Ciência e Conhecimento Científico

1.1 A problemática do conhecimento
1.2 Opinião e Ciência
1.3 A origem da ciência
1.4 Em direção à Ciência.


1.1 A problemática do conhecimento

 A história e evolução humana estão, desde os primórdios, ligadas ao ato de
conhecer, a essa incessante busca de explicação para os fenômenos
produzidos e existentes tanto na natureza quanto no mundo social e individual,
e a finalidade.
 Na tentativa de explicar como se processa o conhecimento humano, surgem
diferentes pontos vista para fundamentar a compreensão desse fenômeno que
se opera na relação entre o sujeito que conhece e o objeto a ser conhecido.




 Tipos de conhecimento

 Conhecimento sensorial (sensorial): O conhecimento sensível ou sensorial,
comum tanto aos homens quanto aos animais, é fruto da atividade dos
sentidos (ex.: percepção de cores, sons, imagens, lembranças, etc.).

 Conhecimento intelectual: O conhecimento intelectivo ou intelectual,
atributo/privilégio dos homens, resulta da capacidade de pensar, refletir,
abstrair; na condição de construir conceitos, princípios, leis, teorias.



Assistemático:

 Empírico (vulgar): “Conjunto de informação não sistematizadas que
aprendemos por processos formais, informais e, às vezes, inconscientes, e que
inclui um conjunto de valorações (...).” (p.16).
(CARVALHO, 1989)

 É assistemático: adquire-se ao acaso, à medida que as coisas e os fatos se
apresentam. Sua construção não segue um procedimento de rigor técnico;

 É acrítico: Supõe que as coisas são como parecem ser. Não examina a
validade ou verdade deste conhecer;

 É impreciso: destina-se exclusivamente à sobrevivência biológica do homem
no seu meio físico, ignorando outros fatores mais profundos, interferentes e
determinantes em termos da cultura e do meio social, etc.;

 É autocontraditório: a imprecisão do conhecimento vulgar torna-o quase
sempre contraditório, inconsistente, falho na essência de suas constatações.
Sistemático:

 Filosófico: É fruto do raciocínio e da reflexão humana. É o conhecimento
especulativo sobre fenômenos, gerando conceitos subjetivos. Busca dar
sentido aos fenômenos gerais do universo, ultrapassando os limites formais da
ciência.

 Teológico

 Conhecimento revelado pela fé divina ou crença religiosa.

 Não pode, por sua origem, ser confirmado ou negado.

 Depende da formação moral e das crenças de cada indivíduo.

 Científico

 Vai além do conhecimento empírico.

 Permite ir além do fenômeno e compreender as causas e leis que o regem.

 É o tipo de conhecimento que busca explicar de forma sistematizada e
racional, portanto lógica.







1.2 Opinião e Ciência


“E assim, pois, quando as opiniões certas são amarradas, transformam-se em
conhecimento, em ciência, permanecem estáveis. Por esse motivo é que dizemos ter
a ciência mais valor do que a opinião certa: a ciência se distingue da opinião certa
por seu encadeamento racional”.
(PLATÃO apud CARVALHO, 1989)





1.3 A origem da ciência

 Na Idade Média (Séc. V a XV), a ciência sofreu vários impedimentos por parte
da Igreja Católica que impunha sua autoridade, influindo em toda sociedade.

 Qualquer tentativa de contrariar suas doutrinas era perseguida e discriminada.

 Com o surgimento da Renascença (séc. XV a XVI), verifica-se a mudança de
atitude do homem em relação à ciência, que começa a deixar o ascetismo*,
características da Idade Média, passando a reconhecer a importância do
homem e a sua relação com o mundo natural.

 Neste contexto, surgem as grandes navegações e é criada a imprensa, que
veio servir para divulgar as novas descobertas e difundir o pensamento
renascentista, desafiando os domínios da Igreja e possibilitando assim a ruptura
entre a ciência e a religião

* É refreamento dos prazeres mundanos


 O século XIX se caracterizou por grande desenvolvimento de todos os ramos
da ciência e o surgimento das sociedades científicas especializadas.

 A ciência também passou a ter um aspecto mais público, conforme as
conferências e livros científicos foram se tornando mais populares, mostrando
às pessoas a importância da ciência na vida diária.

 A partir do século XX, as descobertas científicas se aceleram e um número
maior de cientistas passa a trabalhar pelo desenvolvimento da tecnologia,
facilitando novas descobertas para a ciência.

 Novos métodos científicos estão sendo aprimorados, numa constante busca de
novas teorias do conhecimento.


1.4 Em direção à Ciência.
 As teorias não se aplicam a quaisquer coisas, mas a campos específicos.

 Exemplo: o conceito de “gene” na teoria genética moderna, se aplica a um
conjunto específico de fenômenos, os da reprodução, mas não serve para
explicar, como na teoria racista de senso comum, a pretensa transmissão de
características culturais e morais.


Fonte: CARVALHO (1989)