UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - CENTRO DE CIÊNCIAS

HUMANAS E NATURAIS – DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - EDITAL 01/2013 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO EM 2014

A DIFUSÃO DO BALÉ CLÁSSICO NA PERIFERIA DO ESTADO DO ES:
CAMINHO PARA TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU RETRATO DA VIOLÊNCIA
SIMBÓLICA?

RAFAELA GOMES BRAVO

VITÓRIA-ES
2013

2 1 TÍTULO A difusão do balé clássico na periferia do estado do ES: caminho para transformação social ou retrato da violência simbólica? 2 OBJETO DA PESQUISA E JUSTIFICATIVA O presente trabalho tem como finalidade analisar a difusão de uma modalidade de dança tipicamente da elite. reforçando a diferenciação das classes dominantes e das classes dominadas e foi canal de superação dos limites do ser humano. (SILVA. A dança. Enquanto se distraem com essas coisas. Silvana dos Santos. talvez até mesmo pelo repertório musical utilizado por essa modalidade. é uma diversão’. de um modo geral é vivenciada como algo alheio as suas realidades. 2012). e o balé clássico certamente é considerado como o símbolo maior das danças destinadas a elite. entre a vida ‘real’ e a vida no mundo das diversões.de manter uma separação entre a vida do lar e a vida exterior. bem como outras modalidades de dança antes restritas aos mais abastados. Como fenômeno social demonstrou potencial no processo de renovação. Durante o seu percurso [a dança] contribuiu para estabelecer padrões estéticos e de comportamento das diferentes classes sociais. Em seus estudos sobre as utilizações da cultura. 2009) Certa de que hoje. apud COSTA. o balé clássico. (HOGGART. 1973b. faz-se necessário analisar o impacto dessa apropriação cultural nos indivíduos que antes não a vivenciavam. Richard Hoggart identifica que as classes menos privilegiadas fazem uma separação entre ‘a vida concreta dos sujeitos’ e o ‘mundo exterior’. desde seu surgimento fora utilizada como instrumento para reforçar as diferenças entre as classes sociais. mas no fundo sabem que não são coisas ‘reais’. . da globalização e do trabalho de alguns agentes sociais. as pessoas podem identificar-se com elas. entre os moradores da periferia do Estado do Espírito Santo. a vida ‘real’ é outra coisa. de forma que a cultura. transformação e significação do ser humano e da sociedade. através da internet. chegou às periferias. ‘Distrai. O fato de tudo isto não ter ainda exercido um efeito mais deplorável sobre a vida das pessoas deve-se à capacidade que elas têm de viver em compartimentos estanques — e é este um dos pontos que sublinho no meu ensaio . o balé clássico. ‘Faz-nos pensar noutras coisas’. que tem pouco apelo nas camadas mais populares.

(CUFA. suas vidas reais. uma ONG que surgiu em 1994 com o intuito de ‘promover. culturas diversas. também ofertam uma nova realidade. oferecendo-lhe novas perspectivas. a aceitação dessas atividades. acabam por tornar as atividades culturais como o centro de seus universo. É o que se observa nos projetos sociais que utilizam as atividades artísticas e esportivas como meio de atrair a atenção de seu público alvo. tendo em vista que muitos dos indivíduos que tem acesso a esse universo paralelo. 20--) Assim como as atividades culturais produzidas pela CUFA tem o poder de alterar o rumo das vidas dos jovens que aderem ao projeto. cerca de 400 crianças e adolescentes. diariamente. como as atividades promovidas pela CUFA ou seria apenas mais uma forma encontrada. Um exemplo disto é o projeto Pequenos Talentos: O Balé ao Alcance de Todos. Assim. através de oficinas de capacitação profissional e de atividades que lhes oferecem novas perspectivas. como meio de lazer. através da violência simbólica? . como é o exemplo da CUFA (Central Única das Favelas). Apesar disto. este trabalho justifica sua importância ao questionar como o balé clássico é vivenciado nas periferias do Estado do ES. 201-) Deste modo. fortalecer e apoiar ações da sociedade civil organizada que visam o desenvolvimento de projetos de promoção humana’ e que hoje atende em seus 8 núcleos espalhados pela região metropolitana da Grande Vitória. somente no projeto voltado ao ensino do balé.3 Entretanto. entre outras atividades. típicas da nobreza de outrora. de exercerem a dominação. os projetos sociais que incentivam a prática do balé clássico nas periferias têm suas salas lotadas por jovens que se encantaram por essa arte. promovido pela ACES (Ação Comunitária do Espírito Santo). pode ser entendida como demasiadamente generalista. que aduz em seu sitio na internet que: Através de uma linguagem própria. Será essa modalidade de dança um real vetor de transformação social. que elevam a auto-estima da periferia quando levam conhecimento a ela. de origem elitista. pode não ocorrer de maneira tão natural quanto ocorrem com as atividades que já lhes são familiares. que compreende desde a mera prática eventual. a CUFA pretende ampliar suas formas e possibilidades de expressão e alcance. pelos então chamados de dominadores pelo sociólogo Pierre Bourdieu. (ACES. até oportunidades profissionais e de ascensão financeira. vai difundindo a conscientização das camadas desprivilegiadas da população com oficinas de capacitação profissional. Contudo. essa visão de Hoggart.

