You are on page 1of 4

Piadinhas Piadinhas Piadinhas Piadinhas

evo tirar o dosímetro do trabalhador na
hora do almoço?
Eis aí uma questão que não tem uma
resposta definitiva. Se o almoço ocorre em
refeitório, e o trabalhador tem sua jornada
de 8h na rea produtiva, efetivamente o
almoço não fa! parte da jornada, sendo o
caso de retirar o dosímetro ou coloc"lo em
#pausa#. $ pessoas que ar%umentam que o
trabalhador est na empresa, e sua
e&posição ' %lobal, devendo"se dei&ar o
dosímetro.


( importante observar que essa postura em
favor da se%urança ' en%anosa, pois em um
refeitório #silencioso#, isto ', abai&o do limiar
de inte%ração do aparelho, em nada mudar
) dose diria, com o inconveniente s'rio de
redu!ir o nível m'dio que, então, ficar
diluído em *h e não em 8h. Se o nível m'dio
+,av%- for o par.metro de avaliação,
estaremos a%indo contra o trabalhador.
/odavia, se o almoço fa! parte da jornada,
por acordos coletivos, por e&emplo, e ainda
mais se a refeição ' feita na rea industrial
+#quentinha#-, com certe!a o dosímetro deve
ficar instalado e operante.
0postila do 1ro%rama de 2apacitação
2ontinuada +1E2E-3E04 5 6rio ,ui!
7anta!!ini " 8a edição 5 9::;.
Uma Dose no Almoço

Manaus, Agosto 2013 – Edição 83 – Ano 7


Boa
Leitura!
Para sugestões ou críticas : Prof. Mário Sobral Jr. sobraljr27@ibest.com.br


1ara quem quer ter uma visão t'cnica e
prtica de ruído e calor, este ' o livro.
E&plica os conceitos, a le%islação e a
avaliação de forma clara e didtica.





- Mãe, sabia que o vermelho representa
o amor?
- Sabia meu filho.
- Então toma meu boletim. Eu te amo.

A dona de casa falando com o
açougueiro
- !uanto est" o quilo da carne de
segunda?
- #$ %&,'()))
- *redo, que roubo) + senhor não tem
coração?
- ,enho sim, dona) ," #$%(,-()))

Sabe quem acredita que as pessoas
podem mudar?
+ dono da transportadora.

TRAUMA ANTIGO

Não entendo o que fiz de mal para atirarem
o pau em mim e ainda tem essa tal de
Dona Chica que eu nem conheço.
Prezados Prevencionistas,


Um dos assuntos mais comentados na área
de segurança é o tal do Ruído, pensem em
um bichinho barulhento!
Esta edição vai tentar audá!lo a entender
e dentro possível, a controlar, o nosso
"amigo# Ruído$
Para isso vamos %alar sobre curvas de
ponderação, resposta din&mica, %ator de
dobra, 'E' e o PPP, e(ames
audiométricos e muito mais$
Então corra para um canto silencioso e
comece esta leitura do barulho$

Pro%$ )ário *obral +r$

Mensagem Mensagem Mensagem Mensagem
ao Leitor ao Leitor ao Leitor ao Leitor

Você sabe como
ouvimos?

D
stale os dedos no ar. < ruído percebido
pelo seu ouvido ' consequ=ncia da pressão
sonora que ' deslocada pelo ar, entra pelo
pavilhão auditivo, ' direcionada para o canal
auditivo e por fim >bate? no tímpano. <
tímpano pode ser entendido como uma
>tampa de tambor? com o couro bem
esticadinho, ou seja, um tambor vibra ao
batermos, o tímpano tamb'm ir vibrar com
o impacto do ruído.
0trs do tímpano temos tr=s ossinhos@
estribo, martelo e bi%orna que funcionam
como alavancas transferindo a ener%ia
mec.nica para a cóclea.

