You are on page 1of 18

17/06/2012

1
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 1
Aula 5
Primeira Lei da Termodinâmica Aplicada
a Volumes de Controle
Prof. Dr. César A. S. Silva
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 2
Introdução Volume de Controle:
17/06/2012
2
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 3
Introdução
Lei da Conservação de Massa:
Taxa de Variação = + entrada – saída
Para várias correntes entrando e saindo do VC, temos:
∑ ∑
• •
− =
s e
C V
m m
dt
dm
. .
Equação da
Continuidade
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 4
Introdução
Vazão Volumétrica:
dA v vA V
local

= =

Vazão Mássica:
( ) υ υ
υ
ρ / / vA dA v
V
V m
local médio
= = = =


• •
17/06/2012
3
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 5
Conservação da Massa e o Volume de Controle
Exemplo 1:
Ar escoa no interior de um tubo, que apresenta 0,2 m de diâmetro, com
velocidade uniforme e igual a 0,1 m/s. A temperatura é 25 ºC e a pressão é
igual a 150 kPa. Determine a vazão mássica do ar nesse tubo.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 6
A Primeira Lei da Termodinâmica para um Volume de Controle
Para um sistema fechado, temos:
2 1 2 1 1 2
W Q E E − = −
Reescrevendo em termos de taxas:
• •
− = W Q
dt
dE
sistema
17/06/2012
4
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 7
A Primeira Lei da Termodinâmica para um Volume de Controle
• •
− = W Q
dt
dE
sistema
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 8
A Primeira Lei da Termodinâmica para um Volume de Controle
gZ
v
u e + + =
2
2
O fluido que atravessa a superfície de controle transporta uma energia
por unidade de massa igual a:
Trabalho de Fluxo: A taxa de realização de trabalho associada ao
escoamento de um fluido que atravessa a superfície de controle:
• • •
= = ⋅ = ⋅ =

m P V P dA v P v F W fluxo υ
Trabalho de Fluxo por unidade de massa: P ν
17/06/2012
5
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 9
A Primeira Lei da Termodinâmica para um Volume de Controle
gZ
v
h P gZ
v
u P e + + = + + + = +
2 2
2 2
υ υ
A energia total por unidade de massa associada ao fluxo:
Aplicando a primeira lei da termodinâmica a volumes de controle:








+ + −








+ + + − =
+ − + + − =
+ − + − =
• • • •
• • • •
• • • • •
s
s
s
s
e
e
e
e VC
VC
s s s
s
e e e
e VC
VC
fluxo
s
s
e
e VC
VC
VC
gZ
v
h m gZ
v
h m W Q
P e m P e m W Q
W e m e m W Q
dt
dE
2 2
) ( ) (
2 2
υ υ
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 10
A Primeira Lei da Termodinâmica para um Volume de Controle
Para um volume de controle global que apresente várias seções de
alimentação e descarga:








+ + −








+ + + − =
∑ ∑
• • • •
s
s
s s e
e
e e
VC
VC
VC
gZ
v
h m gZ
v
h m W Q
dt
dE
2 2
2 2
17/06/2012
6
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 11
O processo em regime permanente
Modelo de estudo proposto: Não incluirá as fases curtas transitórias
de entrada em operação ou paradas de tais equipamentos, e abordará
apenas os períodos em que a operação é estável.
Processo em Regime Permanente: Hipóteses Assumidas
1. O V.C. não se move em relação ao sistema de coordenadas;
2. O estado da substancia, em cada ponto do V.C., não varia com o
tempo;
3. O fluxo de massa e o estado dessa massa em cada área discreta de
escoamento na superfície de controle não varia com o tempo. As taxas
com as quais o calor e o trabalho cruzam a superfície de controle
permanecem constantes.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 12
O processo em regime permanente
Analise das hipóteses:
1.Se o V.C. não se move relativamente ao sistema de coordenadas,
todas as velocidades medidas em relação àquele sistema são também
velocidades relativas à superficie de controle e não há trabalho
associado com a aceleracão do V.C;
17/06/2012
7
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 13
O processo em regime permanente
2. Se o estado da massa em cada ponto do V.C. não varia com o tempo:
0 0 = =
dt
dE
e
dt
dm
VC VC
Portanto:
s e
m m
∑ ∑
• •
=








