1

Í ndice do Conteúdo
Prefácio do Autor 3
Prefácio do Livro 7
1- Capítulo 1 - Royal R. Rife 10
2- Capítulo 2 - Porque uma revolução agora? 13
3- Capítulo 3 - Supressões ultrajantes 16
4- Capítulo 4 - A força da mídia e a Ciência Parcial 25
5- Capítulo 5 - Mais Mídia e Maleficência 35
6- Capítulo 6 - A boa Ciência 47
7- Investigando o Mistério 60
8- Uma Esfera de Liberdade 69
Apêndices
A. A Súmula do Promotor Americano 82
na Primeira Audiência de Nuremberg
B. A guerra da AMA contra a Terapia da Luz 86
C. Uma perspectiva científica moderna sobre Rife 89
D. HANSI – Um Tratamento Homeopático 93
E. Unguentos para o Câncer 97
F. Quimio-patologia 99
G. A Medicina das Drogas - Causa Líder de Morte 101
H. Rife Chega ao Cenário Nacional 104
I. O Fenômeno Rife em 1997 110
J . Nanobactéria 115
K. O Raio de Rife 123
L. A Insensatez Tóxica do Câncer de Mama 128
M. A Máquina defeituosa 135
N. Tamoxifen 146
O. A Lei do Câncer na Califórnia 154
Q. Brilhante com a Luz 170
R. Quando a mídia foi honesta 176
S. O Atual Mundo do Câncer de San Diego 184
T. E Eles Chamam Isto de Ciência 188
U. Mundos Espantosos 192
V. A tirania da Quimioterapia 202
Últimas Palavras 210
Notas Referenciais 214
2
Prefácio do Autor
Este é um livro muito sério. Há acusações e há fatos aqui documentados que os leitores
responsáveis não apenas lerão, darão de ombros e dirão “isso é interessante”; ou negarão porque
não gostam do que é colocado diante dos seus olhos e agora é uma parte das suas consciências. A
palavra-chave é “responsável.” Obviamente, uma vasta maioria fará alguma ou todas as outras
opções. Eu não escrevo para esta vasta maioria. Escrevo para aqueles que não têm está espécie de
sofrimento em massa e a morte como algo a ser desculpado, ignorado, negado ou, no mínimo,
descartado com alguma desculpa ou argumento superficial.
Há evidência – factual e documentada – que clara, cuidadosamente clama por atenção e profunda
consideração dos homens e mulheres sérias e responsáveis que têm posições importantes nos
setores público e privado.
Você, o leitor deste livro, está para iniciar uma jornada. Não será uma viagem prazerosa. Você não
é obrigado a ler este livro. Mas, se o fizer, saiba que você estará lidando com dilemas reais,
corrupções muito reais, erros terríveis cometidos por um sistema perigoso para a saúde pública
americana e de fato, para toda a comunidade global – da qual a comunidade americana é ambas,
uma parte e uma líder.
Ações maldosas, homens e mulheres maus, grupos profissionais tirânicos e servidores de seus
próprios interesses comerciais, que obtêm lucros às custas de mortes, não podem ser ignorados ou
terem a permissão para continuar a sua exploração indefinidamente. Sempre chega o dia de ser
prestar contas, julgamento e reconhecimento, seguidos de mudanças permanentes. A maneira como
a medicina e a ciência é praticada mudará. Os oficiais de saúde do governo um dia colocarão o
interesse público em primeiro lugar. E eles terão de responder por ambas, seus atos e omissões
passadas. Tudo isto está a caminho. Os atos e os crimes relatados neste livro cessarão. Isto é
garantido. Mais cedo ou mais tarde, vocês tendo lido, ou não lido, este livro e aprendido com ele, a
maldade cessará.
A sua jornada começará na próxima página.
As citações deste livro foram editadas por motivo de clareza.
3
A conspiração do Câncer
4
O microscópio universal de Royal Raymond Rife
Prefácio
Várias curas para o câncer e outras doenças têm sido ignoradas ou suprimidas pelos interesses
médicos. Isto ocorreu durante todo o século XX e tem sido particularmente danoso e abusivo para
com os paciente, cientista não convencionais e médicos alternativos durante a década de 90.
Historiadores do futuro sem dúvida descreverão com detalhadamente como a elite médica e
científica da América, como também seus parceiros em outros países, conspiraram para manter um
monopólio, apesar do terrível nível de genocídio da tortura e morte para tantas vítimas inocentes
que confiaram em seus doutores.
Mesmo tendo o movimento de saúde alternativa crescido enormemente nos anos 90 do século
passado e a documentação provando décadas de malevolência médica se tornando disponível para
mais cidadãos por meio de várias revoluções nas comunicações, aqueles que dirigem e
monopolizam os cursos da medicina denunciaram e lutaram furiosamente contra o que a evidência
provou claramente. A realidade de uma rede burocrática governamental, médica e científica,
conivente e ativamente supressora da revelação da ciência da cura, as artes da cura e das terapias
baratas, simples de usar, foi um fato estabelecido. Aqueles com os poderes dos monopólios médicos
se recusaram a reconhecer os princípios científicos básicos, o juramento médico de Hipócrates, e
as obrigações dos oficiais do governo para prestar contas.
5
Esta traição e quebra das regras do direitos básicos das pessoas de terem informações honestas
sobre a saúde e acesso às terapias alternativas de qualidade constitui um crime histórico de
proporções monumentais e maldade política que têm de ser corrigida para que a civilização
avance.
A construção de uma massa crítica para uma explosiva confrontação se assemelha a outros pontos
marcantes de mudanças na civilização ocidental, tais como, o estabelecimento dos direitos dos
cidadãos, o fim da escravatura, o fim do absolutismo religioso, o direito das mulheres ao voto, o
nascimento das regras científicas, e o debate público e aberto das grandes questões ou
regulamentações nacionais.
Se você, leitor, se importa com a sua saúde e o progresso da civilização, este livro tem ambas, uma
mensagem pessoal e uma mensagem social para você. Uma simples e dura mensagem: Esta ciente
de que suas vidas e as vidas de seus amados estão neste momento ameaçadas por uma invisível
tirania médica tão perigosa e maldosa quanto aquelas representadas por Hitler e Stalin em outros
tempos.
Uma batalha furiosa tem sido travada por décadas e continua a ser travada na arena das práticas
de saúde ortodoxas e alternativas. A maioria dessas batalhas têm ocorrido nos bastidores porque
um pequeno grupo de cientistas, grupos de médicos altamente políticos, altos oficiais da saúde do
governo e interesses comerciais do setor privado têm conspirado ativamente para manter um
sistema tirânico e corrupto. Eles têm protegido suas próprias carreiras financeiramente lucrativas
às custas do povo. Eles debocham, denunciam e, usando suas poderosas organizações de relações
públicas, atacam uma variedade de novos instrumentos científicos e terapias curativas. Eles
seguem uma cartilha de auto beneficiamento. É possível – inocentemente – pressupor que eles são
meramente ignorantes das novas realidades. Os fatos documentados, juntados por muitos anos,
mostram claramente esforços conscientes dos interesses próprios médicos e científicos para
destruir ou suprimir as descobertas de curativas e científicas válidas que podem interromper ou
substituir as ortodoxias existentes.
Quando as forças da civilização progressiva vencem – com vencerão –a próxima fase da evolução
humana começará. Até que esta revolução aconteça, uma terrível carga de sofrimento e vidas
humanas continuará.
Quando este escândalo da ciência médica finalmente chegar ao conhecimento coletivo e todos os
jogos, todas as políticas e, pelo menos, alguns atos sujos dos burocratas da saúde do governo, as
associações médicas e outras partes “interessadas” forem reveladas, é provável que uma
revolução e uma fúria exploda do povo americano em geral e das pessoas de todo o mundo.
6
Capítulo 1
Royal R. Rife
Na primavera de 1987 um pequeno livro de 167 páginas, de minha autoria, chegou ao mundo
quieta e imperceptivelmente através de uma pequena editora do Canadá. The Cancer Cure That
Worked: The Rife Report (A Cura do Câncer Que Funcionou: O Relatório de Rife) contou a estória
de Royal R. Rife, um cientista de San Diego, Califórnia, cujo laboratório, descobertas e invenções
provocaram conversas calorosas entre muitos cientistas e doutores proeminentes na década de
1930.
Rife inventou um microscópio super-ótico que possibilitou a ele ver micróbios vivos do tamanho
dos vírus. Esta invenção esfacelou todas as leis e princípios conhecidos da física e do microscópio.
Hoje, ao final do século XX e começo do século XXI, os cientistas ortodoxos e experts em
microscópios não podem igualar às conquistas de Rife de 70 anos atrás.
O microscópio de elétrons obtém grande ampliação e resolução, mas os elétrons que bombardeiam
os pequeninos micróbios causadores de doenças os matam e os microscópios de luz padrão têm que
utilizar corantes químicos. O problema de observar micróbios mortos permanece. E mais, os
microscópios óticos padrão, governados por rígidas leis limitantes da física, obtêm resolução e
ampliação extremamente baixas. Portanto o significado da invenção de Rife foi monumental. O
microscópio ótico de Rife sem dúvida alcançou inacreditáveis regiões de ampliação e resolução.
O microscópio ótico de Rife possibilitou que ele e outros cientistas e doutores que estavam ao seu
lado, verem os micróbios vivos do tamanho do vírus. Isto possibilitou a eles usarem várias
frequências eletrônicas específicas para destruir ou desvitalizar, sem riscos ou dores, a causa de
muitas doenças humanas. Uma abordagem revolucionária para a cura surgiu então no laboratório
de Rife em San Diego, Califórnia, durante a década de 1930. Suas invenções poderiam ter mudado
a direção de toda a ciência do século XX.
Infelizmente, havia interesses médicos e científicos que não queriam que a grande descoberta de
Rife se tornasse de público conhecimento e se desenvolvesse dentro do curso dos procedimentos e
terapias médicas. Ela era simples e barata demais. Os interesses médicos e a poderosa ortodoxia
científica estavam ameaçadas. Corrupção mediante pagamento, combinada com oposição e
censura ativa resultaram na supressão de Rife e seu trabalho. Um grande muro foi erguido em
volta de Rife e todos os seus históricos avanços. Ele se tornou “invisível” exatamente como muitas
figuras políticas na velha União Soviética durante a sua tirania – exceto, por ter acontecido nos
Estados Unidos da América.
Royal Raymond Rife morreu em 1971, um homem esquecido e pobre.
Ainda, ele tinha deixado um grande legado, possivelmente tão maravilhoso e duradouro quanto
aqueles dados à humanidade por Galileu, Martin Luther King e outros gigantes que foram
atacados em seus tempos, mas mais tarde foram reconhecidos como gênios e heróis de uma espécie
muito rara e especial. O trabalho e as descobertas de Rife não morreram com ele. Agora Rife “fala
aos séculos.” A revolução que ele ajudou a fazer na década de 1930 floresce ao final do século XX
e ao nascer do século XXI.
Muitas pessoas que sofrem de câncer, herpes, tuberculose e outras doenças estão agora sendo
curadas usando as terapias de Rife. Muitas das terapias ocorrem em segredo entre as pessoas.
Algumas pessoas estão explorando o legado de Rife e oferecendo aparelhos duvidosos que não têm
nenhum efeito benéfico para as pessoas doentes e desesperadas. Por outro lado, vários
engenheiros, cientistas e médicos e praticantes da medicina alternativa dedicados estão oferecendo
instrumentos de Rife de qualidade, aparelhos e abordagens inspirados em Rife (mas diferentes), ou
7
procedimentos fundamentais de Rife integrados a um programa complementar maior, para
restaurar a saúde de pacientes ou, no mínimo, impedir o processo degenerativo da doença.
Outros têm ido ainda muito adiante de Rife. Resultados incríveis estão sendo obtidos
silenciosamente em alguns lugares, apesar da supressão organizada ativa dos interesses
comerciais e científicos ortodoxos, e forças médicas e governamentais.
Em outras palavras, uma grande batalha e uma grande revolução tem estado em marcha desde
1987, quando o livro de Rife foi publicado pela primeira vez. Um esforço enorme da medicina
ortodoxa e das forças científicas, auxiliadas pelos burocratas governamentais e interesses privados
misteriosos, continuam a suprimir o que poderia beneficiar claramente milhões de pessoas por
todo o mundo.
Capítulo 2
Porque uma Revolução Agora?
Este é um livro sobre política americana e atos sujos na esfera isolada da medicina americana na
ciência médica. Ainda, pessoas em muitas nações podem se beneficiar por saber as verdades
horríveis ditas aqui. Este livro é sobre a supressão de curas para doenças e também curas para
vários vícios (incluindo drogas). As supressões ocorreram de maneira que alguns poderosos
interesses pudessem continuar a ter lucros no status quo (estado vigente) existentes. Este livro é
sobre corrupção no alto escalão. Este livro é sobre uma imprensa medrosa, tímida cuidando de
seus próprios interesses ao invés de servir ao interesse público. Isto significa que este livro acusa
editores altamente bem pagos e jornalistas de evitarem estórias duras, mesmo embora milhões de
vidas poderiam ter sido salvas e terríveis sofrimentos evitados, se aqueles no controlo direto da
imprensa internacional, nacional e local tivessem se atrevido a quebrar o muro do silêncio
concernente aos crimes médicos.
Este é um livro que pede um mínimo de consideração para com interesse público seja reconhecida
nestes incrédulos tempos comerciais. O interesse público tido e definido aqui como real, carne e
sangue de seres humanos passando por agonias indescritíveis. Porque isto está acontecendo?
Porque algumas pessoas que têm a obrigação de relatar a verdade sobre a consciente maleficência
médica organizada escolheram, ao invés de proteger suas carreiras jornalísticas, praticar políticas
corporativas seguras e servir de obedientes relações públicas dos interesses médicos.
Principalmente, este livro é sobre a má ciência médica – desonesta, política e cheia de
desinformação – despejando seus erros, suas negociatas corruptas e sua monumental ignorância
sobre um público inocente e, profundamente, nas cabeças dos estudantes que se tornarão os
doutores e cientistas de amanhã.
8
Então, enquanto o século XX finda e um nove século inicia, uma revolução nasce da repugnância
contra o perverso modelo de comportamento médico e científico. Este movimento nas raízes do
povo desafia o mundo médico-científico ortodoxo existente, tão completamente quanto Galileu
quebrou a visão cômoda e errada de mundo do seu tempo no início do século XVII, ou quanto
Martin Luther fez ao denunciar as corrupções de uma igreja católica romana monopolista
envolvida em abuso de poder e corrupções por dinheiro no século XVI.
Por muitos anos – de fato, décadas – as pessoas nos Estados Unidos da América ouvido uma série
de mentiras, meias verdades e desinformações evasivas sobre o câncer. Em combinação com má
ciência, estado de coisas, encontros às escondidas, políticas médicas sabidamente de interesse de
determinados grupos para proteger suas carreiras, e a supressão de curas para o câncer que
funcionaram, mas foram tornadas ilegais, isto resultou em sofrimento monstruoso e morte para
milhões de pessoas. Uma tragédia e um crime de importância histórica monumental que aparece
para toda a humanidade agora. Exatamente como durante os meados do século IXX, a questão da
escravatura apareceu subitamente na América, Rússia e outros lugares e não pode mais ser
ignorada, da mesma forma que a tirania médica, especialmente no tratamento do câncer, agora
vem à tona inteiramente para as pessoas vivas agora, para enfrentar e findar.
No coração desta questão, tragicamente, está a má ciência. Este talvez seja o aspecto mais triste.
Como este livro descreverá em uma linguagem muito clara, o definhamento das mentiras da
ciência ortodoxa e a força da ciência ortodoxa, os modelos e princípios da ciência têm sido
pervertidos para manter uma velha guarda no poder e manter suas ilusões científicas. O abuso nos
procedimentos científicos pelas redes politizadas, controle rígido de recursos financeiros,
obstáculos burocráticos feitos para obstruir ou evitar a ciência inovadora e evitar que as curas
estejam ao alcance dos pacientes, e muitas outras práticas maldosas rudes ou sofisticadas pelos
cientistas, doutores e funcionários governamentais da saúde têm sido empregadas. Qual foi o
resultado? Outra vez, uma terrível tragédia foi repetida milhões e milhões de vezes em incontáveis
lares por famílias que eram absolutamente ignorantes de como alguns poucos homens e mulheres
poderosos, pertencentes à classe médico-científica destruíram tantas vidas inocentes. Não é um
quadro bonito, mas ele será todo mostrado a você para ser examinado e avaliado. Futuros
reformadores e historiadores terão grandes quantidades de evidências documentadas para
submeter ao julgamento do tempo.
É por isto que este é um momento revolucionário, que marca o início do fim de uma tirania médica
monstruosa e invisível. A próxima década testemunhará um grande número de revelações da
medicina da energia relacionadas ou inspiradas em Rife, descobertas e invenções.
Simultaneamente, as políticas médicas más de décadas serão expostas largamente para as futuras
gerações. Tomara, novas proteções constitucionais sejam colocadas no lugar para o cidadão para
que a maldade médica, com a que tem existido, nunca mais seja permitida.
Capítulo 3
Supressões Ultrajantes
Os grandes crimes médicos nunca foram admitidos ou reconhecidos e têm sempre ocorrido
repetidamente. Alguns desses crimes serão resumidos brevemente neste capítulo mas, enfatizamos
mais uma vez, por culpa dos oficiais médicos, década após década, têm enterrado ou encoberto os
crimes mais sérios. O cidadão médio e os oficiais eleitos que representam o povo não têm dado
9
passos – decretado leis e procedimentos – que preveniriam ou, no mínimo, ofereceriam proteções
contra crimes similares sendo perpetrados no futuro. Esconder estes terríveis maus atos sob o
tapete permite que o mesmo tipo de política médica aconteça repetidas vezes. A falha fundamental
têm de ser reconhecida para que um antídoto duradouro e permanente contra o problema atual
seja criado.
Vamos rever juntos os relatos das atrocidades que nunca foram reconhecidas abertamente para o
cidadão comum. Este é o propósito de insistir que os milionários da medicina possuem o quê eles,
ou os seus predecessores, fizeram, tendo como resultado (A) a perversão dos princípios básicos que
deveriam governar a medicina e a ciência; (B) uma usurpação tirânica dos direitos políticos e
proteções que são amparadas e legitimadas e esperadas constitucionalmente para o cidadão
médio; (C) sofrimento e morte para milhões de pessoas.
Ao rever algumas dos atos mais descarados e flagrantes contra o povo americano, vamos começar
com a AMA (American Medical Association- Associação Médica Americana).
Morris Fishbein reinou como um ditador médico da América nos anos 30 e 40. Elevado à sua
posição de chefe da AMA em 1924, quando seu predecessor foi julgado culpado no tribunal por
atos criminosos contra sua esposa, Fishbein aos poucos consolidou o seu poder durante a segunda
metade da década de 1930. No início dos anos 30 entretanto ele iniciou um reinado de 20 anos de
tirania e supressão das curas alternativas que reverbera até hoje nos tempos modernos. De muitas
maneiras as regras e práticas atuais da AMA continuam em uma direção estabelecida por
Fishbein.
Fishbein apareceu na capa da revista TIME, desafiou (e derrotou) o Presidente dos Estados
Unidos Franklin Roosevelt em questões de saúde nacional, e aberta e veementemente, atacou as
curas por terapias eletrônicas pela única razão de que elas ameaçavam as carteiras e as contas
bancárias dos doutores da AMA.
Fishbein admitiu que a saúde pública estava condenada. Seu trabalho era proteger os interesses
financeiros dos doutores da AMA:
“Como o médico, que sabe pouco ou nada dos fundamentos da Física da Eletricidade e, de fato,
quem sabe pouco ou absolutamente nada de Física ... pode ter qualquer conhecimento real destas
modalidades?”
“A introdução de forças desconhecidas no tratamento das doenças significa que os médicos não
treinados nas ciências básicas, das quais depende uma compreensão destas forças, têm de iniciar
um novo período de infância e educação, ou ceder seus pacientes e o sua fonte de renda para
aqueles melhor informados.” (1)
“Ou ceder seus pacientes Fishbein veemente e abertamente admitiu os motivos para todos os atos
repreensivos que ele e sua AMA cometeram contra as formas alternativas de cura e o povo
americano – ganância e poder.
A AMA de Fishbein era um grande comissionado pela venda de drogas, promoção de produtos
perigosos em que ele tinha interesses financeiros e por atos políticos por detrás do pano para
destruir qualquer um que o desafiasse.
Harry Hoxsey e William Koch foram dois dos mais conhecidos indivíduos com respeito às terapias
do câncer que foram brutalmente destruídos pelas alucinações e desejo de poder de Fishbein.
Hoxsey tinha se recusado a vender um eficiente tratamento herbal contra o câncer para Fishbein e
seus camaradas da AMA. Koch, similarmente, desafiou o absolutismo de Fishbein. Eles (e o povo
americano) logo pagaram o preço por assim procederem. O custo para os pacientes de câncer nas
décadas que se seguiram, obviamente, foi a tortura e a morte porque estes enfoques singulares
para o tratamento do câncer foram esmagadas pela megalomania de Fishbein.
Uma série de ações nos tribunais, atos criminosos agressivos e violentos, tentativa de assassinato
foram empregados para evitar que a cura do câncer pelo Dr. Koch chegasse ao conhecimento da
América. Os doutores que usaram a droga com sucesso para curar o câncer perderam seus
privilégios nos hospitais. Alguns doutores que davam suporte ao Dr. Koch perderam suas vidas sob
circunstâncias misteriosas.
10
“(Houve) uma morte por envenenamento e uma atropelamento por carro, ambas as vítimas
defensoras do tratamento de Koch. Foram abertas correspondências e o Dr. Koch foi alvo de 13
atentados mal sucedidos contra a sua vida” (2)
Royal Raymond Rife, o quieto gênio trabalhando em seu laboratório em San Diego com a sua
grande invenção, o seu microscópio, sua cura eletrônica, sua bem sucedida clínica de câncer e
suas brilhantes descobertas científicas relacionadas à bactéria anã ou micróbios do tamanho de
um vírus associados com o câncer e outras doenças, foi outra vítima de Fishbein e os membros da
AMA. Quando a Sociedade Médica local de San Diego atacou Rife e os doutores que estavam
usando os incríveis instrumentos eletrônicos futurísticos de Rife, o clima criado por Fishbein e os
membros da AMA foi certamente um fator. A vidência circunstancial sugere que o papel de
Fishbein foi provavelmente, muito mais por mãos-à-obra na direção da supressão de Rife, mas –
para ser cuidadoso pela distância no tempo – vamos meramente notar que Fishbein estava ativa e
conscientemente envolvido na destruição da “ameaça” representada pela cura eletrônica. Isto está
absolutamente certo e documentado. Fishbein escreveu e falou sobre o seu objetivo e intenção
aberta e frequentemente. E, Fishbein e a AMA tiveram sucesso em sua terrível traição ao povo
americano e à fé pública.
A associação de cura eletrônica que se opôs à AMA nos anos 30 era uma associação com milhares
de membros, muitos dos quais eram doutores médicos. Ela foi desmantelada por Fishbein e uma
campanha criminosa e ilegal da AMA. Eles escaparam não apenas do crime comercial, mas do
assassinato em massa. Na década de 1950, a associação de cura eletrônica não mais existia. Foi o
legado de terror de Fishbein. Como disse o notável autor C. S. Lewis observou uma vez:
“Os maior maldade é feita em escritórios limpos, carpetados, aquecidos e bem iluminados por
homens calmos e de colarinhos brancos.”
A AMA foi, e em certo grau, é ainda hoje um sindicato organizado que secretamente, e não tão
secretamente, espiona e destrói todos os rivais do seu monopólio, usando a fixação de preços,
corrupção por dinheiro, censura da imprensa e relações públicas esmagadora para eclipsar várias
terapias alternativas, para não mencionar o lado criminal negro – laboratórios misteriosamente
incendiados, doutores que defenderam as alternativas atacados por crimes agressivos e violentos, e
assim por diante. O povo americano nunca soube como a sua saúde pessoal foi adversamente
afetada pelas decisões e regulamentos da AMA em “escritórios limpos, carpetados, aquecidos e
bem iluminados por homens calmos e de colarinhos brancos.”
Nos anos 1950, após Fishbein deixar a AMA, sua cultura continuou a produzir maldades através
dos seus maus atos e ultrajes. Uma admiravelmente eficiente terapia chamada Krebiozen apareceu.
Defendida pelo Dr. Andrew Ivy, vice-presidente da Universidade de Chicago, certamente um mais
renomados pesquisadores do câncer de seu tempo, Krebiozen foi usada por muito tempo por
milhares de doutores em milhares de pacientes de câncer. Os resultados foram notáveis.
Infelizmente, esses resultados não tiveram muita relevância porque o tesoureiro da AMA, J. J.
Moore, decidiu arbitrariamente que dois dos seus parceiros comerciais (com quase certamente com
uma fatia para ele mesmo) deveriam ter a propriedade desta importante terapia. Moore esbravejou
para várias pessoas que se ele não conseguisse a propriedade, ele destruiria o Krebiozen, não
importando o quanto eficiente ele fosse. O Dr. Ivy e os homens que descobriram o Krebiozen se
recusaram a vendê-lo para o tesoureiro chefe da AMA, e então a AMA se vingou. Com alcance aos
mais altos níveis da burocracia da saúde do governo dos Estados Unidos (The National Cancer
Institute e the Food and a FDA - Drugs Administration/ Instituto Nacional do Câncer e a
Administração de Alimentos e Drogas) J. J. Moore destruiu o Krebiozen, meramente porque ele
não pode obter a sua propriedade. Testemunhas testemunharam sob juramento, antes da legislação
do estado de Illinois com respeito às afirmações e ameaças do tesoureiro da AMA. Não fez
diferença. As forças poderosas tinham feito arranjos para que o inquérito legislativo fosse limitado.
Portanto, apesar das acusações, o tesoureiro J. J. Moore da AMA nunca teve, ele mesmo, de depor
11
sob juramento. Foi uma clara ocultação política do tesoureiro da AMA pego em um velho esquema
de queda-de-braço e distorção da AMA. O resultado era previsível. A AMA escapou da condenação
por assassinato – assassinato em massa. O Krebiozen foi completamente suprimido.
O senador americano pelo estado de Illinois, Paul Douglas, comentou mais tarde que era
lamentável que os americanos não pudessem mais confiar no NCI ou na FDA. Foi um dizer
profético. O tempo demonstraria exatamente o quão corruptas e tirânicas ambas, as agências
governamentais (o NCI e a FDA) se tornariam.
Por causa do papel da AMA ao suprimir o Krebiozen, o senador Douglas afirmou em um
documentário de David Wolper para TV, nos anos 60:
“Os médicos políticos não gostam de inovações. Há muitos outras circunstâncias neste caso
Krebiozen que podem implicar a AMA em si” (3)
Em 1953, o Relatório do Senado dos Estados Unidos concluiu:
“Há razões para crer que a AMA tem sido precipitada, caprichosa, arbitrária e claramente
desonesta. O Krebiozen é um dos mais promissores materiais até agora isolado para o controle do
câncer. Tenho lido os registros de 530 casos feitos por imparciais experts e clínicos. Conclui que
diante do valor da presente pesquisa do câncer, esta substância e a teoria na qual se baseia,
merece o mais completo estudo científico. Por trás e sobre tudo isto está a mais estranha
conglomeração de motivos corruptos, intrigas, egoísmo, ciúme, obstrução e conspiração que vi em
toda a minha vida. Fundos públicos e privados têm sido jogado como confete às custas do país
para fechar e destruir clínicas, hospitais e laboratórios de pesquisa científica que não estejam em
conformidade com o ponto de vista das associações médicas. Nós temos a obrigação moral diante
de incalculáveis milhões de pessoas que sofrem de câncer por todo o mundo para conduzir esta
investigação. Não podemos fazer de outra maneira” (4)
O Relatório do Senado dos Estados Unidos não fez nenhuma diferença. Krebiozen foi totalmente
suprimido. A AMA não foi investigada. Ela continuou no seu curso de corrupção estabelecido por
Fishbein. Mas então um corajoso quiroprático, assistido por um corajoso advogado, enfrentou a
AMA. Ele talvez tenha iniciado algo que culminará, no tempo, com o fim dos atos perversos da
AMA.
A quiroprática (quiropratixia) foi inventada em 1895 e foi usada por 20 milhões de americanos nos
últimos anos da década de 1990. Existem atualmente aproximadamente 55 milhões de
quiropráticos nos Estados Unidos. (5)
Chester A. Wilk, o quiroprático, iniciou seu processo contra a AMA em 2 de outubro de 1976. Seu
advogado foi George McAndrews, assistido por Paul Slater e outros. Todos eles merecem a
gratidão dos americanos, agora vivos e outros incontáveis povos pertencentes às futuras gerações
que ainda não nasceram.
No decorrer de um luta de 13 anos e 4 meses que terminou em 7 de fevereiro de 1990 com a
condenação federal da AMA, Chester A. Wilk e seus advogados descobriram que H. Doyl Taylor,
diretor do Departamento de Investigações da AMA, foi o indivíduo que dirigiu uma conspiração
nacional contra a quiroprática. O objetivo alegado, introduzido nos registros do tribunal em forma
de um documento da AMA, foi “a completa exterminação da quiroprática.” Exatamente como a
AMA tinha feito nos tempos de Fishbein para destruir curas para o câncer legítimas, eficazes e
baseada em fatos científicos.
Quando chegou o momento de convocar H. Doyl Taylor da AMA como testemunha na audiência,
sob juramento, o quê aconteceu? Ele fugiu para evitar depor, exatamente como J. J. Moore havia
feito para evitar testemunhar sob juramento nas audiências legislativas sobre o Krebiozen.
Chester A. Wilk, o corajoso quiroprático, perguntou mais tarde, “Que espécie de pessoa devotaria
sua vida a tamanha desonestidade?” (6)
12
Finalmente, através de um longo processo de apelações, H. Doyl Taylor da AMA foi obrigado a
depor em vídeo-tape de um estado distante para o qual ele havia mudado para evitar falar sobre os
fatos incriminatórios com respeito à conspiração da AMA.
Também, criticamente em segunda audiência, um documento da AMA, de um membro do quadro
diretivo da AMA para o advogado chefe da AMA, revelou claramente que as descobertas de mais
de 40 anos tinham mostrado que a quiroprática era eficiente! A AMA tinha decidido mentir para o
povo americano, ao invés de cooperar para o fim da dor e do sofrimento de milhões e milhões de
pessoas que nela confiaram. O continuado legado de Fishbein.
O tribunal de Apelação dos Estados Unido, septuagésima divisão, decidiu em 7 de fevereiro de
1990 sobre o caso da grande conspiração da AMA. Essa sentença foi como uma grande luz que
incentivou muitas e muitos outros enfoques de curas alternativas. A corte declarou:
“O alívio aqui não é dado somente aos pleiteantes quiropráticos, mas também em certo sentido a
todos os clientes de serviços de saúde. Assegurar que os médicos e hospitais estão livres para
associarem-se profissionalmente com quiropráticos provavelmente eliminará tão anti-competitivos
efeitos do boicote quanto a interferência com a livre escolha dos clientes ao escolher um produto
(provedor de serviços de saúde) de sua preferência. Desta maneira, a competição é servida” (7)
As palavras precisas de Chester A. Wilk explicam a grande importância da sua vitória sobre o
monstro AMA:
“Com mais de 57.000 membros em todo o mundo, a quiroprática é a maior profissão de saúde sem
o uso de drogas do mundo.”
“Por décadas, despercebida e sem controle, a medicina ortodoxa estabelecida tem limitado nosso
direito de escolher entre as várias abordagens de cuidar da saúde. Nós temos sido programados
para pensar em saúde como que consistindo de drogas e cirurgia.” (8)
Durante uma entrevista de rádio em 1997, Chester A. Wilk declarou:
“Se alguma vez existiu uma organização que mereça uma investigação do congresso por
desonestidade e fraude, em minha opinião, esta é a AMA – Associação Médica Americana.” (9)
Foi também relatado que:
“Durante a maior parte deste século a AMA considerou anti-ético para os médicos recomendar a
quiroprática aos seus pacientes, ou o ‘culto do não-científico’. Agora, os pesquisadores médicos
estão admitindo que os quiropráticos podem oferecer alívio para as dores lombares.” U.S. News &
World Report, (de 11 de outubro de 1990), página. 68).
Capítulo 4
A força da mídia e a Ciência Parcial
13
Dinheiro, pode e uma ampla rede de relações públicas sufocando as vozes médicas concorrentes –
este é o massacrante mundo da AMA.” A mídia local, nacional e internacional, muitas vezes se
rendem ao seu tamanho sem qualquer consideração sobre o efeito sobre a saúde pública. Esta
realidade é o porque o povo americano, muitas vezes, não tem conhecimento dos crimes da AMA e
como aqueles crimes continuam a trazer tortura e morte para tantos.
“O escritório de imprensa da AMA – American Medical Association – distribuiu 2.500
comunicados por todo o mundo com pacotes de matérias, e-mails, faxes e material para
distribuidores, filmes atrativos prontos para exibição. O JAMA – (Journal of the American Medical
Association) licencia 15 edições internacionais circula para 750.000 leitores em 150 países. O
‘JAMA REPORT’ um release de notícias em vídeo de 2 minutos e meio acessível via satélite para
todas as redes de televisões e estações locais no interior, alcança uma média de 25 milhões e cerca
de 100 milhões de telespectadores vêem pelo menos parte dele toda semana.” (10)
É tudo negócio, evidentemente, disfarçado de ciência e medicina, e desde que a AMA depende –
como tem sido por décadas – dos anúncios das fabricantes de drogas, qualquer coisas relacionada
a terapias naturais é, bem, contida em caixas mentais rígidas e muitas vezes questionáveis estudos
científicos. Dois repórteres do ‘Chicago Sun Times’, que está localizado a apenas dois quarteirões
da sede da AMA, descreveu a parceria entre as fabricantes de drogas/AMA em dólares:
“A AMA já é dependente dos anúncios das empresas farmacêuticas, que geram cerca de 20% da
sua receita operacional, perdendo apenas para os pagamentos dos membros, como fonte de fundos
da AMA.” (11)
Isto tudo simplesmente significa que o sistema americano médico e científico é corrupto. Bilhões de
dólares em fundos de pesquisa e remédios aprovados – excluindo, obviamente, terapias alternativas
e instrumentos avançados de energia capazes de curas quase milagrosas – são oferecidos ao
público que tem sofrido lavagem cerebral por décadas. Mesmo quando as terapias alternativas são
avaliadas, que as avalia? Pessoas treinadas na medicina ortodoxa cujos avanços na carreira e
mesmo o salário da próxima semana requer que eles não saiam muito da linha, são estes.
Para dizer isto outra vez, de maneira um pouco diferente, de maneira que o leitor compreenda a
questão quando ele ou ela lê no jornal ou vê na televisão os últimos estudos científicos: Podem os
pesquisadores praticarem pesquisas científicas de qualidade mesmo que se atrevam? A resposta é:
raramente, em um sistema que vai mal.
Portanto, as informações médicas para o americano médio é insidiosa e efetivamente controlada e
baseada em realidades comerciais. Outra vez, os dólares e a força da mídia contam, não boas,
novas, imediatamente praticáveis verdades científicas. Estas raramente são analisadas, deixadas
aprovar pelos reguladores governamentais ou os quadros médicos estaduais.
Aqui estão mais alguns alertas. Talvez você comece a ver:
“Os políticos da saúde são na maioria insensatos e conversam sobre os direitos dos pacientes é
grandemente falsa. (Isto é) o sistema de saúde americano, a atividade de mais de US$ 1 trilhão de
dólares constitui 14% do orçamento nacional anual.” (12)
“NIH (National Institute of Health/Instituto Nacional de Saúde) (é) o administrador do maior fundo
financeiro do mundo para a pesquisa de saúde: US$15.6 bilhões por ano.” (13)
O orçamento anual proposto para o National Cancer Institute (Instituto Nacional do Câncer), ao
final da década de 1990, foi de US$3.1 bilhões. Isso é a cada ano.
Nem um centavo foi para a medicina alternativa de energia de Royal Raymond Rife que curou o
câncer 65 anos antes e nunca recebeu, em todo esse tempo, a menor curiosidade dos pesquisadores
ortodoxos e burocratas da saúde do governo.
Enquanto isto, nos últimos dias de 1998, a América bombardeou o Iraque.
14
“Um quarto (1/4) de bilhão de dólares foi gasto na primeira noite de bombardeio”
Também, considere isto. O orçamento federal aprovado em outubro de 1998 incluiu as seguintes
belezas, enquanto os pacientes de câncer gritavam em agonia e morriam aos milhares por causa de
um sistema médico-científico corrupto:
1) Item: $100 milhões para uma estrada de 52 milhas em Arkansas.
2) Item: $2,5 milhões para Escritório de Cosméticos e Cores dos USA.
3) Item: $250.000 para um estudo sobre uma goma de mascar cafeinada.
4) Item: $250.000 para um pesquisador de alfaces.
Na década de 1990 a maioria do mundo médico ortodoxo estava perdidamente corrompido pelas
associações comerciais. Isso significa que os pesquisadores que obtiveram massivos fundos
governamentais também receberam dinheiro e várias “recompensas” das fabricantes de drogas.
Como até o essencialmente fraco Los Angeles Times (com respeito a suas matérias médicas,
especialmente o câncer) relatou:
“Uma contínua e cada vez mais selvagem corrida por fundos de pesquisa, um comercialismo
crescente e uma crescente disposição dos cientistas para evitar verificações e balanços tradicionais
estão pervertendo a qualidade das informações que o público recebe sobre os avanços da ciência e
da medicina. Gradualmente, mesmo os jornais mais respeitáveis são dirigidos mais por forças de
mercado do que por forças científicas.” (15)
O resultado final desta má ciência, restrita aos canais ortodoxos, é a limitação de opções para o
paciente de câncer. Um amplo sistema de hospitais de câncer e um monopólio das terapias de
câncer são controlados por defensores cirurgiões, radiologistas e quimioterapêutas. Ninguém mais
consegue realmente participar da área reservada do câncer. A quem este direito é negado? Os
pacientes de câncer.
Um dos mais importantes doutores do câncer do país admitiu abertamente que ele aplicou
quimioterapia em pacientes de câncer que ele sabia não que não os ajudaria, porque ele queria
evitar que eles tentassem terapias alternativas. Charles G. Moertel, do prestigioso hospital Mayo
Clinic, fez exatamente isso. Moertel está agora morto, mas ele foi poderoso e abominável na
medicina do câncer no final dos anos 90.
A admissão de Moertel nunca deveria ser esquecida por 10.000 americanos que morreriam a cada
semana.
“Após Moertel ter retirado a vitamina C dos seus pacientes estudados (1985), ele aplicou na
maioria deles em uma potente droga quimioterápica que ele sabia através de publicações
científicas ser incapaz de ‘produzir benefícios ou prolongação de vida’. Eu não consegui
compreender porquê Moertel daria drogas tóxicas que ele sabia não ajudaria os pacientes, até que
eu vi a publicação de uma matéria digna de nota.” (16)
A publicação de Moertel dizia:
“Os paciente têm uma grande necessidade de uma base de esperança. Se esta esperança não é
oferecida, eles procurarão por ele rapidamente nas mãos de profissionais não treinados e
charlatães (17)
Então, Moertel decidiu que seria melhor que seus pacientes de câncer morressem com a inútil
quimioterapia de Moertel do que permitir que eles usassem o precioso tempo para investigar e
15
possivelmente experimentar terapias alternativas, que algumas vezes curaram realmente o câncer.
Moertel e a Mayo Clinic tinham ultrapassado a linha ética e a obrigação de médico, em ambas
formas, moralmente e legalmente. Eles estavam brincando de “Ser Deus.”
Mas vamos retornar brevemente ao papel da mídia. Nenhuma informação importante é dada sobre
terapias alternativas para o câncer para manter o corrente pensamento dos americanos. A AMA e
as fabricantes de drogas controlam o quê a maioria dos americanos lêem nos seus principais
jornais e nas redes nacionais de notícias.
Aqui está o ex-cirurgião geral C. Everett Koop bravamente denunciando o tendenciosa cobertura
médica da ABC News:
“ ‘ Você não encontra Peter Jennings citando qualquer outra coisa em seu noticiário,’ Koop diz:
‘É o jornal de medicina New England, o JAMA (Journal of the AMA- Jornal da AMA) ou nada’
(18)
No final da década de 80 e início da década de 90, um quiroprático de Los Angels chamado Gary
L. Glum começou a falar aos americanos sobre 4 ervas que tinham tido sucesso no câncer por
décadas no Canadá. O próprio médico do presidente John Kennedy se envolver eventualmente com
elas e as promoveu entusiasticamente a agora familiar “Essiac” Mas Glum foi a pessoa que
verdadeiramente e corajosamente as introduziu na consciência do povo a saúde natural. Em um
certo momento, ele abordou o produtor executivo da ABC News. Aqui está o quê aconteceu:
“Nós o levamos a Joe Donally, o produtor diretor executivo de noticiários e ele disse: ‘Não’. Ele
continuou a dizer que ele tinha prestações de sua casa a pagar e estava na de olho na sua
aposentadoria. Assim estava a situação. Ninguém queria ver a informação disseminada.” (19)
Dez mil americanos morriam de câncer a cada semana, semana após semana, mês após mês, mas
os doutores, pesquisadores e funcionários da área de saúde do governo, mídia, representantes
eleitos e senadores do Congresso dos Estados Unidos, a maioria deram as costas. É um crime
blasfemante. Compare-o a contínua militar e imagine o quão rápido o status quo seria alterado em
nível de comando com esses tipos de perdas contínuas – durante a noite.
