A CONTRIBUIÇÃO DO TEATRO NO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM

INFANTIL: UMA ABORDAGEM ACERCA DA TEORIA DE VYGOTSKY


Luiz Alberto Machado
1



RESUMO


O presente artigo aborda a temática da contribuição do teatro no desenvolvimento da
linguagem das crianças em idade escolar da Educação Infantil e primeiras séries do Ensino
Fundamental, sob a perspectiva da teoria sócio-histórica de Vygotsky. Justifica-se pela
militância de mais de 20 anos na área de literatura, música e teatro infantis, motivando-se por
abordar a temática da contribuição da atividade artística, especificamente o teatro, no
desenvolvimento da linguagem da criança, a partir da previsão do art. 26, da Lei 9394/96 –
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), ao fazer referência ao ensino da arte,
incluindo o teatro, como componente curricular obrigatório nos diversos níveis da educação
básica, definindo os Parâmetros Curriculares Nacionais, por propiciar o desenvolvimento dos
processos psicológicos básicos. Objetiva demonstrar as contribuições do teatro para
desenvolvimento da linguagem infantil, a partir da teoria histórico-cultural de Vygotsky e na
apresentação dos recursos e técnicas da atividade teatral para este fim. A metodologia
aplicada é de natureza exploratória, descritiva e bibliográfica, realizada através da revisão da
literatura efetuada em livros, publicações especializadas, estudos acadêmicos e sites da
internet. Por resultado, visualizou-se que por meio dos seus recursos e técnicas a atividade
teatral contribui para o desenvolvimento da linguagem das crianças.


Palavras-chaves: Teatro, Educação, Vygotsky.


ABSTRACT


This paper addresses the issue of the contribution of theater language development of school-
age children from kindergarten and first grades of elementary school, from the perspective of
socio- historical theory of Vygotsky. Justified by the militancy of over 20 years in the field of
literature, music and children's theater, motivating yourself by addressing the issue of the
contribution of artistic activity, specifically theater, language development of the child, from
the art forecasting. 26 of Law 9394/96 - Law of Guidelines and Bases of National Education
(LDB), when referring to the teaching of art, including theater, as mandatory curriculum
component at all levels of basic education, defining the National Curriculum Guidelines for
promote the development of the basic psychological processes. Aims to demonstrate the

1
É escritor, autor teatral, compositor musical e graduando de Psicologia do Cesmac.
2

contributions of theater to children's language development, from the cultural-historical
theory of Vygotsky and presentation of resources and techniques of acting this purpose. The
methodology is exploratory, descriptive and bibliographical nature, performed by literature
review performed in books, trade journals, academic studies and web sites. For results,
visualized that through the resources and technical theater activity contributes to language
development of children.


Keywords: Theatre, Education, Vygotsky.


INTRODUÇÃO


A linguagem é entendida como a faculdade de expressão humana disposta
sistematicamente como um meio pelo qual o homem expressa e comunica seus sentimentos,
emoções e ideias na fala, escrita ou expressão de signos convencionados. Trata-se, portanto,
de uma conquista fundamental do desenvolvimento humano.
A linguagem da criança é expressa desde o seu nascimento, comunicando suas
sensações, emoções e sentimentos por meio do riso, do choro ou pela emissão de gestos e
sons que vão desde os primeiros balbucios à expressão das primeiras frases durante as mais
diversas fases e etapas do seu desenvolvimento.
A questão da linguagem infantil foi tema de diversos estudos e obras produzidas pelo
psicólogo, advogado e cientista bielo-russo Lev Semenovitch Vygotsky (1896-1934), que foi
o pioneiro na proposta conceitual de que o desenvolvimento da criança ocorre em função das
interações entre as condições da vida social. Preocupou-se em estudar o processo mental da
criança ao considerar o uso das palavras pela necessidade de comunicação por meio da
perspectiva socio-histórica.
Para essa teoria, os vários processos mentais são desencadeados concomitantemente,
tanto pelo ato de brincar, como de cantar, dançar, conversar, entre outros, por meio das
situações comunicativas das mais diversas interações sociais que se inserem no
desenvolvimento dos processos psicológicos da criança.
Ao mesmo tempo, debruçou-se Vygotsky nos estudos sobre as atividades artísticas,
notadamente o teatro que, segundo ele, possibilita os mais variados aspectos do
desenvolvimento humano, especificamente da criança.
3

É em vista disso que o presente estudo foi desenvolvido sobre a temática da
contribuição do teatro no desenvolvimento da linguagem da criança, sob a perspectiva socio-
história de Vygotsky.


