Produto: ESTADO - BR - 1 - 31/12/02

2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H1 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 1 - 31/12/02

H1 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-1:20021231:

O ESTADO DE S.PAULO - 1

O ESTADO DE S. PAULO

UM ANO PARA NÃO ESQUECER
José Luis da Conceição/AE - 27/10/2002

2002

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

Vitória – Após três derrotas (em 1989, 1994 e 1998), o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, faz história: vence a eleição no segundo turno com uma votação recorde e leva, pela primeira vez pelo voto, um partido de esquerda à presidência da República no Brasil

ela primeira vez um metalúrgico, Luiz Inácio Lula da Silva, foi eleito presidente do Brasil. Outro fato inédito: o presidente a passar-lhe a faixa, Fernando Henrique Cardoso, abriu as gavetas do governo e até criou cargos para que a equipe de seu sucessor tivesse acesso a todas as informações de que necessitava – não faltarão motivos para que a política, em 2002, permaneça na memória dos brasileiros. Na economia, tivemos um ano perigoso, com a disparada do dólar, do risco país e da inflação com dois dígitos. No plano internacional, além da continuação da luta contra o terrorismo, um sobressalto:

P

Alaor Filho/AE - 30/6/02

Glória – O Brasil parou na manhã do último domingo de junho para ver a consagração da “Família Scolari”, com Cafu erguendo a taça. A vitória de 2 a 0 sobre a Alemanha, na final em Yokohama, levou a seleção ao topo do mundo pela quinta vez.

a Coréia do Norte ameaçando reativar seu programa nuclear bélico. No campo da religião, o Brasil ganhou sua primeira santa, Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus. O mundo científico ouviu o anúncio, ainda não comprovado, de que um primeiro clone humano já está entre nós. Nas cidades, tivemos a explosão da violência, dos seqüestros. No cinema brasileiro, o ano foi de “Cidade de Deus”; na televisão, dos “reality shows”. E no esporte o Brasil alcançou uma glória que é só dele: cinco vezes campeão do mundo, com a conquista da Copa do Mundo na Coréia e no Japão. Esquecer 2002? Será difícil.

Produto: ESTADO - BR - 2 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H2 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 2 - 31/12/02

H2 -

H2 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-2:20021231:

NACIONAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

TRANSIÇÃO DEFINIDA

Celso Junior/AE

Lula, com o símbolo do PT: ex-metalúrgico teve a maior votação da história do Brasil e, com uma agenda social-democrata, levou pela primeira vez um partido de esquerda à vitória eleitoral havia chegado lá, mas de for- memora o professor da Unima indireta. Eleito vice de camp. Do mesmo modo, ele Jânio Quadros, só assumiu acha que o ano pode ter sido após uma crise institucional um “marco” da democracia causada pela renúncia do ti- mais participativa. “Tratatular. Dois anos depois foi se de uma transição demodeposto por um golpe. “Da- crática notável.” E um dos SILVIO BRESSAN quela vez, as coisas começa- maiores responsáveis por esaqui a muitos anos ram e terminaram mal. Des- se cenário, ressalta Pinsky, não faltarão motivos ta vez, pelo menos começa- foi o presidente Fernando para se lembrar da ram bem”, anota o cientista Henrique Cardoso. “Talvez política brasileira em 2002. político da UFMG, Fábio até pela sua vaidade, ele Pela primeira vez, um meta- Wanderley Reis. quis passar para a história lúrgico foi eleito presidente Com algumas ressalvas, como um estadista e não codo Brasil; os analistas mo um político”, considera também de a d m i t e m o historiador. “Às vezes, os forma inédique algo mu- defeitos das pessoas tornamta, o presidou de for- se virtudes históricas.” dente abriu ma irreversías gavetas vel em 2002. Agenda – Embora também do governo e “Se vai ser ache cedo para festejar a até criou carum ano his- consolidação da democragos para o tórico, só o cia, o cientista político da pessoal do tempo dirá, USP, Gildo Marçal Bransucessor comas tivemos dão, reconhece que 2002 Jaime Pinsky nhecer a máavanços ex- trouxe ou confirmou mudanquina; vet r a o r d i n á - ças permanentes. “Foi o ano lhos caciques foram derrota- rios e irreversíveis”, avalia o da confirmação e da mudandos; a campanha terminou historiador da Unicamp, Jai- ça”, define Marçal Brandão. sem denúncias ou dossiês; e me Pinsky. Ele saúda, em es- “Por um lado, o PT só veno novo governo começou pecial, a derrota de velhos ceu porque adotou a agenda por um médico na Fazenda caciques regionais, como de Fernando Henrique, de (Antônio Pallocci) e um ban- Gilberto Mestrinho no Ama- reforma econômica e do Esqueiro tucano no Banco Cen- zonas e Íris Rezende em tado, que veio para ficar”, tral (Henrique Meirelles). G o i á s , o u observa. Ainda não se sabe onde tudo “ p s e u d o “Por outro laisso vai terminar, mas é cer- progressisdo, pela prito que terá começado em tas”, como meira vez a 2002, o ano que consagrou a Paulo Maelite política transição democrática do luf em São e econômica País. Paulo. concordou E o eleitor não deixou dú“Foi o em apoiar vida. Foram 39,4 milhões de ano da autoum partido votos (46,4%) no primeiro d e f i n i ç ã o de esquert u r n o e 5 2 , 7 m i l h õ e s do Brasil coda.” Gildo Marçal Brandão (61,3%) no segundo para mo uma naO profesLuiz Inácio Lula da Silva ç ã o , q u e sor da USP (PT) tornar-se o primeiro não é mais um conjunto caó- não tem certeza do que o PT presidente eleito por um par- tico de oligarquias, mas de fará no governo, mas detido de esquerda no País. Estados e municípios que monstra convicção sobre o João Goulart (1962-1964) formam uma federação”, co- que o partido não poderá fa-

Com uma troca pacífica de poder, 2002 mudou para sempre a política brasileira.

D

Foi o ano da auto-definição do Brasil como nação

O PT só venceu porque adotou a agenda de FHC

zer. “Ninguém em sã cons- Lula vai atuar numa socieA derrota de alguns caciciência no Brasil acha que dade que precisa de um Es- ques políticos, por exemplo, se pode voltar ao período tado forte, mas não majori- é vista com cautela pelo cienpré-Constituição de 88”, tário. “A sociedade quer um tista da Unicamp. “Sem dúafirma Brandão. “Algumas Estado que a ajude, mas não vida, 2002 consolidou a decoisas, como um Estado mocracia, mas não acho, estatização, que substi- por exemplo, que a velha culnão tem tua o merca- tura nacionalista e populismais volta, do e toque a ta esteja derrotada, porque já foram pae c o n o m i a , ainda encontra apoio em ra o espaço porque isso é muitos setores da populahá muito a própria so- ção e da burocracia”, pondetempo e o ciedade que ra Martins Rodrigues. “O PT sabe disfaz”, alerta que dá para dizer, por enso. Ao invés o professor quanto, é que foi um ano de de mudar, o da USP. “O mudanças importantes na partido deve PT mudou e composição social da elite Leôncio Martins Rodrigues confirmar esboa parte da política brasileira”, admite. sa nova agenelite topou “E essas mudanças estão asda no poder.” Só a partir um certo compromisso, mas sociadas ao avanço da demodessa confirmação, acentua isso vai depender do que o cracia de massa no País.” Gildo, que o PT conseguiu governo Lula fizer”, prosseEm outras palavras, essa convencer as elites de que gue. “É bom que isso dê cer- é a mesma avaliação de Fápoderia ser uma alternativa to, porque se não podere- bio Wanderley Reis. Ele consegura de mudança. mos ter um retrocesso.” sidera muito cedo, por exemTalvez por isso, o cientis- plo, para dizer que a transiRiscos – Além do revisionis- ta político da Unicamp, ção democrática foi encerramo do PT, o professor da Leôncio Martins Rodrigues, da com sucesso. “Só vamos USP aponta outro motivo ache um “exagero” se falar poder falar em fecho da para o novo comportamento em “refundatransição dedas elites. “Eles perceberam ção do Bramocrática que o fracasso de Lula pode sil”. Ele conquando o golevar o Brasil para uma Ar- tinua converno Lula gentina ou uma Venezue- vencido de terminar, la”, avalia Brandão. “Há o que o PT preporque se risco de a economia desan- cisará “tonão for bem dar, como na Argentina, ou mar um baa transição de o País ficar dividido em nho de realisempre pode classes, a exemplo da Vene- dade” para a c a b a r zuela.” No seu entender, tu- assimilar memal”, adverdo agora vai depender do l h o r a l g u te WanderFábio Wanderley Reis comportamento do PT no m a s q u e s ley. De qualgoverno. “A questão é cali- tões do goquer forma, brar o que muda e o que con- verno. E apesar de admitir reconhece ele, não dá para tinua, mas o certo é que o que 2002 foi “marcante” em desprezar a importância do partido terá de operar numa muitos aspectos, Leôncio ano que passou na história nova sociedade com uma prefere aguardar um pouco recente da República brasiagenda que não tem mais re- mais para dimensionar a im- leira. “No mínimo, 2002 ficatorno.” portância deste ano no ca- rá marcado como o ano em O desafio maior, segundo lendário político da história que o povão teve sua vez, Brandão, é como o governo republicana. sua chance de mudar.”

2002 consolidou a democracia, mas o populismo não está derrotado

Só vamos poder falar em fecho da transição se o governo Lula acabar bem

FATOS DO ANO
JANEIRO
1 – O senador Eduardo Duhalde, do Partido Justicialista (peronista), é eleito pelo Congresso o quinto presidente da Argentina em 11 dias – Entra em circulação o euro, moeda única dos 12 países que integram a União Européia (UE) – Menos de um mês depois de ser oficializada como patrimônio da humanidade, a cidade de Goiás tem o centro histórico des-

truído pelas chuvas 2 – Divulgado superávit de US$ 2,643 bilhões na balança comercial em 2001, o primeiro saldo positivo desde 1994 – Rebelião deixa 27 mortos no Presídio Urso Branco, em Porto Velho (RO). 4 – Constatada artrite na ovelha Dolly, na idade de 5 anos e 6 meses, renovando a polêmica sobre a suscetibilidade de animais clonados ao envelhecimento precoce e a outras doenças 6 – Após dez anos e meio do regime de paridade com o dólar, o governo argentino desvaloriza o peso em 28,57% e estabelece um sistema de câmbio com duas cotações – uma fixa, de 1,40 peso por dólar, para o comércio exterior, e outra livre, para as demais operações

9 – Argentina anuncia o confisco das aplicações em dólares, estimadas em US$ 30 bilhões, até 2003, e o adiamento, por mais um dia, do feriado bancário e fiscal, em vigor desde 21 de dezembro – Chegam ao fim três semanas de relativa calma em Israel e nos territórios ocupados na Faixa de Gaza e Cisjordânia. Dois militantes palestinos atacam um posto militar no sul de Israel e executam quatro soldados antes de serem mortos 10 – O presidente Fernando Henrique Cardoso sanciona o novo Código Civil, conjunto de 2.046 artigos sobre questões centrais da vida social, que entrará em vigor em um ano 11 – FHC sanciona a Lei Antidrogas – O pugilista Acelino Popó Freitas der-

rota por pontos, em Las Vegas (EUA), o cubano Joel Casamayor, conquistando o título da Associação Mundial de Boxe na categoria super-penas 14 – O Bradesco adquire o controle do Banco Mercantil por R$ 1,372 bilhão. Com a compra, consolida a liderança no mercado de varejo entre bancos privados, com R$ 116,281 bilhões de ativos, 12 milhões de clientes e 2.790 agências – A Organização Mundial de Comércio (OMC) condena o sistema de subsídios à exportação dos EUA, na maior derrota sofrida pelo país na entidade. A decisão permite à UE impor sanções de até US$ 4 bilhões às exportações americanas 15 – Morre no Hospital Santa Isabel, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo,

o ex-deputado federal, empresário e jornalista Herbert Victor Levy, fundador do jornal Gazeta Mercantil – A Autoridade Palestina (AP) prende o chefe da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), Ahmed Saadat. A facção, marxista, assumira a autoria da execução do ministro israelense de Turismo, Rehavam Zeevi, em outubro 16 – Relatório indica que a queda do Concorde da Air France ao norte de Paris, em 2000, que matou 113 pessoas, foi provocada por uma peça deixada na pista do Aeroporto Charles de Gaulle por um DC-10 da Continental Airlines 17 – Por falta de provas, a CorregedoriaGeral da União (CGU) arquiva denúncia de tráfico de influência contra o ex-secretá-

rio-geral da Presidência, Eduardo Jorge Caldas Pereira. Ele era acusado de ter influenciado decisões de fundos de pensão de estatais – Dois bandidos são resgatados de helicóptero do Presídio José Parada Neto, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Ailton Alves Feitosa, de 39 anos, e Dionísio Aquino Severo, de 37, estavam condenados a mais de 40 anos de prisão 18 – O prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT), é seqüestrado na zona sul de São Paulo. Ele jantara num restaurante dos Jardins com um amigo, o empresário Sérgio Gomes da Silva, que teve sua Pajero cercada e alvejada por ocupantes de dois automóveis. Os criminosos fugiram levando apenas Celso Daniel

Produto: ESTADO - BR - 3 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H3 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 3 - 31/12/02

H3 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-3:20021231:

NACIONAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H3

A MAIS LONGA DAS CAMPANHAS
Ed Ferreira/AE - 4/12/02

‘ ‘ ‘ ‘ ‘ ‘ ‘

A candidatura Roseana é como as propagandas de cerveja. Primeiro, ela foi a paixão nacional. Depois, virou a número um. E agora ela desce redondo
Deputado Rubens Bueno (PPS-PR)

Dois anos depois, a sucessão consagrou um metalúrgico e iniciou uma transição pacífica

N

Estou com medo. Faz tempo que eu não tinha este sentimento... porque sinto que o Brasil, nesta eleição, corre o risco de perder a estabilidade conquistada
Regina Duarte, atriz, no programa de José Serra

Fernando Henrique em seu gabinete no Palácio do Planalto: atitude distante e diplomática garantiu uma eleição sem sobressaltos
Léo Corrêa/O Dia - 25/10/2002

a campanha mais longa de todas, a eleição de 2002 começou no final de 2000, quando o governador de São Paulo, Mário Covas, já enfermo, lançou seu colega do Ceará, Tasso Jereissati, como presidenciável do PSDB. Em 2001 foi a vez do PFL lançar a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, que estrelou todos os programas do partido em rede nacional. A candidatura não era para valer, mas Roseana cresceu tanto que começou 2002 como principal concorrente de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ao contrário, Tasso perdia força por não assumir sua candidatura. Nesse cenário, a primeira polarização da campanha em 2002 ocorreu entre Roseana e o ministro da Saúde, José Serra, aclamado candidato do PSDB em fevereiro. Os dois disputavam a condição de anti-Lula, mas o duelo não durou muito. No início de março, a candidatura Roseana foi fulminada por uma pilha de dinheiro encontrada no escritório da governadora (ver matéria nesta página).

Estou chocada com o uso do terrorismo, do medo numa campanha. Há muito tempo não me sentia tão revoltada como cidadã, como eleitora
Paloma Duarte, atriz, em resposta a Regina Duarte, no programa de Lula

Não esperem de mim ações de militante radical porque eu não vou nessa direção
Lula e Serra no último debate da campanha, na TV Globo: eleição terminou de forma civilizada, sem grandes denúncias ou dossiês
Louise Maria/Jornal do Tocantins - 7/3/2002

Estragos – Com Roseana fora, Serra tornou-se o único candidato governista na disputa. A verticalização das alianças, imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), impediu que PMDB e PPB tentassem uma candidatura própria ou que o PFL buscasse outro nome. O episódio da pilha de notas, porém, causou estragos na candidatura Serra. O PFL responsabilizou o tucano pela divulgação do escândalo e rompeu com o governo. Boa parte dos pefelistas rumou para a candidatura Ciro Gomes (PPS). Com o enfraquecimento de Serra e uma boa ajuda da atriz Patrícia Pillar, sua namorada, Ciro cresceu tanto que em julho chegou a ultrapassar o tucano e empatar com Lula na simulação de segundo turno. Cabia a Serra desbancar Ciro. Estava criada a segunda polarização e Lula, mais uma vez, acabou poupado. Fôlego – A guerra entre Serra e Ciro derrubou o candidato do PPS e deu fôlego suficiente para o tucano chegar ao segundo turno. Mais uma vez, porém, Serra saiu chamuscado. Lula esteve próximo de vencer a eleição na primeira rodada. Não conseguiu, mas obteve o dobro de votos do segundo colocado. Foram 39,4 milhões de votos para o petista contra 19,7 milhões de votos do tucano. Com o apoio de Ciro e Anthony Garotinho (PSB), Lula só precisou administrar a vantagem nos 20 dias de campanha do segundo turno. Nesse período, o favoritismo de Lula, a campanha civilizada de Serra e a atitude diplomática do presidente Fernando Henrique Cardoso garantiram uma das campanhas mais tranqüilas dos últimos tempos. Nem parecia que o País iria passar por uma das maiores mudanças da era republicana. Antes do anúncio da vitória de Lula, por 52,7 milhões contra 33,3 milhões de votos, Serra já havia reconhecido a derrota e cumprimentado o adversário. Dois dias depois, o presidente recebeu o sucessor no Palácio do Planalto. O dólar manteve sua cotação e até apresentou uma leve queda. Dois anos após seu início, a mais longa campanha havia transformado a eleição de um ex-metalúrgico numa transição tranqüila, num fato típico das democracias mais estáveis. (S.B.)
tor Francisco José Lins do Rego Santos 8 – Morre aos 80 anos em Niterói (RJ), vítima de infarte, Thomaz Soares da Silva, o Zizinho, um dos maiores jogadores da história do futebol brasileiro 12 – A Gaviões da Fiel conquista o terceiro título do carnaval de São Paulo. A escola obteve a nota máxima de 200 pontos com o enredo Xeque-Mate – Cientistas dos EUA e da Grã-Bretanha concluem o seqüenciamento do genoma do principal agente causador da malária, o Plasmodium falciparum. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença mata 1 milhão de crianças por ano só na África 13 – A Mangueira é a campeã do carnaval carioca. Com um enredo sobre o

Fernando Henrique Cardoso

Toda a vez que o Ciro abre a boca, o dólar sobe e uma fábrica fecha
José Serra

A PILHA QUE DERRUBOU ROSEANA
No primeiro dia de março, a candidatura da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PFL), começou a desmoronar de uma pilha de notas de R$ 50,00. No total, a Polícia Federal achou R$ 1,34 milhão, em espécie, no edifício de três empresas de Roseana e do seu marido, Jorge Murad, em São Luiz (MA). A fotografia e a imagem das notas, estampadas em todos os veículos impressos e eletrônicos mudou o rumo de toda a campanha. Roseana desistiu do sonho presidencial (acabou eleita senadora), o PFL saiu do governo e o candidato José Serra (PSDB) virou o vilão da eleição. A pilha de dinheiro teve sete versões. Na última, Murad disse que eram recursos para a campanha de Roseana, mas não revelou o nome dos doadores. Dinheiro encontrado na Lunus, empresa de Roseana e Jorge Murad: fim do sonho presidencial

Tudo o que eu quero é ser fiscal de praia

Ciro Gomes, sobre sua participação no governo Lula

Essa foi possivelmente a mais sensata, a mais democrática transição já vista no País
Luiz Inácio Lula da Silva

– Caças israelenses destroem edifício da AP em Tulkarem, Cisjordânia 19 – Morre, aos 67 anos, o atacante Vavá, bicampeão mundial em 1958 e 1962. Vavá, que se consagrou no Vasco, atuou também pelo Sport, Palmeiras, Portuguesa e Atlético de Madri 20 – Celso Daniel é encontrado morto, com vários tiros de pistola, em Juquitiba, Grande São Paulo. Líderes do PT denunciam motivação política no crime – Argentina decide promover a “pesificação” integral da economia. Todos os depósitos e dívidas serão transformados em pesos pelo câmbio oficial de 1,40 21 – O rompimento de um cabo na linha de transmissão que liga a Hidrelétrica de Ilha Solteira à subestação de Araraqua-

ra (SP) causa apagão em dez Estados e no Distrito Federal. Relatório do Operador Nacional do Sistema (ONS) apontaria mais tarde um parafuso frouxo como causa do blecaute 23 – Instituto Médico-Legal (IML) do Rio divulga laudo de exames toxicológicos realizados no sangue, nas vísceras e na urina da cantora Cássia Eller, morta em dezembro. Os exames não acusaram presença de entorpecentes 24 – O Tribunal de Justiça (TJ) do Rio concede indulto a Paula Thomaz, co-autora do assassinato da atriz Daniela Perez, em dezembro de 1992 25 – O juiz da 1.ª Vara Criminal Federal do Rio, Marcos Bizzo Moliari, condena 14 dos 18 réus nos processos de gestão frau-

dulenta no Banco Nacional. Entre os presos estão o ex-presidente, Marcos Catão Magalhães Pinto, e oito executivos – O promotor de Defesa do Consumidor Francisco José Lins do Rego Santos, de 43 anos, é assassinado a tiros em Belo Horizonte. Santos investigava a chamada “máfia dos combustíveis”, responsável pela venda de gasolina adulterada 28 – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, concede habeas-corpus a oito ex-dirigentes do Banco Nacional – OMC dá ganho de causa ao Brasil e considera ilegais os subsídios do Canadá às exportações da Bombardier, alegando que prejudicaram as vendas da Embraer no mercado internacional

– Mais de 1.100 pessoas morrem afogadas ao se atirarem nos vários canais de Lagos, capital da Nigéria, para fugir da série de explosões num depósito de munição do Exército 30 – Termina o mais longo seqüestro da história de São Paulo. O empresário Roberto Benito Júnior, de 35 anos, diretor das Lojas Cem, é libertado no Sul de Minas, após 119 dias em cativeiro

FEVEREIRO
2 – O publicitário Washington Olivetto é libertado após 53 dias de cativeiro na Rua Kansas, no Brooklin, zona sul de São Paulo. O desfecho do seqüestro começara no dia anterior, com a prisão de seis inte-

grantes da quadrilha, em Serra Negra (SP). O grupo tinha como chefe Maurício Hernandez Norambuena, quarto homem na hierarquia da Frente Patriótica Manuel Rodrigues (FPMR), braço armado do Partido Comunista chileno durante a ditadura de Augusto Pinochet 4 – O presidente George W. Bush envia ao Congresso um orçamento com o maior aumento nos gastos militares em 21 anos. Dos US$ 2,13 trilhões previstos, US$ 379 bilhões serão destinados ao Pentágono para, segundo Bush, “vencer a luta contra o terrorismo” – O empresário Luciano Farah Nascimento, dono da Rede West de postos, de Belo Horizonte, confessa ter sido o mandante e co-autor do assassinato do promo-

Produto: ESTADO - BR - 4 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H4 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 4 - 31/12/02

H4 -

H4 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-4:20021231:

NACIONAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

CACIQUES NA BERLINDA

Epitácio Pessoa/AE

Geraldo Alckmin, reeleito governador de São Paulo: na contra-mão do fracasso dos caciques, tucano alcançou a reeleição numa disputa com o PT, deixando o malufismo e o quercismo para trás

Seis ex-governadores e um ex-presidente foram barrados pelas urnas, que consagraram políticos mais novos. É outra transição que começa.
SILVIO BRESSAN

O

sucesso da transição democrática em 2002 também pode ser medido pelo número de “caciques” ou políticos tradicionais barrados pelas urnas. A lista vai desde o ex-presidente da República, Fernando Collor (PRTB), até o ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta (PSL). Entre os banidos pelo voto chamaram atenção seis ex-governadores que nas duas últimas décadas estiveram entre os políticos mais influentes do País: Orestes Quércia (PMDB), Paulo Maluf (PPB), Leonel Brizola (PDT), Gilberto Mestrinho (PMDB), Antonio Britto (PPS) e Íris Rezende (PMDB). Os três primeiros já concorreram à Presidência e os dois últimos ocuparam ministérios importantes. Em 2002 não conseguiram sequer o Senado e quem tentou o governo não chegou nem ao segundo turno. Foi o caso do do ex-governador e ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf, que pela primeira vez não conseguiu ultrapassar o primeiro turno. Com 4,1 milhões de votos, Maluf ficou atrás de Geraldo Alckmin (PSDB) e José Genoíno (PT) na disputa pelo governo paulista. Foram dois milhões de votos a menos do que Genoíno, segundo colocado, e 800 mil abaixo do deputado José Aníbal (PSDB), quarto colocado para o Senado. Outros que tentaram voltar

ao governo também fracassaram. Em Minas, o ex-todo poderoso Newton Cardoso foi atropelado por Aécio Neves (PSDB), que venceu a disputa no primeiro turno, e por Nilmário Miranda (PT), que chegou em segundo. Ex-governador de Minas e atual vice de Itamar Franco, Newton fez apenas 6,7% dos votos. Não

foi melhor a sorte de Antonio Britto, ex-governador do Rio Grande do Sul e ex-ministro da Previdência, que acabou em terceiro lugar, com 12,3% do eleitorado. Um pouco melhor, o ex-governador do Amazonas, Gilberto Mestrinho, chegou em segundo lugar, com 20,9%, mas ainda assim perdeu no primeiro turno para Eduardo Braga (PPS), que fez 52,3% dos votos. Mestrinho, aliás, ficou bem mais perto do terceiro do que do primeiro lugar, já que Serafim Corrêa (PSB) ter-

minou com 20,8% dos votos. Em segundo lugar também ficou o ex-presidente Collor, que já governou Alagoas antes de ocupar o Planalto. Desta vez, porém, Collor não só perdeu no primeiro turno, fazendo 40% dos votos contra 52,9% do governador Ronaldo Lessa (PSB), como ainda viu toda a antiga “República de Alagoas” ruir nas urnas. Seu filho Arnon (PRTB), candidato à deputado federal; o primo Euclydes Mello (PT do B); o cunhado Vitório Malta (PRTB); e os aliados Augusto

Farias (PPB), irmão de PC Farias, e Cleto Falcão (PT do B) não se elegeram. Por temer fracassos assim, os ex-governadores Orestes Quércia (São Paulo), Leonel Brizola (Rio de Janeiro) e Íris Rezende (Goiás) tentaram o Senado, mas nem assim se saíram melhor. O senador ìris Rezende, ex-ministro da Agricultura e da Justiça, perdeu a reeleição para o estreante Demóstenes Torres (PFL). Quércia, que já foi um dos senadores mais votados do País, fez 5,5 milhões de votos e ficou atrás

A POLÍTICA NA ESTANTE
Campanha disputada rendeu biografias e regime militar ganhou seu melhor registro
HAROLDO CERAVOLO SEREZA

A

eleição de 2002 foi também disputada nos livros. Sinal de um País mais letrado ou de uma elite mais interessada na vida política? É difícil responder, mas o fato é que não houve candidatura forte à Presidência que ignorasse as livrarias. Também é preciso considerar uma característica específica da campanha deste ano – o seu início antecipado, com a presença de fortes candidaturas desde o primeiro semestre, o que favoreceu a organização de editoras e candidatos dispostos a expor suas idéias e ideais mais detalhadamente.

Além da corrida eleitoral, este também foi um ano em que a política foi explorada pelos editores de forma mais ampla. No fim de novembro, chegaram às livrarias os dois primeiros livros do jornalista Elio Gaspari sobre o regime militar, A Ditadura Envergonhada e A Ditadura Escancarada (Companhia das Letras). Gaspari tem em seu poder os arquivos pessoais do general Golbery do Couto e Silva e Heitor Aquino Ferreira. Golbery (1911-87) criou o SNI (Serviço Nacional de Informações) em 1964 e foi chefe do Gabinete Civil da Presidência de 1974 a 81. Aquino foi secretário de Golbery e do ex-presidente Ernesto Geisel. Para o brazilianista Thomas Skidmore, a versão de Gaspari “é a mais profunda, a mais rica e a mais definitiva de todas” as já feitas sobre o período. Ciro Gomes, agora ministro de Lula, e José Serra travaram

a disputa também no mercado editorial, Quando o livro de Ciro, Um Desafio Chamado Brasil (Civilização Brasileira), lançado em maio, já vendera 13 mil exemplares e figurava nas listas de mais vendidos, Serra lançou, em agosto, O Sonhador que Faz (Record), sua biografia oficial sob forma de entrevista, realizada pelo jornalista Teodomiro Braga. Serra também teve relançado Ampliando o Possível (Campus), sobre sua passagem pelo Ministério da Saúde, obra que vendeu mais de 20 mil exemplares. Já Anthony Garotinho preferiu utilizar o livro para fazer proselitismo entre os evangélicos – e fez sucesso com seu autobiografia Virou o Carro, Virou a Minha Vida (Soma), que narra sua conversão ao presbiterianismo. Lula, que assina a organização de Custo Brasil (Vozes), de 1997, não lançou obra de “próprio punho” neste ano.

Mas sua campanha foi reforçada por um intelectual de peso, Cândido Mendes, que escreveu Lula: A Opção Mais que o Voto (Garamond). No campo da análise do comportamento do Congresso e dos eleitores brasileiros, um destaque foi o livro de Leôncio Martins Rodrigues, Partidos, Ideologia e Composição Social (Edusp). Rodrigues defende, em linhas gerais, que o ambiente político brasileiro vem amadurecendo desde a redemocratização e que quem mais cria problema para a formação de maiorias, nos Parlamentos, é a fragmentação entre os maiores partidos, e não entre os pequenos. Em outras palavras, ele acha que as tradicionais receitas de reforma política (voto distrital e cláusula de barreira, por exemplo) trariam mais confusão que estabilidade.

de Romeu Tuma (PFL), com 7,2 milhões, e Aloizio Mercadante (PT), com 10,4 milhões de sufrágios. Pior ainda fez Brizola, exgovernador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro e terceiro colocado na eleição presidencial de 1989, que não passou de um sexto lugar na disputa pelo Senado no Rio. Os esquálidos 8,2% de votos obtidos pelo brizolismo ficaram como um dos atestados mais eloqüentes da decadência dos caciques em 2002. Nem mesmo chefes menores, como os ex-presidentes da Câmara Paes de Andrade (PMDBCE) e Ibsen Pinheiro (PMDBRS), conseguiram uma vaga de deputado federal. Como eles, o ex-prefeito Celso Pitta tentou uma vaga na Câmara, mas ficou sem mandato. Para o cientista político Jairo Nicolau, nenhuma surpresa. “Os políticos vocacionados para a província, que cultivam sua vida lá, estão sendo atropelados pela modernização e pelo eleitorado mais jovem, com mais vitalidade e informação”, explica Nicolau. Já seu colega, Fábio Wanderley Reis, ressalva que o eleitor desatento continua à disposição de novos líderes personalistas. “É preciso lembrar que Enéas levou 1,5 milhão de votos em São Paulo.” Para Leôncio Martins Rodrigues, está havendo apenas uma renovação de caciques. “Estamos assistindo a uma mudança na elite política.” A votação expressiva de políticos mais jovens, como Alckmin e Aécioparece apontar nessa direção. Também aqui, 2002 terá servido como ponto de partida para uma transição.
morte de seis soldados num posto militar – Após acusar as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) de seqüestrarem um avião com o senador Jorge Eduardo Turbay a bordo, o presidente Andrés Pastrana suspende as negociações de paz com a guerrilha – Polícia Civil aponta, oficialmente, o servente Ivan Rodrigues da Silva, o Monstro, como líder da quadrilha que seqüestrou e assassinou Celso Daniel. Condenado por roubo, Monstro é foragido da Penitenciária de Sorocaba (SP), onde cumpria pena em regime semi-aberto 21 – O Departamento de Estado dos EUA confirma o assassinato do jornalista Daniel Pearl, repórter do The Wall Street Journal, seqüestrado por extremistas is-

Nordeste, obteve 399,5 pontos, 0,1 a mais que a Beija-Flor de Nilópolis – Granada explode na portaria do prédio da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado, no centro de São Paulo, ferindo cinco funcionários. A polícia encontra diante do edifício um lençol com ameaças assinadas pela facção Primeiro Comando da Capital (PCC) 14 – Bush anuncia plano para que os EUA ajudem a reduzir o aquecimento global. Mas em vez de cumprir o Protocolo de Kyoto, acordo internacional de combate ao efeito estufa, cortando a emissão de gases, o projeto atrela a meta ao Produto Interno Bruto (PIB). O objetivo de Bush é diminuir a emissão de gases de 183 toneladas para cada US$ 1 milhão do PIB para

151 toneladas em 2012 – Confronto entre 150 policiais militares e 500 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) numa área invadida por 5 mil pessoas em Ananindeua (PA) termina com 70 feridos. Foi o maior choque entre PMs e invasores desde o massacre de 19 sem-terra em Eldorado dos Carajás, em 1996 – O ministro de Transportes e Comunicações do Afeganistão, Abdul Rahman, é linchado no Aeroporto de Cabul por peregrinos furiosos com o cancelamento de um vôo para o santuário de Meca. Rahman cancelara a excursão para que o avião o levasse para a Índia com a família 16 – Agentes da Polícia Federal (PF) prendem em Belém e Brasília o ex-senador

Jader Barbalho (PMDB-PA), os ex-superintendentes da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) José Artur Guedes Tourinho e Maurício Barreira Vasconcelos, o empresário Geraldo Pinto da Silva e a contadora Maria Auxiliadora Barra Martins, acusados de envolvimento nas fraudes do Fundo de Investimentos da Amazônia (Finam). Horas depois, o juiz Fernando Tourinho Neto, presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1.ª Região, em Brasília, concede liminar em habeas-corpus libertando todo o grupo, com exceção de Silva 17 – Sede da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado sofre novo atentado à bomba – Pelo menos 129 pessoas morrem em

ataques da guerrilha maoísta no Nepal – Dois palestinos morrem num ataque à base de treinamento militar de Israel em Hadera. O episódio ocorreu horas depois de caças e helicópteros israelenses destruírem quatro edifícios em Nablus, entre eles o quartel-general da polícia e uma residência do líder Yasser Arafat 18 – No primeiro aniversário da megarrebelião que paralisou o sistema prisional paulista, o PCC promove motins em duas unidades da capital – o Cadeião de Pinheiros e o Centro de Detenção Provisória (CDP) do Belém 2 – e elimina 17 detentos rivais em outras oito cidades. Uma granada atinge a sede do Instituto de Previdência do Município (Iprem), perto do Departamento de Investigações Criminais

(Deic), na zona norte – O conflito palestino-israelense tem, em 24 horas, o período mais sangrento em 17 meses de Intifada, com 20 palestinos e 6 israelenses mortos 20 – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduz a taxa de juros básicos da economia, a Selic, de 19% para 18,75% por ano – Justiça do Tocantins abre processo contra Jader e mais 58 suspeitos de fraudes na extinta Sudam. Jader é acusado de formação de quadrilha, estelionato e lavagem de dinheiro – Bombardeios israelenses matam 18 palestinos e quase atingem o escritório de Arafat, em Ramallah, na Cisjordânia. Os ataques foram uma retaliação contra a

Produto: ESTADO - BR - 5 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H5 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 5 - 31/12/02

H5 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-5:20021231:

NACIONAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H5

CONGRESSO EM RITMO LENTO

Roberto Castro/AE

Plenário do Senado, duplicado pelo reflexo do espelho: em ano eleitoral, exigências da nova regra sobre MPs atrapalharam ainda mais as votações e trancaram a pauta na maior parte do tempo

Algumas matérias importantes foram aprovadas, mas na maior parte do tempo a pauta ficou trancada pela nova regra das MPs
GILSE GUEDES

RASÍLIA – Embora tenha trabalhado mais do que se poderia esperar em um ano eleitoral, o Congresso acabou sendo a maior vítima das novas regras para a edição de medidas provisórias (MPs). Concebida para reforçar o Congresso diante do Executivo, a nova regra que fixou prazos para análise das MPs pelo Legislativo e restringiu seu uso pelo go-

B

verno acabou, na prática, trancando a pauta de votações. A mudança constitucional foi feita em 2001, mas seus efeitos no Legislativo ficaram evidentes somente neste ano, quando as diretrizes para a tramitação das MPs na Câmara e Senado foram aprovadas. Ao longo do ano, o Congresso foi posto em xeque. Diversas vezes, teve seus trabalhos paralisados por causa de um dispositivo da emenda constitucional

estabelecendo que, a partir do 45º dia de vigência de uma medida provisória, a pauta de votação da Câmara ou do Senado, fica trancada. Nessa situação, nada mais pode ser votado pelos 513 deputados e 81 senadores até a análise das provisórias com prazos vencidos. Para o PT, partido que comandará o País nos próximos quatro anos, a alteração foi correta. Entretanto, a cúpula petista avalia que o Congresso terá de ser mais rápido na apreciação das MPs. “A nova sistemática é importante. O problema é que a Câmara e o Senado têm de ser mais ágeis”, diz o presidente do PT, José Genoino.

