses dez desafiaram os milhões de israelitas que estavam decidindo se deveriam atravessar o
rio Cord'o e tomar posse da herança. ;uando começaram a ouvir o "relat0rio ruim" dos dez
espias medrosos, eles ficaram impre%nados do mesmo esp$rito e começaram a murmurar, a
duvidar e a temer.
Como vimos no vers$culo IM, Cale*e viu o que estava acontecendo e, imediatamente, levantou,
se e tentou acalmar o povo asse%urando,lhes que, com a a+uda do -enhor, eles seriam capazes
de ir e dominar a terra. 6o entanto, em vez de ouvir o *om relat0rio de Cale*e e Cosu), o povo
de Qsrael preferiu ouvir o relat0rio ruim dos dez.
odos os dias temos a oportunidade de %erar um relat0rio *om ou ruim, de en%randecer o
-enhor ou en%randecer o inimi%o. E por isso que o -enhor nos deu esta palavra8 para que
escolhamos usar a l$n%ua, n'o para falar o mal, mas para falar o *em.
*empo de Estar &alado e *empo de Falar
,udo tem o seu tempo determinado! e / tempo para todo prop'sito debaiDo do céu...
... tempo de estar calado e tempo de falar;
$c >.5!H
Como vemos nessa passa%em de 4clesiastes, há tempo para tudo. 1á tempo para lidar com os
pro*lemas e há tempo para dei&á,los. 1á tempo para mostrar a al%u)m que seu papel de parede
está descascado e há tempo para ficar calado so*re isso.
4 sá*io sa*er quando falar e quando n'o falar, mas, como re%ra %eral, ) sempre tempo de
e&ortar e encora+ar os outros.
Mar_ `ain costumava dizer que ele conse%uia viver dois meses com um *om elo%io. 4u creio
que isso se+a verdade para quase todos.
2 dia*o está fazendo um 0timo tra*alho ao destruir e derrotar todo mundo. 4le n'o precisa da
nossa a+uda. .recisamos estar do lado de (eus, n'o do inimi%o.
Qsso ) parte de nosso pro*lema. 6ossa natureza ca$da sempre se inclina para o lado errado das
coisas. 4la quer sempre encontrar falhas e en%randecer os pro*lemas, mas nossa natureza
nascida de novo quer a*ençoar e en%randecer o que ) *om.
Como sempre, a escolha final ) nossa.
Esque!a o -assado e -rossi$a
2rmãos! quanto a mim! não (ulgo avê@lo alcan7ado )ainda*; mas uma coisa fa7o )essa é mina
Tnica aspira7ão*% esquecendo@me das coisas que para tr/s ficam e avan7ando para as que
diante de mim estão! prossigo para o alvo! para o prêmio )supremo e celestial* da soberana
voca7ão de #eus em 4risto Jesus.
Np >.5>@5G
2 dia*o quer que cada um de n0s se concentre em quantas vezes falhamos, em vez de em
quantas vezes acertamos. ;uer que focalizemos nossa atenç'o no quanto ainda temos de andar,
em vez do quanto +á avançamos. Mas o 4sp$rito de (eus quer que nos concentremos em nossas
forças, e n'o em nossas fraquezasB nas vit0rias, e n'o nas derrotasB nas ale%rias, e n'o nos
pro*lemas. E por elas que dever$amos estar en%randecendo ,pelas o*ras do -enhor e n'o pelas
o*ras do dia*oB e precisamos a+udar os outros a aprender a fazer isso tam*)m.
NreqLentemente as pessoas dizem8 "CoSce, eu n'o sei qual ) o meu minist)rio." 4u lhes di%o8
"3em, at) que o -enhor revele a voc9, por que n'o tenta o minist)rio de e&ortaç'o,
encora+amento e edificaç'o"<
4stas coisas s'o sempre nosso minist)rio. 4 sempre o nosso chamado estimular os outros a
*uscar o que elas podem ser em Cristo Cesus e encora+á,las a se esforçarem rumo ao pr9mio.
6'o vamos aumentar o ruim , vamos aumentar o *omT Aamos aumentá,lo falando so*re ele,
sendo positivos em nossos pensamentos, atitudes, posturas, palavras e ações.
Como compartilhei com voc9, eu era t'o ne%ativa que n'o conse%uia sequer ver 0 positivo. 4u
lutava, lutava e lutava, at) que finalmente o -enhor me disse8 "CoSce, se me der sua mente,
al%um dia voc9 será t'o positiva quanto ) ne%ativa a%ora".
2 -enhor queria que eu desistisse de tentar fazer as coisas pela vontade da carne e começasse a
confiar somente nele para me a+udar.
-e voc9 ) ne%ativo, n'o su%iro que faça um plano de dez passos para se tomar uma pessoa
positiva. .elo contrário, su%iro que voc9 entre%ue sua vontade ao -enhor, que ) todo positivo.
(i%a,lhe8 "-enhor, eu quero ser como tu. #+ude,me a ser positivo e n'o mais ser ne%ativo".
.eça a (eus para mudar voc9T (Np !./".
Naça o que (eus disser a voc9 para fazer. Coopere com seu 4sp$rito e si%a sua liderança e
orientaç'o, enquanto voc9 passa da escurid'o para a luz, do ne%ativismo para o positivismo, da
morte para a vida.
' -arte de )eus e a "ossa -arte
Lina alian7a com ele )mina parte com Mevi* foi de vida e de paz; ambas le dei eu para que
)a parte dele* me temesse )reverenciasse e adorasse*; com efeito! )o sacerdote* ele me temeu e
tremeu por causa do meu nome.
A verdadeira instru7ão esteve na sua boca! e a in(usti7a não se acou nos seus l/bios; andou
comigo em paz e em retidão e da iniqSidade apartou a muitos.
;orque os l/bios do sacerdote )do levita* devem guardar o conecimento! e da sua boca devem
os omens procurar a instru7ão! porque ele é mensageiro do &$.E=9 dos $Dércitos.
Ll I.F@H
4ssa passa%em lida com os sacerdotes e o tipo de l$n%ua que eles t9m de ter. .or ser uma
ministra do 4van%elho, este assunto ) sempre de %rande interesse para mim.
(e acordo com #pocalipse !./, todos n0s somos reis e sacerdotes porque Cesus Cristo... nos
constituiu reino Buma ra7a realC! sacerdotes para o &eu #eus e ;ai! a $le a gl'ria e o domínio
pelos séculos do séculos. Amém Bassim se(aC.
.or isso, cada um de n0s deve prestar *astante atenç'o nesse vers$culo, que nos revela que (eus
tem uma aliança com seus sacerdotes.
6uma aliança, cada um tem sua parte. 4m nossa aliança com o -enhor, ele tem uma parte e n0s
temos outra. 4le se compromete a nos dar vida e pazB nossa parte ) reverenciá,lo, tem9,lo,
honrá,lo e admirar o seu nome.
-e tivermos rever9ncia e temor ao -enhor, se o honrarmos e e&altarmos o seu nome, ent'o, n'o
mais usaremos a l$n%ua para falar mal do seu povo, a quem servimos como seus sacerdotes.
' 5ai2 das Más &onersa!;es
;ortanto! és indesculp/vel! ' omem! quando (ulgas! quem quer que se(as; porque! no que
(ulgas a outro! a ti mesmo te condenas; pois praticas as pr'prias coisas que condenas
)que tu censuras e denuncias*.
9m I.5
Aoc9 sa*ia que a fofoca, a difamaç'o, a maledic9ncia e a falsidade t9m uma raiz como uma
árvore, uma flor ou uma erva< # raiz dessas coisas ) o +ul%amento, e a raiz do +ul%amento ) o
or%ulho. ;uando falamos mal dos outros ) porque pensamos que somos melhores que eles.
Uma vez eu estava falando de al%u)m e o 4sp$rito do -enhor me disse8
";uem voc9 pensa que )"<
#os olhos de (eus, pecado ) pecado e errado ) errado. udo isso ) desa%radável e detestável
para (eus. 4 tam*)m ) peri%oso. E por isso que Cesus nos avisou em Mateus @.!,28
.ão (ulgueis! para que não se(ais (ulgados.;ois! com o critério com que (ulgardes! sereis
(ulgados; e! com a medida com que tiverdes medido! vos medirão também.
4 nos vers$culos I,K da Bíblia 6iva ele continua dizendo8
$ por que se preocupar com um cisco no olo dum irmão! quando você tem uma t/bua no seu
pr'prio oloR 6ocê diria% OAmigo! deiDe@me a(udar você a tirar esse cisco do seu oloO! quando
você mesmo nem pode enDergar! com uma t/bua em seu pr'prio oloR
Ningido: Mivre@se da t/bua primeiro! assim você poder/ enDergar para a(udar seu irmão.
Minha paráfrase dessa passa%em )8 ".or que tentar tirar a trave do olho do seu irm'o quando
voc9 tem um poste telefXnico no seu"<
4u entendo o que o -enhor quis dizer quando me disse8 ";uem voc9 pensa que )"< .orque
continuou dizendo8 "4 do meu filho que voc9 está falando"T # partir daquela e&peri9ncia,
aprendi a ser muito cuidadosa ao criticar, +ul%ar e condenar outras pessoas, principalmente
outros crentes, porque, como ministra, sacerdotisa, essa ) uma violaç'o do meu chamado
divino. Como voc9 ) um sacerdote para o nosso (eus, essa atitude tam*)m ) uma violaç'o do
seu chamado divino.
Mantenha a Verdadeira #nstru!ão em Sua .oca4
A verdadeira instru7ão esteve na sua boca! e a in(usti7a não se acou nos seus l/bios; andou
comigo em paz e em retidão e da iniqSidade apartou a muitos. ;orque os l/bios do sacerdote
devem guardar o conecimento! e da sua boca devem os omens procurar a instru7ão! porque
ele é mensageiro do &$.E=9 dos $Dércitos.
Ll I.A@H
-omos sacerdotes e reis para nosso (eus. .or isso precisamos manter a verdadeira instruç'o em
nossa *oca e n'o mais +ul%ar, criticar ou condenar, n'o ser um fofoqueiro ou intrometido.
E não Se=a #ntrometido4
.ão sofra! porém! nenum de v's como assassino! ou ladrão! ou malfeitor! ou como quem se
intromete em neg'cios de outrem )infringindo o direito deles*.
5 ;e G.5F
# traduç'o desse vers$culo, na Bíblia 6iva! )8
.ão quero ouvir falar de vocês sofrerem por cometer assassinato! ou roubar! ou fazer
desordem! ou por serem abeludos e se intrometerem nos neg'cios dos outros.
2 que ) um intrometidoR Xma versão do 1ebster define intrometido como "al%u)m que se
preocupa com os assuntos dos outros[.
!
2utro dicionário 1ebster diz8 "uma pessoa &ereta,
a*elhuda".
2
Minha definiç'o de uma pessoa intrometida ) aquela que desenterra relat0rios ruins
e se encarre%a de espalhá,los por meio de fofoca, difamaç'o, cochichos e assim por diante.
1ebster define fofoca como8 "s. ... aquele que ha*itualmente repete rumores ou fatos $ntimos ou
particulares"B Zvi.... en%a+ar em ou espalhar fofoca".
I
Minha definiç'o de fofoca ) aquele que
aumenta e sensacionaliza rumores e informaç'o parcial.