A LINGUAGEM INFANTIL NA TEORIA SOCIO-HISTÓRICA DE VYGOTSKY


A teoria sócio-histórica, conforme Bock, Gonçalves e Furtado (2009), tem por base as
ideias psicológicas de Vygotsky, fundamentada no marxismo e adotando a filosofia, teoria e
método do materialismo histórico e dialético.
Por conta disso, traz a concepção do homem como ser ativo, social e histórico,
abandonando e, ao mesmo tempo, criticando a visão abstrata do fenômeno psicológico.
No dizer de Fichtner (2010), essa teoria está assentada na relação com o outro por
meio das interações tecidas ao longo da história de vida.
Por consequência, para Porto e Kafrouni (2013), compreenderá o ser humano como
produto e produtor do meio em que se encontra inserido.
Por essa visão, o ser humano é produto pela apropriação dos valores culturais
historicamente construídos pela sociedade e que, por outro lado, o ser humano é produtor
pelas ações no ambiente para a modificação de si próprio e do seu exterior.
Sob esse aspecto, para a teoria socio-histórica, a linguagem passa a ser vista como uma
interação social.
Consideram Bock, Gonçalves e Furtado (2009, p. 23), que para essa teoria “A
linguagem é mediação para a internalização da objetividade, permitindo a construção de
sentido pessoais que constituem a subjetividade”.
Tal fato se prende ao entendimento de Luria (1986) de que a linguagem é a influência
mediadora do comportamento. Este por sua vez, é um reflexo da realidade externa social e
natural que, com a influência mediadora recebida, chegará à autoconsciência que se definirá
como resultado da consciência do mundo externo.
A linguagem também é importante para Vygotsky (2008), tendo em vista ser o
surgimento do pensamento verbal o momento de definição da transição do biológico para
socio-histórico.
Tal afirmação encontra embasamento na afirmação de Vygotsky (2008, p. 132) de que
“[...] as palavras desempenham um papel central não só no desenvolvimento do pensamento,
4

mas também na evolução histórica da consciência como um todo. Uma palavra é um
microcosmo da consciência humana”.
Por essa condução, entende-se que o desenvolvimento humano se realiza a partir das
relações de trocas e expressões comunicativas por meio dos processos da interação e
mediação entre os parceiros sociais.
Nesse contexto, acrescenta Aguiar (2009, p. 130) que “[...] A linguagem é instrumento
fundamental no processo de mediação das relações sociais, por meio do qual o homem se
individualiza, se humaniza, apreende e materializa o mundo das significações que é
construído no processo social e histórico”.
É o que observa Corsino (2006) ao considerar que a linguagem para Vygotsky é um
sistema simbólico básico de todos os grupos humanos, responsável pela mediação entre o
sujeito e o mundo, que exerce um papel fundamental na comunicação entre as pessoas, no
pensamento e no estabelecimento de significados compartilhados que permitem interpretações
dos objetos, eventos e situações.
Tal fato leva Malanga (2004) a entender que a linguagem passa a ter inicio com o uso
social na comunicação interpessoal.
Torna-se evidente que na abordagem sócio-histórica desenvolvida por Vygotsky
(2008), a linguagem assume um papel extremamente importante no processo de
sistematização perceptiva, sendo, portanto, o sistema simbólico básico de todos os grupos
sociais e culturais.
No entendimento de Vygotsky (2003), a linguagem é um sistema de signos
historicamente construído que proporciona o desenvolvimento de uma forma de pensamento
expressado pela língua, tornando-a domínio dos meios sociais do qual depende o crescimento
intelectual da criança.
É nesse sentido que o autor em comento entende que o desenvolvimento da criança
ocorre pela transformação do biológico para o sócio-histórico.
A aquisição da linguagem nessa teoria, conforme Furtado (2009, p. 80) que “[...] não é
outra coisa senão o processo de apropriação das operações de palavras que são fixadas
historicamente nas suas significações”.
Em vista disso, Oliveira (2014), Barros (2014), Magiolino (2010), acrescentam que
Vygotsky defendia que a linguagem é constituidora do sujeito, que o pensamento evolui na
criança sem linguagem e que estes estão conectados e evoluindo dinamicamente com
desenvolvimento humano.
5

