A Importância do Desenho Infantil no Processo de Alfabetização

Autor: Alcione Vieira de Paiva e Luana Carolina Rodrigues Cardoso
Data: 26/08/2010
Resumo
Este artigo foi elaborado no segundo semestre de 2009, como prére!uisito para a
obten"#o do t$tulo de Especialista %&ato 'ensu% em Educa"#o (nfantil, pelo )entro de
*es!uisas Educacionais de +inas ,erais, )E*E+,- Abordou a import.ncia do
desen/o infantil no processo de alfabeti0a"#o- 1s ob2eti3os foram analisar os
est4gios de e3olu"#o do desen/o infantil5 re3isar bibliografia sobre o tema e
identificar a influ6ncia do desen/o infantil na a!uisi"#o da escrita por crian"as na
fai7a et4ria de dois a sete anos-
Introdução
Este trabal/o foi moti3ado pelo dese2o das autoras de identificar as contribui"8es do
desen/o infantil no processo na a!uisi"#o da escrita por crian"as na fai7a et4ria de
dois a sete anos- 9uscouse reunir e re3isar a bibliografia sobre estudos de alguns
te:ricos tra"ando um bre3e panorama sobre o assunto- ;oram ob2eti3os desse
trabal/o: analisar os est4gios de e3olu"#o do desen/o infantil5 re3isar bibliografia
sobre o tema e compreender como o desen/o infantil influencia no processo de
alfabeti0a"#o-
+uitas crian"as ao c/egarem ao 1< ano do ensino fundamental apresentam
dificuldades de aprendi0agem relacionadas = escrita- > poss$3el !ue estas crian"as
n#o ten/am tido oportunidades significati3as de intera"#o na educa"#o infantil, fase
na !ual se desen3ol3e a fun"#o simb:lica e conse!uentemente os sistemas de
representa"#o, fato !ue pode ter pre2udicado o desen3ol3imento da crian"a- Em
situa"8es como esta, é percept$3el a import.ncia do trabal/o na educa"#o infantil
!ue priori0e e preser3e os momentos l?dicos e pra0erosos, !ue certamente
contribuir#o para o desen3ol3imento do desen/o infantil-
Ao final do seu primeiro ano de 3ida, !ue compreende o est4gio sens:riomotor,
descrito por *iaget @19A8B, a crian"a é capa0 de manter ritmos regulares e produ0ir
seus primeiros tra"os gr4ficos- 1 desen3ol3imento progressi3o do desen/o implica
mudan"as significati3as !ue, no in$cio, di0em respeito = passagem dos rabiscos
iniciais da garatu2a para constru"8es cada 3e0 mais ordenadas, fa0endo surgir os
primeiros s$mbolos- De acordo com o mesmo autor, a fun"#o semi:tica é a
capacidade !ue a crian"a tem de representar ob2etos ou situa"8es !ue est#o fora do
seu campo 3isual por meio de imagens mentais, de desen/os, da linguagem- A
crian"a passa a desen3ol3er essa fun"#o no est4gio préoperat:rio, !ue
compreende fai7a et4ria de dois a sete anos-
As crian"as no in$cio dessa fase come"am a representar na tentati3a de interagir
com o mundo !ue a cerca, desen3ol3endo a fun"#o simb:lica, entendida como ato
de representa"#o, possibilita = crian"a, de acordo com Cibeiro @200DB %E---F = tomada
de consci6ncia da organi0a"#o do mundo e o entendimento de fatos passados,
presentes e futuros E---F%- 'endo assim, entendese !ue a representa"#o é re!uisito
b4sico para as opera"8es mentais-
1 !ue constitui a fun"#o semi:tica e o !ue a fa0 ultrapassar a ati3idade sens:rio
motora é a capacidade de representar um ob2eto ausente, por meio de s$mbolos ou
signos, o !ue implica poder diferenciar e coordenar os significantes e os significados
ao mesmo tempo- @*(&&AC, 1996, p-26B
A cada representa"#o !ue a crian"a fa0, o 2ogo simb:lico e o desen/o passam a ser
uma necessidade, e é assim !ue elas 3#o se inserindo no processo de
alfabeti0a"#o, desde o est4gio préoperat:rio, onde se inicia o processo de
representa"#o, interagindo com a escrita como se a mesma fosse um 2ogo !ue
cont6m regras e, cont6m também o imagin4rio- Dessa forma a escrita dei7a de ser
