You are on page 1of 145

www.autoresespiritasclassicos.

com
Paul Gibier
Análise das Coisas
(Fisiologia Transcendente)
Ensaio sobre a Ciência Futura e sua influência
certa sobre as religiões, ciências e artes
Traduzido do Francês
Analyse des choses
Paris - !"#
$onet
A Floresta

Conte%do resu&ido
Nesta obra, Paul Gibier procura demonstrar a existência, no
ser humano, de um princípio intelectual consciente e individual,
que independe e sobrevive à destruiço do seu corpo material.
!aseado em seus conhecimentos m"dicos e na an#lise do
$niverso %&acrocosmo' e do ser humano %&icrocosmo', o autor
ob(etiva demonstrar, especialmente atrav"s da hipnose e dos
)en*menos medi+nicos, a aço do ,spírito - centro da vida -
como a.ente or.ani/ador da mat"ria.
0 presente obra " a continuaço natural da obra anterior de
Gibier, O Espiritismo %faquirismo ocidental'.
Nesta primeira obra o autor exp*s as ori.ens do ,spiritismo e
as investi.aç1es dos .randes pesquisadores dos )en*menos
psíquicos, al"m de seus pr2prios experimentos.
3# no presente trabalho, alicerçado em anos de pesquisas,
Gibier, al"m de expor novos )en*menos psíquicos de
import4ncia, extrai, da sua experiência no assunto, importantes
deduç1es )ilos2)icas e morais acerca da nova 5iência do
,spírito.
'u&ário
Pre)#cio do tradutor..................................................................6
7ntroduço.................................................................................8
Parte Primeira
,studo do &acrocosmo........................................................99
Capítulo I
Vista geral sobre as coisas...................................................11
Capítulo II.................................................................................19
Parte :e.unda
,studo do &icrocosmo.........................................................;<
Capítulo I..................................................................................28
Capítulo II.................................................................................37
Parte =erceira
Perquiriço do terceiro elemento
do $niverso e do homem......................................................>?
Capítulo I..................................................................................45
Capítulo II
Fisiologia transcendente.......................................................51
Capítulo III................................................................................58
Capítulo IV...............................................................................66
Capítulo V................................................................................82
Capítulo VI...............................................................................96
Capítulo VII............................................................................18
Parte @uarta
7n)luência da ciência )utura sobre as
reli.i1es, )iloso)ias, ciências, artes, etc..............................9AB
Capítulo !nico........................................................................13
Prefácio do tradutor
5ada ve/ que uma .rande revelaço se apresenta no domínio
das ciências, o descobridor ou o iniciado vê lo.o coli.ados os
supostos deposit#rios da lei divina e os intitulados or#culos dos
conhecimentos vul.ares ou ciência o)icial, em .uerra aberta
contra o que chamam inovaç1es. Cidiculari/ada e proscrita, s2
muito mais tarde " que a Derdade penetra na cidadela dos
id2latras das id"ias aceitas.
Es estudos de psicolo.ia anormal têm valido perse.uiç1es e
cal+nias a muitos homens not#veis. No importaF Galileu, o
ímpio, que se retratouF Galileu, o escarnecidoF Gamarc, o caduco,
insultado por !onaparteF :alomon de 5aulx e Hulton, os doidosF
,liotson, prostituidor da 5iênciaF centenas de outros esto ho(e
todos inscritos na .aleria dos .ênios. 0s inovaç1es que eles
trouxeram so ho(e ensinadas por pro)essores pa.os em
universidades e academias. Es s#bios da atualidade lamentam,
em ret2rica subvencionada, a ce.ueira dos s#bios do passado, ao
mesmo tempo em que no enxer.am os adiantados do presente.
,ntre os cientistas modernos, cu(os estudos têm batido como
catapultas as muralhas do materialismo o)icial e do
espiritualismo sacerdotal, entre os Cobert Iare, 5rooJes,
Kallace, !outlerow, LMllner e muitos outros, avulta o Nr. Paul
Gibier. :eus dois livros, especialmente este, so resultado de
experiências pessoais levadas a cabo com o ri.or dos m"todos
positivos, com a competência do m"dico distinto e
bacteriolo.ista muito ilustre.
,ntre os seus not#veis trabalhos, que constam nos anais da
0cademia de 5iências, de 9<<; a 9<<>, contaOse a descoberta do
micr2bio da raiva, que concorreu para a celebridade deste
predileto discípulo de Pasteur. P sua mem2ria sobre a hidro)obia
e seu tratamento, a Haculdade &"dica de Paris concedeu a mais
elevada recompensa que se pode dar às teses %9<<>'.
@uando, com semelhante capacidade de observador, al.u"m
declara, como ele, que observou um )en*meno centenas de
ve/es, devemos acredit#Olo.
Q:2 depois de ter observado o )en*meno da escrita direta
pelo menos quinhentas ve/es )oi que me decidi a publicar as
minhas investi.aç1es. 0l"m disso, (# me havia )ixado
absolutamente a respeito de muitos )atos da mesma nature/a e
muito mais extraordin#rios em aparência.R
Para que di/er maisS
Eutro mestre do Nr. Gibier, o )amoso Nr. Dulpian,
reconhecendo a capacidade e o talento do autor deste livro, quis,
entretanto, indu/iOlo a abandonar os estudos do assunto que
denominou QescabrosoR e a)irmou que s2 havia trapaça e )raude,
e nada existia realmente. E descobridor do micr2bio do pên)i.o
a.udo lembrou ao Qseu caro mestreR que ele havia ne.ado
tamb"m a existência do micr2bio da tuberculose quando )ora
descoberto e comunicado por um correspondente da 0cademia
de 5iênciasF que a descoberta havia sido con)irmada e ele,
Dulpian, (# no a ne.ava. E velho pro)essor respondeu com
evasivas.
Gibier di/ em seu livroT QDepuis, Vulpian est mort: il sait
aujourdhui le quel de nous deu! a"ait raison#R
Io(e Gibier tamb"m est# morto, isto ", Qem seu estado
normalR, pois que o estado em que vivemos aqui " apenas
transit2rio.
0.ora, ele e Dulpian tero resolvido a d+vida. @ual dos dois
ter# ra/oS
0 .rande maioria ne.a com veemência, os outros a)irmam
cate.oricamente.
Dulpian e Gibier representam os dois .rupos da classe dos
cientistas. Dulpian ne.a o que no conhece nem quer conhecer.
Gibier a)irma o que sabe das suas investi.aç1es, dos seus
estudos, das suas experiências.
0l"m disso, para o .rupo Dulpian, em ne.ar h# prudência e
comodidade. HicaOse bem com as academias, com a reli.io, com
os que do e tiram empre.os e com a soberana opinio p+blica,
que " a vo/ dos transeuntes da estrada batida.
0)irmar, por"m, " arriscadoF " abrir luta com os padres e com
os catedr#ticos, que so os a)errados às id"ias aceitasF " assanhar
contra si a Qestupide/ ambienteR.
Ne mais, quase todos os que a)irmamos viemos do .rupo dos
que ne.am, e essa minoria de ho(e ser# a maioria de amanh.
,sta minoria, se.undo Nurand de Gros, Q" simplesmente o escol
da inteli.ência e do saberR.
No muito que, sem opinio antecipada, temos lido do assunto
e do pouco que sabemos, pensamos que h$ pro"as da
persist%ncia da consci%ncia do &er depois da destrui'(o de seu
corpo, e que os )en*menos so positivos.
5uiab#, (ulho, 98BA.
T#
(ntrodu)*o
E acolhimento dado à obra que publiquei em 9<<6 sobre
certas experiências de psicolo.iaF

as cartas animadoras que
recebi de .rande n+mero de s#bios e pensadores eminentes a
respeito dela, indu/emOme a prosse.uir em meu trabalho e
publicar este novo estudo.
E livro ao qual )aço aluso )oi tradu/ido em muitas lín.uasF a
ediço que viu a lu/ recentemente )oi, como a primeira,
)avoravelmente recebida pelo p+blico e pela imprensa e esses so
novos motivos que me )a/em perseverar.
Eutros experimentadores veri)icaram os mesmos )atos que
observei. 5itarei especialmente o :r. de Cochas, comandante da
arma de en.enheiros, exOaluno da ,scola Polit"cnica, cu(o livro
)es forces non definies )e/ .rande sensaço no mundo cientí)ico.
Nenhuma das minhas experiências )oi seriamente discutida e
ainda menos )oi contrariada por outras experiênciasF antes, posso
a)irmar o contr#rio. 5onsideroOas, por isso, como adquiridas e
nin.u"m deve estranhar se no presente trabalho eu despre/ar
absolutamente as precauç1es orat2rias preliminares, por meio
das quais outrora desculpavaOme quase da ousadia de escrever
sobre tal assunto. NUora em diante irei simplesmente ao )ato ou à
hip2tese, sem prestar atenço aos retardat#rios. ,les que
procurem ver e instruirOseT podero compreender ento o que vai
se.uirOse.
Por outro lado, no tenho, de modo al.um, a pretenso de
apresentar nesta mem2ria )atos inauditos e pensamentos in"ditosT
QNo h# nada novo debaixo do :olR, e depois, como GVthe di/
por &e)ist2)elesT Q:2 um tolo ou i.norante ima.inar# possuir
uma id"ia que nenhum homem teve antes deleR. &as, penso
)a/er obra +til tratando de mostrar, entre outras coisas, a que
.rau de conhecimento de n2s mesmos nos condu/iu a )isiolo.ia
experimental no ponto de vista psíquico, e dando uma id"ia do
caminho que se.uir# a )isiolo.ia psicol2.ica do )uturo, se.undo
a minha maneira de conceber. ,sta ciência de amanh, que vai
reatar o )io dos conhecimentos da anti.uidade, nos permitir#
apro)undar mais o estudo da vida. W lícito at" prever que ela nos
levar# to lon.e quanto noOlo permitirem respectivamente as
nossas inteli.ências comateriais, no domínio da morte, ou antes,
do que denominarei o al*mda"ida.
0pesar da sentença pronunciada por certos adeptos da
)iloso)ia positiva, o homem no se resolve a abandonar a
pesquisa das causas prim#rias e das causas )inais. :e a misteriosa
Xsis nos di/ que nenhum mortal ainda lhe er.ueu o v"u, por outro
lado tamb"m no a)irma que este (amais possa ser er.uido e,
antes, parece ser isso uma provocaço, um desa)io atirado ao
espírito #vido de aprender.
Paris e New YorJ, 9<8B.
PA+TE P+($E(+A
Estudo do $acrocos&o
Ca,-tulo (
.ista geral sobre as coisas
"arc#a a seguir no e$a%e das coisas. & 'studo do "acrocos%o. &
Cataclis%os peri(dicos. & )esloca%ento das *guas e dos gelos de
u% #e%is+,rio para outro. & )il!-ios. & Co%para./o do 0e%is+,rio
1ul co% o 0e%is+,rio 2orte. & Ca%adas alternadas de +(sseis
%arin#os separadas por +(sseis de -ida a,rea. & 3ue , a "at,ria.
& 4 *to%o ine$tensí-el. & 5 energia. & 6ei da conser-a./o da
%at,ria. & 4 *to%o , u% ele%ento +luídico. & 7enetrabilidade da
%at,ria. & "o-i%entos prodigiosa%ente ati-os das %ol,culas. &
8to%os9turbil#:es. & 4 ;ni-erso tende ao repouso absoluto. & 2a
opini/o de nu%erosos s*bios %odernos< a an*lise +ilos(+ica<
au$iliada pela e$peri=ncia< de%onstra >ue a %at,ria n/o passa de
energia condensada e% +or%a transit(ria. A maior das ilusões
chama-se realidade.
E )rontispício deste livro tra/ em letras .arra)ais estas
palavrasT +n$lise das ,oisas. ,is aí um título muito vasto que
poderia parecer pretensioso em to pequeno volume. Dou,
entretanto, )a/er todo o possível para (usti)ic#Olo e es)orçarOme
por bosque(ar uma an#lise sucinta do $niverso, do qual somos
parte.
0quele que (amais experimentou as an.+stias dos .randes
problemas da vida e da morte, e cu(o espírito ainda se no elevou
acima das coisas vul.ares, si.a o seu caminhoF isto no )oi
escrito para ele.
No )oi tamb"m para os que limitam a 5iência ao quadro do
seu saber, que estas p#.inas )oram traçadas, mas para os que
levam as suas inda.aç1es mais alto - e!c*lsio -, interro.am a si
mesmos por que esto neste planeta e que )orça os condu/iu para
aqui. Co.o a estes +ltimos, sob cu(os olhos se encontrarem estas
linhas, queiram por um instante concentrar o pensamento, isol#O
lo tanto quanto possível dos ob(etos exteriores, a-materiali.$lo,
por assim di/er, porque s2 ele " bastante r#pido para )a/er a
via.em que devemos empreender.
,is, antes de tudo, o itiner#rio que vamos se.uirT Nepois de
nos libertarmos pelo pensamento da aço do peso, a )im de nos
emanciparmos da servido que nos li.a à =erra, se.uiremos esta
com os olhos do espírito e examinaremos li.eiramente a sua
super)ície. =omaremos, depois, uma parcela da subst4ncia de que
ela " )ormada e buscaremos compreenderOlhe a constituiçoF
partiremos do #tomo, em uma palavra, e, por de.raus enormes,
tentaremos escalar as alturas da imensidade, a )im de obtermos,
caso possa ser, uma id"ia do &acrocosmo.
Nepois, tornando a descer à nossa planetos)era, procuraremos
aí o &icrocosmo e )arOlheOemos a anatomia e a )isiolo.ia
comparadas. 5omparadas às de seu modelo.
,m nossa titanesca excurso atrav"s do Wter pro)undo dos
5"us, repousaremos, um instante, em um ponto do ,spaço
ilimitado, a )im de descobrirmos nele o terceiro princípio, o
terceiro Q:er realR, que, com a /at*ria e a Energia, constitui o
0ni"erso animado.
0 pesquisa deste princípio no homem, a demonstraço da sua
independência e da sua persistência )ora da mat"ria, )aro o
ob(eto principal do nosso estudo.
/ / /
:abemos que, baseandoOse na )orma dos oceanos e das terras,
bem como, se.undo se asse.uram, em certas tradiç1es secretas
da hist2ria oculta, al.uns s#bios %nem todos )a/em parte do
7nstituto' pretendem que a cada período terrestre de vinte e cinco
mil e al.uns centos de anos, determinado pelo )en*meno
astron*mico conhecido sob o nome de precess(o dos equin1cios,
reali/aOse o mais pavoroso dos cataclismos. Pavoroso para quem
vive e se move sobre esta es)era/inha, )ica subentendido, porque,
como bem compreendemos, o acidente passa sem d+vida quase
despercebido dos nossos vi/inhos mais pr2ximos, os (upiterianos
ou os marcianos, se eles no esto mais adiantados do que n2s
em 2tica astron*mica.
,m conseqZência da mudança de inclinaço do eixo dos
p2los, a =erra se apresentaria em )ace do seu .rande ma.neto, o
:ol, de modo a deslocar o pr2prio centro de atraço, que um lado
do equador terrestre passaria a pequena dist4ncia sobre o lado
oposto.
7sto traria como conseqZência ou como e)eito determinar um
deslocamento das #.uas que, em ra/o de sua )luide/, tendem
naturalmente a correr para o lado onde so mais atraídas, como o
prova o )en*meno das mar"s.
:e )osse s2 isto, talve/ no houvesse .rande mal, por"m o
nível das #.uas, diminuindo tanto no p2lo elevado quanto na
outra parte, )a/ que a calota imensa de .elo que o envolve se
despedace, no estando mais sustentada pelas #.uas. ,stes .elos,
cu(a espessura no " de menos de >B ou ?B quil*metros
acumulados no [rtico ou no 0nt#rtico donde as #.uas se retiram,
deslocamOse subitamente, ocasionando um medonho
desmoronamento. Grandes blocos de .elo, da espessura de
muitos Iimalaias sobrepostos, precipitamOse expelem as #.uas,
arrastamOse e rolam com elas, raspando os continentes e
transportando para lon.e montanhas de rochas, que mais tarde o
homem denominar# err#ticas. 0 #.ua sal.ada tudo submer.e,
exceto al.uns planaltos elevados e certas .rimpas de serras.
Nepois, quando se )a/ completo silêncio, sobre os anti.os
continentes, desde ento sepultados no )undo do salso oceano,
sur.em novas terras, lamacentas, cobertas de lodo sal.ado e de
ervas desconhecidas. :emelhantes a monstros marinhos que, de
repente, ap2s uma borrasca saíssem horrendos e .laucos do seio
das ondas a.itadas, assim se mostram elas à )ace da lu/
assustada.
,ssas terras limosas, emer.idas de h# pouco, aparecem aos
homens que escaparam ao )la.elo, os quais .uardam
tradicionalmente a lembrança delas em hist2rias de dil+vios que
se encontram em livros sa.rados, escritos sobre a ori.em de
todas as reli.i1es.
QGançai os olhos sobre o .lobo terrestre - di/em os
partid#rios dessa teoria diluviana - e observai quanto di)ere
o hemis)"rio sul do setentrionalT neste +ltimo, s2 vereis
terrasF ao contr#rio, no :ul as #.uas dominam, e aí esto de
al.uma sorte acumuladas. Es elevados planaltos, os cimos
das re.i1es montanhosas, sob a )orma de ilhas, encontramOse
aí copiosamente. 0l"m disso, todos os continentes, as duas
0m"ricas, a [)rica, a Xndia, as .randes penínsulas indoO
chinesas, terminam em ponta na direço do hemis)"rio para
o qual correram as #.uas. @ue si.ni)icaria e que destino teria
essa 0tl4ntida, cu(a reminiscência se transmitiu atrav"s das
idades e )oi ilustrada por Plato, se no a considerarmos um
continente por aquela )orma submer.idoS
E que indicam - acrescentam eles - estas camadas
alternadas e superpostas de )2sseis marinhos, depois de
)2sseis tel+ricos, depois marinhos, que ainda encontramos
debaixo do solo dos nossos campos, e at" sobre nossas
montanhas, seno que o :ol alumiou ao nível do mesmo
ponto o oceano e o continente habitadoSR
&as, deixemos de parte esse assunto pouco importante em si
mesmo, sob nosso ponto de vista. E nosso pensamento voa
livremente, desli.ado de todos os laços materiais, acima da
super)ície terrestre, acima das ilhas de .elo, colossais, que se
entrechocam e enchem os ares de escuma e poeira de neve,
acima destes continentes que se esboroam com toda a vida que
encerram nos ne.ros abismos dos novos oceanosT s2 temos a
temer os .randes cataclismos peri2dicos. @ue importa um
dil+vio de mais ou de menosS 7sto no poderia perturbarOnos em
nossa inda.aço do absoluto e compreendemos muito bem
0rquimedes, alheio às coisas que o cercavam, imp#vido,
deixandoOse matar pelos antropomor)os, cu(o )erro assassino lhe
cortou o êxtase cientí)ico.
5omecemos, pois, o nosso estudo do macrocosmo.
/ / /
0 an#lise )ilos2)ica, a teoria at*mica, como a dos
equivalentes químicos, ambas dedu/idas de proporç1es
determinadas e constantes, encontradas nas combinaç1es dos
corpos entre si, indu/emOnos a considerar a mat"ria como sendo
um composto de elementos extremamente sutis, .rupados uns
com os outros, de di)erentes modosT d#Ose o nome de mol*culas
a estes elementos. &as, a an#lise vai mais lon.eT estas
mol"culas, por menores que as possamos ima.inar, comp1emOse
de a.lomeraç1es de outros elementos QindivisíveisR, como o
indica o seu nomeF estes elementos da mol"cula so os $tomos.
:e a esta per.untaT Qque " a mat"riaR se respondesseT Q" uma
coisa que podemos ver e tocar, coisa )ormada de partes
elementares, que, consideradas como mat"ria, no existem
absolutamenteR, suponho que muitas pessoas )icariam
surpreendidas ouvindo tal de)iniço. ,, entretanto, isso "
sustentado por persona.ens eminentes, tudo o que h# de mais
eminente, os partid#rios da =eoria do $tomo ine!tensí"el.
No sei com se.urança se essa id"ia )oi discutida pelos
anti.os )il2so)os .re.osF o certo " que ela existe simbolicamente
expressa nas )iloso)ias indost4nicas. ,m todo caso, por meados
do s"culo passado, ela )oi apresentada pelo padre !oscowich.
:#bios como 0mp\re, Harada], 5auch], etc., e )il2so)os quais
Nu.aldO:tewar, Ditor 5ousin, Dacherot %2e"ue des Deu!
/ondes, a.osto de 9<^6', etc, constituíramOse campe1es
convencidos da id"ia do #tomo inextensível, que se no deve
con)undir com a =eoria sustentada por Iume, !erJele],
Iamilton, :tuart &ill, 5o]teux, entre outros, e se.undo a qual
nada existe. G2r.ias, o c"lebre so)ista de Geontinos, havia
ensinado a doutrina de que nada e!iste, mais de >BB anos antes
da nossa era.
@ue seria o #tomo entoS uma )icço matem#ticaS
5ertamente que no, mas os elementos da mat"ria parecem ser
unos e semelhantes para todos os corposF os alquimistas,
apoiados nessa id"ia, procuravam e ainda procuram a
transmutaço dos metais. 0l"m disso, podia suceder que, nesse
ponto, a for'a e a mat*ria se encontrassem e se con)undissemF
eis um assunto do qual nos tornaremos a ocupar.
:e(a como )or, em virtude da .rande lei da conser"a'(o da
mat*ria, que Gavoisier de)initivamente estabeleceu, apesar de
seus movimentos e mi.raç1es perp"tuas, o #tomo no varia nem
se destr2iT " indestrutível e invari#vel, constituindo apenas um
elemento )luídico, cíclico, .irat2rio do )luido universal de que a
mat"ria " )ormada %Ielmholt/, Killiam =homson, =ait, etc.'.
0
0 ener.ia animal dos #tomos, de um movimento to r#pido
que a ima.inaço no pode )a/er uma id"ia dele, seria pois o
a.ente real que )ixa a mol"cula e esta por sua ve/ no ser# seno
a ener.ia condensadaS :imples teoria_... 0 verdade " que os
)ísicos esto ho(e de acordo, considerando os corpos mais densos
como representando apenas em apar%ncia uma super)ície
contínua, como, por exemplo, uma es)era, oca, de prata, cheia de
#.ua e soldada hermeticamente. 5olocando sobre uma bi.orna
esta bola e batendoOseOlhe com um martelo, a #.ua escapaOse por
todos os poros do metal a cada .olpe do martelo e vem al(o)rar a
sua super)ície, se.undo experiências dos acadêmicos de
Hlorença. Eutros )atos nos demonstram que a id"ia da
impenetrabilidade da mat"ria dos corpos " absolutamente )alsa.
:em )alar da mistura de uma parte de #lcool e outra de #.ua, que
d# um volume total in)erior aos dois volumes primitivos dos dois
líquidos separados - porque pode darOse neste caso uma
variedade de combinaço -, os )atos persistentes de
penetrabilidade produ/idos sob a in)luência da for'a psíquica -
como o anel de vidro e o anel de mar)im, que subitamente
aparecem en)iados um no outro quais elos de uma corrente, no
.uardando vestí.io de soluço de continuidade - estes )atos
demonstram, no somente a penetrabilidade dos corpos, mas
tamb"m a sua desmoleculari.a'(o e reconstituiço possíveis ad
integrum, sob a in)luência de certas )orças das quais a ciência
)utura vai )a/er um dos ob(etos principais de observaço.
E volume das mol"culas pode ser, quando muito, avaliado
por milion"simos de milímetros, e mesmo levando em conta o
espaço relativamente consider#vel que as separa, " ainda por
trilh1es, quintilh1es, sextilh1es que devemos cont#Olas em um
milímetro c+bico.
,las esto em um estado contínuo de a.itaço, de pro(eço,
de choques violentos, de atraço, de repuls1es en"r.icas, das
quais " sem d+vida um p#lido re)lexo o movimento browniano
das partículas microsc2picas. Ha/emos uma id"ia do seu
tremendo turbilho, quando vemos que no hidro.ênio, em
presso e temperatura ordin#rias, as mol"culas deste .#s esto
animadas da velocidade mais ou menos de ;.BBB metros por
se.undo %3oule' e que cada uma so)re de suas vi/inhas cerca de
9^ bilh1es de choques no mesmo espaço de tempo %5lausius,
&axwell, !olt/mann'. QW o bombardeio operado por essa
multido de pequenos pro("teis contra a parede envolvente, que
constitui a tenso dos .asesR, di/ &. ,. 3ou))ret em not#vel
trabalho, onde encontramos, a respeito da reconstituiço da
mat"ria, numerosas exposiç1es desenvolvidas e claras,
sabiamente estudadas %3ntroduction 4 l5*tude de l56nergie'.
5ada mol"cula, )ormada por uma multido de $tomos
tur-ilh7es, " ho(e considerada por al.uns s#bios do modo pelo
qual ela o )oi anti.amente por iniciados da Xndia e do ,.ito, isto
", como um sistema planet#rio Qcom todas as complicaç1es de
movimento e de vidaR, diri.ida esta, se.undo os pandits da Xndia
atual, por inteli.ências elementares in)eriores %*l*mentals'. Es
corpos, que so a.lomeraç1es de mol"culas, seriam assim os
an#lo.os das viasOl#cteas e das nebulosas resol+veis.
,m resumo, tomando uma partícula microsc2pica de mat"ria
qualquer, se a dividirmos em pensamento muitos milhares de
ve/es, che.aremos a obter uma mol"cula que s2 seria percebida
por meio de nossos instrumentos mais poderosos, se o poder de
aumento dos mais )ortes microsc2pios crescesse cerca de mil
ve/es. , esta mol"cula " por sua ve/ uma a.lomeraço de
#tomos, que podemos considerar como turbilh1es, círculos de
ener.ia, produ/indo, por mo"imentos variados, as aparências da
mat"ria, tal como a percebemos. $ma parcela de dinamite, onde
se acumulasse enorme quantidade de energia mec4nica, poderia
representar uma ima.em .rosseira da mol"cula considerada
se.undo as mais s#bias teorias, comparando a ener.ia mec8nica
da dinamite à ener.ia condensada na mat"ria, e os .ases,
condensados indiretamente pelas manipulaç1es químicas na
dinamite, ao 6ter arran(ado sob a )orma de #tomos na mol"cula.
0 mat"ria no passaria, pois, de uma aparência da ener.ia.
,m presença desta an#lise da mat"ria e dos resultados a que
ela condu/, no estaríamos autori/ados a admitir, com Iume,
!erJele], Iamilton, :tuart &ill, 5o]teux, etc., que nada existe
realmenteS :im, se s2 houvesse mat"ria e ener.ia %)orça' no
mundo, porque a pr2pria ener.ia, assim como veremos mais
adiante, tende, no a desaparecer, mas a repousar Qno s"timo
diaR, e o din4mico tende a tornarOse puramente potencial. ,m
outras palavras, o $niverso tende ao repouso absoluto.
/ / /
No momento de terminar este estudo sum#rio, que, todavia,
nos )e/ mer.ulhar em pensamento nas pro)unde/as do
in)initamente pequeno, )ormulemos a nossa opinio. No
obstante a perturbaço que podem lançar no espírito as
conclus1es atuais da 5iência acerca da constituiço da mat"ria,
no pensamos dever adotar a teoria de que acabamos de )alar e
se.undo a qual nada existe. :omos, entretanto, )orçados a
concluir, à vista destas an#lises, que nos mostram as coisas to
di)erentes do modo pelo qual as concebemos habitualmente, que
andamos incessantemente en.anados com a aparência dos
ob(etos. Ne sorte que, levando em conta a imper)eiço dos
nossos sentidos, podemos avançar, como uma esp"cie de axioma,
que a ilus(o mais forte * a que denominamos realidade.
Ca,-tulo ((
'ncadea%ento geral das coisas. & 5 ci=ncia dos antigos era -asta
e pro+unda< co%o o de%onstra% as descobertas %odernas. &
?a@/o pela >ual eles n/o a di-ulga-a%. & )a necessidade de
ele-ar o pensa%ento para +a@er u%a id,ia %ais Austa das coisas. &
4 >ue o autor entende por zona lúcida. & 7rincípio e
conse>B=ncias da independência do absoluto. & 4pini/o de
6aplace. & "ateriali@a./o da energia. & 5 orige% dos %undos. &
For%a./o dos s(is< dos planetas. & Id,ias de 6aplace sobre a
pluralidade dos %undos #abitados. & Fi% dos %undos. & A noite
de Brama. & 3ue +ica sendo a consci=ncia do #o%e% entre as
ruínas do ;ni-ersoC & 4 #o%e%< c,lula do Grande Ser. &
Velocidade de transla./o das estrelas c#a%adas +i$as.
E leitor no deve )icar surpreendido se, antes de abordar o
estudo do homem e a an#lise de sua essência, o autor (ul.a dever
dar uma id"ia do .rande =odo, no qual cada mol"cula, cada
#tomo dos que (# tratamos, esto, desde o .ro de areia at" os
s2is imensos, li.ados, encadeados uns aos outros por laços cu(os
)ios so invisíveis aos olhos do corpo, mas que o pensamento
adivinha e concebe.
Neste estudo das coisas, os anti.os so nossos mestres, no
podemos ne.arOlhes esta (ustiça. 0s descobertas da ciência
moderna no nos vo cada dia pondo à altura de entendermos
claramente muitas passa.ens desses escritos, cu(o sentido as
.eraç1es precedentes mal podiam entreverS 0 an#lise espectral,
por exemplo, mostrandoOnos a analo.ia de composiço existente
entre as estrelas - esses s2is que iluminam e vivi)icam miríades
de terras - e nosso :olF esta mesma an#lise permitindoOnos
palpar, por assim di/er, a identidade de composiço deste +ltimo
e da =erra, cu(a ori.em indica ao mesmo tempo, no nos d# ela a
explicaço dos versos de G]sis, discípulo de Pit#.oras,
conhecidos pelo nome de "ersos dourados dos pita.2ricosT
&a-er$s, se o quiser o c*u, que a nature.a
* semelhante em tudo e a mesma em toda parte9
Precisamos, pois, por meio das lu/es da ciência moderna,
tratar de esclarecerOnos sobre os símbolos hiero.lí)icos da
ciência anti.a, os quais nos )oram conservados. Por que ra/o
todos os anti.os escritores sa.rados - pa.os, (udeusOcristos,
etc. - empre.aram tanto cuidado e unanimidade em repetir que
QNeus )e/ o homem à sua ima.emR, ou que Qo homem " um
microcosmoR - o que, sob o ponto de vista herm"tico, si.ni)ica
exatamente a mesma coisaS W que a maior parte desses
escritores, versados em uma ciência que, sem d+vida, os homens
vul.ares ainda no merecem conhecer, haviam surpreendido a
analo.ia de composiço do homem e do $niversoF haviam
aprendido experimentalmente que os elementos da Qt"trade
sa.radaR se encontram no homem. ,les no tinham esperado H.
!acon para inventar o m"todo experimental, mas no
divul.avam a todo mundo os se.redos que arrancavam à
Nature/aT sagrado para eles, si.ni)icava aquilo que o vul.o no
devia saberF como, por"m, no quisessem que )icassem perdidas
as suas descobertas, assinalaramOnas em express1es obscuras,
velaramOnas sob )i.uras simb2licas que servissem de .uia à
mem2ria de seus discípulos, ou provocassem a atenço do
observador no vul.ar e bom, em cu(a inteli.ência eles devessem
reviver um dia.
No, para compreenderOse a essência da vida no " in+til
)a/erOse o exame comparado do $niverso e do homem, do
macrocosmo e do microcosmo.
, depois, s2 podemos ter concepç1es claras das coisas
elevando nossa alma acima das operaç1es ordin#rias do
pensamento, de onde nascem, quase sempre, os preconceitos, as
id"ias err*neas, as ilus1es a respeito do que nos cerca. W mister
libertarmos, embora momentaneamente, o nosso espírito do
quadro estreito da vida cotidiana, a cu(as exí.uas dimens1es ele
tende a amoldarOse. 0 concepço da nature/a do homem "
daquelas.
/ / /
:pino/a di/ que devemos encarar as coisas sob um car#ter de
eternidade. 7rei mais lon.eT sustento ser conveniente que nos
habituemos a considerar tudo em relaço com o espa'o e o
tempo, com a imensidade e a eternidade. @uo min+sculos nos
apareceriam grandes acontecimentos e altas situaç1es, se os
su(eit#ssemos ao c#lculo desta re.ra de proporçoS &as, " esta
uma operaço que no est# ao alcance de toda .enteF non licet
omni-us...
Eutra condiço que importa tamb"m no despre/ar " a de
curarOse o homem desse or.ulho que acompanha inevitavelmente
uma m# educaço cientí)ica e uma instruço especiali/ada,
incompleta, como so to )reqZentes em nossos dias. Pessoas
muito esclarecidas em um pontinho especial dos conhecimentos
humanos (ul.am poder decidir arbitrariamente sobre todas as
coisas e repelem sistematicamente toda novidade que lhe choque
as id"ias, quase sempre por este +nico motivo - que em .eral no
con)essam - que se aquilo fosse "erdade, elas n(o podiam
ignorar: Por minha parte, encontrei )reqZentemente esse .ênero
de bas2)ia entre homens cu(a instruço e estudos deveriam
preserv#Olos dessa deplor#vel en)ermidade moral, se no
tivessem sido especialistas, escravos da sua especialidade. W
sinal de in)erioridade relativa uma pessoa (ul.arOse superior_
,n)im, o n+mero de inteli.ências que so)rem de lacunas "
maior do que se (ul.a .eralmente. No mesmo modo que
determinados indivíduos so totalmente re)rat#rios ao estudo da
m+sica, das matem#ticas, etc., a outros muitos esto interditas
certas investi.aç1es do pensamento. $ns, que se distin.uiram
nesta ou naquela classe de ocupaç1esT na medicina ou na
mercearia, na literatura ou na arte de )abricar panos, se.undo
toda a probabilidade, teriam lastimosamente )alhado se
houvessem escolhido - como outros tantos que abarrotam o
mundo - uma carreira situada )ora do que chamarei a .ona
l;cida, à semelhança da aço dos re)letores que, durante a noite,
transmitem a lu/ a uma /ona de )eixes luminosos, )ora dos quais
s2 h# sombra e incerte/a.
5oisas existem que no esto ao alcance da concepço de
certas inteli.ênciasT esto )ora de sua /ona l+cida.
W in+til insistir maisT al.um crítico mal disposto poderia
reconhecerOse nestas observaç1es e acusarOme, em repres#lia, de
haver escolhido um assunto )ora da minha pr2pria /ona. @ueiram
os deuses preservarOme de semelhante in)elicidade_...
/ / /
Nesembaraçado o nosso pensamento das pro)unde/as
at*micas da mat"ria, onde esteve en.ol)ado, se o transportarmos
ao espaço e considerarmos o macrocosmo na imensidade,
veremos que a comparaço da mol"cula com a nebulosa "
racional. 7.noramos as leis dos movimentos moleculares, e se
estamos mais )amiliari/ados com as que .overnam os planetas
do nosso sistema, i.ualmente desconhecemos as leis dos
movimentos estelares. &as, nada nos inibe de supor que,
atendendo à lei da independ%ncia do a-soluto, os movimentos da
mol"cula, como a concebemos, se(am compar#veis aos das
estrelas e seus planetas, subentendendoOse que as proporç1es do
tempo de evoluço da mol"cula devem ser redu/idas às do
espaço em que ela evolui. , se existissem seres inteli.entes
sobre estas pequenas massas, planetas Qinterat*micosR possuindo
dimens1es proporcionadas à sua QterraR, estes seres no
perceberiam os to r#pidos movimentos dela, como n2s no
percebemos os da nossa, que nos arrasta, entretanto, atrav"s do
espaço com uma velocidade aproximada de AB quil*metros por
se.undoF sua vida, que seria to curta como o mais r#pido
pensamento, correria, talve/, em ocupaç1es relativamente to
numerosas e to lon.as como as nossas, seno i.ualmente )+teis
como em re.ra .eralF achariam o tempo t(o longo como n2s, e o
seu or.ulho pela .rande/a de suas obras no seria, sem d+vida,
in)erior em coisa al.uma ao dos homens... o que seria muito
le.ítimo.
,sse princípio da independência do absoluto )oi distintamente
percebido por Gaplace, como o prova este trecho da sua
E!posi'(o do sistema do mundoT
Q$ma de suas propriedades not#veis, a da atraço -
escreve ele -, " que se as dimens1es de todos os corpos do
$niverso, suas dist4ncias m+tuas e velocidades crescessem
ou decrescessem proporcionalmente, descreveriam curvas
inteiramente semelhantes às que descrevem, de modo que o
$niverso o)ereceria sempre a mesma aparência aos seus
observadores. ,stas aparências so, por conse.uinte,
independentes do movimento absoluto que possa haver no
espaço. 0 simplicidade das leis da Nature/a no nos
permite, pois, observar e conhecer seno as relaç1es.R
7nterro.uemos a.ora estas outras mol"culas do in)inito, as
estrelas, os s2is a/uis, brancos, ne.ros %que, sem d+vida,
existem, mas esto apa.adosF os planetas so parcelas de s2is
res)riados', os s2is vermelhos, as estrelas amarelas, constelaç1es
nebulosas, viasOl#cteas - que so a.lomeraç1es de estrelas - e
entre elas nosso sol, separadas somente por dist4ncia de al.uns
milh1es de l".uasT eis por que observadas da =erra elas se
con)undem. Per.untaiOlhes como se )ormaram.
