1

Agroecossistema
Conceito de agroecossistema
Alberto Feiden
1
"( ... ) os homens têm que estar em condições de viver para poderem 'faer hist!ria'. "as da vida
faem parte sobretudo comer e beber# habitaç$o# vestu%rio e ainda al&umas outras coisas. ' primeiro ato
hist!rico (# portanto# a produç$o dos meios para a satisfaç$o dessas necessidades# a produç$o da pr!pria
vida material# e a verdade ( que este ( um ato hist!rico# uma condiç$o fundamental de toda a )ist!ria# que
ainda ho*e# como h% milhares de anos# tem que ser realiado dia a dia# hora a hora# para ao menos manter os
homens vivos ("A+,- ./0.12# 1345).
A modificaç$o de um ecossistema natural pelo homem# para produç$o de bens necess%rios 6 sua
sobrevivência# forma o a&roecossistema. 7om a interferência humana# os mecanismos e controles naturais
s$o substitu8dos por controles artificiais# cu*a l!&ica ( condicionada pelo tipo de sociedade na qual se insere o
a&ricultor. .9istem diversas definições de a&roecossistemas. .ntre elas# salientamos as se&uintes:
Agroecossistemas ; 2$o sistemas ecol!&icos alterados# mane*ados de forma a aumentar a
produtividade de um &rupo seleto de produtores e de consumidores. <lantas e animais nativos s$o retirados e
substitu8dos por poucas esp(cies (<="./>.1# 13?@- <="./>.1- <="./>.1# 133A).
Agroecossistemas ; 2$o compostos pelas interações f8sicas e biol!&icas de seus componentes. '
ambiente vai determinar a presença de cada componente# no tempo e no espaço. .sse arran*o de
componentes ser% capa de processar inputs (insumos) ambientais e produir outputs (produtos) ()A+>#
13?4# 134B).
<ara fins pr%ticos# o a&roecossistema pode ser considerado equivalente a sistema de produç$o#
sistema a&r8cola ou unidade de produç$o. /esse caso# ( o con*unto de e9plorações e de atividades realiadas
por um a&ricultor# com um sistema de &est$o pr!prio.
Diferenças entre ecossistema e agroecossistema
A aç$o humana modifica o ecossistema natural# procurando direcionar a produç$o prim%ria do
ecossistema para obtenç$o de produtos que atendam as necessidades b%sicas e culturais das diferentes
sociedades humanas. .stas possuem diferentes concepções de vida# o que implica em diferentes padrões de
consumo e# como conseqCência# criam relações diversas com a naturea# e diferentes &raus de press$o sobre
os recursos naturais.
/o entanto# independentemente do &rau de artificialiaç$o aplicado ao ecossistema natural# sua
convers$o em a&roecossistema implica em diferenças em relaç$o aos ecossistemas naturais. 's
a&roecossistemas ocidentais "modernos" representam o maior &rau de artificialiaç$o em relaç$o aos
ecossistemas naturais e# com base nestes# 'dum (1345)# citado por )echt (DBBD)# e 0lissmann e "(nde
(DBB1)# apresentam as se&uintes diferenças em relaç$o aos ecossistemas naturais:
Fluxo de energia mais aberto ; .nquanto nos ecossistemas naturais a principal fonte ( a ener&ia
direta do sol# os a&roecossistemas possuem fontes au9iliares de ener&ia# como a força humana# a traç$o
animal e os combust8veis f!sseis cu*a ener&ia ( aplicada diretamente ao a&roecossistema ou indiretamente#
por meio da produç$o de insumos industriais. Al(m disso# as perdas de ener&ia s$o maiores# tanto de ener&ia
potencial biol!&ica armaenada nos tecidos colhidos ou na mat(ria or&Enica# como pelas perdas diretas de
calor# por meio da aceleraç$o dos processos biol!&icos e na decomposiç$o acelerada das reservas de mat(ria
or&Enica.
Ciclagem de nutrientes mais aberta ; /os a&roemssistemas# ocorre a entrada de nutrientes pela
adiç$o de fertiliantes or&Enicos ou industriais# e maiores sa8das devido 6 intensificaç$o dos processos de
perda (eros$o# li9iviaç$o# volatiliaç$o# fi9aç$o aos minerais do solo) e pela e9portaç$o de nutrientes por meio
dos produtos colhidos.