Além disso, assinalam Fichtner (2010) e Bastos e Pereira (2014) que a fala é
desenvolvida pelos níveis pré-intelectual e pré-linguístico para ter uma organização
linguístico-cognitiva para aprendizagem dos signos, servindo ao intelecto para verbalização
do pensamento, e que a estrutura da fala é o reflexo da estrutura do pensamento.
Essa ideia traduz o sentido de que é pela interação social que, segundo Vygotsky
(2009), a criança tem acesso aos modos de pensar e agir correntes em seu meio. A sua fala
inicialmente por meio de sons e sílabas possuem uma função afetivo-conativa do tipo prático.
Observa Luria (1988, p. 27) que:
No começo, as respostas que as crianças dão ao mundo são dominadas pelos
processos naturais, especialmente aqueles proporcionados por sua herança biológica.
Mas através da constante mediação dos adultos, processos psicológicos
instrumentais mais complexos começam a tomar forma. Inicialmente, esses
processos só podem funcionar durante a interação das crianças com os adultos.

Tem-se, pois, que com o desenvolvimento e crescimento da criança, as relações fala-
pensamento passam na teoria de Vygotsky dos aspectos verbais e motores que se encontram
misturados no comportamento, acarretando o processo de inclusão dos elementos referenciais
na fala para a conversão orientada pelo objeto, pelas expressões emocionais e constituição
social, adquirindo traços demonstrativos das distinções que serão promovidas entre a criança e
o mundo ao seu redor, passando da execução da ação para a organização do comportamento.
Tal condução, segundo Luria (1988), reflete a convicção de que a aquisição da
linguagem desempenha papel decisivo no desenvolvimento dos processos psicológicos
superiores.
Essa interação, conforme visto por Bastos e Pereira (2014) e Aguiar (2009), é uma
mediação que se processa pela utilização de instrumentos e signos na transformação do meio
e dos sujeitos.
Leontiev (1988, p. 121) chama atenção para o fato de que “Durante esse
desenvolvimento da consciência do mundo objetivo, uma criança tenta, portanto, integrar uma
relação ativa não apenas com as coisas diretamente acessíveis a ela, mas também com o
mundo mais amplo, isto é, ela se esforça para agir como um adulto”.
Em vista disso, defende Vygotsky (2003) que a criança tem uma forma distinta de
elaborar conceitos e é com a aprendizagem da fala que começa na criança um processo de
construção de conceitos que só se completará na puberdade.
Acrescenta Vygotsky (1988, p. 114) que “Com a linguagem interior e o pensamento
nascem do complexo de inter-relações entre a criança e as pessoas que a rodeiam, assim essas
inter-relações são também a origem dos processos volitivos da criança”.
6

Por isso, o autor em comento vai destacar a importância da atividade artística teatral
como contribuinte para o desenvolvimento da linguagem da criança.
Principalmente, segundo Werneck (2011), Japiassu (1998), Japiassu (2014) e Japiassu
(1999), pelo fato de que a teoria de desenvolvimento intelectual e proximal de Vygotsky
enfatiza a aplicação do teatro na sala de aula pela criação de contextos sociais e por meio do
domínio das tecnologias da comunicação e representação, que possibilitam trocas de
experiências e jogos no envolvimento de ideias para novos conhecimentos que se formam
pelos procedimentos da acomodação e assimilação, equilibrando as informações possuídas e
as descobertas.
É que na perspectiva sócio-histórica e antropológica, no dizer de Souza (2005), a arte é
uma atividade social, humana, que supõe contextos sociais e culturais, a partir dos quais a
criança recria a realidade através da utilização de sistemas simbólicos próprios.


O TEATRO NO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM INFANTIL


O teatro, para Koudela (1984), é o conjunto da organização de ações e transmissão de
mensagens.
É o teatro, conforme Centurião (2014), linguagem com códigos, gramática e
vocabulário próprio e que se expressa pela fala, gesto, representação, encenação.
Em síntese, no dizer de Boal (1979), o teatro é a linguagem humana por excelência.
Por ser uma arte milenar, segundo Vasconcelos (2014, p. 3), o teatro “[...] proporciona
através da representação um diálogo universal a partir da emersão de questões pertinentes a
humanidade”.
A função do teatro, no dizer de Reverbel (1979), é de divertir instruindo e que pode ser
utilizado como recurso didático na atividade educacional.
Em vista disso, o teatro infantil, na expressão de Camarotti (1984, p. 13), é a
modalidade teatral “[...] que se destina ao público composto primordialmente por crianças” e
para a criança, sendo, portanto, uma arte que engloba muitos recursos, desde a boa
comunicação até a atuação de todas as demais linguagens utilizadas no processo de encenação
de um espetáculo, procurando, com isso, efetuar uma comunicação direta com a criança.
Os Parâmetros Curriculares Nacionais, conforme Arcoverde (2014) e Cavassin (2008),
propiciam que a abordagem dramática seja uma importante base para o desenvolvimento da
7