uma representa"#o mental e passa a ser uma representa"#o gr4fica, carregada de
sentidos, assim como o desen/o !ue, primeiro passa pelo plano da representa"#o
mental e s: depois a crian"a passa a represent4lo graficamente- Assim o desen/o
infantil pode ser considerado precursor da escrita, estando diretamente relacionado
ao processo de alfabeti0a"#o-
1. Pressupostos Teóricos
1s primeiros estudos sobre desen/o das crian"as datam do final do século G(G e
est#o fundados nas concep"8es psicol:gicas e estéticas da época- '#o os
psic:logos e os artistas !ue descobrem a originalidade dos desen/os infantis e
publicam as primeiras HnotasH e Hobser3a"8esH sobre o assunto- )omo escre3eu o
famoso pintor *ablo *icasso em rela"#o =s suas obser3a"8es sobre o desen/o
infantil: Iuando crian"a, eu desen/a3a como Cafael- J medida !ue fi!uei mais
3el/o, passei a desen/ar como crian"a-
De certa forma eles transpuseram para o dom$nio do grafismo a descoberta
fundamental de Kean Kac!ues Cousseau sobre a maneira pr:pria de 3er e de pensar
da crian"a- As concep"8es relati3as a inf.ncia modificaramse progressi3amente- A
descoberta de leis pr:prias da psi!ue infantil, a demonstra"#o da originalidade de
seu desen3ol3imento, le3aram a admitir a especificidade desse uni3erso-
*iaget @19A8B di0 !ue a representa"#o é gerada pela fun"#o semi:tica, a !ual
possibilita = crian"a reconstruir em pensamento um ob2eto ausente por meio de um
s$mbolo ou signo- A representa"#o é condi"#o b4sica para o pensamento e7istir,
uma 3e0 !ue, sem ela, n#o /4 pensamento, s: intelig6ncia puramente 3i3ida como
no n$3el sens:riomotor- > atra3és do surgimento da fun"#o semi:tica !ue a crian"a
consegue e3ocar e reconstruir em pensamento a"8es passadas e relacion4las com
as a"8es atuais- Essa passagem é poss$3el por intera"8es da crian"a com o ato de
desen/ar e com desen/os de outras pessoas- La garatu2a, a crian"a tem como
/ip:tese !ue o desen/o é simplesmente uma a"#o sobre uma superf$cie, e ela sente
pra0er ao constatar os efeitos 3isuais !ue essa a"#o produ0iu- Lo decorrer do
tempo, as garatu2as, !ue refletiam o prolongamento de mo3imentos r$tmicos de ir e
3ir transformamse em formas definidas !ue apresentam maior ordena"#o, e podem
estar se referindo a ob2etos naturais, ob2etos imagin4rios ou mesmo a outros
desen/os- La e3olu"#o da garatu2a para o desen/o de formas mais estruturadas, a
crian"a desen3ol3e a inten"#o de elaborar imagens no fa0er art$stico- )ome"ando
com s$mbolos muito simples, ela passa a articul4los no espa"o do papel, na areia,
na parede ou em !ual!uer outra superf$cie-
*assa também a constatar a regularidade nos desen/os presentes no meio
ambiente e nos trabal/os aos !uais ela tem acesso, incorporando esse
con/ecimento em suas pr:prias produ"8es- Lo in$cio, a crian"a trabal/a sobre a
/ip:tese de !ue o desen/o ser3e para imprimir tudo o !ue ela sabe sobre o mundo-
Lo decorrer da simboli0a"#o, a crian"a incorpora progressi3amente regularidades ou
c:digos de representa"#o das imagens do entorno, passando a considerar a
/ip:tese de !ue o desen/o ser3e para imprimir o !ue se 36-
> assim !ue, por meio do desen/o, a crian"a cria e recria indi3idualmente formas
e7pressi3as, integrando percep"#o, imagina"#o, refle7#o e sensibilidade, !ue podem
ent#o ser apropriadas pelas leituras simb:licas de outras crian"as e adultos-
1 desen/o como possibilidade de brincar, o desen/o como possibilidade de falar de
registrar, marca o desen3ol3imento da inf.ncia, porém em cada est4gio, o desen/o
assume um car4ter pr:prio- Estes est4gios definem maneiras de desen/ar !ue s#o
bastante similares em todas as crian"as, apesar das diferen"as indi3iduais de
temperamento e sensibilidade- Esta maneira de desen/ar pr:pria de cada idade