Menor diversidade ; A &rande diversidade encontrada nos ecossistemas ( suprimida# dando lu&ar a
poucas esp(cies cultivadas# a poucas plantas consideradas" invasoras"# e aos or&anismos associados a essas
esp(cies.
Pressão de seleção artificial ; 's or&anismos remanescentes no a&roecossistema dei9am de estar
submetidos 6 seleç$o natural para serem submetidos a pressões artificiais de seleç$o# tanto a seleç$o
conscientemente diri&ida sobre os or&anismos cultivados# como pela press$o de seleç$o inconsciente aplicada
1
FEIDEN, Alberto. Agroecologia: introdução e conceitos. In: Agroecologia: princípios e técnicas para uma
agricultura orgânica sustentável. Brasília: Distrito Federal. Embrapa, Inormação !ecnol"gica, #$$%. p. &1'&(.
#
sobre os or&anismos espontEneos dos a&roecossistemas# causada pelas pr%ticas culturais e pela aplicaç$o de
produtos para controle das populações indese*adas. "uitas vees# essa press$o de seleç$o inconsciente pode
ser muito mais intensa que a aplicada aos or&anismos cultivados.
Diminuição dos níveis tróficos ; Fevido 6 reduç$o da biodiversidade# ocorre uma reduç$o dos
n8veis tr%ficos# que em &eral se reduem aos produtores e seus consumidores diretos (no caso de culturas
ve&etais) ou de produtores (que n$o necessariamente est$o dentro dos a&roecossistemas)# consumidores
prim%rios e seus predadores ou parasitas (no caso de produç$o animal). 7omo em &eral h% abundEncia do
or&anismo cultivado# isso si&nifica fartura de alimento para o n8vel tr%fico se&uinte# permitindo r%pido aumento
da populaç$o dos or&anismos que participam desse n8vel tr%fico.
Diminuição na capacidade de auto-regulação ; 's mecanismos de auto;re&ulaç$o s$o
substitu8dos por controles artificiais de populaç$o e dei9am de ser levados em conta# perdendo sua
capacidade de resposta aos est8mulos ambientais.
ipos de agroecossistemas
Agroecossistemas modernos ou tecnificados
's a&roecossistemas modernos ou tecnificados caracteriam;se por um alto &rau de artificialiaç$o
das condições ambientais# sendo altamente dependentes de insumos produidos industrialmente e adquiridos
no mercado. .sses insumos s$o baseados em recursos n$o renov%veis e importados de outras re&iões#
implicando em &asto de ener&ia com transporte.
)% pouca preocupaç$o com a conservaç$o e a recicla&em de nutrientes dentro do a&roecossistema.
<rocuram adaptar as condições locais 6s necessidades das e9plorações# por meio de pr%ticas como correç$o
da acide do solo# fertiliaç$o# irri&aç$o# drena&em# etc. Assim# homo&ene8am a diversidade de
microambientes# aplicando um tratamento m(dio ao con*unto de situações diversificadas. <or isso# impactam
fortemente o ambiente dentro e fora da propriedade. Al(m disso# reduem a diversidade# e eliminam a
continuidade espacial e temporal. +eduem a diversidade &en(tica local# pela introduç$o de esp(cies e de
cultivares "melhoradas" e desestruturam os conhecimentos e a cultura local.
0eralmente# os rendimentos s$o proporcionais 6 aplicaç$o de insumos e pouco dependem do
ecossistema ori&inal# sendo que o ob*etivo principal da produç$o ( a obtenç$o de lucro# e o tipo de produç$o (
determinado pelas demandas do mercado &lobal# independentemente das necessidades das comunidades
locais.
Problemas dos agroecossistemas modernos ou tecnificados
.m &eral# os a&roecossistemas ditos modernos ou tecnificados usam araç$o intensiva como forma
de preparo do solo# o que leva a problemas como de&radaç$o da estrutura do solo# reduç$o da mat(ria
or&Enica# compactaç$o do solo# reduç$o da infiltraç$o de %&ua no solo# formaç$o de impedimentos 6
penetraç$o radicular# e em conseqCência# menor capacidade de armaenamento de %&ua no perfil do solo#
maior suscetibilidade a d(ficit h8drico# maior intensidade do escorrimento superficial e intensificaç$o da eros$o
h8drica e e!lica.