educação criativa, por ter o objetivo de desenvolvimento mental e psicológico, desempenho
da verbalização, capacidade de responder às situações emergentes e capacidade organizadora
de domínio do espaço e tempo do aluno.
Os PCN de Artes para Educação Infantil, conforme Brasil (1998), assinalam que o
teatro possui a função integradora, contribuindo no processo de aprendizagem que oportuniza
a socialização entre as crianças, compartilhamento de brinquedos e construção de conteúdos
culturais e sociais mediante as trocas e experimentações que integram linguagem, memória,
imaginação, raciocínio, percepção, intuição e emoções.
Consta das referências curriculares, Brasil (1998, p. 134) que:
[...] A ampliação da capacidade das crianças de utilizar a fala de forma cada vez
mais competente em diferentes contextos se dá na medida em que elas vivenciam
experiências diversificadas e ricas envolvendo os diversos usos possíveis da
linguagem oral. Portanto, eleger a linguagem oral como conteúdo exige o
planejamento da ação pedagógica de forma a criar situações de fala, escuta e
compreensão da linguagem. Além da conversa constante, o canto, a música e a
escuta de histórias também propiciam o desenvolvimento da oralidade. A leitura
pelo professor de textos escritos, em voz alta, em situações que permitem a atenção
e a escuta das crianças, seja na sala, no parque debaixo de uma árvore, antes de
dormir, numa atividade específica para tal fim etc., fornece às crianças um repertório
rico em oralidade e em sua relação com a escrita.

Em vista disso, as diretrizes curriculares para a educação infantil, proposto pelo
Parecer CNE/CEB 22/98 estabelecem que:
As propostas pedagógicas para as instituições de Educação Infantil devem promover
em suas práticas de educação e cuidados a interação entre os aspectos físicos,
emocionais, afetivos, cognitivo-linguístico e sociais da criança, entendendo que ela é
um ser total, completo e indivisível. Dessa foram, ser, sentir, brincar, expressar-se,
relacionar-se, mover-se, organizar-se, cuidar-se, agir e responsabilizar-se são partes
do todo de cada indivíduo, menino ou menina, que desde bebês vão, gradual e
articuladamente, aperfeiçoando esses processos nos contatos consigo mesmos, com
as pessoas, as coisas e o ambiente em geral (BRASIL, 2001, p.; 20).

Já entre os blocos de conteúdos expressos pelos PCN no Ensino Fundamental, está o
entendimento do teatro como comunicação e produção coletiva, especialmente no tocante à
linguagem por meio de narrativas e descrições de objetos, ambientes, situações,
dramatizações, improvisações, enfim, exercícios que possibilitem que a criança externe por
meio da voz e do movimento seus sentimentos e criatividade, vivenciando diferentes papéis,
ampliando a imaginação (BRASIL, 1997; BRASIL, 2014).
Evidencia-se com isso que a atividade teatral, seja na Educação Infantil ou nas séries
inicias do Ensino Fundamental, contribui para o desenvolvimento da comunicação, expressão,
potencialidades e habilidades na criança.
8

