Revisão de véspera de prova – Concurso de Juiz Federal TRF4 – 2014

P
á
g
i
n
a
1

REVISÃO PARA O CONCURSO DE
JUIZ FEDERAL TRF4 2014

Márcio André Lopes Cavalcante


BLOCO UM

DIREITO CONSTITUCIONAL

Sigilo bancário e TCU
O TCU NÃO detém legitimidade para requisitar diretamente informações que importem quebra de sigilo
bancário.
STF. Segunda Turma. MS 22934/DF, rel. Min. Joaquim Barbosa, 17.4.2012.

Nacionalidade
Segundo o art. 12, § 4º, I, da CF/88, após ter sido deferida a naturalização, seu desfazimento só pode
ocorrer mediante processo judicial, mesmo que o ato de concessão da naturalização tenha sido
embasado em premissas falsas (erro de fato).
O STF entendeu que os §§ 2º e 3º do art. 112 da Lei n. 6.815/80 (Estatuto do Estrangeiro) não foram
recepcionados pela CF/88.
Assim, o Ministro de Estado da Justiça não tem competência para rever ato de naturalização.
STF. Plenário. RMS 27840/DF, rel. orig. Min. Ricardo Lewandowski, red. p/ o acórdão Min. Marco Aurélio,
7/2/2013 (Info 694).

Inconstitucionalidade de cobrança de taxa de alimentação em instituição pública
É inconstitucional que instituição pública de ensino profissionalizante cobre anuidade para custear
despesas com a alimentação dos alunos. Tal prática viola o art. 206, IV e o art. 208, VI, da CF/88.
STF. 1ª Turma. RE 357148/MT, rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 25/2/2014 (Info 737).

Intervenção federal
O descumprimento voluntário e intencional de decisão transitada em julgado configura pressuposto
indispensável ao acolhimento do pedido de intervenção federal.
Para que seja decretada a intervenção federal em um Estado-membro que tenha deixado de pagar
precatórios é necessário que fique comprovado que esse descumprimento é voluntário e intencional. Se
ficar demonstrado que o ente não pagou por dificuldades financeiras não há intervenção.
STF. Plenário. IF 5101/RS, IF 5105/RS, IF 5106/RS, IF 5114/RS, rel. Min. Cezar Peluso, 28.3.2012.


P
á
g
i
n
a
1


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2

Mandado de segurança contra projeto de lei supostamente inconstitucional
É possível que o STF, ao julgar MS impetrado por parlamentar, exerça controle de constitucionalidade de
projeto que tramita no Congresso Nacional e o declare inconstitucional, determinando seu
arquivamento?
Em regra, não. Existem, contudo, duas exceções nas quais o STF pode determinar o arquivamento da
propositura:
a) Proposta de emenda constitucional que viole cláusula pétrea;
b) Proposta de emenda constitucional ou projeto de lei cuja tramitação esteja ocorrendo com violação às
regras constitucionais sobre o processo legislativo.
STF. Plenário. MS 32033/DF, rel. orig. Min. Gilmar Mendes, red. p/ o acórdão Min. Teori Zavascki,
20/6/2013 (Info 711).

Petição inicial da ADI/ADC
Se a petição inicial da ADI ou da ADC for assinada por advogado, deverá ser acompanhada de procuração.
Exige-se que essa procuração tenha poderes especiais e indique, de forma específica, os atos normativos
que serão objeto da ação.
STF. Plenário. ADI 4430/DF, rel. Min. Dias Toffoli, 27, 28 e 29/6/2012; ADI 4795 MC/DF, rel. Min. Dias
Toffoli, 27, 28 e 29/6/2012 (Info 672).

Resolução do TSE pode ser objeto de ADI
A Resolução do TSE pode ser impugnada no STF por meio de ADI se, a pretexto de regulamentar
dispositivos legais, assumir caráter autônomo e inovador.
STF. Plenário. ADI 5104 MC/DF, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 21/5/2014 (Info 747).

Regimento interno de assembleia legislativa pode ser objeto de ADI
Dispositivo de Regimento Interno de uma Assembleia Legislativa pode ser impugnado no STF por meio de
ADI, desde que possua caráter normativo e autônomo. É o caso, por exemplo, de um artigo do Regimento
Interno que preveja o pagamento de remuneração aos Deputados Estaduais em virtude de convocação
para sessão extraordinária.
STF. Plenário. ADI 4587/GO, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado em 22/5/2014 (Info 747).

Decisão administrativa de Tribunal de Justiça pode ser objeto de ADI
O Plenário do TJRN, em um processo administrativo envolvendo dois servidores do Poder Judiciário,
reconheceu que eles teriam direito a determinada gratificação e, além disso, estendeu esse mesmo
benefício para todos os demais servidores do Tribunal que estivessem em situação análoga.
O STF decidiu que essa decisão administrativa poderia ser objeto de ADI porque ela teve conteúdo
normativo, com generalidade e abstração.
Quanto ao mérito, o STF decidiu que a decisão administrativa do TJ foi inconstitucional por violar a
necessidade de lei para concessão da gratificação (art. 37, X), por implicar em equiparação remuneratória
entre os servidores (art. 37, XIII) e por violar o entendimento exposto na Súmula 339 do STF.
STF. Plenário. ADI 3202/RN, rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 5/2/2014 (Info 734).

Momento máximo para a intervenção do amicus curiae
O amicus curiae não poderá intervir se o processo já foi liberado pelo Relator para que seja incluído na
pauta de julgamentos
STF. Plenário. ADI 5104 MC/DF, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 21/5/2014 (Info 747).





www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3

Abstrativização do controle difuso
O STF não acolhe a teoria da abstrativização do controle difuso.
Não houve mutação constitucional do art. 52, X, da CF/88.
Para a maioria dos Ministros, a decisão em controle difuso continua produzindo, em regra, efeitos
apenas inter partes e o papel do Senado é o de amplificar essa eficácia, transformando em eficácia erga
omnes.
STF. Plenário. Rcl 4335/AC, rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 20/3/2014 (Info 739).

Modulação de efeitos em recurso extraordinário
É possível a modulação dos efeitos da decisão proferida em recurso extraordinário com repercussão geral
reconhecida. Para que seja realizada esta modulação, exige-se o voto de 2/3 (dois terços) dos membros
do STF (maioria qualificada).
STF. Plenário. RE 586453/SE, rel. orig. Min. Ellen Gracie, red. p/ o acórdão Min. Dias Toffoli, 20/2/2013 (Info
695).

Competência para legislar sobre serviços de telecomunicações
A competência para legislar sobre serviços de telecomunicações é privativa da União (art. 22, IV, da
CF/88). Logo, é inconstitucional lei estadual que verse sobre este tema.
STF. Plenário. ADI 4715 MC/DF, rel. Min. Marco Aurélio, 7/2/2013, ADI 4907 MC/RS, rel. Min. Ricardo
Lewandowski, 7/2/2013, ADI 4739 MC/DF, rel. Min. Marco Aurélio, 7/2/2013 (Info 694).

Trânsito e transporte
A competência para legislar sobre TRÂNSITO e TRANSPORTE é privativa da União (art. 22, XI, da CF/88).
Logo, é inconstitucional lei estadual que verse sobre este tema.
STF. Plenário. ADI 2960/RS, rel. Min. Dias Toffoli, 11/4/2013; ADI 3708/MT, rel. Min. Dias Toffoli,
11/4/2013; ADI 2137/RJ, rel. Min. Dias Toffoli, 11/4/2013 (Info 701).

Procedimento para homologação judicial de acordo de alimentos com a participação da Defensoria
Pública
É CONSTITUCIONAL lei estadual que regula procedimento para homologação judicial de acordo sobre a
prestação de alimentos firmada com a intervenção da Defensoria Pública. Isso porque tal legislação está
inserida na competência concorrente (art. 24, XI, da CF/88).
STF. Plenário. ADI 2922/RJ, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 3/4/2014 (Info 741).

Procedimentos do inquérito policial
É INCONSTITUCIONAL lei estadual que preveja a tramitação direta do inquérito policial entre a polícia e o
Ministério Público.
É CONSTITUCIONAL lei estadual que preveja a possibilidade de o MP requisitar informações quando o
inquérito policial não for encerrado em 30 dias, tratando-se de indiciado solto.
STF. Plenário. ADI 2886/RJ, red. p/ o acórdão Min. Joaquim Barbosa, julgado em 3/4/2014 (Info 741).

Prioridades na tramitação dos processos judiciais
É INCONSTITUCIONAL lei estadual que prevê prioridade na tramitação para processos envolvendo mulher
vítima de violência doméstica.
A fixação de prioridades na tramitação dos processos judiciais é matéria de Direito Processual, cuja
competência é privativa da União (art. 22, I, CF/88).
STF. Plenário. ADI 3483/MA, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 3/4/2014 (Info 741).




www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4

Vasilhames e embalagens reutilizáveis
É CONSTITUCIONAL a lei estadual que permite que os vasilhames e embalagens reutilizáveis de uma
marca sejam preenchidos por produtos de marcas concorrentes.
A referida Lei não trata de direito comercial, mas sim de direito do consumidor, sendo esta matéria de
competência .legislativa concorrente entre estados-membros e União, conforme prevê o art. 24, V e VIII
da CF/88
STF. Plenário. ADI 2818/RJ, rel. Min. Dias Toffoli, 9/5/2013. (Info 705)


Lei estadual que obriga ônibus a serem adaptados para portadores de necessidades especiais
É CONSTITUCIONAL lei estadual que determine que as empresas concessionárias de transporte coletivo
intermunicipal devam fazer adaptações em seus veículos a fim de facilitar o acesso e a permanência de
pessoas com deficiência física ou com dificuldade de locomoção.
A competência para legislar sobre trânsito e transporte é da União (art. 22, XI da CF). No entanto, a lei
questionada trata também sobre o direito à acessibilidade física das pessoas com deficiência, que é de
competência concorrente entre União, os Estados e o Distrito Federal (art. 24, XIV).
STF. Plenário. ADI 903/MG, rel. Min. Dias Toffoli, 22/5/2013 (Info 707).

Ccontrole jurisdicional de políticas públicas
A CF/88 e a Convenção Internacional sobre Direitos das Pessoas com Deficiência asseguram o direito dos
portadores de necessidades especiais ao acesso a prédios públicos, devendo a Administração adotar
providências que o viabilizem.
O Poder Judiciário, em situações excepcionais, pode determinar que a Administração Pública adote
medidas assecuratórias de direitos constitucionalmente reconhecidos como essenciais, sem que isso
configure violação do princípio da separação de poderes.
STF. 1ª Turma. RE 440028/SP, rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 29/10/2013 (Info 726).


DIREITO PREVIDENCIÁRIO

Legitimidade passiva nas demandas em que se questiona a exigibilidade das contribuições
previdenciárias
Após a vigência da Lei 11.457/2007, o INSS não possui legitimidade passiva nas demandas em que se
questione a exigibilidade das contribuições sociais previstas nas alíneas “a”, “b” e “c” do parágrafo único
do art. 11 da Lei 8.212/1991, ainda que se tenha por objetivo a restituição de indébito de contribuições
recolhidas em momento anterior ao advento da Lei 11.457/2007.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.355.613-RS, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 24/4/2014 (Info 539).

O valor dos medicamentos adquiridos pelo empregado e pagos pelo empregador não integra o salário de
contribuição
Não incide contribuição social sobre o valor dos medicamentos adquiridos pelo empregado e pagos pelo
empregador ao estabelecimento comercial de forma direta, mesmo que o montante não conste na folha
de pagamento.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.430.043-PR, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 25/2/2014 (Info 538).

O fato de um dos integrantes da família exercer atividade incompatível com o regime de economia
familiar não descaracteriza, por si só, a condição de segurado especial dos demais componentes.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.304.479-SP, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 10/10/2012 (recurso repetitivo)


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5

O tempo de serviço em atividade rural realizada por trabalhador com idade inferior a 14 anos, ainda que
não vinculado ao Regime de Previdência Social, pode ser averbado e utilizado para o fim de obtenção de
benefício previdenciário.
STJ. 3ª Seção. AR 3.877-SP, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgada em 28/11/2012.

A prova exclusivamente testemunhal é insuficiente para comprovação da atividade laborativa do
trabalhador rural “boia-fria”, sendo indispensável que ela venha corroborada por razoável início de prova
material, conforme exige o art. 55, § 3º, da Lei n. 8.213/1991.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.321.493-PR, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 10/10/2012.

Para a concessão de aposentadoria rural, a certidão de nascimento dos filhos que qualifique o
companheiro como lavrador deve ser aceita como início de prova documental do tempo de atividade
rurícola da companheira.
STJ. 3ª Seção. AR 3.921-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 24/4/2013.

Certidão de casamento e início de prova material
A certidão de casamento onde conste que o cônjuge do requerente da aposentadoria é agricultor pode ser
considerada como início de prova material?
REGRA: SIM. A certidão de casamento na qual conste que o cônjuge do autor é lavradora é suficiente para
comprovar início de prova material. Essa é a posição tanto do STJ como da TNU (Súm. 06).
EXCEÇÃO: essa certidão de casamento não será considerada como início de prova material quando ficar
demonstrado que o cônjuge, apontado como rurícola, vem a exercer posteriormente atividade urbana.
STJ. 1ª Turma. AgRg no REsp 1.310.096-SP, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 25/2/2014
(Info 538).

Não é possível a inscrição em dívida ativa de valor correspondente a benefício previdenciário
indevidamente recebido e não devolvido ao INSS.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.350.804-PR, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 12/6/2013.

É possível a concessão de aposentadoria por idade a rurícola (art. 143 da Lei 8.213/1991) em caso de
comprovação da condição de lavrador do marido da requerente por meio de certidão de casamento,
certidão de óbito e extrato de pensão rural, além de depoimento de testemunhas.
STJ. 3ª Seção. AR 4.094-SP, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgada em 26/9/2012.

Não é possível a concessão da aposentadoria por idade a rurícola (art. 143 da Lei 8.213/1991), quando
não comprovado o desempenho de atividade em regime de economia familiar.
STJ. 3ª Seção. AR 4.094-SP, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgada em 26/9/2012.

Não é necessário o recolhimento de contribuições previdenciárias relativas ao exercício de atividade
rural anterior à Lei n. 8.213/1991 para fins de concessão de aposentadoria urbana pelo Regime Geral da
Previdência Social, salvo em caso de mudança de regime previdenciário, do geral para o estatutário.
STJ. 3ª Seção. AR 3.180-PR, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgada em 24/10/2012.

A sentença trabalhista, por se tratar de decisão judicial, pode ser considerada como início de prova
material para a concessão do benefício previdenciário, bem como para revisão da renda mensal inicial,
ainda que a autarquia previdenciária não tenha integrado a contenda trabalhista.
STJ. 2ª Turma. EDcl no AgRg no AREsp 105.218-MG, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 23/10/2012.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6

O processo de justificação, no qual inexiste contraditório e o juiz restringe-se a confirmar a produção
regular da prova, não constitui, isoladamente, meio hábil à demonstração do tempo de serviço prestado
para fins de aposentadoria.
STF. 1ª Turma. MS 28829/AM, rel. Min. Marco Aurélio, 11/9/2011.

O termo inicial para pagamento de auxílio-acidente é a data da citação do INSS se ausente prévio
requerimento administrativo ou prévia concessão de auxílio-doença.
STJ. 1ª Turma. AgRg no AREsp 145.255-RJ, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 27/11/2012.

Acumulação de auxílio-acidente com aposentadoria
Súmula 507-STJ: A acumulação de auxílio-acidente com aposentadoria pressupõe que a lesão incapacitante
e a aposentadoria sejam anteriores a 11/11/1997, observado o critério do art. 23 da Lei n. 8.213/1991 para
definição do momento da lesão nos casos de doença profissional ou do trabalho.

Somente é possível a acumulação do auxílio-acidente com proventos de aposentadoria se a lesão
incapacitante e a concessão da aposentadoria forem anteriores à Lei n. 9.528/97.
Após a Lei n. 9.528/97 passou a ser expressamente vedada a acumulação do auxílio-acidente com
qualquer aposentadoria.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.296.673-MG, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 22/8/2012 (recurso repetitivo)

Não é possível estender a pensão por morte até os 24 anos de idade pelo fato de o filho beneficiário ser
estudante universitário.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.347.272-MS, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 18/10/2012.

Não faz jus à pensão especial prevista no art. 53, II, do ADCT o militar que apenas tenha prestado serviço
em zona de guerra, sem comprovar a participação no conflito nos termos previstos no art. 1º da Lei
5.315/1967. Os integrantes da Força Aérea Brasileira somente poderão ser considerados ex-combatentes
se tiverem participado efetivamente das operações de guerra, situação comprovada pelo diploma da
Medalha de Campanha da Itália para o seu portador ou o diploma da Cruz de Aviação para os tripulantes
de aeronaves engajados em missões de patrulha.
STJ. 3ª Seção. AR 3.830-SC, Rel. Min. Vasco Della Giustina (Des. convocado do TJ-RS), julgada em 9/5/2012.

A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça assegura a possibilidade de cumulação dos benefícios
previdenciários com a pensão especial de ex-combatente, desde que não possuam o mesmo fato gerador.
O Tribunal a quo, com esteio nas provas dos autos, reconheceu que a pensão especial e o benefício
previdenciário recebidos pela autora tinham o mesmo fato gerador, qual seja, a condição de ex-
combatente do falecido. Logo, não era possível a acumulação dos dois benefícios.
STJ. 1ª Turma. AgRg no REsp 1314687/PE, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 27/11/2012.

Até o advento da MP 1.523-9/1997 (convertida na Lei 9.528/97), não havia previsão de prazo de
decadência do direito ou da ação de revisão do ato concessivo de benefício previdenciário.
Todavia, com a nova redação, dada pela referida MP, ao art. 103 da Lei 8.213/91, ficou estabelecido, para
todos os beneficiários, o prazo decadencial de 10 anos.
Essa disposição normativa não pode ter eficácia retroativa para incidir sobre o tempo transcorrido antes
de sua vigência.
Assim, relativamente aos benefícios anteriormente concedidos, o termo inicial do prazo de decadência
do direito ou da ação visando à sua revisão tem como termo inicial a data em que entrou em vigor a
norma fixando o referido prazo decenal.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.309.529-PR, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 28/11/2012.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7

O segurado da Previdência Social tem o dever de devolver o valor de benefício previdenciário recebido
em antecipação dos efeitos da tutela (art. 273 do CPC) a qual tenha sido posteriormente revogada.
Na devolução do benefício previdenciário recebido em antecipação dos efeitos da tutela que tenha sido
posteriormente revogada, devem ser observados os seguintes parâmetros: a) a execução de sentença
declaratória do direito deverá ser promovida; e b) liquidado e incontroverso o crédito executado, o INSS
poderá fazer o desconto em folha de até 10% da remuneração dos benefícios previdenciários em
manutenção até a satisfação do crédito.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.384.418-SC, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 12/6/2013.

Segundo a jurisprudência do STF e do STJ, compete à Justiça COMUM ESTADUAL (e não à Justiça do
Trabalho) julgar demandas que envolvam a complementação de aposentadoria por entidades de
previdência privada.
STF. Plenário. RE 586453/SE, rel. orig. Min. Ellen Gracie, red. p/ o acórdão Min. Dias Toffoli, 20/2/2013.
STF. Plenário. RE 583050/RS, rel. orig. Min. Cezar Peluso, red. p/ o acórdão Min. Dias Toffoli, 20/2/2013.
STJ. 2ª Seção. EAg 1.301.267-RS, Rel. Min. Raul Araújo, julgados em 23/5/2012.

O § 3º do art. 20 da Lei n. 8.742/93, que prevê o critério da renda per capita inferior a 1/4 do salário-
mínimo para concessão do LOAS, é INCONSTITUCIONAL. Este critério encontra-se defasado e a análise da
situação de miserabilidade deverá ser feita, no caso concreto, com base em outros parâmetros.
É também inconstitucional o art. 34, parágrafo único, do Estatuto do Idoso, que permite o recebimento
de dois benefícios assistenciais de idoso, mas não admite a percepção conjunta de benefício de idoso
com o de deficiente ou de qualquer outro previdenciário.
STF. Plenário. RE 567985/MT, red. p/ o acórdão Min. Gilmar Mendes, 17 e 18/4/2013; RE 580963/PR, rel.
Min. Gilmar Mendes, 17 e 18/4/2013.

Compete à JUSTIÇA FEDERAL processar e julgar demanda proposta em face do INSS com o objetivo de ver
reconhecido exclusivamente o direito da autora de receber pensão decorrente da morte do alegado
companheiro, ainda que seja necessário enfrentar questão prejudicial referente à existência, ou não, da
união estável.
STJ. 1ª Seção. CC 126.489-RN, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 10/4/2013.

Segundo a jurisprudência do STF e do STJ, compete à Justiça COMUM ESTADUAL (e não à Justiça do
Trabalho) julgar demandas que envolvam a complementação de aposentadoria por entidades de
previdência privada.
STF. Plenário. RE 586453/SE, rel. orig. Min. Ellen Gracie, red. p/ o acórdão Min. Dias Toffoli, 20/2/2013. RE
583050/RS, rel. orig. Min. Cezar Peluso, red. p/ o acórdão Min. Dias Toffoli, 20/2/2013.

Não é possível a inscrição em dívida ativa de valor correspondente a benefício previdenciário
indevidamente recebido e não devolvido ao INSS.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.350.804-PR, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 12/6/2013 (Info 522).

É possível a renúncia à aposentadoria por tempo de serviço (desaposentação) objetivando a concessão
de novo benefício mais vantajoso da mesma natureza (reaposentação), com o cômputo dos salários de
contribuição posteriores à aposentadoria anterior, não sendo exigível, nesse caso, a devolução dos
valores recebidos em razão da aposentadoria anterior.
Para o STJ, a aposentadoria, assim como os demais benefícios previdenciários, é um direito patrimonial
disponível e, portanto, suscetível de desistência pelos seus titulares, prescindindo-se da devolução dos
valores recebidos da aposentadoria a que o segurado deseja preterir para a concessão de novo e
posterior jubilamento.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.334.488-SC, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 8/5/2013 (recurso repetitivo)

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
8


Não existe prazo para que o segurado requeira a desaposentação
É possível a renúncia à aposentadoria por tempo de serviço (desaposentação) objetivando a concessão de
novo benefício mais vantajoso da mesma natureza (reaposentação), com o cômputo dos salários de
contribuição posteriores à aposentadoria anterior, não sendo exigível, nesse caso, a devolução dos valores
recebidos em razão da aposentadoria anterior.
Não existe um prazo para que o segurado possa requerer a desaposentação. Não é possível aplicar o prazo
previsto no art. 103 da Lei 8.213/1991 aos casos de desaposentação.
O referido dispositivo legal dispõe ser de dez anos o prazo para a revisão de ato de concessão ou de
indeferimento de benefício. A desaposentação não consiste na revisão da aposentadoria, mas sim no seu
DESFAZIMENTO, motivo pelo qual não se submete ao decurso de prazo decadencial.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.348.301/SC, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, julgado em 27/11/2013 (recurso
repetitivo) (Info 535).

A aposentadoria por invalidez concedida pela via judicial, sem que o segurado tenha feito prévio
requerimento administrativo, deverá retroagir à data da citação do INSS
Caso o segurado proponha ação judicial para obter aposentadoria por invalidez sem ter requerido o
benefício administrativamente junto ao INSS, se o juiz julgar procedente o pedido, deverá conceder a
aposentadoria de forma retroativa à data da citação.
Para o STJ, a citação válida informa o litígio, constitui em mora a autarquia previdenciária federal e deve
ser considerada como termo inicial para a implantação da aposentadoria por invalidez concedida na via
judicial quando ausente a prévia postulação administrativa.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.369.165-SP, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 26/2/2014 (recurso repetitivo)
(Info 536).

Devolução dos benefícios previdenciários recebidos por força de decisão judicial reformada
O segurado da Previdência Social tem o dever de devolver o valor de benefício previdenciário recebido
em antecipação dos efeitos da tutela (art. 273 do CPC) que tenha sido posteriormente revogada.
Em sentido contrário, o segurado não terá o dever de restituir os valores se recebeu o benefício
previdenciário por força de sentença que foi confirmada em 2ª instância e, posteriormente, veio a ser
reformada no julgamento do recurso especial. Essa “dupla conformidade” entre a sentença e o acórdão de
2ª instância cria no vencedor a legítima expectativa de que é titular do direito, caracterizando a sua boa-fé.
STJ. Corte Especial. EREsp 1.086.154-RS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 20/11/2013 (Info 536).

QUADRO COMPARATIVO:
SEGURADO RECEBE O BENEFÍCIO POR FORÇA DE...
DEVOLVERÁ
OS VALORES?
1ª) tutela antecipada, que é, posteriormente, revogada na sentença. SIM
2ª) sentença, que é, posteriormente, reformada em 2ª instância. SIM
3ª) sentença, que é mantida em 2ª instância, sendo, no entanto, reformada em Resp. NÃO
4ª) sentença transitada em julgado, que posteriormente, é reformada em AR. NÃO


INSS pode cancelar benefício assistencial concedido pela via judicial caso não mais estejam presentes as
condições que lhe deram origem
O INSS pode suspender ou cancelar administrativamente o “benefício de prestação continuada” (LOAS)
que havia sido concedido judicialmente, desde que garanta previamente ao interessado o contraditório e
a ampla defesa.
Não se aplica, ao caso, o princípio do paralelismo das formas.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.429.976-CE, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 18/2/2014 (Info 536).


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
9


CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS A CARGO DA EMPRESA
Verba
Incide
contribuição
previdenciária?
Fundamento
Salário maternidade SIM É verba salarial.
Salário paternidade SIM É verba salarial.
Horas extras SIM É verba salarial.
Adicional noturno SIM É verba salarial.
Adicional de periculosidade SIM É verba salarial.
Terço de férias indenizadas NÃO
A Lei 8.212/91 determina
que não incide.
Terço de férias gozadas NÃO É verba indenizatória.
Aviso prévio indenizado NÃO É verba indenizatória.
Valor pago pela empresa ao empregado nos
15 dias que antecedem o auxílio-doença
NÃO Não é verba salarial.


DIREITO PENAL

É típica a conduta do acusado que, no momento da prisão em flagrante, atribui para si falsa identidade
(art. 307 do CP), ainda que em alegada situação de autodefesa.
STJ. 3ª Seção. REsp 1.362.524-MG, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 23/10/2013 (Info 533).

Descaminho
O descaminho é também considerado um crime contra a ordem tributária, apesar de estar previsto no art.
334 do Código Penal e não na Lei n. 8.137/90.
Desse modo, aplica-se o princípio da insignificância ao crime de descaminho.

Qual é o valor máximo considerado insignificante no caso de crimes tributários?
• Para o STJ: 10 mil reais (art. 20 da Lei n. 10.522/2002).
• Para o STF: 20 mil reais (art. 1º, II, da Portaria MF n. 75/2012).

A reiterada omissão no pagamento do tributo devido nas importações de mercadorias de procedência
estrangeira impede a incidência do princípio da insignificância em caso de persecução penal por crime de
descaminho (art. 334 do CP), ainda que o valor do tributo suprimido não ultrapasse o limite previsto para
o não ajuizamento de execuções fiscais pela Fazenda Nacional.
RHC 31.612-PB, Rel. Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em 20/5/2014 (Info 541).


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
0

Importação de gasolina por particular é contrabando e não se sujeita ao princípio da insignificância
Não é aplicável o princípio da insignificância em relação à conduta de importar gasolina sem autorização
e sem o devido recolhimento de tributos. Isso porque essa conduta tem adequação típica ao crime de
contrabando, ao qual não se admite a aplicação do princípio da insignificância.
STJ. 5ª Turma. AgRg no AREsp 348.408-RR, Rel. Min. Regina Helena Costa, julgado em 18/2/2014 (Info 536).

Crimes ambientais
Admite-se o princípio da insignificância no caso de crimes ambientais. Esta é a posição do STF (HC
112563/SC) e do STJ (AgRg no REsp 1320020/RS).

Não se aplica o princípio da insignificância ao:
 Estelionato contra o INSS (estelionato previdenciário)
 Estelionato envolvendo FGTS
 Estelionato envolvendo o seguro-desemprego

É CONSTITUCIONAL a aplicação da reincidência como agravante da pena em processos criminais (art. 61,
I, do CP).
STF. Plenário. RE 453000/RS, rel. Min. Marco Aurélio, 4/4/2013.

Conversão da pena restritiva de direitos em privativa de liberdade e necessidade de contraditório e
ampla defesa
É imprescindível a prévia intimação pessoal do reeducando que descumpre pena restritiva de direitos
para que se proceda à conversão da pena alternativa em privativa de liberdade. Isso porque se deve dar
oportunidade para que o reeduncando esclareça as razões do descumprimento, em homenagem aos
princípios do contraditório e da ampla defesa.
STJ. 5ª Turma. HC 251.312-SP, Rel. Min. Moura Ribeiro, julgado em 18/2/2014 (Info 536).

I – Ocorre concurso formal quando o agente, mediante uma só ação, pratica crimes de roubo contra
vítimas diferentes, eis que caracterizada a violação a patrimônios distintos.
II – Não é possível aplicar o crime continuado para o caso de réu que apresenta reiteração criminosa a
indicar que se trata de delinquente habitual ou profissional.
III – É possível a condenação simultânea pelos crimes de roubo majorado pelo emprego de arma de fogo
(art. 157, § 2º, I, do CP) e formação de quadrilha armada (art. 288, parágrafo único, do CP), não havendo
aí bis in idem. Isso porque não há nenhuma relação de dependência ou subordinação entre as referidas
condutas delituosas e porque elas visam bens jurídicos diversos.
STF. 2ª Turma. HC 113413/SP, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 16/10/2012.

Para a caracterização do crime de apropriação indébita de contribuição previdenciária (art. 168-A do CP),
não há necessidade de comprovação do dolo específico de se apropriar de valores destinados à
previdência social.
STJ. 6ª Turma. AgRg no Ag 1.083.417-SP, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 25/6/2013.

A “cola eletrônica”, antes do advento da Lei n. 12.550/2011, era uma conduta atípica, não configurando o
crime de estelionato.
STJ. 5ª Turma. HC 245.039-CE, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 9/10/2012.

O estelionato previdenciário é crime “permanente” ou “instantâneo de efeitos permanentes”?
• Quando praticado pelo próprio beneficiário: é PERMANENTE.
• Quando praticado por terceiro diferente do beneficiário: é INSTANTÂNEO de efeitos permanentes.
STF. 1ª Turma. HC 102049, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 22/11/2011.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
1

STJ. 6ª Turma. HC 190.071/RJ, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 02/05/2013.