inicialmente. por iniciativa própria. a dança certamente não ocupa uma posição de grande destaque. que a dança é muito mais que o mero ‘mundo da diversão’. relações de trabalho. Há muita preocupação em analisar os fenômenos ligados a política. (BERTAZZO. Ivaldo Bertazzo. teatro. descobri a dança de salão como atividade que me transporta para o ‘mundo das diversões’ tão bem descrito por Hoggart. pintura e dança são meramente associadas ao lazer. se os sistemas de ensino aproveitassem o gesto como base para a educação – movimento também é linguagem. música. (SILVA. esse desprezo pelas atividades consideradas de lazer deveria ser revisto. Os autores [Nobert Elias e Eric Dunnings] mencionam que o desporto é visto com menosprezo. I. PILATTI. reavaliam seu posicionamento no convívio social. KOVALESKI. principalmente a dos de classes mais desprivilegiadas. De maneira secundária. e por isso. tem o condão de provar a mim mesma e a sociedade. Segundo o coreógrafo e terapeuta corporal. criador do “conceito de cidadãos-dançantes . pretendo com este estudo salientar que uma modalidade tão rica quanto o balé clássico. valores tão pouco disseminados na sociedade atual. já que é isto que basicamente regula a sociedade capitalista em que vivemos. 2005). que prega a disciplina. sempre lidei com assuntos maçantes em meus estudos acadêmicos e na vida profissional.bailarinos não profissionais que. 3 REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA Dos possíveis temas a serem estudados pelas ciências sociais. 20--?) . por meio da dança. e a dança desde sempre esteve presente em minha vida. adoto a hipótese de que a dança enquanto capital cultural. pode contribuir de maneira efetiva para a formação dos cidadãos. mais tarde.4 Como bacharel em Relações Internacionais e advogada. Talvez essa situação deva-se ao fato de que atividades como esportes. Quando pequena fui apresentada ao balé clássico. por desejo de minha mãe. determinação e comprometimento. pelos cientistas sociais. economia ou qualquer outro assunto que esteja diretamente ligado com a noção de dinheiro. como atividade de lazer voltada para o prazer envolvendo mais o corpo que a mente e sem nenhum valor econômico. esse trabalho. assim como os sons provocados pelo corpo. Entretanto. torna-se uma alternativa à diversos problemas sociais.

estudou o alcance dos meios de comunicação em massa entre trabalhadores da periferia da Inglaterra. Pierre Bourdieu é notadamente um dos que se dedicou a escrever sobre os mais diversos temas. Entre os traduzidos para o português. com o intuito de viabilizar tal pesquisa. mais especificamente o balé clássico. Levando-se em consideração a relevância dada a cultura por este teórico. pode gerar a violência simbólica. visando implicitamente atingir a elitista escola de pensamento cultural inglesa. tendo em vista que o posicionamento aqui adotado é de que a dança. pode ser demasiadamente positiva. Dentre os trabalhos desenvolvidos por Bourdieu que valorizam a importância da cultura de modo geral. Nobert Elias. Campo. Hoggart afirma que o valor dado à cultura pelas classes populares estaria sendo superestimado. tem real influência na vida dos agentes que com ele se envolvem. vai de encontro com as ideias disseminadas por Hoggart. Le couturier et sa griffe : contribution à une théorie de la magie (1975). (COSTA. Dominação . ou negativa. Genèse et structure du champ littéraire. ensejando enriquecimento do capital cultural e consequente queda das desigualdades entre as classes.(1992). Dentre eles ganham destaque os estudos sobre a cultura desenvolvidos por Richard Hoggart. alguns teóricos ousaram dar maior importância a assuntos aparentemente considerados de menor relevância pela comunidade acadêmica. fruto da influência das estruturas a que foram expostas no decorrer da vida. Por isso. Eric Dunnings e Pierre Bourdieu. Dos cientistas sociais de maior renome na atualidade. que pregava a segregação da alta cultura e da vida dos cidadãos comuns. Hoggart. entretanto. pode-se citar: Anatomie du gout (1976). pretende-se utilizar alguns dos conceitos desenvolvidos por Pierre Bourdieu. dando grande importância a cultura. O camponês e seu corpo (2006). Habitus. destaque para: Sobre a televisão (1997). 2012) Desta feita. tais como o de Violência Simbólica. tendo em vista a possibilidade de que o contato de pessoas de baixa renda com a cultura elitista. a análise que se pretende com este estudo realizar. Les règles de l'art.5 Apesar da restrita bibliografia que efetivamente se aprofunda no balé como objeto de estudo das ciências sociais. Vous avez dit "populaire" ? (1983). Capital Cultural. Esta influência. O Amor Pela Arte: museus de arte na europa e seu público (2003). em sua obra The Uses of Literacy (traduzido em Portugal como as utilizações da cultura).

