You are on page 1of 2

ACÇÃO DE FORMAÇÃO

:
“PRÁTICAS E MODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES”

REFLEXÃO CRÍTICA

"Está demonstrado que, quando professores e bibliotecários trabalham em conjunto, os
estudantes atingem maiores níveis de literacia, de leitura, de capacidade de resolução de
problemas, bem como que adquirem competências de informação e comunicação."
In, Manifesto das Bibliotecas Escolares da IFLA/UNESCO (2000)

Vários estudos internacionais mostram que as Bibliotecas Escolares podem contribuir
positivamente para o ensino e a aprendizagem, podendo estabelecer-se uma relação entre a
qualidade do trabalho da e com a Biblioteca Escolar (BE) e os resultados escolares dos alunos.
Neste contexto, é importante avaliar o trabalho desenvolvido pelas bibliotecas
escolares, qual o seu contributo para a aquisição de competências, para o sucesso educativo e
para a promoção da aprendizagem ao longo da vida.
Este processo de Auto-Avaliação das BE não pode ser entendido como uma ameaça,
mas sim como um instrumento de regulação e de melhoria, que se apresenta como uma
oportunidade, na medida em que conduz à reflexão e origina mudanças na prática.
Aplicar com metodologia o Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
(MAABE) nos domínios definidos, ao longo de um período de quatro anos passa
nomeadamente por: implementar a recolha sistemática de evidências; identificar perfis de
desempenho através dos resultados obtidos (pontos fortes e pontos fracos) e definir as acções
necessárias à melhoria do desempenho da BE.
Sabendo que este processo de Auto-Avaliação da BE implica o envolvimento de toda a
comunidade escolar há que ter em conta as diferentes estruturas com as quais é necessário
interagir. Assim, é necessário estabelecer um plano de acção que defina as áreas de
intervenção, os objectivos e as acções a desenvolver, tendo em vista a inclusão do modelo de
Auto-Avaliação da BE no contexto da Escola/ Agrupamento.
Outro aspecto incontornável para o sucesso da aplicação do MAABE é o envolvimento
da comunidade escolar em todo o processo, a existência de parcerias, de trabalho colaborativo
e de articulação curricular são factores indispensáveis. Neste contexto, revela-se ainda como

1
essencial o envolvimento da Direcção Executiva uma vez que, confere credibilidade a todo o
processo, sendo, sem dúvida, uma mais-valia para a concretização do modelo.
Também o papel do Professor-Bibliotecário enquanto parceiro-líder de todo o processo,
não pode ser negligenciado, pois, a capacidade de interagir e de comunicar com os agentes e as
estruturas será fundamental para o reconhecimento, para a valorização da BE e para a
materialização do processo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares.
Após a aplicação do modelo no terreno é necessário avaliar os resultados obtidos. Feita
a análise dos dados é fundamental proceder à elaboração de um relatório final da aplicação
MAABE. Por sua vez, os resultados da aplicação desse modelo devem ser comunicados à
comunidade educativa, através da sua divulgação no Conselho Pedagógico e no Conselho Geral.
Finalmente, é imprescindível que se enquadre o processo de auto-avaliação das
Bibliotecas Escolares do Agrupamento, no processo de Auto-Avaliação do Agrupamento de
Escolas, pois, somente através desta inserção, estaremos a levar à prática, uma política de
gestão, verdadeiramente promotora do sucesso educativo e de uma melhoria efectiva das
aprendizagens.
Após esta reflexão sobre o MAABE e da sua inequívoca importância, considero ser útil
tecer algumas considerações quanto à sua aplicação.
Na prática, temo que este processo de avaliação se transforme numa máquina
altamente burocrática que ocupe demasiado do tempo do professor bibliotecário e o afaste do
exercício de outras competências, ou que o obrigue a exercê-las de um modo parcial.
Quanto à formação em si, gostaria de salientar que apesar do curto “timing”, do grau de
exigência e do pouco acompanhamento por parte das formadoras, considero que, a realização
da mesma foi essencial. A documentação disponibilizada, as leituras efectuadas, as reflexões
feitas sobre a temática e o trabalho produzido, serão, sem dúvida, fundamentais para o
exercício da função de professor-bibliotecário.
No entanto, realço que, esta formação, pelo seu valor e pela sua pertinência,
necessitava de um maior número de sessões presenciais e de um apoio mais efectivo por parte
das formadoras, pois a aprendizagem deste tipo de conteúdos e metodologias e a sua aplicação
prática, exige um domínio, um amadurecimento de conceitos, que o número de formandos e
de horas estabelecido não tornou possível.

Vale de Milhaços, 13 de Dezembro de 2009

2