You are on page 1of 10

PREPARO DE SOLUÇÕES E MEDIDAS DE pH

Relatório técnico apresentado como
requisito parcial para a obtenção de
aprovação na disciplina Química
Tecnológica I, no curso de Bacharelado
em ciência e tecnologia, na
Universidade Federal dos Vales do
Jequitinhonha e Mucuri.

Prof.Dr. Márcio César Pereira







Teófilo Otoni
2014

Sinopse
O presente relatório expõe resultados de medições de pH em soluções
preparadas em laboratório e soluções padrões, realizadas com uma fita de pH
e um pHmetro. Descreve a preparação destas soluções e realiza comparações
entre os resultados obtidos com os instrumentos aferidores do pH.











































Sumário
1. Introdução ..................................................................................... 3
2. Objetivo ......................................................................................... 4
3. Materiais e Métodos ..................................................................... 5
4. Resultados e discussões ............................................................. 8
5. Conclusão ..................................................................................... 9
6. Referências ................................................................................. 10
Anexo A – Questionário ............................. Error! Bookmark not defined.



































1. Introdução

Uma solução é uma mistura onde os componentes estão dispersos em
um solvente. Este é definido como o meio onde soluto se dissolve. Geralmente
a concentração de uma solução é expressa com massa do soluto por unidade
de volume.
Na natureza, raramente encontramos substâncias puras. O mundo é
constituído por varias substâncias denominadas misturas. Às misturas
homogêneas dá-se o nome de soluções. Logo, podemos dizer que, soluções
são misturas de duas ou mais substâncias que apresentam aspecto uniforme.
O termo ph (potencial de hidrogênio) é utilizado para descrição do grau
alcalinidade de uma solução.podemos hoje considerar que as
propriedades acidas de uma solução são devidas a presenças de íons
hidrogênio[H
+
] enquanto as bases correspondes a substâncias com o maior
números de íons hidróxido [OH
-
], acidez ou alcalinidade de uma substancia
pode ser expressas em uma escala de ph de 0 a 14,onde o ponto central é 7,
4


caracteriza-se por representar o equilíbrio entre as concentrações de íons H
+
e
OH
-
, sendo assim denominado de neutro as soluções que apresentam este pH.
As substâncias ácidas apresenta ph inferior a 7, enquanto nas básicas ou
alcalinas o ph é superior ao ponto neutro.












2. Objetivo

Desenvolver a técnica de preparação e diluição de solução efetuando os
cálculos necessários, usando informações como massa molar, densidade e
porcentagem. As etapas foram: diluição de NaOH em água destilada, diluição
de HCl em água destilada e desta solução foram retiradas para diferentes
analises de concentração de soluto.









5

















3. Materiais e Métodos

Neste trabalho foram usados os seguintes materiais:
-Balança de semi-precisão;
-Balão Volumétrico;
-Béquer;
-Espátula;
-Bastão de Vidro;
-Pêra de Borracha;
-Pipeta Volumétrica;
-Pisseta;
-Pipeta de Pasteur;
-pHmetro;
-Fitas de pH;
Foram preparadas 50 mL de soluções de 0,1 mol/L de NaOH, KCl,
Na
2
CO
3
e

NH
4
Cl. Para tanto, primeiro calculamos a massa molar de cada
substância, ou observamos em seus recipientes, e utilizamos a
6


proporcionalidade, através de uma regra de três, para determinar o quanto de
massa seria necessário para fazer estas soluções com as concentrações
exigidas. Cálculo realizado, utilizamos uma balança de semi-precisão para
medir a quantidade de soluto, uma espátula para recolhe-lo, e um béquer para
efetuar a mistura. A solução foi transferida para um balão volumétrico
cuidadosamente com um funil e um bastão.
Também foram diluídas soluções de NaOH, HCl, CH
3
COOH, de 0,1
mol/L para 0,01 mol/L. Para tal, foi utilizada a fórmula:

M
1
V
1
=M
2
V
2
(1)

A volume diluído foi de 5 mL para 50 mL. Utilizamos uma pipeta
volumétrica para obter uma maior precisão de volume a recolhido, e o
transferimos para um béquer, que por sua vez foi transferido para uma balão
volumétrico e diluído.
Com as soluções prontas, a tarefa seguinte constituiu-se de realizar as
medições do pH. Os resultados obtidos são expostos na Tabela 1.
7


Tabela 1
Reagente Concetração/molL
-1
pH(usando a fita de pH) pH(usando o pHmetro)
NaOH 0,1 13 12,3
Na
2
CO
3
0,1 11 10,8
KCl 0,1 7 7,3
NH
4
Cl 0,1 7 5,9
NaOH 0,01 11 11,0
HCl 0,1 1 1,1
HCl 0,01 1 2,0
CH
3
COOH 0,1 3 3,0
CH
3
COOH 0,01 4 3,7









8


4. Resultados e discussões

O preparo de soluções exige um grande cuidado e atenção quando se
necessita fazer análises quantitativas. Nas medições de pH podemos
comprovar isto. Algumas soluções apresentaram pH inesperado, como o
Na
2
CO
3.
As fitas de pH se mostraram uma ferramenta eficiente na medição do
pH, os resultados obtidos foram semelhantes a de um pHmetro, calibrado com
soluções tampão de pH=7 e pH=4. Com a falta de equipamentos mais precisos
elas podem ser uma boa opção, levando em consideração o seu custo e a
praticidade. A única desvantagem é que elas exigem um conhecimento prévio
da solução, para não nos confundirmos ao realizar as comparações com os
modelos da caixa.



















9


5. Conclusão

Conclui-se que, para o preparo de uma solução temos que saber o
estado físico das suas substâncias. Ter conhecimento sobre a molaridade, e o
teor de diluição de cada substância. Além de ter total conhecimento de como
calcular o ph, usando a fita de ph ou pHmetro, como já foi relatado
anteriormente.
























10


6. Referências

1. Beran, J. A. Laboratory Manual for Principles of General Chemistry. 5a
ed, John Wiley & Sons, New York, 1994.
2. Hunt, H. R. and Block, T. F. Experiments of General Chemistry, 2a
Ed., John Wiley & Sons, 1994.
3. Silva, R.R., Bocchi, N.; Rocha Filho, R. C. Introdução à Química
Experimental, Mcgraw-Hill, São Paulo, 1990. 7
4. Costa, M. H.; Honda, N. K. Apostila de Química Geral – atividades de
laboratório, Depto Química/UFMS, 2000.
5. Trindade, D. F.; Oliveira, F. P.; Banuth, G.S. L.; Bispo, J. C. Química
Básica Experimental, E. P. Parma.
6. Kotz, J. C.; Treichel, P. Química e Reações Químicas, 3ª Ed., Livros
Técnicos e Científicos, Editora S. A., 1998.
7. Brown, T. L.; Lemay, H.E.; Bursten, B.E.; Química: a ciência central,
9a edição, São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
8. Atkins, P.; Jones, L. Princípios de Química: questionando a vida
moderna e o meio ambiente, 3ª edição, Porto Alegre: Editora Bookman, 2006.
9. Brown, L.S.; Holme, T.A. Química geral: aplicada à engenharia. São
Paulo: Cengage Learning, 2009.