Entre as 51 MPs analisadas ca e de 9% da Contribuição Sopelo Congresso este ano, uma cial sobre Lucro Líquido delas chamou a atenção: a me- (CSLL). Só com a MP 66, o godida provisória 66, da minirre- verno Lula terá uma receita exforma tributária, tra de pelo meaprovada no finos R$ 3,4 binal dos trabalhos lhões em 2003. O FINAL, legislativos. Por Foi incluída causa dessa MP ainda a possibiliAUMENTO e mais outras 30, dade de se elevar a pauta de votaa Contribuição EM CAUSA ções do Congresde Intervenção so ficou bloqueasobre Domínio PRÓPRIA da durante quaEconômico (Cise todo o segunde) - em até 72%. do semestre. Prorrogou-se Polêmica, a MP 66 foi apro- também o fundo de compensavada garantindo a prorrogação ção dos Estados pelas perdas das alíquota de 27,5% do Im- da Lei Kandir, que isenta de posto de Renda da Pessoa Físi- ICMS as exportações. A pres-

N

são foi do então presidente da Câmara e governador eleito de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB). Foram aprovadas ainda a emenda constitucional que autoriza a cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até 2004; a MP que regulamentou a entrada de capital estrangeiro nas empresas de comunicação; e, por fim, uma decisão muito oportuna para os próprios congressistas. No apagar das luzes, deputados e senadores elevaram seus salários de R$ 8.240 para R$ 12.720 por meio de um projeto de decreto legislativo.

‘ ‘

Não se pode utilizar a algema para chegar-se à humilhação. Tive a impressão de estarmos vivendo uma época de verdadeiro faroeste.
Marco Aurélio Mello, presidente do STF, sobre a prisão de Jader Barbalho

A VOLTA POR CIMA
Depois de renunciar, ACM, Jader e Arruda conseguiram retornar ao Congresso
RASÍLIA – Nos próximos quatro anos, Antonio Carlos Magalhães, José Roberto Arruda e Jader Barbalho, denunciados por prática de irregularidades, voltarão a legislar. Foram eleitos este ano. ACM para o Senado, Arruda e Jader para a Câmara. Num dos maiores escândalos da história do Congresso, ACM e Arruda foram acusados de violar o sistema eletrônico de votação do Senado. Para não terem seus mandatos cassados, tiveram de renunciar em 2001. Nessa avalanche, Jader teve de fazer o mesmo diante das pesadas acusações sobre desvio de recursos da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Mas o eleitor parece não ter se importado tanto com as denúncias. Na eleição para a Câmara, Arruda disputou uma vaga pelo PFL do Distrito Federal e foi o depu-

Wanderley Lima/Folha Popular - 16/2/2002

‘ ‘

B

O presidente Fernando Henrique Cardoso já sabia de todas essas coisas quando Jader foi eleito presidente do Senado

Antonio Carlos Magalhães

Paguei um preço desproporcional ao erro cometido. Eu me sinto como o sujeito que furou um sinal de trânsito
José Roberto Arruda

Denunciado por desvios de recursos na Sudam, Jader Barbalho chegou a ser preso e algemado tado mais bem votado do País com 26,53% dos votos válidos. Fez dobradinha política com o governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PMDB), que conseguiu se reeleger apesar das denúncias sobre sua suposta ligação com grileiros de terras. No Pará, Jader, que chegou a ser preso e algemado em fevereiro deste ano, foi eleito deputado pelo PMDB. Ainda com força na Bahia, seu inimigo ACM (PFL) venceu a disputa no estado para retomar sua carreira no Senado. E ainda elegeu Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL) deputado federal, que obteve 400.275 votos.

Permita-me recordar-lhe que V.S.ª deixou o convívio dos senadores, renunciando ao mandato, não porque tivesse feito denúncias, mas por deixar-se envolver na violação do painel de votação

Fernando Henrique Cardoso, em resposta à ACM

lâmicos no Paquistão em 23 de janeiro – A cidade do Rio de Janeiro registra o maior número de casos de dengue num único dia: 1.382. Com isso, o número de notificações no município chega a 11.646, 254 delas do tipo hemorrágico 22 – Justiça decreta o seqüestro de bens de Jader e outros oito acusados de fraudes na Sudam. O patrimônio de Jader está avaliado em R$ 2,6 milhões. – O Exército de Angola mata, na província de Moxico, Jonas Savimbi, que por 30 anos liderou o grupo rebelde Unita 24 – Crítica ferrenha da guerrilha, a senadora Ingrid Bettancourt, candidata à presidência pelo partido ambientalista Oxigênio, é seqüestrada pelas Farc – O senador e ex-ministro da Saúde, Jo-

sé Serra, é aclamado pré-candidato do PSDB à Presidência, em pré-convenção – Exército israelense remove tanques que cercavam os escritórios da AP, mas proíbe a saída de Arafat de Ramallah, onde está confinado desde dezembro – Choques entre as Farc e paramilitares causam 73 mortes em uma semana 25 – Polícia prende em Itu o seqüestrador mais procurado do Estado, Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho. Ele é acusado de ter praticado 11 seqüestros na região de Campinas em dois anos 27 – Duhalde fecha acordo com os governadores das províncias. O pacto é uma das exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI) para negociar uma nova linha de crédito com o país

– O tenista Gustavo Kuerten é submetido a artroscopia no quadril – Comitê da Câmara dos Lordes decide liberar a clonagem de embriões humanos com fins terapêuticos. A legislação britânica é a primeira do mundo a autorizar a criação de embriões especificamente para pesquisa – Polícia conclui que os assassinatos dos prefeitos Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, de Campinas, e Celso Daniel foram crimes comuns. Segundo a polícia, integrantes do bando de Andinho mataram Toninho quando tentavam roubar seu carro. Daniel foi executado por uma quadrilha de 13 pessoas que procurava alguém para seqüestrar 28 – Acaba o racionamento de energia

no Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do País. O total de energia economizada corresponde ao consumo, durante um ano, de 7,2 milhões de residências – Andinho ordena, por telefone, a libertação de duas irmãs seqüestradas havia 24 dias em Americana (SP). As vítimas são achadas amordaçadas e amarradas a uma árvore num matagal

MARÇO
1 – PF apreende em São Luís documentos no edíficio onde funcionam a empresa Lunus e pelo menos outras duas ligadas ao gerente de Planejamento do Maranhão, Jorge Murad, e à sua mulher, a pré-candidata à Presidência pelo PFL e governado-

ra do Estado, Roseana Sarney. Os policiais cumpriam mandado expedido pela Justiça Federal do Tocantins com base em denúncias sobre uso de recursos da Sudam. Com os documentos, a PF apreende R$ 1,34 milhão em espécie 2 – A senadora Martha Catalina Daniels, do Partido Liberal, é assassinada, com outras duas pessoas, perto de Bogotá. Os corpos foram encontrados com sinais de tortura e tiros na cabeça. Autoridades atribuem o crime às Farc 3 – O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, anuncia sua saída do governo. É a primeira reação do grupo de Roseana à operação da PF na Lunus 5 – Roseana lança ultimato ao PFL: ou o partido rompe com o governo ou ela reti-

ra a pré-candidatura à Presidência – Bush deflagra guerra comercial no mercado mundial de aço ao impor limites e sobretaxas de 8% a 30% na importação de produtos siderúrgicos. O Brasil deve ficar com 51% da cota de importação, de 5,4 milhões de toneladas – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulga regras determinando a verticalização das coligações para a eleição presidencial: legendas que lançarem candidato ao Planalto não poderão se coligar na eleição para governador, senador e deputados a partidos que disputem o cargo majoritário federal com outra aliança – PM monta bloqueio com quase cem homens em pedágio da Rodovia Senador José Ermírio de Moraes, perto de Soro-

Produto: ESTADO - BR - 6 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H6 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 6 - 31/12/02

H6 -

H6 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-6:20021231:

NACIONAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

CENAS E FRASES

Roberto Castro/AE

‘ ‘ ‘ ‘ ‘ ‘

Fui eleito pelo PT, mas serei o presidente de todos os brasileiro
Luiz Inácio Lula da Silva

Espero que o PSDB não faça com o PT o que o PT faz comigo
Fernando Henrique Cardoso

Se Lula ganhar, será o fim da era dos coronéis e bacharéis
Thomas Skidmore
Ricardo Fernandes/Diário de Pernambuco - 22/6/2002

José Serra e Rita Camata, em Pernambuco, durante a campanha

Após receber com lágrimas o diploma do TSE, Lula chora outra vez ao ser abordado nas ruas Brasília: um dia de muitas emoções
Marcio Fernandes/AE - 25/8/2002

É como cruzamento de cavalo com vaca: não puxa carroça nem dá leite

‘ ‘ ‘

Lulinha não quer briga, Lulinha quer paz e amor
Luiz Inácio Lula da Silva

Milton Temer (PT), sobre a indicação de José Alencar (PL) como vice de Lula

Estou feliz que a incerteza tenha terminado, mas Lula deve assegurar aos mercados que não é um louco

Tome vergonha homem, isso é uma eleição
Carlos Casaes/A Tarde - 2/8/2002

Senador Roberto Freire sobre a frase de Lula

Paul O’Neill, secretário do Tesouro dos EUA

A minha companheira tem um dos papéis mais importantes, que é domir comigo. Eu diria que é um papel fundamental
Ciro Gomes
Evelson de Freitas/AE - 3/8/2002

Em Salvador, candidato Ciro Gomes recebe agrados de ACM


Minas e Energia, José Cecchin assumirá a Previdência e Caio de Carvalho será ministro de Esportes e Turismo – Ofensiva militar de Israel em campos de refugiados deixa 18 mortos na Cisjordânia. Com isso sobe para 110 – 77 palestinos e 31 israelenses – o total de mortes na semana mais sangrenta desde o início da Intifada, há 17 meses 8 – PM desarma bomba em porta-malas de um Escort no estacionamento do Fórum Ministro Mário Guimarães, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo 10 – Exército de Israel destrói o principal QG de Arafat em Gaza, considerado símbolo da AP. Dois palestinos morrem e mais de 20 ficam feridos 11 – Sharon levanta o confinamento de

Tudo o que eu quero é ser fiscal de praia

Garotinho, você está na emissora certa, mas no programa errado. Você deveria estar no Casseta e Planeta
José Serra, durante debate na TV Globo

Ciro Gomes, sobre sua participação no governo Lula

Como você pode ver, telespectador, o candidato tem vergonha do governo dele
Anthony Garotinho sobre José Serra
Fábio Motta/AE - 9/10/2002

Durante passeio em São Paulo, Rita Camata cai da bicicleta, diz que está fora de forma e vai embora
Evelson de Freitas/AE - 3/8/2002

Em campanha na capital, Paulo Maluf tenta conquistar um voto
caba (SP), e abre fogo contra comboio formado por um ônibus, duas picapes e um carro, matando 12 integrantes do PCC 6 – UE recorre à OMC contra a decisão americana de impor tarifas de até 30% sobre as importações de aço – Preso numa favela da zona oeste de São Paulo, L.S.N., de 17 anos, confessa o assassinato de Celso Daniel – A epidemia de dengue no Estado do Rio já ultrapassa o total de casos registrados no surto de 1991. São 69.427 notificações e 27 mortes 7 – Executiva Nacional do PFL confirma decisão de deixar o governo. Para substituir os ministros demissionários, FHC anuncia que o ministro-chefe da Casa Civil, Pedro Parente, vai acumular a pasta de

Duda Mendonça inicia gravações para o programa de TV de Lula
Arafat em Ramallah, iniciado em dezembro. O líder, porém, continua proibido de sair da Faixa de Gaza e Cisjordânia 12 – Murad assume a responsabilidade pelo R$ 1,34 milhão apreendido na Lunus. Na sétima versão apresentada sobre a origem do dinheiro, diz que os recursos foram recolhidos para bancar a campanha presidencial da governadora, o que configura crime eleitoral por ter sido arrecadado antes do prazo legal – O plantio e o comércio de alimentos transgênicos são aprovados em votação simbólica na Comissão Especial da Câmara dos Deputados 13 – Conselho de Segurança da ONU aprova, por 14 votos a favor e 1 abstenção, resolução que defende a criação de um Estado palestino 14 – O governo de Israel anuncia a desocupação de Ramallah 15 – Granada arremessada por motociclista explode no Fórum de Osasco, na Grande São Paulo, em mais um atentado atribuído ao PCC 18 – O secretário de Justiça dos EUA, John Ashcroft, anuncia o indiciamento de quatro guerrilheiros colombianos e dois brasileiros por narcortráfico. Os brasileiros são Luís Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, e o fazendeiro goiano Leonardo Dias Mendonça – Luiz Inácio Lula da Silva vence as prévias do PT para definir o nome do candidato da legenda à Presidência da República. Lula recebe 84,3% dos votos válidos

No Rio, Garotinho, Rosinha e Miguel Arraes discutem o 2.º turno
(111.300), contra 15,7% (20.453) dados ao senador Eduardo Suplicy (SP) – Em menos de três meses de epidemia, o número de vítimas da dengue chega a 101.168 no Estado do Rio 19 – O governo americano pede formalmente a renúncia do embaixador brasileiro José Maurício Bustani, diretor-geral da Organização para a Proscrição de Armas Químicas (Opaq). Washington afirma ter “perdido a confiança” na administração de Bustani, mas os reais motivos seriam os planos americanos de atacar o Iraque e a “ousadia” do brasileiro de pedir que fábricas químicas dos EUA fossem alvo de inspeções 20 – Pesquisa do Instituto Vox Populi indica que Lula continua em primeiro lugar na corrida para a Presidência, com 26% das intenções de voto. Em segundo, está José Serra (PSDB), com 20%, que ultrapassou os 18% conferidos a Roseana 21 – Mais de 1 milhão de trabalhadores participam, em todo o País, dos protestos contra o projeto de lei que altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Apoiado pelo governo e pela Força Sindical, o projeto prevê que acordos negociados entre sindicatos e empresas possam se sobrepor à lei 23 – Cerca de 500 famílias do MST invadem a Fazenda Córrego da Ponte, da família de FHC, em Buritis, norte de Minas. Cerca de 40 policiais federais cercaram a entrada da fazenda, contingente reforçado por mais 40 agentes e por fuzileiros do

Produto: ESTADO - BR - 7 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H7 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 7 - 31/12/02

H7 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-7:20021231:

ECONOMIA
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H7

MERCADO NERVOSO, ECONOMIA PARADA
J.F. Diorio/AE – 16/10/2002

A turbulência e o nervosismo tomaram conta do mercado em 2002, um ano em que a especulação também contribuiu para a disparada do câmbio e do risco país

As incertezas no cenário político e a aversão global ao risco causaram turbulência e especulação no mercado brasileiro em 2002, afetando o desempenho da economia real
BC e da CVM de antecipar de setembro para o fim de maio a medim 2002, a turbulência e a da que obrigava os fundos a contaespeculação dominaram bilizar pelo preço de mercado os tíos negócios no mercado. A tulos de suas carteiras – a marcacombinação de incertezas eleito- ção a mercado. Isso impôs perdas rais e aversão global ao risco levou aos cotistas e levou a uma onda o dólar a atingir R$ 4 e o risco país de saques. Num momento de ina superar 2.400 pontos. O temor certeza política e em que voltava de mudanças na política econômi- a crescer a desconfiança quanto à ca em 2003 e as dúvidas quanto à recuperação dos EUA, a medida recuperação da economia mun- intensificou a turbulência finandial provocaram um corte das li- ceira e aumentou a dificuldade de nhas de crédito para o Brasil. Mui- o Tesouro rolar a dívida. tas empresas tiveram dificuldades No fim de julho, o dólar supepara rolar suas dívidas no exte- rou R$ 3 e o risco país, 2 mil ponrior, porque o mercado internacio- tos, evidenciando o temor de um nal se fechou para o País. E, como calote brasileiro e o aumento da os juros domésticos continuaram aversão global ao risco, acentuaelevados – subindo de 18% em ou- da pelos escândalos corporativos tubro para 25% ao ano em dezem- nos EUA. Como resultado, houve bro –, o crédito seguiu caro no mer- um corte brutal de linhas de crédicado interno. Com isso, o cresci- to externo para o Brasil. O País mento em 2002 foi comprometi- vai então ao FMI e consegue um do, devendo ficar próximo ao acordo de US$ 30 bilhões. O dólar 1,51% de 2001, puxado pela agri- cai abaixo de R$ 3 em 8 de agosto, cultura e pelo setor exportador . mas o alívio é temporário. SegunMas o ano começou num clima do Padovani, à medida que ficou de otimismo. Em 10 de abril, o dó- claro que Lula venceria, o medo lar atingiu R$ 2,267. Com o fim de uma moratória da dívida voldo racionamento e a expectativa tou a aumentar, levando o risco positiva em relação à economia país a atingir 2.443 pontos no fim global, empresas e o governo fede- de setembro. A concentração de ral aproveitaram vencimentos de para captar recurpapéis cambiais sos no exterior, cono segundo semesEMOR mo lembra o ecotre também presnomista Roberto sionou o câmbio, DE CALOTE Padovani, da Tenque atingiu R$ 4 dências. O econoem outubro. AUMENTOU mista-chefe do JP Nos últimos Morgan, Luís Ferdois meses, as deVOLATILIDADE nando Lopes, resclarações moderasalta que, nessa das de dirigentes época, o mercado do PT acalmaram acreditava que o candidato do go- o mercado, por reafirmar o comverno, que ainda fora não defini- promisso com a austeridade fiscal do, ganharia as eleições. e monetária, derrubando o dólar Esse cenário róseo durou pou- para a casa de R$ 3,50 e o risco paco. A entrada da sucessão na ra 1.400 pontos. A indicação de agenda do País mudou esse qua- Henrique Meirelles para o BC, visdro. No fim de abril e começo de ta primeiro com reservas, é bem maio, o crescimento de Luiz Iná- recebida. O dólar cai abaixo de cio Lula da Silva nas pesquisas le- R$ 3,50. Segundo Lopes, essa quevou alguns bancos estrangeiros a da foi causada principalmente perebaixar a recomendação para os la entrada de capitais de curto títulos da dívida brasileira. Nesse prazo, que vêm ao País para apromomento, o dólar estava em R$ veitar a diferença entre os juros in2,50 e o risco país, em 900 pontos. ternos e externos. A trajetória de O ano foi marcado por muita espe- queda é interrompida quando o culação. Nos dias que antecediam PT anuncia que não fechou o acora divulgação de pesquisas, boatos do para a participação do PMDB circulavam pelo mercado, levan- no ministério. O temor de que, do à disparada do dólar, mesmo com isso, o PT tenha dificuldades que depois não se confirmassem. no Congresso levou os investidoO chefe de Derivativos do res a uma atitude mais cautelosa. Lloyds TSB, Maurício Zanella, Depois de tanta turbulência, o dódiz que as coisas ficaram mais lar terminou 2002 em R$ 3,54, em complicadas depois da decisão do alta de 52,85% no ano.
SERGIO LAMUCCI

UM ANO TURBULENTO
Dólar comercial (R$) 4,000 3,800 3,600 3,400 3,200 3,000 2,800 2,600 2,400 2,200 2,000
28/12 Janeiro a abril O mercado vive um momento positivo, depois do fim do racionamento de energia e num ambiente de otimismo quanto à recuperação da economia americana

Variação no ano Dólar: +52,85% Risco país: +68,34%

Meados de outubro a dezembro As declarações moderadas de Lula e de Antônio Palocci tranqüilizam o mercado

Risco país (Pontos) 2.600 2.400

E

Setembro e outubro A expectativa cada vez maior da vitória de Lula leva o risco país a superar 2.400 pontos. É o auge do temor de um calote da dívida

FUNDO VALE É A ESTRELA DAS BOLSAS
Ganho de 88% no ano fica ainda mais vistoso, diante da perda de 17% do Ibovespa
DANILO FARIELLO

3,540

2.200 2.000 1.800

O

1.446
Agosto O mercado tem uma trégua breve depois do anúncio do acordo com o FMI Fim de maio O BC anuncia que os fundos terão de fazer a marcação a mercado, o que impõe perdas aos cotistas e leva a uma onda de saques Fim de abril e começo de maio Lula cresce nas pesquisas e vários bancos de investimento rebaixam a recomendação para os títulos da dívida brasileira

1.600 1.400 1.200 1.000 800 600

2,316
28/12

859

Jan.

Fev. Mar.

Abr.

Mai.

Jun.

Jul. Ago. 2002

Set.

Out.

Nov.

Dez.

T

RISCO BRASIL ENTRA EM CENA
Indicador é um termômetro do grau de confiança dos investidores no país

O

termo risco país entrou de vez no noticiário em 2002. Calculado com base no Índice de Bônus de Mercados Emergentes (Embi +, na sigla em inglês), o risco país mostra o quanto rendem, em média, os papéis da dívida externa de um país acima dos títulos do Tesouro americano. Quanto mais alto o indicador, menor a confiança dos investidores na capacidade de o país honrar suas dívidas. Um risco de 1.446 pontos indica que os papéis da dívida pagam, em média, 14,46 pontos porcentuais acima dos títulos do Tesouro americano. Depois de atingir o nível recorde de 2.443 pontos no fim de setembro, no auge de um temor de um calote da dívida, o risco Brasil vem recuando bastante nos últimos meses, reagindo às

declarações ortodoxas dos diri- últimas semanas, mas ainda gentes do PT. A queda registrada não se pode dizer que o mercado desde o pico é de 40,81%, mas externo está reaberto para emisum risco de 1.446 pontos ainda é sões brasileiras. Apenas bancos muito elevado. e empresas de primeira linha Um levantamento do Crédit têm conseguido captar recursos, Suisse First Boston (CSFB) mos- e em geral por prazos curtos. tra que o indicador tem de cair para a casa de 1.000 pontos para Bolsa – Num ano de tanta insque o governo federal volte a cap- tabilidade, marcado pela alta tar recursos no exdos juros e dispaterior. Em outurada do dólar, a bro de 1999, a ReBolsa sofreu basNDICADOR pública fez uma tante. O Índice emissão quando o Bovespa (IbovesFECHA risco país estava pa) fechou 2002 em 1.060 pontos. em 11.268 ponEM 1.446 A captação mais tos, em queda recente do Brasil de 17,01% no PONTOS ocorreu em 11 de ano, mesmo deabril, quando o rispois de subir co estava em 738 34,62% desde 16 pontos. As emissões do governo de outubro, quando o indicador federal, além de engordar as re- atingiu o ponto mais baixo do servas, são uma referência impor- ano. Em dólares, a queda do tante para as captações do setor Ibovespa no ano atingiu privado. 45,86%. Nesse cenário, os destaAlguns bancos, como Brades- ques positivos foram as ações co, Itaú e Votorantim, consegui- de empresas exportadoras, favoram emitir títulos no exterior nas recidas pela alta do dólar (S.L.)

I

s fundos Vale, formados por ações da Vale do Rio Doce compradas com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), foram o grande destaque de rentabilidade no ano entre os investimentos financeiros. Criados em março, esses fundos premiaram os trabalhadores que aplicaram o dinheiro do FGTS nos papéis da mineradora com uma rentabilidade média de 88% até ontem. Mas o desempenho já esteve melhor nestes nove meses de existência. No início de dezembro, o rendimento dos fundos Vale cravou 100%. O expressivo ganho acumulado reflete a disparada da ação ordinária (ON) da Vale, que forma a carteira desses fundos, no pregão da Bolsa de São Paulo. Vendido por R$ 54,42 na oferta pública patrocinada pelo BNDES em março, o papel fechou cotado por R$ 102,90 na sexta-feira, favorecido principalmente pela escalada das cotações do dólar. A Vale exporta boa parte da produção e, quanto mais elevado o preço do dólar, mais reais a empresa recebe em suas vendas ao exterior. O rendimento dos fundos Vale ganha maior amplitude quando comparado com a remuneração obtida pelo dinheiro do trabalhador que permaneceu na conta vinculada, de 4,72%, desde março até agora. O dinheiro do FGTS é remunerado pela variação da Taxa Referencial (TR) mais juro de 3% no ano. O investidor que aplicou em fundos Vale com recursos próprios também se deu bem, porque as ações da mineradora foram das poucas que tiveram vistosa valorização este ano. O Índice Bovespa (Ibovespa), carteira que acomoda as 56 ações mais negociadas no pregão, registrou queda de 17,01% no ano.

Exército 24 – PF prende 16 líderes do MST depois que 200 sem-terra deixam a Fazenda Córrego da Ponte. Durante a ocupação, de 22 horas, eles usaram os sofás, a TV e o telefone, cantaram na varanda e consumiram todo o estoque de bebidas – A ginasta Daniele Hypólito conquista a medalha de ouro na trave, com nota 9,137, na primeira etapa da Copa do Mundo de Ginástica, em Cottbus, Alemanha. É a primeira medalha do Brasil na ginástica olímpica 25 – Uma Mente Brilhante, dirigido por Ron Howard, leva a estatueta de melhor filme no Oscar. Pela primeira vez, os prêmios de melhor ator e atriz foram concedidos simultaneamente a negros, Denzel Washing-

ton e Halle Berry – UE decide aumentar a tarifa do aço importado em até 26%, em represália às sobretaxas de até 30% impostas pelos EUA. Válidas por seis meses, as salvaguardas afetam também o Brasil – Terremotos atingem o noroeste do Afeganistão e matam pelo menos 5 mil pessoas, segundo estimativas da ONU 26 – TSE decide que os partidos que não concorrerem com candidato próprio à Presidência estarão livres para se coligar nas eleições estaduais 27 – O ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, anuncia medidas de retaliação ao MST. Pelo menos 10 dos 16 líderes da invasão à Fazenda Córrego da Ponte são expulsos do Programa Na-

cional de Reforma Agrária – Em leilão na Christie’s, de Londres, colecionador anônimo arrebata por US$ 224.600 (cerca de R$ 525 mil) a camisa número 10 usada por Pelé na final da Copa do Mundo de 1970 – Morre em Los Angeles, aos 95 anos, o cineasta Billy Wilder, diretor de clássicos de Hollywood como Quanto Mais Quente Melhor, A Montanha dos Sete Abutres e Se Meu Apartamento Falasse 28 – Os 22 membros da Liga Árabe reunidos em Beirute aprovam por unanimidade o plano da Arábia Saudita para um acordo de paz com Israel. Os árabes oferecem o estabelecimento de relações normais em troca da completa retirada de Israel das terras ocupadas em 1967

29 – Tropas israelenses invadem o complexo de escritórios de Arafat em Ramallah e bombardeiam vários prédios, entre eles o que abriga o líder palestino 30 – Morre na Inglaterra a rainha-mãe Elizabeth, aos 101 anos. Segundo o Palácio de Buckingham, seu estado de saúde era frágil desde o Natal, em virtude de uma gripe e de uma infecção no peito 31 – O Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 termina com a vitória de Michael Schumacher, da Ferrari. Seu companheiro de equipe, Rubens Barrichello parou na 17.ª volta, quando liderava a corrida

ABRIL
1 – O juiz Marcus Vinícius Reis Bastos,

da 12.ª Vara Federal de Brasília, concede habeas-corpus aos 16 sem-terra que comandaram a invasão à fazenda dos filhos de FHC – A Holanda torna-se o primeiro país do mundo a reconhecer legalmente a prática da eutanásia – Estudo da universidade britânica de Warwick mostra que as novas tecnologias estão acelerando o processo de fortalecimento muscular dos dedos polegares. A mutação é resultado do uso em massa, desde a infância, de joysticks, consoles de videogames, computadores e celulares 2 – A ofensiva israelense na Cisjordânia é intensificada com a tomada de mais duas cidades palestinas: Belém e Tulkarem. Em Belém, dezenas de palestinos armados en-

tram à força na Igreja da Natividade, local onde, segundo a tradição cristã, existia a gruta onde Jesus Cristo nasceu, para pedir proteção 5 – Cerimônia no Palácio Guanabara marca a despedida do governador Anthony Garotinho (PSB), que renuncia ao cargo para tentar a Presidência 7 – Menos de 48 horas após renunciar ao governo do Maranhão para disputar a corrida presidencial, Roseana é intimada pela PF para prestar depoimento. Ela, Murad e mais 38 pessoas são acusados em ação civil pública aberta pelo Ministério Público Federal (MPF) de terem contribuído para a aprovação de um empreendimento fantasma da Usimar, que recebeu R$ 44 milhões da extinta Sudam

Produto: ESTADO - BR - 8 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H8 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 8 - 31/12/02

H8 -

H8 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-8:20021231:

ECONOMIA
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
J.F. Diório/ae – 28/12/2002

Como nos períodos de hiperinflação, consumidores voltam a pesquisar preços nos supermercados para atenuar o impacto dos reajustes no orçamento doméstico

Preços ao Amplo (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi superado de longe em 2002. Até novembro, o IPCA acumulado no ano atingiu 10,22%, quase o dobro do teto da meta, e as estimaMÁRCIA DE CHIARA tivas de mercado dão conta que ilas de carros em postos a inflação, de acordo com este de gasolina, consumido- indicador, feche o ano com alta res munidos de lápis e pa- de até 12,6%. pel percorrendo vários superO pico da inflação ocorreu mercados para pesquisar pre- em novembro, quando os auços, trabalhadores reivindican- mentos de preços atingiram do a volta do gatilho salarial. não apenas produtos que soCenas como esfrem diretamentas que pareciam te a influência do não mais fazer dólar, mas tamESTA parte do dia-abém outros itens, dia dos brasileisustentados pela SUPERA ros voltaram a demanda aqueciser corriqueiras da de fim de ano SALÁRIO neste ano. A dese pela necessidavalorização de de de reposição MÍNIMO quase 60% do de estoques do coreal em relação mércio. O resultaao dólar nos últido foi imediato. mos 12 meses contaminou os ín- Em novembro, dois indicadodices de preços no atacado, no res de preços tiveram alta recorvarejo e jogou, pela primeira de. O Índice de Preços ao Convez desde o início da estabiliza- sumidor da Fundação Instituto ção, a inflação acumulada no de Pesquisas de Pesquisas Ecoano para a casa de dois dígitos. nômicas (IPC-Fipe) atingiu O teto da meta de inflação 2,65% no mês passado, a maior traçada pelo Banco Central taxa registrada desde julho de (BC) para este ano de 5,5% me- 1995. O Índice Geral de Preços dida pelo Índice Nacional de do Mercado (IGP-M) da Funda-

INFLAÇÃO VOLTA AOS DOIS DÍGITOS
Alta do dólar contamina os preços e faz a inflação superar as metas do governo

O RETORNO DO DRAGÃO
Variação da inflação do IPCA acumulada no ano (%) 9,56 8,94 7,67 5,22 5,97

Acumulado em 2002 até novembro
12,60
Índice geral
Alimentação e bebidas Habitação Artigos de residência Vestuário Transportes Saúde e cuidados pessoais

10,22
14,97 11,39 10,63 7,81 8,52 7,25 6,04 8,16 11,24

F

C

1,65 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002*
ArtEstado

Despesas pessoais Educação Comunicação

* Estimativa de consultorias

Fonte: IBGE

ção Getúlio Vargas (FGV) fechou novembro com variação de 5,19%, a maior taxa mensal já apurada pelo indicador desde agosto de 1994. Com a disparada dos preços, a alimentação, tida como a âncora da estabilização durante anos consecutivos, passou, a partir de novembro, a ser a vilã da alta de preços. Em 2002, pela primeira vez desde 1999, a variação dos preços dos alimentos acumulada de janeiro a novem-

bro atingiu 14,97% de acordo com o IPCA, desbancando o aumento dos preços administrados, que somou 13% no período. Os preços administrados, que incluem as tarifas de energia, água, telecomunicações e combustíveis, por três anos consecutivos foram os que mais pressionaram os índices de inflação. Entre entre os produtos que mais subiram em 2002, o destaque ficou para o açúcar, cujo

preço subiu 94,5% de janeiro até a segunda quadrissemana de dezembro, segundo o IPC-Fipe. O óleo de soja (71,5%), a farinha de trigo (66,5%), o pão francês (51,5%), o álcool combustível (50,5%), o arroz (46%), o frango (43,9%) e o feijão (40,4%) integraram o ranking dos maiores aumentos de preços no período, segundo o IPCFipe. A disparada dos preços do alimentos neste ano fez o valor da cesta básica bater sucessi-

vos recordes de alta e pela primeira vez superar o valor do salário mínimo. Com essa mudança no perfil da inflação, que passou a ser pressionada pelos alimentos, as camadas com menor renda foram as mais afetadas. É que a população mais pobre gasta cerca de 60% da renda disponível com a comida, observa o economista do ABN-Amro Asset Managment, Aquiles Mosca. O coordenador do IPC-Fipe, Heron do Carmo, acredita que o pior já passou. De toda forma, ele ainda considera um absurdo a inflação dos alimentos bater a casa de 5% na segunda quadrissemana de dezembro enquanto o índice geral de inflação apurado pela Fipe ter ficado em 2,40% nesse mesmo período. Na análise de Heron, o grande desafio para o novo governo, no que se refere a preços, é resistir às pressões por indexação, especialmente no setor público. “O que não pode ocorrer é a volta da indexação formal com a caneta do governo”, adverte o economista. Para quebrar as fortes expectativas de inflação maior para 2003, Heron recomenda que se reduza o teto da meta de 6,5% previsto para o ano que vem.