0 cóclea, que parece um caracol, '
preenchida por um líquido e tem as paredes
composta de cílios. 0pós os ossinhos
vibrarem, eles irão %erar uma onda no
interior da cóclea. Essa onda, ao passar pelos
cílios terão suas frequ=ncias reconhecidas e
serão transformadas em impulso el'trico
para que possam ser encaminhadas ao
c'rebro e entendidas.
0cho que a%ora fica mais fcil de entender
que os protetores auriculares funcionam
como um anteparo, diminuindo a ener%ia
mec.nica que che%a ao tímpano e
consequentemente ) cóclea.


Perícia e Avaliação de Ruído e Calor
2
a
dição
!iovanni "oraes de Ara#$o
e Ro%&rio Dias Re%azzi

E
Canal
Auditivo
C'clea
(ímpano
ideia ' e&celente, o problema '
conse%uir uma aplicação comercial mais
diversificada e com um custo mais acessível.
4e acordo com a AiBip'dia, como o som '
uma onda de pressão que consiste em uma
fase de compressão e uma fase de rarefação,
o controle ativo do ruído seria obtido com um
alto"falante de cancelamento de ruído,
posicionado em um lu%ar específico, emitindo
uma onda sonora com a mesma amplitude e
fase invertida do som ori%inal. 0s ondas
acabam se cancelando por um efeito
chamado interfer=ncia.
<u seja, se tivermos uma Cnica frequ=ncia,
est fcil de anular o problema. Do entanto,
na prtica, h a oscilação de intensidades e
de frequ=ncias, o que dificulta a
operacionali!ação do sistema.
0l'm disso, ser preciso tomar cuidado para
não eliminar sons necessrios como a própria
vo! e sinali!açEes de emer%=ncia.
1or'm, encontramos aplicaçEes bem
sucedidas em espaços fechados, tais como
dutos, cabines de veículos, tubos de escape e
fones de ouvido utili!ados por pilotos de
helicópteros e aviEes.
CONTROLE
ATIVO DO RUÍDO

A


























































Calibração x Ajuste Calibração x Ajuste Calibração x Ajuste Calibração x Ajuste
stamos em uma caminhada de
conhecimento sobre o ruído, então vamos
para mais um passo.
Fuem j pe%ou em medidor de nível de
pressão sonora, o tal do decibelímetro, sabe
o quanto ' difícil fa!er a leitura correta para
determinados ambientes em que h
mudanças abruptas nos valores.
1ara facilitar a nossa leitura >inventaram? a
resposta din.mica S,<A, ou seja, o
equipamento ir mostrar os valores obtidos
de forma mais lenta, a cada um se%undo.

6as professor, no te&to >2uidado com as
2urvas? o senhor escreveu que o ruído de
impacto ' mais rpido que um se%undo.
4esta forma não vamos acabar perdendo a
sua leitura?
6uito bem, ' isto mesmo. 1or isso que para
o ruído de impacto utili!aremos a resposta
din.mica 70S/, que ir mostrar o que est
acontecendo a cada G98ms.

<u seja, com este te&to e com o te&to
>2uidado com as 2urvas? conse%uiremos
confi%urar um decibelímetro simples.
Helembrando, para ruído contínuo ou
intermitente a confi%uração ser curva >0? e
resposta din.mica S,<A e para ruído de
impacto curva >2? e resposta din.mica 70S/.

