You are on page 1of 6

1ª Tarefa da 2ª sessão de trabalho – 29 de Outubro de 2009

Nota introdutória: Para a realização desta tarefa, tive em conta a realidade das Bibliotecas Escolares do Agrupamento onde estou
afecta. Neste caso, são três as Bibliotecas em questão. Duas de EB1 e uma da EB2,3. Para a leitura do trabalho que se segue, é
relevante ter esta informação pois as realidades de cada uma das BE é muito diferente, e o que se aplica a uma BE como
fraqueza, por exemplo, pode não se aplicar a outra. Reitero ainda que, uma BE de EB1 está agora numa fase de “recomeço”, após
grandes intervenções, nomeadamente ao nível da entrada na RBE, o que aconteceu apenas o ano passado.

Conhecimento na área Biblioteca escolar

Aspectos críticos que a Desafios / Acções a
Domínio Pontos fortes Fraquezas Oportunidades Ameaças
Literatura identifica implementar

• Professor Bibliotecário • Afectação • Dificuldades em • Criação de • Dificuldade em • Definição do papel da
Competências qualificado, tanto em Gestão de um PB e de gerir conflitos grupos de fazermo-nos ouvir BE numa escola
do professor bibliotecária com em uma equipa; com os trabalho e esmorecer específica do 1ºCiclo.
bibliotecário pedagogia; • Liderança “resistentes” à colaborativo, que perante as Fomentar a sua
• Gestão de grupo/parceria do PB enquanto mudança; tenham como adversidades; utilização mais
com todas as entidades da coordenador dos • Papel pouco meta a forte • Não estar à altura espontânea, e não
comunidade escolar; vários grupos de valorizado pelos implementação das exigências, apenas como
• Liderança com propósito, trabalho; colegas. da BE como nomeadamente cumprimento de uma
estratégia, de carácter • PB como centro de ao nível da obrigação imposta
criativo, inovador e membro do aprendizagem; capacidade de pelo horário semanal
construtivo; Conselho • Parceria com gerir o horário e do professor;
• O caminho faz-se Pedagógico; colegas e calendário • Reuniões com
caminhando, segundo Ross • Articulação restantes semanal, de professores das EB1
Todd; de todos o membros da forma a no sentido de lhes
• Promotor da mudança, intervenientes da comunidade contemplar todas incutir a necessidade
comunidade escolar; as BE do efectiva da utilização
enquanto conhecedor e
escolar, • Determinação e agrupamento. da BE de forma
especialista no tratamento,
inclusivamente perseverança, construtiva e
organização, recuperação e
com o mostrando a constante;
difusão da informação, tem a
oportunidade de criara mais coordenador da existência da BE • Criação do “Clube
condições de acesso a Biblioteca como espaço a dos amigos da BE”:
recursos existentes em Municipal. ser utilizado por grupo de pessoas que
função das necessidades, todos, mesmo de ajudem nas tarefas da
tanto dos alunos como dos forma mais BE e permitam a
professores. lúdica, em vários abertura da mesma
Conhecimento na área Biblioteca escolar

durante os intervalos,
nomeadamente nas
EB1, para que os
alunos possam
frequentá-la de forma
momentos do dia. livre e espontânea.
• Reforçar a utilização
da BE da EB2,3 pelos
alunos que não têm
hábitos de leitura.
• Grupos organizados e
colaboradores no trabalho • Distribuição de
da BE; tarefas pelos
• Na BE das
colaboradores da
• Coordenação do PB e EB1 não existe • Dificuldade do
BE da EB2,3, de
trabalho de equipa nenhum pessoal pessoal em
forma a • Abertura da BE das
designada para a BE; • Grupo de afecto para aceitar
realizarem EB1 durante todo o
• Desenvolvimento de colaboradores garantir o mobilização do
trabalho nas BE horário escolar,
estratégias de gestão e capazes de funcionamento espaço físico da
das EB1; permitindo o acesso
envolvimento das BE em intervir em várias permanente da EB2,3 para as
áreas da BE; • Formação de EB1; livre e espontânea das
todo o plano curricular, mesma; O PB
pessoal não crianças;
Organização e baseado na recolha de • Assistente garante o
docente para • Três BE muito • Melhoramento do
evidências – evidence operacional a funcionamento da exigentes,
Gestão da BE tempo inteiro, na melhor forma
auxiliar no aspecto físico da BE,
based practice; trabalho das BE requerem muito obtendo a colaboração
• Alargamento das EB2,3; possível, tempo, o que na
das EB1; dos alunos
possibilidades de acção em • Dois PB no organizando o realidade não
agrupamento que calendário • BE mais chega e pode
(decoração).
todos os eixos de acção, • Formação de pessoal
permite divisão semanal; apetrechada no comprometer o
abrindo a BE às actividades para tratamento
âmbito do PTE,
diárias dos alunos e demais de tarefas. • Falta de bom
documental.
dos recursos funcionamento da
elementos da escola; formação
financeiros do BE.
• Organização de espaços e contínua do
PNL, da RBE e
recursos de acordo com as pessoal da BE.
da Câmara
necessidades e realidades Municipal.
de cada escola.
• Tratamento • Financiame • Aproveitam • Atraso no • Fazer chegar a
Gestão da • Actualização permanente do documental nto é reduzido; ento de pessoal tratamento toda a comunidade
Colecção fundo documental; assegurado por • Falta de que auxilia a BE, documental por escolar o processo de
• Fundo documental alguns pessoal nomeadamente falta de tempo e gestão da colecção. A
adequado à faixa etária dos colaboradores qualificado. do SABE; pessoal; colecção aberta a
alunos e realidade de cada assim como os • Criar os • Falta de adesão todos.
PB;
Conhecimento na área Biblioteca escolar

por parte dos
professores, o
que fará os
• Grande variedade recursos
escola, de acordo com os
de suportes; permanecerem
objectivos definidos pelos
projectos de cada escola; • Actualização na sua estante;
“Clube dos
constante do • Falta de
• Permissão do acesso livre e amigos da BE”
fundo financiamento
directo ao fundo documental, para
documental; para
para trabalho individual, de aprendizagem de
grupo ou de sala de aula; • Aumento gestão e actualização;
considerável do
• Optimizar a utilização dos
fundo documental
colaboração • Falta de cuidado
recursos existentes, nesse sentido. no
por ofertas e
cruzando documentos de manuseamento
pedidos a várias
vários suportes. do material e, por
entidades.
vezes,
desaparecimento
do mesmo.
A BE como • Divulgação das actividades • Articulação com • Alguns membros • Reforço da • Alguns • Fazer da BE o espaço
espaço de da BE e documentos vários da comunidade divulgação; professores não favorito para se estar,
conhecimento existentes para cada departamento e educativa • Actividades que colaboram porque mostrar que é um local
e departamento ou tema a professores, resistem à fomentem a “têm cumprir o onde o prazer se alia
aprendizagem. trabalhar; • Desenvolvimento colaboração com curiosidade e programa” (não ao conhecimento;
Trabalho • Parceria com os do PAA de os membros da apelem à adequam a • Organizar acções que
professores, num efectivo acordo com as BE; frequência da BE. prática lectiva também cativem os
colaborativo e
grupo de trabalho, de forma necessidades de • Actividades com o trabalho da professores para que
articulado com cada turma; realizadas na BE BE);
a delinear estratégias e estes sintam que a BE
Departamento • Grande afluência apenas quando • Não sentir
desenvolver actividades que é um local mágico e
s e docentes. vão ao encontro das dos alunos da implementadas necessidade de assim possam
necessidades específicas de EB2,3. pelo PAA. recorrer à BE. transmiti-lo aos seus
cada área disciplinar; alunos. (por exemplo:
• Fomentar a prática da hora do conto para os
utilização da BE como professores)
recurso diário e contínuo
para a construção do
conhecimento;
• Colocação da BE no centro
da aprendizagem, nas
práticas lectivas e no
desenvolvimento da
formação pessoal;
Conhecimento na área Biblioteca escolar

• Integração institucional e
programática de acordo com
os objectivos educacionais
da escola;
• Análise de propostas de
vários departamentos e /ou
alunos, no sentido de
articular actividades com
propósito pedagógico.
• Definição da BE como um
espaço de conhecimento e
não de informação;
• Desenvolvimento de
competências de leitura e de
um programa de literacia da • Frequência da BE
por todas as
informação, integrado no • Permitir aos
desenvolvimento curricular; turmas das EB1
leitores o prazer
uma vez por • Falta de hábitos • Preferência
• A literacia da informação; de utilizarem a
semana; de leitura por pelo digital em • Formação do clube de
• Criação de “ambientes” de BE, de foram que
detrimento do
• Organização das parte dos alunos;
mais lhe convier,
leitores;
Formação para aprendizagem centrados na material livro;
actividades no • Nas EB1 não dentro das • Requisição
a leitura e para acção, onde os alunos
envolvem no seu próprio
âmbito do PNL, podem recorrer normas em vigor; • No âmbito domiciliaria de livros
as literacias seguido na sala livre e digital, para aqueles que
processo individual de
de aula; espontaneamente • Não esquecer, ainda não o fazem;
crescimento enquanto seres preferência pelos
neste contexto,
aprendentes; • Empréstimo de aos livros e jogos em • Criação da Biblioteca
outros suportes; “Os Direitos
recursos entre as detrimento de de sala de aula com o
• “Evidence, not advocacy”; Inalienáveis do
várias escolas e • Leitura imposta e pesquisa de apoio da BE.
• O termo literacia implica relação de obrigatória. Leitor”, descritos
“saberes”.
também a conotação e defendidos por
parceria com a Daniel Pennac.1
iliteracia e remete para uma
Biblioteca
prática em que os
Municipal.
bibliotecários lidam com os
utilizadores da BE duma
forma básica e até pouco
exigente (muitas pessoas o
vêem assim).
BE e os novos • Prioridade para o • Utilização da • Lentidão, por • Criação de • Constante • Desenvolver as
ambientes desenvolvimento das Internet como vezes, na Internet e blogues e actualização do competências
digitais. competências do PB a nível prática corrente de falhas técnicas participação “no mundo tecnológico, informáticas dos alunos

1
Pennac, Daniel, “Comme un Roman”, 1ªed. 1992, Éditions Gallimard
Conhecimento na área Biblioteca escolar

informático;
• Inovação;
• Novos espaços onde o
processo de mudança o que torna os
educativo e o impacto das TIC nossos e professores;
é visível; equipamentos
• Prática educacional centrada mundo digital”, rapidamente • Aceder a vários sítios
regulares no de Internet como
no mundo virtual, nos últimos onde toda a obsoletos;
sistema actividades efectivas de
anos, o que implica maior pesquisa orientada comunidade • Dificuldade
informático; trabalho (
conhecimento dos pelos professores. escolar se pode sentida pelos
profissionais da informação; • PTE não abrange www.caminhodasletras.
tornar uma profissionais da
1ºCiclo. pt ,
• Utilização do meio virtual comunidade virtual. informação em
www.centenariodarepub
para divulgação da BE, das acompanhar a
evolução tão lica.pt ,…)
actividades, do seu catálogo;
• Dotar as BE com rápida.
equipamentos adequados aos
novos desafios da era
informática.
• Desenvolvimento de
estratégias de gestão
baseadas na recolha
sistemática de evidências;
• A avaliação como elemento • Dificuldade em
fundamental na perspectiva conseguir
• Recolha • Aplicar o modelo de
da mudança, percebendo o organizar dados
sistemática de auto-avaliação na BE
sucesso e insucesso, assim significativos
coco os aspectos a
marcadores de • Aplicar de forma relativamente a da EB1 e fazer as
avaliação da BE mais capaz o adaptações
melhorar; todas as BE;
Gestão de da EB2,3; modelo de auto- necessárias;
evidências/ • Verificação do impacto da
• Avaliação • Não identifico. avaliação da BE, • Diferenças • Entrosar todas as
BE na vida da escola; extraordinárias de
avaliação. • Melhoramento das práticas a
trimestral do PAA; com vista a pessoas da
cada BE do
• Feedback positivo melhorar as comunidade educativa
partir da observação das práticas. agrupamento,
por parte dos no processo de
expectativas e da sua dificultam o
utilizadores da avaliação para que se
relação com os resultados processamento
BE. apropriem dele.
obtidos através da da informação
avaliação; para avaliação.
• Optimizar processos de
implementação da BE em
todos os eixos da prática
lectiva de uma escola.
Gestão da mudança Factores de sucesso Obstáculos a vencer Acções prioritárias
SÍNTESE

Gerir a BE no sentido de alcançar o Frequência dos alunos: estes Atrair a atenção dos professores Organizar trabalho de parceria com
sucesso educativo, produzindo demonstram gostar imenso do resistentes à mudança. todos os professores.
impacto na escola através do que se espaço da BE e das actividades.
faz. Melhorar o fundo documental da Garantir acesso livre à BE a todos os
A BE aberta a toda a comunidade. EB1. alunos do agrupamento.
Providenciar o melhor ao nível da
informação para que a formação seja Reconhecimento da BE como Garantir a utilização da BE das EB1
efectiva e construtiva. espaço privilegiado de transmissão em horário completo, com pessoal a
de conhecimentos. garantir o seu funcionamento.
A BE é o centro do sistema
educativo de cada escola.

BE – Biblioteca Escolar;
PB – Professor Bibliotecário;
PAA - Plano Anual de Actividades;
EB1- Escola Básica do Primeiro Ciclo;
EB2,3 – Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos;
PTE – Plano Tecnológico de Educação;
TIC – Técnicas de Informação e Comunicação;
PNL – Plano Nacional de Leitura;
SABE – Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (da Câmara Municipal);
RBE – Rede de Bibliotecas Escolares.

Trabalho realizado por:

Cláudia Almendra Gonçalves

BE Agrupamento de Escolas Miguel Torga - Amadora