BANCOS VÃO ÀS COMPRAS
Bradesco, com quatro aquisições, e Itaú, com duas, acirram a disputa do mercado
RENÉE PEREIRA

cenário econômico conturbado em 2002 não atrapalhou o processo de aquisição no mercado bancário nacional, principalmente para as duas maiores instituições privadas do País. Com atuação agressiva e dispostos a melhorar posições no setor, Bradesco e Itaú não deram espaço para as demais instituições e abocanharam fatia importante do mercado. Juntos, os rivais desembolsaram mais de R$ 6,1 bilhões. O ano começou com uma postura avassaladora do Bra– O TRF da 1.ª Região, em Brasília, libera parte dos bens de Jader, bloqueados pela Justiça 11 – O comandante-geral do Exército venezuelano, general Efraín Vásquez, e dezenas de oficiais depõem o presidente Hugo Chávez depois que uma gigantesca marcha em Caracas pela renúncia do chefe de Estado termina com 15 mortos e mais de 350 feridos. O confronto começou depois que Chávez anunciou o fechamento de quatro estações privadas de TV, alegando que elas haviam abusado da liberdade de expressão e incitado os protestos da oposição – Numa decisão histórica, mais de 65 países ratificam o Tratado de Roma, que institui o Tribunal Penal Internacional

O

desco. Apenas em janeiro, o maior banco privado do País fechou três importantes negociações. Comprou o Deutsche Bank Investimentos, o Banco Mercantil de São Paulo e o Banco do Estado do Amazonas (BEA). Um mês depois, a instituição anunciava mais uma aquisição de porte: o Banco Cidade. Com as compras, os ativos totais do banco somaram R$ 213,4 bilhões, segundo dados da Austin Asis. Enquanto isso, seu principal concorrente na onda de aquisições, estudava novas oportunidades para não ficar para trás. Os resultados apareceram apenas no final do ano com as significativas compras do BBA e do Banco Fiat. A instituição teria fechado o mesmo número de negócios do Bradesco se não tivesse desistido da compra do
12 – O líder empresarial Pedro Carmona assume o governo da Venezuela 13 – Afirmando ser vítima de um “poderoso esquema”, a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PFL) renuncia à pré-candidatura à Presidência – O sambista Oswaldo Sargentelli, que percorreu vários países com suas mulatas, morre aos 79 anos, no Rio. Ele sofreu enfarte agudo do miocárdio durante gravação da novela O Clone, da TV Globo – O vice-presidente de Chávez, Diosdado Cabello, anuncia que assume a Presidência até o regresso do titular e pede ao povo para “manter a calma” 14 – Chávez retorna ao poder, 48 horas depois de ter sido detido, derrubado por um golpe militar. Diante da rebelião popu-

MOVIMENTO DE COMPRA
As principais aquisições de bancos em 2003 9/1 Bradesco compra o Deutshche Bank Investimentos (valor não foi divulgado) 14/1 Bradesco compra Banco Mercantil de São Paulo por R$ 1,4 bilhão 24/1 Bradesco compra Banco do Estado do Amazonas por R$ 182,9 milhões 25/2 Bradesco compra BancoCidade por R$ 366 milhões 5/11 Itaú compra BBA por R$ 3,3 bilhões 3/12 Itaú compra Banco Fiat por R$ 897 milhões

OS MAIORES
Como ficou o ranking depois das aquisições Classificação Instituição Ativo total (R$ bilhões) 1º Banco do Brasil 213,41 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9ª 10ª
Fonte: Austin Asis

Bradesco Caixa Itaú Unibanco ABN Amro Bank Santander Brasil Banespa Citibank Safra 73,46 43,63 33,99 29,62 28,56 25,17

140,15 123,44 123,31

ArtEstado

Sudameris. Uma decisão que, para analistas, foi a mais acertada para o banco. “O preço não era vantajoso”, diz o presidente da Austin Asis, Erivelto Rodrigues. Embora 2002 tenha sido o ano de Bradesco e Itaú nas aquisições, o Unibanco também apostou em algumas parcerias, como o Magazine Luiza e Ponto Frio, para aumentar sua presença no mercado varejista. De acordo com estudo da agência de classificação de riscos Standard&Poor’s, as aquisições realizadas em 2002 reforçaram a concentração de ativos do setor nas mãos dos dez maiores bancos privados do País. Em setembro, esses bancos respondiam por 42% do ativo total do setor ante 32% em março de 2000.
cias de abusos sexuais contra padres que abalou a Igreja dos EUA 26 – O primeiro trimestre de 2002 registra as mais altas temperaturas globais não apenas desde o início das medições, em 1860, mas, provavelmente, nos últimos mil anos, segundo pesquisadores do governo britânico 28 – Canadá deixa de ratificar o Protocolo de Kyoto 29 – Os bancos de investimento americanos Morgan Stanley e Merrill Lynch rebaixam a recomendação para negócios com títulos da dívida brasileira

lar, Carmona renuncia “para evitar derramamento de sangue” 16 – O ex-líder guerrilheiro Xanana Gusmão vence com mais de 80% dos votos as primeiras eleições presidenciais de Timor Leste 18 – O Supremo Tribunal Federal (STF) mantém a decisão do TSE que estabeleceu a verticalização das coligações – Monomotor se choca com a Torre da Pirelli, edifício de 30 andares, o mais alto de Milão (Itália). Três pessoas morrem e 60 ficam feridas – Os 182 países participantes da 6.ª Reunião da Convenção da Biodiversidade, em Haia, na Holanda, fecham acordo mundial para impedir que fabricantes de remédios e biotecnologia se apossem de conheci-

mentos sobre plantas medicinais de países em desenvolvimento e obtenham lucros com isso, sem repassá-los 20 – O vocalista e guitarrista Layne Staley, da banda de rock americana Alice in Chains, é encontrado morto, aos 34 anos, em seu apartamento em Seattle 21 – O líder do Partido da Frente Nacional, Jean Marie Le Pen, candidato da extrema-direita à Presidência, provoca um terremoto político na França ao passar para o segundo das eleições, com 17,2% dos votos. Candidato à reeleição, Jacques Chirac obteve 19,5%. O fenômeno Le Pen impôs derrota histórica ao Partido Socialista, cujo candidato, o chanceler Lionel Jospin, obteve 15,9% dos votos – Depois de quatro adiamentos, come-

ça a vigorar o novo Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB). O SPB é uma rede eletrônica que interligará os bancos ao BC, com o objetivo de dar mais segurança para a compensação financeira 22 – Bustani é afastado da Opaq – Comissão de Direitos Humanos da ONU aprova, por consenso, proposta brasileira para assegurar que o acesso aos remédios contra tuberculose e malária seja garantido como um direito humano 24 – O papa João Paulo II abre encontro com cardeais e bispos americanos com um dura condenação da pedofilia. “O abuso que provocou essa crise é, com justiça, considerado crime pela sociedade, mas é tambem um terrível pecado perante Deus”, diz, a respeito da onda de denún-

MAIO
1 – Seis palestinos acusados de participação no assassinato do ministro

Produto: ESTADO - BR - 9 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H9 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 9 - 31/12/02

H9 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-9:20021231:

ECONOMIA
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H9

CONTAS EXTERNAS ENTRAM NOS EIXOS
Ernesto Rodrigues/AE/11-12-2002

Superávit comercial, que ultrapassa a marca dos US$ 13 bilhões, foi a grande surpresa do ano
PATRÍCIA CAMPOS MELLO

o ano de 2002 o Brasil aprendeu, na marra, a ser menos dependente da poupança externa. Os estrangeiros colocaram o País na lista negra e o crédito secou de ponta a ponta. Investimentos diretos minguaram, o mercado de capitais ficou trancado e poucos empréstimos foram renovados. Mas foi justamente esse remédio amargo que ajudou o Brasil a reduzir em quase US$ 15 bilhões a tão alardeada vulnerabilidade externa. O déficit em conta corrente, isto é, os recursos que o País precisa buscar no exterior para fechar grande parte de suas contas, caiu drasticamente: desde 1996 estava acima dos US$ 23 bilhões, e este ano deve fechar em US$ 8 bilhões. Um dos trunfos foi a virada na balança comercial, que registrou um superávit de US$ 13,093 bilhões, melhor resultado em 9 anos. “O ajuste externo foi notável e precisa continuar”, diz José Augusto Savasini, sócio da Rosenberg & Associados. Depois de passar um ano praticamente em jejum de capital estrangeiro, o País entra em 2003 menos sujeito aos caprichos do mercado financeiro internacional. O estouro da bolha de tecnologia e a enxurrada de fraudes corporativas nos EUA criaram um ambiente de aversão a risco. O Brasil, carregando o estigma de estar à beira do calote, foi dos mais afetados. Os investimentos diretos caíram de US$ 22,5 bilhões para US$ 15 bilhões. Credores internacionais recusaramse a renovar grande parte dos empréstimos. Algumas companhias optaram por não rolar seus empréstimos em dólar, por causa da volatilidade do câmbio. Com isso, a taxa de rolagem dos empréstimos foi de 98% em 2001 para 66% em 2002. O câmbio flutuante cumpriu seu papel. Com a escassez de recursos estrangeiros e conseqüente desvalorização do real, houve queda das importações e modesto aumento nas exportações, am-

N

A exportação de commodities como a soja é um dos principais responsáveis pelo robusto saldo da balança comercial

SUPERÁVIT DECOLA
Saldo da balança comercial, em US$ bilhões 13,1

18,0

MENOS VULNERABILIDADE EXTERNA
33,5 25,4 Déficit em conta corrente, em US$ bilhões 24,7

23,2

2,6 0 -6,6 1998
*Previsão

-1,3

-0,7

8,0

7,1

1999
Fonte: MDIC

2000

2001

2002

2003*
ArtEstado

1998
*Previsão

1999
Fonte: BBV Banco

2000

2001

2002

2003*
ArtEstado

pliando o superávit. Além da balança comercial, a conta de serviços e rendas, que inclui viagens internacionais, transportes, fretes e outros, também reagiu. As viagens internacionais chegaram a ter superávit nos últimos três meses. No ano passado, as despesas líquidas com viagens consumiram US$ 1,46 bilhão. Este ano, devem cair

para US$ 418 milhões. O País também está reduzindo suas despesas com juros, item de grande peso nas contas externas. As despesas caíram de US$ 14,877 bilhões para US$ 13,257 bilhões este ano. E, por causa da não-renovação de empréstimos, o estoque da dívida externa está diminuindo, o que prenuncia um pagamento menor de juros

mais para frente. A previsão do BC é que o País desembolse US$ 13,147 bilhões em juros em 2003. O grande desafio que fica é como substituir a poupança externa perdida por uma poupança doméstica, para que o País possa fazer investimentos e crescer. Se por um lado o déficit deixa o Brasil vulnerável aos humores do mercado, ele também significa

investimentos aqui. “O déficit em conta-corrente em si não é negativo, pois trata-se de poupança externa para investir no País”, diz Ricardo Amorim, chefe da área de pesquisas para América Latina da consultoria Idea Global. “Se não podemos mais contar com a poupança externa, precisamos aumentar a interna, e uma providência urgen-

te será reforma da previdência para redução das despesas do governo.” Hoje, o governo absorve parte da poupança privada com seu déficit, desviando recursos que poderiam ser investimentos. Como no ano que vem economistas prevêem que não haverá volta significativa dos fluxos de capital, o déficit deve manter sua trajetória de queda: na estimativa do CSFB, de 1,8% do PIB em 2002 para 1,4% em 2003. Em 2001, era de 4,6%. O ajuste não foi indolor. “Foi feito a ferro e fogo”, diz Júlio Sérgio Gomes de Almeida, diretorexecutivo do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). O principal efeito colateral do ajuste é a inflação. Como a desvalorização do real superou 60%, parte foi repassada para os preços. E aí vem um segundo efeito indesejado: aumento de juros para conter a escalada dos preços, que por outro lado afeta o nível de atividade. A adaptação é dolorosa porque no Brasil, a corrente de comércio (exportações mais importações) corresponde a apenas 22,2% do PIB. Com isso, é necessária uma desvalorização cambial muito maior para que o País se adapte à escassez de recursos externos, produzindo saldos comerciais maiores. O dólar foi de R$ 1,20 em 1999 para R$ 3,60 e essa desvalorização gerou um aumento de apenas US$ 10 bilhões nas exportações. Na Coréia, onde a corrente de comércio é 69% do PIB, o won precisou de uma depreciação muito menor para aumentar as exportações em US$ 20 bilhões. Por enquanto, o superávit de US$ 13,093 bilhões (projetado para US$ 17 bilhões a US$ 18 bilhões em 2003) ainda se deve essencialmente à queda de importações, que encolheram 15,3% em relação a 2001. As exportações tiveram crescimento de 3,3%, impulsionadas pela recuperação dos preços das commodities, como a soja, e a conquista de novos mercados para substituir a Argentina. Justamente a conquista desses novos mercados, com destaque para China, México e países árabes, pode fazer de 2003 o ano da reviravolta das exportações, e não só do saldo comercial. O esforço dessa conquista vai aparecer em 2003.
Reuters/26-01-2002

EMPRESAS BRASILEIRAS AVANÇAM NO EXTERIOR
Petrobrás compra a argentina Perez Companc e AmBev fica com a Quilmes
CARLOS FRANCO

aquisição do controle da argentina Perez Companc pela Petrobrás foi um dos maiores negócios realizados por empresa brasileira em 2002. Deu gás para a Petrobrás consolidar sua posição entre os dez maiores grupos do setor petroleiro mundial e ampliar seu raio de ação no mercado global. A estatal se valeu da crise e do recuo dos ativos em dólar no país vizinho para, numa tacada rápida, comprar participação de 58,6% da família Perez Companc por US$ 1,1 bilhão. No movimento inverso, o grupo argentino Arcor, de alimentos, ampliou sua produção no País e comprou da Nestlé a linha de balas Kid’s, procurando liderança no segmento. Também investiu pesado em fábrica no Estado de São Paulo. Nesse tabuleiro em que empresas buscam liderança e concentração em áreas de marcas com grande particiReshavam Zeevi são entregues à custódia de agentes dos EUA e Grã-Bretanha após deixarem QG da AP em Ramallah. A transferência marca o fim do confinamento de Arafat 2 – A polícia de San Diego, na Califórnia, prende o ex-padre Paul Shanley, de 71 anos, acusado de molestar sexualmente três crianças nos anos 80 5 – Chirac bate Le Pen no segundo turno das eleições por 82,5% a 17,5% 6 – O governo reage à decisão do banco americano Goldman Sachs de recomendar aos clientes que reduzam aplicações no Brasil – O cantor Marcelo Pires Vieira, o Belo, de 28 anos, é intimado a depor no Rio sobre seu envolvimento com o chefe do tráfi-

A

pação de mercado e maior va- Grupo Pão de Açúcar, de lonlor, a Nestlé comprou a Garo- ge o líder do setor. to, num dos negócios que moviAs restrições americanas ao mentou a área de alimentos e o aço brasileira também estimuConselho Administrativo de laram negócios, ainda que moDefesa Econômica (Cade), que destos na área de siderurgia. avaliou a aquisição. Mais o O Grupo Gerdau procurou maior lance do ano no segmen- comprar as chamadas minito de bebidas e alimentos par- usinas americanas para fugir tiu da canadense Molson. No das restrições, assim como a dia 18 de março, a empresa CSN investiu para manter anunciou a compra da Kaiser sua presença com usina nos por por US$ 765 milhões. Estados Unidos. Com isso, a Molson, dona da Um dos maiores negócios do Bavária, assumiu a segunda ano, anunciado com pompa e posição no mercircunstância, vicado de cerveja rou risco n’água: no Brasil, disa ensaida fusão OLSON, posta a enfrenda Companhia tar a AmBev, a Siderúrgica NaDO CANADÁ, empresa resulcional (CSN) tante da fusão com a gigante anADQUIRE de Brahma e Anglo-holandesa tarctica. E se a Corus, a empreA KAISER Petrobrás foi fasa criada em zer negócio na 1999, resultante Argentina, a da fusão da BriAmBev também aproveitou a tish Steel com a Hoogovens. Peocasião para comprar partici- lo contrato, a CSN passaria a pação na Quilmes. O objetivo ser a maior acionista individa empresa é consolidar sua dual da gigante do aço, mas o posição de liderança no mer- acordo causou polêmica porcado da América Latina. que a sede da empresa ficaria No varejo, o grupo portu- em Londres. Com produtividaguês Sé, em meio as turbulên- de superior à da Corus, a CSN cias na economia brasileira fa- assustou trabalhistas ingleses ce às expectativas eleitorais e a até porque o plano previa encrise argentina, vendeu sua re- cerramento de algumas das atide de supermercados para o vidades de algumas das unida-

M

Perez Companc lança ações na Bolsa de Nova York: Petrobrás assumiu o controle da empresa des da Corus na Inglaterra. Pressão daqui e dali, o acordo de fusão foi desfeito. Num ano marcado por turbulências no mercado interno, com a disparada do dólar, expectativas eleitorais e a economia americana e européia andando de lado, na expectativa de uma eventual guerra dos Estados Unidos com o Iraque, que começou a ganhar mais cor no fim do ano, o número de
a 1, em Brasília – O Real Madrid derrota o Bayer Leverkusen por 2 x 1 na Escócia e conquista a Copa dos Campeões 16 – O coronel da PM Mário Colares Pantoja é condenado a 228 anos de prisão pela morte de 19 sem-terra em Eldorado de Carajás, em abril de 1996 17 – Em visita a Cuba, o ex-presidente americano Jimmy Carter pede mudanças na política dos EUA com relação à ilha, assim como passos do regime castrista em direção à democracia 19 – Madre Paulina, imigrante italiana que viveu e trabalhou pelos pobres por 67 anos em Santa Catarina e São Paulo, é canonizada pelo papa João Paulo II como a primeira santa brasileira

fusões e aquisições no País em 2002 foi o mais baixo desde 1995. Entre janeiro e dezembro, foram fechados 221 negócios, um volume 35% menor em relação a 2001, segundo pesquisa da KPMG Dos 221 negócios fechados em 2002, 5,8% se referiram a empresas brasileiras comprando outras companhias no exterior. Um tipo de transação que, nos anos anteriores, tinha me21 – O brasileiro Saul dos Reis, de 25 anos, detido em Connecticut, nos EUA, confessa à polícia ter estrangulado, acidentalmente, a estudante americana Christina Long, de 13 anos, a quem conheceu pela internet – A escritora Zélia Gattai assume a cadeira que foi do marido, o escritor Jorge Amado, na Academia Brasileira de Letras (ABL) – O Irã é o país que patrocina mais ativamente o terrorismo no mundo, ao lado de Iraque, Líbia, Sudão, Coréia do Norte, Síria e Cuba. A informação consta de relatório anual do Departamento de Estado dos EUA 22 – O major José Maria de Oliveira, um dos comandantes das tropas da PM no

nor peso, chegando a 1% em 1999, 3,4% em 2000 e 4% em 2001. Apesar desse crescimento, 62% dos negócios em 2002 foram realizados entre empresas brasileiras, um reflexo da falta de dinheiro no mercado internacional desde que, em 2001, a economia americana pôs o pé no freio e ainda não deslanchou em meio à incertezas de guerra.
massacre de Eldorado dos Carajás, é condenado a 158 anos e 4 meses de prisão. Ele poderá recorrer em liberdade 23 – Senado dos EUA aprova, por 66 votos a 30, o projeto de lei da Autoridade de Promoção Comercial (TPA) – antigo fast track –, que autoriza Bush a negociar acordos de livre comércio. A legislação permite à Casa Branca acelerar as negociações para formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) – O risco Brasil passa a barreira dos mil pontos em virtude de prejuízos sofridos por bancos que apostaram no dólar estável – A Justiça do Distrito Federal decreta o arresto dos bens do Grupo OK, de propriedade do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF), acusado de ter desviado

co na Favela do Jacarezinho, Valdir Ferreira, o Vado. A polícia detectou ligações feitas para a casa do cantor a partir de escuta feita nos celulares do traficante 7 – Avião da China Northern Airlines, com 112 pessoas a bordo, cai no mar, perto de Dalian, nordeste da China, após o piloto alertar que havia fogo na cabine. Sessenta corpos são resgatados 8 – Relatório sobre o Censo 2000, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que em dez anos a mortalidade infantil caiu 38%, recuando de 48 mortes por mil nascidos vivos para 29,6 por mil 10 – Após 39 dias de cerco e negociações das quais participaram mediadores europeus, americanos e representantes das

principais religiões cristãs, 123 palestinos deixam a Basílica da Natividade 12 – O Corinthians empata com o São Paulo por 1 x 1 e sagra-se campeão do Torneio Rio-São Paulo pela quinta vez – Pole position e líder do GP da Áustria por 69 das 71 voltas, Barrichello acata ordem da Ferrari e deixa Schumacher receber a bandeirada da vitória a 10 metros da chegada. A atitude provoca vaias dos torcedores ferraristas 13 – Bush sanciona projeto de lei agrícola aprovado pelo Congresso, que estabelece aumento de subsídios ao setor. A lei prevê a concessão de US$ 173,5 bilhões a agricultores em dez anos 15 – O Corinthians conquista a Copa do Brasil ao empatar com o Brasiliense por 1

Produto: ESTADO - BR - 10 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H10 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 10 - 31/12/02

H10 -

H10 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-10:20021231:

ECONOMIA
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

ESCÂNDALOS MADE IN USA
Reuters/28-01-2002

Nem Jack Welch, da GE, escapou do terremoto que destruiu empresas e reputações
PAULO SOTERO
Correspondente

ARGENTINA ESPERA NOVO GOVERNO
ARIEL PALACIOS
Correspondente

ASHINGTON - A decisão do presidente George W. Bush de substituir o secretário do Tesouro e seu assessor econômico na Casa Branca no último mês de 2002 poderá ou não contribuir para um melhor desempenho da economia americana em 2003. Mas a troca da equipe marcou um final apropriado para um ano que investidores americanos certamente gostariam de esquecer. Mais do que em qualquer outro período da memória recente, 2002 foi um ano de crise de credibilidade no sistema econômico nos Estados Unidos. Ainda sob o impacto do estouro da bolha das ações high-tech em 2001, os investidores abandonaram em massa o mercado, chocados com a extensão da bandalheira institucional na governança do mundo corporativo revelada por uma sucessão de escândalos envolvendo a contabilidade de grandes empresas e abusos na remuneração e outras formas de compensação de altos executivos, em detrimento dos acionistas dessas empresas. Apesar da recuperação dos principais índices do mercado de capitais nas últimas semanas do ano, que indica alguma confiança da retomada do crescimento, é incerto se o Ano Novo trará o fim da aversão ao risco e da atitude de extrema cautela adotada pelos investidores. A revista BusinessWeek descreveu a causa da perda de confiança sem meiastintas: “Os problemas revelados pelos escândalos eram sistêmicos e não o resultados de algumas maçãs podres. Embora apenas uns poucos executivos-chefes acabem indo para a cadeia por terem violado a lei, a falha era endêmica aos sistemas corporativo e financeiro: a maioria dos executivos-chefes, não apenas alguns, era excessivamente remunerada e protegida contra o fra-

W

Funcionário lustra o símbolo da gigante Enron, antes que este fosse vendido em leilão: ato final da bilionária empresa de energia casso; muitos contadores, analistas, advogados, reguladores e legisladores, e não apenas alguns, falharam em algum grau na tarefa de assegurar a correção dos balancetes e o livre fluxo de informações honestas.” Embora os escândalos nas grandes corporações tenham começado com o espetacular colapso da Enron, no final de 2001, eles só ganharam massa crítica e viraram o fenômeno dominante da economia americana em janeiro de 2002, quando a Arthur Andersen, uma das maiores e mais conceituadas empresas de contabilidade e auditoria no mundo admitiu que havia destruído declarações financeiras e outros papéis da Enron, essenciais para a investigação federal desencadeada pela quebra da fir- sabatinas no Congresso dos altos ma texana. A resposta inicial he- executivos da Enron e da sitante da Casa Branca e as liga- WorldCom foram substituídas ções pessoais do criador e presi- pelo desfile das mesmas figuras dente da Enron, Kenneth Lay, deixando tribunais federais algecom o presidente mados, em cenas George W. Bush cuidadosamente chegaram perto coreografadas paNRON FOI de dar uma dira comunicar aos mensão política americanos que a APENAS A ao escândalo. administração esMas Bush foi saltava respondenPONTA DO vo por sua imendo às falcatruas e sa popularidade, empenhada na reICEBERG que adquiriu deforma do sistema. pois dos ataques Levantamenterroristas de 11 tos feitos no fim de setembro, e por novos escân- do ano indicaram que os investidalos, que em questão de sema- dores americanos em ações, que na liquidaram empresas líderes são hoje cerca de 60% da populados setores de telecomunicações ção adulta do país, foram fraudae energia. Em meados do ano, as dos em aproximadamente US$ 10 bilhões pelos líderes das empresas nas quais aplicaram dinheiro. A destruição da imagem pública de dois ícones americanos ficou como um dos símbolos de 2002. Um deles é Martha Stewart, uma espécie de moderna rainha do lar que construiu um império dando conselhos sobre decoração e culinária na televisão. Hoje ela está sob investigação por uso de informação privilegiada na venda de ações de uma empresa de biotecnologia. O outro é Jack Welch, ex-presidente da General Electric que viu sua reputação de guru empresarial comprometida pela revelação da extensa lista de benefícios de aposentadoria que negociou com a empresa, além da pensão de US$ 9 milhões por ano.

E

BUENOS AIRES – O Ano de 2002 começou, na verdade, para a Argentina, na última semana de 2001, quando o então presidente Adolfo Rodríguez Saá anunciou o calote da dívida externa pública. No entanto, Saá não chegaria ao réveillon. O senador Eduardo Duhalde tomou posse como presidente no dia 2 de janeiro. Poucos dias depois, por ordem de Duhalde, o Congresso Nacional aprovou o fim da conversibilidade econômica, que durante quase onze anos estabeleceu a paridade um a um entre o peso e o dólar. Em fevereiro o câmbio foi totalmente liberado, e começou a escalada da moeda americana, que em abril chegaria a 4,00 pesos. O dólar somente estabilizou-se a partir de agosto, em níveis ao redor de 3,50 pesos. O default marcaria o ano de 2002, já que tornaria turbulentas as relações com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Foi só a partir da queda do ministro da Fazenda, Jorge Remes Lenicov, e da posse do novo ministro, Roberto Lavagna, que as negociações começaram e se arrastaram ao longo do ano, sem resultados. Os protestos sociais foram constantes, embora com maior intensidade no primeiro semestre, quando foram diários motivados pelo “corralito” (semi-congelamento de depósitos bancários), criado em dezembro de 2001 e suspenso no dia 2 de dezembro. Mas Duhalde não teve alternativas senão antecipar as eleições presidenciais, de setembro de 2003 para abril.
José Luís da Conceição/AE

Depois do pouso forçado da Transbrasil, é a hora de a Varig mostrar que pode se manter no ar
ANDRÉ SIQUEIRA

COMPANHIAS AÉREAS PERDEM ALTITUDE

uem voou na ponte aérea Rio-São Paulo por R$ 99, no primeiro semestre deste ano, e agora paga mais do que o dobro pelo mesmo trajeto – em aviões mais vazios – dificilmente compreende o que foi 2002 para o setor aéreo. A feroz disputa por participação num mercado em crescimento, nos primeiros meses, foi substituída por um deus-nos-acuda de elevações de tarifas, redução de oferta e retração de tráfego no resto do ano. O fato é que as turbulências econômicas atingiram em cheio as companhias de aviação, em especial nos últimos seis meses, agravando um quadro de enfraquecimento que já havia provocado o pouso forçado da Transbrasil, em dezembro de 2001, e por pouco não trouxe também para o chão a Varig, maior empresa aérea da América Latina. “As empresas ainda não divulgaram seus números, mas é quase certo que os resultados serão piores do que os do ano passado, que havia sido marcado pela catástrofe de 11 de setembro”, afirma o analista do Unibanco Carlos Eduardo Albano. “As

Q

companhias baixaram tarifas res até a chegada de novos sóno primeiro semestre, para bar- cios interessados em investir no rar a entrada da Gol, mas não re- negócio. sistiram à alta de custos desencaUm plano de recapitalização deada pela forte desvalorização foi apresentado ao BNDES, do real, a partir de junho.” mas os desacertos na gestão da Para o público, o ano de 2002 empresa impediram que a operaprometia renovação, já que a ção fosse adiante. Um dos credoGol entrava com seus baixos pre- res, a BR Distribuidora, exige ços nas principais rotas do País. pagamento à vista para abasteA novata conquistou mercado, cer os aviões da companhia. O forçou queda generalizada no ano termina com o grupo afunpreço das passagens, mas tam- dado em dívidas de quase US$ bém teve de reajustar para acom- 800 milhões, patrimônio líquido panhar a cotação negativo e futuro do dólar e o preainda incerto. ço do combustíMas nuvens ARIFAS vel, o querosene também encobride aviação, que ram o horizonte SUBIRAM MAIS começa 2003 quada TAM, que perse 170% mais cadeu mais de R$ DE 50% NO 2.º ro do que em ja600 milhões só neiro deste ano. nos primeiros noSEMESTRE A alta de cusve meses do ano e tos se abateu sofoi obrigada a bre todas as emaposentar precopresas, e expôs as feridas de um cemente parte de sua frota de setor ainda cambaleante após Fokker-100, depois que novos décadas de forte influência esta- acidentes prejudicaram ainda tal sobre as operações e a admi- mais a imagem do avião. O bannistração das empresas. A Varig co Fator prepara um plano para roubou os holofotes em 2002, atrair capital e dar mais fôlego à em meio à maior crise financei- empresa, enquanto os ventos ra de seus recém-completados não sopram a favor. 75 anos. Diante de números que À exceção da Gol – a única sugeriam a bancarrota iminen- que expandiu suas operações e te, a Fundação Ruben Berta de- que espera ao menos empatar as cidiu abrir mão de sua posição contas até o fim do ano –, todas de controladora do grupo, mas as companhias deverão fechar não concordou com a adminis- 2002 no vermelho. Inclusive a tração proposta por seus credo- Vasp, que há dois anos enxugou

T

Maior companhia de aviação da América Latina, a Varig acumula uma dívida de quase US$ 800 milhões e tenta negociar uma ajuda do BNDES para ganhar fôlego e livrar-se das pressões dos credores fortemente suas operações e melhorou os resultados. Este ano, a empresa de Wagner Canhedo foi ultrapassada pela Gol na terceira posição do ranking das aéreas, embora tenha sido menos prejudicada pela forte desvalorização cambial, já que a maioria de seus aviões – os antigos Boeings 737-200 – é própria. As outras companhias estão sujeitas ao pagamento mensal, em dóvencer a França, campeã do mundo, por 1 a0

lar, do leasing de seus jatos. Para recuperar a saúde do setor sem uma intervenção direta do governo, dizem especialistas do setor, só há uma esperança: uma forte reação da economia brasileira, que desencadearia a recuperação da demanda. Mesmo assim, segundo um consultor, seria necessário ao menos um ano de crescimento acentuado no volume de passageiros pada Coréia e Japão, em Ulsan – Parlamento do Japão ratifica o Protocolo de Kyoto 5 – O cantor Belo se apresenta à Secretaria da Segurança do Rio e é preso 6 – O Exército de Israel faz incursão relâmpago a Ramallah. Projétil de artilharia abre buraco de 1,5 metro no quarto onde Arafat dorme 9 – Polícia do Rio confirma a morte de Tim Lopes, seqüestrado a mando do traficante Elias Maluco. Lopes recebeu golpes de espada e teve o corpo queimado 10 – O ex-chefão mafioso John Gotti morre aos 61 anos, de câncer, em uma prisão federal em Springfield, Missouri (EUA), onde cumpria pena de prisão perpétua

ra as empresas se recuperarem da perda acumulada este ano. “O novo governo precisa adotar medidas que revitalizem o setor sem prejuízo para os cofres públicos”, diz um consultor, lembrando que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que permaneceu engavetada durante a era FHC, pode ser o ambiente ideal para a definição dessas iniciativas.
11 – O Ministério Público Federal (MPF) do Pará apresenta denúncia contra 56 acusados de desviar R$ 58,2 milhões da extinta Sudam 12 – Nervosismo no mercado financeiro leva o dólar comercial a atingir a segunda maior cotação do Plano Real, de R$ 2,795. Pressionado pelo câmbio, o risco país fecha a 1.298 pontos, com alta de 7,28%. É o terceiro maior do mundo, atrás apenas de Argentina (6.136) e Nigéria (1.403) – O Tribunal de Justiça (TJ) do Pará absolve os 124 soldados, cabos e sargentos da PM acusados pelo massacre em Eldorado do Carajás 14 – Estudo da Receita Federal revela que nunca os brasileiros pagaram tantos impostos. A carga tributária chegou a

mais de R$ 250 milhões da verba destinada às obras da sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo 24 – O papa João Paulo II aceita o afastamento do arcebispo de Milwaukee, Rembert G. Weakland, implicado no escândalo sexual que abala a Igreja dos EUA – Bush e Putin assinam o Tratado de Moscou, que prevê a redução para um número entre 1.700 e 2.200 do arsenal de ogivas atômicas de cada país 25 – Boeing 747-200 da companhia China Airlines cai no mar com 225 pessoas a bordo, logo após decolar do Aeroporto Internacional de Taipé (Taiwan) rumo a Hong Kong 26 – Álvaro Uribe, dissidente liberal de 49 anos, é eleito presidente da Colômbia,

com 52,9% dos votos válidos, na primeira vitória em primeiro turno da história do país – Ao volante de um Penske, o piloto brasileiro Hélio Castro Neves ganha, pelo segundo ano consecutivo, as 500 Milhas de Indianápolis – A descoberta de enormes quantidades de gelo e água poucos metros abaixo da superfície de Marte leva a Nasa a decidir mandar missões tripuladas ao planeta em 20 anos – O cineasta Roman Polanski vence a Palma de Ouro do 55.º Festival de Cannes com o longa O Pianista, sobre o holocausto 27 – O jornalista João Amazonas, presidente de honra do PC do B, morre em São Paulo, aos 90 anos, vítima de infecção pul-

monar. Último dirigente comunista histórico, Amazonas começou a militância em 1935 e criou o PC do B em 1962 29 – Morre no Rio aos 90 anos, de enfisema pulmonar, o escritor, compositor e ator Mário Lago, autor de clássicos como Amélia 30 – Cerimônia marca a conclusão da retirada de escombros e resgate dos corpos do local onde ficava o World Trade Center (WTC), 8 meses e 19 dias depois do atentado que abalou Nova York 31 – Os 15 países da UE ratificam o Protocolo de Kyoto na sede da ONU – No jogo de abertura da Copa do Mundo da Coréia e do Japão, a equipe do Senegal protagoniza uma das maiores surpresas verificadas em 72 anos de disputa ao

JUNHO
2 – O jornalista Tim Lopes, da TV Globo, é capturado por traficantes quando fazia uma reportagem sobre bailes funk na favela da Vila Cruzeiro, no Rio 3 – O Ministério da Previdência Social decreta intervenção na Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil e o maior da América Latina, com patrimônio de R$ 38,7 bilhões e 141 mil participantes – Com gols de Ronaldo e Rivaldo, a seleção brasileira vence a Turquia por 2 a 1 no seu jogo de estréia da Copa do Mundo

Produto: ESTADO - BR - 11 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H11 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 11 - 31/12/02

H11 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-11:20021231:

ESPORTES
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H11

O BRASIL NO TOPO DO MUNDO
Vidal Cavalcante/AE–30/6/2002

Seleção faz campanha memorável, na Ásia, e conquista a Copa pela quinta vez
uiz Felipe Scolari saiu do Brasil, em maio, convencido de que a idéia de transformar a seleção em uma grande “família” vingaria no primeiro Mundial na Ásia. A intenção do treinador foi vista com ceticismo, ironia e algum descrédito – por conta da trajetória irregular nas eliminatórias. Nos 18 jogos da fase de classificação da América do Sul, a equipe passou pelas mãos também de Luxemburgo, Candinho e Leão, além de ter sofrido seis derrotas. A vaga veio apenas na última rodada, nos 3 a 0 sobre a Venezuela. O resgate de Felipão e ‘família’ foi consolidado em 30 de junho, quando Cafu ergueu a Taça da Fifa no Estádio de Yokohama, depois da vitória por 2 a 0 sobre a Alemanha. O gesto do ‘capitão’ do pentacampeonato era a síntese de uma campanha irretocável – pelo menos do ponto de vista de resultados. O Brasil ganhou de ponta a ponta a aventura que se dividiu entre a Coréia do Sul e o Japão. Foram sete vitórias consecutivas, desde os 2 a 1 sobre a Tur- O Brasil teve campanha irrepreensível e mereceu fazer a festa final, no Estádio de Yokohama, depois de bater a Alemanha por 2 a 0 quia, em 3 de junho, até a granRobson Fernandjes/AE–17/6/2002 de final. No meio do caminho, ram previsões negativas para esainda colecionou 4 a 0 na Chi- canteio e foram dois dos maiona, 5 a 2 na Costa Rica, 2 a 0 res responsáveis pela festa. Rodiante da Bélginaldo fez oito ca, 2 a 1 contra a gols, Rivaldo Inglaterra e 1 a 0 marcou cinco. RANÇA, sobre a Turquia, O Mundial conna semifinal. sagrou o Brasil ARGENTINA, Felipão moncomo o maior tou sistema eficampeão de toPORTUGAL E ciente, com Mardos os tempos. cos no gol, três zaMas também foi ITÁLIA FORAM gueiros (Edmílmarcado por deson, Lúcio e Rocepções. As maioAS que Júnior), cinres foram França co no meio-came Argentina, canDECEPÇÕES po (Cafu, Gilberdidatíssimas ao títo Silva, Juninho tulo, favoritas DA COPA Paulista, Ronaldinas apostas e que nho Gaúcho e Ronão passaram da berto Carlos), primeira fase. além de Rivaldo e Ronaldo à Portugal, também precedida frente. Ambos foram motivos de por expectativa favorável, foi discussões e dúvidas, antes da um fiasco. A Itália, sem entusiascompetição. Na prática, chuta- mar, foi até às oitavas-de-final. Ronaldo marcou oito gols, um deles contra a Bélgica, na vitória por 2 a 0 nas oitavas-de-final

L

RONALDO TEM O MELHOR ANO DE SUA CARREIRA
Craque muda de clubes e de país, conquista a Copa e uma infinidade de títulos e troféus

F

onaldo já teve momentos importantes – a maioria felizes – em quase uma década de carreira profissional. Mas certamente não viveu temporada como a de 2002. O início não foi dos mais entusiasmantes, pois perdeu o título italiano com a Inter e se desentendeu com o técnico Héctor Cúper. A partir da Copa, no entanto, não parou de colecionar vitórias – dentro e fora de campo. A campanha no Mundial da Ásia foi impecável. Ronaldo, em forma, marcou oito gols, nas sete partidas da trajetória do penta, foi o artilheiro da competição e um dos destaques da seleção, ao lado de Rivaldo. Só não ganhou o prêmio de melhor do torneio, porque a Fifa optou pelo goleiro alemão Oliver Kahn. O segundo semestre começou sob incerteza e com a insistência do astro de trocar a Inter pelo Real Madrid. Ronaldo venceu o braço-de-ferro com os italianos e voltou para a Espanha, de onde havia saído, cinco anos atrás, depois de passagem pelo Barcelona. Na estréia, em outubro, marcou dois gols contra o Alavés. Ronaldo aos poucos retoma o ritmo antigo e se integra no elenco que tem ídolos de primeira grandeza, como Roberto Carlos, Figo, Zidane. A única taça que levantou no novo time, por enquanto, foi a do Mundial de Clubes (a Copa Intercontinental), no início de dezembro, após a vitória por 2 a 0 sobre o Olimpia, em Yokohama. Mas nos últimos 40 dias, ganhou prêmios de todas as partes do mundo – os principais são a Bola de Ouro, da France Football, e pela terceira vez o título de melhor do mundo outorgado pela Fifa.