5onsiderai os cometas, dirOnosOo esses .i.antes dos campos
celestes, que nada mais so al"m de Qmat"ria c2smicaR, que se
-usca e se acumula para, mais tarde, em um ponto do in)inito,
)ormar um novo mundo solar. Nesse estado, a ener.ia, tomando
a )orma de #tomos para se con)ederar em mol"culas, ainda no
saiu completamente do estado potencialF mas, basta que um
ponto se materiali.e, e todas as mol"culas novas iro precipitarO
se sobre este pontoF e a energia, encontrandose so- sua no"a
forma - a mat"ria -, passar# ao estado din4mico. &ultiplicarOseO
o as chuvas de mol"culasF os pontos de ener.ia materiali/ada
precipitarOseOo uns sobre os outros, desenvolvendo tal
quantidade de calor a ponto de se volatili/aremF e assim se
)ormam os s2is que .iram nos c"us. Nestes sois em )uso,
escapamOse massas anulares volatili/adas, que es)riam no espaço
onde se vo perder. PerderOse no " o termo, porque elas so
retidas pela atraço - ou se.undo Newton - Qquam ego
attractionem appelloR %o que denomino atraço', pela atraço do
seu sol, cu(os planetas )icam sendo. ,is o que nos diro as
estrelas.
W assim Qque a .ravidade, por um vasto e lento processo de
cristali/aço, cu(o pro.resso nas pro)unde/as do espaço o
astr*nomo contempla com emoço, devia condensar, pouco a
pouco, a mat"ria ento prodi.iosamente dilatada e con)eccion#O
la em sistemas estelares, solares e planet#riosR. %,. 3ou))ret.'
0crescentemos a.ora que a vida existe sempre em todos os
períodos sobre os s2is e seus planetas, e que a)inal se adapta ao
meio. :er# lícito supor que a vida no possa mani)estarOse neste
ou naquele planeta, porque " mais )rio ou mais quente que o
nosso, mais pr2ximo ou mais a)astado do seu solS De(amos a
respostaT
QE :ol, )a/endo viver, pela aço ben")ica de sua lu/ e
calor, os animais e as plantas que enchem a =erra, deve
analo.amente produ/ir e)eitos semelhantes sobre os outros
planetasF porque no " natural pensarOse que a mat"ria, cu(a
atividade vemos desenvolverOse de tantos modos, se(a est"ril
sobre um planeta to .rande como 3+piter, que tem, como o
.lobo terrestre, seus dias, noites e anos, e sobre o qual os
observadores notam mudanças que indicam )orças muito
ativas. ,ntretanto, seria dar demasiada extenso à analo.ia,
concluir por isso a semelhança entre os habitantes dos
planetas e os habitantes da =erra. E homem, )eito para a
temperatura de que .o/a e para o elemento que respira, no
poderia, se.undo toda a aparência, viver em outros planetas.
&as, no existir# neles uma in)inidade de or.ani/aç1es
relativas às diversas constituiç1es dos .lobos do $niversoS
:e a +nica di)erença dos elementos e dos climas p1e tanta
variedade nas produç1es terrestres, quanto mais devem
di)erir as dos diversos planetas e seus sat"litesS 0
ima.inaço mais ativa no pode )a/er uma id"ia delasF mas a
sua existência " muito verossímil.R %Gaplace, Essai sur les
<ro-a-ilit*s.'
Nepois que a 5iência nos )e/ assistir à )ormaço dos
sistemas, à .ênese dos mundos, se(aOnos permitido per.untarOlhe
para que todo esse movimento, toda essa a.itaço_ Nou ainda a
palavra aos mais autori/ados na questo. Ni/ ,. 3ou))retT
Q:e.undo um c#lculo de Ielmholt/, o sistema solar no
possui mais que >?>` parte da ener.ia trans)orm#vel, que ele
possuía no estado de nebulosa. ,mbora esse resíduo
constitua ainda proviso, cu(a enormidade nos con)unde o
entendimento, ela ser# um dia consumida tamb"m. &ais
tarde, a trans)ormaço ter# lu.ar no $niverso inteiro e, por
)im, estabelecerOseO# um equilíbrio .eral de temperatura,
como de presso.
0 ener.ia no ser# mais, ento, suscetível de
trans)ormaço. No ser# mais o nada uma palavra privada
de sentido, nem ser# a imobilidade propriamente dita,
porquanto a mesma soma de ener.ia subsistir#, sempre, sob
a )orma de movimentos at*micosF mas ser# a ausência de
todo o movimento sensível, de toda a di)erença e de toda a
tendência, isto ", a morte absoluta.
Es planetas no mais circularo em torno dos s2is
extintos. Produ/irOseOo a.lomeraç1es sucessivas, tendo
desenvolvido de cada ve/ um imenso calor
1
e podendo
recomeçar um período vital mais ou menos lon.oF tendo
criado sistemas solares cada ve/ mais .i.antescos, por"m
menos numerososF tendo )inalmente che.ado a tudo reunir
em uma +nica massa, que, depois de haver .irado muito
tempo sobre si mesma, acabar# por tornarOse im2vel
relativamente ao espaço ambienteF massa daí em diante
homo.ênea, insensível, da qual nada perturbar# mais o
medonho repouso.
=al ", admitida a permanência das leis que re.em ho(e a
Nature/a e, se.undo o raciocínio, o estado a que h# de
che.ar o $niverso...
Gaplace, en.anado pelo c#lculo, no suspeitou esse
desmoronamento )inal.R
/ / /
QE o anjo### jurou que n(o ha"eria mais tempo algum
d5ora em diante#R
%+pocalipse, 9BT ?O6'
=al " o destino do mundoT como todo ser que vive passou
pelo estado embrion#rio, teve sua in)4ncia, adolescência e
maturidadeF a decrepitude da velhice (# começou.
=ais so, pelo menos, as conclus1es da ciência moderna com
o conhecimento dos dois elementos Qque esto colocados nos
dois 4n.ulos in)eriores do tri4n.uloR, quero di/erT a mat"ria e a
)orça, ou ener.ia.
Hato curiosoT os bramas e os pandits %s#bios )il2so)os do
Eriente' possuem h# milhares de anos uma cosmo.onia idênticaT
em sua lin.ua.em simb2lica denominam eles esse
Qdesmoronamento )inalR das es)eras, esta parada do $niverso no
ponto morto, Qa noite de !ramaR, a noite durante cu(os in+meros
s"culos, depois de haver reabsorvido tudo em si, os deuses
(untamente com as coisas, Qo 0nti.o dos diasR repousa,
contemplandoOse em seu Parabrahm ,terno.
@ue )ica sendo o homem no meio dos destroços de astros,
volatili/andoOse ao choque uns dos outrosS @ue )ica sendo a
consciência do ser e que sorte vai ser a suaS 0 5iência ainda se
no ocupa disso, mas )orçosamente vai ser levada ao estudo
destas coisas, porque as mani)estaç1es da consciência, no al*m
da"ida, começam a chamarOnos a atenço, a reclamar o nosso
exame.
/ / /
E homem aí est#, pobre ser )inito, no meio do espaço sem
limites, quer em lar.ura, quer em pro)undidade ou em todas as
direç1esF )raco quando treme, mas to )orte como o mundo,
quando o compreende e se resi.na a ser uma c"lula do Grande
:er_ Pode ele, limitado, conceber o que no tem limitesF observa,
h# milhares de anos, estrelas que no parecem mudar de lu.arF as
)i.uras da es)era celeste permanecem as mesmas... e todavia os
instrumentos inventados pelo seu .ênio permitemOlhe calcular,
por exemplo, que as estrelas chamadas )ixas se a)astam ou se
aproximam dele com a velocidade de ;B, AB, A? e mais
quil*metros por se.undo_ Ne/, vinte, trinta ve/es mais r#pidas
que uma bala ao sair do cano de uma espin.arda. 0ssim :írius,
entre outros, que, situado a A8 trilh1es de l".uas da =erra, a)astaO
se dela na ra/o de ^BB.BBB l".uas por dia, como o demonstra a
an#lise espectrosc2pica desse sol.
, o homem aprende a no se admirarT o ,spírito dilataOseOlhe
at" esses mundos inacessíveis à vista vul.ar. DisitaOos em
pensamento durante o tempo de um rel4mpa.o. =orna a entrar
em si mesmo e, conse.uindo no conceber o louco or.ulho por
essa .loriosa ascenso, tornaOse deus ele pr2prio_
Pode tamb"m saber os riscos que corre como emanaço
material do planeta, sobre o qual percorre verti.inosamente o
espaçoT isto no poder# perturb#Olo, se ele conhecer... &as no
antecipemos. Doltemos à super)ície da es)era terrestre,
procuremos aí o microcosmo e ve(amos o que a ciência moderna
ensina a seu respeito.
PA+TE 'EG234A
Estudo do $icrocos&o
Ca,-tulo (
?esu%o dos con#eci%entos sobre n(s %es%os< >ue a +isiologia
nos te% dado at, #oAe no ponto de -ista psí>uico. & )outrina
+ísico9>uí%ica. & )outrina ani%ista< -italista. & )outrina %aterialista
%oderna. & 4pini/o de Claude Dernard sobre a %at,ria -i-a. &
4pini/o de di+erentes %,dicos< s*bios< etc. & 5 -ida< a intelig=ncia<
s/o si%ples propriedades da %at,riaC & Vida orgEnica< ani%al<
intelectual. & "arc#a do in+lu$o ner-oso. & Velocidade da onda
ner-osa nos ner-os. & 5 patologia %ostra >ue ne% a -ontade< ne%
a consci=ncia te% sede e$clusi-a e% u% ou outro #e%is+,rio
cerebral. & 4pini:es %odernas sobre as propriedades das c,lulas
ner-osas. & 5s id,ias ser/o apenas %in!sculas descargas
el,tricas produ@idas pelas c,lulas ner-osasC & 7apel do método
positi-o.
No entra no plano deste estudo )a/er o hist2rico das diversas
teorias emitidas a respeito dos )en*menos que presidem à
conservaço das )unç1es da mat"ria or.ani/ada, isto ", à vida.
:uponho que as doutrinas )ísicoOquímicas, animista, vitalista ou
stahlista, etc., so conhecidas do leitor. Cecordemos que, de uma
parte, uns no queriam ver na vida seno um con(unto particular
de )en*menos re.idos pelas leis da Hísica e da @uímica, ao passo
que outros, os animistas, consideravamOna como a mani)estaço
onipotente da alma %:tahl' ou de um arqueu in)erior %!asile
Dalentin, Dan Ielmont, etc.'. ,sta coisa imaterial, se.undo os
animistas, " o .rande deus e! machina da vidaF " ela que
)iscali/a o bom )uncionamento das c"lulas, preside às secreç1es
e re.ula, em uma palavra, todos os atos da vida or.4nica, a
inteli.ência ou parte intelectual da alma, conservandoOse acima
do todo.
0pesar das tendências materialistas da nossa "poca, no
)oram adotadas as id"ias quimi#tricas dos anti.os materialistas
que con)undiam a !iolo.ia com a @uímica e a Hísica, mas
ape.aramOse a uma hip2tese quase ecl"tica, que me no parece
destinada a satis)a/er por muito tempo, mesmo aos espíritos
menos exi.entes. + "ida, disseram em resumo, * uma
propriedade particular da mat*ria organi.ada, contanto que esta
+ltima este(a colocada em certas condiç1es )avor#veis. 0 vida
apenas representaria, assim, uma qualidade especial da mat"ria,
quando ela est# Qor.ani/adaR, do mesmo modo que o volume, o
peso, etc., so propriedades da mat"ria em .eral.
,ntretanto, 5laude !ernard, o maior )isiolo.ista do s"culo,
disse que de si pr2pria a mat"ria or.ani/ada, mesmo a mat*ria
"i"a, " inerte, Qno sentido de que ela deve ser considerada como
desprovida de toda a espontaneidadeR. &as, acrescenta ele, esta
mat"ria viva pode entrar em atividade e mani)estar suas
propriedades especiais de vida sob a in)luência de uma
excitaço, porque a mat"ria " Qirrit#velR.
:e admitirmos, com o ilustre e pranteado )isiolo.ista do
5ol".io de Hrança e do &useu de Iist2ria Natural, que a mat"ria
viva se(a inerte quando no irritada, ao passo que mani)esta suas
propriedades particulares sob a in)luência de uma excitaço,
)icamos autori/ados a emitir a hip2tese de poder existir um
a.ente excitante da mat"ria viva )ora e talve/ independente dela.
, se esse a.ente de irritaço, isto ", de vida, existe )ora da
mat"ria, no podemos di/er que a vida, ou o que produ/ as
mani)estaç1es da vida, tal como os nossos sentidos noOla
mostram, se(a uma propriedade da subst4ncia or.ani/ada e vivaS
&as, exprimirOse al.u"m por esta )orma no ser# )a/er (o.o
de palavrasS No poderíamos opor a 5laude !ernard suas
pr2prias experiênciasS No teríamos o direito de ob(etar que se a
mat"ria or.ani/ada e viva )osse inerte, se precisasse de excitante
exterior para mani)estar suas propriedades, nin.u"m
compreenderia como a c"lula hep#tica continua, de acordo com
sua demonstraço, a se.re.ar aç+car muito tempo depois de o
)í.ado ser separado do corpoS Deremos mais lon.e como, por
meio das lu/es da ciência nova, que no despre/a as descobertas
anteriores, che.aremos a uma soluço satis)at2ria.
0cabam de ser esboçadas, muito rapidamente, as principais
teorias emitidas sobre a vida. Deremos em se.uida quais so as
id"ias chamadas cientí)icas que reinam .eralmente em nossos
dias sobre a inteli.ência.
Nevo di/er que nem sempre encontrei id"ias bem claras entre
os s#bios %m"dicos, )isiolo.istas, biolo.istas, etc.', aos quais
nunca deixei de interro.ar sobre o assunto, cada ve/ que me era
possível provocar ocasio para isso.
0l.uns, principalmente na 0lemanha, no hesitaram em
responderOme que, na sua opinio, a vida e mesmo a inteli.ência
no passam de propriedades da mat"ria, a qual, aper)eiçoando
sua or.ani/aço sob as leis da evoluço %IacJel', tende a
produ/ir )en*menos %que denominamos vitais' cada ve/ mais
complexos. ,stas leis, em dado momento, devem terOse
or.ani/ado ou polari/ado, caso se(a pre)erida esta expresso, da
maneira pela qual as observamos presentemente, sobre este
ponto do espaçoF e isso de modo completamente arbitr#rio, se
considerarmos somente o ponto de partida, a ori.em do estado
atual, porque ele seria apenas a conseqZência de outros estados
anteriores.
,m Hrança, muitos m"dicos distintos, principalmente um
ilustre patolo.ista dos centros nervosos, deramOme respostas
an#lo.asF por"m o maior n+mero de s#bios aos quais me diri.i,
responderamOme de modo a provarOme que o aferro às suas
especialidades no lhes dava tempo de meditar e )a/er escolha de
uma opinio sobre esse ponto. 0conteceu a mesma coisa em
,spanha, na ilha de 5uba, onde no )altam homens cultos, e na
0m"rica do Norte.
&as, indo diretamente ao )ato e resumindoT nas 5iências,
ho(e, a tendência dominante est# em considerar a vida e a
inteli.ência como mani)estaç1es, ou, antes, como propriedades
da mat"ria vivaF propriedades essencialmente transit2rias, como
a pr2pria subst4ncia que, de al.uma sorte, as se.re.asseT QE
c"rebro se.re.a o pensamento como o rim se.re.a a urinaR, disse
um pro)undo pensador .erm4nico_
=odavia, apressoOme a di/er que se tal " a opinio mais
espalhada entre os que parecem ter opinio, uma minoria
imponente que pro)essa, quer in petto, quer abertamente,
opini1es espiritualistas variadas, ou, antes, sem preocupaço de
discuss1es )ísicoOmeta)ísicas, embalandoOse em uma d+vida
indi)erente ou im2vel, repete com &ontai.neT Q@ue sei euSR
0crescentarei que uma reviravolta sensível se vai operando, e
no temo a)irmar que o movimento espiritualista se acentua
pro.ressivamente, m#xime na parte esclarecida da moderna
.eraço. Nepois da publicaço da minha obra sobre os
)en*menos psíquicos, serOmeO#, talve/, lícito di/er a prop2sito
desse movimentoT ,ujus pars par"a fui9
/ / /
:em pretender expor em poucas linhas as aquisiç1es da
an#lise e da observaço psicol2.ica, vou, no obstante, tratar de
mostrar sumariamente os dados da ciência positiva sobre as
principais )unç1es psiconervosas, na medida necess#ria aos )ins
do presente trabalho.
0s )unç1es do sistema nervoso na conservaço da vida
or.4nica so ainda muito obscuras. :e a anatomia e a histolo.ia
do aparelho .an.lionar esto bem estudadas, o mesmo no se
pode di/er da sua )isiolo.ia. ,videntemente, o papel do sistema
nervoso na vida or.4nica " dos mais importantesF mas, qual o
papel representado pelas di)erentes partes desse sistemaS Es
.4n.lios simp#ticos so centros ou somente aparelhos de re)orço,
de suprimentoS... E que h# de certo " que o .rande simp#tico,
a.ente principal incontestado da vida ve.etativa, transmite muito
rapidamente à peri)eria as impress1es centrais que a.itam o
2r.o da inteli.ênciaF exemplo, para citar s2 um )atoT a rapide/
com que nossos rostos se cobrem de rubor ou de palide/,
se.undo a nature/a e a )orça das impress1es recebidas. Neste
caso, os nervos simp#ticos entram em (o.o, ap2s excitaço
recebida do centro intelectual, dilatando ou contraindo as
arteríolas da )ace.
0s experiências de su.esto hipn2tica, em que se vê, por
exemplo, a id"ia su.erida de um vesicat2rio produ/ir uma bolha
de serosidade, no ponto desi.nado da pele do su.estionado,
mostram sob uma nova lu/ a estreita intimidade que une o
sistema nervoso central da ideaço aos nervos da vida or.4nicaF
mas, se atualmente a ciência vul.ar " incapa/ de mostrarOnos
outra coisa al"m de certo n+mero de e)eitos nos atos da vida
or.4nica, no d# neste, como em outros muitos casos, nem um s2
porque ou uma s2 causa primitiva.
:ob o ponto de vista animal, entre os a.entes vitais ou
excitadores da mat"ria viva, conse.uiuOse de al.um modo
analisar o que determina o )en*meno do movimento consciente
volunt#rio, que tomarei para exemplo. 0ssim, pelo )ato de dobrar
um dedo, sabemos, ou, antes, presumimos que o primeiro tempo
deste ato tem lu.ar na camada cortical das c"lulas pardas, da
parte anterior dos l2bulos cerebrais %voliço'. 0s c"lulas
nervosas da camada cortical enviam a e!cita'(o atrav"s das
)ibras brancas da coroa radiante %)ibras cru/andoOse em diversos
sentidos em .rande parte do corpo caloso' aos n+cleos centrais
do hemis)"rio opostoF estes, pelas )ibras centrí)u.as, ou por um
movimento retr2.rado, se assim pre)erirmos, reenviam o influ!o
às c"lulas da subst4ncia parda e das circunvoluç1es, no ponto de
locali/aço correspondente aos movimentos do membro superior
%terço superior da circunvoluço )rontal ascendente, e metade
anterior do l2bulo paracentral, sobre a cesura de Colando'. Neste
+ltimo ponto, o fluido ner"oso, que deve e!citar as )ibras
musculares do antebraço a entrarem em contraço, repassa sem
d+vida pelos n+cleos centrais, para daí descer à medula
alon.ada, à medula espinhal e aos nervos do plexo braquial, at"
aos m+sculos )lexores colocados no antebraço, e do qual um
)eixe, contraindoOse, produ/ a )lexo do dedo que procuramos
mover.
0 experiência permitiu a Ielmholt/ calcular a velocidade do
)luido de que )alei h# pouco, concluindo que a corrente nervosa,
ou a onda vibrat2ria nervosa, percorre os nervos com uma
velocidade de ;B a AB metros por se.undo. ,m outros termos,
uma excitaço produ/ida à ori.em de um nervo motor, se este
tivesse o comprimento de AB metros, .astaria um se.undo para
)a/er contrair os m+sculos situados na outra extremidade deste
nervo. E mesmo sucederia, )ica entendido, com um nervo
sensitivoF somente a onda ou corrente nervosa se.uiria marcha
inversa, isto ", centrípeta. 5omo se vê, " uma velocidade pouco
consider#vel, principalmente comparada à da eletricidade.
E que parece indicar que os di)erentes movimentos da
ener.ia nervosa, neste caso particular, devem se.uir o tra(eto que
descrevi no c"rebro, partindo de um centro "oliti"o, " que um
homem atacado de uma paralisia da metade do corpo
%hemiple.ia', embora se(a incapa/ de )a/er a.ir os centros
motores cerebrais destruídos, possui ainda a )aculdade de querer
o movimento dos membros que, embalde, ele se es)orça por
produ/ir. ,ste )ato permite supor que a vontade tem sua sede
independente, e que no se acha locali/ada mais especialmente
em um hemis)"rio central do que em outro. E mesmo acontece
com a consciência.
/ / /
Es 2r.os centrais do c"rebro seriam - sempre de acordo com
a teoria atual - no os instrumentos de uma inteli.ência
operando por seu interm"dio, por"m 2r.os aptos por si mesmos,
pelo simples e)eito de sua nutriço e sem excitamento que lhes
se(a externo, à emisso de )orças que operam sobre as )ibras. W o
que desi.namos sob o nome de automatismo dos centros
ner"osos. @uanto aos Q)en*menos denominados da "ontade, sem
d+vida no passam de uma )orma complicada de atos re)lexosR.
0 mem1ria seria apenas um e)eito do Qpoder que possuem os
.l2bulos nervosos de conservar certas excitaç1es e deix#Olas
mani)estarOse em dado momentoR.
DêOse, pela an#lise da teoria que acabamos de ler, teoria
encontrada no livro de )isiolo.ia mais popular entre estudantes
de medicina,
5
que a inteli.ência e suas mani)estaç1es so
implicitamente consideradas como propriedades da mat"ria
or.ani/ada, sob )orma de c"lulas nervosas.
,stas c"lulas nervosas, se.undo Cosenthal, so dotadas, no
ponto de vista de suas )unç1es, de quatro propriedadesT
9b' podem ser espontaneamente a sede de uma autoO
excitaço, isto ", sem intervenço de causas exterioresF
;b' podem transmitir a excitaço a outra c"lula nervosa, a
que se acham li.adas por )ibras i.ualmente nervosas
%subst4ncia branca'F
Ab' podem perceber uma excitaço e trans)orm#Ola em
sensaçoF
>b' so capa/es de suprimir uma excitaço existente.
0 estas quatro propriedades, um (ovem )il2so)o e literato
cubano, o :r. Darona, acrescenta uma quinta, que pode ser
considerada uma ampli)icaço da primeira de CosenthalT Qos
.l2bulos nervosos so aptos a renovar espontaneamente, ou por
causas puramente internas, uma sensaço percebida
anteriormenteR.
0s id"ias seriam combinaç1es destas propriedades e comporO
seOiam unicamente de elementos sensitivos e motores. , todas as
sensaç1es, id"ias e pensamentos seriam apenas movimentos
produ/idos no seio da subst4ncia nervosa, movimentos de ordem
el"trica, provenientes das )racas descar.as dos elementos
motores e sensoriais do substrato anat*mico %Iu.hlin.s
3acJson'. 0s experiências de Nu !oisOCa]mond sobre a
intervenço da eletricidade nos )en*menos nervosos parecem
apoiar esta en.enhosa teoria.
No podemos desconhecer que os )en*menos psíquicos
secund$rios aos atos de compreenso, de concepço ou de
voliço, se passam como se fossem produ.idos por uma )orça
el"tricaF todavia, conv"m observar que, se a corrente nervosa,
percorrendo os nervos, determina - pelo )ato de uma
modi)icaço molecular hipot"tica - uma mudança de direço na
a.ulha de um .alvan*metro ultraOsensível, ela no se comporta,
entretanto, ao menos no ponto de vista da velocidade, como uma
corrente el"trica ordin#ria. &as, esta questo ", quando muito,
secund#ria, porque supondoOse conhecida a corrente centrípeta
ou centrí)u.a que se.ue os cord1es nervosos, no creio que as
teorias, de que tanto trato de dar neste momento uma id"ia,
possam satis)a/er plenamente, mesmo aos seus pr2prios
de)ensores atuais, no que di/ respeito à causa prim$ria interior
dos )en*menos psíquicos.
&ostramOnos bem, neste aparelho suposto el"trico, a
campainha e seu mecanismo, o tímpano e o martelo, a mola e o
eletroímF dissecamos, passando pela pilha c"rebroOespinhal, os
)ios condutores semelhantes aos cilindrosOeixos met#licos, que
so isolados nos aparelhos como se )ossem com a nevrilema de
seda ou de .omaF podemos ouvir o som dado pelo aparelho e
mesmo sentir o )luido, mas no percebemos o dedo invisível que
)a/ o contato e )echa a corrente, .raças ao qual a m#quina
)unciona.
Por mais cuidado que empre.uemos no exame do sistema
nervoso e particularmente do c"rebro, nada vem apoiar as teorias
diversas, ima.inadas em )avor da mat"ria ou do espírito. 7sto o
precitado :r. Darona observa em seu not#vel trabalho. Ni/ eleT
Q5ontemplando esta massa .lobulosa, to cheia de
an)ractuosidades, sulcada por cesuras diversas, do peso de
duas a três libras, parda em al.uns lu.ares, esbranquiçada
em outros, experimentei sempre a maior impresso de
espanto possível. PareceuOme ver o .rande eni.ma da
psicolo.ia sur.ir diante de mim e sob a mais viva lu/
mostrouOseOme a vaidade do homem em todas as soluç1es.
0 )isiolo.ia no me )a/ descobrir, neste .rande centro,
nem outros tecidos, nem outros elementos, ou )unç1es al"m
das (# conhecidas. =udo quanto o exame mais minucioso )a/
realçar " uma di)erença de estrutura pouco importante em si
mesma. W, entretanto, o mundo maravilhoso da inteli.ência
e da ima.inaço, as .rande/as e as mis"rias do sentimento,
os heroísmos e os des)alecimentos da vontadeT tudo o que
constitui o homem, tudo que eleva e avilta ao mesmo tempo
a Iumanidade, tudo est# ali_R
6
=erminarei este capítulo por estas consideraç1es )ilos2)icas,
que resumem o sentimento de um distinto psic2lo.o da escola
positivista. 0qui no " lu.ar de analisar e discutir a doutrina
positiva atual e as opini1es de seus de)ensores, dos quais
intencionalmente s2 cito um dos mais (ovens, se bem que muitos
documentos soberbos merecessem examinados. Nirei somente
que, se h# motivo de or.ulho para o espírito humano, " o de verO
se a que altura de sentimentos, a que penetraço de vistas
che.aram homens a quem, para .uiarOse no labirinto inextric#vel
da )isiolo.ia cerebral, )altou at" h# pouco tempo o )io de 0riadne
da .rande experimentaço psicol2.ica. &as uma era nova
começaF os espíritos, preparados pelo m*todo positivo, vo poder
avançar muito mais se.uramente do que nos tempos passados,
sobre o terreno verdadeiramente psicol2.ico que solicita
novamente as nossas investi.aç1es. 0l.uns positivistas
retardat#rios resistiro, ainda durante al.um tempo, mas o
positi"ismo em corpo se.uir# bom rumo, a.ora que )oi
desbravado o terreno.
5ada qual, a seu modo, desempenha o seu papel no concerto
das coisasF aquele, por exemplo, que despende um talento
consciencioso em sustentar uma doutrina err*nea ", as ve/es, um
simples a.ente inconsciente dos desí.nios da ProvidênciaF em
ve/ de ocultar a verdade, como parecia )a/êOlo, suas obras
servem, muitas ve/es, a prepararOlhe as veredas e asse.urarOlhe o
triun)o.
Ca,-tulo ((
7apel +uturo da +isiologia e$peri%ental no estudo da ess=ncia da
-ida< do ,ter -ital. & 4 +isiologista9psic(logo de-er* prosseguir
neste estudo at, depois da %orte. & "at,ria e energia ad%itidas
co%o dois ele%entos constituti-os distintos do ;ni-erso. & 1e no
;ni-erso s( #* %at,ria e energia< a consci=ncia de-e e$tinguir9se
co% a morte< esta derradeira função do corpo. & 0* u% terceiro
ele%ento ou princípio. & 5ntigBidade do %aterialis%o co%o do
espiritualis%o. & 4pini/o de 1alo%/o< de "ois,s< das seitas
budistas orientais. & 7assage% das u!nas de "olne#. &
7anteís%o. & 2ir-ana. & 4 nada. & Causas >ue produ@e% o
desacordo entre os +il(so+os. & Fodos entender9se9/o u% dia< ao
%enos sobre as id,ias pri%ordiais< gra.as G ci=ncia e$peri%ental.
Dimos no capítulo precedente que, at" ao presente, os estudos
)isiol2.icos cl#ssicos nada ensinaram sobre a nature/a real da
vida. 5he.aram os tempos em que o )isiolo.istaOpsic2lo.o,
possuindo (# uma base s"ria de conhecimentos positivos, deve
imprimir às suas pesquisas uma direço mais audaciosa.
0bandonando o campo da vida limitada pela morte, ter# que
analisar este +ltimo )en*meno, esta derradeira fun'(o do corpo,
e experimentalmente estudar, como os hiero)antes anti.os, seus
predecessores e mestres nessa mat"ria, as propriedades do *ter
"ital, do a=asa ner"oso. &as, antes de ir mais lon.e neste
assunto, que trataremos de apro)undar (untos, permitaOnos o
leitor coloquemos diante de seus olhos al.umas notas e re)lex1es
preliminares, indispens#veis.
:e aceitarmos as conclus1es naturais da teoria se.undo a qual
as mani)estaç1es da vida em .eral, e as da inteli.ência em
particular, so apenas o modo de aço de certas propriedades da
mat*ria organi.ada, devemos admitir que no momento da morte
tudo volta ao nada, esse nirvana do materialismo.
0ceitando, com a ciência moderna, que, assim como a
mat"ria, outro ser real, estudado sob o nome de energia,
constitui um elemento do 0ni"erso,
7
nem por isso se modi)icam
os resultados da an#lise. 5om e)eito, se nos ape.armos à
existência exclusiva da mat"ria, cu(as propriedades variariam
com seus aspectos e di)erentes grupamentos moleculares,
admitiremos que no momento da morte as propriedades da
subst4ncia or.ani/ada desaparecem, ao mesmo tempo em que
sobrev"m esta mudança de estado caracteri/ado pela cessaço da
vidaT a mat"ria or.ani/ada, viva, atin.indo como mat"ria o seu
mais alto grau e"oluti"o de comple!idade, " subitamente
arrastada - novo rochedo de :ísi)o - sobre o declive que ela
acaba de .al.ar, e onde descreve uma curva descendente, de
mais em mais r#pida, para o estado inor.4nico do qual partiu.
Nesses períodos sucessivos suas propriedades modi)icamOse,
com as mudanças de estado, sobre o ciclo eterno )i.urado no
Euroboras simb2lico dos anti.os s#bios.
&as, teremos avançado muito para a soluço do problema, se
admitirmos a existência aut*noma da energia Qcomo ser real,
elemento constitutivo do $niversoRS 0ssim no pensoF a ener.ia
coexiste ao lado da mat"ria, admitaOse. 5omo a mat"ria, que, do
estado c2smico ou radiante %K. 5rooJes' passa às )ormas
.asosa, líquida, s2lida e às suas combinaç1es in)initas, a ener.ia
tornaOse lu/, movimento, calor, ma.netismo, eletricidade,
con)orme o modo pelo qual opera sobre a mat"ria ou uneOse a
ela. 0ssociada à subst4ncia or.ani/ada, a ener.ia se
trans)ormaria em vida, em inteli.ência, etc. , do mesmo modo
que a mat"ria em movimento tende ao repouso, em conseqZência
do que se chama em mec4nica a degrada'(o da energia, e perde
sua energia din8mica, do mesmo modo a mat"ria or.ani/ada e
viva, sob a in)luência de uma lei an#lo.a à da de.radaço,
perderia, por sua ve/, a ener.ia din4mica, isto ", "ital, que, assim
como o elemento motor do qual acabamos de )alar, voltaria ao
.rande reservat2rio comum da energia potencial para onde,
como (# vimos, tendem, Qno )im dos temposR, todas as )orças do
$niversoT seria sempre o aniquilamento imediato para a
consciênciaF seria, como se di/ ainda - sem saber exatamente
porquê - o re.resso ao 7nconsciente.
8
Peço ao leitor que preste toda a atenço ao que precede,
porque ulteriormente havemos de prosse.uir no estudo desta
questo. E leitor ver# que se pudermos conceber, a ri.or, que a
mat"ria e a ener.ia se(am em sua ori.em uma coisa s2, os
)en*menos psíquicos, sobre os quais chamarei sua atenço,
)orçamOnos a reconhecer um terceiro princípio que, (untandoOse à
dualidade mat"riaOener.ia, d# uma das )ormas desta trindade,
ali#s encontrada na base de todos os sistemas reli.iosos
esot"ricos, isto ", cientí)icos, da anti.uidade. ,m todas as
"pocas, como em nossos dias, esta trindade tem sido consciente
ou inconscientemente revestida de símbolos variados, pelos que
têm representado papel de mediadores entre o c"u e a terra. ,
assim " que a Nature/a tem sido o)erecida à adoraço dos
homens.
3# preve(o as ob(eç1es que me sero opostasF serei, sem
d+vida, acusado de copiar Pit#.oras e seu mestre Herec]da, a
quem Ier2doto, em )rases veladas, e 5ícero sem reservas,
censuram pelo pl#.io dos sistemas indoOe.ípcios e por se
apropriarem deles. :obre este ponto, peço ao leitor atenda ao que
est# escrito na introduço deste livro.
0demais, ser# ob(eço s"ria di/erT Q7sto no " novoSR. 0s
doutrinas materialistas, ho(e em vo.a sob o nome de
mecanicismo ou de positivismo, que quase todas condu/em ao
niilismo, so por acaso to novasS No, decertoT todas essas
di)erentes doutrinas so to velhas umas quanto as outras. No
seria um pensamento niilista que inspirava :alomo quando este
escreviaT Q@uem sabe se o espírito do homem sobe a re.i1es
superioresS @uanto a mim, meditando a respeito da condiço dos
homens, vi que ela era a mesma dos animais. :eu )im " o
mesmoF o homem morre como o animalF o que resta de um "
i.ual ao que resta do outroF tudo * nada.R %,clesiastes, AT 9^ e
se.uintes.'
,sta parece ter sido tamb"m a opinio de &ois"s, porque nos
escritos que a crítica moderna lhe atribui no se descobre
menço al.uma da alma como entidade sobrevivente à
destruiço do corpo.
Na parte de :alomo, esta d+vida - porquanto ele se exprime
como quem duvida - nada tem que possa surpreenderT apesar da
sua reputaço de sabedoria, o )ilho de Navid parece no ser
precisamente um adepto da QsabedoriaR anti.a. ,ntretanto "
natural admirarmos o ver &ois"s, que era um hiero)ante dos
templos de =ebas e Ieli2polis, .uardar silêncio nesse ponto. $m
homem dessa enver.adura deve evidentemente ter sido levado
por uma ra/o superior para assim procederF e no serei eu quem
ouse criticar os atos desse .ênio verdadeiramente divino, que
soube diri.ir e manter, como se ela estivesse presa em suas
mos, uma turba de b#rbaros, esc2ria de uma populaça que era
expulsa do ,.ito em "poca de .rande mis"ria no país, ento
sobrecarre.ado de estran.eiros, se.undo re)ere Niodoro da
:icília, livro ccc7D e cG, e que )e/ dessa turba um corpo de
naço cu(a lon.evidade, com as instituiç1es que ele lhe imp*s,
ainda assombra o mundo depois de muitos milhares de anos.
:e )ormos mais lon.e, para o Eriente, encontraremos a
destruiço, o aniquilamento das partes do todo, apresentados sob
um aspecto mais atraente e dese(#vel, sob o nome de >ir"ana. 0
7.re(a budista, principalmente a do :ul, parece haver adotado por
credo, a acreditarOse nos que conversaram com o papa
:uman.ala - estas palavras atribuídas a !uda, e que Dolne], em
suas 2uínas, p1e na boca de s#bios reli.iosos, chineses e
siamesesT
Q,is a doutrina interior que Hot %!uda', no seu leito de
morte, revelou pessoalmente a seus discípulosT
=odas estas opini1es teol2.icas - disse ele - no passam
de quimerasF todas estas narrativas da Nature/a dos deuses,
de seus atos, de suas vidas, so apenas ale.orias, emblemas
mitol2.icos, sob os quais se escondem id"ias en.enhosas de
moral e o conhecimento das operaç1es da Nature/a, no (o.o
dos elementos e na marcha dos astros.