Um difamador n's +á definimos (de 6ineC. #ifamadores são "aqueles que se dedicam a
encontrar falhas na conduta dos outros e espalham suas insinuações e cr$ticas na Q%re+a".
F
#ifamar do Re*ster, "W. ... modo de e&pressar declarações difamat0rias e in+uriosas D reputaç'o
ou *em,estar de uma pessoa. Um relat0rio ou declaraç'o maliciosa"B Uvt.... proferir relat0rios
pre+udiciais".
K
4ocicar está definido no dicionário 1ebster como Us. ...Uma crença, rumor ou su%est'o
e&pressa secretamente um cocico impr0prio," Uvt ... falar mansamente ou particularmente,
como se fofocando, difamando ou intri%ando".
/
Uma pessoa que cocica sussurra ou fala em
se%redo para fofocar, difamar ou fazer intri%as.
;uando pensamos nessas definições, ser um intrometido, fofoqueiro ,ou ainda um difamador
], parece n'o ser t'o %rave quanto ser um assassino, malicioso, ladr'o ou criminoso. Mas o
ap0stolo .aulo considera tudo isso como pecado aos olhos de (eus. 2utra %rande instruç'o para
levar em conta ) encontrada em ! essalonicenses F.!!8 e a diligenciardes por viver
tranqSilamente! cuidar do que é vosso e trabalar com as pr'prias mãos como vos ordenamos.
O -ecado do E8a$ero
2 -enhor me revelou que at) mesmo o há*ito inofensivo de e&a%erar ) t'o pecaminoso quanto
qualquer um desses outros.
.or que sempre queremos e&a%erar< .orque queremos que as coisas pareçam melhores do que
s'o, quando s'o *oas, e piores, quando s'o más. .arece ser da natureza da carne e&a%erar e
colocar as coisas de maneira desproporcional.
6essa passa%em, o -enhor diz que a *oca de seus sacerdotes ) para %uardar e manter puro o
conhecimento de sua lei. .or qu9< .orque as pessoas *uscam, inda%am e e&i%em a instruç'o da
*oca do sacerdote, que ) o mensa%eiro de (eus.
Como mensa%eiros de (eus, seus porta,vozes, devemos nos certificar se há instruç'o da
verdade e da *ondade em nossa *oca e se n'o falamos mal com nossa l$n%ua.

4ssa passa%em n'o deveria ser somente nossa confiss'o e testemunho, mas tam*)m nossa
reputaç'o8 o que falamos so*re n0s e o que os outros dizem de n0s.
Qnfelizmente, aprendemos na vida a falar com rodeios. ;uando nos comunicamos, quase sempre
os outros n'o t9m a menor id)ia do que falamos.
(evem nos comprometer com a comunicaç'o simples, direta, honesta e verdadeira.
Como ia%o nos disse, *9nç'os e maldições n'o devem estar +untas em nossa *oca. #o
contrário, temos de ser como a mulher de .rov)r*ios I!, em nossa *oca deve estar a instruç'o
da *ondade.
Como filhos de (eus, cheios do 4sp$rito -anto, devemos manifestar os frutos do 4sp$rito,
principalmente a *ondade, a *eni%nidade, a mansid'o e a humildade.
4sta deve ser nossa disposiç'o.
1ual é a Sua )isposi!ão?
4omo leão que ruge e urso que ataca! assim é o perverso que domina....
;v IK.5F
1ebster define a palavra disposi7ão como "o humor normal de al%u)m8 temperamentoU;
"tend9ncia ou inclinaç'o ha*itual," ou "a maneira comum de resposta emocional".
!
;ue tipo de disposiç'o voc9 tem< Aoc9 ) normalmente feliz e de natureza *oa ou ) ra*u%ento e
mal,humorado< Aoc9 ) doce e *om ou azedo e mau< Aoc9 ) calmo ou fica furioso facilmente<
(-e fica, por quanto tempo<" Aoc9 ) positivo e entusiasmado ou ne%ativo e deprimido< Aoc9 )
despreocupado e fácil de a%radar ou ) áspero e e&i%ente<
Como mencionei anteriormente, parecia que eu estava rodeada de pessoas com disposiç'o
ne%ativa. E dif$cil a%radar a pessoas que t9m esse tipo de disposiç'o. -e +á esteve com pessoas
assim por perto, tenho certeza de que voc9 sa*e o que quero dizer. .arece que sempre querem
al%uma coisa a mais do que elas +á t9m. 4 como sentar,se para comer fran%o frito e ficar
decepcionado porque o fran%o está frito ao inv)s de assado. 4sse ) um e&emplo muito simples,
eu sei, mas tenho certeza de que voc9 entendeu.
Uma pessoa com esse tipo de disposiç'o ) quase sempre chamada de "ra*u%enta," "mal,
humorada" ou "urso." ;ual ) a sua disposiç'o< Aoc9 ) um "urso ra*u%ento" ou ) um "ursinho
de pel5cia"<
' )isposi!ão Or$ulhosa
Abomin/vel é ao &$.E=9 todo arrogante de cora7ão; é evidente )eu le asseguro* que não
ficar/ impune. ;v 5A.F
.essoas com disposiç'o or%ulhosa s'o dif$ceis de lidar porque s'o arro%antes demais. 6'o se
pode lhes dizer nada porque +á sa*em tudo. 9m tanta opini'o que est'o sempre na defensiva, o
que faz com que n'o aceitem correç'o facilmente, porque teriam de admitir que est'o erradas , e
isso ) al%o quase imposs$vel para elas.
4m meu minist)rio, o -enhor me usa para trazer correç'o por meio da sua palavra. # carne,
%eralmente, n'o se importa com isso, mas correç'o ) o que nos faz crescer no -enhor. 4m*ora
eu tente corri%ir em amor, Ds vezes as pessoas n'o %ostam porque, sendo or%ulhosas, resistem D
verdade. Mas Cesus diz que ) a verdade que nos li*erta. (Co 7.I2".
:em*re,se8 pessoas livres são pessoas felizes.
#l)m de estar sempre na defensiva, pessoas or%ulhosas quase sempre est'o ocupadas tentando
convencer os outros de que precisam mudar ou do que precisam fazer.
Noi incr$vel aprender que n'o ) meu tra*alho convencer a nin%u)m. 4sse ) o tra*alho do
4sp$rito -anto. 4m Co'o !/.7, Cesus disse que ) o 4sp$rito -anto quem convence as pessoas da
verdade. Qsso si%nifica que n'o temos que tentar "*rincar de (eus" na a vida de outras pessoas.
Mencionei como costumava fazer isso com meus filhos. 6'o sa*ia fazer como meu marido, que
se *aseava na palavra de (eus para dizer,lhes o que deviam fazer, e continuar com as minhas
tarefas, permitindo ao 4sp$rito -anto convenc9,los da verdade.
;uando precisavam ser corri%idos, pensava que era meu tra*alho tentar convenc9,los de que
estavam errados e eu, certa. 4u pre%ava e lhes fazia sermões durante horas, tentando faz9,los
concordar comi%o. #quele tipo de a*orda%em repetitiva e estressante dei&ava as crianças ainda
mais frustradas. 4las mal conse%uiam me a%Lentar. -ou %rata a (eus por curar e restaurar
nossos relacionamentos.
.essoas or%ulhosas sentem necessidade de convencer os outros de que est'o certas e eles,
errados.
2 vers$culo de .rov)r*ios ensina que esse tipo de relacionamento dominante e superior n'o
a%rada a (eus. 4le dese+a que seus filhos andem em *ondade e humildade, e n'o com
arro%Jncia e or%ulho.
.essoas or%ulhosas quase sempre s'o muito r$%idas, o que e&plica por que s'o disciplinadoras
t'o severas. 4las t9m sua pr0pria maneira de fazer as coisas e, se al%u)m n'o faz do seu +eito,
rea%em de forma impetuosa, Ds vezes at) violenta8 "QssoT 4 assim que tem de ser feito , sen'o"T
4u a%ia assim com meus filhos , e ) por isso que meu marido, que havia sido um militar, disse
que eu daria um *om sar%ento. 6o entanto, minha atitude com minha fam$lia n'o estava
produzindo o resultado que esperava. 6a verdade, estava fazendo o efeito contrário.
Ninalmente, pessoas or%ulhosas quase sempre s'o complicadas. 4m*ora a 3$*lia nos chame a
uma vida de simplicidade, elas sentem necessidade de transformar tudo em al%o importante,
fazer uma montanha de cada mont$culo. 4m parte ) porque t9m de desco*rir tudo, t9m de sa*er
as entradas e sa$das de cada situaç'o e sa*er a raz'o de tudo o que acontece na vida.
odas essas coisas a+udam a e&plicar por que pessoas or%ulhosas n'o s'o muito felizes e
pessoas infelizes n'o conse%uem fazer outras pessoas felizes.
4 a per%unta )8 que tipo de disposiç'o (eus quer que tenhamos para ser uma *9nç'o para n0s
mesmos e para os outros< (eus nos deu um modelo que possamos se%uir<
6ma )isposi!ão *ranq<ili2adora
$is aqui o meu servo! que escoli! o meu amado! em quem a mina alma se compraz. Narei
repousar sobre ele o meu $spírito! e.ele anunciar/ (uízo aos gentios.
.ão contender/! nem gritar/! nem alguém ouvir/ nas pra7as a sua voz.
.ão esmagar/ a cana quebrada! nem apagar/ a torcida que fumega! até que fa7a vencedor o
(uízo. $! no seu nome! esperarão os gentios Bos povos fora de 2sraelC.
Lt 5I.5K@I5
Como crentes! como filhos amados de (eus, criados D sua ima%em, ele quer que tenhamos a
mesma disposiç'o tranqLilizadora do seu filho Cesus.
Muitos de n0s cremos que se Cesus andasse num am*iente de contendas levaria apenas al%uns
minutos para que trou&esse paz Dquela situaç'o. Cesus era de natureza tranqLilizadora. Cesus era
cin%ido de mansid'o.
6'o queria provar nada. 6'o estava preocupado com o que as pessoas pensavam dele. Cá sa*ia
quem era, por isso n'o sentia necessidade de se defender. 4m*ora outros ficassem preocupados
com ele, sua resposta era sempre pac$fica e amorosa.
4sse ) o tipo de disposiç'o tranqLilizadora que (eus quer para mim e para voc9. 4sse ) o tipo
de l$n%ua que ele quer que tenhamos , uma que tra%a encora+amento, edificaç'o e e&ortaç'o por
onde quer que andemos.
-omos assim ou somos ra*u%entos e ca*eças,duras< -omos humildes, simples e a%radáveis ou
or%ulhosos, complicados e r$%idos<
Meu marido ) uma das poucas pessoas que conheço que verdadeiramente tem uma disposiç'o
tranqLilizadora. 4le ) t'o tranqLilo que me impressiona. 4le pode estar pronto para um cochilo,
mas se eu lhe pedir que vá D mercearia, ele dirá8 "Claro, irei a%ora mesmo". -e fosse eu, posso
asse%urar,lhe que minha reaç'o seria completamente diferenteT
Oeralmente pessoas com esse tipo de disposiç'o s'o encora+adoras e e&ortadoras. 6'o importa o
que este+a acontecendo ao seu redor ou o que os outros est'o dizendo ou fazendo, parece que
elas sempre t9m uma palavra de encora+amento e *ondade para compartilhar com todos.
