A EMBALAGEM DA MULHER OBJETO A socióloga Jacqueline Pitangui diz que a mulher é educada para ser objeto.

E a roupa serve de embalagem Publicado na Folha de S.Paulo, domingo, 12 de outubro de 1980 Folhetim - Mulher tem que ser bonita. Magra e bem vestida, ela é o perfeito objeto do desejo masculino. Dentro de uma construção social do que seja o feminino, a mulher é educada para ser objeto (de desejo, de propriedade, de sexo) do homem e, por isto mesmo, para fazer do seu corpo, do seu visual, um elemento essencial de identidade. A mulher ideal, de acordo com padrões ainda vigentes, é linda e imóvel, como a Branca de Neve e a Bela Adormecida, salvas por príncipes que passavam andando a cavalo pelo mundo. Nesta entrevista à repórter Silvia Helena, da sucursal do Rio, falando da moda como expressão - seja de um momento histórico, de uma estrutura de produção ou de valores - a socióloga Jacqueline Pitangui chama atenção também para o fato de que os homens - porque não são asociais nem a-históricos - estão, tanto quanto as mulheres, envolvidos com a moda. Até mesmo quando a construção do seu papel social exige que "não se importem com isto". Folhetim entrevista Jacqueline Pitangui FOLHETIM - Como é que a moda funciona na sociedade? JACQUELINE - A moda funciona em vários níveis. No nível simbólico, ela é frequentemente símbolo de status, e no vestuário isto é nítido: a roupa indica a que grupo social pertence uma determinada pessoa. É uma espécie de passaporte social, que se afunila. A determinada camada, você pode pertencer ao usar determinado tipo de moda; no topo da pirâmide, a roupa tem que ser feita por determinada casa ou até mesmo por determinado

costureiro. Pertencer a um grupo significa automaticamente excluir-se de outros, e isto também entra na moda, porque ela funciona com o sentido de diferenciação. O valor simbólico, ao mesmo tempo que inclui, exclui. FOLHETIM - As etiquetas penduradas do lado de fora da roupa marcariam esta diferenciação? JACQUELINE - Na questão do status, um fenômeno típico é a mudança da moda. Quando uma parcela muito grande da população passa a usar determinada moda, ela deixa de servir como diferenciação, e então inventa-se outra. Ou descobre-se, dentro dela mesma, elementos que indiquem diferença de status. O Jeans começou a ser usado aqui como status mesmo de uma classe social mais alta. Era importado, etc. Depois, com a produção em massa, tornou-se importante mostrar que a calça é marca "x" ou "y": o status está no acesso que se tem a estas marcas. A etiqueta do lado de fora está relacionada com a produção em massa, é uma forma de manter a estratificação dentro dela. Eu acho importante apontar que a moda, mesmo quando ela nega a sociedade de consumo, leva consigo um símbolo, um passaporte para um grupo ao transmitir certa imagem. A moda das saias compridas, das túnicas e sandálias indianas, indica que provavelmente a pessoa que a usa nega valores da nossa sociedade, opta talvez por alimentação natural, mas continua a ser - enquanto moda um símbolo de exclusividade. Alguma coisa que mostra onde aquela pessoa se inclui e de onde se exclui. FOLHETIM - Até agora nós estamos falando do ponto de vista simbólico, ideológico, da moda. E do ponto de vista material? JACQUELINE - A moda é produzida também dentro dos fatores históricos de um momento. De repente são feitas roupas mais práticas, porque a gente precisa subir escada, tomar ônibus, dirigir carro. Têm as necessidades da vida e

as do consumo: a moda tem que mudar para que as pessoas consumam. É inegável que minissaia, nos anos 60, funcionou como símbolo de mulher liberada, que mostrava o corpo. Ela veio junto com a pílula. Mas na hora em que havia a minissaia e a miniblusa, se continuasse, a indústria têxtil não resistiria. Então, vieram as saias longas, a maxisaia. A produção cria o consumo, pelo seguinte raciocínio: a coisa primeiro é produzida, há uma indução a seu consumo, que volta à produção, aumentando-a ou não. O que não desvincula a moda do simbólico, porque o símbolo não está desligado das condições de produção. FOLHETIM - E como entraria a mulher como alvo da moda, do consumo? JACQUELINE - Em primeiro lugar, é preciso desfazer a idéia de que o homem, por ser homem, está imune "a estas coisas", flutuaria acima desta questão. O que acontece - e está ligado à construção social dos papéis de homem e mulher - é que se espera do homem que ele se prepare para a vida principalmente através da inteligência, da razão, da cabeça; e a mulher, através do corpo. Literalmente desde o berço o bebê mulher é muito mais enfeitado com rendas e babados. Mulher tem que ser bonita, e aí a gente entra na moda porque beleza é também uma construção social, é um enquadramento nos parâmetros sociais, e então a mulher segue a moda de forma mais ortodoxa do que o homem. Para quem a moda pode ser não seguir a moda - na medida que isto o enquadra num padrão de estética para o masculino, que seria o despojamento. Há uma pressão social que se dá tanto para homens quanto para mulheres, mas de forma diferente. E é esta forma que vai inclusive conformar o que é masculino e o que é feminino. FOLHETIM - Como você vê, na relação homemmulher, esta pressão social para que a mulher seja bonita?