portanto. (BOURDIEU. ao visualizar o exemplo abaixo. mas pela forte persuasão daqueles que fornecem o . Para que se esclareça como o objeto de estudo se enquadra neste marco teórico. para a legitimação da ordem estabelecida por meio do estabelecimento das distinções (hierarquias) e para a legitimação dessas distinções. 2007). Ainda de acordo com Bourdieu. minha capacidade de compreensão da língua francesa.” (LANDINI. preserva-se o status quo. mas sim. em que cita-se as constatações realizadas ao analisar a difusão da cultura por meio da literatura. No filme “A sociologia é um esporte de combate” (2001) o sociólogo francês afirma que o mundo vive em inércia. p. A ideia fica ainda mais clara. Soma-se a isso. é através da dominação simbólica. em alguma medida. não é esse o foco central. A escolha pela teoria do francês Pierre Bourdieu deu-se inicialmente. que as coisas se mantêm da maneira que estão. surgira a hipótese de que a difusão do balé na periferia nada mais é do que um instrumento dos dominantes para legitimar sua dominação. uma preocupação com a história. o que facilita a compreensão de sua teoria por notar sua aplicação nas mais diversas situações. que seguem. Em consonância com este posicionamento temos que A cultura dominante contribui para a integração real da classe dominante (assegurando uma comunicação imediata entre todos os seus membros e distinguindo-os das outras classes). Levando em consideração tal premissa. O problema é que em alguma medida “o tamanho do incremento parece haver sido decidido nem tanto pela necessidade de satisfazer apetites anteriormente insatisfeitos. Por fim. Pode-se dizer que o sociólogo francês enfatiza a sincronia e não a diacronia. ou seja. para a integração fictícia da sociedade no seu conjunto. a ideia de que este trabalho não visa realizar um robusto levantamento histórico. merece ser objeto de estudos sociológicos. insta ressaltar o posicionamento de Bourdieu sobre algumas questões. PASSIANI. pela aparente dedicação do francês a um grande número de assuntos. fator que permitirá o acesso às obras que não foram traduzidas. Posteriormente. há um grande incremento no consumo das publicações voltadas para o entretenimento e esse consumo não deve ser lastimado. partir da premissa que o balé clássico na periferia é um fenômeno atual e que como tal. 10). com a finalidade de concluir os reais impactos da difusão cultural. será realizada a subsunção desses conceitos aos dados coletados. Segundo Hoggart. proporcionada pelo balé nas periferias. “Se em Bourdieu existe.6 Simbólica. 2005. à desmobilização (falsa consciência) das classes dominadas.

