1

Bibliografia Principal
Vol 1Piskounov, N.; Cálculo diferencial e integral
Vol 2Piskounov, N.; Cálculo diferencial e integral
Bibliografia Complementar
Edwards, C. Henry; Calculus . ISBN: 0-13-095006-8
Cálculo – Larson, Hosteteler, Edwards
Equações diferenciais
2
Há várias classificações das EDs com vista a identificar diferentes tipos.
1. Uma equação diferencial diz-se ordinária se todas as derivadas são de
diferentes variáveis dependentes em relação à mesma variável
independente.
2. Uma equação diferencial às derivadas parciais contém pelo menos uma
derivada parcial de alguma variável dependente.
3. A ordem de uma equação diferencial é a ordem da derivada de maior ordem
que aparece na equação.
4. Uma equação diferencial é linear num conjunto de uma ou mais das suas
variáveis dependentes se e só se cada termo dessa equação que contém a
variável desse conjunto ou qualquer uma das suas derivadas for do primeiro
grau em relação a essas variáveis ou às suas derivadas.
Classificar ( a e b constantes)
4
'' 5 ' 3 y y y x − + =
2ªordem, ordinária, linear
[ ]
' sin(3 ) 0 y a b x y + + =
1ªordem, ordinária, linear
''' 7 '' 11 ' 13
x
y y y y xe − + − =
3ªordem, ordinária, linear
2
' 0
IV
y x y y − + =
4ªordem, ordinária, não linear
3/ 2 1/ 2
'' 9 ' 5 atan x y x y y x − + = 2ªordem, ordinária, linear
4
'' 5 ' 3 y y y x − + =
2ªordem, ordinária, linear
3
Classificar ( a e b constantes)
4
'' 5 ' 3 y yy y x − + =
2ªordem, ordinária, linear em y, linear em yy’; a
equação é não linear
( )
ln
d axy
bxy t
dt
+ =
1ªordem, ordinária, linear em x, linear em y, linear
em xy; a equação é não linear
2
2 2
2 2
2 2
u
x
x u
x t
  ∂

 
∂ ∂
 
=
∂ ∂
4ªordem, parcial, linear
2 2
2 2
( , )
u u
x y
x y
φ
∂ ∂
+ =
∂ ∂
2ªordem, parcial, linear
2
/ / / u x u v y v v x y ∂ ∂ + ∂ ∂ = ∂ ∂ ∂
2ªordem, parcial, linear em u,
não linear em v, linear em ;
a equação é não linear
dP
kP
dt
=
Crescimento natural de uma população
dy
k y
dt
= −
Lei de Torricelli de escoamento de liquido
2
2
( ) d x F t
dt M
=
Lei de Newton
EXEMPLOS DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS
ASSOCIADAS A FENÓMENOS FÍSICOS
4
dP
kP
dt
=
Crescimento natural de uma população:
O número de habitantes que cresce por
unidade de tempo num determinado
momento é proporcional aos efectivos da
população nesse momento
kt
P e =
Solução
kt
dP
ke
dt
kP
= =
=
k=0,2 – 0,4 – 0,8
5
dy
k y
dt
= −
Lei de Torricelli
2
y t c
k
− = +
Solução:
Versão caseira
Tirado (em 2006) de http://www.feiradeciencias.com.br/sala07/07_47.asp
6
2
0..... 25
0...... 100
100 0,1
resultando
( 100)
400
t y
y t
conduz a c e k
t
y
= =
= =
= − =

=
Nota: o gráfico “matemático” continua para a esquerda e para a direita – corresponde a
um gráfico “físico”?









∂ x
T
h
x y
T
h
y
S
h
t
q
xx yy A





 +





 = +
Equações dos aquíferos livres supostos lineares e dos confinados.
Soluções numéricas em regime permanente
T
q
h
V
=
2