.sses a&roecossistemas s$o baseados em monocultivos que permitem &anhos de escala de
produç$o e maior eficiência na utiliaç$o dos equipamentos# mas isso resulta em suscetibilidade a pra&as e
doenças# eros$o &en(tica e perda do conhecimento a&r8cola tradicional# este muitas vees fundamental para o
entendimento das condições ambientais locais.
Gso de fertiliantes sint(ticos# provenientes de fontes n$o renov%veis elevam os custos de produç$o
e ameaçam a continuidade do modelo em lon&o prao. Al(m disso# se perdem facilmente por li9iviaç$o#
volatiliaç$o e fi9aç$o permanente nas ar&ilas do solo# podendo contaminar os alimentos e os aqC8feros.
' uso da irri&aç$o em lar&a escala promove um consumo e9cessivo de %&ua# al(m de provocar a
saliniaç$o dos solos# a eros$o h8drica e a contaminaç$o dos aqC8feros.
A utiliaç$o do controle qu8mico para o combate a pra&as# doenças e plantas espontEneas promove
a resistência destes aos produtos aplicados# por meio da press$o de seleç$o e9ercida por esses produtos- a
eliminaç$o de inimi&os naturais- a contaminaç$o dos alimentos e do ambiente. Al(m disso# para sua produç$o#
s$o utiliadas fontes n$o renov%veis de ener&ia# colocando em 9eque a possibilidade de sua utiliaç$o em
lon&o prao.
Agroecossistemas tradicionais
.m diversas re&iões do mundo# principalmente na Am(rica 1atina# na Hfrica e na Hsia# ainda subsiste
&rande nImero de sistemas de cultivo tradicionais# que representam um ponto intermedi%rio entre os
ecossistemas naturais e a a&ricultura convencional. .sses a&roecossistemas têm vanta&ens e desvanta&ens
)
como sistemas de produç$o na atualidade. Fevido 6s desvanta&ens# muitos est$o em franco estado de
de&radaç$o. "esmo assim# vale a pena conhecer suas caracter8sticas# que poder$o ser muito Iteis no
desenho e no mane*o de a&roecossistemas sustent%veis.
0eralmente# os a&roecossistemas tradicionais n$o dependem de insumos comerciais. Gsam
recursos renov%veis e dispon8veis no local e d$o &rande importEncia 6 recicla&em de nutrientes. "antêm um
alto &rau de diversidade e sua continuidade espacial e temporal. 7omo est$o adaptados 6s condições locais#
conse&uem aproveitar# ao m%9imo# os microambientes e beneficiam o ambiente dentro e fora da propriedade#
ao inv(s de impact%;=o.
's rendimentos s$o proporcionais 6 capacidade produtiva do ecossistema ori&inal# pois este n$o
sofre alterações dr%sticas. <rioriam a produç$o para satisfaer as necessidades locais. Fependem da
diversidade &en(tica# dos conhecimentos e da cultura local e por isso a preservam.
Problemas dos agroecossistemas tradicionais
' fato de muitos dos sistemas tradicionais estarem em processo de de&radaç$o evidencia que#
apesar de suas vanta&ens ecol!&icas# esses a&roecossistemas apresentam uma s(rie de problemas# como
n$o responder a muitas das realidades socioeconJmicas atuais. A escasse da força de trabalho ( um dos
problemas s(rios para esses sistemas# que s$o altamente demandadores de força de trabalho. .sse problema
( derivado das mi&rações de populações pobres# que n$o conse&uem sobreviver 6 escasse de terras#
conseqCência da concentraç$o fundi%ria. Assim# esses a&ricultores n$o conse&uem competir com os
a&ricultores capitaliados# que utiliam tecnolo&ias da +evoluç$o Kerde.
A escasse de terras e o aumento da populaç$o pobre causam uma press$o muito forte sobre os
recursos naturais# ultrapassando os limites de sustentabilidade# reduindo a produtividade e levando as
populações 6 e9trema pobrea.
