You are on page 1of 2

E. E.

Messias Pedreiro / 3° bimestre - 2014
Atividade Avaliativa / Disciplina: História / Professor: Rodrigo / 2
os
Anos Ensino Médio

O inglês John Luccock esteve no Brasil entre 1808 e 1818. Comerciante, chegou ao Rio de
Janeiro como outros tantos ingleses após a abertura dos portos, em 28 de janeiro de 1808.
Tinha o costume de anotar e descrever situações e pessoas dos lugares por onde passava.
Neste pequeno trecho, relata, com ironia e surpresa, o comportamento social dos habitantes
da capital do Brasil e sede do Império português. Leia com atenção:

“[...] O orgulho tolo e a presunção formalizada, que dominavam em todas as classes da
sociedade brasileira, atingiam nesta categoria de homens um absurdo singular e ridículo. [...]
Tornou-se necessário abrir uma fechadura de que se perdera a chave, e tão rara era a
habilidade necessária para tanto que o gerente e o copeiro do hotel, onde então morava,
ficaram grandemente perplexos quando perguntei em que sítio se a poderia encontrar. Afinal,
aconselharam-me que me dirigisse a um carpinteiro inglês que se achava estabelecido no Rio
fazia perto de dois anos e que tinha muitos empregados, dos quais um foi mandado ir comigo
(porque nesse tempo os mestres não se atreviam a executar trabalhos fora), com a garantia de
que haveria de me contentar. Fez-se esperar por largo tempo, mas, afinal, para compensar a
demora, apareceu-me vestido de grande gala, de tricórnio, fivelas nos sapatos e abaixo dos
joelhos e outras quejandas magnificências. À porta da casa tornou a estacar, na intenção de
alugar algum preto para que lhe carregasse o martelo, a talhadeira e uma outra ferramenta
pequena. Lembrei-lhe que, sendo leves, eu me encarregaria de uma parte ou do todo, mas isso
constituiria solecismo tão grande como o de usar ele próprio suas mãos. O cavalheiro esperou
pacientemente até que aparecesse um negro, tratou com ele e então prosseguiu em devida
forma, seguido pelo seu criado temporário. Em pouco tempo deu cabo da tarefa, quebrando a
fechadura em vez de abri-la com gazua, após o que o homem importante, puxando uma
profunda referência, retirou-se com seu lacaio.”
(LUCCOCK, John. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil. Belo
Horizonte/São Paulo: Itatiaia/Edusp, 1975, p. 73.)

Glossário
Tricórnio: chapéu de três bicos.
Quejandas: que têm a mesma qualidade.
Solecismo: erro, falha.
Gazua: instrumento curvo de ferro, usado
para abrir fechaduras; chave falsa.

Responda:
1) Há vários personagens citados nesse relato. Quais são eles?
2) Há uma hierarquia entre alguns deles? Justifique sua resposta.
3) Qual é o preconceito social existente no Brasil do século XIX que se pode identificar
nesse relato? Por que o inglês ficou tão surpreso com esse comportamento a ponto de
conta-lo como anedota?
4) Agora observe a situação retratada por Jean-Baptiste Debret, um pintor francês que
visitou o Brasil no mesmo período:


(Imagem: Um funcionário a passeio com sua família, Jean-Baptiste Debret. Litografia
aquarelada extraída de Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil, Firmin Didot Frères, Paris,
França, c. 1835-1839.)

A) Descreva cada uma das pessoas retratadas por Debret.
B) Estabeleça a hierarquia que pode ser identificada na imagem.
C) Quais são as características sociais comuns do relato de Luccock e da imagem de
Debret?

Related Interests