GPS

Romulo Gomes M. Braga
1

1
Ciências da computação – Universidade Estadual Vale do Acaraú

romulogomes93@gmail.com
Abstract. This article gives a brief literature survey on the global positioning
system (GPS), after this survey is a comparative between the references which
are in various research sources, such as articles, websites, e-books.
Resumo. Este artigo faz um breve levantamento bibliográfico sobre o sistema
de posicionamento global (GPS), após esse levantamento faz-se um
comparativo entre as referencias que estão em diversas fontes de pesquisa,
como artigos, sites, e-books.

1. Introdução
O sistema de posicionamento global (GPS) é um sistema de navegação por satélite que
fornece a um aparelho receptor móvel a sua posição, assim como informação horária,
sobre diversas condições atmosféricas, a qualquer momento e em qualquer lugar na
Terra, desde que o receptor se encontre no campo de visão de quatro satélites GPS.
Encontra-se em funcionamento dois sistemas de navegação por satélite: o GPS
americano e o GLONASS russo. Existem também dois outros sistemas em
implementação: o Galileo da União Europeia e o Compass chinês. O sistema americano
é detido pelo Governo dos Estados Unidos e operado através do Departamento de
Defesa dos Estados Unidos. Inicialmente o seu uso era exclusivamente militar, estando
atualmente disponível para uso civil gratuito. No entanto, poucas garantias apontam
para que em tempo de guerra o uso civil seja mantido, o que resultaria num sério risco
para a navegação.

Figura 1. Logomarca do projeto inicial

2. Histórico
A história do sistema GPS se iniciou em 1957, ano em que a União Soviética lançou o
primeiro satélite artificial da história, fato que deu início aos primeiros estudos sobre o
uso de satélites na localização de pontos sobre a superfície terrestre. Contudo, foram os
americanos que, de fato, criaram o sistema. A base dessa criação foi
o projeto NAVSTAR, desenvolvido em 1960 pelo Departamento de Defesa dos Estados
Unidos. O sistema oferecia diversas informações sobre qualquer parte do planeta, como
localização e clima, por exemplo, a qualquer hora do dia, algo que era de grande
importância para o uso militar. Após vários ajustes e correções, o projeto NAVSTAR se
tornou totalmente operacional em 1995. O GPS foi um verdadeiro sucesso, fato que fez
com que os Estados Unidos tenham disponibilizado as informações, antes somente de
uso militar, para o uso civil e gratuito (História de Tudo, 2013).

3. Descrição Técnica
O GPS (Sistema de Posicionamento Global) é formado por três segmentos: o espacial,
de controle e utilizador. O espacial é composto por 24 satélites distribuídos em seis
planos orbitais. O segmento de controle é responsável pelo monitoramento das órbitas
dos satélites. Por fim, o segmento do utilizador é o receptor GPS, responsável pela
captação dos sinais fornecidos pelos satélites.

Figura 2. Satélite GPS

Esse sistema de navegação permite, através de satélites artificiais, a obtenção de
informações sobre a localização geográfica em qualquer lugar da superfície terrestre e
em qualquer hora do dia. A localização geográfica ocorre em razão da emissão de rádio
dos satélites, que são captadas por receptores GPS na Terra, onde são decodificadas as
informações e fornecidos a latitude, longitude e altitude. Na história da humanidade
sempre foram utilizadas técnicas de localização, muitas delas através de fatores naturais

como estrelas, sol, vento, formações rochosas, entre outras. No entanto, o Sistema de
Posicionamento Global apresenta extrema eficácia na obtenção de informações
referentes à localização e orientação geográfica. Proporciona a posição geográfica em
qualquer ponto do planeta, pode ser usado em qualquer condição climática e garante um
alto índice de acertos(Francisco, 2014).

4. Funcionamento
O GPS está baseado no conceito de medida de distâncias entre uma fonte transmissora e
uma fonte receptora de rádio-sinais. Três distâncias medidas e o conhecimento da
posição absoluta das três fontes transmissoras (fixos) permitem determinar a posição
absoluta da fonte receptora a partir do processo de triangulação. As distâncias são
computadas a partir do tempo de propagação das ondas eletromagnéticas no meio e a
velocidade de propagação da onda no meio. O efeito Doppler (desvio da freqüência da
portadora devido ao deslocamento relativo entre a fonte transmissora - satélite e a fonte
receptora - antena do receptor do usuário), e efeitos interferométricos (defasagem da
portadora devido à diferença de localização entre duas antenas, de um mesmo receptor
ou não) são também utilizados para auxiliar os cálculos de posição e velocidade do
usuário. Note que, em ambos os casos, apenas o sinal da portadora é utilizado.
A distância relativa entre a antena do usuário e a antena do i-ésimo satélite, Pseudo-
Range (Pri), é calculada pelo usuário a partir da medida dos intervalos de tempo Dti que
as ondas eletromagnéticas levam para percorrer a distância entre o satélite e o usuário (o
satélite transmite na mensagem GPS o instante de transmissão do sinal e o receptor do
usuário possui um relógio - que deve estar - sincronizado com o relógio do satélite), e a
velocidade c de propagação da onda no meio.