Como construir um novo sistema
Ao construir um novo sistema de produç$o# devemos nos basear num princ8pio &eral: quanto mais
um a&roecossistema se parecer com o ecossistema da re&i$o bio&eo&r%fica em que se encontra# em relaç$o 6
sua estrutura e funç$o# maior ser% a probabilidade desse a&roecossistema ser sustent%vel.
<or isso# devemos construir sistemas de produç$o que se apro9imem ao m%9imo dos ecossistemas
naturais. =sso n$o ( f%cil e e9i&e um alto &rau de conhecimento ecol!&ico# a&ronJmico e socioeconJmico#
ainda n$o dispon8vel. 7omo ciência em construç$o# a a&roecolo&ia visa atender a essas demandas de
conhecimento.
A construç$o de modelo de a&ricultura que respeite os princ8pios ecol!&icos n$o ( uma volta ao
passado# como afirmam seus detratores. .mbora a a&roecolo&ia estude e valorie os a&roecossistemas
tradicionais# ela o fa de um ponto de vista cr8tico# para conhecer a l!&ica e as interações que os mantêm. A
partir da8# aplica;se essa l!&ica para se desenhar novos sistemas que otimiem os processos e as interações
ecol!&icas# com a finalidade de melhorar a produç$o de bens Iteis 6 sociedade.
Ao incorporar as questões sociais e respeitar a cultura e o conhecimento local# busca preservar a
identidade# os costumes e as tradições de cada povo# propiciando a conquista de direitos sociais e a melhoria
da qualidade de vida dessas populações# ao inv(s de enfocar apenas a produç$o pela produç$o# esquecendo
as aspirações dos homens respons%veis por esta.
Passos para a construção de sistemas de produção agroecológicos
/$o h% receitas prontas# nem ( poss8vel desenvolver pacotes tecnol!&icos a&roecol!&icos# para
desenvolver o sistema. /o seu princ8pio de imitar o ecossistema ori&inal# ser% a busca de uma a&ricultura
movida# basicamente# pelo sol# que passar% a ser a principal fonte de ener&ia. >amb(m se deve trabalhar pelo
fechamento dos ciclos de nutrientes e pela reativaç$o dos mecanismos de autocontrole das populações.
Fentro desses princ8pios# os passos poss8veis e n$o e9clusivos para a construç$o do novo sistema de
produç$o a&roecol!&ico poderiam ser:
!edu"ir a depend#ncia de insumos comerciais ; 2ubstituir o uso de insumos por pr%ticas que
permitam melhorar a qualidade do solo com o uso da fi9aç$o biol!&ica de nitro&ênio# e de esp(cies que
estimulem micror&anismos# tais como micorrias# solubiliadores de fosfatos e promotores de crescimento.
$tili"ar recursos renov%veis e disponíveis no local ; Aproveitar# ao m%9imo# os recursos locais#
que freqCentemente s$o perdidos e se tornam poluentes# como restos culturais# estercos# cinas# res8duos
caseiros e a&roindustriais "limpos".
&nfati"ar a reciclagem de nutrientes ; .vitar# ao m%9imo# as perdas de nutrientes# com pr%ticas
eficientes de controle da eros$o# e a utiliaç$o de esp(cies de plantas capaes de recuperar os nutrientes
lavados para as camadas mais profundas do perfil do solo.
*
'ntrodu"ir esp(cies )ue criem diversidade funcional no sistema L 7ada esp(cie introduida no
sistema atrai diversas outras 6 qual est% associada. /o entanto# n$o nos interessa qualquer tipo de
diversidade# mas uma diversidade que proporcione uma s(rie de serviços ecol!&icos# capaes de dispensar o
uso de insumos. .ssa diversidade deve incluir esp(cies fi9adoras de nitro&ênio# recicladoras de nutrientes#
estimuladoras de predadores e parasitas de pra&as# de poliniadores# estimuladoras de micorrias#
sider!foros# solubiliadores de fosfato# etc.
Desen*ar sistemas )ue se+am adaptados ,s condiç-es locais e aproveitem. ao m%ximo. os
microambientes ; Fevemos adaptar nossas e9plorações aos diversos microambientes da unidade de
produç$o# o contr%rio dos sistemas convencionais# que buscam homo&eneiar os ambientes.