7
Equações de Transporte e Difusão
Caso unidimensional, sem transporte sem transporte sem transporte sem transporte
• Lei de Fick - C a
depender só de x:
• Lei de Fick - C a
depender de x e de
t:
F D
dC
dx
= −
Coeficiente de
difusão molecular
2
2
C C
D
t x
∂ ∂
∂ ∂
=
ORDEM DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL
8
EQUAÇÃO DIFERENCIAL DE 1ª ORDEM
TEOREMA SOBRE A UNICIDADE DA SOLUÇÃO
9
PROPRIEDADES DA SOLUÇÃO GERAL
INTEGRAR OU RESOLVER A ED
MAXIMA 5.9.2:
load("plotdf.lisp");
plotdf(-y/x);
Está em
pk_21.max
batch("pk_21.max");
demo("pk_21.max");
10
INTEGRAR OU RESOLVER A ED
MAXIMA 5.9.2:
load("plotdf.lisp");
plotdf(-y/x);
Está em
pk_21.max
batch("pk_21.max");
demo("pk_21.max");
INTEGRAR OU RESOLVER A ED
MAXIMA 5.9.2:
load("plotdf.lisp");
plotdf(-y/x);
Está em
pk_21.max
batch("pk_21.max");
demo("pk_21.max");
11
INTEGRAR OU RESOLVER A ED dy/dx=-y/x
MAXIMA 5.9.2:
ode2('diff(y,x)=-y/x, y, x);
%i1) ode2('diff(y,x,2) = -y, y,x);
(%o1) y = %k1 sin(x) + %k2 cos
Até uma ED de 2ª ordem o Maxima aceita a mesma
instrução para integrar; por exemplo, d2y/dx2=-y
12
INTEGRAR OU RESOLVER A ED
MAXIMA 5.9.2:
ode2('diff(y,x)=2*C*x, y, x);
INTEGRAR OU RESOLVER A ED
(%i1) load("plotdf.lisp");
(%o1) C:/Programas/Maxima-5.9.2/share/maxima/5.9.2/share/contrib/plotdf.lisp
(%i2) plotdf(2*y/x);
13
14
Equações diferenciais
de variáveis separadas
ED DE VARIÁVEIS SEPARADAS
1 2
1
2
1
2
( ). ( )
1
( ).
( )
1
( ).
( )
de um modo geral a equaçao diferencial
M(x)dx + N(y)dy = 0
resolve-se integrando separadamente cada uma das funçoes
M(x)dx + N(y)dy =
dy
f x f y
dx
dy f x dx
f y
dy f x dx C
f y
C
=
=
= +
∫ ∫
∫ ∫
15
ED DE VARIÁVEIS SEPARADAS
resolver a equaçao diferencial
xdx+ydy=0
Exemplo
1
xdx+ ydy=C
∫ ∫
Resolução
2 2
1
2 2
x y
C + =
ED DE VARIÁVEIS SEPARADAS
resolver a equaçao diferencial
xdx+ydy=0
Exemplo
Resolução no MAXIMA
0 xdx ydy + =
0
dy
x y
dx
+ =
dy x
dx y
= −
16
ED DE VARIÁVEIS SEPARADAS
2 2
1
2 2
x y
C + =
2 2
1
2 x y C C + = =
2 2
y C x = −
2 2 2 2
( ) y C x fazendo R C R x = ± − = = =± −
Equações diferenciais
de variáveis separáveis
17
ED DE VARIÁVEIS SEPARÁVEIS
1 1 2 2
( ) ( ) ( ) ( ) 0 M x N y dx M x N y dy + =
1 1 2 2
1 2 1 2
( ) ( ) ( ) ( )
0
( ) ( ) ( ) ( )
M x N y M x N y
dx dy
N y M x N y M x
+ =
Dividindo ambos os membros por
1 2
( ) ( ) N y M x
1 2
2 1
( ) ( )
0
( ) ( )
M x N y
dx dy
M x N y
+ =
Ficando uma equação de
variáveis separadas
ED DE VARIÁVEIS SEPARÁVEIS
Desintegração de rádio
Problema: a quantidade de material radioactivo que se desintegra
por unidade de tempo é proporcional à massa do material
radioactivo que se está a desintegrar….
Transformar este enunciado numa equação diferencial
18
Equações homogéneas
de 1ª ordem
ED homogéneas de 1ª ordem
19
ED homogénea
Recapitulando: de 1ª ordem porque …
Recapitulando: homogénea de grau n porque …
Ou seja: homogénea de grau zero = homogénea
Resolução da equação homogénea
20
Resolução da equação homogénea
O MAXIMA RESOLVE!
21
As máquinas Texas com cálculo simbólico RESOLVEM!
Equações redutíveis a
equações homogéneas
22
Equações redutíveis a equações homogéneas
Equações redutíveis a equações homogéneas
23
Trabalho para casa
24
Maxima resolve!