R

Orlando Kissner e Helvio Romero/AE

Celso Junior/AE–15/12/2002

JOVEM SANTOS RESGATA O FUTEBOL-ARTE
Dribles desconcertantes, às vezes humilhantes, tabelas envolventes e objetivas. A meninada do Santos resgatou o futebol-arte, alegre e vistoso, mas também competitivo. Cansado de apostar em ‘medalhões’, sem êxito, os dirigentes da Vila apostaram em jovens talentos da categoria de base – no comando, Emerson Leão, técnico experiente e linha dura. A meta inicial era evitar a queda para a Segunda Divisão. Bastaram poucas rodadas para se perceber que aquele time ia longe. Aos poucos, os ‘Meninos da Vila’ começaram a se destacar –

ZIZINHO, DIDA, MAURO, OS QUE PARTIRAM
O Brasil conquistou o pentacampeonato, festejou o ‘renascimento’ de Ronaldo, mas em 2002 também chorou a perda de ídolos. O primeiro a partir, em janeiro, foi Edvaldo Izídio Neto, o Vavá. O coração do “Peito de Aço”, bicampeão mundial em 58 e 62, parou aos 67 anos. Em fevereiro, se foi Thomaz Soares da Silva, o Zizinho, um dos maiores astros do futebol. Mestre Ziza morreu de enfarte, aos 80 anos. Setembro levou Dida e Mauro, outros dois campeões do mundo. Edvaldo Alves de Santa Rosa, um dos astros que mais brilharam no Flamengo, morreu no Rio, aos 68 anos. Dida participou da seleção que conquistou a Copa de 58, na Suécia, e era um dos ídolos de Zico. Mauro Ramos de Oliveira morreu em Poços de Caldas, aos 72 anos. O ‘capitão’ do bicampeonato, no Chile, encantou pela elegância, dentro e fora de campo. O futebol perdeu ainda Juan Alberto Schiaffino, que marcou o primeiro gol do Uruguai na final da Copa de 50 contra o Brasil. Também partiram Sylvio de Magalhães Padilha, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro de 63 a 90, e Alcides Procópio, primeiro brasileiro a disputar o torneio de Wimbledon (1938).

PARREIRA INOVA E CORINTHIANS GANHA TÍTULOS
Dia 4 de janeiro, 15 horas, Carlos Alberto Parreira inicia seu trabalho no Corinthians, já sob pressão. No primeiro no comando da equipe, integrantes da torcida uniformizada Gaviões da Fiel fazem protesto no Parque São Jorge e exigem a saída do vice-presidente de Futebol, Antonio Roque Citadini. Além disso, cobram reforços da diretoria. Protestos inúteis. O dirigente não entrega o cargo e, para piorar a situação do recém-chegado Parreira, anuncia que o clube está sem dinheiro e portanto não terá reforços. De quebra, perde o atacante Luizão, que pede o passe na Justiça. Parreira não se abala e garante que tinha um bom projeto a desenvolver com o grupo, que vinha de fracasso no segundo
34,36% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2001 15 – A rainha Elizabeth II concede o título de sir ao roqueiro Mick Jagger 17 – O Brasil se classifica para as quartas-de-final da Copa do Mundo, em Kobe (Japão), ao bater a Bélgica por 2 a 0, gols de Rivaldo e Ronaldo 18 – Promotores e PM do Rio estouram o “escritório central do crime organizado”, que funcionava no Presídio de Segurança Máxima Bangu 1. Após terem grampeado celulares, os policiais descobriram que a quadrilha de Beira-Mar continuava comandando o tráfico do Rio, mesmo atrás das grades – FMI anuncia a conclusão da terceira revisão do acordo fechado com o governo

Geração nova e de talento levou o Santos à conquista do Brasileiro e a encantar. Surgiam Diego e Robinho, dois meninos que brincavam de jogar futebol a sério. O Santos passou a dar shows, enfim ganhou título importante depois de 18 anos de espera – a Série A nacional – e provou que o Brasil é o país do futebol.
Marcio Fernandes/AE–17/11/2002

O Corinthians festejou o Rio-S. Paulo e a Copa do Brasil semestre de 2001. A síntese de seu esquema é a “colaboração total” dos jogadores. Na prática, isso significa que todos deveriam atacar e defender. Também enterra a imagem de retranqueiro ao implantar esquema com três atacantes. O time supera as expectativas e é o melhor do primeiro semestre, ao ganhar o Rio-São Paulo e a Copa do Brasil, ao superar São Paulo e Brasiliense, respectivamente. No segundo semestre. mantendo a base e chegou à decisão do Brasileiro, para cair diante do Santos.
do Brasil em setembro de 2001, abrindo as portas para o saque de um empréstimo de US$ 4,8 bilhões na instituição. Com o dinheiro, o BC terá munição extra de US$ 10 bilhões para enfrentar a turbulência no mercado – Homem-bomba palestino detona explosivos num ônibus em Jerusalém Oriental, matando 20 pessoas e ferindo 50 19 – Outro homem-bomba palestino detona explosivos na cidade, matando 7 pessoas e ferindo 35. Horas depois, helicópteros israelenses atacam com mísseis metalúrgicas em Gaza e Khan Yunes, além do campo de refugiados de Jabalya – Dois anos depois do acidente, comissão conclui que explosão de torpedo provocou o naufrágio do submarino russo Kursk

PALMEIRAS DÁ VEXAME E É REBAIXADO
O ano de 2002 jamais será esquecido pela torcida do Palmeiras. Não pela conquista de títulos ou reveleção de atletas, mas pela campanha vexatória no Campeonato Brasileiro, em quenão faltaram trocas de técnicos, futebol de fraco nível, jogadores que decepcionaram e a queda para a Segunda Divisão. Os erros começaram quando Vanderlei Luxemburgo, após fazer ‘limpeza’ no elenco, se tranferiu para o Cruzeiro. Veio Flávio Murtosa, com nova proposta de trabalho, que não durou um mês. Outra troca no comando e
– Hamid Karzai assume a Presidência do Afeganistão, com a missão de levar paz e estabilidade ao país, após 23 anos de guerra. Ele governará interinamente por 18 meses – A Justiça Federal condena a 193 anos de prisão os acusados pela morte do velejador neozelandês Peter Blake, morto com dois tiros em 2001, quando reagiu a um assalto em seu barco, atracado no Rio Amazonas, em Macapá – Senado brasileiro ratifica, por unanimidade, o Protocolo de Kyoto 20 – O mercado financeiro tem o dia de maior pânico do ano. O risco país dispara 15,3% e atinge 1.593 pontos, nível mais alto desde janeiro de 1999, ultrapassando o da Nigéria (1.586)

O Palmeiras decepcionou e foi rebaixado para a Série B nacional Levir Culpi assume com discurso otimista. As rodadas passam e time acumula tropeços e decepções. A conversa muda e o toma
21 – Brasil vence a Inglaterra por 2 a 1, em Shizuoka (Japão), e se classifica para as semifinais da Copa do Mundo. Os gols foram marcados por Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho – Autor de sucessos como Hilda Furacão, o escritor e jornalista mineiro Roberto Drummond morre de enfarte, aos 68 anos, em Belo Horizonte 23 – Barrichello vence o GP da Europa, em Nurburgring (Alemanha), diante de 150 mil torcedores de Schumacher. Foi sua segunda vitória na F-1 24 – Sede da prefeitura do Rio é metralhada por cerca de 20 criminosos. Ninguém ficou ferido. Foram lançadas duas granadas, que não explodiram. A polícia encontrou 275 cápsulas de fuzil no prédio

passa a ser o de “o time não vai cair”. Palavras vazias e a equipe despenca, junto com o BotafogoRJ, a Portuguesa e o Gama
– O Brasil recebe autorização formal da OMC para retaliar o Canadá na disputa sobre subsídios à venda de jatos 25 – Sete das oito principais cidade palestinas autônomas da Cisjordânia são ocupadas por Israel, que determina o confinamento de cerca de 700 mil palestinos às suas casas 26 – Seleção brasileira garante vaga para a final da Copa do Mundo, contra a Alemanha, com a apertada vitória de 1 x 0 sobre a Turquia, gol de Ronaldo – Novo escândalo corporativo explode nos EUA. A companhia de telecomunicações WorldCom – controladora da Embratel – admite que inflou artificialmente o fluxo de caixa em US$ 3,8 bilhões ao longo de cinco trimestres, falseando lucros de 2001

e de 2002 28 – O ex-presidente do TRT de São Paulo Nicolau dos Santos Neto é condenado a 8 anos de prisão, em regime semi-aberto, acusado de crimes de lavagem de dinheiro e tráfico de influência. A Justiça impôs a Nicolau pagamento de multa de R$ 1,92 milhão e a perda de todos os bens em favor da União, à exceção de sua residência, um sobrado no Morumbi, zona sul de São Paulo – Em mais um caso de irregularidades em demonstrações financeiras, a Xerox anuncia que reclassificará US$ 6,4 bilhões das receitas, referentes a um período de cinco anos 30 – O Brasil vence a Alemanha por 2 a 0, em Yokohama (Japão), e conquista o

Produto: ESTADO - BR - 12 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H12 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 12 - 31/12/02

H12 -

H12 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-12:20021231:

ESPORTES
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

NO VÔLEI, OURO E CRISE
Dida Sampaio/AE–14/10/2002

Seleção masculina conquista o inédito título mundial; na feminina conflito e fracassos
ma conquista inédita no masculino, só comparável em importância à também inédita medalha de ouro na Olimpíada de Barcelona, em 1992, e momentos de crise e muita polêmica no feminino marcaram o vôlei brasileiro em 2002. Em outubro, em Buenos Aires, um ace de Giovane selou a vitória por 3 a 2 da seleção brasileira sobre a Rússia na final do Mundial da Argentina, apagando uma outra final, 20 anos atrás, no mesmo Luna Park de Buenos Aires, quando os russos puseram fim ao sonho brasileiro do título mundial. A conquista, que coroou um ano brilhante do grupo, sob o comando do técnico Bernardo Rezende, o Bernardinho, também serviu para devolver aos russos a derrota na decisão da Liga Mundial de 2002, em pleno Mineirinho. A repercussão do merecido título rendeu outros frutos. Na volta da Argentina, seleção e comissão técnica foram recebidos com festa em Brasília pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. Bernardinho foi eleito o técniPaulo Whitaker/Reuters–20/9/2002

U

Em 2002, a seleção masculina comemorou o único título que ainda não possuía, o do Campeonato Mundial, conquistado na Argentina, e foi homenageada no Palácio do Planalto

co do ano pelo Comitê Olímpico Brasileiro. O capitão Nalbert – único atleta do planeta a ostentar o ouro mundial juvenil, infanto e adulto – recebeu o Prêmio Brasil Olímpico de 2002. Em contraste, o ano da seleção feminina foi dos mais tumultuados. Problemas de relacionamento entre o técnico Marco Aurélio Motta, substituto de Bernardinho desde 2001, e as jogadoras mais experientes levou a equipe a uma renovação forçada e a fracassos no Grand Prix da Ásia e no Mundial da Alemanha, principais competições de 2002. Após o quinto lugar na Montreux Volley Masters (antiga BCV Cup), em junho, a pior colocação da equipe na história da competição, Fofão, Érika, Raquel, Waleswka e Virna (alegou problemas pessoais) pediram dispensa. Elisângela foi cortada por indisciplina. Com isso, a responsabilidade de representar o Brasil no Grand Prix e no Mundial caiu sobre atletas novatas e desconhecidas do público, como as atacantes Luciana e Paula Pequeno e a líbero Fabi. Apesar do empenho das atletas em conquistar seu espaço, a seleção foi quarta no Grand Prix e sétima no Mundial.
Roberto Castro/AE–18/3/2002

Guga: queda no ranking e só um título em 2002

CIRURGIA ATRAPALHA GUGA
O ano não foi dos melhores para o nosso principal tenista. Gustavo Kuerten, que começou 2002 como o segundo colocado no ranking mundial, chegou a dezembro na 36.ª posição. Uma cirurgia no quadril, ainda em fevereiro, atrapalhou os planos e a temporada do brasileiro. Mais uma vez, quem dominou o cenário internacional foi o talentoso e arrogante australiano Lleyton Hewitt. Guga encerrou 2001 queixando-se de dores. Esperava que o período de descanso até o início de mais uma temporada, embora breve, fosse suficiente para livrálo do problema. Não funcionou. Primeiro, veio a eliminação na partida de estréia no Aberto da Austrália, que se repetiu na abertura do Torneio de Buenos Aires. Em 26 de fevereiro, cercado por um inexplicável mistério, Guga passou por uma cirurgia de quadril nos Estados Unidos. Dois meses depois, o início da temporada européia de saibro trazia a esperança de melhores resultados. Ilusão. Teve de esperar até setembro para conquistar o primeiro – e único – título do ano, justamente o do Brasil Open, na Barra do Sauípe. Em 2003, a temporada de Guga começará no Torneio de Auckland, na Austrália. Entre as mulheres, as irmãs Williams reinaram absolutas. Serena, a caçula, termina 2002 como líder do ranking (com Venus em segundo), após conquistar, entre outros, os títulos de Roland Garros, Wimbledon e US Open, todos torneios do Grand Slam. A Jennifer Capriati, terceira colocada, restou o Aberto da Austrália.
pentacampeonato mundial de futebol. Os dois gols foram marcados por Ronaldo – Morre aos 92 anos em Uberaba (MG), vítima de parada cardíaca, o mais famoso médium do País, Francisco Cândido Xavier, autor de aproximadamente 500 livros psicografados

Quando o assunto é automo- equipe, o brasileiro Rubens Barbilismo, ninguém brilhou mais richello recebeu ordens da Ferem 2002 do que o alemão Mi- rari para dar passagem, para Eriko Sugita/Reuters–13/10/2002 chael Schumacher, que este ano conquistou o pentacampeonato mundial de Fórmula 1, igualando o feito do argentino Juan Manuel Fangio. Mas o piloto da Ferrari não parou por aí: venceu 11 das 17 corridas, estabelecendo novo recorde. O alemão também passou a ser o piloto com maior número de vitórias na categoria, 64. Se viveu grandes momentos, Schumacher também foi protagonista da maior polêmica do ano. No Grande Prêmio da Schumacher igualou feito Áustria, em agosto, o de Juan Manuel Fangio e piloto venceu porque chegou ao quinto título seu companheiro de

SCHUMACHER: ANO DE RECORDES E POLÊMICA
descontentamento do público. Mas o Brasil também teve momentos de alegria. Além das

quatro vitórias obtidas de Rubinho – Nurburgring (ALE), Hungaroring (HUN), Monza Henry Romero/Reuters–15/11/2002 (ITA) e Indianápolis (EUA) – , o País comemorou o título de Cristiano da Matta na Fórmula Indy em Miami e a vitória de Hélio Castro Neves nas 500 milhas de Indianápolis. No motociclismo, o melhor veio no final da temporada, com o brasileiro Alexandre Barros vencendo os grandes prêmios de motovelocidade em Montegi (JAP) e Valência (ESP). A reação ocorreu quando o piloto passou a contar com a mesma moto quaDa Matta: piloto tro tempos do cammantém hegemonia peão, o italiano Vabrasileira na Indy lentino Rossi.

Scheidt sonha, agora, com o 2.º ouro olímpico

SCHEIDT, HEXACAMPEÃO DA LASER
O velejador Robert Scheidt brilhou em 2002 ao tornar-se, em setembro, hexacampeão mundial da classe Laser, marca incrível para a categoria, que dificilmente será batida – já havia sido campeão em 1995, 96, 97, 2000 e 2001. O título foi conquistado nos Estados Unidos, em Cape Cod, e teve reconhecimento no mundo todo, apesar da pouca repercussão no País. Foi o maior triunfo individual no esporte do Brasil na temporada. O brasileiro admitiu que iniciou a competição sem grande confiança, por causa do desempenho ruim no Pré-Olímpico de Atenas. Mas teve ótima atuação. Foi muito regular nos sete dias de disputa e nas 12 regatas. Venceu quatro provas, superando rivais de peso, como o inglês Paul Goodison e o sueco Karl Suneson. Aos 29 anos, Scheidt tem como grande objetivo a conquista da segunda medalha de ouro olímpica. Já afirmou que vai permanecer na classe Laser pelo menos até a Olimpíada de Atenas, em 2004, o que aumenta suas chances de medalha. Não descarta, porém, competir por outra categoria a partir de 2005. Scheidt faturou o primeiro e único ouro em 1996, em Atlanta. Em 2000, em Sydney, não teve a mesma sorte. Era o favorito, mas acabou deixando o ouro escapar na última regata. Ficou com a prata. O vencedor foi o inglês Ben Ainslie.
– Campeão mundial em 1963 e integrante do time brasileiro em três Olimpíadas, o ex-pivô da seleção brasileira de basquete Ubiratan Pereira Maciel morre em Brasília, aos 58 anos, por falência múltipla de órgãos 18 – Morre de infarte em Iguape (SP) o ator Gerson de Abreu, apresentador, entre 1991 e 1994, do programa infantil X-Tudo, na TV Cultura 21 – A gigante das telecomunicações WorldCom pede concordata à Justiça americana – Schumacher conquista o pentacampeonato na Fórmula 1 ao vencer o GP da França. Além de igualar o recorde de títulos do argentino Juan Manuel Fangio, o alemão torna-se o campeão que definiu

POPÓ BRILHA, TYSON CAI
Um ano de confirmação pa- pontos (decisão unânime), fez to, no dia 4, Popó voltou aos Attah, também por pontos. ra Acelino Popó de Freitas. Os aumentar o prestígio do brasilei- EUA para a primeira defesa do Se Popó se deu bem na temque contestavam o título mun- ro no mundo do boxe. Em agos- título: bateu o nigeriano Daniel porada, 2002 é ano para Mike dial do baiano pela OrRoberto Castro/AE–13/3/2002 Gary Hershorn Reuters–8/1/2002 Tyson esquecer. Na luganização Mundial de ta para reviver os temBoxe, entidade sem pos de demolidor immuita expressão, tiveplacável, o “Homem ram de se render. O tíde Ferro” teimou em tulo dos superpenas, cruzar o caminho do da poderosa Associagrandalhão Lennox ção Mundial de Boxe, Lewis. Apanhou muiconquistado no dia 13 to naquele 8 de junho, de janeiro, diante de na Pirâmide de Memum adversário de catephis. Depois de vários goria – o cubano Joel tombos, caiu nocauCasamayor –, serviu teado no oitavo assalpara confirmar a evoto, indefeso, humilhalução do invicto pugido. Um cheque de lista do São Paulo. A US$ 25 milhões certaO presidente FHC Tyson na lona, vitória nos Estados mente lhe cicatrizou recebe Popó em Brasília: humilhado por Lewis. Unidos, embora por todas as feridas. reconhecimento Noite para esquecer

DANIELE HYPÓLITO: DE NOVO, A MELHOR
A ginasta brasileira Daniele Hypólito foi, outra vez, um dos destaques do esporte nacional. A atleta, que no ano passado conquistou a medalha de prata no solo e a quarta colocação geral no Mundial de Ghent (BEL), manteve o nível em 2002, firmandose como a maior ginasta da história do País. Daniele conquistou este ano, pela segunda vez consecutiva, o título de melhor atleta brasileira, escolhida pelo Comitê Olímpico Brasilei– O goleiro alemão Oliver Kahn é eleito o melhor jogador da Copa do Mundo, com 25% dos votos 2 – Um ano e 21 dias depois do acidente que custou a vida do músico Marcelo Fromer, dos Titãs, a polícia de São Paulo apresenta o motoboy Erasmo Castro da Costa Júnior, de 31 anos, que confessa ter atropelado o guitarrista 4 – Pinochet renuncia ao mandato de senador vitalício. A decisão ocorre três dias após a Suprema Corte do Chile ter arquivado o processo aberto contra ele pelo seqüestro e morte de 75 opositores na chamada “Caravana da Morte”, em 1973 5 – Três acidentes envolvendo 27 carros, ocorridos entre os km 82 e 89 da Rodovia Castelo Branco, em São Paulo, deixam
Maurilio Chelli/Divulgãção – 11/8/2002

Daniele repete 2001 e ganha o prêmio Brasil Olímpico, do COB
12 mortos, 13 pessoas gravemente feridas e 12 com ferimentos leves. A forte neblina que cobria a estrada provocou as colisões 6 – O vice-presidente do Afeganistão, Haji Abdul Qadir, é assassinado em Cabul. Qadir era um dos poucos representantes da etnia pashtun no governo 8 – Morre em Assaré (CE), aos 93 anos, o escritor Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa de Assaré, um dos mais famosos poetas e cordelistas do Brasil – A Merck, terceira maior fabricante de remédios no mundo, admite que divulgou nos balanços dos últimos três anos mais de US$ 12 bilhões em lucros, embora o dinheiro não tivesse entrado no caixa 9 – Morre em Los Angeles, aos 77 anos, o ator Rod Steiger. Ele recebeu o Oscar por No Calor da Noite, de Norman Jewison, e teve grandes papéis em obras de Elia Kazan e Sidney Lumet 11 – O ex-ditador argentino Leopoldo Galtieri, de 75 anos, é preso em Buenos Aires sob a acusação de cometer crimes contra os direitos humanos durante o regime militar (1976-1983) – O presidente do STF, Marco Aurélio Mello, concede habeas-corpus ao cantor Belo, preso no Rio 14 – Chirac é vítima de um atentado frustrado na Avenida Champs-Elysées, junto ao Arco do Triunfo. A intervenção de espectadores de um desfile militar atrapalhou o neonazista Maxime Brunerie, cujo tiro se perdeu no ar 15 – Os seis seqüestradores de Olivetto

ro (COB). Mas se engana quem pensa que foi um ano fácil para a atleta. Ela superou problemas de excesso de peso, compromissos com patrocinadores e a incerteza da permanência no Flamengo para ganhar ouro na trave na primeira etapa da Copa do Mundo, em Cottbus (ALE). Foi, ainda, quinta colocada no solo no Mundial de Ginástica por Aparelhos, em Debrecen (HUN), e quarta na trave na etapa da Copa do Mundo de Stuttgart (ALE).
são condenados a 16 anos de prisão 16 – PF conclui o inquérito do caso Usimar, incriminando 23 pessoas, entre elas Roseana, Murad e Jader 17 – Revista Nature publica estudo sobre crânio descoberto nos desertos da África central, que teria pertencido ao mais antigo dos ancestrais humanos e preencher um “vazio evolutivo” na história do homem. Batizado de Toumai, o fóssil tem entre 6 e 7 milhões de anos, 3 milhões a mais do que qualquer crânio de hominídeo já encontrado – Primeiro e único índio a se tornar deputado federal, o ex-cacique xavante Mário Juruna, de 58 anos, morre em Brasília, vítima de complicações decorrentes de diabetes

JULHO
1 – No dia em que o Plano Real completa oito anos, o dólar dispara e fecha em nível recorde, cotado a R$ 2,896, alta de 2,7%. Um dos motivos seriam rumores de que o ex-ministro da Fazenda Ciro Gomes (PPS) estaria tecnicamente empatado na corrida presidencial com o senador José Serra

Produto: ESTADO - BR - 13 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H13 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 13 - 31/12/02

H13 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-13:20021231:

ESPORTES
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H13

Casagrande aponta erros, ao mesmo tempo em que vê evolução no futebol brasileiro
TOTE NUNES

CRÍTICO, MAS OTIMISTA
Epitácio Pessoa/AE

alter Casagrande Júnior está entusiasmado com o futebol brasileiro. A desorganização crônica, o amadorismo dos cartolas, a crise financeira dos clubes, nada tira o otimismo do ex-centroavante e colunista do Estado e comentarista da Tv Globo. Ele considera que o esporte passa por revigorante processo de reestruturação. Por força do ofício, viu pelo menos três partidas do Brasileiro por semana. E gostou muito. “No ano passado, a gente falava apenas do Kaká e neste falamos também de Robinho, Diego, Paulinho, Dagoberto...”, lembra. Fora dos gramados destaca que se discute com seriedade calendário mais equilibrado e não esquece de citar o avanço que foi o enfraquecimento da bancada da bola (parlamentares ligados a clubes ou a dirigentes), que caiu nas urnas. Dono de carreira pontuada pela irreverência, construída em alguns dos times mais importantes do Brasil (Corinthians, São Paulo e Flamengo), do Exterior (Porto e Torino) e na seleção (pela qual disputou a Copa de 86), o quase quarentão Casagrande se considera analista acima de qualquer suspeita. Até porque a vigilância em casa é firme: Symon, de 9 anos, é santista; Leonardo, de 13, é sãopaulino; e Vítor Hugo, de 16, palmeirense. Nesta entrevista ao Estado, mostra esperança do ressurgimento do futebol brasileiro Estado – Como você avalia o nível técnico do Brasileiro? Walter Casagrande Júnior – Acho que foi bom e acredito que a Copa teve influência direta nisso. O título do Brasil deu motivação maior aos jogadores. Mesmo que 90% dos que disputaram o Mundial estejam fora do País, acho que os que atuam aqui se motivaram muito mais. Estado – Você acha que foi melhor que o do ano passado? Casagrande – Sim, não dá para comparar. Tome como base a revelação de jogadores. No ano passado, a gente falava do Kaká. Neste ano, falamos também Diego, Robinho, Dagoberto (AtléticoPR), Paulinho (Atlético-MG), Luís Fabiano, Gil, Rodrigo Fabri, que voltou a fazer gols. Estado – Você acha que isso se deve basicamente ao entusiasmo pela Copa? Casagrande – Acho que sim. Se o Brasil não tivesse ganhado a Copa, a gente teria clima de pessi-

W

A final da João Havelange foi o fundo do poço. A credibilidade está sendo resgatada e os clubes parecem mais organizados

Monica Zarattini/AE–13/11/2002

Astro acompanhado
“No ano passado, se falava apenas no Kaká. Este ano, falamos também de Diego, Robinho, Luís Fabiano. O título mundial deu mais motivação aos jogadores.”
mais cedo uma temporada 23 – O Brasil sobe duas posições na lista de desenvolvimento humano das Nações Unidas, mas isso não reverte em melhoria das condições de vida da população, segundo o Relatório de Desenvolvimento Humano 2002. Numa relação de 173 países, o Brasil ocupa a 73ª posição 25 – Rumores sobre pesquisa do Ibope, que mostra forte crescimento da candidatura Ciro Gomes, fazem a cotação do dólar romper, pela primeira vez, a barreira dos R$ 3,00. A moeda chega a ser cotada a R$ 3,03 – Ministério da Previdência anuncia o fim da intervenção na Previ – Eleito com 22 votos, o escritor Paulo Coelho é o mais novo imortal da Acade-

mismo. Os jogadores estariam times fazendo o mesmo. Se não é com o moral baixo. Os patrocinadesde o início do jogo, na metade dores iriam diminuir mais. Os cludo segundo tempo tem time usanbes ficariam desnorteados; os jodo três atacantes. O Fluminense gos teriam público muito menor. usou muito Romário, Roni e MagEstado – Dos jogos que você no Alves. Aí entra a Copa. O Braviu, qual foi o melhor? sil ganhou sendo ousado e isso fez Casagrande – Vi bons jogos, os treinadores retomarem essa vimas acho aqueles 3 a 2 do São são. Quem dita a moda é a Copa Paulo contra o Santos, na fase de e a A tendênclassificação. Achei que aquele 4 cia é atacar. a 2 do Santos contra o CorinEstado – thians também foi muito bom. Você acha Estado – O que 2002 foi o Santos, camfim da “Era peão, foi a noDunga”? vidade do camCasagranpeonato? de – Era DunCasagrande ga, não. Acho – O Santos foi que se resgatou a novidade e a era da ousatrouxe para o dia no futebol. futebol aquela Acho que esse que talvez seja ano pode ser a maior revelamarco na retoção dos últimada do futebol ofensivo. mos anos, que Estado – O que aconteceu é o Robinho. com grandes como Palmeiras e Ele é fantástiBotafogo, que caíram, e Vasco, co, impressionante, ousado, faz joFlamengo, Inter, que estiveram gadas diferentes. Aliás, não repeameaçados? te uma jogada. Ele é a ginga que Casagrande, ex-jogador, é comentarista de futebol Casagrande – O caso do Palfaltava. meiras é difeCelso Junior/AE–15/12/2002 Vidal Cavalcante/AE–26/6/2002 Estado – Vorente dos oucê não acha tros. Porque, se que corre risnão era time co de supervapara chegar ao lorizar o atletítulo, também ta? Não há não era pior do exagero? que FluminenCasagranse, Atlético Mide – Não. neiro. Era um Acho que se time que podeexagerou em ria ter se classioutros jogadoficado. Teve res, mas com uma fase ruim relação a ele no começo e denão. Como ainpois ficou muida é garoto, o to difícil reagir. Santos precisa Estado – Vofazer trabalho cê acha que psicológico ele teve resmuito bem feiponsabilidaFelipão corajoso to. Não vou di- Fera amansada de na queda? zer que é um “Leão foi uma Casagranespaço para a criação, “Felipão teve representou ousadia Pelé, mas está revelação, mudou. de – Teve, pois além de montar um coragem, na Copa, e muitos times agora acima da mé- Historicamente era time com com base nas ao colocar copiam essa forma de chegou no Paldia, acima de retranqueiro, mas desta características de um meiras e fez Ronaldinho Gaúcho, jogar. A Copa dita Ronaldo, por vez, mostrou que é aquilo que grupo de jogadores Rivaldo e Ronaldo moda. A tendência é exemplo, que é sensível, pois soube dar bons de bola.” quis. Mandou na frente. Isso atacar.” ótimo jogador. volantes emboAliás, acho que houve exagero no dores. No tempo do Zico, o time thians, que se consolidou no ra, como Claudecir, Magrão, Fercaso do Ronaldo, mas no do Robi- foi campeão mundial e Brasileiro Brasileiro, não foi também nando e Galeano. Mudou o Arce nho não. Poderemos ver surgir só com três jogadores de fora. uma novidade? para o meio e colocou o Leonardo por aí uma coisa brilhante. Estado – E o Vasco? Casagrande – Houve uma tro- na lateral. Fez um jogo, surgiu a Estado – Do ponto de vista táCasagrande – O Vasco é caso ca. O time do Parreira teve in- proposta do Cruzeiro e foi embotico, o Santos trouxe também al- à parte. Durou fluência na co- ra. Vieram outros treinadores, enguma novidade? enquanto o Euragem do Feli- contraram o grupo formado pelo Casagrande – A novidade foi rico Miranda tipão na Copa. Vanderlei e não conseguiram trao Leão. Ele mudou. Historica- nha algum poO Corinthians balhar. O único que teve o grupo mente, sempre foi treinador re- der. Ele até fafoi campeão que imaginou foi o Luxemburgo. tranqueiro. Foi assim na Portu- zia bons times do Rio-São Talvez seja duro demais falar que guesa, no Atlético Mineiro, na pri- e tinha influênPaulo e da Co- ele tenha sido o culpado, mas temeira passagem pelo Santos. Des- cia na CBF. pa do Brasil jo- ve responsabilidade. Por ética e ta vez, mudou. Chegou na Vila e Veio a crise, o gando com moral, ele deveria ter ficado. viu um bando de moleques bons clube não privitrês atacantes, Estado – Você não acha que a de bola e montou o time de acor- legiou as catecoisa que não culpa maior é da diretoria, que do com as características deles. gorias de base acontecia ha- autorizou as dispensas? Estado – Você acha que isso e parou de revevia muito temCasagrande – Os outros treinaveio da sensibilidade do Leão? lar jogadores. po. A gente vi- dores tiveram de fazer milagre paCasagrande – Eis outra revela- O poder de Euvia uma era de ra montar um time. Eles só tição do ano. Descobrimos que o rico acabou. O dois e, às vezes, nham um volante, pois o LuxemLeão é sensível. Joguei e trabalhei Vasco tem de mudar de cara. só um atacante. O Felipão viu is- burgo mandou quatro embora. com ele. Sempre foi uma pessoa Estado– O esquema com três so e colocou Ronaldinho Gaúcho, Mandou caras que fizeram um definida, que não permitia espa- atacantes adotado por Carlos Ronaldo e Rivaldo. Isso represen- ótimo campeonato – sendo que ço para a criação. Desta vez, sur- Alberto Parreira no Corin- tou ousadia. Hoje vemos muitos três deles chegaram à segunda fapreendeu ao dar espaço para os se: o Fernando foi bem no JuvenVidal Cavalcante/AE–15/12/2002 jogadores. Além de Diego e Robitude, Magrão e Claudecir joganho, deu novas funções ao Alberram muito no São Caetano. O Gato, ao Renato, liberou os laterais. leano se deu mal porque caiu Estado – A utilização de joganum time ruim, mesmo assim foi dores das categorias de base o destaque no Botafogo. Se ele não se deve basicamente à crise mandou todos embora era porfinanceira pela qual o clube pasque tinha estratégia para o time. sa? Ele não tinha outra opção. Aí, fez a limpeza e saiu? Não tiCasagrande – Poderia colocar nha o direito. Tinha de ter ficado, outros jogadores. Em vez do Robino mínimo, para colocar em prátinho, poderia optar por volante ca o plano que ele elaborou. marcador. O Santos escolheu a Estado – E os times do Rio? opção mais técnica. Isso se deve à Casagrande – Os times do Rio sensibilidade do Leão e do presisão outro problema, há anos. Jodente Marcelo Teixeira. guei seis meses no Flamengo, em Estado – Vasco e Flamengo 93, e não recebi. Só fui receber na também apostaram nos garoJustiça. Os clubes não se preocutos, por força das circunstânpam com ética. O Flamengo decias, O que deu errado lá? via para mim e para tantos ouCasagrande – Foi uma questros em 93 e em 97 contratou Edtão de qualidade. O Flamengo mundo e Romário por muito dinão revela ninguém há muito Robinho, um brilhante nheirão. Se os dirigentes te mantempo. Salvo engano, a última ge- “Talvez ele seja a maior dam embora e você vai cobrar, diestá acima da média, acima ração de qualidade foi aquela de revelação dos últimos anos. É de Ronaldo, que é ótimo zem “vai procurar a Justiça”. Marcelinho Carioca, Djalminha, fantástico, impressionante, Estado – O futebol brasileiro jogador. O Santos só precisa Leonardo e, um pouco depois, o ousado, faz jogadas fazer um trabalho psicológico não corre esse risco? Athirson. O Fla abandonou uma diferentes. Tem a ginga que Casagrande – Acho que não, bem feito. Podemos ver surgir tradição, que foi a de revelar joga- faltava. Não é um Pelé, mas pois os dirigentes de São Paulo aí uma coisa brilhante.”

