Campanha Nacional das Escolas da Comunidade

Instituto de Ensino Superior Cenecista
Sistema de Informações
Evolução dos Computadores
Thiago de Oliveira Barreto Ellera
Unaí !"
#$%&
Introduç'o
N'o ( segredo )ue o seu computador atual ( fruto de uma evoluç'o )ue levou
d(cadas para chegar aonde est* e ainda est* muito longe de chegar ao seu
final+ Se pensarmos )ue cerca de de, anos atr*s os processadores ainda nem
conheciam os n-cleos m-ltiplos. imaginar as m*)uinas )ue inauguraram a
inform*tica ( uma tarefa ainda mais complicada+
O Ábaco
Na medida em )ue os c*lculos foram se complicando e aumentando de
tamanho. sentiu/se a necessidade de um instrumento )ue viesse em au0ílio.
surgindo assim h* cerca de #+1$$ anos o 2B3CO+ Este era formado por fios
paralelos e contas ou arruelas desli,antes )ue. de acordo com a sua posiç'o.
representava a )uantidade a ser tra4alhada+ O *4aco russo era o mais simples5
continha %$ contas. 4astando cont*/las para o4termos suas )uantidades
num(ricas+ O *4aco chin6s possuía # con7untos por fio. contendo 1 contas no
con7unto das unidades e # contas )ue representavam 1 unidades+ 3 variante do
*4aco mais conhecida ( o SO8OB3N. *4aco 7apon6s simplificado 9com 1
contas por fio. agrupadas :0%;. ainda ho7e utili,ado. sendo )ue em uso por
m'os treinadas continuam eficientes e r*pidos para tra4alhos mais simples+
Esse sistema de contas e fios rece4eu o nome de calculi pelos romanos. dando
origem < palavra c*lculo+
Primeira geração
Imagine como seria sua vida se voc6 precisasse de uma enorme sala para
conseguir arma,enar um computador+ =ogicamente isso seria impossível. pois
os primeiros computadores. como o ENI3C e o UNI>3C eram destinados
apenas a funções de c*lculos. sendo utili,ados para resoluç'o de pro4lemas
específicos+
?or )ue pro4lemas específicos@ Os computadores da primeira geraç'o n'o
contavam com uma linguagem padroni,ada de programaç'o+ Ou se7a. cada
m*)uina possuía seu prAprio cAdigo e. para novas funções. era necess*rio
reprogramar completamente o computador+ Buer mudar o pro4lema calculado@
8eprograme o ENI3C+
Esses computadores gigantescos ainda sofriam com o supera)uecimento
constante+ Isso por)ue em ve, de microprocessadores. eles utili,avam grandes
v*lvulas el(tricas. )ue permitiam amplificaç'o e troca de sinais. por meio de
pulsos+ Elas funcionavam de maneira correlata a uma placa de circuitos. sendo
)ue cada v*lvula acesa ou apagada representava uma instruç'o < m*)uina+
Com poucas horas de utili,aç'o. essas v*lvulas eram )ueimadas e
demandavam su4stituiç'o+ ?or isso. a cada ano eram trocadas cerca de %C mil
delas em cada m*)uina+ Sim. %C mil v*lvulas representavam mais do )ue o
total de componentes utili,ados por um computador ENI3C+ Como voc6 pode
perce4er. esses computadores n'o saíam 4aratos para os propriet*rios+
Transistores e a redução dos computadores
3s gigantes m*)uinas n'o estavam sendo rent*veis. pelos constantes gastos
com manutenç'o+ 3 principal necessidade era su4stituir as v*lvulas el(tricas
por uma nova tecnologia )ue permitisse um arma,enamento mais discreto e
n'o fosse t'o respons*vel pela geraç'o de calor e0cessivo. evitando
supera)uecimentos+
Doi ent'o )ue os transistores 9criados em %C:E pela empresa Bell =a4oratories;
passaram a integrar os pain(is das m*)uinas de computar+ Os componentes
eram criados a partir de materiais sAlidos conhecidos como FSilícioG+
E0atamente. os materiais utili,ados at( ho7e em placas e outros componentes.
e0traídos da areia a4undante+
E0istia uma s(rie de vantagens dos transistores em relaç'o <s v*lvulas+ ?ara
começar5 as dimensões desses componentes eram 4astante redu,idas.