3aria, inclusi3e, muito pouco de cultura para cultura-
*illar @2006B afirma !ue a crian"a n#o nasce sabendo desen/ar, !ue este
con/ecimento é constru$do a partir da sua rela"#o direta com o ob2eto, assim s#o
suas estruturas mentais é !ue definem as suas possibilidades !uanto a
representa"#o e interpreta"#o do ob2eto- Assim a crian"a é o su2eito de seu
processo, ela aprende a desen/ar a partir de sua intera"#o com o desen/o- M4rios
te:ricos seguem essa lin/a te:rica !uanto ao desen/o infantil, dentre eles
&u!uet@1969B, *iaget @19A8B, ,ardner@1999B, +éredieu @199NB dentre outros-
&u!uet @1969B foi um dos primeiros te:ricos a se interessar pelo desen/o infantil,
analisandoo numa abordagem cogniti3a- 1 autor buscou respostas para !uest8es
relati3as o !u6 e como a crian"a desen/a3a, assim como suas inten"8es e
interpreta"8es- Aborda os HerrosH e Himperfei"8esH do desen/o da crian"a !ue atribui a
HinabilidadeH e Hfalta de aten"#oH, além de afirmar !ue e7iste uma tend6ncia natural e
3olunt4ria da crian"a para o realismo-
Em +éredieu@199NB, &u!uet distingue !uatro est4gios do desen/o infantil: o
Cealismo fortuito: come"a por 3olta dos 2 anos e p8e fim ao per$odo c/amado
rabisco- A crian"a !ue come"ou por tra"ar signos sem dese2o de representa"#o
descobre por acaso uma analogia com um ob2eto e o seu tra"ado passa a nomear
seu desen/o5 Cealismo fracassado: por 3olta dos O a A anos tendo descoberto a
identidade formaob2eto, a crian"a procura reprodu0ir esta forma- 'urge ent#o uma
fase de aprendi0agem pontuada de fracassos e de sucessos parciais5 Cealismo
intelectual: estendendose dos A aos 1012 anos, é o principal est4gio e caracteri0a
se pelo fato !ue a crian"a desen/a do ob2eto n#o a!uilo !ue 36, mas a!uilo !ue
sabe-
Enfim, aos !uatro anos, a crian"a c/ega ao realismo 3isual cu2a principal
manifesta"#o é a submiss#o mais ou menos infeli0 na e7ecu"#o = perspecti3a-
@&u!uet, 1969, p-212B
A an4lise dos estudos piagetianos mostram !ue o desen3ol3imento do desen/o
segue os mesmos est4gios de &u!uet @1969B, no entanto s#o analisados dentro da
perspecti3a das fases do desen3ol3imento infantil da representa"#o- *iaget
classifica as fases do desen/o como:
• ,aratu2a: ;a0 parte da fase sens:rio motora @0 a 2 anosB e parte da fase pré
operat:ria @2 a D anosB- A crian"a demonstra e7tremo pra0er nesta fase- A
figura /umana é ine7istente ou pode aparecer da maneira imagin4ria- A cor
tem um papel secund4rio, aparecendo o interesse pelo contraste, mas n#o /4
inten"#o consciente- A fase da garatu2a pode ser di3idida em outras duas
partes:
• Desordenada: mo3imentos amplos e desordenados- )om rela"#o a
e7press#o, 3emos a imita"#o %eu imito, porém n#o represento%- Ainda é um
e7erc$cio, simples riscos ainda despro3idos de controle motor, a crian"a
ignora os limites do papel e me7a todo o corpo para desen/ar, a3an"ando os
tra"ados pelas paredes e c/#o- As primeiras garatu2as s#o lin/as longitudinais
!ue, com o tempo, 3#o se tornando circulares e, por fim, se fec/am em
formas independentes, !ue ficam soltas na p4gina- Lo final dessa fase, é
poss$3el !ue sur2am os primeiros ind$cios de figuras /umanas, como cabe"as
com ol/os-
• 1rdenada: mo3imentos longitudinais e circulares5 coordena"#o 3isomotora- A
figura /umana pode aparecer de maneira imagin4ria, pois a!ui e7iste a
e7plora"#o do tra"ado5 interesse pelas formas-
Lessa fase iniciase o 2ogo simb:lico: %eu represento so0in/o%- 1corre a
mudan"a de mo3imentos5 formas irrecon/ec$3eis com significado5 atribui
nomes, conta /ist:rias- A figura /umana pode aparecer de maneira
imagin4ria, aparecem s:is, radiais e mandalas- Dentro da fase préoperat:ria,