O problema dos clubes do Rio é que não têm ética. Os de São Paulo não são maravilhosos, mas pelo menos são éticos.

Se o Brasil não tivesse ganhado a Copa, teríamos um clima de pessimismo e os jogos teriam público menor

são melhores. Ao menos têm ética. Veja Roque Citadini, do Corinthians. Não sou fã dele. Fui um dos que mais criticaram quando apareceu no Corinthians, porque achava que não entendia de futebol. Ainda acho que não entende, mas não se pode falar que seja desonesto. Nunca ouvi nada suspeito a respeito dele. No Santos a mesma coisa. O time não tem dinheiro, mas não gasta o que não tem. Paga pouco aos garotos, mas paga. No São Paulo nem se fala. É um time equilibrado. O São Caetano é um clube equilibrado. Faz três ou quatro anos que não se fala em atraso de pagamento. Não são maravilhosos, mas pelo menos são éticos. Estado – Em 2003, o campeonato será de oito meses, com pontos corridos em turno e returno. Não há risco de muitas partidas desinteressantes? Casagrande – O sistema de pontos corridos é mais justo, mas há pressão no Brasil para que se tenha final. Dizem que o torcedor está acostumado com decisões. A gente poderia dividir os times em duas chaves e se classificariam os dois melhores. Assim ninguém relaxa, como aconteceu este ano. E stado – Você acha que o futebol brasileiro passa por transformação moral positiva? Casagrande – Acho que o Brasil passa por transformação muito positiva. Nada contra o Fernando Henrique, que na minha opinião fez coisas muito importantes para o País, mas a eleição do Lula representa mudança. Ele representa um partido que sempre pregou transparência na política, honestidade. Acho que ele deve tentar fazer isso também no esporte. Confio mais na política para evitar a virada de mesa. Estado – Se Flamengo e Vasco tivessem caído, a pressão pela virada de mesa seria maior? Casagrande – Seria maior, mas não vejo espaço para isso. Hoje é ridículo pensar em virada de mesa. Não cabe mais. Os caras que estavam acostumados a fazer isso perderam poder. O Eurico, por exemplo, nem se reelegeu. Estado – O futebol brasileiro está deixando o fundo do poço? Casagrande – Moralmente, o futebol brasileiro esteve no fundo do poço quando teve virada de mesa para colocar Botafogo, Fluminense. Mudaram as regras, numa total falta de credibilidade. Aquele final da Copa João Havelange, em que o alambrado caiu e o Vasco foi campeão, foi o nosso fundo do poço. Nesta virada de ano a gente já respira outros ares. A credibilidade do futebol está sendo resgatada, os clubes parecem mais organizados e o resultado pode ser visto nos jogos.
Milton Michida/AE–20/4/2002

Culpa na queda
“Luxemburgo teve responsabilidade na queda do Palmeiras, porque chegou, fez o que quis, mandou embora volantes, depois aceitou oferta do Cruzeiro e saiu”
um campo gigante, com reservas de 600 milhões de barris de petróleo, na Bacia de Campos. É a maior descoberta no País desde a do Campo de Roncador, também em Campos, em 1996 – O técnico Luiz Felipe Scolari anuncia a saída do comando da seleção brasileira, após 423 dias de mistério. Ele diz que a pressão da família e o desgaste natural que teria se permanecesse no cargo pesaram na decisão 11 – A desigualdade social na Argentina atinge nível recorde desde que a distância entre ricos e pobres começou a ser medida, no início dos anos 70. De acordo com dados oficiais, os 10% mais ricos detêm renda 46,6 vezes superior à dos 10% mais pobres 12 – O procurador-geral da Repúbli-

mia Brasileira de Letras (ABL) 30 – Bush assina lei sobre responsabilidade corporativa, que quadruplica a pena para executivos que cometam fraudes. Com isso espera restabelecer a confiança dos investidores – Os presidentes do Congo, Joseph Kabila, e de Ruanda, Paul Kagame, assinam acordo para pôr fim uma das mais sangrentas guerras africanas. O conflito envolveu sete países e causou mais de 2,5 milhões de mortes 31 – Dólar bate oitavo recorde consecutivo do Real e fecha cotado a R$ 3,47, com alta de 5,15%. A moeda americana atingiu o pico de R$ 3,61 – A explosão de uma bomba deixada numa sacola na cantina do campus da Uni-

versidade Hebraica, em Jerusalém, mata 7 estudantes e fere mais de 80, entre eles um brasileiro que trabalha na faculdade – Depois de se reunir em Brunei com o secretário Colin Powell, o chanceler da Coréia do Norte, Paek Nam Sun, anuncia a retomada do diálogo entre os dois países. Foi o primeiro contato de alto nível dos dois governos desde que Bush incluiu a Coréia do Norte, ao lado de Iraque e Irã, no “Eixo do Mal”, que patrocinaria o terrorismo – São Caetano sofre dupla derrota para o Olimpia (Paraguai), no Pacaembu, e fica com o vice-campeonato da Copa Libertadores da América. O time do ABC, que precisava apenas empatar para levar o título, perdeu o jogo por 2 a 1 e a disputa de pênaltis por 4 a 2

AGOSTO
1 – Senado aprova a TPA, concedendo a Bush autoridade para negociar acordos internacionais de comércio por cinco anos 2 – O prefeito de Ribeirão Preto (SP), Antônio Palocci Filho (PT), pede à Câmara afastamento do cargo para se dedicar à coordenação da campanha de Lula 4 – A Câmara dos Deputados do Uruguai aprova lei similar ao corralito – O liberal Gonzalo Sánchez de Lozada, do Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), é eleito presidente da Bolívia, derrotando o candidato indígena socialista Evo Morales – O Paysandu, do Pará, vence o Cruzei-

ro em Fortaleza por 4 a 3 no jogo e 3 a 0 na disputa de pênaltis e conquista a Copa dos Campeões. O título garante vaga na Copa Libertadores de 2003 7 – FMI anuncia concessão de US$ 30 bilhões em dinheiro novo ao Brasil. Do total, US$ 6 bilhões serão desembolsados ainda em 2002. A liberação dos outros US$ 24 bilhões em 2003 dependerá do apoio dos principais candidatos a presidente ao acordo com o fundo 9 – Roseana é inocentada pela Justiça Federal de Tocantins das acusações no caso Usimar. O juiz da 2.ª Vara Federal, Alderico Rocha Santos, afirma não ver indícios de que o dinheiro encontrado no escritório da Lunus estivesse vinculado às fraudes – Petrobrás anuncia a descoberta de

Produto: ESTADO - BR - 14 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H14 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 14 - 31/12/02

H14 -

H14 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-14:20021231:

INTERNACIONAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

BUSH JOGA TUDO CONTRA SADDAM
REUTERS/Peter Andrews

W

de Center e o Pentágono. Com a agenda da administração totalmente concentrada no plano anti-Saddam, a importante vitória dos republicanos nas eleições legislativas de 5 de novembro, que devolveu PAULO SOTERO ao partido de Bush o controle Correspondente político do Congresso, foi pronASHINGTON – A tamente interpretada pela adruidosa reentrada ministração como um endosso em cena da Coréia à sua estratégia contra o Irado Norte, em dezembro, ameaque. çando reativar o programa nuSob forte pressão de Waclear bélico que havia sido posshington, o CS da ONU cheto na geladeira graças a um gou à mesma conclusão e dias acordo de cooperação negociadepois aprovou uma duríssido em 1994 pelo governo Bill ma resolução obrigando SaClinton, deixou o presidente ddam a aceitar o retorno dos George W. Bush diante de inspetores de armas, que hauma crise diplomática tão fora viam deixado o país em 1998, de hora e indesejada que até ou a arcar com as conseqüêndomingo a Casa Branca recucias. A Casa Branca sublinhou sava-se a tratá-la como tal. a mensagem informando que Tendo se empenhado duranobservaria uma política de “tote todo o ano com zelo obsessilerância zero” a qualquer desvo para preparar os americacumprimento por Bagdá dos nos para uma guerra contra o termos da resolução. Iraque e convencer a comuniCom centenas de inspetores dade internacional sobre a nede armas no Iraque, a adminiscessidade e a legitimidade de tração Bush anunciou em 5 de uma ação preventiva para dedezembro que possuía fortes insarmar o regime de Bagdá, o lídícios sobre os programas de der americano viu-se subitaarmas de destruição em massa mente confrontado com um pedo país. Dias antes do Natal, a rigo mais claro e, potencialCasa Branca voltaria à carga mente, mais imediato do que denunciando o Iraque por queSaddam Hussein. Soldados americanos da Companhia Alfa limpam canhão de tanque Abrams, no deserto do Kuwait: concentração maciça de forças bra do compromisso de forneA nova ameaça norte-coreacer informações completas à na não deteve Bush da busca em curso em Nova York e a pri- te poderia envolver uma nova contra o regime de terror do ser atacado à condição de nova ONU sobre seu programa de do objetivo que se impôs. Deter- meira leva de prisioneiros da guerra contra o país num futu- Taleban no Afeganistão, mas doutrina de segurança nacio- armas. minado a acertar as contas que guerra contra o terror no Afe- ro não distante. que não desmontaria a rede ter- nal dos EUA. Alguns dias deUma ordem secreta assinaseu pai, o ex-presidente Geor- ganistão recém-chegada ao A crise dos escândalos contá- rorista Al-Qaeda, responsável pois, a instalação do governo da pelo secretário de Defesa ge H. Bush, deixou pendentes presídio improvisado na base beis em grandes empresas ame- pelos ataques de 11 de setem- de Hamid Karzai na presidên- Donald Rumsfeld na véspera com o líder iraquiano, na Guer- militar americana de Guantá- ricanas começava, solapando bro, os EUA foram chamados cia do Afeganistão marcaria o do Natal inaugurou a fase fira do Golfo de 1991, ele orde- namo, Cuba, Bush apresentou a confiança dos americanos na a debelar mais um incêndio in- fim da transição pós-Taleban nal dos preparativos para a nou o início da fase final da mo- o argumento para uma ação fu- economia do país. Revelações ternacional, desta vez entre a no país e o início de seu desapa- guerra, cujo início, na passabilização de soldados, aviões e tura contra o Iraque afirman- de informações sobre obstru- Índia e o Paquistão, que amea- recimento da agenda america- gem de ano, era considerada outros equipamentos para um do que país formava, junto ção burocrática e erros de aná- çavam resolver décadas de hos- na, crescentemente dominada apenas uma questão de tempo. possível ataque contra o Ira- com Irã e Coréia do Norte, um lises cometidos pelo FBI , indi- tilidade com armas nucleares. pelo Iraque. Antes da chegada dos reforços, que. “eixo do mal” e base de apoio a cando a possibilidade de que Entre março e maio, o confliTerminadas as férias de ve- esperada para as próximas seNo sábado, ações do terroris- os ataques de 11 de setembro to do Oriente Médio produzia rão, em setemmanas, o ano-noBush usou seu mo internacio- de 2001 poderiam ter sido evi- quase 2 mil mortes e sepultaria bro Bush reinivo chegou com discurso radiofônal contra os Es- tados, introduzia dúvidas so- o processo de paz iniciado em ciou a escalada 60 mil soldados RISES NÃO Ó FIM DO nico semanal patados Unidos. bre a capacidade do país de 1993 pelos acordos de Oslo. retórica contra americanos e cerra atribuir-se créNo mesmo dis- proteger-se de forma eficaz Forçado a interferir, Bush Bagdá. Com o ca de 400 aviões DESVIARAM REGIME dito “pelos esforcurso, ele disse contra a ameaça do terroris- apoiou Sharon, disse que a so- apoio da Inglade combate de ços da América que os EUA não mo. Fora das fronteiras ameri- lução do conflito passava pela terra, o líder vários tipos espaLÍDER DE META SATISFARÁ para confrontar esperariam por canas, o assassinato de seis is- saída de cena de Arafat e, ten- americano disse lhados por bases os perigos do terum novo ataque raelenses por franco-atirado- do minado por antecipação que os EUA estamilitares na TurOBSESSIVA EUA rorismo em terrorista e agi- res palestinos durante uma ce- qualquer ação mediadora de vam preparados quia, Kuwait, 2002” e deixar riam de forma rimônia de bar mitzvah, no fi- Washington, despachou Po- para agir soziCatar, Arábia claro que Sapreventiva ao nal de janeiro, reacendera a well para a missão impossível nhos contra o reSaudita, Omã e ddam Hussein continuará a menor sinal de ameaça. violência do mais antigo confli- de produzir um entendimento gime de Bagdá e desafiou o Bahrein, à espera da ordem de ser o foco central da política exNo mês seguinte, o secretá- to do Oriente Médio, desta vez e o fim da violência. Conselho de Segurança das Bush para atacar. A única perterna americana em 2003. rio de Estado Colin Powell re- agravada pela intensa animosiCrises internas ou externas, Nações Unidas a pronunciar- gunta relevante para a qual O presidente dos EUA anun- velou os primeiros detalhes so- dade entre os líderes das forças no entanto, não desviaram se. Bush ainda não tem uma resciou essa estratégia com toda a bre as intenções americanas. em confronto – o primeiro-mi- Bush de sua meta de tirar SaOs preparativos de uma posta é o que os EUA farão solenidade no discurso sobre o Num depoimento perante a nistro de Israel, Ariel Sharon, e ddam Hussein de Bagdá. No “ação defensiva preventiva” com a vitória. A perspectiva de Estado da União que pronun- Comissão de Relações Exterio- o presidente da Autoridade Pa- início de junho, ele voltaria ao contra Bagdá seriam um dos te- uma ocupação militar prolonciou perante as duas casas do res do Senado, ele informou lestina, Yasser Arafat –, exigin- tema na cerimônia de formatu- mas centrais da semana de ceri- gada do Iraque, ou de uma parCongresso, no dia 29 de janei- que a administração estava tra- do uma nova intervenção me- ra de uma nova turma de cade- mônias que o governo organi- tilha do país após a remoção ro. Com os trabalhos de remo- balhando num plano para pro- diadora dos EUA na região. tes da Academia Naval dos zou para marcar o primeiro de Saddam, é vista com granção dos escombros das torres mover “uma mudança de regiAinda sob o impacto da guer- EUA. Em discurso, Bush ele- aniversário dos devastadores de apreensão entre os chefes do World Trade Center ainda me” no Iraque e indicou que es- ra punitiva que levaram a cabo vou a idéia de atacar antes de atentados contra o World Tra- militares americanos.

A única pergunta sem resposta é o que os EUA farão com a vitória

C

S

KIM DÁ VIDA A ‘EIXO DO MAL’
Programa nuclear da Coréia do Norte tira do papel a ameaça apontada por Bush
ASHINGTON – A versão mais benigna sobre a decisão da Coréia do Norte de reativar seu programa de armas nucleares é a que o regime de Kim Jong-il escolheu um momento em que os EUA estão ocupados com os preparativos de uma guerra contra o Iraque para extrair novas concessões da administração Bush – para amenizar a calamitosa situação do país criada por meio século de isolamento. Se estiver correta, essa teoria poderá levar a uma repetição do tipo de barganha que a administração Clinton fez com Pyongyang em 1994, quando os EUA e seus aliados ofereceram à Coréia do Norte petróleo e um reator nuclear para produção de energia elétrica em troca da desativação do programa nuclear bélico do país. Mas há, segundo especialistas, uma hipótese mais sinisca, Geraldo Brindeiro, denuncia o governador do Espírito Santo, José Ignácio Ferreira (PTN), ao STJ por envolvimento em crimes eleitoral e contra o sistema financeiro durante a campanha à reeleição, em 1998 14 – Governo cede à pressão dos bancos e anuncia uma série de medidas para conter a fuga de recursos dos fundos de investimento. Dados do BC indicam que R$ 38 bilhões deixaram os fundos no ano 16 – Agroindústria apresenta crescimento recorde de 8,3% no primeiro semestre, melhor resultado do setor apurado nas pesquisas realizadas há dez anos pelo IBGE 17 – Durval Discos, dirigido por Anna Muylaert, é o grande vencedor do 30.º Fes-

Kim Kyung-hoon/Reuters-15/11/2002

W

tra. Incluída no “eixo do mal” mar o acordo de não-proliferapor George W. Bush, a Coréia ção com a administração Clindo Norte pode ter concluído ton. que é o próximo alvo dos EUA, Altos funcionários americadepois do Iraque, e decidido nos admitem que a jogada de precaver-se. Se, de fato, recolo- Kim Jong-il deixou-os numa car em funcionamento a usina posição incômoda para explide processamento de plutônio car a decisão de Bush de, por em Yongbyon, Kim Jong-il po- um lado, mobilizar tropas para derá ter pelo menos meia dú- um possível ataque contra o zia de bombas atômicas na Iraque e, de outro, buscar uma mão, além das que se presume solução diplomática com a Coque ele já possui. réia do Norte – Qualquer dos que acaba de dois cenários é anunciar a expulGIVAS DE perigoso. Eles são de inspetonão apenas introres internacioPYONGYANG duzem um novo nais de armas, seelemento de tenguramente posPODEM ATINGIR são internaciosui bomba atôminal como exca e veículos paLOS ANGELES põem a ausência ra lançá-la conde uma estratétra alvos tão disgia clara em Watantes quanto shington para enfrentar a Los Angeles e confessadamenameaça. É significativo, nesse te violou um acordo com os sentido, que a administração EUA. Bush tenha segurado durante A explicação não pode ser semanas a informação que re- dada abertamente porque ela é cebeu diretamente de Pyon- incompatível com a postura gyang, em outubro, segundo a agressiva que a administração qual a Coréia do Norte mante- Bush adotou para preservar a ve um programa secreto de ar- segurança dos EUA depois dos mas nucleares depois de fir- ataques terroristas de 11 de se-

O

Manifestantes sul-coreanos pedem fim de política de reaproximação com a Coréia do Norte tembro de 2001. Embora ainda não tenha mapeado o pós-guerra contra Saddam Hussein – que promete ser um dos grandes dilema de Washington em 2003, em caso de guerra – a administração acredita que pode obter uma vitória rápida e relativamente indolor contra o Iraque. Em contraste, assessores
Gaza 21 – O racha do PSDB na sucessão presidencial é oficializado com uma carta enviada pelo ex-governador do Ceará Tasso Jereissati à direção partidária. No texto, Tasso, principal simpatizante de Ciro Gomes, formaliza a decisão de não participar da campanha de Serra. 22 – FHC anuncia a criação do maior parque de floresta tropical do mundo, o Tumucumaque, Amapá, com área superior ao território da Bélgica 24 – Em assembléia geral, Organização Desportiva Pan-Americana escolhe o Rio sede dos Jogos Pan-Americanos de 2007 26 – Começa, em Johannesburg, a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+10, encontro de avalia-

de segurança da Casa Branca admitem que, dada a realidade militar na Península Coreana, com um bem treinado Exército de um milhão de homens, os EUA simplesmente não têm meios efetivos para garantir a segurança da Coréia do Sul ou do Japão, na hipótese de um conflito. Por essa razão, Bush,
ção dos avanços alcançados em relação à proteção ambiental desde a Rio 92 – O superávit da balança comercial atinge US$ 5,064 bilhões e supera a meta inicial do governo para o ano todo, de US$ 5 bilhões 27 – Representantes de 189 países firmam o primeiro grande acordo da Rio+10, estabelecendo metas e prazos para a recuperação de áreas de pesca em todo o mundo até 2015, por meio da limitação da produção. Atualmente, segundo a ONU, 70% dos estoques pesqueiros estão esgotados ou são superexplorados 28 – O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) proíbe totalmente o uso de telefone celular por motoristas. Estão vetados fones de ouvido acoplados a celulares e sis-

que criticou Clinton por ter tentado apaziguar o regime nortecoreano, antes mesmo de incluir o país no seu “eixo do mal”, abandonou oficialmente no último fim de semana a política de seu antecessor de atacar e destruir as instalações nucleares de Yongbyon na hipótese de sua reativação. (P.S.)
temas de viva-voz, antes tolerados 29 – A proposta do Orçamento da União para 2003, enviada pelo Executivo ao Congresso, é a mais apertada feita nos mandatos de FHC. Os recursos para investimento ficam em R$ 7,2 bilhões, ante R$ 7,5 bilhões programados para 2002 30 – Turboélice Brasília da empresa Rico Táxi Aéreo cai em Bujari, localidade próxima de Rio Branco, no Acre, matando 28 passageiros 31 – Serra alcança Ciro na disputa pelo segundo lugar da corrida sucessória. Conforme pesquisa Datafolha, Ciro tem 20% das intenções de voto e Serra, 19%. Lula permanece na frente, com 37%

tival de Cinema de Gramado, com os prêmios de melhor filme, direção, direção de arte, fotografia e roteiro 18 – Barrichello vence o GP da Hungria de Fórmula 1, resultado que garante à Ferrari o título antecipado do Mundial de Construtores – A seleção brasileira masculina de vôlei é derrotada em Belo Horizonte pela Rússia por 3 sets a 1 na decisão do título da Liga Mundial 19 – FHC reúne-se, no Palácio do Planalto, com os principais candidatos a presidente. Lula e Ciro, líderes nas pesquisas, comprometem-se a cumprir contratos do governo e a meta de superávit primário de 3,75% do Produto Interno Bruto (PIB) nas contas públicas contida no acordo com o

FMI. Serra reafirma apoio ao governo. Só Garotinho critica a política econômica e o FMI – O palestino Abu Nidal, de 65 anos, um dos terroristas mais procurados do mundo, é encontrado morto a tiros em seu apartamento, em Bagdá, onde vivia desde 1998. Sabri al-Banna, nome verdadeiro de Nidal, é considerado responsável por mais de 90 atentados que fizeram 900 vítimas em 20 países – Rebeldes derrubam um Mi-26 – maior modelo de helicóptero do mundo – perto de Grozny, capital da Chechênia, matando 114 dos 147 tripulantes russos – Exército israelense deixa Belém, cumprindo acordo firmado com os palestinos. O plano prevê também a desocupação de

Produto: ESTADO - BR - 15 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H15 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 15 - 31/12/02

H15 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-15:20021231:

INTERNACIONAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H15

AMÉRICA LATINA: AINDA NÃO FOI DESTA VEZ
Daniel Munoz/Reuter-21/8/2002

Maioria dos países se manteve em 2002 na pobreza quase crônica e instabilidade política
ROBERTO LAMEIRINHAS

A

inda não foi em 2002 que a incerteza e a instabilidade política deixaram de ser as principais características da América Latina. Do Rio Grande à Terra do Fogo os países mantiveram o ciclo de pobreza quase crônica e regimes frágeis iniciado praticamente com a era dos descobrimentos. Os governos latino-americanos passaram o ano na perspectiva de formarem blocos econômicos que poderiam reforçar suas posições nas negociações com os Estados Unidos para a aparentemente inevitável instalação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Mas obtiveram pouco sucesso nesse esforço. O que se viu, em várias partes, foi a repetição dos escândalos de corrupção, das tentativas golpistas e dos protestos populares por melhores condições de vida – um caldo de cultura para a violência política e a criminalidade. Se o México – após romper o ciclo de mais de sete décadas de poder do Partido Revolucionário Institucional (PRI) – conseguiu manter na inatividade a guerrilha zapatista que se insurgiu contra o governo em 1994 e países como Nicarágua e Guatemala consolidaram a pacificação de seus grupos rebeldes, o Peru viu neste ano o então agonizante Sendero Luminoso tentar reerguer a cabeça. Em março, às vésperas da visita de George W. Bush ao país, a guerrilha maoísta, que fez da morte uma rotina para os peruanos no fim dos anos 80 e começo dos 90, voltou a atacar em Lima, onde um carro-bomba deixou nove mortos.

Colômbia – Mais uma vez a violência guerrilheira marcou a vida dos colombianos. O ano começou com as negociações de paz entre o governo do presidente Andrés Pastrana e os rebeldes da Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), emperradas quase no mesmo ponto em que estavam no início do processo, três anos antes. Em fevereiro, depois uma série de seqüestros e ações violentas das Farc, o diálogo se tornou insustentável a ponto de romper-se de vez. Pastrana ordenou ao Exército a retomada da área de 42 mil quilômetros quadrados que tinha concedido à guerrilha para servir de sede para as negociações de paz. Segundo os militares, as Farc vinham utilizando a região como base para lançar ataques a povoados, fabricar bombas e esconder reféns. Os combates entre as guerrilhas esquerdistas (Farc e Exército de Libertação Nacional, ELN) e os paramilitares direitistas das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) também Bloqueio de estrada montado por paramilitares direitistas no interior da Colômbia se intensificaram. Às vésperas da eleição presidencial, a candi- foguetes, porém, caíram numa Chávez chegou a ser deposto antes de eleger-se democraticadata Ingrid Betancourt foi se- área próxima onde se concen- por um golpe em abril, mas aca- mente. Também como Chávez, qüestrada pelas Farc e seu pa- travam indigentes de Bogotá, bou reconduzido à presidência Gutiérrez conta com o apoio radeiro ainda é desconhecido. matando 21 deles. menos de dois dias depois por da população mais pobre – no A radicalização da violência oficiais militares que lhe eram caso, dos mais de dois terços de esquerdista impulsionou a can- Venezuela – Na Venezuela, leais. equatorianos de origem indígedidatura do ultradireitista Ál- 2002 termina como começou: A sociedade do país, no en- na. Mas o eleito equatoriano varo Uribe – disem meio a protes- tanto, segue fraturada. Por um não gosta da comparação. sidente do Partitos pela renún- lado, apoiadas por todos os grudo Liberal que cia de Hugo Chá- pos privados de comunicação, Paraguai – No Paraguai, a criOLPISMO concorreu como vez, o presidente a classes mais altas e a oligar- se aberta com a tentativa de golindependente –, de corte populis- quia petroleira mantêm os pro- pe de Lino Oviedo, em 1996, e E CORRUPÇÃO que venceu a eleita que rompeu testos por sua renúncia. Por ou- aprofundada com o assassinação presidencial com praticamen- tro, as camadas mais pobres da to do vice-presidente Luis MaCONTINUAM A no primeiro turte todos os seto- população seguem apoiando ría Argaña, em 1999, parece no com uma plares da sociedade seu governo. No fogo cruzado, longe de terminar. Do Brasil, ASSOMBRAR taforma de linha civil do país para a economia do país continua onde está exilado há mais três dura contra os levar adiante em sua queda livre. anos, o general da reserva ainguerrilheiros. sua Revolução da é fator de instabilidade. Na posse de Uribe, o cartão Bolivariana. O ambicioso proje- Equador – Um similar de Chá- Oviedo promete retornar ao Pade boas-vindas das Farc: um to de Chávez prometia reduzir vez, o coronel Lucio Gutiérrez, raguai para candidatar-se à ataque com foguetes caseiros, a brutal desigualdade social do chegou à presidência do Equa- presidência em 2003. construídos com botijões de país, que é o quinto maior ex- dor em 2002. Como o venezueEnquanto isso, o atual presigás, dirigido ao palácio do go- portador mundial de petróleo e lano, Gutiérrez tomou parte de dente Luiz González Macchi, verno e à sede do Congresso – tem dois terços de sua popula- uma conspiração golpista, con- acusado de corrupção, está onde o eleito tomava posse. Os ção abaixo da linha de pobreza. tra Jamil Mahuad, em 2000, ameaçado de impeachment.

RAINHA VIVE UM NOVO ‘ANO HORRÍVEL ’
Mortes na família e escândalos empanam jubileu de ouro de Elizabeth II

L

G

UE GANHA PAÍSES E PROBLEMAS
Jerry Lampen/Reuters-13/1/2002

Ampliação trará formidáveis obstáculos econômicos, culturais, linguísticos...
GILLES LAPOUGE
Correspondente

ARIS – Dentro de dois anos, a Europa não terá apenas 15 membros, como atualmente, mas sim 25, pois sua ampliação foi ratificada na reunião de cúpula de Copenhague, em dezembro. Basta dar uma olhada no mapa para se avaliar a transformação. Até agora, a União Européia era o “finis terrae” da Europa, isto é, o “Ocidente” da Europa, esta ponta de continente que levou à perfeição a arte, o banco, a literatura, a civilização; esse pedaço do planeta que inventou todo o restante do mundo, não só porque o europeu Colombo descobriu as Américas, mas ainda porque todos os valores judaico-greco-latino-celtas deram cor, religião, gênio e energia ao Novo Continente, a esta América que parece estar bem mais próxima dos valores europeus do que o estão, por exemplo, os mundos asiático ou muçulmano. Hoje, porém, é a outra parte da Europa que se insere na comunidade, a parte oriental, aquela que foi descoberta tanto pela Primeira Roma, quanto pela Segunda e a Terceira Roma (Constantinopla, depois Moscou): Polônia, Hungria, República Checa, Lituânia, Letônia, Estônia, Eslováquia, Eslovênia, Chipre e Malta. Trata-se de um formidável pedaço a ser engolido: a UE, atualmente com 380 milhões de habiSETEMBRO
2 – Retomadas as obras do Fórum Trabalhista de São Paulo, símbolo da corrupção no Judiciário 4 – Governo anuncia pacote de socorro a empresas de aviação. As sete medidas representarão alívio de até R$ 1 bilhão nas contas das companhias 8 – Morre em Roma, aos 76 anos, vítima de doença renal, o cardeal brasileiro d. Lucas Moreira Neves. O último cargo exercido por ele tinha sido o de prefeito da Sagrada Congregação para os Bispos, ao qual renunciou em 2000 por conta de problemas de saúde 9 – O baixista e cantor Nando Reis anuncia seu desligamento do grupo Titãs

P

atuais deverão desembolsar 40 bilhões de euros para ajudar os novos países. É suportável. Mas, e depois de 2006? A administração de um conjunto tão gigantesco será um quebracabeças. Atualmente. as decisões devem ser tomadas por unanimidade pelos 15 membros. E já é uma façanha. Mas, e quando for necessária a unanimidade de 25 membros, alguns deles separados dos outros pela história, cultura, interesses, dimensões (Malta é um confete, a Alemanha um gigante, etc.)? E então? Será preciso abandonar a norma da unanimidade em favor de um conselho diretor, uma espécie de “directoire de Manifestação contra a UE durante cúpula de Copenhague fait”? Será que a futura UE terá tantes, enriquecida terá, dentro de traordinário salto para o desconhe- de escolher simplesmente entre a dois anos, 453,5 milhões. Portan- cido, quase um salto no escuro. paralisia ou o retorno a hierarto, crescimento automático e feAlguns acusam os “15” de te- quias entre os “pequenos” e os cundo do mercado. Mas, ao mes- rem se atirado loucamente sobre “grandes”? mo tempo, que grande desequilí- um mar perigoso e pouco conheciIsso quer dizer que a UE deverá brio! Se a UE vai aumentar em do. Alguns , como o jornal Finan- reformar seus estatutos. Uma coum quinto sua população e em cial Times, os acusam de praticar missão foi criada para esta finalium quarto sua superfície, em con- a política do avestruz. Outros, ao dade, sob a liderança do ex-presitrapartida, seu Produto Interno contrário, admidente francês VaBruto (PIB) crescerá apenas uma ram sua audácia, léry Giscard d’Es20.ª parte. Os novos europeus exatamente um vataing. Será que esÍNGUAS (com exceção de Malta, Chipre e lor tradicional da te “areópago” vai Eslovênia, que são minúsculos) re- velha Europa, encaminhar a EuOFICIAIS gistram um PIB 20% menor do cujo destino foi ropa para uma inque a média dos países atualmen- sempre um desategração extrema SERÃO 21 te comunitários. fio ao porvir. (com um presidenE, que dizer da debilidade estruNão tentarete europeu, uma EM 2004 tural dos recém-vindos? Que dizer mos aqui decifrar instância parlade sua inexperiência no campo da as paisagens oculmentar poderosa) economia liberal, depois de 50 tas, mascaradas, ou, ao contrário, anos de dirigismo estatal marxis- para as quais se dirige a UE am- vai manter o sistema atual, com ta? pliada e quais os escolhos, quais as vastos territórios sempre depenCom certeza, eles fizeram esfor- praias e quais as tempestades que dentes de governos nacionais (Deços louváveis e bem-sucedidos pa- estão a sua espera. fesa, Relações Exteriores, etc.)? ra satisfazer as normas vigentes Fiquemos na esfera das coisas À espera de uma solução, se fana UE. Reconhecemos, apesar dis- certas: para o núcleo primeiro da rá como for possível. E não será fáso, que o que os 15 antigos países UE, o preço será muito elevado. cil. As questões do peso da organida UE aceitaram foi dar um ex- No período de 2004-2006, os “15” zação, da lentidão das decisões da

L

futura UE são coisas de enlouquecer. Os especialistas calcularam que uma simples rodada de conversações, uma sessão em torno da mesa, com 25 países membros, durará três horas. E isso, a um altíssimo preço, na base dos salários pagos aos ministros e seus batalhões de assessores Outra proliferação é a das línguas. Em 2004, a UE terá 21 línguas oficiais. Hoje são 11. Será preciso uma multidão de intérpretes. “Haverá mais intérpretes que delegados”, afirmam os bruxelenses. O número de intérpretes deverá dobrar, além dos 24 mil funcionários de que dispõe atualmente o mamute administrativo de Bruxelas. Enfim, já se perfilam ao longe, outras escolhas dolorosas a serem tomadas. A primeira, cronologicamente, será a decisão sobre a Turquia. Trata-se de um país muito populoso, que realizou grandes esforços para entrar na UE. Mas recentemente a Turquia escolheu um governo islâmico moderado. Sim, mas é um país asiático. Sim, mas um quinto de seu território está na Europa. Sim, mas ela é herdeira do magnífico e terrível Império Otomano. Sim, mas os antigos gregos foram em grande parte povos da Ásia Menor. Sim, mas, em sua quase totalidade, a UE é cristã. Sim, mas os grandes matemáticos gregos vinham da Jônia e o primeiro historiador do mundo, Heródoto, nasceu em Halicarnasso. E a Europa era uma ninfa encontrada na Ásia, na Fenícia, por Zeus, que a raptou porque esse deus era um velho asqueroso que estava sempre correndo atrás de mulheres bonitas. Sim, mas....
17 – Pesquisas mostram Lula próximo de vencer a eleição no primeiro turno. De acordo com o Ibope, ele subiu de 39% para 41% das intenções de votos e Serra se manteve estável, com 19%. Ciro caiu de 15% para 12% e foi passado por Garotinho (PSB), que subiu de 12% para 13% 18 – O ex-zagueiro Mauro Ramos de Oliveira morre em Poços de Caldas (MG), aos 72 anos. Capitão da seleção brasileira que conquistou o bicampeonato mundial em 1962, no Chile, Mauro tinha problemas no coração e lutava contra um câncer no estômago 19 – Policiais prendem no Complexo do Alemão o traficante Elias Maluco 20 – Mais de 200 guerrilheiros morrem quando aviões de combate bombardeiam