Cuidado com as Cuidado com as Cuidado com as Cuidado com as
Curvas Curvas Curvas Curvas
uitos acreditam que ao fa!er a calibração
de um equipamento de medição, estamos
com um equipamento preciso.
Da verdade, não ' bem isso. Iamos
entender a diferença entre a calibração e o
ajuste de um sistema de medição.
1rimeiro ' bom apresentarmos os conceitos.
4e acordo com o IJ6 " Iocabulrio
Jnternacional de 6etrolo%ia " 2onceitos
fundamentais e %erais e termos associados.
+GK. edição luso"brasileira do IJ6 9:G9-,
temos o se%uinte@
20,JLH0MN< 20,JLH0MN< 20,JLH0MN< 20,JLH0MN< ' a operação que estabelece,
sob condiçEes especificadas, numa primeira
etapa, uma relação entre os valores e as
incerte!as de medição fornecidos por
padrEes e as indicaçEes correspondentes
com as incerte!as associadasO numa
se%unda etapa, utili!a esta informação para
estabelecer uma relação visando a obtenção
de um resultado de medição a partir de uma
indicação.
0PQS/E 0PQS/E 0PQS/E 0PQS/E ' o conjunto de operaçEes efetuadas
num sistema de medição, de modo que ele
forneça indicaçEes prescritas
correspondentes a determinados valores de
uma %rande!a a ser medida.
<u seja, ao calibrarmos estamos apenas
comparando com um padrão e ao final
teremos um valor que pode ter um erro que
ser apresentado no documento denominado
2eritificado de 2alibração.
6as, pense bem, este procedimento pode
ser e&ecutado e ao final apenas lhe informar
que o equipamento possui um erro aceitvel,
sem a obri%ação de reali!ar a correção deste
erro.
1or'm, caso este erro seja muito elevado, de
acordo com crit'rios estatísticos, '
necessrio fa!er o ajuste, que seria >abrir? o
aparelho e fa!er com que ele, caso possível,
volte a mostrar o valor padrão após a
calibração.

JORNAL SEGUR!O

DICAS DE TREINAMENTO DICAS DE TREINAMENTO DICAS DE TREINAMENTO DICAS DE TREINAMENTO
Leto ou R!"ido Leto ou R!"ido Leto ou R!"ido Leto ou R!"ido
A AA A
E EE E
É ÉÉ É
PIADINHAS PIADINHAS PIADINHAS PIADINHAS
Enquanto isso, no *.A,
E/E 0assa o seu n1mero de celular?
E/A Anota ai 2(2(-2(2( ☺
E/E 34, mas s5 tem 2( ?
E/A Ahhann, se voc6 não conseguir 2(
de novo.

As pessoas me perguntam porque eu
não tenho tatuagem.
Eu sempre respondo
- 7oc6 colocaria um adesivo em uma
8errari?

pesar da bele!a do processo do aparelho
auditivo, não temos a perfeição no
recebimento do som e uma das
características que comprova esta
informação ' a nossa percepção do ruído ser
melhor na alta frequ=ncia +som mais a%udo 5
>fino?- em relação ) bai&a frequ=ncia +som
mais %rave 5 >%rosso?-.
1or'm, um aparelho eletrRnico não tem esta
limitação.
Sim professor, e daí?
Então para utili!armos um equipamento
eletrRnico para quantificar o ruído, o pessoal
da en%enharia produ!iu equipamentos que
são capa!es de simular esta limitação, ou
seja, introdu!iu as famosas curvas de
ponderação 0 e 2.
1rofessor, mas por que tem duas curvas?
Lem, a curva >0? deve ser utili!ada para
ruído contínuo e intermitente e a curva >2?
para ruído de impacto +ruído mais rpido que
um se%undo e que para ocorrer de novo,
demora mais que um se%undo-.

Iejamos como se comporta a curva 0.
1ró&imo a 9: $! um ruído contínuo de 8: dL
seria percebido pelo ouvido humano em uma
intensidade de S: dL, conforme a frequ=ncia
aumenta nossa percepção tamb'm aumenta.
Em G::: $! perceberíamos o ruído com a
mesma intensidade que est sendo emitida.
Jmportante observar que quando escrevemos
a pressão sonora obtida i%ual a tantos dL0,
estamos informando que utili!amos a curva
>0?, o mesmo ocorre quando usamos a curva
>2?, ou seja, devemos apresentar o valor
se%uido de dL2.
1ara %ravar, lembre que para ruído c cc contínuo
não não não não usamos a curva 2 22 2.
Fuando escrevemos apenas o valor se%uido
de >dL?, estamos indicando que não est
sendo utili!ada nenhuma curva de
ponderação, ou seja, ' um valor linear sem
influ=ncia das frequ=ncias.