Pense nos generais que enviam seus homens para tomar uma montanha. Ele domina a montanha,
mas perde 10.000 homens. Então a montanha é evacuada uma semana depois. Não é necessário ser
um gênio militar para concluir que um semana mais tarde ou um ano, ou dez anos depois a vitória
para tomar aquela montanha poderá ser vista como um derrota completa. 10.000 homens perdidos
para o quê, mais tarde, pode ser determinado como um pedaço de terra sem valor real.
Um general que tenha feito aquilo várias vezes seria logo absolvido da responsabilidade. –
permanentemente.
Da mesma forma, um burocrata que perdeu 10.000 pacientes de câncer esta semana e 10.000 na
próxima semana e mais 10.000 na semana seguinte, e assim por diante, enquanto ele ou ela está
apoiado em um cura de qualidade, mas jogando o jogo da política médica, é criminalmente
incompetente. A América tem centenas, se não milhares de indivíduos assim nas agências de saúde
do governo, posições-chave da pesquisa, grupos médicos, etc. – todos salvaguardando seus
próprios cheques de pagamentos e permitindo que 10.000 dos seus irmãos e irmãs morram
enquanto este jogo mortal de negociata, omissão e camuflagem regulamentar continua. É uma
traição perpetrada por aqueles que não querem destruir um sistema que comete diariamente
assassinatos institucionalizados.
Os dois repórteres do Chicago Sun Times que investigaram a AMA deixaram claro o povo
americano não poderia confiar a sua saúde aos doutores da AMA.
“Nós revelamos uma série de estórias entre 1989 e 1990 sobre escândalos financeiros envolvendo
os altos administradores da AMA. Vemos que a AMA, mais frequentemente do que nunca, como um
16
entidade política que se diz em prol da saúde, enquanto na realidade está cuidando dos interesses
dos doutores. Todavia, o quê é bom para a AMA e seus membros não é, necessariamente, bom para
os USA (20)
A maior parte da mídia mantém a boca fechada sobre esses crimes que têm acontecido por
décadas, sem importar o quão diabólico e imoral eles possam ser.
Ainda, o movimento das pessoas comuns em direção à medicina alternativa é agora tão poderoso –
e a Internet o tornará isto ainda mais – que o “establishment” médico está tentando regular,
controlar e constringi-la ao adota uma postura evolucionária vaidosa, em que sejam necessários
processos científicos para avaliarem as terapias alternativas. Isto tudo provém do fato de que uma
grande ameaça ao interesse financeiro da medicina ortodoxa tem emergido rapidamente de baixo
para cima. Os milionários da medicina estão se mexendo para conter isto, porque seus monopólio
cuidadosamente construídos estão ameaçados.
“4 entre 10 adultos usaram terapias alternativas no último ano, criando uma indústria de US$21.2
milhões de dólares. Entre 1990 e 1997 as visitas aos terapeutas alternativos cresceram cerca de
47%. (21)
A luta para habilitar as terapias alternativas para o câncer dentro da equação de escolha dos
pacientes permanece sendo a grande batalha de campo entre os defensores da quimioterapia, que
controlam o sistema e os 10.000 cidadãos que morrerão a cada semana, geralmente após anos de
agonia e tortura desnecessária. A ciência de 5º grau foi sedimentada durante a década de 1980
pelo diretor do Instituto Nacional do Câncer, Vincent DeVita.
“Vincent ‘Bulldog’ DeVita (foi) um homem mau e miserável. Ele nunca esquecia quem atravessasse
o seu caminho. DeVita construiu sua reputação científica pelo seu pioneirismo na quimioterapia.
Ele acreditava na “dose completa” de quimioterápicos, um tratamento realmente agressivo contra
o câncer. Estas drogas químicas altamente tóxicas desenvolvidas para matar as células do câncer
frequentemente desabilitam os pacientes – uma espécie de uma dose completa de veneno.
“A alta dose de quimioterápicos de DeVita se tornou o procedimento operacional padrão no
Instituto Nacional do Câncer sob o seu reinado.” (22)
DeVita foi sucedido como diretor pelo seu protegido, Samuel Broder. A maldade quimioterápica
continuava. O Instituto Nacional do Câncer estava cheio até o teto com membros que defendiam
vigorosamente a alta dose de quimioterapia, apesar dos riscos e danos ao paciente.
O Dr. Glenn Warner, um renomado médico alternativo de câncer que lutou contra as terapias
alternativas, sucintamente definiu o problema como assassinato deliberado e sistemático pelo
defensores da quimioterapia. O Dr. Warner declarou para registro da história, como um médico de
câncer com décadas de experiência, ambas, dentro e fora do âmbito clube fechado dos
especialistas de câncer:
“Nós temos uma indústria de multi-bilhões de dólares que está matando pessoas em massa, apenas
pelo ganho financeiro.” (23)
“Os doutores e os oncologistas não querem que a quimioterapia seja desaprovada. É lá que está o
dinheiro deles.” (24)
A atual estrutura médica de cientistas, doutores e órgãos do governo é formatada para evitar que
abordagens alternativas individualizadas obtenham qualquer avanço no mundo do tratamento do
câncer. A renda e o poder estarão ameaçados se isto ocorrer. Como um estudante da Austrália
concluiu após um exame minucioso do cartel do câncer na América:
17
“A verdadeira organização e estrutura que está profissionalmente por trás da pesquisa e do
tratamento do câncer trabalha para excluir tratamentos não convencionais.” (25)
Este é o legado de Fishbein.
Capítulo 5
Mais Mídia e Maleficência
Arnold Relman foi uma vez editor do Jornal de Medicina New England (NEJM) que é geralmente
reconhecido como o único rival de prestígio do JAMA – Jornais da American Medical Association.
Em um artigo de 1992 no Atlantic Montly Journal (Jornal Mensal da Atlântica), a seguir à sua
saída do NEJM, Relman confessou que a sociedade tem concedido uma licença de monopólio aos
doutores, mas essas obrigações acompanham o monopólio. Há uma grande implicação nesta
simples afirmação, e é esta que deveria ser vista como crítica para muito, muito importante
revolução da saúde que está sendo modelada agora, antes que ela surja. A implicação é que o
monopólio dos doutores pode ser retratado ou levado de volta, com uma diferente estrutura do
sistema de saúde estabelecido. É uma espécie de democracia sendo construída a partir das bases
sucedendo o fim de um sistema tirânico no qual aqueles a quem foi dado o poder abusaram dele e
consequentemente, nunca poderiam merecer inteira confiança outra vez.
Relman escreveu em 1992:
18
“A mais alta aspiração da profissão médica ... tem sido sempre servir às necessidades do doente. E
esta tem sido o princípio de um pacto entre a sociedade moderna e a profissão.”
Quais são os termos deste pacto? Neste país (Estados Unidos da América), os governos estaduais
concedem aos médicos uma monopólio licenciado. Médicos tem gozado de uma posição
privilegiada na expectativa de que eles permanecerão competentes e dignos de confiança, e de
forma confiável eliminarão a responsabilidade fiduciária (cujo valor depende somente da
confiança a ele dispensada) aos pacientes, proclamada nos seus códigos éticos.” (26)
Competente seria investigar e usar as terapias mais recentes e mais eficientes em favor do paciente
– não ignorar um tratamento porque ele ameaça os lucros monetários do sistema vigente.
E sobre ser digno de confiança? Esta vai ao cerne da ética médica e o sagrado juramento
Hipocrático que inclui as seguintes frases-chave:
“Em qualquer casa que eu entre, entrarei para o benefício do doente, e me absterei de todo ato
voluntário de maleficência e corrupção.”
Alguns doutores honram o juramento, mas um doutor não pode ser verdadeiramente um membro
da AMA, dada a sua história, e ressonar totalmente com o juramento porque o juramento requer,
como as obrigações legais fiduciárias, que os interesses dos pacientes estejam muito acima de
qualquer interesse do médico. Os doutores que continuam a viver sob a cobertura da AMA, à
medida que a história de assassinatos dessa organização se torna bem conhecida, têm de ser vistos
como algo semelhante aos médicos da Alemanha nos campos de concentração durante a era do
Nazismo. Um julgamento cruel, mas apropriado, diante dos milhões de pessoas que têm morrido
por causa dos regulamentos da AMA, traição, atos criminosos e especialmente, a supressão
organizada de curas efetivas para o câncer.
“Como resultado das audiências médicas em Nuremberg em 1946 e 1947, a maioria das pessoas se
tornou ciente das atrocidades médicas e os crimes de guerra ... na maioria dos crimes médicos
nazistas ... é mais provável que o principal motivo não era político ou ideológico, mas simples
oportunismo, interesse próprio, e avanço na carreira.” (27)
Então, agora nós estamos chegando muito perto do centro do holocausto do câncer e do
desrespeito médico-científico americano para com as sagradas responsabilidades que
acompanham a profissão médica e científica – as obrigações para com a verdade; as obrigações de
servir aos interesses dos pacientes de câncer em primeiro lugar; as obrigações de não se tornar
parte de, ou permanecer dentro de um sistema perverso; o mais alto compromisso ou laço de
alguém com Deus ou Espírito ou Luz ou Bem Maior.
Isto nos traz o completo círculo de desonestidade e desinformação, traição de décadas dos
doutores do câncer aos seus pacientes, traição científica da pior espécie, traição política dos
políticos eleitos e sacrifício dos interesses da saúde do povo americano por longo tempo. Tudo isto
complexifica, no sentido psicológico, de um uma profunda estagnação dentro da nação americana
e dos americanos. O complexo precisa ser estirpado, limpo e evocado das profundezas da
repressão. Agora, isso é o quê nós temos de encarar aberta e bravamente. Nos anos que virão, a
nação americana tem de dar este passo difícil – de uma maneira ou de outra. Seria melhor sermos
honestos conosco mesmos e transformar a estrutura médico-científica existente.
David F. Horrobin, em um artigo publicado no jornal da AMA – American Medical Association, de
todos os lugares, afirmou francamente e claramente que a estrutura da ciência médica hoje
existente fracassou. Horrobin, até confessou um pequeno segredo sujo, raramente discutido
abertamente em uma proeminente publicação, que o pensamento patológico é um fator na
desordem ciência médica que a sociedade americana, agora, descobre por si mesma:
19
“Nós talvez tenhamos sido apenas sem sorte no aspecto de que, nos últimos 30 anos um grande
aumento nos gastos com pesquisas não trouxeram melhoras comensuráveis para a saúde dos
pacientes. Mas penso que nós temos de levar a sério a possibilidade de que nós temos trocado a
inovação por controle de qualidade, não somente nas publicações médicas, mas em toda a ciência
médica.”
Numerosos casos de fraude científica ... têm sido documentados.
“O quê alguns chamam de psicopatologia é comum na comunidade científica.” (28)
Obviamente, descobertas e invenções espetaculares que fizeram história, raramente são aceitas
pelas autoridades científicas dominantes de um dado tempo. A evolução da civilização tem sido
longa e difícil. Certamente, a mediocridade na ciência não é nova apesar da arrogância daqueles
tidos como experts.
“Uma generalização segura é que muitos dos cientistas e muito do que eles publicam hoje são no
máximo, medíocre.
“Apenas alguns cientistas contribuem para o progresso científico. A maioria dos trabalhos
publicados tem pouco ou nenhum impacto no avanço do conhecimento.” (29)
Royal Raymond Rife, obviamente, foi um dos verdadeiros gênios científicos das primeiras décadas
do século XX. Ele foi apunhalado pelas mentes pequenas e medíocres do seu tempo. Ele ameaçou
seu prestígio e sua renda, e então eles o destruíram, mesmo apesar do custo em vidas humanas ter
sido enorme.
Talvez seja o momento para os gênios do lado de fora terem sua chance nas áreas vitais da ciência
e da medicina. Os experts credenciados que têm abocanhado todo o dinheiro e a obtido toda
atenção têm fracassado repetidamente nos hospitais de câncer. Os “externos” talvez possam nos
mostrar o caminho para nos livrar da ciência comercial e da medicina política mortais que ameaça
a sociedade americana e o mundo, certamente, tanto quanto a tirania da União Soviética fez. O
paralelo é apropriado. Nós ignoramos e desfiamos o perigo.
O Presidente Dwight D. Eisenhower advertiu as futuras gerações, em 1961, de que a permissão do
governo, combinada com a arrogância dos experts, poderia destruir ambos, os valores
democráticos e a busca da verdade intelectual.
“Parcialmente por causa dos enormes custos envolvidos, um contrato governamental se torna
virtualmente um substituto para a curiosidade intelectual.
“A perspectiva de dominação dos estudantes da nação pelo emprego federal, alocações de projetos
e o poder do dinheiro está sempre presente, e é muito importante ser considerado.
“Nós temos de estar alertas para o perigo que as políticas públicas possam se tornar um cativas de
uma elite científica e tecnológica.
“É a tarefa diplomática, de sabedoria ao administrar as coisas públicas para integrar estas forças
dentro dos princípios do nosso sistema democrático.” (30)
Com a sabedoria e força do Presidente Eisenhower com guia, vamos retornar a Arnold Relman que
abriu este capítulo com sua admissão de que tinham sido concedido monopólios aos doutores como
compensação de certas ações por parte deles. Então, vamos examinar o próprio comportamento de
Relman sob a luz da advertência do Presidente Eisenhower ou mesmo a advertência concernente a
uma elite científica e tecnológica. Finalmente, vamos colocar a questão em um contexto mais
amplo da terrível história da malevolência médica no tratamento do câncer, como descrita nos
capítulos anteriores.
20
O quê descobrimos? Arnold Relman e sua companheira Marcia Angell, atual editora executiva do
New England Jornal of Medicine, juntos estão envolvidos em um ataque elitista furioso contra a
medicina alternativa. Em todos os momentos o NEJM continua a aceitar milhões de dólares das
fabricantes de drogas a cada ano. Que estranha coincidência.
“O Lancet (respeitado jornal de medicina da Inglaterra) se referiu ao NEJM como um ‘negócio
competitivo, não um empreendimento acadêmico altruísta’. Ele aponta que o ‘NEJM não é nada
mais do que um negócio de sucesso’ – pelo menos $19 milhões para exibir anúncios de comerciais
foram adicionados ao jornal a cada ano.’ A maioria desses fundos vieram da indústria
farmacêutica.” (31)
Agora, não se esqueça daquelas 10.000 vidas sacrificadas para o câncer a cada semana, enquanto
as elites jogam jogos intelectuais e mantém os muros eretos contra os testes com o objetivo de
testar as terapias alternativas para o câncer.
Mas vamos retornar brevemente ao Jornal da AMA antes de completar a estória de Relman e da
editora executiva do New England Journal of Medicina, sua namorada Marcia Angell.
Em 1998, o Jornal da AMA (JAMA) procurou mostrar uma posição neutra com relação à cura
alternativa. O JAMA tinha estado sob a direção de George Lundberg desde os primeiros anos da
década de 1980 (e, portanto, estava corrompido há muito tempo pela mentirosa postura pública da
AMA durante os anos 80, na luta contra os quiropráticos que terminou com a condenação da AMA
por conspiração). Portanto, não foi surpresa que a nova postura e a “posição neutra”da AMA,
com respeito à medicina alternativa fosse vista pelas pessoas familiares com a longa história de
corrupção da AMA ser uma pouco mais do que fumaça e espelhos. Ainda, comparada com ataques
imparciais do New England Journal of Medicine contra as curas alternativas, a AMA pareceu
quase razoável.
A pouca abertura à cura alternativa do JAMA era primariamente focada no aspectos suaves,
essencialmente não ameaçadores aos doutores, tais como as ervas. As grandes e perigosas regiões
de tabu, como a medicina energética, que ameaçava diretamente o império das fabricantes de
drogas, permaneceram fora da discussão. A AMA, definitivamente, não queria a supressão de uma
cura para o câncer 65 anos atrás, seguida pela supressão de todo o campo da cura eletrônica (e
todas as perdas, relacionadas com a ciência) de 50 anos atrás colocadas à sua porta. O público
americano pode estar muito descontente com essa revelação.
Então, o assunto relativamente seguro das ervas foi permitido dentro do contexto de um artigo
ocasional do JAMA. A políticos da medicina da AMA tinham administrado tais ameaças ao seu
monopólio habilidosa e previamente, e havia este incômodo movimento popular pela cura que
estava, obviamente, afetando a renda dos doutores. Um mercado anual de $21 bilhões (e ainda
crescente) não era algo que a AMA iria ignorar. As elites no NEJN talvez torçam seus narizes para
o para os americanos comuns (Shades (ofuscação) de Tom Paine na Guerra Revolucionária), mas
a AMA viu as forças do mercado e toneladas de dólares. Portanto, “neutralidade” para com os
aspectos mais brandos a cura alternativa pareceu ser uma habilidosa manobra de Lundberg, editor
do JAMA.
Em março de 1998, o JAMA publicou um artigo escrito por Wayne Jonas, na época diretor do
Escritório de Medicina Alternativa.Ele reverberou a linha política da AMA amavelmente e
submissamente:
“Os pacientes podem estar se colocando em risco pelo uso desses tratamentos. Somente os médicos
totalmente competentes e licenciados pode ajudar os pacientes a evitar tais usos inapropriados.”
(32)
Esta foi uma doce canção para os ouvidos da AMA.
21
Então em novembro de 1998, o JAMA publicou uma edição especial sobre curas alternativas com
ênfase nas ervas – boas e seguras. Neste ínterim mais 10.000 pacientes de câncer morreram na
América naquela semana (e 40.000 aquele mês) enquanto a defensores da quimioterapia
mantinham-se cobrando altos preços por seus serviços.
Aqui está um rápida visão no que o JAMA estava ocupado (note a continuação de sua guerra
contra a quiroprática apesar da injunção da corte federal para cessar e desistir):
“As descobertas dos seis estudos apresentados na edição especial do JAMA variam da evidência de
que queimar uma erva sobre o pé de uma mulher grávida pode corrigir presença de uma rachadura
até uma pesquisa que mostrou que a manipulação da coluna vertebral não aliviava a dor de cabeça
da tensão.” (21)
Infelizmente para o editor do JAMA George Lundberg, apesar da sua sofisticada manobra em
favor do monopólio dos doutores, mesmo uma pequena abertura para o mundo saúde alternativa
não foi apreciada pelos outros “velhos doutores” da AMA. Quando, em janeiro de 1990, durante
auge do escândalo sexual do Presidente Clinton com a Monica Lewinsky, o editor George
Lundberg do JAMA publicou uma velha enquete (1991) sobre a atitude sexual entre os estudantes
universitários, os “velhos doutores” viram sua chance. Lundberg, apesar dos seus 18 anos de
serviço, foi sumariamente demitido.
“Dr. George D. Lundberg, 65 anos, foi demitido por ‘colocar o JAMA inapropriada e
indesculpavelmente em meio a um debate que não tem nada a ver com ciência ou medicina,’ disse o
vice-presidente executivo da AMA E. Ratcliffe.” (33)
Enquanto isto, no concorrente do JAMA, o New England Journal of Medicine, as três elites (O
emérito editor-chefe Arnold S. Relman, sua companheira, a editora executiva Marica Angell e o
editor Jerome P. Kassirer) fazia a sua guerra particular contra a medicina alternativa. (34)
Enquanto isto os $19 milhões por ano (coincidentemente, convenientemente), dinheiro das
fabricantes de drogas rolavam para a conta bancária do NEJM e 40.000 americanos morriam de a
cada mês.
“Óleo de cobra” afirmou Marcia Angell do NEJM, referindo-se a toda a medicina alternativa.
O muito corajoso médico Julian Whitaker, em uma carta aberta na Internet “Saúde e Cura”
alcança mais de 50.000 ávidos assinantes e leitores, provê uma boa perspectiva sobre as três elites
no NEJM. Whitaker escreve:
“Os doutores Marcia Angell e Jerome P. Kassirer perpetuam a guerra contra as terapias naturais
ao questionarem a segurança das ervas. Claro, eles não mencionam os 180.000 mortes
documentadas e 1.000.000 injúrias atribuídas a reações adversas às prescrições de drogas a cada
ano. Ao contrário, eles focam-se em dois pacientes que foram hospitalizados por efeitos colaterais
de uma preparação obscura de ervas. Povo, isto não é nada mais do que propaganda na contínua
batalha de campo da indústria farmacêutica contra as substâncias naturais que eles não podem
patentear e nem controlar.
“É aceitável que 80% das drogas dadas às crianças nunca foram determinadas como apropriadas
para uso pediátrico.” (35)
O presidente dos Estados Unidos Dwight Eisenhower foi uma vez o presidente da Universidade de
Columbia. Foi durante os seus anos que em Columbia que Eisenhower desenvolveu uma profunda
desconfiança para com as elites acadêmicas. Eisenhower deixou algumas palavras de sabedoria
para as pessoas da América que relativas aos atos grotescos de Angell, Relman e Kassirer no
NEJM uma vez que estas três elites continuam fulminar as curas alternativas.
Ao presidir uma sessão conjunta do congresso brasileiro em fevereiro de 1960, o Presidente
Eisenhower deu a seguinte lição cívica e regra de conduta de uma república livre e amada:
22
“Aqui está a chave da nossa política – o direito de escolher. Os seres humanos em todo lugar,
simplesmente como um inalienável direito de nascer, devem ter liberdade de escolher sua filosofia
de vida, suas formas de governo, seus métodos de progresso.” (36)
Em outros tempos e outro lugares, enquanto o Presidente dos Estados Unidos ou servindo seu país
de outras maneiras, Dwight Eisenhower lembrou ao povo americano – aqueles do seu próprio
tempo e também de gerações futuras, incluindo aqueles agora vivendo e lendo estas palavras pela
primeira vez – que eles carregam obrigações sagradas.
“O direito do indivíduo eleger livremente a maneira de se tratar quando doente tem de ser
preservado.” (37)
Ele era também totalmente ciente da “batalha entre as sociedades livres e escravas que duravam
cerca de 3.000 anos.” (38)
Mas aquelas palavras têm agora de serem direcionadas para um novo inimigo e uma nova guerra.
Os defensores da quimioterapia e fabricantes de drogas matam 10.000 americanos por semana,
com até mesmo o ex-presidente da Sociedade Química Americana viu claramente:
“Como um químico treinado para interpretar dados, é incompreensível para mim que médicos
possam ignorar a clara evidência de que a quimioterapia causa muito, muito mais danos do que
bem.” (39)
A Sociedade Americana de Química (American Chemical Society) não é uma organização pequena
ou obscura. Ela tem uma divisão de publicações que gira US$85 milhões por ano, que imprime 27
jornais próprios.” (15)
John Cairns, notável estudante do câncer, disse a horrível verdade no “Scientific America” em
1985. Cairns escreveu no prestigioso jornal:
“Não é possível detectar qualquer súbita alteração na taxa de mortes para os principais tipos de
câncer que possam ser creditadas à quimioterapia. Aqueles que organizaram os centros de
tratamento de câncer supervisionam as muitas audiências clínicas procuram por maneiras de
evitar estas estatísticas inexoráveis. Os tratamentos de quimioterapia agora previnem 2% a 3% das
mortes por câncer que ocorrem a cada ano nos USA.” (40)
Mas a realidade do poder dos dólares dos fabricantes de drogas e os anos de lavagem cerebral do
povo americano permitem a continuação da loucura. O mercado das drogas prescritas e não-
prescritas mostra claramente que a América hoje é uma nação viciada: “No último ano (1998), o
gasto com drogas totalizou mais de US$100 bilhões.” (41)
De muitas maneiras, vivemos dias de terrível escuridão. Infelizmente, o amanhecer de um outro dia
pode ainda esta um pouco distante. Enquanto isto, mais 10.000 vítimas do câncer morreram esta
semana, e mais 10.000 na próxima semana.
O bem conhecido doutor e autor Robert C. Atkins disse ao seu muitos leitores a terrível verdade
sobre as atividades mentirosas, assassinas do “establishment” médico em 1998, no seu livro “A
Revolução da Saúde do Dr. Atkins”. Os políticos, doutores, cientistas, funcionários da saúde do
governo então no poder, e seus sucessores por toda uma década ignoraram a verdade, condenando
milhões de americanos inocentes com câncer à tortura e a morte. Aqui está a condenação incisiva e
explosiva dos experts da medicina ortodoxa relatada pelo Dr. Atkins, para cujo poder e verdade
ressonarão longe dentro do futuro:
“Têm havido muitas curas de câncer e todas têm sido suprimidas sem piedade, sistemática e
propositadamente pelo modelo-Gestapo “establishment” do câncer. O dano feito ao corpo pelo
mal sucedido curso da quimioterapia é frequentemente tão grande que o sistema imunológico do
23
paciente nunca se recupera suficientemente para que ele tenha uma chance de lutar. A
quimioterapia, quando ela não tenha nenhuma chance, ou apenas um chance remota, de funcionar
é no seu melhor aspecto, estúpida e no seu pior aspecto, criminosa.”
Capítulo 6
A boa Ciência
O Escritório de Avaliação Tecnológica (OTA – Office of Technology Assessment), que, durante a
sua existência tinha a suposta função de prover avaliações científicas para o Congresso, fez a
seguinte avaliação no seu relatório de 1990 sobre os Tratamentos não-convencionais do Câncer;
“Não há, em geral, restrições legais aos pacientes americanos sobre direito de escolher um
tratamento para si mesmos, nem nos Estados Unidos e nem em outros países. Entretanto, alguns
tratamentos são excluídos das opções nos Estados Unidos porque eles envolvem substâncias não-
aprovadas que poderiam ser oferecidas somente ilegalmente aqui.
“Seria útil uma revisão profunda sobre a ‘liberdade de escolha’ versus ‘proteção do consumidor’
difícil para os americanos com câncer.” (42)
O quê isto significa? Significa que o paciente de câncer tem o direito de escolher qualquer
tratamento que ele ou ela acredite possa trazer a cura. Porém, grupos médicos e científicos
poderosos, protegendo seus próprios interesses, têm convencido os políticos de que os
consumidores precisam de proteção (que eles terão prazer em prover a preços exorbitantes). Dois
princípios legais, supostamente conflitantes. Como resultado, é argumentado pela classe política
que dita as regras, futuramente, regras decisivas nos tribunais, leis ou emendas constitucionais,
requerimentos para limpar esta área cinzenta. Até lá, os cientistas oficiais estudarão o problema.
A questão mais profunda, mais verdadeira é que se a boa ciência demonstra que a cura para o
câncer existe, mas a má ciência, promovida por vários grupos de interesse (a AMA, fabricantes de
drogas, a burocracia do status quo, políticos recebendo dinheiro para suas campanhas,
pesquisadores desatualizados protegendo o status e o território de gangs, etc.), mantém a boa
ciência do lado de fora, então a área cinzenta não mais forja problemas manufaturados pelos
grupos oficiais. A corrupção e os atos criminosos se tornam óbvios, o grande erro que tem de ser
corrigido, semelhante ao despertar político que ocorreu quando a escravidão ou a negação do
direito de voto da mulheres forçou uma mudança fundamental no mundo real e no como ele
funciona.
Então, a boa ciência existe mostrando que há curas para o câncer sem drogas, sem cirurgias, sem
radiologia? A resposta é sim! Um ressonante sim! Ainda há enormes barreiras científicas, muitas,
muitas questões e profundos mistérios onde as questões nem mesmo foram ainda enquadradas, mas
uma vez que a má ciência e as forças do monopólio do câncer tenha sido removidas dos blocos dos
hospitais, milhões de pacientes de câncer desesperados podem começar a serem curados. Isto tem
sido provado por muitas pessoas curadas de câncer que têm usado uma variedade de abordagens
baseadas em ambas, na boa ciência e no bom senso.
Em 1932, Edward Rosenow da Mayo Clinic (quando ela merecia o seu prestígio médico, antes dos
defensores da quimioterapia ganharem o seu controle) descreveu, em um documento interno, o
grande sucesso científico de Royal Raymond Rife. Rosenow estava relatando o quê o seu olho
científico treinado tinha visto durante três dias de cuidadoso trabalho e experimentação
microscópica com a histórica invenção de Rife, o microscópio de luz. (Não o microscópio
24
eletrônico, que não existia em suas primeiras formas até 7 ou 8 anos mais tarde.) Rosenow
declarou:
“Não pode haver nenhuma questão sobre a existência dos corpos filtráveis azuis turquesa
(micróbios tifóides). Ele não são visíveis pelos métodos ordinários de iluminação e ampliação. Sua
visualização sob o microscópio de Rife é devida ao método engenhoso empregado. A examinação
sob o microscópio de Rife de espécimes não deixa qualquer dúvida da visão precisa pela
observação direta em extremamente alta ampliação obtida com este instrumento.” (43)
O microscópio de Rife tinha aberto um novo mundo de ciência. Dentro de dois anos, a clínica de
Rife curou 16 dos 16 pacientes de câncer diagnosticados como terminais. Tragicamente, Fishbein,
o médico da AMA e da Sociedade Médica de San Diego interferiu e cessou o desenvolvimento
científico dos tremendos avanços de Rife.
O mês seguinte a julho de 1932 Mayo Clinic reportou, as observações de Rosenow foram
anunciadas aos maiores cientistas da América através da “Science Magazine”, que até hoje se
mantém o líder dos jornais americanos para descobertas científicas da mais alta qualidade. Aqui
está uma amostra do que Rosenow da Mayo Clinic escreveu:
“Recentemente, relatei para o pessoal da Mayo clinic as mais importantes observações feitas
durante três dias, 5, 6, e 7 de julho de 1932, passados no laboratório do Dr. Kendall na
Northwestern University Medical School de Chicago.
“Devido à novidade e a caráter importante do trabalho, cada um de nós verificou a cada passo os
resultados obtidos. A maioria das observações com o microscópio de Rife foram feitas a diâmetros
de 8.000.
“Os princípios e métodos seguintes foram ditados pelo Dr. Rife como sendo essenciais para
visualizar claramente os objetos nesta e em ampliações mais elevadas por observação direta. A
distorção esférica é reduzida ao mínimo e a ampliação é grandemente aumentada usando-se
objetivas no lugar das oculares. A visualização adequada, especialmente de objetos não colorados,
é obtida.” (44)
Tão incrível foi o impacto da ciência de Rife que mesmo décadas depois Fishbein e a AMA a
impediram, e antes da revivência de Rife nos anos 1990 explodir, retratos do microscópio de Rife
ocasionalmente apareciam com destaque nos jornais.O San Francisco Examiner de 19 de
novembro de 1988 publicou uma foto do microscópio universal de Rife. O jornal tinha mantido a
foto todos aqueles anos. Mas nenhum artigo do jornal ousou informar aos modernos leitores que os
microscópios de luz de 1990 eram ainda limitados à ampliação real de 1.500x a 2.500x
(dependendo de qual expert você consulte). Dizer ao mundo sobre as descobertas cientificas e
grandes invenções de Rife era ainda um pouco perigoso, diante do preço da morte por câncer de
todas aquelas décadas, e com continuado monopólio da quimioterapia do câncer.
E ainda, nas próprias palavras de Rife, descrevendo sua ciência, recusa a morrer:
“Os microscópios foram desenhados com um parâmetro de 5.000 a 50.000.
“Uma frequência eletrônica para desvitalizar o organismo do câncer, é o tratamento de sucesso
para o câncer. Nenhum tecido é destruído, nenhuma dor é sentida. Nenhuma sensação é notada.
Um tubo de lua acende e 3 minutos depois o tratamento está terminado. O vírus ou a bactéria é
destruída, e o corpo então se recupera por si só, naturalmente dos efeitos tóxicos do vírus ou
bactéria. Várias formas de doença podem ser tratadas simultaneamente.
“As viroses foram coloradas com um frequência de luz.” (45)
Colorados com uma frequência de luz – estes micróbios não foram colorados com tinturas
químicas (que os matam). Eles não foram bombardeados com elétrons (que os matam), com é
requerido com os microscópios eletrônicos. Os micróbios, como relatou o Dr. Rosenow da Mayo
Clinic em 1932, permaneciam vivos, visíveis em alta ampliação que o microscópio de Rife
25
alcançava. Porque os micróbios que causavam ou acompanhavam o câncer e outras doenças
mortais estavam vivos, o tratamento eletrônico de Rife ou o atual tratamento da medicina da
energia (energética) pode ser cientificamente demonstrada ou provada desabilitar ou destruí-los,
sem dor, em sua própria casa, sem doutores caros e hospitais. Esta é a boa ciência.
Na década de 1950 o Dr. Robert Stafford de Dayton, Ohio pegou emprestado um instrumento de
energia de Rife daquele período. Ele o utilizou com dois pacientes de câncer que estavam
morrendo. O câncer foi curado, conforme as autópsias que se seguiram às mortes meses depois
mostraram convincentemente, a morte foi por outras causas. Em 1998 o Dr. Stafford afirmou em
um vídeo para registro da história:
“Eu ainda acredito nele. Isto me deu uma visão inteira do mundo, tendo visto os efeitos dos campos
eletromagnéticos. Eu quase me tornei um para-físico. Nós estamos vivendo em campos
eletromagnéticos. As estrelas, as ondas de rádio são isso, emanando dos céus. O quê nós estamos
vendo no universo está duplicado em células. Estas são as questões que vieram a mim porque eu fui
exposto às filosofias de Rife.” (46)
Uma vez, nos anos 50, uma agência federal (provavelmente a FDA) enviou um agente para
conversar com o Dr. Stafford. Eles tiveram um encontro de 3 horas. O agente queria que o
instrumento de Rife que o Dr. tinha. Mas o doutor se recusou a entregá-lo porque ele pertencia a
Rife e tinha sido apenas emprestado a ele. Então o agente procurou por dados da pesquisa que o
Dr. Stafford e pesquisadores qualificados tinham feito com ratos. A pesquisa tinha mostrado um
efeito decisivo em ratos inoculados com câncer, curando muitos cânceres e estendendo suas vidas
substancialmente além dos grupos de controle. De acordo com o testemunho do vídeo do Dr.
Stafford em 1998, estes estudos preliminares mostraram conclusivamente que os ratos infectados
com células do câncer e então tratados com o aparelho de energia de Rife foram curados do
câncer.
O agente da FDA assinou pelos documentos da pesquisa e foi embora com eles. Dois ou três meses
depois, eles foram retornados por correio. Uma das maiores curas para o câncer registrada foi
mostrada por demonstração científica. A agência federal examinou o documentário de evidências
juntado por pessoal médico qualificado. Incontáveis vidas dos americanos então, e por décadas no
futuro, dependem do que os funcionários da saúde escolherem fazer neste ponto crítico da história.
Eles deram suas costas, retornaram a pesquisa de materiais sem mesmo deixar uma nota de
agradecimento ou uma carta de acompanhamento. Milhões e milhões de americanos
subsequentemente morreram de câncer ou por terapias da má ciência requeridas pelo monopólio
médico para as quatro décadas seguintes.
Em 1933, a medicina da energia foi notícia de primeira página no New York Times (antes da
campanha da AMA destruir o campo científico inteiro por décadas). O New York Times de 9 de
outubro de 1933 relatava em um profético discurso feito pelo renomado cirurgião George Crile
para o “American College de Surgeons. Crile previu que o médicos do futuro seriam capazes de
diagnosticar e tratar os pacientes antes que as doenças se tornassem aparentes.
Aqui estão as palavras do Dr. Crile, alcançando os tempos modernos:
“ ‘O homem médico do futuro,’ o Dr. Crile disse, ‘sintonizará o corpo vivo como se faz hoje com
um rádio comum. Escutando as ondas curtas e longas, transmitidas pelos vários órgãos, ele ouviria
a sinfonia tocada pelos organismos vivos e determinaria os ritmos da dança da vida.’
“ ‘Muito tempo antes haver um evidência física da doença, o médico-rádio-engenheiro do futuro
seria então capaz de dizer pela recepção das ondas-vivas se elas estavam tocando um melodia de
saúde ou se estavam sinalizando um SOS.’ (47)
No final da década de 1980, o cientista francês Jacques Benviniste, um chefe do laboratório do
Instituto Nacional Francês de Saúde e Pesquisa Médica, conduziu experimentos que provaram que
um assinatura energética permanecia em uma substância mesmo quando diluída a um ponto onde a
ciência ortodoxa acreditava que nenhuma reação química era possível. Pesquisadores
26
independentes do Canadá, Israel e Itália verificaram a descoberta. Mas os defensores do status quo
reagiram furiosamente, alegando que os “resultados tinham de estar errados.” (48)
A cientista canadense Patricia Fortner, cujo próprio trabalho deu suporte a Benviniste, declarou,
“Nos podemos estar olhando para uma espécie de fenômeno que balança as atuais regras da
micro-biologia, química, física e outras ciências.” (49)
Benviniste estava certo e os defensores da ciência ortodoxa, apesar de seus ataques ferinos,
propaganda, incríveis esforços de censura e atividades absurdas para desacreditar Benviniste (tal
como trazer um mágico para sugerir fraude), estavam errados! Ao final dos anos 90, Benviniste
estava enviando a biologia digital para outros continentes.
“A biologia digital é uma radicalmente nova abordagem para a biologia. A vida depende dos
sinais intercambiados entre as moléculas. Essas moléculas vibram, nós sabemos há décadas. Cada
átomo de cada molécula e cada laço intermolecular – a ponte que liga os átomos – emite um grupo
de frequências. Por volta de 1991, meus experimentos mostraram que nós podemos transferir sinais
moleculares específicos utilizando um amplificador e uma espiral eletromagnética. Em julho de
1995, eu gravei e reproduzi estes sinais usando um computador multimídia. No curso de muitos
milhares de experimentos, nós levamos receptores (específicos para moléculas simples ou
complexas) para ‘crer’ que eles estavam na presença de sua moléculas favoritas reproduzindo
frequências gravadas destas moléculas.
“Os sistemas biológicos funcionam como aparelhos de rádio, por co-ressonância. Podemos agora
compreender como milhões de moléculas biológicas podem se comunicar, algo que os biologistas
‘estruturais’ estão perdidos para explicar ... Portanto a incapacidade dos biologistas
contemporâneos para oferecer respostas para as principais patologias ao final do século.
“No presente momento, a única maneira de identificar uma molécula é carregar uma amostra,
mais frequentemente obtida invasivamente ou mesmo destrutivamente, para um laboratório. Com o
método digital, nós dispomos de um sinal que pode ser instantaneamente transmitido e analisado
na outra extremidade do mundo por meios clássicos de telecomunicação.
“A compleição destes projetos teriam imensas consequências nos procedimentos de diagnósticos
médicos e agro-indústria de alimentos, com enorme impacto tecnológico e comercial.
“Uma questão final: porque os cientistas são tão contra a evolução da ciência? É para defender
seu território?” (50)
Agora, antes que a imaginação do leitor o remeta para dentro do óbvio século XXI, e venha a
revolução da medicina energética, vamos fazer uma pausa e retornar a um pequeno quarto sobre
uma garagem em 1929 onde Royal R. Rife estava mostrando os visitantes do futuro. O jornal de
San Diego relatou o fenômeno de Rife em 1929. A revista popular ‘Popular Science’ fez a mesma
coisa em 1931. Aqui está uma amostra:
“Rife começou a construir o seu próprio microscópio em um laboratório montado em um quarto
sobre uma garagem. Neste pequeno quarto ele tem hoje mais de $50.000 em microscópios e
câmeras. A maioria deles ele mesmo construiu ... Agora os doutores podem assentar-se em cadeiras
confortáveis e assistir as bactérias em seus ambientes naturais em uma tela de quadros em
movimento.” (51)
Em 1940, Arthur Yale, M.D. de San Diego leram o seguinte para a “Califórnia Homeopathic
Medical Society”:
“Por dezessete anos Mr. Rife tem tido sucesso em encontrar uma taxa vibratória que mata
diferentes organismos invasores do corpo. Tendo usado este aparato por quase dois anos, o
escritor tem tido a satisfação de testemunhar o desaparecimento de todos os crescimentos malignos
onde o paciente tem permanecido sob tratamento, estes incluíram epiteliomas, carcinomas e alguns
de origem indeterminada.” (52)
27
Rife viu em seu magnificente microscópio o que ele chamou de vírus. O quê ele viu não é definido
como um vírus hoje, mas como algo até menor. Todavia, há um massivo argumento científico
fermentando sobre a natureza das viroses e se eles podem até mesmo serem definidos com
estruturas microbiais separadas. Não vamos nos envolver aí, mas continuar com a questão central.
Vamos simplesmente notar por uma questão de amplitude, a clareza geral do leitor que Rife estava
vendo uma bactéria anã ou um micróbio do tamanho de um vírus e que este agente causador de
câncer – que ele tinha (1) isolado e identificado, e (2) colorado com luz, não tinturas ou elétrons
mortais – estava vivo. Quando Rife usou um bombardeamento de energia específica do micróbio,
ele morreu. Isto é boa ciência.
Quando ratos cancerosos foram similarmente bombardeados, os cânceres foram curados. Quando
os humanos foram bombardeados, muitos (para sermos cautelosos e conservadores) foram também
curados. Isto foi relatado pelos doutores e cientistas trabalhando sob os auspícios de uma
‘University of Southern California Special Medical Research Committee de 1934 a 1944; outra vez
relatado pelo Dr. Arthur Yale de San Diego, como relatado acima; mais uma vez observado pelo
Dr. Robert Stafford de Dayton, Ohio na década de 50; e eventualmente nos anos 90 pelo grupo
espalhado de defensores da medicina da energia (médicos, outros tipos primários de profissionais
licenciados da saúde, e apenas pessoas comuns que afirmaram sua liberdade e rejeitaram a licença
do monopólio dos defensores da quimioterapia baseados nos séculos de leis de desenvolvimento),
Mas os defensores da má ciência insistem que não há nada disto. Estes micróbios não podem
causar câncer, ele sustentam. Mas quando os cientistas e doutores ortodoxos fazem tal afirmação,
eles estão em solo muito abalado.
Em 1997 o prêmio Nobel de Filosofia ou Medicina foi dado ao Dr. Stanley B. Prusiner da
Universidade da Califórnia em São Francisco. Prusiner tinha descoberto o príons em 1982 e os
cientistas tradicionais zombado dele por 15 anos, mas ele recebeu o Prêmio Nobel. A mediocridade
estava errada.
“Inconvencionalmente, Pruisiner argumentou que os príons quebram a mais básicas das regras da
biologia. ‘Ninguém acreditava na (Teoria do Príon) porque ela ia contra o pensamento
convencional.’ Peuisiner mostrou que os príons pareciam não ter qualquer material genético. Para
os biologistas imersos no conhecimento de que todos os organismos que causam doenças carregam
material que guia a sua replicação após invadirem um hospedeiro, aquela observação era como
descobrir que carros trafegavam por uma auto-estrada sem motores.” (53)
Agora vamos voltar ao ano de 1958 quando Rife estava descrevendo seu trabalho e explicando que
o quê ele estava descrevendo seu trabalho e explicando que ele estava vendo o micróbio do câncer.
O micróbio não era um vírus como sabemos agora, mas o trabalho de Rife resultava na cura de
muitas doenças, incluindo o câncer. As próprias palavras de Rife:
“Nós temos definitivamente provado que o câncer um vírus ou uma forma filtrável e uma porção
patogênica de constituintes químicos que produzem a doença.
“Em nosso microscópio, nós produzimos uma frequência de luz que esta em coordenação com os
constituintes químicos do vírus que está sob observação.
“Eu trabalhei muito com a tuberculose. Finalmente encontrei uma frequência eletrônica que
matasse estes, os vírus da tuberculose e a forma rod. Usada simultaneamente o paciente se cura. Se
você usar a mesma frequência individualmente, você matará o paciente ou você não conseguirá
nada.” (54)
O que Rife estava dizendo, em relação à tuberculose, a própria simplicidade. Se sua medicina da
energia fosse direcionada somente contra a bactéria pressupostamente tida como a causa da TB, a
bactéria morreria, mas liberaria um segundo micróbio TB mortal, menor e do tamanho de um
28
vírus. Isto poderia matar um paciente. É por isto que o famoso Dr. Robert Koch – que descobriu a
bactéria TB no século IXX – foi incapaz de curar a doença. A técnica de Koch liberava o micróbio
TB mortal, menor que matava os pacientes. Rife bombardeou a grande bactéria TB e,
simultaneamente, a menor, o segundo micróbio do tamanho de um vírus – Sucesso!
Mas aquilo foi décadas atrás. Milhões e milhões de pessoas morreu de tuberculose desde então, e
milhões ainda morrem todos os anos.
Rife descreveu o micróbio do tamanho de um vírus do câncer desta maneira em 1933:
“O BX (micróbio do câncer) é um vírus filtrável. É um pequeno grânulo oval, altamente plástico e
visível apenas com luz monocromática. A sua cor é roxa avermelhada. O raio X não tem influência
sobre o seu organismo. A aplicação dos raios oscilativos devem destruir o completamente o B.X.
nos tecidos malignos. Portanto, um novo campo está aberto para os investigadores científicos.”
(55)
O quê emerge agora, claramente, no limiar da passagem dos séculos XX para o XXI, é uma
profunda medicina da energia incorporando as descobertas do Dr. Royal R. Rife uma dentro da
outra, abordagens mais novas e descobertas iniciadas pelos cientistas modernos. As pessoas,
especialmente aquelas com câncer, têm de ter acesso à essa nova ciência e nova medicina sem que
tenham de esperar anos, enquanto os pensadores convencionais com as velhas conexões no
governo abocanhem todos os milhões e milhões de dólares reservados para (estudar e estudar) esta
matéria para proteger os pacientes de câncer. Essa espécie de proteção ao consumidor, do
paciente de câncer, não é meramente um uso fraudulento do termo, mas frequentemente equaciona
se iguala a ‘assassinato burocrático’ (o quê mais tarde foi chamado de “bureau de assassinos’ em
relação ao Nazismo alemão).
Tomara em breve o grande microscópio, ou pelo menos seus princípios que tornaram toda esta
incrível ciência possível, re-emergirá no mundo, abrindo portas para as grandes verdades
perdidas.
Aqui está uma extremamente importante comunicação de um homem altamente experiente no
mundo dos microscópios, considerando o seu exame pessoal do Microscópio Universal de Rife em
1997:
“As imagens do microscópio vistas no encontro estavam muito além daquelas que eu tinha
experimentado, em relação à ampliação, e estimo que o parâmetro era de cerca de 20.000x. A
configuração do sistema era compreensível por mim como sendo inovativa, diretamente ao longo d
as linhas do trabalho original de Royal R. Rife com ótica. Uma grande desenvolvimento tem de
ocorrer para alcançar o nível de sofisticação que Mr. Rife estava empregando, mas o princípio
básico da verdadeira ampliação, que estava incorporada no Microscópio Universal original, tinha
inquestionavelmente sido duplicada.” (56)
29
Capítulo 7
I nvestigando o Mistério
É imperativo perceber e apreciar que a ciência dos últimos anos do século XX e os primeiros anos
do século XXI está muito diferente daquela ciência do tempo de Rife. As descobertas e terapias de
Rife têm de se enquadrarem em um mundo da ciência médica muito mais complexo. E onde as
teorias de Rife estejam incorretas ou apenas parcialmente corretas, requerendo re-definições e
ajustamentos para realidades mais recentemente compreendidas, esta é a parte da honesta
progressão da ciência. Rife não teria problemas com isso.
Mas se a complexidade ou má ciência e o pensamento convencional for usado para rejeitar Rife, e
os resultados registrados que ocorrem hoje, derivados ou inspirados em Rife, forem ignorados,
isso será inaceitável, uma continuação do crime do monopólio do câncer, nada mais.
É também de grande importância para as pessoas comuns e especialmente para os pacientes de
câncer estarem bem cientes de que cientistas, engenheiros, doutores e outros geralmente enfatizam
os detalhes técnicos insignificantes ou os desafios. Eles estão procurando por respostas científicas
ou novos aparatos. Se o motivo for ganância, ego ou meramente mais conhecimento, tal foco
geralmente ignora a questão primária. Essa questão é a pessoa com câncer e se um aparato de Rife
(ou qualquer outra terapia alternativa) está curando ou, pelo menos, retardando efetivamente o
câncer. Muito frequentemente, mesmo aqueles que apóiam Rife, ou são, pelo menos, abertos a ele,
escorregam para dentro de uma atitude profissional como a de vários experts. O paciente de
câncer, as 10.000 mortes por semana somente nos USA ou a continuada tortura associada com a
terapia tradicional do câncer, são todas convenientemente deixada para outros.
Mesmo assim, tendo enfatizado a prioridade (usar o que cura o paciente de câncer, mesmo se o
porquê não é compreendido!), a ciência de linguagem fria ajuda na evolução e na legitimação da
medicina da energia.
Alan Blood da Austrália oferece o seguinte em um artigo na Internet. Ele esclarece algumas áreas
e assim ajuda na busca da verdade:
“Apesar das diferenças de outra bactéria, hoje nenhum dos muitos tipos de bactérias filtráveis são
classificadas como vírus, porque elas todas têm verdadeiras fases de células que as viroses não
têm. As observações anteriores de Rife e Kendall das formas filtráveis de bactérias não eram de
fato viroses, mas de micoplasmas ou de bactérias com paredes celulares deficientes.
“O elo entre os micróbios do câncer e o câncer humano não é universal como Rife e Kendall se
inclinaram a acreditar. Há outros cenários possíveis além da infecção por micoplasma que
poderiam deflagrar o câncer.
“Onde a observação in vivo indica uma patologia pré-câncer, o tratamento de Rife pode tirar a
máscara as formas bacterianas e as células T, e então provocar um resposta imunológica anti-
micoplásmica. A redução da população de micoplasma, particularmente das fases avançadas,
poderia eliminar a fonte de imuno-supressão, que seria considerada um fator de risco importante
do câncer. Porque a ênfase está sobre a resposta imunológica, várias terapias naturais ... são
consideradas necessárias juntamente com a terapia de Rife.” (57)
Em um visão geral da história de Rife e o estágio de revivência que ocorreu em 1998 e 1999, uma
organização de pesquisa de saúde adicionou o seguinte à explosão de informações na Internet a
respeito de Rife:
30
“É uma afirmação justa a de que Rife praticamente desenvolveu sozinho a medicina bioelétrica. Há
uma grande variação no custo, desenho e qualidade entre os modernos instrumentos de frequência
de Rife disponíveis. O custo varia entre US$1.200 até US$3.600, mas o preço não é um indicador
legítimo da competência técnica do projeto do instrumento ou no desempenho do aparelho.
“Um dia, o nome de Royal Raymond Rife poderá ascender ao seu devido lugar, como um gigante
da moderna ciência médica. Até lá, sua fabulosa tecnologia permanece disponível somente para as
pessoas que têm interesse em buscá-la.” (58)
Agora o leitor deveria começar a perceber, a partir destas duas citações, os mistérios monumentais
e as questões científicas acerca da medicina energética do futuro. Há questões legitimadas
concernentes à microbiologia que necessitam de investigação científica de alta qualidade. Há uma
variedade de aparelhos como os de Rife ou inspirados nele. Há também duas áreas muito
profundas que têm de serem incluídas em qualquer avaliação de tratamento: o paciente
individualmente (o quão engajado ele está, quanto ele mudará os hábitos alimentares,
comportamento, etc.) e que protocolo ou procedimento de apoio deveria acompanhar uma terapia
médica energética contra o câncer.
Ao final dos anos 90, existem numerosos aparelhos Rife. Inexperiente, o paciente de câncer ou o
entusiasta ouve ou lê o nome de Rife e pressupõe erroneamente que o nome Rife em si significa
cura instantânea para o câncer. Ele ou ela então compra um aparelho Rife com preços variando
entre algumas centenas até milhares de dólares. Se os resultados não forem os esperados, a velha
guarda, os anti-medicina alternativa se deliciam maliciosamente em suas conservadoras camisas
de força e o jogo das intermináveis pesquisas que duram anos, que não incomoda o monopólio dos
defensores da quimioterapia se agarram na terapia do câncer, prosseguem.
Alguns centros de tratamento do câncer, cientes da crescente demanda dos consumidores e a
profunda falência do tratamento convencional, iniciaram investigações cuidadosas sobre a
medicina alternativa. Um desses hospitais nos arredores geográficos deste autor está agora
coletando dados para os próximos dois anos para os pacientes de câncer que estão usando terapias
alternativas. Que coisa mais pateticamente passiva! É como testar uma única vitamina em milhares
de voluntários durante anos, e então avaliar a sua eficácia e segurança.
Seria fácil, se existisse dinheiro e proteção legal suficientes, para decidir rápida e decisivamente o
quão diferente, instrumentos Rife de qualidade, com comprovados registros se comparam uns com
os outros e a quimioterapia. Semanalmente as análises de sangue e cabelo mostrariam
cientificamente a rápida remissão do câncer se estes corajosos experimentos científicos fossem
iniciados. Ao invés disto, o corrupto mundo do câncer caminha negligentemente, permitindo que
10.000 americanos morram semanalmente e mais milhões de pessoas sejam torturadas pelas
terapias sem valor, mas aprovadas e politicamente impostas pelo monopólio médico.
Há um assassinato em massa em curso. Ele poderia ser rapidamente interrompido se um se um
alternativa baseada em voluntários viável fosse anunciada. Ao invés disto, o contínuo crime do
câncer permanece sendo escondido. Ele continua a ser mascarado com os argumentos inteligentes
dos advogados, burocratas, pessoal de relações públicas, lobistas e, claro, doutores e cientistas
convencionais que são ultrajados quando sua competência ou recomendações são questionadas.
Então os “fala-mansa” e os grandes censores do câncer negam o quê os fatos documentados
mostram. Bilhões de palavras e bilhões de dólares em propinas de uma espécie ou de outra não
podem exterminar o quê é básico, pode ser testado e emerge diariamente do lodo de quase um
século de conspiração.
Então, vamos fazer um intervalo em meio a estes mistérios da vida e políticas médicas corruptas
que nos mantém impedidos de experimentar as descobertas de saúde que são maravilhosas de
contemplar. A cura fenomenal é provavelmente, de fato muito simples de termos, uma vez que
tenhamos acesso a algumas chaves.
Como Michael Coyle tem sustentado, citando a pesquisa de Guenther Enderlein:
31
“Os micróbios patogênicos podem ser revertidos ao seu estágio mais baixo e primitivo, e podem
então serem excretados pelo corpo.
“Muitas pessoas ainda não experimentaram um período prolongado de natural bem-estar em suas
vidas inteiras.
“Os anti-bióticos são uma abordagem primariamente anti-vida. Estes ‘rápidos reparos’ têm
substituído as abordagens biológicas de longo prazo e a manutenção preventiva da saúde..
“Entre todos os milhões de micróbios existentes na natureza, há apenas dois que devem ser
compreendidos como constantes companhias no corpo humano e todos os mamíferos. Estes dois
micróbios são indestrutíveis, sempre existindo em fases do desenvolvimento e presentes em todas as
células do corpo.
“Desde os tempos imemoriais eles têm acompanhado todos os mamíferos com uma simbiose
desenvolvida. Mas devido à sua natureza pleomórfica e instabilidades nos tecidos e sangue do
corpo, eles se tornaram as causas primárias de doenças crônicas no corpo.
“A chave da luta contra o câncer e outras doenças repousa no sucesso do potencial de destruir os
microorganismos patogênicos e fazer com que o corpo os excrete. A atividade microbial é base do
processo de crescimento do tumor.
“Os remédios podem curar um indivíduo em qualquer estágio do processo de crescimento se a
progressão microbial for revertida.” (59)
Nós necessitamos da boa ciência na qual o exame do sangue e dos tecidos combinadas com o
conhecimento confirmem-se como constituintes de uma pessoa saudável ou doente. Nós
necessitamos da boa ciência que saiba como reverter as causas da doença. Mas não podemos
restringir nossos centros de cura a uma única abordagem, tal como alterar o quadro do sangue
através da sustentação ao nível do micróbio. Os diagnósticos de energia têm o seu lugar também,
especialmente porque a ‘dança da vida’ e a ‘melodia da saúde’ (palavras do Dr. Crile em 1933) se
tornam mais populares à medida que a má ciência desaparece.
Nós certamente não podemos desprezar um único processo de cura que o indivíduo possa aprender
e praticar sem nenhum equipamento high-tech (alta tecnologia). Portanto, a sociedade têm de
avançar no sentido de criar e proteger novos direitos individuais à saúde.
“Porque as decisões sobre o sistema de saúde afetam o paciente, mais diretamente do que qualquer
outra pessoa, a escolha do paciente, educada mas não impedida pela autoridade do doutor, deve
ser soberana.
“A autonomia do paciente deve ser reconhecida e protegida como um interesse distinto e legal.”
(60)
Em 1975, um evento extraordinário ocorreu no Instituto Nacional do Câncer (NCI). Oito ou nove
dos principais membros do MCI entraram dentro do auditório principal para ouvir um dos
reconhecidos experts mundiais sobre o poder da luz do Sol para cura do câncer. John Ott disse a
eles como o câncer tinha sido tratado com sucesso através de tal terapia de luz. Seis altamente
qualificados doutores das seis maiores instituições de pesquisa do câncer foram preparados para
dar suporte no desenvolvimento desta técnica. Tudo o que era necessário era o suporte financeiro
e político do NCI. Lembre-se, esta era uma audiência de 80 ou 90 experts em câncer que
controlavam o todo o programa do câncer do governo dos Estados Unidos.
Mas isto não era para ser. Os membros do NCI ouviram educadamente, se levantaram, saíram do
auditório e voltaram para o seu mundo de quimioterapia, ignorando totalmente a grande
oportunidade que tinha sido colocada diante deles. E mais vinte e cinco anos de quimioterapia,
radiação e cirurgias foram impostas ao povo americano enquanto novas gerações de experts em
câncer saíram das universidades para fazerem seus estágios no NCI.
Em 1990, Steven A. Rosemberg, chefe de cirurgia do Instituto Nacional do Câncer de 1974 até o
final do século (e quem sabe quanto tempo mais?), admitiu:
32
“Nos falta o tipo de compreensão necessária para encontrar a cura. Nós não sabemos o suficiente,
nem para saber onde procurar.” (61)
Ainda, aqueles que tinham curado o câncer com uma variedade de abordagens no século XX, como
também aqueles que o estavam fazendo diariamente com a medicina alternativa, foram ignorados,
suprimidos, atacados e ridicularizados pelos experts. Tudo isto ocorreu enquanto o paciente de
câncer, cujo interesse era premente moral e legalmente, era impedido pelas regulamentações, leis e
associações estatais de doutores, de terem qualquer escolha radical que poderia salvar sua vida. A
ciência convencional congrega todo o poder de controle e mantém todas as portas das salas de
tratamento do câncer trancadas para influências exteriores.
Somente nos anos 90, quando o clamor do povo ressoou do lado de dentro das salas, eles
lentamente fingiram estar abertos às terapias alternativas. Mas então muitas pessoas já sabiam
sobre os bastidores da medicina oficial, apesar dos esforços de relações públicas aumentados, era
definitivamente obsoleta. Como Paul D. Harris comentou em 1991, antevendo o advento da
revolução:
“A nova ciência do caos,da integridade e da matemática fractal está nos ajudando a atravessar a
porta para a compreensão e aceitação da ‘Medicina da Energia’ e a percepção de que os modelos
lineares não são obviamente confiáveis.
“Há cinco vezes mais DDT nas células de cada pessoa na América do que nós pensávamos que era
seguro há dez anos atrás. Há dez vezes mais estrôncio 90 nos ossos de cada pessoa na América do
que pensávamos que era seguro há dez anos atrás.
“A medicina da energia é o conceito de ver e tratar o corpo a partir de um energético, ao invés de
uma perspectiva puramente química.” (62)
Dentro do conceito integral da medicina da energia existe conceitos espirituais de séculos que,
temos a esperança, serão restabelecidos como uma característica central dos novos direitos dos
pacientes. A cura instantânea e impressionantes realinhamentos das terapias naturais, a medicina
do homem e da mulher, os milagres da virada da noite de curas inspiradas por sonhos, que voltam
ao mundo arcaico dos gregos e seus templos de curas sagradas, e também aqueles seres treinados
e talentosos que abrem os canais Chi de energia, muito mais bem compreendidos na Ásia – é lá que
os mais profundos mistérios existem. Estes reinos possuem as chaves da verdade da saúde, e se são
negados às pessoas o direito absoluto e legal de buscar, experimentar, praticar e receber nessas
regiões sagradas, todo o fervor das tecnologias da energia e as descobertas microbiológicas não
terão sucesso.
Portanto, nós estamos no limiar de uma grande jornada dentro de um mundo onde velhos mistérios
se tornam caminhos para novas tecnologias, novos direitos dos cidadãos, novos sistemas de curas e
milagres que se tornam lugares comuns à medida que mais e mais pacientes o alcançam.
Um doutor médico, cuja avó o ensinou sobre energias espirituais e como elas funcionavam em
situações médicas, nos disse:
“Com a emergência de idéias novas e radicais sobre a natureza da realidade, agora, mais do que
nunca, os praticantes de curas, como também as pessoas comuns precisam se tornar cientes de
suas próprias energias.”(63)
33
Capítulo 8
Uma Esfera de Liberdade
Chegamos agora a uma grande questão que sublinha o movimento da saúde alternativa, a
demanda por escolha ao selecionar as terapias de câncer e a necessidade de novas proteções
legais que terminam com a tirania dos experts se auto-servindo e protegendo seus interesses.
Tocamos agora na grande questão: Uma esfera da liberdade.
Em um trabalho monumental de história intitulado’The Long Way to Freedom’(O longo caminho
para a liberdade), que descreve a evolução lenta da humanidade e da civilização até o atual
estágio, o conceito lindo e impulsionador e o princípio de vida da “esfera de liberdade” individual
é explicado e celebrado. O autor do livro, James T. Shotwell (1874-1965), escreve:
“Uma sociedade livre implica em uma sociedade que sente que os seus direitos estão assegurados e
um governo que não está com medo da liberdade.
“O único propósito para o qual o poder pode ser plenamente exercido sobre qualquer membro de
uma comunidade civilizada contra a sua vontade, é pra prevenir o dano aos outros. Seu próprio
bem, físico e moral, não é uma garantia suficiente. Sobre si mesmo, sobre o seu próprio corpo e
mente, o indivíduo é supremo.’ (de John Stuart Mill, On Liberty, cap.I)
“ ‘ O solo mais firme para a confiança no futuro é, mais do que nunca, nós percebermos que,
enquanto a democracia têm de ter sua organização e controle, a respiração vital e a liberdade
individual.’Suprema Corte de Justiça Oliver Wendell Holmes’ endereça para ambas as Casas do
Congresso.)
“Contra o governo em si há uma esfera de liberdade que é para ser preservada mesmo como
contra o próprio governo. Isto tem sido salvaguardado nos Estados Unidos, não apenas pelo ‘ bill
of rights’ (Uma afirmação dos direitos e privilégios fundamentais) e as côrtes, mas por uma
espécie de pacto social.
“A significância do advento da moderna ciência pode ser vista somente na luz desta longa
perspectiva da evolução humana. Quase que na virada da noite somos subitamente lançados sobre
os segundo milhão de anos. Nós não temos a idéia clara e podemos não ter nenhuma, porque para
o tipo de mundo que se estende pela frente, exceto por um fato fundamental, de que a mente tomará
mais e mais o lugar dos músculos, que a inteligência mais e mais, não apenas rege a força bruta,
mas a substituirá por outros poderes e forças.
“Esta nova era científica não é um mero interlúdio passageiro nos na intimidade humana como o
esplendor da Grécia ou a beleza da Renascença. Ela provê a sua própria continuidade e nunca
cessará.
“Tem de haver liberdade para o indivíduo experimentar e explorar, para pensar e expressar seu
pensamento. Isto é o quê significa a democracia, não a regra de muitos, mas mais do que isto a
salvaguarda de sua liberdade, que justifica a si mesma provendo a inteligência disciplinada em sua
liderança e uma crítica, cidadania de mente aberta. É pior do que inútil criar um grande sistema de
diplomacia internacional e governo, se o seu controle é repousar nas mãos daqueles que são
inadequados para estas altas responsabilidades, e que será o caso, se os cidadãos não estiverem
claramente cientes de seus próprios interesses e livres para insistir neles.” (64)
34
Os defensores da quimioterapia e os médicos políticos têm tirado dos cidadãos americanos o
princípio fundamental da liberdade individual. Este é o direito, o direito absoluto, de decidir o quê
será feito com o seu próprio corpo. Como John Stuart Mill declarou no seu famoso trabalho
intitulado ‘On Liberty (Sobre a Liberdade), parafraseado “Seu (do paciente) próprio bem, físico e
moral, não é uma garantia suficiente” para doutores, burocratas da saúde, elites científicas –
deixarem de lado interesses corruptos de grupo – para arrogantemente pressuporem que eles
sabem o quê é melhor ou que eles estejam protegendo o consumidor. Este princípio fundamental de
liberdade individual, sobre o qual os Estados Unidos foi fundado, foi inicialmente transpassado
pelos médicos políticos nas primeiras décadas do século XX e, no final do século, tinha se tornado
uma imposição tirânica ilimitada de interferência arbitrária médico-científica. O princípio
fundamental que está claramente definido “uma esfera de liberdade” tem de ser reclamado pelos
indivíduos e então restabelecidos nas instituições governamentais (federal, estadual e local) que
regula e supervisiona as clínicas de câncer e os blocos de câncer dentro dos hospitais.
O Coronel David Hackworth, um dos veteranos mais condecorados da guerra do Vietnam,
descreveu em seu livro ‘About Face’ (Sobre a Face) as visitas que ele fez à côrte onde as
audiências de Nuremberg aconteceram após a segunda guerra mundial. Era nesta côrte e outras
que os maiores nazistas, doutores e burocratas assassinos foram condenados por crimes contra a
humanidade.
“A côrte onde Hess, Goering e outros nazistas foram julgados por crimes contra a humanidade é
que foi selada e preservada como um monumento histórico; as poucas vezes que eu entrei lá eu
fiquei de pé em reverência. Era como se o local fosse assombrado; imóvel, eu podia sentir a
presença dos culpados, e daquelas almas corajosas que testemunharam contra eles na esperança
de que tais crimes nunca mais aconteceriam outra vez.” (65)
Como um resultado das audiências de Nuremberg, se tornou um princípio de lei internacional que
nenhum paciente poderia ser pressionado a aceitar um tratamento médico que ele ou ela não
queira.
“O código de Nuremberg, adotou após a II guerra mundial, o acordo em que o paciente ‘deveria
ser tão situado que seria capaz de exercer o livre poder de escolha, sem a intervenção de qualquer
elemento de força, fraude, engano, força de ameaça, insistência ou outra forma ulterior de
constrangimento ou coerção.’ “ (66)
Isto é apoiado pela decisão da Suprema côrte dos Estados Unidos, Cruzan v. Diretor, Missouri,
Departamento de Saúde, 25 de junho de 1990, com ambos, membros conservadores e liberais da
côrte apoiando o princípio preponderante de direito fundamental que um governante “que não
teme a liberdade” (Frase de James Shotwell) protegeria a liberdade individual de decidir o seu
próprio curso de tratamento. A suprema côrte estabeleceu:
“O princípio de que um uma pessoa competente tem uma liberdade constitucionalmente protegida
de recusar um tratamento médico indesejado.” (67)
“O grande pensador de leis e justiça Benjamin Cardoza, na côrte de apelação de New York, tornou
explícito o princípio básico em 1914, muito antes das atrocidades nazistas e os burocratas
assassinos, forçou a lei internacional a focar-se na liberdade individual sobre o seu próprio corpo.
Nas palavras eloquentes e diretas de Cardoza, esta sentença deveria lembrar a cada funcionário de
saúde do governo a suspeitar de abuso à fé pública que inerente ao seu ofício:
“Todo ser humano em idade adulta e mente sã tem o direito de determinar o quê deverá ser feito
com o seu corpo.” (68)
35
Mas o que nós temos dos oficiais da saúde – respeito pela lei e mais profundos princípios dos
séculos passados de liberdade salvaguardando supremo direito individual sobre a mente e o corpo,
como proclamado nas longas e honoráveis palavras de John Stuart Mill em “On Liberty”? Não.
Ao invés disso, o povo americano tem o burocrata da saúde e os defensores das altas doses de
quimioterapia, Vincent DeVita, diretor do Instituto Nacional do Câncer, por toda a década de 80,
ordenando a todas as clínicas e hospitais de câncer a usar altas doses de quimioterapia – sua
especialidade pessoal – em confiança, sem a ciência dos pacientes de câncer.
“DeVita emitiu uma recomendação controversa para 13.000 especialistas de câncer dos Estados
Unidos a prescrever quimioterapia e cirurgia a todas as mulheres com câncer de mama,
independentemente de ele ter se espalhado.” (69)
O ex-presidente Eisenhower esbravejou uma advertência a nós todos em 1º de junho de 1961 após
ele ter se retirado, mas nós tínhamos esquecido:
“Nós consideramos absoluta arrogância acreditar que as pessoas do governo sabem o quê é
melhor para as pessoas do que eles sabem o quê é bom para si mesmos.”
O monopólio médico tem corrompido tanto até as nossa leis em seu favor que a tirania rompante
agora permeia todo o mundo do tratamento do câncer. O exemplo disto é a lei da Califórnia:
“Lei da Califórnia 1707.1. A venda, oferta de venda, armazenamento para venda, entrega, doação,
prescrição ou administração de qualquer droga, remédio, composto ou aparelho para ser usado no
diagnóstico, tratamento, alívio ou cura de câncer é totalmente ilegal a menos que (1) uma
aplicação com respeito a ela tenha sido aprovada sob a seção 505 da Federal Food, Drug and
Cosmestic Act ...” (70)
É totalmente ilegal? Doar uma cura para o câncer é totalmente ilegal?
As burocracias determinam se as pessoas podem ser curadas de câncer e por décadas eles tem
forçado a quimioterapia, a radiação e a cirurgia sobre os pacientes de câncer desesperados, para
a exclusão de alternativas viáveis, apesar de décadas de evidência de que a quimioterapia, a
radiação e a cirurgia são fracassos contra o câncer.
“A burocracia serve para retardar tudo. Para um burocrata, o quê e o porquê não importa nem um
pouco, desde que ele possa desacelerar as coisas.” (71)
“As pessoas que passaram suas vidas na burocracia estavam tipicamente com medo de quebrar as
regras. Essa era uma maneira segura de ser demitido, e ela intimidou as pessoas com o receio de
jogarem suas carreiras fora.” (72)
Mas o movimento em favor do tratamento alternativo para o câncer está emergindo.
Outra vez, Eisenhower:
“Aqui na América nós somos descendentes do sangue e do espírito de revolucionários e rebeldes.
Como sua herança, não poderemos nunca confundir honesta diferença com subversão desleal .,
através do conhecimento e da compreensão, nós conduziremos para fora do templo todos os que
procurarem se estabelecer sobre nós o controle do pensamento.” (73)
Os advogados estão começando a ouvir o som da força emergente. O monopólio médico torcendo a
lei para servir os seus próprios interesses esta começando a agitar a revolta generalizado dos
cidadãos.
36
“Os médicos alopatas americanos, juntamente com suas associações de comércio, a AMA, têm
tentado definir a realidade médica, dominar os terapeutas tradicionais não-médicos e monopolizar
o controle da saúde pública em geral.”
“Um crescente número de pessoas estão se agitando pelos direitos dos pacientes de escolher suas
próprias formas de tratamento médico. Questões legais complexas envolvendo a lei constitucional e
anti-truste com respeito à escolha do tratamento existe em larga escala.” (74)
O princípio fundamental da questão permanece firme, sólido e absolutamente obstinado. Sem
nenhuma noção de proteção do consumidor pelo burocratas, cientistas arrogantes ou sindicatos
médicos pode alterá-la: A soberania do indivíduo sobre o seu ou sua mente e corpo.
Agora é uma regra bem estabelecida da lei geral, tanto no governo quanto na profissão médica em
geral, que é o paciente, e não o médico, quem em decide se o tratamento – ou se qualquer
tratamento – deve ser adotado. A regra nunca foi qualificada em sua aplicação, em natureza ou
propósito do tratamento, ou a gravidade da conivência ou antecedência.” (75)
“Conflitos de interesses subvertem a reivindicação de autoridade dos doutores e as côrtes podem
identificar e proteger a escolha do paciente.” (76)
Um dia haverá julgamento para estas organizações e grupos, que abusam de seu poder e permitem
que milhões sofram e morram.
“Os doutores do ocidente, ignorando amplamente as contribuições das filosofias complementares,
serão provavelmente vistos por vários séculos como vemos hoje a teoria de Ptolomeu de que a
Terra era o centro do universo. (77)
Agora novas ciências emergem. A clara evidência de como o câncer pode ser curado se tornará
parte dos registros futuros dos tribunais. A quimioterapia será banida dos hospitais e clínicas do
futuro.
“A expressão ‘revolução científica’ ou ‘revolução na ciência’, implicam na quebra da
continuidade, o estabelecimento de uma nova ordem que terá deixado de lado seus vínculos com o
passado, um plano claramente definido de segmentação entre o quê é velho e familiar e o quê é
novo e diferente.” (78)
James DeMeo, em uma carta aberta divulgada na Internet, explicou como a FDA está ainda
resistindo às regras da Suprema Côrte, a lei da terra:
“- A FDA tem o direito legal de impedir que os americanos aprendam sobre visões contrárias às
suas próprias? A FDA diz sim, mas a Suprema Côrte diz não. Com sua novas regras propostas, a
FDA tem desafiado a decisão da Suprema Côrte em um caso chamado Daubert v. Merrrill Dow.
Dasubert substituiu o ‘Teste Geral de Aceitação’ (um frase equivalente a ‘significant scientific
agreement (acordo científico significante)’ com o Regulamento Federal de Evidência para admitir
testemunho científico em uma audiência federal. O novo padrão mandado pela Suprema Côrte
postula que há ‘significante evidência científica’ para dar suporte a uma alegação, ao invés do
‘significant scientific agreement (acordo científico significante)’ proposto pela FDA. A diferença
entre os dois padrões é enorme. O padrão da Suprema Côrte se apóia em evidência científica, ao
invés de opinião dos cientistas de burocratas da FDA, que podem não estar cientes da evidência em
favor de uma alegação, ou podem escolher ignorar esta evidência.” (79)
37
Portanto, agora a nova medicina emerge com as leis da nação americana no lugar certo, pronta
para aceitar evidências científicas. A revolução está para acontecer. Milhões de pessoas que
desenvolvem câncer serão curadas no futuro, rapidamente por métodos disponíveis agora que o
monopólio médico e seus comparsas burocráticos da saúde criminosamente negaram aos pacientes
do passado:
“É um fato bem estabelecido que um dos programas mais importantes geneticamente codificados
nos humanos é a capacidade de curarem-se a si mesmos. A cura começa nas partes mais profundas
de nossos seres – nos níveis emocional e mental – e então se irradia para o nível físico.” (80)
“Se a ciência se concentrasse em limpar o sangue e em permitir que o sangue faça o seu trabalho
de atacar as células do câncer, a ‘Guerra contra o Câncer’ poderia ser facilmente vencida.
“Quando você tem câncer, o seu corpo inteiro precisa de um massivo reparo. Quase todos os
órgãos exaustos e intoxicados: seus rins, seu fígado, seu cólon e o seu sistema imunológico.
Quando você faz o trabalho correto e cura seu corpo inteiro, o câncer desaparecerá
permanentemente.” (81)
“O câncer é um processo de degeneração progressiva onde as células não mais mantêm um
metabolismo aeróbico normal ou um alto grau de diferenciação. Para estabilizar e eliminar a
doença, promovendo a saúde ativamente através de mudanças e os padrões de estilo de vida façam
um sentido lógico. Um programa específico para ambos, tratar o câncer e dar suporte à saúde
como um todo pode incluir os seguintes 4 procedimentos: 1) Melhorar o metabolismo. 2)Limpar o
sangue para desonerar o sistema imunológico. 3) Induzir o sistema imunológico a eliminar as
células anormais. 4) Normalizar a expressão do DNA.” (82)
O Juramento Hipocrático, o sagrado juramento que todo médico faz ao se tornar um doutor, será
visto seriamente outra vez no futuro. Os defensores da quimioterapia serão perguntados sobre o
porquê eles não o honraram e porquê eles deram veneno para seus pacientes. O Juramento de
Hipócrates inclui o seguinte:
“Eu utilizarei o tratamento para ajudar o doente. Eu nunca os usarei para injuriá-los (acordo
científico significante ou tratá-los erroneamente. Eu não darei veneno a ninguém.” (83)
Todos os médicos que um vez foram parte da AMA deveriam ser perguntados o porquê eles
silenciosamente permitiram que os chefes da AMA cometessem tais crimes contra o povo
americano como tem sido demonstrado testemunhos na côrte, registros documentados e decisões
definitivas da côrte, que declararam que a AMA tinha liderado uma conspiração. Como os
doutores vivem consigo mesmos e continuam a dar suporte a esta organização?
É uma grande questão e merece um resposta revolucionária do doutores. Não apenas uma limpeza
do mal cheiro dentro de seus próprios estábulos, mas uma aceitação aberta de terapeutas
alternativos na tarefa de curar inocentes, pacientes confiados que estão dor e agonia.
O chefe da Suprema Côrte o juiz William Rehnquist, um conservador, e o juiz associado da
Suprema Côrte William Brennan, um liberal, fecharam este livro com suas compartilhadas
declarações reverberantes concernentes à “esfera de liberdade” do indivíduo em seu aspecto
médico. O Chefe da Justiça William Rehnquist, 1990:
“Nenhum direito é mais sagrado, ou é mais cuidadosamente guardado, pela lei comum do que o
direito de cada indivíduo sobre a possessão e o controle de sua própria pessoa. O juiz Cordoza
descreveu esta doutrina assim: ‘Todo ser humano de idade adulta e mente sã tem o direito de
determinar o quê deve ser feito com o seu próprio corpo.” (84)
O juiz associado William Brennan, em 1990:
38
“Os direitos fundamentais ‘são protegidos, não somente contra ataques tirânicos frontais, mas
também de ser suprimido por interferências governamentais mais sutis.’ ‘A premissa fundamental’
da aceitação informada é que todo ser humano de idade adulta e mente sã tem o direito de
determinar o quê deve ser feito com o seu próprio corpo.” (85)
Apêndices
39
Em cima: A primeira audiência de Nuremberg
Em baixo: Robert H. J ackson, O Promotor Americano
Apêndice A
A Súmula do Promotor Americano
na Primeira Audiência de Nuremberg
Algumas destas palavras históricas se aplicam aos crimes da medicina científica da América neste
livro.
Robert H. Jackson em Nuremberg, Alemanha em 26 de julho de 1946.
“É impossível em uma súmula fazer mais do que delinear com linhas grossas a essência deste
registro louco e melancólico desta audiência, que viverá como um texto histórico da vergonha e da
corrupção do século XX.
“Não é o pensamento deles, é o ato visível deles que nos acusamos como crimes. Seus credos e
ensinamentos são importantes apenas com evidência do motivo, propósito, conhecimento e
intenção.
40
“Em resumo, nós agora temos diante de nós as evidências testificadas da criminalidade e temos
ouvido as frágeis desculpas e evasões sem valor dos defensores ... se o caso que eu apresento
parece duro e inflexível, é porque a evidência o torna desta maneira.
“Eu coloco diante de vocês somente as linhas gerais de um caso que é impressionante em sua
simplicidade. Eu tenho de deixar isto para os experts ordenarem as evidências e escreverem
volumes sobre suas especialidades, enquanto eu delineio em linhas grossas as ofensas cuja
aceitação como legítimas ameaçariam a continuidade da civilização.
“A acusação requer examinação de um política criminal, não de uma atitude isolada, não
planejada, ou crimes disputados.
“As leis foram criadas de tanta ambiguidade que elas poderiam ser usadas para punir quase que
qualquer ato inocente. [Lembrando uma das várias regulamentações da FDA.]
“Um plano comum ou conspiração para tirar proveito da máquina do estado, para cometer crimes
contra a paz do mundo, para apagar um raça da existência, para sujeitar milhões e subjugar e
roubar nações inteiras, não pode ser pensado nos mesmos termos do planejamento de um pequeno
crime, embora os mesmos princípios básicos possam ser aplicáveis. A operação envolve a
manipulação da opinião pública, a lei do estado, o poder da polícia, a indústria e as finanças.
[Lembrando uma das várias atividades e políticas da AMA que duraram décadas.]
“Os defensores não negam que estas coisas aconteceram, mais é argumentado que elas ‘apenas
aconteceram,’ e que elas não foram o resultado de um plano comum ou um conspiração.
“O artigo 8 prevê que a ordem do governo ou de um superior não deverá livrar um defensor da
responsabilidade de um réu, mas pode somente ser considerado em mitigação.
“Mas é recomendado que estes réus não podem estar em acordo em um plano comum ou em uma
conspiração porque eles estavam lutando entre eles mesmos ou pertenciam a facções diferentes.
Obviamente, não é necessário que homens devam concordar sobre tudo para fazer acordos sobre
coisas suficientes para torná-los aptos para uma conspiração criminosa. Inquestionavelmente,
havia conspirações dentro da conspiração, e intrigas e rivalidades e lutas pelo poder.
“O ultimo argumento de cada réu é que mesmo que houvesse uma conspiração ele não estava nela.
Portanto, é importante examinar suas tentativas de evitar a responsabilidade de saber, em primeiro
lugar, exatamente o quê é que uma acusação de conspiração compreende e pune.
“Em um conspiração nós não punimos um home pelo crime de um outro homem. Nós procuramos
punir cada um por seu próprio crime de juntar-se ao plano do crime comum no qual outros também
participaram ... o cerne da ofensa é a participação na formulação ou execução do plano. Estas são
as regras que toda sociedade tem achado necessária par alcançar os homens, como estes réus, que
nunca sujaram as próprias mãos de sangue, mas que fizeram planos que resultaram em
derramamento de sangue.
“A lista de réus é feita de homens que desempenharam partes indispensáveis e recíprocas nesta
tragédia.
“Para escapar das implicações de suas posições e da inferência de culpa por suas atividades, os
réus são quase unânimes em um defesa. O refrão é ouvido repetidamente: estes homens eram sem
autoridade, sem conhecimento, sem influência, e de fato, sem importância.
“No testemunho de cada réu, em algum ponto, havia chegado a uma familiar parede branca:
ninguém sabia nada do que estava acontecendo. Vez após outra, temos ouvido o côro: ‘Eu somente
ouvi sobre estas coisas aqui, pela primeira vez.’
“Estes homens não viram nenhum mau, disseram nenhum mau, e nenhum mau foi expressado em
suas presenças.
“Nós temos apresentado a este tribunal um caso afirmativo baseado em documentos
incriminatórios que são suficientes, se não explicados, para requerer a sentença de culpa.
“Eles todos têm uma fala ininteligível com a qual enganam o desatento. Temos de procurar por
significados ocultos.
“Além das afirmações ilimitadamente falsas e ininteligíveis, há também outras evasões da verdade
na natureza de fantásticas explanações e absurdas profissões.
41
“É contra tal panorama que estes réus agora pedem a este tribunal para dizer que eles não são
culpados de planejar, executar ou conspirar para cometer esta longa lista de crimes e erros. Eles
se levantam diante do registro desta audiência como Goucester fez, com o corpo coberto de
sangue, ao lado do seu rei morto. Ele implorou da viúva, como eles imploram de você: ‘Diga que
eu não os matei.’ E a rainha respondeu, ‘Então diga que eles não foram mortos. Mas mortos eles
estão.’ ”
Apêndice B
A guerra da AMA contra a Terapia da Luz
Em 1920 a Dra. Kate Baldwin, cirurgião sênior por 23 anos no Hospital Filadélfia e Hospital das
Mulheres – o hospital para mulheres mais velho da América – introduziu a terapia de luz no
hospital. Os impressionantes resultados a convenceram de que a terapia da luz era muito superior
ao tratamento médico ortodoxo. Infelizmente, a AMA estava determinada a suprimir a Terapia da
Luz. Em 1924 o ataque deles foi iniciado em um Jornal da AMA.
Nós vários anos seguintes os médicos políticos perseguiram a criadora da Terapia da Luz, a
própria Dra. Baldwin, e todos os outros que ofereceram a Terapia da Luz – que era, obviamente,
apenas uma outra forma de medicina vibracional ou medicina energética ou da energia. Os
médicos políticos, com a assistência das agências do governo federal, tiveram êxito em suprimir a
42
nova ciência e sua ameaça ao monopólio médico. Entretanto, por décadas que viriam, milhões de
americanos sofreram horrivelmente porque os revolucionários tratamentos eficazes para
queimaduras, uma longa lista de doenças e todos os tipos de injúrias humanas imagináveis foram
negados a eles, porque os médicos políticos da AMA tinham escolhido colocar seus próprios
interesses à frente do interesse público.
Os seguintes selecionados comentários da Dra. Kate Baldwin, meio século antes da revivência da
Terapia da Luz nos anos 80, devem lembrar ao leitor a magnitude do crime perpetrado pelo
monopólio médico e seus fabricantes de drogas, juntamente com as agências federais de saúde, co-
conspiradores da América no século XX.
“Por séculos, cientistas têm devotado incansáveis esforços para descobrir meios para o alívio ou a
cura das doenças humanas e a restauração das funções normais. Ainda, na ignorada luz e na cor
há um potência muito além dessa de drogas e soros. Há muitas nuances de cada cor, e cada uma é
produzida por uma pequena diferença no comprimento da onda. As ondas das cores podem ser
sintonizadas. A cor é a mais simples e mais precisa medida terapêutica desenvolvida.
“Após quase trinta e sete anos de ativa prática hospitalar e prática privada na medicina e cirurgia,
eu posso produzir resultados mais rápidos e precisos com cores do que com qualquer ou todos os
outros métodos combinados – e com menos sequelas físicas para o paciente. O uso de cores no
tratamento de queimaduras – a sensação de queimação pode ser neutralizada em 20 a 30 minutos,
e não retorna. Não há nenhuma dúvida de que a luz e a cor são meios terapêuticos importantes. A
adoção deles será uma vantagem para as pessoas.” Um artigo escrito pela Dr. Kate Baldwin e
apresentado à Sociedade Médica do Estado da Pensilvânia em 26 outubro de 1926.
“Eu comecei a usar Espectro-Cromo no final da década de 20 e início da década de 30 e não
demorou para que eu decidisse que ela era melhor do que qualquer outra coisa que eu tinha.
Qualquer das chamadas doenças, tudo que é razoavelmente curável, se curará e curará muitas
coisas que as drogas e a cirurgia geral e o trabalho cirúrgico não curarão. Em muitos casos de
câncer, o espectro-cromo o curará. Eu fecharia o meu consultório esta noite para nunca mais ver
uma outra pessoas doente, se eu tivesse de voltar ao velho estilo de medicina e desistir do espectro-
cromo.” Testemunhos dados por Kate Baldwin em 1931 na audiência de Dinshah P. Ghadiali,
criador da Terapia da Luz e Cor, sistema usado pela Dra. Baldwin.
43
Apêndice C
Uma perspectiva científica moderna sobre Rife
A ‘Health Freedom News’, na edição de agosto de 1994 , publicada pela National Health
Federation (Federação Nacional de Saúde) (NUF, box 688, Monrovia, CA 91017), o físico Gary
Wade explicou como a vibratória, co-ressonância, ou destruição em forma de ondas das bactérias
anãs em 1930 também funcionaria com estruturas microbiais definidas pelos tradicionais cientistas
da década de 90 como viroses. O artigo de Wade, revisado em 1996, proveu claramente aos
cientistas de mente aberta do futuro com razões poderosas para investigar fazerem experiências
com as doenças mortais usando a técnica de Rife para destruí-las. Portanto, a real virose ligada ao
câncer, Aids ou outras horríveis condições degenerativas estavam susceptíveis a um antídoto
barato e não químico.
Gary Wade tem feito contribuições maravilhosas e únicas para a revivência da suprimida
descoberta médica e científica de Rife. Em um apêndice do artigo, que Mr. Wade encorajou e
autorizou as pessoas a “copiar e compartilhar”, ele fez um número de afirmações poderosas que
desafiam o pensamento e as desculpas tradicionais dos cientistas ortodoxos de que a técnica de
Rife é sem sentido e deve ser ignorada ou descartada. A maioria dos detalhes técnicos foi omitida
nas citações selecionadas de Mr. Wade oferecidas aqui.
É esperado que o homem comum ou a mulher comum lendo as palavras de Mr. Wade agora, com
os detalhes técnicos relativos à física e os micróbios removidos, entenderam, fácil e rapidamente,
como os cientistas convencionais, doutores e funcionários de saúde do governo – abusando de suas
autoridades – tem jogado perde-e-ganha com o público com respeito às históricas descobertas e
invenções de Rife. É também esperado que lerem as palavras de Mr. Wade agora reconhecerão
rapidamente como milhões de dólares em pesquisas, audiências clínicas e inúteis drogas aprovadas
pela redes tradicionais da FDA e do Instituto Nacional de Saúde têm causado que bilhões de
dólares serem perdidos em drogas perigosas, destruidoras do sistema imunológico, que não
ajudam as vítimas, mas meramente perpetuam um monopólio médico corrupto.
Gary Wade afirmou:
“A estrutura física do vírus capsídeos mostrarão que eles têm uma constituição que é
particularmente suscetível à destruição pelas vibrações estruturais ressonantes. Também um olhar
para a membrana celular da bactéria e a estrutura da parede celular da bactéria sugerirá como e
porquê as bactérias são suscetíveis à destruição pela exposição às vibrações estruturais de
ressonância.
44
“Quando Rife expôs as viroses ao seus modos mais estressantes de oscilação mecânica, ele pode
literalmente, enquanto vendo-as através do microscópio, vê-las desintegrarem e/ou mesmo
explodirem.
“Para apreciar totalmente como e porquê um vírus é tão suscetível à sua própria frequência de
vibração mecânica de ressonância estrutural, é necessário aplicar alguma física simples ao
problema. Toda a física que será usada é prontamente disponível nos livros de física mecânica
básica, portanto eu simplesmente afirmarei os resultados aqui.
“Com a escolha apropriada das frequências e relativa intensidade entre as frequências e
intensidades absolutas, nós devemos ser capazes de converter viroses helicoidais em lixo orgânico
em um segundo ou próximo disto.
“O HIV tem três óbvias estruturas periódicas que podem ser atacadas pelas vibrações estruturais
ressonantes. É prático manter uma pessoa infectada com um vírus sob exposição contínua às
vibrações estruturais ressonantes para aquele vírus. Isto pode ser alcançado de várias maneiras: 1)
A pessoa pode colocar uma pequena e invisível unidade transdutora de ultra-som, 2) Um
instrumento de frequências de Rife do tipo “portátil” pode ser instalado em casa ou em um local de
trabalho, e 3)Um vibração de ultra-som de ressonância estrutural pode ser carregada pelo ar do
quarto. Agora, se o vírus for impedido de infectar novas células devido à sua destruição pelas
vibrações estruturais ressonantes, então o corpo potencialmente, por si só, se livrar do vírus
completamente.
“De agora em diante, para a destruição da bactéria pelas vibrações estruturais ressonantes. Pelo
que ainda sobrou do trabalho de Rife e que está disponível para o público, é claro que Rife era
capaz de destruir todas as bactérias que ele encontrou usando seu instrumento de frequências. Em
outras palavras, ele podia destruir viroses e bactérias facilmente com o seu instrumento de
frequências. Alguém ou alguma instituição precisará construir uma versão modernizada de um
microscópio de Rife e de fato observar a destruição celular das bactérias por um instrumento de
frequências de Rife para determinar aonde estão os pontos fracos da parede celular da bactéria
que permitem que a pressão osmótica romper a bactéria e derramar o seu conteúdo para fora.
“Você deve agora compreender com Rife, usando o seu instrumento de frequências, era capaz de,
em 1939, destruir as patogenias virais e bacterianas associadas com as 52 das principais doenças,
incluindo o câncer.
“Os resultados de Rife foram total e completamente verificados pelos testes feitos em 1934, 1935 e
1937, que foram feitos pelo “U.S.C. Medical School Special Medical Research Committee”
(Comitê Especial de pesquisa Médica da Escola de Medicina) que supervisionou os testes clínicos.
“A responsabilidade pelas mortes, sofrimento, e ruína financeira de dezenas e dezenas de milhões
de pessoas desde 1937, repousa claramente na covardia, ganância e liderança/propriedade
corrupta da indústria médica. Isto inclui as empresas farmacêuticas e seguradoras que têm sido as
maiores beneficiadas e difusoras da ganância e corrupção associada.
“Os tratamentos de Rife deveriam estar disponíveis em todos os lugares imediatamente! Agora,
quem você pensar que resistirá à implementação do tratamento de Rife? Quem você pensa que
tentará, e tem tidos as leis, como a lei de Weinberger na Califórnia, passada de maneira você só
pode ser tratado de câncer por um doutor médico alopata que usa somente: 1) Cirurgia, 2)
Radiação e/ou 3) Quimioterapia/”
*Um pacote compreensível sobre a Tecnologia de Rife preparado por Gary Wade (para a mente
técnica) esta disponível por US$25 no endereço abaixo:
Kursh Enterprises
801 Edie Drive
Duarte, CA 91010
45
Apêndice D
HANSI
Um Tratamento Homeopático
O HANSI é um tratamento homeopático desenvolvido por um botânico argentino, Juan Hirshmann.
Um grande número de pessoas, incluindo muitos com câncer, têm se beneficiado do seu uso. Seus
resultados podem ser tão impressionantes que os doutores americanos de mente aberta têm
defendido o seu uso, e as escolas médicas nas universidades americanas de qualidade estão
conduzindo pesquisas “silenciosas”.
Mesmo assim, fanáticos das curas anti-alternativas que têm feito suas carreiras atacando qualquer
coisa que não seja medicina convencional, já estão denunciando o HANSI. Quem, mais uma vez,
percebe o jogo sujo? Os pacientes por toda a América que poderiam ser beneficiados por esta
potencialmente significante “cura energética” alternativa, mas que simplesmente nunca foram
informados sobre ele ou tiveram a oportunidade de tê-la em um hospital ou clínica moderna – são
quem. O monopólio médico, protegendo seus próprios interesses, não os interesses dos pacientes,
impuseram o seu poder.
As citações selecionadas a seguir darão um outra visão dentro do quê é negado ao povo
americano.
Retiradas de uma apresentação do médico Dewayne L. Hull, M.D. na ‘Penn State University’, em
outubro de 1997.
“Nós estamos nos encontrando para discutir possibilidades de tratamento de um novo paradigma
para o próximo milênio.
“Financeiramente falando, as indústrias farmacêuticas e de propaganda têm tido bastante sucesso
– enquanto, ao longo dos últimos 50 anos, a saúde das pessoas no Estados Unidos tem deteriorado
com o uso de farmacêuticos químicos.
“Se quisermos desenvolver um novo paradigma de tratamentos, temos de romper os elos que estão
sendo manipulados agora pela indústria farmacêutica – com o apoio dos altos funcionários do
governo – e mudar o nosso foco para ‘como alterar a ressonância celular de forma a retornar à
homeostasia. Há certas substâncias naturais ... A mais efetivas destas é chamada HANSI, isto é,
Homeopatic Activator of the Natural Imune System (Ativador Homeopático do Sistema Imunológico
Natural).
HANSI é um multi-herbal produzido em uma diluição homeopática. Ele não tem efeitos colaterais e
nenhuma toxidade.
“Os efeitos do HANSI – com respeito aos câncer sólidos – são fascinantes! Essa discussão está de
alguma forma além do âmbito desta apresentação. É quase inacreditável quando observamos
aqueles com diagnóstico de câncer de pâncreas vivendo sem dor, mantendo o seu peso e exibindo
energia extra. Estas pessoas estão vivendo muito bem, tanto quanto você e eu – e isto 5 anos após o
46
diagnóstico. Isto acontece com regularidade – quando o paciente evita a cirurgia radical, a
quimioterapia e a radiação, e ao invés destes, usa o HANSI.
“Frequentemente contemplo o quê pode ser alcançado com alguns dos bilhões de dólares que
temos gastado com o ‘mapeamento genético’. Um dia, nós poderemos todos ver a luz – visível ou
invisível para o olho humano – porque tudo converge para um fato – é apenas uma questão de
ressonância.”
De “HANSI: O Milagre Médico da Argentina,” Carta de Townsend aos Doutores e Pacientes”, em
outubro de 1995:
“HANSI é nome que um botânico argentino Juan Hirshmann deu à sua família de tratamentos
homeopáticos para uma grande variedade de doenças, incluindo o câncer, AIDS, síndrome da
fadiga crônica, artrite, asma, e hepatite. Em julho de 1990, ele abriu sua primeira clínica em
Buenos Aires e começou a tratar os paciente de câncer humano
com o HANSI.
“HANSI se comprovou tão efetivo que sua primeira clínica foi ocupada por uma multidão de
pacientes de câncer, alarmando o governo e requerendo a presença da polícia para controlar a
multidão.
“HANSI International Ltd., é uma empresa das Bahamas com o direito de produção e distribuição
para o mundo inteiro de todos os produtos homeopáticos de Juan Hirschmann. Ela importa seus
produtos (para a América do Norte) sob a regulamentação de ‘isenção para uso pessoal.’
“Tirado do ‘The Healing World of HANSI” (O Mundo de Cura de HANSI), um livreto publicado
pelo Escritório de Informações de Sarasota, Flórida, do HANSI Internacional:
“O quê é HANSI? HANSI é um composto formado das essências de plantas e minerais encontrados
nas florestas tropicais e desertos da Argentina, que são vastamente diluídas, energeticamente
armazenadas na água e introduzidas em pequenas quantidades no corpo humano. HANSI então
ativa, fortalece e equilibra o sistema imunológico do corpo, que fica estimulado a desempenhar sua
função inata – combatendo as doenças e restaurando a homeostasia.
“O HANSI tem sido comprovadamente 100% não tóxico e portanto atua totalmente se efeitos
colaterais prejudiciais.
“A pesquisa sobre a medicina alternativa tem sido negligenciada e desencorajada nos Estados
Unidos em favor da medicina tradicional, baseada em drogas químicas. Felizmente, isso não tem
acontecido em outras áreas do mundo.
“Desde 1990, mais de 100.000 pacientes de câncer têm sido tratados nas clínicas da Argentina,
com resultados notáveis e sem efeitos colaterais danosos.
“De maneira simples, HANSI normaliza/equilibra ou modula o sistema imunológico.
“O HANSI não pode ser sintetizado (recriado sinteticamente em um laboratório).
“Um médico e cientista francês, Dr. Jacques Benveniste, deixou o mundo da imunologia perplexo
em 1995 com os resultados de seus experimentos.
“Os efeitos dos remédios padrão ou alopáticos tratam a doença com a introdução de drogas
químicas artificiais no corpo para suprimir os organismos doentes ... A homeopatia induz o corpo a
usar sua própria defesa com ínfimas quantidades de substâncias encontradas na natureza,
totalmente sem os efeitos colaterais indesejáveis.
“A homeopatia é a principal medicina na Alemanha, Inglaterra, França e na maioria dos outros
países europeus.
“O HANSI é um amálgama de muitas substâncias e pode tratar muitas doenças diferentes,
incluindo as mais difíceis e sérias.
“Quando o Dr. Benveniste fez a sua surpreendente descoberta de que a água transfere e armazena
sinais moleculares, ele anteviu um futuro iminente, quando os doutores utilizariam o sistema de
comunicação molecular eletromagnética para fazer cirurgias sem bisturis, preveniria doenças sem
o uso de vacinas, e curariam sem drogas.
47
“Ele afirmou que sua pesquisa poderia levar à ‘medicina do futuro.’
“O HANSI é, no mínimo, uma ponte para o futuro, e mais provavelmente, é uma parte desse futuro
– agora!”
Apêndice E
Unguentos para o Câncer
Os Unguentos para o Câncer, de Ingrid Naiman é uma minuciosa explanação sobre o uso de
unguentos herbais durante séculos para o tratamento do câncer e especialmente como uma
alternativa para a cirurgia. Ao extrair tumores, certos unguentos – quando usados
apropriadamente e com a ajuda de pessoas experientes no procedimento – oferece um outro
tratamento valioso entre as terapias alternativas do início do século XXI, que a medicina
convencional do século passado ignorou por causa das políticas médicas e pelos motivos do
monopólio médico corrupto. Esperamos que os unguentos para o câncer se tornem a base para
investigações científica sérias no curso de uma enérgica e nova terapia para as pessoas com
câncer. Combinado com a comprovada e revolucionária medicina energética, os unguentos para o
câncer podem ter um lugar significativo entre os principais métodos solidamente científicos de cura
de amanhã.
“Unguentos para o Câncer” foi publicado por Seventh Ray Press, P.O.Box 31007, Santa Fé, New
Mexico 87594-1007, USA e distribuído por North Atlantic Books, P.O.Box 12327, Berkeley, CA
94712. Os endereço dos sites são:
http://www.cancersalves.com
e
http://www.nortatlanticbooks.com
Este trecho foi tirado do livro “Cancer Salves”:
“Pessoalmente não acredito que a medicina convencional tenha se desvencilhado das motivações
obscuras de seus predecessores: controle de informações com o objetivo da dominação econômica.
Até que ela seja capaz de limpar a própria casa e policiar o próprio trabalho, ela permanece não
confiável.
“Se o sistema estivesse disposto a questionar a si mesmo para avaliar criticamente as razões de
sua própria falência, ele mereceria a honra e os monopólios de que ele goza atualmente.
Entretanto, os estudos sugerem que o seu monopólio é uma matéria financeira e política e não de
mérito.
“Na maioria dos casos, os pacientes que usam os unguentos nunca encontram outras pessoas que
usaram a mesma técnica; eles não sabem como aplicar os unguentos ou o emplastro nos locais de
tratamento; e eles não sabem como o unguento funciona ou o quê esperar. A situação atual está,
portanto, longe da ideal para o paciente; mas tomara, este livro encorajará mais profissionais da
saúde a desenvolver esta capacidade.
48
Apêndice F
Quimio-Patologia
Em abril de 1999, aqueles que estabeleciam as políticas para o câncer fizeram um relatório
afirmando que o maior erro de todos no atual tratamento médico e científico para os pacientes de
câncer era não receber a suficiente quimioterapia e radiação após a cirurgia.
O jornal USA Today reportou o seguinte em 7 de abril de 1999, na página 8D, em um artigo
intitulado, “Many Cancer Patientes Miss Out On Best Care” (Muitos Pacientes de Câncer
Carecem dos Melhores Cuidados):
“Muitos dos mais de 8 milhões de pessoas que serão tratados de câncer este ano não receberão as
terapias reconhecidamente mais efetivas, diz uma reportagem principal.
“Joseph Simone (é o) vice-presidente do National Cancer Policy Board (Comitê Nacional de
Políticas para o Câncer) . O comitê foi criado pelo Instituto de Medicina e o Conselho Nacional de
Pesquisa, que aconselhou o governo sobre as políticas médicas e científicas.
“Simone diz, ‘É o senso comum.’
“A reportagem cita o sub-uso das terapias como a radiação e a quimioterapia após a cirurgia.”
A tragédia de permitir que experts tão ignorantes e de mente estreita controlem a política nacional
e imponham suas crenças falhas e parciais permanecem sendo a realidade dos nossos tempos. O
continuado ‘medicídeo’ (assassinato em massa por tratamento médico impróprio) continua sua
tortura e matança de tantas pacientes de câncer que confiam em seus médicos, e aos quais são
negadas as reais escolhas e acessos às terapias alternativas para o câncer, que poderiam curar
seus cânceres para sempre.
Neste ínterim, o escritor de medicina do Los Angels Times estava desvirtuando um grande número
de leitores do sul da Califórnia com a mesma reportagem falsa sobre a quimio-patologia: “Os
Melhores Centros de Câncer.’ Ainda, tão patético quanto o jornalista de assuntos médicos foi
Thomnas H. Maugh II, no mínimo desavisadamente, revelou as forças por trás do matéria-
propaganda: “O relatório do Instituto de Medicina, comissionado pelo Instituto Nacional do
Câncer, a Sociedade Americana do Câncer, os Centros para controle e prevenção, e duas empresas
farmacêuticas.” Los Angels Times, 12 de abril de 1999, p.S2.
Na semana seguinte, foi anunciado que o amor da elite do câncer pelo transplante da medula óssea
para câncer de mama tinha provado ser um fracasso essencialmente inútil, doloroso e caríssimo
($100.000). Os resultados dos testes clínicos revelaram:
49
“Nenhum crescimento na taxa geral de sobrevivência. Os transplantes não são em si uma terapia
anti-câncer. Ao contrário, eles dão sustentação ao corpo do paciente, permitindo que os doutores
tratarem os tumores muito mais agressivamente. Nestes casos, os médicos usam até 20 vezes mais a
dose de drogas de câncer.” Los Angeles Times, 16 de abril de 1999.
Quimio-patologia combinada com o fanatismo auto-servidor e transplantes de medula foram
realmente nada mais do que maldade médica mascarando uma muito, muito lucrativa (para os
doutores) experimentação científica.
Apêndice G
A Medicina das Drogas como Causa Líder de Morte
No jornal da AMA de 15 de abril de 1998 havia um artigo que examinava o número de mortes nos
Estados Unidos causadas por reação à medicina da droga remédios químicos. O artigo era
baseado em um pesquisa combinando 32 anos e 39 estudos do que é chamado “reações adversas às
drogas” em pacientes hospitalizados que os mataram. A conclusão foi que as drogas podem ter
sido a quarta causa líder de mortes após as doenças do coração, câncer e acidentes
cardiovasculares.
Foi apropriado que a AMA tenha publicado esta surpreendente horrível estatística. Afinal, a AMA
tinha desempenhado papel importantíssimo na supressão de muitas terapias curativas
verdadeiramente maravilhosas para que AMA e seus membros pudessem se beneficiar das terapias
de drogas. Agora as galinhas estavam voltando para o poleiro. O povo americano estava
descobrindo os fracassos da medicina ortodoxa das drogas e procurando alternativas. Os crimes
dos doutores, cientistas e funcionários de saúde do governo de impor as drogas sobre o povo
americano por muitas décadas, estava gradualmente se tornando conhecida.
Aqui está uma amostra do artigo do JAMA de 15 de abril de 1998, que atinge os médicos
monopolistas como um martelo:
“As reações adversas às drogas (RAD) pode ser uma das causas principais de morte em pacientes
hospitalizados. Nós descobrimos que sérias RADs são frequentes e mais ainda do que são
geralmente reconhecidas. RADs parecem estar entre a quarta e a sexta causa de morte. Sua
incidência tem se mantido estável nos últimos 30 anos.”
Enquanto isto, como os fatos horríveis e a verdade sobre o quê o monopólio e sua obsessão por
drogas tem feito a milhões de americanos por décadas e décadas começa a se tornar um dado
estatístico mais grave, aqueles que ainda dominam a terapia convencional do câncer e a pesquisa
se recusa a conceder qualquer espaço. Incrivelmente, eles se organizaram para sangrar mais
dinheiro do povo americano com suas prioridades inúteis e unilateralistas para o câncer.
O jornal ‘The Seatle Times’ de 15 de outubro de 1998, publicou um artigo originado do ‘The
Washington Post. De acordo com o artigo, “165 experts, incluindo alguns dos maiores
pesquisadores do país” tinham escrito um relatório coletivamente. O relatório recomendava o
aumento do orçamento anual do Instituto Nacional do Câncer de US$2.5 bilhões para “pesquisas”
para US$10 bilhões para o ano de 2003. Tudo isto enquanto as terapias que realmente curam o
câncer eram ignoradas, suprimidas e descritas nos releases distribuídos para a impressa com
mentiras, clara e conscientemente manipuladas, e desinformação.
A lavagem cerebral, uniformizada, doutores da televisão altamente bem pagos para vender a
grande mentira da medicina das drogas para incontáveis americanos vulneráveis. O Dr. Arnot, o
50
“confiável correspondente médico da CBS”, encorajava enfaticamente os pacientes de câncer a
adotar o tratamento convencional primeiro e então, se ele não funcionasse, para se inscreverem
para os testes experimentais do Instituto Nacional do Câncer. A citação foi retirada do seu livro
The Best Medicine (A Melhor Medicina), página 266, 268 e 270.
“Certifique-se de receber o máximo dos benefícios das terapias convencionais primeiro. O Instituto
Nacional do Câncer acredita que milhares de pacientes morrem a cada ano porque suas doses de
quimioterapia foram inadequadas. Este é o único e maior erro da quimioterapia. Os pacientes
podem encontrar as melhores terapias experimentais nos mais prestigiosos institutos de câncer da
América. Você pode ser um dos primeiros a se beneficiar de um poderoso novo tratamento.”
A medicina continua e as pessoas que têm sido milagrosamente curadas de câncer pelas terapias
alternativas são estudiosamente ignoradas pelos fundamentalistas da medicina, comparsas
científicos e os burocratas do governo que controlam o dinheiro e estabelecem quais terapias são
permitidas e quais terapias são proibidas.
Apêndice H
Rife Chega ao Cenário Nacional
Na primavera de 1931, a revista nacionalmente distribuída Popular Science (Ciência Popular)
revelou a estória gênio científico Royal Raymond Rife e os milagres médicos que seu trabalho,
descobertas e invenções tornaram possíveis. Logo depois, um número de cientistas proeminentes
começaram suas viagens para San Diego para ver por eles mesmos o quê Rife tinha conseguido e o
que o futuro prometia.
Tudo o quê aconteceu no restante da década de 1930 relacionado com Rife a partir do
impressionante artigo da Popular Science – o desenvolvimento da equipe que incorporava o
University of Southern California’s Special Medical Research Committee (Comitê de Pesquisa
Médica da Universidade da Califórnia do Sul); as clínicas de câncer que validaram a cura da
Medicina Energética de Rife, uma vez que o misterioso micróbio responsável por muitos, se não
51
todos, os cânceres foram destruídos sem dor e as pessoas diagnosticadas com câncer terminal
foram completamente curadas de seus cânceres; a verificação do poder do microscópio de Rife e a
publicação daquele fato nacional na revista Science por um dos mais eminentes cientistas da Mayo
Clinic; a supressão organizada da Medicina da Energia ou Energética pela AMA, culminando com
a invasão dos consultórios dos médicos da Sociedade Médica de San Diego e a ameaça aos
doutores com a perda de suas licenças médicas e prisão, se os doutores não parassem de usar
imediatamente o poderoso instrumento de cura de Rife; e finalmente, a audiência da côrte em 1939,
que destruiu Rife e proibiram suas descobertas médicas e científicas de serem largamente
distribuídas e integradas ao curso da medicina por toda a América por décadas e décadas que se
passaram – tudo isto provocado por um artigo revelador na revista Popular Science na primavera
de 1931.
Aqui está uma seleção editada daquela edição de junho de 1931 da Popular Science com o seu
anúncio científico absolutamente surpreendente do que o desconhecido gênio Royal R. Rife estava
fazendo:
“Em uma tela de 180 cm X 240 cm em um quarto escuro aparecia um objeto esférico. Ele se
assemelhava a uma bola cinza de baseball de quadra, cruzada em todas as direções por linhas de
seda. Ela girava lenta e aleatoriamente.
“ ‘Esporos da bactéria que causa o tétano,’ vem uma voz do auto-falante do aparelho reprodutor
de filmes. ‘Veja isto!’
“Uma dúzia de médicos e trabalhadores em laboratórios se inclinaram para frente. A esfera
aumentou. Quando ela tinha atingido o diâmetro de 15 cm ou mais na tela, uma linha escura
apareceu separando a suas metades. Ela partiu. Dela emergiu uma barra escura, quase com o
mesmo comprimento do diâmetro da esfera, girando em torno do seu próprio eixo – o germe do
tétano em forma de cilindro. Pela primeira vez um filme tinha mostrado a reprodução de um
esporo da bactéria do tétano.
“Nós estávamos no laboratório de R. R. Rife em San Diego, Califórnia. Ele é um pioneiro na arte
de fazer filmes do microscopicamente pequeno organismos. Rife iniciou a construção do seu
microscópio em um laboratório em um quarto em cima da garagem. Neste pequeno quarto, ele tem
hoje microscópios e câmeras de mais de US$50.000. A maioria deles ele mesmo construiu.
“Ele tem trabalhado por 10 anos para capturar em movimento o quê o olho vê através dos
microscópios mais poderosos. Ele teve sucesso e seu trabalho ganhou o reconhecimento dos
profissionais da medicina. Agora os doutores podem se sentar em cadeiras confortáveis e assistir a
bactéria em seu ambiente nativo em uma tela. Ali eles podem comparar suas próprias observações
dos germes das doenças tirados dos seus pacientes com a história de vida destes micróbios
preservados em um filme. É estimado que o tempo necessário para diagnosticar certas doenças ode
ser diminuído de dias para horas com o uso destes filmes.
“Dali surgem os atores destes estranhos filmes? Rife propaga e cria todos os micróbios que ele
estuda em uma fabrica incubadora do seu próprio desenho. Germes mortais residindo em jarras
são cuidados como frágeis crianças. Termostatos delicados controlam o calor do fornos nos quais
os germes são mantidos ativos, ou os no frio dos refrigeradores nos quais eles ficam dormindo. ‘Se
a corrente elétrica permanecer, ‘Rife disse me, ‘Estes microorganismos estarão vivos por milhões
de anos a partir de hoje, sem a interferência de uma mão humana.’
“Quando ele está pronto para fazer um filme, Rife coloca uma pequena colônia de germes de
doenças em uma lâmina de quartzo. Então ele pega um ou mais com um fio de cabelo humano, o
mais fino possível de obter, que é dividido longitudinalmente e montado em uma lâmina abaixo das
lentes do seu microscópio. Lentamente ele baixa o estranho par de pinças sobre a lâmina. Suas
metades. Entre elas um ou alguns micróbios se alojam. Levantando o cabelo Rife os transfere para
o palco da micro câmera filmadora, e ele está pronto para filmar a história de Rife de um germe.
“Uma luz elétrica de 2.000 velas sobre o centro do microscópio estudio-de- filmagem – um foco
ínfimo sobre um fino bloco de quartzo transparente que dá suporte aos germes. Acima dele,
dezesseis das lentes mais finas obtidas, imersas em glicerina, ampliam a dimensão de cada germe
52
12.000 vezes. Desenhado pelo próprio Rife, este aparato é um dos microscópios mais poderosos do
mundo; sua ampliação se compara a 2.000 vezes o aumento do diâmetro de microscópios
comumente usados nos laboratórios de pesquisa e nos exames médicos.
“Da mesma forma que ele faz os seus filmes ou subsequentemente, Rife grava uma fala para
acompanhar o filme em uma fita sincronizada com as cenas.
“Ele mostrou me uma lâmina de quartzo suportando várias centenas de germes da Tifo.
“ ‘Nós os temos pesado com balanças extremamente sensíveis,’ acrescentou Rife. ‘O peso destes
germes de doenças é em média 184-trilhões por parte de uma onça (28,69 gramas).’
“Como os vários raios afetam as vidas e as atividades destes germes causadores de doenças era
uma outra coisa que Rife queria descobrir.
“Enquanto os raios X não tinham nenhum efeito sobre os germes do tétano, e ou os raios ultra-
violeta ou de luz invisível meramente inibiam o seu desenvolvimento, Rife descobriu que o raio
verde destruiria os micróbios. Agora ele está fazendo um filme desta operação.
“Rife inventou um compasso magnético tão delicado que ele pode ser usado para estudar a
eletricidade e o magnetismo em germes vivos. Ele sugere que se a geração de eletricidade de certos
germes perigosos é aprendida, pode ser possível, algum dia, destruí-los no corpo humano
aplicando-se pequenas doses de eletricidade.”
Como o temp provaria, aquele último parágrafo do artigo da revista Popular Science era profético.
Rife realmente descobriu como destruir eletromagneticamente os micróbios que causavam as
doenças responsáveis por alguns dos maiores sofrimentos da humanidade. Mas o monopólio
médico não o queria. E então eles destruíram Rife, suprimiram sua ciência reveladora e infligiram
uma incalculável agonia em milhões de americanos e também por todo o mundo até as décadas de
80 e 90, quando o ressurgimento das maravilhosas e históricas descobertas de Rife explodiram
outra vez e renovadas. Agora, quando o século XXI se inicia, isto promete ser uma característica
significativa em um nova medicina e nova técnica para oferecer a milhões de um nível de saúde
nunca antes alcançado pela maioria dos seres humanos. Ôla para Rife. Aqueles de nós, vivendo
agora e as gerações que ainda não nasceram devem a ele nossa eterna gratidão.
53
Apêndice I
O Fenômeno Rife em 1997
Sessenta e seis anos após a revista ‘Popular Medicine’ ter dado à nação americana e seu povo a
incrível notícia do quê Royal R.Rife já tinha feito em 1931, um moderno e importante jornal
começou a anunciar que alguma coisa digna de notícia e que merecia uma reportagem estava
ocorrendo no movimento das bases da saúde alternativa relacionado a alguém de nome Royal
Raymond Rife que viveu décadas atrás. Aquela estória reveladora, no mínimo, encerrava a censura
do monopólio médico.
Entretanto, a publicação da estória de Royal R. Rife que ocorreu em 1997 foi muito, muito
cautelosa e cheia de desculpas e preocupações com respeito a como os profissionais médicos
estariam relutantes para investigar o próprio Rife e sua terapia a muito tempo perdida pudesse
curar o câncer. Tragicamente, o artigo – enquanto revelação – realmente demonstrou a
conspicuidade do papel da mídia em permitir silenciosamente o crime médico do século. Assim, a
rachadura na parede da moderna mídia com respeito a Rife foi instrutiva.
As poucas citações selecionadas a seguir são deste artigo que apareceu na seção “Tropic” da
revista Miami Herald de um domingo, 10 de agosto de 1997. Os leitores deste livro, agora cientes
54
de toda a corrupção e a terrível mutilação perpetrada pelos interesses médicos por tanto tempo,
deveria se beneficiar de ver como os fatos que descrevem o ressurgimento de Rife são manipulados
tão superficialmente até hoje, com uma espécie de inclusão acanhada, totalmente submissa à linha
política da medicina oficial. Infelizmente, a verdadeira estória de Rife provavelmente permanece
longe de ser dita na imprensa dos Estados Unidos, a não ser que algum repórter corajoso, editores
de um jornal impresso importante escolha ser corajoso e se aventurar a mudar o mundo para
sempre dizendo a verdade sobre gênio, a supressão e a ciência agora revitalizada de Rife, que está
explodindo na Internet e vários países do mundo.
Do Miami Herald de 10 de agosto de 1997:
“O Dr. Steven N. Rosenberg, um obstetra e ginecologista certificado e ex-presidente da Sociedade
OB/GYN de Fort Lauderdale, tem observado Ratelle e a máquina pelos últimos quatro meses.
“ ‘A palavra ‘cura’ significa ver os resultados por um longo período de tempo,’ ele diz. ‘Não temos
visto os resultados de longo termo ainda. Mas eu tenho visto ela eliminar a presença do câncer..
“O quê é esta máquina misteriosa?
“A máquina de Rife – também conhecida como o Gerador de Frequências de Rife, o Raio (Beam)
de Rife ou Ressonador de Rife – é baseado em um protótipo inventado pelo cientista Royal
Raymond Rife em San Diego na década de 1930.
“De acordo com Rife, que morreu em 1971, sua máquina pode matar uma bactéria ou um vírus
através da geração de uma frequência elétrica apropriada – a ‘Taxa Oscilatória Mortal’ do
patogênico – e destruí-lo pela da ressonância.
“O Dr. Rife disse em 11 de maio de 1938, em um artigo da San Diego Evening Tribune (Tribuna da
Tarde de San Diego), ‘Nós podemos dizer que estas frequências têm mostrado possuir o poder de
matar os organismos que causam doenças quando ajustadas em um exato comprimento de onda.’
“Rife baseou esta afirmação, em parte, em um estudo clínico de 1934 sob o patrocínio de um
‘Special Medical Research Committee (Comitê Especial de Pesquisa Médica)’ na University of
Southern Califórnia (Universidade da Califórnia do Sul).
“Nenhum comitê existe atualmente na USC, e na biblioteca de referência da USC Medical School
não pôde ser localizada qualquer menção a Royal Rife.
“Em um livro de 1987 sobre Rife, The Cancer Cure That Worked: Fifty Years of Supression (A
Cura do Câncer que Funcionou, 50 anos de supressão), o autor Barry Lynes afirma que os
registros dos estudos clínicos de Rife ‘desapareceram misteriosamente’ da universidade em na
década de 1940, uma parte da qual ele interpreta como uma grande conspiração contra Rife pelo o
‘establishement’ médico.
“Desde os anos de 1930, não tem havido nenhuma artigo profissional significante sobre a Máquina
de Rife e nenhum estudo controlado sobre ela.
“Pouco do próprio trabalho de Rife permanece para a posteridade. Sua descoberta foi virtualmente
ignorada por mais de 50 anos, até 1987, quando o livro de Lynes sobre Rife e sua máquina foi
publicado.
“Então, porque a máquina de Rife é ainda um mistério no ‘establishment’ médico: o Dr. S. A.
Williams, 77 anos de idade, um médico de família aposentado em West Palm Beach, disse que ‘é
simplesmente porque ninguém tem dedicado tempo a estudá-la.
“ ‘Eles não se dão ao trabalho de ler sobre ela – eles a chamam de ‘hocus pocus’, disse Williams.
‘E eles estão fazendo um bom dinheiro. Porque eles têm de se incomodar com qualquer outra
coisa?
“Jim Benson, ex-comissário adjunto da FDA, disse que a FDA não está tentando manter aparelhos
legitimados fora do alcance do público. ‘Mas é possível que eles tenham dificuldades em colocar
um estudo clínico em andamento.
“O Dr. Rosenberg, que planeja estudar a máquina de Rife mais profundamente, também não
acredita que haja uma conspiração governamental contra a máquina de Rife, mas apenas uma
relutância em aceitar qualquer coisa que esteja fora dos limites da medicina convencional.
55
“ ‘ As pessoas se sentem confortáveis com as coisas que conhecem,’ diz Rosenberg, ‘não é tanto
uma conspiração quanto o é a dificuldade natural para mudar os padrões de crença.
“Em um relatório de 1994, a American Cancer Society (Sociedade Americana do Câncer)
‘recomendava fortemente às pessoas com câncer para não procurar tratamentos com estes
aparelhos.’
“Ratelle sabia que cooperando para esta estória, quebrando nove anos de silêncio, ele se arriscava
a chamar alguma atenção indesejada da FDA e/ou da AMA.
“Ele diz que está dedicado a seus clientes. Ele viu cerca de 1.250 clientes, em nove anos, usarem a
máquina de Rife.
A parte triste desta estória é que o repórter ou editor poderia ter verificado tão mais a respeito de
Rife. Mas era mais fácil ser superficial sobre as descobertas, invenções e genialidade de Rife. Para
se direto e honesto teria provocado o ninho de vespas do interesse médico e aqueles ‘165
pesquisadores importantes’ que estavam procurando conseguir o aumento do orçamento anual
para ‘pesquisa’ do câncer do Instituto Nacional do Câncer para US$10 bilhões ao ano. Então, o
Miami Herald se focou em um corajoso e secreto defensor de Rife que – por nove anos, sem
recursos financeiros, nenhuma pesquisa intensa, nenhum microscópio, nenhum laboratório de
análise fazendo exames de sangue, etc., etc., etc. – fez o que o seu coração e alma sabiam ser
correto. Os Estados Unidos foi construído por pessoas assim – cidadãos que eram livres e não
intimidados por interesses criminosos.
O Lancet, um dos primeiros jornais médicos do mundo, publicou a seguinte observação em sua
edição de 6 de março de 1993:
“O profissionalismo da medicina ortodoxa e a simultânea marginalização de suas alternativas tem
tido mais a ver com o poder institucional do que com os méritos do que estava disponível. O curso
da medicina alternativa pode somente ser compreendido através do estudo da história das
instituições médicas e as políticas de grande interesse próprio.”
Mas os tempos mudam. E as terapias de cura serão diferentes e refletirão os interesses e os direitos
dos pacientes, não os interesses dos monopólios médicos, a ganância e a tirânica violação dos
corpos das pessoas.
Agora, se apenas um ou mais jornais importantes tivessem a coragem de publicar a estória real de
Rife e as verdades reais concernentes a outras terapias que curam o câncer, o mundo mudaria de
uma noite para o dia.
Graças a Deus a Internet está fazendo o quê os jornais mais importantes e a televisão têm medo de
fazer.
56
Apêndice J
Nanobactéria
Em outubro de 1998, o jornal Ottawa Sun continuava o registro de mais de meio século da mídia
publicando distorções e mentiras porque ela demonstrou covardemente obediência ao
‘establishment’ do câncer sempre o assunto era Royal Raymond Rife. Como a II Conferência
Internacional de Rife juntou mais de 200 pessoas de todo o mundo – incluindo uma grande
percentagem que eram médicos ou pessoas com graus avançados – em British Columbia, o jornal
da capital do Canadá desonrou os padrões jornalistas básicos ao enfatizar na sua cobertura os
comentários ignorantes de uma porta-voz da Sociedade Canadense do Câncer. “O equipamento
nem mesmo merece dólares para pesquisa, diz a porta-voz da sociedade,” relatou o jornal Ottawa
Sun em 16 de outubro de 1998.
Aquela linha de propaganda e relações públicas ecoou as afirmações mal-informadas de um expert
em câncer e ex-presidente da Sociedade Americana do Câncer que apareceu em um show da
televisão americana sobre Rife em 1997. “Strange Universe (Estranho Universo) foi o primeiro
programa em cadeia nacional que transmitiu em preto-e-branco o filme fotográfico de Rife em seu
laboratório em 1930. Mas os amedrontados produtores tinham de balancear as descobertas de Rife
com a inclusão do ex-presidente da Sociedade Americana do Câncer que denunciava Rife e ao
contrário encorajava os pacientes de câncer para tomar os remédios quimioterápicos
experimentais do ‘establishment’. Esta foi uma patética demonstração da desonestidade intelectual
e da ignorância disfarçada de profissionalismo.
Infelizmente, os propagandistas de ambas, a Sociedade Canadense e Sociedade Americana do
Câncer, não estavam informados sobre a ciência moderna. Suas organizações coletavam a cada
ano centenas de milhões de dólares dos confiados cidadãos destas duas nações vizinhas, e então
desperdiçavam o dinheiro em altos salários administrativos, especulação imobiliária, pesquisas
seguras e não-ameaçadoras do seu monopólio, enquanto os verdadeiros cientistas de vanguarda da
árdua ciência estavam descobrindo que Rife poderia estar certo todo o tempo. Uh-oh, talvez a
porta-voz das Sociedades Canadense e Americana do Câncer tenha de se desculpar, “Eu não
sabia” em algum momento do futuro. Uma abstenção para Nuremberg.
Obviamente, o jornalismo pobre do jornal Ottawa Sun e outros jornais importantes não pode ser
desculpado. Milhões de vidas foram perdidas enquanto os jornais imprimiam a desinformação
vinda do ‘establishment’ do câncer. Entretanto, a defesa de Rife continuava.
Em abril de 1999, o Los Angels Times relatou que altos pesquisadores dos Estados Unidos e outros
países estavam estudando a Nanobactéria. A Nanobactéria certamente soava suspeita como a quê
Rife estava atacando na década de 1930 e salvando as vidas das pessoas – até que as associações
médicas decidiram que as curas eletrônicas e a medicina da energia não era boa para suas os
caixas e as contas bancárias das suas organizações.
Em 22 de abril de 1999, o Los Angels Times relatou que as nanobactérias “são extremamente
pequenas, algumas tão pequenas quanto um vírus.”
Claro que o custo de um reconhecimento tardio de Rife não poderia nem ser medido – milhões de
mortes e décadas de agonia. A pesquisa quente e nova na área da nanobactéria, reconhecida pelo
Los Angels Times na primavera de 1999, era exatamente onde o olho brilhante de Rife, olhando
através do seu magnificente microscópio, tinha estado focado – nas décadas de 1920 e 1930.
Para que o leitor perceba a incrível arrogância e ignorância dos funcionários das Sociedades
Canadense e Americana do Câncer, e seu desapiedado desdém para com os pacientes de câncer ao
dizerem que Rife não tinha valor e não merecia nem mesmo dinheiro para pesquisa, vamos olhar a
tuberculose no contexto de 1999 de Rife e da nanobactéria.
57
A tuberculose existe desde os tempos remotos. Ela tem sido encontrada nos restos das múmias das
dinastias egípcias e foi descrita por Hipócrates, o pai da medicina, na Grécia centenas de anos
antes de Cristo.
Então, após todos estes séculos de sofrimento, em 1882 o médico alemão, Dr. Robert Koch
descobriu a sua causa – uma bactéria. Koch se tornou famoso da noite para o dia.
Em 1890, Koch anunciou que ele tinha um soro TB que curaria a doença. Mas, infelizmente, ele
estava errado; por alguma razão que ele não podia compreender, seu soro não funcionou. Pessoas
e animais morriam.
A Tuberculose foi a principal causa de morte na América durante a primeira década do século XX.
Entretanto, gradualmente, com a terapia de drogas e melhores condições de vida, a TB foi
controlada. Isto é, até o finas dos anos de 1980, quando a formas de TB resistentes às drogas, o
enfraquecimento do sistema imunológico humano e as grandes aglomerações urbanas resultaram
no ressurgimento da tuberculose.
Nos anos 90, aproximadamente 3 milhões de seres humanos ainda morreram de tuberculose a cada
ano, por todo o globo. Muitos milhões mais se tornaram infectados a cada ano, e ainda que seja
difícil de acreditar, é possível que a TB poderia ter sido totalmente erradicada exatamente como o
foi a varíola. Porquê? Como? Porque Rife tinha descoberto algo que Koch não sabia nas décadas
de 1880 e 1890 e certamente não poderia provar.
O super microscópio de Royal R. Rife permitiu a ele estudar a bactéria TB sem corá-la (sem matá-
la) com corantes químicos. Rife observou a bactéria TB em seu estado vivo e – porque o seu
microscópio tinha uma tão grande ampliação e resolução – ele observou um ínfimo micróbio do
tamanho de um vírus escapando da bactéria quando a mesma morria. Rife aprendeu como
desvitalizar ou destruir ambas, a bactéria que causava a tuberculose e a forma menor e mortal (a
nanobactéria ou bactéria anã) que escapava enquanto quando Robert Koch, ou outros, atacava
somente a grande bactéria associada com a TB.
Como Royal R. Rife matava estes dois micróbios ao mesmo tempo? Ele usava frequências
específicas que eram mortais para ambas, a bactéria grande e a sua menor, a forma anã, sem
danificar qualquer outra coisa no corpo.
Certamente é tempo de 0lhar novamente com olhos objetivos e científicos para o que Royal R. Rife
ofereceu ao mundo na década de 1930. As três milhões de pessoas que morreram de tuberculose
este ano, enquanto os propagandistas da medicina estabelecida monopolizam a mídia, no mínimo,
merecem alguma investigação imparcial e baseada em fatos.
Uma investigação limpa do quê Rife ofereceu ao mundo décadas e décadas atrás indicarão que ele
curou a tuberculose pela primeira vez na história do mundo.
Milhões de vidas humanas tem sido perdidas por causa da miopia e das políticas médicas.
Aqui estão as próprias palavras de Rife descrevendo a cura para a tuberculose, que está disponível
para o mundo hoje, simplesmente pela ressuscitação do seu trabalho:
“Eu trabalhei muito com a tuberculose. Isolei a molécula venenosa. Koch produzir originalmente
as vacinas e as anti-toxinas que matariam o bacilo da tuberculose, mas elas matariam também o
paciente. Simplesmente porque, com qualquer método ou meio conhecido com que você use para
liberar as chamadas toxinas (venenos) da tuberculose, elas reagem sobre os corpos mortos das
células da retina e produzem toxemia e morte. Finalmente, eu encontrei uma frequência eletrônica
que mataria estas bactérias. Se duas das frequências forem usadas simultaneamente, ou uma logo
após a outra, sobre a mesma onda transportadora, o paciente se cura. Se você usa a mesma
frequência individualmente você mata também o paciente ou você não consegue nenhum sucesso.”
Em 1934, Florence Seibert purificou o soro de Koch. Esta se tornou a base do moderno teste de
pele para a TB, que determina se uma pessoa está ou esteve alguma vez infectada pela bactéria da
tuberculose. Os raios X e outras ferramentas de diagnóstico podem então determinar se a pessoa
tem uma infecção ativa. Um tratamento complicado com drogas é então iniciado e dura meses.
Obviamente, o pobre, os sem casa, os viciados em drogas – aqueles mais inclinados a ter
58
tuberculose – ou os muitos milhões de pessoas aglomeradas em países pobres – não são
provavelmente capazes de pagar ou estar psicologicamente inclinadas a seguir um regime de
tratamento recomendado por um médico.
Assim, a tuberculose cresce e cresce e as formas de TB resistentes às drogas ameaçam o mundo
com uma nova praga branca.
Mas os métodos de cura de Rife poderiam ser um fácil procedimento em todo o mundo que, em
tempo, poderia por um fim à praga branca da tuberculose para sempre – após todos estes séculos.
No início da década de 90, Florence Seibert foi introduzida no do Hall da Fama da mulheres em
Sêneca, New York, por seus sucessos científicos em toda a sua vida. Alguns anos antes desta honra,
ela fez a seguinte declaração pública sobre Royal R. Rife:
“Eu não tinha conhecimento do microscópio de Rife até há pouco tempo atrás, e eu estou no mundo
científico! Estou tão contente por ele não ter sido perdido. Eu encorajo todos a fazer o quê
puderem para apoiar esta pesquisa.”
É tempo de erradicar a tuberculose do planeta para sempre. Nós temos esta chance agora
reavivando e regenerando a grande descoberta de Rife. Os cientistas e médicos de todo o mundo
devem lideram esta iniciativa por muito tempo atrasada, mas as pessoas do mundo, aqueles que
sofrem de TB e também aqueles privilegiados o suficiente para se manterem salvaguardados,
devem participar ativamente desta luta também.
O silêncio oficial da medicina predominante com respeito a Rife e a sua cura para a TB tem
prevalecido por décadas demais.
A admissão da mídia prevalente de que a nanobactéria é um assunto quente e novo para a pesquisa
nas universidades ao redor do mundo deve ajudar a justificar, independentemente do quê as
Sociedades Canadense e Americana do Câncer dizem para manter o público desinformado.
A coerção dos oficiais das leis e da saúde da Califórnia tem prendido refugiados asiáticos por até
10 meses por se recusarem a tomar drogas caros contra a TB.
“O tratamento para a forma mais branda da TB pode durar 9 meses e custar US$60.000, disseram
os oficiais da saúde. Para a forma resistente às drogas, o tratamento pode durar até 36 meses e
custar mais de US$200.000 e causar náusea e outros efeitos colaterais.” Los Angels Times de 31
de maio de 1999, pp. A3, A24.
Este ultraje e abuso dos direitos constitucionais – prender as pessoas sem julgamento, apenas
baseando-se em ordens administrativas de oficiais da saúde – é o resultado da California Medical
Association (CMA), aliada com as empresas fabricantes de drogas e os funcionários e oficiais do
governo, patrocinando o desmando para manter as terapias milagrosas de Rife fora do alcance dos
cidadãos californianos e americanos – tudo às custas dos contribuintes da Califórnia.
Enquanto isto, os Institutos Nacionais de Saúde, com um orçamento anual de US$15.6 bilhões
(L.A.Times de junho de 1999) mantêm o dinheiro fluindo para os tratamentos quimioterápicos.
Os dólares dos impostos americanos são usados para uma fraude clássica, ao custo de US$200.000
por paciente de câncer.
59
Artigo sobre Royal R. Rife de 6 de maio de 1938
Apêndice K
O Raio de Rife
Em 6 de maio de 1938, o jornal Evening Tribune (Tribuna da Tarde) de San Diego disse aos seus
leitores o que os jornais dos Estados Unidos e do Canadá estavam ainda com medo de publicar em
1999.
Na primeira página, com grandes manchetes, o jornal informava aos seus leitores sobre o histórico
trabalho de Rife. Um repórter honesto tinhas estado monitorando e se comunicando com Rife desde
o primeiro teste clínico em 1934. Aquele teste – utilizando o Raio de Rife em pessoas com câncer –
tinha resultado na cura de todos pacientes de câncer, 16 em 16. Esses 16 pacientes tinham sido
todos diagnosticados como pacientes terminais pela medicina ortodoxa.
60
Aqui está uma passagem daquele artigo histórico de 1938, que descrevia como os raios de Rife
sintonizados com precisão destruíam micróbios específicos responsáveis por doenças específicas,
incluindo o câncer:
“Rife pensa que as frequências letais para vários organismos que causam doenças são, como nas
ondas sonoras, coordenadas de frequências existentes nos próprios organismos, e quando o raio é
direcionado sobre eles, estes são vistos se comportando de uma maneira muito curiosa; alguns
tipos se desintegram literalmente, e outros se contorcem como se estivessem agonizando e
finalmente se agrupam imóveis e mortos.
“Uma breve exposição às frequências sintonizadas, comentou Rife, traz reações fatais. Em alguns
organismos, isto acontece em segundos.
“Após os organismos terem sido bombardeados, os registros do laboratório mostram que eles
estão mortos. Eles se tornaram desvitalizados – não mais exibem vida, não propagam suas espécies
e não produzem nenhuma doença quando são introduzidos nos corpos de cobaias.
“Agora, ele relatou, as taxas oscilatórias mortais para muitos, muitos organismos foram
encontradas e gravadas e o raio pode ser sintonizado à frequencia registrada do germe e apontado
para o organismo com a certeza de que o organismo será morto.
Ainda, infelizmente, sessenta anos depois, o Instituto Nacional do Câncer (INC) continuava a
ignorar Rife e trabalhava diligentemente para induzir os pacientes de câncer fazer os testes
quimioterápicos experimentais que mataria a maioria deles.
Durante as audiências no Congresso em 1998 sobre esta contínua atrocidade perpetrada pelos
experts do Instituto Nacional do Câncer, cujos altos salários eram pagos pelos contribuintes
americanos, Ralph Moss expôs o pequeno segredo sujo que o INC queria que o público americano
nunca descobrisse.
Aqui estão algumas terríveis verdades fornecidas por Ralph Moss em testemunho, antes do “House
Committee” (Comitê da Casa* ) sobre a reforma e a omissão do governo.
“Se você ler as instruções do INC, eles apelam para que os pacientes de câncer se juntem
urgentemente aos seus testes clínicos. De fato, há pouca chance de que haja benefícios para
pacientes em tais testes. Estudos em ambos países, Estados Unidos e Japão mostraram que apenas
cerca de 1% dos pacientes na Fase I dos testes clínicos têm uma resposta completa ao tratamento,
e apenas cerca de 5% têm qualquer resposta como um todo.
“Quero chamar a atenção de vocês para o fato de que estes testes ode ser muito perigosos para os
pacientes. As drogas aprovadas pela FDA para tratamento do câncer são todas tóxicas. Esta é a
abordagem científica do INC. Não surpreendentemente, há uma tremenda resistência entre os
paciente e médicos para com esses testes. Somente 3% a 4% dos paciente de câncer o
experimentam.
“Sem dúvida, os pacientes de câncer estão desesperadamente procurando por alternativas.
“Você pode estar certo de que uma das razões pelas quais o INC e a FDA odiarem tanto os
tratamentos alternativos é que eles levam embora pacientes ‘venturosos’ que de outra forma se
submeteriam aos testes clínicos.
“Historicamente, todas as agências envolvidas com guerra do câncer têm se apoiado sobre a
natureza destas alternativas. Estes testes foram feitos somente sob coação (muitas vezes porque o
Congresso insistiu) e estes testes foram, na melhor das hipóteses, mal pensados e , na pior,
marcados por fraude irrestrita.
“O INC, juntamente com a sua parceira policial, a FDA, é a maior barreira para o exame de novas
maneiras promissoras de tratar o câncer.”
Em 1999, 178.000 mulheres americanas descobrirão que elas têm câncer invasivo nos seios. Mais
de 43.500 morrerão. E ainda as organizações de câncer de mama que levantam fundos, marcham
em imensas paradas, têm grandes produtos de beleza como patrocinadores cooperados , e
61
numerosas celebridades de Hollywood os apoiando,continuam a financiar os pesquisadores de
drogas tradicionais. Cartas enviadas aos seus mais altos funcionários a respeito de Rife não são
respondidas. As mesmas vão para os ‘superstars’ dos órgãos de saúde do governo.
Em 1992, a Dra. Jane Henney foi informada da importância das descobertas de Royal R. Rife na
década de 1930 e o quanto sua técnica original da cura do câncer merecia uma nova avaliação.
A Dra. Jane Henney era uma especialista em câncer, tendo trabalhado por quase 10 anos no
Instituto Nacional do Câncer e finalmente se tornou sua Diretora adjunta. Ela tinha acabado de
juntar-se à FDA em 1992 quando foi informada do trabalho de Royal R. Rife na década de 1930.
A Dra. Jane Henney respondeu polidamente em uma comunicação escrita sobre Royal R. Rife e sua
incrível descoberta, mas ela não mostrou nenhum interesse em questionar o seu trabalho ou
encorajar outros a investigá-lo. Apesar dos 10.000 americanos morrendo de câncer naquela
semana, e na semana seguinte, e na semana seguinte, ano após ano, as descobertas de Rife não
provocaram a mínima curiosidade de sua parte.
A Dra. Jane Henney trabalhou para a FDA de 1992 a 1994 como uma das mais próximas adjuntas.
Em 1994 ela deixou a FDA e tomou uma nova posição na Universidade do Nova México onde
consolidou seus vários hospitais. O câncer permaneceu sendo uma de suas área de foco.
Em junho de 1998, a Dra. Jane Henney foi indicada como administradora da FDA.
Naqueles 6 anos de 1992 a 1998, 3 milhões de americanos tinha morrido de câncer, bilhões de
dólares tinham sido gastos em pesquisas do câncer, e nenhum centavo tinha ido para investigações
relacionadas a Rife, para o que Rife tinha descoberto e provado nos anos 30. (Em 24 de janeiro de
1999, o Los Angels Times relatou que “mais de US$16 bilhões estavam disponibilizadas para
pesquisas médicas” pelo governo dos Estados Unidos.)
Pode ser que brevemente será o momento para as instituições democráticas dos Estados Unidos
começarem a considerar a verdade desmoralizante de que o nome do jogo para muitos
especialistas e funcionários da saúde do governo é, e tem sido, pode e privilégios, e não os
interesses do povo que tem algumas queixas e doenças terríveis. É uma assustadora avaliação que
precisa ser feita honestamente.
“A cultura dos testes clínicos está infestada pelos conflitos de interesses. A indústria de drogas
paga aos doutores generosamente – algumas vezes quantias como US$6.000 por paciente – para
testar novas drogas.” “Dying for Cure (Morrendo pela Cura),” U.S. News & World Report de 11
de outubro de 1999), p. 36.
62
Apêndice L
A I nsensatez Tóxica do Câncer de Mama
No Apêndice F (Quimio-Patologia) foi mencionado que, anos de experiências com mulheres com
câncer de mama que fizeram o transplante de medula óssea e alta dosagem de quimioterapia tinha
se mostrado um fracasso. Enquanto muitos médicos e cientistas sabiam por anos que isto não era
nada mais do que um outro esquema de lucros financeiros, a maioria escolheu ficar em silêncio.
A mídia foi também culpada por manter seus publicações e canais de transmissão totalmente
fechados. Eles decidiram não contrariar os poderes médicos e dizer a verdade ao público. E as
mulheres desesperadas com câncer de mama foram enganadas, conduzidas na direção errada,
para tratamentos torturantes, desnecessários e inúteis.
Mas a mídia não sabia dos fatos. Eles simplesmente escolheram se omitir e deixar que
procedimentos cruéis e desumanos fossem aceitos como experimentais, a uma remuneração
nominal de US$50.000 a US$150.000 por experimento.
Aqui está a Newsweek, uma revista semanal nacional, em 1990, revelando claramente que eles
tinham uma grande compreensão da realidade:
“Os médicos removem a medula óssea de alguns pacientes, e então administram doses
extremamente altas de quimioterapia. A ABMT ( Autologous Bone Marrow Transplant/Transplante
de Medula Óssea Semelhante) custa até US$150.000 (e) os pacientes têm de suportar um
tratamento horrendo.” (86)
Então, quase todas da mídia – os grupos de doutores e hospitais, cientistas que conseguem muito
dinheiro para pesquisa, e os funcionários da saúde do governo – ficaram em silêncio por 9 anos.
Nove anos de um esquema sofisticado de tortura para o câncer de mama que as autoridades
estavam “estudando”. E, durante este tempo, eles rejeitaram e ignoraram as descobertas de curas
brilhantes que, verdadeiramente, curam o câncer de mama.
Finalmente, em março e abril de 1999, quando os fatos não puderam mais ser escondidos, a mídia
relatou o quê eles, os oficiais do poder, os experts e o governo sabiam todo o tempo. Aqui está uma
amostra do quê a mídia imprimiu em março e abril de 1999:
“Cerca de 10.000 mulheres nos Estados Unidos passam por procedimentos agonizantes a cada
ano. Os médicos bombardeiam as mulheres com doses tóxicas de quimioterapia muitas vezes
maiores do que a normal.” Robert Bazell, correspondente do NBC News. (87)
“A questão é dar ultra-doses de quimioterapia 5 a 20 vezes mais alta do que a normal, para tratar
de câncer de mama avançado. Essas altas doses destroem a medula óssea e isto e fatal sem um
transplante da medula ou a restauração de suas células.” (88)
“Há cerca de 15 anos atrás, quando alguns experts em câncer iniciavam o uso remoto de altas
doses de quimioterapia, seguidas de transplante de medula, os resultados de quatro testes, os
sumários do quais foram liberados em 15 de abril, provaram que o transplante de medula não é
uma cura milagrosa.” The Sacrament Bee(89)
“O melhor tratamento atual para o câncer de mama inclui cirurgia, quimioterapia, radiação e
imuno-terapia. Ao contrário do pensamento popular, os transplantes em si não são um tratamento
para o câncer de mama. Eles apenas permitem que sejam dadas doses de quimioterapia mais altas
63
do que uma paciente poderia suportar normalmente ... Eles se tornaram comuns para o câncer de
mama no início dos anos 90. Cerca de 17.000 foram feito até hoje.” The Milwaukee J ornal
Sentinel (90)
“Resultados preliminares de cinco estudos sugerem que o procedimento agressivo de altas doses
não aumentam significativamente a sobrevivência. Ele permanece sendo um regime brutal que traz
ao paciente o risco de morte.” The Plain Dealer, Cleveland, Ohio (91)
“Nove estados designaram a cobertura do tratamento, que custa de US$50.000 a US$150.000.”
Boston Herald (92)
“Não há nenhuma prova de que as mulheres submetidas ao risco e ao procedimento doloroso
experimentam melhoras de longo termo do que as mulheres as quais são dadas doses padrão de
quimioterapia e radiação.” The Detroit News(93)
“Antes dos novos estudos serem revelados, havia pouca evidência de que a o plano de droga-
transplante fosse efetivo. Mesmo assim, o processo foi altamente demandado entre aquelas com
câncer de mama avançado. Há uma população de mulheres as quais foi dito que a única esperança
para elas era um transplante, e eu penso que nós precisamos parar de dizer isto,’ disse o Dr. Lynn
Hartmann da Mayo Clinic.” New York Post (94)
Os transplantes de medula óssea foram forçados por anos, não somente para aqueles que obtinhas
os lucros, como os especialistas em drogas para o câncer, cirurgiões de câncer, pesquisadores do
câncer, a indústria de drogas promovendo os cocktails de quimioterapia, e os funcionários da
saúde do governo, mas também pelos grupos defensores das mulheres como câncer de mama, que
ganharam grandes somas de dinheiro, anos após anos, para as suas próprias campanhas e
atividades relacionadas ao câncer de mama. Isto foi feito através de marchas e outros tipos de
mídia e eventos de relações públicas.
Entretanto, quando os incríveis resultados das curas do câncer de Royal R. Rife foram oferecidos a
estes grupos de mulheres com altos lucros obtidos com campanhas de câncer de mama, elas as
ignoraram. Isso foi incoerente demais. Podia bani-las do mundo político, lobistas dos salões do
Congresso, das corporações americanas e das entrevistas na televisão.
O que se segue são o quê foi oferecido a alguns dos maiores nomes e mais poderosos do movimento
das mulheres com câncer de mama. Ela foi descartada, de maneira eles puderam fazer lobby em
favor dos transplantes ou fundos para pesquisas ortodoxas. Milhares e milhares de mulheres com
câncer de mama foram torturadas e morreram para beneficiar os monopolistas do tratamento de
câncer e as classes reinantes, enquanto os direitos fundamentais e constitucionais das mulheres
eram negados.
A estória da cura milagrosa do câncer de mama da esposa do comandante naval Harrison em
1930, em San Diego, mundo do Dr. Royal R. Rife, foi enviada a pessoas com grande poder e
influência. O Dr. Couche, que trabalhou perto de Rife, usou a medicina da energia de Rife para
destruir o micróbio responsável pelo câncer da de mama da Sra. Harrison. Bem Cullen, um outro
associado de Rife, lembrou:
“A esposa do comandante Harrison tinha um carcinoma no seio. A metade inferior do seio estava
corroída e ela sofria um intensa agonia todo o tempo. Mas elas não queria operá-lo porque o seu
marido tinha dito a ela que ela morreria por causa da metástase e a disseminação co câncer
através da corrente sanguínea.
“Bem, ele (Dr. Couche) a curou perfeitamente e seus seios voltaram à forma normal. Quando ela
percebeu que tinha dois seios normais outra vez, foi maravilhoso.” (95)
Mas a técnica maravilhosa de Rife para curar o câncer de mama e outros cânceres nunca foi
permitida, desenvolvida e evoluída. A direção da AMA foi veementemente contra a medicina da
energia, a eletro-medicina ou cura por ondas. Ela ameaçava toda a profissão médica e seu
monopólio, como o faz agora.
64
Então, os oficiais médicos de San Diego foram enviados para destruir Rife e aqueles doutores não-
ortodoxos que corajosamente trabalhavam com ele. E milhões de mulheres, pelas décadas
seguintes, nunca tiveram a oportunidade de usar a medicina em forma de ondas que funcionou
maravilhosamente no câncer de mama da Sra. Harrison.
Um documento legal, vindo do poder faminto, de mente egoísta da cúpula diretora da AMA,
protegendo a união de seus doutores, devastou as vidas de incontáveis pessoas em um futuro
distante.
A historiadora médica Patricia Spain Ward da Universidade de Illinois em Chicago, declarou o
simples, verdade assustadora (a luz do Sol evitada por tantos líderes políticos por tantas décadas):
“Morris Fishbein foi o meio para estabelecer a máquina defeituosa para avaliar as terapias do
câncer que nós infelizmente herdamos.” (96)
O jornal Wall Street de 17 de novembro de 1994, revelou o esquema do transplante de medula
óssea na sua primeira página. Os pagadores de propinas, os tubarões chefes executivos do
mercado de ações, líderes de negócios, e outros importantes poderosos e influentes da mídia,
banqueiros magnatas e ratos legais que dirigem os Estados Unidos, incluindo a Casa Branca de
Clinton e a Washington oficial com sua postura política pró mulheres, todos foram informados do
quê estava sendo feito com as mulheres da América que tinha câncer de mama. Eles todos viraram
os rostos, evitando o que estava sendo exposto – totalmente, na primeira página – para toda a
nação saber. Eles TODOS baixaram a cabeça deixando as mulheres em 1994-95 e as mulheres,
pelos quatro anos e meio que se seguiram, caírem sem um choro de protesto.
O artigo do jornal Wall Street, citando estudos científicos, declarou que o procedimento de
transplante de medula óssea – baseado em quarenta estudos – era inútil e perigosamente
ameaçador à vida. O artigo citou (entre aspas) um médico e pesquisador de alto nível dizendo
abertamente: “Nós não encontramos nenhuma evidência de que ele oferece qualquer benefício.”
Isto foi em 1994, quatro anos e meio antes do esquema de tortura do câncer de mama explodir nos
jornais por todo o país em março e abril de 1999.
Isto aconteceu porque o proponente era um alto especialista em câncer da Universidade do
Colorado, e a representante Patricia Schroeder de Colorado era a Presidente da Assembléia
Congressional para Assuntos Femininos. A base de dados do especialista foi exposta mais tarde
como um lixo. Mas os grupos femininos defensores da quimioterapia decidiram incentivar as altas
doses de quimioterapia. As mulheres como câncer de mama que sofreram e morreram por causa
das altas doses de quimioterapia não eram a preocupação das mulheres dos grupos defensores
dela. Os grupos defensores estavam tendo um grande momento exercendo sua força política até
que os resultados vieram quatro anos e meio mais tarde e o número de pessoas mortas foi um
grande segredo proibido.
“O Dr. Steven Narod, chefe de pesquisa do câncer de mama do Hospital da Faculdade de Mulheres
de Toronto (declarou), ‘O otimismo uma vez mostrado pelo transplante de medula óssea parece ter
desaparecido.’ ‘Os testes clínicos do procedimento não têm sido promissores.’ Narod diz. ‘Elas
ainda estão morrendo de câncer de mama.’ Globe and Mail, um jornal de Toronto de 27 de
setembro de 1999.
O transplante de medula óssea para os propósitos de aplicação de altas doses de quimioterapia
não terminaram, apesar da enorme evidência de perigo. O procedimento continua hoje, com várias
explicações, e continua a fazer dinheiro para os doutores e hospitais que o promovem.
65
Apêndice M
A Máquina defeituosa
Patricia Spain Ward, a historiadora médica cuja citação fechou o Apêndice L, foi uma das mais
distintas vozes que defendeu a verdade nos anos de 1980 e 1990. Mesmo ela não estando entre nós,
ele merece a apreciação do povo americano, e das futuras gerações que nascerão, que algum dia
se beneficiarão da sua recusa em se inclinar diante das mentiras dos oficiais da saúde do governo
ou as pretensões dos médicos reinantes. Nós sentiremos a falta do seu sólido conhecimento que
serviu aos interesses do povo americano.
Uma outra voz importante, com vasta experiência por trás de sua voz, pertence a Patrick McGrady,
Jr. Ele continua a revelar aos americanos, simplesmente o quanto os doutores do câncer são
realmente corruptos e servidores dos próprios interesses. Os homens e mulheres comuns dos
Estados Unidos, infelizmente, pagam o preço pelas práticas da ASCO.
ASCO é a American Society of Clinical Oncology (Sociedade Americana de Oncologia Clínica),
proponentes da quimioterapia que se recusam a investigar outros tratamentos para o câncer, em
favor de seus próprios métodos ortodoxos.
Patrick McGrady gostava de espionar as convenções da ASCO. O quê ele descobriu deveria ser um
toque de despertar para uma almejada democracia determinada em por um fim à tirania do
tratamento ortodoxo do câncer. Aqui estão as próprias palavras de McGrady:
"Eu também participei das reuniões científicas mais importantes, como as da ASCO (American
Society of Clinical Oncology). Se você olhar para os conceitos da ASCO em qualquer reunião, e ler
sobre as drogas que são ativas, importantes e estão tendo bons resultados, você vê que os autores
estão falando de algumas semanas, ou talvez de alguns meses, no máximo. Isto pode ser
significativo para eles, porque eles nunca viram bons resultados antes, mas a questão de ‘se’ eles
conseguem seis, ou oito, ou dez semanas de sobrevivência não é muito significativo para o
paciente.”
66
Agora compare o monopólio do tratamento ortodoxo do câncer com os exemplos do quê outros
médicos, os dos serviços de saúde de primeiro atendimento, e simples pessoas do povo têm
alcançado com uma variedade de instrumentos de Rife. Aqui estão dois abre-olhos entre as estórias
de sucesso que estão ocorrendo em muitos lugares:
“Ao mesmo tempo em que eu comecei a trabalhar no carcinoma abdominal da minha mulher, meu
cunhado recebia radiação para os seus tumores cerebrais. E não podia suportar mais e me
perguntou se ele poderia ir a uma sessão de demonstração com a minha esposa. Assim começamos,
todos os dias, de 20 a 70 minutos de cada vez. Os tumores começaram a se dissolver através da sua
pele da cabeça e da cútis, como furúnculos. Após dois meses, ele voltou para uma segunda MRI
(Magnetic Resonance Imaging/Imagem de Ressonância Magnética) e os quatro tumores do
tamanho de uva que eles tinham encontrado muito claramente em uma MRI há quatro meses antes,
tinham desaparecido! Nós temos uma declaração do hospital para aquele efeito.”
“Tenho estado interessado em Royal Raymond Rife e seu aparelho por alguns anos e construí dois
deles (e) tenho tido excelentes resultados. Meu sogro tinha um câncer no pulmão que desapareceu,
um amigo com câncer na garganta está em remissão, um paciente com AIDS não está apresentando
nenhum HIV em seu sangue, e assim por diante.”
Enquanto isto, há membros do Instituto Nacional do Câncer que estão agora incentivando o uso de
drogas e quimioterapia para pessoas saudáveis. Não mais satisfeita com a sua máquina defeituosa
herdada da AMA e Morris Fishbein, eles agora estabeleceram uma razão para impor drogas
àqueles que não estão doentes. Isto é maldade, independente do quão inteligentemente isto pode ser
manipulado. Um rápido exame da história do Tamoxifen (Apêndice N) revela mais a verdade sobre
o que foi dito acima.
Antes de prosseguir adentro do mundo sujo e das políticas médicas sujas do Tamoxifen todavia,
vamos considerara brevemente, outra vez, questões importantes que são conhecidas como
“assassinos de gabinetes”. A origem do termo é o nazismo alemão e os burocratas que conduziam
os trens para os campos de concentração, executavam as grandes necessidades administrativas, e
assim por diante. Aqueles originais assassinos de gabinetes tinham tido os seus comparsas nas
agências médicas americanas, e a FDA (Food and Drug Administration/Administração de
alimentos e drogas), e o NCI (National Câncer Institute/Instituto Nacional do Câncer) por décadas.
Aqui está uma breve introdução dos assassinos de gabinete:
“ ‘Os criminosos de gabinetes (Schreibtischtater). Uma importante parte da função burocrática é
proteger os perpetradores contra as influências externas, de forma que as proposições intra-
burocráticas se tornem o discurso do universo inteiro. O quê pode resultar tem sido chamado de
‘pensamento do grupo,’ um processo pelo qual as burocracias podem tomar decisões que são
desastrosas para todos os envolvidos. Mas a prática burocrática também contribui para a futura
cobertura de genocídios, não apenas através da supressão da resposta de todos, mas também
servindo para ocultar os indivíduos perpetradores.” (98)
“ ‘Os assassinos de gabinetes’ poderiam embaralhar papéis, estabelecer porções, rascunhar
telegramas, marcar horários de trens e dispensar pessoal, resultando na morte de milhões, sem
verem uma só vez as vítimas ou ter ciência de si mesmos ao tirar vidas humanas.” (99)
A máquina defeituosa (para usar as palavras apropriadas da frase de Patricia Spain Ward) criada
pela AMA de Morris Fishbein e exposta na narração de Patrick McGrady Jr sobre as trapaças da
ASCO, é certamente uma forma de assassinato de gabinete, diante do que é conhecido e
documentado sobre a supressão de uma variedade de terapias alternativas para o câncer, que
curou o câncer no passado e continua curando.
Obviamente, os assassinos de gabinete descartam tais curas como se fossem anedóticos. Sem testes
clínicos, os defensores da quimioterapia argumentam, nenhum processo científico válido pode ser
estabelecido. Este é um argumento fraudulento com o qual eles têm feito a lavagem cerebral do
67
povo americano, representantes do congresso, senadores e a mídia. Como o cuidadoso e poderoso
acadêmico de medicina Robert J. Houston tornou claro:
“A FDA requer um mecanismo convincente para se obter a aprovação para testes clínicos, e eu
penso que isto é um requerimento completamente desnecessário. Se há indicações de benefícios em
humanos ou animais, este deveria dispensar toda a questão de mecanismo. O ponto é que os
investigadores não têm de saber o mecanismo para corroborar o efeito que está ocorrendo.
“No câncer, os casos estudados têm um grau maior de validade do que em outras doenças ... No
câncer a taxa de remissão espontânea é extremamente baixa, tão baixa que ela é virtualmente zero.
Portanto, se você tem apenas alguns casos, basicamente, se você tem dois casos, você tem alguma
coisa que é sólida. Então, eu considero que o quê está sendo descartado como anedótica evidência
como sendo, no câncer, de fato uma impressiva área de evidência, porque você pode ter muito mais
detalhes no caso dos estudos do que você pode ter nos testes clínicos.” (100)
Amparando o descarte de Robert J. Houston do teste clínico fraudulento estão as revelações do
acadêmico Harris Coulter a respeito da fraude que demandava testes clínicos para uma terapia
alternativa, mas que fato, era a fraude. Aqui está uma amostra de Harris Coulter:
“Se o teste clínico controlado fosse reconhecido pelo que ele é – um pilar da indústria de drogas e
do complexo monopólio médico-industrial – o impulso anti-truste na sociedade americana seria
dirigido contra ele hoje.
“Todos os US$550 bilhões que a indústria médica americana gira é, em um certo grau, em torno
do teste clínico controlado. Mas porque a teoria é imperfeita, a enorme super-estrutura erguida
sobre ela é igualmente duvidosa.” (101)
O teste clínico não é o padrão de ouro do progresso médico que os membros da AMA e os
defensores da quimioterapia arrogam ser. O método de estudo do caso era o padrão de ouro até
que certos membros do NCI e da FDA trocaram pelo argumento do teste clínico para servir aos
seus interesses, ao invés dos interesses do povo americano.
Dezenas de milhares de mulheres americanas que morrerão de câncer de mama este ano por causa
das políticas da FDA e do NCI. As mulheres estão recebendo inúteis quimioterapias, radiações e
cirurgias porque a terapia da medicina da energia de Royal R. Rife, que restaurou a saúde total de
uma mulher com a metade do seio deteriorada, foi oprimida pela ganância e o abuso de poder da
sociedade médica.
E por cima de tudo isto, o OTA (The Congressional Office de Technology Assessment/Escritório
Congressional de Avaliação Tecnologia chefiado por John Gibbons) conduziu por três anos uma
falsa avaliação de terapias alternativas para o câncer e ainda se recusa a explorar – de qualquer
maneira – as descobertas milagrosas de Rife. O próprio Dr. Rife foi mencionado apenas
superficialmente no relatório do OTA.
O padrão de ouro dos testes clínicos é também usado em crianças. As crianças são freqüentemente
testadas de maneiras prejudiciais, e até especificamente proibidas pela lei internacional. Desde que
as crianças são parte de um teste clínico, os procedimentos seguidos não são sempre questionados.
O quê aconteceu durante o Protocolo do estudo 045 é um exemplo disso.
“O Protocolo 045 foi um ultraje.
“O estudo começou em março de 1998. Durante os dois anos e meio seguintes, 372 crianças,
variando em 2 meses e 12 anos de idade, foram inscritas em 28 locais do país. Metade das crianças
que vieram receberam uma injeção de um fluido totalmente inútil nos braços – horas de
desconforto em suas vidas breves e atormentadas, sem nenhuma perspectiva de ganho.
Havia várias justificativas para o placebo. Alguns cientistas acreditavam que os placebos eram
necessários para demonstrar a eficácia das drogas e remover o preconceito dos investigadores.
68
“Se o Protocolo 045 não violou o requerimento, estabelecido no Código de Nuremberg mais de 40
anos antes, esses experimentos médicos devem evitar todas as ‘injúrias e sofrimentos físicos e
mentais desnecessários,’ ele certamente chegou perto.” (102)
Mas, certos oficiais do NCI (National Cancer Institute/Instituto Nacional do Câncer) ainda
insistem no seu padrão de ouro. O Dr. Peter Greenwald do NCI diz:
“O padrão de ouro de evidência na pesquisa do câncer são os testes clínicos.”
Isto não é verdade.
Em 1986, o médico Raymond Keith Brown expôs e denunciou as pressuposições do Instituto
Nacional do Câncer em uma recusa singular e clara de reconhecer as políticas médicas quê ele,
com desdém, rotulou de “cientismo.” O cientismo não era ciência real na mente do Dr. Brown. Ela
era uma aberração – um perversão cruel da boa ciência e da boa prática médica. As palavras do
Dr. Brown:
“O cientismo médico ignora as abordagens empíricas da medicina tradicional. Ele subtrai as
observações clínicas e venera as análises estatísticas, estudos duplamente cegos e o consenso
prevalente de opiniões.”
O resultado é o assassinato em massa. Os Membros do NCI e da FDA têm destruído incontáveis
famílias com os seus falsos dogmas e políticas internas, táticas de retaliação e desconsideração
pelo povo americano. A história não os perdoará.
“Os relatórios da auditoria federal obtidos pelo U.S. News mostram que a rede de proteção
armada para proteger os pacientes em testes de pesquisas está toda perfurada com muitos buracos
em todas as instituições de todo o país.
