17

Prensa manual de madeira
para fenação - IV
ISSN
Outubro, 2003
Aracaju, SE
1678 - 1937
O Brasil como país tropical oferece excelentes
condições para a exploração de ruminantes, já
que apresenta clima propício para a produção
de forragens de boa qualidade, o que deve ser a
base da alimentação dos animais poligástricos.
Porém em determinadas regiões áridas e semi
áridas, como ocorre no Nordeste brasileiro, as
condições adversas do meio ambiente para a
produção animal, como a falta de chuva por
exemplo, leva o descrédito ao produtor rural e
muitas vezes, culmina em grande parte com a
inviabilidade econômica da exploração animal e
consequentemente com o extermínio da cultura,
assim levando o homem do campo ao êxodo
rural, onde se conclui que independente de
qualquer vontade, existem secas todos os anos
sem exceção, nestas regiões, o que dificulta a
pecuária sem um planejamento estratégico.
Desta forma torna-se necessário uma
programação para armazenar forragens para
uso na época seca. Devido a isto, o criador não
deve desprezar os resíduos agropecuários e
outros alimentos volumosos como o excedente
1
Pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros/UEP de Rio Largo. Caixa Postal 2013, Maceió/AL. E-mail:
onaldo@cpatc.embrapa.br
1
Onaldo Souza
de pasto em épocas da chuva.
Pensando assim, uma prensa manual de
madeira foi idealizada, desenvolvida e cada vez
mais aprimorada para dar suporte a esta idéia,
com o objetivo de minimizar os graves
problemas dos pecuaristas e sempre atendendo
aos anseios dos produtores, quanto a sua
fabricação, praticidade e necessidade em
campo, uma vez que a mesma pode ser
construída com a própria madeira já existente
em todas as propriedades rurais, o que sem
dúvida, onera menos ainda a sua fabricação,
aliado ao fato de ser tarefa de fácil execução.
A prensa continua com sua originalidade e sua
transformação foi apenas para substituir por
madeira, o máximo possível, as por peças
construídas em ferro.
Os fardos prensados, continuam também com
as mesmas características anteriores pesando
de 13 a 15 kg e podem ser prensados por
qualquer trabalhador dentro da propriedade e
apenas um homem pode confeccionar
Comunicado
Técnico, 17
Comitê de
Publicações
Disponível em http://www.cpatc.embrapa.br
Embrapa Tabuleiros Costeiros
Endereço: Av. Beira Mar, 3250
Fone: (79) 226 - 1300
Fax: (79) 226 - 1369
E-mail: sac@cpatc.embrapa.br
1ª edição: 2003
2
Expediente
Comitê de
Publicações
Supervisora editorial: Aparecida de Oliveira Santana
Revisão de texto: David Soares Pinto
Editoração eletrônica: Wesleane Alves Pereira
Presidente: Maria de Lourdes da Silva Leal
Secretária-Executiva: Aparecida de Oliveira Santana
Membros: Emanuel Richard de C. Donald, Ederlon R. de
Oliveira, Jefferson Luis da S. Costa, Marcondes de
Albuquerque, Denis M. dos Santos, Hélio Wilson L. de
Carvalho.
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
aproximadamante 150 fardos por dia.
Seu custo está em torno de R$ 150,00 (cento
e cinqüenta reais ) a R$ 200,00 a (duzentos
reais), caso se necessite comprar a madeira,
uma vez que é sua matéria prima. Em caso de
ser construída dentro da propriedade a mesma
se tornará barata, acessível e sem dificuldade
alguma na sua construção.
A prensa é de grande utilidade ao pequeno
produtor rural, pois minimiza os problemas
gerados pela seca, que tanto prejudica ao
mesmo em seu labor, pois o armazenamento
de alimentos volumosos é indispensável para
atravessar o período seco, pois a demanda por
alimentos para a manutenção e produtividade
do gado não pode parar.
A produção brasileira de cana-de-açúcar está
em torno de 300 milhões de toneladas (t). O
Nordeste produz aproximadamente 50 milhões
e o Estado de Alagoas, tem sua economia
baseada no setor primário, onde pode-se
Prensa manual de madeira para fenação - IV
destacar o setor canavieiro, ocupando 47%
de sua área total, produzindo mais de 23
milhões de t de cana, que gera em torno de
30% desse total de bagaço de cana, onde
uma boa parte desse alimento volumoso pode
compor ração para os animais ruminantes.
O Brasil produz mais de 300 milhões de
toneladas de resíduos e subprodutos
agropecuários. Estes materiais lignocelulósicos
poderiam ser melhor aproveitados fossem
devidamente tratados quimicamente,
enfardados com a prensa e posteriormente
armazenados para uso na necessidade. Isto,
poderia gerar aproximadamente 15 milhões de
toneladas a mais de carcaça bovina,
minimizando desta forma a demanda por
proteína de origem animal e assim diminuindo
a fome dos grandes centros urbanos e nas
zonas rurais.
Fotos: Onaldo Souza