APOSTILA: AULA DE POLUIÇÃO SOLO E AR – MEIO AMBIENTE

-------- CAPÍTULO 1: SOLO --------
O solo é a camada superior da crosta terrestre. É um recurso natural
muito complexo que origina-se do intemperismo das rochas, ou seja, um
conjunto de fenômenos químicos e físicos (como a ação da água, da
temperatura, de microrganismos e do tempo) que levam à degradação destas
rochas.
O processo de formação do
solo é muito lento, uma camada de
2 cm de solo pode levar mais de 2
mil anos para se formar.
Sabemos que em sua
composição o solo possui:
AR: difere do ar atmosférico.
Localiza-se no labirinto de poros do solo, em locais que não estão ocupados pela
água.
ÁGUA: no solo essa água também contém sais
1
, ela é conhecida como a
“solução do solo”, ela permite a planta tanto suprir necessidades de água como
a da sua nutrição em geral.
MINERAIS: Compõem a parte inorgânica variável. Constituída por
cascalhos, seixos, pedregulhos e pedras, areia e argila.
MATÉRIA ORGÂNICA: é a porção que compete a resíduos animais e
vegetais parcialmente decompostos pelo trabalho de micro-organismos.
O solo é um recurso natural básico, constituindo um componente
fundamental dos ecossistemas e dos ciclos naturais, um reservatório de água,

1
Carece de Fonte, porém esses compostos de Sal devem provir das rochas e minerais.
um suporte essencial ao sistema agrícola, um espaço para as ações humanas e
para resíduos produzidos.
Poluição é qualquer fator que altera, deteriora o aspecto do sistema
original (mais à frente veremos sobre ações que geralmente não
consideraríamos “poluição”, daí a importância de se estabelecer um conceito
correto) provocando um desequilíbrio, efeitos negativos que originam danos ao
bem-estar, à saúde, ao ambiente, à um ecossistema e etc. Contaminação: é a
presença de seres patogênicos, que provocam doenças, ou substâncias quando
em concentração nociva. No entanto não há prejuízo na relação ecológica à
curto prazo.
No caso do solo, essa poluição em determinadas proporções causa
deterioração, perda de uma ou mais funções do mesmo. Especificamente, a
poluição do solo consiste na presença indevida de elementos químicos
estranhos necessariamente produzidos pelo homem e, em suma, prejudicam as
formas de vida e seu desenvolvimento regular.
 Poluição Agrícola: Esse tipo de poluição se caracteriza por sua possibilidade de
advir de dois fatores: erosão e utilização de tecnologias inadequadas.
∟ AGROQUÍMICOS: (Herbicidas, pesticidas, hormônios e adubos), são
uma espécie de tecnologia para a “fertilização do solo”, porém ampliar a
produção tem grande peso sobre a saúde do Meio Ambiente. Os piores
agroquímicos são os compostos de nitratos, pois por serem em geral possuem
uma capacidade grande de dissolução em água, logo, essa característica
garante o escorrimento ao interior do solo, acarretando as já citadas
consequências. Outra classe destacável são os hidrocarbonetos, que são
dificilmente biodegradados, ou seja: ficam no meio por muito tempo, podendo
com certeza, serem transferidos na cadeia alimentar. Podemos entender que ao
passo que aumenta-se a produção agrícola com agroquímicos/agrotóxicos,
diminui-se a qualidade do solo e sua resistência à chuva, sua toxicidade, sua
proteção contra pragas e há o potencial de contaminão-isolada, em grandes
proporções devido aos lençóis freáticos. Chegando no homem, podemos dizer
que os agroquímicos em gral são responsáveis por mal estar, dores de cabeça,
alergias, alterações hormonais em geral. Para evitar isso, é interessante um
melhor estudo das capacidades dos solos e maior responsabilidade por parte
dos produtores em dosar a quantidade de agrotóxicos em seus produtos, que
chegam à nós, pois causam danos à saúde. (Sabe-se que o Brasil é o maior
consumidor desse veneno no planeta inteiro, seria isso uma falta de estudo,
competência, falta de responsabilidade por falta dos produtores? Ou será que
é um problema Estatal/Governamental, pois na maioria dos estados brasileiros
os agrotóxicos não pagam impostos. Ou seja, o Estado brasileiro tem sido forte
para liberalizar o uso de agrotóxicos, mas fraco para monitorar e controlar seus
danos à saúde e ao ambiente. Enquanto isso, todos nós estamos pagando para
ser contaminados... A pergunta que não quer calar é: no momento em que a
população brasileira espera um Estado que garanta o direito constitucional à
saúde e ao ambiente, por que estamos vendo o contrário?)
∟ EROSÃO: A erosão é um problema a níveis nacionais e
internacionais, que se agrava pela atividade humana no ramo agrícola. Ela
consiste no deslocamento de terra ou de rochas na superfície, sendo que é
natural sua ocorrência, porém a ação do homem vem tornando o problema mais
abrasivo e prejudicial ao meio ambiente. As formas de ocorrência se dão pela
retirada de cobertura vegetal – que implica na instabilidade do solo (sua
inconsistência e na piora da absorção de água pelo mesmo) e as atividades de
mineração – que ao retirar porções de terra sobre a jazida do minério também
fazem o solo perder sua sustentação necessária a atividade agrícola -. Para se
evitar, deve-se não retirar coberturas vegetais dos solos, planejar qualquer tipo
de construção e monitorar o solo para evitar deslizamentos; e reflorestar áreas
já devastadas (Será que isso é realmente uma forma de remediar ou prevenir
deslizamentos e etc?)