“A Clínica Scripps (San Diego) estava aprovando experimentos de pesquisas demais em crianças
sem obedecer as regras especiais feitas para protegê-las.
“O sistema de saúde pública é baseado na pressuposição de que um doutor vê um paciente como
um indivíduo e adapta o tratamento a ele, um a um. Na pesquisa médica, um teste clínico serve aos
fins da ciência.” U.S. News & World Report, 24 de maio de 1999.
As triagens clínicas não são a solução. Incontáveis pessoas estão sendo curadas do câncer hoje
através de várias terapias eletromagnéticas inspiradas em Rife, enquanto membros do NCI e da
FDA ignoram uma estória de incrível sucesso e registros documentados, e ao invés disto gastam
milhões de dólares em testes de quimioterapias clínicas que não ajudam o paciente. Uma
incompetência profunda e a corrupção permeia as abordagens ortodoxas, os tratamentos
convencionais para o câncer e os oncologistas que os usam.
Ambos, pacientes individuais e a medicina estabelecida precisam de triagens clínicas. Elas
representam nossa a nossa única esperança de superar o terror das doenças que chamamos de
cânceres.” Robert Bazell, Correspondente-chefe de ciência da NBC News. Citação retirada de
‘Cancer Clinical trials/Testes Clínicos do Câncer’ de Robert Finn (publicado em 1999).
Rober Bazell não parece muito bem informado sobre outras posições científicas válidas. Ele
também é parte de uma contínua amnésia de uma rede de televisão sobre o que realmente está
acontecendo. As técnicas de cura e as descobertas existem e são irrefutáveis, propositadamente
ignoradas por aqueles que determinam, através de fundos e políticas médicas, o que as triagens
clínicas aprovam.
Bazell é aquele que passa por suposto expert, informando ao povo americano em cadeia de
televisão nacional que, coincidentemente, vive de um imenso ganho em anúncios vindos da
69
indústria das drogas. Este é muito freqüentemente o cenário que impede que os tratamentos
alternativos cheguem ao conhecimento das pessoas.
O Correspondente-chefe de ciência é um título sem significado dado as informações divulgadas por
Bazell. Suas afirmações representam um perigo real para as pessoas desavisadas dos Estados
Unidos que pressupõem que Bazell está informado sobre as sérias questões de vida-e-morte que o
câncer de fato é.
UMA CONVERSA LEGAL DE ALGUM DIA (?)
- Mr. Bazell, o senhor de fato escreveu estas citações?”
-“Sim.”
-“O senhor estava errado?”
“Sim.”
“Mortalmente errado?”
“Sim.”
“Enquanto 10.000 americanos morriam a cada semana, o senhor divulgava a desinformação que
encorajava as pessoas a se inscrever em testes clínicos, mesmo embora as evidências factuais
mostrando que a maioria não se beneficiaria das drogas dadas aos ‘voluntários’ do câncer para
esses testes?”
“Sim.”
“Alguma vez o senhor relatou profunda e honestamente as terapias alternativas para o câncer que
funcionavam, diferentes dos tratamentos com drogas químicas que dominavam os testes clínicos no
instante em que as suas afirmações encorajavam os pacientes de câncer se inscreverem para os
testes clínicos?”
“Não, eu não relatei.”
Que registro triste! Dez mil vidas por semana!
As mentiras e tragédias perpetradas pelos correspondentes de ciência da mídia, membros
uniformizadas do Congresso e funcionários da saúde do governo dos Estados Unidos continua
corrupta e covardemente. A história não ignorará suas transgressões contra a confiança, o
distorção das informações dadas ao povo e que formaram o pensamento americano. Mais dois
exemplos da mídia devem demonstrar estas questões claramente.
“Uma estória de coragem: A Repórter que Relatou sua Luta Contra s Câncer Morre aos 38 Anos
de Idade”, foi o título de um artigo que apareceu no USA Today em 16 de dezembro de 1999:
“O câncer é mesmo uma epidemia, Cathy Hainer escreveu em 1999. A estória de Cathy Hainer
mexeu com a nação, diz Tom Curley, presidente e editor do USA Today. Centenas de cartas vieram
dos leitores do USA Today que tinham acompanhado a sua luta contra o câncer em um diário
público que ela compartilhou com eles. Logo após que ele iniciou a quimioterapia, ela começou a
perder os cabelos. Ela queria a toda a verdade, e a queria direta, não apenas para si mesma, mas
para todos os outros que compartilhavam a sua doença.”
Dianne Feinstein é senadora dos Estados Unidos pelo estado da Califórnia. Seu comentário foi
publicado em vários jornais da Califórnia em dezembro de 1999. Título: “ ’Este é o momento para
se livrar do câncer de mama.” Uma citação selecionada:
“Mais dólares são necessários para vencer o câncer de mama. A cada ano, cerca de 44.000
mulheres morrerão de câncer de mama. É a causa maior da morte das mulheres entre 35 e 55 anos
de idade – mulheres no máximo vigor de suas vidas. Também são sugeridas as anuais mamografias
após os 40 anos de idade.”
70
Aparentemente a senadora Feinstein nunca ouviu falar da terapia curativa do câncer do
californiano Royal Raymond Rife ou outros tratamentos alternativos para o câncer que de fato
funcionam, mas são ignorados, verbalmente desdenhados, ou totalmente suprimido pela medicina
estabelecida. Nem de fato ela parece saber sobre os estudos científicos que demonstram
conclusivamente que a mamografia é uma falsidade política e perigosa para a saúde das mulheres.
O jornal USA Today e a senadora dos Estados Unidos, com enormes recursos e capacidade de
pesquisas à sua disposição, não consegue nem descobrir o quê é facilmente encontrado. Teria sido
um grande serviço aos americanos se os gigantes da mídia e os funcionários do senado dos USA
tivessem a inclinação para procurar um polegada abaixo da superfície e descobrir o que mais
existia além do que a chamada ciência oficial e a medicina ortodoxa estava dizendo a eles.
Apêndice N
Tamoxifen
A história da droga Tamoxifen é uma outra demonstração de mal julgamento e de servir aos
próprios interesses por parte dos membros do Instituto Nacional do Câncer.
No final dos anos 80 de início dos anos 90, o Tamoxifen (ou a droga T) começou a ser promovida
como uma cura milagrosa pelos defensores da quimioterapia no Instituto Nacional do Câncer. Eles
convenceram o diretor de saúde do Instituto Nacional, Dr. Bernardine Healy, de que o Tamoxifen
poderia prevenir o câncer de mama. O Dr. Bernardine (a quem o ex-candidato presidência Ross
Perot queria como companheiro, candidato à vice-presidência) infelizmente aceitou seus falsos
números e informações e concordou com os testes clínicos do Tamoxifen.
Bernardine Healy então comprometeu US$68 milhões dos contribuintes dos americanos para fazer
os testes. Estes US$68 milhões foram usados para dar a droga T para 16.000 mulheres saudáveis,
acompanhadas por testes freqüentes de raios X, mamografias dos seus seis saudáveis naquele
momento.
Ao mesmo tempo, o Tamoxifen era conhecido por causar câncer uterino (endometrial). Embora
fosse um sério risco para a saúde, este efeito colateral não foi enfatizado para as mulheres
saudáveis que estavam se submetendo aos testes clínicos. Com os testes planejados para
transcorrerem em dez anos, o risco do desenvolvimento de um câncer uterino foi grandemente
aumentado. Ainda, esta foi uma questão que pareceu ter sido deixada de lado.
71
Ele estava para ser o maior teste clínico da história. Havia fundo para a pesquisa e reuniões
marcadas, arquivos de papéis e computadores para serem mantidos, conferências, artigos para
serem publicados e todas as outras parafernálias de uma burocracia bem estabelecida.
E assim os testes clínicos do século começaram na primavera de 1992. milhares de mulheres
americanas saudáveis participantes da triagem começaram a tomar o Tamoxifen. O fabricante da
droga que anteviu os bilhões de dólares vindo na sua direção nos anos futuros, quando os testes
tivessem sido completados, e se a aprovação da FDA fosse subseqüentemente obtida. $36 bilhões
de dólares em vendas anuais era a estimativa. Porque uma estimativa tão grande? Porque se todas
as mulheres acima de 35 anos que estavam preocupadas com a possibilidade de contraírem câncer
de mama pudessem ser convencidas de que a droga T o preveniria, então o dinheiro que elas
pagariam pela droga inútil transbordaria na empresa que o produzia. Tudo isto, enquanto
ignoravam as mortes muito prováveis por câncer uterino.
O sucesso da empresa fabricante da droga requeria que seus amigos do NCI (National Cancer
Institute) não conseguissem um mérito público da noite para o dia. Então Peter Greenwald
apareceu para dar um impulso na droga T.
Peter Greenwald – que afirmava que os testes clínicos eram o “padrão de ouro” – veio a público
apoiar o Tamoxifen:
“ ‘ Nenhuma intervenção é totalmente isenta de risco, e o tamoxifen tem alguns efeitos colaterais
em potencial,’ admitiu Peter Greenwald. Ele disse ao sub-comitê da assembléia sobre recursos
humanos e relações inter-governamentais que ‘o benefício provável era a redução do câncer de
mama.” (104)
Alguns anos mais tarde, o Dr. Norman Wolmark, o chefe dos testes clínicos com o Tamoxifen,
apesar das estatísticas que então ofereciam resultados desencorajantes, se adiantou e recomendar
às mulheres a começarem a tomar a droga T a partir dos 35 anos de idade:
“Apesar das estatísticas, o Dr. Norman Wolmark, chefe do estudo, aconselhava às mulheres a
começar tomar o Tamoxifen tão logo elas descobrissem que estavam em risco de câncer de mama.
‘Não esperem’, ele dizia. A idade de 35 anos foi designada como a idade para começarem a se
preocupar.” (105)
Wayne Martin, um acadêmico não ortodoxo muito bem informado sobre o câncer e que escrevia
para vários jornais de medicina e publicações sobre saúde, advertiu o público americano no início
dos anos 90 sobre o quê estava sendo feito às mulheres via Tamoxifen.
“Se todas as mulheres que estão tomando o Tamoxifen soubessem como os resultados são ruins,
elas mandariam seus médicos para o inferno. Se você toma Tamoxifen por mais de dois anos, você
aumenta as suas chances de ter câncer endometrial.” (106)
Em 1994 o estado da Califórnia declarou que a droga T era um conhecido carcinogênico. Isto
enfureceu os donos das empresas de drogas – Zeneca e ICI (gigante das drogas da Inglaterra).
Eles voaram para Sacramento, a capital da Califórnia, com os assim chamados experts para fazer
lobby contra a decisão. (107)
Mas era tudo fumaça e espelhos. O Congresso, a mídia, a maioria dos médicos e cientistas, e o NCI
e a FDA, todos mantiveram suas cabeças baixas e suas bocas fechadas. A grande triagem clínica
prosseguiu.
Em outubro de 1998, após apenas 6 anos de testes a FDA aprovou a droga T para uso em mulheres
saudáveis. Ela foi aprovada, embora o grande teste clínico tendo mostrado que ela não funcionava.
Ela não prevenia o câncer de mama.
72
“Não havia nenhuma diferença estatística da sobrevida para as mulheres que tomavam o
Tamoxifen em comparação com as mulheres que tomaram placebo no estudo do NCI. Uma análise
de vários grandes estudos mostra que o Tamoxifen quase dobra o risco de câncer uterino quando
usado por um ou dois anos, e quadruplica o risco em cinco anos. A Sociedade Americana do
Câncer e a mídia aclamaram o Tamoxifen imediatamente como uma droga preventiva do câncer de
mama.” (108)
“Enquanto isto, as empresas fabricantes da droga T iniciaram uma campanha pública vigorosa
para ajudar as mulheres americanas a se tornarem mais cientes e informadas sobre o câncer de
mama. Adverti-las sobre o risco do câncer uterino teria sido mais apropriado.
A Zeneca e a ICI, o conglomerado de empresas produtoras de drogas que fez o Tamoxifen se
tornaram a força por trás do ‘National Breast Cancer Awareness Month (NBCAM)/Mês da
Conscientização Nacional do Câncer de Mama, um ritual que acontece anualmente em outubro.
“O Grupo Zeneca fundou o NBCAM. O Tamoxifen responde pela venda (anual) de US$500
milhões.” (109)
E, todo este tempo, a cura de Rife para o câncer, como também várias terapias alternativas para o
câncer que funcionavam, eram ignoradas ou suprimidas.
Um dos argumentos deste livro é que quando o assunto é o tratamento do câncer, os doutores da
AMA, muitos cientistas da saúde, funcionários-chave da saúde do governo, e certas instituições e
sociedades privadas têm estado envolvidas em atividades assassinas. O povo americano, em sua
maioria, não compreendeu o que tem acontecido, nada mais do que o quê compreendiam em 1930,
enquanto a Alemanha Nazista de Hitler conduzia a sua maldade.
Ainda, em tempo, os Estados Unidos se levantou e foi à Europa libertar o velho mundo.
É tempo de iniciar um processo de educação que , finalmente, levará a indiciar aqueles que são os
mais responsáveis e suas instituições por crimes contra a humanidade. Não queremos que as
futuras gerações sofram como nós temos sofrido pelos últimos 50 ou 60 anos sob a maldade do
cartel da medicina das drogas da AMA/PMA (Pharmaceutical Manufacturers
Association/Associação dos Manufatureiros Farmacêuticos) e seus co-conspiradores cientistas e
funcionários da saúde.
Como um dos promotores das Audiências de Nuremberg em 1946 deixou claro durante a
sumarização, descrevendo o porquê aquele tribunal especial havia sido estabelecido:
“Através de uma declaração de criminalidade contra estas organizações, este tribunal implicará
pessoas do mundo inteiro. A espécie humana saberá que nenhum crime escapará da punição por
ser grande demais; que nenhum criminoso escapará da punição por que eles são muitos.” (110)
Porque não são somente a indústria de drogas e os membros do NCI que perpetuam esta
desinformação, mas também outros com boas intenções, que meramente aceitaram a
desinformação como fato. A colunista nacionalmente associada Ellen Goodman, em julho de 1999,
declarou:
“E sobre drogas como o Tamoxifen, uma droga poderosa para mulheres com risco de câncer de
mama? Ela agora aparece em anúncios sugerindo que todas as mulheres estão em risco. Há uma
diferença entre a cura para fungos nos dedos dos pés e câncer de mama.
Ellen Goodman, ao denunciar as técnicas de propaganda das empresas de drogas para promover o
Tamoxifen, nem mesmo compreende a questão básica de que “a poderosa droga, o Tamoxifen”
fracassou nos seus testes e não preveniu o câncer de mama. Obviamente, ela está no caminho certo
quando censura os fabricantes da droga Tamoxifen por seu marketing fraudulento. Mas a
corrupção da FDA em décadas de propaganda e venda enganosa ao povo americano é algo que
Ellen Goodman e a maioria do pensamento da mídia não tem idéia e não tem nem mesmo
publicado um mínimo, mesmo podendo obter informações documentadas facilmente.
73
O que se segue são lições da história que merecem cuidadosa menção, especialmente por aqueles
que brincam com povo para explorar e desvirtuar as pessoas com câncer. Isto é também
claramente para os doutores, cientistas e funcionários da saúde do governo que erroneamente
acreditam que nunca terão de prestar contas. Isto inclui os experts fora das instituições que
juntam-se aos quadros da FDA e votam sem resistência para permitir que as quimioterapias
tóxicas sejam aprovadas para os pacientes de câncer, enquanto muitas terapias alternativas, que
realmente curam o câncer, são negativamente criticadas e mantidas ilegais, desaprovadas e
severamente reprimidas pelo estado e defensores da FDA e do seu monopólio vigente.
William L. Shirer testemunhou a ascensão do fascismo na Alemanha dos anos 30 como um
jornalista americano. Ele mais tarde escreveu um dos mais reconhecidos trabalhos sobre esta
tragédia humana. A citação a seguir é parte de um ensaio de 1984:
“Assisti horrorizado Hitler esfacelar a liberdade e o espírito humano na Alemanha com este
barbarismo nazista.
“Deixei a Alemanha em dezembro de 1940, 15 meses depois que Hitler imergiu a Europa em
guerra. A Inglaterra resistiu sozinha. Não muitos acreditaram que a Inglaterra sobrevivesse.
“Ao fim da guerra em 1945, voltei à Alemanha. Adolph Hitler estava morto. Os líderes nazistas
estavam na prisão em Nuremberg, aguardando o julgamento por crimes contra a humanidade. A
justiça, finalmente, estava sendo feita.”
Os aliados previram, um ano e meio antes o fim da guerra:
“Deixe que aqueles que nunca sujaram as mãos com sangue de inocentes estarem cientes de que,
se eles se juntarem às frentes da culpa, sem dúvida os três poderes aliados os perseguirão até o fim
do mundo e os entregarão aos seus acusadores pra que a justiça possa ser feita.” William L.
SDrirer, em 20th Century J ourney: The Nightmare Years/A J ornada do Século XX: Os Anos de
Pesadelo 1939-1940, pp.xiv, xv, 617 631, 633.
“ ‘Há cerca de 180.000 casos de câncer diagnosticados anualmente e é estimado que 75.000 deles
necessitam de quimioterapia após a cirurgia, de acordo com a Pharmacia & Upjohn’ (Fabricante
de drogas de uma ‘nova,’ droga aprovada pela FDA e apoiada pela Sociedade Americana do
Câncer.’)” Los Angels Times, de 17 de setembro de 1999.
“Porque tanto uso de quimioterapia se ela ajuda tão pouco? Bem, por uma coisa, as empresas
fabricantes de drogas oferecem imensos incentivos econômicos. Em 1990, US3.53 bilhões foram
gastos em quimioterapia. Em 1994 esse número tinha mais que dobrado para US$7.51 bilhões.
Este aumento persistente no uso da quimioterapia foi acompanhado por um persistente amento das
mortes por câncer.” Dr. Frank P. Truitt, M.D., Ph.D., The Robert Cathey Research Source/A
fonte de Pesquisa de Robert Cathey (Veja no site http://www.navi.net/rsc)
“O bio-estatístico do cancer Dr. Ulrich Abel, de Heidelberg, Alemanha, editou uma monografia
intitulada ‘Quimioterapia do Câncer Epitelial Avançado. Os cânceres epiteliais compreendem as
formas mais comuns de adeno-carcinoma: pulmões, seios, próstata, cólon, etc. Abel concluiu, após
entrevistar centenas de médicos de câncer, ‘A visão pessoal de muitos oncologistas parece estar em
gritante contraste com as comunicações destinadas ao público.’ Abel citou estudos que têm
mostrado ‘que muitos oncologistas não usaria a quimioterapia neles mesmos se eles tivessem
câncer.’ ’’ Ralph Moss, em The Câncer Chronicles/As Crônicas do Câncer (Veja o site:
http://person.org/chemol01.html)
“A maioria dos pacientes de câncer deste país morrem por causa da quimioterapia. A
quimioterapia não elimina o câncer de mama, cólon e pulmões. O fato tem sido documentado por
mais de uma década. Porém, os doutores ainda usam a quimioterapia para estes tumores. As
mulheres com câncer são têm maior probabilidade de morrer mais rápido com a quimioterapia do
que sem ela.” Dr. Alan Levin.
“ A FDA recomenda a expansão do uso aprovado do Taxol, a droga mais usada em pacientes nos
primeiros estágios do câncer de mama. O Taxol, vendido pela Bristol-Myers Squibb Co. é a droga
74
de câncer mais largamente usada no mundo – em 1998 vendeu US$1.2 bilhões. O comitê da FDA
votou 8 x 0 para a aprovação do Taxol. O câncer de mama é o segundo câncer em números de
morte de mulheres nos Estados Unidos, perdendo apenas para o câncer de pulmão.” Reuters, Los
Angels Times, de 18 de setembro de 1999.
Apêndice O
A Lei do Câncer na Califórnia
Agora que o leitor está familiarizado com as táticas dos membros que controlam o Instituto
Nacional do Câncer e os resultados aterrorizantes que destroem famílias cruelmente, ano após
ano, por toda a América, é hora de expor como as leis estaduais e os governos estaduais trabalham
de mãos dadas com os grupos médicos no governo federal. A Califórnia oferece um foco de
exemplo de como o processo funciona para manter as curas verdadeiras para o câncer fora do
alcance das pessoas que precisam desesperadamente ter acesso a elas. Isto é totalmente legal,
claro,. Legal, apesar do fato preponderante de que a lei do câncer na Califórnia afirma
explicitamente que o poder do governo emana de uma responsabilidade clara e reconhecida de
servir ao interesse público. Entretanto, esse fundamento é contradito pelos legalmente
sacramentados interesses de certos grupos médicos em uma posição inatacável, de onde eles
controlam o processo. Isto é muito parecido na maioria dos estados americanos, e ainda é em nível
estadual que existe uma grande possibilidade de mudança.
Nos códigos da saúde, que legalmente governam a Califórnia,foi estabelecido um mecanismo que
impede qualquer terapia alternativa para o câncer de ser oferecida aos pacientes de câncer. A lei
és insidiosamente ardilosa em sua fraseologia e intenção. O mecanismo-chave é conhecido como
“Cancer Advisory Board”(*) e é dominado por médicos, cirurgiões e institutos de pesquisa sobre o
câncer sem fins lucrativos, reconhecido pelo Instituto Nacional do Câncer.
Então, isto é – simples, sanguinário e escravocrático. A deslealdade clássica contra as pessoas
comuns que permite que os defensores da quimioterapia continuem com os seus enigmas para
proteger o público, enquanto de fato protegem os seus tratamentos quimioterápicos fracassados.
Agora as estatística documentam este fracasso inquestionavelmente.
A lei é tão ultrajante que chega a afirmar que os médicos têm de, obrigatoriamente, informar às
mulheres com câncer de mama sobre os tratamentos alternativos, mas então continua a restringir
essas alternativas aos tratamentos “cirúrgicos, radiológicos e quimioterápicos”.
A premissa desta lei e do mecanismo do estado, compostos de pessoas e instituições aprovadas pelo
Instituto Nacional do Câncer, é proteger o público.
“É em nome do interesse público que o povo seja acesso ao total e acurado conhecimento e que,
para este fim, são fornecidos meios de testar e investigar o valor concernente aos remédios para o
75
câncer (declarados, mas não aprovados), aparelhos e informar ao público sobre os fatos
encontrados e proteger o povo contra falsas afirmações nestas matérias.”
Dada a história documentada o Instituto Nacional do Câncer e o “Cancer Advisory Board”, o que
foi dito acima significa claramente que essas instituições e os indivíduos-chave dentro delas têm
falhado em preservar os fundamentos da totalidade da lei ao suprimir remédios e aparelhos que, de
fato, curam o câncer. Estas pessoas que tomam decisões no “Cancer Advisory Board”da
Califórnia e dentro do Departamento de Saúde, têm – por incompetência ou corrupção – cometido
crimes contra a humanidade e atrocidades além do que se pode descrever através da interferência
descarada na esfera de liberdade individual do povo americano para cobrir de penas os seus
próprios ninhos.
Ao definir como a lei será imposta pelos poderes da polícia estadual a lei requer que:
“A investigação ou testes requeridos para determinar o valor ou a ausência de valor de qualquer
droga, remédio, composto ou aparelho para diagnóstico, tratamento ou cura do câncer, têm
obrigatoriamente de utilizar as instalações e descobertas dos seus próprios laboratórios ou outros
laboratórios, clínicas, hospitais e institutos do câncer sem fins lucrativos apropriados reconhecidos
pelo Instituto Nacional do Câncer, dentro deste estado ou as instalações e descobertas do Governo
Federal, incluindo o Instituto Nacional do Câncer.”
A lei, então, continua a afirmar explicitamente que o “Cancer Advisory Board”(Comitê designado
para assessorar e aconselhar o administrador-chefe) deverá recomendar ao Departamento de
Saúde que “departamentos de universidades, escolas de medicina, clínicas, hospitais e institutos de
pesquisas do câncer sem fins lucrativos, reconhecidos pelo Instituto Nacional do Câncer” deverão
fazer as investigações através de um contrato com o estado. Em outras palavras, “a rede dos bons
e maus meninos”, está protegida contra qualquer ameaça séria pelos cientistas externos como
Royal Raymond Rife.
Este ao insidioso jogo perpetrado às custas dos confiados e inocentes cidadãos – dando poder às
pessoas que são inexplicavelmente desconhecidos do público, que deixam suas coisas serem feitas
pelos políticos, etc. – constitui um erro de monumental importância. O “Cancer Advisory Board”
tem imposto a mortal e inútil quimioterapia sobre pessoas amedrontadas e desesperadas com
câncer, ano após ano, ao mesmo tempo em que impedem que os pacientes de câncer experimentem
ou mesmo investiguem alternativas que realmente curem o câncer permanentemente. Tanta
maldade está ultrapassa todos os limites do perdoável.
O resto da lei é apenas para limpar os ossos. Esta inclui:
“Uma violação é passível de punição por prisão no próprio município, por um período não
excedente a um ano, ou em prisão estadual, ou multa não excedente a dez mil dólares, ou por
ambas, aprisionamento e multa.”
“Os funcionários municipais da saúde, promotores distritais e gerais devem cooperar com o
diretor do Departamento de Saúde neste esforço.”
É razoável ter a esperança de algum dia, uma vez que os ventos da política mudem e o público
reconheça o que foi feito (como durante as audiências de Nuremberg) os membros do “Cancer
Advisory Council e do Departamento de Saúde da Califórnia, no passado e no presente, talvez
tenham de explicar porquê eles ignoraram sua obrigações óbvias de fazer o quê a lei requeria: que
o público tivesse acesso ao conhecimento total e acurado. Há muitos relatórios públicos sobre as
terapias alternativas emergentes que o “Cancer Advisory Counsil” nunca se deu ao trabalho de
investigar, apesar do seu poder absoluto. Responsabilidade?
Interesse Público? Direitos do Cidadão? Haverá um dia de prestação de contas.
Um conta há muito tempo vencida, em favor da justiça, da verdade, das futuras políticas, e, por
76
respeito às incontáveis vítimas, que pagaram com suas vidas este infame mascaramento feito pelos
experts que em nome da “proteção o povo,” estavam realmente protegendo os próprios interesses
financeiros e suas carreiras às custas de milhões de pessoas.
Quando isto se tornar público e amplamente conhecido, as estórias começaram pelos doutores,
cientistas e funcionários da saúde, exatamente como as justificativas e desculpas dadas depois que
os campos de concentração Nazistas foram revelados.
O correspondente de guerra David Schoenbrun nos lembra de uma pequena estória em que os
perpetradores da maldade, finalmente, ficaram expostos (em “América Inside Out”, p. 144):
“Nós nunca acreditamos nos alemães que nos disseram que eles não sabiam do que estava
acontecendo nos campos de morte. Era impossível não saber. O mal cheiro, a fumaça das câmaras
e o testemunho das testemunhas oculares daqueles alemães, que fizeram negócios com os guardas
dos campos não poderiam deixar dúvidas, mas eles fecharam os olhos para a verdade.”
Da mesma forma que médicos federais e estaduais, os cientistas, funcionários do governo e
promotores gerais ambiciosos fecharam os olhos para a verdade, o resultando em tortura, morte e
traição contra pessoas inocentes com câncer.
A regra cardinal para os funcionários da saúde do governo: Não praticar políticas médicas com as
vidas das pessoas.
A seguir está uma carta de um leitor que habilmente indica o ponto, compreendendo imediatamente
o paralelo entre as atrocidades do nazismo e as décadas de genocídio da medicina americana:
“Desde a primeira vez que eu vi as crianças do lado de fora do “Sloan Kettering”(centro de câncer
na cidade de New York) chegando para os seus tratamentos, eu sabia que o uso de quimioterapia e
radiação era nada menos do que maldade de campo de concentração. Impor o sofrimento daquela
intensidade bárbara sobre alguém em nome da cura é uma maldade inegável. Eu suponho o quê eu
quero dizer é que, dizer a verdade sobre a conspiração do câncer é uma das missões dadas a mim
por Deus. Eu quero fazer tudo o quê eu puder para ajudar nesta guerra contra a tirania médica.”
77
Apêndice P
Mamografia
O grande engano da mamografia começou no início dos anos 70. Ela foi amalgamada pelos
membros da Sociedade Americana do Câncer e seus amigos do Instituto Nacional do Câncer. O
número de mulheres que foram expostas ao risco ou que morreram como um resultado de
mamografias desnecessárias não é conhecido, mas é estimado como imenso. O Diretor do Instituto
Nacional do Câncer, ao tempo deste vasto abuso à fé pública, mais tarde deixou o serviço público
governamental para ocupar uma posição altamente bem remunerada na ACS – uma suspeita de
algo como pagamento compensatório, ou propina.
A Sociedade Americana do Câncer queria promover a mamografia, particularmente porque ela
poderia estar interligada aos próprios objetivos financeiros da Sociedade (tenha em mente o slogan
da ACS “Um Cheque e Um Check-up”) e os radiologistas, obviamente, queria o programa da ACS.
Havia poucas, se é que havia alguma, vozes poderosas – individuais e institucionais – que
protestaram conta ela.
O ataque conclusivo sobre as mulheres americanas saudáveis aconteceu porque o jogo tinha
começado. Políticos poderosos e a mídia estavam em silêncio enquanto um determinado grupo,
servindo aos próprios interesses em operações sofisticadas manipulava o programa de câncer da
nação inteira para ajustá-lo aos próprios interesses. E as mulheres americanas pagariam o preço
pelos 30 anos seguintes, ou mais, em pleno século XXI.
Em 1978, Irwin J. D. Bross, Diretor de Bioestatística do “Roswell Park Memorial Institute” para
pesquisas do câncer, comentou sobre o mascaramento do programa do câncer:
“Deveria ter sido dado às mulheres as informações sobre os perigos da radiação, ao mesmo tempo
em foram dados os argumentos de venda da mamografia. Os doutores estavam entusiasmados para
usá-la em grande escala. Eles foram muito adiante e submeteram, não apenas algumas mulheres,
mas 250.000 mulheres. Uma grande aventura que expôs 250.000 mulheres a algo que poderia
causar mais danos do que benefícios foi criminoso – e foi patrocinado como o dinheiro do governo
federal e da Sociedade Americana do Câncer.” (P1)
O Instituto Nacional do Câncer foi notificado em 1974 pelo professor Malcolm C. Pike da Escola
de Medicina da Universidade da Califórnia do Sul do fato de que vários especialistas tinham
concluído que “submeter uma mulher com menos de 50 anos a uma rotina de mamografias, beira a
falta de ética.” (P2)
Repito – foi dito aos experts do governo para não fazer isto com mulheres saudáveis em 1974! A
advertência foi ignorada por que Mary Lasker (cujo marido era o diabólico anunciante obscuro
por trás das campanhas publicitárias do cigarro Lucky Strike) e os membros da Sociedade
Americana do Câncer estavam grandemente interessados em promover, anunciar e lucrar os
benefícios financeiros da mamografia. Infelizmente, os perigos da mamografia não foram
78
direcionados por este grupo, e eles começaram a promover e incentivar a mamografia para
mulheres saudáveis, da mesma forma que o faziam com as mulheres afligidas pelo câncer.
No início da década de 80, o Instituto Nacional do Câncer e a ACS lançou uma nova linha de
conduta para promover a mamografia anual dos seios para mulheres abaixo dos 50 anos. Houve
muita publicidade encorajando as mulheres a seguir esta linha de conduta. Um funcionário admitiu
francamente que a propaganda trouxe mais dinheiro para pesquisas para ambas as instituições.
Tudo isto ocorreu ao mesmo tempo em que estudos estavam mostrando que os benefícios da
mamografia foram mínimos.
“Os doutores e os seus pacientes pressupunham que havia boas evidências dando suporte àquelas
recomendações. Porém, naquele momento, apenas um estudo mostrou um benefício positivo e os
resultados não foram significativos.” (P3)
Em 1985, o respeitado jornal médico inglês, The Lancet , um dos 5 principais jornais médicos do
mundo publicou um artigo que criticou violentamente a propaganda do Instituto Nacional do
Câncer e da ACS. Ele não apenas expôs o original derrame publicitário da monografia feito pelos
altos conspiradores parceiros ACS-NCI nos meados da década de 70 contra mais de 250.000
mulheres americanas, mas denunciou a continuação da propaganda ACS-NCI no anos 80.
“Mais de 280.000 mulheres foram recrutadas sem serem advertidas de que nenhum benefício da
mamografia tinha sido provado em uma triagem controlada em mulheres abaixo de 50 anos, e sem
que elas fossem advertidas sobre o risco potencial de indução do câncer de mama pelo teste que
supostamente o detectaria.
“Em mulheres abaixo de 50 anos a mamografia não oferece benefício.” (P4)
Mas nada mais aconteceu para anunciar formalmente esta informação. A mamografia era
conhecida por causar câncer, mas a mídia e os funcionários da saúde do governo tinha escolhido
ficar em silêncio. A política da mamografia incentivada pela Sociedade Americana do Câncer,
para encher a sua conta bancária continuou sendo a política do governo dos Estados Unidos por
mais 10 anos, até que um grande estudo no Canadá mostrou conclusivamente o que já era sabido
20 anos antes, mas que não era do interesse do Instituto Nacional do Câncer e da American Cancer
Society admitir: a exposição dos seios aos raios-X nas mulheres antes dos 50 anos não oferecia
nenhum benefício e poderia colocar suas vidas em risco.
Em fevereiro de 1992, Samuel Epstein, professor do Centro Médico da Universidade de Chicago
em Illinois, um incansável oponente à medicina estabelecida do câncer, juntamente com outros 64
eminentes autoridades do câncer opositores do status quo (estado vigente), advertiu o público
sobre a ACS e o NCI (American Cancer Society/National Cancer Institute), afirmando que elas não
eram confiáveis. A ACS e o NCI foram ultrajados, e foram chamadas pelo Dr. Epstein com
referência aos estudos do câncer de mama de “não-éticos e inválidos”.
No mês seguinte, o “Washington Post” revelou a estória para a mídia. Ele publicou um artigo do
Dr. Epstein que expôs o que a ACS e o NCI tinham feito a incontáveis mulheres 20 antes e
continuou fazendo por mais 20 anos até 1992. O Dr. Epstein escreveu:
“A alta sensibilidade dos seios, especialmente em mulheres jovens, ao câncer induzido pela
radiação foi conhecida em 1970. Entretanto, a medicina estabelecida então expôs cerca de 300.000
mulheres a dosagens suficientes para aumentar o risco de câncer de mama em cerca de 20% em
mulheres entre 40 e 50 anos de idade que foram submetidas à mamografia anualmente. As
mulheres não foram advertidas de modo algum; quantas desenvolveram câncer de mama
subseqüentemente nunca foi investigado.
“Adicionalmente, a medicina estabelecida ignora as alternativas seguras e efetivas à mamografia,
particularmente a trans-iluminação com varredura infravermelha.
79
“Para a maioria dos cânceres, a sobrevivência não tem mudado por décadas. Afirmações
contrárias são baseadas em números falsos..” (P5)
Isto é um crime, não um erro de julgamento. Estes atos foram conscientes, escolhidos, atos de
expediente político praticados por um pequeno grupo de pessoas em favor do seu próprio poder,
prestígio e ganhos financeiros, resultando em sofrimento e morte para milhões de mulheres. Os
membros da ACS e do NCI envolvidos, de fato, cometeram “crimes contra a humanidade”.
Em dezembro de 1992, o New York Times publicou fatos sobre esquema do negócio fraudulento da
mamografia. A estória incluiu o seguinte:
“O Dr. I. Craig Henderson, diretor Centro Clínico do Câncer da Universidade da Califórnia em
San Diego, disse, ‘Nós temos de dizer a verdade às mulheres.’
O Dr. Robert McLelland, um radiologista da Escola de Medicina da Universidade da Carolina do
Norte, disse, ‘Em nosso entusiasmo para promover a mamografia, nós como radiologistas – e eu
sou um deles – não vimos a evidência.’ “ (P6)
Em julho de 1995, o prestigioso jornal médico inglês The Lancet, mais uma vez expôs o fraudulento
negócio da mamografia:
“O benefício é mínimo, o mal causado é substancial e os custos envolvidos são enormes.” (P7)
Mas a difusão do conhecimento do quê estava acontecendo não fez nenhuma diferença para os
burocratas da ACS e do NCI, que tinham a obrigação de proteger o povo, mas que tinham o seu
próprio império para proteger. Obviamente, a American Cancer Society lutou furiosamente contra
todas as tentativas feitas por aqueles com alguma honra nos órgãos federais e que procuraram
restringir o número de exame de mamografias ou aumentar a idade mínima para que as mulheres
fizessem o seu primeiro exame desta natureza. A mamografia rendeu muito dinheiro para a
Sociedade Americana do Câncer e eles queriam que legiões de mulheres começassem a fazer
exames anuais tão cedo quanto a ACS pudesse convencê-las a assim proceder. (“Um cheque e um
Check-up).
Em 199, até a célebre poeta Maya Angelou estava ignorantemente promovendo a mamografia nos
anúncios do serviço público na televisão. Nada mudou. Aqueles que supostamente deveriam
proteger o público, a ACS e o NCI, estavam fazendo exatamente o oposto. Eles estavam ocultando
a verdade, protegendo os seus pequenos impérios, enquanto as mulheres americanas estavam
sendo expostas desnecessariamente ao perigo, aos raios-X causadores de câncer.
Em setembro de 1999, a máxima profundidade do engodo que durou décadas foi explicitamente
descrito em um artigo no jornal Alternative Medicine. Ele alcançou relativamente poucas mulheres
americanas que sofreram lavagem cerebral por causa dos interesses e através da mídia e o estado
maleável e dos legisladores federais (“Representantes do Povo”), mas este artigo foi um pequena
luz no escuro da noite.
Aqui está a abominável verdade que revelou a qualquer mulher americana, com sorte suficiente,
para ter lido os duros fatos:
“ ‘A mamografia aumenta o risco de desenvolvimento do câncer de mama e aumenta o risco de
disseminação ou de metástase de um tumor existente,’ diz o Dr. Charles B. Simone, um ex-
associado clínico de departamento de Imunologia e Farmacologia do Instituto Nacional do Câncer.
“A mamografia anual de 10.000 mulheres ente 50 e 70 anos de idade estenderá a vida de 2 a 6
delas, se tanto; e a mamografia anual de 10.000 mulheres entre os 40 e 50 de idade estenderá as
vidas de 1 ou 2 mulheres por ano.” (P8)
Esta é a verdade da mamografia: ela estenderá, na melhor das hipóteses, a vida de 2 mulheres em
10.000. E essas mulheres são expostas ao risco para beneficiar os radiologistas, a Sociedade
80
Americana do Câncer, os burocratas associados e outros grupos de interesse que lucrarão com a
grande engodo da bem organizada instituição da mamografia, enquanto alternativas seguras
existem, mas permanecem ignoradas e não-investigadas.
Isto nos leva de volta às questões essenciais e princípios fundamentais que um dia guiaram a nação
americana à sua grandeza. Isto nos força a olhar outra vez para a tirania do império do câncer e
para a ameaça a tudo que uma vez foi sagrado na América.
O refinado pensador político, Hannah Arendt, que estudou o Nazismo e as tiranias soviéticas, e
escreveu trabalhos brilhantes sobre a maldade no coração do fascismo e do comunismo, critica
aqueles entre nós que hoje se resignam diante das fraudes conscientes e incontáveis dos
burocratas.
As palavras de Hannah Arendt:
“A burocracia – a regra feita por ninguém. De fato, se nós identificamos a tirania como o governo
que não presta conta do que faz, um regra feita por ninguém é claramente a mais tirana de todas,
porque não há ninguém que permanece e que possa ser perguntado e possa responder pelo que está
sendo feito.
“A burocracia é a forma de governar na qual todos são privados da liberdade política, do poder de
agir. Ela permite que o burocrata se junte aos seus comparsas para agir em concerto, e alcançar
os seus objetivos e suas iniciativas que nunca penetrarão sua mente, e muito menos os desejos do
seu coração, se a ele não tivesse sido dado esta dádiva – para se aventurar em algo novo.”
É tempo para as mulheres tentarem algo novo, como o “Thermal Image Processor/Processador
Térmico de Imagem” e se libertarem daqueles membros da Sociedade Americana do Câncer, e
jogarem aqueles subservientes do Instituto Nacional do Câncer na lata do lixo da história. (P10)
(*)
P1. H. L. Newbold, Vitamin C Against Cancer, (1979)
P2. Daniel Greenberg, “X-Ray Mamography – Back-ground to a Decision,”New England Journal
of Medicine, (September 23, 1976)
P3. “Mammograms Don’t Help Younger Women,” Spectrum News Magazine, (March/April 1993),
p.22. (Spectrum, 61 Dutile Road, Belmont, N. H. 03220-2525)
P4. Peter Skrabanek, “False Premises and False Promises of Breast Cancer Screening.” The
Lancet, (August 10, 1985).
P5. Samuel S. Epstein, “The Cancer Establishment,” Washington Post, (March 10, 1992).
P6. Gina Kolata, “New Data Revive the Debate over mammography Before Fifty,” New York
Times, (December 16, 1992) (Health Section).
P7. C.J. Wright and C.B. Mueller, “Screening Mammography e Public Health Policy,” The Lancet,
(July 1995).
P8. “How Mammography Causes Cancer,” Alternative Medicine, (September 1999), p. 32 Main
Street, Upper Level, Tiburon, CA 94920).
P9. Hannah Arendt, “Reflections on Violence,” The New York Review of Books, (Feb 27, 1969).
