Como o Ed foi criado

O desenvolvimento do personagem-robô "Ed" feito pela Insite para a Petrobras envolveu uma
equipe multi-disciplinar de especialistas em diversas áreas como Inteligência Artificial,
Computação Gráfica, Lingüística, além de um grupo de escritores, profissionais da área de
petróleo, gás e energia e até uma psicóloga.

Rascunhos para definição do personagem 3D
Ilustração: Sergio Carreiras
O objetivo do projeto foi criar para o cliente (CONPET/Petrobras) um personagem virtual
capaz de conversar com os usuários no site, em português, como se fosse um personagem
real. Assim surgiu a idéia de criar um personagem que fosse um Robô voltado para o público
infanto-juvenil, capaz de ensinar, entreter e responder questões relacionadas aos assuntos de
utilização racional dos derivados do petróleo e do gás natural, preservação de energia, meio
ambiente, projetos e dicas de economia.

Para realizar este projeto, a Insite utilizou técnicas de inteligência artificial aperfeiçoando o
software InBot, que vêm sendo desenvolvido pelo Grupo de Lingüística da Insite desde 1998.

Início da modelagem do personagem em 3D
(3D realizado por Sergio Carreiras)
Passos para criação do personagem:
1. Levantamento de dados.

2. Elaboração do perfil psicológico e de conteúdo do personagem.
3. Elaboração gráfica (ilustrações e 3D).
4. Elaboração do manual de redação e estilo.
5. Programação da Base de Conhecimento (ensinar ao personagem sobre os
assuntos relacionados ao conteúdo).
6. Criação da interface de comunicação com o usuário no site.
7. Manutenção do conteúdo e do personagem.

Modelo final em 3D



Inteligência empresarial consiste no emprego da tecnologia para obtenção de dados e
informações sobre clientes, fornecedores, concorrentes, etc., os quais são analisados,
sintetizados e divulgados, para serem utilizados no processo de tomada de decisões. Com a
aplicação de ferramentas de inteligência empresarial a organização passa a contar com um
referencial de alto nível tecnológico, que a auxiliará sobremaneira no processo decisório.
Estudos e reflexões sobre a inteligência, na sua forma mais comumente conhecida, não são
uma preocupação recente da humanidade. Novo é abordar essa questão sob um enfoque
empresarial, como resultado de um processo que busca, a partir de dados brutos,
sistematicamente refinados, obter correlações e percepções valiosas sobre informações
anteriormente dispersas e sem grande utilidade a uma gestão inteligente.
A inteligência humana é considerada uma “máquina” fabulosa, perfeita, não obstante não ter
tido ainda todos os seus mistérios desvendados.
Mais do que nunca, essa inteligência tem sido solicitada para auxiliar a encontrar solução
para os grandes problemas que a humanidade enfrenta nas áreas econômica, política,
ecológica, tecnológica, social, etc.
As organizações, em particular, têm necessitado bastante do poder de imaginação, criação e
inovação do homem, para superar os obstáculos e as barreiras cada vez mais difíceis do
mundo do negócio. O conhecimento e a mente humana são os ingredientes essenciais da
Sociedade do Conhecimento, daí o resgate desses elementos que, durante algum tempo,
permaneceram desprezados e desvalorizados nos contextos organizacionais.
A idéia de inteligência empresarial (Business Intelligence) busca atribuir características
próprias da inteligência humana às organizações, com o propósito de fazer com que estas
reproduzam padrões humanos de comportamento e atitudes inteligentes quando se
depararem com roblemas a ser solucionados.
A busca da sobrevivência e do crescimento empresarial nos dias atuais perpassa,
necessariamente, pelo conhecimento e utilização das idéias e ferramentas da inteligência
empresarial.

Casa do futuro

Muita comodidade e segurança. Os avanços tecnológicos de hoje permitem
tudo isso e muito mais; dentro da sua casa. Com as soluções de automação
residencial, já é possível controlar praticamente tudo dentro do lar: TV,
iluminação, lareira, ar condicional, câmeras de segurança e até preparar um
banho quente e relaxante à distância.

Seja com um tablet ou smartphone dentro de casa ou até em qualquer parte do
mundo, você tem controle de tudo que está acontecendo na sua residência.
Para isso acontecer, todos os equipamentos precisam estar conectados. Com
módulos de radiofrequência, as luzes, câmeras e tudo mais conversam entre si
replicando o sinal de um equipamento para outro. As informações desses
módulos são compiladas em uma central que, aí sim, disponibiliza tudo através
da internet. Com as informações na nuvem, você se torna capaz de controlar
tudo de um único aparelho; claro, basta que ele esteja conectado.