tornando os computadores da segunda geraç'o cem ve,es menores do )ue os
da primeira+
3l(m disso. os novos computadores tam4(m surgiram mais econHmicos. tanto
em )uestões de consumo energ(tico. )uanto em preços de peças+
?ara os comandos desses computadores. as linguagens de m*)uina foram
su4stituídas por linguagem Assembly+ Esse tipo de programaç'o ( utili,ado at(
ho7e. mas em ve, de ser utili,ado para softIares ou sistemas operacionais. (
mais fre)uente nas f*4ricas de componentes de hardIare. por tra4alhar com
instruções mais diretas+
Em ve, das &$ toneladas do ENI3C. o IB! E$C: 9vers'o de maior sucesso
dessa segunda geraç'o de computadores; pesava apenas JC$ Kg+ E por mais
)ue pareça pouco. essa mesma m*)uina ultrapassou a marca de %$ mil
unidades vendidas+
Curiosidade5 os computadores dessa segunda geraç'o foram inicialmente
desenvolvidos para serem utili,ados como mecanismos de controle em usinas
nucleares+ Um modelo similar pode ser visto no desenho FOs SimpsonsG. mais
especificamente no posto de tra4alho de Lomer. t(cnico de segurança na
Usina Nuclear+
Miniaturização e circuitos integrados
O emprego de materiais de silício. com condutividade el(trica maior )ue a de
um isolante. mas menor )ue a de um condutor. foi chamado de semicondutor+
Esse novo componente garantiu aumentos significativos na velocidade e
efici6ncia dos computadores. permitindo )ue mais tarefas fossem
desempenhadas em períodos de tempo mais curtos+
Com a terceira geraç'o dos computadores. surgiram tam4(m os teclados para
digitaç'o de comandos+ !onitores tam4(m permitiam a visuali,aç'o de
sistemas operacionais muito primitivos. ainda completamente distantes dos
sistemas gr*ficos )ue conhecemos e utili,amos atualmente+
3pesar das facilidades tra,idas pelos semicondutores. os computadores dessa
geraç'o n'o foram redu,idos. sendo )ue um dos modelos de mais sucesso 9o
IB! &M$. )ue vendeu mais de &$ mil unidades; chegava a pesar mais do )ue
os antecessores+ Nessa (poca 9final da d(cada de %CE$ e início da d(cada de
%CJ$; os computadores passaram a ser mais acessíveis+
Outro grande avanço da terceira geraç'o foi a adiç'o da capacidade de
upgrade nas m*)uinas+ 3s empresas poderiam comprar computadores com
determinadas configurações e aumentar as suas capacidades de acordo com a
necessidade. pagando relativamente pouco por essas facilidades+
Microprocessadores:
O início dos computadores pessoais
Enfim chegamos aos computadores )ue grande parte dos usu*rios utili,a at(
ho7e+ Os computadores da )uarta geraç'o foram os primeiros a serem
chamados de FmicrocomputadoresG ou FmicrosG+ Esse nome se deve ao fato de
eles pesarem menos de #$ Ng. o )ue torna o arma,enamento deles muito
facilitado+
>oc6 consegue imaginar )ual o componente )ue tornou possível essa reduç'o
das m*)uinas@ 3certou )uem disse )ue foram os microprocessadores+ O
surgimento dos pe)uenos chips de controle e processamento tornou a
inform*tica muito mais acessível. al(m de oferecer uma enorme gama de
novas possi4ilidades para os usu*rios+
Em %CE%. 7* eram criados processadores com esse novo formato. mas apenas
na metade da d(cada começaram a surgir comercialmente os primeiros
computadores pessoais+ Os 3ltair JJ$ podiam ser comprados como um Nit de
montar. vendidos por revistas especiali,adas nos Estados Unidos+ Doi com
4ase nessa m*)uina )ue Bill "ates e ?aul 3llen criaram o FBasicG e
inauguraram a dinastia !icrosoft+
Na mesma (poca. os dois Steves da 3pple 9Oo4s e Po,niac; criaram
a empresa da !aç' para se dedicarem a pro7etos de computaç'o pessoal
facilitados para usu*rios leigos+ 3ssim surgiu o 3pple I. pro7eto )ue foi
primeiramente apresentado para a L?+ Ele foi sucedido pelo 3pple II. apAs uma
in7eç'o de #1$ mil dAlares pela Intel+
Essa segunda vers'o dos computadores possuía uma vers'o modificada do
sistema B3SIC. criada tam4(m pela !icrosoft+ O grande avanço apresentado
pelo sistema era a utili,aç'o de interface gr*fica para alguns softIares+
Tam4(m era possível utili,ar processadores de te0to. planilhas eletrHnicas e
4ancos de dados+
Essa mesma 3pple foi respons*vel pela inauguraç'o dos mouses na
computaç'o pessoal. 7untamente com os sistemas operacionais gr*ficos. como
o !acintosh+ ?ouco depois a !icrosoft lançou a primeira vers'o do PindoIs.