+ + −








+ + + − =
∑ ∑
• • • •
s
s
s s e
e
e e
VC
VC
gZ
v
h m gZ
v
h m W Q
2 2
0
2 2
3. A hipotese de que as várias vazões, estados e taxas, com as quais
calor e trabalho atravessam a S.C., permanecem constantes requer que
cada quantidade presente nas equações acima seja constante com o
tempo.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 14
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Trocador de Calor
17/06/2012
8
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 15
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Trocador de Calor
Equipamento em que ocorre a T.C. de um fluido para outro;
Usualmente opera em regime permanente e a T.C. ocorre através de
um único tubo ou de um conjunto de tubos;
Sem trabalho e as variações de EC e EP podem ser desprezadas;
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 16
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Exemplo 1
Considere um condensador, resfriado a água, de um sistema de refrigeração de
grande porte que utiliza R-134a como fluido refrigerante.
O refrigerante entra no condensador a 60 ºC e 1 MPa e o deixa como liquido a
0,95 MPa e 35 ºC. A água de resfriamento entra no condensador a 10 ºC e sai a
20 ºC.
Sabendo que a vazão de
refrigerante é igual a 0,2 kg/s,
determine a vazão de água de
resfriamento nesse condensador.
17/06/2012
9
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 17
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Bocais
Dispositivos que operam em regime permanente e são utilizados para
gerar escoamentos com velocidades altas à custa da expansão de um
fluido;
Apresentam um contorno interno apropriado para que a expansão
ocorra suavemente;
Não realiza trabalho, pois não existe parte móvel;
A variação de EP do escoamento é nula ou é muito pequena, e
usualmente, a T.C. é desprezível.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 18
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Difusor
São dispositivos construídos para desacelerar os escoamentos:
torna-se possível aumentar a pressão num escoamento com a redução
da velocidade do fluido;
Comportamento inverso daquele dos bocais;
Não realiza trabalho, pois não existe parte móvel;
A variação de EP do escoamento é nula ou é muito pequena, e
usualmente, a T.C. é desprezível
A EC na seção de entrada dos difusores é
alta e é baixa na seção de descarga, mas
normalmente não é desprezível.
17/06/2012
10
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 19
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Difusor
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 20
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Exemplo 2
Vapor d`água a 0,6 MPa e 200 ºC entra num bocal isolado termicamente
com um velocidade de 50 m/s e sai com velocidade de 600 m/s à
pressão de 0,15 MPa. Determine, no estado final, a temperatura do
vapor, se esse estiver superaquecido, ou o título, se estiver saturado.
17/06/2012
11
Restrição/Estrangulamento
• Processo que ocorre quando um fluido escoa numa linha e subitamente
encontra uma restrição na passagem do escoamento;
• Resultado do processo: queda abrupta na P
escoamento
e esse processo é
drasticamente diferente daquele que ocorre num bocal com contorno
suave, que produz um aumento significativo da velocidade de
escoamento;
• Realização de trabalho nula e variação de EP e calor não são
significativas;
• Processo em Regime Permanente: Queda de Pressão a entalpia
constante;
• Comumente tais processos envolvem mudança de fase do fluido.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 21
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Restrição/Estrangulamento
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 22
Exemplos de Processos em Regime Permanente
17/06/2012
12
Exemplo 3
Consideremos o processo de estrangulamento numa válvula de
expansão, ou através do tubo capilar, num ciclo de refrigeração por
compressão de vapor. Nesse processo, a pressão do refrigerante cai da
alta pressão no condensador para a baixa pressão no evaporador e,
durante esse processo, uma parte do líquido vaporiza. Se considerarmos
o processo como adiabático, o título do refrigerante ao entrar no
evaporador pode ser calculado.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 23
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Admitindo que o fluido refrigerante seja amônia, que entra na válvula de
expansão a 1,5 MPa e 35 ºC e deixa a válvula a 291 kPa, calcule o título
da amônia na saída da válvula de expansão..
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 24
Exemplos de Processos em Regime Permanente
17/06/2012
13
Turbina
• Equipamento rotativo, dedicado à produção de trabalho de eixo (ou
potência);