JACQUELINE - Aí funciona muito o aspecto psicológico da mulher que se faz como um ser para outro, e que se concebe, se vê assim mesmo. O que fica claro, tomando-se por exemplo, as palavras que caracterizam o feminino: a mulher dá, cuida, ela abre mão. Ela se coloca sobretudo como objeto de desejo do homem. E não como aquela que deseja, que quer, que faz valer sua vontade. Aí chegamos à moda porque ela se liga à imagem do que seja desejável em uma determinada sociedade. Na nossa, uma mulher magra e dentro da moda seria o perfeito objeto de desejo do homem. E o homem, que se coloca como sujeito do desejo, teria então muito mais liberdade para ser feio, para ser gordo, porque o passaporte social da masculinidade se dá por outros elementos. O que não quer dizer que os homens não tenham uma preocupação estética. Precisam ter para não ficarem marginais, fora dos padrões. FOLHETIM - Existe agora uma tendência entre homens (não são maioria) de demonstrar preocupação com a beleza; homens que declaram que se cuidam. O Gabeira, por exemplo, que aliás está na moda. JACQUELINE - A moda unissex, significou somente que as mulheres podiam vestir roupas masculinas, não o contrário. Neste sentido, revelou uma tentativa das mulheres de, por alguma forma, entrarem no universo masculino. Mas os homens continuaram vestindo como antes, porque na nossa cultura tudo o que se identifica com o feminino é desvalorizado. O estereótipo da mulher é o de um ser frágil, inseguro, emocional, fútil. Preocupada com o corpo e voltada para dentro do lar. O estereótipo masculino é de alguém forte, voltado para fora, para o trabalho externo. E agora há homens, como o Gabeira, que assumem coisas culturalmente desvalorizadas porque identificadas com o feminino. O que me parece que está sendo questionado como um discurso como o do Gabeira é a fronteira construída culturalmente entre o

masculino e o feminino. Na medida em que um homem assume coisas "de mulher", ele abre uma porta para que as mulheres penetrem também no terreno reservado "aos homens". É uma proposta de maior igualdade no relacionamento homemmulher, que até agora tem se marcado pela ênfase nas diferenças, o que se desdobra em mil símbolos. Moda inclusive, desde a fitinha cor de rosa no cabelo da menina, enquanto o menino não usa fita. A mulher é "treinada" por esta sociedade para se achar frágil (mesmo quando objetivamente não é), o que corresponde ao papel de objeto do desejo (e não de sujeito), que por sua vez corresponde a uma determinada imagem, um determinado visual - que ela adota até como estratégia de sobrevivência dentro da nossa cultura. Na medida em que um homem não se considera desvalorizado ao assumir comportamentos "femininos", que ele não se considera fragilizado por isto, ele está fortalecendo também a mulher. Abrindo uma brecha para que ela se coloque também como sujeito do desejo e haja uma relação de igualdade, rompendo a hierarquia sexual que necessariamente existe entre algum que se põe na condição de sujeito e alguém que está na condição de objeto do desejo. FOLHETIM - Você não acha que a maioria das mulheres continua cobrando de seus homens um comportamento - e uma aparência - dentro dos padrões sociais do macho? JACQUELINE - Sob este ponto de vista, é importante o trabalho político do feminismo, do movimento dos negros, do movimento dos homossexuais, pela valorização, pela afirmação do que a cultura vê como inferior. Um

movimento como o feminista vai colocando na cabeça das mulheres - mesmo quando ainda presas por estruturas internas, inconscientes, aos velhos padrões - informações que questionam a hierarquia sexual, e os efeitos não se apresentam de imediato. São muitas as mulheres que adquirem a consciência de que precisam mudar seu cotidiano, mesmo que isto muitas vezes não seja socialmente visível. Estes movimentos estão abrindo espaço para um maior individualismo, no melhor sentido. Um espaço para que cada um se assuma como é, o que é muito diferente de uma série de ideologias de engajamento social que tinha (e ainda tem) como premissa, quase que como condição sine qua non, o desprezo ao indivíduo. A idéia de que o indivíduo só se realizaria por um momento social, político. E este espaço se abre pelo rompimento de padrões, que, mais uma vez, se expressam na moda: a imagem da mulher na nossa sociedade é calcada em cima do seguinte tripé: ela é virgem, mãe ou prostituta. Então a mulher é socializada no sentido de ser (inclusive se vestir) de maneira bastante atraente para despertar a atenção, o desejo do homem - mas com cuidado, para não parecer prostituta. Fica um jogo de equilíbrio entre os extremos, que é difícil. E o homem também é enquadrado em determinados símbolos. Quando se fala em liberação, trata-se justamente de romper estes moldes. De mostrar que o ser humano é contraditório e que comporta várias formas, que pode se preocupar com seu corpo, e que pode abrir mão desta preocupação. FOLHETIM - Se esta liberação está em processo, você identificaria na moda alguma coisa que a mostrasse? JACQUELINE - Sapato de mulher eu acho muito interessante. A moda dos sapatos baixos é alguma coisa que simboliza que a mulher está se

movimentando, que ela não está imobilizada pelos saltos altíssimos. Na China, um dos atos da revolução foi liberar o pé das mulheres (na China tradicional, as chinesas usavam sapatos muito apertados, que impediam o pé de crescer). Quer dizer, a mulher hoje não está necessariamente imobilizada por sapatos que dificultam seu movimento. E a mesma mulher que uma hora está de alpargatas pode em outro momento usar salto vinte. Mas a idéia de que o salto baixo já não é deselegante me parece um símbolo de que a mulher hoje já se concebe como alguém que anda, que se movimenta. Já não é como as heroínas das histórias infantis, imobilizadas como a Branca de Neve e a Bela Adormecida. © Copyright Empresa Folha da Manhã Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Empresa Folha da Manhã Ltda.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful