Iansã

Também chamada Oiá, é a Orixá dos ventos e raios. Além disto, é
Senhora dos Eguns (espíritos dos mortos), os quais controla com um
rabo de cavalo (eruexin) que é um de seus símbolos. É ela que servirá
de guia, ao lado de Xapanã, para aquele espírito que se desprendeu do
corpo. Guerreira, é a mais agitada das Orixás femininas, foi esposa de
Ogum e, posteriormente, a mais importante esposa de Xangô. É dona
dos movimentos (movimenta todos os Orixás), em algumas casas é
também dona do teto da casa e da aliança. Atua em todos os campos
que envolvam o relacionamento amoroso e por isso, é muito solicitada
para resolver casos de união. Oiá é a força dos ventos, dos raios e
furacões, das brisas que acalmam, das coisas que passam como o
vento, dos amores sensuais e passageiros e das tempestades que
assolam a existência, mas não duram para sempre.
É a dona da alegria e da paixão que arde como o fogo. Ela é o desejo
incontido, o sentimento mais forte que a razão. É o ciúme doentio e o
fascínio enlouquecido. É a paixão propriamente dita. É a falta de
medo das consequências de um ato impensado no campo
amoroso. Oiá rege o amor forte e violento.

Lenda sobre Iansã:
Oxaguiã estava em guerra, mas a guerra não acabava nunca, tão
poucas eram as armas para guerrear. Ogum fazia as armas, mas fazia
lentamente. Oxaguiã pediu a seu amigo Ogum urgência, mas o ferreiro
já fazia o possível. O ferro era muito demorado para se forjar e cada
ferramenta nova tardava como o tempo. Tanto reclamou Oxaguiã que
Iansã, esposa do ferreiro, resolveu ajudar Ogum a apressar a
fabricação. Iansã se pôs a soprar o fogo da forja de Ogum e seu sopro
avivava intensamente o fogo, consequentemente aumentado derretia o
ferro mais rapidamente. Logo Ogum pode fazer muitas armas e com
as armas Oxaguiã venceu a guerra e veio então agradecer Ogum. Mas
na casa de Ogum, enamorou-se de Iansã. Um dia fugiram Oxaguiã e
Iansã, deixando Ogum enfurecido e sua forja fria. Quando mais tarde
Oxaguiã voltou à guerra e quando precisou de armas muito
urgentemente, Iansã teve que voltar a avivar a forja. E lá da casa de
Oxaguiã, onde vivia, Iansã soprava em direção à forja de Ogum. E seu
sopro atravessava toda a terra que separava a cidade de Oxaguiã da de
Ogum. E seu sopro cruzava os ares e arrastava consigo pó, folhas e
tudo o mais pelo caminho, até chegar às chamas com furor. E o povo
se acostumou com o sopro de Iansã cruzando os ares e logo o chamou
de vento. E quanto mais a guerra era terrível e mais urgia a fabricação
das armas, mais forte ela soprava a forja de Ogum. Tão forte que às
vezes destruía tudo no caminho, levando casas, arrancando árvores,
arrasando cidades e aldeias. O povo reconhecia o sopro destrutivo de
Iansã e o povo chamava a isso tempestade.

Arquétipos dos filhos de Iansã:
Os filhos de Iansã são audaciosos, poderosos e autoritários. Podem
ser fiéis e de lealdade absoluta em certas circunstâncias, mas que em
outros momentos, quando contrariados em seus projetos e
empreendimentos, deixam-se levar a manifestações de mais extrema
cólera. Pessoas cujo temperamento sensual e voluptuoso pode levá-las
a aventuras amorosas extraconjugais múltiplas e frequentes, sem
reserva nem decência. Os filhos de Iansã também são audaciosos,
intrigantes, autoritários, vaidosos, pessoas sensuais e volúveis.
Características Positivas:
Pessoas prestativas e trabalhadeiras, comunicativas, sensíveis e
reservadas, ao mesmo tempo falantes e amigas. Perseverantes,
otimistas, despachadas, categóricas, sabem o que querem. São dotadas
de muita imaginação, decisões rápidas e audaciosas.Charmosas e
atraentes.
Características Negativas:
São vingativas, difíceis de perdoar e se aborrecem facilmente.
Chantagistas, mentirosas e gostam de intrigas. Extremamente agitadas
e confusas.

Qualidades: Oiá, Oiá Timboá, Oiá Dirã, Iansã
*Oyá: É a mais nova, é a dona da aliança, formando com Ogum e
Xangô a famosa“aliança de Oyá”
*Timboá: É tida como a mais quieta das Iansãs, a que sabe fazer as
coisas. Senhora dos cemitérios, controla os eguns. É assentada no
igbalé (casa dos mortos), nos fundos do Ilê.
*Oyá Dirã: Senhora dos cruzeiros em T , é a Iansã que fica na rua.
*Iansã: É a mais velha, casada com Agodô, dona dos tetos.
Saudação: Epa Heyi Iansã: Saudamos os majestosos raios e ventos de
Iansã!
Dia do ano: 04 de dezembro
Dia da Semana: Terça-feira
Flor: Palma vermelha, rosas e cravos
Comida: Pipoca e batata doce
Doce: Maçã caramelizada, doce de batata
Animal de estimação: Borboleta e búfalo
Função: Amor, amarração e demanda
Número: 07
Cor: Vermelho e branco
Ferramentas: Espada feita em raio, raio com 2 ou 4 segmentos, par de
alianças, leque de pena, relho de crina de cavalo, moedas, búzios
Frutas: Maçã, ameixa, cereja, bergamota, goiaba
Ervas: Espada de Santa Bárbara
Legumes: Tomate, batata-doce, moranga
Ajuntós:
*Oiá Timboá: com Bará Elegba, com Ogum Avagã
*Oiá Dirã: com Ogum Avagã
*Oiá: com Bará Adague, com Bará Lanã, com Bará Agelú, com Ogum
Onira, com Xangô Aganjú, com Xapanã Jubeteí
*Iansã: com Bará Lodê, com Ogum Olobedé, com Xangô Agodô, com
Xapanã Belujá, com Xapanã Sapatá