4ssa ) a maneira que (eus pretende que se+amos. E para isso que ele nos deu a l$n%ua ] n'o
para cortar pessoas em pedaços, +ul%ar, criticar e condenar aqueles que discordam de n0s.
Como mensa%eiros de (eus, porta,vozes, em*ai&adores da paz, n'o devemos ser ásperos e
duros, or%ulhosos e arro%antes, r$%idos e infle&$veis. #o contrário, devemos ser tranqLilizadores
e mansos, simples e humildes, fle&$veis e adaptáveis.
.ara ser da maneira que (eus quer que se+amos, seus representantes na terra, devemos nos
despo+ar de nossa velha natureza e nos revestir da nova natureza , que ) a natureza de seu
amado filho Cesus Cristo.
6ma "oa "ature2a
.o sentido de que! quanto ao trato passado! vos despo(eis do velo omem )deiDeis de lado e
descarteis vosso velo UeuU*! que se corrompe segundo as concupiscências do engano! e vos
renoveis no espírito do vosso entendimento )tenais uma mente nova e atitude espiritual*!
e vos revistais do novo omem Bo UeuU regeneradoC! criado segundo #eus! em (usti7a e retidão
procedentes da verdade.
$f G.II@IG
6a 6ersão King James! a declaraç'o de a*ertura do vers$culo 22 diz8 despo(ai@vos concernentes
" antiga conversa7ão do velo omem...
4m*ora a palavra %re%a anastrope nessa passa%em n'o se+a mais traduzida como
"conversaç'o" nas versões mais modernas, porque o si%nificado dessa palavra em in%l9s mudou
do tempo do King James! em que era "comportamento",
2
ainda creio que ha+a uma li%aç'o vital
entre conversaç'o e comportamento, que ) um refle&o e e&press'o de nossa natureza.
2 -enhor me revelou que nossa natureza ) vista por interm)dio da nossa conversaç'o. -i%nifica
que o tipo de pessoa que somos ) revelado por nossa fala.
6ossa natureza sai por nossa *oca.
-e tivermos uma disposiç'o tranqLilizadora, nossas palavras trar'o essa tranqLilidade Ds á%uas
tur*ulentas.
# 3$*lia n'o diz que a resposta *randa desvia o furor< (.v !K.!". Qsso ) verdade , se tivermos a
disposiç'o de dei&ar nosso or%ulho e permitir que o 4sp$rito -anto tra*alhe por nosso
interm)dio, como ele quiser, em cada situaç'o.
-e estivermos dispostos a nos humilhar diante do -enhor, em mansid'o e o*edi9ncia, como
Cesus fez, ent'o, a mesma natureza que motivou suas palavras e ações transformará nossa
natureza e trará tranqLilidade D nossa vida e D vida de todos aqueles com quem entrarmos em
contato. Cesus chamou isso de tomar seu fardo so*re n0s.
' "ature2a de /esus
6inde a mim! todos os que estais cansados e sobrecarregados! e eu vos aliviarei. )$u acalmarei
e refrigerarei vossas almas.* ,omai sobre v's o meu (ugo e aprendei de mim! porque sou
manso Bd'cilC e umilde de cora7ão; e acareis descanso Balívio! sossego e refrigérioC para a
vossa alma. ;orque o meu (ugo é suave BTtil! bom Q não /spero! difícil! pesado! mas
confort/vel! gracioso e agrad/velC! e o meu fardo é leve.
Lt 55.IK@>J
.ara ter a natureza de Cesus e manifestá,la, precisamos sa*er qual ) a natureza dele.
Cada um de n0s tem uma natureza diferente. 6'o há dois e&atamente i%uais. 6ossa natureza
tam*)m muda D medida que passamos por e&peri9ncias e ciclos da vida.
Com o passar dos anos, tenho visto a transformaç'o em minha natureza e na do meu marido.
-ou do tipo que tem uma personalidade *ri%uenta. .essoas com meu tipo de disposiç'o s'o
dif$ceis de a%radar. 6ada serve. 4las t9m de transformar tudo em al%o importante. ais pessoas
n'o s'o muito felizes.
2s mais felizes s'o os que enfrentam *em as coisas. -'o fáceis de a%radar e se dar *em. -'o do
tipo "dei&e o *arco correr." -'o a+ustáveis e adaptáveis. ais pessoas quase sempre trazem
tranqLilidade Ds á%uas tur*ulentas.
enho de admitir que durante os primeiros vinte e um anos de nosso casamento, at) que eu
fosse cheia com o 4sp$rito -anto, meu marido era muito mais feliz que eu. Ninalmente comecei
a alcançá,loB porque tenho mais da .alavra de (eus em mim a%ora do que antes. 6o entanto,
mesmo depois de ser *atizada no 4sp$rito -anto, n'o houve nenhuma mudança instantJnea da
noite para o dia em minha vida.
Mudança real n'o acontece fácil ou rapidamente.
Aoc9 +á aprendeu que se quer mudar, deve querer , e querer tanto que se esforça para isso.
Muitas pessoas %ostariam de tomar apenas uma p$lula ou pronunciar al%uma palavra má%ica
numa noite e acordar na manh' se%uinte completamente diferentes, completamente
transformadas. Qsso n'o funciona desta forma.
.ão eDistem santos da noite para o dia ou ministros instant-neos.
-e voc9 e eu queremos ser diferentes de como somos a%ora, ent'o temos de suportar al%uns
sofrimentos. Aamos ter de cooperar com o -enhor passo a passo, enquanto ele nos molda
conforme sua vontade, transformando,nos %radualmente na ima%em de seu filho Cesus.
6o vers$culo 2? dessa passa%em, Cesus descreve a natureza dele. 4le diz que é manso e humilde
de coraç'o e continua dizendo que, se tomarmos seu +u%o , sua natureza , e aprendermos dele,
acharemos descanso.
;uando começarmos a tomar a *ondade, mansid'o e humildade que marcaram a vida de Cesus,
acharemos descanso para nossa alma.
6o vers$culo IM, Cesus descreve seu +u%o , sua natureza , como suave e *om, e n'o duro,
pesado, áspero ou aflito, mas confortável, %racioso e a%radável.
:em*re,se8 se estiver so* press'o, essa press'o n'o vem de (eus. -eu +u%o n'o ) áspero, duro,
pesado ou aflito , porque sua natureza n'o é assim. 4ssa n'o ) a forma de ser do -enhor, essa )
a forma de ser do dia*o, e ) dessa forma que se tornam aqueles que se su*metem a ele.
Cesus tem uma disposiç'o pac$fica e tranqLilizadora.
E por isso que a 3$*lia diz que, se quisermos ser %uiados pelo 4sp$rito de (eus, devemos
aprender a ser %uiados pela paz. (Cl. I.!K." -e formos %uiados pela paz, sa*eremos que estamos
sendo %uiados por (eus, porque ele ) a paz dentro de n0s.
Muitos crentes v'o de um culto a outro *uscando uma "voz," procurando uma "palavra" de
(eus. Com a direç'o do 4sp$rito -anto, ministrei palavras de conhecimento, palavras de
sa*edoria e palavras de profecia em nossos cultos. odo mundo %osta disso. Mas, quando se
trata de permitir que o 4sp$rito -anto transforme nossa natureza carnal na natureza de Cesus
Cristo, ) outra hist0ria. E a$ que os crist'os maduros s'o separados dos *e*9s espirituais. E a$
que ) revelado quem realmente quer ter um compromisso com (eus e quem n'o quer.
E fácil permanecer do +eito que somos. E fácil continuar sendo áspero, duro e aflito, mas isso
rou*a nossa paz e ale%ria.
(evemos aprender que, se escolhermos ser verdadeiramente felizes, teremos de ser como Cesus,
tomar sua natureza so*re n0s, ainda que ele tenha tomado nossa natureza so*re si. (1* 2.!/."
Vsperos e duros ou doces e calmos ) o que vai revelar se somos verdadeiros adoradores de
(eus.
6m Aleo de 6n!ão Santo e -erfumado
#isse mais o &$.E=9 a Loisés%
,u! pois! toma das mais eDcelentes especiarias% de mirra fluida quinentos siclos! de cinamomo
odoroso a metade! a saber! duzentos e cinqSenta siclos! e de c/lamo arom/tico duzentos e
cinqSenta siclos! e de c/ssia quinentos siclos! segundo o sido do santu/rio! e de azeite de
oliveira um im. #isto far/s o 'leo sagrado para a un7ão! o perfume composto segundo a arte
do perfumista; este ser/ o 'leo sagrado da un7ão.
YD >J.II@IF
Aoc9 realmente quer ser un%ido< 2u quer apenas %otas de unç'o do 4sp$rito -anto< Aoc9 quer
ser impre%nado com a doce fra%rJncia do 4sp$rito de (eus<
(e acordo com a 3$*lia, há uma fra%rJncia espiritual que so*e de nossa vida8
;orque n's somos para com #eus )semelante a* o bom perfume )que eDala* de 4risto! tanto
nos que são salvos como nos que se perdem BI 4o I.5FC.
4ssas coisas que vemos no #nti%o estamento s'o muito relevantes nos aspectos práticos do
6ovo estamento.
Os #n$redientes do Aleo da 6n!ão
4om ele ungir/s a tenda da congrega7ão! e a arca do ,estemuno! e a mesa com todos os seus
utensílios! e o candelabro com os seus utensílios! e o altar do incenso! e o altar do olocausto
com todos os utensílios! e a bacia )para limpeza* com o seu suporte.
Assim consagrar/s Bseparar/sC estas coisas! para que se(am santíssimas; tudo o que tocar
nelas ser/ santo Bseparado para #eusC. ,ambém ungir/s Arão e seus filos e os consagrar/s
Bseparar/sC para que me oficiem como sacerdotes.
YD >J.IA@>J
enho um livro de 1annah 1urnard chamado Lountains of &picesR
#o ler essa passa%em de a&odo, comecei a me per%untar o que tais especiarias representavam e,
ent'o, procurei,as naquele livro.
(e acordo com a autora, a mirra representa a mansid'o.
F
Aisto que a receita para o 0leo da
unç'o pede KMM siclos de mirra, isso representa uma %rande quantidade de mansid'oT
Como vimos, mansid'o ) um dos atri*utos da natureza de Cesus Cristo.
2 cinamomo representa a *ondade
K
e o cálamo, a suavidadeB
/
ent'o, se dese+amos a unç'o de
(eus so*re n0s, teremos de ser impre%nados de uma mistura de mansid'o, *ondade, suavidade e
humildade.
&res!a em &risto e em 'mor
#igo! pois! que! durante o tempo em que o erdeiro é menor! em nada difere de escravo! posto
que se(a ele senor de tudo. Las est/ sob tutores e curadores até ao tempo predeterminado
pelo pai. <l G.5@I
(evemos crescer e tornar,nos maduros em Cristo para reivindicar a herança completa que está
separada para os filhos de (eus.
6o cap$tulo F de Oaiatas, o ap0stolo .aulo diz que quando um menor rece*e uma herança ela )
entre%ue a um tutor at) que o menor atin+a a maioridade.
Como herdeiros de (eus e co,herdeiros com Cristo (>m 7.!@", temos uma herança em Cristo.
Mas at) que dei&emos as coisas de menino e cresçamos, essa herança ) %uardada para n0s pelo
4sp$rito -anto.
