You are on page 1of 4

Referências à BE nos Relatórios de Avaliação Externa das Escolas

Relatório de 2007- Agrupamento de Escolas do
Pico do Regalado - Vila Verde

No relatório desta escola encontramos as seguintes referências à BE:

No ponto 1.4 (Valorização e Impacto das Aprendizagens)
.Criação de três bibliotecas no 1º ciclo.
. Participação da escola em Projectos nacionais onde se inclui a Rede de
Bibliotecas Escolares.

No ponto 3.3 (Gestão dos Recursos Materiais e Financeiros)
. Existência de três bibliotecas escolares no Agrupamento. Duas delas
dinamizadas por uma funcionária da Biblioteca Municipal.
. Necessidade de fazer circular os livros da BM pelas escolas do Agrupamento.

Relatório de 2008- Agrupamento de Escolas Rio de
Mouro Padre Alberto Neto

No ponto 3.3 (Gestão dos Recursos Materiais e Financeiros)
. A BE/ CRE funciona num espaço demasiado reduzido, mas encontra-se bem
equipada e organizada.

No ponto 4.4 (Parcerias, Protocolos e Projectos)
. A escola participa em projectos de âmbito nacional entre eles os da RBE.
Relatório de 2009- Escola Secundária com 3º Ciclo do
Ensino Básico de Sacavém

No ponto 2.4 (Abrangência do Currículo e Valorização dos Saberes e da
Aprendizagem)
. “ São ainda dinamizados pela BE concursos de desenho, texto e fotografia,
feira do livro e exposições.”

No ponto 3.3 (Gestão dos Recursos Materiais e Financeiros)
. “A BE/ CRE é um espaço de promoção das aprendizagens bem equipado,
acessível também aos alunos do ensino nocturno e à Comunidade Educativa”

No ponto 4.4 (Parcerias, Protocolos e Projectos)
. A escola participa em projectos de âmbito nacional entre eles os da RBE.

Relatório de 2009- Agrupamento de Escolas de Mafra

No ponto 2.4 (Abrangência do Currículo e Valorização dos Saberes e da
Aprendizagem)
. A BE/CRE desenvolve actividades como visitas a museus, idas ao teatro,
semana cultural, no âmbito de actividades extra-lectivas para valorização das
dimensões culturais e artísticas.

No ponto 3.3 (Gestão dos Recursos Materiais e Financeiros)
. Existência de uma BE do 1º ciclo integrada na Rede Nacional de Bibliotecas
Escolares.
. Os recursos, espaços e equipamentos estão bem organizados e acessíveis na
BE.
No ponto 4.3 (Abertura à integração)
. A BE/CRE tem desenvolvido algumas actividades de consolidação da
identidade do Agrupamento, entre as quais um Projecto de escrita criativa que
envolve todos os níveis de ensino.

No ponto 4.4 (Parcerias, Protocolos e Projectos)
. A escola participa em projectos de âmbito nacional entre eles os da RBE.

Nos diferentes exemplos que analisei, pude constatar que as
referências à BE são poucas e pouco significativas. As referências que
são feitas, principalmente nos relatórios de 2007 e 2008 são de aspectos
gerais e pontuais, não muito relevantes na vida da escola e que não
mostram o impacto que a biblioteca e sua actividade pode ou não ter nos
resultados escolares e aprendizagens dos alunos. Conclui ainda que nos
relatórios de 2009 que analisei, essas referências aparecem em maior
quantidade e qualidade, que para além dos aspectos comuns aos outros

dois relatórios, já são referidos aspectos de “Abrangência do Currículo e

Valorização dos Saberes” e da “Aprendizagem e Abertura à integração”.
Referências que já salientam alguns aspectos da dinâmica da BE e sua
actividade, projecção e impacto na escola, ainda que muito aquém do
desejado e que o Modelo de Auto-avaliação das BE preconiza.
Em comum aos quatro, encontramos a referência à participação da
escola em projectos de âmbito nacional entre eles os da RBE e que não
esclarece nem quais nem o seu valor e impacto real.
Fica bem patente a pouca valorização dada ao serviço educativo
prestado pela BE e seu valor no desenvolvimento das competências dos
alunos e na concretização dos objectivos a que as escolas se propõem.
Nestes relatórios verifica-se que a BE ainda tem algum caminho a
percorrer na sua afirmação na escola e comunidade educativa, do
imprescindível papel enquanto espaço de desenvolvimento de trabalho
de qualidade para o desenvolvimento de competências e de articulação
com os currículos das diferentes disciplinas e com os

docentes.
Da análise não transparece o envolvimento que a BE deveria ter
nos diferentes pólos dinamizadores e órgãos de administração e gestão
da escola.
Para que estes resultados possam ser alterados e seja dado à BE o
seu devido valor e reconhecido o seu papel, é imprescindível que a
aplicação do Modelo de Auto-avaliação seja efectivamente implementado
e encarados os seus resultados de uma forma séria e realista e visando a
melhoria dos serviços e apoio prestados por este espaço educativo.

A formanda

Fernanda Cravo