Número 157

Sessões: 26 e 27 de junho de 2013
Este Informativo, elaborado a partir das deliberações tomadas pelo Tribunal nas sessões de julgamento das
Câmaras e do Plenário, contém resumos de algumas decisões proferidas nas datas acima indicadas, relativas
a licitações e contratos, e tem por finalidade facilitar o acompanamento, pelo leitor, dos aspectos relevantes
!ue envolvem o tema" # seleç$o das decisões !ue constam do Informativo é feita pela %ecretaria das %essões,
levando em consideraç$o ao menos um dos seguintes fatores& ineditismo da deliberaç$o, discuss$o no
colegiado ou reiteraç$o de entendimento importante" 's resumos apresentados no Informativo n$o s$o
reposit(rios oficiais de jurisprud)ncia" Para aprofundamento, o leitor pode acessar o inteiro teor da
deliberaç$o, bastando clicar no n*mero do #c(rd$o +ou pressione a tecla CT,- e, simultaneamente, cli!ue
no n*mero do #c(rd$o."
SUMÁRIO
Plenr!o
/" # opç$o de se licitar por lote de itens agrupados deve estar acompanada de justificativa, devidamente
fundamentada, da vantagem dos agrupamentos adotados, em atenç$o aos artigos 01, 2 /1, I, /3, I4 e 50, 22 /1
e 51, todos da -ei 6"7778/990"
5" # adoç$o de critérios de regionali:aç$o em licitações deve ser precedida de estudos !ue comprovem a sua
vantajosidade, ; lu: do art" 01, caput, da -ei 6"7778/990"
0" ' e<erc=cio de atividades profissionais privadas por oficiais médicos militares em ospitais e cl=nicas !ue
operam no mercado n$o constitui, ; lu: do princ=pio da competitividade, (bice ; contrataç$o destas entidades
pela corporaç$o militar"
>" ?as licitações para fornecimento de vale refeiç$o e vale alimentaç$o, é ilegal, nos termos do art" 01, 2 /1,
inciso I, da -ei 6"7778/990, a e<ig)ncia de !ue os licitantes mantenam rede credenciada em todo o territ(rio
nacional, notadamente !uando normas internas do (rg$o licitante prevejam indeni:aç$o de despesas com
alimentaç$o nos deslocamentos de funcionários para fora da localidade onde deva ocorrer a e<ecuç$o dos
serviços"
3"'s conselos de fiscali:aç$o profissional, dada sua nature:a jur=dica autár!uica, devem adotar, na
a!uisiç$o de bens e serviços comuns, a modalidade preg$o, preferencialmente na forma eletr@nica, nos
termos do art" >1, caput e 2 /1, do Aecreto 3">3B85BB3"
Súmul"s
%*mula n1 560& Para fim de abilitaç$o, a #dministraç$o P*blica n$o deve e<igir dos licitantes a
apresentaç$o de certid$o de !uitaç$o de obrigações fiscais, e sim prova de sua regularidade"
P#$NÁRIO
1% & o'()o de se l!*!+"r 'or lo+e de !+ens ",ru'"dos de-e es+"r "*om'"nh"d" de jus+!.!*"+!-"/
de-!d"men+e .und"men+"d"/ d" -"n+",em dos ",ru'"men+os "do+"dos/ em "+en()o "os "r+!,os 30/ 1 10/
I/ 15/ I2 e 23/ 11 10 e 20/ +odos d" #e! 3%66641553%
,epresentaç$o relativa a licitaç$o condu:ida pelo Cundo ?acional de Aesenvolvimento da Educaç$o D
C?AE, mediante preg$o para ata de registro de preços nacional, destinado ; a!uisiç$o de utens=lios de
co:inas e refeit(rios escolares para escolas de educaç$o básica e unidades do Proinfância, apontara poss=vel
restriç$o ; competitividade do certame" # limitaç$o decorreria da utili:aç$o injustificada de licitaç$o por
lotes, dentre outros aspectos apontados pelo representante" Em ju=:o de mérito, reali:adas as oitivas
regimentais ap(s concess$o da cautelar pleiteada pelo representante, o ,elator, embora concordasse com a
unidade técnica no !ue respeita ; aus)ncia de elementos !ue justificassem a adoç$o de uma licitaç$o por
lotes de itens, n$o vislumbrou !ue a opç$o adotada, a vista do desconto apurado, tivesse resultado em
preju=:os ; administraç$o& “diante dos resultados parciais da licitação apresentados pelo FNDE, não se
pode concluir pela falta de competitividade ou mesmo pela possível desvantagem econômica de se ter
loteado o Pregão por grupo de itens”" ?ada obstante, consignou a necessidade de se notificar o C?AE !ue a
“opção de se licitar itens agrupados deve estar acompanhada de ustificativa, devidamente fundamentada,
da vantagem da escolha, em atenção aos artigos !", # $", %, $&, %' e (!, ## $" e (", todos da )ei *+,,,-$..!”"