0 verdade " que tudo se redu. ao nadaF que tudo " iluso,
aparência, sonhoF que a metempsicose moral no " mais que
o sentido )i.urado da metempsicose física, desse mo"imento
sucessi"o, pelo qual os elementos de um mesmo corpo, que
no perecem, passam, quando ele se dissolve, para outros
meios e )ormam outras combinaç1es. 0 alma no " mais que
o princípio "ital, resultante das propriedades da mat"ria
%isto )oi escrito em 9<;B, ^` ediço' e do (o.o de elementos
existentes no corpo, onde elas criam um mo"imento
espont8neo. :upor que este produto do (o.o dos 2r.os,
nascido com eles, adormecido com eles, subsiste quando os
2r.os no mais existem, " um romance talve/ a.rad#vel,
mas realmente quim"rico, )ruto de ima.inaço iludida. E
pr2prio Neus no " seno o princípio motor, a for'a oculta
espalhada nos seres, a soma de suas leis e propriedades, o
princípio animador, em outras palavras, a alma do
0ni"erso, a qual, em ra/o da in)inita variedade de suas
relaç1es e operaç1es, considerada ora como simples e ora
como m;ltipla, a.ora como ati"a e lo.o como passi"a,
apresentou sempre ao espírito humano um enigma insol;"el.
=udo quanto ele pode compreender de mais claro, nisto, "
que a mat"ria no perece nuncaF que ela possui
essencialmente propriedades pelas quais o mundo " re.ido
como um ser vivo e or.ani/adoF que o conhecimento dessas
leis, em relaço ao homem, " o que constitui a sa-edoriaF
que a "irtude e o m*rito residem na observ4ncia delas, e o
mal, o pecado, o "ício, em sua ignor8ncia e in)raçoF que a
felicidade e a infelicidade resultam delas, pela mesma
necessidade que fa. as coisas pesadas descerem e as coisas
leves subirem, e por uma )atalidade de causas e de e)eitos
cu(a cadeia vai do +ltimo #tomo at" aos mais elevados
astros. ,is o que )oi revelado no leito de morte pelo nosso
!udaO:idarta Guatama.R
:abemos ho(e, de boa )onte, que a doutrina to
brilhantemente enunciada, e em to poucas )rases, constitui o
hermetismo de numerosas seitas orientaisF mas (ul.o no me
en.anar di/endo que Dolne], nesta ma.ní)ica tirada, descobriu
seus pr2prios sentimentos. :e(a como )or, as concepç1es, bem
como as express1es, so exatamente as mesmas encontradas ho(e
na exposiço de doutrinas )ilos2)icas, que certos homens
modernos ima.inam talve/ ter inventado.
:em )alar dos )il2so)os .re.os, eu poderia escrever um
volume inteiro de citaç1es semelhantes, provando a remota
anti.uidade das doutrinas materialistasT cumpreOme por"m ser
breve.
E aniquilamento com que, no )im de contas, as di)erentes
)iloso)ias ou teoso)ias )a/em )echar mais ou menos cedo, ou
tarde, o destino da consciência humana " uma conseqZência do
Panteísmo, aonde vai ter quem começa a raciocinar, tomando por
base e por .uias no os sentimentos de ocasio, mas os dados
cientí)icos, positivos e estabelecidos.
No devemos repelir uma teoria s2 porque ela " contr#ria às
nossas aspiraç1esT as coisas nem sempre correm na medida dos
nossos dese(os. ,xemplosT N2s nunca dese(amos adoecer, e
so)remosF no queremos envelhecer, e caímos na decrepitudeF
no dese(amos absolutamente morrer, e nenhum de n2s escapa
absolutamente da morteF e assim por diante. , se, como pensava
5andide, tudo no )im d# certo..., talve/ se(a necess#rio e bom
que todas estas contrariedades nos sucedam, bem como outras
que dese(aríamos poder evitar_ GembroOme que, quando eu era
menino, irritavaOme se me di/iam que meu av* no tinha sido
sempre velho e coberto de cs, e que um dia eu seria como ele,
Qse Neus me desse vidaR.
E Panteísmo era a .rande doutrina herm"tica dos anti.os
laborat2rios e institutos %templos'. 0creditando em :trabo, eis,
a esse respeito, quais eram as id"ias de &ois"s, de quem )alei
mais acima. :e.undo o citado .e2.ra)o .re.o, o .rande
le.islador hebreu pro)essava o puro Panteísmo. 0l"m disso, teria
ele escrito - se " que escreveu - QNeus )e/ o homem à sua
ima.emR se isto no tivesse acontecidoS :trabo di/ isto
%Geor.., livro cD7'T
Q&ois"s, que )oi um dos sacerdotes e.ípcios, ensinou que
era um erro monstruoso representar a divindade sob a )orma
de animais, como o )a/iam os e.ípcios, ou sob traços
humanos, como " costume de .re.os e a)ricanos. &1 *
di"indade - di/ia ele - o que comp7e o c*u, a Terra e todos
os seres, o que chamamos mundo, a uni"ersalidade das
coisas, a >ature.a... ,is por que &ois"s quis que essa
divindade )osse adorada sem emblemas e sob sua pr2pria
nature/a.R
Der.ílio tamb"m disseT
QE ,spírito conserva a vida dos seres, e a alma do mundo,
espalhada em seus vastos membros, a.ita sua massa %mens
agitat molem' e constitui um corpo imenso.R
/ / /
Hica, pois, provado que espíritos pro)undos e sutis, cu(o .ênio
em nada " in)erior aos pensadores modernos, discutiram entre si
os mesmos pontos obscuros, sobre os quais ainda ho(e se discute,
e isto pela mesma ra/o imanenteT os )il2so)os de todas as
"pocas observaram que, desde o momento em que os homens
discutem sobre ob(etos colocados )ora do alcance de seus
sentidos, cada um deles (ul.a desses ob(etos se.undo seus
caprichos, ou tendências do seu espírito, ou ainda, como se
costuma di/er, com o sentimento pr2prioF ao passo que acabam
sempre che.ando a um acordo em suas apreciaç1es, quando
observam coisas que podem ser submetidas aos seus sentidos.
&as a 5iência tem pro.redidoF maravilhosas descobertas vieram
à lu/, instrumentos admir#veis e preciosos permitirOnosOo
empreender, com a certe/a da ciência experimental, estudos que
nossos av2s, exceto raras iniciativas, no podiam abordar seno
com auxílio do m"todo a priori.
Es )il2so)os no estaro lon.e de modi)icar e identi)icar as
suas opini1es, no dia em que puserem em evidência e estudarem,
com seus sentidos e instrumentos, o terceiro princípio a que mais
acima aludi - ou, pelo menos, suas mani)estaç1es - o terceiro
termo do trin*mio do qual (# estudam duas express1es sob os
nomes de mat*ria e energia.
Neste momento, veremos - o que à primeira vista parece
paradoxal - que espiritualistas e materialistas, buscando
honestamente, embora por caminhos diversos, descobrir a
verdade, no esto lon.e de se entenderem, como parece, em
princípio. 0ssim sucede com os trabalhadores que per)uram os
t+neis. Do, divididos em duas turmas, atacando cada qual um
dos )lancos opostos da montanhaF um dia encontrarOseOo em
determinado ponto, do mesmo modo que as seitas )ilos2)icas,
mesmo anta.onistas, )icaro, pela queda do v"u que as separa,
reunidas em uma comunho de id"ias primordiais e )ecundas.
Deremos, na continuaço deste trabalho, que esta opinio se
ap2ia em outras bases que no em um romance, talve/ a.rad#vel,
mas realmente quim"rico, da ima.inaço iludida.
PA+TE TE+CE(+A
Per9uiri)*o do terceiro ele&ento
do 2ni:erso e do ho&e&
Ca,-tulo (
'studo co%parado do %icrocos%o e do %acrocos%o. & )ois
ele%entos si%ilares incontestados nu% e noutro. & 5 %at,ria do
corpo #u%ano , a %es%a %at,ria a%biente. & 1o%os os netos do
1ol. & 5s +or.as do corpo #u%ano s/o e%prestadas da energia
uni-ersal. & ?elati-a%ente G %at,ria e G energia o #o%e% ,
eterno. & ",todo para a pes>uisa do terceiro ele%ento pelo
raciocínio. & H e% si %es%o >ue o #o%e% ac#a a e$plica./o do
;ni-erso. & '$iste intelig=ncia no %undo. & Intelig=ncia. & 'nergia.
& "at,ria. & ;% dile%a insuper*-el. & 5rgu%entos tirados das
les:es cerebrais e% +a-or das id,ias %aterialistas. & 5rgu%entos
especiosos. & 1( a e$peri%enta./o pode produ@ir o acordo. &
0a-er* pro-as %ateriais da e$ist=ncia da al%aC
Nepois de apresentado um quadro resumido da constituiço
do $niverso e do homem, se.undo os dados da ciência vul.ar,
che.ou o momento de )a/ermos um estudo comparado do
5osmos, no $niverso e no homem, para procurarmos as
semelhanças ou as analo.ias que podem ser encontradas num e
noutro.
Dimos que no macrocosmo h# duas coisas nas quais se
reconhece uma existência incontest#vel, a saberT a mat"ria e a
ener.ia, mesmo admitido que a primeira nada mais se(a do que
uma aparência, ou antes, uma emanaço da se.unda.
Ne outro lado, no homem, os )isiolo.istas da escola atual, que
mostram no prestar atenço ao que precede, no quiseram ver
nas mani)estaç1es da vida, e at" da inteli.ência, seno
propriedades da mat*ria.
7mporta antes de tudo )ixar um pontoT est# bem demonstrado
que a mat"ria componente do corpo humano " absolutamente a
mesma mat"ria ambienteT nenhum elemento químico se encontra
no corpo do homem, que no exista no solo que nos alimenta, no
QlimoR que nos )ormou. 5on)orme disse mais acimaT o corpo do
homem " uma emanaço material do planeta, onde ele, homem,
)a/ a travessia do espaço.
!
5omo exi.irmos que essa mat"ria se
comporte de modo di)erente da outra e tenha propriedades
distintasS
NeveOse estabelecer, em princípio, que os movimentos
executados pelo homem, seu calor animal, a circulaço do
san.ue e )luido nervoso, as vibraç1es da mat"ria cerebral, etc.,
no so absolutamente propriedades da mat"ria de que ele "
)ormado, por"m modos da ener.ia universal, mani)estandoOse
se.undo os )ins da vida, por interm"dio da mat"ria a.enciada
molecularmente, de uma )orma especial para esse )im.
0 causa )oi tomada pelo ob(eto, como se havia tomado o :ol
pelo sat"lite, o luminar da =erraT e seria mais (usto di/erOseT a
mat*ria * uma propriedade da energia, do que a)irmar o
contr#rio.
Deri)icamos, por conse.uinte, no homem, microcosmo,
exatamente o que todos esto de acordo em reconhecer no
macrocosmo, isto ", mat"ria e ener.ia, apresentandoOse ambos
sob )ormas variadas.
Poderíamos prolon.ar esta an#lise e mostrar que, em mat"ria
e em ener.ia, o homem " imortal e mesmo eterno, porque "
)ormado de mat"ria e de )orça, podendo ambas experimentar
trans)ormaç1es em sua aparência, mas permanecendo sempre as
mesmas em sua essência.
0pressemoOnos, por"m, em di/er que se o homem )osse todo
ele )orça e mat"ria, sua personalidade no subsistiria por mais
tempo do que a combinaço desses dois elementos, porque
nenhum deles " ele.
/ / /
,ntretanto o homem, o )il2so)o, elevandoOse acima dos
ob(etos materiais para melhor domin#Olos, mer.ulha o
pensamento na extenso in)inita para aí procurar a soluço de
dois mist"riosT o mist"rio do mundo e o mist"rio que ele mesmo
". 5ontempla a ab2bada celeste e os astrosF considera
ansiosamente o $niverso onde, #tomo, ele est# perdido. Para que
nada o perturbe, procura abstraço de tudo quanto aprendeu at"
ento.
$m )ato lhe impressiona imediatamente o olharT e!iste
alguma coisaF esta al.uma coisa " a mat*ria.
$m se.undo )ato lhe atrai quase lo.o a atençoT essa mat"ria
mo"ese. &as, lo.o o homem percebe que ela no se move por
uma virtude pr2pria, visto como " inerte, e que, sendo assim, no
pode moverOseF o exame mostraOlhe que esse movimento, todas
as suas conseqZências e trans)ormaç1es, so mani)estaç1es da
energia.
Nepois de ter veri)icado que tudo, at" este ponto do exame, se
redu/ a mostrar dois princípios aos quais podem ser re)eridos
todos os )en*menos de que ele " testemunha, o homem det"mOse
espantado e desiludido. 0 ener.ia pode darOlhe a ra/o da
existência da mat"riaF mas, que " a ener.ia e donde vem, que
encerra elaS
,m vo ele diri.e lon.amente seu olhar para os mundos, os
quais continuam ma(estosamente trilhando o caminho que uma
s#bia e invisível mo parece terOlhes traçado nos c"us. Nesespera
de nada aprender desse .rande $niverso solene, mudo para ele,
e, todavia, animado. Por mais que interro.ue as estrelas, a Gua e
o :ol e os planetas, todos esses .i.antes das pro)unde/as
inabord#veis permanecem surdos à sua vo/.
,nto, s2 resta ao homem re.ressar à sua pr2pria nature/a,
auscultar o seu viver e analisarOse a si mesmo.
Dê, em si, a princípio, um corpo )eito de mat"ria emprestada
da mat"ria ambienteT esse corpo emprestado no lhe pertence,
pois que deve ser privado dele um diaF restituiOloO# à =erra, da
qual o recebeu e o )ormara, no dia do vencimento da letra, que
che.ar# inevitavelmente a cada qual por sua ve/. @uanto mais
ele se analisa, mais acha a sua mat"ria semelhante 4 outra.
Nepois, ainda encontra em si, sob aspectos to variados como
os da mat"ria, essa energia, cu(os e)eitos viu nas coisas que o
cercam.
0t" aí, compreende que " )eito de mat"ria e de ener.ia
universaisF mas, como )oi que ele compreendeu todas essas
coisasS com o auxílio da mat"ria, com o da ener.ia, ou com o de
ambasS &as, ento, a mat"ria e a ener.ia universais seriam,
porventura, inteli.entesS
Dendo os e)eitos da morte e a in*rcia de um cad#ver, ele
dedu/ do )ato que a mat"ria insulada no compreende nem
pensa.
0nalisando as variedades de ener.ias e vendo que elas no
servem seno para entreter as )unç1es da mat"ria or.ani/ada, ou
para executar as ordens da vontade consciente e inteli.ente,
concluiu daí haver compreendido o que queria compreender,
com alguma coisa que no " nem a sua mat"ria nem a ener.ia, e
d# a isso o nome de intelig%ncia.
5onhecendo sua pr2pria nature/a, o )il2so)o prosse.ue
lo.icamente do conhecido ao i.noto e di/ consi.o mesmo que,
sendo a sua mat"ria e ener.ia tiradas da ordem universal, a
inteli.ência deve ter a mesma ori.emT adi"inhou o terceiro
elemento do 0ni"ersoF viu e compreendeu que, simultaneamente
com a mat*ria e com a energia, e!iste a intelig%ncia do mundo.
E homem sentiu que, para ter uma id"ia do $niverso, era
mister se estudasse e se compreendesseF porque no podemos
penetrar a essência do mundo pelo que dele vemos, do mesmo
modo que seria impossível, a um ser dotado de inteli.ência como
n2s, compreender o homem, se as suas dimens1es s2 lhe
permitissem estudar uma porço microsc2pica do mesmoF por
exemploT al.uns .l2bulos do san.ue que circula em um vaso
capilar.
/ / /
Ne )ato, no podemos sair deste dilemaT ou h# uma
inteli.ência ;nica no $niverso, uma inteli.ência donde emanam
numerosas inteli.ências limitadas, como a mat"ria em
ob(etividades limitadas emana da ener.ia, que por sua ve/
procede de um princípio superiorF ou ento a mat"ria e a ener.ia
so dotadas de inteli.ência. Por que, pois, somente a mat"ria,
que comp1e o c"rebro do homem, )abricaria inteli.ênciaS No
existir#, na subst4ncia universal, qualquer outra mat"ria to
pr2pria a produ/ir id"ias, como a pequena massa de polpa
.ordurenta e )os)atada, que comp1e a parte intelectual do nosso
c"rebroS ,stabelecer esta questo ", de al.um modo, resolvêOla.
$m dos .randes ar.umentos de batalha dos que s2 querem
ver nas mani)estaç1es intelectuais um simples produto de no sei
que acaso, autor de um a.enciamento caprichoso da mat"ria
or.ani/ada do c"rebro, consiste no se.uinteT o homem mais
brilhantemente dotado de qualidades de espírito pode tornarOse
um bruto, vivendo unicamente da vida ve.etativa, em
conseqZência de uma simples pancada na cabeça, ou ap2s uma
intoxicaço, leso apopl"tica ou outra qualquer, da subst4ncia
cerebral. , di/emT QDede a vossa inteli.ência e a vossa almaF
basta a ruptura de uma pequena art"ria ou que ela se oblitere em
qualquer ponto do enc")alo, para que o orador mais eloqZente
)ique a)#sico, isto ", mudo, e o homem mais espirituoso )ique
idiota e repulsivo_ No est# aí uma prova su)iciente de ser a
inteli.ência uma simples propriedade da mat"ria, pois que,
quando esta )ica lesada, nada mais existeS...R
No, isso no " prova su)iciente. :e usarmos de um processo,
de que nos utili/aremos ainda nas necessidades da demonstraço,
e se supusermos conhecidas a existência da inteli.ência
independente, ser# evidentíssimo que, se para determinado )im,
ela se une à mat"ria, dedicadamente .rupada, )inalmente
or.ani/ada, como " a subst4ncia que comp1e o c"rebro, uma
perturbaço mais ou menos pronunciada se dar# em suas
mani)estaç1es, desde o instante em que essa mat"ria so)ra uma
desor.ani/aço qualquer.
5on)esso, todavia, que )ora da experimentaço os ar.umentos
de ra/1es contr#rias no valem uns mais que os outros, do ponto
de vista ri.orosamente cientí)ico. Podemos di/er ainda, por
exemploT ne.ar Qa almaR, porque ela no )unciona mais, quando
a mat"ria que lhe serve às mani)estaç1es est# doente ou
destruída, " como ne.ar a existência do vapor, quando, depois de
um acidente na caldeira ou no cilindro, a m#quina p#ra. Eu
tamb"mT o melhor dos artistas no poderia dar nenhuma id"ia do
seu talento, se tocasse um violo ao qual )altassem cordas, ou um
piano cu(as escalas estivessem incompletas, etc. &as " mister
reconhecer que, neste caso, como em muitas outras
circunst4ncias, comparaço no " ra/o.
Nem materialistas, nem espiritualistas se convenceram
mutuamente, apesar da sutile/a de seus ar.umentos, apesar da
superioridade de inteli.ência e do dese(o sincero da verdade, que
so reconhecidos nuns e noutros. , isto sempre pela mesma
ra/o... no nos podemos entender - e muitas ve/es mesmo ap2s
lon.o exame - seno a respeito de ob(etos que caem e, de
al.uma )orma, )icam sob nossos sentidos.
:endo assim, como pudestes a)irmar que os )il2so)os
che.ariam um dia a )icar de acordo neste ponto - dirOmeOo
talve/ - porque " principalmente da questo da existência da
QalmaR que quisestes )alar, questo primordial entre todasS 0
resposta ser# bem clara.
<odemos ter pro"as materiais da e!ist%ncia da alma.
,sse )ato no deixa d+vida al.uma no meu espíritoT a 5iência
poder# estudar, doravante, quando quiser, o terceiro elemento
constitutivo do macrocosmo, como estuda os outros dois
elementos, que ela compreender# ento muito melhor, isto ", a
mat*ria e a energia.
W o que vamos demonstrar.
Ca,-tulo ((
Fisiologia transcendente
'$a%e retrospecti-o. & '$ist=ncia comaterial e abmaterial da
intelig=ncia. & 5 intelig=ncia independe da %at,ria. & 4s
+enI%enos deno%inados espiritualistas ap(ia% essa tese. & 5inda
n/o con#ece%os %uitas coisas. & 2/o #* saber se% trabal#o. &
)i+eren.a entre o >ue pensa e o >ue n/o re+lete sobre coisa
algu%a. & 5 #ora da aprecia./o cientí+ica. & 'la soou para cada
coisa a seu te%po. & 6eito de 7rocusto das id,ias e dos +atos. & J*
se passou o te%po e% >ue se de-ia pri%eiro pro-ar a e$ist=ncia
dos +atos psí>uicos. & 2/o +alta% in-estigadores inteligentes e
instruídosK logo< A* n/o #* necessidade de procurar con-encer<
principal%ente os >ue n/o >uere% -er< para n/o +icare%
con-encidos.
No momento de examinar o valor de certos )en*menos
psíquicos observados no homem sob o ponto de vista da
demonstraço que empreendi, convido o leitor a )a/er uma curta
pausa e lançar um olhar para tr#s. 0.ora que che.amos a este
ponto da an#lise das coisas, cu(o ensaio havemos tentado,
podemos abran.er, num lance de vista .eral, os vastos campos
que acabamos de percorrer e sobre cu(as )ronteiras passamos sem
tempo de lhe investi.ar o interior. :endo possível,
completaremos este exame al.um dia. 5om esse intuito, (#
observei que o presente trabalho no tem a pretenso de tratar a
)undo do assunto que nos ocupa. =oda a ambiço de quem
escreve estas linhas consiste em tentar fa.er pensar, se.uindo,
nisto, o conselho do autor do Espírito das )eis.
"
:im, tentar )a/er que pensem " o que dese(o, esperando possa
este livrinho cair, um dia, como a boa semente do ,van.elho, em
terreno bem preparado. ,is por que eu quis ser breve, sabendo,
antes de tudo, que os livros volumosos so pouco lidos em nossa
"poca de vapor e eletricidade. , depois, )inalmente, como disse
PaulOGouis 5ourrier, no " preciso muitas p#.inas para di/erOse
as melhores coisas.
&as, como propus h# pouco, passemos em revista, nal.umas
linhas, os pontos to rapidamente percorridos.
Nesta an#lise, em primeiro lu.ar, estudamos sumariamente o
macrocosmo. Gançando um olhar sobre nosso planeta, antes de
deix#Olo, começamos nosso estudo do $niverso animado,
partindo do #tomo incompreendido para nos lançarmos no
espaço em busca da )ormaço e do )im dos mundos.
Nepois, na se.unda parte deste trabalho, procurei dar uma
id"ia do microcosmo, mostrando, primeiro que tudo, as opini1es
das principais escolas sobre sua constituiço. Dimos que o
homem, assim como o mundo, encerra certos princípiosT
primeiramente a mat*ria e a energia. 7sso nos condu/iu a
examinar comparativamente o $niverso e o homem num terceiro
livro.
Nesta terceira parte, reconhecemos que, al"m da mat"ria e da
)orça, existe a inteli.ência no mundo, como no ser humano, a
menos que se admita se(a uma s2 subst4ncia, caso a inteli.ência
)osse unicamente um produto da mat"ria, isto ", se(a a subst4ncia
cerebral do homem a +nica mat"ria, no $niverso inteiro, capa/
de produ/ir o que denominamos )en*menos intelectuais.
CestaOme, a.ora que o raciocínio nos permitiu reconhecer o
que denominei o terceiro princípio ou elemento, tanto no
macrocosmo como no homemF restaOme, di.o, mostrar esse
terceiro princípio do homem, princípio livre e independente,
ali#s, o primeiro em import4ncia. =alve/ me se(a permitido )a/er
entrever a persistência desse elemento, isto ", da intelig%ncia
consciente sobrevivendo à decomposiço da mat"ria, à qual se
achou momentaneamente unida, sob as aparências do corpo
humano. ,m outros termosT mostrar a possibilidade da existência
a-material da inteli.ência, depois da sua existência comaterialF
tal " o )im a que me proponho.
W uma empresa audaciosa, mas no temer#riaT ho(e nada mais
tenho que arriscar, porque depois de haver )eito, no intuito de
começar esta demonstraço, um livro que )oi lançado no índex,
tanto em Paris como em Coma, que raio posso eu temer,
doravante, exceto os raios do c"uS ,ste, at" ao presente, parece
nunca ter dado import4ncia à opinio, nem à reli.io daqueles a
quem )ere, deixando ao c"u, sem d+vida, o cuidado de
Qreconhecer os seusRF mas os homens, estes, escolhem e...
en.anamOse, o que " pior, porque, por tendência, condenam e
)erem mais ve/es o (usto do que o in(usto.
#
No dese(aria que enxer.assem al.um a/edume no que
precede, porque no existe nenhum em meu espírito, e perd*o de
coraço aos que se (ul.aram bastante puros para me lançarem a
primeira pedraT a verdade, cu(a aurora se aproxima, ser# a minha
vin.adora, e o que me encanta " que ela brilhar# tanto para os
seus detratores quanto para os ami.os da v"spera. Es verdadeiros
(ustos que a de)enderam, quando havia peri.o em )a/êOlo, de
novo se recolhero à sombra, esquecidos das in(+rias recebidas
por ela, e sem reclamarem Qas honras depois de haverem so)rido
os trabalhosR. 0s honras sero, sem d+vida, para os que, depois
de a haverem repelido outrora, bati/aremOna com al.um novo
nome latino, quando a tiverem, en)im, reconhecido.
0 verdade " estaT 0 inteli.ência existe )ora da mat"ria, tal
como n2s a concebemos ordinariamenteF e declarando, mais uma
ve/, que no sou um modern spiritualist, a)irmo que todos os
)en*menos denominados espiritualistas, pondo de parte a teoria
do mesmo nome, so absolutamente reais, o que no quer di/er
se(a impossível a simulaço dos mesmos, at" certo ponto. ,sses
)en*menos che.am, pois, em apoio da minha tese, e " o que
espero demonstrar.
No importa_ :er# Q.rande ver.onhaR para muitos s#bios
atuais a sua obstinaço em desconhecerem um )ato to capital, o
qual, especialmente h# um quarto de s"culo, se apresenta
continuamente ao seu exame. E casti.o desses homens ser# no
)im da sua carreira, terem a convicço de que erraram a vocaço
e que, pretensos s#bios, morreram i.norando a coisa mais
importante que lhes )ora dado conhecer. &as, paciência, ainda
uma ve/F a .eraço que cresce carecer#, indubitavelmente, de ser
contida, to )orte a reaço h# de che.ar. , n2s, a quem
despre/ais, senhores, nessa hora, de)enderOvosOemos contra o
despre/o dos vossos sucessores. QPerdoaiOlhes - diremos como o
supliciado do G2l.ota -, eles no sabiam o que )a/iam.R No
podiam sabêOlo, e entre os motivos confess$"eis que os
desculpam, h# esteT que os ne.2cios pequeninos da vida
ordin#ria, da sua existência vul.ar, estavam muito perto dos seus
olhosF de modo que, ocupandoOlhe todo o campo visual,
impediam esses pobres míopes de ver as reais e .randes coisas
que esto al"m. :imples questo de 2tica.
/ / /
Io(e, nin.u"m ousaria di/er que no nos resta nenhuma
.rande descoberta a )a/er, apesar do estado atual da 5iência. ,m
períodos anteriores ao nosso, houve homens que, contemplando
o estado dos conhecimentos do seu tempo, ousaram declarar que
no supunham ser possível atin.irOse um .rau de civili/aço ou
de ciência mais elevado. &as ho(e, que mais temos estudado,
visto como o car#ter pr2prio do verdadeiro saber " tornarOnos
conscientes da i.nor4ncia relativa do homem, no ouviremos
di/erT Qnon plus ultraR, por"m simT Qe!celsiorRS
No vos esqueçais, entretanto, 2 .eraço nova, de que ides
entrar, cheia de ardor, nesta carreira onde, se louros .loriosos
vos a.uardam, no podereis colhêOlos para ornar vossa )ronte,
sem lutas e sem peri.os. Porque da nova ciência bem se pode
di/er que est# cercada de penhascos abruptos.
+rdua "allatur duris sapientia scrupis.
No insistirei mais nesse assunto por a.ora, reservandoOme
para indicar mais tarde os peri.os que podemos correr no estudo
dos )en*menos de que )alei acimaT e!perto crede 2o-erto.
/ / /
Di e estudei centenas de )atos de tal )orma convincentes, que
se eu no conhecera o espírito dos s#bios de pro)isso, )icaria
admirado de no estarmos mais adiantados em Psicolo.ia. Gendo
os trabalhos recentes em que essas quest1es so tratadas de
maneira muito inconsiderada, sintoOme tentado a exclamar a cada
instanteT @uem )oi, 2 deuses poderosos_ que colocou esta espessa
)aixa de mat"ria sobre os olhos dos mortais, para que eles
con)undam continuamente a realidade com a iluso e a mentiraS
5onvenho que observai coisas que poucos homens têm tido
oportunidade de verF mas )oi porque, despertada a minha atenço
por um )ato dos mais simples, quis saber e .astei tempo em
procurar.
No h# bem que no custe des.ostos, nem saber sem o tributo
do trabalho. 5omo disse :chopenhauer, (# citadoT a verdade no
h# de vir saltarOnos ao pescoço. W mister procurar, " preciso
pensar.
Pensar_ 0h_ eis a di)iculdadeT quem no re)lete, acha
per)eitamente natural tudo o que tem costume de verF nasce,
vive, depois morre sem haver per.untado a si mesmo porque
existe al.uma coisa. 0o contr#rio, perturbaOo o menor incidente
que se no pareça com os da sua existência banal. No acontece
assim com o que pensa, pois o menor inseto, o mais
insi.ni)icante raminho de erva, a mínima c"lula do ve.etal ou do
corpo dos animais so o ob(eto da sua meditaço e admiraço.
,stas duas esp"cies de indivíduos so encontradas tanto nas
pro)iss1es liberais quanto entre os simples pedreiros.
/ / /
E que se passou at" ho(e no mundo cientí)ico, a respeito dos
)atos de que quero )alar - )atos de Qsonambulismo l+cidoR, de
vista a dist4ncia, de transmisso de pensamento e de
)enomenolo.ia QespiritualistaR - lembraOme a hist2ria daquele
microsc2pio que )oi apresentado ao papa Geo c em princípios
do s"culo cD7 %9?;B'. E instrumento )oi considerado como
muito curioso, capa/ de divertir um amador, mas a nin.u"m
ocorreu a id"ia de tirar dele o partido que s2 devia ser conhecido
ABB anos mais tarde. E que chamarei Qa hora da aprecia'(o
científicaR no tinha soado.
Peço respeitosamente permisso aos srs. membros dos
7nstitutos e das 0cademias para anunciarOlhes que a hora da
apreciaço soou para os )en*menos estudados nesta +n$lise das
,oisas, apesar do ardor que )oi empre.ado em atrasar o rel2.io.
, tenho o des.osto de acrescentar que, se no )or em seu )avor,
ser#, a seu pesar, talve/ contra eles, que a apreciaço se )ar#.
5he.ou a hora, que tem sua ve/ para cada descobertaT " uma lei
cu(a aplicaço vai de novo reali/arOse.
/ / /
E passado encerra muitos )atos instrutivosT acaso todas as
.randes descobertas no encontraram oposiço tanto mais viva
quanto mais chocavam as id"ias admitidasS :ede prudentes em
vossas ne.aç1es a priori. &as no, a hist2ria, di.am o que
quiserem, no parece instruir os homensF assim, h# três anos )i/
uma observaço que considero interessante, e " a se.uinteT na
casa de um editor parisiense, apareceram três livros com
pequenos intervalos. E primeiro tratava de su.esto hipn2tica, o
se.undo de su.esto mental e o terceiro de )en*menos
espiritualistas. ,sses livros tinham por autores três eruditos, três
m"dicos. @uando o primeiro livro apareceu, encontrou no mundo
cientí)ico numerosos incr"dulos, que, ali#s, penso estarem quase
todos convertidos ho(e. Nesse livro, que continha a exposiço de
experiências de hipnotismo muito curiosas, o autor no admitia a
sugest(o mental, que era sustentada, com provas em seu apoio,
pelo autor do se.undo livro. &as este +ltimo, por sua ve/,
concluía por uma tirada de lamentaço sobre a perda, para a
,i%ncia, de um cole.a que se constituíra conscientemente o
de)ensor dos )en*menos espíritas, por no ter adivinhado que
estes )en*menos so apenas uma variedade da su.esto mental,
onde o inconsciente do m"dium desempenha o papel de
prota.onista_ Nada direi do terceiro livro, no qual o autor talve/
no se tenha mostrado sempre melhor crítico do que seus
cole.as, e isto por motivos que o leitor adivinhar#.
,sta observaço mostra bem a tendência do espírito humanoT
cada um de n2s )e/ seu papel - que achamos muito bom,
naturalmente_ - e tudo que no se a(usta nele " esquarte(ado ou
acutiladoF verdadeiro leito de Procusto das id"ias dos outros, e
dos )atos que so de todos.
=ermino estas observaç1es pedindo ao leitor que nelas no
ve(a mau humor al.umT apenas consi.no os )atos.
/ / /
Nas p#.inas se.uintes, no relatarei nenhuma experiência
nova, se bem que desde a publicaço do meu +ltimo livro tenha
assistido a muitas sess1es curiosas e observado .rande n+mero
de )en*menos interessantes, para s2 )alar disto. Ne sorte que me
parece )astidioso ho(e procurar demonstrar os elementos, os
pequenos )atos que, presentemente, a meu ver, s2 apresentam um
interesse muito medíocre, e no dese(o perder tempo voltando ao
assunto. ,ra como se me pedissem para ensinar o al)abeto em
uma escola de aldeia. , depois, (# se )oi o tempo em que era
indispens#vel provarOse primeiro a existência do )en*meno
psíquico. 5omo ho(e no )altam os investi.adores inteli.entes e
instruídos, no h#, absolutamente, necessidade de convencer os
que di/emT Q,u nem que visse acreditaria_R ,ncontrei muitos
destes. ,stes simpl2rios acharo sempre al.uma coisa a respi.ar
no campo da Psicolo.ia, quando se decidirem, pede claudo, a
se.uir o movimento irresistível que se produ/iu e cu(a torrente
vai arrastar e submer.ir a )iloso)ia moderna.
Por conseqZência, para o estudo da questo a- o"o, convido o
leitor no iniciado a ler o meu trabalho precedente.

,studemos a.ora a nature.a das coisas no homem.
Ca,-tulo (((
5 gera./o do #o%e% , u%a a./o %icrosc(pica. & 'la , u%
si%ples +ato< %as u% grande +ato. & 0ip(teses sobre a
pree$ist=ncia e a n/o9pree$ist=ncia do esp!rito ao corpo. & 5
#ip(tese da +or%a./o si%ultEnea do espírito e do corpo , inAusta. &
2ingu,% percebe %ais a energia >ue a intelig=nciaL s( l#es
percebe%os os e+eitos. & Co%o de%onstrar a independ=ncia do
espíritoC & 1upor con#ecida u%a inc(gnita. & ;%a parte das
+aculdades do espírito est* i%obili@ada e% +un.:es in+eriores Gs da
intelig=ncia. & "ecanis%o da a./o do espírito sobre as c,lulas
ner-osas. & 7oli@oís%o de )urand de Mros. & Fatos estabelecendo
>ue o espírito pode receber co%unica.:es por -ias di+erentes do
co%u% dos (rg/os. & 1on#os.
Nois elementos microsc2picosT uma c"lula munida de uma
esp"cie de cílio vibr#til, elemento masculino, e outra c"lula de
)orma .lobulosa, elemento )eminino, encontramOseT dois pontos
quase matem#ticos e o homem " procriado.
0 c"lula .lobulosa trans)ormaOse imediatamente, ela enxertaO
se e se.mentaOse em multido de outras c"lulas, que viro a ser
os 2r.os do corpo humano.
,sse encontro de duas c"lulas, provenientes de dois seres
di)erentes, )ormando um terceiro ser, " um .rande fato.
,m torno desse )ato vo acumularOse a mat*ria e a energia.
&as, admitindoOse a existência como sendo a universalidade
da inteli.ência, ir# esta QsoprarR sobre a mat"ria ao mesmo
tempo e, da mesma )orma que esta +ltima, acumular ener.iaS
Eu ento, louvandoOnos nas escolas e.ípcia, cald"ia, hindu,
onde se inspiraram Pit#.oras, os neoplat*nicos, os cabalistas, os
te2so)os e mesmo os QespíritosR dos espíritas modernos,
admitiremos que o ,spírito " preexistente e (# habitou muitos
corpos, (# viveu muitas vidasS
No primeiro caso, o ,spírito, desli.andoOse .radualmente da
intelig%ncia impessoal, aliarOseOia à ener.ia e à mat"ria em maior
ou menor proporço, se.undo o valor e a capacidade do
recipiente cerebral. 0 personalidade .ruparOseOia em redor do
grande fato de que )alei mais acima, variando individualmente e
ao acaso, .uiada arbitrariamente %eu ia di/er in(ustamente' em
sua )ormaço pela hereditariedade, pelo atavismo, pela condiço
social, pelo meio, pela educaço e mil outras circunst4ncias
causais que no criamos e que concorrem para nos atenuar a
responsabilidade pessoal em to lar.a medida.
Es que sustentam no existir o acaso, no admitiriam esta
hip2tese e pre)eririam com certe/a adotar a se.undaT
pree!ist%ncia da intelig%ncia emanada e personificada, vivendo
alternadamente em estados comateriais e a-materiais. 0
desi.ualdade da sorte dos homens poderia, assim, ser explicada
pelos m"ritos e dem"ritos anteriores. &as, sendo o espírito
preexistente, em que momento esse .l2bulo intelectual,
virtualmente dotado de todas as suas potencialidades )uturas, se
uniu à mat"riaOener.iaS :eria ap2s a se.mentaço completa do
2vulo, a )ormaço distinta das di)erentes )olhas blastod"rmicas,
estando o c"rebro assim locali/ado em seus elementos
)ormadoresS No se )ar# a unio pro.ressivamenteS ,m todo
caso, muito tempo antes do nascimento começaria essa
Qespirituali/açoR da mat"ria. E ,spírito, assim recolhido em sua
tríplice priso de carne, Q)lutuaria sobre as #.uasR, durante três
ve/es três ciclos lunares, mais ou menos antes de aparecer à lu/
do dia.
/ / /
:e(a como )or, eis o homem )eitoF estudemoOlo.
Nesse homem, o que se percebe à primeira vista - como no
exame do macrocosmo - " a mat"ria, isto ", o seu corpo. ,sse
corpo moveOse sob a aço de v#rias )orças provenientes da
ener.ia. Nin.u"m percebe essa )orça, como nin.u"m percebe a
que anima o mundoT apenas lhe vemos os e)eitos. N#Ose o
mesmo com a inteli.ência. W conhecido al.um e)eito sem causaS
Por minha parte, tenho al.uma ra/o para pensar que o
espírito consciente de sua individualidade preexiste à mat"ria do
corpo, mas no (ul.o ser a.ora tempo de expor essas coisas.
0
:upondo mesmo que assim no aconteça e que a inteli.ência
individuali/ada se )orme ao mesmo tempo em que a mat"ria )or
atraindo os elementos da inteli.ência impersoni)icada - trataOse
de demonstrar que, uma ve/ )ormada, essa inteli.ência
individuali/ada ", at" certo ponto, independente da mat"ria
nervosa, durante a vida, e que persiste ap2s o desaparecimento
do corpo.
!em sei que para muitos homens instruídos, nos quais apenas
quero apoiarOme, esta demonstraço e!perimental (# no precisa
ser )eita. , no )alo dos crentes, mas dos homens que sa-em e s2
con)iam na ra/o, )iscali/ando as provas )ornecidas pelos
sentidos. &as, no " para eles que eu escrevo, e a )orma deste
trabalho, tenho a certe/a, no lhes deixar# d+vidas a esse
respeito.
0 quem ainda no teve tempo ou ocasio de adquirir estes
conhecimentos, peço )a/erOme uma concessoT vamos como na
#l.ebra, e para )acilitar as nossas operaç1es, supor conhecida
uma inc2.nita. 0ssim, admitamos a alma, o espírito, a
inteli.ência, ou qualquer que se(a o nome dado a essa entidade
chamada espiritual. :uponhamos a sua existência, depois
examinemos, nessa hip2tese, o seu papel no ser humano.
No estado ordin#rio, o espírito, intimamente incorporado à
mat"ria, pode ser considerado privado de .rande parte das suas
)aculdades superiores. 0l.umas destas )aculdades so, por assim
di/er, alienadas em proveito de certas )unç1es que elas devem
desempenhar sobre o plano anímico, instintivo e ve.etativo do
ser comaterial.
Neixamos, de al.uma sorte, de estar dentro de n2s mesmosT o
espírito no tem mais comunicaç1es diretas com o mundo
exteriorF est#, al"m disso, )reqZentemente mal servido de 2r.os.
W o que explica o )ato de certos indivíduos sonamb+licos serem
muito mais Ql+cidosR no estado hipn2tico, que " um estado
a-material incipiente, um começo de desprendimento desta
melhor parte de n2s mesmos, que nestes +ltimos tempos
denominaram o inconsciente.
5omo quer que se(a, o espírito disponível normalmente para
as )unç1es intelectuais serveOse, do melhor modo que pode, da
ener.ia existente no estado de equilíbrio incessantemente
inst#vel nos 2r.os das mani)estaç1es da inteli.ência. Dou
explicarOmeT quanto menos est#vel quimicamente " um corpo
composto, menos )orte " a in)luência, a )orça necess#ria para
produ/ir uma modi)icaço em sua composiço. 0 subst4ncia que
)orma as c"lulas cerebrais est# nestas condiç1es. 0 )orça )luídica
criada pela c"lula cerebral " de nature/a particular, lembrando
por certos aspectos, como vimos acima, o )luido el"trico. Para
produ/ir este )luido - o )luido nervoso - excitador que levar# as
ordens da vontade aos 2r.os peri)"ricos, a c"lula precisa ser,
por assim di/er, polari/ada em uma certa direço. , como o
espírito por si mesmo no pode operar sobre a mat*ria, e para
esse )im " obri.ado a recorrer à energia, a sua aço " )acilitada
pela nature/a de uma subst4ncia de composiço constantemente
vari#vel, como a mat"ria or.ani/ada, e a.enciada de modo a
produ/ir, sob o mínimo de in)luência, à semelhança de um
torpedo microsc2pico, uma pequena descar.a de )luido nervoso,
que se.uir# uma direço determinada e sempre a mesma, no
estado normal.
:eria mister o .ênio de um IVne KronsJi para redu/ir toda
essa parolice a uma )2rmula clara e precisa %para os iniciados',
da nova lín.ua matem#tica que ele inau.urou em nosso s"culoF
porque tudo isso redunda em di/er, resumindo, que o espírito
opera so-re a mat*ria organi.ada por meio da energia anímica.
Neixei compreender que uma parte das )aculdades do espírito
era imobili/ada em )unç1es in)eriores às da inteli.ência %nutriço
celular, circulaço do san.ue e da onda nervosa permanente,
)unç1es re)lexas, instintos, etc.'. ,ssas )aculdades so utili/adas
na excitaço dos di)erentes centros em aparência automotoresT
cerebrais, do cerebelo, do bulbo, medulares e simp#ticos, cu(as
independências relativas, postas mais em evidência por certos
estados patol2.icos ou psíquicos, )e/ di/er que o homem era um
composto de distintos eus, coordenados hierarquicamente, por"m
tendo cada um em si os caracteres e os atributos essenciais do
animal individual. ,sta concepço, a que seu autor, Nurand de
Gros %Nr. Philips', observador muito pro)undo, deu o nome de
<oli.oísmo, )oi principalmente inspirada a esse s#bio por
delicadíssimas experiências de hipnotismo e de su.esto, que ele
observou como )il2so)o e, ao mesmo tempo, como m"dico.
:e admitirmos a independência de um princípio intelectual,
podemos conceber a ra/o pela qual, )icando destruída, alterada
ou doente uma parte da subst4ncia cerebral, no pode o espírito
operar sobre esta parte desaparecida, sem transmitir por seu
interm"dio as ordens de sua "ontade aos 2r.os excitados
ordinariamente pelas c*lulastorpedos, desde ento alteradas ou
mortas. &as, em muitos casos de les1es cerebrais, havendo
sobrevivência, um suprimento mais ou menos per)eito se
estabelece e podemos admitir, ento, que o espírito exerce a
vontade sobre outros centros %mem2ria, palavra, movimentos,
etc.', e transmite suas ordens por caminho a)astado, indireto, em
uma palavra, desacostumado. 7sto acontece principalmente
quando a destruiço dos 2r.os cerebrais se produ/ lentamente.
Es casos de a)asia curada, persistindo a leso da circunvoluço
de !roc#F a inte.ridade das )unç1es de toda nature/a, apesar da
atro)ia de um hemis)"rio cerebral, so )atos que no alteram em
coisa al.uma a tese que apresento.
/ / /
0t" aqui ainda no apareceu nenhuma boa ra/o para se
admitir sem debate a existência do espírito independenteF e os
ar.umentos que podem ser tirados do que precede têm sido mais
de uma ve/ apresentados com maiores desenvolvimentos e
es)orços, no intuito de convencerem. :e os adiantei, )oi apenas
por espírito de m"todo, porque conto muito mais com a
experimentaço do que com o raciocínio simples ou discusso
sem )atos. Es )atos psíquicos vo, com e)eito, darOnos
demonstraço mais completa. 0present#OlosOei, quando possível,
por ordem de intensidade, de al.uma sorte crescente, permitaOseO
me a expresso.
,xaminemos, em primeiro lu.ar, o caso em que o espírito, em
circunst4ncias quase normais, percebe a existência de
acontecimentos a)astados no espaço. Por exemplo, durante os
sonhos. =odos (# temos ouvido repetidas narrativas de sonhos
que so como a c2pia de um acontecimento atual, ou mesmo
)uturoF mas deixo de parte a questo do )uturo. Poderia,
extraindo de di)erentes autores, citar numerosos exemplos nesse
sentido. 5in.irOmeOei a al.uns casos que so da minha
observaço pessoal.
,is os )atosT $ma senhora de minhas relaç1es contouOme
muitas ve/es que, na idade de vinte anos, quando morava em
0..., teve um sonho, cu(a persona.em principal era um (ovem
que a pretendia em casamento. 0 )isionomia desse homem, que
ela absolutamente no conhecia, inspiravaOlhe descon)iança, e
ento a senhora tratava de evit#Olo. NespertandoOse, havia
conservado esse sonho bem presente na mem2ria, como ali#s
sucede à maior parte dos seus sonhos, se.undo disse.
0t" aqui nada h# de extraordin#rioF mas, de manh, tendo
saído de casa, a moça se.uia por uma rua pouco )reqZentada, que
condu/ia ao porto, quando subitamente viu, à porta de uma
cerve(aria, o mesmo (ovem do sonho, de p", olhandoOa.
Divamente surpreendida, )oiOlhe preciso .rande es)orço para no
cair sem sentidos.
EbtendoOse in)ormaç1es do propriet#rio da cerve(aria, que
mantinha relaç1es com a )amília da moça, o (ovem rec"mO
che.ado de al"mOmar à cidade, aonde vinha pela primeira ve/,
havia desembarcado naquela manh mesmo e estava hospedado
na cerve(aria de um seu parente, com quem vinha associarOse.
&ais tarde, o moço em questo, tendo ouvido, sem d+vida, )alar
do sonho do qual por esta )orma ele teria recebido uma su.esto
indireta, pediu a moça em casamentoT mas, su.estionada do seu
lado pelo sonho, pois impressionavaOse sempre que via o dono
da cerve(aria, ela recusouOlhe os .alanteios.
Es )atos desse .ênero so to numerosos que (# decerto
nin.u"m pode mais repetir continuamente esta palavra ridículaT
QcoincidênciaR, que s2 tem a vanta.em de dispensarOnos de
melhor explicaço. ,ssa vanta.em, devemos convir, nem )oi
)eita para satis)a/erOnos, nem n2s estamos dispostos a contentarO
nos com ela. Deremos a prop2sito do sonambulismo que
explicaço podemos dar a esse )en*meno.
Noutra ocasio, uma pessoa de minha )amília teve um sonho,
que me parece bastante interessante para merecer citado. ,m
9<<6, dava eu passos no intuito de obter para um dos meus
ami.os uma colocaço de diretor de escola especial. &eu
prote.ido era um homem de m"rito, muito entendido na sua
especialidade, como )icou provado pelos serviços por ele depois
prestados. =udo ia bemF tínhamos o apoio de quase todos os
che)es do minist"rio de que dependia a escola em questo,
amparavaOnos at" a boaOvontade do ministro, ao qual o candidato
tinha sido recomendado por dois ou três deputados ami.os meus.
,m suma, s2 esper#vamos a publicidade da nomeaço pelo
(ornal l5Officiel, quando certa manh recebi carta de uma parenta
que habitava na província e era muito íntima da mulher do meu
candidato. No )im dessa carta, di/iaOme elaT Q&andaiOme al.uma
notícia sobre &. c...F a noite passada, durante um sonho, esti"e
muito a-orrecida, porque ele havia sido malsucedido na sua
pretenso (unto ao ministro...R
0cabava de ler esta )rase, sem darOlhe a mínima import4ncia,
quando me anunciaram o mesmo ami.o, que entrou quase lo.o
no meu .abinete de trabalho, de semblante consternado. Dinha
mostrarOme uma carta do minist"rio, na qual o in)ormavam de
que a sua candidatura no era admitida no lu.ar ento va.o, mas
podia mantêOla para a va.a pr2xima. ,m resumo, era um codilho
completo. &ostrei a carta a &. c..., que )icou admiradíssimo.
Heli/mente, ap2s o exame dos títulos dos di)erentes
candidatos, )oi revo.ada a deciso e &. c... " ho(e um dos
diretores que melhor satis)a/em à 0dministraço.
0inda coincidênciaS =alve/, mas devemos convir que se
apresenta muitas ve/es essa importuna coincidência.
,n)im, para terminar estes exemplos de acontecimentos
percebidos em sonhos e cu(as narrativas recolhi diretamente, vou
re)erir o se.uinte, que provaria no existir a dist4ncia para o
,spírito, se )osse demonstrado ser ele quem percebe as coisas
durante os sonhos, ou pelo menos certos sonhos, que
habitualmente distinguimos muito -em dos outros, por motivos
que no sabemos explicar, por"m sentimos. ,is uma observaço
colhida em casa de uma )amília norteOamericana onde costumo
estar, desde que habito em New YorJ, uma noite quase em cada
semana.
$m dos )ilhos de &. 3... estava na 0lemanha para terminar os
estudos na $niversidade de =ubin.ue, em 9<^9. 0 )amília, em
New YorJ, acabava de receber boas notícias dele, quando, uma
noite, a :ra. 3..., a me, acordou chorando, em conseqZência de
um sonho no qual vira o )ilho em .rande peri.o de vida. Presa de
ansiedade, depois de ter )eito lu/, pensava ela nos meios de obter
prontas notícias de to .rande dist4ncia, quando viu entrar no
quarto a )ilha, a menina 3.., que vinha, i.ualmente em prantos,
contarOlhe haver visto em sonho o irmo na mais crítica situaçoF
me e )ilha haviam tido simultaneamente o mesmo sonho, que,
se.undo me asse.uraram, nada poderia ter provocado pela
conversaço da v"spera. E mais interessante, talve/, " que &. 3...
)ilho estava realmente muito doente, à mesma hora, em
=ubin.ue. Heli/mente, a mocidade de &. 3... triun)ou e ele p*de
voltar ao seio da )amília.
Nevemos aceitar a opinio teos2)ica, se.undo a qual o
,spírito desprenderOseOia em parte, do corpo durante o sono e
poderia desse modo receber a impresso das coisas, cu(as
vibraç1es o "ter repercuteS
Ca,-tulo (.
IgnorEncia geral acerca do #ipnotis%o. & 1e todos soubesse%
ser-ir9se desse estado< obteria% resultados e$traordin*rios. & "as
#* perigo e% e$peri%entar na atual ignorEncia das leis >ue rege%
os di+erentes princípios constituintes do #o%e%. & For.a e%itida
pelo corpo #u%ano sob a in+lu=ncia da -ontade e operando a
distEncia. & '$peri=ncias de trans%iss/o de pensa%entos< de -ista
a distEncia. & )i+erentes estados ou graus da #ipnose. & 'sses
estados n/o s/o %ais >ue +ases do ca%in#o gradual >ue le-a ao
desdobra%ento da pessoa. & Feoria da -ista< da audi./o< etc.< a
distEncia & $hantasms of the %i&ing. & 4bser-a./o igual%ente
interessante e instruti-a do desdobramento da pessoa.
Hormam uma .rande maioria os que, m"dicos ou no, se
ocupam de hipnotismo e desconhecem o poderoso meio de
investi.aço psíquica ao seu alcance.
5om o hipnotismo, ou antes, com o hipnoma.netismo e a
su.esto auxiliados por outros a.entes externos ou internos,
podeOse che.ar a resultados absolutamente extraordin#rios. 7sto
no sucede com todos os indivíduos hipnoti/#veis sem re.ime
diet"tico, mas, bem entendido, procurandoOse determinadas
condiç1es. Por diet*tica entendo no somente um re.ime
alimentar especial e conhecido, mas tamb"m um m"todo
particular para respirar, dormir, pensar e... amar. 5omo no entra
nos planos desta obra indicar os processos a p*r em pr#tica,
absterOmeOei de di/er mais sobre o assunto. Nirei apenas que
hipnoti/adores e ma.neti/adores possuem i.ualmente em suas
mos um instrumento terrível, )reqZentemente uma )aca de dois
.umes, da qual, )eli/mente, quase sempre, eles no sabem servirO
se. Por isso, se bem que as minhas observaç1es se(am, )ora de
d+vida, das mais importantes, s2 citarei um pequeno n+mero
delas e, ainda assim, pedirei ao leitor permisso para no entrar
em detalhes concernentes ao adestramento dos indivíduos.
Es que praticam o hipnotismo em seus semelhantes
.eralmente no solicitam autori/aço al.uma da pessoa que
hipnoti/am. 7sto prov"m de que eles no conhecem todas as
conseqZências do ato, re)iroOme mesmo a uma simples
experiência, se bem que haveria ainda al.umas reservas a )a/er
quando o pseudoOsono " provocado com um )im terapêutico.
&as lembremoOnos bem distoT quando bem conhecido o
hipnoma.netismo, nin.u"m mais colocar# uma pessoa sob sua
in)luência sem haver obtido dela uma autori/aço consciente
para tal )im. 0 esse prop2sito, devo di/er que os raros iniciados
nos mist"rios de 5eres Iipnotite sentemOse in)lamados de
indi.naço e inteiramente tomados de compaixo quando vêem,
nos dias que correm, os carta/es multicores de um pro)essor de
charlatanismo qualquer anunciando, o)icialmente autori/ado,
uma sesso de magnetismo na sala de um ca)" qualquerT a
inconsciência prote.endo os inconscientes_ 7sto equivale a p*r
dinamite na mo de uma criança.
:e(a como )or, o hipnoma.netismo pode servirOnos como um
dos meios pr2prios para ser evidenciada a independência, ou, se
pre)erimos, a aço )ora da pessoa humanaT
9b' de uma )orça particular, )orma elevada da ener.iaF
;b' de uma inteli.ência que, em certos casos, diri.e essa
)orça.
,xaminemos primeiro, em uma sesso de hipnoma.netismo,
o indivíduo ativo, o operador.
&esmo sem intenço, este +ltimo in)luencia o indivíduo
passivo, em maior ou menor escala, por meio de uma )orça que
irradia de si, qual uma esp"cie de aura, que no " outra coisa
seno a onda vibrat2ria da sua )orça anímica, emitida sob o
imp"rio da vontade, do seu pensamento de a.ir, e a.indo ao
mesmo tempo que a palavra e a atitude, ao su.estionar a seu
modo o indivíduo passivo. 0 existência dessa )orça, desse )luido,
como ainda se di/, " conhecida desde tempos imemoriaisF e a
obra do Nr. !ar"t] no deixa d+vida al.uma a respeito da sua
realidade.
1
Para edi)icaço pessoal, repeti com êxito certas
experiências do Nr. !ar"t] sobre indivíduo dos mais sensíveis,
embora )osse ele antes dotado de disposiç1es para os )en*menos
de ordem intelectual.
No me demorarei em )alar, a prop2sito da su.esto, dessas
cenas que encontramos narradas lon.amente em livros que de h#
muito se publicam sobre hipnotismoF tudo (# " demasiado
simples e )aria, se me demorasse nelas, que o presente trabalho
parecesse antes uma esp"cie de anacronismo, porquanto
brevemente esses )atos vo tornarOse assunto cl#ssico elementar.
0demais, nesses )en*menos primitivos, no h# quase nada a tirar
para a demonstraço que me proponho )a/er, embora sirvam para
mostrar a )acilidade com que o espírito humano pode ser iludido
quando se acha no come'o de um certo estado.
Io(e est# provado, para quem estuda a questo, haver uma
)orça que, podendo muito )acilmente ser posta em evidência, se
desprende e opera a dist4ncia, se.undo a vontade do indivíduo
ativo, isto ", do operador, ou ainda, quando se trata de um
passivo, sob a in)luência de uma ordem su.erida ou ocorrida
espontaneamente durante um estado passivo, quer consciente
quer inconsciente. Por exemplo, podeOse, com certos indivíduos
hipnoti/#veis, )a/er a experiência de Ior#cio Pelletier, porque,
se.undo sei, ela )oi )eita por esse experimentador, pela primeira
ve/, em condiç1es ra/o#veis %suum cuique'. 5olocandoOse um,
ou, antes, muitos indivíduos sensitivos com a mo acima de um
vaso contendo #.ua, se lhes dermos ordem %su.esto' de )a/er
mover o líquido como se ele )ervesse, e sem contato, podemos,
com paciência e tempo - limitado no m#ximo a meia hora em
cada sesso - ver a #.ua enru.arOse primeiro, depois moverOse
em diversos lu.ares como se ao nadar um peixinho a a.itasse,
)inalmente che.ar a )erver, at" o ponto de sair do recipiente e
transbordar. W um )en*meno que os )aquires da Xndia
determinam )acilmente, s2 com a sua presença, ou pela simples
Qimposiço das mosR acima do líquido. E Nr. Pelletier, que me
escreveu muitas ve/es a respeito desse curioso )ato, nunca me
in)ormou se os indivíduos se queixam às ve/es de inc*modo nos
braços e nas mos, durante a posiçoF " uma observaço que )i/
nas minhas experiências. ,ssa mesma sensaço dolorosa "
acusada pelos que produ/em a escrita direta nas ard2sias.
&as, esses )atos so de pequena relev4ncia e no podem
servir à demonstraço que me proponho )a/erT a transmisso do
pensamento " mais +til. 5om esse intuito, experimentei sobre
indivíduos sensíveis à aço a dist4ncia, ao que se denominou
recentemente su.esto mentalF
5
por exemploT uma prova que
tentei muitas ve/es, consistia em di/er a um indivíduo
adormecidoT QNespertai quando sentirdes que eu quero despertarO
vosRF e punhaOme a redi.ir a observaço da sesso que acabava
de ter com a pessoa assim hipnoma.neti/ada. 0bri.avaOme por
detr#s de uma pilha de livros, no intuito do indivíduo, que "ia
apesar de uma espessa )aixa sobre os olhos, nada perceber no
meu rosto, que o prevenisse do dese(o de acord#Olo.
,m determinado momento, ora no meio, ora no )im da
redaço das minhas notas, eu pensava em querer que o indivíduo
despertasseF se era quando tinha acabado de escrever,
continuava, entretanto, )a/endo mover a pena sobre o papel,
traçando palavras quaisquer, comoT Q@uero que despertes,
desperta_RF ou )rases sem relaço com o caso, e o despertar no
tardava mais de >B a 6B se.undos.
Eutras ve/es, quando obtinha o despertar, punhaOme a
escrever, e ento queria que a hipnose se produ/isse. @uando
essa experiência era bem sucedida, eraOo apenas parcialmente,
porque ouvia lo.o di/erT QPor que procurais )a/erOme dormir de
novoSR , ento o indivíduo se er.uia, moviaOse e empre.ava ao
mesmo tempo um meio que eu lhe havia ensinado para resistir ao
sono ma.n"tico, no caso de quererem adormecêOlo contra a sua
vontade.
No obstante seu interesse, no insistirei mais sobre esses
)atos, que o leitor pode estudar nos tratados especiais escritos a
respeito. 0 explicaço que se pode dar ser# )#cil de ser dedu/ida
da teoria, exposta neste trabalho mesmo, sobre a constituiço do
ser humano. 0demais, o seu valor como )ato, em apoio da minha
tese, " muito relativo, e apressoOme a apresentar outros exemplos
mais convincentes. 5he.ou o momento, com e)eito, de
examinarmos mais particularmente os casos nos quais a
independência do in"isí"el e sua aço )ora dos limites do corpo
)ísico so muito mais mani)estas.
/ / /
Es indivíduos comuns, com os quais " estudado o pseudoO
sono hipn2tico, passam por di)erentes )ases, que se no sucedem
sempre to re.ularmente como descrevem os autores. ,ntretanto,
essas )ases ou estados desdobramOse comumente na ordem
se.uinteT
9b' estado de )ascinaço %Gi"bault', ou de credulidade %de
Cochas'F
;b' estado catal"pticoF
Ab' estado sonamb+licoF
>b' estado let#r.ico.
:o, por assim di/er, os estados cl#ssicos obtidos com a
su.esto ou a )ixaço do olhar, isolados ou combinados.
,mpre.andoOse outros meios e, entre eles, a diet"tica a que
aludo mais acima, assim como os passes ma.n"ticos e a vontade
)irme e to exteriori/ada quanto possível, o que s2 se obt"m ap2s
exercício, adquireOse depressa a prova de que os estados supraO
enumerados so apenas um caminho que leva ao estado de
desdo-ramento, no da personalidade, mas da pessoa. Esse
estado, que se pode produ/ir quase de improviso, uma ve/ que os
indivíduos se tenham habituado a ele, ", no começo, precedido
de um quinto estado que sucede ao quarto - o let#r.ico. ,ste
quinto estado " conhecido de certos magneti.adores e desi.nado
por eles sob o nome de sonam-ulismo l;cido. $m sexto estado
poderia ser quali)icado de e!t$tico. Hinalmente, produ/Ose o que
denomino o estado de desdo-ramento. Neste +ltimo, o aspecto
do indivíduo pode variar, se.undo a pessoa. 0l.uns )icam
mer.ulhados num estado de morte aparenteF outros permanecem
como petri)icados, .uardam os olhos inteiramente abertos e têm
as pupilas desmedidamente dilatadas e )ixas. ,stes +ltimos )alam
al.umas ve/es sobre assuntos, coisas e cenas que parecem existir
ao lon.e. &uitas ve/es, podeOse veri)icar que nada h# de
verdadeiro naquilo que contam, ou ento, que h# erro de tempo e
lu.arF outras ve/es, ao contr#rio, veri)icaOse que tudo *
a-solutamente exato, mesmo no caso de o fato visto produ.irse
a muitas l*guas de dist8ncia: ,sse estado podia ser denominado
%!tase falante.
Es que )icam mer.ulhados num estado de morte aparente
lembramOse raramente, de maneira espont8nea, daquilo que
experimentaram.
Iaveria peri.o em levar mais lon.e este +ltimo est#dioF e
acrescento que " arriscado deixar o indivíduo por muito tempo
nele. E estado que sucederia, com e)eito, seria o desdo-ramento
completo e definiti"o. E ,spírito, rompendo o )io anímico que o
li.a ao corpo, depois de haver atraído para )ora uma .rande
quantidade de energia "ital, )icaria libertado para sempre, talve/
a seu bene)ício, mas com pro)undo e terrível embaraço do
experimentador demasiado temer#rio, que se tivesse aventurado
sem direço nessas para.ens inexploradas e cheias de escolhos.
&as, quando a operaço " condu/ida por mo se.ura, eis o
que se observaT o indivíduo, depois de passar rapidamente pelos
di)erentes estados supramencionados, começa o seu
desdobramento. E ,spírito desprendeOse, ao mesmo tempo que
uma certa quantidade de ener.ia vital ou anímica, e )ica em
comunicaço com as coisas exteriores. 0 princípio o
desprendimento consiste em uma simples irradiaço em torno do
corpoF e " ento que os indivíduos lêem com a mo, com a
)ronte, com o epi.#strio, com os p"s, etc. ,m outras palavras, os
Qori)ícios da lanternaR no so somente os olhos, os ouvidos ou
os outros 2r.os dos sentidos, mas tamb"m o sentido ;nico abre
caminho atrav"s de todos os poros da pessoa. ,nto, (# no h#
mais c"rebro para a percepço ou para o pensamento, mas uma e
outro podem estar em toda parte. Nesse estado, o indivíduo (#
pode, por meio do "ter ambiente, cu(as vibraç1es lhe )a/em
vibrar uníssono o "ter anímico exteriori/ado, (# pode, di.o,
compreender uma multido de )atos passados, presentes e - ouso
di/êOlo - )uturos.
No quero insistir nessas coisas mais do que conv"m, como
tamb"m no me es)orçarei por acumular provas em seu apoio.
,ssas provas esto )eitas para .rande n+mero de s#bios ou de
conhecedoresF e (# que o dia de amanh h# de )ornecer tantas e
tantas provas, no aumentarei este ensaio com p#.inas que,
desde a.ora, considero sup"r)luas. =odavia, no caso que, em
nome de no sei que ciência monopoli/ada e )#cil de assustarOse,
venham ob(etarOme serem esses dados anticientí)icos, )arei notar
que Gaplace, sendo o mais positivo dos s#bios da sua "poca,
parece haver entrevisto a possibilidade da previso do )uturo,
como se pode (ul.ar por este extrato da sua Th*orie analitique
des <ro-a-ilit*s. ,screve ele na sua 7ntroduçoT
Q$ma inteli.ência que por um instante dado conhecesse
todas as )orças animadoras da Nature/a e a situaço
respectiva dos seres que a comp1em, se tamb"m )osse
bastante vasta para submeter esses dados à an#lise, abarcaria
na mesma )2rmula os movimentos dos maiores corpos do
$niverso e os do mais leve #tomoT nada lhe seria incerto e o
futuro, como o passado, estariam presentes aos seus olhos#R
0nalisemos o pensamento de Gaplace. :e bem penetrarmos o
sentido do que precede, veremos que esse .rande e pro)undo
astr*nomo e matem#tico, que repelia a Qhip2teseR de um Neus
pessoal,
6
concebia o $niverso exatamente como todos os
.randes panteístasF e de modo al.um combatia a id"ia da
presença da 7nteli.ência ine)#vel, nem tampouco a da ,ner.ia
%anima mundi', no con(unto das coisas. ,le sabia que, uma ve/
produ/ida uma vibraço, se podia no s2 admitir que as causas
dela existem desde todo o tempo no passado, mas, tamb"m, que
tal vibraço estava inscrita para sempre no )uturo, onde a
inteli.ência, de que ele )ala, poderia prevêOla por meio do
conhecimento exato das "i-ra'7es passadas e presentes, cu(a
conseqZência )orçada ela ser# no )uturo.
,, con)orme escreveu um s#bio matem#tico moderno, que (#
tive ocasio de citar, Qesta concluso no " aplic#vel somente às
vibraç1es luminosas que nascem na super)ície dos corpos, ou à
)raquíssima pro)undidade, mas tamb"m às vibraç1es de toda
esp"cie, que se produ/em na sua massaF aquelas, por exemplo,
que os nossos mais secretos pensamentos imprimem às
mol"culas de que o c"rebro se comp1eT todos esses mo"imentos
o 0ni"erso inteiro os sente e conser"aR.
7
Iaver# necessidade de acrescentar que, desde o momento em
que uma inteli.ência se desli.a bastante da mat"ria onde est#
provisoriamente encarcerada, a ponto de receber a impresso das
vibraç1es transmitidas pelo "ter, ser# lícito conceber que lhe se(a
possível perceber, de modo mais ou menos claro, as
modi)icaç1es impressas nesse Q)luidoR universal pelos
acontecimentos externos, inclusive os pensamentos, os quais, em
outros, do movimento Qàs mol"culas de que se comp1e nosso
c"rebroRS 0ssim, )icam explicadas a Qsu.esto mentalR, a
transmisso de pensamento e a violência, tanto quanto a audiço
a dist4ncia.
Penso no ser in+til insistir no )ato de ser mesmo o menor
.rau de hipnose um começo de desdobramento, que, a princípio,
" de al.uma sorte todo interno. E espírito e a ener.ia anímica
concentramOse no interior e abandonam a peri)eria, em certa
medida, pelo menos. Por isso, vemos o primeiro estado de
hipnoma.netismo assinalarOse por anestesia da pele e das
mucosas. Hoi assim que pude, em senhoras muito nervosas
atacadas de n#useas incoercíveis, )a/er exames prolon.ados e
dos mais complexos, introdu/ir um instrumento at" debaixo das
cordas vocais, sem provocar nenhum re)lexo, desde que as
re)eridas senhoras estivessem hipnoma.neti/adas.
, lo.o nos primeiros momentos do pseudoOsono, em al.uns
indivíduos produ/Ose a a-materiali.a'(o, e ento se e)etua
tamb"m, por concomit4ncia, a expanso externa do sensorium
"erdadeiro, do sentido ;nico.
Cecentemente, em New YorJ, numa primeira sesso de
hipnose, pude obter de um moço, cu(as p#lpebras estavam
)echadas sobre os .lobos oculares )ixos, por contraço dos
m+sculos motores dos olhos, para cima e para dentro, como
sempre, pude obter que ele me dissesse a cor de dois ob(etos,
duas )olhas de papel colocadas na parte superior da sua cabeça.
$ma dessas )olhas era branca, a outra a/ul.
E indivíduo estava de costas para a minha secret#ria, de cu(a
.aveta eu tirava esses ob(etos sem )a/êOlos passar por diante do
seu rosto. Na se.unda sesso, coloquei meu rel2.io i.ualmente
sobre a parte superior da sua cabeça. Nepois de al.uns se.undos
de hesitaço, disseOme ele a hora exata. 5onhecendo a )aculdade
que têm os hipnoti/ados de possuir, em .eral, a noço do tempo,
eu tinha recuado o ponteiro de vinte minutos. 0o )im de al.uns
dias, esse moço lia do mesmo modo que a senhora, cu(a
observaço (# citei antes.
,ssas experiências começam a revelarOnos )atos mais
importantesT provam, pelo menos, que a sensaço " independente
do sentido especial por meio do qual ela " normalmente
transmitidaT o nihil in intellectu quod non prius fuerit in sensu,
de Lenon %de 5itium' e de 0rist2teles, (# pode ser discutido
sobre outras bases.
,mbora tenha resolvido no dar neste trabalho lu.ar
preponderante às minhas experiências, vou citar, entretanto, uma
que )i/ em Paris, em abril de 9<<^ e que repeti muitas ve/es,
uma delas diante de uns quarenta ami.os, homens c"pticos, em
reunio especial de um .rêmio ao qual pertençoF esse .rêmio
comp1eOse de m"dicos, en.enheiros, literatos e diversos homens
de ciência, em cu(a presença, al.uns dias antes, o :r. Yves
Gu]ot, ho(e ministro das obras p+blicas, havia )eito uma
con)erência sobre a supresso dos direitos de barreira.
,is em que consistiu essa experiência, cu(a narrativa )oi
publicada em um (ornal provinciano,
8
ao qual )oi diri.ida por
um dos assistentesT
QE indivíduo %sujet' era uma moça de seus vinte anos, de
ori.em (udaica. Nesde que adormeceu, e num estado
intermedi#rio de a-materiali.a'(o, que no era letar.ia, nem
sonambulismo, nem ainda o êxtase )alante, por"m antes o
que os ma.neti/adores de pro)isso denominam
sonambulismo l+cido, coloquei um rolo de al.odo sobre
cada um de seus olhos, mais uma toalha espessa e lar.a ou
um pano atado por detr#s da nuca. P primeira ve/ que tentei
a experiência de que vou )alar, )iquei muito admirado do
êxitoF devo di/er que, ento, eu ainda no tinha a
experiência que me deram, posteriormente, s"ries de
observaç1es e, devo acrescent#Olo tamb"m, estudos s"rios e
contínuos sobre a questo.
=omei, à minha biblioteca, o primeiro livro que me caiu
nas mos, abriOo ao acaso, por sobre a cabeça da moça, sem
olhar, com a capa voltada para cima, enquanto se.urava o
texto impresso a dois centímetros mais ou menos dos
cabelos da hipnoma.neti/ada. ErdeneiOlhe ler a primeira
linha da p#.ina que estava à sua esquerda e, ap2s um
momento de demora, disse elaT Q0h_ sim, estou vendoF
esperaiR. Nepois continuouT Q0 identidade condu/ ainda à
unidade, porque se a alma...R NeteveOse e disse aindaT QNo
posso mais, bastaF isto me )ati.a.R 0cedi ao seu dese(o, sem
insistirF virei o livro, que era de )iloso)ia, e a primeira linha,
exceto duas palavras, tinha per)eitamente sido vista e lida
pelo in"isí"el a-materiali.ado da adormecida.
!
Ha/endo traçar sobre o pavimento, por terceiro, uma
palavra qualquer, com um pedaço de .i/, condu/ida de um
aposento vi/inho, com os olhos tapados, a mesma moça lia,
sem (amais se en.anar, a palavra escrita, contanto que
tivesse os p"s sobre elaF e acrescentava sempre al.uma
re)lexo per)eitamente (usta, por exemploT Q5omo est# mal
escrito... est# às avessasR e voltavaOseF ou aindaT QElhai_ " o
nome de fulano, com um risco por baixo_R @uando era
condu/ida - com os olhos tapados e chumaçados, como
acima re)eri - por sobre a palavra escrita no cho, era
andando de costas, e conservava a cabeça er.uida em
posiço um pouco )orçada, que permitia aos assistentes
veri)icarem a impossibilidade em que estaria, mesmo
acordada, de ver sob a venda.R
&uitos outros )atos desse .ênero poderia narrar, mas
devemos saber limitarOnos à tare)a que nos impusemos. @uis
somente demonstrar que o sensus internum podia, em momento e
condiç1es dadas, entrar diretamente em relaço com o mundo
exterior, sem se servir dos canais a que est# su(eito em tempo de
vida ordin#ria. 7sto (# nos no permitir# admitir a existência da
inteli.ência independente da mat"ria que lhe serve às
mani)estaç1es do estado comaterialS
"
/ / /
Halei anteriormente de sonhos que sentimos de maneira
diversa da dos outros sonhos, e durante os quais podemos ver
pessoas ou lu.ares desconhecidos de n2s e que depois che.amos
a reconhecer. ,xistem estados di)erentes do sonho que se produ/
durante o sono normal, ou que principiou normalmente. ,mbora
esses estados se apresentem raras ve/es espontaneamente, sem
exercício pr"vio, nem por isso deixam de existirF e a quem tem
curiosidade pelas coisas da Nature/a e quiser instruirOse na
questo, recomendo o livro publicado por ,. Gurne], H. &]ers e
H. Podmore, em Gondres, sobre os )antasmas dos vivos
%<hantasms of the )i"ing'.
Pessoalmente, possuo muitos )atos desta cate.oriaT um, entre
todos, no qual a )oto.ra)ia de um Q)antasma de um vivoR deixou
provas permanentes do )en*meno e outro no qual obtive os mais
circunstanciados pormenores da pr2pria boca da pessoa a quem o
QacidenteR ocorreu.
Nepois da publicaço do meu livro sobre O Espiritismo,
recebi de todos os lados in+meros documentos mais ou menos
importantes, assim como esse trabalho provocou i.ualmente
cartas e visitas pessoais de muitos que me pediram
esclarecimentos sobre este ou aquele incidente de sua vida, que
eles no sabiam explicar.
,is uma dessas observaç1esT
Q&. I... " um (ovem alto, louro, de uns trinta anos, )ilho
de pai escocês e me russa. W um artista .ravador de talento.
:eu pai )oi dotado de )aculdades Qmedi+nicasR muito
poderosas. :ua me )oi i.ualmente m"dium. 5onquanto
nascido em um meio espiritualista, ele (amais se ocupara de
,spiritismo e nunca houvera experimentado nada de
anormal, at" o momento em que so)reu aquilo que apelidou
de QacidenteR e a respeito do qual veio consultarOme, em
princípios de 9<<^.
QI# poucos dias - disseOme ele -, entrava eu em casa,
pelas 9B horas da noite, quando subitamente se apoderou de
mim um sentimento de prostraço estranha, que eu no
compreendia. Necidido, entretanto, a no me deitar
imediatamente, acendi a l4mpada e coloqueiOa sobre a mesa
de cabeceira, perto do leito. 0panhei um charuto, acendiOo,
aspirei al.umas )umaças, depois estendiOme numa
espre.uiçadeira.
QNo momento em que indolentemente me virava de
costas, para encostar a cabeça na almo)ada do so)#, senti que
andavam à volta os ob(etos pr2ximos, experimentei como
que um atordoamento, um v#cuoF depois, de repente, acheiO
me transportado ao meio do quarto. :urpreendido por esse
deslocamento, do qual no tinha consciência, olhei em torno
de mim, e meu espanto aumentou muito mais.
Q0 princípio, dei comigo estendido no sof$, suavemente,
sem ri.ide/, apenas tendo a mo esquerda acima de mim,
estando o cotovelo apoiado, e se.urava o charuto aceso, cu(o
lume aparecia na penumbra produ/ida pelo aba(ur da
l4mpada. 0 primeira id"ia que tive )oi que havia, sem
d+vida, adormecido, e experimentava o resultado de um
sonho. ,ntretanto, reconhecia que nunca sentira coisa
semelhante e que me parecesse to intensamente a realidade.
Nirei maisT tinha a impresso de que (amais havia estado to
deveras na realidade. 5ompreendendo que se no tratava de
um sonho, o se.undo pensamento que acudiu, de s+bito, à
minha ima.inaço, )oi de haver morrido. ,, ao mesmo
tempo, lembreiOme de ter ouvido di/er que h# ,spíritos, e
pensei que eu mesmo me tornara ,spírito. =udo quanto
podia saber sobre esse assunto desenrolouOse lon.amente,
mas em menos tempo do que " preciso para lembr#Olo em
minha vida interior. GembroOme per)eitamente de ter sido
assaltado, ento, por uma esp"cie de ansiedade e pesar por
coisas inacabadasF a minha vida apareceuOme qual uma
pro)isso de )".
Q0proximeiOme de mim, ou, antes, do meu corpo, ou do
que acreditava ser (# o meu cad#ver. $m espet#culo, que no
compreendi lo.o, me atraiu a atençoT contempleiOme
respirando, por"m vi mais o interior do meu peito, e dentro
dele o coraço batia lentamente em d"beis palpitaç1es, mas
com re.ularidade. Dia meu san.ue, de um vermelho de )o.o,
correndo nas art"rias. Nesse momento compreendi que devia
ter tido uma síncope de car#ter particular, a menos que as
pessoas sob a aço de uma síncope, pensava à parte, se
esqueçam de tudo quanto lhes ocorra durante o desmaio.
,nto receei perder a lembrança quando voltasse a mim...
Q:entindoOme mais animado, olhei ao redor, per.untando
a mim mesmo at" quando ia isso durarF depois, no )i/ mais
caso do meu corpo, do outro eu, que continuava a repousar.
Dia a l4mpada continuando a alumiar silenciosamente,
pensei que ela estava muito perto do meu leito e podia
incendiarOlhe o cortinadoF se.urei no boto, isto ", na chave
de torcida para apa.#Ola, por"m, ainda aí encontrei novo
motivo de surpresa_ :entia per)eitamente o boto com a
roseta, percebia, por assim di/er, cada uma das suas
mol"culas, mas, embora desse voltas com os dedos, estes
executavam so/inhos o movimento, e debalde procurava
mover o boto.
Q,nto examineiOme a mim mesmo e vi que, embora
minha mo pudesse passar atrav"s do corpo, eu o sentia
per)eitamente, e ele me pareceu vestido de branco, se neste
ponto a mem2ria me no )alha. Nepois, coloqueiOme diante
do espelho, em )rente da chamin". ,m ve/ de ver minha
ima.em no espelho, reparei que a vista parecia estenderOse
sem estorvo, e apareceramOme, primeiro, a parede, depois a
parte posterior dos quadros e dos m2veis que existiam na
casa do vi/inho e, )inalmente, o interior do seu quarto. Notei
a )alta de lu/ nesses aposentos que a vista devassava e
divul.uei claramente um raio de claridade, que, partindo do
meu epi.#strio, iluminava os ob(etos.
QEcorreuOme a id"ia de penetrar na casa do vi/inho, a
quem no conhecia e que estava ausente de Paris naquele
momento. 0penas pensava em visitar a primeira sala,
quando aí me achei condu/ido. 5omoS Nada seiF mas (ul.o
que varei a parede to )acilmente quanto a vista a penetrava.
Go.o me encontrei em casa do vi/inho, pela primeira ve/ na
minha vida. ,xaminei os quartos, .ravei seu aspecto na
mem2ria, diri.iOme a uma biblioteca onde notei com todo o
cuidado muitos títulos de obras colocadas sobre uma
prateleira à altura de meus olhos.
QPara mudar de lu.ar, bastavaOme querer e, sem es)orço,
achavaOme imediatamente onde dese(ava ir.
QNesse momento em diante, as minhas reminiscências so
muito va.asF sei que andei por lon.e, muito lon.e, pela
7t#lia, creio, mas no posso contar como empre.uei o tempo.
Hoi como se, no tendo mais aço sobre mim mesmo, no
sendo mais senhor das minhas id"ias, andasse transportado
de uma a outra parte, carre.ado para onde meu pensamento
se diri.isse. 0inda no tinha recuperado a consciênciaF o
pensamento se me dispersava antes que eu pudesse apanh#O
loF a ima.inaço, naquela ocasio, levava a casa consi.o.
QE que posso acrescentar, concluindo, " que acordei às
cinco horas da manh, no meu so)# rí.ido, )rio, se.urando
ainda a ponta do charuto entre os dedos. 0 l4mpada apa.araO
se, en)umaçando o tubo. 0tireiOme à cama sem poder dormir
e )ui sacudido por um cala)rio. Hinalmente, conciliei o sono
e quando despertei era dia claro.
QPor meio de um inocente estrata.ema, no mesmo dia
indu/i o porteiro da casa a ir examinar no aposento vi/inho
se tudo estava em ordemF e, subindo com ele, pude encontrar
os m2veis, os quadros vistos por mim, assim como os títulos
dos livros que houvera atentamente observado durante a
noite precedente.
Q,vitei com cuidado )alar disso a qualquer pessoa, no
querendo passar por maluco ou alucinado...R
=erminando a narrativa, &. I. acrescentouT
Q@ue pensais disso, doutorSR
Na "poca em que &. I. me deu conta desse QacidenteR, eu (#
sabia que as coisas podem ocorrer como ele contouF e (#
conhecia, em parte, as ra/1esF entretanto, encarei bem de )rente o
meu interlocutor, para ver se ele tinha a intenço de misti)icarO
me. ,le estava muito s"rio e parecia bem preocupado com o que
lhe havia sucedido. ,xpliqueiOlhe ento que, se.undo toda a
probabilidade, era ele dotado de )aculdades realmente
extraordin#rias e s2 dele dependia desenvolvêOlas. 7ndiqueiOlhe,
nesse intuito, um re.ime a observar, que ele prometeu se.uir
ri.orosamente, e marcamos para a quin/ena se.uinte uma
entrevista. ,le compareceu, mas vinha anunciarOme que estava
em v"speras de casarOse e no podia consa.rarOse a outras
experiências que no )ossem as da vida con(u.al, coisa que,
sabemos, " des)avor#vel à obtenço das )aculdades de
a-materiali.a'(o aut?noma.
5reio que o caso precedente, re)erido sem pre4mbulos a um
homem i.norante dos princípios da nova psicolo.ia, cu(os
elementos neste livro indicamos, caso to interessante por
diversas )aces, seria recebido com a maior reserva, para no
di/er a m#xima descon)iança. No posso )a/er mais do que "
possívelF procure o leitor convencerOse, vendo por si mesmoF no
lhe peço que creia. ,xpus o )ato que me )oi contado sem o
mínimo acr"scimo. :er# ele verdadeiroS 5omo )ato particular,
no posso ter certe/a cientí)icaF sei apenas que, .enericamente,
pode ser verdadeiro.
0demais, como (# o escrevi, lembro ao leitor o livro dos :rs.
Gurne], &]ers e Podmore - <hantasms of the )i"ing -F aí
encontrareis numerosas observaç1es an#lo.as à precedente.
,sses )atos so raros, subentendaOse. :e )ossem vul.ares,
nin.u"m escreveria livros a esse respeitoT em qualquer situaço,
no provocariam pasmo. Es )atos existem e provam que, mesmo
em vida, o homem pode assistir, por assim di/er, à separaço, ao
desdobramento dos seus di)erentes princípios. Do eles servirO
nos, sem nenhuma d+vida, de .uias quando encetarmos o estudo
do homem considerado no al"m da vida.
:e aconselhei a leitura de <hantasms of the )i"ing, " porque
dese(aria que o leitor aprendesse a no se admirarF porquanto
vamos ver brevemente coisas mais extraordin#rias ainda e a
admiraço, como o medo, seu irmo, " m# conselheira. E livro
de erudiço e experimentaço do 5el. de Cochas " de leitura
muito instrutiva e prepara bem o espírito a conceber a existência
de )orças poderosas Qno de)inidasR, ao lado das que
conhecemos aproximadamente por seus e)eitos cotidianos.
Cecomendo insistentemente essa leitura aos que conse.uirem
obter o livro na !iblioteca Nacional, porque, pelos mesmos
motivos que .uiavam os s#bios da anti.uidade, o distinto
membro da ,scola Polit"cnica no quis que o seu livro estivesse
ao alcance de todas as mosF s2 )e/ publicar um pequeno n+mero
de exemplares, de preço relativamente elevado.
0#
/ / /
&ais de vinte anos ap2s a descoberta da composiço do ar,
por Gavoisier, o químico Prietsle], que no era absolutamente
uma mediocridade, estava ainda, se.undo parece, a)errado à
teoria do )lo.ístico ima.inada por :tahl. Io(e, depois das
brilhantes descobertas de Pasteur e dos trabalhos de centenas de
discípulos e partid#rios seus, muitos m"dicos e cirur.i1es no
admitem a existência dos micr2bios.
5onv"m acrescentar que estes so os que vivem, como se
costuma di/er, daquilo que aprenderam uma ve/. No querendo
ter o trabalho de estudar, de experimentar e, para resumir tudo
em uma palavra, de ver, procuram a desculpa da sua i.nor4ncia
em um cepticismo de ruim quilate e acham mais )#cil ne.ar a
priori do que trabalhar para instruíremOse.
0contece o mesmo com os )en*menos sobre os quais me
ap2io para demonstrar a existência, a independência, a
sobrevivência de um princípio intelectual consciente, do homem.
Podem ob(etarOme que a existência dos )en*menos, aos quais
me re)iro para provar a do princípio em questo, no est#
provada e que " mister, antes de tudo, demonstr#Ola. Cesponderei
que (# )i/ essa demonstraço, que no )ui o primeiro nem o
+nico, antecedido de muitos s#bios dos mais honrados e dos
menos contestados. Por )im, no tenho a pretenso de obri.ar
quem " propositadamente ce.o a enxer.ar à )orça.
=anto pior para quem teimar em )echar os olhos.
Ca,-tulo .
7sicologia +eno%=nica. & H ela >ue de-e ensinar ao #o%e% sua
-erdadeira nature@a. & ",diu%L >ue signi+icaC & 4pini/o do s*bio
de ?oc#as sobre certas +or.as Nn/o de+inidasO. & For.a aní%ica<
et,rea< astral< psí>uica. & 'omateriais e abmateriais. & 5par=ncia
-isí-el< Gs -e@es< da +or.a aní%ica. & )i+erentes esp,cies de
abmaterializantes. & 7assi-idade ordin*ria da %ediunidade. & 1uas
i%puls:es. & Fatos de +ascina./o. & 4s iogues descritos por u%
autor *rabe de #* 6 anos. & 4s iogues de #oAe. & ?essurrei./o
de u% iogue ap(s %uitos %eses de inu%a./o. & 0* N%ilagresO e%
todas as religi:es. & 3ue opini/o de-e o NcientistaO pro+essar a
esse respeito.
:e h# um ramo de conhecimento humano que tenha
provocado discuss1es mais apaixonadas, polêmicas mais
ardentes, excitado ne.aç1es a priori menos (usti)ic#veis, ao
mesmo tempo em que entusiasmos mais irre)letidos, ", sem
contradiço, a psicolo.ia )enomênica.
W, entretanto, nesta ciência experimental que vamos procurar
as bases principais da ciência )utura. W ela que deve ensinar ao
homem sua verdadeira nature/a, ao mesmo tempo em que o
aproximar#, o quanto possível à sua inteli.ência, do
conhecimento íntimo das coisas.
Es )en*menos ob(etivos da psicolo.ia QexternaR podem ser
estudados com o auxílio de indivíduos dotados de uma )aculdade
especial e ordinariamente passiva, de a-materiali.a'(o da
ener.ia anímica. ,sses indivíduos %sujets' so desi.nados na
lin.ua.em moderna sob a denominaço de m*diuns.
Es m"diuns_ eis uma palavra que soa mal a muitos nervos
auditivos. @ue " um m"diumS NeuOse este nome a certas
cate.orias de indivíduos considerados aptos para servir de
intermedi#rios entre os vivos e os mortos.
Pois bem, " per)eitamente exato que indivíduos predispostos
por sua constituiço e exercitados ou no para esse )im podem
servir de intermedi#rios entre os vivos e as intelig%ncias
ordinariamente in"isí"eis que pretendem, às ve/es - nem sempre
-, ser ,spíritos de indivíduos, tendo vivido anteriormente, como
n2s.
0
&as, penso que s2 se percebe um lado dessa interessante
questo, como veremos adiante.
/ / /
E homem, tal como o vemos, " uma inteli.ência - .l2bulo
emanado da 7nteli.ência $niversal - que possui a seu serviço
uma )orça emprestada da ener.ia i.ualmente universal.
,ssa )orça, sob tal variedade, " de qualidade elevada,
aproximandoOse, muito provavelmente, da )orma superior da
ener.ia denominada pelos anti.os s#bios lu. astral, pelos
orientais a=asa, e da qual a ciência moderna )a/ uma va.a id"ia
que exprime pela palavra *ter, emprestada dos )ísicos da ,scola
.re.a. ,ssa )orça, to sutil quanto poderosa, penetra no corpo
humano como nos dos animais. Possuímos certa proviso dela,
ocupando todos os pontos onde circula o )luido nervoso, isto ",
no corpo inteiro, mas em maior quantidade e como em outros
tantos reservat2rios, no eixo c"rebroOespinhal e principalmente
nos .randes plexos simp#ticosF se.undo anti.os documentos e
tamb"m se.undo a minha pr2pria experiência, o plexo solar
parece ser provido dessa )orça em .rande proporço. No " sem
ra/o que os anatomistas deram o apelido de c*re-ro a-dominal
a este +ltimo plexo.
,ssa )orça anímica, et"rea, astral, etc., emprestada do "ter,
permanece, nas condiç1es normais e pelo menos em aparência,
estritamente limitada à subst4ncia que comp1e o corpo, como se
estivesse encarcerada em seu inv2lucroT " um estado que
proponho denominarOse comaterial %cum materia'. 0 .rande
maioria dos seres humanos, para s2 )alar destes, so comateriais.
&as, h# indivíduos que, por nature/a ou em conseqZência do
re.ime diet"tico, de que (# )i/ menço, possuem a )aculdade, o
poder de exteriori/aço, isto ", de pro(etar, de estender sua )orça
anímica a maior ou menor dist4ncia de suas pessoas, de )a/er
essa )orça produ/ir )en*menos de diversas ordens, tanto nos
planos )ísicos e anímicos, quanto no intelectual. ,ssa )orça que,
nos +ltimos tempos, s#bios eminentes %vede meu livro sobre O
Espiritismo' chamaram psíquica, encontraOse num estado
a-material %a-mat*ria', isto ", )ora da mat"ria qual "
condensada e arma/enada ordinariamente e que ela animaT eis a
ra/o pela qual pre)iro denomin#Ola anímica.
E primeiro .rau de exteriori/aço da )orça anímica, sob a
in)luência da vontade, )oi posto em evidência, como acima (#
re)eri, pelo Nr. !ar"t], que (ul.ou dever dar a essa )orça o nome
de for'a n%urica radiante.
@uando estamos na obscuridade, perto de uma pessoa cu(a
)orça anímica se a-materiali.a abundantemente %por exemplo,
nas sess1es onde " mister a ausência de lu/', podemos vêOla
)lutuar sobre as vestes do indivíduo donde ela emana,
principalmente na altura da re.io epi.#strica ou dos .randes
troncos arteriais, sob a )orma de mat"ria vaporosa e luminosa.
PodeOse )a/er uma id"ia dessa lu/ pela iluso que me produ/iu
uma ve/T eu tinha ido ver um dos meus clientes, en)ermo de
volta de uma via.em, residente em uma casa da rua &aubeu.e,
em Paris. ,sse homem era m"dium de pro)isso e, em
conseqZência de sucessivas experiências que outras pessoas
haviam )eito com ele, estava num estado pronunciado de
prostraço nervosa. No podia suportar lu/ nem ruído e estava
estendido no leito, onde .emia como uma criança. @uando, cerca
de 8 horas da noite, entrei no seu quarto, havia aí uma escurido
quase completa. :ubitamente, enquanto eu o interro.ava, vi uma
claridade sobre um de seus braços, que distin.ui ento
per)eitamente. Pensei a princípio que um raio de lua penetrava
no quarto por al.uma vene/iana mal cerrada e, levantandoOme,
pois que estava sentado, coloqueiOme de modo a interceptar o
suposto raio de lua. E meu movimento no produ/iu nenhuma
alteraço no re)lexo, ali#s )raco, pro(etado por esta esp"cie de
luar. 0l"m disso, veri)iquei no haver lu/ al.uma a entrar pela
(anela. Eutros pontos luminosos apareceram pelo corpo do
doente, que parecia inteiramente inconsciente do )en*menoF
procurei toc#OlosF nada senti de anormal, seno que eles
desapareciam ao contato da minha mo. 0proximeiOme dos
lu.ares onde a claridade se mostrava e no senti nenhum cheiro
de )2s)oro. Ne mais, o aspecto dessa nuven/inha luminosa no se
parecia em coisa al.uma com a )umaça esbranquiçada e
ondulante, produ/ida por esse corpo, quando se es)re.a com ele
os ob(etos no escuro.
=ive muitas ocasi1es de ver, em pessoas bem dotadas, o
desprendimento dessa )orça e sua condensa'(o a pleno dia, sob
diversas )ormas. ,nto, no poderia eu caracteri/ar o seu aspecto
de melhor )orma do que a comparando ao estado "esicular, que
precede o estado líquido do .#s #cido carb*nico, quando ele "
lique)eito sob presso, em tubo de vidro. 0 esse respeito devo
di/er - sem intento de estabelecer nenhuma comparaço, pois o
.#s comprimido se aquece - que, por ocasio do desprendimento
dessa )orça do corpo dos indivíduos, principalmente no vero ou
em uma atmos)era t"pida, experimentaOse uma viva impresso de
)rescor. W um )en*meno que notei nas minhas experiências
anteriores.
00
&as, os m"diuns no so os +nicos que desenvolvem essa
)orça anímica ou que a exteriori/amT outros e!teriori.adores
muito superiores aos m"diuns podem existir e existem realmente.
:omente, ao inverso destes +ltimos, eles no deixam nenhuma
in)luência estranha diri.irOlhes o Qcorpo astralR, isto ", a )orça
anímica exteriori/#vel. @uem a diri.e " o pr2prio espírito. E
m"dium espírita, pelo contr#rio, " muitas ve/es o ludíbrio, ou
pelo menos o instrumento de )orças ocultas, boas, m#s ou
indi)erentes, mas pode )icar dominado, .uiado, arrastado pelas
suas m#s paix1es. 0s exi.ências do seu corpo )ísico mal contidas
pela vontade, que se habitua a abdicar em proveito de uma
passividade necess#ria à produço dos )en*menos, di)icilmente
podem ser re)readas, es.otado como se acha o corpo por perdas
sucessivas da ener.ia anímica. Por isso, excetuando al.umas
pessoas, vêOse .eralmente o mesmo m"dium produ/ir os mais
autênticos )en*menos QpsíquicosR, os menos discutíveis, ao lado
de trapaças odiosas e, às ve/es, .rosseiramente dissimuladas.
5onheci um m"dium, (ovem muito honesto, que no )a/ia
pro)isso da mediunidade, e com o qual se obtiveram diversos
)en*menos de levitaço e movimentos de ob(etos absolutamente
reais. 5on)essouOme ele que muitas ve/es se sentira como
impelido a acrescentar al.uma coisa ao que produ/iaF possuíaOse
do dese(o violento de simular um )en*meno qualquer quando
podia, com as pr2prias )aculdades naturais, obter coisa melhor.
0nalisando essa esp"cie de impulso, di/iaOme que ela provinha,
em parte, do dese(o de causar admiraço aos assistentesF e, em
parte, do pra/er de en.anar seu semelhante, de pre.arOlhe Quma
boa peçaRF em terceiro lu.ar, do receio da )adi.a, porque depois
das sess1es, nas quais so obtidos lon.os )en*menos, os m"diuns
)icam, às ve/es, extenuados. &as, acrescentou haver outra causa
que ele no sabia explicar, causa sem d+vida de nature/a
impulsiva, reunida às precedentes, e )a/endoOse sentir com mais
)orça. 0sse.urouOme mais, al"m disso, que havia sempre
resistido à tentaço. ,m suma, o m"dium espírita vul.ar " um
passivo, um impulsivo, e )reqZentemente um ser incompletoF
conheci um impotente e um herma)rodita entre os m"diuns que
estudei.
No mesmo modo que um indivíduo pode nascer m"dium, ou
desenvolver arti)icialmente sua )aculdade passiva, tamb"m se
pode, por um exercício mais ou menos demorado, mais ou
menos penoso - principalmente nascendoOse sem disposiç1es -,
conse.uir exteriori/ar a )orça anímica pr2pria, conservandoOa
sempre sob o domínio da vontade. W assim que o :r. de Cochas
cita o caso de Habre dUElivet, que podia )a/er che.ar às suas
mos, de uma certa dist4ncia, o livro que dese(ava tirar da
biblioteca. E mesmo autor dita, i.ualmente, um homem
provavelmente ainda vivo no momento em que escrevo, que, por
)orça volitiva, podia, olhando um p#ssaro qualquer a cantar no
ramo, obri.#Olo a pousar na sua mo. W conhecida a hist2ria de
0pol*nius de =iana e outras, que contam por centenas na Vida
dos santos.
=odos os via(antes que residiram por al.um tempo no Eriente
viram as coisas mais interessantes nesse .ênero. :endo minha
intenço )a/er este trabalho o mais curto possível, no quero
introdu/irOlhe tudo quanto podia ser escrito sobre o assuntoT o
leitor que dese(ar instruirOse, achar# no meu livro anterior as
in)ormaç1es necess#rias. :2 citarei dois )atos narrados em uma
carta que me )oi diri.ida depois de uma conversa que se reali/ou
em casa do :r. &aurel, deputado pelo Dar, entre ele e o :r. 5.
Nem*le, um dos nossos c*nsules no ,xtremo Eriente. ,is al.uns
trechos da carta que o autor me permitiu publicasse.
5omeçando por uma pro)isso de )" materialista e c"ptica,
meu correspondente assim prosse.ueT
Q,m 9<^;, no correr do mês de (ulho, em 5ambod.e,
numa sala vi/inha do col".io dos !on/os, achavaOme com
um bon/o e al.uns conhecidos e, se.undo me in)ormou &.
N... em casa do :r. &aurel, estava entre eles um mission#rio
cat2lico. &. N... no escreveu em que cidadeF haviaOmo dito
durante a conversaço, mas eu no .uardei o nome.
Niscutíamos sobre a nossa reli.io e seus mila.res...
E bon/o sustentava que o mila.re nada provava e prop*sO
nos )a/er um.
QWramos seis pessoas que o cerc#vamos, observandoOo
com atenço, enquanto ele )a/ia .estos de ma.neti/ador, a
olhar )ixamente para todos n2s em sucessoF de s+bito,
pareceuOnos que uma nuvem envolvera o bon/o
.radualmente, e no espaço de trinta se.undos ele
desapareceu. $m instante depois, tornou a entrar por uma
porta do )undo e, adiantandoOse para n2s, com um ar .rave,
per.untou se est#vamos convencidos do seu poder.R
Eutro )ato " esteT
QDi, nas Xndias in.lesas, em !ombaim, um indiano que
nos )e/ se.urar %"ramos cinco', entre o pole.ar e o
indicador, as bordas de uma taça de cobre em relevo, com
cerca de >B centímetros de di4metro e montada sobre um p".
,st#vamos num salo mal iluminado. Nepois de muitos
.estos e invocaç1es a !rama, que duraram bem uns vinte e
cinco minutos, percebemos com assombro que a taça tinha
desaparecido enquanto a est#vamos olhando e tocando.
Nossos dedos pole.ar e indicador estavam entorpecidos e
insensibili/ados. 5omo acontecera issoS Nada pude saberF
eu mesmo observei a mesa sobre a qual se achava a taça e
nada me )e/ supor que ela contivesse um )undo )also por
onde se )i/esse passar um ob(eto daquela dimensoF e
todavia o primeiro )ato, que apresenta uma certa relaço com
este, puseraOme de sobreaviso e eu )iscali/ava os menores
.estos do )aquir.R
Nesde essa "poca, procurei sempre ocasio de ver
semelhantes exemplos, mas debalde. Nada mais tornei a ver
seno sortes vul.ares de escamoteaço )eitas por indianos,
di)erindo enormemente dos dois precedentes na estatura e na
)isionomia.
E indiano da taça era, estou convencido, um descendente
dessa raça superior, denominada ,eltas, @ramas ou Arias. 0
estatura do bon/o de que )alei, assim como a do indiano,
eram aproximadamente de 9,<B m. 0mbos tinham a te/ de
um brancoOmate, o per)il .re.o, os olhos muito ne.ros e de
uma )ixide/ extraordin#ria.
,is, meu caro doutor, o que eu mesmo vi e tenho o pra/er
de in)ormarOvos...
0ceitai, etc...
,# Dem?leR
69, rua Nauphine.
Paris, A9 de outubro de 9<<6.
0o :r. Nr. Paul Gibier - ;A, rua de Palestro, Paris.
Es casos do 5oronel de Cochas, al.uns exemplos tirados da
Vida dos santos e os que )oram comunicados pela carta
precedente so - ou podem ser - produ/idos pela )orça anímica
exteriori/ada e .uiada pela vontade.
,ssa )orça, que, independente da vontade, conserva a vida
dos nossos 2r.os, modi)icando a mat"ria assimil#vel, tornaOse
capa/, quando metodicamente diri.ida pela vontade do
e!teriori.ante, como quando o " por intervenço de uma
inteli.ência externa, de produ/ir nos corpos inertes
trans)ormaç1es moleculares s+bitas e inexplic#veis - no estado
atual do que conhecemos sob o nome de ciência - e at" de
in)luenciar de modo consider#vel sobre os sentidos dos homens e
dos animais.
0ntes de escrever a respeito dos m"diuns al.umas p#.inas,
que me ho de servir de transiço para dar uma id"ia da condiço
prov#vel do ser humano no al"m da vida, creio de interesse dar
ainda um exemplo de coisas extraordin#rias reali/#veis por
homens que, por meio de uma vontade )irme, pela concentraço
do pensamento, por uma dieta especial, adquirem poderes
psíquicos supranormais e do aos seus corpos )aculdades novas
e desconhecidas.
I# 6BB anos um s#bio #rabe, 7bn daldoun, nos seus
<roleg?menos da Bist1ria 0ni"ersal, tratava, pouco mais ou
menos, do mesmo assunto de que me estou ocupando.
01
,sse
autor, )alando dos homens que se dedicam a um exercício de
nature/a particular Qa )im de obterem a )aculdade de ver as
coisas ocultas e de )a/erem pairar sua alma nos diversos mundos
dos ,spíritosR, escreviaT Q:o encontrados, principalmente na
Xndia, onde tomam o nome de djogues. Possuem muitos livros
que tratam do modo pelo qual devem ser )eitos esses exercícios.
5ontamOse a respeito dos d(o.ues hist2rias surpreendentes.R
%p#.. ;;6'.
5omo vemos por esse trecho, h# 6BB anos a Xndia (# era
considerada, do mesmo modo que ho(e, o berço do maravilhoso.
W ali, com e)eito, que se encontram comunidades de indivíduos
que adquirem, por meio de demorada e penosa educaço, um
temperamento especial, uma nature/a nova no intuito de obterem
esses poderes psíquicos to cobiçados e tamb"m, apressemoOnos
em di/êOlo, para um )im cu(a realidade no nos cabe apreciar
aqui, mas cu(o ideal " tudo que existe de mais elevado e de mais
belo.
:e h# uma causa de assombro, " aquilo que o homem se torna
capa/ de )a/er por si mesmo, quando .uiado por uma vontade
in)lexível que nada " capa/ de desviar do alvo ao qual se diri.e.
Na ,uropa, tivemos al.uns (e(uadores que permaneceram muitas
semanas sem in.erir outra subst4ncia seno #.ua pura. &as na
Xndia os Q(e(uadoresR so muito mais )ortes e, para s2 )alar dos
d(o.ues, ou iogues, citados por 7bn daldoun nos seus
<roleg?menos, so conhecidos certos casos de morte aparente
provocada, que duram muitas semanas e at" meses, a crerOse nas
narrativas de s#bios europeus tais como o )isiolo.ista alemo
Pre]er, o Nr. ,. :ierJe, de Diena, o naturalista IacJel, etc.
Pode )a/erOse id"ia da perseverança desses io.ues, verOse a
que tremendas maceraç1es entre.am eles )riamente o corpo, pela
hist2ria se.uinte, que resumo se.undo a narraço lon.a e
detalhada, escrita por testemunha ocular, o Nr. Ioni.ber.er e
con)irmada por 5laudius Kade, ministro in.lês residente em
Gahore.
05
E Nr. Ioni.ber.er " um m"dico austríaco que, durante
muitos anos, desempenhou as )unç1es de m"dico particular de
Cun(etO:in., ra(# de Gahore.
@uanto aos io.ues, di.amos lo.o que so ascetas solit#rios,
vivendo ordinariamente no seio dos bosques ou sobre as
montanhas. :o mon.es de uma ordem bram4nica.
,is a hist2ria, se.undo documentos di.nos de )"T
QNepois de haver lon.amente meditado sobre a escolha de
uma existência, (ul.ando, sem d+vida, pelo exame de suas
vidas anteriores que era tempo de terminar seu ciclo e de
con)undirOse com !rama, em um Nirvana eterno, isto ", com
a 7nteli.ência $niversal, o brama Iarid\s )e/Ose eremita e
começou a s"rie de exercícios reli.iosos, )ísicos e
intelectuais, que constituem o adestramento a que o Nr.
Pre]er chama ana-iose e ao que os hindus denominam Cog
"idDa e @u&tam-ha ou Vaju&tam-ha, isto ", a arte de
produ/ir %por meio do êxtase e pelo a)astamento dos
elementais - .ênios, )orças inteli.entes - da terra ou da
#.ua' uma suspenso completa e n(o perigosa das )unç1es
vitais. Nesse estado, os io.ues podem )a/erOse enterrar
durante um tempo muito lon.o e voltam de novo à vida, ou
)lutuam sobre a #.ua sem risco de submerso.
Nepois de haver construído uma esp"cie de cela semiO
subterr4nea, tendo somente uma porta estreita, Iarid\s,
auxiliado por seus discípulos, penetrou nela e estendeuOse
sobre um leito )o)o de peles lanosas e al.odo cardado.
@uando o asceta )icou instalado nesse cubículo, seus servos
)echaramOlhe a porta com barroF e ento, sentado na
postadura du <amad.an ou estendido no seu leito,
concentrou o pensamento recitando oraç1es sobre o ros#rio
bram4nico, ou meditando pro)undamente a respeito da
divindade. 0 princípio, s2 p*de permanecer al.uns minutos,
depois al.umas horas e, en)im, )icou durante muitos dias no
seu estreito carneiro para habituarOse .radualmente à )alta de
ar. 0o mesmo tempo, começou o exercício do <ranaiama,
ou suspenso da respiraço. He/ o pranaiama, primeiro
durante cinco, depois de/, depois vinte e um, quarenta e três,
depois noventa minutos.
0l"m disso, mandou aplicar sob a lín.ua uma s"rie de
vinte e quatro pequenas incis1esF uma inciso em cada
semana. ,ssas operaç1es, acompanhadas de massa.ens, têm
por )inalidade )acilitar a inverso da lín.ua na )arin.e, de
modo a )echar a abertura da .lote durante a ana-iose.
,nquanto duravam essas preparaç1es, o solit#rio
observava todas as re.ras do io.uismoF alimentavaOse s2 de
ve.etais e abstinhaOse de todo o com"rcio carnal.
,n)im, quando )icou pronto para so)rer a prova, submeteuO
se a ela, talve/ muitas ve/es, antes de apresentarOse à 5orte
de Gahore.
Por que se apresentou ele perante o ra(# Cun(etO:in.S
:uponho que vinha, ou para convertêOlo, se o ra(# )osse
muçulmano, ou como outrora os pro)etas de 7srael, para
censurar esse rei por suas )altas %todos os reis cometem
)altasT so homens', à 5orte por sua dissoluço e, a ambos,
pre.ar a penitência e o arrependimento. , para dar a todos
uma prova de sua misso divina, o)ereceuOse a mostrar que
podia )icar debaixo da terra, dentro de um caixo, durante
semanas, durante meses, e renascer depois à vida_
0 sua proposta )oi aceita.
Iarid\s, o io.ue, )e/ seus +ltimos preparativos. Puri)icou
o corpo exteriormente por meio de abluç1es e internamente
por meio do (e(um e do suco das plantas sa.radasF limpou o
est*ma.o, no com um tubo, como modernamente nas
lava.ens, mas por meio de lon.as tiras de linho )ino, que
en.oliu e expeliu, depois, pela boca.
@uando che.ou o dia anunciado, uma multido imensa
con.re.ouOseOlhe em torno. Iarid\s, rodeado dos discípulos
e acompanhado pelo ra(# e sua 5orte, encaminhouOse
.ravemente para o lu.ar da prova. ,stendido no cho um
sud#rio de linho, o io.ue colocouOse no centro dele e,
voltando o rosto para o Eriente, sentouOse, cru/ando as
pernas na atitude pamad.an de !rama sentado sobre o l2tus.
Pareceu recolherOse um momento, depois )ixou o olhar na
ponta do nari/, tendo invertido a lín.ua para o )undo da
.ar.anta. Go.o cerraramOseOlhe os olhos, inteiriçaramOseOlhe
os membrosF produ/iuOse, en)im, a catalepsia, ou antes a
Tanatoidia
06
%termo novo que proponho', isto ", um estado
parecido com a morte.
Es discípulos do solit#rio apressaramOse ento em
es)re.arOlhe os l#bios, a )echarOlhe os ouvidos e as narinas
com mechas de linho envolvidas em cera, provavelmente
para prote.êOlo contra os insetos. Ceuniram e amarraram os
quatro cantos do sud#rio por cima de sua cabeça. E selo do
ra(# )oi impresso sobre os n2s da mortalha e o corpo
encerrado em caixo de madeira de quatro p"s por três, que
)oi tapado hermeticamente e tamb"m marcado com o sinete
real.
$m (a/i.o murado, preparado a três p"s debaixo da terra,
para .uardar o corpo do io.ue, recebeu o caixo cu(as
dimens1es se adaptavam exatamente a esse t+mulo. 0 porta
)oi )echada, selada e completamente vedada com ar.ila.
,ntretanto, )oram estabelecidas sentinelas para .uarda do
sepulcro, o qual estava tamb"m rodeado por milhares de
hindus, que haviam concorrido piedosamente ao enterro do
santo, como a uma pere.rinaço.
+o termo de seis semanas, tempo convencionado para a
exumaço, uma a)luência ainda maior de espectadores
concorreu ao lu.ar do sucesso. E ra(# mandou tirar a ar.ila
que murava a porta e reconheceuOlhe a per)eiço do selo.
Hoi destapada a porta, o caixo retirado com o conte+do e,
depois de veri)icado acharOse intacto o sinete que o selava,
mandou o ra(# abriOlo.
E Nr. Ioni.ber.er observou, ento, que o sud#rio estava
coberto de mo)o, o que se explicava pela umidade do
carneiro. E corpo do solit#rio, tirado do caixo por seus
discípulos, e sempre envolto no lençol, )oi apoiado de
encontro à tampaF depois, sem o descobrirem, derramaramO
lhe #.ua quente sobre a cabeça. ,n)im, desembrulharamOno
do sud#rio, tendoOse primeiro veri)icado os selos, antes de
serem partidos.
,nto o Nr. Ioni.ber.er examinouOo atentamente.
5onservava a mesma atitude de quando )ora inumado, tendo
somente a cabeça descansada em um dos ombros. 0 pele
estava enru.adaF os membros rí.idos. E corpo inteiro estava
)rio, menos a cabeça, que havia sido ensopada de #.ua
quente. No se conse.uiu perceber o pulso nem nas radiais,
nem nos braços, nem nas )ontes. 0 auscultaço do coraço
s2 indicava o silêncio e a morte...
GevantandoOseOlhe uma p#lpebra, mostrouOse um olho
apa.ado e vítreo, qual o de um cad#ver.
:eus discípulos e servos lavaramOlhe o corpo e
)riccionaramOlhe os membros. $m deles aplicou sobre o
cr4nio do io.ue uma cataplasma quente, de )arinha de tri.o,
que )oi renovada muitas ve/es, enquanto outro discípulo
tirava as mechas dos ouvidos, do nari/, e abriaOlhe a boca
com uma )aca. Iarid\s parecia uma est#tua de cera, no
dando sinal al.um indicativo de que ia recuperar os sentidos.
Nepois de terOlhe aberto a boca, o discípulo se.urouOlhe a
lín.ua e )êOla voltar à sua posiço normal, onde a manteve,
porque ela tendia incessantemente a recair na larin.e.
HriccionaramOlhe as p#lpebras com .ordura e )oiOlhe )eita
mais uma aplicaço de cataplasma quente na cabeça. Nesse
instante, um estremecimento sacudiu o corpo do asceta, as
narinas se lhe dilataram, se.uiuOse uma pro)unda inspiraço,
o pulso bateu lentamente, os membros amornaramOseF
PuseramOlhe na lín.ua um pouco de mantei.a derretida e
depois desta cena penosa, cu(o resultado parecia duvidoso,
Qos olhos subitamente recuperaram o brilhoR.
0 ressurreiço do io.ue estava reali/ada. , lo.o que ele
avistou o ra(#, disseOlhe simplesmenteT Q0creditasOme
a.oraSR
&eia hora havia sido necess#ria para reanim#Olo, e Qno
mesmo decurso de tempo, posto que )raco, mas tra(ando um
rico vestu#rio de honra, adornado com um colar de p"rolas e
braceletes de ouro, o io.ue repimpavaOse à mesa realR.
=empos depois, o ra(#, tendo, sem d+vida, provocado o
asceta, )e/ com que este de novo se sepultasse, mas desta
ve/ a seis p"s de pro)undidade. E cho )oi batido em redor
do caixo, murouOseOlhe o (a/i.o, espalhouOse terra por cima
da sepultura e nela semeouOse cevada. :empre se.undo as
mesmas testemunhas oculares, Iarid\s )oi conservado
quatro meses nesse t+muloF ao )im desse tempo voltou à
vida como da primeira ve/.R
,sses )atos esto, por tal )orma, )ora de tudo que a )isiolo.ia
nos ensina sobre as condiç1es habituais da vida humana, que no
podemos evitar pelo menos de di/erT Q,u quereria ver...R &as,
como observa o escritor de quem copiei esta narrativa, Qseria
temer#rio ne.ar esses )atos pelo +nico motivo de no podermos
ainda explic#OlosR. 0crescentarei que a explicaço (# no poder#
tardar muito.
:e(a como )or, antes de repelir a priori as narraç1es como a
que precede, " bom lembrar que centenas de via(antes têm estado
de acordo sobre )atos que narram, do mesmo .ênero, observados
na Xndia. @ue, al"m disso, a reli.io bram4nica, mística no mais
alto .rau, leva seus adeptos a esse .ênero de maceraç1es e
autotorturas. , que, )inalmente, homens como os bramas da
Xndia, estudando o lado psicol2.ico da biolo.ia humana, h#
tantos e tantos s"culos, podem saber do assunto um pouco mais
do que n2s, que começamos apenas a entrever as coisas.
:eria mais prudente cuidar de unir a ciência moderna, exata,
positiva, à anti.a tradiço, que parece ter sido conservada intacta
pelos s#bios da Xndia, cu(os pais provavelmente inspiraram o
,.ito e a Gr"cia, assim como inspiraram os )undadores das
.randes reli.i1es que dividem a Iumanidade.
/ / /
NeveOse notar que as coisas denominadas mila.rosas so
executadas em toda parte por pessoas reputadas santas, qualquer
que se(a a reli.io a que pertençam. :omente, em cada reli.io,
quase sempre, atribuem à intervenço do diabo os intitulados
mila.res produ/idos por QsantosR das reli.i1es rivais, ao passo
que os que tra/em a boa marca so devidos à .raça divina.
No queremos ocuparOnos destas opini1es e ainda menos
discutiOlas. :e.undo a divisa dos mara(#s de !enar"sT QNo h#
reli.io mais elevada do que a Derdade.R , como a 5iência outra
coisa no " seno a soma dos caminhos e meios que condu/em
ao conhecimento dessa Derdade, seus )i"is so obri.ados, para
no serem distraídos por símbolos desnaturados e obscurecidos,
a estabelecer seu culto privile.iado )ora de qualquer 7.re(aF pois
que a ab2bada estrelada dos 5"us " o +nico templo di.no de
abri.ar a id"ia que devem )a/er da Nivindade.
Ca,-tulo .(
7oderes supra-ordin(rios< no-as +aculdades >ue o #o%e% pode
ad>uirir. & 7erigos do adestra%ento i%posto para a a>uisi./o
destas +aculdades. & '$e%plo recente e atual desses perigosL u%a
associa./o inteira de %ísticos entregando9se aos %ais i%orais
atos. & 7erigos >ue apresenta% as sess:es espíritas e geral%ente
as pes>uisas +eitas se% %,todo. & 5s intelig=ncias in+eriores
apodera%9se da +or.a aní%ica dos %,diuns. & 7erigos terrí-eis
das sess:es obscuras. & Fatos >ue ser-e% de e$e%plos e% apoio
desta alega./o. & ;% e$peri%entador +erido >uase %ortal%ente<
outro +erido gra-e%ente. & 4utros +atos obser-ados pessoal%ente
pelo autor. & Consel#os a esse respeito.
DêOse que o homem pode adquirir um poder de exteriori/aço
ou de a-materiali.a'(o do seu espírito e da sua )orça anímica,
permitindoOlhe produ/ir )en*menos aparentemente contr#rios às
leis naturais vul.armente observadas e atualmente conhecidas
pela ciência ocidental moderna.
Gi muitas coisas interessantíssimas a respeito de homens
dotados dessa )aculdade, vivendo no estado de comunidades, de
)alanst"rios, nas solid1es do =ibet ou sobre as montanhas do
IimalaiaF no sei se " real a existência desses adeptos entre os
bramas de .raus superiores, ou a dos maatmas, como so
denominados al.uns delesF no posso duvidar da possibilidade
dessa existênciaT o que eu vi destruiu a d+vida.
@uerer# isso di/er que eu recomende a pr#tica do io.uismo e
suas maceraç1es como meio de investi.açoS 5erto que no.
&as a ciência positiva com seus processos experimentais, seu
m"todo indutivo e dedutivo, no escolhe )atos. Por esse motivo,
no merece censura o investi.ador que estuda os )en*menos
determinados por esses homens chamados io.ues, )aquires,
m"diuns, etc., os quais, empre.ando sua parte de livreOarbítrio,
submeteram voluntariamente o corpo e o espírito a tratamentos
às ve/es cru"is, com um intuito cu(a le.itimidade e cu(o valor
no posso discutir aqui. PareceOme no ser menos +til o estudo
desses deslocados do que o dos indivíduos da deslocaço )ísica,
aos quais, por meio de uma operaço )inanceira, que poderíamos
considerar macabra, se compram os esqueletos com a condiço
de serem eles entre.ues aos museus e às )aculdades de medicina.
Nese(o )a/er conhecer que, lon.e de animar al.u"m a lançarO
se sobre as pe.adas dos io.ues ou dos )aquires, assinalei, em
minha obra anterior sobre ,spiritismo, os peri.os que podem
decorrer das pesquisas psíquicas. 0crescentarei que,
relativamente ao adestramento destinado a desenvolver as
)aculdades superiores de a-materiali.a'(o, o exercício condu/,
quase sempre, à loucura ou pioram as inclinaç1es e, às ve/es, à
exploso de novas paix1es dependentes da aberraço do sentido
.enesíaco. 0 nature/a comprimida recupera, um dia, os seus
direitos com usura, se a compresso os en)raqueceu. W assim
que, se.undo a expresso de Pascal, à )orça de querer )a/er o
an(o, acabaOse por )a/er o bruto.
07
/ / /
5onheço, de minha parte, muitos exemplos terríveis da
perverso de que acabo de )alar.
0qui temos um delesT um escritor in.lês, de talento,
desprendido h# pouco, quis, em certo período de sua vida,
adquirir )aculdades supraordin$rias. 0bandonou a alta posiço
que ocupava nas rodas políticas e liter#rias da GrO!retanha e
entre.ouOse à pesquisa do Eculto. 0braçou a vida mais dura que
pode ser ima.inadaF depois, escreveu livros que so ho(e a
admiraço dos místicos e dos estudantes de QocultismoR. Nos
,stados $nidos ele )iliouOse a uma sociedade místicoOreli.iosa
da qual se separou no dia em que o che)e daquela i.re(inha teve
a )antasia de )a/erOse passar por Neus em pessoa. Na 0m"rica,
como sabemos, esse .ênero de loucura, ou de impostura, no "
raroF e um êxito relativo lhe anima a reproduço.
P )orça de proselitismo, servido al"m disso por uma
eloqZência compun.ente e persuasiva, o candidato a io.ue
constituiuOse inspirador e o che)e de uma reli.io nova, que
ensinava o sacri)ício de si mesmo e a unio das almas num
QsimpneumaR ser#)ico. &as, (# ento, havia posto de lado os
(e(uns, as meditaç1es, o insulamento mau conselheiro %"E soli:'
e as maceraç1es da carne, para adotar uma vida relativamente
)austosa. Iavia conse.uido )undar no Eriente uma comunidade
onde se achavam no poucas don/elas e senhoras in.lesas ou
americanas de boa sociedade. 0 comunidade tinha - e ainda tem
no preciso momento em que escrevo - aderentes dos dois sexos
na ,uropa - mesmo em Paris - e na 0m"rica. 5onheço al.uns
deles. Pois bem_ 0tr#s da devoço e do misticismo requintado
dos adeptos, ocultavamOse e ocultamOse ainda as mais
repu.nantes pr#ticas obscenas, elevadas à altura de um princípio
e de um culto ad majorem Dei gloriam.
Nepois da morte do )also pro)eta, seus discípulos
preparavamOse para espalhar, por meio de iniciaç1es ocultas, as
doutrinas que lhes )oram secretamente con)iadas, e depois de
precauç1es )#ceis de ima.inarF uma barcada de (ovens dos dois
sexos, al.uns casados, dispunhamOse a partir para o Gevante,
quando uma moça novata do novo Priapo on4nico abriu os olhos
a tempoT tinhaOse quebrado o encantamento da su.esto. ,la )e/,
com .rande abne.aço, todo o possível para reparar o mal )eito e
impediOlo de produ/irOse novamente. Graças a ela, a associaço
est# em período de desa.re.aço.
,stou convencido de que esse homem, causa da perda de
.rande n+mero de espíritos corrompidos e )anati/ados ao mesmo
tempo por ensinamentos apolo."ticos do vício, era uma esp"cie
de inconsciente. :e eu tivesse, na qualidade de m"dicoOle.ista,
de pronunciarOme sobre sua responsabilidade, hesitaria na
questo de saber at" que ponto poderia consider#Ola atenuada, em
ra/o do desarran(o cerebral, que podia ser provocado pelas
pr#ticas ocultas a que ele se entre.ara outrora. Para )alar a
lin.ua.em dos cabalistas, no p*de vencer Qo .uarda da portaR e
a es)in.e devorouOo.
0í )ica um exemplo, cu(a autenticidade .aranto,
08
dos peri.os
a que se exp1e quem se atira exclusivamente à procura do
desconhecido misterioso, sem se .uiar pelo )arol da )iloso)ia
positiva e sem estar cercado, antes de tudo, dos ri.orosos
princípios do m"todo cientí)ico.
/ / /
0cabo de )alar dos peri.os produ/idos pelo empre.o de
pr#ticas destinadas a desenvolver os Qpoderes ocultosRF restaOme
indicar os acidentes terríveis aos quais se arriscam os que, sem
m"todo, se entre.am às pesquisas espíritas com o auxílio dos
m"diuns.
,m outra parte, aludi aos inconvenientes que resultam do
estudo da psicolo.ia )enomênica, quando quem o )i/er no
possuir um sistema nervoso bastante s2lido.
Ne modo .eral, penso que no " muito sensato entre.arOse
uma pessoa assiduamente à pr#tica das evocaç1esT no somos
sempre senhores de receber quem quisermos e quando o
m"dium, tornandoOse passivo, deixa escapar a sua ener.ia
anímica %)orça, )luido vital, perispírito dos espíritas', a primeira
inteli.ência m# que )or atraída por certas in)luências ma.n"ticas
de ordem in)erior, a primeira lar"a ao alcance, se.undo a
expresso dos ocultistas, pode apoderarOse dele e causar
des.raças irrepar#veis.
W principalmente em sess1es às escuras que )atos desses
podem ocorrer.
5onheço, entre outros, dois )atos particularmente instrutivos a
esse respeito. E primeiro veri)icouOse h# pouco tempo, na
7n.laterraT três gentlemen, com o ob(eto de se certi)icarem da
exatido de certas ale.aç1es espíritas, encerraramOse, uma noite,
às escuras, no quarto de uma casa desabitada, tendoOse
comprometido por (uramento solene que seriam absolutamente
s"rios e de boaO)".
E quarto estava inteiramente va/io e, intencionalmente, s2
colocaram nele três cadeiras e uma mesa, em torno da qual
tomaram lu.ar e assentaramOse.
5onvencionaram que se al.uma coisa ins2lita ocorresse, o
primeiro que pudesse )aria lu/ com )2s)oros e velas a disposiço
dos três. ,stavam im2veis e silenciosos, (# havia al.um tempo,
atentos aos menores ruídos, às mais leves vibraç1es da mesa
sobre a qual haviam pousado as mos entrelaçadas. No se
escutava nenhum somF a escurido era pro)unda e talve/ os três
evocadores improvisados estivessem para )ati.arOse e perder a
paciência, quando, de s+bito, um .rito estridente de an.+stia
restru.iu no silêncio da noite. 7mediatamente, produ/iuOse um
)ra.or medonho e uma saraivada de pro("teis começou a chover
no pavimento, na mesa e nos operadores.
5heio de terror, um dos assistentes acendeu a vela, como
tinha sido combinado, e quando as trevas se dissiparam, dois
deles somente se encontraram em presença um do outro e
notaram com terror a )alta do companheiro cu(a cadeira estava
derribada em uma extremidade do aposento.
Passado o primeiro momento de perturbaço, eles
encontraramOno debaixo da mesa, sem sentidos, com a cabeça e
o rosto cobertos de san.ue.
@ue ocorreraS
Deri)icouOse que o m#rmore da chamin" havia sido
arrancado, )eito em mil pedaços e pro(etado em todas as
direç1es, alcançando a cabeça do in)eli/.
0 vítima desse acidente )icou de/ dias desacordada, entre a
vida e a morte, e s2 lentamente se restabeleceu da terrível
comoço cerebral que havia recebido.
0 hist2ria )oiOme contada por um homem di.no de toda a
con)iança, que a tinha ouvido de um dos atores da cena.
/ / /
E se.undo caso, que ocorreu durante uma sesso às escuras,
sucedeu a &. P..., um dos membros mais distintos da imprensa
parisiense, e que mo comunicou.
&. P... tinha sido convidado a assistir, em uma casa particular
de Pass], a uma sesso espírita na qual Qa )orça anímicaR era
)ornecida por :h., m"dium americano muito conhecido.
,m dado momento, o m"dium diri.iuOse ao piano. Hora do
seu alcance, em cima de uma mesa, )oram colocados diversos
instrumentos de corda, entre os quais um bandolim. Es
assistentes, se.urando as mos uns dos outros, )ormaram círculo
e apa.aram as lu/es. E m"dium tocou ao piano uma #ria
qualquer e lo.o se ouviram os instrumentos, que tocavam
tamb"m, pairando no quarto, sobre os assistentes, perto do teto,
aproximandoOse, a)astandoOse e )a/endoOse ouvir sucessivamente
em di)erentes pontos do aposento.
Ne repente, &. P... senteOse contundido na )ronte, leva aí
vivamente a mo e, atordoado pelo .olpe, .rita que est# )erido,
vertendo san.ue. 0o mesmo tempo um bandolim caíaOlhe sobre
os (oelhos. Ne )ato, quando houve lu/, viram que ele estava com
o rosto e as mos ensan.ZentadosF o bandolim haviaOlhe batido
com uma das arestas na parte m"dia da )ronte, onde aparecia
lar.a inciso, cu(a cicatri/ o o)endido h# de tra/er por toda a
vida.
/ / /
,m minhas numerosas experiências, especialmente no
princípio, sucederam muitas aventuras mais ou menos
desa.rad#veis, uma das quais quase acabou em tra."dia. No que
eu ha(a (amais )eito experiências no escuroT " um modo de
proceder que sempre repeli. =udo quanto me tem acontecido de
molesto ocorreuOme a plena lu/.
$m dia, depois de avançar al.umas observaç1es ir*nicas a
respeito de opini1es )ormuladas por um QespíritoR .rosseiro, que
se mani)estava por interm"dio da mesa, (ul.uei de momento ter a
minha r2tula partida pelo choque violento da borda deste m2vel,
bruscamente atirado sobre mim. 7nterro.ado, o espectro
respondeu a)irmativamente, quando lhe per.untei se tivera
intenço de ma.oarOme.
&as, )oi principalmente em circunst4ncias que (amais
esqueci, vivesse eu mil anos, que vi de perto o imenso peri.o a
que uma pessoa se exp1e nesse .ênero de estudo, se no tiver o
cuidado de instruirOse sobre certas condiç1es requeridas, das
quais no se pode prescindir absolutamente. Nevo con)essar que
por aquele tempo entre.avaOme às pesquisas psíquicas com
bastante semOcerim*nia, tratando esse assunto do mesmo modo
que os outros e considerandoOo como qualquer parte da
)isiolo.ia. &as, desde ento, )iquei sabendo que conv"m
proceder de outra maneira e usar de certas )ormalidades, sem as
quais um experimentador no prevenido poderia so)rer mais de
um .rave desen.ano.
,is o )atoT
Nos +ltimos meses do ano de 9<<6, )a/ia eu, quase
diariamente e sempre à noite, experiências sobre a )orça
anímica. Nuas sess1es )oram particularmente coroadas de
perip"cias. ,ssas sess1es se reali/aram no laborat2rio dos
velhos edi)ícios do anti.o col".io Colin, trans)ormado
provisoriamente, naquela "poca, em ,scola Pr#tica da
Haculdade de &edicina.
E local que eu ocupava e que me servia de laborat2rio era
vi/inho dos an)iteatros de dissecaço, da Haculdade, onde,
naquele momento, havia muitos cad#veres. ,m uma das
peças desse laborat2rio estivera, al.um tempo antes, um
cad#ver que me servira para estudos de medicina operat2ria.
@uem estiver em dia com as quest1es de que estou tratando
compreender# a import4ncia destes pormenores.
E m"dium que me auxiliava nas pesquisas era um norteO
americano, &. :..., cu(a )orça anímica se emitia em
quantidade su)iciente para produ/ir Qmateriali/aç1esR e
transporte de ob(etos a dist4ncia, sem contato.
$m s#bado à noite, no mês de de/embro de 9<<6, o
m"dium, o Nr. de !... e eu diri.imoOnos, pelas nove horas,
ao laborat2rio da rua Ghomond.
Nois ami.os meus, o Nr. 0... e &. G..., publicista, redatorO
che)e de uma revista política e liter#ria, aos quais eu marcara
entrevista, (# haviam che.ado. E servente do meu
laborat2rio tinha preparado os ob(etos necess#rios à
experiênciaT pretendíamos obter sinais impressos em .esso
diluído, tendendo a solidi)icarOse.
Hicando pronto o .esso, )oi ele posto em uma vasilha
lar.a, debaixo da mesa, em torno da qual, exceto o servente,
nos assentamos todos. 0 vasilha )oi coberta por uma rede de
arame em )orma de sino, sobre a qual colocamos os p"s. 0
peça estava per)eitamente iluminada por dois bicos de .#s,
um dos quais situado sobre nossas cabeças.
Ebtivemos, esse dia, muito pouca coisaF nenhum sinal
impresso, mas al.uns traços insi.ni)icantes, como se um
dedo tivesse roçado a super)ície do .essoF e al.uns dentre
n2s apresentamos nas roupas manchas da mesma subst4ncia,
que nin.u"m havia antes notado. E m"dium queixavaOse de
no se sentir bem, experimentando, di/ia, m#s in)luências
em redor de si, e tendo di)iculdade em repeliOlas para no ser
QtomadoR.
Ebtidos al.uns )en*menos que no h# interesse em re)erir
aqui, interrompemos a sesso e partimos, indo o m"dium
meio des)alecido e apoiado ao braço de &. G... e ao meu.
No caminho, da rua Ghomond à rua 5laudeO!ernard,
aonde íamos à procura de carro, )omos repentinamente
a.redidos por uma saraivada de pancadas que ouvíamos e
sentíamos muito bem - posso )alar a respeito - e que
alcançavam principalmente o m"dium. 0s pancadas eramO
nos dadas por detr#s. ,n)im, encontramos um carroF e o
m"dium, que estava muito a.itado e parecia bastante
atemori/ado, tomou lu.ar nele com o Nr. de !... 0penas
instalados na se.e, ouviram um ru)o irre.ular de pancadas
no toldo do carro, lo.o que este se p*s em movimento. ,sses
rumores continuaram, se.undo noOlo in)ormou o Nr. de !...,
at" che.ar aos 5ampos ,líseos, onde residia :... 0(ustamos
nova entrevista para o s#bado se.uinte.
No dia determinado, reunimoOnos no mesmo lu.ar, com as
mesmas pessoas do s#bado precedente.
0 princípio, as coisas anunciaramOse muito malT apenas
havíamos entrado no recinto da ,scola pr#tica provis2ria, no
momento em que caminh#vamos ao lon.o de um dos
an)iteatros de anatomia, ouvimos repentinamente um silvo
se.uido do violento choque de um ob(eto, de encontro a um
anteparo vi/inho. E ob(eto indicado era um )rasco va/io, do
modelo dos que servem para conservar peças anat*micasF
ele havia ricocheteado sobre um de n2s e caíra no cho sem
quebrarOse. Pessoa al.uma podia acharOse escondida no
lu.ar onde nos encontr#vamos e, ao demais, a noite no
estava muito escura.
=emendo al.um des.osto, no momento de penetrarmos
num vestíbulo que havia na escada que condu/ia ao
laborat2rio, no se.undo andar, como o .#s estivesse apa.ado
na escada e aí a escurido )osse completa, .ritei ao servente
que )i/esse lu/. Nurante esse tempo, começ#vamos a subir.
&al havíamos atin.ido o primeiro andar %o m"dium ia na
)rente e eu por +ltimo', quando ouvimos um novo silvo,
se.uido lo.o do barulho de um )rasco, an#lo.o ao primeiro.
!em entendidoF pessoa al.uma )oi encontrada na escada.
$ma ve/ no laborat2rio, que estava bem iluminado, tudo
correu, durante al.um tempo, como da +ltima ve/F mas o
m"dium tornavaOse cada ve/ mais inquieto.
,nquanto nos conservamos em torno da mesa - uma mesa
quadrada, simples, que eu mandara construir expressamente
- e depois de preparado o .esso, )i/ em alta vo/ e em tom
(ovial, pronunciandoOme em )rancês, de modo a no ser
compreendido do m"dium que s2 )alava o in.lês - a ob(eço
de no ser impossível, dado o lu.ar onde est#vamos, que
al.um ,spírito velhaco, cu(o corpo tivesse sido dissecado,
)i/esse tudo para nos atrapalhar as experiências. &al
acabava de )alar, quando o m"dium )oi acometido de
convulsivo movimento, que lhe sacudiu o corpo todo e o )e/
cair em transe.
E que ocorreu, ento, )oi deveras pavorosoT ele p*sOse de
p", tendo os olhos desmedidamente abertos, parecendo que
lhe saíam das 2rbitasF deu al.uns passos irre.ulares no
aposento, e todos n2s, sentindo que al.o de extraordin#rio ia
suceder, er.uemoOnos em .uarda. :... .irou sobre si e
a.arrou um dos pesados bancos de carvalho que nos serviam
de assento, )a/endo com ele um molinete terrível. Es meus
ami.os debandaram à pressa, mas, como eu estava
(ustamente sentado (unto da parede, )iquei so/inho em )rente
daquele corpulento americano, de herc+leo tipo, que parecia
embirrar comi.o especialmente, conservandoOnos ambos
separados pela mesa quadrada, ao redor da qual est#vamos
tranqZilamente sentados um instante antes. Nesse momento,
era horrível o seu rosto. Niri.iuOme o braço esquerdo, tendo
o indicador estendido, e com o direito brandiu o pesado
banco, acima da sua cabeça.
0 cena, nesse velho quarto de col".io, improvisado em
laborat2rio de psicolo.ia experimental, era realmente
sin.ular naquela noite de de/embroF mas, no )oi nisso que
pensei, ento. Es meus ami.os, atemori/ados, .uardavam
dist4ncia, nin.u"m dava uma notaF s2 o m"dium deixava
escapar um estertor .utural.
No podendo a)astarOme do espaço em que me achava -
de um lado a parede e a mesa, do outro um aparador e o
)o.o - eu no perdia um .esto desse que se mostrava
animado contra mim, de intenç1es claramente hostis.
0proximouOse mais e, tendoOme ao alcance da mo, atirou
)ormid#vel .olpe com o banco, na direço da minha cabeça.
,u conservava todo o san.ueO)rio, prestavaOlhe a m#xima
atenço ima.in#velF e, quando percebi o início do
movimento que ia atin.irOme, se.urei os dois p"s da mesa
que estavam do meu lado, levanteiOos vivamente,
apresentando a mesa ao meu advers#rio e cobrindoOme com
ela qual um escudo. E choque )oi terrívelF o banco bateu na
mesa como uma pancada de catapulta, ouviuOse um estouro e
o impulso )e/Ome recuar at" à parede. 0 mesa rachou de alto
a baixo. 5ontinuando a prote.erOme com ela, empurreiOa
sobre :..., que lar.ou a arma e caiu para tr#s, numa cadeira,
atacado de convulso. 5orremos sobre ele a )im de su(eit#O
lo, mas )oi in+tilF voltou a si imediatamente, no se
recordando de coisa al.umaF e, para no assust#Olo, sentamoO
nos de novo em redor da mesa, escondendo a nossa emoço.
Nesta ve/ )i/ que ele se colocasse perto da parede. 0
precauço no )oi in+til, porque, tendo sido outra ve/
acometido de um transe no menos terrível do que o
primeiro, er.ueuOse ainda, ap2s a.itaço convulsiva, e
tornou a sentarOse, com a boca contraída, os olhos a lhe
saltarem das 2rbitas. GevantouOse e n2s )i/emos outro tantoF
)icamos os dois separados pelo )o.o, mas ele empurrou a
mesa e, se.urando uma cadeira, encaminhouOse para mim.
No meu lado pe.uei no banco que ele me havia atirado e
tomeiOo, no como uma arma o)ensiva, mas a )im de aparar
os .olpes que me )ossem vibrados com a cadeira por ele
brandida.
Iouve ainda um momento de violenta ansiedade para
todos n2s, quando ele e eu )icamos )rente a )rente,
empunhando as estranhas armas desse combate quase
)ant#stico.
,le continuava brandindo sempre a cadeira, eu preparavaO
me para recebêOla sobre o meu banco, quando )ui levado,
no sei por que )orça, a tentar uma experiência, pondo à
prova um meio que me )ora indicado por pessoa muito em
dia com estas coisas, como in)alível em semelhantes
circunst4nciasT lar.uei o ob(eto que se.urava e estendi os
braços para )rente, diri.idos contra a pessoa do in)eli/ Qem
transeR, querendo ener.icamente que ele )icasse
imobili/ado. Pro(etei, de al.uma sorte, a minha vontade
sobre ele, acompanhando esse es)orço cerebral de um .esto
en"r.ico. E e)eito )oi instant4neo e )iquei, mais que todos,
muito a.radavelmente surpreendidoT em ve/ de serOme
atirada, a cadeira )oi lançada para tr#s e, posto que muito
s2lida, )eita em pedaços, a ponto de no poder ser reparadaF
:... )icou trans)i.urado, seu corpo )oi a.itado por convulsivo
tremor e transportado bruscamente contra a parede a três ou
quatro metros do ponto em que se achava. :eus membros
todos )icaram torcidos, enroscouOse em )orma de bola no
pavimento, (unto de uma porta, e ouvimos estalaremOlhe as
articulaç1es.
0l.uns passes ma.n"ticos acabaram por cham#Olo a si e,
lo.o que pudemos, abandonamos esse lu.ar to pouco
propício às pesquisas psíquicas, para (amais tornarmos aí no
mesmo intuito, tendoOnos munido de lu/es para tomarmos os
carros que nos esperavam na rua.
/ / /
5omo acabamos de ver, as pesquisas psíquicas experimentais
no deixam de ocasionar certos riscos aos que se entre.am a elas
e )a/em mal a pessoas que levam isso de brincadeira.
0 minha opinio sobre esse assunto pode ser exposta em
poucas linhasT quando no pudermos estar de modo s"rio e
se.uido, em uma palavra, com proveito da 5iência, isto ", da
Iumanidade, os )atos de psicolo.ia experimental, o melhor,
quando ti"ermos "isto o -astante para con"encernos, " )icarmos
quietos e con)iarmos nos que se sentem com )orça de a)rontar o
peri.o que o)erece esse .ênero de investi.aç1es e possuem a
competência indispens#vel ao seu bom resultado.
Ca,-tulo .((
7or >ue< e% seguida Gs %in#as pri%eiras pes>uisas< n/o a-ancei
teoria algu%a e %anti-e9%e no terreno dos +atosC & Carta de u%
redator do )ournal des *ébats. & Fr=s sess:es co% 'glington. &
"ateriali@a.:es. & "oldagens e +otogra+ias de +or%as aní%icas. &
7or >ue os s*bios< e% geral< nada >uere% di@er a respeito desses
+enI%enosC & 'ntre-ista co% o pro+essor Vulpian. & 5 pro-a de
>ue o #o%e% possui u%a consci=ncia sobre-i-ente ao corpo est*
+eita. & "ecanis%o da %orte. & 'sse %ecanis%o co%porta dois
te%posL 1PQ +ase da %orte intelectualK 2PQ +ase da %orte aní%ica. &
5s c,lulas do corpo s/o indi-íduos -i-endo de n(s e dentro de n(s<
co%o por nossa parte -i-e%os do %acrocos%o e dentro dele. & 5
c,lula -i-a cont,% energia aní%ica< isto ,< energia e% e-olu./o
para intelig=nciaL ela assi%ila< desassi%ila e le%bra9se. & 5
i%unidade patol(gica , u% +enI%eno de %e%(ria celular. & ;%
caso in,dito de intitulada alucina./o -erídica. & Rlti%as pala-ras
de 0er%Ss %oribundo.
,m meu precedente trabalho, expus lon.amente diversas
experiências devidas a s#bios dos mais distintos %K. 5rooJes,
LMllner, etc.', antes de expor as minhas pr2prias experiências.
No quis, ento, emitir teoria al.uma sobre os )en*menos
espiritualistas, e isso por muitos motivos. ,m primeiro lu.ar
devo colocar o se.uinteT se me achava per)eitamente certo da
realidade dos )en*menos, no me tinha ainda )ixado a respeito de
sua causa. 0creditava poder a)irmar, todavia, que em certo
n+mero de casos, pelo menos dos que eu observara, al.uns eram
produ/idos por uma causa intelectiva, que parecia independente.
0demais, permanecendo no terreno dos )atos, no querendo
adotar nem sustentar teoria al.uma, .uardava uma posiço
inexpu.n#vel e no podia ser acusado de ter um partido )eito, ou
uma opinio preconcebida. Es resultados dessa atitude sincera
me ho dado ra/o e, assim como (# tive ocasio de escrevêOlo, a
quantidade de cartas que me )oram diri.idas por exOalunos da
,scola Polit"cnica, da ,scola Normal superior, por pro)essores,
por diplomados em ciências, m"dicos, en.enheiros, etc., de
Hrança e do estran.eiro, animaramOme a perseverar nessas
pesquisas.
0l.uns cientistas e homens instruídos assistiram às minhas
experiências e escreveramOme em se.uida cartas que eu podia
publicar, por estar autori/ado a )a/êOloT mas, para quêS Es que
no con)iam no testemunho dos s#bios que conscientemente
arriscaram sua reputaço cientí)ica, publicando o resultado de
suas pesquisas, )icariam mais convencidosS
,ntretanto, como entre os )atos experimentais que expus em
minha obra precedente, insisti principalmente no )en*meno da
escrita direta, vou reprodu/ir uma carta que me )oi diri.ida
depois de uma sesso à qual assistiram, em minha casa, o :r.
Patinot, diretor do Fournal des D*-ats e dois dos seus
colaboradores, os :rs. 0ndr" Iala]s e Iarr] 0lis, o autor da
carta em questo. Por"m, antes disso, indicarei sumariamente o
mecanismo da escrita direta, se.undo a teoria que a minha
orientaço permite apresentarT quando o m"dium permanece em
estado de passividade quase absoluta, se bem que acordado, sua
)orça anímica, em ve/ de )icar limitada aos 2r.os, )lutua no
exterior. 0s inteli.ências que se li.am à sua pessoa, mas que se
no podem mani)estar sem um suplemento de for'a anímica,
sabem apoderarOse da que se desprende do m"dium e empre.amO
na em dar sinais de sua existência e de sua presença de di)erentes
maneiras, quer tomando uma )orma, quer produ/indo sons,
"o.es, ou ainda )a/endo mover ob(etos e, em caso particular, um
l#pis de ard2sia, de três ou quatro milímetros de comprimento.
Podem assim dar à )orça em questo, quando ela " abundante,
todas as aparências da mat"ria viva de que )alarei depois, ou da
mat"ria inor.4nicaF isto talve/ sirva para demonstrar um dia que
a mat"ria procede da ener.ia, porque, excetuando os casos em
que h# transportes, so evidentes al.umas destas
materiali.a'7es.
,is a cartaT
3E$CN0G N,: NW!0=:
<olitique et )itt*rature
2ue des <rGtres&aintHermainl5+u!errois, IJ
Paris, ;9 novembro 9<<6.
