TIPO DE CONTRATO EMPRESTIMO COMODATO EMPRESTIMO MUTUO

ORDENAMENTO Art. 579 a 585 Art. 586 a 592
CONCEITO
É o empréstimo gratuito de coisas
não fungíveis. Perfaz-se
com a tradição do objeto
É o empréstimo de coisas fungíveis,
pelo qual o mutuário
obriga-se a restituir ao mutuante o
que dele recebeu em
coisa do mesmo gênero, qualidade e
quantidade (art.
586). O mutuante transfere o
domínio da coisa emprestada
ao mutuário. É empréstimo para
consumo.
DURAÇÃO ** **
REPRESENTANTE Comodatário e comodante Mutuante e mutuário
QUADRO COMPARATIVO ENTRE OS CONTRATOS DO 3o BIMESTRE
CARACTERISTICAS
a) Gratuidade do contrato.
Decorre de sua própria natureza,
pois confundir-se-ia com a
locação, se fosse oneroso.
b) Infungibilidade do objeto.
Implica a restituição da mesma
coisa recebida em empréstimo.
Se fungível ou consumível,
haverá mútuo.
c) Necessidade da tradição para o
seu aperfeiçoamento
— o que o torna um contrato
a) É contrato real: aperfeiçoa-se
com a entrega da coisa
emprestada.
b) É tratado no Código como
contrato gratuito, embora o
empréstimo
de dinheiro seja, em regra, oneroso,
com estipulação
de juros, sendo por isso
denominado mútuo feneratício.
c) É contrato unilateral, porque,
entregue a coisa, quando
OBRIGAÇÕES
a) Conservar a coisa, como se sua
fora, evitando desgastá-
-la (art. 582).
b) Usar a coisa de forma
adequada (art. 582).
c) Restituir a coisa, no prazo
convencionado, ou, não sendo
este determinado, findo o
necessário ao uso concedido.
**
EXTINÇÃO
a) Pelo advento do termo
convencionado ou pela utilização
da coisa de acordo com a
finalidade para que foi
emprestada.
b) Pela resolução, em caso de
descumprimento, pelo
comodatário,
de suas obrigações.
c) Por sentença, a pedido do
comodante, provada a
**
NATUREZA JURIDICA ** **
OBSERVAÇÕES **
Como se distingue do comodato: a)
É empréstimo de consumo,
enquanto o comodato é de uso.
b) Tem por objeto coisas fungíveis, e
o comodato, bens infungíveis.
c) O mutuário desobriga-se,
restituindo coisa da mesma
espécie, qualidade e quantidade,
mas o depositário só se
exonera restituindo a própria coisa
emprestada.
d) Acarreta a transferência do
PRESTAÇAO DE SERVICO EMPREITADA
Art. 593 a 609 Art. 610 a 624
Constitui locação ou prestação de
serviço toda espécie de
serviço ou trabalho lícito, material
ou imaterial, contratado
mediante retribuição (art. 594).
As regras do CC têm caráter
residual, aplicando-se somente às
relações não regidas
pela CLT e pelo CDC, sem
distinguir a espécie de prestador
de serviços, que pode ser
profissional liberal ou trabalhador
braçal (CC, art. 593).
É contrato em que uma das partes
(o empreiteiro) obriga-se
a realizar determinada obra,
pessoalmente ou por meio de
terceiros, mediante remuneração
a ser paga pela outra (o
dono da obra), de acordo com as
instruções desta e sem
relação de subordinação.
É limitada a, no máximo, quatro
anos, para evitar prestações
de serviço por tempo demasiado
longo, caracterizando
verdadeira escravidão, sob pena
de redução pelo juiz
(art. 598). Quando celebrado sem
prazo determinado,
pode ser objeto de resilição
unilateral (art. 599).
— Pode ser convencionada a
entrega da obra por partes
ou só depois de concluída.
— Se o dono a recebe e paga o
que lhe foi entregue, presume-
se verificado e em ordem (art. 614
e § 1º). Mas poderá
enjeitá-la ou recebê-la com
abatimento no preço, em
caso de imperfeição (art. 616).
— O empreiteiro responde pela
perfeição da obra.
— Utiliza-se o Código Civil da
Locador e prestador de serviço Empreiteiro e dono da obra
QUADRO COMPARATIVO ENTRE OS CONTRATOS DO 3o BIMESTRE
É contrato:
a) bilateral;
b) oneroso;
c) consensual.