-0 rece*emos as *9nç'os de (eus quando atin%imos a maturidade suficiente para lidar com
elas. Uma maneira de mostrarmos maturidade ) pelo controle da l$n%ua.
Como vimos em Qsa$as K7./,?, temos de soltar as li%aduras da impiedade, desfazer as ataduras
da servid'o, dei&ar livres os oprimidos e despedaçar todo +u%o.
emos de repartir o p'o com o faminto e recolher em casa os po*res desa*ri%ados. emos de
co*rir o nu e n'o nos escondermos do nosso semelhante.
2 que o -enhor diz nessas passa%ens ) que ele quer que tenhamos o tipo de disposiç'o madura
do seu filho Cesus, uma disposiç'o que n'o ) e%o$sta e e%oc9ntrica, mas que se importa com os
outros. Como Qsa$as afirmou, ent'o nossa luz romperá como a manh', e nossa cura , nossa
restauraç'o, o poder de uma vida nova , *rotará sem detença. 6ossa +ustiça, nosso
relacionamento correto com o -enhor irá adiante de n0s, conduzindo,nos D paz e D prosperidade.
# %l0ria do -enhor será a nossa reta%uardaB clamaremos ao -enhor e ele nos responderá.
;uando tirarmos o +u%o do meio de n0s, o dedo que ameaça, quando pararmos de criticar e
+ul%ar os outros, quando lançarmos fora toda forma de falar falso, áspero e in+ustamente, ent'o
as *9nç'os do -enhor vir'o so*re n0s.
4 assim que nos tornamos verdadeiros adoradores ] um aroma doce e suave para o -enhor.
6ma F?rmula -ara Vier "o 5eino
;elas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas! para que por elas
vos torneis co@participantes da natureza divina! livrando@vos da corrup7ão Bpodridão e
corrup7ãoC das paiD+es Blascívia e gan-nciaC que / no mundo! por isso mesmo! v's! reunindo
toda a vossa diligência )as promessas divinas*! associai Btornai participantesC com a vossa fé a
virtude BeDcelência! resolu7ão! energia cristãC; com a virtude! )desenvolvei* o conecimento
BinteligênciaC; com o )eDercitando* conecimento! )desenvolvei* o domínio pr'prio; com o
domínio pr'prio! a perseveran7a Bpaciência! persistênciaC; com a perseveran7a! )desenvolvei*
a piedade; com a piedade! )desenvolvei* a fraternidade; com a fraternidade )desenvolvei*! o
amor. ;orque estas coisas! eDistindo em v's e em v's aumentando! fazem com que não se(ais
nem inativos! nem infrutuosos no pleno conecimento de nosso &enor Jesus 4risto
Bo Lessias! o XngidoC.
I ;e 5.G@K
6essa passa%em há uma formula *$*lica para sair da carne e entrar na natureza divina e para
e&perimentar o verdadeiro viver no >eino.
6osso relacionamento com (eus começa no pátio e&terno. (e lá, passamos para o pátio interno
e, finalmente, para o -anto dos -antos.
6ossa vida crist' começa com o novo nascimento. 2ramos na carneB lemos a 3$*lia na carneB
vamos D i%re+a na carne. #doramos na carne e (eus aceita esse tipo de adoraç'o porque ) ele
quem nos leva ao n$vel em que estamos. Mais tarde ele dirá8 "E hora de passar para o pátio
interno" por interm)dio da mensa%em de santidadeB a mensa%em da santidade diz que antes
(eus permitia certas coisas, mas a%ora n'o permite mais.
Ninalmente, che%a o dia em que (eus diz8 "#%ora ) hora de entrar no -anto dos -antos". .ara
entrar naquele lu%ar, toda nossa vida deve ser colocada so*re o altar diante do -enhor. 6'o
podemos mais reservar as pequenas coisas que queremos para n0s mesmos.
(evemos desistir de tudo por (eus e nos tornarmos verdadeiros adoradores em esp$rito e
verdade. (Co F.2I". Qsso si%nifica que devemos estar prontos para viver diante de (eus como ele
dese+a, confiando que nos dará a %raça para isso. (Np 2.!I".
6essa passa%em, a primeira coisa que nos ) dita ) que devemos tomar as promessas de (eus e
zelar por elas.
Muitas pessoas est'o paradas *em no in$cio. 4las nunca v'o al)m das promessas de (eus.
#ndam por a$ citando promessas a vida inteira, mas nunca zelam ou se esforçam, por isso nunca
v9em o cumprimento dessas promessas.
.ara crescer na verdadeira maturidade crist' e cumprir a vontade e o plano de (eus para nossa
vida, devemos decidir terminar a carreira que nos está proposta. (2m. F.@". 1averá coisas que
vir'o para nos desencora+ar e nos fazer desistir, mas devemos ser determinados e zelosos.
(evemos acrescentar f) ao nosso zelo, que por sua vez desenvolve a virtude ou a e&cel9ncia.
1á momentos em que o -enhor dirá8 "Aoc9 n'o pode mais ser pre%uiçoso, deslei&ado e
indisciplinadoB voc9 tem de e&ercer e&cel9ncia, determinaç'o e ener%ia crist's".
4ssa e&cel9ncia desenvolve o conhecimento, que produz o dom$nio pr0prio. Qsso si%nifica que
n'o podemos mais fazer o que queremos, mas devemos ser comprometidos como Cesus, para
fazer a vontade do .ai.
Uma vez que desenvolvemos o dom$nio pr0prio, ele, por sua vez, nos leva D firmeza, que )
paci9ncia ou resist9ncia. .aci9ncia n'o ) apenas a capacidade de esperar, mas a capacidade de
esperar com uma *oa atitude. 4nquanto esperamos, nossa vida deve e&alar aquele doce aroma
diante do -enhor.
Com certeza, ) mais fácil e&alar um *om aroma quando as coisas est'o indo do nosso +eito. 4
muito mais dif$cil quando tudo está contra n0s, quando aqueles ao nosso redor est'o tendo suas
orações respondidas, enquanto as nossas pr0prias orações parecem n'o passar do teto.
6essas horas, pode parecer que (eus está surdo, que, por al%uma raz'o que n'o conse%uimos
entender, ele se recusa a nos ouvir. odos n0s passamos por isso. 2 teste )8 que tipo de
fra%rJncia e&alamos enquanto esperamos< 6ossa firmeza, nossa paci9ncia e nossa resist9ncia
nos levam a al%o chamado temor.
E quando começamos a ser e&postos a uma en&urrada constante de mensa%ens de santidade. .or
qu9< .orque (eus lida com cada virtude crist', uma de cada vez.
4le está nos levando a al%um lu%ar. (eus está nos levando para si mesmo, capacitando,nos a
permanecer na sua santa presença. 4le está nos preparando para sermos usados por 4le no
%rande avivamento dos 5ltimos dias.
(epois do temor vem a afeiç'o fraterna, que a 6ersão King James chama de "*ondade fraterna".
4sse tipo de afeiç'o ou *ondade fraterna produz o verdadeiro "amor crist'o", que ) a traduç'o
da Bíblia Amplificada da palavra %re%a á%ape, que si%nifica amor semelhante ao de (eus.
&in$i-os de Bumildade
... 4ingi@vos todos de umildade )como a veste de um servo! para que não possa ser tirada de
v's! livres do orgulo e arrog-ncia*! porque #eus resiste aos soberbos Binsolentes!
presun7osos! (actanciososC Q )e ele os frustra! se op+e e os derrota*! contudo! aos umildes
concede a sua gra7a Bfavor! bên7ãoC.
5 ;e F.F
6a )poca que comecei este estudo so*re a l$n%ua, o -enhor me revelou, por interm)dio dessa
f0rmula que eu estava certa so*re á%ape.
4nquanto eu relem*rava minha vida at) aquele ponto, pude ver que o -enhor me sustentou em
cada um dos está%ios de crescimento crist'o. #%ora ele dizia que era hora de fazer como .edro
declarou8 cin%ir,me com a humildade de Cristo.
Creio que (eus diz isso para cada um de n0s. (evemos cin%ir,nos com o manto de humildade,
mansid'o, *ondade e suavidade. (evemos usar esse manto no mundo, a%ir como Cesus, e&alar
um doce aroma e ter uma personalidade tranqLila.
(epois que rece*i essa mensa%em do -enhor, eu estava ministrando em uma reuni'o e, no final
do culto, um homem veio at) mim e disse8 "-into que esta será somente uma confirmaç'o, mas
tenho uma palavra do -enhor para voc9". 4le continuou a citar esta passa%em, 2 .edro !.F,?, e
disse8 "2 -enhor diz que voc9 está na *ondade e depois disso vem o >eino".
Como disse anteriormente, sou cuidadosa com as palavras de outras pessoas, mas neste caso n'o
há como aquela palavra ter sido acidental. 4la me encora+ou muito, porque acreditei que era
uma confirmaç'o do que (eus +á tinha me mostrado.
Este=a -ronto -ara Ser *ransformado
$ todos n's! com o rosto desvendado! contemplando )na ;alavra de #eus*! como por espelo!
a gl'ria do &enor! somos transformados! de gl'ria em gl'ria! na sua pr'pria imagem! como
pelo &enor! o $spírito.
I 4o >.5K
# mudança que precisa acontecer em cada um de n0s n'o vem da nossa vontade, da nossa força
ou das nossas *oas o*ras. 4la vem de conhecer a (eus pessoalmente e intimamente.
6este cap$tulo final, n'o ensinarei sete passos para crescer no conhecimento do -enhor. (irei
qual é a sua 5nica responsa*ilidade.
# confiss'o é *oa. Naz coisas na vida do crente, mas n'o muda o homem interior.
Certos tipos de pro%ramas de oraç'o s'o *ons. #+udam a desenvolver a disciplina espiritual,
mas n'o mudam o homem interior.
:er a 3$*lia, freqLentar i%re+a e muitos outros e&erc$cios s'o *ons. -'o coisas que cada crente
tem que praticar, mas elas n'o mudam o homem interior.
&' eDiste uma maneira de mudar o omem interior% é colocando@se na presen7a de #eus e
permitindo que ele fa7a uma obra no seu interior.
6o momento, toda a Q%re+a de Cesus Cristo est/ tra*alhando e se esforçando , tentando mudar.
(eus me revelou que apreciaria muito se todos n0s apenas o contemplássemos em sua .alavra e
permit$ssemos que seu 4sp$rito nos transformasse em sua ima%em.
60s, carismáticos, nos tornamos t'o reli%iosos... 6a verdade, temos nossa pr0pria reli%i'oT
.lane+amos e pro%ramamos tudo em nossa vida espiritual. 6'o há nada de errado com a
disciplina e a ordem, mas, se plane+amos e pro%ramamos as coisas e dei&amos (eus de fora,
ent'o temos um pro*lem'o em nossas m'os. # 5nica coisa que vai nos transformar
verdadeiramente ) entrar na presença de (eus e esperar que ele faça o que n'o podemos fazer
sozinhos.
6'o estou desafiando voc9 a sair e tentar ser *om, humilde, manso ou amoroso. -e essa ) a
mensa%em que voc9 captou deste livro, ent'o voc9 ficará frustrado.
4sta mensa%em n'o tem a intenç'o de trazer condenaç'o para o que voc9 ) ou foi. 4 para trazer
encora+amento para o que voc9 pode ser , se quiser su*meter,se ao 4sp$rito do (eus vivo.
2 -enhor está procurando pessoas que dese+am ser mudadas do que s'o a%ora para o que
somente ele pode faz9,las ser. 2 primeiro passo nesse processo envolve quase sempre uma
mudança no discurso.
Qsso foi verdade para #*r'o e -arai, que tiveram de aprender a chamar,se por nomes diferentes.
Noi verdade para Mois)s, que deu a desculpa de n'o poder falar adequadamente dado o
pro*lema com a l$n%ua. Qsso foi verdade para Qsa$as, que disse ser um homem de lá*ios impuros,
que vivia no meio de um povo de impuros lá*ios. Qsso foi verdade para Ceremias, que ale%ou ser
+ovem demais para falar pelo -enhor.
Qsto será verdade para voc9 e para mim. -e quisermos ser mudados, o -enhor fará nossa
transformaç'o e transfi%uraç'o , de sua pr0pria maneira e em seu pr0prio tempo , enquanto
simplesmente tivermos comunh'o com ele no homem interior.
E8perimentando o Senhor
Oostaria de compartilhar com voc9 esta citaç'o do livro chamado $Dperiencing te #epts of
Jesus 4rist%
(eus ha*ita no seu esp$rito. 2h, quando voc9 aprender como ) ha*itar lá com ele, sentirá que a
presença dele dissolverá a dureza de sua alma. 4, enquanto a dureza de seu coraç'o derrete,
fra%rJncias preciosas e&alam de sua alma.
@
.ense nisso por um momento. (eus ha*ita lá no seu esp$rito, mas voc9 tem de aprender a
ha*itar lá com ele.
.roduzir frutos n'o vem de freqLentar Q%re+a, vi%$lias de oraç'o, leitura da 3$*lia ou confiss'o
positiva, em*ora essas coisas se+am *oas. Aem de conformar,se ao -enhor e permitir,lhe
conformar,se a voc9. 4 sua divina presença que dissolve a dureza de sua alma, para que as
doces fra%rJncias e&alem de voc9.
Aoc9 quer mudar< ;uer desistir de ser duro, áspero e aflito< ;uer se tornar humilde, manso,
suave e doce< ;uer ser como Cesus< 4nt'o aprenda a ter comunh'o com ele para que Cesus
possa desenvolver em voc9 uma l$n%ua e um esp$rito tranqLilos.

&onclusão
6este estudo, tentei enfatizar a importJncia de quantas *9nç'os , e quanto pre+u$zo ,
produzimos pelas palavras de nossa *oca.
As palavras são dep'sitos de poder.
4 por isso que há tantas passa%ens na .alavra de (eus so*re o uso certo e errado da
l$n%ua (ver a lista de vers$culos".
.ara ilustrar os muitos vers$culos so*re esse assunto, compartilhei várias e&peri9ncias
pessoais, realçando as lições que aprendi em minha vida e em meu minist)rio. am*)m
compartilhei e&emplos de al%umas confissões pessoais que costumo aplicar da .alavra
de (eus Ds muitas situações da vida que encontramos em nosso caminhar crist'o.
4 minha oraç'o sincera que eles se+am de a+uda para que voc9 o*tenha controle so*re
suas palavras e, assim, mude sua vida e circunstJncias , para seu pr0prio *em e de todos
aqueles com quem voc9 convive.
4vite toda conversa torpe, vazia, v' e in5til. #o contrário, aprenda a falar como (eus
fala. E a .alavra de (eus, falada em verdade e amor, que voltar'o para ele, depois de
cumprir sua vontade e prop0sito. Mas, para falar esta .alavra em verdade e amor, seu
coraç'o deve ser sincero diante do -enhor, pois ) da a*undJncia que há no coraç'o que
a *oca fala , para o *em ou para o mal.
Vers+culos Sobre a (+n$ua
.orque todos tropeçamos em muitas coisas. -e al%u)m n'o tropeça Gnunca fala coisas erradasH
no falar, ) perfeito var'o, capaz de refrear tam*)m todo o corpo.
2ra, se pomos freio na *oca dos cavalos, para nos o*edecerem, tam*)m lhes diri%imos o corpo
inteiro.
2*servai, i%ualmente, os navios que, sendo t'o %randes e *atidos de ri+os ventos, por um
pequen$ssimo leme s'o diri%idos para onde queira o impulso do timoneiro. #ssim, tam*)m a
l$n%ua, pequeno 0r%'o, se %a*a de %randes coisas. Aede como uma fa%ulha põe em *rasas t'o
%rande selvaT 2ra, a l$n%ua ) fo%oB ) mundo de iniqLidadeB a l$n%ua está situada entre os
mem*ros de nosso corpo, e contamina o corpo inteiro, e n'o s0 põe em chamas toda a carreira
da e&ist9ncia humana (o ciclo da natureza humana", como tam*)m ) posta ela mesma em
chamas pelo inferno. .ois toda esp)cie de feras, de aves, de r)pteis e de seres marinhos se doma
e tem sido domada pelo %9nero (natureza" humanoB a l$n%ua, por)m, nenhum dos homens )
capaz de domarB é mal incontido (indisciplinado, irreconciliável", carre%ado de veneno
mort$fero.
Com ela, *endizemos ao -enhor e .aiB tam*)m, com ela, amaldiçoamos os homens, feitos D
semelhança de (eus. (e uma s0 *oca procede *9nç'o e maldiç'o. Meus irm'os, n'o )
conveniente que estas coisas se+am assim. #caso, pode a fonte +orrar GsimultaneamenteH do
mesmo lu%ar o que ) doce e o que ) amar%oso<
#caso, meus irm'os, pode a fi%ueira produzir azeitonas ou a videira, fi%os< ampouco fonte de
á%ua sal%ada pode dar á%ua doce.
% I.2,!2
-e al%u)m supõe ser reli%ioso (o*servador de deveres e&ternos de sua f)", dei&ando de refrear a
l$n%ua, antes, en%anando o pr0prio coraç'o, a sua reli%i'o ) v' (f5til, est)ril".
% !.2/
#ssim tam*)m v0s considerai,vos mortos para o pecado, mas vivos para (eus Gvivendo um
relacionamento inque*rantável com eleH, em Cristo Cesus.
6'o reine, portanto, o pecado em vosso corpo (perec$vel" mortal, de maneira que o*edeçais Ds
suas pai&õesB nem ofereçais cada um os mem*ros do seu corpo Ge faculdadesH ao pecado, como
instrumentos de iniqLidadeB mas oferecei,vos a (eus, como ressurretos dentre os mortos, e os
vossos mem*ros, a (eus, como instrumentos de +ustiça.
>m /.!!,!I
Como está escrito8 .or pai de muitas nações te constitu$ G4le foi desi%nado nosso paiH, perante
aquele no qual creu, o (eus que vivifica os mortos e chama D e&ist9ncia as coisas Gque previu e
prometeuH que n'o e&istem.
>m F.!@
2s c)us por sua palavra se fizeram, e, pelo sopro de sua *oca, o e&)rcito deles.
-Q II./
(isse (eus8 1a+a luzB e houve luz.
On !.I
(o fruto da *oca o coraç'o se farta, do que produzem os lá*ios se satisfaz Gse+a *om ou ruimH.
# morte e a vida est'o no poder da l$n%uaB o que *em a utiliza come do seu fruto Gpara a morte
ou vidaH.
.v !7.2M,2!
6'o ) o que entra pela *oca o que contamina o homem, mas o que sai da *oca, isto, sim,
contamina o homem.
Mt !K.!!
6'o compreendeis que tudo o que entra pela *oca desce para o ventre e, depois, é lançado em
lu%ar escuso< Mas o que sai da *oca vem do coraç'o, e ) isso que contamina o homem.
.orque do coraç'o procedem maus des$%nios (razões, disputas", homic$dios, adult)rios,
prostituiç'o, furtos, falsos testemunhos, *lasf9mias.
-'o estas as coisas que contaminam o homemB mas o comer sem lavar as m'os n'o o
contamina.
Mt !K.!@,2M
# vossa palavra se+a sempre a%radável (%raciosa", temperada Gcomo se fosseH com sal, para
sa*erdes como deveis responder a cada um Gque lhe faz al%uma per%untaH.
Cl F./
;uem farta Gtua necessidade e dese+o em tua idade e situaç'o atualH de *ens a tua velhice, de
sorte que a tua mocidade se renova como a da á%uia Gforte, triunfante, que voa altoH.
-Q !MI.K
Como fruto dos seus lá*ios criei a paz, paz para os que est'o lon%e G%entios e +udeusH e para os
que est'o perto, diz o -4612>, e eu o sararei Gfarei *rotar dos seus lá*ios louvores e
a%radecimentoH.
Qs K@.!?
.ela trans%ress'o dos lá*ios o mau Gperi%osamenteH se enlaça, mas o +usto sairá da an%5stia.
Cada um se farta de *em pelo fruto da sua *oca, e o que as m'os do homem fizerem ser,lhe,á
retri*u$do.
.v !2.!I
2u fazei a árvore *oa (saudável" e o seu fruto *om (saudável" ou a árvore má (doente" e o seu
fruto mau (doente"B porque pelo fruto se conhece a árvore.
>aça de v$*oras, como podeis falar coisas *oas, sendo maus< .orque a *oca fala do que está
cheio (supera*undante" o coraç'o.
Mt !2.II,IF
Nilho meu, se dei&as de ouvir a instruç'o, desviar,te,ás das palavras do conhecimento.
.v !?.2@
(i%o,vos que de toda palavra fr$vola (inoperante, in5til" que proferirem os homens, dela dar'o
conta no (ia do Cu$zo.
Mt !2.I/
;uem fecha os olhos ima%ina o mal, e, quando morde Gcomo se em ocultoH os lá*ios, o e&ecuta.
.v !/.IM
(o fruto da *oca o homem comerá o *em, mas o dese+o dos p)rfidos ) a viol9ncia.
2 que %uarda a *oca conserva a sua alma, mas o que muito a*re os lá*ios a si mesmo se arru$na.
.v !I.2,I
2 que %uarda a *oca e a l$n%ua %uarda a sua alma das an%5stias.
.v 2!.2I
.orque a palavra de (eus ) viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois
%umes, e penetra at) ao ponto de dividir alma e esp$rito, +untas e medulas Gas partes mais
profundas de nossa naturezaH, e ) apta para discernir os pensamentos e prop0sitos do coraç'o.
1* F.!2
#l%u)m há cu+a ta%arelice ) como pontas de espada, mas a l$n%ua dos sá*ios ) medicina.
.v !2.!7
2 homem se ale%ra em dar resposta adequada, e a palavra, a seu tempo, qu'o *oa )T
.v !K.2I
6'o saia G+amaisH da vossa *oca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for *oa para
edificaç'o, conforme a necessidade, e, assim, transmita %raça (favor de (eus" aos que ouvem. 4
n'o entristeçais o 4sp$rito de (eus Gn'o ofendais, n'o a*orreçaisH, no qual fostes selados
(marcados, carim*ados como propriedade de (eus, firmados" para o dia da redenç'o (da
li*ertaç'o final do mal e conseqL9ncias do pecado, atrav)s de Cristo".
:on%e de v0s, toda amar%ura, e c0lera (pai&'o, 0dio, temperamento dif$cil", e ira (raiva,
animosidade", e %ritaria (*ri%a, contenda, pol9mica", e *lasf9mias (lin%ua%em a*usiva", e *em
assim toda mal$cia (rancor, má vontade e torpeza de qualquer tipo". #ntes, sede uns para com os
outros *eni%nos, compassivos, perdoando,vos uns aos outros, como tam*)m (eus, em Cristo,
vos perdoou.
4f F.2?,I2
;uem, -4612>, ha*itará GtemporariamenteH no teu ta*ernáculo< ;uem há de morar
GpermanentementeH no teu santo monte<
2 que vive com inte%ridade, e pratica a +ustiça, e, de coraç'o, fala a verdadeB
2 que n'o difama com sua l$n%ua, n'o faz mal ao pr0&imo, nem lança in+5ria contra o seu
vizinhoB
-Q !K.!,I
4nt'o, disse eu8 ai de mimT 4stou perdidoT .orque sou homem de lá*ios impuros, ha*ito no
meio de um povo de impuros lá*ios, e os meus olhos viram o >ei, o -4612> dos 4&)rcitosT
4nt'o, um dos serafins Gseres celestiaisH voou para mim, trazendo na m'o uma *rasa viva, que
tirara do altar com uma tenazB com a *rasa tocou a minha *oca e disse8 4is que ela tocou os teus
lá*iosB a tua iniqLidade foi tirada, e perdoado, o teu pecado.
Qs /.K,@
.õe %uarda, -4612>, D minha *ocaB vi%ia a porta dos meus lá*ios.
-Q !F!.I
#s palavras dos meus lá*ios e o meditar do meu coraç'o se+am a%radáveis na tua presença,
-4612>, rocha Gfirme, impenetrávelH minha e redentor meuT
-Q !?.!F
Nilho meu, atenta para as minhas palavrasB aos meus ensinamentos inclina os ouvidos.
6'o os dei&es apartar,se dos teus olhosB %uarda,os no mais $ntimo do teu coraç'o.
.orque s'o vida para quem os acha e sa5de, para o seu corpo. -o*re tudo o que se deve %uardar,
%uarda o coraç'o, porque dele procedem as fontes da vida.
(esvia de ti a falsidade da *oca e afasta de ti a perversidade dos lá*ios.
.v F.2M,2F
6em conversaç'o torpe (o*scena, indecente", nem palavras v's (tolas, corruptas" ou chocarrices,
coisas essas inconvenientesB antes, pelo contrário, ações de %raças.
4f K.F
# resposta *randa desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira. # l$n%ua dos sá*ios adorna o
conhecimento, mas a *oca dos GautoconfiantesH insensatos derrama a estult$cia. 2s olhos do
-4612> est'o em todo lu%ar, contemplando os maus e os *ons.
# l$n%ua serena Gcom seu poder curadorH ) árvore de vida, mas a perversa que*ranta o esp$rito.
# ansiedade no coraç'o do homem o a*ate, mas a *oa palavra o ale%ra.
.v !K.!,F
.re%a a palavra, insta Geste+as pronto e em posiç'oH, quer se+a oportuno, quer n'o Gse for
conveniente ou n'o, se for *em rece*ida ou n'o, tu, como pre%ador da .alavra deves mostrar Ds
pessoas onde a vida delas está erradaH, corri%e, repreende, e&orta com toda a lon%animidade e
doutrina.
2m F.2
4 disse,lhes8 Qde por todo o mundo e pre%ai o evan%elho a toda criatura.
Mc !/.!K
6o muito falar n'o falta trans%ress'o, mas o que modera os lá*ios ) prudente.
.v !M.!?
4le foi oprimido e humilhado, mas n'o a*riu a *ocaB como cordeiro foi levado ao matadouroB e,
como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele n'o a*riu a *oca.
Qs KI.@
2uvi, pois falarei coisas e&celentesB os meus lá*ios proferir'o coisas retas.
.orque a minha *oca proclamará a verdadeB os meus lá*ios a*ominam a impiedade.
-'o +ustas (honestas, de acordo com (eus" todas as palavras da minha *ocaB n'o há nelas
nenhuma coisa torta, nem perversa.
.v 7./,7
.orque eu vos darei *oca e sa*edoria a que n'o poder'o resistir, nem contradizer todos quantos
se vos opuserem.
:c 2!.!K
;uem ret)m as palavras possui o conhecimento, e o sereno de esp$rito ) homem de inteli%9ncia.
#t) o estulto, quando se cala, ) tido por sá*io, e o que cerra os lá*ios, por sá*io.
.v !@.2@
...2 -4612> a*orrece... testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre
irm'os.
.v /.!/,!?
2 $mpio, com a *oca, destr0i o pr0&imo, mas os +ustos s'o li*ertados pelo conhecimento.
6o *em,estar dos +ustos e&ulta a cidade, e, perecendo os perversos, há +5*ilo.
.ela *9nç'o que os retos suscitam Gpor causa delesH, a cidade se e&alta, mas pela *oca dos
perversos ) derri*ada. 2 que despreza o pr0&imo ) falto de senso, mas o homem prudente, este
se cala.
2 me&eriqueiro desco*re o se%redo, mas o fiel de esp$rito o enco*re.
.v !!.?,!I
# *oca do +usto profere a sa*edoria, e a sua l$n%ua fala o que ) +usto.
-Q I@.IM
#%ora, por)m, despo+ai,vos, i%ualmente GcompletamenteH, de tudo isto8 ira, indi%naç'o,
maldade, maledic9ncia, lin%ua%em o*scena do vosso falar.
6'o mintais uns aos outros, uma vez que vos despistes do velho (n'o re%enerado" homem com
os seus feitos e vos revestistes do novo GespiritualH homem que Gainda no processoH se refaz para
o pleno conhecimento, se%undo a ima%em (semelhança" daquele que o criouB
Cl I.7,!M
(eus n'o ) homem, para que mintaB nem filho de homem, para que se arrependa. .orventura,
tendo ele prometido, n'o o fará< 2u, tendo falado, n'o o cumprirá<
6m 2I.!?
;uando vier, por)m, o 4sp$rito da verdade (o 4sp$rito que concede a verdade", ele vos %uiará a
toda (completa" a verdadeB porque n'o falará por si mesmo Gde sua pr0pria autoridadeH, mas dirá
tudo o que tiver ouvido Gdo .aiB ele dará a mensa%em que foi dada a eleH e vos anunciará as
coisas que h'o de vir Gque acontecer'o no futuroH.
Co !/.!I
A0s sois do dia*o, que ) vosso pai, e quereis satisfazer,lhe os dese+os Gque lhe s'o
caracter$sticosH. 4le foi homicida desde o princ$pio e +amais se firmou na verdade, porque nele
n'o há verdade. ;uando ele profere mentira, fala do que lhe ) pr0prio, porque ) mentiroso ...
Co 7.FF
;uanto, por)m, aos covardes, aos incr)dulos, aos a*omináveis, aos assassinos, aos impuros, aos
feiticeiros, aos idolatras (aqueles que d'o suprema devoç'o a qualquer um ou qualquer coisa
que n'o se+a a (eus" e a todos os mentirosos (aqueles que sa*idamente conduzem a mentira por
palavras ou o*ras", a parte que lhes ca*e será no la%o que arde com fo%o e en&ofre, a sa*er, a
se%unda morte.
#p 2!.7
.or isso, dei&ando a mentira, fale cada um a verdade com o seu pr0&imo, porque somos
mem*ros uns dos outros 6em deis lu%ar GoportunidadeH ao dia*o.
Mas, se%uindo a verdade Gem tudo, falando a verdade, vivendo em verdade e lidando com a
verdadeH em amor, cresçamos em tudo naquele que ) a ca*eça, Cristo (o Messias, o Un%ido"
4f F.!K
2s lá*ios mentirosos s'o a*omináveis ao -4612>, mas os que a%em fielmente s'o o seu
prazer.
.v !2.22
2 homem que lison+eia a seu pr0&imo arma,lhe uma rede aos passos.
.v 2?.K
6'o dirás falso testemunho contra o teu pr0&imo.
a& 2M.!/
4is as coisas que deveis fazer8 Nalai a verdade cada um com o seu pr0&imo, e&ecutai +u$zo nas
vossas portas, se%undo a verdade, em favor da pazB
Yc 7.!/
2 que diz a verdade manifesta a +ustiça (honestidade e postura correta diante de (eus", mas a
testemunha falsa, a fraude. #l%u)m há cu+a ta%arelice ) como pontas de espada, mas a l$n%ua
dos sá*ios ) medicina.
2 lá*io veraz permanece para sempre, mas a l$n%ua mentirosa, apenas um momento.
.v !2.!@,!?
#inda que eu fale as l$n%uas dos homens e dos an+os, se n'o tiver amor (raz'o, intenç'o,
devoç'o espiritual que ) inspirado pelo amor de (eus em n0s", serei como o *ronze que soa ou
como o c$m*alo que retine.
#inda que eu tenha o dom de profetizar (o dom de interpretar o prop0sito e vontade divina" e
conheça todos os mist)rios e toda a ci9nciaB ainda que eu tenha tamanha f), a ponto de
transportar montes, se n'o tiver amor (o amor de (eus em mim", nada serei (um in5til".
4 ainda que eu distri*ua todos os meus *ens entre os po*res e ainda que entre%ue o meu pr0prio
corpo para ser queimado, se n'o tiver amor (o amor de (eus em mim", nada disso me
aproveitará.
!Co !I.!,I
>e%ozi+ai,vos e e&ultai, porque ) %rande (forte e intenso" o vosso %alard'o nos c)usB pois assim
perse%uiram aos profetas que viveram antes de v0s.
Mt K.!2
Ninalmente, sede todos de i%ual Jnimo Gunidos no esp$ritoH, compadecidos Guns com os outrosH,
fraternalmente ami%os, misericordiosos, humildes.
6'o pa%ando mal por mal ou in+5ria (insulto, repreens'o" por in+uriaB antes, pelo contrário,
*endizendo Gorando por seu *em,estar, felicidade e proteç'o e verdadeiramente amando,os e
tendo miseric0rdia delesH, pois para isto mesmo fostes chamados, a fim de rece*erdes *9nç'o
por herança Gde (eus ] para que voc9 o*tenha uma *9nç'o como herdeiro, trazendo *em,estar,
felicidade e proteç'oH.
.ois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a l$n%ua do mal e evite que os seus lá*ios
falem dolosamente (com en%ano".
!.e I.7,!M
-e e&altam a ca*eça os que me cercam, cu*ra,os a maldade dos seus lá*ios.
-Q !FM.?
(essarte, ser'o levados a tropeçarB a pr0pria l$n%ua se voltará contra elesB todos os que os v9em
meneiam a ca*eça.
-Q /F.7
oda arma for+ada contra ti n'o prosperaráB toda l$n%ua que ousar contra ti em +u$zo, tu a
condenarásB esta Gpaz, +ustiça, se%urança, vit0ria so*re a oposiç'oH ) a herança dos servos do
-4612> Gaqueles nos quais o -ervo ideal do -enhor ) reproduzidoH e o seu direito que de mim
procede Go que concedo a eles como sua +ustificaç'oH, diz o -4612>.
Qs KF.!@
.ela *9nç'o que os retos suscitam, a cidade se e&alta, mas pela *oca dos perversos ) derri*ada.