o Brasil exporta bailarinos e talentos. apud GOMES. 2012) . demonstra com fatos que a cultura pode ser fator determinante para a transformação social. 1957. 201-). Entretanto. Notório que a maior parte dos autores supramencionados. logo deve consequentemente colaborar com a transformação social. com o trabalho infantil. é possível encontrar na internet alguns estudos sobre a dança. melhores condições de vida e melhor desenvolvimento humano.. é possível que o estudo acerca do tema torne-se cada vez mais recorrente.. que em coletânia sobre gestão pública municipal. sendo uma opção de prevenção do envolvimento de seus participantes com a criminalidade. (GOMES. através da arte cênica. de que a cultura pode ser vetor de transformação social é o que impulsiona o trabalho da ACES no ES.” (HOGGART. I. tratam da cultura de modo geral. o que demonstra que outros pesquisadores também já identificaram a necessidade de realizarem mais trabalhos sobre o tema. a falta de interesse acadêmico pela dança é tamanha. como o balé. 2000) Por outro lado. realizados a nível de mestrado ou doutorado. hoje. lapida a formação e a preparação de verdadeiros mestres do violão brasileiro (passando do choro ao erudito com maestria). É um projeto que visa a garantia dos direitos da criança e adolescente.] Seu município também tem cultura e exporta cultura. Neste sentido temos as constatações da Confederação Nacional dos Municípios. emprego. S. a prostituição infanto-juvenil e as drogas. I. Bourdieu (2001) também aduz no supracitado documentário que a distribuição desigual dos capitais culturais é determinante para acentuação das desigualdades sociais. Cultura pode facilmente ser transformada em geração de renda. o clube do choro. 2000) É o esforço da indústria do entretenimento por alcançar vendas cada vez maiores que dita as regras da oferta e não os interesses do público ou mesmo do sistema educacional. que o único mestrado em dança da América Latina é o da UFBA – Universidade Federal da Bahia. portanto. 2008) Esta crença. vejamos: O Projeto Pequenos Talentos concilia educação e cultura. (BRASILIA.7 entretenimento. mas não dedicam seus estudos especificamente à arte da dança ou as suas modalidades. [. (BARBOSA. Há escolas de música que ensinam violino no Serrado nordestino. (ACES. capazes de transformar a sua realidade. com todas as consequências “lamentáveis” desse processo. Hoje existem aproximadamente 20 cursos de graduação em dança no país. instituição também precursora na graduação em dança no Brasil. O conjunto de trabalho que é desenvolvido contribui para a formação de cidadãos mais conscientes. em Brasília. críticos e ativos socialmente. em Santa Catarina. só não sabe como transformar a manifestação cultural numa forma de estímulo à economia local. proporcionando conhecimentos culturais e técnicos. Por vezes. Ao analisar esta segunda premissa. Todavia. abriu a única sede mundial do balé Bolshoi e. vejamos: Joinville. eis que emerge uma segunda hipótese: A difusão do balé na periferia representa distribuição de capital cultural.

d) analisar se houve real mudança na vida profissional. A relevância social deste trabalho está justamente em enriquecer os estudos sobre o tema. nos dados coletados em pesquisa de campo a ser realizada nas periferias do Estado do ES. acadêmica e cultural dos praticantes de balé clássico da periferia. A análise desses dados levará em conta . Indentidades e Territórios Sociais — do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Espírito Santo e tem como objetivo geral verificar se a difusão do balé clássico nas periferias do Estado do ES representa uma possibilidade de transformação social ou se tem como consequência maior. cita-se incialmente a pesquisa bibliográfica. e) investigar se o sentimento que o praticante de balé tem em relação a prática da atividade. condiz com a violência simbólica descrita por Bourdieu. que conta com diversas instituições que lecionam o balé na periferia. onde o balé clássico seja praticado. em escola especializada ou em projetos sociais. o que poderá ser revisto. ainda são escassas. Quanto aos objetivos específicos pretende-se: a) traçar breve histórico do balé clássico para comprovar que se trata de uma modalidade voltada para as elites. outra técnica complementar se mostrar mais adequada.8 Abordagens sociológicas sobre esta arte. Quanto aos procedimentos a serem utilizados. enquadra-se com a linha de pesquisa 2 — Culturas. b) verificar como os moradores da periferia se apropriam dessa modalidade de dança. se no decorrer da pesquisa. 4 OBJETIVOS Este estudo. de modo a realizar a subsunção de seus conceitos. c) traçar considerações acerca dos conceitos e da teoria desenvolvidos por Pierre Bourdieu que condizem com o referido trabalho. os malefícios provenientes da violência simbólica. mas com um número inexpressivo de pesquisas sobre o impacto social do trabalho realizado por estas entidades. a teoria sociológica de Pierre Bourdieu. resultado do acréscimo de capital cultural. f) sopesar os benefícios e malefícios da prática do balé por indivíduos de baixa renda. A intenção inicial é de que as coletas de dados sejam feitas através de entrevistas semiestruturadas e de observação direta. que terá como base o referencial teórico-metodológico elegido. entretanto. 5 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Pretende-se realizar uma pesquisa exploratória com abordagem qualitativa. qual seja. particularmente no que tange a realidade do Estado do Espírito Santo.