aparece a descoberta da rela"#o entre desen/o, pensamento e realidade-
Iuanto ao espa"o, os desen/os s#o dispersos inicialmente, n#o relaciona
entre si- Ent#o aparecem as primeiras rela"8es espaciais, surgindo de3ido =
3$nculos emocionais- A figura /umana tornase uma procura de um conceito
!ue depende do seu con/ecimento ati3o, inicia a mudan"a de s$mbolos-
Iuanto a utili0a"#o das cores, pode usar, mas n#o /4 rela"#o ainda com a
realidade, depender4 do interesse emocional- Dentro da e7press#o, o 2ogo
simb:lico aparece como: %n:s representamos 2untos%- K4 con!uistou a forma e
seus desen/os t6m a inten"#o de reprodu0ir algo- Ela também respeita
mel/or os limites do papel- +as o grande salto é ser capa0 de desen/ar um
ser /umano recon/ec$3el, com pernas, bra"os, pesco"o e tronco-
De acordo com *iaget @19A8B, no est4gio prées!uem4tico, !ue iniciase por
3olta dos !uatro anos e se estende até os sete anos- Ap:s esta fase a crian"a
com idade entre sete e no3e anos entra no est4gio es!uem4tico, e ap:s os
no3e anos passa para o est4gio do realismo nascente, 3ale ressaltar !ue
estes est4gios compreendidos entre os sete e on0e anos est#o dentro do
per$odo das opera"8es concretas- Estes est4gios n#o s#o est4ticos,
imut43eis, e7istem crian"as !ue pulam alguns est4gios de desen3ol3imento e
crian"as !ue param de se desen3ol3er de3ido a 34rios fatores !ue
influenciam em sua 3ida, como defici6ncias f$sica ou mental, como fam$lia,
situa"#o social e econPmica ou dist?rbios psicol:gicos-
,ardner@1999B fa0 uma abordagem cogniti3a baseada em *iaget, e uma
an4lise afeti3a, baseada em sistemas de simboli0a"#o- Este autor considera
!ue o desen3ol3imento do desen/o infantil, di3idese em !uatro mo3imentos-
'#o mo3imentos !ue mant6m sua ess6ncia, sendo male43eis e modificando
se mediante as inter3en"8es e7ternas, ou se2a, pelo meio s:ciocultural, pela
fam$lia e pelo educador- Q4 necessidade de !ue /a2a uma compreens#o
desses !uatro mo3imentos e de tudo !ue os en3ol3em por!ue cada um tem
sua bele0a e significa"#o- Estud4los é estar se fundamentando para poder
fa0er uma boa leitura da e7press#o art$stica da crian"a-
. ! desenho e o processo de alfabetização
A partir dos estudos reali0ados é poss$3el di0er !ue e7iste uma estreita rela"#o entre
a e3olu"#o da escrita e a do desen/o- *ara ;erreiro citada por Cibeiro @200DB a
aprendi0agem da l$ngua escrita 4 a constru"#o de um sistema de representa"#o,
assim como o desen/o- A aprendi0agem, nesse enfo!ue, con3ertese na
apropria"#o de um no3o ob2eto de con/ecimento, ou se2a, em uma aprendi0agem
conceitual- E---F para con/ecer os ob2etos, é preciso agir sobre eles de maneira a
decompPlos e a recompPlos- @*(A,ER, 19A8, p-8B
E---F para !ue a crian"a se aproprie do sistema de representa"#o da escrita, ela ter4
!ue reconstru$lo, diferenciando os elementos e as rela"8es pr:prias ao sistema,
bem como a nature0a do 3$nculo entre o ob2eto de con/ecimento e a sua
representa"#o- @*(&&AC, 1996, p-O2B
As pes!uisas reali0adas por Em$lia ;erreiro indicam !ue cada su2eito, no processo
de constru"#o da escrita, parece refa0er o camin/o percorrido pela /umanidade,
!ual se2a: *ictogr4fica: forma de escrita mais antiga !ue permitia representar s: os
ob2etos !ue podiam ser desen/ados: desen/o do pr:prio ob2eto para representar a
pala3ra solicitada- (deogr4fica: consistia no uso de um simples sinal ou marca para
representar uma pala3ra ou conceito: uso de s$mbolos diferentes para representar
pala3ras diferentes- &ogogr4fica: escrita constitu$da por desen/os, referentes ao
nome dos ob2etos e n#o ao ob2eto em si-
Assim como as primeiras ci3ili0a"8es fa0iam inscri"8es na pedra e a %escrita%
representa3a o pr:prio ob2eto, para ;erreiro citada por Cibeiro @200DB, a crian"a
