Sonda vesical de demora

 CUIDADOS COM ELIMINAÇÕES / PROCEDIMENTOS
 10 SET, 2012
 9
Sonda vesical de demora é usado quando é necessário que o paciente
permaneça com ela longos períodos na bexiga, para controlar o volume
urinário, possibilitar a eliminação da urina em pacientes imobilizados,
inconscientes ou com obstrução, em pós-operatório de cirurgias
urológicas.



MATERIAL
 Bandeja
 Biombo
 Material para higiene íntima com PVPI degermante.
 Material de cateterismo vesical (cuba-rim, cúpula, pinça Pean e
gaze, Campo fenestrado).


 Luvas estéreis.
 Sonda folley estéril descartável nº 16,18 ou 20.


 PVPI tópico.
 Compressas de gaze estéril.
 Lidocaína gel.
 Agulhas 40mm X 12mm.
 Coletor de urina de sistema fechado.
 Seringa de 10 ou 20 ml.
 Água destilada – ampola.
 Adesivo hipoalergênico (micropore).
 Saco plástico para resíduos.


PROCEDIMENTO: SONDA VESICAL
DE DEMORA
1. Higienize as mãos.
2. Reúna o material na bandeja e leve para o quarto do paciente.
3. Oriente o paciente sobre o cuidado a ser realizado.
4. Promova a privacidade do paciente colocando o biombo e fechando
as portas e janelas.
5. Prenda o saco plástico em local de fácil acesso.
6. Posicione o paciente em decúbito dorsal.
7. Calce as luvas de procedimento.
8. Realizar a antissepsia com PVPI tópico e gaze estéril em
movimentos únicos da base do pênis até o púbis, e após da base do
pênis até raiz da coxa, bilateralmente. Após, da glande até a base, e
por último em movimentos circulares sobre o meato, de dentro para
fora.
9. Retire o material de higiene íntima.
10. Retire as luvas de procedimento.
11. Abra o material de cateterismo sobre o leito, entre as pernas do
paciente e com técnica estéril sobre o campo.
12. Coloque o PVPI tópico na cúpula.
13. Calce as luvas estéreis.
14. Certifique-se do bom funcionamento do Cuff (balonete), insufle com
10 ml de água destilada.


15. Conecte a sonda no coletor de urina de sistema fechado.


16. Coloque água destilada na seringa e lubrificante anestésico em
outra seringa de 20 e 10 ml respectivamente.
17. Faça a antissepsia do meato urinário para a base do pênis,
trocando a gaze a cada etapa.
18. Com o pênis perpendicular ao corpo do paciente injete o
lubrificante anestésico lentamente.
19. Introduza a sonda dentro da uretra quase até sua bifurcação, até
que a urina flua.
20. Quando a resistência é sentida no esfíncter externo, aumentar
discretamente a tração do pênis e aplicar pressão suave e contínua
sobre a sonda. Pedir para que o paciente faça força (como se
estivesse urinando), para ajudar a relaxar o esfíncter.
21. Insuflar o cuff (balonete) com água destilada (aproximadamente 10
ml).


22. Fixar a sonda de demora na região suprapúbica.
23. Retire as luvas estéreis.
24. Deixe o paciente confortável.
25. Recolha o material do quarto e mantenha a unidade organizada.
26. Lave as mãos.
27. Realizar anotação de enfermagem, assinar e carimbar (conforme
decisão do COREN-SP-DIR/001/2000).