de conhecimento de todos que não basta
o fornecimento do E1J, mas para que o
trabalhador esteja prote%ido ' preciso
reali!ar treinamento sobre seu uso e
fiscali!ar se realmente est utili!ando a
proteção e de forma correta.
Fuanto a fiscali!ação. quase sempre '
reali!ada, por'm nem sempre ' feito o seu
re%istro.

Do entanto, em relação ao treinamento do
protetor auricular, %ostaria de destacar
al%uns tópicos@
G- 1ressão das hastes 5 tem muito
trabalhador que por falta de conhecimento e
para diminuir a pressão do abafador, alar%a
as suas hastes. Dem sempre ' proposital,
al%umas ve!es ' por mal hbito de carre%ar
o abafador preso nas pernas, nos ombros e
at' na barri%a, como consequ=ncia, acaba
diminuindo a pressão e a efici=ncia do
equipamento.
9- $i%iene das mão e do E1J 5 voc= j deve
ter escutado a história de que determinado
trabalhador não pode usar o protetor de
inserção porque tem aler%ia ao material.
2om raras e&ceçEes, o verdadeiro motivo da
aler%ia ' a falta de hi%iene. 2omo o
trabalhador não lava as mãos e nem o
próprio protetor, acaba inserindo sujeira no
ouvido e pode vir a ter uma dermatite.
S- Tculos, brincos e cabelos compridos 5 o
abafador para ter efici=ncia precisa envolver
todo o pavilhão auditivo, mas para isso o
trabalhador precisa ser orientado sobre a
limitação ou o SES6/ verificar a
possibilidade de substituir o abafador por um
protetor de inserção.
U- /roca da almofada 5 al%umas ve!es
damos prioridade para os abafadores mais
baratos e acabamos %astando mais. Jsto
ocorre porque os abafadores mais simples
não permitem a troca das almofadas que
envolvem o pavilhão auditivo. Estas
des%astam com o tempo e acaba sendo
necessrio jo%ar fora todo o abafador ao
inv's de apenas trocar a almofada.
M MM M






























































o%ue uma pedra na %ua. ,o%o irão se
formar ondas conc=ntricas a partir do ponto
de choque.
Dós não podemos ver, mas o mesmo
acontece quando estalamos o dedo no ar.
Qma >onda esf'rica? deslocando o ar ser
formada e este ar deslocado ' que ir fa!er
com que escutemos. <u seja, o som nada
mais ' do que a oscilação de pressão que
nosso ouvido conse%ue detectar.

2omo assim?
6ovimente o dedo pró&imo ao seu ouvido,
dependendo da velocidade voc= conse%ue
ouvir al%o, ou seja, a pressão foi suficiente
para deslocar o ar e sensibili!ar a membrana
timp.nica.
< menor valor de pressão sonora que
conse%uimos perceber ' al%o em torno de 9:
V1a, ou seja, :,:::::91a e o m&imo ser
em torno de 9::1a.
0l%u'm deve estar se per%untando@ mas a
unidade de pressão sonora não ' o decibel?
Da verdade, o decibel ' utili!ado para
facilitar um pouco a nossa vida.
1e%aram o limiar auditivo de 9:V1a e
>lo%aritmaram?, aplicando a equação abai&o@
, W 9: lo% 1 3 1o
, W Dível de 1ressão sonora +dL-
1o W pressão sonora de refer=ncia +9:V1a-
1 W pressão sonora encontrada no ambiente.
1ara o valor inicial o resultado foi o se%uinte@
, W 9: lo% +9: V1a 3 9: V1a - W :
4epois fi!eram o mesmo com o valor
m&imo de 9::1a e obtiveram o se%uinte@