associa o significante ao significado- 'endo assim, considerando a escrita como
sistema de representa"#o, a autora obser3a !ue E---F !uando uma crian"a come"a a
escre3er, produ0 tra"os 3is$3eis sobre o papel, e além disso, e fundamentalmente,
p8e em 2ogo suas /ip:teses acerca do significado mesmo da representa"#o gr4fica-
@C(9E(C1, 200D,p- A0B
La pes!uisa reali0ada por Em$lia ;erreiro e Ana teberosST @1999B sobre a a!uisi"#o
do sistema de escrita, concluiu !ue /a3ia n$3eis nesse desen3ol3imento- 1s n$3eis
descritos pelas autoras s#o: présil4bico, sil4bico, sil4bicoalfabético e alfabético-
1 n$3el *résil4bico (, em m !ue a crian"a acredita !ue escre3er é reprodu0ir ou
imitar os tra"os da escrita do adulto- Lesta etapa a crian"a pode ter a inten"#o de
produ0ir marcas diferenciando desen/os de letras ou outros c:digos, mas sua
escrita ainda n#o pode funcionar como um 3e$culo informati3o-e *résil4bico ((- 'e a
forma b4sica de escrita !ue a crian"a tem contato for letra de imprensa, far4
rabiscos separados, com lin/as retas e cur3as5 se for letra cursi3a far4 rabiscos
ondulados-
Lo n$3el présil4bico (( a crian"a 24 usa letras ou criam pseudoletras, !uando ainda
n#o dominam as letras con3encionais do nosso alfabeto para escre3erem algo- A
crian"a pensa !ue é poss$3el ler nomes diferentes com grafias iguais5
*osteriormente a crian"a nega esta sua /ip:tese, por!ue acredita !ue, para ler
nomes diferentes, eles de3em ser escritos com letras diferentes-
Ainda de acordo com ;erreiro e ReberosST @1999B, a crian"a passa por uma fase em
!ue ocorre o !ue denomina ei7o !uantitati3o da escrita- A crian"a, de um modo
geral, e7ige um m$nimo de tr6s letras para o escrito ser uma pala3ra- As pala3ras
como pé, sol, rua, lar e outras, segundo ela n#o poder#o ser lidas por!ue tem
poucas letras- '#o re2eitadas, em fun"#o do critério interno de !uantidade- 1 adulto
!ue, normalmente, l6 artigos, preposi"8es, con2un"8es e outros, 2amais suspeitariam
desse critério !ue a crian"a utili0a- Da$ a 6nfase de Em$lia ;erreiro no sentido de !ue
o processo de alfabeti0a"#o tem !ue ser 3isto do ponto de 3ista de !uem aprende
@alunoB e n#o da!uele !ue ensina @professorB-
'egundo as autoras, a crian"a pode 3ir a passar por momentos onde afirmam !ue
para !ue se possa ler ou escre3er uma pala3ra, tornase necess4rio, também,
3ariedade de caracteres gr4ficos- As pala3ras !ue possuem letras iguais s#o
também re2eitadas- A crian"a acredita !ue %n#o ser3em para ler%- De acordo com
este critério de 3ariedade, para possibilitar a leitura, é preciso /a3er letras 3ariadas
nas pala3ras-
1utro ponto a ressaltar, é !ue numa determinada fase, a crian"a n#o separa letras
de n?meros- )ostuma, =s 3e0es, escre3er colocando numerais 2unto =s letras, 24 !ue
ambos en3ol3em lin/as retas e cur3as- A caracter$stica obser3ada é !ue a crian"a
acredita !ue os nomes das pessoas, animais ou ob2etos de3em ter nomes grandes-
*or conseguinte, as coisas pe!uenas ter#o nomes pe!uenos- > o !ue c/amamos de
realismo nominal l:gico-
*osteriormente as formas gr4ficas ad!uirem maior pro7imidade com as letras
con3encionais- As crian"as interagem com outros sistemas notacionais, como por
e7emplo, os n?meros fa0endo distin"#o entre os s$mbolos @letrasB !ue s#o usadas
na escrita de outras formas de produ"#o @desen/os, n?meros, placas e outrosB-
Lo n$3el sil4bico, a crian"a come"a a escre3er como uma produ"#o controlada pela
segmenta"#o sil4bica da pala3ra- A escrita neste n$3el constitui um grande a3an"o e
se tradu0 num dos mais importantes e es!uemas constru$dos pela crian"a, durante o
seu desen3ol3imento- *ela primeira 3e0, ela trabal/a com a /ip:tese de !ue a
escrita representada partes sonoras da fala, porém uma particularidade: cada letra
3ale por uma s$laba- Assim, utili0a tantas letras !uanto forem as s$labas das
pala3ras- Ao trabal/ar a escrita sil4bica, as e7ig6ncias de 3ariedade e de !uantidade
m$nima de caracteres !ue aparecem na escrita présil4bica, podem desaparecer
momentaneamente-
+as se a crian"a 24 ti3er internali0ado a /ip:tese sil4bica, a e7ig6ncia na 3ariedade
de caracteres reaparece, pois a crian"a n#o aceita !ue uma pala3ra poder4 ser lida
com todas as letras iguais, e o problema se agra3a !uando a pala3ra a ser escrita
se2a um monoss$labo- A crian"a n#o aceita !ue uma pala3ra com menos de tr6s de
letras possa ser lida, e ent#o na tentati3a de !ue se possa ler o !ue ela escre3eu,
acrescentase letras ao final da pala3ra- E a partir disso, surge um conflito cogniti3o
por causa da e7ig6ncia de !uantidade m$nima de caracteres e a crian"a tenta buscar
outra solu"#o para o seu %problema%-
Lo n$3el 'il4bico Alfabético, a passagem da /ip:tese sil4bica para a alfabética é um
passo de e7trema import.ncia na e3olu"#o da leitura e da escrita- De acordo com
;erreiro e ReberosST @1999B a crian"a abandona a /ip:tese sil4bica e descobre a
necessidade de fa0er uma an4lise, !ue 34 %mais além% da s$laba, pelo conflito entre
a /ip:tese sil4bica e a e7ig6ncia m$nima de caracteres e o conflito entre a 3ariedade
interna das letras-
A crian"a percebe a insufici6ncia de sua /ip:tese ao associar uma letra para cada
s$laba e passa a perceber a s$laba constitu$da com mais de uma letra- *odese
e7plicar a passagem do n$3el sil4bico para o sil4bicoalfabético, !uando a pr:pria
crian"a n#o consegue ler o !ue escre3eu, pois faltam elementos para !ue se fa"a a
leitura, e !uando os adultos n#o conseguem ler o !ue a crian"a escre3eu- 1utro
fator !ue também e7plica essa passagem é impossibilidade de ler o !ue as pessoas
alfabéticas escre3em, pois as crian"as ac/am !ue sempre est4 sobrando letras e
ent#o ela entra em conflito, pois sabem !ue nos li3ros e nas escritas das pessoas
alfabeti0adas, o !ue est4 escrito, est4 correto-
A fase final do processo de alfabeti0a"#o de um indi3$duo é marcada pelo L$3el
Alfabético, segundo ;erreiro e ReberosST @1999B- Lesse n$3el, podese considerar
!ue a crian"a 3enceu as barreiras do sistema de representa"#o da linguagem
escrita- Ela 24 é capa0 de fa0er uma an4lise sonora dos fonemas das pala3ras !ue
escre3e- (sso, porém n#o significa !ue todas as dificuldades foram 3encidas- A partir
da$, surgir#o os problemas relati3os = ortografia- Entretanto, tratase de outro tipo de
dificuldade !ue n#o corresponde ao sistema de escrita !ue ela 24 3enceu-
De acordo com a pes!uisa reali0ada por ;erreiro e ReberosST @1999B, constatouse
!ue a apropria"#o do sistema de escrita passa pela reconstru"#o deste ob2eto de
con/ecimento, onde o su2eito cria os elementos e as rela"8es !ue comp8em este
sistema de representa"#o- Lesta reconstru"#o, o sistema alfabético de escrita é
uma das representa"8es da linguagem e n#o uma representa"#o gr4fica dos sons
da fala-
".Pr#ticas na educação
Lo !ue di0 respeito ao trabal/o desen3ol3ido nas escolas em rela"#o ao desen/o,
principalmente nas séries iniciais do ensino fundamental, é certo descaso com a
disciplina !ue mais trabal/a esse conte?do a Artes como parte integrante do
curr$culo e da forma"#o das crian"as- 1s professores, em sua maioria, acreditam
!ue o desen/o nessa fase escolar n#o é importante e por esse moti3o n#o plane2am
o trabal/o en3ol3endo a arte em sala de aula- +as o !ue foi obser3ado durante o
estudo sobre o desen/o infantil e suas contribui"8es no processo de alfabeti0a"#o, é
!ue a arte é importante n#o s: por!ue é uma forma de construir con/ecimentos, é
uma ati3idade !ue en3ol3e a intelig6ncia, o pensamento, a cogni"#o5 mas também
!ue a arte influi na constru"#o de con/ecimentos, em especial em rela"#o = escrita-
&u!uet@1969B e7emplifica como se d4 o abandono da crian"a pela ati3idade do
desen/o, conforme sua teoria, esse desinteresse é produ0ido na idade em !ue a
crian"a c/ega = concep"#o do realismo 3isual com a sua conse!U6ncia
fundamental: a perspecti3a5 os desen/os !ue e7ecuta3a anteriormente de acordo
com o realismo intelectual 24 n#o satisfa0em o seu esp$rito cr$tico desen3ol3ido, e
sentese incapa0 de fa0er desen/os como !uereria fa0er- 1 autor afirma !ue o
ensino do desen/o de3e 3isar n#o a acelerar artificialmente a e3olu"#o espont.nea
do desen/o, mas por a crian"a em estado de desen/ar con3enientemente em
realismo 3isual !uando ten/a esta inten"#o- (sso de3e ser feito mostrandol/es
ob2etos de seu !uotidiano e e7ercitando o desen/o tanto !uanto poss$3el ao
natural-
*ara este autor, a principal atitude do educador de3e ser a de %apagarse%, dei7ar a
crian"a use a sua criati3idade, fa0endo sempre com !ue estas sugest8es n#o soem
como imposi"8es dei7andoa desen/ar ao seu modo, sem inter3en"8es ou
cr$ticas- A princ$pio, para a crian"a, o desen/o n#o é um tra"ado e7ecutado para
fa0er uma imagem mas um tra"ado e7ecutado simplesmente para fa0er lin/as-
@&u!uet, 1969 pg-1ANB
Dessa forma, possibilitar =s crian"as !ue desen/em, ao contr4rio de ser perda de
tempo, é propiciarl/es representar graficamente as suas e7peri6ncias, ou se2a, é
construir representa"8es de forma e espa"o atra3és do desen/o-
1 desen/o est4 também intimamente ligado com o desen3ol3imento da escrita-
*arte atraente do uni3erso adulto, dotada de prestigio por ser %secreta%, a escrita
e7erce uma 3erdadeira fascina"#o sobre a crian"a, e isso bem antes de ela pr:pria
poder tra"ar 3erdadeiros signos- +uito cedo ela tenta imitar a escrita dos adultos-
*orém, mais tarde, !uando ingressa na escola 3erificase uma diminui"#o da
produ"#o gr4fica, 24 !ue a escrita @considerada mais importanteB passa a ser
concorrente do desen/o-
Lo entanto, cabe ao professor estudar e con/ecer as fases do desen/o infantil e
!ual a rela"#o !ue elas t6m com os n$3eis de desen3ol3imento da escrita, para !ue
assim ele possa proporcionar aos alunos aulas !ue contribu$ram tanto para o
desen3ol3imento art$stico como o desen3ol3imento do processo de a!uisi"#o da
escrita- > aconsel/43el, ao professor, !ue ofere"a =s crian"as o contato com
diferentes tipos de desen/os e obras de artes, !ue elas fa"am a leitura de suas
produ"8es e escutem a de outros e também !ue sugira a crian"a desen/ar a partir
de obser3a"8es di3ersas @cenas, ob2etos, pessoasB para !ue possamos a2ud4la a
nutrisse de informa"8es e enri!uecer o seu grafismo- Assim elas poder#o reformular
suas idéias e construir no3os con/ecimentos- Enfim, o desen/o infantil é um
uni3erso c/eio de mundos a serem e7plorados-
1 desen/o est4 também intimamente ligado com o desen3ol3imento da escrita-
*arte atraente do uni3erso adulto, dotada de prestigio por ser %secreta%, a escrita
e7erce uma 3erdadeira fascina"#o sobre a crian"a, e isso bem antes de ela pr:pria
poder tra"ar 3erdadeiros signos- +uito cedo ela tenta imitar a escrita dos adultos-
*orém, mais tarde, !uando ingressa na escola 3erificase uma diminui"#o da
produ"#o gr4fica, 24 !ue a escrita @considerada mais importanteB passa a ser
concorrente do desen/o-
)omo podemos perceber a lin/a de e3olu"#o é similar mudando com maior 6nfase o
enfo!ue em alguns aspectos- 1 importante é respeitar os ritmos de cada crian"a e
permitir !ue ela possa desen/ar li3remente, sem inter3en"#o direta, e7plorando
