You are on page 1of 1

Recomendação do TCU – Natureza jurídica

Publicado em 22/04/2014 por Editor
Acórdão 73/2014 Plenário (Monitoramento, Relator Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti) Competência do TCU. Recomendação. Natureza. A
recomendação emanada do Tribunal de Contas da União NÃO representa mera sugestão, cuja implementação é deixada ao alvedrio do gestor destinatário da
medida, pois tem como objetivo buscar o aprimoramento da gestão pública. Contudo, admite-se certa flexibilidade na sua implementação. Pode o administrador
público atendê-la por meios diferentes daqueles recomendados, desde que demonstre o atingimento dos mesmos objetivos, ou, até mesmo, deixar de cumpri-la em
razão de circunstâncias específicas devidamente motivadas. A regra, entretanto, é a implementação da recomendação, razão por que deve ser monitorada.

Compensação de subpreço com sobrepreço – Ilegalidade
Publicado em 22/04/2014 por Editor
Acórdão 349/2014-Plenário (Auditoria, Relator Ministro Benjamin Zymler) Contrato. Aditivo. Sobrepreço. É incabível a compensação de eventual subpreço na
planilha contratual original com sobrepreços verificados em termos aditivos, uma vez que isso implica a redução da vantajosidade inicial da avença e, portanto, a
alteração do equilíbrio econômico-financeiro em desfavor da Administração.

Estudo de viabilidade de obra como requisito prévio para autorização de abertura de
processo licitatório
Publicado em 22/04/2014 por Editor
Acórdão 269/2014 Plenário (Auditoria, Relator Ministro Benjamin Zymler) Licitação. Obra e serviço de engenharia. Projeto básico. A abertura de processo
licitatório para execução de obras rodoviárias está condicionada à realização de estudos de viabilidade que contemplem o levantamento e o mapeamento das jazidas
de materiais passíveis de uso nas obras.

Pregão Eletrônico é obrigatório segundo o TCU
Publicado em 22/04/2014 por Editor
A regra para o TCU é que o pregão eletrônico é OBRIGATÓRIO!
Deu-se ciência ao Instituto Nacional de Tecnologia da Informação da Presidência da República de que a adoção do pregão em sua forma presencial não está na
esfera de discricionariedade do gestor, pois o pregão deve ser utilizado na forma eletrônica, salvo em caso de comprovada inviabilidade, a ser justificada pela
autoridade competente, conforme Acórdão nº 1.184/2012-P. (TCU, Item 1.8.1, TC-024.785/2013-0, Acórdão nº 722/2014-2ª Câmara; DOU de 14.03.2014, S. 1, p.
123).

TCU – Qualificação técnica – Compra por lote – Divisibilidade de objetos
Publicado em 22/04/2014 por Editor
Assim decidiu o TCU sobre qualificação técnica e compra por lotes:
a) os critérios para qualificação técnica de licitantes devem guardar estrita compatibilidade com o objeto em aquisição e atender ao limite do
absolutamente indispensáveis ao cumprimento do objeto, sendo que a fixação de condições desnecessárias ou impertinentes pode levar ao direcionamento do
certame e ao cerceamento da participação de interessados, práticas estas que devem ser repelidas pela administração;
b) a apresentação de propostas de fornecimento estruturadas "por lote", "por grupo" ou "por preço global", quando se está diante de objetos divisíveis,
atenta contra o previsto no arts. 23, § 1º, e 15, IV, da Lei 8.666/93, bem assim vai de encontro ao disposto na Súmula/TCU nº 247, que tem por obrigatória a
adjudicação por item, e não por preço global, nas licitações para a contratação de obras, serviços, compras e alienações de objetos divisíveis, desde que não haja
prejuízo ao conjunto ou complexo ou perda de economia de escala, tendo por fim a ampla participação de interessados.
(Itens 1.7.1 e 1.7.2, TC-033.659/2013-3, Acórdão nº 781/2014-1ª Câmara; DOU de 14.03.2014, S. 1, p. 88).

Habilitação Técnica – Exigências excessivas
Publicado em 22/04/2014 por Editor
Acórdão 273/2014 Plenário (Representação, Relator Ministro Benjamin Zymler) Licitação. Habilitação técnica. Exigência excessiva. Nas licitações de serviços de
manutenção preventiva e corretiva, é ilegal a exigência, como critério de habilitação, de que as empresas participantes possuam representação ou equipe técnica em
local previamente definido no edital. Tal exigência pode ser feita a partir da assinatura do contrato, desde que respaldada em análise técnica fundamentada.

Estimativa de quantitativo e preço máximo
Publicado em 22/04/2014 por Editor
Na fase de planejamento da licitação, a definição precisa e suficiente do objeto licitado deve abranger a estimativa das quantidades demandadas e dos preços
unitários máximos admitidos, com base nas reais necessidades do licitante e em consistente pesquisa de mercado, em consonância com a Súmula/TCU nº
177. (TCU, item 1.8.2, TC-024.785/2013-0, Acórdão nº 722/2014-2ª Câmara).