"Os módulos todos são em radiofrequência, então cada um recebe o sinal do
outro e o replica. Então, quanto mais módulos você tem, mais este sinal se
repete. E a central pega este sinal e escolhe o melhor caminho", explica Fábio
Obaid, sócio-diretor da Parallax Automação Residencial.

É comodidade que não acaba mais. De uma única plataforma, no conforto do
seu sofá ou até antes de chegar em casa, faça o que desejar. Prepare a
lareira... esquente a banheira... feche as cortinas e ligue a TV. Outra coisa
interessante da automação residencial é a possibilidade de criar “cenas”; por
exemplo na hora do café ou na sua sessão cinema em casa, você deixa tudo
programado para um simples comando deixar tudo pronto, do jeitinho que você
gosta.

Além da praticidade, a automação em casa oferece também maior segurança.
Através do dispositivo que você estiver usando, você tem todo o feedback do
que está ligado ou desligado na sua residência. Mais do que isso, hoje com
câmeras conectadas, você pode – mesmo à distância – acompanhar tudo o
que acontece na sua casa com possibilidade de movimentar a câmera e
receber alertas.

Obaid explica que a automação também consegue gerar economia de energia.
"Você tem sensores inteligentes de luminosidade, que podem controlar a
abertura ou fechamentos da persiana, por exemplo. Então, em determinada
luminosidade do dia, a persiana fica aberta, otimizando a luz de fora.
Escureceu? Fecha a persiana e usa a luz interna", explica ele, afirmando que o
conceito também pode se aplicar a irrigação e piscinas.

Mas a maior novidade na automação residencial é o uso da inteligência
artificial. Com dispositivos e câmeras capazes de reconhecer gestos e vozes, o
controle da casa é ainda mais surpreendente. A Denise, essa assistente virtual
é um exemplo de inteligência artificial controlada através da interação humana.

"É como se fosse uma secretária no seu computador que te acompanha em
tudo. Ela lê e-mails e você pode ditar e enviar e-mails por voz. E ela controla
sua agenda, seus horários, como a hora de tomar remédios", acrescenta
Obaid.

Hoje toda instalação da automação residencial é feita sem a necessidade de
fios; tudo através da rede wi-fi e dos módulos de radiofrequência. Ou seja, você
não necessita de qualquer infraestrutura para começar a automatizar sua casa
e, melhor, não precisa de qualquer obra ou reforma – tudo é adaptável ao que
já existe.





Robôs controlados por um
drone unem forças para
superar obstáculos
0 COMENTÁRIOS
6. 266
Visualizações
Por Ramon de Souza
24 out 2012 - 16h 54
Controlados por
uma unidade aérea, pequenos robôs juntam suas forças e conseguem superar obstáculos
(Fonte da imagem: Reprodução/IEEE Spectrum)
A abordagem conhecida popularmente como “robótica de enxame”
não é exatamente uma novidade: já vimos, por exemplo, um grupo de
pequenos quadricópteros voadores realizando uma performance
aérea em perfeita sincronia. Contudo, nenhum projeto apresentado até
hoje é tão incrível como este divulgado durante a Intelligent Robots
and Systems 2012 (IROS 2012), uma feira de robótica e inteligência
artificial que ocorreu entre os dias 7 e 12 de outubro em Portugal.
Desenvolvido por quatro estudantes da Université Libre de Bruxelles e
do Instituto Universitário de Lisboa, o projeto conhecido como
“Spatially Targeted Communication and Self-Assembly” consiste em
um grupo de pequenos robôs que podem se conectar uns aos outros
para se tornarem mais fortes e concluírem certas tarefas. A diferença
é que todos são controlados através de um drone equipado com uma
câmera e um sistema para identificação de possíveis obstáculos.
Exército inteligente
Após encontrar uma solução para algum problema, o drone se
comunica com os robôs utilizando nada menos do que luzes LED
multicoloridas, podendo controlá-los individualmente ou juntá-los em
só uma entidade. Veja o vídeo:
Como é possível perceber, o drone inteligente atua como os “olhos”
dos pequenos robôs no chão, dando instruções sobre para onde eles
devem seguir, o que eles devem fazer e que formação devem usar
para realizar alguma tarefa. Note que, no exemplo acima, subir a
rampa seria algo impossível para uma unidade sozinha (pois o pouco
peso e o tamanho fariam com que ela capotasse). Em trio, como o
drone ordenou, a travessia foi concluída normalmente.
Simplesmente impressionante, não concorda?


http://www.tecmundo.com.br/google/39950-skynet-como-a-google-quer-construir-a-melhor-
inteligencia-artificial.htm

http://www.ed.conpet.gov.br/br/index.php