:r. Nr. Paul Gibier, Paris.
Q5aro Noutor.
0ssisti ontem à noite, com os :rs. Patinot, 0ndr" Iala]s e
uma quarta pessoa, às experiências de :lade, em condiç1es
que excluem toda a hip2tese de )raude.
,nquanto eu me conservava com os olhos )ixos nos p"s do
m"dium, ouvimos e senti, duas ve/es, duas pancadas dadas
no p" da minha cadeira.
:lade renovou com êxito a experiência das ard2sias
transportadas para debaixo da mesa. Es :rs. Patinot, Iala]s
e o quarto espectador
0!
sentiram a princípio um sopro )rio,
depois a ard2sia )oiOlhe suavemente depositada na mo.
:lade repetiu de diversos modos a experiência da escrita
entre duas ard2sias. 0dquirimos a convicço de ser o
)en*meno real. ,m dado momento, :lade se.urava a ard2sia
sob a mesa, por"m distante dela cinco a seis centímetros, e
ouvíamos escrever. $ma palavra de um dos espectadores )e/
o m"dium voltar a cabeça e este, por movimento nervoso
involunt#rio, adiantou a ard2sia à minha vista. Nurante essa
posiço, que calculo ter durado dois a três se.undos, "i o
l$pis so.inho correr rapidamente so-re a ard1sia, tra'ando
caracteres, mais ou menos umas três ou quatro letras. @uase
imediatamente soaram três pancadas e :lade, retirando as
ard2sias, mostravaOnos as palavras escritas.
0ceitai cordiais saudaç1es e, de novo, os nossos
a.radecimentos.
BarrD +lis.R
Ceprodu/i esta carta, procedente de um escritor honrosamente
conhecido, por causa do interesse especial o)erecido pelo )ato de
o l$pis escre"er so.inho e como animado.
0pesar de numerosas tentativas, (amais pude corroborar pela
vista as repetidas experiências de escrita direta, que diri.i, como
(# mencionei na citada obra sobre o ,spiritismo.
/ / /
E presente ensaio no " um trabalho experimental, no sentido
de no ser especialmente consa.rado a dar contas de
experiênciasF mas, tamb"m no deixa de ser a conseqZência das
investi.aç1es que no cesso de )a/er no mesmo sentido. Por isso
mesmo, essas investi.aç1es permitemOme ser um pouco mais
ousado do que outrora e .raças a elas posso ho(e asse.urar aos
psic2lo.os que, se eles resolverem experimentar com m"diuns
bem dotados e honestos, encontraro a prova da persistência da
consciência do ser humano no período posterior a esta +ltima
)unço chamada morte. Por quanto tempo persiste essa
consciênciaS ,m que condiç1es a vida e a existência dela
continuam a exercerOseS 0í esto outras tantas quest1es que "
bem di)ícil, no direi resolver, mas abordar no estado atual das
id"ias cientí)icas. ,ntretanto, penso que, antes de muito tempo, o
assunto poder# ser discutido to naturalmente como qualquer
outra mat"ria de )isiolo.ia. :intoOme )eli/, com e)eito, em poder
in)ormar o leitor de que al.uns )isiolo.istas, ocupando elevadas
posiç1es quer em Hrança, quer nos países vi/inhos, esto ho(e
muito em dia com a questo. :eria )a/erOlhes in(+ria sup*Olos
capa/es de conservar .uardada a lu/ debaixo do alqueire, em ve/
de iluminarem com ela os c"rebros dos (ovens aprendi/es de
)isiolo.ia, que procuram saciar uma sede inextin.uível de
ciência, à sombra das c#tedras o)iciais.
Posso, pois, sem receio de avançar demasiado, di/er que das
investi.aç1es novas de que )alo, poderOseOo brevemente obter
dados muito instrutivos, apesar das contradiç1es que se notam
nos escritos ou nos discursos dos representantes do mundo
vi/inho dos seres ordinariamente in"isí"eis, que se nos
mani)estam.
No quero di/er mais por ser extempor4neo. !om " que
.uardem somente o se.uinteT o mundo que no vemos " um
re)lexo daquele que (ul.amos conhecer.
/ / /
,ntre as numerosas pessoas esclarecidas, que a publicaço do
meu primeiro trabalho me )acilitou conhecer, devo contar o :r.
0rthur en.el, exOaluno da ,scola de 0tenas.
,u tinha sido convidado a assistir às experiências do m"dium
,.lin.ton, de Gondres, mas sendoOme naquela ocasio
impossível ausentarOme de Paris, o :r. en.el )e/Ome o )avor, em
via.em que empreendeu naquela "poca à 7n.laterra, de procurar
,.lin.ton, de quem conse.uiu três sess1es muito interessantes.
,ntre os )atos obtidos com a )orça anímica do m"dium, houve
este que )oi repetido duas ve/esT en.el tomou um livro qualquer
e, depois de têOlo embrulhado em (ornal, pediu que as quatro
primeiras palavras de tal linha e tal p#.ina, que indicou ao acaso,
)ossem escritas em uma ard2sia conservada sob a mesa
0"
por ele
pr2prio, ao mesmo tempo que por ,.lin.ton. 0 seu pedido, a
primeira palavra devia ser escrita em cor cin/a, a se.unda em
vermelho, a terceira em corOdeOrosa e a quarta em verde. G#pis
destas cores achavamOse sobre a ard2sia. E livro estava à vista.
Na primeira prova, a resposta )oi que era impossível dar palavras
de uma p#.ina que no existia no livroT com e)eito, a este +ltimo,
)altavam quatro p#.inas para a p#.ina pedida.
Nas outras duas experiências, sucessivas, a prova )oi bemO
sucedida.
Eutra ve/ apareceu escrito o mil"simo de um pennD.
Nin.u"m, nem mesmo en.el, que o tinha tirado do bolso sem
vêOlo, conhecia esse mil"simo e, ademais, a moeda tinha sido
lo.o .uardada debaixo de chave.
Possuo as atas dessas experiências, redi.idas ap2s cada
sessoT o espírito cientí)ico com o qual )oram )eitas todas as
observaç1es nada deixa a dese(ar. No quero, entretanto,
reprodu/iOlas in e!tenso. 0bsterOmeOei, mesmo, de citar qualquer
outra experiência desse .ênero, posto que tenha em minha pasta
.rande quantidade de documentos dos mais curiososT )oto.ra)ias
denominadas espíritas obtidas com seis m"diuns e por seis
experimentadores di)erentes %en.enheiros, m"dicos, químicos',
numerosas atas de sess1es espíritas com transportes sin.ulares,
materiali/aç1es, etc., e especialmente um volumoso manuscrito
redi.ido pelo coronel &..., exOaluno da ,scola Polit"cnica, onde
esto relatadas as experiências que ele )e/ durante anos %9<^?O
^6O^^'. Nas sess1es do coronel &..., às quais assistiram
notabilidades cientí)icas do ex"rcito, o m"dium principal era sua
)ilha adotiva. $m )ato que me chamou a atenço, entre muitos
outros, nas +ltimas experiências, o qual menciono para os
iniciadores nesses estudos, )oi a materiali/aço per)eita de um
co/inho morto havia al.uns meses, e que pertencera ao coronel.
3# que )alei de materiali/aç1es, acrescentarei - no entrando,
por"m, em maiores detalhes, porque para os elementos da
questo sou sempre )orçado a indicar o que (# escrevi
anteriormente - que nas sess1es de Qmateriali/aç1esR - tomemos
nota - qualquer um pode ver uma pessoa de sua )amília, morta
h# mais ou menos tempo, aparecerOlhe e )alarOlhe. Podemos
apertar a mo da )orma materiali/ada, apertar essa )orma em
nossos braços e ter a iluso completa de que a pessoa est# viva.
,la conversa conosco a respeito de coisas per)eitamente
particulares e s2 conhecidas de ambos. :ua vo/ no muda. 0
apariço tem um coraço que bate, podemos auscult#Olo assim
como os pulm1es onde o ar penetra re.ularmente %vede as
experiências de K. 5rooJes'.
1#
Podemos )oto.ra)ar a )orma. ,la
deixaOnos a impresso, ou, antes, o modelo da mo e at" da
cabeça %h# muitos exemplos', com o auxílio de para)ina
derretida, que se )a/ res)riar rapidamente antes que a
Qmateriali/açoR se desvaneça.
,sses moldes ou )ormas no .uardam sinal de soluço de
continuidade, nem vestí.io de linha de (unço, e o modelador, a
quem so con)iados, )ica sem compreendêOlos, visto o processo
ser in"dito, a menos que lho expliquem.
=odos esses ob(etos, )oto.ra)ias e modelos )icam como prova
inalter#vel e irre)ut#vel de que no estivemos sonhando.
0crescentemos que essas materiali/aç1es so produ/idas por
inteli.ências operando sobre a )orça, a ener.ia anímica subtraída
do m"dium.
5omo, per.untaro, essas coisas no esto mais conhecidasS
Por que no so mais bem estudadasS Cesponderei que (# h#
lon.o tempo essas coisas so conhecidas dos s#bios - no todos,
entretanto -, mas devo adicionar que os primeiros que ousaram
)alar delas viram seus nomes quase arrastados na lama e sua
honra posta em discusso. Ne modo que ho(e, .eralmente, entre
os que estudam essas altas e importantes quest1es, cada um
inda.a e aprende por conta pr2pria, s2 ou com um pequeno
.rupo de ami.os se.uros, e .uarda tudo para si.
W mister di/erOse que palin2dias )am"licas e venais, assim
como )raudes estrondosas, )i/eram em torno do assunto um certo
esc4ndalo, bastante para )a/er os tímidos hesitarem e para )ixar a
opinio das pessoas que pensam de acordo com o (ornal que
lêem.
0demais, h# uma multido de homens poderosos
interessados, por mais de um motivo, em que no se(am
divul.ados esses novos conhecimentosT citarei os materialistasO
cientistas, de um lado, e os espiritualistasOreli.iosos do outro.
7sso no impedir#, se.uramente, a verdade de aparecer e posso
di/er que ela se espalha cada ve/ mais rapidamente entre os
investi.adores. &as, quanto tempo perdido_
@uerem ter uma amostra da maneira pela qual os homens
QcolocadosR recebem as coisas novas que se no coadunam com
as suas id"iasS 0 se.uinte anedota ilustrar# o caso
su)icientemente.
@uando dei à publicidade o meu primeiro trabalho sobre o
assunto de que me estou ocupando a.ora, haver# três anos, )ui
o)erecer um exemplar ao pro)essor Dulpian, exOdecano da
Haculdade de &edicina de Paris e membro do 7nstituto, que em
muitas circunst4ncias me havia testemunhado .rande
benevolência. Ps primeiras palavras que lhe diri.i sobre o
assunto, ele quase perdeu a compostura e disseOme bem
rudemente, embora com verdadeiro acento de bondadeT
- :abeis que sempre mani)estei .rande interesse pelos
vossos trabalhos, mas devo di/erOvos, a.ora, que lamento
verOvos abordar um assunto to escabroso.
,le asse.urouOme, sem nunca haver investi.ado esta mat"ria,
que aí nada havia mais do que Q)raudes e velhacariasR, e se
continuasse a ocuparOme com tais coisas, seria Qum homem ao
marR. Horam suas pr2prias express1es.
- CecordaiOvos, meu caro mestre - repliqueiOlhe -, que
quando o :r. !oule] apresentou à 0cademia de 5iências, da
parte de um correspondente, uma nota sobre o micr2bio da
tuberculose, lhe asse.urastes que esse ."rmen no podia
existirS Porque, di/íeis v2s, se ele existisse, (# o teriam
encontrado, visto ser procurado h# muito tempo.
- No " a mesma coisa - respondeu ele um pouco
atrapalhado -T o micr2bio do tub"rculo vêOseF s2 )altava
descobrir processo pr2prio a p*Olo em evidência.
- ,xatamente como os )atos de que me ocupo -
acrescentei -T so palp#veis, mas era necess#rio um processo
particular para torn#Olos visíveis e tan.íveis.
Nepois, Dulpian morreu. 0.ora ele sabe qual de n2s dois
tinha ra/o.
=amb"m, para que )ui o)erecer meu livro a um membro da
0cademia e pedirOlhe, sobretudo, que o apresentasse na seço
das ciênciasS Podemos ima.inar a surpresa dos honrados
membros do 7nstituto, escutando uma comunicaço como estaT
Q:enhoresT
=enho a honra de depositar sobre a mesa da 0cademia
uma mem2ria do Nr. Hulano, tratando de almas do outro
mundo e )antasmas, bem como de ima.ens de ,spíritos que
)oram obtidas por meio da )oto.ra)ia_R
5ertamente, em 9<<6 era ser in.ênuo, bem reconheço ho(e,
querer apresentar semelhante trabalho à 0cademia de 5iências.
0 hora da apreciaço cientí)ica no soou para esses )atos,
que, indubitavelmente, sero um dia o corol#rio dos
conhecimentos humanos. ,sperem e ho de ver em breve Hulano
ou :icrano, pro)essor de )isiolo.ia ou de patolo.ia nervosa, aqui
ou em outra parte, quer se(a membro do 7nstituto de Hrança ou da
:ociedade Ceal de Gondres, reencetar experiências quais as
minhas, ou as de s#bios antecessores meus, como se(am Cobert
Iare, Killiam 5rooJes, !outlerow, a 5omisso da :ociedade
Nial"tica de Gondres, Hriedrich LMllner, etc., e ler belas
mem2rias perante a sua :ociedade, onde apresentar#, aos olhos
pasmos dos seus cole.as, exemplares de )oto.ra)ias
transcendentes. , quando (# no houver mais lu.ar para a
d+vida, os ecos de todos os prelos lhe cantaro a .l2ria e os que
tiverem ener.icamente ne.ado e repelido a verdade, /elosos
deste sucesso, .ritaro bem alto que Qisto no " novoR, a )im de
parecerem bem in)ormados.
=al " o destino das coisas e dos homens de nossa raça atual.
/ / /
0pesar do cuidado que tive em prevenir o leitor de que neste
QensaioR eu iria direito ao )ato, sem precauç1es preliminares,
devo, entretanto, nos casos em que estes estudos lhe se(am
completamente inauditos, desculparOme por haver dado, sem
aviso, um assalto to repentino às suas convicç1es ou aos seus
conhecimentos cotidianos.
,ntretanto, como todos podem notar, at" aqui no me ocupei
de nenhuma opinio reli.iosaF desse modo, nin.u"m pode
acusarOme de )avorecer ou atacar crença al.uma. Nenhum
daqueles que acreditam ter o monop2lio das coisas verdadeiras
em mat"ria reli.iosa ou )ilos2)ica poderia ver com maus olhos
uma tentativa de exploraço do lado da verdade. E homem
convencido e sinceramente a)eiçoado ao que ele crê ser a
expresso dessa verdade, no pode, pelo contr#rio, seno dese(ar
o bom resultado de semelhante empresa e consider#Ola como
uma auxiliar das suas convicç1es. 0 verdade nada tem a temer
do exame.
GimitoOme a estudar os )atos e trato de descobrirOlhes as
conseqZências. , ao leitor ro.o acreditar que s2 )alo do que
conheço por o-ser"a'(o ou e!perimenta'(o. 3ul.oOme com
direito a pretender que no sou h2spede em nenhum dos dois
processosT como m"dico, isto ", como observador de pro)isso,
exerço as minhas )aculdades de observaço h# quase vinte anos,
a melhor parte dos quais passada nos hospitais de Paris.
5omo experimentador, diri.i e)etivamente, durante anos, o
laborat2rio de Patolo.ia experimental e comparada do &useu de
Iist2ria Natural de Paris, onde, entre numerosas pesquisas, )oiO
me dado demonstrar em delicadas experiências que os animais
de san.ueO)rio, como os batr#quios e os peixes, podem contrair
certas doenças dos animais de san.ue quente %o carb+nculo', que
no os atin.em ordinariamente, com a condiço de elevar a sua
temperatura a um .rau vi/inho da dos mamí)eros, )a/endoOos
viver na #.ua quente %+cademie des &ciences, 9<<;'.
&ostrei tamb"m este )ato interessanteT que as aves %.alinhas,
etc.' podem contrair a raiva, transmitiOla a mamí)eros semanas
depois de inoculadas e podem, entretanto, curarOse
espontaneamente %+cademie des &ciences, 9<<>'. 0o mesmo
tempo, demonstrei, experimentalmente, que a raiva no reincide
quando curada, porque os p#ssaros inoculados uma ve/ no se
tornam hidr2)obos quando submetidos à se.unda inoculaço. Hui
o primeiro a assinalar a existência dos .ermes ou micr2bios do
pên)i.o a.udo e os da raivaF e a mem2ria que publiquei, sobre o
con(unto dos meus trabalhos a respeito da raiva e seu tratamento,
recebeu da Haculdade de &edicina de Paris a mais alta
recompensa que ela concede às teses que lhe so apresentadas
%9<<>'.
,n)im, nas re.i1es .overnamentais, nunca au.uraram
des)avoravelmente das minhas )aculdades de observador e
experimentador, porque cinco ve/es di)erentes o .overno da
Cep+blica Hrancesa con)iouOme a misso de estudar em Hrança,
ou no estran.eiro, duas epidemias de c2lera asi#tica %9<<>O<?',
duas epidemias de )ebre amarela %0ntilhas, 9<<^F Hl2rida, 9<<<O
<8' e os m"todos experimentais de di)erentes s#bios estran.eiros.
Nos exames reiterados que )i/ dos )en*menos de que acabo
de )alar, inspireiOme sempre nestas palavras de DoltaireT
1
Q@uando se )a/ uma experiência, o melhor partido "
duvidarOse por muito tempo do que se viu e do que se )e/.R
GuieiOme, i.ualmente, pelos s#bios conselhos dados por meu
ilustre mestre Pasteur, em uma carta que me escreveu no
momento em que eu partia para as 0ntilhas, para estudar a )ebre
amarelaT
Q5aro :r. GibierT
... 5onhecendo os novos m"todos aplicados ao estudo das
doenças conta.iosas, podeis abordar as pesquisas di)íceis
que ides empreender.
Nescon)iai principalmente de uma coisaT da precipitaço
no dese(o de concluir. :ede de v2s mesmo um advers#rio
vi.ilante e tena/. 5uidai sempre de surpreenderOvos em
)alta...
&inhas )elicitaç1es e um cordial aperto de mo.
)# <asteur.R
:omente depois que observei o )en*meno da escrita direta
pelo menos quinhentas "e.es, )oi que me decidi publicar as
minhas pesquisas. 0demais, achavaOme absolutamente )ixado a
respeito de uma quantidade de )atos da mesma nature/a e muito
mais extraordin#rios em aparência.
0crescentarei que durante cinco anos, antes de estar inscrito
na Haculdade de &edicina, estudei tecnicamente a mec4nica, o
que no pre(udica na descoberta dos QtrucsR, e tamb"m me
iniciei nos arti)ícios dos prestidi.itadores. Nevo, com e)eito,
con)essar que (# pratiquei um pouco a prestidi.itaço, a )im de
melhor surpreender a )raude, caso isso )osse necess#rio.
Por outro lado, devo observar que no trato de )a/er
propa.anda al.uma de qualquer doutrina que se(aT ocupoOme da
questo sob o ponto de vista cientí)ico, nada mais. Dou mais
lon.eT aconselho sempre às pessoas que quiserem, de boaO)",
convencerOse da realidade dos )atos aqui estudados, a que )iquem
prevenidas a respeito de uma multido de m"diuns que se )a/em
pa.ar mais ou menos caro, e isso por motivos (# indicados mais
acima.
Neclaro, en)im, que embora reconhecendo a existência real
das coisas que estudo, de )orma al.uma me constituo de)ensor
das doutrinas neoOespiritualistas que tomaram, ao menos
prematuramente, por ponto de partida e por base os )en*menos
em questo.
/ / /
:e al.uma ve/ um axioma )oi pilhado em )alta, um deles " o
que di/T Qacreditamos facilmente no que desejamosR. 5om
e)eito, em sua .rande maioria, os homens esperam, ou antes,
dese(am viver depois da morte, quer de um modo, quer de outro.
,xplicoOmeT os s#bios, por exemplo, at" quando so niilistas,
trabalham por adquirir .l2ria aos olhos dos seus contempor4neos
e tamb"m da posteridade, procurando, ao mesmo tempo, tornarO
se +teis. Por isso, eles dese(am viver, ao menos, em suas obras.
0ssim, tamb"m, os artistas. No i.noro que esse dese(o de
.l2ria, isto ", de sobrevivência, so)re .eralmente uma )orte
mistura de aspiraç1es menos ideais, mas passemos adiante. :2
quero mostrar que, apesar desses dese(os instintivos de
imortalidade, a maior parte dos homens mostraOse re)rat#ria
quando se trata de admitir e estudar os )en*menos mais pr2prios
para a demonstraço da possibilidade, no ouso di/er dessa
imortalidade, por"m de uma outra mais ou menos prolon.ada
sobrevivência da consciência do homem depois da morte. E que
h# de mais curioso, e ao mesmo tempo de contradit2rio em
aparência, " que a mesma repu.n4ncia " encontrada entre muitos
espiritualistas.
Hica, por"m, estabelecido para os s#bios que observaram os
fatos e!teriores, determinados pela presença dos m"diuns ou dos
faquires, m"diuns estes do Eriente, que tais )atos contêm a prova
mais certa, (amais obtida, da existência do ,spírito, da
inteli.ência, como princípio consciente e persistente, depois da
morte do homem.
@uando )or tempo, ocuparOmeOei da questo da duraço dessa
consciência e de suas trans)ormaç1es. Por a.ora, contentoOme
em di/er que parece resultar de minhas observaç1es e das )ontes
de ensino a que recorri, ser ela suscetível, em certos casos, de
persistir por muitos s*culos. Nirei tamb"m que a noço do tempo
" por l# muito di)erente da que temos aqui.
/ / /
:e o presente ensaio )or )avoravelmente acolhido pelo
p+blico escolhido, ao qual " diri.ido, poderei, noutra ediço,
li.ar os di)erentes par#.ra)os, (untandoOlhes muitas alíneas que
tive de riscar no +ltimo momento. 5ertas passa.ens, nas quais
no (ul.o ser ainda tempo de insistir, )icaro assim completas.
0pesar da reserva - ali#s relativa - que me impus, no posso,
entretanto, dispensarOme de indicar sumariamente como se opera
o )en*meno da morte, se.undo os novos dados que a Qciência
)uturaR (# nos deixar lobri.ar.
Dimos que, à ima.em do macrocosmo, o homem comp1eOse
de três partes )undamentaisT
a mat"ria %corpo'F
a ener.ia %alma'F
a inteli.ência %espírito'.
5ada uma dessas partes poderia ser considerada sob v#rios
aspectos, que seriam como outras tantas subdivis1es delasF mas,
ainda no che.ou o tempo de entrarOse nos detalhes de uma
hiperfísica mais complicada.
@uando che.a a morte real, o que abandona o corpo, em
primeiro lu.ar, " o Espírito, e sem d+vida de modo mais ou
menos r#pido, se.undo o .ênero de morte. 0o mesmo tempo,
uma certa parte da ener.ia anímica se dissipa lo.o e volta para o
reservat2rio comum da ener.ia universal, e isso gradualmente.
Eutra parte dessa ener.ia permanece li.ada ao ,spírito, que,
sem ela, voltaria, talve/, à 7nteli.ência universal, como a mat"ria
do corpo e uma certa quantidade de ener.ia voltam à mat"ria e à
ener.ia ambientes. &as, s2 mais tarde, se o corpo no "
imediatamente destruído pelo )o.o ou qualquer outra causa
destrutiva, " que a )orça anímica abandona de)initivamente o
corpo.
Noutros termos, a morte intelectual che.a em primeiro lu.arF
a morte anímica depois, .radualmente tamb"m, e de modo mais
ou menos r#pido, se.undo o .ênero de morte e a temperatura do
lu.arF ", por assim di/er, a morte celular sucessiva. 0 vida, a
anima, deixa as c"lulas uma a uma, e a nova persona.em da
nova vida s2 )ica de)initivamente constituída quando a for'a
anímica, espalhada nas di)erentes c"lulas, que so os di)erentes
.l2bulos do corpo, as abandona para unirOse ao ,spírito, ao qual
ela se diri.e, em virtude de uma lei an#lo.a à das atraç1es
diversas que observamos e cu(a causa por enquanto nos "
desconhecida.
/ / /
0ssim como a mat"ria, mesmo suposta no estado de repouso
completo, encerra ener.ia potencial, assim tamb"m a )orça
anímica cont"m inteli.ência em ."rmen, ou no estado potencial.
0 mat"ria seria, pois, se.undo esse prisma para o qual chamo a
atenço do leitor, uma modalidade em evoluço para a ener.ia da
qual ela parece proceder, como esta estaria em evoluço para a
inteli.ência, da qual tudo procede e para a qual tudo volta num
perp"tuo círculo. W o que os anti.os iniciados )i.uram pelo
Eur2boros, a serpente que vive a demorarOse, enrolada em
círculo, dentro do qual um tri4n.ulo descendente e outro
ascendente esto entrelaçados, indicando as duas correntes em
sentido contr#rio, que so a vida do mundo. , " tamb"m o que
quiseram si.ni)icar os iniciadores reli.iosos da Iumanidade em
suas bíblias, onde escreveram que Qo ,spírito criou o mundo do
nadaR, isto ", de si mesmo.
0s c"lulas animadas contendo inteli.ência no estado
embrion#rio - se posso exprimirOme assim - mani)estam essa
inteli.ência à maneira dos seres in)erioresT vibram, assimilam,
desassimilam, procriam e lem-ramse. E )en*meno conhecido
sob o nome de imunidade contra uma doença in)ecciosa, que (#
atacou o corpo humano, ou o do animal, outra coisa no " mais
do que um )en*meno de mem1ria celularF " a mani)estaço dessa
intelig%ncia potencialT a c"lula, ser vivo, independente at" certo
ponto, lutou uma ve/ vitoriosamente contra as c"lulas dos
.ermens ou micr2bios invasores, recordaOse de haverOlhes
resistido e do modo pelo qual lhes resistiu. ,la transmite essa
lembrança, que exprime hereditariedade, às suas c"lulasO)ilhas. W
s2 ao )im de tempo mais ou menos lon.o que essa mem2ria se
perde e que a imunidade Qse esqueceR. 5ada individualidade da
con)ederaço poli/2ica luta pela comunidade e procura dentro de
suas )orças aniquilar ou expulsar, do territ2rio da rep+blica, o
intruso que quer viver à custa dos seus concidados. ,m resumoT
cada c"lula do nosso corpo " um ser vivo, um animal
representando a ima.em microsc2pica do homemT " )ormada de
mat"ria, de ener.ia e de inteli.ências proporcionais.
0 descoberta da )a.ocitose, por &etschniJo)), " uma per)eita
demonstraço do que avanço. ,sse s#bio mostrou,
surpreendendoOos em )la.rante, que os .l2bulos brancos do
san.ue e dos 2r.os lin)#ticos desempenham papel de a.entes de
polícia da circulaço dos humores do corpo do homem e dos
animais. Nesde que um elemento estranho se introdu/ na
circulaço, eles se re+nem, em .rande n+mero, em torno do
intruso, prendemOno e procuram, antes de tudo, aba)#Olo, comêO
lo, di.eriOlo, em uma palavra, )a/êOlo desaparecer - o que
conse.uem )reqZentemente quando se trata de micr2bios
atenuados %@acillus anthracis, etc.', ou pertencentes a qualquer
mol"stia ordinariamente no mortal. ,n)im, tendem a expuls#Olo,
quando se trata de um corpo volumoso, que os tecidos no
conse.uem enquistar.
Penso que esta teoria da imunidade ainda no )oi apresentada
e submetoOa ao (uí/o da crítica cientí)ica, com a se.urança de
que um dia lhe ho de reconhecer a veracidade.
/ / /
,sta di.resso a respeito da vida celular pareceOme
indispens#vel para dar uma id"ia verdadeira da nature/a do
homem e seus elementos constitutivos. ,la constitui um
contin.ente da nature/a das coisas de que neste momento )aço a
an#lise. Gancemos ainda um olhar sobre esta questo.
$m )ato demonstrativo de que, em condiç1es ordin#rias, a
morte anímica, se.uindoOse à morte intelectual, s2 sobrev"m
pro.ressivamente, " a descoberta do enxerto epid"rmico, )eita
pelo meu anti.o cole.a dos hospitais de Paris, o Nr. Ceverdin, de
Genebra. ,is em que consiste esse enxertoT em se.uida a lar.as
perdas de subst4ncia, a )im de )avorecer o desenvolvimento de
uma super)ície de revestimento, em outras palavras, para
substituir a epiderme destruída, tiraOse de outros pontos do corpo
parcelas epid"rmicas, que so transplantadas sobre a )erida em
via de cicatri/aço. ,sses QenxertosR continuam a viver no ponto
em que )oram )ixados e desenvolvemOse mesmo em sua
peri)eria. P vista disso, eles no perderam a "ida desde o
momento em que )oram separados do corpo. 0inda mais, podeO
se tirar )ra.mentos da epiderme e mesmo .randes pedaços da
pele de um cad#ver, muitas horas depois da morte, e ver os
elementos anat*micos desses 2r.os continuando a viver sobre o
corpo vivo onde )oram enxertados, ou de que esto saturados.
Por conse.uinte, apesar da morte, eles n(o tinham morrido. W
ho(e um )ato de al.uma sorte banal e em que se têm variado no
s2 as aplicaç1es, como tamb"m os ensaios, de um ponto de vista
puramente experimental. 0ssim, enxertouOse a pele do branco
sobre a do ne.ro e "ice"ersa.
E resultado )oi que, a princípio, a pele emprestada conservou
por al.um tempo a cor primitiva, mas .radualmente adquiriu o
tom dos te.umentos do seu novo Qpropriet#rioR.
=odos os que )a/em aut2psias pouco depois da morte - em
período de epidemias de c2lera ou )ebre amarela, por exemplo -
podem observar que os m+sculos seccionados contraemOse sob o
escalpelo, exatamente como em um ser vivo, no decurso de uma
amputaçoT " que a morte anímica ainda no atin.iu a c"lula
muscular. :ucede o mesmo com os animais. 0 .alvani/aço dos
supliciados, que lhes )orça o rosto a )a/er caretas e os membros a
contorç1es, como acontece aos bonecos de en.onço, prova ainda
que a mat"ria or.ani/ada conserva a "ida que a anima e persiste
excit#velT s2 o e!citador " que se ausentou. :e pud"ssemos
estabelecer uma circulaço e uma respiraço arti)icial no corpo
de um supliciado cu(a inteli.ência estivesse de)initivamente
separada do corpo, talve/ conse.uíssemos obter uma esp"cie de
aut*mato, que poderia continuar a viver animicamente durante
al.um tempo, conquanto morto intelectualmente para sempre.
E enxerto de Ceverdin prova que as c"lulas epiteliais
continuam a viver e at" a desenvolverOse, quando transportadas a
um meio vivo. $m )ato que observei em Iavana, durante a
misso con)iada pelo .overno )rancês para o estudo da )ebre
amarela, pareceOme indicar que al.umas c"lulas do corpo
humano podem multiplicarOse em meios apropriados, n(o "i"os,
como, por exemplo, no #.arO#.ar, ou .elose nutritiva, que serve
para cultivas os micr2bios. 0ssim, num caso de )ebre amarela,
duas horas depois da morte, a ;A de de/embro de 9<<^, recolhi
urina atrav"s das paredes da bexi.a, recentemente descobertas na
altura de um ponto cauteri/ado a )erro candente. Hi/ a punço
por meio de um tubo del.ado %pipeta de Pasteur', mas um pouco
lar.o. 5om a extremidade quebrada e irre.ular do tubo,
previamente passada pela chama de uma l4mpada de #lcool,
raspei levemente a parede interna da víscera e sorvi uma pequena
quantidade do líquido. E tubo )oi )echado à l4mpada e meia hora
depois o conte+do )oi QsemeadoR em .elose lique)eita e neutra,
espalhada em vidros de rel2.ios, rasos e bem abri.ados em vasos
de porcelana.
10
No descobri nenhuma Qcol*niaR de micr2biosF mas tive a
a.rad#vel surpresa, ao cabo de al.uns dias, de ver aparecer, no
meio transparente da .elose, uma certa quantidade de películas
esbranquiçadas e irre.ulares, que aumentavam de volume todos
os dias. ,xaminei essas pequenas massas com o microsc2pioT
eram )ormadas de corp+sculos chatos, irre.ulares, munidos de
um n+cleo e completamente semelhantes às c"lulas endoteliais
da mucosa vesical. EbserveiOas durante al.umas semanas e o seu
desenvolvimento s2 )oi detido pela dissecaço da .elose e pela
invaso das placas de QculturaR por microor.anismos do ar.
0chandoOme, ento, muito ocupado em investi.aç1es sobre o
"?mito negro, no tive tempo de prosse.uir no estudo de to
interessante )ato. Nepois, s2 pude )a/er novos ensaios em duas
ocasi1es di)erentesT uma ve/ sobre o animal, outra ve/ sobre o
homem, mas sem resultado. 0 composiço do meio de cultura
deve representar um papel importante nessa questo. :e(a como
)or, no duvido ter assistido à multiplicaço e desenvolvimento,
)ora do corpo humano, de c"lulas que )i/eram parte dele e, se as
circunst4ncias mo permitirem, no renunciarei ainda a )a/er a
demonstraço desse curioso )en*meno de c"lulas animais que
crescem num meio inerte.
/ / /
0ntes de terminar esta terceira parte, penso que no ser#
sup"r)luo insistir um instante ainda sobre o que, a meus olhos,
constitui a prova da persistência da consciência do :er, depois da
destruiço do corpo.
,videntemente, no me tendo proposto, como (# o disse,
escrevendo este ensaio, a relatar novas experiências, s2 posso
indicar ao leitor as que (# )i/ anteriormente conhecerT se ele
admitir as pesquisas de 5rooJes e as minhas como sendo de
nature/a a reclamar uma s"ria atenço, encontrar# nelas um
incentivo ao estudo da questo. , depois da leitura dos principais
livros modernos sobre o assunto, se quiser veri)icar os )atos por
si mesmo, colocandoOse, bem entendido, nas melhores condiç1es
de observaço, )icar# lo.o convencido de que nada avancei de
mais e que at" me conservei aqu"m da realidade. , a sua
con"ic'(o aumentar$ tanto mais quanto mais s*rias e mais
repetidas forem as suas in"estiga'7es. 5omo (# observei, quando
se trata de uma iluso, obtêmOse provas contr#rias.
/ / /
0ssim, depois da morte, o homem QencontraOseR naquilo a
que chamarei o al*mda"ida, num estado que ", sem d+vida, seu
estado normal, sendo apenas transit2rio este em que vivemos
presentemente, enquanto o no suponha sem ob(etivo.
0s experiências de que )alei no so os +nicos )atos que
concorrem para demonstrar a existência desta .rande verdade.
5omo (# citei acima, a obra recente, intitulada <hantasms of the
)i"ing, " um livro escrito por diversos s#bios distintos, onde se
encontram numerosas observaç1es de pessoas que apareceram,
quer durante o sono natural ou hipn2tico, quer no momento da
morte, a parentes e ami.os distantes, sendo impossível no
admitir que se(a coisa diversa de uma coleço de acidentes
)ortuitos, repetindoOse sem cessar.
:ubmeto a observaço se.uinte ao :r. &]ers e seus
colaboradores, para a pr2xima ediço do seu interessante
trabalho.
,ste )ato )oiOme comunicado pelo :r. Gemerle, comandante
de paquetes da ,ompagnie H*n*rale Transatlantique. Nepois de
)a/erOme esta narraço a bordo do vapor )a FaDette, durante uma
das minhas via.ens às 0ntilhas, em 9<<<, o comandante Gemerle
ma con)irmou duas ve/es, por cartaT a primeira ve/ )oi em ; de
outubro de 9<<< e a se.unda por carta de ;B de de/embro do
mesmo ano, depois de uma visita que )e/ a seu pai, o ator
principal da narraço que vou )a/er.
E :r. Gemerle, pai, " tamb"m o)icial de marinha. 5apito de
lon.o curso, em 9<^B comandava um bri.ue e voltava de 5arrara
com um carre.amento de m#rmore, para Cuo.
E bri.ue lentamente costeava Portu.al, com mar bastante
cavado, quando, de repente, em pleno dia, achandoOse na tolda
do navio, o :r. Gemerle, pai, viu a seu lado um irmo, tamb"m
o)icial de marinha e capito de lon.o curso. ,sse irmo no
estava, ao que parece, em muito boas relaç1es com ele. Naquele
momento, devia estar nave.ando al.uresT era tudo quanto sabia a
seu respeito.
E bravo marinheiro, que no pensava de maneira al.uma no
irmo, se bem nunca houvesse experimentado coisa semelhante
em sua vida, inteirouOse imediatamente de que se tratava de uma
QapariçoR.
,ssa apariço mostrouOseOlhe durante muitos dias, Qquer ele
estivesse na tolda, no tombadilho ou na c4mara, permanecendo a
seu lado, ou em sua )rente, à mesaR.