Se a pessoa, após a morte do beneficiário, passa a receber mensalmente o benefício em seu lugar,
mediante a utilização do cartão magnético do falecido, pratica o crime de estelionato previdenciário (art.
171, § 3º, do CP) em continuidade delitiva.
Segundo o STJ, nessa situação, não se verifica a ocorrência de crime único, pois a fraude é praticada
reiteradamente, todos os meses, a cada utilização do cartão magnético do beneficiário já falecido. Assim,
configurada a reiteração criminosa nas mesmas condições de tempo, lugar e maneira de execução, tem
incidência a regra da continuidade delitiva prevista no art. 71 do CP.
A hipótese, ressalte-se, difere dos casos em que o estelionato é praticado pelo próprio beneficiário e
daqueles em que o não beneficiário insere dados falsos no sistema do INSS visando beneficiar outrem;
pois, segundo a jurisprudência do STJ e do STF, nessas situações, o crime deve ser considerado único, de
modo a impedir o reconhecimento da continuidade delitiva.
STJ. 6ª Turma. REsp 1.282.118-RS, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 26/2/2013.

No delito de receptação, os bens pertencentes aos Correios (ECT) recebem o mesmo tratamento que os
da União e, por isso, caso a receptação envolva tais bens, é cabível a majoração da pena prevista no § 6º
do art. 180 do CP.
STF. 1ª Turma. HC 105542/RS, rel. Min. Rosa Weber, 17/4/2012.

O ato de vender ou expor à venda CDs e DVDs falsificados é conduta formal e materialmente típica,
estando prevista no art. 184, § 2º, do Código Penal.
Assim, não se pode alegar que tal conduta deixou de ser crime por conta do princípio da adequação
social.
STJ. 3ª Seção. REsp 1.193.196-MG, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 26/9/2012

A causa de aumento prevista no § 2º do art. 327 do Código Penal é aplicada aos agentes detentores de
mandato eletivo (agentes políticos).
STF. 2ª Turma. RHC 110513/RJ, rel. Min. Joaquim Barbosa, 29/5/2012.

O uso de documento falso é absorvido pelo crime de sonegação fiscal quando constitui meio/caminho
necessário para a sua consumação.
Constitui mero exaurimento do delito de sonegação fiscal a apresentação de recibo ideologicamente
falso à autoridade fazendária, no bojo de ação fiscal, como forma de comprovar a dedução de despesas
para a redução da base de cálculo do imposto de renda de pessoa física.
STJ. 5ª Turma. HC 131.787-PE, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 14/8/2012.

Não há ilegalidade na autorização de interceptação telefônica, busca e apreensão e quebra de sigilo
bancário e fiscal, antes do lançamento do crédito tributário, quando as medidas investigatórias são
autorizadas para apuração dos crimes de quadrilha e falsidade ideológica, também imputados ao
investigado.
STJ. 5ª Turma. HC 148.829-RS, Rel. Min. Laurita Vaz, julgado em 21/8/2012.

No caso do crime previsto no art. 89 da Lei n. 8.666/93, exige-se:
a) que tenha havido resultado danoso (dano ao erário) para que ele se consuma (trata-se de crime
material);
b) que o agente tenha elemento subjetivo especial (“dolo específico”), consistente na intenção de violar
as regras de licitação.
STJ. Corte Especial. APn 480-MG, Rel. originária Min. Maria Thereza de Assis Moura, Rel. para acórdão Min.
Cesar Asfor Rocha, julgado em 29/3/2012.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
2


A pena de inabilitação para exercício de cargo/função pública, prevista no art. 1.º, § 2.º, do Decreto-Lei
201/67, é extinta, necessariamente, se houver prescrição da pena privativa de liberdade.
Assim, conforme a jurisprudência do STF, do STJ e do TSE, extinta a pena privativa de liberdade pela
prescrição da pretensão punitiva, também terá o mesmo fim a pena dela decorrente de inabilitação para
o exercício de cargo ou função pública.
STJ. 5ª Turma. AgRg no REsp 1.381.728-SC, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 17/12/2013.

Qual é o regime inicial de cumprimento de pena do réu que for condenado por crime hediondo ou
equiparado?
O regime inicial nas condenações por crimes hediondos ou equiparados (como é o caso do tráfico de
drogas) não tem que ser obrigatoriamente o fechado, podendo ser também o regime semiaberto ou
aberto, desde que presentes os requisitos do art. 33, § 2º, alíneas “b” e “c”, do Código Penal.
STF. Plenário. HC 111840/ES, rel. Min. Dias Toffoli, 27/6/2012.
STJ. 3ª Seção. EREsp 1.285.631-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Junior, julgado em 24/10/2012.

O entendimento do STJ e do STF é no sentido de que a causa de aumento prevista no art. 9º da Lei de
Crimes Hediondos foi revogada tacitamente pela Lei n. 12.015/2009, considerando que esta Lei revogou
o art. 224 do CP, que era mencionado pelo referido art. 9º.
STF. Primeira Turma. HC 111246/AC, rel. Min. Dias Toffoli, 11/12/2012.


INCOMPATIBILIDADE ENTRE OS RENDIMENTOS DECLARADOS E OS VALORES MOVIMENTADOS
CARACTERIZA OMISSÃO DE RECEITA
Se há uma incompatibilidade entre os rendimentos informados pelo contribuinte na declaração de ajuste
anual e os valores movimentados no ano calendário em sua conta bancária isso caracteriza a presunção
relativa de omissão de receita, configurando o crime previsto no art. 1º, I, da Lei n. 8.137/90.
Por se tratar de uma presunção relativa, o réu pode fazer prova em sentido contrário.
O dolo desse tipo penal manifesta-se na conduta dirigida à omissão de receita e à redução do IRPF,
concretizada na apresentação de declaração de imposto de renda sem informar a realização da
respectiva movimentação financeira.
STJ. 6ª Turma. REsp 1.326.034-PE, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 2/10/2012.

USO DE DOCUMENTO FALSO EM SONEGAÇÃO FISCAL
O uso de documento falso é absorvido pelo crime de sonegação fiscal quando constitui meio/caminho
necessário para a sua consumação.
Constitui mero exaurimento do delito de sonegação fiscal a apresentação de recibo ideologicamente
falso à autoridade fazendária, no bojo de ação fiscal, como forma de comprovar a dedução de despesas
para a redução da base de cálculo do imposto de renda de pessoa física.
STJ. 5ª Turma. HC 131.787-PE, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 14/8/2012.

FALSIDADE IDEOLÓGICA É ABSORVIDA PELO DESCAMINHO
Responderá apenas pelo crime de descaminho, e não por este em concurso com o de falsidade
ideológica, o agente que, com o fim exclusivo de iludir o pagamento de tributo devido pela entrada de
mercadoria no território nacional, alterar a verdade sobre o preço desta.
O pagamento do tributo devido extingue a punibilidade do descaminho.
No caso em que a falsidade ideológica tenha sido praticada com o fim exclusivo de proporcionar a
realização do crime de descaminho, a extinção da punibilidade quanto a este — diante do pagamento do
tributo devido — impede que o agente seja punido apenas pelo crime-meio.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
3

Exaurindo-se o crime-meio na prática do crime-fim, cuja punibilidade não mais persista, falta justa causa
para a persecução pelo crime de falso, porquanto carente de autonomia.
STJ. 5ª Turma. RHC 31.321-PR, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 16/5/2013.

AUSÊNCIA DE CONSTITUIÇÃO DEFINITIVA DE CRÉDITO TRIBUTÁRIO E DECRETAÇÃO DE MEDIDAS
CAUTELARES
Não há ilegalidade na autorização de interceptação telefônica, busca e apreensão e quebra de sigilo
bancário e fiscal, antes do lançamento do crédito tributário, quando as medidas investigatórias são
autorizadas para apuração dos crimes de quadrilha e falsidade ideológica, também imputados ao
investigado.
STJ. 5ª Turma. HC 148.829-RS, Rel. Min. Laurita Vaz, julgado em 21/8/2012.

O tipo penal do art. 3º, II, da Lei 8.137/90 descreve crime de mão própria praticado por funcionário
público, mas não exige que o servidor tenha a atribuição específica de lançamento tributário.
STF. 2ª Turma. RHC 108822/GO, rel. Min. Gilmar Mendes, 19/2/2013.


PAGAMENTO INTEGRAL
O pagamento integral de débito fiscal empreendido pelo réu em momento anterior ao trânsito em
julgado da condenação que lhe foi imposta é causa de extinção de sua punibilidade, conforme o art. 9º
da Lei n. 10.684/2003.
STF. 1ª Turma. HC 116828/SP, rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 13/8/2013.


CRIME AMBIENTAL
STF entendeu que é admissível a condenação de pessoa jurídica pela prática de crime ambiental, ainda
que absolvidas as pessoas físicas que figuravam na ação penal.
STF. 1ª Turma. RE 548181/PR, rel. Min. Rosa Weber, julgado em 6/8/2013.

LAVAGEM DE DINHEIRO
Se o crime antecedente prescrever, isso não torna atípico o delito de lavagem de dinheiro.
Para a configuração do delito de lavagem não há necessidade de prova cabal do crime anterior.
O crime de lavagem de dinheiro é delito autônomo, independente de condenação ou da existência de
processo por crime antecedente.
STJ. 5ª Turma. HC 207.936-MG, Rel. Min. Jorge Mussi, julgado em 27/3/2012.


CRIMES CONTRA O SFN

Instituição financeira
A Lei n. 7.492/86, antes de tratar sobre os crimes, logo em seu art. 1º define em que consiste uma
instituição financeira para os efeitos penais.
A Lei conceitua, no caput do art. 1º, o que é instituição financeira e também apresenta entidades que
devem ser a ela equiparadas (parágrafo único).


Art. 1º Considera-se instituição financeira, para efeito desta lei, a pessoa jurídica de direito público ou
privado, que tenha como atividade principal ou acessória, cumulativamente ou não, a captação,
intermediação ou aplicação de recursos financeiros de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, ou a
custódia, emissão, distribuição, negociação, intermediação ou administração de valores mobiliários.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
4

Parágrafo único. Equipara-se à instituição financeira:
I - a pessoa jurídica que capte ou administre seguros, câmbio, consórcio, capitalização ou qualquer tipo de
poupança, ou recursos de terceiros;
II - a pessoa natural que exerça quaisquer das atividades referidas neste artigo, ainda que de forma
eventual.


INSTITUIÇÃO FINANCEIRA EM SENTIDO PRÓPRIO (ART. 1º, CAPUT)
Instituição financeira é a pessoa jurídica que realize
I – a captação, intermediação ou aplicação
de recursos financeiros de terceiros.

II – a custódia, emissão, distribuição,
negociação, intermediação ou
administração de valores mobiliários.
Comentários:
Essa é a atividade típica dos bancos
comerciais.
Atenção: os recursos financeiros devem ser
de terceiros. Para fins penais, se uma
determinada pessoa jurídica realiza
aplicação de recursos financeiros próprios,
ela não realiza ato típico de instituição
financeira.
Comentários:
Valores mobiliários são títulos emitidos por
sociedades empresariais e negociadas no
mercado de capitais (bolsa de valores ou
mercado de balcão). Para a sociedade que
emite (vende), é uma forma de obter novos
recursos. Para a pessoa que adquire, trata-
se de um investimento. O exemplo mais
conhecido de valor mobiliário são as ações.
Podemos citar também as debêntures e os
bônus de subscrição.
Exemplos: bancos, cooperativas de crédito,
sociedades de crédito.
Exemplos: bolsas de valores, sociedades
corretoras de títulos e valores mobiliários.


INSTITUIÇÃO FINANCEIRA POR EQUIPARAÇÃO (ART. 1º, PARÁGRAFO ÚNICO)
Equipara-se à instituição financeira
I - a pessoa jurídica que capte ou
administre seguros, câmbio, consórcio,
capitalização ou qualquer tipo de
poupança, ou recursos de terceiros; e
II - a pessoa natural que exerça quaisquer
das atividades próprias de instituição
financeira, ainda que de forma eventual.
Comentários:
Importante gravar as atividades
equiparadas, quais sejam, seguro, câmbio,
consórcio e capitalização.
Comentários:
Repare que, para fins de crimes contra o
SFN, a pessoa natural pode ser equiparada
a uma instituição financeira.
Exemplos: agência de turismo que faz
operações de câmbio, fundos de pensão,
empresas de consórcio.
Exemplo: pessoa física que exercia
atividade de consórcio sem autorização do
BACEN.







Factoring
As empresas de factoring são consideradas instituições financeiras?
NÃO. A factoring não faz a captação de dinheiro de terceiros, como acontece com os bancos. A empresa de
factoring utiliza recursos próprios em suas atividades.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
5

Logo, a factoring não integra o Sistema Financeiro Nacional nem necessita de autorização do Banco Central
para funcionar. Nesse sentido: CC 98.062/SP, Rel. Min. Jorge Mussi, Terceira Seção, julgado em
25/08/2010.

Resumo:
Instituição financeira em
SENTIDO PRÓPRIO
é a pessoa jurídica (de direito privado
ou público) que realiza, como atividade
principal ou acessória
I – a captação, intermediação ou aplicação de
recursos financeiros de terceiros;
II – a custódia, emissão, distribuição,
negociação, intermediação ou administração
de valores mobiliários.

Instituição financeira
POR EQUIPARAÇÃO é
I - a pessoa jurídica que capte ou administre
seguros, câmbio, consórcio, capitalização ou
qualquer tipo de poupança, ou recursos de
terceiros; e
II - a pessoa natural que exerça quaisquer das
atividades próprias de instituição financeira,
ainda que de forma eventual.


FAZER OPERAR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA SEM AUTORIZAÇÃO LEGAL (ART. 16)

Art. 16. Fazer operar, sem a devida autorização, ou com autorização obtida mediante declaração (Vetado)
falsa, instituição financeira, inclusive de distribuição de valores mobiliários ou de câmbio:
Pena - Reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

Em que consiste o delito
O indivíduo comete esse crime quando faz funcionar uma instituição financeira:
 sem possuir autorização legal; ou
 com uma autorização que ele obteve utilizando-se de documento falso.

Para que uma instituição financeira seja criada e funcione é necessária autorização?
SIM. Uma instituição financeira é uma atividade econômica que, se conduzida de forma inadequada, pode
gerar gravíssimos prejuízos a terceiros e à economia do país. Como exemplo, basta recordar os inúmeros
problemas que ocorreram em razão da liquidação dos Bancos Econômico, Nacional e Bamerindus, na
década de 90. Além disso, se não houver uma intensa fiscalização, a atividade bancária pode servir como
instrumento para a prática de delitos, como a lavagem de dinheiro e a evasão de divisas.
Por essas razões, a Lei n. 4.595/64 afirma que as instituições financeiras somente poderão funcionar no
País com a prévia autorização do Banco Central. Se forem estrangeiras, será necessário ainda um decreto
do Poder Executivo (art. 18).

Sujeitos ativo e passivo
O crime pode ser praticado por qualquer pessoa (crime comum).
O sujeito passivo é o Estado (em sentido amplo).


Distribuição de valores mobiliários ou de câmbio
O art. 16 afirma que também está incluída no conceito de instituição financeira a atividade de “distribuição
de valores mobiliários ou de câmbio”. Essa menção era desnecessária, uma vez que o inciso I do parágrafo
único do art. 1º da Lei já havia feito essa equiparação.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
6


Consórcios
Como vimos nos comentários ao parágrafo único do art. 1º da Lei, quem desempenha a atividade de
“consórcio” é equiparado à instituição financeira. Justamente por isso, o STF entende que a pessoa que faz
funcionar consórcio sem autorização legal pratica o delito do art. 16:
De acordo com os artigos 1º, parágrafo único e inciso I, e 16 da Lei nº 7.492, de 16 de junho de 1986,
consubstanciam crimes contra o Sistema Financeiro Nacional a formação e o funcionamento de consórcio à
margem de balizamento legal, de instrução do Banco Central do Brasil. (...)
(RHC 84182, Rel. Min. Marco Aurélio, Primeira Turma, julgado em 24/08/2004)

Elemento subjetivo
É o dolo, não se exigindo nenhum elemento subjetivo específico.

Consumação
Ocorre com a prática de ao menos uma operação própria de instituição financeira.
Para que se consuma, não é necessária a ocorrência de prejuízo para terceiros.
Trata-se de crime formal e de mera conduta.

Habitualidade
Prevalece que não se trata de crime habitual.

Instalações físicas de banco
O crime pode se consumar mesmo que a instituição financeira não tenha instalações físicas condizentes
com a de um banco, com caixas, funcionários etc. O que interessa é verificar se foram realizadas atividades
próprias de uma instituição financeira. Nesse sentido: MAIA, Rodolfo Tigre. Dos Crimes contra o Sistema
Financeiro Nacional. Anotações à Lei Federal n. 7.492/86. São Paulo: Malheiros, 1996, p. 444.

Instituições financeiras por equiparação
Em provas de concurso, tenha muito cuidado com os exemplos que narram situações envolvendo
atividades próprias de instituições financeiras por equiparação (art. 1º, parágrafo único). Assim, configura o
crime do art. 16 quando a pessoa pratica atividades de seguro, de câmbio, de consórcio ou de capitalização,
sem autorização legal.

Se o dono/administrador da factoring utiliza a empresa para emprestar dinheiro, pratica esse crime?
Como vimos acima, a factoring não é uma instituição financeira, considerando que não pode fazer a
captação de dinheiro de terceiros, como acontece com os bancos. Além disso, a factoring não pode
emprestar dinheiro. O que a factoring pode fazer é “comprar” títulos de crédito que ainda irão vencer,
fazendo com que a empresa aumente seu capital de giro.
Desse modo, repito: a factoring não pode fazer empréstimos.

E se o dono da factoring realizar empréstimos, ele cometerá qual delito?
Em regra, pratica o crime do art. 4º da Lei n. 1.521/51. Isso porque, como regra, quando a factoring realiza
empréstimos de forma ilegal, ela o faz utilizando recursos próprios. O art. 1º da Lei n. 7.492/86 afirma que
somente pode ser considerada instituição financeira quem capta, intermedia ou aplica recursos financeiros
de terceiros. Logo, a factoring, quando empresta recursos próprios para terceiros, não atua como
instituição financeira segundo a definição do art. 1º.
(...) As empresas popularmente conhecidas como factoring desempenham atividades de fomento
mercantil, de cunho meramente comercial, em que se ajusta a compra de créditos vencíveis, mediante
preço certo e ajustado, e com recursos próprios, não podendo ser caracterizadas como instituições
financeiras.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
7

3. In casu, comprovando-se a abusividade dos juros cobrados nas operações de empréstimo, configura-se o
crime de usura, previsto no art. 4°, da Lei n° 1.521/51, cuja competência para julgamento é da Justiça
Estadual. (...)
(CC 98062/SP, Rel. Min. Jorge Mussi, Terceira Seção, julgado em 25/08/2010)

Excepcionalmente, pode-se imaginar uma situação em que a factoring, de forma ilegal, capta dinheiro de
terceiros e empresta esses recursos, com cobrança de juros, a outras pessoas. Ex: João cede 100 mil reais
para a factoring e esta empresta esse dinheiro para Antônio, que irá pagar 10% de juros ao mês. A factoring
remunera João com 3% e lucra 7%. Nesse caso, como a factoring captou e aplicou recursos de terceiros,
operou como verdadeira instituição financeira, o que configura, em tese, o crime do art. 16 da Lei n.
7.492/86, de competência da Justiça Federal (CC 115.338/PR, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, Terceira
Seção, julgado em 26/06/2013).

O chamado “agiota” pratica o delito do art. 16?
Em regra, não. O agiota é aquela pessoa que empresta dinheiro seu a outras pessoas, cobrando juros e
multa superiores aos que são legalmente permitidos. Segundo o entendimento majoritário, o agiota não
pode ser equiparado a instituição financeira, em razão de emprestar recursos financeiros próprios (e não
de terceiros).
Logo, o agiota responde pelo delito do art. 4º da Lei n. 1.521/51 (Lei de Economia Popular), delito de
competência da Justiça Estadual, e não pelo art. 16 da Lei n. 7.492/86.
(...) Na hipótese em que se cuida de empréstimos a juros, com valores próprios e não captados de terceiros,
há, em tese, delito de usura e, não, contra o Sistema Financeiro.
(CC 99305/PR, Min. Maria Thereza De Assis Moura, Terceira Seção, julgado em 11/02/2009)

No entanto, se ficar comprovado que o agiota faz a captação de recursos de terceiros e, com essas verbas,
empresta para outros, poderá ser equiparado à instituição financeira e, portanto, praticar o art. 16. Essa,
contudo, não é a situação mais comum na prática.

Delito do art. 4º da Lei n. 1.521/51
Como vimos pelos julgados acima, o ponto de toque para diferenciar os delitos é saber se os recursos
emprestados são próprios ou de terceiros:
Art. 4º da Lei n. 1.521/51 Art. 16 da Lei n. 7.492/86
Recursos próprios Recursos de terceiros


Delito do art. 27-E da Lei n. 6.385/76
O art. 27-E da Lei n. 6.385/76 prevê o seguinte crime:
Art. 27-E. Atuar, ainda que a título gratuito, no mercado de valores mobiliários, como instituição integrante
do sistema de distribuição, administrador de carteira coletiva ou individual, agente autônomo de
investimento, auditor independente, analista de valores mobiliários, agente fiduciário ou exercer qualquer
cargo, profissão, atividade ou função, sem estar, para esse fim, autorizado ou registrado junto à autoridade
administrativa competente, quando exigido por lei ou regulamento:
Pena – detenção de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa. (Incluído pela Lei 10.303/2001)



Diante disso, indaga-se: o crime do art. 16 da Lei n. 7.492/86 foi revogado pelo delito do art. 27-E da Lei
n.º 6.404/76 (Incluído pela Lei 10.303/2001)?
Não. Segundo decidiu o STF, não houve revogação, uma vez que a objetividade jurídica dos tipos penais é
distinta e há elementos da estrutura dos dois tipos que também não se confundem. O bem jurídico

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
8

tutelado pela Lei n. 7.492/86 é a higidez do Sistema Financeiro Nacional, considerando-se instituição
financeira aquela que tenha por atividade principal a captação, intermediação ou aplicação de recursos
financeiros de terceiros. A seu turno, a Lei 10.303/2001 protege a integridade do mercado de valores
mobiliários (HC 94955/SP, rel. Min. Ellen Gracie, 21.10.2008).
Desse modo, o crime do art. 27-E da Lei n.º 6.404/76 é específico em relação ao do art. 16.


FACTORING QUE EMPRESTA DINHEIRO UTILIZANDO RECURSOS DE TERCEIROS PRATICA O CRIME DO ART.
16 DA LEI 7.492/86

Compete à Justiça Federal processar e julgar a conduta daquele que, por meio de pessoa jurídica
instituída para a prestação de serviço de factoring, realiza, sem autorização legal, a captação,
intermediação e aplicação de recursos financeiros de terceiros, sob a promessa de que estes receberiam,
em contrapartida, rendimentos superiores aos aplicados no mercado. Isso porque a referida conduta se
subsume, em princípio, ao tipo do art. 16 da Lei 7.492/1986 (Lei dos Crimes contra o Sistema Financeiro
Nacional), consistente em fazer “operar, sem a devida autorização, ou com autorização obtida mediante
declaração falsa, instituição financeira, inclusive de distribuição de valores mobiliários ou de câmbio”.
Ademais, nessa hipótese, apesar de o delito haver sido praticado por meio de pessoa jurídica criada para
a realização de atividade de factoring, deve-se considerar ter esta operado como verdadeira instituição
financeira, justificando-se, assim, a fixação da competência na Justiça Federal.
STJ. 3ª Seção. CC 115.338-PR, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 26/6/2013 (Info 528).


COMPETÊNCIA
De quem é a competência para julgar os crimes contra o sistema financeiro nacional?
Compete à Justiça Federal julgar os crimes contra o sistema financeiro nacional, previstos na Lei n.
7.492/86.

A CF/88 prevê, em seu art. 109, VI:
Art. 109. Aos juízes federais compete processar e julgar:
VI - os crimes contra a organização do trabalho e, nos casos determinados por lei, contra o sistema
financeiro e a ordem econômico-financeira;

O inciso VI afirma que os crimes contra o sistema financeiro e contra a ordem econômico-financeira
somente serão de competência da Justiça Federal nos casos determinados por lei. Em outras palavras, nem
todos os crimes contra o sistema financeiro e contra a ordem econômico-financeira serão de competência
da Justiça Federal, mas apenas nas hipóteses em que lei assim determinar.

Os crimes contra o sistema financeiro estão previstos na Lei n. 7.492/86 e são julgados pela Justiça Federal
por expressa previsão legal. Isso porque o art. 26 da lei n. 7.492/86 estabelece:
Art. 26. A ação penal, nos crimes previstos nesta lei, será promovida pelo Ministério Público Federal,
perante a Justiça Federal.

O crime de concessão de empréstimos vedados, previsto no art. 34 da Lei n. 4.595/64, de certa forma
também atenta contra o Sistema Financeiro Nacional; no entanto, no caso desse delito, a competência
será, em regra, da Justiça Estadual, considerando que não existe lei atribuindo sua apuração à Justiça
Federal.


Crime do art. 183 da Lei 9.472/97

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
1
9

No crime do art. 183 da Lei.472/97, a prova pericial é necessária para que se constate, in loco, se a rádio
comunitária operava ou não com potência efetiva radiada acima do limite de segurança.
Diante da ausência de perícia, não se pode comprovar a materialidade do crime. Logo, é possível
absolver o réu porque não ficou constatada a lesão aos bens jurídicos penalmente tutelados. Restará ao
Poder Público adotar apenas as medidas administrativas contra a rádio clandestina.
STF. 2ª Turma. RHC 119123/MG, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 11/3/2014 (Info 738).


LEI DE DROGAS

Substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos no tráfico de drogas
O fato de o tráfico de drogas ser praticado com o intuito de introduzir substâncias ilícitas em
estabelecimento prisional não impede, por si só, a substituição da pena privativa de liberdade por
restritivas de direitos, devendo essa circunstância ser ponderada com os requisitos necessários para a
concessão do benefício.
STJ. 6ª Turma. AgRg no REsp 1.359.941-DF, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 4/2/2014 (Info 536).

No procedimento da Lei de Drogas, o interrogatório continua sendo o primeiro ato da audiência
Não gera nulidade o fato de, no julgamento dos crimes previstos na Lei 11.343/2006, a oitiva do réu
ocorrer antes da inquirição das testemunhas.
Segundo regra contida no art. 394, § 2º, do CPP, o procedimento comum será aplicado no julgamento de
todos os crimes, salvo disposições em contrário do próprio CPP ou de lei especial. Logo, se para o
julgamento dos delitos disciplinados na Lei 11.343/2006 há rito próprio (art. 57, da Lei 11.343/2006), no
qual o interrogatório inaugura a audiência de instrução e julgamento, é de se afastar o rito ordinário (art.
400 do CPP) nesses casos, em razão da especialidade.
STJ. 5ª Turma. HC 275.070-SP, Rel. Min. Laurita Vaz, julgado em 18/2/2014 (Info 536).

No autofinanciamento para o tráfico o agente responderá apenas pelo art. 33 c/c art. 40, VII, da Lei de
Drogas, ficando excluído o delito do art. 36
Se o agente financia ou custeia o tráfico, mas não pratica nenhum verbo do art. 33: responderá apenas
pelo art. 36 da Lei de Drogas.
Se o agente, além de financiar ou custear o tráfico, também pratica algum verbo do art. 33: responderá
apenas pelo art. 33 c/c o art. 40, VII da Lei de Drogas (não será condenado pelo art. 36).
STJ. 6ª Turma. REsp 1.290.296-PR, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 17/12/2013 (Info
534).

O crime de tráfico de drogas, com a redução do § 4º do art. 33, é equiparado a hediondo, estando sujeito
a progressão com requisitos objetivos mais rígidos
A aplicação da causa de diminuição de pena prevista no art. 33, § 4º, da Lei 11.343/2006 não afasta a
hediondez do crime de tráfico de drogas, limitando-se, por critérios de razoabilidade e
proporcionalidade, a abrandar a pena do pequeno e eventual traficante, em contrapartida com o grande
e contumaz traficante, ao qual a Lei de Drogas conferiu punição mais rigorosa que a prevista na lei
anterior.
Assim, se o indivíduo é condenado por tráfico de drogas e recebe a diminuição prevista no § 4º do art. 33,
mesmo assim terá cometido um crime equiparado a hediondo.
STF. 1ª Turma. RHC 118099/MS e HC 118032/MS, rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 4/2/2014 (Info 734).


DIREITO PROCESSUAL PENAL


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
0

É possível que a autoridade policial realize a condução coercitiva do investigado até a Delegacia de
Polícia para que preste esclarecimentos.
STF. 1ª Turma. HC 107644/SP, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 6.9.2011.

Em matéria penal, o Ministério Público não goza da prerrogativa da contagem dos prazos recursais em
dobro.
STJ. 3ª Seção. AgRg no EREsp 1.187.916-SP, Rel. Min. Regina Helena Costa, julgado em 27/11/2013 (Info
533).

Ilicitude de utilização do RMF
Os dados obtidos pela Receita Federal mediante requisição direta às instituições bancárias em sede de
processo administrativo tributário sem prévia autorização judicial NÃO podem ser utilizados no processo
penal, sobretudo para dar base à ação penal.
STJ. 6ª Turma. RHC 41.532-PR, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 11/02/2014 (Info 535).

O Ministério Público pode realizar diretamente a investigação de crimes.
No exercício de investigação criminal, o membro do Ministério Público pode requerer ao juízo a
interceptação telefônica dos investigados.
A eventual escuta e posterior transcrição das interceptações pelos servidores do Ministério Público não
têm o condão de macular a mencionada prova, pois não passa de mera divisão de tarefas dentro do
próprio órgão, o que não retira do membro que conduz a investigação a responsabilidade pela condução
das diligências.
STJ. 5ª Turma. HC 244.554-SP, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 9/10/2012.

O indiciamento é ato privativo da autoridade policial, segundo sua análise técnico-jurídica do fato. O juiz
não pode determinar que o Delegado de Polícia faça o indiciamento de alguém.
STF. 2ª Turma. HC 115015/SP, rel. Min. Teori Zavascki, julgado em 27/8/2013.

Tramitação direta do IP entre Polícia e MP
É INCONSTITUCIONAL lei estadual que preveja a tramitação direta do inquérito policial entre a polícia e o
Ministério Público.
É CONSTITUCIONAL lei estadual que preveja a possibilidade de o MP requisitar informações quando o
inquérito policial não for encerrado em 30 dias, tratando-se de indiciado solto.
STF. Plenário. ADI 2886/RJ, red. p/ o acórdão Min. Joaquim Barbosa, julgado em 3/4/2014 (Info 741).

Nos crimes de autoria coletiva, não é necessária a descrição MINUCIOSA e INDIVIDUALIZADA da ação de
cada acusado.
Basta que o MP narre as condutas delituosas e a suposta autoria, com elementos suficientes para
garantir o direito à ampla defesa e ao contraditório.
Embora não seja necessária a descrição PORMENORIZADA da conduta de cada denunciado, o Ministério
Público deve narrar qual é o vínculo entre o denunciado e o crime a ele imputado, sob pena de ser a
denúncia inepta.
STJ. 5ª Turma. HC 214.861-SC, Rel. Min. Laurita Vaz, julgado em 28/2/2012.