As vantagens obtidas com a atividade teatral na sala de aula, segundo Reverbel (1979),
Arcoverde (2014), Silva (2014), Ferreira (2014), Santos e Santos (2014) e Araújo e
Figueiredo (2014), englobam o desenvolvimento da oralidade, desenvolvimento do
vocabulário, a impostação da voz, desinibição e aquisição de autoconfiança, entrosamento
com as pessoas envolvidas propiciando contatos mais estreitos, incentivo à leitura,
desenvolvimento de habilidades, estimulação da imaginação e organização do pensamento, a
expressão corporal, entre outras tantas e importantes promoções incentivadoras.
Trata-se, todavia, de uma atividade artística que se renova e utiliza recursos técnicos
visando estabelecer uma comunicação com a criança por meio de uma linguagem que
encante, maravilhe, conduza à imaginação, ao faz de conta e à interação com a realidade e a
fantasia. Ao mesmo tempo, por meio de experimentos e recreações, proporciona à criança
participação no jogo teatral, no drama, na brincadeira e na interação comunicativa com outras
crianças.
Tal embasamento se encontra em Vygotsky (2009, p.17), ao mencionar que: “[...] as
brincadeiras infantis têm um papel primordial em seu processo de criação, pois as crianças
conseguem uma melhor expressividade através delas”.
Nessa perspectiva, as crianças ao se expressarem por meio do teatro utilizando a
linguagem, recombinam experiências reais ao criarem suas próprias histórias de faz de conta
de forma experimental com a capacidade de expressar sínteses combinatórias no
desenvolvimento em processo.
Por essa razão Souza (2005, p. 83) observa que:
A arte de uma criança é o seu próprio reflexo. Ela aprende, na medida em que
organiza sua experiência. O desenho é uma oportunidade de converter o pensamento
adulto. A arte pode proporcionar não só a oportunidade de desenvolvimento em
muitas áreas, mas, também o ensejo de a criança inventar, experimentar, investigar,
cometer erros, sentir medo e aversão, amor e júbilo. Por fim, a criança deve
essencialmente, por si mesma, ter todas essas experiências da vida. Vygostsky nos
ajuda a compreender a importância dos aspectos culturais de cada sociedade ou, a
relevância da função da interação sócio-cultural como elemento constituinte do
desenvolvimento cognitivo infantil e, também, do diálogo e do trabalho coletivo,
levando as crianças para humanização. Ao nascer, a criança se integra em uma
história e uma cultura.

Nesse âmbito, observam Porto e Kafrouni (2013) que o teatro é identificado como
facilitador da estimulação da linguagem para interação social, ao possibilitar à criança
movimentar-se, testar, expandir e expressar suas emoções, sentimentos e observações.
Pactuam dessa ideia Oliveira e Stoltz (2010) ao entenderem que entre as modalidades
artísticas, o teatro é particularmente interessante quanto às possibilidades de interação,
internalização da cultura, uso da palavra e expressão afetiva.
9

Meritório mencionar que o objetivo básico da atividade teatral, conforme Reverbel
(1979), é desenvolver a linguagem e a autoexpressão da criança pelo oferecimento de atuação
efetiva no mundo e auxiliando no crescimento afetivo, motor e cognitivo, trazendo benefícios
que vão desde as descobertas de si próprio, como do outro e do mundo.
Com isso, a realização de atividades teatrais pode ser de grande valia no
desenvolvimento da criança e do adolescente.
É no teatro que, segundo Oliveira e Stoltz (2010), pode-se trabalhar a elaboração da
fala, da linguagem utilizada, da expressão emocional verbalizada, propiciando
conscientização e melhor compreensão da língua, das palavras, seus sentidos e significados e
dos conceitos científicos. Além do mais, defendem as autoras que com o teatro é possível
assimilar e aprender conteúdos das mais diversas disciplinas, além do uso da linguagem, de
ações nas representações, na mobilização da imaginação e da criatividade, na realização em
determinado tempo e espaço e com determinados sujeitos tornando-se um universo peculiar
de interação social e de manifestação da cultura que pode cumprir diferentes objetivos.
Expressam Scheifer e Oliveira (2014) que para Vygotsky o teatro está intimamente
ligado com o jogo, com o brincar da criança.
Nessa condução, observa Fichtner (2010) que o jogo teatral se insere como atividade
de caráter dialógico que estimula a criatividade para o aprendizado e favorece o tratamento da
saúde por meio da representação do mundo, da prática transformadora e encontro com a vida
por meio da apropriação do ato criativo proporcionado pelo teatro.
Há que se entender que o jogo, conforme Huizinga (2000), é uma atividade voluntária
e livre, uma evasão da vida real, desinteressado, um acompanhamento, complementar e
integrante da vida em geral, ornamentando-a, ampliando-a, tornando-se uma necessidade para
o individuo como função vital e para a sociedade pelo sentido que encerra como função
cultural.
Para Koudela (1984, p. 33) “A criança evoca, no jogo, uma conduta na ausência de seu
objetivo habitual, transformando o esquema sensório-motor em esquema simbólico. O jogo
reforça a passagem da representação em ato para a representação em pensamento”.
Acrescenta Camarotti (1984, p. 27) que “[...] o jogo serve à criança para preencher
suas necessidades através da experiência e da construção de uma outra experiência pela
imaginação”.
Também há que se destacar que o jogo do faz de conta, conforme Silva (2014),
possibilita o equilíbrio intelectual e afetivo para compreensão do mundo, pela expressão
espontânea ou pela imitação da criança no seu tempo e espaço. Desenvolvido por meio de
10