Nou a palavra ao :r. Gemerle, )ilhoT
Q5omo esse acontecimento o inquietasse muito, meu pai
)e/ escala em !elleO7sle, donde tele.ra)ou à minha me, que
residia em Nantes, per.untandoOlhe se no ocorrera
novidade em casa.
0 resposta tra/ida pelo tel".ra)o )oi que uma .rande
des.raça acontecera à )amília. &eu tio =oussaint, o irmo de
meu pai, o mesmo cu(a ima.em lhe aparecera
obstinadamente al.uns dias antes, tinha sido arrebatado por
uma va.a, ao atravessar o 0tl4ntico, no navio que
comandava.
Hoi a +nica ve/ em sua vida que meu pai observou
semelhante )en*meno.R
,m sua se.unda carta, o :r. Gemerle, que ia ocupar um lu.ar
nas 0ntilhas, escreveuOme a respeito de per.untas que eu lhe
ro.ara )i/esse a seu pai sobre diversos pontos concernentes à
apariçoT
Q0ntes de partir de Hrança, consultei meu pai sobre a
viso que ele me contou outrora haver visto.
No h# absolutamente nada a alterar no que vos narrei a
bordo do paquete )a FaDette.
&eu pai no p*de de)inirOme exatamente se a sombra do
irmo lhe parecia palp#vel ou noF suas reminiscências, em
ra/o a idade muito avançada, escapamOseOlhe.
Cecebei, etc.
F# )emerle.R
5apitoOcomandante dos paquetes da
5ompa.nie G"n"rale =ransatlantique
=êmOse dado nestes +ltimos anos às apariç1es desse .ênero o
nome impr2prio de alucina'7es "erídicas.
/ / /
0crescentarei apenas al.umas linhas a este capítulo
demasiado lon.o, para indicar como " que se reali/am as
mani)estaç1es an#lo.as à precedente, principalmente à hora da
morte. :e.undo a teoria que dedu/o das minhas observaç1es,
isso " devido a que, nesse momento, a inteli.ência pode dispor,
para tornarOse visível, de uma certa quantidade de ener.ia
anímica escapada pouco a pouco do corpo, depois do que
denominei a morte intelectual. Ceceio muito no ser
compreendido por todos, mas sêOloOei melhor dentro de poucos
anos.
Por outro lado, esses )atos so observados mais
)reqZentemente em certas re.i1es, que em outras. 7sso depende
de duas causas principais. ,m primeiro lu.ar, certas raças, os
escoceses e os suecos, por exemplo, so mais particularmente
predispostos aos )en*menos de Qvista duplaR, a-materiali.a'(o
da )orça anímica, etc. 0l"m da in)luência da raça, talve/ ha(a aí
tamb"m um e)eito devido à aço ma.n"tica do lu.ar.
$ma se.unda causa que, consoante minha opinio, " das mais
e)ica/es, pode residir no )ato de um indivíduo, morrendo com a
convicço, ou, antes, conhecendo que s2 vai mudar de estado,
dever )icar menos perturbado do que o i.norante. 5ompreende,
muito mais depressa, a nova situaço em que se acha e pode, no
momento da morte, melhor servirOse da parte de ener.ia anímica
que no deve .uardar, e )ormar com ela uma ima.em visível à
sua semelhança %revestirOse de ener.ia materiali/ada ou
materiali/ante', ou, talve/, produ/ir uma esp"cie de )ascinaço
sobre os sentidos daqueles a quem quer avisar da sua morte. Era,
esses )atos observamOse principalmente nos lu.ares onde
dominam as id"ias espiritualistas, sob qualquer )orma que se
mani)estem.
0demais, saberOseO#, al.um dia, que muitas ve/es essas
)ormas no so a pr2pria inteli.ência das pessoas às quais se
assemelham, por"m, unicamente a ima.em, o ídolo, como
di/iam os anti.os, a casca dessas pessoas.
Na 7dade &"dia, )oram observados i.ualmente muitos )atos
curiosos que os cronistas e os processos de )eitiçaria nos
transmitiram. Ha/endo o desconto devido ao erro, ao exa.ero, às
alucinaç1es provocadas pela superstiço, restam ainda
numerosos )en*menos inexplic#veis, podendo ser levados à
conta da vida miser#vel que passavam todas as in)eli/es vítimas
amedrontadas pela i.nor4ncia e pelo )anatismo. ,sse estado de
mis"ria )ísica e moral tinha .rande in)luência sobre a
constituiço desses seres de.radados e tornavaOos mais ou menos
aptos à mediunidade.
I# um )ato hist2rico que se no pode deixar completamente à
parte dos precedentes e que exi.e ainda uma explicaço da
5iência vul.arT " a tocante epop"ia da QNon/ela de Erl"ansR, a
her2ica 3oana dU0rc.
/ / /
Nese(ava no sair dos limites de uma serena exposiço
cientí)icaF entretanto, no estou proibido de escrever, ao
terminar, que a Iumanidade ver# aumentar seu reconhecimento
para com a 5iência, no dia em que esta, pronunciandoOse com
conhecimento de causa, puder di/er ao homemT
QIerm\s moribundo tinha ra/o quando, com os olhos (#
deslumbrados pela viso da ,ternidade, cu(o v"u se
desvelava diante dele, pre)eriu estas palavrasT
Q0t" ho(e, vivi exilado da minha verdadeira p#triaF volto
para elaF no me choreis, recupero a habitaço celeste para
onde cada um de v2s se.uir# por sua ve/T l# est# Neus.
,sta vida " a morte.R
%5halcidius, in TimaEum'.
PA+TE ;2A+TA
(nfluência da ciência futura sobre as
religiões, filosofias, ciências, artes, etc<
Ca,-tulo %nico
7erturba.:es e re-olu.:es >ue os no-os dados da Ci=ncia -/o
causar nos di+erentes ra%os do Nintelecto #u%anoO. & 7erturba.:es
nas opini:es religiosas. & 4 grande 7an %orreuT Vi-a o grande
7anT & ?eligi/o no-a. & Ciclo das religi:es ou ciclo da religi/o9
ci=ncia. & 7erturba.:es nas ci=ncias< na %edicina< na biologia. &
5s artes< e principal%ente a literatura< co%e.a% a sentir a
in+lu=ncia da Nci=ncia de a%an#/O. & 5 lenda das pedras. & 4l#ar
retrospecti-o e sint,tico. & "aneira de ser do s*bio.
E leitor no deve esperar encontrar nas poucas p#.inas
se.uintes um desenvolvimento to completo do assunto como
lhe pareceria esperar, talve/, o título desta quarta parte. :e.undo
penso, seria mister um volume inteiro para dar uma id"ia (usta
das trans)ormaç1es revolucion#rias que sero produ/idas nos
ob(etos de culto reli.ioso ou intelectual do homem, pelas
descobertas da 5iência nova.
5omo " bem de verOse, no ser# sem provocar um movimento
imenso, nos di)erentes ramos do intelecto humano, que os )atos
aos quais me re)eri vo ser estudados, como nunca o )oram
talve/, e levados ao conhecimento do p+blico. W que ho(e se
tornou impossível esconder coisa al.uma durante muito tempoT a
imprensa aí est# de alcat"ia e nada se pode di/er em uma
Q:ociedadeR sem ser imediatamente atirado aos quatro ventos.
,m primeiro lu.ar, (# no existem os mesmos peri.os que
obri.avam a conservar secretos os trabalhos executados nos
laborat2rios dos templos anti.os. 0s multid1es so sempre
multid1es, mas têm melhorado e cada dia se tornam menos
est+pidas e menos perversasT se.uem a lei de pro.resso lenta,
mas inde)inida, a que tudo obedece, assim como a hist2ria,
embora to curta, noOlo ensina.
Eh_ sabemos todos, por experiência, que isto no se )ar# sem
lutasF por"m estas no têm )altado em .rande n+mero e (# se
operou uma revolta da opinioT .rande parte da moderna
.eraço, no tendo os motivos de oposiço das suas
predecessoras, encara, sem repu.n4ncia, estas QnovidadesR a
respeito das quais ainda no aprendeu a surpreenderOse.
:e quisermos prever o que suceder# nos di)erentes campos
reli.iosos que dividem o mundo civili/ado, ser# )#cil )a/ermos
uma id"ia da perturbaço aí produ/ida pela vul.ari/aço desses
anti.os dados sancionados pelo m"todo experimental moderno.
Nesde o começo, verOseOo padres, pastores, ministros e
bispos, homens honestos e de boaO)", sair cada um das )ileiras do
clero, declarando que sua honestidade lhes proíbe ensinar coisas
nas quais eles no podem mais crer...
11
Eutros
15
ro.aro ao pontí)ice de Coma que se ponha à testa
de um movimento de re)orma, na qual entrariam todas as seitas
crists e todas as 7.re(as cism#ticas. Q:eria, diro, o começo do
reino de Neus. 0 7.re(a, dividida desde o princípio, depois de ter
sido impotente, apesar das )o.ueiras e dos potros san.rentos,
para reprimir centenas de heresias que lhe dilaceram o seio, a
7.re(a encontraria salvaço na 5iência.R
Porque a 5iência mostrar#, no )im das contas, que, se os
símbolos di)erem, todos os esoterismos se parecem, e que no
)undo s2 h# uma reli.io.
&as " di)icílimo edi)icar um belo e s2lido edi)ício com
velhos materiais provenientes de ruínas semiconsumidas. 0
.rande maioria dos cl"ri.os, por i.nor4ncia ou por cobiça,
.ritar# que o dia do 0nticristo, anunciado nas ,scrituras, che.ou,
que todas essas invenç1es dos s#bios no so mais que
mani)estaç1es da potência in)ernal do Príncipe das =revas. ,
todos, .randes e pequenos pontí)ices, obstinarOseOo e ocultaro
a cabeça por detr#s dos seus símbolos incompreendidos, tapando
os olhos à verdade, à simples, à imponente verdade. ,, no a
descobrindo, .ritaro que ela no existe_...
0inda no est#, com e)eito, em v"spera de extin.uirOse a raça
dos que querem obri.ar o homem adulto a andar calçado como
as crianças, impondo ho(e à sua ra/o revoltada os ensinamentos
de s"culos, como (# o escrevi, desarrai.ar de nossos espíritos Qos
erros que se in)iltraram em nossas veias com os sucos do leite
maternoR. Porque, como disse Nr]denT
Q&uitos de n2s )omos transviados pela educaçoT
acreditamos naquilo que nos ensinaramF o sacerdote
continua a obra da aia e " assim que o menino persiste no
homem )eito.R
16
&as a vo/ que, di/em, se )e/ ouvir outrora bradandoT QE
.rande Pan morreu_R, a mesma vo/ pro)erir# estas palavras mil
ve/es repercutidas em todos os cantos da terraT QDiva o .rande
Pan_R Porque uma nova reli.io vai sur.ir. :eus adeptos sero
reconhecidos, porque no ho de voci)erar Qan#tema_R contra
nin.u"m. ,les diro, ao contr#rioT QHora da nossa 7.re(a, haveria
salvaço, ainda mesmo quando conse.uissem permanecer )ora
dela.R &as isso no " possível, porque ela chamaOse &undo e,
sob esse título, " verdadeiramente universalF " a 7.re(a de Pan, a
7.re(a do Grande =odo.
,les no ho de procurar con"erter nin.u"m, mas
con"encer(o todo o mundo, cada um a seu tempo, porque, assim
como (# vimos, os homens acabam sempre )icando de acordo
sobre coisas que podem ser submetidas ao exame dos sentidos,
principalmente se estes so auxiliados pelos bons instrumentos
da ciência moderna, que, ao menos esses, no têm opinio
preconcebida.
,nsinaro que devemos tudo submeter ao (ul.amento da
nossa ra/o e nada aceitar sem exame. Proibiro que se acredite
e aconselharo que aprendam para sa-er.
,les no marcaro limites ao possível do conhecimento,
como )a/em os positi"istas.
No diro aos homensT Q0maiOvos uns aos outrosR, mas sim
Q0maiOvos a v2s mesmos. &as sabei que no conse.uireis amarO
vos a v2s mesmos se no amardes os outros, tanto ou mais que a
v2s.R 5oisa que, al.ebricamente, se exprime por esta )2rmulaT
QO altruísmo * o egoísmo "erdadeiro#R
,nsinaro às sociedades que elas s2 tero uma vida e)êmera e
perturbada, se no tomarem por modelo de sua or.ani/aço a do
corpo do homem )eito à ima.em do &undo. , assim, ho de
acabar as .uerras )ratricidas entre os membros de uma mesma
naço.
,nsinaro aos povos que eles no podero ter existência
pr2spera e dur#vel seno com a condiço de viverem com os
outros .rupos humanos, como membros de uma )amília )eli/
entre si. ,, assim, terminaro as .uerras homicidas entre as
naç1es, que so os membros da )amília humana.
Nemonstraro por + mais @, aos de coraço duro, )rio e
e.oísta, que seu pr1prio interesse lhes manda procederem como
se )ossem bons, porque a mis"ria do pobre destila um )el amar.o
e virulento, que se in)iltra at" na taça do rico e contamina as
veias dos seus )ilhos.
No haver#, provaro eles, nem ventura nem civili/aço
verdadeiras enquanto e!istir um mendigo ou um soldado entre
"1s.
:eus concílios no tero outro ,redo seno os dados do
m"todo experimental. :eu culto ser# o do pro.resso humano para
o noOso)rimento, e .anharo o mundo sublunar à sua :inarquia
)raternal.
0ssim, terminar# um ciclo a maisT o ciclo das reli.i1es. No
começo das sociedades humanas, com e)eito, a reli.io
con)undeOse, rudimentar e )etichista, com a ciência do homem
in)antil e sem princípios. &as tarde, ao passo que a 5iência se
desenvolve, ela se desvia da reli.io primitiva. &as a 5iência
caminha, e quando toca o seu /ênite, con)undeOse de novo com a
reli.io. &as quo di)erentes so as coisasT no princípio a iluso,
a i.nor4nciaF no apo.eu a clara e brilhante verdade, preparando a
era da )raternidade real.
$topiasS 5ertamente, ho(e que a anarquia reina em toda
parteT anarquia nas id"ias reli.iosas e )ilos2)icas, nas id"ias
políticas e sociais, anarquia nas naç1es e entre as naç1esF em
toda parte a anarquia.
Es povos, no )im do s"culo c7c, tinham )eito acumulaç1es
de ener.ia homicida sob a )orma de en.enhos aper)eiçoados %2
barbaria cientí)ica' e uma )aísca )ar# tudo explodir. $m
medonho cataclismo de )erro, san.ue e )o.o ameaça a ,uropa e a
ins4nia da carni)icina propa.aOse por toda a super)ície da =erra,
ao passo que a )orça, a inteli.ência e o ouro despendidos para
espalhar a morte, semear a des.raça e as l#.rimas, poderiam
se.uramente criar uma m"dia de )elicidade terrestre
per)eitamente satis)at2ria, tanto no plano material quanto no
plano moral. Por isso, ainda no che.ou o dia da vit2ria da
3ustiça )raterna, e nada parece anunci#Olo, ho(e que os povos
vêem tudo cor de san.ueF mas, quando o )uraco passar, quando
os que sobreviverem abrirem os olhos, o mal produ/ir# o bem.
/ / /
Nepois do que havemos dito, ser# mister mostrar a que
.overno obedecer# o leme da Hiloso)ia sob o impulso da 5iência
novaS Penso que no. Podemos bem conceber que, com o auxílio
dos conhecimentos positivos, cu(a aquisiço na Hiloso)ia vai ser
possível, a Hiloso)ia dar# um .rande passo para a )rente, porque
os limites do co.noscível esto (# consideravelmente recuados,
ao menos para al.uns dentre n2s.
No insistirei mais a respeito das mudanças que preve(o nas
5iências.
0 in)luência da nova ciência, por enquanto, )e/Ose pouco
sentir sobre as artes propriamente ditas, mas a literatura (# est#
cheia de produç1es em que o talento sobra e cu(os assuntos so
por ela inspiradosF o que às ve/es )alta aos seus autores " o
conhecimento real e, no raro, a sinceridade.
$ma arte que tende de mais a mais a tornarOse uma ciência -
a medicina - vai receber um impulso extraordin#rio, quando
laborat2rios )orem instituídos para as pesquisas psicol2.icas,
porque h# que criar laborat2rios cu(os trabalhos e descobertas
tero conseqZências tais que nenhuma das ciências
contempor4neas pode dar uma id"iaT so os laborat2rios e " o
instituto da )utura 5iência. Es que se dedicarem a esses estudos,
no car$ter de s$-ios, cobrirOseOo de .l2riasF seus nomes iro
mais lon.e no tempo e na posteridade, do que os de qualquer dos
cientistas atuais.
0 primeira naço que animar as investi.aç1es desta ciência
marcar# sua passa.em com um sulco luminoso na hist2ria dos
povos...
/ / /
,ra minha primeira intenço dar, por meio de observaç1es e
exemplos recentes, uma id"ia da in)luência consider#vel que
tero sobre a arte de curar os estudos dos quais tratamos aquiF
mas, à +ltima hora, recuei. , apesar da aud#cia e do êxito de
!rownO:equard, que acaba de inventar, ou de tornar a achar, o
licor da &ocidade, detenhoOme para no comprometer o que (#
começa a ser admitido.
&as, no nos esqueçamosT em certos ramos da biolo.ia e,
conseqZentemente, da medicina tudo deve ser re)eito sobre um
plano novo.
/ / /
:e, no momento em que che.ar ao )im deste volume/inho, o
leitor me ob(etar que seu conte+do no satis)e/ completamente a
esperança que lhe havia )eito nascer o título, responderei no ser
isso inteiramente por culpa minha. NeiOo a entender, por mais de
uma ve/, nas p#.inas que precedemT no me (ul.o autori/ado a
di/er tudo, e isso por muitas causas, por mais inverossímeis que
pareçam certas coisas asseveradas nesta obra.
QPs ve/es, pode o verdadeiro no ser verossímilR %)e "rai
peut quelque fois n5%tre pas "raisem-la-le', elas no so,
todavia, to Qextraordin#riasR como outras intencionalmente no
divul.adas. Hoi para no comprometer o todo que s2 )alei de
uma parte.
0l"m disso, .randes e simples verdades no devem ainda ter
publicidadeT em atenço a elas mesmas, no devem )icar
expostas às chacotas da multido i.nara e puerilmente
presunçosa, cu(os sarcasmos mataram 5op"rnico de pesarF da
multido que escarneceu de HranJlin em seu começo e
ridiculari/ou Galv4ni apelidandoOo QmestreOdeOdança das rsR, D
muchos otros. No )alo dos .ênios ben)eitores a quem torturaram
e deixaram morrer de )ome, QcontentandoOse, ap2s exame insano
e lon.o, com eri.irOlhes uma est#tua, para .l2ria do .ênero
humanoR.
Ne modo que, s2 do s"culo devem queixarOse, se no )aço
menço al.uma das ori.ens da vida sobre os planetas em .eral e
sobre a =erra em particular, nem da lei de evoluço que
GamarcJ, Narwin e C. Kallace lobri.aram so-re uma de suas
facesF nem tamb"m do papel da inteli.ência nos animais. :o
quest1es, estas, que encontraro exame em tempo determinado.
/ / /
0l.uns leitores, talve/, nos )aro esta re)lexoT Q&as, en)im,
de que nos serve so)rer e lutar na =erra, atrav"s do inv2lucro
material, se realmente podemos existir sem eleS
Gamento no o poder satis)a/er, nesse ponto, porque, aqui
tamb"m, sou retido pela reserva Qque me li.aR. 0rriscarOmeOei,
todavia, a usar da Qpar#bolaR. , como " uma questo de que me
ocupo em outro trabalho, que publicarei al.um dia, tomo a
liberdade de citarOme, extraindo uma QlendaR da obra a que )aço
aluso.
0 G,NN0 N0: P,NC0:
Iouve tempo em que os homens mais instruídos da sua
"poca acreditavam que, de entre os seres, s2 o homem
sentia. Nepois, reconheceuOse em que erro caíram, mas no
se vai at" ao )imT toda mat"ria " sensível. E hilo/oísmo "
uma teoria exata e verdadeiraT por exemplo, todos os corpos,
sem exceço, sentem o calor e o )rio e noOlo mostram... E
"ter, isto ", a vida, est# em toda parte.
!em, um dia %era no tempo em que as pedras )alavam',
uma pedra escura e in)orme contava seus males a uma de
suas semelhantes e di/iaOlheT
- $m ser, que se intitula o rei da 5riaço, arro.aOse o
direito de baterOnos, em mim e nos meus, de )erirOnos a
.olpes de instrumentos duros e cortantes. ,le quebraOnos,
despo(aOnos do melhor de n2s mesmos e s2 descansar#,
receio bem, depois que nos tiver redu/ido a nada.R
0 outra lhe respondeuT
- Dossas des.raças no têm valor, comparadas às nossasT
sabei que esse rei b#rbaro, esse deus sem coraço, o homem,
pois que devo cham#Olo por seu nome execrando, veio
arrancarOnos do seio da terra, onde repous#vamos sosse.adas
h# tanto tempo, que (# havíamos perdido a lembrança da
nossa ori.em. ,le a.arrouOnos, minha irm, com o mesmo
)erro sob o qual .emeis e, al"m disso, (o.aOnos em )ornalhas
ardentes, onde o san.ue se nos carboni/a e se trans)orma em
vaporesF onde os nossos ossos, primeiramente calcinados,
)undemOse depois, debaixo de um sopro in)ernal...
,ra assim que duas pedras in)ormes e escuras pro)eriam
suas queixas no seio uma da outra.
&as, al.um tempo depois, encontraramOse elas reunidas
sobre a cabeça do QreiR, que maldisseram, sobre a )ronte do
deus contra quem blas)emaram. ,ncontraramOse, uma sob a
)orma de um círculo de ouro cintilante, outra sob a de um
diamante de onde irradiavam mil chispas. , todos as
admiravam.
,nto, um tanto embaraçadas, disseramT
- @uo loucas "ramos n2s, minha irm, quando
lastim#vamos a nossa sorteF em lu.ar de .rosseiros pedaços
de mat"ria tosca, que "ramos, passamos por todos os .raus
da per)eiço e resplandecemos ho(e, com vivíssimo brilho,
na )ronte do nosso senhor, que nos uniu à sua .l2ria_R
/ / /
:e lançardes um olhar sobre o que precede, compreendereis a
id"ia que .uiou o autor nessa Qan#lise das coisasR, cu(os
elementos procuraremos reunir em um curto resumo sint"tico.
5omo em uma esp"cie de viso r#pida, o autor quis,
primeiramente, dar uma id"ia do con(unto do 5osmos, no
começo de um cicloF depois, mostrar a constituiço do círculo
c2smico, no qual um círculo concêntrico an#lo.o, o homem, se
encontra encerrado como um n+cleo em uma c"lula. No
podendo lançar mo temer#ria às pro)unde/as do macrocosmo, o
autor apenas arriscou uma tímida comparaço entre este +ltimo e
o homem, esse microcosmo, cu(a nature/a estudou com mais
min+cias e mais possibilidades.
Por derradeiro, o autor es)orçouOse por mostrar que o homem
se comp1e de um princípio imediatamente perecível - a mat"ria
- que no " realmente ele, e de um princípio superior - a
inteli.ência - que " o seu eu real e sobrevivente à mat"ria, a qual
opera por meio de um terceiro princípio - a ener.ia - que
tamb"m no " ele, seno a mat"ria. , eis por que, quando a
morte, que " a separaço desses três princípios )undamentais,
ocorre, se e)etua em dois períodos primitivosT 9b' a )ase
intelectualF ;b' a )ase anímicaF a elas poderíamos adicionar a )ase
material, isto ", a trans)ormaço completa da mat"ria, se esta no
)icasse, lo.o ap2s a partida do ,spírito, to indi)erente a este
+ltimo.
E que distin.ue a teoria esboçada nesta obra das teorias
animistas anteriores " que ela apresenta o homem como um todo
composto de in+meras partes semiOaut*nomas. 5ada uma das
c"lulas do corpo humano tem sua mat"ria %corpo', sua ener.ia
%alma' e seu rudimento de inteli.ência pr2pria %espírito'. &as,
esto li.adas ao destino do corpo inteiro %necessidade' e o
homem ra/o#vel interessaOse por seu bom )uncionamento
%providência, pro"idere'. E con(unto das c"lulas constitui o
homem, modelo redu/ido do $niverso.
Notemos, de passa.em, que a ener.ia tanto melhor opera na
mat"ria, quanto mais delicadas, mais inst#veis, mais a)astadas,
em suma, do estado mineral so as combinaç1es em que ela se
organi.a. , que, de outra parte, o ,spírito opera sobre a ener.ia
quando esta se animi.a, isto ", quando mais se aproxima de um
estado vi/inho do seu.
,m outros termos, a vida, tal como a observamos, mostraOse
no ponto de conver.ência de três princípiosF ou, se pre)erirdesT o
,spírito animi.ou a ener.ia e organi.ou a mat"ria, para )a/er
a.ir uma sobre outra e dar vida ao :er.
/ / /
Dou terminar, com a consciência de no ter )eito um trabalho
completamente in+til. :ei, em todo caso, que ele no ser#
perdido para todo o mundo.
O homem * a e!ecu'(o de uma lei. :ua existência " uma
sucesso de tare)asF a minha, por esta ve/, est# cumprida.
0 vida )oiOnos dada como um quadro a desenhar.
,sse quadro cerca um espaço maior ou menorF podemos,
a.indo na medida da liberdade que a necessidade concede à
nossa vontade, deix#Ola em branco pela )utilidade dos nossos
atos. Podemos, ainda, produ/ir um quadro horroroso, mau, ou
somente medíocre, como podemos imprimirOlhe uma pintura
ale.re ou uma obraOprima de .raça e bele/a, que as .eraç1es
)uturas ho de admirar, associandoOlhe nosso nome por lon.a
s"rie de anos.
E autor (ul.arOseO# )eli/ se o canto do quadro que ele enche
com o presente trabalho estiver à altura da intenço que o
inspirou.
/ / /
No momento de lançar os olhos pelas +ltimas linhas destas
p#.inas, que talve/ lhe tenham despertado al.um interesse, ro.o
ao leitor acreditar que, escrevendoOas, s2 )ui .uiado pelo
sentimento de tornarOme +til.
No sei se as teorias que emiti, e que no pousam diretamente
sobre a experimentaço, sero veri)icadas. 7sso, por"m, no
importa_ :erviro, talve/, para a ori.em de outras melhores.
No importa quanto àquilo que me di/ respeitoF porque,
assim como eu me pronunciava o ano passado, em Iavana,
depois de muitos meses de estudo sobre a )ebre amarela,
17
com
esses mesmos pensamentos, nos quais espero sempre inspirarO
me, quero a.ora concluirT
E s#bio, que procura a verdade por si e para o bem .eral,
contempla as coisas do 0lto. 0plicaOse a redu/iOlas às suas
verdadeiras proporç1es, considerando a imensido do =empo e
do ,spaço.
5om indi)erença, ele assiste à ruína de suas pr2prias teorias,
quando )ica demonstrado que elas no poderiam condu/ir ao
caminho da verdade, e " sem despeito que ele cede o lu.ar a
outras melhores.
&edindo o valor das reputaç1es pelos vestí.ios do bem
deixados, ele no trabalha por uma celebridade vF porque no
pode i.norar que as mais brilhantes .l2rias desaparecem
esquecidas e sem nome no Eceano dos =empos, como " lei do
destino.
:ente, sabe en)im, que no passa de uma das c"lulas
solid#rias desta .rande personalidade coletiva que se chama
IumanidadeF e " por ela que luta e so)re, se )or preciso, sem
preocupaço de recompensa.
F($
3otas=

O Espiritismo (faquirismo ocidental).
0
,ste livro )oi escrito em 9<8B, "poca em que no se conhecia a
desinte.raço at*mica. %Nota da editora.'
1
:e a Gua caísse sobre a =erra %da qual aquela se aproxima
insensivelmente' o calor desenvolvido pelo choque )ormid#vel que
resultaria desse encontro seria mais que su)iciente para reali/ar a )uso
dos dois astros e produ/ir uma estrela, que brilharia, durante al.um tempo,
com )ul.or desusado para os habitantes dos planetas de nosso sistema, se
existissem al.uns para observar Qesse sinal do c"uR.
5
,ours de phDsiologie, d5aprGs l5enseignement du professeur KLss, par le
Dr# /athiasDu"al.
6
,nrique 3os" Darona - ,onfer%ncias filos1ficas# <sicologia. Iavana,
9<<<.
7
,. 3ou))ret, op. cit.
8
:em d+vida, con)orme esta de)iniço de QNeusR tirada de um texto
s4nscritoT QE que ele ", s2 ,le o sabe e talve/ no o saiba ,le.R
!
Procedendo a =erra donde se sabe, pode di/erOse que sob mais de um
ponto de vista somos os )ilhos do :ol. Es incas e outros povos, que se
intitulavam )ilhos desse astro, receberam, talve/, em al.uma "poca, de
maneira simb2lica, o conhecimento dessas noç1es.
"
Q@uando tratardes de um assunto, no deveis es.ot#OloF basta )a/er
pensar.R - &ontesquieu.
#
Iaveria um interessante estudo a )a/erOse sobre esse assuntoT muitos
indivíduos, em conseqZência de certas disposiç1es psíquicas viciosas,
cometem o mal Qpor palavras ou atosR, sem m2vel raciocinado, sem inve(a
e sem interesse, mas como por impulso. 5hamo a isto cacomania %mania
do mal'. E camponês que votava o ostracismo de 0ristides, porque estava
aborrecido h# lon.os anos de ouvir co.nominar este +ltimo o Fusto, era
um cac*mano.

O Espiritismo (faquirismo ocidental). %N.=.'
0
Q5omo " que nos no recordamos de nossas vidas anterioresSR,
per.untaram um dia a Pit#.oras. 0l.uns se recordam, respondeu eleF e
contava o que tinha sido em muitas vidas precedentes. 0 essa ob(eço
podiaOse responder que, no caso de havermos vivido muitas ve/es, no
deveria surpreenderOnos o )ato de no .uardarmos lembrança al.uma,
porquanto di)icilmente nos lembramos de )atos pouco importantes da
existência presente, depois de muito pouco tempo, e porque, )inalmente,
no nos recordamos absolutamente do que )i/emos, vimos ou ouvimos no
estado de sonambulismo, e isto passados poucos minutos. PodeOse
acrescentar que o estado sonamb+lico, principalmente quando l+cido, "
um estado superior, por certos lados, ao estado ordin#rio, e que, entrando
de novo no estado comaterial, quando QdescemosR à mat"ria, bebemos
#.ua de Getes, se.undo a lin.ua.em simb2lica dos anti.os. &as isto no "
uma ra/oT a melhor explicaço ensinada por Pit#.oras " ser uma lei que a
nossa i.nor4ncia da existência no nos impede de existir.
1
!ar"t], /agnetismo animal, Paris, 9<<^.
5
5onvido a quem duvidar da possibilidade da transmisso do pensamento,
a ler o livro do Nr. Echorowic/T &ugest(o mental.
6
Q:enhor, no temos necessidade desta hip2teseR, respondeu ele a
Napoleo, quando lhe per.untava que papel atribuía a Neus.
7
,. 3ou))ret. Goc. cit.
8
)5Mclaireur du @errD, que " publicado em 7ssoudua %7ndre', n+mero de ;<
de abril de 9<<^.
!
@uando di.o "ista " percep'(o que pretendo exprimir. $m dos meus
indivíduos %sujets' que est# a meu lado, no momento em que escrevo estas
linhas, analisando o )en*meno %ensineiOlhe a lembrar, o que interessa
muito às minhas experiências', di/OmeT Q@uando leio com a parte superior
da cabeça, h# um como claro vermelho de )o.o claro que ilumina as
coisas sem lhes alterar a cor. De(oOvos claramente com a minha )ronte ou
com a parte anterior do alto da minha pessoa. Dossos olhos me parecem
de )o.o. @uando leio com as mos, o claro " menos vermelho...R &uito
h# a di/erOse somente sobre a an#lise desse )en*meno ma.ní)ico, que me
revelou muitas outras coisas interessantes.
"
No momento em que corri(o as provas deste capítulo, recebo a carta
se.uinte, diri.ida pelo meu ami.o o Nr. Dan :chaicJ, pro)essor ad(unto
na <ostgraduate medical &chool de New YorJT
Q;;< Kest A>th. :t.
New YorJ, ;B de (ulho de 9<<8.
&eu caro cole.aT
W com o maior pra/er que vos envio, se bem que no ma tenhais pedido,
esta descriço da experiência que tivestes a bondade de me deixar ver
ontem.
0dormecestes uma moça de de/oito anos mais ou menos, depois do que
veri)iquei estarem seus .lobos oculares voltados na direço da linha
mediana e para cima, num estado muito exa.erado de estrabismo
conver.ente, tempor#rio.
,m se.uida pusestesOlhe sobre as p#lpebras )echadas chumaços de
al.odo muito espesso, e sobre estes, por acr"scimo de precauço,
colocastes um pano dobrado muitas ve/es. 0 venda, se.undo estou
persuadido, impedia em absoluto a moça de ver de qualquer modo normal.
Nepois, escolhi um livro entre os numerosos exemplares que atulhavam
a vossa mesa e a biblioteca, pe.ando propositadamente em um livro de
)ormato e capa semelhante à maior parte dos outros.
5oloquei esse livro sobre a cabeça da moça, que, ap2s al.uns instantes
de hesitaço, leu per)eitamente o título da obra, se.undo meu dese(o
expresso.
0 experiência continuou com um (ornal que apanhei entre os que ali
estavam, e obteve pleno êxito.
,squeciaOme de di/er que essas experiências )oram repetidas muitas
ve/es com outros livros e (ornais, na mesma sesso.
Nurante as experiências, permaneci sentado (unto da moça, e estou
convencido de que " impossível tomar conhecimento do que ela leu por
outro meio a no ser a intervenço de uma )aculdade que, antes, eu no
conhecia, e cu(o e)eito veri)iquei ento.
:e esta carta puder serOvos de al.uma utilidade, tendes ampla e inteira
permisso para empre.#Ola como (ul.ardes mais conveniente.
0ceitai, caro Noutor, a se.urança da minha sincera ami/ade.
Heorge H# Van &chaic= /# D#R
0#
0lbert de Cochas, Op# cit., &asson, "dit. Paris.
0
Ne Cochas %op# cit#' di/ no )im de seu livroT QNepois de haver
estabelecido, com o auxílio de )en*menos veri)icados por mim mesmo ou
admitidos por todo o mundo a existência no corpo humano de uma )orça
an#lo.a à eletricidade e podendo irradiar no exterior, se.ui, apoiado em
testemunhos hist2ricos, as mani)estaç1es cada ve/ mais poderosas dessa
)orça, mostrando que havia entre elas um laço contínuo e que elas
serviam, às ve/es, para p?rnos em comunica'(o com seres cuja nature.a
ignoramos.R %destaquei as +ltimas palavras, que no o esto no texto.'
00
O Espiritismo (faquirismo ocidental).
01
D. traduço )rancesa, t. c7c, des >otices et E!traits des /anuscritsF D.
tamb"m de Cochas, op. cit.
05
D. tamb"m )e Temps, nb de A9 de outubro de 9<<?.
06
No .re.o thanatos %morte' f eidos %)orma' f ia. ,stado parecido com a da
morte. 0 letargia e a catalepsia têm o mesmo princípio, que " a perda
moment4nea da sensibilidade e do movimento, por uma causa )isiol2.ica
ainda inexplicada. 0 palavra letargia no si.ni)ica morte aparente, como
se sup1e .eralmente, mas sono pro)undo, patol2.ico.
07
<ens*es, ch. c.
08
=enho em meu poder peças irre)ut#veis e poderia em uma ediço pr2xima
citar nomes conhecidos, se )osse obri.ado a isso. 0demais, a hist2ria vai
correndo por toda a 7n.laterra e pela ,sc2cia.
0!
0 experiência reali/ouOse em minha casa, como eu (# disse. E Qquarto
espectadorR era uma pessoa que dese(a conservar o inc2.nito.
0"
Por que debaixo da mesaS ho de per.untar. CespostaT a lu/ intensa e a
irradiaço do olhar pre(udicam a produço dos )en*menos quando a )orça
anímica " )racamente exteriori/#vel %Dede meu trabalho precedente, O
Espiritismo'.
1#
2esearches in the phenomena of spiritualism, tradu/ida em portu.uês sob
o título Fatos Espíritas, pela editora H,!.
1
Des singularit*s de la >ature.
10
Processo descrito pelo autor em uma comunicaço à 0cademia de
&edicina de Paris, 9<<<.
11
W o que (# se vai produ/indoT sem )alar da ,uropa, vemos muitos
exemplos desses na 0m"rica. Dede no >eN Cor= Berald, de ;? de abril de
9<<8, um arti.o intitulado The &elf,onfessed Beretic.
15
5omo o padre Coca, c*ne.o honor#rio, que )oi lo.o suspenso.
16
@D education most ha"e -een misledO
&o Ne -elie"e -ecause so Ne Nere -red,
The priest continues Nhat the nurse -egan,
+nd thus the -oD imposes on the man#
17
5on)erência aos m"dicos de Iavana, (unho de 9<<<.