' Tribunal, ao acoler o ju=:o de mérito formulado pelo relator, julgou parcialmente procedente a
,epresentaç$o, revogando a cautelar adotada e e<pedindo, dentre outras, a notificaç$o proposta"
Acórdão 1592/2013-Plenário, TC 001.605/2013-5, relator Ministro al!ir Ca!"elo, 26.6.2013+
2% & "do()o de *r!+6r!os de re,!on"l!7"()o em l!*!+"(ões de-e ser 're*ed!d" de es+udos 8ue *om'ro-em
" su" -"n+"jos!d"de/ 9 lu7 do "r+% 30/ *"'u+/ d" #e! 3%66641553%
#inda na representaç$o acerca do preg$o condu:ido pelo C?AE para a a!uisiç$o de utens=lios de co:inas e
refeit(rios escolares, a representante apontara poss=vel restriç$o ; competitividade do certame por aus)ncia
de justificativas para o critério de regionali:aç$o do objeto" Em sede de oitiva, o C?AE demonstrara a
comple<idade do tema ante as infinitas possibilidades de permutaç$o do espaço territorial em grupos de
abrang)ncia" %ustentara !ue “a utili/ação tanto do crit0rio político 1uanto do regional possi2ilitaria
desvantagens para os estados mais necessitados, com riscos de não haver interessados ou de terem
propostas com preços assim0tricos em desfavor desses entes+”, ra:$o pela !ual optou por uma modelagem
!ue permitisse o agrupamento de escolas por pro<imidade das áreas geográficas, com o intuito de redu:ir
custos log=sticos e administrativos mediante a consolidaç$o da demanda de vários munic=pios em uma
mesma licitaç$o, independentemente dos estados ou regiões em !ue estejam locali:ados" #nalisando o ponto,
o ,elator, anotou, ; semelança do ponto anterior, !ue “a falta de ustificativa o2etiva da escolha do
modelo dei3a d4vida 1uanto 5 vantaosidade notadamente esperada da licitação”" ?esse passo, consignou a
necessidade de se notificar o C?AE !ue a “a adoção de crit0rios de regionali/ação deve ser precedida de
estudos 1ue comprovem a sua vantaosidade”" ' Tribunal, ao acoler o ju=:o de mérito formulado pelo
relator, julgou parcialmente procedente a ,epresentaç$o, revogando a cautelar adotada e e<pedindo, dentre
outras, a notificaç$o proposta" Acórdão 1592/2013-Plenário, TC 001.605/2013-5, relator Ministro al!ir
Ca!"elo, 26.6.2013+
3% O e:er*;*!o de "+!-!d"des 'ro.!ss!on"!s 'r!-"d"s 'or o.!*!"!s m6d!*os m!l!+"res em hos'!+"!s e *l;n!*"s
8ue o'er"m no mer*"do n)o *ons+!+u!/ 9 lu7 do 'r!n*;'!o d" *om'e+!+!-!d"de/ <=!*e 9 *on+r"+"()o
des+"s en+!d"des 'el" *or'or"()o m!l!+"r%
#uditoria reali:ada nos contratos para a prestaç$o de serviços de sa*de da Pol=cia Eilitar do Aistrito Cederal
+PEAC. apontou as seguintes irregularidades& a. participaç$o, nos certames, de empresas de propriedade de
oficial médico da PEAC, em conjunto com sua fam=liaF b. e<ist)ncia de oficiais médicos da corporaç$o
pertencentes ao corpo cl=nico dos ospitais contratados+ Em sede de análise das justificativas, o relator
registrou !ue Gna 1ualidade de 6hefe da 7u2seção de 8ecursos 90dicos :ssistenciais da Diretoria de 7a4de
da P9DF, o respons;vel demandou a contratação de serviços pela P9DF 1ue resultou em certames