uma atividade teatral essas manifestações construirão o jogo simbólico da linguagem, do
conhecimento e das interações entre o individual e o coletivo.
Já os jogos teatrais, conforme Santos e Santos (2014), promovem o desenvolvimento
de processos de aprendizagem pela utilização do lúdico que leva à participação ativa e
experimentações que enriquecem habilidades e superam limitações. As contribuições são
fundamentais por sua função recreativa que auxiliam diretamente no processo de ensino e
aprendizagem. São recursos capazes de proporcionar o prazer de brincar e aprender ao mesmo
tempo, desenvolvendo habilidades e potencialidades, promovendo interação e iniciativa,
domínio da comunicação e desenvolvimento interativo da linguagem, experiências
emocionais, crescimento pessoal, enfim, criando condições para maiores e mais amplos
processos de construção do conhecimento.
Com relação às brincadeiras, conforme Araújo e Figueiredo (2014), as crianças
assimilam e se apropriam da realidade humana, elaborando soluções, construindo hipóteses e
enriquecendo sua personalidade. Essas brincadeiras mudam com o desenvolvimento das
etapas de crescimento da criança.
É o que é encontrado em Vygotsky (2009, p. 99) ao expressar que “[...] a criação
teatral está muito próxima do brincar da criança, mais do que qualquer tipo de criação. Ambas
emergem como formas de atividade que possibilitam a apropriação de diversos papéis
sociais”. Com isso, para o autor epigrafado, o teatro tem papel imprescindível em todo
processo de desenvolvimento da criança.
Tem-se, por isso, que o desenvolvimento da atividade teatral na sala de aula
proporciona à criança a utilização das mais diferentes formas e modos da linguagem verbal,
bem como a escrita, corporal e plástica, permitindo a expressão das suas experiências e
vivências, experimentações emocionais, integrações e aprendizagens que englobam
comunicações e expressões para suas interações sociais.
Mais ainda, a atividade teatral possibilita na criança o trabalho da linguagem verbal
para expressão de suas próprias experiências e vivências ao oportunizar a seleção,
classificação e sequencias de termos e brincadeiras com argumentação de ideias e pontos de
vista, na resolução de problemas, participação e envolvimento que promovem a autonomia, o
respeito a si e ao outro.
Constata-se que por meio de atividades de contação de história, conforme Boal (1979),
Spolin (1979), Cascudo (1984), Boal (1983), Bueno (1958), Koudela (1984), Courtney
(1980), Coelho (1973), Goldstein (1991) e Reverbel (1979), existem diversas formas de
abordagens, técnicas e estratégias na atividade teatral, adequadas à idade e à linguagem da
11

criança, voltadas para seu desenvolvimento, especialmente ao que tange à oralidade,
enriquecimento de vocabulário, expressão vocal. Por meio dessa atividade pode-se exercitar a
califasia, califonia e calirritmia com jogos teatrais de pergunta e resposta, diálogos, charadas,
brincadeiras de agilidade verbal e do espontâneo faz de conta, rimas, versificações, anáforas,
leitura coral, jogo de palavras, jogral, trava-línguas, onomatopeias, silabações, brincadeiras de
boca de forno, exercício de blablação, frases feitas, adivinhações, mnemônias, entre outros
recursos orais de exercícios vocais e linguísticos. Tais atividades podem se desenvolver em
decorrência de rodas de conversas formais e informais, leitura, discussões, imitações,
entoações e cantorias, versificações, enunciações verbais, exteriorização de fantasias,
desinibições, fantoches, pantomimas, esquetes, jograis, narrativas de viagens, de brincadeiras
ou de experiências vividas.
Em vista disso, o teatro possibilita o desenvolvimento da expressão e comunicação, de
assimilação, decifração e contextualização da realidade por meio do diálogo, socialização e da
cooperação que inclui o outro na relação grupal.


CONSIDERAÇÕES FINAIS


Procurou-se evidenciar no presente artigo de que forma o teatro contribui para o
desenvolvimento da linguagem da criança, investigando-se essas contribuições a partir da
teoria histórico-cultural de Vygotsky.
Por conta dos estudos realizados, observou-se que na atividade teatral a criança terá
diante de si uma das mais antigas atividades artísticas e manifestações culturais da
humanidade, e que, por sua representação estética, social e educativa, contribui para o
desenvolvimento da comunicação e expressão por meio do diálogo e da interação coletiva,
tornando-se indubitavelmente importante recurso pedagógico e didático para o
desenvolvimento da criança.
A sua contribuição se dá em virtude de proporcionar experiências as mais diversas e
novas, utilizando-se de jogos, imitações, brincadeiras e interações que formarão o suporte
ideal para a formação e a identidade da criança, sua trajetória na vida social e nos mais
diversos aspectos do seu integral crescimento.
Em vista disso, é por intermédio da atividade teatral que a criança poderá melhor
desenvolver sua capacidade de comunicação, fato que faz com que se confirme a hipótese de
12

que por meio de suas técnicas e métodos, a atividade teatral contribui devidamente para o
desenvolvimento da linguagem da criança.