.v !!.!!
4m tudo, Gn'o importa quais se+am as circunstJncias, se+ais %ratosH, dai %raças Ga (eusH, porque
esta ) a vontade de (eus em Cristo Cesus Go >evelador e Mediador desta vontadeH para
convosco.
!s K.!7
.or meio de Cesus, pois, ofereçamos a (eus, sempre, sacrif$cio de louvor, que é o fruto de lá*ios
que confessam o seu nome.
1* !I.!K
3endirei o -4612> em todo o tempo, o seu louvor estará sempre nos meus lá*ios.
-Q IF.!
G(irecione tais pessoasH D lei e ao testemunhoT -e eles n'o falarem desta maneira, +amais ver'o
a alva.
Qs 7.2M
.orque em verdade vos afirmo que, se al%u)m disser a este monte8 4r%ue,te e lança,te no mar, e
n'o duvidar no seu coraç'o, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele.
Mc !!.2I
# se%uir, foi Cesus levado (%uiado" pelo 4sp$rito G-antoH ao deserto, para ser tentado (testado e
provado" pelo dia*o. 4, depois de +e+uar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. 4nt'o, o
tentador, apro&imando,se, lhe disse8 -e )s Nilho de (eus, manda que estas pedras se
transformem em p'es. Cesus, por)m, respondeu8 4stá escrito8 6'o s0 de p'o viverá o homem,
mas de toda palavra que procede da *oca de (eus. 4nt'o, o dia*o o levou D Cidade -anta,
colocou,o so*re o pináculo (torre" do templo e lhe disse8 -e )s Nilho de (eus, atira,te a*ai&o,
porque está escrito8 #os seus an+os ordenará a teu respeito que te %uardemB e eles te suster'o em
suas m'os, para n'o tropeçares nal%uma pedra. >espondeu,lhe Cesus8 am*)m está escrito8 6'o
tentarás o -enhor, teu (eus.
:evou,o ainda o dia*o a um monte muito alto, mostrou,lhe todos os reinos do mundo e a %l0ria
(o esplendor, a ma%nific9ncia, a proemin9ncia e a e&cel9ncia" deles e lhe disse8 udo isto te
darei se, prostrado, me adorares.
4nt'o, Cesus lhe ordenou8 >etira,te, -atanás, porque está escrito8 #o -enhor, teu (eus, adorarás,
e s0 a ele darás culto. Com isto, o dei&ou o dia*o, e eis que vieram an+os e o serviram.
Mt F.!,!!
-ede, pois, imitadores de (eus, como filhos amados Gque imitam seus paisH.
4f K.!
Nor+ai espadas das vossas relhas de arado e lanças, das vossas podadeirasB di%a o fraco8 4u sou
forte Gum %uerreiroH.
Cl I.!M
(isse,me o -4612>8 Aiste *em, porque eu velo so*re a minha palavra para a cumprir.
Cr !.!2
.ara sempre, 0 -4612>, está firmada a tua palavra no c)u.
-Q !!?.7?
.rostrar,me,ei para o teu santo templo e louvarei o teu nome, por causa da tua miseric0rdia e da
tua verdade, pois ma%nificaste acima de tudo o teu nome e a tua palavra.
-Q !I7.2
4le, que ) o resplendor da %l0ria Gque irradia a divindadeH e a e&press'o e&ata Gde (eusH do seu
-er, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificaç'o dos
pecados, assentou,se D direita da Ma+estade, nas alturas,
1* !.I
.ela f), entendemos que foi o universo Gdurante as eras sucessivasH formado (confeccionado,
colocado em ordem e equipado para o seu prop0sito" pela palavra de (eus, de maneira que o
vis$vel veio a e&istir das coisas que n'o aparecem.
1* !!.I
6o princ$pio Gantes de todos os temposH era o Aer*o (Cristo", e o Aer*o estava com (eus, e o
Aer*o era (eus.
Co !.!
4 o Aer*o (Cristo" se fez carne (humano, encarnado" e ha*itou (esta*eleceu sua tenda de carne
enquanto viveu", entre n0s, cheio de %raça (favor, *ondade amorosa" e de verdade, e vimos Gna
verdadeH a sua %l0ria (sua honra, ma+estade", %l0ria como do uni%9nito do .ai.
Co !.!F
.or)m que se diz< # palavra (a mensa%em de (eus em Cristo" está perto de ti, na tua *oca e no
teu coraç'oB isto ), a palavra (a mensa%em, a *ase e o*+eto" da f) que pre%amos. -e, com a tua
*oca, confessares Cesus como -enhor e, em teu coraç'o, creres (aderires a, confiares em e
dependeres de Cristo" que (eus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. .orque com o
coraç'o se cr9 (adere a, confia em e depende de Cristo" para +ustiça () declarado +usto, aceitável
a (eus" e com a *oca se confessa (declara a*ertamente e fala livremente de sua f)" a respeito da
salvaç'o.
>m !M.7,!M
4 conhecereis a verdade, e a verdade vos li*ertará.
Co 7.I2
.orque este mandamento que, ho+e, te ordeno n'o ) demasiado dif$cil, nem está lon%e de ti.
6'o está nos c)us, para dizeres8 ;uem su*irá por n0s aos c)us, que no,lo tra%a e no,lo faça
ouvir, para que o cumpramos< 6em está al)m do mar, para dizeres8 ;uem passará por n0s al)m
do mar que no,lo tra%a e no,lo faça ouvir, para que o cumpramos< .ois esta palavra está mui
perto de ti, na tua *oca e no teu coraç'o, para a cumprires.
(t IM.!!,!F
(espo+ando,vos, portanto, de toda maldade (depravaç'o, mal$cia" e dolo, de hipocrisias
(pretens'o" e inve+as (ci5mes" e de toda sorte de maledic9ncias, dese+ai ardentemente (tenha
sede, dese+e intensamente", como crianças rec)m,nascidas, o %enu$no (puro" leite espiritual,
para que, por ele, vos se+a dado crescimento para Ga totalH salvaç'o.
!.e 2.!,2
#%ora, pois Girm'osH, encomendo,vos ao -enhor e D palavra da sua %raça, que tem poder para
vos edificar e dar herança entre todos os que s'o santificados.
#t 2M.I2
4, assim, a f) vem pela pre%aç'o Gdo que ) ditoH, e a pre%aç'o Gda mensa%em que sai dos
lá*iosH, pela palavra de Cristo (o Messias".
>m !M.!@
#ssim será a palavra que sair da minha *oca8 n'o voltará para mim vazia Gsem produzir nenhum
efeitoH, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a desi%nei.
Qs KK.!!
4 eles, tendo partido, pre%aram em toda parte, cooperando com eles o -enhor e confirmando a
palavra por meio de sinais, que se se%uiam.
Mc !/.2M
endo, por)m, o mesmo esp$rito da f), como está escrito8 4u criB por isso, ) que falei. am*)m
n0s cremosB por isso, tam*)m falamos.
2Co F.!I
1avendo, pois, o -4612> (eus formado da terra todos os animais Gselva%ensH do campo e
todas as aves dos c)us, trou&e,os ao homem, para ver como este lhes chamariaB e o nome que o
homem desse a todos os seres viventes, esse seria o nome deles.
On 2.!?
Aai, pois, a%ora, e eu serei com a tua *oca e te ensinarei o que hás de falar.
a& F.!2
;ue confirmo a palavra do meu servo e cumpro o conselho dos meus mensa%eirosB que di%o de
Cerusal)m8 4la será GnovamenteH ha*itadaB e das cidades de Cudá8 4las ser'o GnovamenteH
edificadasB e quanto Ds suas ru$nas8 4u as levantarei.
Qs FF.2/
6'o cr9s que eu estou no .ai e que o .ai está em mim< #s palavras que eu vos di%o n'o as di%o
por mim mesmoB mas o .ai, que permanece em mim, faz as suas o*ras (seus pr0prios mila%res,
o*ras de poder".
Co !F.!M
6'o ) a minha palavra fo%o Gque consome tudo o que n'o resiste a provasH, diz o -4612>, e
martelo que esmiuça a penha Gda resist9ncia mais acirradaH<
Cr 2I.2?
.assará o c)u e a terra (o universo, o mundo", por)m as minhas palavras n'o passar'o.
:c 2!.II
.orque, pelas tuas palavras, serás +ustificado e, pelas tuas palavras, serás condenado.
Mt !2.I@
2s lá*ios do +usto apascentam a muitos, mas, por falta de senso, morrem os tolos.
.v !M.2!
6'o cesses de falar deste :ivro da :eiB antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado
de fazer se%undo tudo quanto nele está escritoB ent'o, farás prosperar o teu caminho e serás
*em,sucedido.
Cs !.7
6'o multipliqueis palavras de or%ulho, nem saiam coisas arro%antes da vossa *ocaB porque o
-4612> ) o (eus da sa*edoria e pesa todos os feitos na *alança.
!-m 2.I
Corte o -4612> todos os lá*ios *a+uladores, a l$n%ua que fala so*er*amente.
-Q !2.I
-ondas,me o coraç'o, de noite me visitas, provas,me no fo%o e iniqLidade nenhuma encontras
em mim Gnenhum mau des$%nioHB a minha *oca n'o trans%ride.
-Q !@.I
>efreia a l$n%ua do mal e os lá*ios de falarem dolosamente.
-Q IF.!I
Naze,me atinar com o caminho dos teus preceitos, e meditarei nas tuas maravilhas.
-Q !!?.2@
4stás enredado com o que dizem os teus lá*ios, estás preso com as palavras da tua *oca.
.v /.2
2 homem de 3elial, o homem vil, ) o que anda com a perversidade na *oca.
.v /.!2
Nol%uem e em ti se re+u*ilem todos os que te *uscamB os que amam a tua salvaç'o di%am
sempre8 2 -4612> se+a ma%nificadoT
-Q FM.!/
Como de *anha e de %ordura farta,se a minha almaB e, com +5*ilo nos lá*ios, a minha *oca te
louva, 6o meu leito, quando de ti me recordo e em ti medito, durante a vi%$lia da noite.
-Q /I.K,/
2s lá*ios +ustos s'o o contentamento do rei, e ele ama o que fala coisas retas.
.v !/.!I
2 perverso de coraç'o +amais achará o *emB e o que tem a l$n%ua do*re vem a cair no mal.
.v !@.2M
>esponder antes de ouvir ) estult$cia e ver%onha.
.v !7.!I
-e+a outro o que te louve, e n'o a tua *ocaB o estran%eiro, e n'o os teus lá*ios.
.v 2@.2
2 insensato GautoconfianteH e&pande toda a sua ira, mas o sá*io afinal lha reprime.
.v 2?.!!
ens visto um homem precipitado nas suas palavras< Maior esperança há para o insensato
Gautoconf$anteH do que para ele.
.v 2?.2M
udo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo prop0sito de*ai&o do c)u...
... tempo de ras%ar e tempo de coserB tempo de estar calado e tempo de falarB
4c I.!,@
.orque Cerusal)m está arruinada, e Cudá, ca$daB porquanto a sua l$n%ua e as suas o*ras s'o
contra o -4612>, para desafiarem a sua %loriosa presença.
Qs I.7
4nt'o, clamarás, e o -4612> te responderáB %ritarás por socorro, e ele dirá8 4is,me aqui. -e
tirares do meio de ti o +u%o Gonde quer que os encontreH, o dedo que ameaça, o falar in+uriosoB
Qs K78?