2
Lixo Urbano é a forma imprecisa para RSU: Matéria orgânica (preparação a comida,
a comida e limpeza); Papel e papelão (jornais, revistas, caixas e embalagens),
Plásticos (garrafas, frascos), Vidro (garrafas, frascos e copos), Metais (latas), Outros
(óleo de cozinha, roupas, etc)
 Poluição de origem urbana: é “mais prejudicial” (Pois atinge mais pessoas,
devido ser nas cidades onde elas se encontram), não é só uma poluição, mas
também contaminação.
∟ LIXO URBANO: Se dá pelo acúmulo de lixo urbano
2
em áreas de descarte.
Além do transtorno pelas enchentes o lixo urbano é prejudicial pois os resíduos
passam pelo processo de lixiviação
3
. O maior problema que se encontra nesse
descarte é a presença de metais pesados, como o Hg, o Pb, e outros. O seu
efeito nefasto ultrapassa a gravidade de outros poluentes pois trata-se de
compostos com uma toxicidade elevada, são muito persistentes no meio
(permanecem muito tempo) e acumulam-se nos organismos contaminando toda
a cadeia alimentar. As principais avarias à saúde que esses metais causam são
as inflamações dos pulmões, danificação geral de fígado e rins, paralisia das
articulações periféricas, desabilitação de funções cerebrais distúrbios psíquicos
e ataque do aparelho digestivo. Para minimizar os efeitos desse fato, podemos
colaborar com a reciclagem, dar o destino correto às 240 mil toneladas de lixo
que o Brasil produz. (e ainda assim, somente 36% dos municípios possuem
destino adequado. Lixões a céu aberto são totalmente impróprios, sendo que
aterros, incineradores e compostagem são tidas hoje como formas adequadas
de tratamento de lixo, porém essas formas são realmente boas à nós? Qual
seria a melhor forma de lidar com esse lixo? Porque será que essas práticas são
tidas hoje como adequadas? Como nós sabemos e o governo “não sabe”? Será
que o governo não tenta ocultar esse problema? Um bom exemplo é a recente
prática do Estado de São Paulo em “camuflar” os sacos de lixo)
∟ LIXO INDUSTRIAL: As empresas são grandes responsáveis por metais
pesados no ambiente, porém, embora existam poucos casos, quando ocorre o
derramamento, ou abandono, descarte de elementos/equipamentos
radioativos geram problemas gravíssimos. Acidentes em usinas nucleares ou
descarte de equipamentos quem usam elementos radioativos (máquinas de
Raio-X, por exemplo), podem deixar o solo contaminado por séculos. Sem contar
3
Consiste na ação da água da chuva em levar os metais pesados e outros produtos
prejudiciais das camadas externas à interiores, ou seja: as impurezas se “infiltram” no
interior do solo
que se uma pessoa entrar em contato com o solo com este tipo de
contaminação pode morrer ou desenvolver diversos tipos de câncer. Um bom
exemplo é a Empresa Natura, que em Itapecerica da Serra, derramou no solo
uma quantidade de produtos que acabou contaminando lençóis freáticos do
local, contudo até hoje a empresa está instalada no local e patrocina diversas
ações da prefeitura do município.
Por fim, entende-se que a necessidade do solo que o homem têm está sendo
sobreposta pela necessidade de matéria prima, consumo e degradação, por
consequência; o que não deve ocorrer. Para isso, a conscientização das massas
é importante, pois só assim os governos poderão se sentir pressionados e
investir numa melhor política ambiental, até lá, cada um deve fazer a sua parte.
----------- CAPÍTULO 2: AR ----------
A biosfera é a camada que recobre toda a superfície do globo e é a porção
da Terra que permite a proliferação da vida. É dividida por três camadas distintas
dentre as quais a terceira, a atmosfera é a camada gasosa, o ar que envolve e
penetra nos dois outros ambientes. Justamente por isso, ao nos referirmos à
Atmosfera estamos nos referindo automaticamente ao ar, como trataremos no
decorrer do trabalho.
ORIGEM DOS GASES: Na Terra primitiva, a calcinação
4
das rochas – que eram
muito frequentes e intensas nesse período – foram responsáveis pela formação
do gás carbônico, numa quantidade enorme. Os primeiros microrganismos
vegetais ao realizarem sua atividade natural geraram o oxigênio pelo processo
de fotossíntese. Como na Terra primitiva a quantidade de gás carbônico
disponível no ar era muito grande, com a inicio da fotossíntese também foi o
marco para o balanceamento do gás carbônico com o oxigênio, ou seja,
maioritariamente, os gases da atmosfera vieram de atividade natural na Terra
primitiva: pela calcinação das rochas e fotossíntese de microrganismos.