REFERÊNCIAS


AGUIAR, Wanda. A pesquisa em psicologia sócio-histórica: contribuições para o debate
metodológico. In: BOCK, Ana; GONÇALVES, Graça; FURTADO, Odair (Org.). Psicologia
socio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez, 2009.
ARAUJO, Charles; FIGUEIREDO, Ricardo. Teatro-infância: experimentos na educação
infantil. Disponível em http://www.faeb.com.br/livro/Paineis/teatro%20infancia.pdf. Acesso
em 25 abr 2014.
ARCOVERDE, Silmara. A importância do teatro na formação da criança. Disponível em
http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/629_639.pdf. Acesso em 20 abr
2014.
BARROS, Edlúcia. Entre linguagens e pensamentos: Vygotsky e o teatro. Goiânia:
UFG/EMAC, 2011.
______ Lev S. Vygotsky (1896-1934) e o teatro: revelações. Disponível em
http://enap2010.files.wordpress.com/2010/03/edlucia_robelia_oliveira_barros.pdf. Acesso em
20 mar 2014.
BASTOS, Ivanilda; PEREIRA, Sonia. A contribuição de Vygotsky e Wallon na
compreensão do desenvolvimento infantil. Disponível em
http://www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1206/1021. Acesso em 20 mar
2014.
BOAL, Augusto. Técnicas latino-americanas de teatro popular. São Paulo: Hucitec, 1979.
______. 200 exercícios e jogos para o ator e não-ator com vontade de dizer algo através
do teatro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.
BOCK, Ana; GONÇALVES, Graça; FURTADO, Odair (Org.). Psicologia socio-histórica:
uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez, 2009.
BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais – Educação Básica. Brasília: CNE, 2001.
______. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF,
1998.
______. Parâmetros curriculares nacionais – Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF,
1997;
______. Parâmetros curriculares nacionais 1ª a rª séries. Disponível em
http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=859&catid=195%3Aseb-educacao-
basica&id=12640%3Aparametros-curriculares-nacionais1o-a-4o-
series&option=com_content&view=article. Acesso 20 mar 2014.
BUENO, Silveira. Manual de califasia, califonia, calirritmia e a arte de dizer: para uso das
escolas normais, ginásios oficiais, canto orfeônico e declamação. São Paulo: Saraiva, 1958.
CAMAROTTI, Marco. A linguagem no teatro infantil. São Paulo: Loyola, 1984.
CAMPOS, Aurélia; DIAS, Bárbara; AZEVEDO, Laura; MODERNELL, Laura; KFOURI,
Mariana. Ação e aprendizagem: o teatro como facilitador da aprendizagem e da socialização
na escola. São Paulo: USP/IP, 2012.
CASCUDO, Luis da Câmara. Literatura oral no Brasil. Belo Horizonte/São Paulo:
Edusp/Itatiaia, 1984.
13