Manter a diversidade. a continuidade espacial e temporal da produção ; .m condições tropicais#
os solos devem permanecer cobertos por todo o ano# para evitar eros$o e li9iviaç$o e# conseqCentemente# a
perda de parte do pr!prio solo e de nutrientes. Assim# nos sistemas a&roecol!&icos# o uso do solo acaba
sendo mais intenso que nos sistemas convencionais. /os per8odos em que n$o ( poss8vel cultivar esp(cies de
utilidade econJmica direta# s$o cultivadas esp(cies melhoradoras do solo ou do ambiente.
/timi"ar e elevar os rendimentos. sem ultrapassar a capacidade produtiva do ecossistema
original ; ' ob*etivo n$o ( atin&ir produtividade m%9ima de uma Inica cultura# mas conse&uir produtividade
!tima do sistema como um todo# &arantindo a sustentabilidade dessa produtividade ao lon&o do tempo.
!esgatar e conservar a diversidade gen(tica local ; As esp(cies e cultivares desenvolvidas em
cada local est$o adaptadas 6s condições ambientais locais. /a maioria das vees# as cultivares locais# quando
colocadas em competiç$o com cultivares melhoradas# em centros de pesquisa# apresentam produtividades
inferiores 6s melhoradas# mas essa situaç$o pode se inverter# quando colocadas em competiç$o no meio real
dos a&ricultores. Fe qualquer modo# mesmo as cultivares de bai9o desempenho devem ser preservadas# pois
podem possuir caracter8sticas de e9trema importEncia# que podem ser Iteis futuramente.
!esgatar e conservar os con*ecimentos e a cultura locais ; /o seu contato dia a dia# com o
ambiente# os a&ricultores realiam observações de muitos fenJmenos que ocorrem em seus sistemas de
produç$o# e apesar de n$o as descreverem em termos cient8ficos# possuem uma &ama de informações
codificadas que somente eles têm acesso. Assim# a sua participaç$o ( fundamental no desenvolvimento de um
novo modelo de a&ricultura# pois enquanto os t(cnicos possuem uma vis$o e9tremamente anal8tica# com
poucas informações e9tremamente detalhadas# os a&ricultores possuem uma vis$o mais &lobal e inte&rada do
con*unto de fenJmenos# e de suas conseqCências# mesmo que n$o tenham um conhecimento detalhado de
cada fenJmeno em si. Assim# o conhecimento do a&ricultor pode fornecer# rapidamente# uma s(rie de
informações que t(cnicos e pesquisadores &astariam anos de pesquisa para obter. /em por isso deve;se cair
no erro de superestimar o conhecimento local# pois este tamb(m tem seus limites.
Perspectivas futuras
7omo ciência em construç$o# com caracter8sticas transdisciplinares# a a&roecolo&ia necessita da
participaç$o efetiva de diversas ciências e disciplinas# como a A&ronomia# a Miolo&ia# a .conomia# a
2ociolo&ia# a Antropolo&ia# a 7iência do 2olo# entre outras. Al(m disso# incorpora e reelabora o conhecimento
tradicional das populações. 7iência inte&radora# a ecolo&ia fornece a base metodol!&ica para a inte&raç$o
desses conhecimentos.
Apesar dos evidentes problemas causados pela a&ricultura tradicional# esta ainda ( dominante#
devido a sua facilidade e respostas imediatas# al(m do intenso bombardeio ideol!&ico que sofrem os
a&ricultores por parte dos a&entes de mercado# que lucram com esse modelo de a&ricultura.
<aulatinamente# a a&roecolo&ia vai &anhando respeitabilidade# tendo passado de elemento da
contracultura# na d(cada de 13?B# a disciplina acadêmica. 's ine&%veis resultados obtidos pelas diferentes
linhas de pesquisa da %rea d$o suporte a esse &anho de respeitabilidade.
=nImeras lacunas ainda est$o em aberto e e9i&em um e9traordin%rio esforço de pesquisa#
e9perimentaç$o# teste em meio real para e9pandir o conhecimento na %rea e a adoç$o de tecnolo&ias
a&roecol!&icas por parte dos a&ricultores.