4
Calcinação é a transformação do calcário (CaCO3) em óxido de cálcio (CaO). Note
que no produto não há uma molécula de Dióxido de Carbono (CO2), que vai, então ao
ambiente.
COMPOSIÇÂO ATMOSFÉRICA: A atmosfera, ao contrário do que parece à
primeira vista não é composta somente por gases.
∟ PORÇÃO SÓLIDA: Existe uma porção sólida formada por poeira em
suspensão, pólen, etc.;
∟ PORÇÃO LÍQUIDA: composta de gotículas resultantes da condensação do
vapor d’água na forma de nuvens, neblinas, etc.;
∟ PORÇÃO GASOSA: que sem dúvida é a principal parcela da atmosfera. A
porção gasosa do ar na sua forma natural é composta por aproximadamente
78% de nitrogênio, 21% de oxigênio, 0.93% de gases nobres e 0,03 de dióxido
de carbono.
SOBRE A POLUIÇÃO DO AR: Sabe-se que as atividades humanas, domésticas,
industriais, urbanas, levam à produção de diferentes gases que são liberados
na atmosfera e entram em sua composição em determinada região, na maioria
das vezes alterando a sua composição ou o equilíbrio entre seus diversos
componentes. A essas alterações dá-se o nome genérico de “Poluição do ar”.
Entende-se como poluição do ar a mudança de sua composição ou em suas
propriedades, causada por emissão de poluentes, tornando-o impróprio, nocivo
ou inconveniente à saúde, ao bem-estar público, à vida animal e vegetal e, até
mesmo, a alguns bens materiais (Veremos mais à frente sobre a chuva ácida e
como ela degrada monumentos e edificações). (Pensemos sobre a poluição. É
comum imaginar que a contribuição individual é menor que a contribuição
polusiva de Indústrias, mas será que isso é certo? Ao falarmos em indústrias,
trabalhamos com centenas ou milhares e ao falar de carros falamos de
milhões.)
No momento em que o homem descobriu o fogo teve início a poluição do ar.
As queimadas –feitas com o propósito de limpar a terra para o cultivo – também
constituem uma das mais antigas fontes de poluição do ar provocadas pelo
homem. Quando a sociedade passou a se organizar em cidades, começaram a
surgir problemas mais sérios de contaminação atmosférica, incialmente ligados
ao olfato. Os fossos que eram os esgotos na Idade Média é um exemplo.
Entretanto os odores existentes nessas cidades não eram, por si só, tóxicos. A
partir da Revolução Industrial, com a criação da máquina a vapor e dos veículos
automotores que necessitavam da queima de combustíveis que começaram a
ser lançadas substâncias nocivas à saúde. Com isso, a população do ar deixou
de ser um problema básico de bem-estar, passado a representar, também, um
risco real à população. Portanto dizer que respirar numa cidade moderna é mais
perigoso, mas menos desagradável que numa cidade da Idade Média. (Sabemos
que desde sempre o homem polui, ainda que minimamente no início, o ar, mas
será que a preocupação com isso também sempre existiu? A preocupação com
a poluição nasceu do incômodo estético e do desconforto respiratório, será que
esse incômodo hoje em dia é o suficiente para ampliar a conscientização e a
prática dela?)
 FONTES DA POLUIÇÃO
 PRINCIPAL ORIGEM – QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS: Sem dúvida
nenhuma, a principal origem dos contaminantes atmosféricos está na queima
de combustíveis fósseis ou recicláveis. Qualquer que seja o combustível
orgânico utilizado, os produtos finais serão sempre dióxido de carbono e vapor
de água, porém para a queima total de um produto é necessário determinadas
condições especiais (como a disponibilidade de oxigênio) que na prática pouco
acontece. A combustão incompleta desse produtos geram perigosos poluentes
atmosféricos. Uma categoria desses poluentes é representada pelos álcoois,
aldeídos, ácidos orgânicos e hidrocarbonetos, em conjunto só recebem a
denominação genérica da hidrocarbonetos ou compostos orgânicos voláteis,
embora a rigor só são considerados hidrocarbonetos os produtos compostos
exclusivamente por hidrogênio e carbono. Porém, os hidrocarbonetos não são
os únicos poluentes atmosféricos, sendo os outros classificados de acordo com
a sua composição química:
 COMPOSTOS SULFUROSOS: são os compostos que contém enxofre
e são originados pela queima de combustíveis fosseis, formando-se óxidos de
enxofre, principalmente o dióxido de enxofre. Este quando absorve a radiação