P10. “Thermal Image Processing: Breast Cancer Detection Years Earlier,” Alternative Medicine,
(September 199). pp. 29-35 (21 Main Street, Upper Level, Tiburon, CA 94920).
(*) Nota do Tradutor:
As referências foram mantidas em inglês para possibilitar a localização dos originais.
81
Dr. Royal Raymond Rife e seu Microscópio Universal
Apêndice Q
Brilhante com a Luz
Há pessoas publicando várias explanações na Internet relativas ao quê o “mecanismo” de Rife
para o micróbio do câncer possa ser, como ele se ajusta ao conhecimento científico atual, e assim
por diante. Há também pessoas proclamando, de diferentes clínicas e hospitais, que os aparelhos
de Rife que eles testaram não funcionam como os seus proponentes afirmam. Estas são táticas
clássicas para confundir utilizadas por aqueles que podem ter interesse em suprimir as tecnologias
de Rife.
O mecanismo de uma terapia de câncer, como na citação de Robert J. Houston no Apêndice M: A
Máquina defeituosa deixa muito claro, não é o quê importa. Mas, o tratamento funciona? Esta é a
questão-chave.
Evidências incontestáveis mostram que alguns aparelhos de Rife estão funcionando e produzindo
resultados extraordinários, como nas duas citações do Apêndice M: A Máquina defeituosa
exemplifica claramente. A ciência por trás dos resultados da terapia de Rife necessita obviamente
ser compreendida na luz do conhecimento moderno. Ela precisa ser estudada e aplicada. Também
é óbvio que um instrumento de Rife padronizado, do mais alto grau de desenvolvimento técnico
82
deveria ser identificado, de forma que os pacientes de câncer não venham a ser vitimados por
imitações ainda não aperfeiçoadas.
Éo tempo das democráticas e dos direitos individuais do paciente para avançar para uma posições
prioritárias. Nós precisamos avançar com o mais importante – tornar as clínicas alternativas para
o câncer disponíveis para aquelas pessoas que as querem agora. Há um número crescente de
pessoas em nossa sociedade que deseja ter a opção do tratamento alternativo para o câncer.
Muitas vezes, os pacientes de câncer não são informados pelos seus médicos de que há alternativas
(ou o médico é proibido de dizê-lo por lei, como no caso da lei do Câncer da Califórnia). As
alternativas são o quê as pessoas esperam há muito tempo, mas os políticos e a mídia continua a se
evitar a questão, e ao invés disto, servirem ao monopólio médico:
“A maioria dos americanos diz que as clínicas que tratam o câncer e outras doenças de forma não-
convencional deveria ser permitidas funcionar nos Estados Unidos apesar da oposição da
comunidade médica.” Roper Poll. (111)
“Uma recente pesquisa de opinião feita pela Associated Press concluiu que mais da metade do
povo americano que as clínicas alternativas de câncer nos Estados Unidos, com ou sem a
aprovação da medicina estabelecida.” (112)
Apenas considere as possibilidades enormes da aceitação aberta de uma relação associativa da
tecnologia de Rife, descobertas, técnicas de laboratório e pensamento conjunto, métodos modernos
como a eletro-acupuntura ou outra abordagens da Medicina da Energia, mais as terapias
nutricionais, suplementares e mentais. As prescrições de tratamentos seriam feitas baseadas nos
pacientes, individualmente. Toda a filosofia tradicional seria re-trabalhada.
Se o leitor puder apreender o potencial perdido do programa de Rife completo em uma forma
médica respeitada, largamente aceita, honesta, atual, diária, processos criativos de cura com a
total participação do paciente, então o crime de suprimir Rife, não apenas poderá ser visto em sua
total iniqüidade, mas o crime da estreiteza, especializada, abordagem acadêmica da FDA e do NCI
de hoje inserida em um foco muito mais claro, não apenas por Rife, mas por todas as outras
abordagens multi-terapêuticas, e sem drogas.
Rife representou verdadeiramente um caminho para o paciente tomar parte da sua própria cura.
Em cada caso individual, a direção da cura diferiria, como os doutores de Rife demonstraram.
Haveria procedimentos comuns, com a destruição ser dor de microorganismos específicos
causadores de doenças através dos tratamentos não-tóxicos da Medicina da Energia baseada em
formas de ondas. Tenha em mente que a pesquisa de Rife ensinou a ele como retirar
microorganismos mortais e, não apenas, matá-los, capacitando o corpo a expeli-los para fora do
sistema antes que tenham causado danos irreverspíveis, mas também retirar parcialmente o
microorganismos causadores de doenças mortais e transformá-los em microorganismos inofensivos
e benéficos.
Rife:
“Nós temos provado que é o vírus que age sobre o metabolismo da célula desbalanceada do corpo
para produzir qualquer doença que possa ocorrer. Temos produzido, em muitas instâncias, todos
os sintomas da doença quimicamente, sem a inoculação de nenhum vírus ou bactéria nos tecidos de
animais experimentais.
“Temos classificado a categoria inteira de bactérias patogênicas em dez grupos separados.
Qualquer organismo dentro do seu grupo pode ser prontamente modificado para qualquer outro
organismo dentro dos dez grupos dependendo do meio pelo qual ele se alimenta e cresce. Por
exemplo, com uma cultura pura de bacilos de coli, através da alteração do meio mínima como duas
partes por milhão por volume, nós podemos modificar aquele microorganismo em 36 horas e
torná-lo um bacilo tifóide (bactéria tifóide).
83
“Maiores alterações controladas do meio resultarão vírus da pólio ou tuberculose ou câncer com
se deseje, e então, se você desejar, altere o meio outra vez e altere o microorganismo de volta ao
bacilo coli.” (113)
Por quatro anos, de 1934 a 1938, clínicas de San Diego e Los Angels curaram pessoas de câncer e
outras doenças. As primeiras supressões médicas ocorreram em 1938 e 1939. Rife continuou seu
trabalho até meados da década de 40, mas com a II Guerra Mundial (1939-1945), seu
patrocinador principal morto, e as portas da medicina oficial anteriormente abertas para ele,
agora fechadas, a longa descida do alto do prestígio da ciência nacional para obscuridade, o
prestígio e as maravilhosas conquistas de Rife produziram o seu trágico, desnecessário e
politicamente motivado eclipse.
Em fevereiro de 1944, o Instituto Franklin da Filadélfia na Pensilvânia, publicou um artigo
descrevendo o Microscópio Universal de Rife. O artigo foi logo re-impresso no prestigioso
Relatório anual do Instituto Smithsonian de 1944. Aqui está um parágrafo memorável:
“Os constituintes predominantes do organismo foram determinados a seguir, após o quê os
prismas de quartzo foram ajustados ou estabelecidos. Um foco de luz, correspondente exatamente à
freqüência do organismo foi então enviado através do espécime possibilitando ao observador ver o
organismo na sua verdadeira cor química e revelando sua própria estrutura individual em um
campo que é brilhante com a luz.” (114)
“Brilhante com a luz.” Uma frase que diz tanto sobre Rife, suas invenções e o quê ele ainda hoje
ofereceria, se as mediocridades da ciência, escritos tendenciosos dos funcionários da saúde do
governo e os corruptores da medicina das drogas da AMA/PMA e o mundo médico acadêmico não
mais suprimissem as curas alternativas.
O Dr. Jacobs talvez tenha afirmado claramente uma verdade óbvia a muitas pessoas envolvidas no
reavivamento de Rife:
“A medicina do futuro será a medicina da energia. Provavelmente 80% da medicina será a
medicina da energia, e 20% a medicina química.”
O Dr. Francisco Contreas, um médico nascido e educado no México que fez residência por 5 anos
em terapias e cirurgias de câncer em Viena, Áustria, e é agora o administrador do maior centro de
terapia alternativa do norte do México, faz uma declaração igualmente eloqüente, informada e
exata:
“Para mim, o futuro da medicina está na luz e nos campos eletromagnéticos. Uma vez que nós
encontremos a maneira de manipular e controlar os campos eletromagnéticos, poderemos curar
quase todas as doenças. Provavelmente a pessoa que mais soube isto foi Royal Raymond Rife.”
(115)
Curas quase instantâneas estão onde nós estamos direcionados – a regeneração em uma escala
agora inimaginável.
“Vindo das sombras da noite
o mundo gira adentro da luz;
é a aurora em todos os lugares.”
- Henry Wadsworth Longfellow
The bells of San Blas
84
“Tendo gasto cada centavo que ganhei na minha pesquisa para o benefício da humanidade, acabo
como um homem pobre, mas eu alcancei o impossível e faria tudo de novo.”
Agora, milhares estão seguindo as marcas dos seus pés, Dr. Rife, e fazendo isto outra vez por causa
da trilha que você marcou – tão brilhantemente marcada com luz.
HOMEM LOCAL REVELA MI STÉRI OS DA VI DA DOS GERMES
Artigo sobre o Dr.Royal de 3 de novembro de 1929
Apêndice R
Quando a mídia foi honesta
“PASADENA, 20 de novembro: Cercado de máximo segredo durante 14 anos requeridos para o
seu aperfeiçoamento, o quê é descrito como o microscópio mais poderoso do mundo, tido como
sendo nove vezes mais potente do que qualquer outro existente, foi apresentado ao público esta
tarde.
“O microscópio que os homens da medicina acreditam que ampliará enormemente o campo
bacteriológico, foi visto pela primeira vez por um homem leigo em um compartimento de um
pequeno laboratório no Hospital Pasadena.
85
Porque um repórter do Times entrou em um pequeno compartimento, ele foi se apressou em sair,
tão rapidamente que captou apenas uma imagem mental momentânea de uma instrumento não-
familiar equipado com cristais.
“O novo microscópio é com certeza reportado como tendo o poder de ampliação de 17.000
diâmetros comparado com os 2.000 diâmetros, que é o limite dos instrumentos comerciais.
“Com a utilização dos prismas de quartzo, é compreendido que o Dr. Rife quebrado as ondas de
luz, tornando possível o ‘impossível’ de ver ínfimos objetos.
Os resultados alcançados com o novo instrumento são agendados para serem apresentados em um
encontro com os médicos da Califórnia do Sul dentro de pouco tempo.” Los Angels Times, (20 ou
21 de novembro de 1931).
“As descobertas científicas da maior magnitude, incluindo um discussão sobre microscópio mais
potente do mundo, recentemente aperfeiçoado após 14 anos de esforço do Dr. Royal Raymond Rife
de San Diego, foram descritas em uma tarde de sexta-feira para membros da profissão médica,
bacteriologistas e patologistas.
“O Dr. Rife falou sobre o desenvolvimento do seu super potente microscópio e o demonstrou para
os convidados.
“O novo microscópio, predisseram os cientistas, possibilitará um desenvolvimento de primeira
magnitude. Os convidados do Dr. Johnson se mostraram entusiasmados com a demonstração
visual e calorosamente concordaram que o Dr. Rife era o pioneiro entre os cientistas de todo o
mundo.” Los Angels Times, (22 de novembro de 1931), página 1.
“A invenção de um microscópio por um cientista da Califórnia do Sul mais potente do que todos os
seus predecessores é uma das mais importantes contribuições para o conhecimento humano. Este
microscópio, inventado pelo Dr. Royal Raymond Rife de San Diego, parece destinado a
revolucionar toda a ciência da bacteriologia. Los Angels Times, 27 de novembro de 1931).
“O maior avanço da ciência médica desde que Pasteur descobriu que os germes causavam doenças
provavelmente resultará na eliminação das vacinas e das inoculações tóxicas com um meio
necessário para combater as doenças.
“A nova luz polarizada do microscópio de quartzo do Dr. Royal R. Rife de San Diego, é dez vezes
mais potente do que qualquer microscópio construído antes.
“O microscópio, que tinha sido aperfeiçoado durante anos pelo Dr. Rife e usado por ele em
laboratório em San Diego, foi revelado publicamente pela primeira na semana passada, em um
segunda-feira. Ele não era conhecido nem pelos profissionais da medicina até há pouco tempo
atrás. Los Angels Evening Express, (e de dezembro de 1931).
“Usando o novo ‘super-microscópio’ inventado pelo Dr. Royal Raymond Rife de San Diego, o Dr.
Arthur Isaac Kendall da Escola de Medicina da Universidade do Noroeste (Northwestern
University) viu, pela primeira vez, os extremamente minúsculos corpos em movimento, que,
aparentemente, carregam a vida das bactérias.
“Esta demonstração visual do até agora invisível, partículas vivas e moventes da fase filtrável de
um bacilo é aclamada editorialmente pela California and Western Medicina.
“A luz usada com o microscópio do Dr. Rife é polarizada, isto é, é passada através de cristais que
param todos os raios exceto aqueles que estejam vibrando em um plano particular. Por meio de um
duplo prisma refletor construído dentro do instrumento, é possível girar este plano de vibração em
uma direção desejada, controlando a iluminação dos objetos minúsculos no campo com muita
exatidão.” Science News Letter (Science Magazine) (12 de dezembro de 1931).
“O Dr. Lewellys Barker de Johns Hopkins (Baltimore, Maryland), uma das primeiras autoridades
da nação em medicina interna, é um visitante aqui.
86
“O Dr. Barker tinha acabado de retornar de uma visita feita ao Dr. Royal R. Rife, inventor de um
novo microscópio que recentemente causou uma agitação nos círculos científicos, quando foi
constatado que o instrumento produz uma ampliação de 17.000 diâmetros, quase dez vezes mais do
que os mais potentes em uso hoje em dia.
“Ele declarou que, os cientistas estavam dizendoo que o microscópio estava violando todas as leis
da ótica e eu disse a eles que nós simplesmente teríamos de estabelecer novas leis então,’ Dr.
Baker comentou.
“ ‘Ele parece ser um gênio da mecânica,’ Dr. Barker disse de Rife, cujo local de trabalho tinha
sido um terraço sobre a garagem da sua casa em A.S.Bridge em Point Loma.
“Sábado à tarde el (Dr. Barker) será o convidado para um jantar com Miss Ellen Scripps,
momento em que os membros da sociedade médica local terão uma reunião com ele.
“O Dr. Sherrill, chefe da Clínica Scripps Metabolic, está fazendo os arranjos para o Dr. Barker
durante a sua visita aqui.
“Em 1899, ele era administrador médico do Johns Hopkins para as Filipinas.
“O Dr. Barker, seus livros, artigos e palestras, que são legendárias, e é uma autoridade de respeito
universal.” San Diego(7 de janeiro de 1932).
“O propósito da reportagem é registrar as mais importantes observações feitas durante três dias,
5, 6 e 7 de julho de 1932, passados no laboratório do Dr. Kendall na Escola de Medicina da
Northwestern University em Chicago. A discussão sobre estes importantes, e em alguns aspectos
revolucionárias, descobertas têm começado a se espalhar.
”A examinação, sob os microscópio de Rife, de espécimes contendo objetos visíveis ao microscópio
comum não deixa nenhuma dúvida da acurada visualização dos objetos de matéria composta de
partículas distintas pela observação direta em ampliação extremamente alta (calculada ser de
8.000 diâmetros) obtida com este instrumento.” O relatório da reunião do grupo da Mayo Clinic,
(13 de julho de 1932).
O Dr. Edward C. Rosenow (Chefe da divisão de bacteriologia da Mayo Clinic) confirmou certas
descobertas do Dr. Arthur Isaac Kendall da Escola de Medicina da Northwestern University, com
os microscópio de Rife.” Science News Letter (Science Magazine), (12 de novembro de 1932).
“SAN DIEGO, Califórnia: O Dr. Royal R. Rife desenvolveu uma combinação de microscópio e
micro-espectroscópio capaz de ampliar, sem difusão, 31.000 vezes, que ele espera expandirá os
limites do conhecimento ainda mais.
”Há pouco mais de um ano atrás, o cientista completou, em seu laboratório aqui, o microscópio
Rife com uma ampliação de 20.000 diâmetros.
“Com ele, o Dr. Rife e o Dr. Arthur L. Kendall, proeminente bacteriologista de Chicago, viu pela
primeira vez o vírus filtrável da febre tifóide, e, em um outro experimento conduzido no laboratório
do Dr. E. C. Rosenow no Mayo Institute, o até então invisível bacilo da paralisia infantil.
”O novo instrumento, que o Dr. Rife chamou de Microscópio Universal, foi construído baseado no
mesmo princípio do primeiro, fazendo uso de prismas cuneiformes variáveis que foram a
característica incomum do microscópio de Rife.
“Os microscópios, aperfeiçoados pelo Dr. Rife após 18 anos de experimentações, alcançaram o
quê até mesmo os físicos acreditavam ser impossível. Ele ampliava 20.00 ou 30.000 vezes, ainda
preservando a imagem em sua forma verdadeira e possibilitava a visão com a aparência de
profundidade. Ele também revelou aos olhos as culturas não coloradas através do uso de luz
polarizada e monocromática, foco variável, e desta maneira tornou possível estudar os organismos
vivos e aqueles que resistiam à coloração.” Associated Press, (22 de setembro de 1933).
“SAN DIEGO, Califórnia: Um n0vo microscópio capaz de ampliar, sem difusão, até 31.000 vezes,
foi desenvolvido e aperfeiçoado pelo Dr. Royal R. Rife, um cientista natural.
87
O novo instrumento, que o Dr. Rife chama de microscópio universal, foi construído sobre as
mesmas linhas do primeiro, fazendo uso dos prismas cuneiformes variáveis, que foi a característica
incomum do microscópio de Rife.” The Christian Science Monitor, Boston, (Terça-feira, 10 de
abril de 1934).
“A descoberta dos organismos que causas doenças, incluindo o que ocorre no horrível câncer,
pode ser morto pelo bombardeamento desses com ondas de rádio sintonizadas em um comprimento
particular para cada espécie de organismo, foi o que afirmou ontem o cientista de San Diego,
Royal Raymond Rife, Pt. Loma.
“As ondas são geradas por um novo aparelho de freqüências desenvolvido por Rife e um dos seus
associados. Eles atingem os organismos através de uma antena direcional especial.
“Rife pensa que as freqüências letais para vários organismos causadores de doenças são, como
nas ondas sonoras, coordenadas de freqüências existentes nos próprios organismos.
Agora, ele relatou, as taxas oscilatórias mortais para muitos, muitos organismos foram descobertas
e registradas, e o raio pode ser sintonizado à freqüência gravada do germe e direcionada para ele
com a certeza de que o organismo será morto.
“A descoberta do poder dos raios remete, Rife narrou, a um dia, 18 anos atrás em seu laboratório
em Pt. Loma. Foi então que a lhe ocorreu. Ele tinha estado incansavelmente procurando a
conclusão dela por todos aqueles anos.
“Os estudos agora prometem revolucionar toda a teoria e to o tratamento das doenças humanas.”
San Diego Evening Tribune, (6 de maio de 1938).
”Logo a seguir ao seu anúncio da descoberta da onda de rádio que matava os germes o cientista
Royal R. Rife, revelou ontem os desenvolvimentos que o ajudaram em seus intensos estudos de
laboratório nos últimos quatro anos
“Espetaculares são quatro microscópios, dos quais o mais importante é o modelo Universal. Todos
são construídos baseados em novos princípios. Um trabalho intenso para um dos microscópios
universais podem ser concluídos em dois anos, disseram os auxiliares de Rife. Um ano ou mais
serão necessários para somente para fazer os desenhos. Eles custariam cerca de US$250.000 cada.
“Associados com Rife está um corpo de cientistas e experts em rádio, física e outros campos
médicos. O trabalho de combater os inimigos invisíveis do homem esta coordenado para obter o
mais alto grau de perfeição de cada um.” San Diego Evening Tribune (ou Los Angels Times),
(primavera de 1938).
“Royal Raymond Rife, o cientista de San Diego, falou ontem dos seus experimentos em
bacteriologia para a Universidade de McGill (Montreal), Johns Hopkins (Baltimore), Mayo Clinic
(Rochester, Minnesota), Universidade de Heildelberg (Alemanha) e Universidade de Londres
(Inglaterra).
“Os ouvintes do Dr. Rife perceberam que ele tinha feito algo altamente envolvido com a pesquisa
da tuberculose, pólio, câncer e outras culturas, e que ele tinha inventado e aperfeiçoado o mais
poderoso microscópio do mundo.
“Após o almoço ele disse ao seu assistente, Henry Siner, que estava chegando a Londres hoje com
um microscópio portátil para instruir os doutores e técnicos da Universidade de Londres sobre a
técnica de operação do instrumento. Um tipo maior do microscópio de Rife está sendo feito agora
por ele para aqueles interesses britânicos.
“No próximo verão irá a Londres para entregá-lo.” San Diego Newspaper, (21 de janeiro de
1939).
“MARAVILHA CIENTÍFICA – Royal Raymond Rife com seu microscópio recentemente
desenvolvido – Royal R. Rife, de San Diego, Califórnia, cujos instrumentos desenvolvidos em casa
têm estado há muito tempo entre os melhores do mundo. Um dos vírus que o inventor declara ter
isolado com a ajuda do seu microscópio, tem sido encontrado nos casos de câncer. O microscópio
complexamente construído utiliza a teoria de Rife de que os organismos respondem a certos
comprimentos de onda, uma teoria na qual se baseou com a finalidade de bombardear os germes
causadores de doenças com ondas de rádio, que são sintonizadas àqueles ínfimos matadores de
88
homens. O vírus, ele diz, ocorre no câncer, insiste Rife, desintegrou sob essas ondas de rádio.” Los
Angels Times, (25 de junho de 1940).
“O Dr. Royal Raymond Rife, um cientista de San Diego, foi homenageado pelas principais
universidades americanas por sua pesquisa e desenvolvimento de microscópios famosos em todo o
mundo.” San Diego Tribune-Sun, (13 de junho de 1946).
“A longa procura da humanidade por uma cura para o câncer pode estar próxima do fim por
causa de um produto de experimentos de laboratório conduzidos em San Diego há 15 anos atrás.
Estes experimentos e as descobertas que eles possibilitaram são creditadas ao Dr. Royal Raymond
Rife.” San Diego Union, (31 de julho de 1949).
Apêndice S
O Atual Mundo do Câncer de San Diego
Os doutores médicos do Scripps de San Diego não gostaram de Rife nos anos 30. Como médicos
mais proeminentes daquela cidade provincial, eles viram Rife como uma ameaça ao status e ao tipo
de medicina deles. Em 1938, logo após os anúncios históricos nos jornais de San Diego, que
declararam os efeitos dos Raios de Rife sobre o câncer, os eminentes doutores da Associação
Médica de San Diego entravam nos consultórios de quaisquer médicos que estivessem usando o
instrumento de Rife e ameaçavam o médico com (A) perda da licença médica e (B) prisão
(confirmado por uma testemunha) caso o doutor-médico não parasse de usar a tecnologia de Rife.
Assim começava a longa supressão das terapias de curas de Rife e sua descobertas científicas, até
ao final dos anos 80 quando o ressurgimento de Rife começou.
Infelizmente, os doutors de Scripps são ainda poderosos em San Diego até hoje, no início do século
XXI. Milhares de pacientes de câncer em San Diego nunca ouviram o nome de Rife ou puderam
experimentar esta terapia. Os doutores de Scripps recebem milhões de dólares do governo federal e
das empresas fabricantes de drogas privadas para testar as quimioterapias experimentais nos
pacientes de câncer desinformados ou mal informados, incluindo as crianças.
“A Clínica Scripps (San Diego) estava aprovando experimentos de pesquisa demais em crianças
sem seguir as regras especiais criadas para protegê-las.” U.S. News & World Report,(24 de maio
de 1999).
89
“A cultura das triagens clínicas está infestada por conflitos de interesse. As empresas fabricantes
de drogas pagam aos médicos generosamente – algumas vezes aé $6.000 dólares por paciente. –
para testas novas drogas.” U.S. News &World Report, (11 de outubro de 1999).
“Os doutores da Clínica Scripps estão planejando um grande centro de câncer para San Diego que
tratará incontáveis pacientes de câncer com quimioterapia e procurará envolvê-los em testes
clínicos potencialmente perigosos, que trarão grandes somas de dinheiro para Scripps.
“Os experts do câncer dentro da organização da Clínica Scripps declaram que eles têm deixado de
lado as diferenças para formar um centro de pesquisa e tratamento para região.
“ ‘A principal meta é colocar todos em um mesmo sistema juntos em uma mesma página em termos
de atividades do câncer,’ disse o presidente do quadro diretor do centro dos reguladores.
“Uma outra meta é buscar a designação pelo Instituto Nacional do Câncer como um centro de
câncer abrangente – o único na região de San Diego.
“Ao todo, os Hospitais Scripps atendeu 18.000 pacientes de câncer nos últimos dois anos, que
correspondem a cerca de 1/3 (um terço) de todos os pacientes da região. O sistema recebe também
cerca de $17 milhões em verbas concedidas pelo Instituto Nacional do Câncer.
“A designação como um centro de câncer abrangente pelo NCI (National Cancer Institute) não
apenas traria verbas adicionais do governo federal, mas é um chamariz para os projetos de
pesquisa sobre drogas, financiados pelas empresas farmacêuticas privadas..
“Um outro benefício seria que os compostos desenvolvidos pelos pesquisadores da Scripps
poderiam ser testados em um grande número de pacientes semelhantes.” San Diego Union-
Tribune, (Quinta-feira, 7 de outubro de 1999).
Enquanto isto, em muitos lugares por todos os Estados Unidos da América e outros países, está
documentado que as pessoas têm sido curadas com as terapias e instrumentos inspirados na
tecnologia de Rife. Ainda, os doutores de câncer da Sripps procuram construir um centralizado
império monopolista de quimioterapia. E os líderes políticos de San Diego fingem não ver que seus
constituintes com câncer sofrem sem necessidade.
“ ‘Quando você se envolve com as drogas do câncer, você não sabe realmente o quê irá
acontecer.’ (Vice-presidente sênior de uma empresa farmacêutica).
“ ‘Nós protegemos mais os cães do que as pessoas,’ diz C. Kristina Gunsalus, administrador
acadêmico da Universidade de Illinois-Campanig-Urbana.” “Morrendo por uma Cura.” U.S.
News & World Report, (11 de outubro de 1999), páginas 42, 35.
Instrumentos de Rife de qualidade, que têm curado pessoas com câncer, pode custar de US$500 a
$6.000 dólares para compra, dependendo da fonte. (Se juntar a grupos que os usam coletivamente
pode ser grátis). As imitações dos instrumentos de Rife custam os mesmos preços. Pode ser difícil
discernir a imitação do instrumento verdadeiro, portanto gaste um tempo pesquisando o site que
está oferencendo o produto.
Algum dia, um padrão de instrumentos da medicina da energia inspirados em Rife serão comuns,
anbos, em milhões de casas de consumidores, quiropráticos, naturopatas, conselheiros nutricionais
ou alguma outra categoria de linha de frente, atendentes de primeiros socorros.
Infelizmente, os preços entre $500 e $6.000 dólares podem ser agora (e freqüentemente o são)
imensos e fora do alcance financeiro pessoal de um paciente de câncer desesperado, especialmente
quando ele representa um gasto tirado do próprio bolso e sem nenhuma garantia de que ele pode
curar um indivíduo com câncer.
Mas, comparado com a despesa entre $20.000 e 200.000 dólares por paciente que os hospitais e os
médicos têm cobrado das mulheres com câncer de mama por mais de uma década para dar a elas
90
altas doses de quimioterapia e terapias de transplante de medula óssea – que não funcionou e
causou dores lancinantes e sofrimento – há qualquer comparação?
Por todo este tempo, nossos experts em ética médica e equipes de pesquisadores da medicina
permanecem quietos, recusando-se a ouvir ou ver a agonia, terror e tortura do quê está sendo feito
aos cidadãos americanos comuns.
Apêndice T
E Eles Chamam I sto de Ciência
Muitas pessoas em San Diego e La Jolla sabem o quê o nativo da cidade, Dr. Royal R. Rife
alcançou lá, mas as revistas oficiais de ciência, e os cientistas, se recusam a reconhecer suas
conquistas, ou investigar as possibilidades de tratamento que elas trazem.
A revista Science Magazine é a mais poderosa voz oficial da ciência americana e ela também tem
desempenhado um papel na supressão e ignorância sobre os tratamentos alternativos para o
câncer.
“O novo jornal Sciencefoi inaugurado em 9 de fevereiro de 1883. Encabeçando a empresa estava
o seu presidente Johns Hopkins (Faculdade e Centro Médico de Baltimore, MD). O alcance do
jornal era grande. O principais cientistas dos Estados Unidos eram colaboradores. Em 1900, o
Science se tornou o órgão oficial da Associação Americana para Avanço da Ciência, e cada
membro recebia semanalmente. Os editores executivos sob a direção de um quadro diretor
passaram a ser desde então os seus responsáveis.” Frank Luther Morr, A History of American
Magazines/Uma história das Revistas Americanas, vol.4 , pp. 307-308.
“ ‘É bem sabido que é muito difícil ingressar na revista Science, diz Floyd E. Bloom, Editor chefe
de edição interna. Bloom é presidente do Departamento de Neuro-farmacologia do Instituto de
Pesquisas Scripps, La Jolla, Califórnia.
“O jornal procura por ‘coisas que são mais do que ciência excelente,’ diz Bloom. “Nós gostamos
de coisas que são interdisciplinares, coisas que terão ramificações para um grande número de
leitores. Gostamos de coisas que mudam ou desafiam a teoria e o dogma.’ Mas mesmo um pequeno
avanço tem uma chance de ser publicado se ele indica que ‘há um outro campo aqui que nós não
tenhamos visto antes, algo inédito.’
91
“Bloom, da Science é auxiliado por um grupo de cerca de 20 editores. O conhecimento deles é
suplementado por experts voluntários em novos campos que se desenvolvem, diz Bloom. Estes
experts lêem uma grande quantidade de manuscritos a cada semana. Eles respondem as questões:
‘Se as descobertas neste ensaio forem verdadeiras, quão importantes elas seriam? Elas
modificariam o campo? Elas nos forçariam a revisar a teoria?’ ” Sophie L. Wilkinson, ‘Behind the
Scenes at Journals/Nos bastidores dos Jornais, Chemical & Engineering News, 13 de setembro de
1999), pp. 27, 30.
O editor chefe interno da Science também trabalha no Scripps em La Jolla, Califórnia, o local
onde Rife e alguns dos principais cientistas dos Estados Unidos curaram pacientes terminais de
câncer em 1934-39. Foi mencionado que o Scripps é um importante centro de câncer, promovendo
os tratamentos ortodoxos de quimioterapia e triagens clínicas. O pessoal auxiliar de Floyd E.
Bloom supostamente procura publicar descobertas científicas que balancem a fundação do dogma,
e ainda é mais provável que eles se focarão no quê beneficia a ciência ortodoxa.
Permanece o fato de que há tratamentos para o câncer que mudariam o campo da ciência. Há
cientistas e médicos que estão cientes disto, e cientes de como estes tratamentos são ignorados.
Mas prevalece a razão de que o editor chefe de uma proeminente revista científica não gostaria de
alterar o status quo da teoria do câncer, quando a sua própria posição no Scripps poderia ser
afetada simplesmente por assim fazer.
Enquanto isto, os experts oficiais do câncer do Scripps querem direcionar todos os pacientes de
câncer para um novo programa que eles estam formulando, centrado na quimioterapia. O Scripps
pagará uma boa soma de dinheiro por paciente para uma nova quimioterapia experimental
formulada pelas empresas produtoras das drogas. Não é improvável que Floyd E. Bloom, o editor
chefe da Science, esteja ciente deste desenvolvimento.
“Desde abril de 1999, quando os pesquisadores deixaram vazar que altas doses de quimioterapia
(HDK) não parece mais curar o câncer de mama do que os tratamentos padrão, as mulheres que
sofriam de câncer através delas – e as famílias dos pacientes que morreram com ela – têm se
perguntado: ‘Porquê no mínimo 18.000 mulheres sujeitadas a este tratamento horrível e caro para
depois descobrirem que ele provavelmente não funciona.?’
“Os hospitais estavam simplesmente contentes demais para informar isto, cobrando de $20.000 a
$200.000 dólares por paciente.” U.S. News & World Report, (11 de outubro de 1999).
Sem o conhecimento dos cientistas ou ignorado por cientistas e escritores, muitas pessoas com
câncer têm sido curadas de câncer em silêncio por vários instrumentos de Rife utilizados por um
crescente movimento de seguidores de Rife por toda a década de 90. Estas são pessoas que têm
reconhecido Rife como o gênio que ele foi.
“O maior avanço da ciência médica desde que Pasteur descobriu os germes causadores das
doenças.” Los Angels Times, (3 de dezembro de 1931).
“A luz usada com o microscópio de Rife é polarizada, isto é, ele é passada através de cristais que
param todos os raios, exceto aqueles que vibram em um plano em particular. Por meio de um
prisma refletor duplo construído dentro do instrumento, é possível focar este plano de objetos
minúsculos no campo com muita exatidão.” Science News Letter (Revista Sciene), (12 de
dezembro de 1931).
“Em 1988, um pesquisador médico começou a determinar se a terapia de Rife tinha algum real
valor. Nós o chamaremos Dr. X.’ O quê ele descobriu foi camada após camada encoberto – as
publicações com informações errôneas e cartas retiradas da biblioteca do Congresso. Sempre o
volume necessário – algumas vezes apenas páginas cruciais – estavam faltando misteriosamente
nas fontes de referências.” Fontes sobre de Rife.
92
É uma vergonha que um tratamento que pode prometer tanto benefício para aqueles que sofrem de
uma doença seja reprimido e ignorado pela ciência e a mídia, ambas.
Apêndice U
Mundos Espantosos
De 1938 a 1963/64, era sabido que os cigarros e o tabaco eram mortais, que eles causavam câncer
e outras doenças. Milhares de relatórios científicos documentavam os fatos. A imprensa americana,
em conivência com as agências publicitárias, suprimiram aquela verdade. Milhões de americanos
morreram subseqüentemente, horrível e desnecessariamente.
A relatório do Surgeon General de 1964 foi adulterado pelos Congressistas e lobistas do tabaco.
Somente nos anos 90, após um corajoso executivo que tinha acesso a informações privadas (jeffrey
Wigand) e um corajoso advogado de alta posição do Departamento de Justiça dos Estados Unidos
(Michael Moore) desafiaram a violação, imensa, do criminoso sindicado do tabaco, é que o
sindicato começou a entrar em colapso rapidamente.
A Sociedade Americana do Câncer foi controlada por décadas pela esposa (Mary Lasker) e amigos
do principal homem de propaganda dos cigarros Lucky Strike (Albert Lasker). A Sociedade
Americana do Câncer estava profundamente envolvida ocultação do quê os interesses da indústria
do tabaco estavam fazendo com a saúde e o bem estar do povo americano. O resultado foi
assassinato e violação da lei.
Os Laskers eram amigos pessoais e parceiros de jogo de baralho de Morris Fisbbein, chefe da
AMA. Assim, a American Medical Association/Associação Médica Americana – o sindicato dos
doutores – mantiver por muito tempo suas políticas plácidas com respeito aos perigos dos cigarros
e do tabaco.
Este espantoso pequeno mundo de corrupção e abomináveis feitos perversos contra milhõesde
pessos por tão longo tempo nunca foi o objeto de nem mesmo uma exposição nos jornais dos dias
modernos.
Aqui estão um visão geral dos fatos do histórico e facilmente documentado relatório. Leia-o e
chore por milhões de vítimas – tudo porque alguns poucos poderosos traíram a confiança pública:
93
“Começou em 1933. Sob a direção do Dr. Raymond Pearl do Departamento de Bilogia da
Universidade de Johns Hopkins, um estudo de todas as mortes de pacientes com idade a partir de
35 anos, classificados como fumantes, fumantes leves e fumantes inveterados, estava começando a
descobrir, se possível, a influência do tabaco sobre a longevidade humana.
“Um sumário do estudo foi disponibilizado para imprensa em 1938 – a primeira tabela de vida
elaborada que mostrava que o tabaco encurtava as vidas de todos os homens e mulheres que o
consumiam.
“Todos os relatórios honestos (subsequentes) confirmaram os estudos do Dr. Pearl. Agora, o fumo
estava se tornando uma questão de vida e morte para muitas pessoas.
“Ao conduzir uma vasta campanha educacional por muitos anos, a Sociedade Americana do
Câncer e o Instituto Nacional do Câncer do Departamento de Saúde dos Estados Unidos nunca
deram ao público uma advertência direta. No momento em que a indústria do tabaco estava
gastando milhões em anúncios e propaganda para manter a dúvida e a confusão, as organizações
que deveriam ter liderado a campanha de advertência permaneciam quase neutras.
“O Presidente John F. Kennedy ordenou a investigação da indústria do tabaco. O Presidente
Lyndon B. Johnson não teve a coragem para tomar uma posição. O lobby do tabaco e suas
agências de publicidade e seus amigos nos jornais, televisões, etc. enfraqueceram a lei proposta:
“Entre 1938, quando o Dr. Royal Pearl publicou seu estudo sobre o tabaco, e 1964, quando a
Comissão de Comércio Federal propuseram a verdade na propaganda, 7.000 relatórios científicos
foram publicados, todos concordando que o tabaco era prejudicial e os cigarros matavam e
mutilavam as pessoas em todo o mundo.
“A partir de 1938, os dias dos primeiros relatórios de John Hopkins, até 1963, o dia do primeiro
relatório oficial dos Estados Unidos feito pelo Surgeon General, 99% (noventa e nove porcento) da
imprensa suprimiu 99% (noventa e nove porcento) dos itens das notícias que lidavam com a falsa
publicidade dos cigarros.
“Quem possivelmente pode dizer uma palavra em defesa da imprensa americana, que a partir de
1938 suprimiu as notícias relacionadas ao tabaco e câncer? A saúde e o bem estar do povo
americano são esquecidos quando o dinheiro dos anúncios está disponível.” George Seldes, Never
Tire Of Protesting, páginas 62, 70, 73, 75, 76, 143, 272.
Hoje as empresas farmacêuticas têm um papel semelhante ao que a indústria do tabaco
desempenhava – mantendo a imprensa silenciosa através das ações das agências de publicidade,
enquanto mantêm o Congresso sob controle através das ações dos lobistas e as suas contribuições
de campanha. A exemplo da terrível verdade suprimida concernente ao câncer e ao tabaco, a nova
terrível verdade suprimida gira ao redor das terapias alternativas do câncer.
Como as próximas gerações de médicos reagirão quando perceberem que eles foram erroneamente
educados a um custo enorme? Que uma imensa quantidade do quê eles aprenderam nas escolas de
medicina pode ser inútil em alguns poucos anos e que outros profissionais da saúde, que recebem
treinamento em métodos e tradições fundamentalmente diferentes, estão muito mais avançados em
suas atuais e reais capacidades de curas? É uma previsão segura dizer que os jovens doutores
estarão (A) muito descontentes, (B) possivelmente incompetentes para o resto de suas carreiras,
(C) terrivelmente em débito, e (D) talvez os clientes de advogados por um longo tempo envolvidos
em ações legais contra as escolas de medicina que os defraudaram. Sim, os defraudaram!
A Universidade da Califórnia do Sul – uma instituição freqüentada por Royal Raymond Rife até
que a grande censura foi imposta – pode ser uma das escolas de medicina severamente atacadas
por, pelo menos, alguns de seus recentes e futuros graduados.
“Disse Clive Taylor, associado da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia do Sul e
responsável pela observância acadêmica: ‘Os estudantes podem estar se perguntando: ‘Devo ir
para escola de medicina, que custa $40.000 dólares por ano?’
94
“ ‘Tornar-se um médico é também um árduo esforço, que requer 4 anos de estudos sub-graduados,
4 anos de escola médica e de 3 a 10 anos de treinamento adicional como residente. Por causa de
um tão longo tempo de treinamento e também dos custos financeiros, a medicina não é para
aqueles que querem ficar ricos rápido,’ disse Taylor da USC.” “Med Students Seek Cure for
Debt/Estudantes de Medicina buscam Cura para as dívidas,” Los Angels Times, (27 de novembro
de 1999).
Especialmente se os estudantes de medicina aprendem uma medicina que não mais funciona e que
um segmento crescente de pessoas não mais desejam.
Enquanto isto, muitos médicos mais velhos no sistema já estão em processo de mudança de trem e
se afastando da AMA-Empresa Expressa de Drogas.
“Mais e mais médicos do ocidente estão voltando às salas de aula. A medicina ocidental algumas
vezes carece de uma abordagem holística, estreitando-se em uma doença ou tratamento específico
ao invés de olhar para a saúde geral do paciente. O movimento tem crescido à medida que os
pacientes demandam alternativas para as ingestões de pílulas.” Dara Akiko Williams, “Many
Doctors Going Back to School/Muitos doutores voltando às salas de aula,” Associated Press, (14
de novembro de 1999).
Então, agora há um espantoso mundo de Rife surgindo no século XXI , renascimento que – quando
acontecer oficialmente – transformará toda a medicina para sempre. Vamos fazer uma rápida
jornada dentro do passado e ver o quê foi publicamente relatado sobre Rife antes da AMA torcer o
braço da imprensa e da mídia em uma censura do maior avanço médico e científico de todos os
tempos.
“Rife é um expert em mais linhas do que o homem médio tem tempo para comtemplar. Ele é um
hábil bacteriologista, embriologista, engenheiro elétrico e científico, metalurgista, químico, e
micro-fotógrafo.
