You are on page 1of 4

O Modelo de Auto-avaliação das bibliotecas Escolares

Metodologias de Operacionalização – Conclusão
Sessão 6 -Tarefa 2

MODELO DE AUTO-
AVALIAÇÃO DA
BIBLIOTECA ESCOLAR

Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito
das Bibliotecas Escolares nos Relatórios de Avaliação Externa da
responsabilidade da Inspecção-Geral da Educação

Aida Godinho
A.A.Godinho
Aida das BE - DREA – Turma 1
A.A. das BE - DREA – Turma 1
Análise do Relatório de Avaliação Externa do Agrupamento Vertical de Escolas do
Concelho de Aljustrel e a referência às Bibliotecas Escolares

A partir do Relatório de Avaliação Externa, da responsabilidade da Inspecção-Geral da Educação, efectuado ao Agrupamento
Vertical de Escolas do Concelho de Aljustrel, em Março de 2008, podemos verificar, depois de uma leitura integral que, a Biblioteca
Escolar não é mencionada, nem enfatizada pelos espaços físicos de que privilegia e, quanto às actividades/projectos que possa ter
desenvolvido, a única referência à Biblioteca Escolar, é feita no ponto 2.4. (Abrangência do Currículo e valorização dos saberes e
da aprendizagem) e integrada no ponto 2. (Prestação do Serviço Educativo), referindo o seguinte:

“ (…) Dá-se nota, também, do projecto da Biblioteca no 1º ciclo, “Noites de Lua Cheia”, dirigido aos pais e demais familiares das
crianças, no (re) conto oral e partilha de experiências entre gerações (…)”

No que se refere a parcerias, protocolos e projectos, mencionado no ponto 4.2, e respeitante à Liderança (ponto 4), o referido
relatório, faz alusão à candidatura, do Agrupamento, a projectos nacionais, nomeadamente ao Plano Nacional de Leitura contudo,
não infere a responsabilidade à Biblioteca Escolar enquanto promotora dessa candidatura e desenvolvimento das actividades
associadas.

Pela reflexão feita, constatou-se que à Biblioteca Escolar não foi dada a relevância adequada. Visivelmente se depreende que a
IGE não desenvolve uma avaliação da Biblioteca Escolar sustentada nos domínios do MAABE, uma vez que não menciona a
Biblioteca, nem em termos de recurso físico, nem em termos de recurso pedagógico.

Aida Godinho
A.A. das BE - DREA – Turma 1
Refere, muito brevemente, um importante projecto que foi desenvolvido, mas não especifica que o mesmo terá sido dinamizado
pela BE do 1º ciclo da EB1/JI dos Eucaliptos, dando uma ideia muito superficial e pouco sustentada da realidade existente.

Aquando da elaboração deste relatório, o agrupamento vivia algumas dificuldades estruturais e organizacionais. Talvez, por esse
motivo, terá sido realizada uma abordagem mais generalizada, enfatizando aspectos que, no seu entender seriam mais
pertinentes. Contudo, na minha humilde opinião, se a escola atravessava uma fase menos positiva, a vários níveis, teria sido
importante considerar a Biblioteca Escolar, atendendo ao facto de que, através dela, seria possível uma transversalidade de meios
e recursos possíveis de minimizar alguns constrangimentos e pontos fracos apontados.

Não se efectuou nenhuma entrevista, a nenhum dos dois coordenadores que naquela data eram responsáveis pelas BEs do 1º
Ciclo/Pré-escolar e pela BE dos 2º e 3º Ciclos. Sendo assim, não ficou perceptível a forma positiva, ou negativa, de como a
Biblioteca Escolar poderia contribuir, ou não, para uma melhoria do sucesso educativo deste Agrupamento.

Considero que o actual MAABE será, progressivamente, aplicado e utilizado, não só pelas Bibliotecas Escolares enquanto fonte de
informação para melhoria das suas acções, mas também, pelas próprias escolas/agrupamentos. Será da responsabilidade da
própria Biblioteca Escolar, nomeadamente do professor bibliotecário, dignificar o papel importantíssimo que a BE possui dentro da
escola, de apresentar o impacto que as actividades realizadas vão tendo no sucesso educativo, bem como o grau de satisfação
dos seus utilizadores relativamente à oferta que a BE lhes presta.

Cabe, também, à BE, a difícil tarefa de envolver e sensibilizar o Director, o Conselho Pedagógico e Geral, os docentes e toda a
comunidade educativa, para a relevância que a BE pode surtir no processo de ensino e aprendizagem, envolvendo estes
protagonistas no processo de auto-avaliação da BE e, consequentemente, na auto-avaliação da escola.

Aida Godinho
A.A. das BE - DREA – Turma 1
De acordo com as considerações finais do Relatório de Avaliação Externa, que apontam para algumas estratégias de melhoria,
nomeadamente no que se refere a alguns tópicos que foram objecto de uma abordagem mais detalhada, será oportuno a
Biblioteca Escolar, sem precisar de convite, avançar como aliado, para que, e de forma colaborativa, ser um importante recurso na
busca da melhoria da qualidade de ensino do Agrupamento, desenvolvendo, a partir de uma boa gestão, uma estratégia em prol
da promoção do saber, do apoio ao desenvolvimento curricular, da promoção da leitura e do desenvolvimento das literacias,
promovendo projectos e parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade

Esperemos que em relatórios posteriores, a avaliação seja, notoriamente, mais positiva e que contemple, por isso, o contributo das
Bibliotecas Escolares do Agrupamento Vertical de Escolas do Concelho de Aljustrel nessa melhoria.

Webliografia:

http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2008_DRA/AEE_08_Agr_Aljustrel_R.pdf

http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2008_DRA/AEE_08_Agr_Aljustrel_C.pdf

Aida Godinho
A.A. das BE - DREA – Turma 1