FATEC MOCOCA

TECNOLOGIA PARA BANCO DE DADOS E REDES




A INFORMÁTICA E SEUS IMPACTOS E
SOLUÇÕES PARA OS PROBLEMAS
CAUSADOS AO MEIO AMBIENTE





Discente: Daniele Cremasco Parussulo
Orientador: Prof. Moacir de Góes

Área: Meio Ambiente e Tecnologia.





Mococa – SP
2º Semestre / 2011
Resumo
O artigo apresentará os impactos ao meio ambiente causadas pelo avanço da
tecnologia, a informática em especial, e possíveis soluções para estes problemas. O
artigo também classifica os tipos de tecnologias nocivas e favoráveis ao ambiente
utilizando as melhores técnicas.
Palavras Chave: tecnologia, meio ambiente, informática, impactos, soluções.

Summary
This article presents the environmental impacts caused by the advance of
technology, particularly computers, and possible solutions to these problems. The
article also classifies the types of harmful technologies and environmentally friendly
using the best techniques.
Keywords: technology, environment, informatics, impacts, solutions.

Introdução
A informática sempre foi vista como uma ferramenta que ajuda na vida dos
seres humanos. Desde sua invenção trouxe grandes avanços como agilidade com o
armazenamento e processamento de informações, aperfeiçoar os processos das
empresas e até mesmo viabilizar novas estratégias empresariais.
Contudo, a tecnologia da informática mostra também seu lado agressivo
quando falamos do descarte do material tecnológico, já que na composição destes é
encontrada uma alta taxa de metais pesados e tóxicos ao meio ambiente. Sem falar
também no exacerbado consumo de energia pelos dispositivos da informática, que
vem agravando ainda mais o quadro de desperdício de energia elétrica no mundo.
E como todo tipo de lixo, temos atualmente um grande problema de descarte em
locais indevidos, onde o meio ambiente é prejudicado, ainda mais por materiais
eletrônicos e informáticos.

Amenizando os problemas ao meio ambiente
Uma forma de se amenizar os efeitos destrutivos dos computadores sobre o
meio ambiente é elevando a expectativa de vida dessas máquinas. Embora os
computadores consumam pouca energia enquanto estão funcionando, sua pequena
durabilidade e a grande quantidade de energia necessária para construí-los fazem
dessas máquinas campeãs de consumo entre todos os aparelhos domésticos. Eric
Williams, co-editor do livro, segundo Wired News (www.wired.com), afirma que os
computadores são um sério risco para o ambiente, devido ao grande volume de
energia e recursos materiais necessários à sua produção e às montanhas de lixo
tóxico que formam ao serem descartados. E quanto mais sofisticados os
componentes, mais elevados são os requisitos de pureza dos materiais para a
fabricação, que resulta em gastos ainda maiores. Para se fazer um chip de memória
que pesa dois gramas, é preciso usar 1,3 Kg de combustível fóssil e matéria prima.

A reciclagem de computadores não resolve o problema, pois normalmente
só se recupera os metais. Os componentes hi-tech e as peças plásticas, que são os
que mais consomem energia na fabricação, são perdidos. Revender ou fazer
upgrade em computadores usados oferece de cinco a 20 vezes mais economia de
energia do que reciclar. Portanto para reduzir esse impacto ambiental a melhor
maneira é mesmo estender a vida útil dos computadores.

O Wired News afirma que

Os computadores estão se tornando cada vez menos reutilizáveis, não só
pela incompatibilidade entre componentes, mas também pela necessidade
de especialização técnica e uma série de questões relacionadas ao
licenciamento de software. Está se tornando mais barato e mais fácil
comprar uma máquina nova. A Agência de Proteção Ambiental do governo
norte-americano está desenvolvendo uma espécie de “selo verde” para
computadores fabricados com materiais e processos menos tóxicos,
contudo os fabricantes resistem aos requisitos para atender a ampliação da
vida útil dos computadores. (Disponível em: <www.wired.com>)