“Seus maiores desenvolvimentos no campo dos aparatos científicos, criados durante os seis ou oito
últimos anos, são:
“O micro-manipulador de Rife, cuja flexibilidade supera qualquer máquina similar conhecida pela
ciência. Com esta máquina, uma operação pode ser feita em um único corpúsculo sanguíneo, como
um cirurgião remove um apêndice, enquanto o corpúsculo é ampliado em cerca de 10.000
diâmetros.
“O Raio super-Regenerativo de Rife que produz uma raio destrutivo 17 vezes mais potente do que o
raio-X para o controle de organismos malignos.
“O Refratômetro de Rife, que tem incomparável flexibilidade para medir bactérias, organismos
parasitas ou ângulos prismáticos de cristais.
“O experimento de Rife sobre o peso de bactérias, que estabeleceu o peso de um único espécime
médio de 1/3 de um bilionésimo de um miligrama. Um miligrama é a milésima parte de um grama,
e são necessários mais de 28 gramos para pesar uma onça.
“Ele acredita que os banhos químicos por si destroem os mínusculos germes que a ciência está
tentando imobilizar sob o microscópio, e então ele está evoluindo um novo método que dispensará
os produtos químicos. As possibilidades deste processo, uma vez aperfeiçoado, ele acredita, são
ilimitadas. Os homens da medicina, neste único passo, encontrarão um fim para o grande
sofrimento humano.
“Este é o grande objetivo de Rife.” San Diego Union, (3 de novembro de 1929).
“Um microscópio está sendo usado por um cientista autodidata em San Diego para desvendar os
segredos de numerosos microorganismos causadores de algumas das moléstias mais desafiantes do
mundo.
“O cientista é Royal Raymond Rife que construiu recentemente o microscópio e por esta razão
atraiu a atenção dos cientistas de todo o mundo.
95
“Feixes variáveis de luzes monocromática são inclinados até a um ângulo de incidência
correspondente à taxa vibratória do microorganismo que está sendo examinado. Desta forma o
grânulo minúsculo, que é pequeno demais para absorver o colorante ordinário, é colorado com a
sua verdadeira cor química.
“O Dr. Rife também tem o quê os leigos chamam de “A Máquina dos Raios mortais” que destrói
os microorganismos pelo impacto das suas próprias vibrações.” “Cientista de San Diego constrói
um Microscópio Famoso. O Dr. Royal Raymond Rife atrai a atenção dos seus colegas em todo o
mundo sobre o seu Instrumento.” San Diego Union, (16 de abril de 1934).
Estava tudo lá, no jornal de San Diego em 16 de abril de 1934 – (1) A capacidade de destruir
micróbios causadores de doenças com o método vibratório, (2) o entusiamo de cientistas
renomados em todo o mundo, e (3) um microscópio que rompeu todas as limitações de uma física
errática. Tudo isto foi convenientemente “esquecido”- jogado fora em uma esquina da história
pelos órgãos médicos, científicos, comerciais e governamentais determinados a manter o status quo
que não era pelo melhor interesse do público. A má ciência e a má medicina daí resultante,
dominou a América pelas 5 ou 6 décadas.
O médicos ortodoxos, cientistas convencionais, os supostamente confiáveis funcionários do
governo, e os experts em ética médica do final da década de 90 todos continuaram a fingir que esta
incrível supressão de uma descoberta médica e científica histórica não tinha acontecido – ou era
algo do qual eles “não sabiam nada a respeito” – ou foi dada como uma coisa mítica.
Ainda hoje, na Internet e várias outros meios interativos, as abordagens da medicina alternativa
flemejam com as pesquisas relacionadas a Rife e com o ressurgimento das descobertas deste
grande homem e o despertar do passo do gigante rumo a novos níveis de saúde – graças a Rife e
outros inspirados por ele – e isto está apenas começando.
“A descoberta de que os organismos causadores de doenças, incluindo o causador do terrível
câncer, podem ser bombardeados com ondas de rádio sintonizadas de um particular comprimento
para cada tipo de organismo, foi declarado hoje por Royal Raymond Rife.
“As ondas são geradas por uma espécie de gerador de freqüências desenvolvido por Rife e um dos
seus associados. Elas são direcionadas sobre os organismos através de um uma antena direcional
especial desenvolvida pelos dois.
“Há dezoito anos atrás ele iniciou os estudos cujos resultados relatados agora prometem
revolucionar a inteira teoria e todo o tratamento das doenças humanas.
“Agora, ele declarou, as taxas oscilatórias mortais para muitos e muitos organismos foram
descobertas e registradas e o raio pode ser sintonizado com a freqüência registrada do germe e
direcionado sobre o microorganismo com a certeza de que esse organismo será morto.” San Diego
Evening Tribune, (6 de maio de 1938).
“Três novas e revolucionárias concepções de germes causadores de doenças e suas atividades
foram reveladas hoje pelo Dr. Royal Raymond Rife, um cientista de San Diego, como um clímax da
exploração de anos feita por ele dos misteriosos mundos microscópicos destes pequenos matadores
de homens.
“O cientista trabalhou por sete anos seguidos e estudou cerca de 20.000 culturas no laboratório.
“Entre as formas que ele relatou ter isolado estão as do câncer, tifóide, tuberculose, paralisia
infantil, infecções por estreptococos e estafilococos, e herpes.
“Rife acredita que os constituintes químicos dos organismo são tão alterados que ele é trazido
dentro do espectro visível, quando é examinado sob a iluminação especial do seu microscópio.”
“Além disto,’ ele comentou, ‘esta iluminação especial revela os organismos que passam pelo filtro
em cores individuais características.’
“ ‘Até o momento’, ele relatou, ‘nenhuma espécie ou forma de organismo mostrou as mesmas
cores.’ “ San Diego Evening Tribune, (11 de maio de 1938).
96
“No mundo da saúde e da doença, há influências despóticas que causam dores incríveis para
ocultar fatos que arrancariam de suas mãos o controle sobre as atuais teorias e práticas.
“Parece que os interesses comerciais sobre as drogas e alimentos têm se aproveitado dos erros dos
farmacologistas, que há muito tempo atrás limitaram as drogas úteis e disponíveis ou remédios
para doenças, as armas dos doutores, a venenos e venenos exclusivamente. A profissão médica se
encontra hoje tratando desnutrição e deficiências de alimentos minerais e vitaminas com venenos
ao invés de tratá-las com princípios nutrientes fisiologicamente corretos.
“Em uma outra grande pesquisa que Rife mostrou que um microorganismo poderia ser convertido
em outro. Com o seu potente microscópio que tornou visíveis os germes vivos, tão claros como um
gato no seu colo, Rife mostrou que através da submissão do germe a um onda de baixa freqüência
de valor correto, o germe imediatamente desintegrava.
“Os doutores médicos locais que reconheceram o valor das descobertas de Rife, e tentaram aplicá-
las em seu trabalho clínico, logo viram as suas relações com a sociedade médica local cortadas. A
nenhum médico era permitido usar os aparatos ou métodos de Rife sob pena do ostracismo.
“Não há ainda nenhum conhecimento geral das importantes descobertas da era Rife.” Medical
World, (julho de 1950).
O artigo “O Mundo Médico”foi publicado em 1950, meio século antes da virada do milênio para o
século XXI.
Talvez o mundo esteja para mudar decisivamente, com a ciência de Rife anunciando
estrondosamente o seu renascimento. Talvez o novo século restaurará a memória da grandeza de
Rife e iniciará a todos o terrível engano cometido contra do desenvolvimento da ciência de Rife, e
que o povo americano reparará.
A correção de tais enganos aconteceu anteriormente – através de toda a história dos Estados
Unidos, de fato. Como o maravilhoso historiador Paul Johnson relembra hoje ao povo americano
hoje:
“A estória dos Estados Unidos é essencialmente um história de dificuldades sendo superadas pela
inteligência e a habilidade, pela fé e pela força de propósitos, pela coragem e persistência. Os
americanos são, acima de tudo, o povo solucionador de problemas. Eles não desistirão. Eles
atacaram repetidas vezes os problemas de sua sociedade. O grande experimento americano é ainda
o primeiro, a melhor esperança para a raça humana.”
97
Apêndice V
A tirania da Quimioterapia
A quimioterapia não funciona. Um das maiores tragédias da história da história da América esta
ocorrendo por causa de uma nova tirania – a burocracia científica – apareceu na cena e poucos
reconhecem a ameaça mortal que os novos tiranos representam.
Nos anos da década de 1960, o Instituto Nacional do Câncer sabia que as altas doses de
quimioterapia estavam destruindo os sistemas imunológicos dos pacientes de câncer. As verbas
para os estudos de acompanhamentos foram canceladas e os relatórios foram ignorados. (116)
As altas doses de quimioterapia permaneceram um dogma não comprovado e aceito dos experts do
câncer até que a irrefutável evidência foi impressa em 1999 e 2000.
Então, por mais de 20 anos, as evidências tinham mostrado que os procedimentos oficialmente
sancionados estavam matando pessoas. Os cientistas e médicos de renome cooperaram para
proteger seus interesses pessoas de carreira. Uma forma da insanidade institucionalizada tinha
estado no centro da oposição destes experts às terapias alternativas para o câncer, que tinham sido
mantidas ilegais e suprimidas sem compaixão pelo sofrimento alheio.
Irwin D. Bross, ph.D., um ex-pesquisador de renome de Buffalo, New York, deixou isto claro:
“Havia pouco ou nenhum dado clínico para dar suporte aos dogmas que o Instituto Nacional do
Câncer e a Sociedade Americana do Câncer promulgavam na grande mídia. Em resumo, os estudos
em animais deram falsas conclusões que causaram sofrimento desnecessário a milhares de
pacientes humanos de câncer. Não somente os resultados com os animais estavam errados, mas
foram usados para propósitos de fraude científica e manobra. Além disto, esta fraude tem resultado
em sofrimento e morte para muitos milhares de pessoas.”
O respeitado acadêmico Harold S. Ladas, ph.D. acrescentou esta desconcertante conclusão de
como os experts da quimioterapia escaparam da punição por terem causado tanta carnificina
humana ao enganar a si mesmos com a mentira de que a quimioterapia produziria eventualmente
resultados. O Dr. Ladas escreveu:
“Na revisão de Oye e Shapiro de oito estudos sobre a quimioterapia, é difícil fugir da conclusão de
que um tal tratamento meramente pareceu ser eficaz, porque a maioria dos estudos (todos, exceto
alguns poucos) não empregaram um grupo de controle dos não-tratados. Um estudo de 5 anos feito
pelo Grupo de Estudos Gastro-Intestinais (GISG – Gastro-Intestinal Study Group) é um caso em
questão. Se nenhum grupo de controle dos não-tratados tivesse sido usado, a conclusão teria sido
que a quimioterapia funcionara.. Entretanto, o GISG não usou um grupo não-tratado. A conclusão
deles foi que nenhum dos tratamentos funcionou e os dados mostraram que a quimioterapia
também causou uma taxa de 5% de casos de leucemia.” (117).
Começando no final da década de 80, as altas doses de quimioterapia (HDC – High Dose
Chemotherapy) mascarada sob o termo empregado pelos relações públicas o “transplante de
medula óssea” se tornou uma grande fraude dirigida contra as mulheres com câncer de mama. Dez
anos desta crueldade continuaram enquanto milhares de mulheres americanas sofreram lavagem
98
cerebral para acreditarem e arriscarem suas vidas em quimioterapias horrendas, inúteis e
caríssimas ($50.000 a $150.000 dólares por cada mulher) e outras terapias.
Finalmente, entre abril e maio de 1999, esta maldade foi reportada como insensata. Os jornais de
toda a América do Norte finalmente disseram ao público que as altas doses de quimioterapia ou
transplante de medula óssea foi inútil.
“Um regime brutal que leva um paciente ao limite máximo de risco de morte.” The Plain Dealer,
Cleveland, Ohio, (16 de Abril de 1999)
“Não há provas de que as mulheres que se submetem a este procedimento arriscado e doloroso
melhoraram.” The Detroit Mews, Michigan, (15 de abril de 1999).
Este foi um impedimento para os tiranos do dogma das altas doses de quimioterapia que chefiavam
o Instituto Nacional do Câncer, mas logo um pesquisador estrangeiro deu esperança a eles. Em
maio de 1999, seu relatório sugeriu que as altas doses de quimioterapia poderia funcionar
finalmente! Um alívio foi oferecido. O tratamento das mulheres com câncer de mama por HDC
recomeçou.
Foram necessários 6 ou 7 meses para que os pesquisadores e oficiais do Instituto Nacional do
Câncer investigassem a validade deste novo relatório. Eles descobriram que este pesquisador era
uma fraude. Ele era um cientista sem credibilidade. Em dezembro de 1999, aquela pequena
verdade apareceu nas páginas secundárias dos jornais enquanto o pesquisador estrangeiro admitia
a sua fraude de renunciava à sua posição acadêmica.
Então, em março de 2000, o prestigioso New England Journal of Medicine publicou no seu website
a verdade crua de que as HDC era um lixo de acordo com um novo estudo de qualidade que
atendia aos padrões daquele jornal médico impecável. E, tomara, aquele tenha sido o último prego
no caixão da HDC.
O jornal “The Boston Globe de 4 de março de 2000, exibiu solenemente a manchete “A última
esperança para o tratamento do câncer é ‘ineficaz’.” O artigo reportou:
“Uma forma de tratamento agressiva e controversa para os cânceres de mama avançados tem se
mostrado ineficaz, disseram ontem os pesquisadores em um relatório que provavelmente porá um
fim na prática de combinar altas doses de quimioterapia com o transplante de medula óssea.
“Os estudos revelados no ano passado chegaram a uma conclusão semelhante, mas o veredicto foi
embaçado por incertezas porque um dos estudos mostrou um benefício. Foi descoberto
recentemente que esse estudo continha dados fraudulentos.”
O New England Journal of Medicine, com pessoal da Universidade de Harvard do outro lado do
rio, em Boston, Massachusetts, recebia $19 milhões de dólares ou mais por ano em anúncios das
empresas de drogas (quimioterapia) e tinham sido oponentes veementes de todas as terapias
alternativas de cura. Mas eles foram forçados a encarar a verdade sobre as HDC.
“Porque tanto uso de quimioterapia se ela tão pouco bem? Bem, por uma razão, as empresas
farmacêuticas que a oferecem imensos incentivos econômicos. Em 1990, $3.53 bilhões de dólares
foram gastos em quimioterapia. Em 1994, esse valor tinha mais do que dobrado para $7.51 bilhões
de dólares. Este incessante crescimento no uso da quimioterapia foi acompanhado por um
incessante crescimento nas mortes por câncer.” (118)
O Boston, um dos maiores (e pateticamente ortodoxo) centros médicos da América, era um grande
promotor da quimioterapia. Ele foi um grande escândalo em dezembro de 1994, quando uma
repórter de saúde do jornal Boston Globe morreu no Dana-Farber Cancer Center por causa de
umafatal overdose de drogas, supostamente por um erro. As investigações começaram. Experts
externos foram chamados. Uma rede de prestigiosos centros de câncer de todo país pediram o
99
exame de seus próprios procedimentos. Uma reação em cadeia foi deflagrada por todo o mundo da
quimioterapia do câncer e se espalhou por toda a América.
Esta resposta imediata foi, em parte, porque a mídia colocou um foco de luz sobre o mundo
corrupto dos experts do câncer. A exposição tinha forçado os centros de câncer a agir.
Os experts do câncer se mexeram um pouco mais quando o Boston Globe relatou que trezentos
doutores e mais de trezentos e cinqüenta Ph.Ds. ligados oo Dana-Farber Cancer Center, e o
orçamento de $167 milhões de dólares anuais. Todos aqueles supostos cérebros poderosos,
especialistas da ética, autoridades médicas e o todo o dinheiro, ano após ano, e ainda nenhuma
descoberta para a cura do câncer.
O Boston Globe relatou que o Dr. Vincent T. DeVita foi trazido para encabeçar um quadro externo
para investigar o acidente.
Mas o Boston Globe não noticiou – porque ele não sabia e talvez não quisesse descobrir – que o
Dr. Vincent T. DeVita não era somente o ex-diretor do Instituto Nacional do Câncer, localizado nas
redondezas de Washington, D.C., mas também era a pessoa que defendia e incentivava as HDC
como uma política nacional, ano após ano. Nem o Boston Globe estava para publicar que a alta
dose de quimioterapia – a especialidade do Dr. DeVita – tinha sido, nos anos de 1960, comprovada
como destruidora do sistema imunológico humano e ser especialmente sem valia como cura para o
câncer, especialmente o câncer de mama, que a própria repórter do Boston Globe tinha sofrido.
Mesmo assim, DeVita foi trazido para avaliar os danos. Foi uma camuflagem feita pelo chefe
interno do mundo da quimioterapia do câncer. O Boston Globe, chorando a morte de um dos seus,
não podia nem mesmo ver a fumaça e os espelhos, a farsa – ou não queria ver.
O chefe executivo do Dana-Farber Cancer Center lamentou, mas recusou-se a dar nota sobre as
altas doses de quimioterapia para o câncer:
“É simplesmente tão descorajador. Não há nada que nos queiramos ocultar. Nós e outras
entidades continuam a fazer testes com altas doses de quimioterapia para o câncer de mama? Nós
achamos que estes testes devem continuar.” Boston Globe, (23 de março de 1995).
Ele sabia (ou ousava admitir) a história sórdida das altas dosagens de quimioterapia: Era
certamente óbvio após cinco anos de fracassos, mesmo que isto tenha trazido para o Dana-Farber
de $50.000 a $150.000 dólares por paciente. Ele não a par dos estudos feitos dos anos de 1960,
que mostraram que mostraram que o Instituto Nacional do Câncer mantinha as altas doses de
quimioterapia com propósitos políticos, mesmo quando a evidência científica clamou que ela
deveria cessar? Além disto, uma pessoa como DeVita não poderia conduzir uma investigação
objetiva.
Boston, afinal, era sede da Festa do Chá de Boston, o passeio de Paul Revere, “o tiro ouvido em
todo o mundo” em Lexington e Concord, e Blunker Hill – o início da Revolução Americana. Foi
onde os americanos proclamaram a liberdade sobre a tirania pela primeira vez.
Demorou até 1999 – quatro anos mais tarde – antes que as altas doses de quimioterapia como um
terapia para o câncer fosse oficialmente declarada um fracasso. Em março de 2000, o prestigioso
New England Journal Of Medicine, com seus padrões impecáveis, finalmente tinha pregado o
último prego no caixão da HDC. Por uma coincidência das coincidências, em março de 2000, os
jornais de todo o país traziam a estória de que o escândalo de 1995 no Dana-Farber Cancer
Center foi finalmente “toda esclarecida”. As enfermeiras que foram acusadas de serem culpadas
todas renunciaram aos seus empregos e as processos judiciais foram todos resolvidos no tribunal
como se as enfermeiras fossem as responsáveis.
Entretanto, uma nova estória potencialmente perigosa estava sendo arquitetada. Foi dada uma
previsão de sobrevida a um amado ex-jogador de futebol americano com profundos laços e
envolvimento com a comunidade de um a três ano, por causa de um câncer que estava devastando
o seu corpo. Milhares de amigos e torcedores tinha se unido para encorajá-lo e ajudá-lo. Esta
equipe incluía o proprietário do New England Patriots e o Presidente da empresa de seguros de
vida John Hancock. John Hancock – o original John Hancock – foi o rebelde de Boston primeiro a
100
assinar, em letras grandes, o seu nome para a Declaração da Independência em 1776.
Então, onde e como esta pessoa muito especial, amada e admirada estava sendo tratada? No
Dana-Farber Cancer Center e com mais quimioterapia. Já dado o diagnóstico de câncer terminal,
ele foi posto nas mãos dos experts da quimioterapia.
“Ele foi uma estrela do futebol do Noroeste (fora de Chicago, Illinois) no final da década de 50, e
o primeiro jogador de frente do Boston Patriots. Sabe qual é a mensagem, a pessoa de quem Ron
Burton tem falado por quase 40 anos? Maravilha. Beleza essencial. Consideração. Bondade.”
Metro West Town Online, (2 de fevereiro de 2000).
“Burton jogou seis temporadas com o Boston Patriots. Ele inspirou uma rede de doutores, líder do
mundo dos negócios, membros da família, vizinhos, jovens das cidades do interior que achavam
que era cedo demais para Ron Burton dizer adeus. Eles estão dando os medicamentos e as orações
que ele precisa para vencer o câncer. Burton é um dos bons camaradas. Quase bom demais para
ser verdade. Esta é a razão porque centenas de pessoas estão rezando pela sua recuperação.”
Boston Globe, 4 de fevereiro de 2000).
Algum dia, talvez, o povo de Boston, onde uma das maiores revoluções da história do mundo
começou, reconhecerá que uma outra revolução contra uma forma diferente de tirania já deveria
ter acontecido há muito tempo. Tomara algum dia a centelha possa ser inflamar os ânimos de
Boston outra vez.
Últimas Palavras
A carta do Townsend para os Doutores & Pacientes, um jornal médico altamente respeitado,
trouxe na capa de sua edição de abril de 2000 o seguinte: “Crianças estão sendo mortas pelos
tratamentos de quimioterapia.”
O artigo de dentro descrevia como os doutores da quimioterapia mentiram aos pais de um criança
de dois anos de idade com tumor cerebral. Eles disseram aos pais dela que o tratamento de
quimioterapia garantiria a sua sobrevivência. O problema seria criar a criança com dois anos
101
“como uma criança comum.” Sob nenhuma circunstância os pais deveria procurar por uma
terapia alternativa para o câncer, mesmo um que teve um bom resultado com tumores cerebrais em
crianças.
Porém, a literatura médica mostrou que a quimioterapia que os doutores propuseram usar na
criança de dois anos tinha matados crianças consistentemente. A criança foi tratada com ela
mesmo assim. Como a estatística factual tinha indicado que aconteceria, a quimio causou o
aparecimento de vários outros tumores. A criança morreu em poucos dias.
George Bush, o pai, ex-presidente dos Estados Unidos (1989 a 1993), visitou o local dos infames
campos de concentração em Auschwitz quando ele era o vice-presidente em 1987. Sua resposta
àquela atrocidade um dia ecoará para os futuros americanos sobre os ultrajes impostos pelos
experts da quimioterapia do câncer. Estas foram as palavras do vice-presidente George Bush:
“Nós fomos a Auschwitz em 29 de setembro de 1987, e e ela estava se movendo. Como, em nome de
Deus, pôde alguém ser alguma vez tão brutal? Poderia uma pessoa ser tão doente? Deus protege o
mundo desta espécie de brutalidade.” All the Best/Tudo de melhor, George Bush (New York:
Scribner, 1999), página 366.
Neste ínterim, quando o ano 2000 trazia um novo século, em Minnesota e outros estados, uma
legislação brilhante para a medicina alternativa e complementar estava sendo introduzida como
um antídoto ao monopólio da medicina e suas maldades.
Mesmo a editora do jornal da AMA estava reclamando da ética dos negócios estar ameaçando as
questões da saúde pública. Obviamente, ela não se atreveu a reconhecer as décadas práticas de
negócios sinistras da AMA e os crimes no seu seguro pequeno lamento:
“A ética dos negócios em uma sociedade capitalista não pode ser aplicada ao sistema de saúde
pública. Utilizar a ética dos negócios sem temperá-las com as necessidades da sociedade,
simplesmente, não está funcionando.” (119)
Independentemente do que a AMA disse ou fez oficialmente, a revolução médica popular continuou
a crescert e surgir – para a desmoralização dos proponentes da quimioterapia.
Vamos encerrar com um especial brinde a Minnesota. O elogios vão para a advogada Diane Miller
que, com os seus aliados da coalizão em favor da saúde natural esboçou as grandes iniciativas
legislativas da história dos Estados Unidos. Algum dia isto tome o seu lugar al lado da abolição da
escravatura no século IXX e a conquista do direito ao voto pelas mulheres na segunda década de
1920.
Em fevereiro de 2000, o governador Ventura de Minnesota sancionou a lei, para se efetivar em 1º
de julho de 2000. O votação pelos legisladores de Minnesota refletiu claramente o grande amor do
povo emericano, os anseios da população, não os interesses dos monopolistas médicos e os experts
da saúde. A assembléia legislativa de Minnesota votou 110 x 23. O senado votou 58 x 1. (120)
Agora, outros estados, e também o governo federal, terá uma lei modelo para copiar e Rife, a
Medicina da Energia, e várias outras terapias para o câncer de qualidade que funcionam, estarão
disponíveis aberta e legalmente para milhões de pessoas que agora sofrem com a medicina
ortodoxa cara e fraudulenta que é forçada sobre todos.
“Foi assim, o fim da tirania: quando as pessoas perderam o medo dos tiranos.” Jean-Louis
Gassee, Los Angels Times, (8 de junho de 2000) página C7.
Os americanos são gratos a Diane Miller e suas companheiras e companheiros revolucionários
que patrocinaram esta incursão da lei (Os senadores Morse, Hottinger, Samuelson, Berglin e
Fishbach), os outros legisladores de Minnesota que a votaram, e o pioneiro Governador Ventura
que a assinou. O interesse público foi servido.
102
A Carta Magna da liberdade médica para os americanos foi escrita e assinada como lei. Em 1º de
julho de 2000 um novo mundo começou e, coincidentemente, algumas semanas antes, a Sociedade
Americana do Câncer fez a sua convenção anual.
Uma das maiores prioridades para os delegados discutirem eram as “doenças financeiras” e o fato
de que “dois terços dos 800.000 bons médicos da nação, residentes e estudantes de medicina”,
agora se recusam a se associarem à AMA. (Associated Press Report.) Décadas de políticas médicas
assassinas praticas pela AMA talvez estivessem começando a ter um efeito sobre os médicos que
levavam a sério seus juramentos hipocráticos e desejavam praticar a nova medicina segundo o
interesse público.
Notas Referenciais
1-Morris Fishbein, Fads and Quackery in Medicine, pp.299-300.
2-M. Layne, The Koch Remedy for Cancer.
3-David Wolper TV documentary interview of Senator
Paul Douglas.
4-Ben Fitzgerald, Special Counsel to the Senate Committee on Interstate and Foreign Commerce,
Congressional Record Appendix, (August 3, 1953). Fitzgerald was a highly trained attorney
brought to the Senate for the investigation from the U.S. Justice Department.
5-Terence Monmaney, Los Angeles Times, (October 8,
1998), p. 1.
6-Chester A. Wilk, Medicine, Monopolies, and Malice
(Garden City Park, N.Y.: Avery Publishing Group,
104
1996), p. 136.
7-Wilk, as per note 6, pages 181-182.
8-Wilk, as per note 6, pages 189 and 193.
9-Chester A. Wilk radio interview, October 6,1997, KPSL
1010, Palm Springs, CA.
10. Ellen Ruppel Shell, "The Hippocratic Wars," The NewYork Times Magazine, (June 28, 1998).
11. Howard Wolinsky and Tom Brune, The Serpent on the Staff: The Unhealthy Politics of the
American Medical Association (Los Angeles: Jeremy P. Tarcher/Putnam Book, 1994), p. xii.
12. James Flanigan, Los Angeles Times, (November 22,
1998), p. Cl.
13. Daniel S. Greenberg, "Medical Research's Star System,"Los Angeles Times, (December 14,
1998).
14. CNN, Dec 17, 1998, 7:42-7:45 PM PST.
15. K.C. Cole and Robert Lee Hotz, "Science, Hype and
Profit: A Perilous Mix," Los Angeles Times, (January
24, 1999), pp. 1,23.
16. John Robbins, Reclaiming Our Health (Tiburon, CA:
HJKramer, 1996), p. 268.
17. Charles Moertel, New England Journal of Medicine,
299,1978, pp.1049-52.
18. Shell, as per note 10.
19. Elizabeth Robinson, "Essiac: Nature's Cure For Can-
cer, An Interview with Dr. Gary L. Glum," Wildfire, Vol.
6, No. 1, page 48.
20. Wolinsky and Brune, as per note 10, pages xii and xiv.
21. Shari Roan and Terence Monmaney, "Boom in Alter-
native Medicine Is Found," Los Angeles Times,
(November 11, 1998).
22. Bruce Nussbaum, Good Intentions (Boston: Atlantic
Monthly Press, 1990), p. 9.
23. Robbins, as per note 16, page 305.
24. Quoted in Scott E. Miners, "Pioneering Physicians Hindered, " Well Being Journal, (May/June
1996), (P.O. Box 1542, North Bend, WA 98045).
25. Evelleen Richards, "The Politics of Therapeutic Evaluation, " Social Studies of Science (SAGE,
London, Newbury Park and New Delhi), Vol. 18 (1988), 653-701.
26. Arnold S. Relman, "What Market Values Are Doing To Medicine," The Atlantic Monthly,
(March 1992).
27. Lawrence W. White, M.D., "The Nazi Doctor and the Medical Community," Journal of Medical
Humanities, Vol. 17, No. 2, (1996), p. 122.
28. David F. Horrobin, "The Philosophical Basis of Peer Review and the Suppression of
Innovation," JAMA, (March 9, 1990).
29. William Broad and Nicholas Wade, Betrayers of the Truth: Fraud and Deceit in the Halls of
Science.
30. Dwight D. Eisenhower, Farewell Address, January 17, 1961, "Liberty Is At Stake," Vital
Speeches of the Day, Volume 27.
31. Ralph W. Moss, The Cancer Chronicles Autumn 1998 (http://ralphmoss.com).
32. Wayne Jonas, "Alternative Medicine and the Conventional Practitioners," JAMA, (March 4,
1998), v. 279, n9, p.708.
33. "Outside the Beltway," Orange County Register, (January 17,1999).
105
34. Shari Roan, "Two Pros Duke It Out Over Alternative Medicine," Los Angeles Times, (December
14, 1998).
35. Julian Whitaker's Health & Healing: Tomorrow's Medicine Today, (November 1998), Vol. 8,
No. 11, pp. 3-4
(Phillips Publishing, 7811 Montrose Road, Potomac,
MD 20854-3394; subscription telephone: 800-539-
8219.) The NEJM editorial to which the quotation refers is: M. Angell & P. Kassirer, "Alternative
Medicine — the risks of untested and unregulated remedies, " NewEngl J. Med, (September
17, 1998); 339 (12): 839-841.
36-Dwight D. Eisenhower speech to Joint Session of Brazilian Congress, Rio de Janiero, Brazil,
Feb 24, 1960. Reprinted in Vital Speeches, Vol. 26.
37-My source for this Eisenhower quote is the Susan B.Anthony University Journal, (October
1975).
38-Relman Morin, Dwight Eisenhower: A Gauge of Greatness (1969), p. 138.
39-Alan C. Nixon, Ph.D., Past President, American Chemistry Society; quoted in Questioning
Chemotherapy by Ralph Moss.
40-John Caims, "The Treatment of Diseases and the War
Against Cancer," Scientific American, (November
1985).
41-Sharon Bernstein, "Drug Makers Face Evolving Markets, " Los Angeles Times, (January 31,
1999).
Office of Technology Assessment, Congress of the
United States, "Unconventional Cancer Treatments —
Summary and Options — Part I ," Washington, D.C.,
1990.
43-E. C. Rosenow, "Observations on Filter Passing Forms of Streptococcus from Poliomyelitis, "
Proceedings of the Staff Meetings of the Mayo Clinic, (13 July 1932).
44-E. C. Rosenow, "Observations with the Rife Microscope of Filter-Passing Forms of
Microorganisms," Science, (August 26, 1932).
45-Royal R. Rife, History of the Development of a Suc-
cessful Treatment for Cancer and Other Viruses, Bac-
teria and Fungi, (1953), pp. 1, 2. Rife's report is in the
medical library at the National Institutes of Health,
where it has been ignored by the high paid experts of
the National Cancer Institute for decades.
46. Video interview of Robert Stafford, M.D. on October 3,1998 in Dayton, Ohio describing his
memories in the 1950s concerning the use of an original Rife instrument on cancer patients,
research with rats, and a federal agency's attempt to take the instrument and study the research
documents.
47. William Laurence, "Crile Advances Life Ray Theory
as Medical Basis," New York Times, (October 9, 1933).
48. Malcolm Browne, " Unlikely Results of Experiment Published in Scientific Journal, " The New
York Times, (June 30,1988).
49. Stephen Strauss, "New Discovery May Explain Basis for Homeopathy," The Globe and Mail,
Toronto, (June 30,1988).
50. Jackques Benveniste, "What is Digital Biology ? " (http:/AVWW.digibio.com). Benveniste is a
French scientist who proved homeopathy's truth in experiments in the late 1980's which
brought a hellish reaction from traditional scientists and questionable invasions of his
laboratory from unqualified "debunkers." At the time of this
106
writing (1999), he is the head of the Digital Biology
Labora-tory in Clamart, France. Mailing address: 34
avenue des Champs Elysees, 75008 Paris, France.
51. Popular Science, (1931).
52. Arthur W. Yale, "Cancer, " Pacific Coast Journal of Homeopathy, (July 1940).
53. Terence Monmaney, "Nobel Prize for Medicine Goes
to UC Scientist," Los Angeles Times, (October 7,1997).
54. Royal R. Rife, paper dated June 1958.
55. Royal R. Rife, paper dated 1933.
56. Private communication, 1998.
57-Alan Blood, "Rife Ray Cancer Treatment and Mycoplasmas in cancer and AIDS, " (P.O. Box
128, Nathan 4111, Brisbane, Australia.) Available on web address:
http://WWW.ioa.comfrvdragonfly/pplo.HTML.
58-"Royal Raymond Rife: His Incredible Cancer Cure and the Successful Campaign to Suppress
His Work!"
www.healthresearchbooks.com/articles/rife.htm
59-Michael Coyle, Advanced Microscopy for Nutritional
Evaluation and Correction (1997), pp. 13, 27, 241, 246,
252, 253. NuLife Sciences, 1321 Commerce St.,
Petaluma, CA 94954.
60-Majorie Maguire Shultz, "From Informed Consent to
Patient Choice: A New Protected Interest," The Yale
Law Journal, Vol. 95, No. 2, (December 1985), pp. 293,
299.
61-Stephen A. Rosenberg, The Transformed Cell, p. 41.
62-Paul D. Harris, "Energetic Medicine, " Townsend Letter for Doctors, (August/September 1991),
p. 633.
James Eden, Energetic Healing (Plenum Press, 1993),
p. 7.
63-James T. Shotwell, The Long Way to Freedom (India-
napolis: Bobbs-Merrill, 1960), pp. 181, 371, 379, 381-
2, 394, 395,607.
65-David H. Hackworth, About Face, (1989), p. 340.
66-Ralph Moss, The Cancer Industry, (1989). Nuremberg quote from World Medical Association,
Ethics and Regulations of Clinical Research, A. J. Levine: Urban & Schwarzenberg, (1981).
67-Cruzan v. Director, Missouri Dept of Health, Supreme
Court decision, (June 25, 1990).
68-Schloendorff v. Society of New York Hospital, (1914).
69-The Globe and Mail (Toronto, Canada), (June 11,1988),p.D4.
70. California law 1707.1. Cancer.
71. Lawrence Weschler, Solidarity.
72. Tom Clancy, Clear and Present Danger, p. 508.
73. William Bragg Ewald, Jr., Elsenhower The President,
p.138.
74. Alan L. Glaser, "Alternative Healing and the Law,"
Medical Trial Technique Quarterly, (Winter, 1994).
75. Tune v. Walter Reed Hospital, 602 Federal Supplement, (1985), p. 1455.
76. Majorie Shultz, The Yale Law Journal, Vol. 95.
77. Richard Hoi-ton, The Lancet, (March 6, 1933).
78. Bernard Cohen, Revolution in Science.
107
79. James DeMeo, "More FDA 'Ban and Burn' Actions, "
(26 Sep 1998). (obrl-news@lists.village.virginia.edu)
Postal mailing address: Orgone Biophysical Research
Laboratory, Inc., Greensprings Center, P.O. Box 1148,
Ashland, OR 97520.
80. Jacob Liberman, Light: Medicine of the Future.
81. Loren Biser, The Layman's Course on Killing Cancer.
82. John W. Cartmell, "Cancer: A Paradigm and Proto-
col, " published without protocol in Frontier Perspec-
tives (Spring/Summer 1997); reprinted in Townsend
Letter for Doctors and Patients, (Feb/Mar 1998) and
again in SunCoast ECO Report, (Aug/Sep 1998), (P.O.
Box 35500, SunCoast, FL 34278, $24 for 10 issues; a
not for profit tax-exempt corporation. Contributions are
tax deductible.)
83. The Hippocratic Oath
84. Chief Justice of the Supreme Court William Rehnquist, Cruzan v. Director, Missouri Dept of
Health, (June 25, 1990).
85. Associate Justice William Brennan, Cruzan v. Director, Missouri Dept of Health, (June 25,
1990).
86-Melinda Beck, "The Politics of Breast Cancer," Newsweek (December 10, 1990).
87-Robert Bazell, "Bone Marrow Transplants May Not Work For Breast Cancer," MSNBC web site,
(March 9,1999).
88-"Bone Marrow Swap in Breast Cancer Still in Question, " The London Free Press, (April 19,
1999), from Associated Press and The Toronto Sun.
89-David M. Eddy and Craig Henderson, "Bone Marrow Transplants: No Breast Cancer Miracle
Cure," The Sacramento Bee, California, (April 20, 1999).
90-Marilyn Marchione, "What's Next for treatment?", The Milwaukee Journal Sentinel, Wisconsin,
(April 18, 1999).
91-Harlan Spector and Diane Solov, "Breast Cancer Patients Still Face Choice, Transplant Offers
No Clear Benefit, Five Studies Show," The Plain Dealer, Cleveland, Ohio, (April 16, 1999).
92-Michael Lasalandra, "Breast Cancer Studies Extend Treatment Debate," Boston Herald,
Massachusetts, (April 16, 1999).
93-Lauran Neergaard, Associated Press, "Costly New Breast Cancer Treatment May Not Work, "
The Detroit News, Michigan, (April 15, 1999).
94-"Breast Cancer Quakery," New York Post, (April 20, 1999).
95-Ben Cullen, transcript of interview, October 15, 1959.
96-Ken Ausubel, "The Silent Treatments, " New Age Journal, (September/October, 1989), p. 117.
97-David J. Hess, Evaluating Alternative Cancer Therapies: A Guide to the Science and Politics of
an Emerging Medical Field, (Piscataway, N.J.: Rutgers University Press, 1999), pp. 28, 30-31.
98. Robert Jay Lifton, The Nazi Doctors: Medical Killing and the Psychology of Killing (Basic
Books), pp. 60, 496, 497.
99. Christopher R. Browning, from Critical Issues of the
Holocaust, edited by Alex Grabman and Daniel Landes 1983).
100. Hess, per note 97, pp. 132, 135.
108
101. Hams L. Coulter, The Controlled Clinical Trial (Washington, D.C.: Center for Empirical
Medicine, 1991).
102. Peter Arno and Karyn Feiden, Against the Odds (Harperdollins, 1992), p. 204.
103. Reported by Associated Press and published in the Los Angeles Times, (March 15,1993).
104. Ralph W. Moss, The Cancer Chronicles #14, February, 1993).
105. "Tamoxifen: Cancer Causing Drug Approved for Healthy Women," Life Extension, (May,
1999), p. 16.
106. Wayne Martin, from an interview in The Layman's Course on Killing Cancer by Loren Biser,
Section 33, pp. 4-5.
107. Ralph W. Moss, The Cancer Chronicles #30, (December 1995).
108. "Tamoxifen...", as per note 105, pp. 15, 16, 19.
109. "Things that Make You Go Hmm," Well Being Journal, (January/February 1999), (P.O. Box
1542, North Bend, WA 98045-1542), pp. 19, 25.
110. Telford Taylor, The Anatomy of the Nuremberg trials, (New York: Knopf, 1992), p. 527.
111. "Cancer Clinics," The Houston Post, (May 9, 1990).
112. Harold Ladas, "The War On Cancer," Holistic Medicine, Vol. 3 (London, 1988).
Barry Lynes
113. Royal Rife, History of the Development of a Successful Treatment for Cancer and Other
Viruses, Bacteria and Fungi (1953), pp. 3, 4, 12.
114. R. E. Seidel and M. Elizabeth Winter, "The New Microscopes, " Journal of the Franklin
Institute, Philadelphia, PA, (February 1944), pp. 117-118. Reprinted in The Smithsonian
Institute's Annual Report, (1944).
115. Hess, as per note 97, pp. 94, 101.
116. Irwin Bross, "Mathematical Models vs. Animal Models," Perspective on Animal Research, Vol.
1, (1988).
Medical Research Modernization Committee, P. 0. Box 6036, Grand Central Station, New York,
NY. Dr. Bross also authored Crimes of Official Science, Biomedical Metatechnology Press,
Buffalo, NY, (1988).
117. Harold S. Ladas, Ph.D., "The war on Cancer: Victory or Deadlock?", Holistic Medicine, Vol.
3, (1988).
118. Frank P. Truitt, M.D., Ph.D., The Robert Cathey Research Source, Web address:
www.navi.net/rsc.
119. Los Angeles Times, (May 5, 2000), page A28.
120. The Complementary and Alternative Health Freedom of Access Act.
O teste daqui para frente será manter a estrutura e o propósito fundamental da lei de Minnesota e,
eventualmente, um lei nacional cobrindo todos os direitos do tratamento médico para todos os
americanos. Não tenha nenhuma ilusão sobre a AMA, as empresas farmacêuticas, o favorecimento
dos órgãos governamentais, as “elites” científicas e outros usando os lobistas e os $$$ para
109
alterar os direitos originais e transformá-los em palavras nos papéis sem nenhum signicado.
Vigilância!