di3ersos materiais, suportes e situa"8es-
$onsideraç%es &inais
*artindo da pes!uisa bibliogr4fica sobre o desen/o infantil, obser3amos !ue embora
a abordagem e a nomenclatura usada 3ariem, n#o e7istem di3erg6ncias entre os
autores no !ue di0 respeito ao desen/o infantil sendo !ue este é notadamente,
composto por fases, etapas, est4gios, mo3imentos, !ual!uer !ue se2a a
nomenclatura usada para definir !ue o desen/o e3olui conforme o pr:prio
crescimento da crian"a, dentro do seu processo de desen3ol3imento como ser
/umano- 1u se2a, as garatu2as ou os rabiscos aparecem na fase sens:riomotora,
etapa da teoria do desen3ol3imento /umano desen3ol3ida pelo estudioso Kean
*iaget, onde a crian"a e7plora materiais e mo3imentos, n#o na fase préoperat:ria,
onde a crian"a come"a a construir e a representar-
1 desen/o infantil é um par.metro de an4lise importante o progresso da crian"a- 1
seu desen3ol3imento contribui a representa"#o simb:lica, para o desen3ol3imento
motor, emocional e conse!Uentemente, para a alfabeti0a"#o-
1bser3ouse na constru"#o desse artigo !ue a bibliografia sobre o assunto é restrita,
principalmente no .mbito educacional- ;oram encontrados poucos autores e estudos
sobre o assunto- A bibliografia encontrada é em sua maioria de autores da década
de N0 e 60, sendo os principais deles &u!uet e *iaget - Diante deste fato é
importante !ue no3as pes!uisas sobre o desen/o infantil se2am reali0adas com a
finalidade de subsidiar o trabal/o dos educadores, assim como ampliar as /ip:teses
sobre o assunto, a partir de no3as descobertas-
A e3olu"#o do desen/o infantil est4 diretamente relacionada a representa"#o
simb:lica !ue se manifesta por 3olta dos dois anos de idade, na fase préoperat:ria-
Assim sendo, este processo é intr$nseco ao desen3ol3imento das estruturas
cogniti3as e motoras necess4rias = alfabeti0a"#o e !ue s#o desen3ol3idas pela
intera"#o entre a crian"a e o ob2eto- '#o essas intera"8es !ue pri3ilegiam a
capacidade da crian"a representar e interpretar-
Diante disso é poss$3el di0er !ue o desen/o é precedente a escrita, mas !ue os dois
possuem uma rela"#o de interdepend6ncia, pois !uanto mais oportunidades as
crian"as ti3erem de representar e transcre3er para o papel toda a sua impress#o
sobre o mundo !ue a rodeia, seus sentimentos, emo"8es etc, mais ela estar4
preparada para se apropriar do sistema de escrita, 3isto !ue o mesmo, assim como
o desen/o, também é uma forma de representa"#o-
Educadores e pais de3em oportuni0ar =s crian"as momentos significati3os de
intera"#o, dentre as !uais as ati3idades l?dicas tem um papel fundamental- 1
desen/o, como uma ati3idade l?dica, é um dos principais e7emplos- *odemos ainda
citar o brincar, os 2ogos e as dramati0a"8es, todos contribuintes para o
desen3ol3imento da representa"#o simb:lica-
Refer'ncias (iblio)r#ficas
;ECCE(C1, Em$lia, RE9EC1'VW, Ana- Psico)'nese da *+n)ua ,scrita- Rrad-
Diana +Triam &ic/tenstein, &iana Di +arco e +4rio )orso- *orto Alegre: Artes
-.dicas /ul, 1999-
,ACDLEC,QoXard-Arte0 -ente e $er.bro: uma abordagem cogniti3a da
criati3idade- Rradu"#o: 'andra )osta- *orto Alegre:Artes -.dicas /ul, 1999-
&YIYER, ,- Q- ! desenho infantil- *orto: Editora do +in/o, 1969-
&YIYER, ,-Q- Arte Infantil- &isboa: )ompan/ia Editora do +in/o, 1969-
+ZCED(EY, ;- ! desenho infantil- '#o *aulo: )ultri7, 199N-
*(A,ER, K- A formação dos s+mbolo na criança- *Y;, 19A8
*(&&AC, Analice Dutra- Desenho 1 escrita como sistema de representação. *orto
Alegre: Artes -.dicas, 1996-
CA9E&&1, 'Tl3io- Psicolo)ia do Desenho Infantil- '#o *aulo: )ompan/ia Editora
Lacional, 19ON-
&onte2 /ttp://XXX-pedagogia-com-br/artigos/desen/onaalfabeti0acao/inde7-p/p[
pagina###BOT_TEXT###