Piadinha Piadinha Piadinha Piadinhas ss s

tili!ar o revestimento acCstico +material,
em %eral, esponjoso, que reveste as
paredes- sem uma anlise t'cnica adequada
pode ser apenas um alto investimento com
bai&o retorno.
Jsto ocorre porque em cada ambiente de
trabalho temos um determinado perfil de
frequ=ncias de ruído, ou seja, podemos ter
mquinas e processos com ruídos mais
%raves ou mais a%udos.
E daí?
< problema ' que o revestimento acCstico
possui características específicas de
absorção, tendo sua efici=ncia de atenuação
J JJ J

JORNAL SEGUR!O

7endo o boletim vermelho do neto, o
av9 resolve passar-lhe um sermão
- :o meu tempo, eu era o melhor
aluno em hist5ria.
- ; vov9... Mas no seu tempo havia
menos <( anos de .ist5ria para
estudar.

U UU U
Revestimento Acústico
Ruído é na pressão
comum no dia a dia do profissional de
SS/, encontrarmos termos t'cnicos, os quais
muitas ve!es não sabemos o si%nificado. Do
caso da avaliação de ruído ocupacional, as
si%las ,0IX, ,EF, /A0 e DED são rotineiras.
Sabemos a diferença entre elas? 2aso
ne%ativo, vamos aprender a%ora@ ,EF
si%nifica Dível Equivalente +Equivalent ,evel-
e representa o nível m'dio de ruído durante
um determinado período de tempo,
utili!ando"se o incremento de duplicação de
dose >S?. 0 re%ra do princípio da equival=ncia
para avaliação de ruído considera que toda
ve! que a ener%ia acCstica em um
determinado ambiente dobra, h um
aumento de tr=s decib'is no nível de ruído.
1or este motivo, quando se usa a si%la ,EF,
subentende"se que a avaliação foi reali!ada
utili!ando"se o Jncremento de 4uplicação de
4ose >S?. 2aso seja utili!ado outro valor de
incremento, não poderemos chamar o
resultado de ,EFO ,0IX 5 < termo si%nifica
Dível 6'dio +0vera%e ,evel- e representa a
m'dia do nível de ruído durante um
determinado período de tempo, utili!ando"se
qualquer incremento de duplicação de dose,
com e&ceção do >S?. < ane&o G da DH"G8
não especifica qual o incremento de
duplicação de dose utili!ado para o clculo
dos limites de toler.ncia estabelecidos,
por'm, após a anlise da tabela, verifica"se
que toda ve! que h um aumento de 8
decib'is em determinado nível, o tempo de
e&posição cai pela metade, concluindo"se
assim, que os limites da le%islação brasileira
foram definidos utili!ando"se o incremento
de duplicação de dose >8?. /A0 5 < termo
si%nifica /ime Aei%hted 0vera%e +6'dia
1onderada no /empo-, e representa a m'dia
ponderada do nível de pressão sonora para
uma jornada de :8 horas. ( importante
salientar que o /A0 só pode ser utili!ado se
o tempo de medição for e&atamente :8
horas, e sempre utili!ando o incremento de
duplicação de dose >8?. 2aso o tempo de
medição seja superior ou inferior a :8 horas,
haver um resultado superestimado ou
subestimado, respectivamente. Fuando
encontramos a si%la /A0 +:8h-, si%nifica que a
fórmula ori%inal do /A0 foi alterada e passou
a ser id=ntica a do ,0IX, devendo os
resultados de ambos serem id=nticos. DED 5
< termo si%nifica Dível de E&posição
Dormali!ado e representa o Dível 6'dio
+,0IX, /A0, ,EF- convertido para uma
jornada padrão de :8 horas, para fins de
comparação com o limite de toler.ncia de 88
dL0. < clculo do DED ' solicitado pelo JDSS
em suas JnstruçEes Dormativas para fins de
lançamento no 111. 2aso o nível m'dio de
e&posição ao ruído seja referente a uma
jornada de oito horas, o valor resultante,
após a aplicação da fórmula do DED, ser
id=ntico ao valor do nível m'dio, não
havendo alteração. 2aso a jornada de
trabalho seja diferente de oito horas +seis,
do!e, vinte e quatro horas e etc..-, o DED
deve ser calculado e o resultado comparado
com o limite de toler.ncia de 88 dL0. Qm
lembrete importante ' que o clculo do DED
na D$<":G da 7QD402ED/H<, est
apresentada para o incremento de duplicação
de dose >S?. 1ara se utili!ar a fórmula da
D$<":G ' necessrio corri%i"la para o
Jncremento de duplicação de dose >8?.
Xuilherme Pos' 0btibol 2aliri 5 En%enheiro de
Se%urança do /rabalho e $i%ienista
<cupacional
, W 9: lo% +9:: 1a 3 9: V1a - W GU: dL
<u seja, aquela escala linear que ia de
:,:::::9 at' 9::1a, transformou"se em
uma escala lo%arítmica de : a GU:dL.
1ausa para quem não lembra do lo%@ 1ausa para quem não lembra do lo%@ 1ausa para quem não lembra do lo%@ 1ausa para quem não lembra do lo%@
1or e&emplo@ U
S
W YU, portanto lo%U YU W S.
<u seja, o lo%aritmo ' o e&poente que uma
dada base deve ter para produ!ir certa
pot=ncia.
,embrando que no nosso e&emplo a base '
G:, então@
, W 9: lo%G: +9:: 1a 3 9: V1a - W GU: dL