• Trabalho realizado é produzido à custa da queda de pressão do fluido
de trabalho;
• 2 classes gerais: turbinas a vapor (ou outro fluido de trabalho), em que
o vapor que deixa a turbina alimenta um condensador, onde o vapor é
condensado até o estado líquido; turbinas a gás, em que o fluido
normalmente é descarregado na atmosfera;
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 25
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Turbina
• Processos: 1) o fluido escoa por um conjunto de bocais ou passagens
formadas por pás fixas onde o fluido é expandido até uma pressão
menor, aumentando sua velocidade; 2) o escoamento de alta velocidade
é dirigido a um conjunto de pás móveis, que promovem a redução da
velocidade do fluido antes dele ser descarregado, sendo esse
decréscimo que produz um torque no eixo da máquina, resultando em
trabalho de eixo
• A turbina descarrega o fluido com pressão e velocidades baixas.
• Normalmente: Variações de EP e EC desprezíveis;
• Rejeição de calor da turbina para o ambiente é muito pequena: admitir
processo adiabático
• Trabalho produzido: resultado da variação de entalpia do estado inicial
até o final
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 26
Exemplos de Processos em Regime Permanente
17/06/2012
14
Turbina
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 27
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Exemplo 4
A vazão mássica de vapor d’água na seção de alimentação de uma
turbina é 1,5 kg/s e o calor transferido da turbina é 8,5 kW. São
conhecidos os seguintes dados para o vapor d’água que entra e sai da
turbina:
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 28
Exemplos de Processos em Regime Permanente
17/06/2012
15
Exemplo 4
Determine a potência fornecida pela turbina:
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 29
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Compressor/Bomba
• Os compressores (para gases) e as bombas (para líquidos) são
equipamentos utilizados para aumentar a pressão do fluido pela adição
de trabalho de eixo;
• Classes Compressores:
Compressor do tipo rotativo: (tanto com escoamento axial ou
radial/centrífugo), em que os processos internos são essencialmente
opostos aos processo internos que ocorrem em uma turbina, assim o
fluido é descarregado do compressor a alta pressão.
Normalmente: EC e EP desprezíveis;
Admitir: Processo Adiabático e que o trabalho transferido ao fluido que
escoa no compressor é igual à variação da entalpia entre os estados
estados de alimentação e descarga do compressor.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 30
Exemplos de Processos em Regime Permanente
17/06/2012
16
Compressor
Compressor tipo alternativo
Que utilizam conjuntos cilindro-pistão, o cilindro pode contar com
aletas externas para promover uma transferência de calor do fluido de
trabalho durante a compressão, ou o cilindro pode ser encamisado,
arranjo que é utilizado nos compressores de grande porte para que a
transferência de calor seja intensa;
Transferência de calor significativa;
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 31
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Compressor
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 32
Exemplos de Processos em Regime Permanente
17/06/2012
17
Bombas
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 33
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Exemplo 5
Uma pequena bomba hidráulica está instalada no fundo de um poço e é
alimentado com água a 10 ºC e 90 kPa. A vazão mássica de água na
bomba é 1,5 kg/s e a bomba está localizada a 15 m abaixo da superfície
livre do fluido no tanque. O diâmetro interno da tubulação é igual a 40
mm e a pressão indicada no manômetro instalado no tanque é 400 kPa.
Admitindo que o processo seja adiabático e que a temperatura da água
seja constante e igual a 10 ºC, determine a potência necessária para
acionar a bomba.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 34
Exemplos de Processos em Regime Permanente
17/06/2012
18
Exemplo 6
O sistema de refrigeração mostrado no próximo slide utiliza R-134ª como
fluido de trabalho. A vazão mássica de refrigerante no ciclo é de 0,1 kg/s
e a potência consumida no compressor é de 5,0 kW. As características
operacionais do ciclo de refrigeração são:
P
1
= 100 kPa; P
2
= 800 kPa, T
1
= -20 ºC; T
2
= 50 ºC; T
3
= 30 ºC; x
3
= 0,0;
T
4
= -25ºC;
Determine:
a) O título do refrigerante na entrada do evaporador;
b) A taxa de trasnferência de calor no evaporador;
c) A taxa de transferência de calor no compressor.
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 35
Exemplos de Processos em Regime Permanente
Exemplo 6
Termodinâmica - Prof. Dr. César Sodré 36
Exemplos de Processos em Regime Permanente