Figura 3. Trilateração


O princípio básico para cálculo de posição através do sistema GPS é o método da
triangulação: determinar a posição do usuário, coordenadas (X, Y, Z)u num sistema de
coordenadas de referência, a partir do conhecimento da posição relativa entre o usuário e
três pontos de referência (distâncias Di i=1, 2, 3 e os respectivos cosenos diretores), e as
posições dos três pontos de referência (X, Y, Z)si i=1, 2, 3 em relação ao sistema de
referência absoluto. Os pontos de referência podem estar fixos ou em movimento, mas é
necessário conhecer suas posições absolutas e relativas simultaneamente para se obter
cálculos de posição precisos.
A equação que relaciona as coordenadas do usuário, as distâncias entre o usuário e os
pontos de referência, e as coordenadas dos pontos de referência, é dada por:
Di² - (Xu - Xsi)² + (Yu - Ysi)² + (Zu - Zsi)² i=1, 2, 3
Agrupando as três equações, referentes às três medidas de distâncias a cada ponto de
referência, tem-se um sistema de três equações a três incógnitas. As incógnitas do
problema são as três coordenadas de posição do usuário (X, Y, Z)u, as medidas são as
distâncias Di, e os dados são as coordenadas (X, Y, Z)si dos pontos de referência. Note
que o sistema é não linear (Tateoki, 2010).


Figura 4. Funcionamento GPS

Os receptores dos sinais GPS funcionam através do Spread-Spectrum (Espectro
Espalhado ou Espalhamento do Espectro), que consiste em espalhar o espectro do sinal
transmitido e "re-compactar" o espectro no receptor, aumentando com isso a relação
sinal/ruído (S/R) na recepção e a imunidade a interferências espúrias (intencionais ou
não). A antena deve ter características omni- direcionais para poder captar qualquer
satélite em qualquer região acima do horizonte (na prática a FAA recomenda a
utilização de satélites acima de 7,5 graus acima do horizonte apenas) e ser isotrópica
para ter igual ganho em todas as direções. Antenas helicoidais(cônicas ou cilíndricas) e
antenas do tipo micro-strip são largamente utilizadas. A primeira etapa de RF consiste

num pré-amplificador com alta relação S/R e filtros para eliminar sinais com
freqüências próximas dos sinais L1 e L2 . Após esta etapa os sinais L1 e L2 são
convertidos para freqüências intermediárias menores. Os loops de código e da portadora
recuperam os sinais digitais codificados e os efeitos Doppler na portadora,
respectivamente. O loop de código utiliza a técnica de correlação para sincronizar os
sinais codificados (C/A ou P). Os dados digitais (da mensagem GPS) são recuperados
após o loop de código (Tateoki, 2010).

4. Comparativo
Em (Monico, 2000) tem-se uma abordagem completa sobre todo o funcionamento do
GPS, falando desde seu principio histórico, passando por cada segmento, sistemas de
referências, modelos matemáticos, processamento de dados e técnicas de
posicionamento e também faz um levantamento do futuro do posicionamento por
satélites fazendo uma comparação com outros sistemas de posicionamentos, ele explica
detalhadamente todo o processo que está acoplado ao GPS, já o artigo da UNESP(2010)
foca-se apenas na explicação superficial do funcionamento, indo a fundo somente
quanto ao processo de trilateração, explicando o porque da necessidade dos três
satélites, mostrando as falhas presentes quando se usa apenas um ou dois satélites, o
(Tateoki, 2010) explica o funcionamento a partir dos princípios para o calculo da
posição, detém-se na parte física e matemática do GPS. (Franscico, 2014) resume
brevemente e de forma mais didática possível, e por ultimo o (Historia de Tudo, 2013)
mostra a sua história desde a primeira ideia sobre o assunto.

Tabela 1. Comparativo entre referências bibliográficas
História Funcionamento Detalhado Futuro
Francisco(2014) X X
História de
Tudo(2013)
X X
Monico(2000) X X X X
Tateoki(2010) X X
Unesp(2010) X X

5. Referências
Franscico, Wagner de Cerqueira e. (2014). “GPS – Sistema de Posicionamento Global”,
http://www.brasilescola.com/geografia/gpssistema-posicionamento-global.htm,
Agosto.
História de Tudo. (2013) “A História do GPS”,
http://www.historiadetudo.com/gps.html, Agosto.


Monico, João F. Galera. (2000). “Posicionamento pelo NAVSTAR-GPS: Descrição,
Fundamentos e aplicações”, http://books.google.com.br/books?hl=pt-
BR&lr=lang_pt&id=n3q4ypMODpEC&oi=fnd&pg=PA13&dq=GPS&ots=6WKmEb
PxKJ&sig=9BnX45BKN5uczoi5n_dCSbPpodc#v=onepage&q&f=false, Agosto.
Tateoki, Gétulio Teruo. (2010). “Princípios Básico de Funcionamento do GPS”,
http://www.getulio.eng.br/meusalunos/comespaciais/BasicoGPS.pdf, Agosto.
Unesp. (2010) “Princípios de funcionamento do GPS”,
http://www2.sorocaba.unesp.br/professor/malu/Antigo/gps.PDF, Agosto.