,o%o@
,o%G: +9:: 1a 3 9:.G:
"Y
1a - W ; dL

,o%G: +G:;- W ;dL

Então fica fcil descobrir o resultado de
qualquer valor em 1a. Iejamos por e&emplo
88dL em 1a@

9: lo%G: +Z 3 9: V1a - W 88 dL
lo%G: +Z 3 9: V1a - W U,98
Z 3 9:.G:
"Y
1a W G:U,98
Z W G:U,98 & 9:.G:"Y
Z W :,S88Y888891a
0%ora voc= prefere trabalhar com este
nCmero ou com 88dL?
E qual a consequ=ncia dessa >artimanha?
matemtica?
Jma%inem que uma escala que ia de parede
a parede da sala onde voc= est foi
comprimida e a%ora cabe na palma da sua
mão. Dão ' difícil de aceitar que cada
tracinho desta nova escala a%ora est
valendo muito.
4e forma bem %rosseira, ' isso que acontece
quando convertemos de 1a para dL.
0%ora talve! fique mais fcil de aceitar
quando o ane&o :G da DH G8 apresenta que
o aumento de cinco unidades em decib'is,
si%nifica o dobro da intensidade de ruído.

TRISTE REALIDADE TRISTE REALIDADE TRISTE REALIDADE TRISTE REALIDADE
LEQ x LAVG x TWA x NEN.
tudo a mesma coisa!
relacionada ao perfil de frequ=ncias do
ambiente aonde ser utili!ado, do tipo de
material do revestimento, da forma deste
revestimento e de sua espessura.
Do entanto, al'm destes crit'rios, temos que
pensar em outros par.metros como a
questão est'tica, influ=ncia da retenção de
poeiras, etc.
2om isso, o ideal ' iniciar as atividades
reali!ando uma avaliação com um medidor
de nível de pressão sonora com analisador
de frequ=ncias, para definir qual o
revestimento mais indicado para o seu
ambiente de trabalho.
É ÉÉ É




