A Dell é uma empresa que vem recondicionando e revendendo
computadores de seus mercados empresariais, em troca de uma pequena taxa, a
Dell recolhe máquinas velhas para reciclagem. A União Européia vai exigir a
reciclagem de todos os computadores a partir de 2005, mas muito ainda precisa ser
feito para aumentar a sustentabilidade da informática. A transferência de licenças de
software poderia facilitar esse processo, assim como a mudança nas leis de
tributação poderia permitir uma maior flexibilidade na dedução dos gastos com
computação, recompensando aqueles que comprarem computadores usados.
O que nós usuários podemos fazer para diminuir o impacto ambiental,
diminuindo o fardo da informática sobre a natureza é usar as máquinas pelo maior
tempo possível, doá-las ou vendê-las, comprar máquinas usadas. E ainda: desligar
os computadores à noite e assegurar que os modos de espera estão funcionando.
No contexto de classificar os tipos de tecnologia quanto ao meio ambiente,
cabe destacara proposta de tipologias ambientais desenvolvida por Kuehr (2007). O
autor empreendeu uma tipologia vinda, principalmente, de sua percepção e
experiência sobre o tema. Sua proposta é de que o conjunto das tecnologias
ambientais pode ser dividido em quatro categorias:
- tecnologia de mensuração ambiental — envolve ferramentas,
instrumentos, equipamentos e sistemas de gestão da informação para mensuração
e controle ambientais. Uma categoria desse tipo possui como objetivo fornecer uma
gama confiável de opções para a tomada de decisões sobre a qualidade do meio
ambiente; outra categoria objetiva fornecer à humanidade informações úteis na
busca por alternativas ambientais, como, por exemplo, a falta de água e
aquecimento global. A tecnologia de mensuração ambiental contrasta com suas
congêneres por não focar necessariamente na redução dos impactos produzidos
pela humanidade sobre o ambiente natural, mas sim por subsidiar o entendimento
de como o meio ambiente vem se alterando e quais são as melhores alternativas
para minimizar os impactos dessas alterações sobre a perspectiva de qualidade de
vida da população;
-tecnologias de controle da poluição — engloba o conjunto de processos
e materiais que foram desenvolvidos para neutralizar os impactos gerados durante o
ciclo produtivo, sem, necessariamente, implicar modificações nos processos
originais. Em outras palavras, tais tecnologias apoiam o controle da poluição gerada
em um determinado processo, sem alterá-lo completamente. Se por um lado tais
tecnologias podem controlar a poluição; por outro podem gerar outros tipos de
impactos ambientais, como, por exemplo, aumento no consumo de energias;
- tecnologias mais limpas ou de prevenção da poluição — diz respeito às
modificações a serem feitas para minimizar ou até mesmo eliminar qualquer efeito
prejudicial que um processo pode gerar no meio ambiente. Diferem-se das
tecnologias de controle da poluição por promoverem uma perspectiva holística de
como podem ser reduzidos os impactos ambientais de um processo ou produto;
- tecnologias ambientais de impacto nulo — tecnologias que, de fato, não
geram impacto algum durante seu processo de desenvolvimento e utilização. Dentro
de uma perspectiva pontual, essas tecnologias podem ser observadas no campo da
biotecnologia, mas no contexto de um ciclo produtivo completo, sua existência é
considerada utópica.

Considerações Finais
A sociedade deve se conscientizar dos riscos gerados pelo mau descarte
dos equipamentos de informática e buscar soluções sensatas para o problema.
Atualmente, existem milhares de empresas que dão um destino correto aos
materiais eletrônicos, seja reaproveitando-os ou tratando sua composição para que
não agrida o meio em que vivemos.
São evidentes as vantagens que o uso da Informática tem no nosso dia a
dia, porém não devemos somente enxergar seu lado benéfico. Também é
necessário avaliarmos os impactos gerados por ela, tanto na sua fabricação quanto
no seu descarte, e tomarmos medidas para solucionar estas questões visando à
preservação do meio ambiente para as próximas gerações.

Referências Bibliográficas

Wired News: Quanto custa (de verdade) um PC. Disponível em:
<http://br.wired.com/wired/tecnologia/0,1155,14765,00.html> Acesso em: 5 de
dezembro de 2011.
KUEHR, R. Environmental technologies: from a misleading interpretations to
an operational categorization and definition. Journal of Cleaner Production, 2007.
FERREIRA, Juliana Martins de Bessa; FERREIRA, Antônio Claudio. Revista de
Ciências Exatas e Tecnologia. A sociedade da informação e o desafio da
sucata eletrônica. São Paulo, v. 3, n. 3, ano 2008.