solar transforma-se em trióxido de enxofre, que em ambientes muito úmidos
transformam-se em ácido sulfúrico que é fortemente corrosivo e tóxico. O gás
sulfídrico tem origem na atividade biológica de decomposição de matéria
orgânica por processo anaeróbio.
 COMPOSTOS NITROGENDOS: são os óxidos de nitrogênio (monóxido
e dióxido encontrados na literatura como NOx) que são formados pelas reações
de combustão em alta temperatura, geralmente em motores de combustão
interna. Outra classe compostos nitrogenados é a amônia e seus derivados, que
podem ser formados pela ação biológica de decomposição ou por processos da
indústria química e de fertilizantes.
 COMPOSTOS ORGÂNICOS: são genericamente os hidrocarbonetos,
álcoois, aldeídos, ácidos orgânicos e outras substâncias que possuem carbono
como elemento básico de suas moléculas.
 ÓXIDOS DE CARBONO: o produto final de toda combustão é o gás
carbônico ou dióxido de carbono que embora não-tóxico, traz problemas
ambientais, como por exemplo, o efeito estufa. Quando o oxigênio necessário à
combustão é insuficiente o resultado é a formação do monóxido de carbono,
que é um dos mais perigosos tóxicos respiratórios e um dos mais encontrados
nas grandes cidades. Sua principal fonte são os motores dos veículos em
atividade.
 OXIDANTES FOTOQUÍMICOS: a presença de luz solar em elevada
intensidade e pincipalmente, de radiações ultravioletas provoca reações
químicas denominadas fotoquímicas. Essas reações ocorrem na presença de
alguns poluentes, como hidrocarbonetos e óxidos de nitrogênio, que dão origem
a outros compostos como o ozônio. Esses compostos de origem fotoquímica têm
como característica, em geral, uma elevada capacidade oxidante, sendo por isso
denominados oxidantes fotoquímicos.
 MATERIAL PARTICULADO: toda emissão atmosférica não-gasosa é
genericamente denominada de material articulado. A mais elementar fonte de
material particulado é a simples suspensão de poeira por ação do vento ou do
tráfego de veículos em vias não pavimentadas. Materiais líquidos, como por
exemplo as gotículas de água também podem manter-se em suspensão no ar.
Elas constituem uma forma de material particulado que recebe a denominação
específica de aerossóis.
POLUENTES NATURAIS: a quantidade de poluentes naturais emitidos é
enorme podendo estender-se a grandes superfícies da Terra, porém, elas não
são geradas em áreas de grande concentração humana, como ocorre nas
cidades. A mais comum fonte natural de poluente é o vento, que pode suspender
partículas do solo, gotículas de água, grãos de pólen, bactérias e fungos,
sementes, insetos. O material inerte pode provocar desde pequenos incômodos
e irritações no sistema respiratório até riscos reais à sobrevivência. O material
viável (capaz de se manter vivo) quando aspirados podem causar febre do feno,
as brônquica, infecções micóticas, etc. Embora pouco acontece as erupções
vulcânicas são as mais perigosas, pois, emitem gases altamente tóxicos,
compostos de enxofre e cinzas. A decomposição anaeróbia de matéria orgânica
desprende gases como o gás sulfídrico e o metano. (Percebe-se então que essa
matéria orgânica além de danificar o solo, acaba por poluir o ar, um exemplo de
uma ação humana que tem efeitos múltiplos.)
 EFEITOS
5
: Os efeitos da presença de poluentes na forma de gases
ou de partículas no ar atmosférico variam muito, quer em qualidade, quer em
quantidade. Assim podemos classificar esses efeitos em estéticos, irritantes e
tóxicos. Entretanto, vale ressaltar que um poluente atmosférico quase nunca
exerce apenas um inconveniente.
∟ EFEITOS ESTÉTICOS: são as alterações da aparência do ar que nos
envolve, geralmente causadas pela presença de vapores, fumaças, poeiras ou
aerossóis. Por extensão, incluem-se aí outros efeitos que afetem negativamente
os nossos sentidos, como o mau odor produzido certos gases. Os efeitos
estéticos implica que o homem prefira o ar transparente e inodoro e, que ao ver
um caminhão soltando fumaça por seu escapamento, ou uma paisagem
enfumaçada perto das chaminés de uma fábrica. Alguns gases exalados por
indústrias ou por matérias em decomposição podem ser fortemente incômodos,
no qual destaca-se o gás sulfídrico e as, mercaptanas. O gás sulfídrico tem como
característica o forte odor de ovos podres e de exercer efeito anestésico sobre

5
Esse elencamento dos efeitos é feito pelos autores das bibliografias utilizadas, até o
tópico “Efeitos Tóxicos”, a partir de “Efeito Estufa”, o grupo quem subdividiu os efeitos
para por em evidência os subsequentes.
as células responsáveis pelo nosso olfato. Por isso, só sentimos seu odor
quando em concentrações muito baixar. Nas altas concentrações quando ele é
fortemente tóxico, isso não acontece, o que o torna muito mais perigoso. As
mercaptanas são álcoois que contêm enxofre em sua molécula e por isso são
as substâncias de odor mais ativo que se conhece, podendo ser reconhecido em
concentrações mínimas no meio ambiente, sendo esse odor parecido com
cebolas podres.
∟ EFEITOS IRRITANTES: Os aldeídos são os responsáveis pelas
principais ardência nos olhos. Os aldeídos são emitidos na atmosfera junto com
outros gases, por indústrias e por automóveis em atividade. Os automóveis
movidos a álcool, por exemplo, produzem menos monóxido de carbono que os
carros a gasolina, porém, produzem mais aldeídos. Assim embora os gases do
escapamento de um carro a álcool seja menos tóxicos, eles serão mais irritantes
para os olhos e vias respiratórias.
∟ EFEITOS TÓXICOS: os gases considerados tóxicos é variável de
acordo com a sua quantidade e composição. O gás carbônico, por exemplo, não
é propriamente tóxico mas ocupa o lugar do oxigênio, assim dessa forma, quem
ficar em ambiente que contenha quantidade desse gás, certamente morrerá por
asfixia.

6
EFEITO ESTUFA: O grande problema do momento não é o efeito
estufa, mas sua acentuação, pois ele é um mecanismo natural do planeta para
que sua temperatura seja propícia ao desenvolvimento de vida
(aproximadamente 15 ºC), funcionando realmente como uma estufa onde a
temperatura é mantida dentro do ambiente. No caso, o manto desse sistema
seria a atmosfera
7
. Contudo, o que preocupa é que justamente a poluição do ar
tem “engrossado” esse manto, ou seja, impedindo a dissipação esse calor, o
fazendo ficar concentrado nas camadas mais baixas (logo, mais próximas a nós)
da atmosfera. Pode parecer simples dizer que o planeta está se aquecendo,
porém devemos entender que isso implica no derretimento de geleiras,
6
O tema “EFEITO ESTUFA” é realmente abrangente e discutível, porém o grupo irá
delinear um tanto o assunto pois há outro grupo específico para essa discussão, então
evidenciar-se-á somente a participação da poluição atmosférica nesse contexto.
7
Nota-se então que o planeta que moramos é maravilhoso e estupendo
desaparecimento de peixes e alteração na produção agrícola devido à mudança
de correntes marítimas, ecossistemas inteiros dizimados, tufões, furacões,
maremotos e enchentes mais intensas e submersão de zonas litorâneas. Enfim,
um processo de destruição realmente ameaçador à espécie humana e ao
mundo todo. (Atualmente, são despejados no ar cerca de 5 bilhões de toneladas
de dióxido de carbono [um dos principais gases causadores do efeito estufa]
por ano. Só para termos uma base de comparação, há 100 anos atrás eram
lançados cerca de 60 milhões de toneladas deste gás anualmente. Qual o
motivo de estarmos sentados observar essa destruição do amanhã
8
acontecer?
Sobre isso, foram tomadas algumas medidas, como o Protocolo de Kyoto, que
prevê a diminuição dos gases emitidos, contudo os EUA alegam que isso
diminuiria o rendimento e o avanço industrial do país)
∟ CHUVA ÁCIDA: Consiste no acúmulo e elementos ácidos (provindos
da poluição) que modificam o pH da água que se encontra na atmosfera e irá
entrar em contato com monumentos, estruturas, rios, árvores, lagos. Essa chuva
é determinada ácida, pois seu pH é diminuído, podendo danificar esses
ambientes e objetos onde entra em contato.
∟ BURACO NA CAMADA DE OZÔNIO: A camada de ozônio (O3) é a
camada que nos protege da radiação maléfica do sol (ultravioleta de alta
frequência, em sua presença não haveria vida no planeta), porém com a
poluição e a emissão de CFCs
9
esse nosso escudo protetor se vê ameaçado: os
CFCs entram em decomposição na estratosfera (justamente onde se encontra a
camada de ozônio) e acabam por quebrar as ligações do ozônio destruindo suas
moléculas e nos expondo aos raios de alta frequência, prejudiciais à saúde, pois
os raios alteram o DNA nas células, podendo provocar até câncer de pele.
Paracelso, famoso alquimista e médico suíço, disse que “a quantidade faz o
veneno”. Assim como qualquer substância absorvida em grande quantidade
pode fazer mal, uma substância conhecida como muito venenosa, mas