É contrato:
a) bilateral;
b) consensual;
c) comutativo;d) oneroso;
e) não solene.
** **
Ocorre o término do contrato
(art. 607):
a) com a morte de qualquer das
partes;
b) pelo escoamento do prazo;
c) pela conclusão da obra;
d) pela resilição do contrato
mediante aviso prévio;
e) por inadimplemento de
qualquer das partes;
f) pela impossibilidade de sua
a) execução da obra;
b) morte do empreiteiro, se o
contrato foi celebrado intuitu
personae (art. 626);
c) resilição unilateral;
d) distrato;
e) resolução por inexecução
contratual;
f) falência do empreiteiro;
g) desapropriação;
h) impossibilidade da prestação
** **
Quanto à execução:
a) empreitada de lavor (de mão de
obra);
b) empreitada mista (de trabalho e
de
materiais).
Quanto ao modo de fixação do
preço:
a) empreitada a preço fixo
absoluto ou
relativo (art. 619);
b) empreitada por medida (art.
MANDATO
Opera-se o mandato quando alguém recebe de outrem
poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar
interesses (art. 653).
**
a) legais (pais, tutores, curadores);
b) judiciais (nomeados pelo juiz);
c) convencionais (recebem procuração para agir em nome
do mandante).
QUADRO COMPARATIVO ENTRE OS CONTRATOS DO 3o BIMESTRE
É a ideia de representação, que o distingue da locação de
serviços e da comissão mercantil. Por essa razão, os atos
do mandatário vinculam o mandante, se dentro dos
poderes
outorgados (art. 679). Os praticados além deles só o
vinculam se forem por ele ratificados (art. 665).
Obrigações do mandante: a) Satisfazer as obrigações
assumidas pelo mandatário
dentro dos poderes conferidos no mandato (art. 675).
b) Reembolsar as despesas efetuadas pelo mandatário.
c) Pagar-lhe a remuneração ajustada.
d) Indenizá-lo dos prejuízos experimentados na execução
do mandato (arts. 675 a 677). Obrigações do mandatário:
a) Agir em nome do mandante, dentro dos poderes
conferidos na procuração (art. 665).
b) Aplicar toda a sua diligência habitual na execução do
contrato
e indenizar qualquer prejuízo causado por culpa sua.
c) Prestar contas de sua gerência ao mandante,
transferindo-
lhe as vantagens provenientes do mandato (art. 668).
d) Apresentar o instrumento do mandato às pessoas com
a) pela revogação e a renúncia;
b) pela morte ou interdição de uma das partes; c) pela
mudança de estado;
d) pelo término do prazo ou pela conclusão do negócio.
Irrevogabilidade do mandato: a) Quando contiver
cláusula de irrevogabilidade.
b) Quando a cláusula de irrevogabilidade for condição de
um negócio bilateral ou tiver sido estipulada no exclusivo
interesse do mandatário.
c) Quando conferido com a cláusula “em causa própria”.
d) Quando contenha poderes de cumprimento ou

a) É contrato, porque depende de aceitação, que pode ser
expressa ou tácita (pelo começo de execução: art. 659).
b) É consensual (aperfeiçoa-se com o consenso).
c) É personalíssimo ou intuitu personae (baseia-se na
confiança).
d) É não solene, por ser admitido o mandato tácito e o
verbal (art. 656).
e) Em regra gratuito (art. 658), exceto se outorgado a
quem exerce a profissão de mandatário, quando se
presume
oneroso.
f) Em regra unilateral, porque gera obrigações somente
para o mandatário, podendo classificar-se como bilateral
imperfeito (pode gerar a obrigação de pagar perdas e
danos
sofridos pelo mandatário). Toda vez que se convenciona
a remuneração, passa a ser contrato bilateral e oneroso.
Pessoas que podem dar representacao: — Sendo um
contrato, o mandato reclama o consentimento
das partes, exigindo capacidade do mandante e do
mandatário.
— Toda pessoa capaz é apta para outorgar mandato
mediante
instrumento particular (art. 654). Os menores púberes,
assistidos, firmam a procuração junto com os seus
representantes,
por instrumento público se for ad negotia. A
ad judicia pode ser outorgada por instrumento particular
(CPC, art. 38).