Universidade Federal do Piauí-UFPI

Centro Acadêmico de ciências sociais-CACS
Disc.: Leitura e Interpretação Textual
Prof.: Valdulce
Estudante: Caroline Alves dos Santos

Como me vejo como leitora e escritora
Acredito que as definições da palavra leitor (a) e escritor (a) são bem mais complexas do
que o quanto se pode discorrer em algumas poucas linhas para descrever o significados e auto-
representações de leitor e escritor como adjetivo ou reles substantivo, sujeito que consegue decodificar
símbolos linguísticos. Por este motivo, minha análise sobre como me vejo como leitora, e escritora, não
pode ser delimitada de forma simplista e estagnada, como identificar o reflexo de minha própria
imagem num espelho ou como um grupo reduzido de palavras que representem um significado formal.
Para ser leitor e/ou escritor não basta ser capaz de decodificar símbolos linguísticos; não
basta ler bulas de remédio, papéis de bala, panfletos de propaganda de supermercado ou exibir listas de
livros monumentais pelos quais se passou a vista durante um ano; além disso, nem todo alfabetizado é
leitor e nem todo letrado é escritor. Desta forma, considero que o sentido do “ser leitor” e do “ser
escritor”, e o do “se enxergar como tal”, como sendo conceitos de características interior, conceitos
íntimos, pessoais, em que cada leitor e escritor pode (re)adaptar-se da forma que lhe der prazer e lhe
for util.
Identifico-me como leitora e escritora da mesma forma com que me encontro em meus
pensamentos e reflexões sobre minha vida, bem como da mesma maneira em que sou estudante, mãe,
educadora, pesquisadora, gente; inserindo-me e, ao mesmo tempo, encontrando-me no que
compartilho e assimilando o que me é enviado por outros meios, pelas pessoas e pelos temas que as
envolvem; pelos temas que me envolvem.
Encontro-me como leitora e escritora quando observo, absorvo e reflito sobre
Afrodescendência, Educação, Língua Inglesa, Literatura, Ciências Sociais, maternidade, infância, Estado,
Liberdade, rock n’ roll, reggae, dentre outros; uma infinidade de temas com os quais me identifico e me
incumbe algum tipo de ideia, opinião. Tal como digerir temas que considero interessantes, importantes,
me vejo como leitora escritora quando de alguma maneira colaboro com a formação de opinião a
respeito dos temas sobre o qual discorro, não só manuscrita e/ou digitalizada, mas oralmente.
Identifico-me como leitora, e escritora, especialmente, nos meus momentos de solidão, de
silêncio; quando prefiro, como melhor companhia, a mim mesma e desta forma consigo incorporar
meus pensamentos em uma folha de papel. É assim que, na maioria das vezes, se desenvolve minha
função leitora e escritora.
E é desta forma que acredito que as representações de leitor e escritor são intimas e
relativas.