alve! voc= j tenha preenchido centenas
de 111s e nunca tenha se atentado sobre
qual o valor correto, em relação ao ruído,
para o campo G8.U de
Jntensidade32oncentração.
4e acordo com o arti%o G8: da JD GG8 os
par.metros utili!ados pelo JDSS são os
se%uintes@
0rt. G8:. 0 e&posição ocupacional a ruído
dar ensejo ) aposentadoria especial quando
os níveis de pressão sonora estiverem acima
de 8:dL+0-, *:dL+0- ou 88dL+0-, conforme
o caso, observado o se%uinte@
J " at' 8 de março de G**;, ser efetuado o
enquadramento quando a e&posição for
superior a 8:dL+0-, devendo ser ane&ado o
histo%rama ou memória de clculosO
JJ " a partir de Y de março de G**; e at' G8
de novembro de 9::S, ser efetuado o
enquadramento quando a e&posição for
superior a *:dL+0-, devendo ser ane&ado o
histo%rama ou memória de clculosO
JJJ 5 a partir de G* de novembro de 9::S,
ser efetuado o enquadramento quando o
DED se situar acima de 88dL+0- ou for
ultrapassada a dose unitria, aplicando@
a- os limites de toler.ncia definidos no
Fuadro 0ne&o J da DH"G8 do 6/EO
b- as metodolo%ias e os procedimentos
definidos na D$<":G da 7QD402ED/H<, com
as fórmulas ajustadas para incremento de
duplicidade da dose i%ual a cinco.
0hh professor minha empresa tem menos de
de! anos, não vou ter problema com esses
valores anti%os.
<B, então seu problema pode ser outro. Ioc=
percebeu no item JJJ do arti%o GG8 h a
indicação do conceito DED? E não v di!er
que voc= não est DED aí[
Iamos entender. < JDSS pede para
se%uirmos a metodolo%ia da 7undacentro
com os limites de toler.ncia da DH G8. Do
entanto a 7undacentro estabece o crit'rio de
Dível de E&posição Dormali!ada 5 DED, ou
seja, projeta qualquer medição obtida para
PIADINHA PIADINHA PIADINHA PIADINHA

"A#R$


JORNAL SEGUR!O
omo apresentado no te&to ao lado, para
avaliar se a e&posição ao ruído trou&e danos
ao trabalhador da empresa, ' estabelecida a
necessidade da reali!ação das audiometrias e
e&ames complementares definidos pelo
m'dico do trabalho.
Do entanto, em função das características do
e&ame audiom'trico, resultados alterados
podem ocorrer mesmo sem o trabalhador ter
perda auditiva. Jsto ocorre por diversos
motivos que devem ser observados@
a- 0l%umas empresas não utili!am a cabine
acCstica ou mesmo utili!ando, para facilitar a
anlise, reali!am as avaliaçEes na própria
empresa, em locais onde o barulho e&terno
acaba interferindo na avaliação do
trabalhadorO
b- 2aso o trabalhador esteja %ripado, h a
possibilidade de resultados alteradosO
c- 2aso o trabalhador não tenha tido o
descanso acCstico de GU horas, os valores
não serão G::\ confiveisO
d- < e&ame depende muito da atenção do
avaliador e do avaliadoO
e- Dem sempre o avaliador reali!a a
meatoscopia, ou seja, visuali!a o canal
auditivo para verificar problemas, como por
e&emplo, >rolha de cera?O
erda 0uditiva Jndu!ida pelo Huído
<cupacional pode ser conceituada como
uma doença resultante da destruição das
c'lulas ciliares locali!adas na cóclea +no
ouvido interno- pela e&posição ao ruído
e&cessivo. Em %eral ' bilateral, cumulativa e
manifesta"se depois de anos de e&posição.
Se voc= j fe! um e&ame audiom'trico deve
lembrar dos sons emitidos pelo
equipamento. 1ois bem, cada som foi
emitido em uma determinada frequ=ncia
para avaliar a situação da sua audição.
São considerados dentro dos limites
aceitveis os casos cujos audio%ramas
mostram limiares auditivos menores ou
i%uais a 98 dL +D0 "Dível de 0udição-, em
todas as frequ=ncias e&aminadas.