4astante parecida com o sistema da rival+
3t( a terceira geraç'o dos computadores. o tempo de resposta das m*)uinas
era medido em ciclos+ Ou se7a. media/se um n-mero de ações em curtos
períodos de tempo para )ue fosse possível sa4er )ual fraç'o de segundo era
utili,ada para elas+ Com os microprocessadores. 7* n'o era vi*vel medir as
capacidades dessa forma+
?or isso surgiram as medidas por clocNs+ Esta definiç'o calcula o n-mero de
ciclos de processamento )ue podem ser reali,ados em apenas um segundo+
?or e0emplo5 % !L, significa )ue em apenas um segundo ( possível )ue o
chip reali,e % milh'o de ciclos+
"rande parte dos computadores pessoais lançados nessa (poca eram
alimentados por processadores da empresa Intel+ 3 mesma Intel )ue ho7e
possui alguns dos chips mais potentes. como o Intel Core iE 9so4re o )ual
falaremos mais. em 4reve;+ Como voc6 pode sa4er. estas m*)uinas s'o muito
leves e puderam ser levadas a um novo patamar+
Considerando o progresso da inform*tica como sendo inversamente
proporcional ao tamanho ocupado pelos componentes. n'o seria estranho )ue
logo os computadores transformassem/se em peças port*teis+
Os note4ooNs surgiram como o47etos de lu0o 9assim como foram os
computadores at( pouco mais de de, anos;. sendo caros e de pouca
a4rang6ncia comercial+
3l(m dos note4ooNs. temos tam4(m os net4ooNs disponíveis no mercado+
Estes funcionam de maneira similar aos outros. mas geralmente possuem
dimensões e configurações menos atraentes+ "anham pontos pela e0trema
porta4ilidade e duraç'o das 4aterias utili,adas. sendo certamente um degrau a
mais na evoluç'o dos computadores+
Lo7e. o preço para se poder levar os documentos. ar)uivos e programas para
todos os lugares n'o ( muito superior ao co4rado por desNtops+ !esmo assim.
o mercado ainda est* longe de atingir o seu *pice+ Buem sa4e )ual ser* o
prA0imo passo da ind-stria@
3inda estamos em transiç'o de uma fase em )ue os processadores tentavam
alcançar clocNs cada ve, mais altos para uma fase em )ue o )ue importa
mesmo ( como podem ser melhor aproveitados esses clocNs+ Qei0ou de ser
necess*rio atingir velocidades de processamento superiores aos # "L,. mas
passou a ser o4rigatArio )ue cada chip possua mais de um n-cleo com essas
fre)u6ncias+
Chegaram ao mercado os processadores )ue simulavam a e0ist6ncia de dois
n-cleos de processamento. depois os )ue realmente apresentavam dois deles+
Lo7e. h* processadores )ue apresentam )uatro n-cleos. e outros. utili,ados
por servidores. )ue 7* oferecem oito+ Com tanta pot6ncia e0ecutando tarefas
simultRneas. surgiu uma nova necessidade+
Sa4e/se )ue. )uanto mais tarefas sendo e0ecutadas por um computador. mais
energia el(trica se7a consumida+ ?ara com4ater essa m*0ima. as empresas
fa4ricantes de chips passaram a pes)uisar formas de redu,ir o consumo. sem
diminuir as capacidades de seus componentes+ Doi ent'o )ue nasceu o
conceito de F?rocessamento >erdeG+
?or e0emplo5 os processadores Intel Core SandS Bridge s'o fa4ricados com a
microar)uitetura redu,ida. fa,endo com )ue os clocNs se7am mais curtos e
menos energia el(trica se7a gasta+ 3o mesmo tempo. esses processos s'o
mais efica,es+ =ogo. a reali,aç'o de tarefas com esse tipo de componente (
4oa para o usu*rio e tam4(m para o meio am4iente+
Outro elemento envolvido nessas conceituações ( o processo de montagem+
3s fa4ricantes 4uscam. incessantemente. formas de redu,ir o impacto
am4iental de suas ind-strias+ Os note4ooNs. por e0emplo. est'o sendo criados
com telas de =EQ. muito menos nocivos < nature,a do )ue =CQs comuns+
Conclusão
Os computadores evoluem em uma velocidade muito grande e com isso a
velocidade de mudanças ( enorme. em muito pouco tempo a tecnologia (
aprimorada e passa a funcionar de uma nova maneira totalmente diferente e
com isso ( preciso de novos profissionais especiali,ados nessas novas *reas
para manter o padr'o de evoluç'o e de renovaç'o das tecnologias+