You are on page 1of 6

O Modelo de Auto-avaliação da BE: metodologias de

operacionalização

4 - Guia da sessão: O Modelo de Auto-Avaliação das
Bibliotecas Escolares: metodologias de
operacionalização (Parte I)

ACTIVIDADE :

• Domínio/Subdomínio C.1. (Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de
Enriquecimento Curricular)

• Indicador C.1.2. de ( processo)

• Indicador C.1.4. de (impacto/Outcome)

Introdução

É cada vez mais importante que as bibliotecas escolares demonstrem o seu contributo
para a aprendizagem e o sucesso educativo das crianças e jovens que servem. Daí
surge a necessidade de se proceder a uma avaliação das bibliotecas em geral e
compreender como é que a auto‐avaliação pode ser concretizada para demonstrar a
contribuição da BE para o sucesso do processo de ensino e aprendizagem. Os principais
desafios colocados pelo Modelo de Auto‐Avaliação residem na avaliação dos impactos
sobre os utilizadores e derivam da necessidade de:

• Clarificar adequadamente os objectivos da BE;

• Esclarecer os objectivos de aprendizagem dos alunos em relação com a biblioteca;

• Estabelecer os Indicadores adequados para essas aprendizagens;

• Recolher as evidências apropriadas, lidando com dados de natureza quantitativa e
qualitativa;
• Assegurar a realização do processo de recolha, tratamento, análise e comunicação
dos dados;
Arminda Afonso Página 1
O Modelo de Auto-avaliação da BE: metodologias de
operacionalização

Ganhar familiaridade com o processo do novo modelo de auto‐avaliação, é um factor
muito, positivo pois não só nos ajuda a compreender o modelo, como nos orienta no
trabalho que temos de desenvolver.

É importante que cada escola conheça o impacto que as actividades realizadas pela e
com a BE vão tendo no processo de ensino e na aprendizagem, bem como o grau de
eficiência e de eficácia dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores da BE. As
bibliotecas devem desenvolver formas de avaliação da qualidade dos serviços prestados.

“Medir os outcomes (Impactos) significa, no entanto, ir mais além, no sentido de
conhecer o benefício para os utilizadores da sua interacção com a biblioteca. A
qualidade não deriva nesta acepção, da biblioteca em si mesma ou do seu peso
intrínseco, mas do valor atribuído pelos utilizadores a esse benefício, traduzido numa
mudança de conhecimento, competências, atitudes, valores, níveis de sucesso, bem‐
estar, inclusão, etc.

INPUTS → PROCESSOS → OUTPUTS →OUTCOMES

“… é apoiar o desenvolvimento das bibliotecas escolares e demonstrar a sua
contribuição e impacto no ensino e aprendizagem, de modo a que ela responda cada
vez mais às necessidades da escola no atingir da sua missão e objectivos, usando os
seus resultados para a melhoria contínua, de acordo com um processo cíclico de
planeamento, execução e avaliação:

PLANEAMENTO (ESTRATÉGICO/OPERACIONAL)

↑↓

AVALIAÇÃO ← EXECUÇÃO E MONITORIZAÇÃO “

• - Indicador de processo (escolhido):

C.1.2 – Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural na
escola/agrupamento.

Arminda Afonso Página 2
O Modelo de Auto-avaliação da BE: metodologias de
operacionalização

Uma forma da BE promover actividades livres, de carácter lúdico e cultural, que muito
contribuem para o desenvolvimento do ser humano, é dinamizando actividades visando
a utilização criativa dos seus tempos livres. Os alunos usufruem assim de um tempo
onde desenvolvem actividades de animação cultural e ao gosto de cada um.
Destas actividades resultam:

- espectáculos de teatro por exemplo,

- exposições de trabalhos de arte,

- pesquisas na Internet,

- sessões de poesia, (dramatizações),

- concursos:- Nosso Portugal

- jogos didácticos (ex. “tio papel”),

- celebração de efemérides,

- Clubes: de Leitura / escrita - (Escrita de : quadras, poesias, cartas ou postais,
acrósticos, …)

- outros…

Plano de avaliação:
Data de Actividade Evidências Relatório Acções
concretizaç desenvolvid recolhidas de propostas
ão da a da Avaliação para
actividade: actividade da melhoria.
desenvolvid Actividade.
a
Actividades: -Observação de - Grelhas de -aumentar a
Ao longo do utilização da registo de participação da BE
Ano -espectáculos de BE (O1) actividades na dinamização de
teatro por actividades
( De acordo com exemplo, -Materiais de -registos sobre a culturais na
os temas que apoio produzidos preparação, o escola;
andam a ser - exposições de
e editados (guia de desenrolar e a
abordados e a trabalhos de arte,
época do ano em referências avaliação das -rentabilizar as
que estão.) - pesquisas na bibliográficas, actividades; iniciativas
Internet, desdobráveis com programadas,
informações e -grelha de partilhando-as
- sessões de orientações avaliação de com outras escolas
poesia, específicas: como trabalhos e BE`s;
realizar um desenvolvidos;

Arminda Afonso Página 3
O Modelo de Auto-avaliação da BE: metodologias de
operacionalização

(dramatizações), trabalho de -solicitar o
pesquisa, etc. -preenchimento de envolvimento e
- concursos:- um questionário, colaboração dos
Nosso Portugal -caixa de pelos alunos de pais e da
sugestões/ forma a dar comunidade na
- jogos didácticos
opiniões; resposta aos seus organização e
(ex. “tio papel”),
interesses e financiamento dos
- celebração de -grelha de sugestões. eventos.
efemérides,- observação de
Clubes: de Leitura actividades de
/ escrita - aprendizagem.
(Escrita de :
quadras, poesias,
cartas ou postais,
acrósticos, …

Elaboração de
instrumentos de
recolha de dados;

-Elaboração de
materiais de apoio

- Indicador de impacto/Outcome:

C.1.4 – Disponibilização de espaços, tempos e recursos para a iniciativa e
intervenção livre dos alunos.

- Os alunos propõem e organizam autonomamente projectos e actividades.

- Os alunos são apoiados na criação de núcleos/clubes onde podem promover a sua livre
expressão (rádio, fotografia, jornal, outros).
- A formação de monitores é incentivada, bem como o apoio dos alunos mais velhos aos
mais jovens e a entreajuda entre todos.

Data de Actividade Evidências Relatório Acções
concretizaç desenvolvid recolhidas de propostas
ão da a da Avaliação para
actividade: actividade da melhoria.
desenvolvid Actividade.

Arminda Afonso Página 4
O Modelo de Auto-avaliação da BE: metodologias de
operacionalização

a
- Questionários - Elaboração de - Valorizar mais e
Ao longo do aos alunos QA3 instrumentos de divulgar melhor o
Ano Actividades: recolha de dados trabalho
Registos sobre as organizado e
( De acordo com -espectáculos de - Análise dos
actividades dados realizado
os temas que teatro por
/Projectos autonomamente
andam a ser exemplo,
promovidos pelos - Observação / pelos alunos.
abordados e a
época do ano em - exposições de alunos reflexão dos -Auxiliar na
que estão.) trabalhos de arte, resultados. orientação do
-caixa de trabalho
- pesquisas na sugestões/ - A equipa da BE dos
Internet, opiniões; e os professores núcleos/clubes.
colaboradores
- sessões de -grelha de pronunciar-se-ão - Produzir
poesia, observação de sobre o trabalho materiais
(dramatizações), actividades de autónomo específicos de
aprendizagem. desenvolvido apoio para os
- concursos:-
pelos alunos. monitores.
Nosso Portugal
- Registos de
- jogos didácticos reuniões/contactos. - Inquérito feito
(ex. “tio papel”), aos alunos mais
- Estatísticas de jovens sobre a
- celebração de utilização da BE cooperação /apoio
efemérides,- em AEC. dos alunos mais
Clubes: de Leitura velhos
/ escrita -
(Escrita de : - No final de cada
quadras, poesias, período, serão
cartas ou postais, apresentados os
acrósticos, … trabalhos no
boletim da BE ou
Elaboração de pessoalmente no
instrumentos de espaço da BE.
recolha de dados;

-Elaboração de
materiais de apoio

A verificação do impacto destas actividades será visível no indicador C.1.4.,cujo
objectivo é aferir o impacto da BE nas aprendizagens dos alunos, no seu próprio
envolvimento, no seu papel de formador (alunos mais velhos ajudam os mais jovens…).

Arminda Afonso Página 5
O Modelo de Auto-avaliação da BE: metodologias de
operacionalização

Os intervenientes, neste caso, serão o professor bibliotecário, os professores
colaboradores e os alunos do Agrupamento.

Estas actividades serão feitas ao longo do ano lectivo, com sessões sucessivas. A
observação de alunos é semanal, uma vez que neste subdomínio deve ser feita de uma
forma prolongada e com diferentes grupos, dado que se trata da utilização livre e
extracurricular da Biblioteca, em que não há nem uma utilização estruturada com
turmas nem uma utilização continuada ou sistemática pelos mesmos alunos ou grupos.

A avaliação será fundamentada em documentos preenchidos pelo professor bibliotecário
e pelos professores colaboradores, através de inquéritos, entrevistas, questionários, etc.

Com que objectivos?

- Perspectivar o que vamos fazer a seguir

- melhorar o perfil de desempenho da BE.

- Contribuir, de forma significativa para o desenvolvimento da compreensão humana.

Como é que avaliamos?

- Estabelecendo prioridades,

- Identificando as evidências mais significativas e articulando elementos quantitativos e
qualitativos (noção de valor de modo a responder cada vez mais às necessidades da
escola.

Bibliografia:

Texto da sessão. Disponível na plataforma.

Novo Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar.

Arminda Afonso Página 6