You are on page 1of 1

SINOPSE

Igualmente ao que acontece com determinados gêneros, o
gênero sinopse não circula em uma única esfera de
atividade humana[1]. Ele está presente, por exemplo, na
esfera jornalística, nos sites de editoras, em materiais
publicitários ou na ciência. Além disso, até dentro de uma
mesma esfera é possível encontrar diferentes tipos de
sinopse. Isso porque cada um desses tipos adquire
características próprias de acordo com a função que exerce
dentro da esfera, o leitor esperado para o texto, os
“acordos” institucionais etc.
Na esfera jornalística, por exemplo, podemos encontrar as
sinopses de novelas, cuja função principal é nos colocar por
dentro dos próximos acontecimentos – caso talvez não
consigamos seguir todos os capítulos – ou mesmo saciar
nossa curiosidade para saber, por exemplo, se o vilão
conseguirá realmente levar seus planos rocambolescos
adiante. Assim, o leitor esperado para esse tipo de texto é
aquele que já segue a novela e, portanto, já está
familiarizado com os personagens, o ambiente da trama, a
origem dos conflitos etc. e quer apenas saber sucintamente
o que está por vir.
Sendo o leitor esperado aquele que já está familiarizado
com a trama, não é necessário, por exemplo, dar qualquer
tipo de detalhe sobre as personagens, basta apenas citar-
lhes o nome. Tampouco importa a descrição do ambiente
geral da ação, pois quem acompanha a novela já o conhece.
Ainda na esfera jornalística, há as sinopses de filmes, às
quais recorremos quando estamos decidindo a que filme
iremos assistir naquele dia. Diferentemente do que
acontece com a sinopse da novela, como o objetivo da
sinopse de filme é auxiliar numa escolha, além do resumo
da trama, seu texto já traz algum posicionamento crítico
(uma classificação por estrelinhas, por exemplo), bem como
outras informações importantes para que tomemos a
decisão de irmos ou não assistir àquele filme naquele dia:
horário e local em que está passando, atores principais,
diretor. Se alguma dessas informações vai contra nossas
expectativas ou interesses, podemos optar por não assistir
ao filme. Outra característica desse tipo de sinopse é que
ele nos auxilia a levantar hipóteses sobre o que talvez
iremos assistir. Um terceiro tipo de sinopse encontrado na
esfera jornalística é a sinopse de livro, que atualmente
pode ser igualmente encontrada em sites de editoras e
livrarias. Tal qual a sinopse de filme, essa também tem a
função de nos auxiliar numa escolha, neste caso, de compra
ou não do livro em questão. Devemos aqui chamar a sua
atenção para o fato de que a esfera de circulação do gênero
influencia não só na organização do texto, mas também na
sua leitura. Por exemplo, provavelmente o estilo e a forma
composicional de uma resenha de livro não vai diferir muito
se esta estiver num jornal, num site de livraria ou no
material promocional de uma editora. Em ambas as esferas,
jornalística e editorial, a sinopse apresentará algumas
informações objetivas, como o nome do autor, a
quantidade de páginas e o preço do livro. Além disso,
certamente haverá também um resumo do conteúdo do
texto e, talvez, alguma breve avaliação crítica ou pelo
menos marcas no texto de algum julgamento de quem o
escreveu. A questão então é que nem sempre a opinião ou
o julgamento de quem escreve estão explícitos no texto e,
normalmente, são frutos de diferentes interesses em jogo
na esfera. No site de uma livraria ou no material
promocional de uma editora, cujo objetivo é persuadir o
leitor a comprar o livro, por exemplo, um certo “tom”
elogioso será muito mais freqüente do que, possivelmente,
no jornal que, supostamente, tem um compromisso com a
objetividade. Enfim, embora tenham algumas
características em comum (apresentar um resumo de uma
trama, por exemplo), as sinopses – a depender para que
leitores vão ser destinadas e com que objetivo –, vão poder
apresentar um assunto, uma organização e um “tom”
diferentes.
SÍNTESE
Síntese é um substantivo feminino proveniente da palavra
grega synthesis que indicava uma composição ou arranjo.
Uma síntese pode ser um resumo, sumário, sinopse, ou
seja, uma descrição abreviada de um texto. Na filosofia, a
síntese é uma composição ou reunião das diversas partes
de um todo em uma unidade: "unificação". Para Kant,
consiste na união do que é dado empiricamente com a
experiência objetiva. Para Hegel, é o assumir de entidades
opostas (tese e antítese) numa unidade superior (dialética).
A síntese filosófica é um processo que procede do simples
para o composto, dos elementos para o todo, das causas
para as consequências. Quando relacionada com a
dialética, a síntese tem como objetivo defender uma tese
ou ideia através da argumentação. No contexto da didática
tradicional, a síntese é o ato de abordar as principais ideias
e pontos de conexão de uma determinada lição.
Síntese de texto
A síntese de um texto é um resumo, NÃO DIDÁTICO, do
texto original, onde são apenas considerados os pontos
principais abordados pelo autor, não havendo nessa
espécie de resumo a mesma obrigatoriedade de seleção, de
estética e de qualquer outra condição acadêmica.