ONDRES – Depois de dois funerais, de dois escândalos protagonizados por mordomos reais e de um jubileu de ouro, a popularidade da família real despencou. Segundo pesquisa de opinião pública, divulgada no jornal Observer, apenas um em cada dois britânicos acredita agora que a Casa de Windsor vai durar mais de 20 anos. Há um ano, 58% dos britânicos acreditavam nisso. E um em cada quatro acredita que a instituição monárquica não sobreviverá mais de dez anos após a morte da rainha Elizabeth, agora com 76 anos. Ficou famosa a expressão da rainha ao qualificar 1992 de “annus horribilis” (ano horrível), depois que os conturbados casamentos de seus filhos foram abalados por escândalos e um incêndio devastou o Castelo de Windsor. Dez anos mais tarde, mortes e escândalos empanaram o brilho das celebrações de seu jubileu de ouro. Em fevereiro, morreu sua irmã Margareth e, sete semanas depois, faleceu sua mãe, aos 101 anos. A morte da popular Rainha Mãe provocou uma onda de afeto e simpatia pela rainha, que conseguiu celebrar no último verão as festas comemorativas de seu jubileu de ouro. Mas depois a montanha-russa real saltou dos trilhos quando o processo de Paul Burrell, mordomo da falecida princesa Diana, foi dramaticamente arquivado em novembro. O tribunal retirou o processo contra o mordomo, acusado do furto de mais de 300 objetos de Diana, quando a rainha se lembrou repentinamente que Burrell lhe havia dito que estava guardando essas peças para mantê-las em segurança. O processo contra outro exmordomo, Harold Brown, foi retirado um mês depois por razões semelhantes. Mas não terminaram aí as agruras reais no “annus horribilis II”. Na maior crise a abalar a monarquia desde a separação de Diana e o príncipe Charles, circularam acusações de estupro homossexual e de fraude entre os assessores do herdeiro do trono. A rainha também tomou medidas para dissipar a indignação popular por causa do uso do dinheiro dos contribuintes para financiar o nababesco estilo de vida de alguns membros menores da casa real. Elizabeth, uma das mulheres mais ricas do mundo, concordou em pagar o aluguel do luxuoso apartamento do príncipe Michael e da princesa de Kent no Palácio de Kensington. A soberana, elogiada na pesquisa por uma maioria esmagadora como uma ativa embaixadora da Inglaterra, não dá sinais de que pretenda renunciar. Em sua mensagem de Natal, ela dissipou firmemente todos os boatos sobre abdicação. (Reuters)
REUTERS/Peter Macdiarmid

Elizabeth: abdicação, nunca
dois acampamentos das Farc a cerca de 325 quilômetros de Bogotá 21 – Tropas israelenses demolem a ala oeste do prédio onde Arafat está sitiado. Milhares de palestinos desafiam o toque de recolher e saem às ruas em protesto – O Brasil derrota o Canadá por 4 jogos a zero e garante a permanência no Grupo Mundial da Copa Davis 22 – Schroeder é reeleito primeiro-ministro na Alemanha – Tanques e tropas israelenses reforçam com arame farpado o cerco ao complexo da AP em Ramallah. Cerca de 250 pessoas permanecem no local com Arafat, incluindo 29 que Israel acusa de envolvimento em atentados 23 – Pela primeira vez em cinco

10 – Estudo divulgado pela ONU aponta que um a cada três brasileiros sofre de desnutrição, um dos índices mais altos do planeta. Para os autores do relatório, a situação é causada, exclusivamente, pela desigualdade social 11 – Beira-Mar e comparsas do Comando Vermelho (CV) realizam rebelião de 23 horas em Bangu 1, durante a qual executam quatro bandidos de facções adversárias, entre eles Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê, um de seus principais rivais 12 – Em tom de ultimato, Bush diz, na abertura da Assembléia Geral da ONU, que o país agirá sozinho se a organização não tomar providências imediatas contra o ditador iraquiano Saddam Hussein, que estaria estocando armas químicas de destrui-

ção em massa e também teria a intenção de construir uma bomba atômica – A queda na renda familiar e a melhora do nível de instrução das pessoas empregadas, aliados a um alto grau de informalidade, são o novo retrato do mercado de trabalho no Brasil. As informações constam da Pesquisa Nacional por Amostragem Domiciliar (Pnad), relativa a 2001, feita pelo IBGE 13 – Conselho de Segurança da ONU concorda em fixar prazo-limite para que o Iraque aceite o retorno ao país dos inspetores de armas de destruição em massa 14 – O americano Tim Montgomery quebra o recorde mundial dos 100 metros rasos no Grand Prix de Atletismo de Paris, com o tempo de 9s78. A marca anterior era

de 9s79, obtida pelo seu compatriota Maurice Green, em 1999 15 – Gustavo Kuerten derrota o argentino Guillermo Coria por 2 sets a 1 e conquista, na Bahia, o Brasil Open, seu primeiro título desde agosto de 2001 – Os últimos 74 detentos deixam a Casa de Detenção de São Paulo, no Complexo do Carandiru, zona norte, pondo fim a 46 anos de atividade do maior presídio do País, que abrigou quase 8 mil presos 16 – O Iraque aceita, incondicionalmente, o retorno dos inspetores de armas da ONU ao seu território – Denatran volta atrás e libera o uso de viva-voz para celular ao volante, até que o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) defina a questão

Produto: ESTADO - BR - 16 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H16 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 16 - 31/12/02

H16 -

H16 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-16:20021231:

GERAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

BRASIL GANHA SUA PRIMEIRA SANTA
Roberto Castro/AE

Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus foi canonizada numa manhã chuvosa de maio
JOSÉ MARIA MAYRINK

APÓS 26 ANOS, SAI O NOVO CÓDIGO CIVIL
FABIO DIAMANTE

ais de 2.500 brasileiros, entre os quais o presidente Fernando Henrique e sua mulher, Ruth Cardoso, assistiram na manhã chuvosa de 19 de maio à canonização de Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus, a primeira santa do Brasil. Apesar de haver nascido, em 16 de dezembro de 1865, na cidadezinha de Vigolo Vattaro, na região de Trento, norte da Itália, então sob domínio da Áustria, a imigrante Amabile Lucia Visintainer merece esse título, porque foi em Santa Catarina e em São Paulo que passou quase 67 dos seus 76 anos de vida. Por isso, os governadores desses dois Estados, Esperidião Amin e Geraldo Alckmin, fizeram questão de estar entre os peregrinos que foram ver a festa na Praça de São Pedro, no Vaticano. “Foi aqui que ela trabalhou, sofreu, lutou e se santificou”, observou o cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Cláudio Hummes, na véspera de embarcar para Roma, onde o papa João Paulo II elevaria Madre Paulina aos altares numa celebração colorida de verde-amarelo. Participaram também da celebração o cardeal Eugenio de Araújo Sales e d. Eusébio Scheid, seu sucessor na arquidiocese do Rio de Janeiro, o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), d. Jayme Chemello, e o cardeal Lucas Moreira Neves, que morreria em 8 de setembro. A superiora-geral das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, congregação religiosa que Madre Paulina fundou para cuidar dos pobres, incorporou a uma delegação de 104 freiras uma convidada especial – Iza Bruna Vieira de Souza, de 9 anos, beneficiária do milagre que decidiu a canonização da santa. Vítima de gravíssima malformação congênita, ela foi

M

Cerimônia de canonização de Madre Paulina, em Roma (acima), acompanhada por fiéis na praça da cidade de Nova Trento, em Santa Catarina: devoção mio”, repetia a santa no fim da bairro do Ipiranga, onde está sevida, no bairro do Ipiranga, em pultada. Doente de diabete, haSão Paulo, onde a Congrega- via amputado o braço direito e ção das Irmãzinhas abriu um estava totalmente cega. “Era colégio para filhas de ex-escra- uma religiosa paciente e piedovos. Se era a vontade de Deus, sa, pois era muito conformada, era como se estivesse no paraí- por mais que estivesse sofrendo so, assim reagia com a doença”, Madre Paulina a lembra d. Vicenmais de 30 anos te Zioni, arcebisM de sofrimento. po emérito (apoDestituída em sentado) de BotuEXEMPLO 1909 da direção catu, na época cada comunidade, pelão do Colégio DE PIEDADE E aceitou uma da Sagrada Fatransferência pamília, até hoje sePACIÊNCIA ra Bragança Paude da Casa Geral lista, onde trabadas Irmãzinhas lhou nove anos da Imaculada num asilo, cuidando dos doen- Conceição. Como morreu com tes, lavando o chão, cozinhan- fama de santa, logo se começou do e servindo no refeitório, sem a falar em milagres atribuídos à se queixar de nada. sua intercessão. No dia da canoMadre Paulina morreu na nização, milhares de católicos madrugada de 9 de julho de foram rezar em Nova Trento e 1942, na Avenida Nazaré, 470, na capela da Avenida Nazaré.

curada por intercessão de Madre Paulina, a quem a avó recorreu quando os médicos de um hospital de Rio Branco (AC), onde ela nasceu, não viam mais o que fazer para salvá-la. Usando um longo vestido branco, Iza recebeu a primeira comunhão das mãos do papa. No dia seguinte, João Paulo II abraçou e beijou a menina, durante uma audiência geral aos peregrinos.

Miséria – Amabile Lucia Visintainer emigrou para o Brasil em 1875, com os pais e quatro irmãos, fugindo da miséria e da fome em sua terra. Fixaram-se

na localidade de Alferes, no vale do Rio Tijucas, com mais 17 famílias da região de Vigolo Vattaro, aldeia distante 12 quilômetros de Trento. Por isso, batizaram com o nome de Vigolo de Nova Trento a colônia agrícola em que foram morar. Ali nasceu a Congregação das Filhas (mais tarde Irmãzinhas) da Imaculada Conceição, que Amabile fundou em 1890 para cuidar de doentes e idosos. Ela e uma companheira, Virgínia, começaram tratando de uma mulher que estava morrendo de câncer. “Volontà di Dio, paradiso

U

Foram 26 anos de tramitação no Congresso. E o novo Código Civil, enfim, foi sancionado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso no dia 10 de janeiro. A nova legislação, com 2.046 artigos e que vai substituir o atual código, de 1916, entra em vigor no dia 10 de janeiro de 2003. O presidente classificou a sanção do novo código como “uma ocasião histórica”, o que não é exagero. Mas a demora para sua aprovação – foram mais de 350 emendas – fez com que ele chegasse já com traços superados. Encomendado em plena ditadura militar (1968), o novo código não acompanhou as mudanças da sociedade. Entre elas, a população, que saltou de 70 milhões para 170 milhões, a taxa de urbanização que quase dobrou, a abertura do comércio e a revolução tecnológica. Se por um lado a demora na aprovação prejudicou, por outro, o País, enfim, passa a ter uma lei que consagra a igualdade de homens e mulheres nas relações de família. A maior prova disso é a substituição do conceito do “pátrio poder” pelo “poder familiar”. A partir de janeiro, a união estável passa a ser reconhecida, basta apenas ser pública. O regime de bens poderá ser alterado em qualquer momento do casamento e quem praticar atos violentos ou de abandono contra os filhos – pai ou mãe – perde o poder sobre eles. Em caso de separação, fica com os filhos quem tiver melhor condição de criá-los. Assim, eles não ficarão, necessariamente, sob a guarda da mãe. Mas o novo Código Civil – do século 21 – não trata de questões como união estável entre pessoas do mesmo sexo, reprodução assistida, locação de úteros, inseminação artificial, experiências de clonagem...

ESCÂNDALOS DE ASSÉDIO SACODEM A IGREJA
Denúncias, processos e confissões de culpa desembocam na renúncia do cardeal de Boston

Vaticano/Reuters

PAÍS SOFRE A MAIOR EPIDEMIA DE DENGUE
A maior epidemia de dengue da história do Brasil marcou o ano de 2002. Em todo o País, até o início do inverno, foram registrados 672.371 casos – 2.090 hemorrágicos, com 96 mortes. O número de casos confirmados da doença foi pressionado para cima por causa da epidemia do Estado do Rio. Lá, foram registrados mais de 200 mil casos de dengue, sendo mil deles da forma hemorrágica. A doença, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, matou 61 pessoas no Estado do Rio. No Estado de São Paulo, houve 40 mil casos de dengue este ano. O número foi menor do que o de 2001 que fechou com 51 mil casos. Mesmo assim, a epidemia de dengue de 2002 no Estado foi mais grave. O número de casos da forma hemorrágica cresceu de 5 para 19 e as mortes, de 2 para 6. Campinas e os municípios da Baixada Santista foram as regiões mais atingidas. Para controlar a dengue em 2003, o Ministério da Saúde lançou o Programa Nacional de Controle da Dengue, com recursos que chegam a R$ 1 bilhão. A meta é reduzir em 50% o número de casos da doença em relação a 2002 e diminuir a menos de 1% o número de mortes por dengue hemorrágica. Tudo depende da conscientização da população.
em 2001 8 – Os americanos Raymond Davis e Riccardo Giacconi e o japonês Masatoshi Koshiba levam o Prêmio Nobel de Física 9 – Daniel Kahneman e Vernon L. Smith, dos Estados Unidos, ganham o Prêmio Nobel de Economia. O Nobel de Química vai para os cientistas John Fenn, Koichi Tanaka e Kurt Wüthrich 10 – Dólar supera o recorde do Plano Real ao subir 2,97% e fechar cotado a R$ 3,99. No ano, a alta é de 72,4% 11 – Senado aprova resolução que autoriza Bush a declarar guerra, se necessário, para desarmar o Iraque – BC anuncia uma série de medidas para tentar conter a alta do dólar. O pacote tem resultado rápido: a moeda fecha

A

Igreja Católica viveu uma seqüência de escândalos em 2002 com a divulgação de inúmeros casos de pedofilia, em que padres e bispos foram acusados de assédio sexual contra jovens em dioceses de vários países, com os Estados Unidos à frente. Depois de um chamado do Vaticano e de ensaiarem um projeto de “tolerância zero” contra os pedófilos, os bispos americanos voltaram atrás, amenizaram seu discurso e o resultado desembocou no maior de todos os escândalos. Em dezembro, o cardeal Bernard Law, arcebispo metropolitano de Boston, apresentou sua renúncia ao papa João Paulo II e solicitou à Justiça a falência da arquidiocese, por incapacidade de cumprir com os pagamentos, que somavam mais de US$ 100 milhões, em cerca de 450 processos de abuso contra menores. Law foi a mais alta autoridade eclesiástica a renunciar devido aos escândalos de abusos sexuais que afetaram a Igreja Católica em 2002. Documentos revelados pela imprensa, com a ajuda dos advogados das vítimas, levaram a público com riqueza de deta-

rante todo o ano. Em junho, participantes da Conferência de Superiores de Ordens Religiosas haviam votado que padres envolvidos em abuso de menores deveriam ser mantidos sob supervisão. Em agosto, líderes da Igreja Católica dos EUA votaram por unanimidade que padres pedófilos deviam permanecer longe de crianças, ainda que pudessem seguir no sacerdócio. Pelo menos David Ryan/Reuters dois padres que vinham sendo acusados de pedofilia se mataram desde janeiro. Mais de 200 foram afastados, somente na Arquidiocese de Boston. A Diocese de ManchesBernard Law chega para depoimento: sem perdão ter, no Estado de New 58 sacerdotes da arquidioce- Hampshire, tornou-se a prise assinaram carta em que pe- meira diocese americana a fadiam a saída do cardeal. Os zer um acordo num caso cripróprios padres considera- minal, ao admitir publicaram que Law não tinha condi- mente que deixou de proteger ções morais de exercer a lide- crianças dos padres pedófirança da Arquidiocese de Bos- los. Pelo acordo, a diocese ton por acobertamento de cri- precisará se submeter a uma mes sexuais contra crianças. auditoria anual pelos próximos cinco anos, para que se Impunidade – O episódio de garanta o cumprimento da Boston era um desenlace pre- obrigação de se proteger posvisível para o que ocorrera du- síveis vítimas.
tando 17 soldados e tripulantes. As baixas rebeldes são ainda maiores: entre 40 e 100 homens 29 – Sob pressão americana, Israel encerra o cerco ao QG de Arafat. O líder palestino deixa o local distribuindo beijos – Barrichello vence o GP dos EUA, em Indianápolis, e sagra-se vice-campeão da F-1. Schumacher, que estava em primeiro, freou e permitiu a vitória do brasileiro, por 11 centésimos de segundo 30 – Toque de recolher imposto pelo tráfico espalha onda de pânico na região metropolitana do Rio, provocando o fechamento do comércio, escolas e bancos em 40 bairros. Cerca de 50 mil estudantes ficam sem aulas. Para a polícia, o toque de recolher foi um protesto contra a perda de regalias da cúpula do tráfico, mantida incomunicável na prisão

lhes histórias escabrosas de envolvimento de religiosos com garotos, a maioria do sexo masculino. A pressão das comunidades e o choque provocado pelas histórias deixaram Bernard Law sem saída, numa síntese do que poderia acontecer em várias dioceses dos EUA. O papa aceitou a renúncia de Bernard Law, escorado em uma iniciativa histórica –

A fé caminha pelo mundo
O papa João Paulo II completou em 2002 um total de 98 viagens internacionais, em seus 24 anos à frente da Santa Sé. Foi um desafio para quem duvidava de suas condições de saúde, aos 82 anos.
nico a população de Washington 6 – Lula e Serra passam para o segundo turno na eleição presidencial. Lula obtém 39.443.765 votos (46,44%), contra 19.700.395 (23,2%) de Serra. Garotinho recebe 15.175.729 votos (17,87%) e Ciro (PPS), com 10.167.597 (11,97%). O candidato José Maria (PSTU) obtém 402.040 votos (0,47%) e Rui Pimenta (PCO), 38.608 votos (0,05%). Doze governadores são eleitos no primeiro turno: Rosinha Matheus (PSB-RJ), Paulo Hartung (PSB-ES), Eduardo Braga (PPS-AM), Aécio Neves (PSDB-MG), Blairo Maggi (PPS-MT), Paulo Souto (PFL-BA), Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE), Jorge Viana (PT-AC), Marcelo Miranda (PFL), Wellington Dias (PT-PI), Ronaldo Lessa (PSB-AL) e Marco-

No ponto alto da última viagem, em agosto, à sua Polônia natal, o papa rezou uma missa para 2,5 milhões de pessoas em Cracóvia e deixou uma mensagem: pode até voltar, “se for a vontade de Deus”.
ni Perillo (PSDB-GO) – O brasileiro Cristiano da Matta vence o GP das Américas, em Miami, e conquista o título da F-Indy com três etapas de antecedência 7 – A Câmara dos Deputados terá uma renovação pequena, com destaque para o crescimento da bancada de esquerda. A grande surpresa é a votação recorde de Enéas Carneiro (Prona-SP): 1,558 milhão de votos. Os ex-senadores Jader e José Roberto Arruda (PFL-DF), que renunciaram para não serem cassados por quebra de decoro parlamentar, voltam ao Congresso, desta vez na Câmara. O Senado terá uma renovação de cerca de 75% das 54 vagas disputadas. Volta à Casa Antônio Carlos Magalhães (PFL), que também renunciara

anos, o Brasil deixa de figurar entre os países mais atraentes para investimentos estrangeiros no ranking da consultoria americana AT Kearney 25 – Prédio de cinco andares desaba no centro do Rio, matando duas pessoas – Pesquisa Vox Populi mostra estabilização na campanha presidencial e chance menor de decisão no primeiro turno. Lula lidera com 41% das intenções de voto, contra 19% de Serra. Ciro e Garotinho estão empatados, com 14% cada um 26 – A inflação de setembro medida pelo IGP-M ficou em 2,40%, a maior taxa desde março de 1999, quando o impacto da alta do câmbio levou o índice a 2,83% – Chechenos derrubam helicóptero russo perto da fronteira com a Geórgia, ma-

OUTUBRO
1 – ONU e Iraque chegam a acordo sobre as condições para a retomada das inspeções de armas de destruição em massa 2 – Andrew Fastow, ex-diretor financeiro da Enron, é detido após entregar-se ao FMI e solto horas depois de pagar uma fiança de US$ 5 milhões. Ele foi formalmente acusado de fraude e lavagem de dinheiro por ter realizado transações não registradas no balanço da empresa 3 – Seis assassinatos atribuídos a um único atirador, ocorridos em 16 horas no Condado de Montgomery, deixam em pâ-

Produto: ESTADO - BR - 17 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H17 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 17 - 31/12/02

H17 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-17:20021231:

GERAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H17

O MUNDO QUER PROVAS DO CLONE
Yesikka Vivancos/AP

Anúncio do nascimento de Eva provoca reações polêmicas na comunidade científica
HERTON ESCOBAR

GENÔMICA SOLETRA ARROZ E CAMUNDONGO
A genômica continuou a produzir resultados importantes em 2002. Muitos organismos tiveram seus códigos genéticos seqüenciados, entre eles o parasita e o mosquito transmissor da malária, o camundongo e o arroz. O seqüenciamento significa colocar em ordem todas as letras que compõem o código genético de um ser. São informações básicas da vida que, associadas a outras frentes do conhecimento, servirão para combater doenças e beneficiar a produção de alimentos. Os genomas completos do mosquito Anopheles gambiae e do parasita Plasmodium faciparum, da malária, foram publicados em outubro nas duas principais revistas científicas do mundo, Nature e Science. A doença aflige entre 300 e 500 milhões de pessoas e é responsável pela morte de pelo menos 1 milhão todos os anos. O código genético do camundongo, divulgado no início de dezembro, servirá como uma espécie de dicionário para decifrar o “livro da vida” humano. Os dois são 99% idênticos, mas com uma diferença crucial: no do camundongo, você pode mudar e apagar palavras para tentar entender seu significado, o que não é possível no do homem, por motivos éticos. Por último, um consórcio internacional de pesquisadores publicou o genoma completo do arroz, alimento básico de mais da metade da população mundial. Os dados servirão para produzir variedades mais produtivas do cereal. (H.E.)

uita polêmica, poucas certezas e nenhuma prova sobre a identidade de um suposto clone humano, que até agora ninguém viu. Depois de um ano marcado por debates éticos e políticos, muito mais do que por algum avanço científico, 2002 termina em clima de suspense, com gostinho de ficção científica. A empresa Clonaid, ligada a uma seita que acredita que os seres humanos foram clonados de pequenos alienígenas esverdeados, anunciou ter produzido o primeiro clone humano: uma menina, clonada da própria mãe, nascida no dia 26. O mundo agora aguarda ansiosamente por alguma prova. Mais especificamente, um exame comparativo de DNA, mostrando que o código genético da menina clone, identificada como Eva, é igual ao de sua mãe. Dependendo do resultado, 2002 poderá ser lembrado como o ano de uma reviravolta na evolução da espécie humana, ou de uma das maiores palhaçadas da história da “ciência”. Para aumentar o suspense, o médico italiano Severino Antinori promete o nascimento de um outro suposto bebê clone para as próximas semanas. Seria mais fácil considerar tudo um golpe publicitário, não fosse o fato de que clonar um ser humano é realmente possível, do ponto de vista tecnológico. Qualquer clínica de fertilidade teria capacidade para fazê-lo. O risco, entretanto, seria tremendo. A eficiência da técnica em animais é baixíssima (cerca de 3%) e, das

M

Os franceses Brigitte Boisselier e Claude Vorilhon: ela é bioquímica e anunciou o nascimento de Eva; ele é o líder da seita raeliana poucas gestações que são produzidas, a maioria termina em abortos e fetos malformados. Suspeita-se também que os clones já nascem mais velhos e podem sofrer de doenças precoces. Apesar de a idéia ser rejeitada pela maioria da comunidade científica, há fortes divergências sobre a clonagem terapêutica, cujo objetivo não é copiar pessoas, mas produzir células-tronco embrionárias que poderiam ser usadas no tratamento de doenças. Os EUA e o Vaticano querem banir as duas. Outros preferem a distinção: proibir a reprodutiva, mas permitir a terapêutica. Este foi o posicionamento adotado por vários países, como Grã-Bretanha e Austrália. Nos EUA, o Estado da Califórnia desafiou o governo federal e, em setembro, autorizou a clonagem de células embrionárias. Os dois tipos de clonagem são proibidos no Brasil. No mês passado, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) montou um grupo encarregado de criar um código de ética para a questão. No campo da clonagem animal, o País também registrou avanços. Pesquisadores da Universidade de São Paulo produziram, em abril, o primeiro clone nacional de células somáticas (não embrionárias). Era para ter sido o clone de um boi adulto, mas uma troca de células no laboratório resultou no clone de um feto. De qualquer maneira, o experimento deu certo e o bezerro, chamado Marcolino, passa bem. Em julho, na Universidade Estadual Paulista em Jaboticabal, nasceu também a bezerra Penta, a primeira clonada de uma vaca adulta. O animal morreu poucos dias depois.

Ética – O grande debate travado este ano foi justamente em torno dos conceitos éticos de se clonar uma pessoa. A Organização das Nações Unidas tentou, mas não conseguiu, passar uma resolução para banir a clonagem reprodutiva do planeta.

RIO +10: MUITA TEORIA E POUCA PRÁTICA
Falta de consenso em torno de assuntos vitais para o planeta imperou em cúpula mundial

D

ez anos depois da realização, no Brasil, da Rio 92, a Cúpula da Terra, e da aprovação da Agenda 21, que reproduzia o resultado dos acordos de mais de cem chefes de Estado a respeito da adoção do chamado desenvolvimento sustentável – capaz de atender às necessidades das atuais gerações sem comprometer o direito das futuras –, o mundo assistiu, um tanto cético, à realização da Rio +10 ou Cúpula Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável, entre 26 de agosto e 4 de setembro, em Johannesburg, na África do Sul. Delegados de 190 países, 109

chefes de Estado e de governo, ambientalistas e representantes de organizações não-governamentais, somando cerca de 70 mil pessoas, participaram de reuniões e negociações para elaborar um Plano de Implementação da Agenda 21 e finalmente pôr em prática as medidas para reduzir a emissão de poluentes, evitar as mudanças climáticas, proteger a biodiversidade e também lutar por recursos para erradicar a pobreza no planeta e resolver o drama da degradação do meio ambiente. A conferência foi precedida por bastante otimismo por parte de seu secretário-geral, Nitin Desai, que um dia antes da abertura chegou a dizer que a Rio +10 certamente apresentaria resultados concretos e imediatos, opinião endossada por Jan Pronk, enviado do secretário-ge-

ral da Organização das Nações tes, mas, ao final da cúpula, foUnidas (ONU), Kofi Annan, ram poucos os consensos a resque afirmou: “Não podemos dei- peito das medidas a tomar para xar Johannesburg sem um acor- reduzir as emissões de poluentes, do e o firme compromisso de co- proteger a diversidade biológica, locá-lo em prática. Não quere- ajudar os países mais pobres, mos mais textos, usar energia renojá assinamos muivável (solar, eólitos deles nos últica, de pequenas RASIL NÃO mos anos.” hidrelétricas), enO resultado, tre outros temas TEVE O porém, ficou importantes. aquém do esperaNo que se refeAPOIO do, confirmanre à energia renodo, de certa mavável, aliás, o ESPERADO neira, as previBrasil e a União sões, essas pessiEuropéia saíram mistas, da maioderrotados da ria dos ambientalistas e ONGs, Rio +10, por não ter conseguique realizaram vários protestos do introduzir no Plano de Impledurante a conferência. mentação metas quantitativas Diplomatas e chefes de Esta- para o uso dessas fontes. Os Esdo, muitos por meio de discursos tados Unidos – que granjearam grandiloqüentes, preferiram di- mais antipatia por não querer zer que houve avanços importan- acordos nem metas e cujo presi-

B

dente não esteve presente à conferência –, Japão, Austrália e países da Opep opuseram-se às propostas e o resultado foi um acordo fazendo menção a “metas regionais voluntárias”, ou seja, cada país ou região cuida das próprias metas de renovação das fontes renováveis, com revisão periódica de seu cumprimento pela ONU. Na opinião do ministro do Meio Ambiente, José Carlos Carvalho, no entanto, houve avanços durante a cúpula e o maior deles diz respeito à biodiversidade, já que o Plano de Implementação prevê a instituição de mecanismos para quantificar a perda da biodiversidade e fiscalizar o cumprimento, por parte dos países, do compromisso de reduzir o ritmo dessa perda. A cúpula foi encerrada com um apelo do presidente da Áfri-

ca do Sul, Thabo Mbeki, para que a sociedade civil pressione os governos a cumprir os compromissos do Plano: colaborar com o desenvolvimento sustentável, tendo como base progresso econômico, justiça social e proteção do meio ambiente. O excesso de teoria e a dificuldade de haver um consenso entre os países para colocá-la em prática, entretanto, levaram o homem que idealizou a Cúpula da Terra da ONU em 1972 e a Rio 92, o diplomata sueco Sverker Astrom, a concluir que essas conferências se tornaram ineficientes para conseguir algo objetivo e deveriam ser substituídas por fóruns regionais. “As grandes conferências mundiais já fizeram seu papel e hoje são caras e produzem menos”, comentou Astrom no dia do encerramento da Rio +10.
Salvador de Sas/AFP

Spanish Navy/AP

TRAGÉDIA NO MAR: PRESTIGE
Uma tempestade e um buraco de 10 metros de diâmetro no casco do petroleiro Prestige, de bandeira das Bahamas, levaram a um dos maiores desastres ecológicos da história européia. O acidente, a 45 quilômetros das costas da Galícia, Espanha, ocorreu no dia 13 de novembro e, imediatamente, 5 mil das 77 mil toneladas de óleo do naviotanque vazaram. Uma semana depois, o Prestige afundou. Mais 10 mil toneladas ao mar. O trabalho de limpeza de um dos paraísos mundiais da pesca começou imediatamente, mas não tem data para terminar. O governo assumiu parte da culpa e os pescadores prevêem anos de prejuízo, enquanto o óleo ainda vaza no fundo do mar.

O Prestige afunda alguns dias depois do acidente: toneladas de óleo ao mar

Voluntários já completaram um mês e meio no trabalho de limpeza das praias

em baixa de 4,26%, cotada a R$ 3,82 – O ex-presidente americano Jimmy Carter ganha o Prêmio Nobel da Paz numa inusitada e pouco velada crítica à política militarista de Bush. Aos 78 anos, Carter, depois de deixar o poder, passou a trabalhar na divulgação de idéias em favor dos direitos humanos e da consolidação da democracia em todo o mundo 12 – Cento e oitenta e três pessoas morrem e 300 ficam feridas em duas explosões simultâneas ocorridas em clubes noturnos de Bali, Indonésia. Dois brasileiros estão entre os desaparecidos: o sargento Marco Antônio de Farias e o massagista paulista Alexandre Watake. Os ataques são atribuídos à Jemaah Islamyia, braço da Al-Qaeda no Sudeste Asiático

– O maestro americano Ray Conniff morre em virtude de um derrame, na Califórnia. Conniff, de 85 anos, vendeu cerca de 85 milhões de discos 13 – Na primeira pesquisa Vox Populi após o primeiro turno, Lula recebe 60% das intenções de voto e Serra, 30% – A seleção brasileira masculina de vôlei derrota a Rússia por 3 sets a 2, na final do Mundial da Argentina e conquista o único título que o País não tinha – Guga é derrotado por 2 sets a 1 na final do ATP Tour de Lyon (França) pelo francês Paul-Henri Mathieu. – Pane elétrica faz adernar a plataforma de produção de petróleo P-34, que opera na Bacia de Campos, litoral norte do Rio. A P-34 produz cerca de 34 mil barris

de petróleo por dia 14 – O Copom decide, em reunião extraordinária, elevar a taxa de juros de 18% para 21% por ano – Mulher assassinada em shopping de Washington é a 11.ª vítima do franco-atirador, que, desde o dia 2, já matou oito pessoas e feriu outras duas – João Paulo II festeja o 24.º aniversário de pontificado acrescentando cinco mistérios ao rosário, que orienta as orações dos católicos. Mantido inalterado por nove séculos, o rosário atual tem 15 mistérios. Todos tratam da vida de Maria e de Jesus Cristo 16 – Cúpula do tráfico espalha terror na madrugada do Rio para desviar a atenção da polícia e permitir o resgate de crimi-

nosos presos em Bangu 3. Bandidos metralham a fachada do Palácio Guanabara, atiram granada no Shopping Rio Sul, matam policial em São Cristóvão e atacam a 6.ª Delegacia, perto de onde Beira-Mar está preso – BC perde mais uma vez a queda-debraço com o mercado. O dólar encerra o dia em alta de 1,95%, a R$ 3,92, a segunda maior cotação da história do real 17 – Pela primeira vez em três semanas, o dólar fecha em queda sem intervenção pesada do BC. A moeda encerra o dia em baixa de 0,26%, cotada a R$ 3,91 – Petrobrás estabiliza plataforma P-34 – Morre, aos 80 anos, de câncer no pulmão, a atriz Yara Cortes, protagonista de novelas como Dona Xepa e O Casarão

21 – Polícia apreende veículo com 30 quilos de explosivo nas margens da Via Anhangüera, principal ligação de São Paulo com o interior. Segundo policiais, o carro seria explodido no prédio da Bolsa da Valores (Bovespa) pelo PCC 22 – Duhalde entrega ao Congresso projeto no qual assegura que deixará a Presidência em 25 de maio e confirma 30 de março como data das eleições – Lula se mantém estável nas intenções de voto, com 60%. Serra oscila 1 ponto para cima, passando de 31% para 32%, segundo a última pesquisa do Ibope 23 – O deputado federal eleito Ronivon Santiago (PPB-AC) é preso em Brasília sob a acusação de compra de votos – Cerca de 30 rebeldes separatistas che-

chenos armados invadem o Palácio da Cultura, teatro de Moscou, e fazem reféns quase 700 pessoas, entre espectadores, atores e funcionários. Exigindo o fim da guerra da Chechênia, que já dura dez anos, o grupo instala explosivos em vários pontos do prédio depois de libertar crianças e muçulmanos 24 – Polícia americana anuncia a prisão do franco-atirador de Washington. Exames de balística comprovam que o fuzil encontrado com John Allen Muhammed, 41 anos, está vinculado a pelos menos três das ocorrências – Chechenos matam a tiros jovem que tentava fugir do Palácio da Cultura. Duas mulheres conseguem escapar 25 – Cidade de Deus, de Fernando

Produto: ESTADO - BR - 18 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H18 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 18 - 31/12/02

H18 -

H18 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-18:20021231:

CIDADES
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

A CAPITAL BRASILEIRA DO SEQÜESTRO
Morte de Celso Daniel e drama de Washington Olivetto chocaram a sociedade
scoltada por um Santana, uma Blazer emparelha com um Mitsubishi Pajero na noite de 18 de janeiro na Vila das Mercês, zona sul de São Paulo. Após uma perseguição e tiros, a Pajero pára. Homens descem do Santana e da picape, arrancam o ocupante do banco do passageiro da Pajero e fogem. Começava o seqüestro do prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT), que despertou a indignação da sociedade, já abalada, no ano anterior, pelo assassinato do prefeito de Campinas, Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT. Durante a madrugada, emissoras de TV noticiam o crime. Só então a quadrilha descobre que não se trata de um seqüestro relâmpago como os que costuma praticar. Seu líder, Ivan Rodrigues da Silva, o Monstro, liga para um comparsa e ordena o “sumiço” da vítima. Coordenador da campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, Daniel é tirado do cativeiro, na miserável Favela Pantanal, divisa de São Paulo e Diadema, e levado para uma chácara em Juquitiba, região metropolitana. No fim da noite seguinte, L.S.N., de 17 anos, o executa com sete tiros de pistola. A localização do corpo, numa estrada de terra, causou consternação em Santo André e indignação pelo País. Líderes do PT denunciaram uma suposta ligação com o caso Toninho, mas as investigações levaram a Monstro e 12 integrantes da quadrilha. Era um crime comum, como tantos que ocorrem na cidade, chamada pelo The New York Times de capital brasileira do seqüestro.
Wilson Pedrosa/AE – 8/12/2002

IMPLOSÃO PÕE FIM À DETENÇÃO
São 11 horas de 8 de dezembro de 2002. O governador Geraldo Alckmin aperta o botão. O estrondo. A nuvem de poeira. Sete segundos depois, tudo acaba. Foram-se embora 3 pavilhões da Casa de Detenção no Complexo do Carandiru. Foi-se entre eles o Pavilhão 9, cujas paredes guardaram por dez anos o testemunho do massacre de 111 presos, em outubro de 1992. Sobraram sete pavilhões para contar a história da Detenção, por onde passaram 200 mil presos em 46 anos. Eles vão fazer parte do Parque da Juventude, projeto que prevê ensino profissionalizante e atividades variadas na enorme área externa, que tem até uma reserva de mata atlântica. De 20 de setembro a 15 de novembro, 100 mil pessoas visitaram os prédios. Funcionários se despediram. Quem foi, viu a frase escrita numa cela do Pavilhão 2: “Aqui, nunca mais haverá humilhação, dor, sofrimento e morte. Carandiru, descanse em paz.”