-e+a, por)m, a tua palavra8 -im, simB n'o, n'o. 2 que disto passar vem do mali%no.
Mt K.I@
odavia, ficarás mudo e n'o poderás falar at) ao dia em que estas coisas venham a realizar,seB
porquanto n'o acreditaste nas minhas palavras, as quais, a seu tempo, se cumprir'o.
:c !.2M
.or isso, se ale%rou o meu coraç'o, e a minha l$n%ua e&ultouB al)m disto, tam*)m a minha
pr0pria carne repousará em esperança Gacampará, levantará sua tenda e ha*itará na antecipada
ressurreiç'oH.
#t 2.2/
Nazei tudo sem murmurações Gcontra (eusH nem contendas Gentre v0sH.
Np 2.!F
4 tudo o que fizerdes Gse+a o que forH, se+a em palavra, se+a em aç'o, fazei,o em nome Ge na
depend9nciaH do -enhor Cesus, dando por ele %raças a (eus .ai.
Cl I.!@
... e a dili%enciardes por viver tranqLilamente, cuidar do que ) vosso e tra*alhar com as pr0prias
m'os, como vos ordenamosB
!s F.!!
Consolai,vos (admoestai,vos, e&ortai,vos", pois, uns aos outros e edificai,vos (fortalecei,vos e
solidif$cai,vos" reciprocamente, como tam*)m estais fazendo.
!s K.!!
endo, pois, a Cesus, o Nilho de (eus, como %rande sumo sacerdote que penetrou os c)us,
conservemos firmes a nossa confiss'o da f) neleH.
1* F.!F
-a*eis estas coisas, meus amados irm'os. odo homem, pois, se+a pronto para ouvir Gum
ouvinte dispon$velH, tardio para falar, tardio para se irar.
% !.!?
GMeusH irm'os, n'o faleis mal uns dos outros. #quele que fala mal do irm'o ou +ul%a a seu
irm'o fala mal da lei e +ul%a a leiB ora, se +ul%as a lei, n'o )s o*servador da lei, mas +uiz.
% F.!!
4les, pois, o Gdia*oH venceram (conquistaram" por causa do san%ue do Cordeiro e por causa da
palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, n'o amaram a pr0pria vida
Gconsideraram sua vida como nada at) morrerem por seu testemunhoH.
#p !2.!!
Ora!ão por um 5elacionamento
-essoal com o Senhor
(eus quer que voc9 rece*a seu dom %ratuito de salvaç'o. Cesus quer salvá,lo e ench9,lo com o
4sp$rito -anto mais do que tudo. -e voc9 nunca convidou a Cesus, o .r$ncipe da .az, para ser o
seu -enhor e -alvador, eu o convido a fazer isso a%ora. 2re a se%uinte oraç'o e se, realmente for
sincero, você e&perimentará uma nova vida em Cristo.
;ai!
,u amaste tanto o mundo que deste teu Tnico Nilo para morrer por nossos pecados! para que
todo aquele que nele crê não pere7a! mas tena a vida eterna.
,ua ;alavra diz que pela gra7a somos salvos! por meio da fé! como um presente de ti. .ão /
nada que possamos fazer para ganar a salva7ão.
4reio e confesso com mina boca que Jesus 4risto é seu Nilo! o &alvador do mundo. 4reio
que ele morreu na cruz por mim e levou todos os meus pecados! pagando o pre7o por eles.
4reio em meu cora7ão que tu ressuscitaste Jesus dentre os mortos.
$u te pe7o para perdoar meus pecados. $u te confesso como meu &enor. #e acordo com tua
;alavra! sou salvo e passarei a eternidade contigo
5
. =brigado! ;ai. &ou muito grato: $m nome
de Jesus! amém.
Aer Co I.!/B 4f 2.7,?B >m !M.?,!MB ! Co !K.I,FB ! Co !.?B F.!F,!/B K.!,!2,!I.
"otas Finais
&ap+tulo C
!
1ebsters 22 .e3 4ollege #ictionar0 (3oston8 1ou%hton Mifflin CompanS, !??K", ver*ete
"sa*edoria."
2
Re*ster\s QQ, ver*ete "prud9ncia."
I
Re*ster\s QQ, ver*ete "prudente."
&ap+tulo D
\R. 4. Aine, Merrill N. Un%er, Rilliam Rhite Cr., "-eç'o 6ovo estamento," no 6ines
4omplete $Dpositor0 #ictionar0 of =ld and .e3 ,estament 1ords (6ashville8 homas 6elson,
Qnc., !?7F", p. !2!, ver*ete "C26NQ>M#>, C26NQ>M#bc2, #. Aer*os, 6o. !, B$BA2==.
2
Aine, #. Aer*os, 6o. I, KX9==.
I
Aine, 3. -u*stantivos, B$BA2=&2&.
&ap+tulo E
\Cames 4. -tron%, "(icionário 1e*reu e Caldeu," no &trongs $Daustive 4oncordance of te
Bible (6ashville8 #*in%don, !7?M", p. I2, entrada d !7?@, ver*ete "meditar," Cosu) !.7.
2
-tron%, "1e*reu," p. !!K, entrada d @7@7, ver*ete "meditar," -almo !!?.!F7.
&ap+tulo F
\Re*sters QQ, ver*ete "ca*resto."
2
Re*ster\s QQ, ver*ete "freio."
I
.ara uma discuss'o mais completa deste ponto, su%iro que voc9 leia meu livro deste t$tulo. Aer
a lista de livros no final deste livro.
&ap+tulo CG
!
Aine, "-eç'o 6ovo estamento," p. K7M, ver*ete "difamador."
2
Re*ster\s QQ, ver*ete "difamaç'o."
I
Cames -tron%, "(icionário Ore%o do 6ovo estamento," no ,e .e3 &trongs $Daustive
4oncordance of te Bible (6ashville8 homas 6elson, Qnc., !??M".
F
Aine, p. K7M, ver*ete "(QN#M#(2>."
K
Aine, p. KM, ver*ete "(Q#32."
/
-tron%, "Ore%o," (#*in%don, !7?M", p. KF, entrada d I7@M.
@
-tron%, p. KK, entrada d I7@K.
&ap+tulo CD
!
1ebsters .e3 1orld #ictionar0 of te American Manguage (6e` Rorld .u*lishin%
CompanS, !?/?", ver*ete "intrometido."
2
Re*ster\s QQ, ver*ete "intrometido." IRe*ster\s QQ, ver*ete "fofoqueiro."
F
Aine, "-eç'o 6ovo estamento," p. K7M, ver*ete "difamador."
K
Re*ster\s QQ, ver*ete "difamaç'o."
/
Re*sters QQ, ver*ete "cochichar."
'ap(tulo )*
!
Re*sters QQ, ver*ete "disposiç'o."
2
Aine, "-eç'o 6ovo estamento," pp. !27,K7,K?, ver*ete "C26A4>-#bc2,"
"C2M.2>#>, C2M.2>#M462."
I
1anna* 1urnard, Lountains of &pices (Rheaton8 Sndale 1ouse, Qnc., !?@?".
G
1urnard, pp. 222,22?.
K
1urnard, pp. !/7,!@F.
/
1urnard, pp. !I/,!FF.
@
Madame Ceanne OuSon, $Dperiencing te #epts of Jesus 4rist Bna Nrança8 anteriormente
intitulado &ort and 6er0 $as0 Letod of ;ra0erC. (ireitos >eservados MCM:eeA por Oene
4d`ards (Oardiner, Maine8 Christian 3oo_s".
.iblio$rafia
OuSon, Madame Ceanne. $Dperiencing te #epts of Jesus 4rist Bna
NrançaB anteriormente intitulado &ortand 6er0 $as0 Letod of ;ra0erC.
(ireitos reservados MCM:eeA por Oene 4d`ards. Oardiner, Maine8
Christian 3oo_s.
1urnard, 1annah. Lountains of &pices. Rheaton8 Sndale 1ouse, Qnc.,
!?@?.
-tron%, Cames. ,e .e3 &trongs $Daustíve 4oncordance of te Bible.
6ashville8 homas 6elson, Qnc., !??M.
===========. &trongs $Daustíve 4oncordance of te Bible. 6ashville8
#*in%don, !7?M.
Aine, R. 4., Un%er, Merrill 4, Rhite Cr., Rilliam. "-eç'o 6ovo estamento." 6o 6ines
4omplete $Dpositor0 #ictionar0 of =ld and .e3 ,estament 1ords. 6ashville8 homas 6elson,
Qnc., !?7F. 1ebster Os .e3 1orld #ictionar0 of te American Manguage. 6e` Rorld .u*lishin%
CompanS, !?/?.
1ebsters 22 .e3 4ollege #ictionar0. 3oston8 1ou%hton Mifflin CompanS, !??K.
Sobre a autora
C2fC4 M4f4> ensina a .alavra de (eus desde !?@/ e passou a dedicar todo seu tempo a esse
minist)rio a partir de !?7M. Como pastora associada do :ife Christian Center, em -t. :ouis,
Missouri, desenvolveu, coordenou e ministrou cultos semanais chamados Mife in te 1ord
(Aida na .alavra". (epois de cerca de cinco anos, o -enhor a orientou para que os interrom,
pesse, criasse seu pr0prio minist)rio e o denominasse Mife in te 1ord! 2nc.
2 pro%rama de rádio Mife in te 1ord é transmitido por mais de 2KM estações nos 4stados
Unidos. -eu pro%rama de televis'o, com IM minutos de duraç'o, foi criado em !??I e ) visto
em toda a naç'o, al)m de em vários outros pa$ses. -uas fitas, em que ensina a .alavra, s'o
internacionalmente apreciadas. Aia+a %randes distJncias para realizar confer9ncias, al)m de
pre%ar em i%re+as locais.
CoSce e (ave, seu marido, administrador empresarial do Mife in te 1ord! est'o casados há mais
de trinta anos e t9m quatro filhos. r9s est'o casados e o mais novo vive com eles em Nenton,
Missouri, um su*5r*io de -t. :ouis.
CoSce acredita que seu chamado ) formar crentes na .alavra de (eus. 4la diz8 "Cesus morreu
para li*ertar os cativos, e muitos crist'os t9m pouca ou nenhuma vit0ria na vida". Como +á
viveu essa mesma situaç'o muitos anos atrás e desco*riu a li*erdade de viver em vit0ria ao
aplicar a .alavra de (eus, CoSce está ha*ilitada a tra*alhar para li*ertar os cativos e transformar
cinzas em *eleza.
4la ministra so*re sa5de emocional e assuntos correlatos por todo o pa$s, a+udando milhares de
pessoas. .roduziu cerca de !@M ál*uns de fitas cassete e ) autora de 2@ livros com temas
destinados a promover o Corpo de Cristo em várias questões.
Entre em contato
.ara contactar a autora, escreva para8
Minist)rio CoSce MeSer
Cai&a .ostal FMF7
3elo 1orizonte g MO , 3rasil
C4. I!2KM,?@M
Qnternet8
```.+ oScemeSer.or%
```.+oScemeSer.com.*r
;or favor! inclua seu testemuno ou a a(uda recebida por intermédio deste livro! quando você
escrever. &eus pedidos de ora7ão são bem@vindos.
+++F,M+++