You are on page 1of 2

2ªparte do Trabalho da Sessão 7- Comentário à avaliação externa da IGE: O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO

(Conclusão)

2ª parte do Trabalho da Sessão 7: Comentário crítico a referências à BE nos relatórios da IGE A escolha recaiu em escolas da zona que são reportadas como tendo um bom funcionamento e sobre as quais tivemos curiosidade em saber do funcionamento da BE: ES3ºCMem Martins, AG Rio de Mouro Padre Alberto Neto e ES3ºC Padre Alberto NetoQueluz. Dos relatórios lidos fica patente que:

1.

A BE não é uma das estruturas a ser alvo da avaliação externa – aquela aparece em referências a alguns projectos/actividades que desenvolve, não revelando do seu impacto no sucesso educativo, mas apenas com menções a características físicas, designadamente logísticas. Releve-se, no entanto, que existem referências pontuais em domínios muito pertinentes, como as medidas de integração para alunos estrangeiros, a manutenção e implementação de actividades de enriquecimento do currículo e projectos que são estratégias de consolidação e melhoria; o apoio académico e o Plano Nacional de leitura como forma de aumentar o sucesso;

2. A IGE não integra na sua avaliação o contributo dos vários domínios de autoavaliação das BE. Apresentamos de seguida as evidências retiradas dos relatórios analisados, partindo dos campos/ tópicos estabelecidos pela avaliação externa da IGE e das referências à BE, indicando o número de página do respectivo relatório:

IGE

ES3ºCMem Martins

AG Rio de Mouro E Padre Alberto Neto

S

3ºC

Padre Neto-

Alberto Queluz

1.1 Sucesso académico

Plano Nacional de Leitura como forma de aumentar o sucesso

1.2

Participação

e

Formação aos delegados de turma para promover os valores da democracia e do exercício da cidadania (p.5)

desenvolvimento crítico

1.3

Comportamento

e . medidas de integração de alunos estrangeiros através da biblioteca lúdica e utilitária (p.7)

. alunos acatam facilmente as ordens (p.6)

disciplina 2.3 Diferenciação e apoios

Dulce Teixeira - Escola Secundária Ibn Mucana – 08.12.09

Página 1 de 2

2ªparte do Trabalho da Sessão 7- Comentário à avaliação externa da IGE: O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (Conclusão)

. 2.4 Abrangência do

registada

eficácia

em . Amigos da Biblioteca: d . pertence à RBE (p.8) . apoio académico, realizar trabalhos, pesquisas e lazer (p.8) . computadores insuficientes para as necessidades (p.8)

relatório da psicóloga (p.7) . reforça de forma lúdica as aprendizagens através das actividades da biblioteca lúdica e utilitária (p.7) . permanente actividade do espaço Mediateca que do e da contínua estimula os alunos para a valorização conhecimento aprendizagem (p.7)

currículo e valorização dos saberes e aprendizagem

actividades (p.8)

enriquecimento do currículo

3.3

Gestão

de

recursos

. adaptação de espaços às novas exigências – Mediateca (p.8) . criação da biblioteca lúdica e utilitária (p.8)

. espaço reduzido mas bem equipada e organizada

.

conservação

e

matérias e financeiros

modernização

4.3 Abertura à inovação

. Projecto RBE promotor de novas aquisição competências conhecimentos (p.11) perspectivas e de de de novas e aprendizagem

4.4 Parcerias, protocolos e projectos 5. Capacidade escola de auto-

RBE

RBE . recolha sistemática de

regulação e melhoria da

dados estatísticos . não é feita análise reflexiva sobre o impacto da BE nas aprendizagens dos alunos (p.12)

5.2

Sustentabilidade

do

Estratégias de consolidação e melhoria – manutenção e implementação actividade de de

progresso

enriquecimento do currículo e projectos como a criação da biblioteca lúdica e utilitária (p.11)

Dulce Teixeira

Dulce Teixeira - Escola Secundária Ibn Mucana – 08.12.09

Página 2 de 2