licitat<rios vencidos por suas empresas+ %nfringiu, desse modo, as prescriç=es contidas no art+ .", inciso %%%,
da )ei *+,,,-$..!, 1ue proí2em a participação, na licitação, de servidor ou dirigente de <rgão ou entidade
contratante+>rata?se de falha grave, 1ue compromete a isonomia dos procedimentos licitat<rios e 1ue
ustifica, portanto, a aplicação da multa prevista no art+ &*, inciso %%, da )ei *+@@!-$..( ao e3?servidor +++ G"
Em relaç$o aos outros oficiais médicos !ue prestavam serviços ;s empresas contratadas, o relator anotou
!ue, a rigor, incidiria sobre eles a mesma proibiç$o constante do art" 91, inciso III, da -ei 6"7778/990"
Ponderou, contudo, !ue a situaç$o fática é totalmente distinta, merecendo encaminamento diverso& G: lei
autori/a 1ue os oficiais m0dicos 1ue servem unto a P9DF tenham atividades profissionais privadas+ :ssim,
considerando o n4mero significativo de m0dicos vinculados 5 corporação e 1ue o seu regime de tra2alho
usual possi2ilita o atendimento em dois, 5s ve/es trAs ou 1uatro, hospitais distintos durante a semana,
chegaremos 5 conclusão de 1ue parcela relevante, senão a maioria dos hospitais disponíveis, contar;, entre
os 1ue l; clinicam, com pelo menos um oficial m0dico da P9DF+ E3cluir esses hospitais dos procedimentos
licitat<rios da corporação implicaria restringir demasiadamente o universo dos possíveis interessados, com
preuí/os evidentes 5 competitividade dos certamesG" ' Tribunal, ao recepcionar a proposta do relator,
rejeitou as ra:ões de justificativas apresentada pelo oficial militar s(cio das empresas contratadas H
sancionandoDo com multa e declarandoDas inid@neas para contratar, pelo per=odo de dois anos, com a
#dministraç$o P*blica Cederal H e acoleu as justificativas dos demais responsáveis oficiais médicos"
Acórdão 1620/2013-Plenário, TC 00#.60#/2006-$, relator Ministro %os& M'cio Monteiro, 26.6.2013.
>% N"s l!*!+"(ões '"r" .orne*!men+o de -"le re.e!()o e -"le "l!men+"()o/ 6 !le,"l/ nos +ermos do "r+% 30/ 1
10/ !n*!so I/ d" #e! 3%66641553/ " e:!,?n*!" de 8ue os l!*!+"n+es m"n+enh"m rede *reden*!"d" em +odo o
5
+err!+<r!o n"*!on"l/ no+"d"men+e 8u"ndo norm"s !n+ern"s do <r,)o l!*!+"n+e 're-ej"m !nden!7"()o de
des'es"s *om "l!men+"()o nos deslo*"men+os de .un*!onr!os '"r" .or" d" lo*"l!d"de onde de-"
o*orrer " e:e*u()o dos ser-!(os%
,epresentaç$o relativa a licitaç$o condu:ida pelo Conselo ,egional de ?utricionistas D 0I ,egi$o +C,?D0.,
destinada ; contrataç$o de empresa para fornecimento de vale refeiç$o e vale alimentaç$o para funcionários
e estagiários da entidade, apontou poss=vel restriç$o ; competitividade do certame" # limitaç$o decorreria da
e<ig)ncia de !ue a empresa fornecedora dos vales refeiç$o e alimentaç$o mantena rede de atendimento em
todo territ(rio nacional, tendo em vista !ue os beneficiários est$o lotados na regi$o espec=fica de atuaç$o do
