O REINO DE DEUS CRESCE EM MEIO AOS CONFLITOS

LECIONÁRIO DOMINICAL – ANO A – 16° DOMINGO DO TEMPO COMUM – TEXTOS BÍBLICOS: BÍBLIA J. F. DE ALMEIDA REVISTA E ATUALIZADA (!
cf. LECIONÁRIO em: CCT - Consultation on Common Texts, (www.commontexts.org/Default.html) - DESENHO: www.servicioskoinonia.org/cerezo/indexAgraf.html
1ª Leitura: A humanidade de Deus, esperança nossa

19d
Concedeis o perdão aos pecadores”
Leitura do Livro da Sabedoria (Sb 12,13.16-19)

13
... não há outro Deus alem de ti, que cuide de tudo
e a quem devas mostrar que teus julgamentos não são injustos. [...]
16
Tua força !rinc"!io de justiça,
e o dom"nio que tens de tudo te fa# com!reensivo !ara com todos.
17
$ostras a força a quem não acredita na !erfeição do teu !oder,
e re!rovas o atrevimento dos que o conhecem.
18
%o entanto, julgas com &randura, dominando tua força.
' nos governas com muita clem(ncia,
!orque e)erces o !oder quando queres.
19
*travs dessas o&ras ensinastes teu !ovo
que o justo deve ser amigo de todo ser humano.
' ofereceste es!erança a teus filhos,
!orque concedes que haja conversão de!ois dos !ecados
(*Nova Bíblia Pastoral, Pg. 847+
Salmos resposorial: Salmo 86, !-6.9-1".1!-16a (#$.!a)
R.
!a
Pois tu, Senor, !s bo" e co"passivo
!
,ois tu, -enhor, s &om e com!assivo.
a&undante em &enignidade !ara com todos os que te invocam.
6
'scuta, -'%/01, a minha oração
e atende 2 vo# das minhas s3!licas. R.


9
Todas as naç4es que fi#este virão, !rostrar5se5ão diante de ti, -enhor,
e glorificarão o teu nome.
1"
,ois tu s grande e o!eras maravilhas.
s6 tu s Deus7 R.


1!
$as tu, -enhor, s Deus com!assivo e cheio de graça,
!aciente e grande em miseric6rdia e em verdade.
16a
8olta5te !ara mim
e com!adece5te de mim... R.


2ª Leitura: Quando nos faltam palavras, o Espírito é nossa palavra a Deus

26%
# ... $spírito intercede por n%s ... co" ge"idos ine&pri"íveis”
Leitura da &arta de 'aulo aos #omaos (#m 8,26-27)
[9rmãos:]
26
... o 's!"rito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraque#a.
!orque não sa&emos orar como convm,
mas o mesmo 's!"rito intercede !or n6s so&remaneira,
com gemidos ine)!rim"veis.
27
' aquele que sonda os coraç4es sa&e qual a mente do 's!"rito,
!orque segundo a vontade de Deus que ele intercede !elos santos.
(%lama)*o ao +va,el-o (.t 11,2!)
/
;<
...'ra(as te dou, % Pai, Senor do c!u e da terra,
por)ue ocultaste estas coisas aos s*bios e instruídos
e as revelaste aos pe)ueninos.”
+va,el-o: O Reino de Deus cresce em meio aos conflitos















3"a
+ei&ai,os crescer -untos .trigo e -oio/ at! 0 coleita”
'ro%lama)*o do +va,el-o de 0esus &risto se,udo .ateus (.t 13,21-13)

[%aqueles dias:]
21
0utra !ará&ola lhes !ro!=s, di#endo:
0 reino dos cus semelhante a um homem que semeou &oa semente no seu cam!o.
2!
mas, enquanto os homens dormiam,
veio o inimigo dele, semeou o joio no meio do trigo e retirou5se.
26
', quando a erva cresceu e !rodu#iu fruto, a!areceu tam&m o joio.
27
'ntão, vindo os servos do dono da casa, lhe disseram:
-enhor, não semeaste &oa semente no teu cam!o> Donde vem, !ois, o joio>
28
'le, !orm, lhes res!ondeu: ?m inimigo fe# isso.
$as os servos lhe !erguntaram: @ueres que vamos e arranquemos o joio>
29
%ão7 1e!licou ele, !ara que, ao se!arar o joio, não arranqueis tam&m com ele o trigo.
3"
Dei)ai5os crescer juntos at 2 colheita,
e, no tem!o da colheita, direi aos ceifeiros: ajuntai !rimeiro o joio,
atai5o em fei)es !ara ser queimado.
mas o trigo, recolhei5o no meu celeiro.
31
0utra !ará&ola lhes !ro!=s, di#endo:
0 reino dos cus semelhante a um grão de mostarda,
que um homem tomou e !lantou no seu cam!o.
32
o qual , na verdade, a menor de todas as sementes,
e, crescida, maior do que as hortaliças, e se fa# árvore,
de modo que as aves do cu v(m aninhar5se nos seus ramos.
33
Disse5lhes outra !ará&ola:
0 reino dos cus semelhante ao fermento
que uma mulher tomou e escondeu em tr(s medidas de farinha, at ficar tudo levedado.
31
Todas estas coisas disse Aesus 2s multid4es !or !ará&olas
e sem !ará&olas nada lhes di#ia.
3!
!ara que se cum!risse o que foi dito !or intermdio do !rofeta:
*&rirei em !ará&olas a minha &oca. !u&licarei coisas ocultas desde a criação [do mundo].
36
'ntão, des!edindo as multid4es, foi Aesus !ara casa.
', chegando5se a ele os seus disc"!ulos, disseram:
')!lica5nos a !ará&ola do joio do cam!o.
37
' ele res!ondeu: 0 que semeia a &oa semente o Bilho do /omem.
38
o cam!o o mundo. a &oa semente são os filhos do reino.
o joio são os filhos do maligno.
39
o inimigo que o semeou o dia&o.
a ceifa a consumação do sculo, e os ceifeiros são os anjos.
1"
,ois, assim como o joio colhido e lançado ao fogo,
assim será na consumação do sculo.
11
$andará o Bilho do /omem os seus anjos,
que ajuntarão do seu reino todos os escCndalos e os que !raticam a iniqDidade
12
e os lançarão na fornalha acesa. ali haverá choro e ranger de dentes.
13
'ntão, os justos res!landecerão como o sol, no reino de seu ,ai.
@uem tem ouvidos [!ara ouvir], ouça.
2ra)*o do dia (Livro de 2ra)*o &omum 3 L2&, p, 13", 'r4prio 11)
Deus 0ni!otente, fonte de toda sa&edoria,
que tanto conheces de antemão as nossas necessidades,
quanto n6s ignoramos o que !edir.
tem com!ai)ão de nossas fraque#as, e concede5nos tudo o que,
!or indignidade ou cegueira nossa não ousamos nem sa&emos su!licar,
senão !elos merecimentos de teu Bilho Aesus Eristo, nosso -enhor,
que vive e reina contigo e com o 's!"rito -anto, um s6 Deus
agora e sem!re. 1"!".
5e)*o (Livro de 2ra)*o &omum 3 L2&, p,. 1"1):
', agora, a F(nção de nosso -enhor !ermaneça com todo o seu !ovo,
em todas as l"nguas e !a"ses7
0 -enhor conceda miseric6rdia a todos os que o !rocuram7
0 -enhor console a todos os que sofrem e choram7
0 -enhor a!resse a sua vinda e nos d( a !lenitude de sua !a#7 1"!".