CAVASSIN, Juliana. Perspectiva para o teatro na educação como conhecimento e prática
pedagógica. Revista Científica/FAP, Curitiba, v.3, p.39-52 , jan./dez. 2008.
CENTURIÃO, Alberto. Teatro-treinamento – linguagem. Disponível em
http://www.centurione.com.br/teatro/a_linguagem.htm. Acesso em 15 maio 2014.
COELHO, Paulo. O teatro na educação. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1973.
CORSINO, Patrícia. Linguagem na educação infantil: brincadeiras com as palavras e as
palavras como brincadeiras. In: BRASIL. Cotidiano na educação infantil. Brasília:
Mec/SEED, 2006.
COURTNEY, Richard. Jogo, teatro & pensamento. São Paulo: Perspectiva, 1980.
FERREIRA, Taís. Teatro infantil, crianças espectadoras, escola: um estudo acerca de
experiências e mediações em processos. Disponível em
http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/5383/000469576.pdf. Acesso em 05 maio
2014.
FICHTNER, Bernd. O surgimento de novos gestos de crianças – um diálogo impossível entre
Benjamim e Vigotski. Poíesis Pedagógica, v.8, nº.2, pp.18-32, ago/dez.2010.
FURTADO, Odair. O psiquismo e a subjetividade social. In: BOCK, Ana; GONÇALVES,
Graça; FURTADO, Odair (Org.). Psicologia socio-histórica: uma perspectiva crítica em
psicologia. São Paulo: Cortez, 2009.
GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. São Paulo: Ática, 1991.
HUIZINGA, Johan. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 2000.
JAPIASSU, Ricardo. As artes e o desenvolvimento cultural do ser humano. Educação &
Sociedade, ano XX, nº 69, 34-59, dezembro/1999.
______. Jogos teatrais na escola pública. Revista da Faculdade de Educação, vol. 24, nº 2,
São Paulo, jul/dez, 1998.
______. Vygotsky e a criação artística infantil. Disponível em
http://pt.scribd.com/doc/94156503/vygotsky-criacao-infantil. Acesso em 20 mar 2014.
KOUDELA, Ingrid. Jogos teatrais. São Paulo: Perspectiva, 1984.
LEONTIEV, Alexis. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY,
L.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São
Paulo: Ícone/Edusp, 1988.
LURIA, A. R. Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1986.
______. Vigotskii. In: VYGOTSKY, L.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem,
desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone/Edusp, 1988.
MAGIOLINO, Lavinia. Emoções humanas e significação numa perspectiva histórico-
cultural do desenvolvimento humano: um estudo teórico da obra de Vygotsky. Campinas:
Unicamp, 2010.
MALANGA, Eliana. Linguagens e pensamento: introdução a uma abordagem interdisciplinar
entre a psicopedagogia e a semiologia para a compreensão e construção do pensamento.
Cadernos de Psicopedagogia. v.3, n.6, São Paulo, jun. 2004.
OLIVEIRA, Zilma. L. S. Vygotsky: ideias sobre desenvolvimento e jogo infantil. Disponível
em http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_02_p043-046_c.pdf. Acesso em 20 mar
2014.
OLIVEIRA, Maria Eunice; STOLTZ, Tania. Teatro na escola: considerações a partir de
Vygotsky. Educar, Curitiba/UFPR, n. 36, p. 77-93, 2010.
PORTO, Andreia; KAFROUNI, Roberta. Teatro e desenvolvimento psicológico infantil.
Avances en Psicología Latinoamericana, 31 (3), 575-585, 2013.
REVERBEL, Olga. Teatro na sala de aula. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.
SANTOS, Alinne; SANTOS, Alice. O teatro e suas contribuições para educação infantil na
escola pública. XVI ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino –
14

Unicamp. Disponível em
http://www.infoteca.inf.br/endipe/smarty/templates/arquivos_template/upload_arquivos/acerv
o/docs/3252p.pdf. Acesso 15 abr 2014.
SCHEIFER, Keily; OLIVEIRA, Vanessa. As contribuições do teatro para o desenvolvimento
social e cognitivo da criança. Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia.
Disponível em http://www.eventos.uem.br/index.php/cipsi/2012/paper/view/786. Acesso em
20 mar 2014.
SILVA, Elder. Teatro infantil na escola: instrumento para eficaz ensino das artes. III EBE –
III Encontro Baiano de Estudos em Cultura. Disponível em
http://www.ufrb.edu.br/ebecult/wp-content/uploads/2012/04/Teatro-infantil-na-escola-
instrumento-para-eficaz-ensino-das-artes.pdf. Acesso em 20 abr 2014.
SOUZA, Maria Dolores. A expressão plástica infantil com ênfase na história da educação.
Revista HistedBR, Campinas, n.18, p. 80 - 92, jun. 2005.
SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. São Paulo: Perspectiva, 1979.
VASCONCELOS, Claudia. O teatro como linguagem e fonte no ensino de história. Anais do
XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH • São Paulo, julho, 2011
VYGOTSKY, Lev. Imaginação e criação na infância. São Paulo: Ática, 2009.
______. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
______. A formação social da mente: O desenvolvimento dos processos psicológicos
superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
______. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
______. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VYGOTSKY, L.;
LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São
Paulo: Ícone/Edusp, 1988.
______; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem.
São Paulo: Ícone/Edusp, 1988.
WERNECK, Silvia. A pedagogia do teatro presente em sala de aula nas universidades
privadas. Rio de Janeiro: UCM, 2011.