You are on page 1of 2

Resenha Bibliográfica

A Corporação / The Corporation. Mark Achbar e Jennifer Abbott. 2003.
Por: Luiza Camargo Lopes (FACIP UFU)

O documentário de Mark Achbar e Jennifer Abott, “The Corporation” mostra a
história das grandes corporações mundiais, desde o nascimento da Era Industrial até o tempo
moderno, enfatizando as questões ambientais, socioeconômicas e políticas relacionadas a elas.
Há diversos debates sobre a verdadeira intenção das corporações no mundo, como surgiram,
como cresceram e as situações que vêm enfrentando nos últimos anos. Outro problema
abordado é a concentração de muito poder nas mãos de poucos, que buscam incansavelmente
maximizarem os seus lucros, não se importando com as consequências desses atos.
A análise feita no filme é sobre a relação corporação e valores éticos. No
documentário é possível ver que o objetivo principal dessas instituições é o lucro para os
proprietários. Isso remete a empresas que conseguem um grande poder mantendo o sistema
capitalista.
Por meio de imagens de outros filmes, propagandas, e vídeos é mostrada também a
irresponsabilidade sobre o meio ambiente, as condições de trabalhos dos empregados, e a
dominação de uns para com outros.
Com a busca insaciável pelo dinheiro, as pessoas e o meio ambiente em que vivemos
sofrem por causa dessas grandes empresas, os produtos são fabricados não importando se o
trabalhador está em condições subumanas ou se está poluindo um rio, por exemplo. Há uma
grande contradição no filme, de uma corporação que de início é submetida aos poderes
estatais até uma corporação livre que vai destruindo tudo por onde passa.
Em um dado momento é feita a afirmação “Na devastação há oportunidade”, onde
mostra diretamente a ideia que o filme pretende passar, a partir disso, podemos ter um
discernimento das ações tomadas pelas organizações em questão.
No documentário faz-se de modo inteligente um conjunto de vários exemplos que
resultam em uma síntese do comportamento corporativista, o qual é responsável pela força
que impulsiona as atitudes produtoras, administradoras, empreendedora.
Ações que na maioria das vezes não são tomadas levando em consideração as
consciências sociais, como em alguns exemplos do documentário, que superiores opinam
sobre o que pensam do funcionamento das empresas. A sociedade é submetida às vontades
das corporações por meio das propagandas e da manipulação da massa. Isso não remete
apenas as empresas entrevistadas, mas também a grande maioria delas, que não foram citadas
no vídeo.

Indiretamente é tratado no documentário, o assunto sobre a alienação da população, a
fim de mostrar e indignar o consumidor o que está por trás das corporações que ele “apoia”,
por meio de diversos exemplos.
Partindo do pressuposto de pessoa física e jurídica, o documentário analisa o
comportamento das corporações, quando colocadas nas situações que elas submetem as
pessoas físicas. Pode se concluir, a partir de exemplos verdadeiros que são mostrados, que o
significado prático de pessoa jurídica é um método que os donos das empresas encontraram
para agir ambiciosamente, sem precisar responder por isso.
Advindo dessa ideia, os chefes das corporações colocam a sociedade á condições
precárias para que minimizem seus custos e conquistem clientes. A essência é fazer a
dependência dos clientes em relação a elas, por meio de propagandas, recorrendo
principalmente para o público infantil. A consequência de tudo isso é o crescimento do
capitalismo, tornando a sociedade com os aspectos da futilidade.