6 CRONOGRAMA Atividades 2014 Jan .Mar Elaboração da Dissertação x Reuniões para orientação Revisão Final x Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez x x x x x x x x x x x x x x x x x Entrega da Dissertação x Defesa e Reajustes sugeridos pela Banca Examinadora x x .9 a etnometodologia.Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Levantamento bibliográfico x x x x x Estudo da Bibliografia x x x x x x Definição do Orientador x x Reuniões para orientação x x Coleta de Dados x x x x x x x x x x x x x Estudo dos Dados Coletados Elaboração do projeto de dissertação Atividades 2015 Jan . tendo em vista a importância de considerar as interações sociais para as decorrentes condutas humanas.

P.10 7 INDICAÇÃO DE POSSÍVEIS ORIENTADORES Em análise do item II do edital 01/2013. [20--] Disponível em: < http://cufa. J. Raymond Williams & E. 8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AÇÃO COMUNITÁRIA DO ESPÍRITO SANTO.oa?id=307325404005> ISSN 1679-7361 Acesso em: 30 set. 2013. 2008. 2 ISBN 978-85-99129-27-2 COSTA. verifica-se que os docentes Carlos Nazareno Ferreira Borges e Sandra Costa Martins concentram em suas respectivas áreas de interesse.gov. RJ: Bertrand Brasil.126. nº 34. CENTRAL ÚNICA DAS FAVELAS.fde. temáticas que se relacionam com o referido trabalho.redalyc. CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS – CNM .sp. Human and Social Sciences.br/_new/projetos/projeto-pequenos-talentos> Acesso em 17 out 2013 BARBOSA. UFBA possui a graduação em dança mais antiga do país. Vol.aspx? menu=21&projeto=4> Acesso em 15 de out de 2013 BOURDIEU.br/Escola%20em%20Cena/Documentos. Jul/Dez. A CUFA. Os estudos culturais em debate: um convite às obras de Richard Hoggart. O Poder Simbólico. 2005.aces-es.2013. P.Cultura: Elemento Fundamental de Transformação – Brasília: CNM.org/articulo. 2011 – Disponível em: < http://impressaodigital126. A importância da dança na formação do cidadão.br/2011/07/13/ufba-possui-a-graduacao-em-dancamais-antiga-do-pais/> Acesso em 07 de out de 2013 BERTAZZO. Tradução Fernando Tomaz (português de Portugal) – 8ª ed – Rio de Janeiro. H. . [201-] Disponível em: < http://www. S. De modo. 2012. que não é possível vislumbrar indicações mais pertinentes para possível orientação. Acta Scientiarum.br/acufa/> Acesso em 30 set. Impressão digital.com. Disponível em: <http://www. Jul.org. I.org. referente ao processo seletivo para este programa de mestrado. Thompson. Pequenos Talentos. [20--?] Disponível em: <http://culturaecurriculo.

S. The Uses of Literacy: Hoggart e a cultura como expressão dos processos sociais. SP.L. A dança: sentidos e significados. A. A. S. AM.htm> Acesso em 07 out. . PASSIANI. Realização Pierre CARLES. 17 de outubro de 2013. in X Simpósio Internacional Processo Civilizador.Buenos Aires . PILATTI. LA SOCIOLOGIE est en sport de combat . Abr. Ponta Grossa. FRANÇA 2001. in IX Simpósio Internacional Processo Civilizador: Tecnologia e Civilização. Nov.Ano 14 Nº 139 – Dez. Manaus. S.efdeportes. LANDINI. 2007. Color.T. KOVALESKI.11 GOMES. J. 2009 – Disponível em: <http://www. PR. SILVA.com/efd139/a-danca-sentidose-significados. Legendado Port. Campinas. 2000. Com Pierre Bourdieu. 2005. L. (139 min). Jogos habituais – sobre a noção de habitus em Pierre Bourdieu e Norbert Elias . in XXIII Congresso Brasileiro de Ciência da Comunicação em Manaus / Comunicação e Recepção. Produzido por C-P Productions e VF Films. Rafaela Gomes Bravo. I. 2013 Serra. in Revista Digital . NORBERT ELIAS E ERIC DUNNING: Estudos sociológicos acerca do desporto e do lazer. A Sociologia é um esporte de Combate. SILVA. E.