< perda inicial revela"se em U:::h!
atin%indo, a se%uir, S::: h! e Y:::h!. <
>entalhe? audiom'trico +ver fi%ura- em
U:::h! aumenta e evolui para um
achatamento da curva devido )
desaceleração do efeito do ruído.
Do entanto, apenas a indicação de al%uma
perda na frequ=ncia de U:::h!, não pode
ser considerada como 10JH<, para isso h
crit'rios específicos que serão avaliados pelo
6'dico do /rabalho, por meio da
comparação do audio%rama sequencial com
o de refer=ncia que preenche características
especificas, como por e&emplo@
a- a diferença entre as m'dias aritm'ticas
dos limiares auditivos no %rupo de
frequ=ncias de S.:::, U.::: e Y.::: $!
i%uala ou ultrapassa G: dL+0-O
b- a piora em pelo menos uma das
frequ=ncias de S.:::, U.::: ou Y.::: $!
i%uala ou ultrapassa G8 dL+0-.

P PP P C CC C
""" x Ruído


=Mina, meu amor por ti 4 igual a obra
do governo, nunca acaba.>

E? 4 que nem li?o, voc6 @oga fora e
algu4m recicla.

- E aA doutor, tenho chances de sair
dessa cirurgia com vida?
- ; claro que tem. 3m em cada deB
sobrevive e voc6 tem a sorte de ser o
meu d4cimo paciente.

Meu sono 4 igual #e?ona... :ão me
abandona

:o momento eu s5 preciso de seis coisas
na vida. +s seis n1meros da Mega Sena
da virada
Exame Audiométrico
f- 0l%umas empresas não se preocupam em
solicitar o certificado de calibração do
audiRmetro.

Em função de todas estas variveis
acabamos tendo casos de perda auditiva sem
que o trabalhador tenha realmente o
problema. Eu mesmo j fi! um e&ame com
indicação de perda auditiva e nos tr=s
e&ames posteriores os resultados não
confirmaram a alteração.
2om isso, seria interessante verificar junto
ao m'dico do trabalho a necessidade de
refa!er os e&ames, principalmente nos
resultados que dessem alterados pela
primeira ve! para podermos confirmar o
problema.
2aso ainda haja dCvida sobre o resultado,
recomenda"se reali!ar e&ame mais preciso e
ló%ico, mais caro.

T TT T uma jornada de 8 horas de trabalho. Jsto '
feito porque quando colocamos o valor no
111 não informamos se o trabalhador est
e&posto a valor acima do ,/.

2omo não professor, se estiver acima de 88
dL+0- est acima?
Dão ' bem assim. Jma%ine que o trabalhador
est e&posto um pouco acima de 88 dL0,
mas trabalha apenas Y horas dirias. Deste
caso o limite não ter sido ultrapassado.
1ara isto o JDSS pede o clculo do DED, mas
para calcular o DED ' preciso o DE +nível de
e&posição-.
Sem choro e continua lendo[
1ara calcular o DE precisamos da dose que
entrar na fórmula abai&o em porcenta%em e
do tempo de e&posição que entrar em
minutos.
1or e&emplo, se voc= jo%ar dose de 8:\ em
uma car%a horria de U8: minutos, teremos
8: dL0 +fórmula corri%ida para fator de
dobra W 8-.
DE W GY,YG & lo% U8: & 4 ] 88
/E G::
E se pe%armos o valor do DE e jo%armos na
fórmula do DED abai&o, para este e&emplo
de 8: dL0 em U8: minutos, teremos 8:
mesmo +fórmula corri%ida para fator de
dobra W 8-.
DED W DE ] GY.YG & lo% /E .
U8:
Jsto ocorre porque não foi feita nenhuma
projeção, por'm no caso de termos feito
uma anlise com um nCmero menor ou
maior de horas, teríamos um valor diferente
que seria o valor a ser utili!ado no 111.