Conselo +%P e E%." Em ju=:o de mérito, reali:adas as oitivas ade!uadas ap(s concess$o da cautelar
pleiteada pelo representante, o ,elator, reafirmou a análise !ue empreendeu em sede de oitiva prévia&
“mostra?se desarra/oado e3igir?se capacidade de atendimento em todos os Estados da federação, mesmo
nos mais longín1uos, mormente 1uando as normas aplic;veis preveem o fornecimento de di;rias para
co2ertura de despesas, inclusive alimentação, aos empregados do 6onselho nessas ocasi=es+ De se destacar,
ainda, 1ue mesmo 1ue houvesse um n4mero significativo de deslocamentos de empregados para outros
68Ns, somente e3iste sede de tais 6onselhos 8egionais em de/ Estados+ >al e3igAncia tem, portanto, em
princípio, o potencial de restringir indevidamente o car;ter competitivo do certame+”" ?esse passo,
configurada a irregularidade, sugeriu o relator a fi<aç$o de pra:o para !ue o C,?D0 adotasse provid)ncias
com vistas a anulaç$o do certame" ' Tribunal, ao acoler o ju=:o de mérito formulado pelo relator, julgou
procedente a ,epresentaç$o, fi<ou pra:o para a anulaç$o do certame e cientificou o C,?D0 acerca da
irregularidade identificada" Acórdão 1623/2013-Plenário, TC 00$.030/2013-(, relator Ministro-)*+stit*to
A*,*sto )-er!an Ca.alcanti, 26.6.2013+
5% Os *onselhos de .!s*"l!7"()o 'ro.!ss!on"l/ d"d" su" n"+ure7" jur;d!*" "u+r8u!*"/ de-em "do+"r/ n"
"8u!s!()o de =ens e ser-!(os *omuns/ " mod"l!d"de 're,)o/ 're.eren*!"lmen+e n" .orm" ele+r@n!*"/ nos
+ermos do "r+% >0/ ca"*t e 1 10/ do Ae*re+o 5%>5042005%
#inda na representaç$o sobre licitaç$o para fornecimento de vale refeiç$o e vale alimentaç$o a funcionários
e estagiários do C,?D0, fora !uestionada a n$o adoç$o da modalidade preg$o" #nalisando o ponto, o ,elator
relembrou !ue, a vista da nature:a autár!uica dos conselos de fiscali:aç$o profissional, entendimento
pacificado pelo %upremo Tribunal Cederal, essas entidades sujeitamDse ;s disposições do Aecreto
3">3B85BB3, !ue regulamentou o preg$o na forma eletr@nica" ?esse sentido, n$o obstante tena o C,?D0
argumentado n$o estar ainda capacitado para a reali:aç$o de licitações na modalidade preg$o, o ,elator
sugeriu fosse ele cientificado de !ue “a adoção da concorrAncia como modalidade de licitação para
a1uisição de serviço de nature/a comum afronta o disposto no art+ @" do Decreto n
o
&+@&B-(BB&”" '
Tribunal, ao acoler o ju=:o de mérito formulado pelo relator, julgou procedente a ,epresentaç$o, fi<ou
pra:o para a anulaç$o do certame e cientificou o C,?D0 acerca da irregularidade identificada" Acórdão
1623/2013-Plenário, TC 00$.030/2013-(, relator Ministro-)*+stit*to A*,*sto )-er!an Ca.alcanti,
26.6.2013+
SBMU#&S
Súmul" n0 233: Para fim de abilitaç$o, a #dministraç$o P*blica n$o deve e<igir dos licitantes a
apresentaç$o de certid$o de !uitaç$o de obrigações fiscais, e sim prova de sua regularidade" Acórdão
1613/2013-Plenário, TC 01(.5(3/2009-0, relator Ministro %os& %or,e, 26.6.2013+
/la+ora0ão1 )ecretaria das
)ess2es
Contato1 in3o4*ris5tc*.,o..+r
0