E

Momento exato da implosão de três pavilhões da Casa de Detenção: fim de uma era de terror e esperança de tempos melhores

O CRIMINOSO N.º 1 DO PAÍS
Wilton Junior/AE–12/9/2002

Mesmo preso , ‘Beira-Mar’ continuou a comandar rede do tráfico e chacinas
ó tô preso, não estou morto não”, diz, em meio a gargalhadas, o mais temido traficante de drogas brasileiro, Luís Fernando da Costa, o Fernandinho BeiraMar. É o dia 27 de julho e, do interior do Presídio de Segurança Máxima Bangu 1, Beira-Mar acaba de comandar, pelo celular, a execução de comparsas que desafiaram suas ordens. Durante boa parte do ano, não só Beira-Mar, mas outros cabeças do tráfico no Rio deram mostras do seu poder, ordenando de Bangu 1 chacinas, compras de armas e toques de recolher. O tráfico mostrou níveis de ousadia e coordenação inéditos, levando especialistas em segurança a comparar suas ações às da guerrilha. As escutas telefônicas, realizadas pelo Ministério Público e pela polícia, apontaram o Complexo de Bangu como o “escritório central do crime organizado”. Em uma das ligações, o traficante Marcos Marinho dos Santos, o Chapolim, braço-direito de Beira-Mar, negociava a aquisição de armas de última geração, como o míssil Stinger, utilizado pelos exércitos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Uma única blitz, em agosto, teve como saldo a apreensão de 114 celulares, 135 carregadores, 3.093

“S

Cubículo – Em 2 de fevereiro, outro caso do gênero teve um final feliz. Vizinhos ouvem gritos desesperados num sobrado da Rua Kansas, no Brooklin, zona sul. “Socorro, socorro. Me ajude, sou o Washington Olivetto. Chame a polícia.” Pouco depois, policiais põem fim ao drama de um dos publicitários mais famosos do País, mantido por 53 dias num cubículo de 3 metros quadrados. O desfecho do caso começara no dia anterior, com a prisão, em Serra Negra (SP), de duas mulheres e quatro homens, todos estrangeiros. A polícia chegou à chácara graças ao dono, que revelara ao delegado local sua desconfiança em relação aos inquilinos “argentinos”. Os policiais apreenderam na chácara duas pistolas, US$ 5 mil e maconha. Também encontraram cartas. Entre elas, cinco endereçadas a parentes de Olivetto. No dia seguinte, de um telefone público diante da Divisão Anti-Seqüestro, em São Paulo, o líder do grupo deu a senha para o fim do seqüestro: “Fomos presos”, disse. “Libertem o cavalheiro.” Como no seqüestro do empresário Abílio Diniz, em 1999, quando um cartão de oficina esquecido no vão do banco de um dos carros da quadrilha permitiu à polícia desvendar o crime, uma informação aparentemente banal levou ao desfecho do caso que consumiu quase dois meses de investigação. As semelhanças não pararam por aí. Como Diniz, Olivetto foi seqüestrado por militantes de esquerda de países vizinhos. No caso, da Frente Patriótica Manuel Rodrigues (FPMR), braço armado do Partido Comunista chileno na ditadura de Augusto Pinochet. Em 15 de julho, a Justiça condenou Maurício Hernandez Norambuena, quarto homem na hierarquia da FPMR, e seus cinco comandados a 16 anos de prisão.
Meirelles, é escolhido o representante brasileiro na disputa do Oscar de 2003 – Cerca de cem soldados tomam o controle do Palácio da Cultura. Na operação, usam um gás tóxico, que provoca a morte de 117 reféns e de 41 extremistas 27 – Lula é eleito presidente com a maior votação da história: 52.791.712 votos (61,3%), contra 33.369.575 (38,7%) de Serra. O PSDB de Serra, porém, é o grande vencedor do segundo turno da eleição estadual. Faz cinco governadores: Geraldo Alckmin (SP), Lúcio Alcântara (CE), Ivo Cassol (RO), Cássio Cunha Lima (PB) e Simão Jatene (PA). O PMDB elege os governadores de Santa Catarina (Luiz Henrique da Silveira), Rio Grande do Sul (Germano Rigotto), Paraná (Roberto Requião) e Dis-

‘Beira-Mar’ deixa Bangu 1 após motim de 11 de setembro trouxas de maconha, 37 papelotes de cocaína e facas. Poucos dias depois, quando o mundo voltava suas atenções para o primeiro ano dos atentados terroristas de 11 de setembro, Beira-Mar liderou um sangrento acerto de contas entre sua facção criminosa, o Comando Vermelho (CV), e a rival Amigos dos Amigos (ADA). Durante um motim que durou 23 horas, o CV executou quatro rivais, entre eles Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê. Líder da ADA, Uê estava preso havia

TIM LOPES: MORTE BRUTAL
A morte do jornalista Tim Lopes, da Rede Globo, chocou o País. Ele foi capturado, torturado e brutalmente assassinado em 2 de junho, quando investigava denúncias de exploração sexual de menores num baile funk na Vila Cruzeiro, zona norte do Rio. Integrantes do bando de Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, esquartejaram Lopes com golpes de espada, deramlhe um tiro na cabeça e queimaram seu corpo, localizado no dia 11, num cemitério clandestino do Complexo do Alemão, zona norte. A identificação só foi possível graças a partes de uma microcâmera com a placa de número 117.985, usada por Lopes. A polícia prendeu Elias Maluco em 19 de setembro.

seis anos em Bangu 1, condenado a mais de 200 anos por tráfico. Ele tinha tramado a morte de Beira-Mar, mas foi traído pelo aliado Celso Luís Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém. Segundo investigações posteriores, Uê tinha negociado por R$ 200 mil com um agente penitenciário a entrega de armas e chaves das galerias ocupadas pelos rivais para executar o plano. Alertado, Beira-Mar dobrou a oferta de Uê e patrocinou a chacina. Depois comemorou, num telefonema também gravado pelos promotores: “Aqui está tudo bem. Tá dominado, está tudo dominado.” O terror provocado pela rebelião se espalhou por diversos bairros do Rio. Toques de recolher pipocaram pela cidade, nas áreas próximas às favelas comandadas pelas facções, obrigando comerciantes e diretores de escolas a baixarem as portas. Em 30 de setembro, nova onda de pânico tomou conta do Rio. Outro toque de recolher causou o fechamento de pontos de comércio, escolas e bancos em 40 bairros. O tráfico voltaria uma vez mais a desafiar as autoridades, na madrugada de 16 de outubro. Cerca de 300 traficantes espalharam o terror pela cidade, metralhando o Palácio Guanabara, sede do Executivo estadual, e uma delegacia do centro. Também lançaram uma granada no Shopping Rio-Sul. Tudo para deviar a atenção da polícia e facilitar o resgate de presos do CV de Bangu 3.

LIGAÇÕES DO TRÁFICO COM O JUDICIÁRIO
De um lado da linha, um dos maiores traficantes de drogas do Brasil, Leonardo Dias Mendonça, o Léo. Do outro, um interlocutor, a princípio, improvável, o deputado federal Pinheiro Landim (sem partido-CE). Graças a um grampo telefônico feito pela Polícia Federal, começava a ser desvendado um esquema para vender habeas-corpus a criminosos. As negociações foram expostas em meados de dezembro, após a prisão de Mendonça. Para funcionar o esquema precisava, é claro, de integrantes do Judiciário. É aí que entravam, segundo a PF, o desembargador federal Eustáquio Silveira e sua mulher, a juíza Vera Carla. Eustáquio é pai do estudante de Direito Igor Silveira, que seria o intermediador de Landim nos tribunais de Brasília. Igor aparece conversando sobre a situação de processos e menciona alguns nos quais Léo está envolvido. Há indícios fortes de que também faria parte do grupo o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Vicente Leal. Assim que o caso foi exposto, Leal se defendeu, dizendo que “ninguém está livre de mentiras de lobistas”. O STJ, no entanto, já nomeou uma comissão para averiguar as acusações. Os relatórios da PF indicam que Landim tentou intermediar, pelo menos, sete habeascorpus para traficantes. Fazem parte dessa lista três colombianos. O valor do recurso seria US$ 300 mil. Léo ainda teria tentado obter habeas-corpus para Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, preso no Rio. Os traficantes se conheceram em negociações com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farcs). A Câmara Federal já recebeu o relatório da PF com as denúncias contra Landim. Com base na documentação, a Corregedoria-Geral da Casa abrirá sindicância, primeiro passo para o processo de cassação do deputado. O procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, também solicitou o aprofundamento dessas investigações. Já o Tribunal Regional Federal (TRF) abriu sindicância para apurar o envolvimento de Eustáquio Silveira no esquema de venda de benefícios.
Vilma Martins Costa e Osvaldo Martins Borges, em Goiânia 8 – O Conselho de Segurança da ONU aprova resolução mais rígida contra o Iraque, obrigando Saddam a se desarmar ou enfrentar “graves conseqüências” – Suzane confessa que planejou, com o namorado, o assassinato dos pais, que desaprovavam o romance 10 – O PPS formaliza apoio ao governo de Lula, sem impor condições prévias 11 – O presidente do BID, Enrique Iglesias, anuncia aporte de US$ 9 bilhões para projetos sociais no Brasil 12 – Nota média dos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) chega a 34,13, numa escala de 0 a 100, patamar considerado insatisfatório e indica-

PCC BANCA ATENTADOS E RACHA
Denúncias de ‘Geleião’ permitiram à polícia desvendar a estrutura da facção

A

repressão que se seguiu à megarrebelião de fevereiro do ano passado, quando paralisou o sistema carcerário com motins em 29 presídios, levou o Primeiro Comando da Capital (PCC) ao confronto com o governo. Patrocinou atentados a prédios públicos, fugas e execuções de policiais. Mas encerrou o ano com um duro golpe. Disputas internas levaram um de seus líderes, José Márcio Felício, o Geleião, a delatar companheiros,

permitindo à polícia desvendar detalhes da sua estrutura. A onda de atentados começou em 13 de fevereiro: uma granada explodiu na portaria do prédio da Secretaria de Administração Penitenciária, centro da capital. Em frente do edifício, policiais encontraram um lençol com ameaças do PCC. Em 18 de fevereiro, um ano depois da megarrebelião, o PCC voltou a espalhar terror. Em pouco mais de 24 horas, 17 presos morreram em presídios da capital e do interior. Integrantes da facção atiraram outra bomba na sede da secretaria e lançaram uma granada no prédio do Instituto de Previdência do Município (Iprem).
4 de outubro – A alta do dólar faz o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) saltar de 2,40% em setembro para 3,87% em outubro. É a maior taxa desde agosto de 1994 (3,75%), mês seguinte à adoção do Real 31 – Dólar fecha em forte baixa, valendo R$ 3,630, com queda de 2,41%. A moeda encerra o mês da eleição presidencial – em que superou a barreira dos R$ 4,00 – em baixa de 3,45%. O risco Brasil cai 3,02%, para 1.739 pontos

Em março, integrantes da facção invadiram o Fórum de São Vicente, no litoral, para resgatar presos, matando um advogado e um vigia. Houve em seguida uma sucessão de atentados e falsos alerta de bomba em fóruns do Estado. Ainda em março, 12 integrantes do PCC foram mortos em confronto com a PM, num ônibus que seguia numa estrada de Sorocaba. Posteriormente surgiram denúncias de que a polícia tenha atraído os criminosos ao local para executá-los. Em maio, o PCC sofreu outro golpe: escutas levaram à identificação de 41 dos seus cabeças. A PM levou 25 deles para a Penitenciária de Presidentam com bastões de ferro e madeira o engenheiro Manfred e a psicóloga Marísia, pais da jovem. Os três simulam um assalto à casa da família, no Brooklin, zona sul 4 – BNDES põe à venda, em oferta pública, 132,3 bilhões de ações ordinárias do Banco do Brasil – Toyota anuncia Cristiano da Matta como seu piloto para as temporadas de 2003 e 2004. Além dele, estão confirmados na F-1 em 2003 Barrichello (Ferrari) e Antonio Pizzonia (Jaguar) 6 – O Partido Republicano conquista uma vitória sem precedentes nas eleições, arrebatando da oposição democrata a maioria no Senado e consolidando seu controle sobre a Câmara dos Deputados 7 – Lula apresenta a 150 empresários,

te Bernandes, primeira com bloqueadores de celular no País. A reação ao cerco do governo dividiu o PCC. Geleião planejava ataques mais ousados e ameaças a autoridades. Em outubro, com a prisão da mulher de Geleião, Petronília, a polícia encontrou na Via Anhangüera um Gol com 30 quilos de explosivos que seria utilizado para explodir a Bolsa da Valores. O criminoso delatou, então, 16 integrantes do segundo escalão do PCC, desmantelando a facção. Apontou ainda como financiador da organização o maior seqüestrador do Estado, Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, preso em 25 de fevereiro.
banqueiros, sindicalistas e representantes de ONGs o esboço do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, que terá como objetivo buscar o pacto social, um “consenso mínimo” para as reformas – Pesquisa Sensus/CNT mostra que, para 71% dos entrevistados, o presidente eleito vai fazer um governo ótimo (20,7%) ou bom (50,3%). Outros 18,3% acreditam numa administração regular, contra uma minoria que prevê uma gestão ruim (2,2%) ou péssima (2,6%) – Exame de DNA confirma, após 16 anos e 9 meses, que Osvaldo Borges Júnior é, na verdade, Pedrinho, filho do casal Jayro Tapajós e Maria Braule Pinto, retirado de um hospital de Brasília em janeiro de 1986. Ele foi criado pelos pais adotivos,

trito Federal (Joaquim Roriz). O PT disputava o segundo turno em oito Estados, mas só consegue eleger o governador de Mato Grosso do Sul, Zeca do PT. No Rio Grande do Norte é eleita Vilma Faria (PSB), no Amapá, Waldez de Goes (PDT), em Roraima, Flamariom Portela (PSL), e em Sergipe, João Alves (PFL) 28 – Em seu primeiro pronunciamento, o presidente eleito anuncia que, apesar da crise, dará prioridade à criação de empregos e ao combate à fome 29 – FHC e Lula iniciam a transição num encontro reservado no Planalto 30 – O mercado dá os primeiros sinais concretos de confiança em uma transição tranqüila. A cotação do dólar fecha em queda de 2,62%, para R$ 3,715, a menor desde

NOVEMBRO
1 – A estudante Suzane von Richthofen, seu namorado, Daniel Cravinhos de Paula e Silva, e o irmão dele, Cristian, ma-

Produto: ESTADO - BR - 19 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H19 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 19 - 31/12/02

H19 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-19:20021231:

CIDADES
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H19

MARTA ENFRENTA CRISES E CRIA TAXAS
Paulo Pinto/AE

Marcelo Ximenez/AE–16/10/2002

Ano teve problemas na bancada da prefeita e embates em torno dos principais projetos
ão faltaram obstáculos para a prefeita Marta Suplicy (PT) completar seu segundo ano de mandato. Crises na bancada de sustentação na Câmara Municipal, suspeitas em torno do Plano Diretor e embates com empresários de ônibus poderiam levar o Executivo a querer esquecer 2002. Mas no apagar das luzes, às vésperas do ano-novo, a Prefeitura conseguiu aprovar projetos que podem garantir um 2003 com quase R$ 800 milhões a mais no caixa. A primeira crise teve de ser resolvida pela cúpula do partido. O diretório municipal decidiu expulsar o vereador Carlos Giannazi (PT), que votou contra o projeto que alterava o índice de investimentos em educação. Os líderes nacionais decidiram pela suspensão do parlamentar, o que ocorreu após recurso no diretório estadual. Ainda no primeiro semestre, Marta aprovou a criação das subprefeituras. Junto, os vereadores votaram pela criação de novos cargos de confiança, trazendo à tona suspeitas de fisiologismo. Para completar, não votaram o projeto que cria os conselhos de representantes, destinados à fiscalização das subprefeituras. A aprovação do Plano Diretor, em agosto, poderia ser considerada um trunfo, não fosse o incêndio provocado pelos vereadores da base governista. Suspeitas sobre alterações pontuais do zoneamento, incluídas horas antes da votação, quase puseram o trabalho em xeque. Pressionada, Marta teve de vetar as modificações. Durante o período eleitoral, Marta agiu como incansável cabo eleitoral. A prefeita foi à Bahia, acompanhou Luiz Inácio Lula da Silva em atos políticos e participou de atividades públicas com freqüência acima do habitual. Passadas as eleições, novos embates com empresários de ônibus causaram a queda do secretário de Transportes, Carlos Zarattini, e a impopular decisão de reajustar a tarifa para R$ 1,70. Um dos últimos desafios foi a sucessão da Mesa Diretora da Câmara. O Executivo conseguiu ver seu candidato, Arselino Tatto (PT), eleito presidente da Casa. A bancada ficou ameaçada de novo racha, mas 2002 acabou como Marta queria. O reajuste do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e a criação de taxas, como a do lixo e a iluminação pública, vão garantir aos cofres municipais em 2003 mais R$ 771 milhões.

N

Rodoanel: esperança de alívio para o trânsito nas Marginais

RODOANEL E NOVA PISTA DA IMIGRANTES
Após quatro anos de obras, os paulistas ganharam uma pista nova na Rodovia dos Imigrantes e um trecho da maior obra viária do País, o Rodoanel Mário Covas. A duplicação da Imigrantes foi inaugurada no dia 17 de dezembro pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) e aberta ao tráfego à zero hora do dia 18, pouco antes dos feriados do fim de ano. Com 21 quilômetros de extensão, a nova estrada custou US$ 300 milhões. Cerca de 1,2 bilhão de metros cúbicos de rocha foram retirados de escavações subterrâneas. O percurso ganhou três túneis – um deles, o maior túnel rodoviário do País, com 3.146 metros. Com isso, a capacidade do Sistema Anchieta-Imigrantes passou de 8.500 veículos por hora para 14 mil, um alívio para os paulistanos que costumam viajar ao litoral. A nova pista da Imigrantes já enfrentou seus primeiros
Wilton Junior/AE–15/10/2002

congestionamentos. Entre os dias 26 e 28 de dezembro, cerca de 166 mil carros desceram a serra. Resultado: no dia 27, houve lentidão do km 40 ao 53.

Dez dias depois da “estréia” da nova pista, motoristas enfrentaram congestionamento na Imigrantes

Rodoanel – Cerca de dois meses antes disso, concluía-se uma etapa do Rodoanel. Foram quatro anos de trabalhos e polêmica em torno dos custos até a conclusão do trecho oeste, no dia 11 de outubro. Com 18 quilômetros de extensão, o trecho liga as Rodovias Anhangüera e Raposo Tavares, cortando a Castelo Branco. Em abril, já havia sido aberta ao tráfego a ligação da Régis Bittencourt (BR-116) com a Raposo Tavares. E, desde dezembro de 2001, funciona a parte entre a Estrada Velha de Campinas e a Via Anhangüera. O trecho oeste tem 32 quilômetros de extensão e custou R$ 1,2 bilhão, 70% a mais que o previsto inicialmente. O restante das obras do Rodoanel não tem previsão de início.

OS 90 ANOS DO BONDINHO
O bondinho do Pão de Açúcar, cartão-postal do Rio, comemorou 90 anos. Foi o primeiro do gênero no Brasil e o terceiro no mundo – embora seja o único totalmente transparente, especialmente desenhado para que se tenha uma visão privilegiada. De lá é possível ver a orla da zona sul, a Baía de Guanabara, a Ponte Rio-Niterói e o Cristo Redentor. O teleférico, que liga a Praia Vermelha ao Morro da Urca e este ao Pão de Açúcar, recebe 53 mil visitantes por mês e já figurou em filmes, como 007 Contra o Foguete da Morte, de 1979, em que James Bond escapa do vilão Dentes de Aço em cima de um dos bondinhos. De 1912 até hoje, ele levou 31 milhões de pessoas.
Jose Paulo Lacerda/AE–23/11/2002

O bondinho do Pão de Açúcar, com o Cristo Redentor ao fundo: marca registrada da Cidade Maravilhosa desde 1912
Robson Fernandjes/AE–5/11/2002

ASSASSINATO EM FAMÍLIA NO BROOKLIN
Madrugada de 31 de outubro, numa tranqüila rua do Brooklin. Suzane, de 19 anos, e Andreas, de 15, filhos do casal Manfred e Marísia von Richthofen, chegam em casa levados por Daniel Cravinhos, namorado da garota, e encontram os pais mortos, na cama. Aparentemente, um latrocínio, já que a casa tinha sido revirada e dinheiro e jóias haviam sumido. Logo no primeiro dia, a polícia desconfia de Suzane e do namorado. Madrugada de 8 de novembro, no 27.º Distrito Policial, do Campo Belo. Christian, irmão de Daniel, é detido. Ele comprara uma moto no dia seguinte ao crime, com dólares roubados da casa. Todos confessam. Suzane,

REAPARECE PEDRINHO: FIM DO MISTÉRIO
Em 21 de janeiro de 1986, o casal Jayro Tapajós e Maria Braule Pinto teve o filho levado, com apenas 13 horas de vida, de um hospital de Brasília. Foram precisos 16 anos e 9 meses para que o drama do casal terminasse. Um exame de DNA confirmou: o menino, a quem registraram depois como Pedro, era Osvaldo Borges Júnior, criado em Goiânia pelo pai, morto este ano, e Vilma Martins Costa, suspeita de têlo seqüestrado. Vilma é acusada de ter simulado uma gravidez e roubado o bebê da maternidade. Ela responde por seqüestro qualificado e registro falso de Pedrinho. No dia 11 de dezembro, ela negou em juízo que tenha

Suzane em casa, junto com policiais, depois da morte dos pais estudante de direito, planejou o assassinato dos pais, executado por Daniel e Christian. Eles mataram o casal com golpes de barras de ferro, enquanto dormiam. Suzane disse que matou os pais “por amor”, pois eles não aceitavam seu namoro com Daniel. Hoje, ela está na Penitenciária do Estado. Os irmãos também estão presos. A polícia inocentou Andreas. Vinte e cinco dias depois, outro crime chocante: Gustavo de Macedo Napolitano, de 22 anos, mata a avó e a empregada a facadas, após passar a noite consumindo cocaína.

Pedrinho em sua primeira visita aos pais biológicos, em Brasília seqüestrado o rapaz. Disse à juíza Lília Monica Borges de Araújo que a criança chegou até ela por doação de uma gari de Brasília ao marido. Vilma alegou ter sido orientada por ele a forjar a gravidez. Os pais verdadeiros apenas tentam conquistar a confiança do filho, enquanto esperam pela decisão da Justiça. Em 23 de novembro, Jayro e Maria realizaram um sonho: passaram pela primeira vez o fim de semana com o filho em casa, em Brasília. Agora, Pedrinho passa as férias com eles no Nordeste.

tivo de que os alunos terminam esse ciclo da educação sem entender o que lêem – A deputada estadual eleita Havanir Nimtz (Prona-SP) é acusada de ter exigido dinheiro de candidatos a uma vaga na Assembléia. Segundo gravações do comerciante Jorge Roberto Leite, Havanir pediu R$ 5 mil como condição para incluí-lo na chapa do partido 13 – Em carta ao secretário-geral da ONU, Kofi Annan, Iraque informa que aceita os termos da resolução 1.441, sobre as condições de desarmamento do país – O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Espírito Santo anula a reeleição do presidente da Assembléia, José Carlos Gratz (PFL), por abuso de poder econômico e compra de votos

– O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, determina o arquivamento do inquérito que apura o assassinato do empresário Paulo César Farias e de sua namorada, Suzana Marcolino, ocorrido em 1996 17 – O Palmeiras perde por 4 x 3 para o Vitória, em Salvador, e cai para a Série B do Campeonato Brasileiro em 2003, com Botafogo, Portuguesa e Gama 19 – O petroleiro Prestige, carregado com 70 mil toneladas de óleo combustível, parte-se em dois e afunda, a cerca de 250 quilômetros da costa noroeste da Espanha. Cerca de 6 mil toneladas de óleo vazam e atingem a costa da Galícia 21 – O Copom eleva a taxa Selic de 21% para 22% ao ano

22 – Morre aos 82 anos, em Belo Horizonte, Amílcar de Castro, considerado o maior escultor do País – Choques entre muçulmanos e cristãos em Kaduna, Nigéria, deixam 215 mortos e 500 feridos. Os distúrbios foram desencadeados por texto publicado no jornal This Day sobre o concurso de Miss Mundo. O evento, que seria realizado no país, é transferido para Londres – A empresária Vilma Martins Costa responderá por seqüestro qualificado e registro falso de Pedrinho – Dias antes do aniversário do corralito, o ministro da Economia da Argentina, Roberto Lavagna, anuncia o fim do semicongelamento de depósitos bancários 24 – O coronel da reserva e ex-golpista

Lucio Gutiérrez é eleito presidente do Equador. O militar de esquerda obtém 54,3% dos votos e seu concorrente, o magnata Álvaro Noboa, 45,6% 26 – Justiça Eleitoral vê fraude na transferência de domicílio eleitoral do deputado federal eleito Vanderlei de Souza (Prona) do Rio para São Paulo. A sentença abre caminho para impugnar a diplomação de Souza, eleito com a menor votação da história do Legislativo (275 votos) 27 – Câmara aprova, por 262 votos a 53 e 15 abstenções, a medida provisória que regulamenta a participação de até 30% do capital estrangeiro nas empresas de comunicação. A MP estabelece que a participação estrangeira no capital social será feita de forma indireta, por meio de pessoas jurídi-

cas constituídas no País – Portugal anuncia a contratação de Scolari como treinador da sua seleção 28 – IGP-M aponta inflação de 5,19% em novembro. O número é o maior apurado desde agosto de 1994 – Três atentados contra israelenses deixam pelo menos 22 mortos e dezenas de feridos, no Quênia e em Israel 29 – Custo da cesta básica em São Paulo chega a R$ 200,22, recorde do Real, e supera o salário mínimo (R$ 200,00)

DEZEMBRO
2 – Na primeira viagem internacional como presidente eleito, Lula faz, em Buenos Aires, um discurso em defesa da sobe-

rania da América Latina, critica especuladores estrangeiros e propõe uma agenda entre Brasil e Argentina para a “reconstrução” do Mercosul – A oposição venezuelana, que pressiona Chávez a convocar um referendo sobre sua permanência no poder, dá início a uma greve geral 3 – O Real Madrid conquista seu terceiro Mundial Interclubes ao vencer o Olimpia por 2 a 0, em Yokohama (Japão). Autor do primeiro gol, Ronaldo leva o prêmio de melhor em campo – Estudo divulgado pelo IBGE e pela ONU revela que o Brasil tem 54 milhões de pobres, 32% da população 5 – A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)

Produto: ESTADO - BR - 20 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H20 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 20 - 31/12/02

H20 -

H20 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-20:20021231:

CADERNO 2
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
Reprodução

O filme de Fernando Meirelles colocou o dedo na ferida da questão social brasileira, sem deixar de ser um bom espetáculo; dividiu a crítica, conquistou o público, está indicado para o Globo de Ouro e disputa uma vaga no Oscar

‘Cidade de Deus’ teve mais de 3 milhões de espectadores e é a parte mais visível de um bom ano para o cinema nacional; entre os estrangeiros, a revelação foi o francês Robert Guédiguian, com dois filmes fortes
LUIZ ZANIN ORICCHIO

CINEMA DA VIOLÊNCIA
filmes sobre violência, miséria e com elenco formado por atores negros e desconhecidos. O segredo para o êxito parece estar no estilo empregado – ágil, vivo, moderno, de fácil diálogo com o público jovem. Um fenômeno, talvez irrepetível. Mas o ano não foi bom para o cinema brasileiro apenas por Cidade de Deus. Mais de 30 longasmetragens foram lançados, alguns dos quais bem significativos. É o caso de O Invasor, de Beto Brant, que também analisa a violência urbana e talvez com mais contundência do que Cidade de Deus, embora sem o mesmo resultado de público e mídia. Já O Príncipe, de Ugo Giorgetti, procura o olhar da elite intelectual paulistana para colocar o foco sobre o desencanto com o País. E Madame Satã, de Karin ta mesmo é a qualidade deles. Aïnouz, faz um elogio à diferença Ônibus 174, de José Padilha, é ao concentrar-se em momento brilhante ao tocar na tecla da urdecisivo da vida do mitológico gência social. Reproduz, em ritmalandro da Lapa. Um lindo fil- mo de tirar o fôlego, o seqüestro me, com vigoroso trabalho de lin- de passageiros de um ônibus ocorrido no Rio de Janeiro. Já guagem cinematográfica. Em meio a essa brilhante leva Edifício Master, de Eduardo Coutinho, revela, de forte empenho com infinita delisocial houve espacadeza e respeiço para a delicadeLMODÓVAR to, a intimidade za de Uma Vida dos moradores em Segredo, de COMPROVOU de um prédio em Suzana Amaral, e Copacabana. Poupara o delicioso QUE ESTÁ cas vezes o cineconto moral (à la ma mostrou, com Rohmer) Houve NO AUGE tanta acuidade, a uma Vez Dois Veriqueza que exisrões, de Jorge Furte por trás das tado, sobre a inichamadas vidas comuns. Vale o ciação sexual de adolescentes. Uma retrospectiva do cinema registro também para Janela da brasileiro não ficaria completa Alma, de João Jardim e Walter sem assinalar o boom do gênero Carvalho, carinhoso estudo sodocumental. Nada menos do que bre a percepção do mundo e as didez documentários de longa-me- ferenças individuais. tragem chegaram às telas, um terEstrangeiros – Se o critério for ço da produção total. Números à parte, o que espan- sucesso de bilheteria, não há co-

oste-se ou não, 2002 foi o ano de Cidade de Deus. O longa-metragem de Fernando Meirelles dividiu a crítica, comunicou-se com o público e começou a colecionar prêmios no exterior. Ganhou o Festival de Havana, está entre os finalistas do Globo de Ouro e disputa uma das cinco vagas para concorrer ao Oscar. Atraiu mais de 3 milhões de espectadores aos cinemas, abordando o tema quente do momento – as raízes da violência nacional. Cidade de Deus transformouse no maior sucesso da retomada do cinema nacional e abalou alguns dogmas. Sem estrelas da TV, jogou para escanteio o preconceito de que o público rejeita

G

A

mo esquecer de Homem-Aranha, o campeão absoluto do ano com quase 8,5 milhões de ingressos vendidos. Ou do primeiro episódio de O Senhor dos Anéis, que fez a metade disso, e de Harry Potter e a Câmera Secreta, com algo mais que 3 milhões. MIB: Homens de Preto 2 e Scooby-Doo também fazem parte desse elenco milionário dos filmes-pipoca. O que será salvo do esquecimento nessa safra de 2002? Provavelmente Fale com Ela, um Pedro Almodóvar que prova, mais uma vez, estar no ápice do seu talento. Tem gente que andou fazendo restrições e lembrando-se com saudades do Almodóvar mais transgressor do passado. Pontos de vista, mas acho difícil deixar de se comover com essa história de amizade entre dois homens e com duas mulheres em estado de coma fazendo as vezes de heroínas. Com O Quarto do Filho, vencedor em Cannes, o italiano Nanni Moretti mostra que é possível fa-

lar de algo tão doloroso quanto a morte de um adolescente sem cair no melodrama fácil. Woody Allen é outro que reafirma seu talento (como se fosse necessário) com O Escorpião de Jade e Os Trapaceiros. Gosford Park é um Altman menor – o que quer dizer que é melhor do que 99% do que anda por aí. E os Coen, sempre muito bons, não decepcionaram com O Homem Que não Estava lá. Esses são os medalhões. Mas ninguém tinha ouvido falar do francês Robert Guédiguian até ele aparecer por aqui com um filme tão forte como A Cidade Está Tranqüila ou tão transgressor como Marie-Jo e Seus dois Amores. É um nome a se guardar. Abandono do Sucesso, de Zhang Yang, talvez seja o filme mais tocante do ano. Mesmo diretor de Banhos, Yang consegue tocar num problema delicado – um filho que se droga – olhando os dois lados da questão e, ainda por cima, inovando na linguagem. Não é pouco.

Arnd Wiegmann/AE –10/10/2002

CAUTELA LITERÁRIA
García Márquez lançou o livro mais esperado do ano, sua autobiografia
HAROLDO CERAVOLO SEREZA

PALCOS INCONFORMADOS
Outro retrato da atual dica diversão em temas familiares marcou a montagem de Os Solitá- ção dramatúrgica nacional foi rios, reunião de dois textos do conseguido por Renato Boramericano Nicky Silver que Feli- ghi, organizador da Mostra de pe Hirsch estreou em março. Do- Dramaturgia Contemporânea, no de um texto apresentado pelo que estreou no fim de maio. jornal The New York Times como Quinze dramaturgos e 13 direUBIRATAN BRASIL uma “absurdidade clássica”, ele tores criaram espetáculos com inconformismo cênico trata de valores familiares e sua duração de 20 a 40 minutos capermitiu que o ano teatral degradação. A montagem exigiu da um, buscando privilegiar a escapasse da rotina. Espe- ainda uma grande interpretação palavra e a atuação que fogem do estilo de teatáculos nacionais e vindos do exte- de Marco Nanini tro da Broarior possibilitaram ao público man- e Marieta Severo. dway. Desafio marter um contato com montagens AMLET’ Textos clássiinstigantes e norteadoras. É o que cou a empreitacos também gajustificou a grande expectativa pa- da de José Celso MARCA ESTRÉIA nharam montara a curta temporada de Hamlet, Martinez Corrêa gens vigorosas – em junho, a primeira montagem que, depois de váEM SP DE como Mãe Corado prestigiado diretor inglês Peter rios meses de gem e Seus Fipreparação, esBrook a vir a São Paulo. PETER BROOK lhos, de Bertolt Usando um elenco multirracial treou em dezemBrecht, dirigida (procedimento característico de bro A Terra, a por Sérgio Ferraseu teatro), Brook elaborou sua primeira parte montagem com economia de de Os Sertões, de Euclides da ra, e A Importância de Ser meios. O texto foi ajustado às ne- Cunha, a menos acessível de to- Fiel, de Oscar Wilde, concebicessidades da encenação. Cenas das. Em cena, 40 atores recriam da por Eduardo Tolentino. Já a dança foi um dos setores foram cortadas, outras mudaram cenicamente – por meio de imade lugar, personagens foram su- gens e diálogos – a singular geo- culturais que mais sofreu com as primidos ou fundidos. E foi justa- grafia do sertão, assim como ve- turbulências econômicas deste mente a simplicidade uma de getação e clima, antecipando no ano. A falta de apoiadores e a aumartírio da terra, assolada pela sência de uma política cultural suas principais qualidades. eficiente fizeram a produção naJá o equilíbrio entre o horror e seca, o anunciado massacre. Divulgação cional patinar. As atenções ficam por conta do Grupo Corpo, com o espetáculo Santagustin, feito a partir da trilha sonora de Tom Zé. Entre as companhias internacionais, destacaram-se o inteligente trabalho de Bill T. Jones & Arnie Zane Dance Company e o minimalismo do grupo belga Rosas. Os amantes do clássico foram contemplados com Giselle, apresentado pelo Balé da Ópera de Paris, e Romeu e Julieta, no Rio, uma superprodução que contou com dois nomes de peso do cenário internacional: o ex-diretor do Bolshoi, Vladimir Vasiliev, e o maestro Mstislav Rostropovitch. (Colabo‘Hamlet’, por Peter Brook: economia cenográfica e nos figurinos rou Karla Dunder)

Espetáculos buscaram fugir da rotina tanto no texto quanto na direção

O

lançamento do ano, o O húngaro Imre Kértesz comemora o Prêmio Nobel, em outubro mais esperado e o que renderá muitas novas leitu- tora 34 lançou uma nova tradu- da Primavera dos Livros, que, nesras, certamente foi o primeiro vo- ção de O Idiota, de Dostoie- te ano, teve edições no Rio e em lume da autobiografia do colom- vski, assinada por Paulo Bezer- São Paulo. A feira é organizada pebiano Gabriel García Márquez, Vi- ra, e também uma nova versão de la Libre, uma associação de pequevir para Contarla (Viver para O Engenhoso Fidalgo D. Quixote nos e médios editores, que se forContar). Márquez faz um relato de la Mancha, realizada por Sér- taleceu politicamente. Um dos pontos pelos quais da sua iniciação literária e de seus gio Molina, bilíngüe. Ainda neste primeiros anos de jornalista, nu- campo, vale destacar a edição do mais se bate a Libre é a defesa da ma narrativa que guarda relações quarto volume de Finnegans ampliação do leque de fornecedocom a forma de contar do realis- Wake (Ateliê), de James Joyce, res de livros para bibliotecas públimo fantástico latino-americano. trabalho de fôlego de Donaldo cas, um objetivo que vem, aos pouA obra, que veio a público em ou- Schuler, e a conclusão, por Harol- cos, se concretizando, especialtubro, com vendado de Campos, de mente nos Estados e municípios. gem inicial de 1 sua tradução da Não obstante, os grandes investimilhão de exemIlíada (Arx), de mentos federais em obras de ficUITA GENTE ção deste ano – feitos para o proplares, deve ser Homero. publicada no País Na verdade, o grama Literatura em Minha Casa, ESCREVEU pela Record. mercado editorial do Ministério da Educação – optaNo Brasil, o trouxe muitas no- ram por concentrar as compras SOBRE O ano de Copa, eleividades até a Bie- em seis editoras no primeiro seção, muitos centenal do Livro de mestre e oito no segundo. 11 DE SETEMBRO Numa retrospectiva, é sempre nários (nasceram São Paulo, em há cem anos Sérmaio, a maior já necessário lembrar o Prêmio Nogio Buarque de realizada no País. bel do ano: o escolhido de 2002, Holanda, Carlos Drummond e, No evento, ganharam destaque Imre Kertész, húngaro e judeu, ainda, Os Sertões, de Euclides da obras “provocadas” pelo ataque tem como grande tema de sua Cunha) e crise econômica foi tam- às torres gêmeas em 11 de setem- obra o holocausto, do qual é sobém de cautela na indústria do li- bro de 2001. Do lingüista Noam brevivente. A premiação foi intervro. Os números do primeiro se- Chomsky ao economista Carlos pretada menos ideologicamente mestre mostram uma manuten- Lessa, futuro presidente do BN- do que de costume, apesar do acirção de faturamento do setor, mas DES, muita gente falou sobre isla- ramento do conflito entre israeuma grande redução do número mismo, terrorismo e choque de ci- lenses e palestinos. Sua obra é ainde títulos lançados. Um dado que vilizações. Um relativo sucesso al- da pouco conhecida no Brasil se reflete nas livrarias: em 2002, cançou o afegão Atiq Rahimi, (Kadish por Uma Criança Não autor bom foi autor morto. Os lan- com a comovente, lírica e, parado- Nascida, Imago) – mas a partir do çamentos do fim do ano mostram xalmente, árida novela Terra e ano que vem, a Planeta, filial da editora espanhola que começará que várias editoras resolveram in- Cinzas (Estação Liberdade). tensificar suas apostas nos clássiNo campo dos eventos, é preci- a operar no País, pretende publicos da literatura universal – a edi- so destacar ainda a consolidação car vários de seus livros.