É possível o oferecimento de ação penal (denúncia) com base em provas colhidas no âmbito de inquérito
civil conduzido por membro do Ministério Público.
STF. Plenário. AP 565/RO, rel. Min. Cármen Lúcia, 7 e 8/8/2013.

Determinada pessoa comete peculato (art. 312 do CP) contra a Administração Pública estadual,
apropriando-se indevidamente de certas quantias, delito de competência da Justiça Estadual.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
1

Esse indivíduo omite o recebimento de tais rendimentos na declaração do imposto de renda, cometendo,
assim, crime de sonegação fiscal (art. 1º, I, da Lei n. 8.137/90), de competência da Justiça Federal.
Entre esses dois delitos há uma conexão instrumental, probatória ou processual (art. 76, III, do CPP),
razão pela qual deverão ser julgados conjuntamente.
Compete à Justiça Federal o processo e julgamento unificado dos crimes conexos de competência federal
e estadual (Súmula 122 do STJ).
É de se ressaltar que a competência da Justiça Federal permanece mesmo estando a ação penal pelo
crime contra a ordem tributária suspensa, em razão da adesão ao REFIS (parcelamento da dívida
tributária), porquanto aplica-se, por analogia, o disposto no art. 81, caput, do CPP.
STJ. 3ª Seção. CC 121.022-AC, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 10/10/2012.


Imagine que “X” foi preso trazendo mercadoria proibida do exterior (contrabando) e, durante a busca, foi
encontrado um revólver que lhe pertencia. Não há conexão entre estes crimes. Logo, deverão ser
julgados separadamente. Assim, o contrabando será julgado pela Justiça Federal e o porte de arma de
fogo pela Justiça Estadual.
STJ. 3ª Seção. CC 120.630-PR, Rel. Min. Alderita Ramos de Oliveira (Desembargadora convocada do TJ-PE),
julgado em 24/10/2012.

Imagine que “A” foi preso trazendo consigo maconha e dinheiro falso. Não há conexão entre estes
crimes. Logo, deverão ser julgados separadamente. Assim, o tráfico de drogas será julgado pela Justiça
Estadual e o delito de moeda falsa pela Justiça Federal.
STJ. 3ª Seção. CC 116.527-BA, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 11/4/2012.

A competência da Justiça Federal para processar e julgar ações penais de delitos praticados contra
indígena somente ocorre quando o processo versa sobre questões ligadas à cultura e aos direitos sobre
suas terras, ou, ainda, na hipótese de genocídio.
STJ. 3ª Seção. CC 38.517-RS, Rel. Min. Assusete Magalhães, julgado em 24/10/2012.

Crimes envolvendo a Junta Comercial: somente serão de competência da Justiça Federal se houver ofensa
DIRETA a bens, serviços ou interesses da União
As juntas comerciais subordinam-se administrativamente ao Governo Estadual e, tecnicamente, ao
Departamento Nacional de Registro do Comércio (órgão federal).
Os crimes envolvendo a Junta Comercial somente serão de competência da Justiça Federal se houver
ofensa DIRETA a bens, serviços ou interesses da União, conforme o art. 109, IV, CF/88. Nos demais casos, a
competência será da Justiça Estadual.
STJ. 3ª Seção. CC 130.516-SP, Rel. Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em 26/2/2014 (Info 536).

Crimes contra a honra praticados pelas redes sociais da internet: competência da JUSTIÇA ESTADUAL
(regra geral)
STJ. CC 121.431-SE, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 11/4/2012.

Competência para julgar o crime de incitação à discriminação pela internet
Compete à justiça ESTADUAL processar e julgar crime de incitação à discriminação cometido via internet,
quando praticado contra pessoas determinadas e que não tenha ultrapassado as fronteiras territoriais
brasileiras.
STF. 1ª Turma. HC 121283/DF, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 29/4/2014 (Info 744).

Divulgação de imagens pornográficas de crianças e adolescentes em página da internet: competência da
JUSTIÇA FEDERAL

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
2

STJ. 3ª Seção. CC 120.999-CE, Rel. Min. Alderita Ramos de Oliveira (Desembargadora convocada do TJ-PE),
julgado em 24/10/2012.

Troca, por e-mail, de imagens pornográficas de crianças entre duas pessoas residentes no Brasil:
competência da JUSTIÇA ESTADUAL
STJ. 3ª Seção. CC 121215/PR, Rel. Min. Alderita Ramos de Oliveira (Desembargadora convocada do TJ/PE),
julgado em 12/12/2012.

Competência no caso de crimes cometidos contra agências dos Correios:
Agência própria: competência da Justiça Federal.
Agência franqueada: competência da Justiça Estadual.
Agência comunitária: competência da Justiça Federal.
STJ. 3ª Seção. CC 122.596-SC, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 8/8/2012.

Compete à Justiça Estadual (e não à Justiça Federal) processar e julgar crime de estelionato cometido por
particular contra particular, ainda que a vítima resida no estrangeiro, na hipótese em que, além de os
atos de execução do suposto crime terem ocorrido no Brasil, não exista qualquer lesão a bens, serviços
ou interesses da União.
STJ. 3ª Seção. CC 125.237-SP, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 4/2/2013.

Competência no caso de ações envolvendo o FUNDEF
I – Ação PENAL: a competência será sempre da Justiça Federal.
II – Ação de IMPROBIDADE:
• Se houve complementação de recursos pela União: competência da Justiça Federal.
• Se não houve complementação de recursos pela União: competência da Justiça Estadual.
STF. 2ª Turma. HC 100772/GO, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 22/11/2011.
STJ. 3ª Seção. CC 123.817-PB, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 12/9/2012.

Compete à Justiça Federal o julgamento de crime consistente na apresentação de Certificado de Registro
e Licenciamento de Veículo (CRLV) falso à Polícia Rodoviária Federal.
STJ. 3ª Seção. CC 124.498-ES, Rel. Min. Alderita Ramos de Oliveira (Desembargadora convocada do TJ-PE),
julgado em 12/12/2012.

O réu, por meio de fraude, obteve, para si, um benefício previdenciário que era pago em agência do INSS
localizada no Estado “A”. Depois de algum tempo recebendo, o benefício foi transferido para uma
agência do INSS no Estado “B”, quando, então, foi descoberta a fraude.
A competência para julgar este estelionato previdenciário será da Justiça Federal do Estado “A”.
Segundo decidiu o STJ, no caso de ação penal destinada à apuração de estelionato praticado mediante
fraude para a concessão de aposentadoria, é competente o juízo do lugar em que situada a agência onde
inicialmente recebido o benefício, ainda que este, posteriormente, tenha passado a ser recebido em
agência localizada em município sujeito a jurisdição diversa.
STJ. 3ª Seção. CC 125.023-DF, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 13/3/2013.

Compete à Justiça Estadual – e não à Justiça Federal – processar e julgar supostos crimes de violação de
domicílio, de dano e de cárcere privado – este, em tese, praticado contra agente consular – cometidos
por particulares no contexto de invasão a consulado estrangeiro.
AgRg no CC 133.092-RS, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 23/4/2014 (Info 541).


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
3

Em regra, cabe à Justiça Estadual processar e julgar os crimes contra o meio ambiente, excetuando-se
apenas os casos em que se demonstre interesse jurídico direto e específico da União, suas autarquias e
fundações.
STJ. 3ª Seção. AgRg no CC 115.159-SP, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 13/6/2012.

A competência originária por prerrogativa de função dos titulares de mandatos eletivos firma-se a partir
da diplomação.
STJ. 5ª Turma. HC 233.832-PR, Rel. Min. Jorge Mussi, julgado em 4/9/2012.

O foro especial por prerrogativa de função NÃO se estende a magistrados aposentados.
Desse modo, após se aposentar, o magistrado (seja ele juiz, Desembargador, Ministro) perde o direito ao
foro por prerrogativa de função, mesmo que o fato delituoso tenha ocorrido quando ele ainda era
magistrado. Assim, deverá ser julgado pela 1ª instância.
STF. Plenário. RE 549560/CE, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 22/3/2012.

O réu respondia a um processo na Justiça Federal acusado de ter praticado um crime federal em
concurso com um delito estadual. Ambos os delitos estavam sendo processados na Justiça Federal em
razão da conexão probatória (art. 76, III, do CPP e Súmula 122 do STJ). Ocorre que, no momento da
sentença, o juiz federal entendeu que a classificação oferecida pelo Ministério Público não estava correta
e que o crime federal imputado deveria ser desclassificado para outro delito (de competência da Justiça
Estadual).
Nesse caso, o juiz federal, ao desclassificar a conduta do delito federal para o crime estadual, deverá
julgar-se incompetente para continuar no exame da causa e declinar a competência para a Justiça
Estadual, nos termos do § 2º do art. 383 do CPP.
STF. 2ª Turma. HC 113845/SP, rel. Min. Teori Zavascki, julgado em 20/8/2013.

A regra geral é de que haja o desmembramento dos processos quando houver corréus sem prerrogativa
de foro no STF
O desmembramento de inquéritos ou de ações penais de competência do STF deve ser a regra geral,
admitida exceção nos casos em que os fatos relevantes estejam de tal forma relacionados, que o
julgamento em separado possa causar prejuízo relevante à prestação jurisdicional.
STF. Plenário. Inq 3515 AgR/SP, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 13/2/2014 (Info 735).

Não é necessário mandado judicial para que seja realizada a busca por objetos em interior de veículo de
propriedade do investigado quando houver fundadas suspeitas de que a pessoa esteja na posse de
material que possa constituir corpo de delito.
Será, no entanto, indispensável o mandado quando o veículo for utilizado para moradia do investigado,
como é o caso de cabines de caminhão, barcos, trailers.
STJ. 6ª Turma. HC 216.437-DF, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 20/9/2012.

A serendipidade no encontro de provas de novos crimes inicialmente não investigados é admitida pela
jurisprudência
O fato de elementos indiciários acerca da prática de crime surgirem no decorrer da execução de medida
de quebra de sigilo bancário e fiscal determinada para apuração de outros crimes não impede, por si só,
que os dados colhidos sejam utilizados para a averiguação da suposta prática daquele delito.
Com efeito, pode ocorrer o que se chama de fenômeno da serendipidade, que consiste na descoberta
fortuita de delitos que não são objeto da investigação.
STJ. 6ª Turma. HC 282.096-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 24/4/2014 (Info 539).


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
4

Os §§ 6º e 7º do art. 7º do Estatuto da OAB preveem que documentos, mídias e objetos pertencentes a
clientes do advogado investigado, bem como demais instrumentos de trabalho que contenham
informações sobre clientes, somente poderão ser utilizados caso estes clientes estejam sendo
formalmente investigados como partícipes ou coautores pela prática do mesmo crime que deu causa à
quebra de inviolabilidade.
STJ. 6ª Turma. HC 227.799-RS, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 10/4/2012.

É ilícita a gravação de conversa informal entre os policiais e o conduzido ocorrida quando da lavratura do
auto de prisão em flagrante, se não houver prévia comunicação do direito de permanecer em silêncio.
STJ. 6ª Turma. HC 244.977-SC, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 25/9/2012.

Se o réu confessa o crime, mas suas declarações não representam efetiva colaboração com a investigação
policial e com o processo criminal nem fornecem informações eficazes para a descoberta da trama
delituosa, ele não terá direito ao benefício da delação premiada.
STJ. 6ª Turma. HC 174.286-DF, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 10/4/2012.

A interceptação telefônica é subsidiária e excepcional, só podendo ser determinada quando não houver
outro meio para se apurar os fatos tidos por criminosos, nos termos do art. 2º, inc. II, da Lei n.
9.296/1996.
Desse modo, é ilegal que a interceptação telefônica seja determinada apenas com base em “denúncia
anônima”.
STF. Segunda Turma. HC 108147/PR, rel. Min. Cármen Lúcia, 11/12/2012.

As comunicações telefônicas do investigado legalmente interceptadas podem ser utilizadas para
formação de prova em desfavor do outro interlocutor, ainda que este seja advogado do investigado.
RMS 33.677-SP, Rel. Min. Laurita Vaz, julgado em 27/5/2014 (Info 541).

Se uma autoridade com foro privativo mantém contato telefônico com pessoa que está com seu telefone
“grampeado” por decisão de juiz de 1ª instância, a gravação dessas conversas NÃO é nula por violação ao
foro por prerrogativa de função considerando que não era a autoridade quem estava sendo interceptada.
STJ. 6ª Turma. HC 227.263-RJ, Rel. Min. Vasco Della Giustina (Des. convocado do TJ-RS), julgado em
27/3/2012.

Segundo o art. 6º, da Lei n. 9.296/96, os procedimentos de interceptação telefônica serão conduzidos
pela autoridade policial (Delegado de Polícia Civil ou Federal). O STJ e o STF, contudo, entendem que tal
acompanhamento poderá ser feito por outros órgãos, como, por exemplo, a polícia militar (o que
ocorreu no caso concreto), não sendo atribuição exclusiva da autoridade policial.
STF. 2ª Turma. HC 96986/MG, rel. Min. Gilmar Mendes, 15/5/2012.

Em relação às interceptações telefônicas, o prazo de 15 dias, previsto na Lei nº 9.296/96, é contado a
partir do dia em que se iniciou a escuta telefônica e não da data da decisão judicial.
STJ. 6ª Turma. HC 113.477-DF, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 20/3/2012.

I – As interceptações telefônicas podem ser prorrogadas sucessivas vezes pelo tempo necessário,
especialmente quando o caso for complexo e a prova indispensável.
II – A fundamentação da prorrogação pode manter-se idêntica à do pedido original, pois a repetição das
razões que justificaram a escuta não constitui, por si só, ilicitude.
STJ. 5ª Turma. HC 143.805-SP, Rel. originário Min. Adilson Vieira Macabu (Desembargador Convocado do
TJRJ), Rel. para o acórdão Min. Gilson Dipp, julgado em 14/2/2012.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
5

Não é necessária a transcrição integral dos diálogos captados por meio de interceptação telefônica. Basta
que sejam transcritos os trechos necessários ao embasamento da denúncia oferecida e que seja entregue
à defesa todo o conteúdo das gravações em mídia eletrônica.
No entanto, não haverá, em princípio, qualquer irregularidade caso o juiz da causa entenda pertinente a
degravação de todas as conversas e determine a sua juntada aos autos.
STF. Plenário. AP 508 AgR/AP, rel. Min. Marco Aurélio, 7/2/2013.

É inconstitucional o art. 44 da Lei n. 11.343/2006 na parte em que proíbe a liberdade provisória para os
crimes de tráfico de drogas. Assim, é permitida a liberdade provisória para o tráfico de drogas, desde que
ausentes os requisitos do art. 312 do CPP.
STF. Plenário. HC 104339/SP, rel. Min. Gilmar Mendes, 10/5/2012.

Determinado juiz decreta a interceptação telefônica dos investigados e, posteriormente, chega-se à
conclusão de que o juízo competente para a medida era o Tribunal. Esta prova colhida é ilícita?
Não necessariamente. A prova obtida poderá ser ratificada se ficar demonstrado que a interceptação foi
decretada pelo juízo aparentemente competente.
Não é ilícita a interceptação telefônica autorizada por magistrado aparentemente competente ao tempo
da decisão e que, posteriormente, venha a ser declarado incompetente.
Trata-se da aplicação da chamada “teoria do juízo aparente”.
STF. 2ª Turma. HC 110496/RJ, rel. Min. Gilmar Mendes, 9/4/2013.

Não há nulidade processual na recusa do juiz em retirar as algemas do acusado durante a audiência de
instrução e julgamento, desde que devidamente justificada a negativa.
STJ. 6ª Turma. HC 140.718-RJ, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 16/10/2012.

Sequestro é uma medida cautelar, de natureza patrimonial, cabível no processo penal, por meio da qual o juiz
determina a retenção dos bens adquiridos pelo investigado ou acusado com os proventos (lucros) do crime.
Não acarreta nulidade o deferimento de medida cautelar patrimonial de sequestro sem anterior
intimação da defesa. Na hipótese de sequestro, o contraditório será diferido em prol da integridade do
patrimônio e contra a sua eventual dissipação. Nesse caso, não se caracteriza qualquer cerceamento à
defesa, que tem a oportunidade de impugnar a determinação judicial, utilizando os instrumentos
processuais previstos na lei para tanto.
STJ. 6ª Turma. RMS 30.172-MT, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 4/12/2012.

É possível a propositura de ação penal quando descumpridas as condições impostas em transação penal.
STJ. 6ª Turma. HC 217.659-MS, Rel. para acórdão Min. Og Fernandes, julgado em 1º/3/2012.

I – Não deve ser reconhecida a nulidade pela inobservância da ordem de formulação de perguntas às
testemunhas (art. 212 do CPP), se a parte não demonstrou prejuízo.
II – A inobservância do procedimento previsto no art. 212 do CPP pode gerar, quando muito, nulidade
relativa, cujo reconhecimento necessita da demonstração de prejuízo.
III – A demonstração de prejuízo é essencial à alegação de nulidade, seja ela relativa ou absoluta, eis que
o princípio do pas de nullité sans grief compreende as nulidades absolutas.
STF. 2ª Turma. RHC 110623/DF, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 13/3/2012.

No procedimento penal comum, após o réu apresentar resposta escrita à acusação, não há previsão legal
para que o MP se manifeste sobre esta peça defensiva. No entanto, caso o juiz abra vista ao MP mesmo
assim, não haverá qualquer nulidade.
STF. 1ª Turma. HC 105739/RJ, Rel. Min. Marco Aurélio, 1ª Turma, julgado em 08/02/2012.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
6

O juiz deverá fundamentar, ainda que sucintamente, a decisão que acolher ou não as teses defensivas
declinadas na defesa preliminar estabelecida no art. 396-A do CPP, sob pena de configurar a negativa de
prestação jurisdicional.
STJ. 5ª Turma. HC 183.355-MG, Rel. originário Min. Marco Aurélio Bellizze, Rel. para o acórdão Min. Adilson
Vieira Macabu (desembargador convocado do TJ/RJ), julgado em 3/5/2012.

A decisão de pronúncia encerra simples juízo de admissibilidade da acusação, exigindo o ordenamento
jurídico somente o exame da ocorrência do crime e de indícios de sua autoria, não se demandando
aqueles requisitos de certeza necessários à prolação de uma sentença condenatória. Assim, nessa fase
processual, as questões resolvem-se a favor da sociedade (princípio do in dubio pro societate).
Desse modo, afirmar se o réu agiu com dolo eventual ou culpa consciente é tarefa que deve ser analisada
pelo Corpo de Jurados, juiz natural da causa.
STJ. 5ª Turma. REsp 1.279.458-MG, Rel. Min. Jorge Mussi, julgado em 4/9/2012.

É possível a propositura de ação penal quando descumpridas as condições impostas em transação penal.
STJ. 6ª Turma. HC 217.659-MS, Rel. originária Min. Maria Thereza de Assis Moura, Rel. para acórdão Min.
Og Fernandes, julgado em 1º/3/2012.

O interrogatório do corréu não poderá ser acompanhado pelo acusado, mesmo que este seja advogado e
atue em causa própria
Se houver mais de um acusado, cada um dos réus não terá direito de acompanhar o interrogatório dos
corréus. Segundo o CPP, havendo mais de um acusado, eles deverão ser interrogados separadamente
(art. 191).
Ex: João e Pedro são réus em uma ação penal. No momento em que forem ser interrogados, um não
poderá ouvir o depoimento do outro. Logo, quando João for ser interrogado, Pedro terá que sair da sala,
ficando, contudo, seu advogado presente. No instante em que Pedro for prestar seus esclarecimentos,
será a vez de João deixar o recinto, ficando representado por seu advogado.
Se o réu for advogado e estiver atuando em causa própria, mesmo assim deverá ser aplicada a regra do
art. 191 do CPP. Em outras palavras, quando o corréu for ser interrogado, o acusado (que atua como
advogado) terá que sair da sala de audiência.
STF. 2ª Turma. HC 101021/SP, Rel. Min. Teori Zavascki, julgado em 20/5/2014 (Info 747).

O princípio da identidade física do juiz não é absoluto. Este princípio deve ser analisado à luz das regras
específicas do art. 132 do CPC. Por conseguinte, nos casos de convocação, licença, promoção ou outro
motivo que impeça o juiz que tiver presidido a instrução de sentenciar o feito, os autos passarão ao
sucessor do magistrado.
STJ. 6ª Turma. HC 219.482-SC, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 27/3/2012.


FIXAÇÃO DO VALOR MÍNIMO PARA REPARAÇÃO DOS DANOS
O art. 387, IV, do CPP determina que o juiz, ao proferir sentença condenatória fixará valor mínimo para
reparação dos danos causados pela infração, considerando os prejuízos sofridos pelo ofendido.
Para que seja fixado o valor mínimo não é necessário que esse pedido tenha sido formulado na denúncia,
por se tratar de efeito extrapenal da condenação, mas deverá constar da instrução para que seja
realizado o contraditório.
Se os fatos forem complexos e a apuração da indenização demandar dilação probatória, o juízo criminal
poderá deixar de fixar o valor mínimo, que deverá ser apurado em ação civil.
STF. Plenário. AP 470/MG, rel. Min. Joaquim Barbosa, 17/12/2012.

A sentença penal condenatória, depois de transitada em julgado, produz diversos efeitos.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
7


Um dos efeitos é que a condenação gera a obrigação do réu de reparar o dano causado:
Código Penal
Art. 91. São efeitos da condenação:
I - tornar certa a obrigação de indenizar o dano causado pelo crime;

A sentença condenatória, inclusive, constitui-se em título executivo judicial:

Código de Processo Civil
Art. 475-N. São títulos executivos judiciais:
II – a sentença penal condenatória transitada em julgado;

Assim, a vítima (ou seus sucessores), de posse da sentença que condenou o réu, após o seu trânsito em
julgado, dispõem de um título que poderá ser executado, no juízo cível, para cobrar o ressarcimento pelos
prejuízos sofridos em decorrência do crime.

Qual era, no entanto, a dificuldade antes da Lei n. 11.719/2008?
Apesar de ser reconhecida a obrigação de indenizar (an debeatur), não era possível que a vítima (ou seus
sucessores) executassem imediatamente a sentença porque não havia sido definido ainda o valor da
indenização (quantum debeatur). Em outras palavras, a sentença condenatória reconhecia que a vítima
tinha direito à indenização a ser paga pelo condenado, mas não dizia o quanto.

Com isso, a vítima (ou seus sucessores) tinham ainda que tomar uma outra providência antes de executar:
fazer a liquidação (art. 475-A do CPC).

O legislador tentou facilitar a situação da vítima e, por meio da Lei n. 11.719/2008 alterou o CPP prevendo
que o juiz, ao condenar o réu, já estabeleça, na sentença, um valor mínimo que o condenado estará
obrigado a pagar a título de reparação dos danos causados. Veja:
Art. 387. O juiz, ao proferir sentença condenatória:
IV - fixará valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração, considerando os prejuízos
sofridos pelo ofendido; (Redação dada pela Lei nº 11.719, de 2008).

Desse modo, se o juiz, na própria sentença, já fixar um valor certo para a reparação dos danos, não será
necessário que a vítima ainda faça a liquidação, bastando que execute este valor caso não seja pago
voluntariamente pelo condenado.

Veja o parágrafo único do art. 63 do CPP que explicita essa possibilidade:
Art. 63. Transitada em julgado a sentença condenatória, poderão promover-lhe a execução, no juízo cível,
para o efeito da reparação do dano, o ofendido, seu representante legal ou seus herdeiros.
Parágrafo único. Transitada em julgado a sentença condenatória, a execução poderá ser efetuada pelo
valor fixado nos termos do inciso IV do caput do art. 387 deste Código sem prejuízo da liquidação para a
apuração do dano efetivamente sofrido. (Incluído pela Lei nº 11.719, de 2008).

Algumas observações sobre o art. 387, IV do CPP:

1) Qual é a natureza jurídica dessa fixação do valor mínimo de reparação?
Trata-se de um efeito extrapenal genérico da condenação.


2) A vítima poderá pleitear indenização maior no juízo cível

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
8

O juiz fixará um valor mínimo. Assim, a vítima poderá executar, desde logo, este valor mínimo e pleitear um
valor maior que o fixado na sentença, bastando, para isso, que prove que os danos que sofreu foram
maiores que a quantia estabelecida na sentença. Essa prova é feita em procedimento de liquidação por
artigos (procedimento cível regulado pelos arts. 475-E e 475-F do CPC).

3) Para que seja fixado o valor mínimo não é necessário que esse pedido tenha sido formulado na denúncia,
por se tratar de efeito extrapenal da condenação. No entanto, durante a instrução, o Ministério Público
deverá requerer a fixação de valor mínimo, indicá-lo e apresentar provas, para que seja estabelecido o
contraditório com a defesa (STF Plenário. AP 470/MG, rel. Min. Joaquim Barbosa, 17.12.2012).

O STJ é bem enfático ao exigir pedido expresso:
(...) Para que seja fixado na sentença o valor mínimo para reparação dos danos causados à vítima, com base
no art. 387, inciso IV, do Código Penal, deve haver pedido formal nesse sentido pelo ofendido e ser
oportunizada a defesa pelo réu, sob pena de violação aos princípios da ampla defesa e do contraditório. (...)
(AgRg no REsp 1186956/RS, Rel. Min. Laurita Vaz, Quinta Turma, julgado em 18/12/2012)

4) Deverá haver provas dos prejuízos sofridos
O STJ já decidiu que o juiz somente poderá fixar este valor se existiram provas nos autos que demonstrem
os prejuízos sofridos pela vítima em decorrência do crime. Dessa feita, é importante que o Ministério
Público ou eventual assistente de acusação junte comprovantes dos danos causados pela infração para que
o magistrado disponha de elementos para a fixação de que trata o art. 387, IV, do CPP. Vale ressaltar, ainda
que o réu tem direito de se manifestar sobre esses documentos juntados e contraditar o valor pleiteado
como indenização. Nesse sentido:
A fixação da reparação civil mínima também não dispensa a participação do réu, sob pena de frontal
violação ao seu direito de contraditório e ampla defesa, na medida em que o autor da infração faz jus à
manifestação sobre a pretensão indenizatória, que, se procedente, pesará em seu desfavor. (...)
(REsp 1236070/RS, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, Quinta Turma, julgado em 27/03/2012)

5) O julgador penal é obrigado a sempre fixar esse valor mínimo?
NÃO. O juiz pode deixar de fixar o valor mínimo em algumas situações, como, por exemplo:
a) quando não houver prova do prejuízo;
b) se os fatos forem complexos e a apuração da indenização demandar dilação probatória, o juízo criminal
poderá deixar de fixar o valor mínimo, que deverá ser apurado em ação civil;
c) quando a vítima já tiver sido indenizada no juízo cível.

O exemplo citado nesta letra “b” foi justamente o que ocorreu no julgamento do “Mensalão”. O STF
rejeitou o pedido formulado pelo MPF, em sede de alegações finais, no sentido de que fosse fixado valor
mínimo para reparação dos danos causados pelas infrações penais, sob o argumento de que a
complexidade dos fatos e a imbricação de condutas tornaria inviável assentar o montante mínimo. Assim,
não haveria como identificar com precisão qual a quantia devida por cada réu, o que só seria possível por
meio de ação civil, com dilação probatória para esclarecimento deste ponto (Plenário. AP 470/MG, rel. Min.
Joaquim Barbosa, 17.12.2012).

6) Além dos prejuízos materiais, o juiz poderá também condenar o réu a pagar a vítima por danos morais?
1ª corrente: SIM. Posição de Norberto Avena.
2ª corrente: NÃO. Defendida por Eugênio Pacelli.



7) O art. 387, IV, do CPP, com a redação dada pela Lei n. 11.719/2008, fez com que o Brasil passasse a
adotar a chamada “cumulação de instâncias” em matéria de indenização pela prática de crimes?

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
2
9

NÃO. A cumulação de instâncias (ou união de instâncias) em matéria de indenização pela prática de crimes
ocorre quando um mesmo juízo resolve a lide penal (julga o crime) e também já decide, de forma
exauriente, a indenização devida à vítima do delito. Conforme explica Pacelli e Fischer, “por esse sistema, o
ajuizamento da demanda penal determina a unidade de juízo para a apreciação da matéria cível”
(Comentários ao Código de Processo Penal e Sua Jurisprudência. São Paulo: Atlas, 2012, p. 769). No Brasil,
não há unidade de instâncias porque o juízo criminal irá apenas, quando for possível, definir um valor
mínimo de indenização pelos danos sofridos sem, contudo, esgotar a apreciação do tema, que ainda
poderá ser examinado pelo juízo cível para aumentar esse valor.
Assim, continuamos adotando o modelo da separação mitigada de instâncias.

8) A previsão da indenização contida no inciso IV do art. 387 surgiu com a Lei n. 11.719/2008. Se o crime
ocorreu antes da Lei e foi sentenciado após a sua vigência, pode ser aplicado o dispositivo e fixado o valor
mínimo de reparação dos danos?
1ª corrente: SIM 2ª corrente: NÃO
Trata-se de norma de direito processual. Assim,
ainda que o processo tenha se iniciado antes da Lei
n. 11.719/2008, se ele for sentenciado após a sua
vigência, deverá observar a fixação do valor mínimo
de que trata o art. 387, IV, do CPP.
Trata-se de norma de direito material e, por ser
mais rigorosa ao réu, não pode ser aplicada a fatos
praticados antes de sua vigência.
STJ. 6ª Turma. REsp 1.176.708-RS, Rel. Min.
Sebastião Reis Júnior, julgado em 12/6/2012.
STJ. 5ª Turma. REsp 1206635/RS, Rel. Min. Marco
Aurélio Bellizze, Quinta Turma, julgado em
02/10/2012.


Como funciona a intimação da SENTENÇA no Processo Penal comum:

O que diz o CPP (art. 392) O que diz a doutrina O que dizem o STJ e STF
 Se for réu PRESO:
Exige-se a intimação pessoal
do réu.

 Se for réu SOLTO:
A intimação da sentença
poderá ser feita
pessoalmente ao réu OU ao
defensor por ele constituído.

Seja o réu preso ou solto, seja a
sentença absolutória ou
condenatória, é indispensável a
intimação pessoal do réu em
homenagem à ampla defesa.
Nesse sentido, Pacelli e Fischer:
“qualquer que seja a decisão
judicial, deve o Estado intimar o
acusado pessoalmente, preso ou
solto, do resultado do processo
penal por ele instaurado. (...)
Recusamos aplicação, portanto,
da parte final do dispositivo (II)”
(Comentários ao Código de
Processo Penal e Sua
Jurisprudência. São Paulo: Atlas,
2012, p. 776).
STJ:
Aplica plenamente o art. 392:
Segundo o que prevê o art. 392,
incisos I e II, do CPP, a
obrigatoriedade de intimação
pessoal do acusado somente
ocorre se este se encontrar preso,
podendo ser dirigida unicamente
ao patrocinador da defesa na
hipótese de réu solto.
(STJ. HC 161.430/SP, j. 01/03/2012)

STF:
Entende que, em caso de sentença
condenatória, deverá sempre
haver dupla intimação:
Jurisprudência reiterada deste
Tribunal no sentido de que a
intimação da sentença
condenatória deve ser feita tanto ao
condenado quanto ao seu defensor.
(HC 108563, j. em 06/09/2011)

Quando for necessária a intimação da defesa, como esta é feita:

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
0

 Defensor constituído: intimado por publicação na imprensa oficial (art. 370, § 1º, CPP).
 Defensor público: intimado pessoalmente, com carga dos autos (se necessário) (LC 80/94).
 Defensor dativo (Defensor nomeado): intimado pessoalmente, mediante mandado (art 370, § 4º, CPP).

Como funciona a intimação do ACÓRDÃO no Processo Penal comum:
As intimações das decisões dos Tribunais (acórdãos) são realizadas por meio de publicação na imprensa
oficial, não se exigindo intimação pessoal do réu, mesmo que ele esteja preso. Não se aplica o art. 392 do
CPP às intimações de acórdãos. Esta é a posição do STJ e do STF:
A intimação pessoal do acusado, nos termos do art. 392, incisos I e II, do CPP, é necessária apenas em relação
à sentença condenatória proferida em primeira instância, de tal sorte que a intimação do acórdão prolatado
em segunda instância se aperfeiçoa com a publicação da decisão na imprensa oficial. (STJ. HC 223.096/SC,
14/02/2012)

Intimação do réu e de seu defensor do acórdão da apelação mediante publicação do dispositivo do acórdão
no Diário Oficial. Ato válido. Desnecessidade de intimação pessoal do réu e do defensor constituído.
Exigência só pertinente à intimação da sentença de primeiro grau.
(STF. HC 101643, Relator Min. Dias Toffoli, Primeira Turma, julgado em 28/09/2010)


RENOVAÇÃO DE PERMANÊNCIA EM PRESÍDIO FEDERAL
O juízo estadual solicitou a renovação do prazo de permanência de um preso no presídio federal,
afirmando que os motivos que fundamentaram a sua transferência persistiam.
O juízo responsável pelo presídio rejeitou esse pedido, afirmando que o juízo de origem não provou
nenhum fato novo que justificasse a permanência do preso no presídio federal.
O juízo estadual suscitou, então, conflito de competência, que é julgado pelo STJ.
O STJ, ao analisar o conflito, decidiu que, quando os motivos que fundamentaram a transferência do
condenado para presídio federal de segurança máxima persistirem, justifica-se o pedido de renovação do
prazo de permanência, ainda que não tenha ocorrido fato novo.
O período de permanência do preso no presídio federal é renovável excepcionalmente, quando
solicitado motivadamente pelo juízo de origem, não exigindo novos argumentos. Assim, tendo sido
aceitos pelo juízo federal os fundamentos no momento do pedido de transferência, é suficiente, para a
renovação do prazo, a afirmação de que esses motivos de segurança pública ainda permanecem.
O STJ ressaltou, também, que não cabe ao juízo federal discutir as razões do juízo estadual ao solicitar a
transferência ou renovação do prazo em presídio federal, pois este é o único habilitado a declarar a
excepcionalidade da medida.
Com isso, o STJ determinou que o apenado permaneça no presídio de segurança máxima.
STJ. 3ª Seção. CC 122.042-RJ, Rel. originário Min. Gilson Dipp, Rel. para acórdão Min. Marco Aurélio Bellizze,
julgado em 27/6/2012.









DIREITO ECONÔMICO E PROTEÇÃO DO
CONSUMIDOR

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
1


Conceito de consumidor e teoria finalista aprofundada
Em regra, somente pode ser considerado consumidor, para fins de aplicação do CDC, o destinatário fático
e econômico do bem ou serviço, seja ele pessoa física ou jurídica.
Com isso, em regra, fica excluído da proteção do CDC o consumo intermediário, assim entendido como
aquele cujo produto retorna para as cadeias de produção e distribuição, compondo o custo (e, portanto,
o preço final) de um novo bem ou serviço.
Embora consagre o critério finalista para interpretação do conceito de consumidor, a jurisprudência do
STJ também reconhece a necessidade de, em situações específicas, abrandar o rigor desse critério para
admitir a aplicabilidade do CDC nas relações entre fornecedores e sociedades empresárias em que,
mesmo a sociedade empresária utilizando os bens ou serviços para suas atividades econômicas, fique
evidenciado que ela apresenta vulnerabilidade frente ao fornecedor. Diz-se que isso é a teoria finalista
mitigada, abrandada ou aprofundada.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.195.642-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 13/11/2012.

Se houver descredenciamento de médicos ou hospitais, a operadora de plano de saúde tem o dever de
informar esse fato individualmente a cada um dos associados.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.144.840-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 20/3/2012.

O banco pode ser condenado a pagar reparação por dano moral coletivo, em ação civil pública, pelo fato
de oferecer, em sua agência, atendimento inadequado aos consumidores idosos, deficientes físicos e
com dificuldade de locomoção.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.221.756-RJ, Rel. Min. Massami Uyeda, julgado em 2/2/2012.

A instituição financeira não pode ser responsabilizada por assalto sofrido por sua correntista em via
pública, isto é, fora das dependências de sua agência bancária, após a retirada, na agência, de valores em
espécie, sem que tenha havido qualquer falha determinante para a ocorrência do sinistro no sistema de
segurança da instituição.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.284.962-MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 11/12/2012 (Info 512 STJ).

A inversão do ônus da prova de que trata o art. 6º, VIII, do CDC é REGRA DE INSTRUÇÃO, devendo a
decisão judicial que determiná-la ser proferida preferencialmente na fase de saneamento do processo
ou, pelo menos, assegurar à parte a quem não incumbia inicialmente o encargo a reabertura de
oportunidade para manifestar-se nos autos.
STJ. 2ª Seção. EREsp 422.778-SP, Rel. para o acórdão Min. Maria Isabel Gallotti (art. 52, IV, b, do RISTJ),
julgados em 29/2/2012.

Súmula 479-STJ: As instituições financeiras respondem objetivamente pelos danos gerados por fortuito
interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito de operações bancárias.
STJ. 2ª Seção, DJe 1/8/2012.

O prazo prescricional nas ações de responsabilidade civil por acidente aéreo é de 5 anos, com base no
Código de Defesa do Consumidor.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.281.090-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 7/2/2012.


Qual é o prazo prescricional para que moradores de casas atingidas por queda de avião ajuízem ação de
indenização contra a companhia aérea?
5 anos (art. 27 do CDC).


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
2

Os moradores, embora não tenham utilizado o serviço da companhia aérea como destinatários finais,
equiparam-se a consumidores pelo simples fato de serem vítimas do evento. São conhecidos como
bystanders (art. 17 do CDC).

Não se aplica o prazo prescricional do Código Brasileiro de Aeronáutica quando a relação jurídica
envolvida for de consumo.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.202.013-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 18/6/2013.

Súmula 477-STJ: A decadência do artigo 26 do CDC não é aplicável à prestação de contas para obter
esclarecimentos sobre cobrança de taxas, tarifas e encargos bancários.
STJ. 2ª Seção, DJe 19/6/2012.

É vedada a denunciação da lide para que ingresse terceiro em processo de autoria do consumidor,
cuidando-se de relação de consumo, propiciando ampla dilação probatória que não interessa ao
hipossuficiente e que apenas lhe causa prejuízo.
STJ. 4ª Turma. REsp 1305780/RJ, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 04/04/2013.

Não cabe a denunciação da lide nas ações indenizatórias decorrentes da relação de consumo, seja no
caso de responsabilidade pelo fato do produto, seja no caso de responsabilidade pelo fato do serviço
(arts. 12 a 17 do CDC).
Assim, a vedação à denunciação da lide prevista no art. 88 do CDC não se restringe à responsabilidade de
comerciante por fato do produto (art. 13 do CDC), sendo aplicável também nas demais hipóteses de
responsabilidade civil por acidentes de consumo (arts. 12 e 14 do CDC).
STJ. 3ª Turma. REsp 1.165.279-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 22/5/2012 (Info 498 STJ).

A responsabilidade por débito relativo ao consumo de água e serviço de esgoto é de quem efetivamente
obteve a prestação do serviço. Trata-se de obrigação de natureza pessoal, não se caracterizando como
obrigação propter rem. Assim, não se pode responsabilizar o atual usuário por débitos antigos contraídos
pelo morador anterior do imóvel.
STJ. 1ª Turma. AgRg no REsp 1.313.235-RS, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 20/9/2012
(Info 505 STJ).















BLOCO DOIS

DIREITO CIVIL


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
3

Ente público e direito à imagem
Não é possível pessoa jurídica de direito público pleitear, contra particular, indenização por dano moral
relacionado à violação da honra ou da imagem.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.258.389-PB, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 17/12/2013 (Info 534).

Direito ao esquecimento
O STJ admite, a depender do caso concreto, o chamado direito ao esquecimento.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.335.153-RJ e REsp 1.334.097-RJ, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgados em
28/5/2013 (Info 527).

Desconsideração incidental da personalidade da pessoa jurídica
O juiz pode determinar, de forma incidental, nos autos da execução singular ou coletiva, a
desconsideração da personalidade jurídica.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.326.201-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 7/5/2013 (Info 524).

Desconsideração inversa da personalidade jurídica: STJ admite
Se o sócio controlador de sociedade empresária transferir parte de seus bens à pessoa jurídica controlada
com o intuito de fraudar partilha em dissolução de união estável, a companheira prejudicada, ainda que
integre a sociedade empresária na condição de sócia minoritária, terá legitimidade para requerer a
desconsideração inversa da personalidade jurídica de modo a resguardar sua meação.
É possível a desconsideração inversa da personalidade jurídica sempre que o cônjuge ou companheiro
empresário valer-se de pessoa jurídica por ele controlada, ou de interposta pessoa física, a fim de
subtrair do outro cônjuge ou companheiro direitos oriundos da sociedade afetiva. A legitimidade para
requerer essa desconsideração é daquele que foi lesado por essas manobras, ou seja, do outro cônjuge
ou companheiro, sendo irrelevante o fato deste ser sócio da empresa.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.236.916-RS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 22/10/2013 (Info 533).

Fraude contra credores
Não é suficiente para afastar a anterioridade do crédito que se busca garantir (requisito exigido para a
caracterização de fraude contra credores) a assinatura de contrato particular de promessa de compra e
venda de imóvel não registrado e desacompanhado de qualquer outro elemento que possa evidenciar,
perante terceiros, a realização prévia desse negócio jurídico.
Em outras palavras, para que haja a fraude contra credores, a dívida deve ser anterior à alienação
realizada pelo devedor. Caso esta alienação tenha sido feita por meio de instrumento particular, a data
que será considerada como sendo a da alienação não é aquela constante do contrato (porque seria muito
fácil de falsificar), mas sim a data na qual este negócio jurídico foi registrado no Cartório. Isso porque é
com o registro da promessa de compra e venda no Cartório de Registro de Imóveis que o direito do
promissário comprador alcança terceiros estranhos à relação contratual originária.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.217.593-RS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 12/3/2013 (Info 518).

Alienações sucessivas e boa-fé do último adquirente
Em uma ação pauliana, se ficar comprovado que o bem foi sucessivamente alienado fraudulentamente
para diversas pessoas, mas que, ao final, o atual adquirente estava de boa-fé, neste caso deverá o juiz
reconhecer que é eficaz o negócio jurídico por meio do qual o último proprietário adquiriu o bem,
devendo-se condenar os réus que agiram de má-fé a indenizar o autor da pauliana, pagando o valor do
bem que foi adquirido fraudulentamente.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.100.525-RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 16/4/2013 (Info 521).

Simulação alegada pelo réu em sede de contestação

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
4

É nulo o compromisso de compra e venda que, em realidade, traduz-se como instrumento para o credor
ficar com o bem dado em garantia em relação a obrigações decorrentes de contrato de mútuo usurário,
se estas não forem adimplidas. Trata-se de simulação.
Essa simulação poderá ser alegada pelo contratante/réu como matéria de defesa, em contestação, por se
tratar de nulidade absoluta.
A alegação dessa simulação em contestação vale mesmo que o negócio jurídico tenha sido celebrado sob
a égide do Código Civil de 1916.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.076.571-SP, Rel. Min. Marco Buzzi, julgado em 11/3/2014 (Info 538).

Cláusula penal moratória pode ser cumulada com indenização por lucros cessantes
A cláusula penal moratória não é estipulada para compensar o inadimplemento nem para substituir o
adimplemento. Assim, a cominação contratual de uma multa para o caso de mora não interfere com a
responsabilidade civil. Logo, não há óbice a que se exija a cláusula penal moratória juntamente com o
valor referente aos lucros cessantes.
No caso de mora, existindo cláusula penal moratória, concede-se ao credor a faculdade de requerer,
cumulativamente:
a) o cumprimento da obrigação;
b) a multa contratualmente estipulada; e ainda
c) indenização correspondente às perdas e danos decorrentes da mora.
Exemplo: o promitente comprador, no caso de atraso na entrega do imóvel adquirido, tem direito a
exigir, além do cumprimento da obrigação e do pagamento do valor da cláusula penal moratória prevista
no contrato, a indenização correspondente aos lucros cessantes pela não fruição do imóvel durante o
período da mora.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.355.554-RJ, Rel. Min. Sidnei Beneti, julgado em 6/12/2012 (Info 513).

Diferença entre a cláusula penal moratória e compensatória
Em um contrato no qual foi estipulada uma CLÁUSULA PENAL, caso haja o inadimplemento, é possível
que o credor exija o valor desta cláusula penal e mais as perdas e danos?
• Se for cláusula penal MORATÓRIA: SIM.
• Se for cláusula penal COMPENSATÓRIA: NÃO.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.335.617-SP, Rel. Min. Sidnei Beneti, julgado em 27/3/2014 (Info 540).

MORATÓRIA
(compulsória):
COMPENSATÓRIA
(compensar o inadimplemento)
Estipulada para desestimular o devedor a incorrer
em mora ou para evitar que deixe de cumprir
determinada cláusula especial da obrigação
principal.
É a cominação contratual de uma multa para o
caso de mora.
Estipulada para servir como indenização no caso
de total inadimplemento da obrigação principal
(adimplemento absoluto).
Funciona como punição pelo retardamento no
cumprimento da obrigação ou pelo
inadimplemento de determinada cláusula.
Funciona como uma prefixação das perdas e
danos.
Ex1: em uma promessa de compra e venda de um
apartamento, é estipulada multa para o caso de
atraso na entrega.
Ex2: multa para o caso do produtor de soja
fornecer uma safra de qualidade inferior ao tipo
“X”.
Ex: em um contrato para que um cantor faça um
show no réveillon, é estipulada uma multa de 100
mil reais caso ele não se apresente.
A cláusula penal moratória é cumulativa, ou seja,
o credor poderá exigir o cumprimento da
A cláusula penal compensatória não é cumulativa.
Assim, haverá uma alternativa para o credor:

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
5

obrigação principal mais o valor da cláusula penal
(poderá exigir a substituição da soja inferior e
ainda o valor da cláusula penal).
exigir o cumprimento da obrigação principal ou
apenas o valor da cláusula penal.
Art. 411. Quando se estipular a cláusula penal
para o caso de mora, ou em segurança especial de
outra cláusula determinada, terá o credor o
arbítrio de exigir a satisfação da pena cominada,
juntamente com o desempenho da obrigação
principal.
Art. 410. Quando se estipular a cláusula penal
para o caso de total inadimplemento da
obrigação, esta converter-se-á em alternativa a
benefício do credor.

Ausência de responsabilidade civil da CEF por roubo ocorrido em casa lotérica
A Caixa Econômica Federal – CEF não tem responsabilidade pela segurança de agência com a qual tenha
firmado contrato de permissão de loterias.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.224.236-RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 11/3/2014 (Info 536).
STJ. 3ª Turma. REsp 1.317.472-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 5/3/2013 (Info 518).

Responsabilidade civil no caso de ato praticado em estado de necessidade
O ato praticado em estado de necessidade é lícito, conforme previsto no art. 188, II, do CC. No entanto,
mesmo sendo lícito, não afasta o dever do autor do dano de indenizar a vítima quando esta não tiver
sido responsável pela criação da situação de perigo (art. 929).
Desse modo, o causador do dano, mesmo tendo agido em estado de necessidade, deverá indenizar a
vítima e, depois, se quiser, poderá cobrar do autor do perigo aquilo que pagou (art. 930).
Vale ressaltar, no entanto, que o valor desta indenização deverá ser fixado com proporcionalidade,
evitando-se a imposição de valores abusivos (desproporcionais) para alguém que estava agindo de forma
lícita.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.292.141-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 4/12/2012 (Info 513).

Responsabilidade civil em caso de morte de filho
A pensão mensal indenizatória devida aos pais pela morte de filho menor deve ser fixada em valor
equivalente a 2/3 do salário mínimo, dos 14 até os 25 anos de idade da vítima, reduzido, então, para 1/3
até a data em que o de cujus completaria 65 anos.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.279.173-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 4/4/2013 (Info 519).

Responsabilidade civil por morte de parente
Não são permitidas indenizações por danos morais ilimitadas que, a pretexto de repararem
integralmente vítimas, mostrem-se desproporcionais.
Em caso de dano moral decorrente de morte de parentes próximos, a indenização deve ser arbitrada de
forma global para a família da vítima, não devendo, de regra, ultrapassar o equivalente a 500 salários
mínimos, podendo, porém, esse valor ser aumentado segundo as particularidades do caso concreto,
dentre elas o grande número de familiares.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.127.913-RS, Rel. originário Min. Marco Buzzi, Rel. para acórdão Min. Luis Felipe
Salomão, julgado em 20/9/2012.



Responsabilidade civil por morte de pessoa parente: ilegitimidade do noivo para pleitar indenização
O noivo não possui legitimidade para pedir indenização por danos morais em razão do falecimento de
sua noiva.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.076.160-AM, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 10/4/2012.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
6

Ilegitimidade do espólio para ajuizar ação de indenização em nome dos herdeiros
O espólio não tem legitimidade ativa para ajuizar ação em que o dano moral pleiteado pela família tem
como titulares do direito os herdeiros, não por herança, mas sim por causa de direito próprio deles.

Ofensa a direito da personalidade da pessoa
enquanto viva, tendo esta ajuizado ação de
indenização, mas falecido antes do trânsito em
julgado.
O espólio é legitimado a prosseguir na demanda.
Ofensa a direito da personalidade da pessoa
enquanto viva. Esta faleceu sem ter ajuizado a
ação.
O espólio é legitimado a propor a ação de
indenização.
Ofensa à memória da pessoa já falecida.
Os herdeiros (e não o espólio) são legitimados
para propor a ação de indenização.
Dor e sofrimento causado pela morte da pessoa.
Os herdeiros (e não o espólio) são legitimados
para propor a ação de indenização.

STJ. 4ª Turma. REsp 1.143.968-MG, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 26/2/2013 (Info 517).
STJ. 4ª Turma. REsp 1.209.474-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 10/9/2013 (Info 532).


Responsabilidade civil do banco por compensação de cheque adulterado
O banco responde objetivamente pelos danos causados ao correntista por conta da compensação de
cheque falsificado (sem culpa do cliente), ainda que a falsificação seja sofisticada.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.093.440-PR, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 2/4/2013 (Info 520).

O titular do blog é responsável pelos danos causados por artigos de terceiro publicados em seu site
O titular de blog é responsável pela reparação dos danos morais decorrentes da inserção, em seu site,
por sua conta e risco, de artigo escrito por terceiro.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.381.610-RS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 3/9/2013 (Info 528).

Evicção
Para que o evicto possa exercer os direitos resultantes da evicção, na hipótese em que a perda da coisa
adquirida tenha sido determinada por decisão judicial, não é necessário o trânsito em julgado da referida
decisão.
O direito que o evicto tem de cobrar indenização pela perda da coisa evicta independe, para ser
exercitado, de ele ter denunciado a lide ao alienante na ação em que terceiro reivindicara a coisa.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.332.112-GO, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 21/3/2013 (Info 519).

Alienação fiduciária
A medida de busca e apreensão prevista no art. 3º do DL 911/69 somente pode ser proposta por
instituição financeira ou pessoa jurídica de direito público titular de créditos fiscais e previdenciários. Isso
porque, de acordo com o art. 8º-A do referido DL, o procedimento ali previsto somente é aplicável
quando se tratar de operações do mercado financeiro e de capitais ou de garantia de débitos fiscais ou
previdenciários.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.101.375-RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 4/6/2013 (Info 526).

Alienação fiduciária em garantia: impossibilidade de purgar a mora
Nos contratos firmados na vigência da Lei 10.931/2004, compete ao devedor, no prazo de 5 (cinco) dias
após a execução da liminar na ação de busca e apreensão, pagar a integralidade da dívida - entendida

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
7

esta como os valores apresentados e comprovados pelo credor na inicial -, sob pena de consolidação da
propriedade do bem móvel objeto de alienação fiduciária.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.418.593-MS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 14/5/2014 (recurso repetitivo)
(Info 540).

Na união estável não se exige autorização do companheiro para prestar fiança
Fiança prestada por fiador convivente em união estável sem a outorga uxória do outro companheiro
Ainda que a união estável esteja formalizada por meio de escritura pública, é válida a fiança prestada por
um dos conviventes sem a autorização do outro.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.299.866-DF, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 25/2/2014 (Info 535).

Promessa de compra e venda e ação de resolução
Decretada a resolução do contrato de promessa de compra e venda, deve o juiz, ainda que não tenha
sido expressamente provocado pela parte interessada, determinar a restituição, pelo promitente
vendedor, das parcelas do preço pagas pelos promitentes compradores.
Trata-se da concretização da eficácia restitutória da resolução, aplicável em benefício das duas partes do
contrato, como consequência natural da desconstituição do vínculo contratual.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.286.144-MG, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 7/3/2013 (Info 518).

Aplicação do CDC no contrato de administração imobiliária
É possível aplicar o CDC à relação entre proprietário de imóvel e a imobiliária contratada por ele para
administrar o bem. Em outras palavras, a pessoa que contrata uma empresa administradora de imóveis
pode ser considerada consumidora.
STJ. 3ª Turma. REsp 509.304-PR, Rel. Min. Villas Bôas Cueva, julgado em 16/5/2013 (Info 523).

Contaminação por causa de transfusão de sangue ocorrida em hospital
O hospital que realiza transfusão de sangue observando todas as cautelas exigidas por lei não é
responsável pelo fato de o paciente ter sido contaminado com hepatite C, ainda que se considere que
essa contaminação ocorreu por conta do fenômeno da janela imunológica.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.322.387-RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 20/8/2013 (Info 532).

Distrato da promessa de compra e venda e retenção de valores pela construtora
É abusiva a cláusula de distrato, fixada no contrato de promessa de compra e venda imobiliária, que
estabeleça a possibilidade de a construtora vendedora promover a retenção integral ou a devolução
ínfima do valor das parcelas adimplidas pelo consumidor distratante.
Vale ressaltar, no entanto, que a jurisprudência entende que é justo e razoável que o vendedor retenha
parte das prestações pagas pelo consumidor como forma de indenizá-lo pelos prejuízos suportados,
notadamente as despesas administrativas realizadas com a divulgação, comercialização e corretagem,
além do pagamento de tributos e taxas incidentes sobre o imóvel, e a eventual utilização do bem pelo
comprador.
A jurisprudência normalmente considera razoável a retenção, pelo promitente vendedor, de um
percentual que varia de 10% a 20% dos valores já pagos, devendo o restante ser devolvido ao promitente
comprador.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.132.943-PE, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 27/8/2013 (Info 530).


Dever das seguradoras de exigir exames médicos
A seguradora que não exigiu exames médicos previamente à contratação, não pode descumprir a
obrigação indenizatória sob a alegação de que houve omissão de informações pelo segurado quanto à
doença preexistente, salvo quando ficar provado que o contratante agiu de má-fé.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
8

STJ. 3ª Turma. AgRg no REsp 1.286.741-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em 15/8/2013 (Info
529).

Seguradora pode exigir nova perícia mesmo que o segurado já esteja aposentado por invalidez pelo INSS
Para fins de percepção da indenização por incapacidade total e permanente prevista em contrato de seguro
privado, a concessão de aposentadoria por invalidez pelo INSS não desobriga o beneficiário de demonstrar
que se encontra efetivamente incapacitado. Isso porque a concessão de aposentadoria pelo INSS faz prova
apenas relativa da invalidez, daí a possibilidade da realização de nova perícia com vistas a comprovar, de
forma irrefutável, a presença de incapacidade.
STJ. 4ª Turma. AgRg no AREsp 424.157-SP, Rel. Min. Raul Araújo, julgado em 21/11/2013 (Info 534).

Fiança prestada por fiador convivente em união estável sem a outorga uxória do outro companheiro
Ainda que a união estável esteja formalizada por meio de escritura pública, é válida a fiança prestada por
um dos conviventes sem a autorização do outro.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.299.866-DF, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 25/2/2014 (Info 535).


DIREITO PROCESSUAL CIVIL

ANATEL não é parte legítima em ação de usuário de telefonia contra a concessionária
Súmula 506-STJ: A Anatel não é parte legítima nas demandas entre a concessionária e o usuário de
telefonia decorrentes de relação contratual.

Competência para demandas que envolvam previdência privada e REFER
Súmula 505-STJ: A competência para processar e julgar as demandas que têm por objeto obrigações
decorrentes dos contratos de planos de previdência privada firmados com a Fundação Rede Ferroviária de
Seguridade Social – REFER é da Justiça estadual.

Súmula 365-STJ: A intervenção da União como sucessora da Rede Ferroviária Federal S/A (RFFSA) desloca a
competência para a Justiça Federal ainda que a sentença tenha sido proferida por Juízo estadual.

Restituição de indébito relacionada com tarifa de energia elétrica: JUSTIÇA ESTADUAL
É de competência da JUSTIÇA ESTADUAL a ação de restituição de indébito proposta contra a
concessionária de energia elétrica por causa de um aumento ilegal da tarifa de energia. Isso porque, a
princípio, não há nenhum interesse da União ou da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) que
justifique que elas figurem no polo passivo desta demanda.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.307.041-RS, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 18/12/2012
(Info 516).

Ação monitória proposta contra estado-membro
Segundo a jurisprudência do STJ, o Estado-membro não tem prerrogativa de foro. Logo, poderá ser
demandado em outra comarca que não a de sua capital. Poderá ser até mesmo demandado em outro
Estado-membro da Federação.
No caso de ação monitória proposta contra o Estado-membro, a competência para julgar a causa é do
local onde a obrigação deveria ser satisfeita e onde deveria ter ocorrido o pagamento da
contraprestação, conforme prevê o art. art. 100, IV, “d”, do CPC.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.316.020-DF, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 2/4/2013 (Info 517).

Competência para julgar causa que interessa a todos os membros da magistratura

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
3
9

O art. 102, I, ‘n’, da CF/88 determina que a ação em que todos os membros da magistratura sejam direta
ou indiretamente interessados é de competência originária do STF.
Vale ressaltar, no entanto, que a causa não será da competência originária do STF se a matéria discutida,
além de ser do interesse de todos os membros da magistratura, for também do interesse de outras
carreiras de servidores públicos.
Além disso, para incidir o dispositivo, o texto constitucional preconiza que a matéria discutida deverá
interessar a todos os membros da magistratura e não apenas a parte dela.
STF. 2ª Turma. AO 1840 AgR/PR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado em 11/2/2014 (Info 735).

Competência para julgar MS impetrado contra Procurador Regional Eleitoral

Compete ao juízo da vara federal com atuação na cidade de domicílio do impetrante processar
e julgar mandado de segurança impetrado por promotor de justiça contra ato administrativo
de procurador regional eleitoral, desde que não se trate de matéria eleitoral.
STF. 1ª Turma. CC 7698/PI, rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 13/5/2014.

Ministério Público eleitoral
Compete ao Ministério Público Federal exercer junto à Justiça Eleitoral as funções do Ministério Público,
atuando em todas as fases e instâncias do processo eleitoral (art. 72 da Lei Complementar n. 75/93).
Assim, o papel de Ministério Público eleitoral é desempenhado pelo Ministério Público federal.

Veja a estrutura do Ministério Público eleitoral:
Procurador-Geral Eleitoral Procurador Regional Eleitoral Promotores eleitorais
 Essa função é desempenhada
pelo Procurador-Geral da
República.
 O Procurador-Geral
designará um Vice-
Procurador-Geral Eleitoral e
outros membros que
poderão substituí-lo em seus
impedimentos e em caso de
necessidade de serviço.
 Essa função é desempenhada
por um Procurador Regional da
República no Estado (ou DF).
 Se não houver Procurador
Regional da República no
Estado, a função poderá ser
realizada por um Procurador da
República, desde que vitalício.
 Exerce um mandato de 2 anos,
permitida uma recondução.
 Essa função é desempenhada
por um Promotor de Justiça.
 Desse modo, ao exercer a
função de Promotor eleitoral, o
Promotor de Justiça atua por
delegação do MPF.
 O Promotor eleitoral é indicado
pelo Procurador-Geral de Justiça
e nomeado pelo Procurador
Regional Eleitoral.
Atua no TSE. Atua no TRE e dirige as
atividades do Ministério Público
eleitoral no Estado.
Atua perante os Juízes e Juntas
Eleitorais.

Imagine agora a seguinte situação adaptada:
João é Promotor de Justiça da comarca X. Desempenha também as funções de Promotor eleitoral naquela
cidade.
Ao tomar conhecimento de uma suposta falta funcional praticada por João, o Procurador Regional eleitoral
baixou uma portaria, exonerando-o da função de Promotor eleitoral e designando outro para seu lugar.
Irresignado, João impetrou mandado de segurança alegando afronta aos princípios constitucionais do
devido processo legal, da ampla defesa, do contraditório e da presunção de inocência.

De quem será a competência para julgar esse MS?
Do juiz federal de 1ª instância que tiver jurisdição sobre o domicílio do impetrante, nos termos do art. 109,
VIII, da CF/88:
Art. 109. Aos juízes federais compete processar e julgar:
VIII - os mandados de segurança e os "habeas-data" contra ato de autoridade federal, excetuados os casos

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
0

de competência dos tribunais federais;

Por que a competência não é do TRE?
Porque a matéria objeto da demanda não é sobre direito eleitoral. Não se está discutindo o processo
eleitoral. O que se está debatendo é se o impetrante poderia ser destituído de sua função pública, de nível
federal, sem o devido processo legal. A discussão é de índole constitucional e administrativa.

Por que a competência não é do TRF?
A competência dos Tribunais Regionais Federais para julgar mandados de segurança está insculpida no art.
108 da CF/88 e proclama o seguinte:
Art. 108. Compete aos Tribunais Regionais Federais:
I - processar e julgar, originariamente:
c) os mandados de segurança e os "habeas-data" contra ato do próprio Tribunal ou de juiz federal;

Desse modo, conforme se observa, o art. 108 da Carta Magna não atribui aos TRFs a competência
originária para apreciar mandado de segurança contra ato de Procurador da República. Logo, incide a
regra geral prevista no art. 109, VIII, da CF/88.

Mas o MS contra um Procurador Regional da República será julgado em 1ª instância?
SIM. As demandas cíveis contra os Procuradores da República e Procuradores Regionais da República são
julgadas em 1ª instância. Diferente seria a situação se eles estivessem respondendo a um processo
criminal. Nesse caso, o Procurador da República seria julgado pelo TRF (art. 108, I) e o Procurador Regional
da República pelo STJ (art. 105, I, “a”, da CF/88).

Ações civis públicas propostas pelo MPF e competência
A simples presença do MPF na lide faz com que a causa seja da Justiça Federal? Em outras palavras, todas
as ações propostas pelo Parquet federal serão, obrigatoriamente, julgadas pela Justiça Federal?
SIM. Posição pacífica do STJ.
NÃO. Julgados do STF.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.283.737-DF, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 22/10/2013 (Info 533).
STF. 1ª Turma. RE 596836 AgR, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 10/05/2011.

Improcedência liminar
Não é possível a aplicação do art. 285-A do CPC quando o entendimento exposto na sentença, apesar de
estar em consonância com a jurisprudência do STJ, divergir do entendimento do tribunal de origem.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.225.227-MS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 28/5/2013 (Info 524).

Não cabe a denunciação da lide prevista no art. 70, III, do CPC quando demandar a análise de fato
diverso dos envolvidos na ação principal
Não é admissível a denunciação da lide embasada no art. 70, III, do CPC quando introduzir fundamento
novo à causa, estranho ao processo principal, apto a provocar uma lide paralela, a exigir ampla dilação
probatória, o que tumultuaria a lide originária, indo de encontro aos princípios da celeridade e economia
processuais, que essa modalidade de intervenção de terceiros busca atender.
STJ. 4ª Turma. REsp 701.868-PR, Rel. Min. Raul Araújo, julgado em 11/2/2014 (Info 535).

Chamamento ao processo e fornecimento de medicamento
Nas ações para fornecimento de medicamentos, apesar de a obrigação ser solidária entre Municípios,
Estados e União, caso o autor tenha proposto a ação apenas contra o Estado-membro, não cabe o
chamamento ao processo da União, medida que apenas iria protelar a solução da causa.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
1

STJ. 1ª Seção. REsp 1.203.244-SC, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 9/4/2014 (recurso repetitivo)
(Info 539).

Justiça Gratuita
Súmula 481-STJ: Faz jus ao benefício da justiça gratuita a pessoa jurídica com ou sem fins lucrativos que
demonstrar sua impossibilidade de arcar com os encargos processuais.

Consequência pelo descumprimento de determinação de exibição de documento
Não é cabível a multa cominatória, caso o autor tenha ingressado com pedido, incidental ou autônomo,
de exibição de documento relativo a direito DISPONÍVEL.
Em caso de processos que tratam sobre direitos indisponíveis, o STJ tem admitido a cominação de
astreintes.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.333.988-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 9/4/2014 (recurso
repetitivo).

Benefício do prazo em dobro
Se os litisconsortes passam a ter procuradores distintos no curso do processo, quando já iniciado o prazo
recursal, somente se aplica o benefício do prazo em dobro à parte do prazo recursal ainda não
transcorrida até aquele momento.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.309.510-AL, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 12/3/2013 (Info 518).

Impossibilidade de suspensão dos prazos processuais por greve dos advogados públicos
A greve de advogados públicos não constitui motivo de força maior a ensejar a suspensão ou devolução
dos prazos processuais (art. 265, V, do CPC).
STJ. 2ª Turma. REsp 1.280.063-RJ, Rel. Min. Eliana Calmon, julgado em 4/6/2013 (Info 524).

Revogação da tutela antecipada e prejuízos
O autor ingressa com uma ação e pede a tutela antecipada. O juiz defere. Na sentença, o juiz julga
improcedente a demanda e revoga a tutela antecipada.
Ocorre que a tutela antecipada causou danos morais e materiais ao réu.
O autor da ação tem a responsabilidade objetiva de indenizar o réu quanto a esses prejuízos,
independentemente de pronunciamento judicial e pedido específico da parte interessada.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.191.262-DF, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 25/9/2012.

Tutela antecipada prevista no § 6º do art. 273 do CPC
O STJ decidiu que a decisão a que se refere o § 6º do art. 273 do CPC, apesar de ser concedida mediante
técnica de cognição exauriente, continua sendo, por opção legislativa, uma hipótese de tutela
antecipada. Logo, por questão de política legislativa, não é apta a fazer coisa julgada material.
Assim, o valor correspondente à parte incontroversa do pedido pode ser levantado pelo beneficiado por
decisão que antecipa os efeitos da tutela (art. 273, § 6º, do CPC), mas o montante não deve ser acrescido
dos respectivos honorários advocatícios e juros de mora, os quais deverão ser fixados pelo juiz na
sentença.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.234.887-RJ, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em 19/9/2013 (Info 532).


Decisão que fixa valor das astreintes não preclui nem faz coisa julgada
A decisão que comina astreintes não preclui, não fazendo tampouco coisa julgada.
A jurisprudência do STJ é pacífica no sentido de que a multa cominatória não integra a coisa julgada,
sendo apenas um meio de coerção indireta ao cumprimento do julgado, podendo ser cominada, alterada
ou suprimida posteriormente.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
2

STJ. 2ª Seção. REsp 1.333.988-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 9/4/2014 (recurso
repetitivo) (Info 539).

Bloqueio e sequestro de verbas públicas
Em ação para fornecimento de medicamentos, o juiz pode determinar o bloqueio e sequestro de verbas
públicas em caso de descumprimento da decisão
Tratando-se de fornecimento de medicamentos, cabe ao Juiz adotar medidas eficazes à efetivação de
suas decisões, podendo, se necessário, determinar, até mesmo, o sequestro de valores do devedor
(bloqueio), segundo o seu prudente arbítrio, e sempre com adequada fundamentação.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.069.810-RS, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 23/10/2013 (recurso
repetitivo) (Info 532).

A multa cominatória continua sendo exigida se o devedor cumpriu a obrigação a destempo
O cumprimento da obrigação após o transcurso do prazo judicialmente fixado não exime o devedor do
pagamento da multa cominatória arbitrada.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.183.774-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 18/6/2013 (Info 526).

Desistência da ação
Na hipótese em que o autor, após o decurso do prazo para a resposta, pretenda desistir da ação,
constituirá motivação apta a impedir a extinção do processo a alegação do réu de que também faz jus à
resolução do mérito da demanda contra si proposta.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.318.558-RS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 4/6/2013 (Info 526).


PRERROGATIVAS E PRIVILÉGIOS DA FAZENDA PÚBLICA

Prerrogativas de Procuradores do Estado e análise de sua constitucionalidade
É inconstitucional lei estadual que assegure aos Procuradores do Estado as seguintes prerrogativas:
a) Vitaliciedade;
b) Prisão domiciliar ou em sala de Estado-Maior;
c) Restrições à prisão do Procurador;
d) Foro privativo no Tribunal de Justiça (por meio de lei);
e) Escolha do dia, hora e local para que o Procurador seja ouvido como testemunha ou ofendido em
processo judicial;
f) Porte de arma independentemente de licença ou registro.
STF. Plenário. ADI 2729/RN, rel. orig. Min. Luiz Fux, red. p/ o acórdão Min. Gilmar Mendes, 19/6/2013 (Info
711).


Intimação pessoal de advogados públicos

Alguns membros de determinadas carreiras possuem a prerrogativa da intimação pessoal. Vejamos:
 Advogados da União
 Procuradores da Fazenda Nacional
 Procuradores Federais
 Procuradores do Banco Central
 Defensores Públicos
 Membros do Ministério Público

Os Procuradores do Estado/DF possuem a prerrogativa de somente serem intimados pessoalmente dos atos
processuais?

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
3

NÃO. O STJ possui entendimento consolidado de que não se aplica a prerrogativa de intimação pessoal aos
Procuradores Estaduais, tendo em vista a ausência de previsão legal. Logo, eles são intimados por
publicação na Imprensa Oficial. Nesse sentido: 2ª Turma. REsp 1.317.257-RS, Rel. Min. Herman Benjamin,
julgado em 9/10/2012.

Exceções:
Será obrigatória a intimação pessoal do Procurador do Estado/DF em duas hipóteses:
a) no caso de execução fiscal, qualquer intimação ao representante judicial da Fazenda Pública será feita
pessoalmente (art. 25 da Lei n. 6.830/80).
b) no caso de mandado de segurança, o Procurador do Estado deverá ser intimado pessoalmente:
b.1) da sentença que conceder a segurança (para que possa apresentar apelação); ou
b.2) caso tenha sido denegada a segurança e o impetrante tenha apelado (nesse caso, o Procurador é
intimado pessoalmente para apresentar contrarrazões da apelação).

Ainda tratando sobre mandado de segurança, segundo o STJ, após a intimação pessoal da sentença, ou da
interposição da apelação pela impetrante, se for o caso, a intimação dos demais atos judiciais segue a
sistemática prevista no art. 236 do CPC, ou seja, a intimação via Imprensa Oficial.


BENEFÍCIO DE PRAZO

Previsão legal
O art. 188 do CPC estabelece o seguinte:
Art. 188. Computar-se-á em quádruplo o prazo para contestar e em dobro para recorrer quando a parte for
a Fazenda Pública ou o Ministério Público.

Nomenclatura
A doutrina denomina essa previsão de “benefício de prazo” ou “prerrogativa de prazo”.

Beneficiários:
• Fazenda Pública
• Ministério Público

Prazos:
• Contestação: prazo em quádruplo.
• Recurso: prazo em dobro.

Obs1: quando a Lei fala de prazo em quádruplo para “contestar” isso significa prazo em quádruplo para
apresentar resposta (art. 297 do CPC). Dessa forma, a Fazenda Pública possui prazo em quádruplo para
apresentar contestação, exceção ou reconvenção.

Obs2: o prazo para que a Fazenda Pública ou o MP apresente contrarrazões é simples, considerando que
não está abrangido pelo art. 188 do CPC.



Por que o prazo da contestação é maior que o do recurso?
Porque na contestação é a primeira oportunidade que o advogado público terá contato com os autos, além
de ser a peça mais importante. Logo, precisará de um prazo maior. No caso do recurso, já houve um
acompanhamento durante toda a instrução, de forma que não se trata de um caso novo.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
4

Esse dispositivo é constitucional?
SIM. Não há violação ao princípio da isonomia ou a qualquer outra norma constitucional. Ao contrário, tal
previsão atende a igualdade ao tratar desigualmente a Fazenda Pública e o MP, que são partes diferentes
das demais. A estrutura administrativa é burocratizada, o que contribui para que o fluxo de informações
ocorra mais rapidamente, fator que faz com que o advogado público demore mais para receber os dados
necessários para elaborar a defesa do Poder Público. Ademais, não raras vezes o quadro de profissionais é
reduzido para a grande quantidade de demandas.

Quando o dispositivo menciona “Fazenda Pública”, quais entes estão abrangidos?
• União
• Estados/DF
• Municípios
• Autarquias
• Fundações
• Correios

As empresas públicas e sociedades de economia mista possuem benefício de prazo?
NÃO. As normas que criam privilégios ou prerrogativas especiais devem ser interpretadas restritivamente,
não se encontrando as empresas públicas inseridas no conceito de Fazenda Pública previsto no art. 188 do
CPC (STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.266.098- RS, Rel. Min. Eliana Calmon, julgado em 23/10/2012).

E os Correios (ECT)?
A ECT é uma empresa pública. Presta serviço público de serviço postal com exclusividade. Por conta deste
serviço público prestado com exclusividade, a ECT recebe tratamento muito próximo ao das autarquias, ou
seja, é tratada como se fosse “Fazenda Pública”. Logo, os Correios também gozam do benefício de prazo do
art. 188 do CPC (STJ AgRg no Ag 418.318/DF).

Os Conselhos de Fiscalização Profissional (exs: CREA, CRM, CRO) possuem benefício de prazo?
SIM, porque possuem natureza jurídica de autarquia (AgRg no Ag 1388776/RJ, Rel. Min. Herman Benjamin,
Segunda Turma, julgado em 07/06/2011, DJe 15/06/2011).

O Estado estrangeiro possui o benefício de prazo?
NÃO. O prazo em quádruplo para contestar e em dobro para recorrer, previsto no artigo 188 do CPC, não
se aplica ao Estado estrangeiro. (STJ. 3ª Turma. Ag 297.723/SP, Min. Antônio de Pádua Ribeiro, julgado em
08/06/2000).

O art. 188 vale também no caso de recursos nos Tribunais Superiores?
SIM. Desse modo, a Fazenda Pública dispõe de prazo em dobro para interpor os Recursos Especial e
Extraordinário. Além disso, também possui prazo em dobro para interpor os recursos internos no âmbito
do STJ e STF. Nesse sentido, confira a Súmula 116 do STJ: A Fazenda Pública e o Ministério Público têm
prazo em dobro para interpor agravo regimental no Superior Tribunal de Justiça.

O art. 188 é aplicado no caso da ação de improbidade administrativa?
SIM, considerando que se trata de ação de natureza cível (STJ AgRg nos EDcl no Ag 587748 / PR).



Se a Fazenda Pública for ré na ação rescisória, aplica-se o art. 188?
SIM. Na ação rescisória, o relator fixa um prazo entre 15 a 30 dias para que o réu apresente resposta (art.
491 do CPC). Se a Fazenda Pública for ré na ação rescisória, o prazo fixado pelo Relator deverá observar o
art. 188 do CPC, de modo que será fixado entre 60 e 120 dias (STJ REsp 363.780/RS).


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
5

O art. 188 aplica-se no caso do procedimento sumário?
NÃO. Sendo o procedimento sumário, há regra específica determinando que os prazos serão contados em
dobro (art. 277 do CPC). Assim, quando se tratar de procedimento sumário, se a Fazenda Pública for a ré, o
juiz, ao receber a petição inicial, designará a audiência de conciliação a ser realizada no prazo de 60 dias,
citando-se a Fazenda com a antecedência mínima de 20 dias.

O art. 188 aplica-se no caso do prazo conferido pela Lei n. 9.800/99?
NÃO. O art. 2º da Lei n. 9.800/99 prevê que, no caso de contestação ou recurso apresentado por fax, os
originais devem ser entregues em juízo, necessariamente, até 5 dias da data de seu término. Esse prazo de
5 dias não é ampliado por força do art. 188 do CPC. Assim, se, no último dia de seu prazo (60º dia), a
Fazenda Pública apresenta sua contestação por fax, ela terá 5 dias para apresentar os originais, como
qualquer outra parte. (STJ. 2ª Turma. AgRg no Ag 1394188/RJ, Rel. Min. Castro Meira, julgado em
03/11/2011)

Se alguém ingressa com uma ação contra a Fazenda Pública e um particular, no polo passivo, como
litisconsortes, qual será o prazo para contestar?
O art. 191 do CPC prevê que, quando os litisconsortes tiverem diferentes procuradores, ser-lhes-ão
contados em dobro os prazos para contestar, para recorrer e, de modo geral, para falar nos autos.

Nesse caso, o prazo da Fazenda Pública para contestar será em quádruplo (60 dias) e o do particular será
em dobro (30 dias). Vale dizer, o benefício do art. 188 não é somado ao do art. 191. Assim, o benefício de
prazo previsto no art. 188 não é duplicado pelo fato de a Fazenda Pública estar no polo passivo em
litisconsórcio.
(...) quando a Fazenda Pública e/ou Ministério Público forem litisconsortes, terão prazo em quádruplo para
contestar e em dobro para recorrer (art. 188 do CPC), fazendo jus ao benefício do artigo 191 do CPC tão
somente para os demais atos processuais, não contemplados pelo artigo 188 do CPC, ou seja, para, de
modo geral, falar nos autos.
5. Entender de modo diverso seria conferir aos referidos entes públicos (Fazenda Pública e Ministério
Público) uma benesse ainda maior, o que colocaria os particulares em extrema desvantagem processual (...)
(AgRg no AREsp 8.510/ES, Rel. Min. Benedito Gonçalves, Primeira Turma, julgado em 27/09/2011, DJe
30/09/2011)

Há benefício de prazo no processo de controle de constitucionalidade?
NÃO. Não há prazo recursal em dobro no processo de controle concentrado de constitucionalidade (RE
670890 AgR, Relator Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, julgado em 14/08/2012).


Fazenda Pública não é isenta do pagamento de emolumentos
A Fazenda Pública não é isenta do pagamento de emolumentos cartorários, havendo, apenas, o
diferimento deste para o final do processo, quando deverá ser suportado pelo vencido.
STJ. 1ª Turma. AgRg no REsp 1.276.844-RS, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 5/2/2013 (Info
516).




Ação rescisória e termo inicial
O termo inicial do prazo decadencial de dois anos para a propositura, por particular, de ação rescisória, é
a data do trânsito em julgado da última decisão proferida na causa.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
6

Se a Fazenda Pública participou da ação, este prazo bienal somente se inicia após ter se esgotado o prazo
em dobro que a Fazenda Pública tem para recorrer, ainda que o ente público tenha sido vencedor na
última decisão proferida na demanda.
STJ. 1ª Turma. AREsp 79.082-SP, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, julgado em 5/2/2013 (Info 514).

Início do prazo para a ação rescisória em caso de recursos parciais
Impugnada parcialmente a sentença, os capítulos não impugnados transitam em julgado desde logo ou
deve-se aguardar o julgamento do recurso quanto ao restante da sentença?
O prazo para a ação rescisória se iniciará para cada capítulo ou deve-se aguardar que não haja mais a
possibilidade de se interpor qualquer recurso?
• STJ: deve-se aguardar o julgamento do recurso quanto ao restante da sentença. Somente quando não
for cabível qualquer recurso, terá início o prazo para a ação rescisória.
• STF e doutrina: os capítulos não impugnados transitam em julgado desde logo. O prazo da ação
rescisória se iniciará para cada capítulo, à medida que ele transitar em julgado. Assim, o prazo
decadencial da ação rescisória, nos casos de existência de capítulos autônomos, deve ser contado do
trânsito em julgado de cada decisão (cada capítulo).
STF. 1ª Turma. RE 666589/DF, rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 25/3/2014 (Info 740).

Ação rescisória e violação de súmula
Não cabe ação rescisória contra violação de súmula. Conforme o art. 485, V, do CPC, a sentença pode ser
rescindida quando violar literal disposição de lei, hipótese que não abrange a contrariedade à súmula.
Assim, não há previsão legislativa para o ajuizamento de ação rescisória sob o argumento de violação de
súmula.
STJ. 3ª Seção. AR 4.112-SC, Min. Rel. Marco Aurélio Bellizze, julgada em 28/11/2012.

Interposição por fax e defeitos técnicos no sistema
Mesmo que o advogado não tenha conseguido interpor o recurso, via fax, por conta de um problema
técnico do próprio Poder Judiciário, ele não terá oportunidade de ajuizar o recurso em outra data fora do
prazo.
Em outras palavras, o recurso interposto via fax fora do prazo recursal deve ser considerado
intempestivo, ainda que tenha ocorrido eventual indisponibilidade do sistema de protocolo via fax do
Tribunal no decorrer do referido período de tempo.
São de responsabilidade de quem opta pelo sistema de comunicação por fax os riscos de que eventuais
defeitos técnicos possam impedir a perfeita recepção da petição.
STJ. 2ª Turma. AgRg nos EDcl no AREsp 237.482-RJ, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 7/2/2013 (Info
517).

Não há prazo em dobro para apresentação dos originais do recurso interposto por fax
Ainda que o recorrente detenha o privilégio do prazo em dobro, será de cinco dias o prazo, contínuo e
inextensível, para a protocolização dos originais do recurso na hipótese em que se opte pela utilização de
sistema de transmissão de dados e imagens do tipo fac-símile.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.308.916-GO, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 6/12/2012
(Info 514).

Reexame necessário
Súmula 490-STJ: A dispensa de reexame necessário, quando o valor da condenação ou do direito
controvertido for inferior a 60 salários mínimos, não se aplica a sentenças ilíquidas.

Possibilidade de a parte juntar novos documentos em sede de apelação

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
7

É possível que a parte junte novos documentos em sede de apelação, desde que atendidos os seguintes
requisitos:
a) não se trate de documento indispensável à propositura da ação;
b) não haja indício de má fé;
c) seja ouvida a parte contrária, garantindo-se o contraditório (art. 398 do CPC).
STJ. 1ª Turma. REsp 1.176.440-RO, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 17/9/2013 (Info 533).

Recurso julgado sem anterior inclusão em pauta
A ausência de publicação de pauta de julgamento, conquanto caracterize irregularidade processual (art.
552 do CPC), somente acarretará nulidade se demonstrado efetivo prejuízo à parte.
O TJ julgou um agravo de instrumento sem que a sua inclusão na pauta tenha sido publicada. Para o STJ,
não houve nulidade porque o AI não comporta a possibilidade de sustentação oral. Logo, não houve
prejuízo concreto à parte, já que ela não poderia influenciar no julgamento.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.183.774-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 18/6/2013 (Info 526).

Multa em caso de agravo manifestamente infundado
A exigência de que a parte recolha a multa antes de recorrer somente vale para o caso de recurso
interposto contra a mesma matéria já decidida no agravo e em razão da qual foi imposta a sanção.
Não se exige o prévio recolhimento da multa se o recurso que a parte vai interpor objetive a impugnação
de matéria diferente daquela tratada no agravo que deu origem à multa.
Se fosse ser exigido o recolhimento prévio para interpor qualquer recurso, sobre qualquer outra matéria
e em qualquer fase processual, haveria uma limitação muito grande ao exercício do direito de defesa.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.354.977-RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 2/5/2013 (Info 523).

Agravo nos próprios autos
A Quarta Turma do STJ decidiu que esta Lei n. 12.322/2010, que transformou o agravo de instrumento
em agravo nos próprios autos, não se aplica aos recursos interpostos antes da sua vigência.
Assim, aos agravos de instrumento anteriores a 9/12/2010, data na qual entrou em vigor a referida lei,
devem-se aplicar as regras anteriores.
STJ. 4ª Turma. AgRg no Ag 1.391.012-RJ, Rel. Min. Antonio Carlos Ferreira, julgado em 3/5/2012.

MS para impugnar decisão que tenha determinado a conversão de ai em agravo retido deve ser
impetrado no prazo de 5 dias
É cabível mandado de segurança para impugnar decisão que tenha determinado a conversão de agravo
de instrumento em agravo retido. Isso porque, nessa hipótese, não há previsão de recurso próprio apto a
fazer valer o direito da parte ao imediato processamento de seu agravo.
O prazo para a impetração desse MS é de 5 dias.
STJ. 3ª Turma. RMS 43.439-MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 24/9/2013 (Info 533).

Recurso especial sem assinatura de advogado
Não é possível conhecer de recurso especial interposto sem assinatura de advogado.
Se não consta a assinatura no recurso especial este deve ser considerado como inexistente.
STJ. 4ª Turma. AgRg no AREsp 219.496-RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 11/4/2013 (Info 521).

Tempestividade de recurso especial ou extraordinário e feriado local
É admissível comprovação posterior da tempestividade de recurso no STJ ou no STF quando o recurso
houver sido julgado intempestivo em virtude de feriados locais ou de suspensão de expediente forense
no tribunal a quo.
STJ. Corte Especial. AgRg no AREsp 137.141-SE, Rel. Min. Antonio Carlos Ferreira, julgado em 19/9/2012.
STF. Plenário. RE 626358 AgR/MG, rel. Min. Cezar Peluso, 22/3/2012.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
8


Falta de ajuizamento da ação principal
Súmula 482-STJ: A falta de ajuizamento da ação principal no prazo do art. 806 do CPC acarreta a perda da
eficácia da liminar deferida e a extinção do processo cautelar.

Emenda da inicial do MS para corrigir equívoco na indicação da autoridade coatora
Deve ser admitida a emenda à petição inicial para corrigir equívoco na indicação da autoridade coatora
em mandado de segurança, desde que a retificação do polo passivo não implique alteração de
competência judiciária e desde que a autoridade erroneamente indicada pertença à mesma pessoa
jurídica da autoridade de fato coatora.
STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 368.159-PE, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 1º/10/2013 (Info 529).

Termo inicial do prazo no caso de ato que suprime ou reduz vantagem
O ato que SUPRIME ou REDUZ vantagem de servidor é ato único ou prestação de trato sucessivo?
Para o STJ, é preciso fazer a seguinte distinção:
• Supressão: ato ÚNICO (prazo para o MS é contado da data em que o prejudicado tomou ciência do
ato).
• Redução: prestação de TRATO SUCESSIVO (o prazo para o MS renova-se mês a mês).
STJ. Segunda Turma. RMS 34.363-MT, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 6/12/2012 (Info 513).

Fornecimento de medicamentos por meio de MS
Não é possível que o autor impetre um mandado de segurança para obter fornecimento de
medicamentos para tratamento da doença que o acomete.
Isso porque a instrução de MS somente com laudo médico particular não configura prova pré-constituída
da liquidez e certeza do direito do impetrante de obter do Poder Público determinados medicamentos e
insumos para o tratamento de enfermidade.
STJ. 2ª Turma. RMS 30.746-MG, Rel. Min. Castro Meira, julgado em 27/11/2012.

Desistência do Mandado de Segurança
O STF decidiu que o impetrante pode desistir de mandado de segurança a qualquer tempo, ainda que
proferida decisão de mérito a ele favorável, e sem anuência da parte contrária.
O mandado de segurança, enquanto ação constitucional, com base em alegado direito líquido e certo
frente a ato ilegal ou abusivo de autoridade, não se reveste de lide, em sentido material.
STF. Plenário. RE 669367/RJ, rel. orig. Min. Luiz Fux, red. p/ o acórdão Min. Rosa Weber, 2/5/2013 (Info
704).

Não há sucessão processual em MS
No mandado de segurança, se o impetrante morre, os seus herdeiros não podem se habilitar para
continuar o processo. Assim, falecendo o impetrante, o mandado de segurança será extinto sem
resolução do mérito, ainda que já esteja em fase de recurso. Isso ocorre em razão do caráter
mandamental e da natureza personalíssima do MS.
STJ. 3ª Seção. EDcl no MS 11.581-DF, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 26/6/2013 (Info 528).

MANDADO DE SEGURANÇA PARA CONTROLE DA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS
É cabível mandado de segurança, a ser impetrado no Tribunal Regional Federal, com a finalidade de
promover o controle da competência dos Juizados Especiais Federais.
STJ. 2ª Turma. RMS 37.959-BA, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 17/10/2013 (Info 533).

Beneficiário da justiça gratuita tem direito de requerer auxílio da contadoria judicial para elaboração de
seus cálculos

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
4
9

O beneficiário da assistência judiciária, ainda que seja representado pela Defensoria Pública, pode se
utilizar do serviço de contador judicial para apuração do crédito que será objeto de execução,
independentemente da complexidade dos cálculos.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.200.099-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 6/5/2014 (Info 540).

Execução provisória de sentença que concede gratificação a servidor
A implementação de gratificação no contracheque de servidor público cujo direito foi reconhecido pelo
Poder Judiciário, inclusive em sede de mandado de segurança, deve se dar após o trânsito em julgado da
decisão, nos termos do artigo 2º-B da Lei n. 9.494/1997.
Contudo, nos casos de INSTITUIÇÃO DE PENSÃO por morte de servidor público, o STJ tem admitido a
possibilidade de execução provisória contra a Fazenda Pública, porque a situação não está inserida nas
vedações do art. 2º-B da Lei n. 9.494/97, cuja interpretação deve ser restritiva.
STJ. 1ª Turma. AgRg no AREsp 230.482-RS, Rel. Min. Sérgio Kukina, julgado em 7/3/2013 (Info 519).

Penhora de valores depositados em conta bancária conjunta
A penhora de valores depositados em conta bancária conjunta solidária somente poderá atingir a parte
do numerário depositado que pertença ao correntista que seja sujeito passivo do processo executivo,
presumindo-se, ante a inexistência de prova em contrário, que os valores constantes da conta pertencem
em partes iguais aos correntistas.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.184.584-MG, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 22/4/2014 (Info 539).

Estado cumprindo a decisão mediante pagamento por folha suplementar (e não por precatório)
Devem ser adimplidas por meio de folha suplementar – e não por precatório – as parcelas vencidas após
o trânsito em julgado que decorram do descumprimento de decisão judicial que tenha determinado a
implantação de diferenças remuneratórias em folha de pagamento de servidor público.
STJ. 1ª Turma. AgRg no Ag 1.412.030-RJ, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, julgado em 27/8/2013 (Info 529).

Execução contra a Fazenda Pública e prescrição intercorrente
Durante o período em que o processo de execução contra a Fazenda Pública estiver suspenso em razão
da morte da parte exequente (para a habilitação dos sucessores da parte falecida), não corre prazo para
efeito de reconhecimento de prescrição intercorrente da pretensão executória. Isso porque não há
previsão legal que imponha prazo específico para a habilitação dos referidos sucessores.
STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 286.713-CE, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 21/3/2013 (Info
519).

Precatórios: inconstitucionalidade parcial da EC 62/2009
O STF declarou parcialmente inconstitucional a EC 62/2009. Veja os principais pontos decididos:
I – A expressão “na data de expedição do precatório” constante no § 2º do art. 100 da CF/88 foi
declarada inconstitucional. O STF entendeu que esta limitação até a data da expedição do precatório
viola o princípio da igualdade e que esta superpreferência deveria ser estendida a todos credores que
completassem 60 anos de idade enquanto estivessem aguardando o pagamento do precatório de
natureza alimentícia.

II – O STF entendeu que os §§ 9º e 10 do art. 100 são inconstitucionais. Para o Supremo, este regime de
compensação obrigatória trazido pelos §§ 9º e 10, ao estabelecer uma enorme superioridade processual
à Fazenda Pública, viola a garantia do devido processo legal, do contraditório, da ampla defesa, da coisa
julgada, da isonomia e afeta o princípio da separação dos Poderes.

III – O STF declarou a inconstitucionalidade da expressão “índice oficial de remuneração básica da
caderneta de poupança”, constante do § 12 do art. 100 da CF. Logo, com a declaração de

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
0

inconstitucionalidade do § 12 do art. 100 da CF, o STF também declarou inconstitucional, por
arrastamento (ou seja, por consequência lógica), o art. 5º da Lei n. 11.960/2009, que deu a redação
atual ao art. 1º-F. da Lei n. 9.494/97.

IV – O STF também declarou a inconstitucionalidade da expressão “independentemente de sua
natureza”, presente no § 12 do art. 100 da CF, com o objetivo de deixar claro que, para os precatórios de
natureza tributária se aplicam os mesmos juros de mora incidentes sobre o crédito tributário.

V – Foram declarados inconstitucionais o § 15 do art. 100 da CF/88 e todo o art. 97 do ADCT.
STF. Plenário. ADI 4357/DF, ADI 4425/DF, ADI 4372/DF, ADI 4400/DF, ADI 4357/DF, rel. orig. Min. Ayres
Britto, red. p/ o acórdão Min. Luiz Fux, 13 e 14/3/2013 (Info 698).


EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA
Fazenda não
embargou. Será
condenada em
honorários?
Cobrando dívida superior ao previsto no art. 87 do ADCT (sistemática do
precatório).
NÃO
Cobrando dívida inferior ao previsto no art. 87 do ADCT (pequeno valor –
dispensa de precatório).
SIM
O exequente iniciou a execução cobrando dívida superior ao previsto no art.
87 do ADCT, mas depois renunciou ao excedente para receber em RPV.
NÃO


Cobrança dos honorários por meio de RPV ainda que o crédito dito “principal” seja executado por meio
do regime de precatórios.
Se a Fazenda Pública for condenada a pagar dinheiro, deverá o pagamento ser feito, em regra, por meio
de precatório.
Se a quantia for considerada como de “pequeno valor”, não haverá necessidade de precatório.
É possível que a execução de honorários advocatícios devidos pela Fazenda Pública se faça mediante
Requisição de Pequeno Valor (RPV) na hipótese em que os honorários não excedam o valor limite a que
se refere o art. 100, § 3º, da CF, ainda que o crédito dito “principal” seja executado por meio do regime
de precatórios.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.347.736-RS, Rel. Min. Castro Meira, Rel. para acórdão Min. Herman Benjamin, julgado
em 9/10/2013 (recurso repetitivo) (Info 539).


Em execução provisória, descabe o arbitramento de honorários advocatícios em benefício do exequente
Em execução provisória, descabe o arbitramento de honorários advocatícios em benefício do exequente.
Posteriormente, convertendo-se a execução provisória em definitiva, após franquear ao devedor, com
precedência, a possibilidade de cumprir, voluntária e tempestivamente, a condenação imposta, deverá o
magistrado proceder ao arbitramento dos honorários advocatícios.
STJ. Corte Especial. REsp 1.291.736-PR, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 20/11/2013 (recurso
repetitivo) (Info 533).




Se a exceção de pré-executividade é procedente, haverá condenação em honorários

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
1

Julgada procedente em parte a exceção de pré-executividade, são devidos honorários de advogado em
favor do excipiente/executado na medida do respectivo proveito econômico.
A procedência do incidente de exceção de pré-executividade, ainda que resulte apenas na extinção
parcial da execução ou redução de seu valor, acarreta a condenação na verba honorária.

Exceção de pré-executividade julgada PROCEDENTE (no todo ou em parte): CABEM honorários.
Exceção de pré-executividade julgada IMPROCEDENTE: NÃO CABEM honorários.

STJ. 1ª Turma. REsp 1.276.956-RS, Rel. Min. Ari Pargendler, julgado em 4/2/2014 (Info 534).

ART. 20 DA LEI 10.522/2002
O ART. 20 DA LEI 10.522/2002 NÃO SE APLICA ÀS AUTARQUIAS FEDERAIS
As execuções fiscais de crédito de autarquia federal promovidas pela Procuradoria-Geral Federal para
cobrança de débitos iguais ou inferiores a R$ 10 mil não devem, com base no art. 20 da Lei 10.522/2002,
ter seus autos arquivados sem baixa na distribuição.
O art. 20 da Lei n. 10.522/2002 refere-se unicamente aos débitos inscritos na Dívida Ativa da União pela
Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional ou por ela cobrados.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.343.591-MA, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 11/12/2013 (recurso repetitivo)
(Info 533).

Execução fiscal
Na execução fiscal, o executado não tem direito subjetivo de que a Fazenda Pública aceite o bem por ele
nomeado à penhora se esta indicação estiver em desacordo com a ordem estabelecida no art. 11 da Lei
n. 6.830/1980 na hipótese em que não tenha apresentado elementos concretos que justifiquem a
incidência do princípio da menor onerosidade (art. 620 do CPC).
STJ. 1ª Seção. REsp 1.337.790-PR, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 12/6/2013 (Info 522).

Restrição de valor estabelecida pela Lei 12.514/2011 e execuções ajuizadas antes de sua vigência
As execuções ajuizadas antes da Lei n. 12.514/2011 devem continuar tramitando, mesmo que sejam
inferiores a quatro vezes o valor da anuidade.
Para o STJ, o art. 8° da Lei n. 12.514/2011, não pode ser aplicado às execuções fiscais propostas antes da
sua vigência.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.404.796-SP. Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 26/3/2014 (recurso
repetitivo) (Info 538).

Na execução fiscal, exige-se a garantia do juízo para embargar mesmo que o executado seja beneficiário
da AJG
É indispensável que o executado ofereça garantia para que possa apresentar embargos à execução fiscal?
SIM. A Lei nº 6.830/80 prevê, expressamente, que na execução fiscal, para que o devedor possa se
defender por meio de embargos, é indispensável a garantia da execução (§ 1º do art. 16).

Exige-se a garantia do juízo mesmo que o executado seja beneficiário da assistência judiciária gratuita?
SIM. Por força do princípio da especialidade das leis, o disposto no art. 16, § 1º, da Lei 6.830/80 deve
prevalecer sobre o art. 3º, VII, da Lei 1.060/1950, o qual determina que os beneficiários da justiça
gratuita ficam isentos dos depósitos previstos em lei para interposição de recurso, ajuizamento de ação e
demais atos processuais inerentes ao exercício da ampla defesa e do contraditório.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.437.078-RS, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 25/3/2014.


Garantia do juízo na execução fiscal deve abranger o valor dos honorários advocatícios

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
2

A garantia do juízo no âmbito da execução fiscal deve abranger honorários advocatícios, mesmo que eles
não estejam previstos na CDA e somente venham a ser arbitrados pelo juiz ao despachar a petição inicial
na execução.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.409.688-SP, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 11/2/2014 (Info 539).

Execução fiscal, substituição do bem penhorado e concordância da Fazenda Pública
O juiz não pode indeferir o pedido de substituição de bem penhorado se a Fazenda Pública concordou
com a pretendida substituição.
A execução realiza-se no interesse do credor (art. 612 do CPC), que inclusive poderá, querendo, dela
desistir (art. 569 do CPC). Dessa forma, tendo o credor anuído com a substituição da penhora, mesmo
que por um bem que guarde menor liquidez, não poderá o juiz, ex officio, indeferi-la.
De acordo com o princípio da demanda, o juiz, em regra, não pode agir de ofício, salvo nas hipóteses
expressamente previstas no ordenamento jurídico.
Ademais, nos termos do art. 620 do CPC, a execução deverá ser feita pelo modo menos gravoso para o
executado.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.377.626-RJ, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 20/6/2013 (Info 526).

Parcelamento do débito tributário e sua influência sobre os bens penhorados em execução fiscal
Se o devedor aderiu a parcelamento administrativo dos débitos tributários, os seus bens penhorados na
execução fiscal deverão ser liberados?
• Se a penhora ocorreu ANTES do parcelamento: NÃO.
• Se a penhora ocorreu DEPOIS do parcelamento: SIM.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.421.580-SP, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 4/2/2014 (Info 537).

Empresa não pode recorrer contra a decisão do juiz que redireciona a execução fiscal contra o sócio
Em execução fiscal, a sociedade empresária executada não possui legitimidade para recorrer, em nome
próprio, na defesa de interesse de sócio que teve contra si redirecionada a execução. Isso porque,
consoante vedação expressa do art. 6º do CPC, ninguém poderá pleitear, em nome próprio, direito
alheio, salvo quando autorizado por lei.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.347.627-SP, Rel. Min. Ari Pargendler, julgado em 9/10/2013 (recurso repetitivo) (Info
530).

Bens das filiais podem ser penhorados para pagar dívidas tributárias da matriz
Os valores depositados em contas em nome das filiais estão sujeitos à penhora por dívidas tributárias da
matriz.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.355.812-RS, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 22/5/2013. (Info 524).

Continência entre ACP ajuizada na justiça estadual e outra na justiça federal
Súmula 489-STJ: Reconhecida a continência, devem ser reunidas na Justiça Federal as ações civis públicas
propostas nesta e na Justiça estadual.

Suspensão dos processos individuais enquanto se aguarda o julgamento da ação coletiva
É possível determinar a suspensão do andamento de processos individuais até o julgamento, no âmbito
de ação coletiva, da questão jurídica de fundo neles discutida.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.353.801-RS, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 14/8/2013 (Info 527).




Legitimidade do MP para ACP em benefício de uma só pessoa em questões de saúde

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
3

O Ministério Público tem legitimidade para ajuizar ACP contra a concessionária de energia elétrica com a
finalidade de evitar a interrupção do fornecimento do serviço à pessoa carente de recursos financeiros
diagnosticada com enfermidade grave e que dependa, para sobreviver, da utilização doméstica de
equipamento médico com alto consumo de energia.
Conforme entendimento do STJ, o MP detém legitimidade para propor ACP que objetive a proteção do
direito à saúde de pessoa hipossuficiente, porquanto se trata de direito fundamental e indisponível, cuja
relevância interessa à sociedade.
STJ. 1ª Turma. AgRg no REsp 1.162.946-MG, Rel. Ministro Sérgio Kukina, julgado em 4/6/2013 (Info 523).

MP tem legitimidade para ajuizar ACP relacionada com concurso público
O Ministério Público tem legitimidade para ajuizar ação civil pública com o objetivo de garantir o acesso
a critérios de correção de provas de concurso público.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.362.269-CE, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 16/5/2013 (Info 528).

Legitimidade da OAB para ACP
Os Conselhos Seccionais da OAB podem ajuizar ACP em relação aos temas que afetem a sua esfera local
(art. 45, § 2º, da Lei n. 8.906/84).
Vale ressaltar que a legitimidade ativa para propositura de ações civis públicas por parte da OAB, seja
pelo Conselho Federal, seja pelos Conselhos Seccionais, deve ser lida de forma abrangente, em razão das
finalidades outorgadas pelo legislador à entidade, que possui caráter peculiar no mundo jurídico.
Não é possível limitar a atuação da OAB em razão de pertinência temática, uma vez que a ela
corresponde a defesa, inclusive judicial, da Constituição Federal, do Estado de Direito e da justiça social,
o que, inexoravelmente, inclui todos os direitos coletivos e difusos.
STJ. 2ª Turma. REsp 1351760/PE, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 26/11/2013 (não divulgado em
Info em 2013)


Ação coletiva proposta pela associação em favor de seus filiados
A autorização estatutária genérica conferida à associação não é suficiente para legitimar a sua atuação
em juízo na defesa de direitos de seus filiados. Para cada ação, é indispensável que os filiados autorizem
de forma expressa e específica a demanda.
Exceção: no caso de impetração de mandado de segurança coletivo, a associação não precisa de
autorização específica dos filiados.
STF. Plenário. RE 573232/SC, rel. orig. Min. Ricardo Lewandowski, red. p/ o acórdão Min. Marco Aurélio,
julgado em 14/5/2014 (Info 746).


Controle da competência dos juizados especiais por meio de Mandado de Segurança
É cabível mandado de segurança, a ser impetrado no Tribunal de Justiça, a fim de que seja reconhecida,
em razão da complexidade da causa, a incompetência absoluta dos juizados especiais para o julgamento
do feito, ainda que no processo já exista decisão definitiva de Turma Recursal da qual não caiba mais
recurso.
STJ. 4ª Turma. RMS 39.041-DF, Rel. Min. Raul Araújo, julgado em 7/5/2013 (Info 524).

Reclamação para o STJ em face de decisão de turma recursal dos juizados especiais estaduais
O STJ entende possível utilizar reclamação contra decisão de Turma Recursal, enquanto não seja criada a
Turma Nacional de Uniformização de Jurisprudência dos Juizados Especiais dos Estados e do Distrito
Federal, quando a decisão proferida:
• afrontar jurisprudência do STJ pacificada em recurso repetitivo (art. 543-C do CPC);
• violar súmula do STJ;

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
4

• for teratológica.
Assim, cabe reclamação ao STJ em face de decisão de Turma Recursal dos Juizados Especiais dos Estados
ou do Distrito Federal com o objetivo de reduzir o valor de multa cominatória demasiadamente
desproporcional em relação ao valor final da condenação. Isso porque, nesse caso, o STJ entendeu que a
decisão proferida foi teratológica.
STJ. 2ª Seção. Rcl 7.861-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 11/9/2013 (Info 527).


DIREITO EMPRESARIAL

Proteção conferida pelo registro de marca ou do desenho industrial
Para que o juízo estadual negue a proteção conferida pelo registro da marca ou do desenho industrial, é
necessário que, antes, a invalidade desse registro tenha sido reconhecida pelo juízo federal competente,
em processo que conte com a participação do INPI.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.132.449-PR, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 13/3/2012 (Info 493).

Marca de alto renome
O titular de uma marca detém legítimo interesse em obter, por via direta, uma declaração geral e
abstrata de que sua marca é de alto renome. Cuida-se de um direito do titular, inerente ao direito
constitucional de proteção integral da marca.
O art. 125 da LPI não estabeleceu os requisitos necessários à caracterização do alto renome de uma
marca, sujeitando o dispositivo legal à regulamentação do INPI.
A sistemática imposta pelo INPI por intermédio da Resolução nº 121/05 somente admite que o
interessado obtenha o reconhecimento do alto renome de uma marca pela via incidental.
Há, portanto, uma lacuna existente na Resolução nº 121/05 considerando que ela prevê a declaração do
alto renome apenas pela via incidental. Essa omissão do INPI na regulamentação do art. 125 da LPI
justifica a intervenção do Poder Judiciário.
Vale ressaltar, no entanto, que ainda que haja inércia da Administração Pública, o Poder Judiciário não
pode suprir essa omissão e decidir o mérito do processo administrativo, mas apenas determinar que o
procedimento seja concluído em tempo razoável. Dessa forma, até que haja a manifestação do INPI pela
via direta, a única ilegalidade praticada será a inércia da Administração Pública, sendo incabível, nesse
momento, a ingerência do Poder Judiciário no mérito do ato omissivo.
Por outro lado, os atos do INPI relacionados com o registro do alto renome de uma marca, por derivarem
do exercício de uma discricionariedade técnica e vinculada, encontram-se sujeitos a controle pelo Poder
Judiciário, sem que isso implique violação do princípio da separação dos poderes.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.162.281-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 19/2/2013 (Info 517).

Marcas fracas ou evocativas
Marcas fracas ou evocativas, que constituem expressão de uso comum, de pouca originalidade, atraem a
mitigação da regra de exclusividade decorrente do registro, admitindo-se a sua utilização por terceiros de
boa-fé.
O monopólio de um nome ou sinal genérico em benefício de um comerciante implicaria uma
exclusividade inadmissível, a favorecer a detenção e o exercício do comércio de forma única, com
prejuízo não apenas à concorrência empresarial - impedindo os demais industriais do ramo de
divulgarem a fabricação de produtos semelhantes através de expressões de conhecimento comum,
obrigando-os à busca de nomes alternativos estranhos ao domínio público - mas sobretudo ao mercado
em geral, que teria dificuldades para identificar produtos similares aos do detentor da marca.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.315.621-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 4/6/2013 (Info 526).

É impossível a cumulação entre ação de nulidade de registro com indenização por danos

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
5

É indevida a cumulação, em um mesmo processo, do pedido de reconhecimento de nulidade de registro
marcário com o de reparação de danos causados por particular que teria utilizado indevidamente marca
de outro particular.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.188.105-RJ, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 5/3/2013 (Info 519).

Factoring
As empresas de factoring não são instituições financeiras, visto que suas atividades regulares de fomento
mercantil não se amoldam ao conceito legal, tampouco efetuam operação de mútuo ou captação de
recursos de terceiros.
Uma sociedade empresária que contrata os serviços de uma factoring não pode ser considerada
consumidora porque não é destinatária final do serviço e, tampouco se insere em situação de
vulnerabilidade, já que não se apresenta como sujeito mais fraco, com necessidade de proteção estatal.
Logo, não há relação de consumo no contrato entre uma sociedade empresária e a factoring.
STJ. 4ª Turma. REsp 938.979-DF, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 19/6/2012.

Faturizada responde caso o título cedido à faturizadora seja inexistente
Caso a faturizadora não consiga receber do devedor o valor do título, ela poderá cobrar essa quantia do
faturizado que lhe cedeu esse crédito? Ex: mulher foi até a loja de sapatos e pagou com um cheque pós-
datado de 700 reais. A loja “vendeu” esse cheque para a factoring. Ocorre que o cheque não foi
descontado por falta de fundos. A faturizadora poderá cobrar a quantia do faturizado (loja)?
NÃO. Trata-se de tema polêmico, mas prevalece que não. Para a maioria, a faturizadora NÃO tem direito de
regresso contra a faturizada com base no inadimplemento dos títulos transferidos, uma vez que esse risco é
da essência do contrato de factoring e por ele a faturizada paga preço mais elevado do que pagaria, por
exemplo, em um contrato de desconto bancário, no qual a instituição financeira não garante a solvência
dos títulos descontados.

Para quem defende essa posição, essa é a principal diferença entre o contrato de factoring e o de desconto
bancário:
 No desconto bancário, o cedente responde em caso de inadimplência do devedor.
 No contrato de factoring, a faturizada não responde em caso de inadimplência do devedor.

Apesar de o assunto não ser pacífico, existe julgado recente do STJ afirmando que, mesmo que o contrato
de factoring preveja a responsabilidade da faturizada nesses casos, tal cláusula deverá ser considerada
nula:
(...) O risco assumido pelo faturizador é inerente à operação de factoring, não podendo o faturizado ser
demandado para responder regressivamente, salvo se tiver dado causa ao inadimplemento dos contratos
cedidos. (...)
STJ. 4ª Turma. REsp 949.360/RN, Rel. Min. Antonio Carlos Ferreira, julgado em 17/12/2013.

Na oportunidade, o Min. Relator afirmou que, na hipótese de mera inadimplência do devedor, a
possibilidade de a faturizadora reaver da faturizada o que lhe pagou pela cessão do crédito desnatura o
contrato de fomento mercantil, confundindo-se com o contrato de desconto bancário.

A faturizada responde perante a faturizada caso o título cedido “não exista” juridicamente ou seja
inválido?
SIM. Para a imensa maioria, a faturizada, ao ceder os títulos, assume a garantia de que eles são existentes.
Trata-se de previsão expressa do art. 295 do CC, que pode ser aplicado aos contratos de factoring:
Art. 295. Na cessão por título oneroso, o cedente, ainda que não se responsabilize, fica responsável ao
cessionário pela existência do crédito ao tempo em que lhe cedeu; a mesma responsabilidade lhe cabe nas
cessões por título gratuito, se tiver procedido de má-fé.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
6

Desse modo, a faturizadora possui direito de regresso contra a faturizada quando estiver em questão não
um mero inadimplemento, mas sim a própria existência do crédito.
Não reconhecer tal responsabilidade quando o cedente vende crédito inexistente ou ilegítimo representa
compactuar com a fraude e a má-fé.

A faturizadora tem direito de regresso contra a faturizada que tenha cedido duplicatas sem causa
subjacente.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.289.995-PE, Rel. Ministro Luis Felipe Salomão, julgado em 20/2/2014 (Info 535).

Leasing (arrendamento mercantil)
O arrendador tem a obrigação de devolver as quantias pagas, antecipadamente, pelo arrendatário, a
título de Valor Residual Garantido (VRG), nos casos em que o produto objeto do leasing for apreendido
por reintegração de posse e alienado pelo arrendador?

Depende:
1) Se o VRG pago pelo arrendatário somado com o valor obtido pelo arrendador com a venda do bem for
maior que o VRG total previsto no contrato: o arrendatário terá direito de receber a diferença.
2) Se o VRG pago pelo arrendatário somado com o valor obtido pelo arrendador com a venda do bem
NÃO for superior ao VRG total previsto no contrato: o arrendatário não irá receber nada.

Graficamente, a situação pode ser assim ilustrada:
1)
receber a diferença.
2)
receber a diferença (até porque não haverá diferença).

Mesmo na hipótese 1, o contrato poderá prever que, antes de devolvida a diferença para o arrendatário,
o arrendador terá direito de descontar, previamente, outras despesas que tenha tido ou encargos
contratuais.

Para os efeitos do art. 543-C do CPC (recurso repetitivo), o STJ firmou o seguinte entendimento:
"Nas ações de reintegração de posse motivadas por inadimplemento de arrendamento mercantil
financeiro, quando o produto da soma do VRG quitado com o valor da venda do bem for maior que o
total pactuado como VRG na contratação, será direito do arrendatário receber a diferença, cabendo,
porém, se estipulado no contrato, o prévio desconto de outras despesas ou encargos contratuais".
STJ. 2ª Seção. REsp 1.099.212-RJ, Rel. originário Min. Massami Uyeda, Rel. para acórdão Min. Ricardo Villas
Bôas Cueva, julgado em 27/2/2013 (recurso repetitivo) (Info 517).

Pagamento extracartular
Se o título de crédito ainda não circulou e a execução é proposta pelo próprio credor originário, é
possível que seja reconhecido o pagamento do título sem que a cártula tenha sido resgatada pelo
devedor (pagamento extracartular).
STJ. 4ª Turma. REsp 1.078.399-MA, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 2/4/2013 (Info 521).

Responsabilidade do endossatário em caso de vícios formais no título
Súmula 475-STJ: Responde pelos danos decorrentes de protesto indevido o endossatário que recebe por
endosso translativo título de crédito contendo vício formal extrínseco ou intrínseco, ficando ressalvado
seu direito de regresso contra os endossantes e avalistas.


Responsabilidade do endossatário em caso de endosso-mandato

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
7

Súmula 476-STJ: O endossatário de título de crédito por endosso-mandato só responde por danos
decorrentes de protesto indevido se extrapolar os poderes de mandatário.

Protesto de títulos: responsabilidade pela baixa após o pagamento
Depois do título ter sido protestado, caso o devedor efetue a quitação da dívida, a responsabilidade por
promover o cancelamento do protesto não é do credor, mas sim do devedor ou de qualquer outro
interessado, bastando que faça a prova do pagamento junto ao tabelionato de protesto.
STJ. 4ª Turma. REsp 959.114-MS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 18/12/2012 (Info 512).

Duplicata virtual
O STJ considera válida a duplicata virtual.
STJ. 2ª Seção. EREsp 1.024.691-PR, Rel. Min. Raul Araújo, julgados em 22/8/2012.

Cheque prescrito cobrado mediante ação monitória
Em ação monitória fundada em cheque prescrito, ajuizada em face do emitente, é dispensável menção
ao negócio jurídico subjacente à emissão da cártula.
O autor da ação monitória não precisa, na petição inicial, mencionar ou comprovar a relação causal
(causa debendi) que deu origem à emissão do cheque prescrito (não precisa explicar porque o réu emitiu
aquele cheque). Cabe ao réu o ônus de provar, se quiser, a inexistência do débito.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.094.571-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 4/2/2013 (recurso repetitivo)

Prazo da ação monitória em caso de cheque sem força executiva
SÚMULA 503-STJ: O prazo para ajuizamento de ação monitória em face do emitente de cheque sem força
executiva é quinquenal, a contar do dia seguinte à data de emissão estampada na cártula.

Prazo da ação monitória em caso de nota promissória sem força executiva
SÚMULA 504-STJ: O prazo para ajuizamento de ação monitória em face do emitente de nota promissória
sem força executiva é quinquenal, a contar do dia seguinte ao vencimento do título.

Competência para julgar falência de instituição sob a intervenção do BACEN
A competência para processar e julgar o pedido de falência de empresa em liquidação extrajudicial, ou
seja, sob intervenção do BACEN é da Justiça Estadual (e não da Justiça Federal).
STJ. 3ª Turma. REsp 1.162.469-PR, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 12/04/2012.

Liquidação extrajudicial
Compete à Justiça Estadual, e não à Justiça Federal, processar e julgar ação proposta em face de
sociedade de economia mista, ainda que se trate de instituição financeira em regime de liquidação
extrajudicial, sob intervenção do Banco Central.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.093.819-TO, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 19/3/2013 (Info 519).

Súmula 480-STJ: O juízo da recuperação judicial não é competente para decidir sobre a constrição de
bens não abrangidos pelo plano de recuperação da empresa.

Créditos decorrentes de honorários advocatícios e falência
I – Caso um advogado tenha créditos de honorários advocatícios para receber da sociedade empresária
falida, tais créditos estarão em que lugar na ordem do art. 83 da Lei 11.101/2005?
Em primeiro lugar, enquadrando-se no inciso I do art. 83. Os créditos resultantes de honorários
advocatícios (sucumbenciais ou contratuais) têm natureza alimentar e são equiparados aos créditos
trabalhistas para efeito de habilitação em falência, estando, portanto, enquadrados no art. 83, I.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
8

II – Se um advogado é contratado pela massa falida, os honorários advocatícios desse causídico deverão
ser pagos também segundo a ordem do art. 83?
NÃO. Os honorários de advogado resultantes de trabalhos prestados à massa falida, depois de ter sido
decretada a falência são considerados como créditos extraconcursais, nos termos dos arts. 84 e 149 da
Lei 11.101/2005.
STJ. Corte Especial. REsp 1.152.218-RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 7/5/2014 (recurso
repetitivo) (Info 540).


DIREITO FINANCEIRO E DIREITO TRIBUTÁRIO

Se a lei de conversão aumentou a alíquota prevista na MP, a regra da anterioridade nonagesimal será
contada a partir da publicação da lei
Nos casos em que a majoração de alíquota tenha sido estabelecida somente na lei de conversão, o termo
inicial da contagem é a data da conversão da medida provisória em lei.
STF. Plenário. RE 568503/RS, rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 12/2/2014 (Info 735).

Maçonaria não goza de imunidade
A maçonaria não é considerada uma religião, razão pela qual não goza da imunidade religiosa prevista no
art. 150, VI, b, da CF/88.
STF. 1ª Turma. RE 562351/RS, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 4/9/2012.

Imunidade tributária e finalidades essenciais
O art. 150, VI, “a”, da CF/88 prevê que a União, os Estados/DF e os Municípios não poderão cobrar
impostos uns dos outros.
Essa imunidade também vale para as autarquias e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público
no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços, vinculados a suas finalidades essenciais ou às
delas decorrentes (art. 150, § 2º da CF/88).
Existe uma presunção de que os bens das autarquias e fundações são utilizados em suas finalidades
essenciais.
Assim, o ônus de provar que determinado imóvel não está afetado à destinação compatível com os
objetivos e finalidades institucionais de entidade autárquica recai sobre o ente tributante que pretenda,
mediante afastamento da imunidade tributária prevista no § 2º do art. 150 da CF, cobrar o imposto sobre
o referido imóvel.
STJ. 1ª Turma. AgRg no AREsp 304.126-RJ, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 13/8/2013 (Info 527).

Imunidade tributária e imóvel vago
O art. 150, VI, “c”, da CF/88 prevê que as instituições de educação e de assistência social, sem fins
lucrativos, gozam de imunidade tributária quanto aos impostos, desde que atendidos os requisitos
previstos na lei.
A imunidade somente incide sobre o patrimônio, a renda e os serviços da instituição de ensino que
estejam relacionados com as suas finalidades essenciais (art. 150, § 4º da CF/88).
O fato de o imóvel estar vago ou sem edificação não é suficiente, por si só, para retirar a garantia
constitucional da imunidade tributária. Não é possível considerar que determinado imóvel está voltado a
finalidade diversa da exigida pelo interesse público apenas pelo fato de, momentaneamente, estar sem
edificação ou ocupação.
Em suma, essa imunidade tributária é aplicada aos bens imóveis, temporariamente ociosos, de
propriedade das instituições de educação e de assistência social sem fins lucrativos que atendam os
requisitos legais.
STF. 1ª Turma. RE 385091/DF, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 6/8/2013 (Info 714).

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
5
9

STF. Plenário. RE 767332/MG, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 31/10/2013 (não divulgado em Info).

Serviços de composição gráfica: NÃO são imunes
Segundo o STF, as prestadoras de serviços de composição gráfica, que realizam serviços por encomenda
de empresas jornalísticas ou editoras de livros, não estão abrangidas pela imunidade tributária prevista
no art. 150, VI, d, da CF.
As empresas que fazem composição gráfica para editoras, jornais etc. são meras prestadoras de serviço
e, por isso, a elas não se aplica a imunidade tributária.
STF. 2ª Turma. RE 434826 AgR/MG, rel. orig. Min. Cezar Peluso, red. p/ o acórdão Min. Celso de Mello,
julgado em 19/11/2013 (Info 729).

Imunidade tributária e obrigações acessórias
A entidade que goza de imunidade tributária tem o dever de cumprir as obrigações acessórias, dentre
elas a de manter os livros fiscais.
STF. 1ª Turma. RE 250844/SP, rel. Min. Marco Aurélio, 29/5/2012.

Imunidade do art. 195, § 7º da CF/88 é regulamentada por lei ordinária e abrange o PIS
As entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei
(entidades filantrópicas) gozam de imunidade tributária com relação à contribuição para o PIS.
A lei necessária para regulamentar o referido § 7º é uma lei ordinária.
STF. Plenário. RE 636941/RS, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 13/2/2014 (Info 539).

Instituição de assistência social que conseguiu, por meio de uma perícia, provar que atende os requisitos
do art. 14 do CTN terá direito à imunidade tributária
Se a instituição de assistência social conseguiu, por meio de uma perícia contábil, provar que atende os
requisitos do art. 150, VI, “c”, da CF/88 e do art. 14, do CTN, ela terá direito à imunidade tributária,
mesmo que não apresente certificado de entidade de assistência social, documento emitido pelo
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
Não é possível condicionar a concessão de imunidade tributária prevista para as instituições de educação
e de assistência social sem fins lucrativos à apresentação de certificado de entidade de assistência social
na hipótese em que prova pericial tenha demonstrado o preenchimento dos requisitos para a incidência
da norma imunizante.
STJ. 1ª Turma. AgRg no AREsp 187.172-DF, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 18/2/2014
(Info 535).

Compensação
NÃO. Não é possível a compensação de precatórios estaduais com dívidas oriundas de tributos federais.
A razão é muito simples: nessa hipótese, não há identidade entre devedor e credor. A pessoa é credora
do estado-membro e devedora da União. Logo, a União nada tem a ver com esse crédito que a pessoa
tem para receber.
STJ. 1ª Turma. AgRg no AREsp 334.227-RS, Rel. Min. Sérgio Kukina, julgado em 6/8/2013 (Info 528).

Pagamento indevido e restituição de tributos indiretos
O consumidor final de energia elétrica tem legitimidade ativa para propor ação declaratória cumulada
com repetição de indébito que tenha por escopo afastar a incidência de ICMS sobre a demanda
contratada e não utilizada de energia elétrica.
O usuário do serviço de energia elétrica (consumidor em operação interna), na condição de contribuinte
de fato, é parte legítima para discutir pedido de compensação do ICMS supostamente pago a maior no
regime de substituição tributária.
STJ. 1ª Turma. AgRg nos EDcl no REsp 1.269.424-SC, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 23/10/2012.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
0

STJ. 2ª Turma. AgRg no RMS 28.044-ES, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 13/11/2012.

Início do prazo prescricional no caso de exclusão do REFIS
Quando interrompido pelo pedido de adesão ao Refis, o prazo prescricional de 5 anos para a cobrança de
créditos tributários devidos pelo contribuinte excluído do programa reinicia na data da decisão final do
processo administrativo que determina a exclusão do devedor do referido regime de parcelamento de
débitos fiscais.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.144.963-SC, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 20/11/2012.

Exclusão do REFIS
O contribuinte não pode, com fundamento no art. 5º, III, da Lei n. 9.964/2000, ser excluído do Programa
de Recuperação Fiscal (REFIS) em razão de, por erro, ter indicado valores a menor para as operações já
incluídas em sua confissão de débitos.
STJ. 1ª Turma. AgRg no AREsp 228.080-MG, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, julgado em 5/11/2013 (Info
533).

Constituição de crédito tributário e confissão de dívida
Não é possível a constituição de crédito tributário com base em documento de confissão de dívida
tributária apresentado, para fins de parcelamento, após o prazo decadencial previsto no art. 173, I, do
CTN.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.355.947–SP, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 12/6/2013 (Info 522).

Formação de CDA sem processo administrativo e tributo sujeito a lançamento de ofício
A ausência de prévio processo administrativo não enseja a nulidade da Certidão de Dívida Ativa (CDA)
nos casos de tributos sujeitos a lançamento de ofício.
STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 370.295-SC, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 1º/10/2013 (Info 531).

Prescrição
A prescrição da ação de execução fiscal interrompe-se com o despacho do juiz que ordena a citação do
executado. No entanto, esta interrupção retroage à data do ajuizamento da execução, considerando que
o art. 174, parágrafo único, I, do CTN deve ser interpretado em conjunto com o art. 219, § 1º, do CPC.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.293.997-SE, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 20/3/2012.

IR
Súmula 498-STJ: Não incide imposto de renda sobre a indenização por danos morais.

Incide IR sobre juros de benefícios previdenciários pagos em atraso
Incide imposto de renda da pessoa física (IRPF) sobre os juros moratórios decorrentes de benefícios
previdenciários pagos em atraso.
STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 248.264-RS, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 27/11/2012
(Info 514).

Isenção de ir para portadores de cardiopatia grave
O art. 6º, XIV, da Lei nº 7.713/88 (Lei do IR) prevê que as pessoas portadoras de determinadas doenças
ali elencadas não pagarão imposto de renda sobre o rendimentos que receberem a título de
aposentadoria, pensão ou reforma.
Para que haja a isenção é indispensável que o portadora da doença grave esteja na inatividade,
recebendo rendimentos de aposentadoria, pensão ou reforma.
Assim, não haverá isenção se o contribuinte é portador de uma das moléstias elencadas, mas ainda não
se aposentou, optando por continuar trabalhando.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
1

STJ. 2ª Turma. RMS 31.637-CE, Rel. Min. Castro Meira, julgado em 5/2/2013 (Info 516).

Verba paga ao empregado demitido sem justa causa no período de estabilidade é isenta de IR
Não incide imposto de renda sobre o valor da indenização paga ao empregado demitido sem justa causa
no período de estabilidade provisória.
STJ. 1ª Turma. AgRg no REsp 1.215.211-RJ, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 6/8/2013 (Info
528).

Imposto de renda sobre verbas retroativas e alíquotas aplicáveis
No caso de benefício previdenciário pago em atraso e acumuladamente, não é legítima a cobrança de
imposto de renda com parâmetro no montante global pago extemporaneamente. Isso porque a
incidência do imposto de renda deve observar as tabelas e alíquotas vigentes na época em que os valores
deveriam ter sido adimplidos, devendo ser observada a renda auferida mês a mês pelo segurado.
STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 300.240-RS, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 9/4/2013 (Info 519).

ICMS
O ICMS é um imposto estadual que tem como um dos fatos geradores a prestação onerosa de serviços de
comunicação.
Existem alguns serviços prestados pelas empresas que são acessórios aos serviços de comunicação. Exs:
troca de titularidade de aparelho celular, conta detalhada, troca de aparelho etc.
Não incide ICMS sobre a prestação de serviços acessórios aos serviços de comunicação.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.176.753-RJ, Rel. originário Min. Napoleão Nunes Maia Filho, Rel. para acórdão Min.
Mauro Campbell Marques, julgado em 28/11/2012.

ICMS e operação de venda promovida por agência de veículos
O STJ decidiu que não incide ICMS sobre a operação de venda promovida por agência de automóveis de
veículo usado objeto de consignação pelo proprietário. Não há, neste caso, a circulação jurídica de
mercadoria prevista no art. 155 da CF/88.
A mera consignação do veículo, cuja venda deverá ser promovida por agência de automóveis, não
representa circulação jurídica da mercadoria, porquanto não induz à transferência da propriedade ou da
posse da coisa, inexistindo, dessa forma, troca de titularidade a ensejar o fato gerador do ICMS.
STJ. 1ª Turma. REsp 1.321.681-DF, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 26/2/2013 (Info 515).

Restituição do ICMS pago a maior na hipótese em que a base de cálculo real seja inferior à presumida
O STF, ao julgar a ADI 1.851/AL, entendeu que o contribuinte somente tem direito à restituição de
valores recolhidos de ICMS no regime de substituição tributária na hipótese de não ocorrência do fato
gerador, ainda que o preço de venda tenha sido inferior à base de cálculo presumida. Entretanto, a
jurisprudência do STJ, na aplicação da orientação do STF na mencionada ADI, entendeu que o referido
entendimento não se aplica aos Estados não signatários do Convênio 13/97, a exemplo: São Paulo.
No caso de São Paulo, a restituição do imposto pago a maior, na hipótese em que a base de cálculo real é
inferior à presumida, é possível. Todavia, tal restituição não é imediata e automática, pois há no Estado
de São Paulo legislação específica determinando a forma de restituição dos valores recolhidos a maior a
título de ICMS-ST.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.371.922-SP, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 6/8/2013 (Info 526).




ICMS e fornecimento de água
Serviço de fornecimento Fornecimento de

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
2

de água encanada água envasada (embalada)
NÃO está sujeito ao pagamento de ICMS (não é
objeto de comercialização, mas sim de prestação de
serviço público).
Está sujeito ao pagamento de ICMS (há circulação de
mercadoria).

Após a EC 33/2001, é constitucional o ICMS sobre a importação de bens, sendo irrelevante o ramo da
atividade
Após a EC 33/2001, é CONSTITUCIONAL a instituição do ICMS incidente sobre a importação de bens,
sendo irrelevante a classificação jurídica do ramo de atividade da empresa importadora. Antes da
EC/2001 essa prática era inconstitucional.
As leis estaduais anteriores à LC federal 114/2002 que previam a cobrança de ICMS importação para
pessoas que não fossem contribuintes habituais de imposto são inválidas, considerando que o sistema
jurídico brasileiro não contempla a figura da constitucionalidade superveniente.
Para ser constitucionalmente válida a incidência do ICMS sobre operações de importação de bens, as
modificações no critério material na base de cálculo e no sujeito passivo da regra-matriz deveriam ter
sido realizadas em lei posterior à EC 33/2001 e à LC 114/2002.
A súmula 660 do STF está superada.
STF. Plenário. RE 439796/PR; RE 474267/RS, Rel. Min. Joaquim Barbosa, julgados em 6/11/2013
(repercussão geral) (Info 727)

ICMS e leasing internacional
Incide o ICMS sobre bem objeto de contrato de leasing internacional quando o bem importado for
destinado ao ativo fixo da empresa.
STJ. 1ª Turma. AgRg no AREsp 83.402-SP, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 4/10/2012.

ITCMD pode ser progressivo
A lei pode prever a técnica da progressividade tanto para os impostos pessoais como também para os
reais.
O § 1º do art. 145 da CF/88 não proíbe que os impostos reais sejam progressivos.
O ITCMD (que é um imposto real) pode ser progressivo mesmo sem que esta progressividade esteja
expressamente prevista na CF/88.
Ao contrário do que ocorria com o IPTU (Súmula 668-STF), não é necessária a edição de uma EC para que
o ITCMD seja progressivo.
STF. Plenário. RE 562045/RS, rel. orig. Min. Ricardo Lewandowski, red. p/ o acórdão Min. Cármen Lúcia,
6/2/2013 (Info 694).

Impossibilidade de dedução do valor da csll da base de cálculo do IRPJ
O valor devido a título de CSLL não pode ser considerado como despesa operacional ou necessária para
fins de apuração do IRPJ, não sendo, portanto, dedutível.
O art. 1º da Lei nº 9.316/96 é constitucional.
STF. Plenário. RE 582525/SP, rel. Min. Joaquim Barbosa, julgado em 9/5/2013 (Info 705).

IR E CSLL
O STF, por maioria, julgou parcialmente procedente a ação para conferir interpretação conforme, no
sentido de que o art. 74 da MP nº 2.158-35/2001 não se aplica às empresas "coligadas" localizadas em
países sem tributação favorecida (não "paraísos fiscais"), e que o referido dispositivo se aplica às
empresas "controladas" localizadas em países de tributação favorecida ou desprovidos de controles
societários e fiscais adequados ("paraísos fiscais", assim definidos em lei).
Também, por maioria, o STF declarou inconstitucional a retroatividade prevista no parágrafo único do
art. 74 da MP 2.158-35, de 2001. O dispositivo prevê que “os lucros apurados por controlada ou coligada

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
3

no exterior até 31 de dezembro de 2001 serão considerados disponibilizados em 31 de dezembro de
2002, salvo se ocorrida, antes desta data, qualquer das hipóteses de disponibilização previstas na
legislação em vigor”. Nesse ponto, os Ministros destacaram que a retroatividade fica afastada tanto para
controladas e coligadas situadas em paraísos fiscais quanto para aquelas instaladas em países de
tributação não favorecida.
STF. Plenário. ADI 2588/DF, rel. orig. Min. Ellen Gracie, red. p/ o acórdão Min. Joaquim Barbosa, 10/4/2013
(Info 701).

Só se pode conceder isenção de ITR sobre a área de reserva legal se ela estiver averbada no RI
A isenção de Imposto Territorial Rural (ITR) prevista no art. 10, § 1º, II, a, da Lei n. 9.393/1996, relativa a
área de reserva legal, depende de prévia averbação desta no registro do imóvel.
STJ. 1ª Turma. AgRg no REsp 1.243.685-PR, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 5/12/2013 (Info 533).

Isenção de IPI para pessoa com incapacidade total para direção de veículo comum
Na aquisição de veículo automotor, tem direito à isenção de IPI o portador de periartrite e artrose da
coluna lombossacra na hipótese em que a enfermidade implicar limitação dolorosa dos movimentos dos
ombros, de modo a causar a incapacidade total para a direção de automóvel sem direção hidráulica e
sem transmissão automática.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.370.760-RN, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 27/8/2013 (Info 530).

Selo para controle de recolhimento de IPI não pode ser cobrado do contribuinte
É incompatível com a CF/88 o art. 3º do Decreto-Lei 1.437/75, que autorizava que o Fisco exigisse do
contribuinte o ressarcimento pelo custo dos selos do IPI.
Assim, o selo para controle de recolhimento de IPI não pode ser cobrado do contribuinte, sob pena de
violação ao princípio da legalidade tributária (art. 150, I, da CF/88).
STF. Plenário. RE 662113/PR, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 12/2/2014 (Info 539).

Os produtos importados estão sujeitos a nova incidência de IPI na operação de revenda (saída do
estabelecimento importador) ante a ocorrência de fatos geradores distintos
Não é ilegal a nova incidência de IPI no momento da saída de produto de procedência estrangeira do
estabelecimento do importador, após a incidência anterior do tributo no desembaraço aduaneiro.
Assim, os produtos importados estão sujeitos a uma nova incidência do IPI quando ocorre a sua saída do
estabelecimento importador na operação de revenda.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.429.656-PR, Rel. Ministro Mauro Campbell Marques, julgado em 11/2/2014 (Info
535).

Certidão negativa
É possível a expedição de certidões negativas de débito ou positivas com efeitos de negativas em nome
de filial de grupo econômico, ainda que existam pendências tributárias da matriz ou de outras filiais,
desde que possuam números de CNPJ distintos.
STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 192.658-AM, Rel. Min. Castro Meira, julgado em 23/10/2012.

Isenção
O Poder Judiciário não pode, por meio de uma decisão judicial, estender isenção fiscal a uma categoria
não abrangida pelo benefício, mesmo que sob o argumento de que haveria na hipótese uma situação
discriminatória e uma ofensa ao princípio da isonomia.
STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 248.264-RS, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 27/11/2012.

Pena de perdimento pode ser aplicada a veículos sujeitos a leasing

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
4

É possível a aplicação da pena de perdimento de veículo objeto de contrato de arrendamento mercantil
com cláusula de aquisição ao seu término utilizado pelo arrendatário para transporte de mercadorias
objeto de descaminho ou contrabando.
STJ. 1ª Turma. REsp 1.268.210–PR, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 21/2/2013 (Info 517).

É aplicável a pena de multa (e não de perdimento) no caso de subfaturamento de mercadoria importada
A pena de perdimento, prevista no art. 105, VI, do Decreto-Lei 37/66, incide nos casos de falsificação ou
adulteração de documento necessário ao embarque ou desembaraço da mercadoria, enquanto a multa
prevista no parágrafo único do art. 108 do mesmo diploma legal destina-se a punir declaração inexata
em seu valor, natureza ou quantidade da mercadoria importada.
Assim, é aplicável a pena de multa (art. 108 do Decreto-Lei 37/1966) – e não a pena de perdimento (art.
105, VI) – na hipótese de subfaturamento de mercadoria importada.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.240.005-RS, Rel. Min. Eliana Calmon, julgado em 5/9/2013 (Info 530).

Descumprimento de obrigação tributária acessória e cassação de registro
A cassação de registro especial para a fabricação e comercialização de cigarros, em virtude de
descumprimento de obrigações tributárias por parte da empresa, não constitui sanção política.
STF. Plenário. RE 550769/RJ, rel. Min. Joaquim Barbosa, julgado em 22/5/2013 (Info 707).

É inexigível a cobrança de FUNDAF com base em atos regulamentares da RFB
São inexigíveis os valores cobrados de concessionária, com fundamento em atos regulamentares da
Receita Federal, a título de contribuição para o Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento
das Atividades de Fiscalização (FUNDAF).
STJ. 1ª Turma. REsp 1.275.858-DF, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 19/9/2013 (Info 531).

Inexistência de isenção de COFINS para sociedades profissionais
Súmula 508-STJ: A isenção da Cofins concedida pelo art. 6º, II, da LC n. 70/1991 às sociedades civis de
prestação de serviços profissionais foi revogada pelo art. 56 da Lei n. 9.430/1996.

Inconstitucionalidade do inciso IV do art. 22 da Lei 8.212/91
A contribuição previdenciária prevista no inciso IV do art. 22 da Lei n. 8.212/91 é inconstitucional por
não se enquadrar no art. 195, I, “a”, da CF/88.
STF. Plenário. RE 595838/SP, rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 23/4/2014 (Info 743).

Restrição para transferência de recursos federais a Município que possui pendências no CAUC
A restrição para transferência de recursos federais a Município que possui pendências no Cadastro Único
de Exigências para Transferências Voluntárias (CAUC) não pode ser suspensa sob a justificativa de que os
recursos destinam-se à pavimentação de vias públicas.
STJ. 1ª Turma. REsp 1.372.942-AL, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 1º/4/2014 (Info 539).










BLOCO TRÊS

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
5


DIREITO ADMINISTRATIVO

Autotutela e contraditório
A Administração Pública pode anular seus próprios atos quando estes forem ilegais. No entanto, se a
invalidação do ato administrativo repercute no campo de interesses individuais, faz-se necessária a
instauração de procedimento administrativo que assegure o devido processo legal e a ampla defesa.
Assim, a prerrogativa de a Administração Pública controlar seus próprios atos não dispensa a observância
do contraditório e ampla defesa prévios em âmbito administrativo.
STF. 2ª Turma. RMS 31661/DF, rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 10/12/2013 (Info 732).

Suspensão cautelar de gratificação supostamente indevida
Durante o processo administrativo instaurado para apurar a legalidade de determinada gratificação, a
Administração Pública pode determinar, com fundamento no poder cautelar previsto no art. 45 da Lei
initiva do órgão sobre
a sua validade no âmbito do procedimento aberto.
STF. 2ª Turma. RMS 31973/DF, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 25/2/2014 (Info 737).

RESPONSABILIDADE DA UNIÃO POR PLANO ECONÔMICO E CONGELAMENTO DE TARIFAS (“CASO VARIG”)
STF reconheceu que a União deve indenizar companhia aérea, que explorava os serviços de aviação, sob
o regime de concessão, pelos prejuízos causados decorrentes de plano econômico que determinou o
congelamento das tarifas de aviação.
STF. Plenário. RE 571969/DF, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 12/3/2014 (Info 738).

“Plano Cruzado”
Na década de 80, o Brasil lutava constantemente para combater a inflação, principal problema da
economia nacional na época.
Em virtude disso, houve vários planos econômicos que impuseram algumas medidas muito duras tanto
para as empresas como para os consumidores.
Um dos mais famosos programas econômicos do período foi o chamado “Plano Cruzado”, lançado pelo
então Presidente José Sarney, que recebeu esse nome porque determinou a troca da moeda nacional, que
deixou de ser o “Cruzeiro” e foi substituída pelo “Cruzado”.

Congelamento de preços de bens e serviços
A medida de maior destaque e repercussão do “Plano Cruzado” foi determinar o congelamento do preço
dos bens e serviços.
Os preços das passagens aéreas também foram congelados, ou seja, as companhias não podiam, salvo
autorização do Governo, reajustar o valor das tarifas.
O Plano Cruzado foi sendo substituído por outros planos econômicos (Bresser, Verão etc), mas o
congelamento das tarifas do setor aéreo durou até janeiro de 1992.

Ação de indenização
A Varig, maior companhia aérea do período, foi a mais impactada com a medida.
Diante disso, em 1993, ela ajuizou uma ação, na Justiça Federal em Brasília, contra a União, pedindo o
restabelecimento do equilíbrio econômico-financeiro do contrato de serviço de transporte aéreo, com o
ressarcimento dos prejuízos suportados em razão do congelamento.
A empresa argumentou que era concessionária de serviço público e que o congelamento das tarifas violou
seu direito ao equilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão, considerando que ela ficou
operando com prejuízos.

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
6


Principal argumento de defesa da União
A AGU defendeu, como principal tese, que a União ao instituir os planos econômicos e determinar o
congelamento de preços estava atuando de forma legítima, buscando melhorar a economia do país e
regular o serviço público em prol de toda a coletividade.
Vale ressaltar que, segundo a CF/88, cabe à União, por meio de lei, dispor sobre a política tarifária adotada
pelas concessionárias ou permissionárias de serviços públicos (art. 175, parágrafo único, III). Logo, a
conduta perpetrada foi LÍCITA.

Parecer do MPF
O Ministério Público federal opinou de forma contrária ao pleito da Varig.
Dentre outras razões invocadas, o Parquet afirmou que toda a coletividade sofreu prejuízos e teve que
arcar com os ônus decorrentes do congelamento de preços determinado pelo plano econômico, de modo
que não havia sentido apenas a Varig ser indenizada.

O que decidiu o STF? A Varig tem direito de ser indenizada?
SIM. Vejamos abaixo os principais argumentos:

Situação peculiar da empresa: concessionária de serviço público
Para a Min. Carmen Lúcia, relatora do recurso, realmente toda a sociedade brasileira se viu submetida às
determinações do plano econômico. No entanto, a situação da Varig era peculiar porque se tratava de uma
concessionária de serviço público. Assim, essa empresa não tinha liberdade para atuar segundo a sua
própria conveniência, já que estava vinculada aos termos do contrato de concessão que foram pré-
determinadas pela União, que também foi a autora das medidas econômicas de congelamento.

Violação ao equilíbrio econômico-financeiro
Deve-se esclarecer que, para o STF, as medidas impostas pelo plano econômico foram lícitas. Desse modo,
a conduta da União, no caso, foi LÍCITA. Apesar isso, houve um prejuízo financeiro à Varig e isso deve ser
reparado.
Segundo a Relatora, como concessionária de serviço público, a Varig foi obrigada a cumprir o tabelamento
de preços, o que lhe causou graves prejuízos já que houve a quebra do equilíbrio econômico-financeiro do
contrato.

De que forma houve a quebra desse equilíbrio? Ora, os serviços de transporte aéreo deveriam continuar
sendo prestados já que essa era a obrigação contratual da Varig, mas, em compensação, ela tinha que
suportar um ônus novo, antes não previsto no contrato, qual seja, a impossibilidade de que as tarifas
fossem reajustadas. Os custos do serviço iam sendo aumentados (combustível, salários, manutenção das
aeronaves etc), mas isso não podia ser repassado para o preço das passagens. A empresa passou a
trabalhar de forma deficitária.

Responsabilidade civil por atos lícitos
Os atos que compuseram o “Plano Cruzado”, apesar de não serem ilegais e de estarem justificados pelo
interesse públicos, provocaram diretamente danos à Varig.
Vale ressaltar que é possível a responsabilidade civil do Estado não apenas por atos ilícitos, mas também
por condutas LÍCITAS. Esse é um exemplo.
A responsabilidade do Estado pela prática de atos lícitos ocorre quando deles decorram prejuízos
específicos, expressos e demonstrados.


Conclusão

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
7

Desse modo, o STF, reconheceu que a União, na qualidade de contratante, possui responsabilidade civil por
prejuízos suportados pela companhia aérea em decorrência do congelamento das tarifas de aviação
determinada pelos planos econômicos.

Fundamentos constitucionais:
 Necessidade de garantir o equilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão (princípio
constitucional da estabilidade econômico-financeira): art. 37, XXI;
 Responsabilidade civil do Estado também pode ser por atos lícitos que causem prejuízos: art. 37, § 6º.

Prazo prescricional
O prazo prescricional aplicável às ações de indenização contra a Fazenda Pública é de 5 (CINCO) anos,
conforme previsto no Decreto 20.910/32, e não de três anos (regra do Código Civil), por se tratar de
norma especial, que prevalece sobre a geral.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.251.993-PR, Rel. Min. Mauro Campbell, julgado em 12/12/2012.

Termo inicial do prazo prescricional
O termo inicial do prazo prescricional para o ajuizamento de ação de indenização contra ato do Estado
ocorre no momento em que constatada a lesão e os seus efeitos, conforme o princípio da actio nata.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.333.609-PB, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 23/10/2012.

Suicídio de preso
A Administração Pública está obrigada ao pagamento de pensão e indenização por danos morais no caso
de morte por suicídio de detento ocorrido dentro de estabelecimento prisional mantido pelo Estado.
Nessas hipóteses, não é necessário perquirir eventual culpa da Administração Pública.
Na verdade, a responsabilidade civil estatal pela integridade dos presidiários é OBJETIVA.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.305.259-SC, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 2/4/2013 (Info 520).

Competência para legislar sobre licitação
A União detém competência para legislar sobre as normas gerais de licitação, podendo os Estados e
Municípios legislar sobre o tema para complementar as normas gerais e adaptá-las às suas realidades.
Assim, lei municipal pode proibir que os agentes políticos do município (e seus parentes) mantenham
contrato com o Poder Público municipal.
STF. 2ª Turma. RE 423560/MG, rel. Min.Joaquim Barbosa, 29/5/2012.

Possibilidade de ajuizamento da ação diretamente contra o servidor público causador do dano
Segundo decidiu o STJ, na hipótese de dano causado a particular por agente público no exercício de sua
função, a vítima tem a possibilidade de ajuizar a ação de indenização diretamente contra o agente,
contra o Estado ou contra ambos.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.325.862-PR, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 5/9/2013 (Info 532).

Obs: o STF possui posição em sentido contrário e defende que a vítima somente poderá ajuizar a ação
contra o Estado (Poder Público). Se este for condenado, poderá acionar o servidor que causou o dano em
caso de dolo ou culpa. O ofendido não poderá propor a demanda diretamente contra o agente público
(STF RE 327904, Min. Carlos Britto, j. 15/08/06; RE 344133, Min. Marco Aurélio, j. em 09/09/08; RE 720275,
Min. Dias Toffoli, j. em 10/12/12).




Contratos administrativos e regularidade fiscal

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
8

Para que a pessoa possa participar de licitações e contratar com a Administração Pública é necessário
que comprove sua regularidade fiscal, ou seja, a inexistência de débitos com o Poder Público.
Essa regularidade fiscal não é exigida apenas no momento da licitação e da contratação, persistindo
durante toda a execução do contrato.
No entanto, segundo o STJ, é ilegal reter o pagamento devido a fornecedor em situação de irregularidade
perante o Fisco. Essa prática não é permitida, considerando que não existe autorização na Lei para que
seja feita (viola o princípio da legalidade).
No caso de falta de regularidade fiscal durante a execução do pacto, a Lei de Licitações autoriza que o
Poder Público imponha penalidades ao contratado (art. 87) ou rescinda o contrato.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.313.659-RR, Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 23/10/2012.

Exigência de que o licitante tenha experiência anterior em obra de engenharia similar
O edital da licitação poderá exigir que a empresa a ser contratada tenha, em seu acervo técnico, um
profissional que já tenha conduzido serviço de engenharia similar àquele previsto para a licitação.
Além disso, o edital também poderá exigir que a própria empresa já tenha atuado em serviço similar.
STJ. 2ª Turma. RMS 39.883-MT, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 17/12/2013 (Info 533).

Recurso julgado por autoridade incompetente e posterior homologação
Não deve ser reconhecida a nulidade em processo licitatório na hipótese em que, a despeito de recurso
administrativo ter sido julgado por autoridade incompetente, tenha havido a posterior homologação de
todo o certame pela autoridade competente.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.348.472-RS, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 21/5/2013 (Info 524).


Contrato celebrado sem licitação e declarado nulo
Se for reconhecida a nulidade do contrato administrativo por ausência de prévia licitação, a
Administração Pública, em regra, tem o dever de indenizar os serviços prestados pelo contratado.
No entanto, a Administração Pública não terá o dever de indenizar os serviços prestados pelo contratado
na hipótese em que este tenha agido de má-fé ou concorrido para a nulidade do contrato.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.394.161-SC, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 8/10/2013 (Info 529).

Desapropriação indireta
O prazo prescricional no caso de ação de desapropriação indireta é de 10 anos.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.300.442-SC, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 18/6/2013 (Info 523).

Desapropriação indireta não se confunde com limitação administrativa
A limitação administrativa distingue-se da desapropriação, uma vez que nesta há transferência da
propriedade individual para o domínio do expropriante, com integral indenização; e naquela há, apenas,
restrição ao uso da propriedade imposta genericamente a todos os proprietários, sem qualquer indenização.
Não há desapropriação indireta sem que haja o efetivo apossamento da propriedade pelo Poder Público.
Desse modo, as restrições ao direito de propriedade impostas por normas ambientais, ainda que
esvaziem o conteúdo econômico, não constituem desapropriação indireta.
A edição de leis ambientais que restringem o uso da propriedade caracteriza uma limitação
administrativa, cujos prejuízos causados devem ser indenizados por meio de uma ação de direito pessoal,
e não de direito real, como é o caso da ação contra a desapropriação indireta.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1359433/MG, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 12/03/2013) (não
divulgado em informativo).


Indenização e limitação administrativa

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
6
9

Em regra, o proprietário não tem direito à indenização por conta das limitações administrativas que
incidam sobre sua propriedade (a limitação administrativa é gratuita).
No entanto, excepcionalmente, a jurisprudência reconhece o direito à indenização quando a limitação
administrativa reduzir o valor econômico do bem.
O prazo prescricional para que o proprietário busque a indenização por conta das limitações
administrativas é de 5 anos.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.317.806-MG, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 6/11/2012.

Indenização por desapropriação e prova de apenas parte da propriedade do imóvel
No procedimento de desapropriação para fins de reforma agrária, caso se constate que a área registrada
em cartório é inferior à medida pelos peritos, o expropriado poderá levantar somente o valor da
indenização correspondente à área registrada, devendo o depósito indenizatório relativo ao espaço
remanescente ficar retido em juízo até que o expropriado promova a retificação do registro ou até que seja
decidida, em ação própria, a titularidade do domínio.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.286.886-MT, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 6/5/2014 (Info 540).

Desapropriação para fins de reforma agrária e área de reserva legal
Não se encontrando averbada no registro imobiliário antes da vistoria, a reserva florestal não poderá ser
excluída da área total do imóvel desapropriando para efeito de cálculo da produtividade do imóvel rural.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.235.220-PR, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 22/4/2014 (Info 539).

Juros e correção monetária na complementação de TDA
Em desapropriação para fins de reforma agrária, é possível a incidência de juros e de correção monetária,
com a inclusão dos expurgos inflacionários, no cálculo de complementação de título da dívida agrária
(TDA).
STJ. 2ª Turma. AgRg no Resp 1.293.895-MG, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 11/2/2014
(Info 535).

Prova emprestada utilizada em processo administrativo
É possível a utilização, em processo administrativo disciplinar, de prova emprestada validamente
produzida em processo criminal, independentemente do trânsito em julgado da sentença penal
condenatória. Isso porque, em regra, o resultado da sentença proferida no processo criminal não
repercute na instância administrativa, tendo em vista a independência existente entre as instâncias.
STJ. 2ª Turma. RMS 33.628-PE, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 2/4/2013 (Info 521).

É possível utilizar, em processo administrativo disciplinar, na qualidade de “prova emprestada”, a
interceptação telefônica produzida em ação penal, desde que devidamente autorizada pelo juízo criminal
e com observância das diretrizes da
STJ. 1ª Seção. MS 16.146-DF, Rel. Min. Eliana Calmon, julgado em 22/5/2013 (não divulgado em Info).

Aplicação da pena de demissão, em PAD, pela prática de improbidade administrativa
É possível a demissão de servidor por improbidade administrativa em processo administrativo disciplinar.
Infração disciplinar grave que constitui ato de improbidade é causa de demissão do servidor, em processo
administrativo, independente de processo judicial prévio.
STJ. 3ª Seção. MS 14.140-DF, Rel. Min. Laurita Vaz, julgado em 26/9/2012 (não divulgado em Info).



Depois do servidor já ter sido punido, é possível que a Administração, com base na autotutela, anule a
sanção anteriormente cominada e aplique uma nova penalidade mais gravosa?

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
0

NÃO. A decisão administrativa que põe fim ao processo administrativo, à semelhança do que ocorre no
âmbito jurisdicional, possui a característica de ser definitiva.
Logo, o servidor público já punido administrativamente não pode ser julgado novamente para que sua pena
seja agravada mesmo que fique constatado que houve vícios no processo e que ele deveria receber uma
punição mais severa.
Assim, a anulação parcial do processo administrativo disciplinar para adequar a penalidade aplicada ao
servidor, consoante pareceres do órgão correspondente, ensejando aplicação de sanção mais grave ofende
o devido processo legal e a proibição da reformatio in pejus.
STJ. 3ª Seção. MS 10.950-DF, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 23/5/2012 (não divulgado em Info).

Intimação do processado
Em processo administrativo disciplinar não é considerada comunicação válida a remessa de telegrama para
o servidor público recebido por terceiro.
STJ. 3ª Seção. MS 14.016-DF, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 29/2/2012.

Excesso de prazo para conclusão do PAD
É pacífica a jurisprudência do STJ no sentido de que o excesso de prazo para a conclusão do processo
administrativo disciplinar não gera, por si só, qualquer nulidade no feito. O excesso de prazo só tem o
condão de macular o processo administrativo se ficar comprovado que houve fundado e evidenciado
prejuízo, pois não há falar em nulidade sem prejuízo (pas de nulité sans grief).
STJ. 2ª Turma. RMS 33.628-PE, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 2/4/2013 (Info 521).

Não se aplica o princípio da insignificância no caso de Infração disciplinar
Deve ser aplicada a penalidade de demissão ao servidor público federal que obtiver proveito econômico
indevido em razão do cargo, independentemente do valor auferido (no caso, eram apenas 40 reais). Isso
porque não incide, na esfera administrativa, o princípio da insignificância quando constatada falta
disciplinar prevista no art. 132 da Lei 8.112/1990.
STJ. 1ª Seção. MS 18.090-DF, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 8/5/2013 (Info 523).

Prescrição das infrações administrativas
A Lei n. 8.112/90 prevê a seguinte regra:
Art. 170. Extinta a punibilidade pela prescrição, a autoridade julgadora determinará o registro do fato nos
assentamentos individuais do servidor.

O art. 170 prevê que, mesmo estando prescrita a infração, é possível que a prática dessa conduta fique
registrada nos assentos funcionais do servidor. Em outras palavras, ele não será punido, mas em seu
histórico ficará anotado que ele cometeu essa falta.

O art. 170 da Lei n. 8.112/90 é compatível com a CF/88?
NÃO. O art. 170 da Lei n. 8.112/1990 é INCONSTITUCIONAL.
Para o STF, esse dispositivo viola os princípios da presunção de inocência e da razoabilidade, além de
atentar contra a imagem funcional do servidor.
STF. Plenário. MS 23262/DF, rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 23/4/2014 (Info 743).

Condenação pelo Tribunal de Contas independe do resultado do PAD
Se o servidor público responder a processo administrativo disciplinar e for absolvido, ainda assim poderá
ser condenado a ressarcir o erário, em tomada de contas especial, pelo Tribunal de Contas da União.
STF. 1ª Turma. MS 27867 AgR/DF, rel. Min. Dias Toffoli, 18/9/2012 (Info 680).

Processo administrativo disciplinar e súmula vinculante 14 STF

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
1

A SV 14 NÃO pode ser aplicada para os casos de sindicância, que objetiva elucidar o cometimento de
infrações administrativas.
Pela simples leitura da súmula percebe-se que a sindicância não está incluída em seu texto já que não se
trata de procedimento investigatório realizado por órgão com competência de polícia judiciária.
STF. 1ª Turma. Rcl 10771 AgR/RJ, rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 4/2/2014 (Info 734).

Concurso interno
É inconstitucional a lei estadual que prevê que determinados cargos da Administração Pública serão
preenchidos mediante concurso do qual somente participarão servidores públicos (concurso interno).
Essa espécie de “promoção interna” viola o princípio da ampla acessibilidade aos cargos públicos (art. 37,
II, da CF/88).
STF. Plenário. ADI 917/MG, red. p/ o acórdão Min. Teori Zavascki, julgado em 6/11/2013 (Info 727).

Concursos e restrição para mulheres
A imposição de discrímen de gênero para fins de participação em concurso público somente é compatível
com a Constituição nos excepcionais casos em que demonstradas a fundamentação proporcional e a
legalidade da imposição, sob pena de ofensa ao princípio da isonomia.
STF. 2ª Turma. RE 528684/MS, rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 3/9/2013 (Info 718).

Convocação de candidato apenas por publicação no Diário Oficial
Viola os princípios da razoabilidade e da publicidade a convocação para determinada fase de concurso
público ou para nomeação de candidato aprovado apenas mediante publicação do chamamento em
Diário Oficial quando passado muito tempo entre a realização ou a divulgação do resultado da etapa
imediatamente anterior e a referida convocação, uma vez que é inviável exigir que o candidato
acompanhe, diariamente, com leitura atenta, as publicações oficiais.
STJ. 2ª Turma. AgRg no RMS 37.227-RS, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, j. em 6/12/2012 (Info 515).

Cláusula de barreira
É constitucional a regra denominada “cláusula de barreira”, inserida em edital de concurso público, que
limita o número de candidatos participantes de cada fase da disputa, com o intuito de selecionar apenas
os concorrentes mais bem classificados para prosseguir no certame.
STF. Plenário. RE 635739/AL, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 19/2/2014 (Info 736).

Teste físico em concurso público e inexistência de direito à segunda chamada
Os candidatos em concurso público NÃO têm direito à prova de segunda chamada nos testes de aptidão
física em razão de circunstâncias pessoais, ainda que de caráter fisiológico ou de força maior, salvo se
houver previsão no edital permitindo essa possibilidade.
STF. Plenário. RE 630733/DF, rel. Min. Gilmar Mendes, 15/5/2013 (Info 706).

Início do prazo do MS na hipótese de aprovação por força de questão anulada
Na hipótese em que houver, em ação autônoma, o reconhecimento da nulidade de questões de concurso
público, o termo inicial do prazo para que o candidato beneficiado impetre mandado de segurança
objetivando sua nomeação no cargo público será a data do trânsito em julgado da decisão judicial. Isso
porque o candidato favorecido pela decisão judicial somente passa a ter direito líquido e certo à
nomeação a partir da referida data.
STJ. 1ª Turma. AgRg no REsp 1.284.773-AM, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em 23/4/2013 (Info 522).


Servidor público designado para exercer atribuições diversas de seu cargo

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
2

A Administração Pública não pode, sob a simples alegação de insuficiência de servidores em determinada
unidade, designar servidor para o exercício de atribuições diversas daquelas referentes ao cargo para o
qual fora nomeado após aprovação em concurso.
STJ. 2ª Turma. RMS 37.248-SP, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 27/8/2013 (Info 530).

Servidor que recebe de boa-fé valores pagos pela administração pública não tem o dever de restituir a
quantia
Não é possível exigir a devolução ao erário dos valores recebidos de boa-fé pelo servidor público, quando
pagos indevidamente pela Administração Pública, em função de interpretação equivocada de lei.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.244.182-PB, Rel. Min. Benedito Gonçalves, j. em 10/10/2012 (recurso repetitivo).

Exame médico admissional possui caráter eliminatório em concursos públicos federais
O candidato a cargo público federal pode ser eliminado em exame médico admissional, ainda que a lei
que discipline a carreira não confira caráter eliminatório ao referido exame.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.414.990-DF, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 3/4/2014 (Info 538).

Candidato com surdez unilateral não é deficiente
Surdez unilateral: NÃO é considerada deficiência para fins de concurso público.
Cegueira unilateral: É considerada deficiência para fins de concurso público.

Investigação social
A jurisprudência entende que o fato de haver instauração de inquérito policial ou propositura de ação
penal contra candidato, por si só, não pode implicar a sua eliminação.
A eliminação nessas circunstâncias, sem o necessário trânsito em julgado da condenação, violaria o
princípio constitucional da presunção de inocência.
Assim, em regra, para que seja configurado antecedente criminal, é necessário o trânsito em julgado.
STJ. 2ª Turma. AgRg no RMS 39.580-PE, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 11/2/2014 (Info
535).

Conceito de cargo técnico para os fins do art. 37, XVI, “b”, da CF/88
A CF/88 permite a acumulação de um cargo de professor com outro técnico ou científico (art. 37, XVI,
“b”).
Somente se pode considerar que um cargo tem natureza técnica se ele exigir, no desempenho de suas
atribuições, a aplicação de conhecimentos especializados de alguma área do saber.
Não podem ser considerados cargos técnicos aqueles que impliquem a prática de atividades meramente
burocráticas, de caráter repetitivo e que não exijam formação específica.
Nesse sentido, atividades de agente administrativo, descritas como atividades de nível médio, não se
enquadram no conceito constitucional.
STF. 1ª Turma. RMS 28497/DF, rel. orig. Min. Luiz Fux, red. p/ o acórdão Min. Cármen Lúcia, julgado em
20/5/2014 (Info 747).

Pensão por morte a filho inválido de servidor público federal
Não se exige prova de dependência econômica para a concessão de pensão por morte a filho inválido de
servidor público federal.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.440.855-PB, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 3/4/2014 (Info 539).



Despedida de empregado público dos correios precisa ser motivada

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
3

Os servidores concursados de empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviços
públicos não gozam de estabilidade (art. 41 da CF/88), mas caso sejam demitidos, este ato de demissão
deve ser sempre motivado.
STF. Plenário. RE 589998/PI, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 20/3/2013 (Info 699).

Análise do inciso III do art. 9º da Lei n. 8.745/93
Como visto, no âmbito da administração pública federal, a lei que rege a contratação temporária é a Lei n.
8.745/93.
A referida Lei veda a contratação temporária do mesmo servidor antes de decorridos 24 meses do
encerramento do contrato anterior. Tal regra está prevista no art. 9º, III:
Art. 9º O pessoal contratado nos termos desta Lei não poderá:
III - ser novamente contratado, com fundamento nesta Lei, antes de decorridos 24 (vinte e quatro) meses
do encerramento de seu contrato anterior, salvo nas hipóteses dos incisos I e IX do art. 2º desta Lei,
mediante prévia autorização, conforme determina o art. 5º desta Lei.

Imagine agora a seguinte situação adaptada:
Carlos, após ser aprovado em processo seletivo simplificado, foi contratado temporariamente, com base na
Lei n. 8.745/93, para prestar serviços técnicos na ANATEL.
Cinco meses após acabar seu contrato temporário, Carlos participou de novo processo seletivo
simplificado, desta vez para prestar outro tipo de serviço temporário (também com base na Lei n.
8.745/93), agora para o Ministério da Saúde.
Carlos foi aprovado, mas a União não permitiu que ele fosse contratado afirmando que incidia a proibição
legal do art. 9º, III, da Lei n. 8.745/93.

Agiu corretamente a União? O inciso III do art. 9º aplica-se no presente caso?
NÃO. Segundo decidiu o STJ, é possível nova contratação temporária, mesmo em prazo inferior a 24
meses, uma vez que essa contratação será para outra função pública e para outro órgão sem qualquer
relação de dependência com aquele para o qual fora contratado anteriormente.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.433.037-DF, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 25/2/2014 (Info 540).

A vedação prevista no art. 9º, III, da Lei n. 8.745/1993 deve ser interpretada restritivamente, de acordo
com a finalidade para qual foi criada, ou seja, impedir a continuidade do servidor temporário no exercício
de funções públicas permanentes, em burla ao princípio constitucional que estabelece o concurso público
como regra para a investidura em cargos públicos. Em outras palavras, essa regra tem como objetivo evitar
que a mesma pessoa fique ocupando a mesma função pública por longos períodos, mediante a renovação
indefinida do contrato temporário.

No caso concreto, como a contratação foi para outra função pública, em órgão diverso, o objetivo da Lei n.
8.745/93 foi preservado já que não havia a renovação para a mesma função.

Ademais, o servidor foi aprovado em processo seletivo que tinha as características essenciais dos concursos
públicos (publicidade, ampla concorrência e provas eliminatórias e classificatórias). Desse modo, foi
selecionado, de forma objetiva, o candidato mais preparado, não havendo motivo idôneo a justificar a sua
não contratação.

APOSENTADORIA ESPECIAL PARA SERVIDOR PÚBLICO (SÚMULA VINCULANTE 33-STF)
Súmula Vinculante 33-STF: Aplicam-se ao servidor público, no que couber, as regras do Regime Geral de
Previdência Social sobre aposentadoria especial de que trata o artigo 40, parágrafo 4º, inciso III, da
Constituição Federal, até edição de lei complementar específica.


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
4

Os notários e registradores podem ser considerados agentes públicos para fins de improbidade
administrativa?
SIM. Os sujeitos ativos dos atos de improbidade administrativa não são apenas os servidores públicos, mas
todos aqueles que estejam abarcados no conceito de agente público, previsto nos arts. 1º, 2º e 3º da Lei n.
8.429/1992.
Os notários e registradores estão abrangidos no amplo conceito de “agentes públicos”, na categoria dos
“particulares em colaboração com a Administração”.
Dessa forma, encontram-se no no campo de incidência da Lei n. 8.429/1992. (STJ. 1ª Turma. REsp
1186787/MG, Rel. Min. Sérgio Kukina, julgado em 24/04/2014).

O juiz ou o parlamentar pode praticar ato de improbidade administrativa?
SIM. Se, no exercício de suas funções, o parlamentar ou juiz pratica atos administrativos, esses atos podem
ser considerados como de improbidade e abrigados pela LIA (STJ. 2ª Turma. REsp 1171627/RS, Rel. Min.
Eliana Calmon, julgado em 06/08/2013).

É possível imaginar que exista ato de improbidade com a atuação apenas do “terceiro” (sem a
participação de um agente público)? É possível que, em uma ação de improbidade administrativa, o
terceiro figure sozinho como réu?
NÃO. Para que o terceiro seja responsabilizado pelas sanções da Lei n. 8.429/92 é indispensável que seja
identificado algum agente público como autor da prática do ato de improbidade.
Assim, não é possível a propositura de ação de improbidade exclusivamente contra o particular, sem a
concomitante presença de agente público no polo passivo da demanda.
STJ. 1ª Turma. REsp 1.171.017-PA, Rel. Min. Sérgio Kukina, julgado em 25/2/2014 (Info 535).

Ação de improbidade contra agentes políticos é de competência do juízo de 1ª instância
Para o STJ, a ação de improbidade administrativa deve ser processada e julgada nas instâncias ordinárias,
ainda que proposta contra agente político que tenha foro privilegiado no âmbito penal e nos crimes de
responsabilidade.
STJ. Corte Especial. AgRg na Rcl 12.514-MT, Rel. Min. Ari Pargendler, julgado em 16/9/2013 (Info 527).

Princípio do in dubio pro societate no recebimento da ação de improbidade
De acordo com a orientação jurisprudencial do STJ, existindo meros indícios de cometimento de atos
enquadrados como improbidade administrativa, a petição inicial da ação de improbidade deve ser
recebida pelo juiz, pois, na fase inicial prevista no art. 17, §§ 7º, 8º e 9º, da Lei n. 8.429/92, vale o
princípio do in dubio pro societate, a fim de possibilitar o maior resguardo do interesse público.
No caso concreto, o STJ entendeu que deveria ser recebida a petição inicial de ação de improbidade no
caso em que determinado prefeito, no contexto de campanha de estímulo ao pagamento do IPTU, fizera
constar seu nome, juntamente com informações que colocavam o município entre outros que detinham
bons índices de qualidade de vida, tanto na contracapa do carnê de pagamento do tributo quanto em
outros meios de comunicação.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.317.127-ES, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, j. em 7/3/2013 (Info 518).

Indisponibilidade de bens
Para a decretação da indisponibilidade de bens pela prática de ato de improbidade administrativa que
tenha causado lesão ao patrimônio público, não se exige que seu requerente demonstre a ocorrência de
periculum in mora.
Nesses casos, a presunção quanto à existência dessa circunstância milita em favor do requerente da
medida cautelar, estando o periculum in mora implícito no comando normativo descrito no art. 7º da Lei
n. 8.429/1992, conforme determinação contida no art. 37, § 4º, da CF.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.229.942-MT, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, j. 6/12/2012 (Info 523).


www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
5

Juiz pode conceder liminar para que o réu fique sem receber novas verbas do poder público
Em uma ação de improbidade administrativa, é possível a concessão de liminar “inaudita altera parte”
determinando que o requerido fique proibido de receber novas verbas do poder público, assim como
benefícios fiscais e creditícios. Isso porque, ressalvadas as medidas de natureza exclusivamente
sancionatória – por exemplo, a multa civil, a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos
–, pode o magistrado, a qualquer tempo, com fundamento no poder geral de cautela, adotar a tutela
necessária para fazer cessar ou extirpar a atividade nociva.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.385.582-RS, Rel. Herman Benjamin, julgado em 1º/10/2013 (Info 531).

Art. 10 da Lei 8.429/92 e comprovação de efetivo prejuízo aos cofres públicos
Para a configuração dos atos de improbidade administrativa previstos no art. 10 da Lei n. 8.429/92 é
indispensável a comprovação de que tenha havido efetivo prejuízo aos cofres públicos. Se não houver
essa prova, não há como condenar o requerido por improbidade administrativa.
Tendo ocorrido dispensa de licitação de forma indevida, mas não sendo provado prejuízo ao erário nem
má-fé do administrador, não se verifica a ocorrência de ato de improbidade administrativa.
STJ. 1ª Turma. REsp 1.173.677-MG, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 20/8/2013 (Info 528).

Atraso na prestação de contas: necessidade de provar o dolo
A ausência de prestação de contas, quando ocorre de forma dolosa, acarreta violação ao Princípio da
Publicidade. Todavia, o simples atraso na entrega das contas, sem que exista dolo na espécie, não
configura ato de improbidade.
STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp 1.382.436-RN, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 20/8/2013 (Info 529).

Liberação de veículo retido
Súmula 510-STJ: A liberação de veículo retido apenas por transporte irregular de passageiros não está
condicionada ao pagamento de multas e despesas.
STJ. 1ª Seção. Aprovada em 26/03/2014.

DIREITO AMBIENTAL

Responsabilidade civil e dano ambiental
A responsabilidade por dano ambiental é OBJETIVA, informada pela teoria do RISCO
INTEGRAL. Não são admitidas excludentes de responsabilidade, tais como o caso fortuito, a
força maior, fato de terceiro ou culpa exclusiva da vítima.
O registro de pescador profissional e o comprovante do recebimento do seguro-defeso são
documentos idôneos para demonstrar que a pessoa exerce a atividade de pescador. Logo, com
tais documentos é possível ajuizar a ação de indenização por danos ambientais que
impossibilitaram a pesca na região.
Se uma empresa causou dano ambiental e, em decorrência de tal fato, fez com que
determinada pessoa ficasse privada de pescar durante um tempo, isso configura dano moral.
O valor a ser arbitrado como dano moral não deverá incluir um caráter punitivo. É inadequado
pretender conferir à reparação civil dos danos ambientais caráter punitivo imediato, pois a
punição é função que incumbe ao direito penal e administrativo. Assim, não há que se falar em
danos punitivos (punitive damages) no caso de danos ambientais.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.354.536-SE, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 26/3/2014 (recurso
repetitivo).



www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
6

A seguinte situação fática foi a seguinte:
No dia 5 de outubro de 2008, a indústria Fertilizantes Nitrogenados de Sergipe (Fafen), subsidiária da
Petrobrás, deixou vazar para as águas do rio Sergipe cerca de 43 mil litros de amônia, que resultou em
dano ambiental, provocando a morte de peixes, camarões, mariscos, crustáceos e moluscos e
consequente quebra da cadeia alimentar do ecossistema fluvial local.
Maria ajuizou ação de indenização por danos morais e materiais contra a Fafen e a Petrobrás. Em sua
petição inicial, juntou seu registro como pescadora profissional e o comprovante de que recebe seguro-
defeso.

Diante desse cenário, vejamos os seguintes temas:

Os pescadores que trabalhavam na região deverão ser indenizados? Qual é o tipo de responsabilidade?
SIM. A responsabilidade por dano ambiental é OBJETIVA, informada pela teoria do RISCO INTEGRAL, nos
termos do art. 14, § 1º, da Lei n. 6.938/81, recepcionado pelo art. 225, §§ 2º, e 3º, da CF/88:
Art. 14 (...) § 1º Sem obstar a aplicação das penalidades previstas neste artigo, é o poluidor obrigado,
independentemente da existência de culpa, a indenizar ou reparar os danos causados ao meio ambiente e
a terceiros, afetados por sua atividade. O Ministério Público da União e dos Estados terá legitimidade para
propor ação de responsabilidade civil e criminal, por danos causados ao meio ambiente.

É possível que a empresa invoque alguma excludente de responsabilidade?
NÃO. Como se trata de responsabilidade objetiva, na modalidade do risco integral, não são admitidas
excludentes de responsabilidade, tais como o caso fortuito, a força maior, fato de terceiro ou culpa
exclusiva da vítima.
A empresa que explora a atividade econômica se coloca na posição de garantidor da preservação
ambiental, e os danos que digam respeito à atividade estarão sempre vinculados a ela. Por isso, é
descabida a invocação, pela empresa responsável pelo dano ambiental, de excludentes de
responsabilidade civil para afastar a sua obrigação de indenizar.

Quem será responsável pelo pagamento das indenizações?
Poderão ser condenadas a indenizar tanto a Fafen, responsável direta pelo vazamento, como também a
Petrobrás.

Os documentos juntados por Maria são válidos para que ela prove sua condição de pescadora?
SIM. Relembrando que Maria juntou:
 o seu registro como pescadora profissional e
 um documento que provou que ela está habilitada a receber o seguro-desemprego durante o período
de defeso (seguro-defeso).

Para o STJ, tais documentos, somados a outros elementos de prova, são idôneos à demonstração da
atividade profissional de pescadora.

Os pescadores, como é o caso de Maria, poderão ser indenizados por dano moral?
SIM. O STJ entende que se uma empresa causa dano ambiental e, em decorrência de tal fato, faz com que
determinada pessoa fique privada das condições de trabalho, isso configura dano moral.
Estando o trabalhador impossibilitado de trabalhar, revela-se patente seu sofrimento, angústia e aflição.
O ócio indesejado imposto pelo acidente ambiental gera a incerteza quanto à viabilidade futura de sua
atividade profissional e manutenção própria e de sua família (STJ. 4ª Turma. REsp 1.346.430-PR, Rel. Min.
Luis Felipe Salomão, julgado em 18/10/2012).




www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
7

Quais os critérios que deverão ser considerados pelo juiz no momento da fixação dos danos morais?
Os principais critérios para o arbitramento da compensação dos danos morais no caso de danos
ambientais são:
 a intensidade do risco criado;
 a gravidade do dano;
 o tempo durante o qual a degradação persistirá;
 a reversibilidade ou não do dano;
 o grau de proteção jurídica atribuído ao bem ambiental lesado.


O valor a ser arbitrado como dano moral deverá incluir um caráter punitivo?
NÃO. É inadequado pretender conferir à reparação civil dos danos ambientais caráter punitivo imediato,
pois a punição é função que incumbe ao direito penal e administrativo.
Assim, não há que se falar em danos punitivos (punitive damages) no caso de danos ambientais, haja vista
que a responsabilidade civil por dano ambiental prescinde da culpa e revestir a compensação de caráter
punitivo propiciaria o bis in idem (pois, como firmado, a punição imediata é tarefa específica do direito
administrativo e penal).
No caso concreto, o STJ considerou razoável a indenização fixada em 3 mil reais a título de danos morais.

Considerando que Maria auferia um lucro mensal de 1 salário mínimo com a atividade de pesca e que
ela ficou um ano sem pescar decorrente do acidente, pode-se afirmar que ela terá direito a 12 salários
mínimos como lucros cessantes?
NÃO. O dano material somente é indenizável mediante prova efetiva de sua ocorrência, não havendo falar
em indenização por lucros cessantes dissociada do dano efetivamente demonstrado nos autos.
Durante o ano que Maria ficou sem pescar houve o período de "defeso" (época do ano na qual é proibida
a pesca). Logo, ela não tem direito de receber a indenização por lucros cessantes durante o defeso.


Responsabilidade por dano ambiental
A responsabilidade civil do transportador de carga perigosa é objetiva, na modalidade “risco integral”,
em que não se admite qualquer causa excludente de responsabilidade.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.114.398-PR, Rel. Min. Sidnei Beneti, julgado em 8/2/2012 (recurso repetitivo)

Início do prazo prescricional em caso de danos pessoais decorrentes de contaminação do lençol freático
Conta-se da data do conhecimento do dano e de sua autoria – e não da data em que expedida simples
notificação pública a respeito da existência do dano ecológico – o prazo prescricional da pretensão
indenizatória de quem sofreu danos pessoais decorrentes de contaminação de solo e de lençol freático
ocasionada por produtos utilizados no tratamento de madeira destinada à fabricação de postes de luz.
STJ. 3ª Turma. AgRg no REsp 1.365.277-RS, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 20/2/2014
(Info 537).

Dano moral causado por dano ambiental
Se uma empresa causou dano ambiental e, em decorrência disso, fez com que determinada pessoa
ficasse privada das condições de trabalho, isso configura dano moral. Estando o trabalhador
impossibilitado de trabalhar, revela-se patente seu sofrimento, angústia e aflição. O ócio indesejado
imposto pelo acidente ambiental gera a incerteza quanto à viabilidade futura de sua atividade
profissional e manutenção própria e de sua família.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.346.430-PR, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 18/10/2012.




www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
8

Possibilidade de os estados-membros disporem sobre fontes de abastecimento de água
É possível que o Estado-membro, por meio de decreto e portaria, determine que os usuários dos serviços
de água tenham em suas casas, obrigatoriamente, uma conexão com a rede pública de água.
O decreto e a portaria estaduais também poderão proibir o abastecimento de água para as casas por
meio de poço artesiano, ressalvada a hipótese de inexistência de rede pública de saneamento básico.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.306.093-RJ, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 28/5/2013 (Info 524).

Negativa de autorização de queimada por órgão ambiental não gera dano moral
Não gera dano moral a conduta do IBAMA de, após alguns anos concedendo autorizações para
desmatamento e queimada em determinado terreno com a finalidade de preparar o solo para atividade
agrícola, deixar de fazê-lo ao constatar que o referido terreno integra área de preservação ambiental.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.287.068-RR, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 10/9/2013 (Info 531).

Dano moral coletivo no direito ambiental
Na hipótese de ação civil pública proposta em razão de dano ambiental, é possível que a sentença
condenatória imponha ao responsável, cumulativamente, as obrigações de recompor o meio ambiente
degradado e de pagar quantia em dinheiro a título de compensação por dano moral coletivo.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.328.753-MG, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 28/5/2013 (Info 526).


DIREITO INTERNACIONAL

CRIME TRIBUTÁRIO, AUSÊNCIA DE CONSTITUIÇÃO DEFINITIVA E EXTRADIÇÃO
Se o estrangeiro está respondendo a ação penal por crime tributário no exterior, ele poderá ser
extraditado mesmo que ainda não tenha havido a constituição do crédito tributário no país requerente.
O que se exige, para o reconhecimento do pedido, é que o fato seja típico em ambos os países, não sendo
necessário que o Estado requerente siga as mesmas regras fazendárias existentes no Brasil.
STF. 2ª Turma. Ext 1222/República Federal da Alemanha, Rel. Min. Teori Zavascki, julgado em 20/8/2013
(Info 716).

IMUNIDADE DE JURISDIÇÃO E ONU/PNUD
A Organização das Nações Unidas – ONU e sua agência Programa das Nações Unidas para o
Desenvolvimento – PNUD possuem imunidade de jurisdição e de execução, abrangendo, inclusive, as
causas trabalhistas.
STF. Plenário. RE 597368/MT, rel. orig. Min. Ellen Gracie, red. p/ o acórdão Min. Teori Zavascki, 15/5/2013;
RE 578543/MT, rel. orig. Min. Ellen Gracie, red. p/ o acórdão Min. Teori Zavascki, 15/5/2013 (Info 706).

CONVENÇÃO DA HAIA
Não se deve ordenar o retorno ao país de origem de criança que fora retida ilicitamente no Brasil por sua
genitora na hipótese em que, entre a transferência da criança e a data do início do processo para sua
restituição, tenha decorrido mais de um ano e, além disso, tenha sido demonstrado, por meio de
avaliação psicológica, que a criança já estaria integrada ao novo meio em que vive e que uma mudança
de domicílio poderia causar malefícios ao seu desenvolvimento.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.293.800-MG, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 28/5/2013 (Info 524).

HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA
É possível a homologação de sentença estrangeira de divórcio, ainda que não exista prova de seu trânsito
em julgado, na hipótese em que, preenchidos os demais requisitos, tenha sido comprovado que a parte

www.dizerodireito.com.br
P
á
g
i
n
a
7
9

requerida foi a autora da ação de divórcio e que o provimento judicial a ser homologado teve caráter
consensual.
Isso porque quando a sentença a ser homologada tratar de divórcio consensual, será possível inferir a
característica de trânsito em julgado.
STJ. Corte Especial. SEC 7.746-US, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 15/5/2013 (Info 521).

EXECUÇÃO FISCAL PROPOSTA CONTRA ESTADO-ESTRANGEIRO: IMUNIDADES TRIBUTÁRIA, DE JURISDIÇÃO E
DE EXECUÇÃO
Os Estados estrangeiros gozam de imunidade tributária. Em virtude disso, em regra, não pagam impostos
nem taxas no Brasil.
Essa imunidade tributária não abrange taxas que são cobradas por conta de serviços individualizados e
específicos que sejam prestados ao Estado estrangeiro. Sendo esse o caso, o país estrangeiro terá que
pagar o valor da taxa, não gozando de isenção.
Com base nesse entendimento, o Município não pode cobrar IPTU de Estado estrangeiro, mas poderá
exigir o pagamento de taxa de coleta domiciliar de lixo.
Os Estados estrangeiros gozam também de imunidade de execução, ou seja, possuem a garantia de que
os seus bens não serão expropriados, isto é, não serão tomados à força para pagamento de suas dívidas.
Vale ressaltar, no entanto, que a imunidade de execução pode ser renunciada. Assim, antes de se
extinguir a execução fiscal para a cobrança de taxa decorrente de prestação de serviço individualizado e
específico, deve-se cientificar o Estado estrangeiro executado, para lhe oportunizar eventual renúncia à
imunidade.
STJ. 2ª Turma. RO 138-RJ, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 25/2/2014 (Info 538).

NOVO PEDIDO DE EXTRADIÇÃO APÓS JÁ TER SIDO DEFERIDO UM ANTERIORMENTE A OUTRO ESTADO
ESTRANGEIRO
O fato de o STF ter deferido a extradição a um Estado estrangeiro não prejudica o novo pedido de
extradição feito por outro Estado, com base em fatos diversos. Ex: o STF deferiu a extradição de um
estrangeiro por crimes que ele lá cometeu; antes de ser efetivada a entrega, a Itália pediu a extradição
por crimes de igual gravidade que ele praticou no território italiano.
O que vai acontecer é que o primeiro Estado requerente terá preferência na entrega do extraditando.
Assim, se o Brasil autorizar o segundo pedido, o estrangeiro irá inicialmente para o primeiro Estado que
requereu a extradição, lá cumprirá pena e depois será reextraditado para a Itália.
STF. 2ª Turma. Ext 1276/DF, rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 25/3/2014 (Info 740).