8
Um aumento de 4ºC na temperatura global, causado pelo efeito estufa e aquecimento
global, poderá provocar a extinção de milhares de espécies animais no planeta. Os
animais mais afetados serão aqueles que vivem nas regiões polares, pois este aumento
de temperatura provocará derretimento de gelo em grandes proporções, afetando
consumida em quantidade muito pequena, não causa nenhum dano. Porém
podemos entender a palavra “quantidade”, como número de poluentes,
quantidade de conscientização ou quantidade de pessoas que “faz o veneno”.
Porém tal qual o veneno de uma serpente é o utilizado para fazer a sua cura,
vemos que o homem que polui é o único que pode fazer algo pra mudar esta
situação.
IMAGEM: EFEITO ESTUFA














diretamente o habitat destas espécies. Os recifes de corais também serão muito
afetados com o aumento da temperatura das águas oceânicas.
9
Apesar de hoje serem proibidos em alguns países, o clorofluocarboneto é presente
em aerossóis, gás de geladeira, solventes e etc.

POLUENTE FONTES EFEITOS NO AMBIENTE E NA SAÚDE
CO (Monóxido de Carbono)
Tráfego (especialmente veículos sem catalizador) e
Indústrias.
Inibe a capacidade do sangue em trocar oxigênio
com os tecidos vitais, afeta então principalmente o
sistema cardiovascular e nervoso e concentrações
elevadas são suscetíveis de criar tonturas, dores de
cabeça e fadiga.
NO2 (Dióxido de Azoto)
Tráfego e Indústria (com queima de combustíveis
fósseis)
Altas concentrações podem provocar problemas
respiratórios principalmente em crianças e idosos
(por serem amis sensíveis), já doentes com asma,
bronquite crônica podem sofrer dificuldades
adicionais. É um poluente acidificante (vide chuva
ácida), que ataca tecidos vegetais, estruturas, águas
e solos.
SO2 (Dióxido de Enxofre)
Indústrias com queima de combustíveis com altos
teores de enxofre, como por exemplo refinarias,
pasta de papel e etc.
Também pode danificar sistemas respiratórios
principalmente em indivíduos mais suscetíveis como
já doentes. É um poluente acidificante (vide chuva
ácida), que ataca tecidos vegetais, estruturas, águas,
solos e metais.
O3 (Ozônio)
Fontes de Poluentes primários que o originam:
Tráfego, Indústrias, Aterros Sanitários, tintas e
solventes (também equipamentos mecânicos de
Jardinagem)
É um composto oxidante, o que se reflete nos
ecossistemas, nos materiais e na saúde humana:
causa irritação no trato respiratório e agrava
sintomas, tal como dificuldade de respirar fundo e
inflamações brônquicas ou tosse. É o principal
constituinte do smog fotoquímico, associado à
sintomas de doenças cardiovasculares e/ou do foro
respiratório. É responsável por perdas agrícolas e
danos vegetativos.
Partículas Inaláveis
Tráfego, Indústrias cimenteiras, química, refinarias,
siderurgias, extração de madeira, obras de
construção civil processos agrícolas como o de
aragem.
São um dos principais poluentes em termos de
saúde, particularmente as partículas de menor
dimensão penetram no sistema respiratório e o
danificam. São responsáveis pelo acréscimo de
incidências de doenças respiratórias como bronquite
asmática, há a possibilidade de serem responsáveis
pela diminuição das trocas gasosas em espécies
vegetais. Danificam patrimônio construído,
principalmente tintas.
BIBLIOGRAFIA: SOLOS
1. Domínios de Site
 http://ambiente.maiadigital.pt/ambiente/solo
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Poluição-do-Solo
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Aterro_sanit%C3%A1rio

2. Vídeos
 Aula 5 do curso de Ciências Biológicas do portal e-Aulas da USP:
o Intervenção humana sobre o ambiente e suas
consequências. Problemas de saúde pública (Professor
Ubiratan)

3. Artigos:
Poluição dos Solos e Resíduos Sólidos: Professora Andréa Carla Lima
Rodrigues
Química e Poluição do Solo: Rosa Maria de Oliveira Freguguia
(Laboratório de Ecotoxicologia no Centro de Energia Nuclear na Agricultura
– USP)








BIBLIOGRAFIA: AR
1. Domínios de Site
 http://ambiente.maiadigital.pt/ambiente/ar
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Ar
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Biog%C3%A1s

2. Vídeos
 Poluição agrava efeito estufa: Globo Ecologia de 09/02/2013
(05min)
 Aulas do curso de Ciências Biológicas e Meteorologia do portal e-
Aulas da USP:
o Intervenção humana sobre o ambiente e suas
consequências. Problemas de saúde pública (Aulas 6, 7 com
Professor Ubiratan)
o Meteorologia (Aula 14 com Professora Adalgiza e 2 com Rita
Yuri Ynoue)

3. Livros:
BRANCO, Samuel Murgel; MURGEL, Eduardo. Poluição do Ar – 2. ed. Reform.
– São Paulo: Moderna. 2004 (Coleção Polêmica)