O

‘H

M

dispara em novembro, para 3,02%. A taxa, recorde do Plano Real, foi provocada pela forte pressão do dólar sobre os alimentos e pelos reajustes dos combustíveis 7 – Iraquianos entregam à ONU o aguardado documento sobre o programa de armas químicas, biológicas e nucleares 8 – Três dos sete pavilhões da Casa de Detenção de São Paulo são implodidos 9 – Chuvas provocam 38 mortes em Angra dos Reis (RJ) – A United Airlines, segunda maior companhia aérea do mundo, pede concordata. O processo não afeta os vôos – Bush anuncia o executivo da companhia de transportes de cargas CSX John Snow como novo secretário do Tesouro dos EUA. Ele substitui Paul O’Neill, que se

demitiu a pedido do presidente – A Polícia Federal prende o megatraficante Leonardo Dias Mendonça e 20 acusados de integrar a quadrilha 10 – Lula encontra-se com Bush e pede um esforço para convencer os bancos privados americanos a retomarem linhas comerciais com o Brasil. O americano, que conversou com o brasileiro por 1h10 na Casa Branca, condiciona a ajuda às medidas econômicas do futuro governo – Lula confirma, em Washington, que Palocci será ministro da Fazenda e a senadora Marina Silva (PT-AC) ocupará a pasta do Meio Ambiente – A inflação de novembro medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) ficou em 5,84%, maior al-

ta do Plano Real – A Câmara aprova a Medida Provisória 66, chamada de minirreforma tributária, que garante receitas de R$ 2,6 bilhões ao futuro governo – Grupo de 58 sacerdotes assina carta em que pede a renúncia do cardeal de Boston, Bernard Law. Os padres consideram que ele não tem condições de comandar a Arquidiocese de Boston por ter acobertado casos de abuso sexual 11 – Câmara aprova pacote de propostas de interesse do novo governo, entre elas a prorrogação das alíquotas de 27,5% do Imposto de Renda e de 9% da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e a elevação do teto da Cide, imposto sobre combustíveis, para R$ 0,80

– Os três policiais militares acusados de matar o seqüestrador do ônibus 174, Sandro do Nascimento, em 2000 no Rio são absolvidos pelo júri por 4 votos a 3 – O ator Carlos Zara morre aos 72 anos, vítima de falência múltipla de órgãos, em São Paulo, onde estava internado com câncer no esôfago. Em 50 anos de carreira, Zara participou de 30 novelas, 26 peças de teatro e 4 filmes 12 – Lula anuncia que o ex-presidente mundial do BankBoston e deputado federal eleito pelo PSDB de Goiás, Henrique Meirelles, é o escolhido para presidir o BC. Ele confirma também que o deputado federal José Dirceu (PT-SP) exercerá o cargo de ministro-chefe da Casa Civil – Morre em São Paulo o sertanista Or-

lando Villas-Bôas, de 88 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos. Defensor da causa indígena, Villas-Bôas foi um dos fundadores do Parque Nacional do Xingu e recebeu duas indicações, na década de 70, para o Nobel da Paz 13 – Lula anuncia os nomes de mais três integrantes de seu ministério: o presidente do Conselho de Administração da Sadia, Luiz Fernando Furlan, para Desenvolvimento, Indústria e Comércio; o embaixador Celso Amorim, para o Ministério das Relações Exteriores; e Roberto Rodrigues, para a Agricultura – Law divulga sua saída do cargo de arcebispo de Boston. O cardeal é a mais alta autoridade eclesiástica a renunciar na esteira dos escândalos de pedofilia

14 – Lula chora na cerimônia de diplomação como presidente, no TSE. “Eu, que durante tantas vezes fui acusado de não ter diploma superior, ganho o meu primeiro diploma, o diploma de presidente da República do meu País.” 15 – O Santos vence o Corinthians por 3 x 2, no Morumbi, e sagra-se, pela primeira vez, campeão brasileiro. Com o resultado, a equipe santista quebra um jejum de 18 anos sem títulos importantes 16 – IBGE mostra queda na taxa de casamentos no País entre 1991 e 2001, de 8 por mil pessoas para 5,7 por mil – Escutas telefônicas da PF apontam indícios de ligação entre Leonardo Mendonça e o deputado federal Pinheiro Landim (PMDB-CE). O deputado é suspeito de

Produto: ESTADO - BR - 21 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H21 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 21 - 31/12/02

H21 -

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002
%HermesFileInfo:H-21:20021231:

CADERNO 2
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

O ESTADO DE S.PAULO - H21

A VEZ DOS INDEPENDENTES
Fábio Motta/AE - 2/12/2002

vel, também, pelo lançamento (pela Acari Records) de Mestre Capiba, obra que seu irmão, Raphael Rabello, morreu antes de terminar. MAURO DIAS É ainda pela Biscoito Fino que sai, no m ano morno, o mercado ano que vem, o DVD fonográfico, no que diz do show que reuniu, respeito a música brasilei26 anos depois, em ra e no terreno específico das graSão Paulo e no Rio, vadoras multinacionais, viveu de Maria Bethânia, Gilrelançamentos e compilações baberto Gil, Caetano Veratas – o melhor de fulano, as dez loso e Gal Costa – os mais de sicrano e assim por dianDoces Bárbaros. E te. Houve pouquíssima coisa nolança, também no va que merecesse aplauso. E o ano que vem, um sonque mais aplauso merece é o nogbook – cinco CDs – vo disco de Milton Nascimento, de Paulo Vanzolini. Pietá (WEA). Nele, o compositor Numa outra estétiretoma o melhor de sua criação. Os Doces Bárbaros voltaram a se reunir, 26 anos depois, em SP e no Rio ca, vale chamar para o Refaz o espírito do Clube da EsCD Ilha do Destino, do pernambuquina, vozes novas (Maria Rita ri Caymmi. O disco estava pron- disco com suas composições. Consolidou a presença na pro- cano (de Caruaru) Ortinho, meMariano, Marina Machado, Simo- to, houve show de lançamento, ne Guimarães) e criadores tam- mas a prensagem não foi provi- dução fonográfica a independen- lhor poeta e compositor da produbém novos (Bena Lobo, Gastão denciada. Muito axé e muito bre- te Biscoito Fino (para o qual ção pós-mangue beat. Não houve Free Jazz, mas alVilleroy, Telo Borges). Volta a ganejo na fila de espera para o transferiu-se, depois de mais de olhar para Minas, seu quintal, e a grande negócio do Natal – e o 30 anos em multinacionais, Ma- guns nomes importantes do cenáganhar universalidade. A regra que é de boa qualidade, deixa-se ria Bethânia), que lançou pérolas rio internacional estiveram por inéditas e relançou obras-primas aqui – Rush, Red Hot Chilli Pepara depois. sempre atual. Mais sorte teve Martinho da Vi- esquecidas pelas gravadoras ori- pers, Eric Clapton. O Skol Beats, São dignos de nota dois lançamentos da EMI: o CD (de sobre- la, que, como Dori, fez um disco ginais. Grande feito, a Biscoito Fi- no Autódromo de Interlagos, lede intérprete – no pôs na praça 30 CDs contando vou milhares de pessoas para mesa, versão em mas conseguiu le- a história da música urbana do uma festa – uma rave – ao estilo DVD) Tribalistas vá-lo às lojas. Rio de Janeiro no início do sécu- europeu: música eletrônica varan(EMI), reunindo ISCOITO Voz e Coração lo passado. Quinze CDs resgatam do a noite, com platéia firme já no Arnaldo Antunes, (Sony) é seu me- fonogramas originais da Casa Ed- dia claro. Uma tendência que paCarlinhos Brown FINO FOI O lhor trabalho dos son e outros 15, partindo de meti- rece estar ganhando corpo, com e Marisa Monte; e últimos tempos. culoso trabalho de pesquisa e re- selos dedicados àquele tipo músiLongo Caminho, GRANDE Martinho gravou cuperação de partituras, mos- ca (ST2 Music, Muquifo Records, que marca a volta o melhor do sam- tram os Princípios do Choro, sob MDA) multiplicando-se na esteira de Herbert VianDESTAQUE ba e descobriu o comando do violonista Maurício da nova onda. O Skol Beats já esna à liderança dos samba de quadra Carrilho e da cavaquinhista Lucia- tá garantido para 2003. (ColaboParalamas. por trás da moda na Rabello. Luciana foi responsá- rou Jotabê Medeiros) Boa novidade vinda das majors foi Eu não Peço Rio de Lágrimas, mais lembrado Vidal Cavalcante/AE – 21/04/2002 Desculpa (Universal), dobradi- como Rio de Piracicaba, de Tião nha de Caetano Veloso e Jorge Carreiro, Lourival dos Santos e Mautner, um disco bonito e diver- Diraci. Coisa de gênio. Mas quase tudo o que merece tido, de sonoridade mais próxima do universo de nonchalance comemoração veio das gravadode Mautner do que da ourivesaria ras pequenas, as alternativas, indo parceiro baiano. Mas a Univer- dependentes. A Deckdisc apresal, que lançou caixa com todos sentou ao público, em álbum os discos de Caetano (40 CDs, duplo, uma nova grande cantoum com raridades), ficou deven- ra do samba, a carioca Teresa do o segundo lote da discografia Cristina. Acompanhada pelo de Nara Leão, prometida para o Grupo Semente, ela gravou A Música de Paulinho da Viola, meio do ano. Deve e não sabe quando cum- um mini-songbook do autor de prir a palavra. E ficou devendo o Foi um Rio Que Passou em Mique seria, longe, o melhor disco nha Vida. Obra-prima. Teresa do ano, Contemporâneos, de Do- promete para em seguida um A festa do Skol Beats segue com o dia nascendo: tendência

Foram os pequenos selos os responsáveis pelo melhor em música popular

Sebastião Moreira/AE- 27/4/2002

E

Registro da intervenção de Spencer Tunick na 25.ª Bienal

AS ARTES VISUAIS OLHAM PARA A HISTÓRIA
posição Operários na Paulista, que reúne uma interessante seleção da segunda geração do modernismo paulista, com obras de mestres como Volpi, Bonadei e Rebolo, este último também lembrado com uma série de eventos MARIA HIRSZMAN em torno de seu centenário de em grandes estrondos, o nascimento, como uma bela reano de 2002 transcorreu trospectiva no MAM. As retrospectivas, aliás, tamcalmo e agradável para os amantes das artes plásticas. Não bém deram a tônica este ano, faltaram exposições de encher com destaque para uma impresos olhos, eventos vindos de ter- sionante programação levada a ras distantes e misteriosas, retros- cabo pela Pinacoteca do Estado, pectivas de grandes mestres bra- que abriu o ano com uma mossileiros ou até mesmo os megae- tra de Amilcar de Castro – morto ventos, que costumam ouriçar a recentemente, deixando vago o curiosidade do grande público. posto de maior escultor nacioAfinal, este foi ano de Bienal e de nal – e seguiu expondo grandes Arte/Cidade (a 4.ª edição do even- panorâmicas da produção de imto). Apesar da constância e diver- portantes artistas brasileiros cosidade da programação, a neces- mo João Câmara, Arthur Luiz Pisidade de estabelecer novos parâ- za e Arcângelo Ianelli. No campo internacional, as metros históricos, mais amplos e realistas, parece ter dado a tôni- grandes atrações ficaram por ca este ano. E não apenas no que conta das exposições dedicadas se refere à programação de even- à China (na Faap) e à Rússia (na Oca), que trouxe tos, mas tamEpitácio Pessoa/AE – 21/5/2002 ao País uma selebém no camção surpreendente po editorial e de trabalhos do Munos debates seu Nacional de mais acadêmiSão Petersburgo. A cos. Foi a hisexposição contemtória, e não a plou a produção do vanguarda, país desde o século que deu o tom 16 até o normalem 2002. mente esquecido Essa maturealismo soviético. ração de um Além de revelar o pensamento quanto há de ideovoltado para logia na própria uma busca de acusação de que se raízes mais sótrata de produção lidas, que auximeramente ideolóliem a comMILCAR, gica, a mostra perpreender o mitiu que os brasipassado e a UMA DAS leiros vissem pela formular meprimeira vez o tralhor a arte do GRANDES balho de mestres presente, conessenciais para a artrasta com a PERDAS te contemporânea terrível situamundial e que muição de parte tos só conheciam das instituições culturais de São Paulo, co- por meio de fotografias. Curiosamente, também veio mo o Masp e o MuBE (Museu Brasileiro de Escultura), que pa- da Rússia a melhor representarecem entregues a jogos particu- ção internacional na Bienal de lares de poder que inviabilizam São Paulo – que entre outros projetos expositivos e educacio- eventos sacudiu a cidade com a performance de Spencer Tuninais com alguma consistência. Felizmente é crescente a preo- ck, que colocou milhares de pescupação em revisitar o passado soas nuas em pleno Parque do das artes nacionais, com o intui- Ibirapuera. Dedicada à questão to de compreender melhor nos- das grandes cidades, a 25.ª edisas raízes e ampliar o raio de in- ção do evento contemplou alguvestigação, incluindo tempos mas das metrópoles mais dinâmais remotos e artistas menos micas do planeta, reunindo um festejados no espectro de interes- leque bastante amplo – e desise. Vários dos destaques da pro- gual – de trabalhos. O Brasil, por exemplo, ficou gramação deste ano assumiram esse viés. Apenas para citar al- longe de brilhar no evento. Apeguns dos mais importantes even- sar de contar com alguns artistos de caráter histórico, pode- tas expressivos, a seleção teve mos lembrar do importante esfor- mais pontos fracos do que forço do Centro Universitário Maria tes. Além dos núcleos relativos Antonia de revisitar a arte concre- a Moscou, também obtiveram ta paulista em seu cinqüentená- um resultado interessante as serio – chegando inclusive a reedi- leções relativas a Nova York e tar o mais fielmente possível a ex- Berlim, curiosamente as capiposição do Grupo Fluxus, em tais que passaram por maiores 1952 (sem esquecer, no entanto, ebulições nos últimos tempos, seu papel de fomentador da pro- comprovando o vínculo indiscudução contemporânea)– e a ex- tível entre vida e arte.

Ano foi marcado pela busca de novos parâmetros, mais amplos e realistas

B

S

OS FEITOS DA POLÍTICA CULTURAL
Mauricio Barbieri/AE – 13/3/2001

O Museu Rodin terá um desenho moderno, dividindo espaço com uma construção histórica de Salvador, o JOTABÊ MEDEIROS Palacete Comendador Bernardo o sempre enevoado seCatharino, um tor da política cultusolar de dois anral, o grande destaque dares datado de do ano que passou foi a sedi1913, na Rua da mentação da novíssima AgênGraça. O palacecia Nacional de Cinema (Ancite neoclássico ne), que passou a gerir o cine(com influência ma brasileiro. art nouveau) perCriada pelo presidente Fertence ao Estado. nando Henrique Cardoso dentro da Política Nacional do Cinema Gustavo Dahl, primeiro presidente da Ancine Em São Pau(estabelecida na MP 2228-1, de 6 lo, investem-se de setembro de 2001), a Ancine mo a Oca do Ibirapuera e a re- cerca de R$ 35 milhões na reé diretamente ligada à Casa Civil forma da Pinacoteca do Estado forma da Estação da Luz, que da presidência e tem como intui- de São Paulo – não parou. Além virará um centro de referênto fortalecer a atividade cinema- da inauguração do Novomuseu cia da língua portuguesa. Com tográfica no País, reconhecendo em Curitiba, no Paraná, um pro- os prédios já recuperados da jeto de Oscar Niemeyer, o País Sala São Paulo, Pinacoteca do sua importância econômica. Encabeçada pelo cineasta recebeu uma grande notícia: o Estado, Museu de Arte Sacra Museu Rodin, e Igreja de São Cristóvão, o Gustavo Dahl, a de Paris, anun- edifício (construído entre Ancine acelerou ciou a constru- 1895 e 1901) vai ajudar a recuseus trabalhos a USEU ção de uma “fi- perar o centro de são Paulo. partir de setemlial” em Salvabro e tirou das A novíssima Estação Luz da RODIN dor, na Bahia. mãos do MinisNossa Língua nasce com o inO edifício Ro- tuito de preservar uma das líntério da Cultura ANUNCIOU din da Bahia, guas mais faladas no mundo, o as prerrogativas que será inaugu- português. São mais de 200 mide estimular e FILIAL NA BAHIA rado em 2003, te- lhões pessoas espalhadas em selecionar projerá 1,4 mil me- nove países, como Timor Lestos incentivatros quadrados te, São Thomé e Príncipe, Guidos. Seu destino no governo Lula é aguarda- e um custo estimado de US$ 4,5 né Bissau, Angola, Moçambido com ansiedade pela classe milhões. Serão cedidas em co- que e Cabo Verde. Desse total, modato, para exposições na ci- 80% estão no Brasil. cinematográfica. Outra boa notícia é a recupeE, apesar da crise cambial, o dade, 62 obras do escultor Aumundo da museologia – que ti- guste Rodin – e o governo baia- ração, pela Prefeitura de São nha festejado em anos recentes no anunciou a compra de qua- Paulo, da Biblioteca Mário de Andrade, que já foi uma das inaugurações portentosas, co- tro esculturas.

Agência Nacional de Cinema foi instituída por FHC em seu último ano de mandato

N

M

mais importantes do mundo e estava literalmente abandonada em anos recentes. Também incluída no Plano de Revitalização do Centro, Mário de Andrade, a reforma tem R$ 3 milhões do orçamento municipal e recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Inaugurada na Rua 7 de Abril de 1925, com o nome de Biblioteca Municipal de São Paulo (e tombada em 1992), a instituição ganhará novo alento. O projeto prevê a construção de quatro andares subterrâneos e ampliação da sala de leitura do térreo só com armação de aço e vidro. Após a reforma, terá um auditório de 400 lugares no subterrâneo. Seu acervo tem cerca de 250 mil livros e 3,4 milhões de periódicos, gravuras e quadros. Estão previstos também um restaurante no terceiro andar e um café atrás do prédio. Já o Rio de Janeiro continua na briga para ter uma filial do Museu Guggenheim na Praça Mauá. Já assinou protocolos e enfrenta oposição forte, que não pretende ver o projeto instalado na região escolhida. Propõe-se uma edificação de mais de 20 mil metros quadrados de área construída, e o orçamento também é salgado: algo entre US$ 180 milhões e US$ 200 milhões. Por sua vez, Curitiba aceitou bem seu mais novo edifício de cartão-postal, o Novomuseu, prédio ousado de Niemeyer com 17 mil metros quadrados e oito salas de exposições, na Rua Marechal Hermes.

A

coordenar um esquema de concessão de habeas-corpus a narcotraficantes – Superávit da balança comercial entre janeiro e a segunda semana de dezembro chega a US$ 11,9 milhões 17 – Conselho Monetário Nacional anuncia a suspensão da venda de ações do BB, alegando que a oferta não atraiu investidores institucionais – Senado aprova projeto que determina foro privilegiado para o julgamento de supostos atos de improbidade administrativa cometidos por exgovernantes – Morre no Rio, aos 90 anos, o jurista Evandro Lins e Silva, que se notabilizou pelo engajamento em causas cívi-

cas e a defesa gratuita de cerca de 2 mil presos políticos durante a ditadura Vargas – Alckmin inaugura a segunda pista da Rodovia dos Imigrantes. A obra, de 21 quilômetros, custou US$ 300 milhões – Em Madri, Fifa concede a Ronaldo, pela terceira vez, o título de melhor jogador de futebol do mundo 18 – Copom aumenta a taxa de juros básica da economia de 22% para 25% – Barco com mais de 300 pessoas a bordo afunda no Rio Pará (PA), quando seguia de Manaus para Belém 19 – O advogado Márcio Thomaz Bastos é anunciado oficialmente co-

mo futuro ministro da Justiça – Greve geral completa 19 dias e Chávez admite antecipar eleições para abril 20 – Lula anuncia mais quatro ministros: Cristovam Buarque (Educação), Humberto Costa (Saúde), Jacques Wagner (Trabalho) e Dilma Roussef (Minas e Energia) – Balanço aponta 34 mortes em naufrágio no Pará – Dez das principais corretoras de valores dos EUA concordam em pagar US$ 1,4 bilhão em multas e admitem ter fornecido recomendações distorcidas a seus clientes 22 – Arafat adia por tempo indeterminado as eleições presidenciais mar-

cadas para 20 de fevereiro – Morre aos 50 anos na Inglaterra, de parada cardíaca, o guitarrista e cantor Joe Strummer, líder da extinta banda de rock The Clash 23 – Lula completa o ministério com Guido Mantega (Planejamento), Olívio Dutra (Cidades), Ricardo Berzoini (Previdência), José Viegas Filho (Defesa), Ciro Gomes (Integração Nacional), Anderson Adauto (Transportes), Miro Teixeira (Comunicação), Miguel Rossetto (Desenvolvimento Agrário), Benedita da Silva (Assistência e Promoção Social), Roberto Amaral (Ciência e Tecnologia), Walfrido Mares Guia (Turismo), Agnelo Queiroz (Esportes) e Jorge Armando Félix

(Gabinete de Segurança Institucional) 25 – Oposição critica oferta do governo brasileiro de enviar petroleiro para que a Venezuela normalize o abastecimento do mercado interno, paralisado em virtude da greve geral 26 – Lula define os comandantes das Forças Armadas: general Francisco Roberto de Albuquerque para o Exército, almirante Roberto Guimarães de Carvalho para a Marinha e o brigadeiro Luiz Carlos Buenos para a Aeronáutica – Navio da Petrobrás zarpa com petróleo e derivados rumo a Caracas – Morre nos EUA aos 50 anos, de pneumonia, Herb Ritts, que se notabi-

lizou como fotógrafo de celebridades 27 – Empresa Clonaid anuncia nos EUA o nascimento do primeiro clone humano. O bebê, uma menina, teria sido clonado a partir do DNA da mãe – Atentado com automóvel e caminhão repletos de bombas deixa pelo menos 46 mortos em Grozny, na Chechênia. Ambos explodiram diante da sede da administração pró-Rússia da província 28 – Igreja Católica e cientistas reagem com críticas e descrença ao anúncio da Clonaid. Para o Vaticano, a mera divulgação da clonagem já revela uma “mentalidade brutal” 29 – Sobe para 81 o número de mortos no atentado em Grozny

Produto: ESTADO - BR - 22 - 31/12/02
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H22 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 22 - 31/12/02

H22 -

H22 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-22:20021231:

TELEJORNAL
UM ANO PARA NÃO ESQUECER

TERÇA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2002

A REALIDADE PINTADA COMO SHOW
Divulgação Divulgação

Games e reality shows se multiplicaram na TV com inesgotáveis doses de sarcasmo
CRISTINA PADIGLIONE

Q

uando Silvio Santos triplicou a audiência do seu SBT, ao bancar a produção da primeira Casa dos Artistas, no fim de 2001, a Globo chiou, em vão, para impedir a exibição do programa que imitava a receita do Big Brother, cujos direitos de exibição no Brasil lhe pertenciam. A Globo pagara para promover a versão brasileira do reality show, segundo acordo firmado com a holandesa Endemol, dona do formato exportado, até então, para 17 países. Besteira. A produção de mais duas edições de Casa, em 2002, pelo SBT, e de duas rodadas de Big Brother, na Globo, atestou que o sucesso de um programa do gênero não depende exclusivamente de uma receita pronta. A escalação do elenco e os critérios de edição fazem toda a diferença entre os grãos dessa farinha de mesmo saco. Lá pelo meio de 2002, houve, aqui e ali, ecos de que a onda dos reality shows estava se esgotando. Pode até ser que o ápice já tenha passado, mas a platéia não parece saturada desse cardápio. Silvio Santos só espantou a audiência da segunda Casa, no SBT, porque traiu a confianThirso e Manuela no ‘Big ça do telespectador, ao meBrother Brasil’: truques de xer e remexer nas regras do edição e escalação do elenco jogo, depois de ter dado inífizeram toda a diferença entre cio à partida. atrações de formatos similares A Globo fez o caminho inverso: foi aprendendo duran- exemplo, já tinha disco de são, o disco ficou em segunte o processo e concluiu um trilha sonora à venda duran- do plano e brincou-se à vonsegundo BBB bem melhor te a exibição do programa, o tade com o triângulo amoroque o primeiro. que evidente- so formado por Thirso, MaExpert em novemente engessa- nuela e Fabrício. las, embarcou va a criação da IRURGIA na idéia de que turma da edi- Vale tudo – A avidez pelo coo Big Brother ção, que deve- mércio do que se convencioESTÉTICA NA seria um folheria sonorizar os nou chamar como reality tim da vida episódios de show – e que de real quase naTV É NOVA real e tropeçou acordo com o da tem, visto que os protagona própria inp r o d u t o d a nistas da cena se comportam FEBRE NOS EUA dústria. O priSom Livre. Na como quem se imagina esmeiro BBB, por segunda ver- tampado em outdoor, cien-

ma com a promessa de 15 minutos de fama na TV”, bem disse o crítico Tom Goodman sobre o programa, que hoje só perde em ibope, no horário, para a série The West Wing. No Brasil de 2002, o SBT promoveu, felizmente sem grande êxito de audiência, uma outra receita infeliz: em parceria com a Fox, dona do formato, realizou a Ilha da Sedução, onde casais se isolam para serem assediados por beldades, testando assim seus limites de fidelidade.

Joana Prado, a Feiticeira, na ‘Casa dos Artistas 2’: Silvio Santos estragou o jogo e perdeu audiência

Divulgação

Para fazer o ‘Roleta Russa’, a Record se associou à Sony, que detém os direitos do formato: na TV em que nada se cria, tudo se copia, os ‘originais’ passam a ter donos tes que são das câmeras que os cercam – levou produtores de TV a dar asas à imaginação macabra para “criar” novos formatos pelo mundo todo. Nesse fim de ano, a rede ABC faz a festa nos índices de audiência com um tal Extreme Makeover, o que pode ser traduzido para algo como Mudança Radical. Não há um vencedor, mas sim três, que são os selecionados a se submeterem, em rede nacional, a uma grande reforma estética. Embora o programa convocasse candidatos insatisfeitos com o espelho e dispostos a mudarem seu visual, nenhum dos três tem “defeitos” físicos. Eles buscam lipoaspiração, cirurgias estéticas no nariz, implante de silicone nos peitos ou no maxilar. “Há poucas coisas mais repulsivas que a mistura de baixa auto-esti-

C

Balcão de empregos – Na Argentina, a crise financeira rendeu outra linha de humilhação – ainda que o motivo pareça mais nobre que sexo ou cirurgia estética: o programa RH promete seis meses de emprego com carteira assinada aos vencedores. Atento aos apelos da audiência, João Kléber, que parou de fazer graça e mergulhou com fé na exploração da desgraça alheia, está empenhado em fazer algo parecido, intitulado Emprego na TV. Mas na TV de hoje, onde ainda vale a máxima do “nada se cria, tudo se copia”, os “originais” têm patente de grandes produtoras, como a própria Endemol (parceira da Globo nos programas Big Brother, Acorrentados, Hipertensão, Amor à Bordo e Fama) e a Sony, dona dos direitos autorais do RH e que está disposta a impedir que a RedeTV! clone a idéia sem pagar por ela. A própria Sony virou parceira da Record em 2002 num programa parecido, o No Vermelho, com José Luiz Datena, que premia seus vencedores saldando suas dívidas. Também com a Record, a Sony fez o Roleta Russa este ano. Na atração, conduzida por Milton Neves, os candidatos podem cair num alçapão quando erram a resposta do quiz. A aposta da Record é inspirada no sucesso do Show do Milhão, que teve sua febre aplacada em 2002, mas ainda mostra fôlego para mais tempo no ar.

A TV NUNCA DEU TANTO ESPAÇO ÀS URNAS
Tasso Marcelo/AE

Debates e até horário político viraram conversa dos botequins onde antes só se falava em futebol

A

inda que a Copa do Mundo tenha sido transmitida apenas por Globo e SporTV, o mundial, somado às eleições, foi prato servido por quase todos os canais. Mesas redondas e debates deram cria em várias emissoras, com especial atenção à questão política: nunca a TV deu tanto espaço ao voto como em 2002. A Globo tentou chamar de dia histórico o seu debate entre José Serra e Luiz Inácio Lula da Silva, em 24 de outubro, ainda na tentativa de superar um episódio que entrou, este sim, para a História: a edição do debate entre Lula e Fernando Collor em 1989. Dessa vez, para provar que era capaz de inovar, encomendou ao Ibope a seleção de eleitores indecisos até aquela sexta-feira, que antecedeu o segundo turno de

2002, e deinos botequins, xou que eles imagem que fizessem peraqui se faz só guntas aos como compacandidaração a um retos. trato muito coOk, foi mum no caso bem, mas foi do futebol, um debate não de eleifrio, engessações. Até o hodo em regras, rário gratuito, distante de normalmente um embate didesprezado, reto, como conseguiu mofez Boris Cativar a atensoy, pela Reção da audiêncord, no pricia. Mesmo asmeiro turno. sim, o Ibope E para evitar atestou que o desastre de cerca de 20% 89, quando a dos telespectaedição de dores desligaseus noticiávam a TV durios favorecia rante o horáCollor além rio eleitoral. do placar que Ponto para ele já tinha ala TV paga, cançado, a dique em sua priAssessores e jornalistas assistem ao debate entre Serra e Lula na Globo reção da Glomeira tempobo optou por não fazer, dessa tentou-se em mostrar apenas o De toda forma, o saldo foi rada eleitoral sob os olhos do vez, qualquer edição do pro- movimento dos bastidores em positivo. A televisão alimen- Ibope – o instituto passou a grama entre Lula e Serra. Con- seus telejornais. tou o bate-papo sobre política medir a audiência dos canais riam que só podia se tratar de ficção barata. Nem Glória Perez, acusada de “viajar na maionese” ao traçar a saga de Lucas e Léo na novela O Clone, iria tão longe. Ciência à parte, O Clone fabricou expressões que viraram mania nas ruas, tornou populares verbetes pronunciados pelos “marroquinos” do enredo, e, melhor de tudo, escancarou, como nunca se viu antes na TV aberta brasileira, a questão das drogas. Além dos personagens fictícios Mel (Débora Falabella), Nando (Thiago Fragoso) e Lobato (Osmar Prado), outros, reais, ganharam a tela da novela. Obcecado por closes, o diretor Jayme Monjardim deixava que cada um falasse à vontade, fechando o foco ora nas mãos inquietas do depoente, ora num olho só, ora entre nariz e boca. Com base no próprio script, cada um vomitava detalhes de como tinha chegado ao fundo do poço em razão da dependência química. Funcionou. O assunto esteve em evidência entre o meio e o fim da novela, justamente no período em que decolou no Ibope – na reta final, alcançou 62 pontos na Grande São Paulo, o que equivale a cerca de 2,945 milhões de domicílios. O merchandising social antidrogas surtiu efeito fora da tela. A Divisão de Prevenção e Educação do Departamento de Investigações sobre Narcóticos de São Paulo (Denarc) registrou crescimento de 165% no atendimento, durante a novela. Em fevereiro, o número de ligações foi de 87. Em março, subiu para 231.

por assinatura só a partir de 2001 – dobrou seu número de telespectadores. Não de assinantes. A TV paga pediu socorro em 2002. A crise do setor contaminou as finanças das Organizações Globo e afetou operadoras e programadoras. Pelo último balanço da ABTA – Associação Brasileira de Telecomunicações por Assinatura –, a base de assinantes perdeu 49 mil de seus 3,584 milhões de pagantes, entre o primeiro e o segundo trimestre do ano. Independentemente da crise que afetou o consumidor em 2002, o quadro da TV paga aqui só endossa um diagnóstico que já existia para explicar o mau desempenho do Brasil no setor – em porcentuais, o País perde, de longe, para a maioria dos vizinhos latinoamericanos. O caso é simples: a TV aberta brasileira pode deixar muito a desejar em qualidade, mas o custo da TV por assinatura não compensa seus benefícios em relação à TV que é de graça. (C.P.)
Divulgação

CAMPANHA DE VERDADE NA FICÇÃO
Com boa audiência, ‘O Clone’ fez da bandeira antidrogas o seu melhor saldo
a semana passada, uma empresa que atende por Clonaide, ligada a uma seita que acredita que os seres humanos foram clonados de alienígenas, anunciou o nascimento do primeiro clone humano – ainda sem provas. Se fosse roteiro de filme hollywoodiano ou de novela mexicana, di-

N

Frustração – A Globo fecha o ano com saldo bem inferior no horário. Esperança, criada por Benedito Ruy Barbosa, patinou num atraso de produção que resultou em vários capítulos recheados de flash-back e clipes – imagens sonorizadas e sem texto algum – até sofrer intervenção da direção da emissora. Com problemas de saúde, o autor original passou o bastão e a Globo escalou Walcyr Carrasco para agilizar a história. O Ibope ainda não reagiu. Continua oscilando entre 30 e 35 pontos, índices excepcionais para qualquer canal, mas não para o padrão Globo de custos. (C.P.)

Débora Falabella em ‘O Clone’: novela garantiu boa audiência à Globo e fez crescer o número de interessados em tratamento para a dependência química

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful