You are on page 1of 122

E-book digitalizado por: Marli Carpes

Com exclusividade para:
www.ebooksgospel.com.br/blog
ANTES DE LER
Estes e-books são disponibilizados gratuitamente, com a única finalidade de
oferecer leitura edificante à aqueles que não tem condições econômicas para
comprar.
e !oc" # financeiramente pri!ilegiado, então utilize nosso acer!o apenas
para a!aliação, e, se gostar, abençoe autores, editoras e li!rarias, adquirindo
os li!ros.
$ $ $ $
%e !oc" encontrar erros de ortografia durante a leitura deste e-book, !oc"
pode nos a&udar fazendo a re!isão do mesmo e nos en!iando.'
(recisamos de seu au)*lio para esta obra. +oa leitura,
E-books Evangélicos
0 Poder secreto do
JEJUM
e da
O R A Ç Ã O

M A H E S H C H A V D A
The Hildden Power Of Prayer And Fasting
Copyright (c) 1998 by estiny !"age P#blishers
P#blicado Original"ente por estiny !"age
$hippensb#rg% PA & '$A
Trad#()o*
+os, -eraldo Padilha
.e/is)o
Cleide das -ra(as Oli/eira
Todos os direitos reser/ados por 01A2'$
ho"e Ho"e* www3dyna"#s3co"3br
!"press)o e Acaba"ento * 4ditora 5et6nia
! 4di()o 7 +#lho de 8991
8 4di()o 7 2ar(o de 8998
.#a .a#l 2endes% :1 & Con;#nto 899 & Floresta
5elo Hori<onte% 2inas -erais
5rasil & =1391979=9
9>> =1 =:813881?
ados !nternacionais de Cataloga()o na P#blica()o (C!P)
($indicato 1acional dos 4ditores de @i/ros & .+% 5rasil)
C? 18p
Cha/da 2ahesh% 19:A7
O Poder $ecreto do +e;#" e da Ora()o B 2ahesssh Cha/daC
Trad#()o de* +os, -eraldo Padilha & 5elo Hori<onte
yna"#s% 89993
333p3 C e"
!$51 8?78898879179
Trad#()o de* The Hildden Power Of Prayer And Fasting3
1 Ora()o3 83 +e;#"3 !3 TDt#lo

C78:83=8
Apresentação
Este li!ro nos le!a a um profundo entendimento da necessidade
da oração constante- consel.o claro da (ala!ra de /eus em 0 1ess.
2345 6...7rai sem cessar...' 8 !erdadeira c.a!e para a !it9ria sobre
as circunst:ncias e as situações ad!ersas.
1amb#m compreendemos que atra!#s do &e&um mergul.amos
numa depend"ncia completa do en.or ;esus e nossos ou!idos se
abrem milagrosamente à !oz de /eus.
< leitura atenciosa trar= uma no!a postura, uma transformação
e a manifestação do poder de /eus sobre sua !ida e todos os que te
cercam. <pro!eite esta arma espiritual que /eus colocou em sua
mão.
>ue /eus te abençoe,
(astor ?iro 71=!io
0gre&a +atista
da @loresta
+elo Aorizonte



Recomendação
"Mahesh Chavda tem experimentado a graça de Deus através do
jejum numa maneira que tem produido muitos !rutos" Ele é um homem
que possui uma pro!unda paix#o e elo por $esus% e este amor o tem
motivado a buscar os lugares pro!undos do coraç#o de Deus" Mahesh
tem uma experi&ncia pessoal pro!unda nesta 'rea" (eus
conhecimentos ser#o inspiraç#o e instruç#o a muitos" Eu recomendo
este livro)"
Mike *ickle% +astor titular
Metro Christian ,ello-ship
"+oucos homens nestes dias de hoje t&m jejuado e orado com
tanta !req.&ncia quanto Mahesh Chavda tem% e colhido !rutos num
ministério t#o din/mico quanto o dele" Este livro o convidar' 0 novas
dimens1es com Deus""
$ohn 2rnott% +astor titular
3oronto 2irport4 Christian ,ello-ship

"3em sido um dos grandes privilégios conhecer e andar com
Mahesh Chavda por mais de 56 anos" 7 ministério e ensinamentos
dele v&m da realidade e da experi&ncia" Este livro é mais do que um
manual na 4teologia da oraç#o e do jejum4" 8oc& tem em suas m#o
s
uma dinamite carregada de poder espiritual que vem dos pioneiros
da idade moderna que t&m sido praticantes% e n#o somente ouvintes"
(ua !ome por Deus aumentar'% e seu apetite pelo mundo diminuir' ao
devorar este livro" 7 jejum se tornar' um deleite e n#o somente um
sacri!9cio:)
$im ;" <oll% ,undador
Ministr= to the >ations
Prefáco
Descobrindo 7 (oder ecreto do ;e&um e da 7ração, por
Mahesh Chavda% é apropriado e vem de encontro a uma grande
necessidade da ?greja hoje" Eu n#o conheço outra pessoa mais com-
petente para escrever um livro sobre jejum do que meu querido amigo
Mahesh Chavda"
Este livro é uma grande arma espiritual para crist#os com
seriedade que est#o cultivando um estilo de vida que inclui oraç#o e
jejum" Mahesh nos d' um entendimento pro!undo e pr'tico dos princ9pios
e motivaç#o !undamentais do jejum" (ua apresentaç#o é clara e l@cida"
(eus argumentos s#o pro!undos% porém transparentes% !aendo do livro
uma contribuiç#o v'lida para crist#os de todos precedentes"
De todo coraç#o eu recomendo este livro para todos que
querem seguir o exemplo do (enhor $esus Cristo quando Ele buscou a
!ace do +ai através de uma vida de jejum e oraç#o"
+aul Cain
Cidade de Aansas% Missouri"
!ntrod"ção
7 jejum era uma pr'tica crist# normal% mas durante a maioria
da minha experi&ncia crist#% tem estado 4!ora de moda4" Muitos
procuram soluç1es r'pidas e !'ceis para seus problemasB por
espiritualidade instant/nea sem que haja disciplina ou sacri!9cio"
3emos alimentos instant/neos% aprovaç#o de crédito instant/nea" C'
poucas coisas que nos !aem esperar hoje em dia" E além de
qualquer outra coisa que o jejum venha a ser% é também uma !orma
de espera D e uma espera incon!ort'vel" Ent#o% o jejum vai contra as
tend&ncias dos tempos"
3ambém vai contra a teologia de alguns" Ema ve ouvi um
pro!essor de teologia ensinar uma liç#o sobre jejum numa sala onde as
maiorias dos que estavam presentes também eram pro!essores" Ele
concluiu que o jejum era o @ltimo recurso para momentos de grandes
crises" Ele concluiu também que o jejuar !ora destes momentos
cr9ticos n#o era b9blico% e n#o traia nenhum resultado" >enhum dos
que estavam na sala questionaram essas conclus1es" 6 @nico que o
questionou !oi um pastor que n#o tinha o bene!9cio de uma educaç#o
num semin'rio% mas que jejuava !req.entemente" Contudo% ele n#o
tinha o mesmo n9vel para que pudesse discutir com os teFlogos t#o
so!isticados daquela sala" E para o al9vio da maioria% conclu9ram que
o jejum n#o passa de uma parte relevante da experi&ncia crist#"
Em certos lugares% o somente mencionar da palavra 4$e$um4
levanta mani!estaç1es e advert&ncias de 4legalidade4" (eja isto de
vido a abusos que ocorreram nas experi&ncias do passado% ou de-
vido a um desejo de se ter uma !orma de cristianismo que n#o
requer sacri!9ciosB eu n#o sei" Eu somente sei que a perda desta
pr'tica h9blica tem !eito com que a ?greja n#o des!rute da plenitude do
poder do Esp9rito (anto e da plenitude da intimidade com $esus% a
qual Deus deseja tanto que tenhamos"
2 oraç#o n#o tem sido melhor do que o jejum" Embora
reconheçamos a import/ncia da oraç#o% temos di!iculdade em orar
constantemente" 2 con!iss#o n@mero um que eu tenho ouvido de
crist#os que v#o 0 igreja ao longo dos meus G6 anos de ministério% é
que as pessoas n#o conseguem orar regularmente" H mais !'cil !aer
qualquer outra coisa do que orar" +ara o que n#o tem pr'tica% a
oraç#o parece ser a disciplina espiritual mais !raca" 2 ajuda que ela
o!erece é geralmente usada quando todas as outras tentativas !alharam"
Existem sinais que parecem indicar a volta do jejum e da oraç#o"
<randes l9deres est#o chamando a ?greja para orar e jejuar pelo
avivamentoB e a ?greja tem começado a responder" Estou !eli em
poder recomendar o novo livro de Mahesh Chavda" 7 valor deste
livro n#o est' nos conselhos s'bios que ele o!erece em como orar e
jejuarB nem no motivo pelo qual devemos jejuar e orarB ou em
como evitar oraç1es e jejuns legal9sticosB nem mesmo nas descri-
ç1es detalhadas dos seus bene!9cios" 7 verdadeiro poder do livro é
que ele !oi escrito por alguém que durante a maioria de sua vida
crist#% orou e jejuou" +ela graça de Deus% Mahesh Chavda tem
experimentado o poder que vem de uma vida de oraç#o e jejum% e ao
mesmo tempo tem evitado tentaç1es de legalidade e orgulho
espiritual que sempre atacam aqueles que jejuam e oram" 2lgumas
das histFrias supernaturais neste livro desa!iar#o o leitor% e alguns
ter#o di!iculdade em acreditar" Mas se o testemunho da histFria da
?greja puder receber crédito% aqueles que oram e jejuam receber#o
respostas supernaturais 0s suas oraç1es" Este é também o
testemunho da *9blia" +orque !icar9amos surpresos com as coisas
maravilhosas que acontecem quando obedecemos 0 DeusI
E aqui repousa o verdadeiro valor destas p'ginas" Elas s#o
uma prova verdadeira da jornada de um homem com Deus% relatada
de uma maneira que nos encoraja a !aer o que Deus quer que !aça-
mos"
$ack Deire
Evangelical ,oundation Ministries
S"máro
Cap9tulo Em
Jual é a soluç#o para (tevieI
Cap9tulo Dois
$esus% o nosso maior Exemplo
Cap9tulo 3r&s
2s trans!ormaç1es e os bene!9cios do jejum
Cap9tulo Juatro
Jual é a naturea de seu ministérioI
Cap9tulo Cinco
CumildadeK a posiç#o de triun!o
Cap9tulo (eis
Duas causas de acidentes no ministério
Cap9tulo (ete
,lechas de dor% !lechas de triun!o
Cap9tulo 7ito
7s pioneiros da oraç#o e do jejum
Cap9tulo >ove
7raç#o corporativa e o avivamento do tempo do !im
Cap9tulo De
Como liberar a unç#o apostFlica
Cap#t"$o %
&UA' ( A SO'UÇÃO PARA S)EV!E*
>o in9cio de minha caminhada com o (enhor% !ui trabalhar em
um hospital para crianças com de!ici&ncia mental na cidade de Lubbock%
3exas" 2ssim como $esus !oi levado pelo Esp9rito ao deserto% eu
também !ui impelido em meu prFprio deserto no 3exasB e este deserto
era aquela entidade p@blica para crianças com sérios dist@rbios
mentais" 2quele era um dos lugares mais tr'gicos que eu poderia ter
escolhido para trabalhar"
7s meus dias eram repletos de dolorosas horas de relacio-
namentos com crianças emocional e !isicamente !eridas numa at-
mos!era tomada pelos mais !étidos odores que alguém possa ima-
ginar" 2s crianças com as quais eu trabalhava n#o possu9am controle
das !unç1es intestinais" Muitas das vees elas se lambuavam com os
prFprios excrementos% as portas ou até mesmo quem estivesse por
perto" Eu !req.entemente orava% "(enhor é este o (eu propFsitoI 7
(enhor realmente me trouxe até aquiI)"
2quele lugar em Lubbock% 3exas% !oi minha escola particular em
meu aprendiado sobre o Esp9rito (anto% pois% em meio a toda
aquela pen@ria% compreendi que o (enhor havia me levado para
aquele lugar% segundo a (ua soberana vontade a !im de ensinar-me
sobre a (ua maravilhosa pessoa" 2li's% a maioria dos princ9pios que
eu uso em meu ministério hoje aprendi naquele lugar"
Existiam naquele prédio centenas de pequeninos" 2 maioria
deles tinha sido jogada ali ou simplesmente descartada pelos seus
prFprios pais"Embora eles estivessem sob a tutela do governo% na
realidade% el es n#o passavam de pequenos ! r agment os
humanos% i gnor ados e indesejados por todos" 7 (enhor% no entanto%
me lembrou as (uas palavras em ?sa9as MNKOPK 6(ode uma mul.er
esquecer-se do fil.o que ainda mama, de modo que não se compadeça
do fil.o do seu !entreB Cas ainda que esta se esqueça, eu, toda!ia, não
me esquecerei de ti'.7 en.or continuou dizendo3 6Eu quero que !oc"
!= e ame estes pequeninos e se&a o Ceu embai)ador do amor'.Mediante
essas palavras% n#o restava outra alternativa a n#o ser obedecer"
>as primeiras nove horas de meu turno% trabalhava com o
ambulatFrio in!antil" Esta era a ala das crianças incapacitadas de andar"
+osteriormente% me ocupava com a ala n#o-ambulatorial para trabalhar
com beb&s portadores de leves dist@rbios cerebrais" Muitas destas
crianças eram nascidas de m#es viciadas em hero9na e outras ca9ram ali
apFs terem sido brutalmente espancadas e !eridas por seus pais% em
momentos de raiva ou quando em estado de del9rio alcoFlico" Estes
pequeninos ocupavam os berços% até serem trans!eridos para camas"
<eralmente% sentado em uma cadeira de balanço% eu costumava
tom'-las em meus braços e as embalava% enquanto orava em l9nguas
Qminha linguagem de oraç#o em Esp9ritoR" Eu tinha certea de que $esus
as amava e que certamente Ele colocara este sentimento dentro de mim"
Era como se $esus tivesse tirado um pedaço de (eu coraç#o e colocado
dentro do meu" Como eu amava aqueles pequeninos:
O Sen+or começo" a c"rá,$as
De repente% comecei a perceber que aquelas crianças que
supostamente nunca andariam% estavam andando" Ema menina% cujo
prontu'rio médico diia que ela tinha nascido cega% começou a enxergar
e a reagir: 3odas as vees que entrava em seu quarto% embora
procurasse n#o !aer nenhum barulho% ela sempre se virava e olhava para
mim estendendo suas m#oinhas" 7h: Jue realidade tremenda: 7 (enhor
começara a curar aquelas crianças"
+or aquele tempo !ui designado para trabalhar num projeto que
chamei de "Es!orço para 2dequaç#o +sicolFgica" que tinha como objetivo
ministrar% a alguns garotos% técnicas de modi!icaç#o comportamental" 3ais
técnicas eram designadas para ensinar jovens com OP a OS anos a
amarrar os cadarços ou ir ao banheiro soinhos"
Eu jamais esquecerei o dia em que conheci um jovem de OS anos
naquele grupo% a quem chamarei de "(tevie"" Ele so!ria da (9ndrome de
Do-n% retardamento mental% um tipo com reduç#o dr'stica da
capacidade intelectuais e certas de!ormaç1es !9sicas" (tevie era a!ligido
por outro mal ainda pior" Constantemente tinha crises% durante as quais
era acometido de um sentimento de autodestruiç#o e batia no prFprio
rosto"
Esta equipe de psicFlogos conseguiu permiss#o das autoridades
texanas para administrar terapia de choque elétrico em (tevie durante seis
meses" Este procedimento era chamado de "operaç#o negativa de
condicionamento"% e tinha como objetivo modi!icar o comportamento de
(tevie aplicando-lhe choques elétricos% sempre que ele começasse a se
!erir"
Durante aquele per9odo% os psicFlogos !ieram um gr'!ico de seu
comportamento e observaram que% ao contr'rio da melhora esperada% o
seu quadro havia se agravado ainda mais" 3ive a oportunidade de ver
aquele gr'!ico e perceber que realmente% a aplicaç#o de choque o havia
piorado ao invés de melhor'-lo" 2 !isionomia do garoto tornou-se péssima"
2 pele de seu rosto cheia de !eridas in!lamada parecia mais um couro
seco de jacaré% devido aos !erimentos constantes que ele !aia em si
mesmo"
>#o vislumbrando outra soluç#o para o problema% por !im% os
atendentes amarraram os braços de (tevie% de maneira que ele n#o
podia alcançar o seu rosto"
6 problema agora era outroK os garotos de seu dormitFrio%uma
ve percebendo que as m#os de (tevie estavam amarradas para
baixo% criaram uma nova brincadeiraK corriam atr's de (tevie a
empurr'-lo com !orça% até que ele perdesse totalmente o equil9brio e
ca9sse" (tevie n#o podia mais instintivamente proteger seu rosto%
por causa das ataduras que prendiam os seus braços" +or isto%
todas as vees que os meninos brincavam% (tevie sempre caia
brutalmente com o seu rosto em terra% sem conseguir se proteger ou
amortecer a queda"
&"a$ era a so$"ção para Ste-e*
>a maioria das vees o encontr'vamos com o nari% l'bios e
boca esguichando sangue" Em qualquer momento que o encon-
trasse% (tevie era sempre capa de sentir o amor de Deus !luindo de
mim e geralmente% reclinava sua cabeça sobre o meu ombro e se
desmanchava em prantos:
,inalmente% oreiK "(enhor% uma ve o (enhor me disse que havia
me enviado a este lugar para amar essas crianças" +ortanto% qual é a
soluç#o para (tevieI"
Claramente% eu ouvi a vo do Esp9rito (anto me diendoK 6Esta
casta de demônio não sai a não ser com &e&um e oração'. Embora este
vers9culo possa parecer bem !amiliar para voc&% ele soava como
algo completamente novo em meu esp9rito naquele momento" Eu
havia estudado por quatro anos em uma !aculdade e me bacharelado
em 3eologia% no entanto% eu nem sequer sabia que o Esp9rito (anto
tinha citado uma passagem da *9blia% que se encontra em Mateus
OTK5O:
Ema outra quest#o que eu tinha deixado de aprender durante
os meus quatro anos de (emin'rio era a quest#o do jejum" Eu disseK
"$ejum D !icar sem comida ou bebidaI" 2 partir daquele exato
momento eu n#o comi nem bebi nada mais e descobri que% quando nos
abstemos de comida% geralmente sonhamos com !rango% batatas
!ritas e deliciosos bi!es" Eu também n#o tinha consci&ncia de que%
quando !icamos sem 'gua% as nossas prioridades mudam"
>o terceiro dia de meu jejum eu comecei% por exemplo% invejar
as pessoas quando as ouvia lavar as m#os na pia do banheiro" Ema
ve% quando uma pessoa saiu do banheiro% eu lhe disseK U8oc& sabia
que esta 'gua poderia ser boa para beberI" 7 rapa% con!uso%
respondeuK "Desculpe-me% mas eu n#o entendi)"+ercebendo a
insensate das minhas prFprias palavras% eu logo respondiK "7h% nada%
esqueça:)"
A.ora/ ore por Ste-e0
>o quarto dia% o (enhor me disseK "2gora voc& pode
beber)"Ent#o comecei a beber 'gua" >o entanto% apenas comecei a
me alimentar no décimo quarto dia e ent#o o (enhor me disseK
"2gora% ore por (tevie)"
Juando cheguei naquele dia% tomei (tevie e o levei para o
meu pequeno escritFrio% e lhe disseK "(tevie% eu sei que a sua mente
talve n#o entenda o que estou diendo% mas o seu esp9rito é
eterno" Eu quero te dier que eu sou servo do (enhor $esus Cristo que
estou aqui para pregar as *oas >ovas a voc&" 3ambém quero que
voc& saiba que $esus Cristo veio traer liberdade aos cativos)"
Cavendo lhe !alado estas palavras% eu continuei diendoK
U
Em
nome de $esus Cristo% eu te ordeno agora% esp9rito de auto destru9-
ç#oK 4Deixe esta vida em pa:) V De repente% aquele rapa !oi como
que arremessado% a quase dois metros de dist/ncia" Juando (tevie
atingiu a parede% seu corpo !oi elevado cerca de G6 cent9metros acima
do piso e% caindo novamente% soltou um longo gemido% !icando ali
mesmo prostrado" ?mediatamente comecei a sentir um terr9vel cheiro
de ovos "podres" e enxo!re queimado enchendo aquele recinto% mas
que aos poucos !oi desvanecendo"
Corri% ent#o% rapidamente para (tevie% o tomei em meus
braços e tirei as ataduras que haviam sido colocadas em seus bra-
çosB enquanto isso% os seus olhos me !itavam com medo" +ercebendo
que podia dobrar os braços% começou a tocar carinhosamente o seu
rosto% a sentir os seus olhos% nari e orelhas" Ent#o% pro!undamente
emocionado% começou a soluçar"
2quele atormentado jovem% pela primeira ve na vida% percebeu
que n#o estava tendo a compuls#o de se !erir% pelo contr'rioB ele era
capa de a!agar o seu prFprio rosto% e a partir de ent#o ter a certea
que !ora totalmente liberto: D >aquele inesquec9vel momento% o
(enhor revelou-me qu#o poderosa arma ele havia nos dado para
destruir !ortaleas e traer liberdade aos cativos" Dentro de poucos
meses% todas as !eridas no rosto de (tevie haviam desaparecido% porque
ele parara de se !erir"
(inceramente% voc& est' lendo este livro por causa de (tevie" Eu
agradeço a Deus por este jovem e a maneira como o (enhor usou
aquela terr9vel situaç#o para me comunicar esta verdade divina que
estarei comunicando a voc&% caro leitor"
7 milagre que nos coloca juntos nas p'ginas deste livro%
realmente começou muito antes% ou melhor% em ONS5% no meu décimo-
sexto ano de vida% no leste da W!rica% em um pa9s chamado A&nia" Eu
!ui criado em uma devota !am9lia hindu e o meu destino j' estava
traçado de acordo com a reputaç#o das tradiç1es indianasK +or ser
!ilho de um hindu% descendente de alta casta militar% !ui versado nos
escritos sagrados do hindu9smo e treinado para ser um l9der"
Desde minha mais tenra in!/ncia% me ensinaram o mais importante
princ9pio da nossa religi#oK "*usque a verdade"" E% obedientemente%
sempre procurei pela verdade" Meus pais eram indianos% mas na
verdade nasci e !ui criado no A&nia e% embora tenha perdido meu pai
com apenas cinco anos de idade% eu ainda era membro de uma
privilegiada classe de guerreiros de casta elevada no mundo hindu"
2 minha diligente procura pela verdade tomou% de repente% uma
nova direç#o em um dia quente em ONS5% quando a esposa de um
mission'rio batista veio trabalhar com algumas crianças nos
arredores de nossa casa" +or ra1es que somente Deus conhece%
essa gentil senhora texana !oi guiada a bater na porta de uma devota
!am9lia hindu para pedir um copo de 'gua" Coincidentemente% eu
estava l'"
2tendi a porta e% depois de servir-lhe o copo com 'gua% ela me
deu em troca uma *9blia" Q>#o sab9amos% mas aquela simples troca
da 'gua pela +alavra redundaria na convers#o de T66"666 pessoas
ao (enhor $esus Cristo nos anos que se sucederiam" Xs vees% n#o
entendemos% mas o nosso mais insigni!icante gesto de obedi&ncia pode
se destinar a propFsitos que nunca imaginar9amosR"
Comecei a ler a *9blia porque% claro% estava buscando a
verdade" Este livro trouxe-me o conhecimento da !igura mais es-
tranha que eu j' li" 7 seu nome era $esus Cristo" Como alguém que
sempre procurou a verdade% !ui cativado pelas incr9veis palavras
deste ComemK 6E con.ecereis a !erdade e a !erdade !os liberta-
r=”.Eu disse para mim mesmoK "H isso mesmo% est' certo"" e acabei
lendo todo o livro de $o#o"
Juando examinava a passagem onde $esus disseK 6Eu sou o
camin.o, a !erdade e a !ida, ningu#m !em ao pai senão por
mim6, em $o#o OMKS% as escamas da cegueira ca9ram dos olhos
daquele !errenho guerreiro hindu de alta casta e t#o orgulhoso de
suas traduç1es" Estive sempre em busca da verdade e% de
repente% entendi que $esus Cristo era% e é% a 8erdade" 3odavia%
apesar daquela maravilhosa revelaç#o% eu n#o 7 recebi como meu
(enhor e (alvador imediatamente"
O preço era m"to a$to
2pesar da revelaç#o que tinha obtido ao ler as Escrituras% eu
me debatia interiormente sobre a quest#o de me tornar um crist#o%
pois tal decis#o em minha vida era muito séria e demandava um
preço que para mim parecia muito alto" (e ousasse con!essar a
Cristo% sabia que seria rejeitados por toda a minha !am9lia% incluindo
a minha m#e% minhas irm#s e irm#os" (em d@vida% perderia também
toda posiç#o e regalias que possu9a no mundo hindu" 2li's% até onde
eu tenho conhecimento% eu seria a primeira pessoa de minha casta a
virar as costas para a !é hindu" ,inalmente% eu disse para mim
mesmoK "Eu n#o vou mais ler a *9blia" Eu n#o quero mais nem
pensar em $esus Cristo)"
Em meio 0s minhas cogitaç1es% de repente% ca9 em sono
pro!undo" ,oi tudo t#o estranho: Eu n#o havia recebido nenhuma
pancada na cabeça ou tomado algum son9!ero no entanto% n#o podia
resistir ao sono" 2quele acontecimento era algo !ora do comum"
?nstintivamente minha cabeça se inclinou sobre a mesa e !ui
instant/neamente em esp9rito para um lugar que eu nunca havia
estado antes" Eu estava andando em ruas de ouro e ouvia as mais
lindas e harmoniosas voes cantando canç1es que nunca tinha
ouvido antes" Eu estava em per!eito "&xtase" Qcomo diria um hindu:R"
Existia tremenda belea e per!eiç#o ao redor de mim% porém
tudo aquilo se tornou insigni!icante quando eu vi a !onte de
toda a per!eiç#o e belea andando em minha direç#o" Eu vi uma
lu que brilhava mais que de mil vees do que o sol% no entanto%
toda aquela luminosidade n#o queimava os meus olhos" Ele vinha
em minha direç#o e n#o sei como explicar% mas tinha certea que
aquela pessoa maravilhosa era $esus" Eu jamais esquecerei a belea
de (eus olhos e a pro!undidade de (eu olhar" Era como que se
Ele tivesse sentido toda a dor do mundo% derramada toda a l'grima
que j' !ora derramado na terra" 7 amor puro emanava de (eus olhos em
per!eita combinaç#o de vitFria e triun!o""" Ent#o Ele chegou e colocou
(uas m#os em meus ombros e docemente me disseK "Meu
irm#oinho""""
De repente acordei e descobri que a *9blia a mim o!erecida por
aquela gentil senhora batista% estava aberta no evangelho de
Mateus naquela passagem que $esus conversava com o jovem rico"
$esus disse a eleK 6e !oc" quiser ser perfeito, !=, !enda tudo o que
!oc" tem e d" aos pobres e ter=s um tesouro no c#u. Então !em e
segue-me'.2quele jovem porém ouvindo esta palavra retirou-se triste%
porque possu9a muitas propriedades"" Ent#o $esus disse aos disc9pulosK
6Em !erdade !os digo que # dif*cil entrar um rico no reino dos c#us'.
Eu cuidadosamente li aquela passagem e observei que aquele
jovem rico que havia encontrado com $esus% acabou indo embora por
exatamente pensar que o preço era muito alto" >este momento% o
(enhor disse ao meu coraç#o as seguintes palavrasK "8oc& também
vai para o mesmo caminho deste jovemI"- ">#o% (enhor"" - respondi
imediatamente e recebi o (enhor $esus como o meu (alvador%
quebrando assim in@meras geraç1es de rigorosa tradiç#o religiosa e
extrema !idelidade ao hindu9smo"
2nos depois% mudei do leste da W!rica para os Estados Enidos%onde
o (enhor proporcionou-me esta gloriosa experi&ncia com (tevie"
Estudei em uma Eniversidade Crist#% obtendo o grau de bacharel em
3eologia% depois parti para uma Eniversidade secular"
+osteriormente intentava alcançar o meu +"C"D" em Literatura"
Con!esso que estava muito orgulhoso de minha intelig&ncia"
Em meio a minha diligente busca de minha realiaç#o intelectual
e valoriaç#o prFpria através de cursos de graduaç#o% recebi noticias
que minha m#e estava morrendo de c/ncer em Londres Qpara onde
toda a minha !am9lia havia se mudadoR% que lhe havia acometido
ossos" 7s médicos lhe davam apenas algumas semanas de vida pois
ela tinha uma !orma intrat'vel de c/ncer nos ossos que estava
comendo o seu corpo"
E" precsa-a r ao f"ndo do poço
Eu n#o vislumbrava respostas para meus dilemas e% muito
menos% para minha m#e" >o entanto ela estava morrendo e cha-
mando por mim" Eu era apenas um pobre estudante no 3exas sem a
m9nima condiç#o !inanceira para ir 0 ?nglaterra" Estava simplesmente
quebrado" Eu havia chegado ao !im do poçoB tudo o que eu podia
!aer era chorar incontrolavelmente" ,inalmente% depois de tr&s dias
de l'grimas e so!rimentos% tive uma excepcional experi&ncia na
terceira noite"
>ovamente aquela vis#o" ,ui tomado em sono pro!undo e
levado para aquele mesmo lugar% onde% anos atr's% tinha visto ruas
de ouro" Desta ve eu me encontrava em lugar gramado prostrado
aos pés de $esus% contemplando a (ua !ace e o adorando com um
c/ntico" Mais uma ve o (enhor colocou as (uas m#os sobre os
meus ombros e eu estava surpreso em constatar que 7 louvava
com um c/ntico em uma l9ngua que eu n#o podia entender" Ent#o
acordei e% no meu 9ntimo% sabia que alguma coisa havia acontecido
no mundo espiritual" (enti um grande desejo de orar e apenas disseK
"(enhor $esus"" >aquele momento% um !orte vento entrou pelo
o meu quarto e% imediatamente% comecei a sentir alguma coisa
borbulhando dentro de mim" Juando tentei abrir a minha boca% uma
canç#o saiu da minha boca em uma l9ngua desconhecida" >este
momento% a minha parte intelectual disseK "7h% isso é muito
estranho:"B porém o resto de meu ser parecia dierK "?sso pode parecer
estranho% mas é a melhor experi&ncia que j' tive em minha vida""
Mesmo sem entender uma palavra% continuei cantando aquela
estranha e doce canç#o por uma hora e meia" 2 @nica pessoa
espiritual que conhecia naquela época era uma senhora que eu havia
encontrado na ,aculdade" Eu simplesmente n#o podia esperar
para compartilhar com alguém sobre o que tinha acontecido comigo%
ent#o !ui correndo me encontrar com a irm# Marsha" Juando a vi% !ui
logo diendoK "?rm# Marsha% deixe-me dier o que aconteceu comigo
hoje:" Depois de contar-lhe acerca de minha experi&ncia% lhe
perguntei preocupadoK "Eu estou !icando doidoI" D $amais esquecerei a
sua resposta" Ela colocou seus livros sobre a mesa% olhou para mim
e com regoijo em sua vo me disseK "Louve ao (enhor% meu irm#o"
8oc& !oi batiado no Esp9rito (anto)"
7 Esp9rito (anto se tornou muito real em minha vida a partir
daquele dia" Ele começou a !alar comigo e logo descobri que Ele é
uma pessoa" Ele me disseK 6;esus # o mesmo ontem, o mesmo .o&e e o
ser= para sempre'.Eu ainda n#o tinha lido estas palavras em Cebreus
OG-Y% ent#o eu disseK "EhI" Ele respondeuK 6;esus # o mesmo ontem,
.o&e, e para sempre. 6
Ore pe$a s"a mãe1
E mais uma ve o (enhor !alouK 6;esus # o mesmo ontem, .o&e e
eternamente'.,inalmente orei e disseK "(enhor% o que est' tentando me
dierI" Ele disseK "$esus curou a 5"666 anos atr's e Ele ainda cura
hoje"" Ent#o disseK "7 que o (enhor quer !alar-me com essas
palavrasI"- >este instante o Esp9rito docemente me disseK "7re pela
sua m#e:"
*om% diante de t#o grandioso comando% me prostrei para unir
como me !ora dito" 2lguns dias mais tarde recebi as boas novas
que minha m#e havia sido totalmente curada de sua en!ermidade
terminal: Depois de sua cura ela ainda viveu vinte quatro anos%
tendo ainda a oportunidade de receber Cristo como seu (alvador
antes morrer"
2pFs esta maravilhosa experi&ncia de batismo% o Esp9rito (anto
começou a conduir todo o meu viver" >este per9odo% o (enhor
impulsionou-me a trabalhar em Lubbock% 3exas% onde encontrei
(tevie e muitas outras crianças preciosas e necessitadas do amor de
Deus" 2 verdade sobre o jejum que aprendi naquele lugar se tornou
uma palavra viva e cortante em meu viver e isto aconteceu acerca
de um quarto de século atr's" Comecei a jejuar uma ve por semana
em ONTO"
Em ONT5% jejuava tr&s vees por semana e depois per9odos de
sete e quatore dias consecutivos" Durante o ano de ONTG% !ui conduido
a jejuar v'rios per9odos de T e OM dias consecutivos sempre
dependendo das instruç1es do (enhor Qrecomendo consultar um
médico antes de entrar em um propFsito de jejum% especialmente em
caso de gravide ou estando sob tratamento médicoR"
Entre a.ora no prop2sto de dos per#odos de 34 das de
5e5"m1
>o ano de ONTM% pastoreando uma igreja em Levelland%
3exas% o (enhor conduiu-me a entrar num per9odo de M6 dias de
jejum" $ejuei% portanto% por M6 dias e des!rutei de muita graça do
(enhor" >o ano seguinte% mais uma ve o (enhor impulsionou-me a
observar um per9odo de M6 dias de $ejum e posteriormente% v'rios
per9odos de OM e 5O dias consecutivos" >o ano de ONTS% casei com
*onnie" >aquele mesmo ano% o (enhor % mais uma ve% me
conduiu ao jejum" 3odavia% desta ve% a direç#o era para dois
per9odos de M6 dias" >os anos que se seguiram% estive sempre
com o propFsito de dois per9odos de M6 dias de jejum por ano e
pelo menos dois per9odos de 5O dias"
Em ONTT% !ui conduido novamente pelo Esp9rito a outros dois
per9odos de M6 dias de jejum" Desta ve porém% adicionei mais
alguns dias de acordo com as impress1es espec9!icas que recebia do
Esp9rito" >os anos seguintes segui este procedimento até o ano de
ONYY" Em ONYN% todavia% a direç#o do Esp9rito era o propFsito de apenas
um per9odo de M6 dias de jejum" 2o todo% o Esp9rito me guiou
a 5N per9odos de M6 dias de jejum% sendo que nas primeiras ON
vees me limitei a tomar somente 'gua e nos seguintes o (enhor me
permitira tomar sucos" (egundo minha esposa% contando todo este
tempo% eu jejuei uma média de O56 dias por ano desde o in9cio de
meu ministério"
>a verdade% eu n#o entendia completamente o que o (e-
nhor !aia naqueles dias% mas tinha certea que 7 amava" 3inha
certea também que Ele me conduira a orar e jejuar por (eu povo" 6
meu @nico objetivo era obedec&-Lo" 3odos que me conheciam ou
estavam intimamente associados comigo como pastor ou l9der
sabiam acerca dos meus per9odos de jejuns" +orém% por mais de
uma década eu n#o !ui permitido pelo (enhor anunciar% explicar ou
ensinar sobre a minha vida de jejum nas reuni1es p@blicas" Ele estava
!aendo um trabalho secreto e apenas recentemente% segundo o seu
expresso comando% compartilhamos abertamente sobre esta
pr'tica legada 0 sua igreja pelo (enhor $esus" 7 !a&-lo em secreto%
parece-me ser a !orma de jejuar na maioria das vees"
6em todo m"ndo entende"
Zapidamente descobri que nem todo mundo entendeu ou
aceitou o que eu estava !aendo" 2lguns me acusaram de me
comportar como um !an'ticoB outros simplesmente pensaram que eu
havia me tornado muito religioso" 7 meu pior cr9tico diia que eu estava
buscando a minha prFpria justiça" 3enho que admitir que aquelas
censuras e mal entendimentos !oram muito dolorosos"3odavia% estava
convicto que quando ouvimos a vo do (enhor precisamos obedec&-la"
+ortanto% 0s vees% é inevit'vel que a nossa total obedi&ncia
a imperativos divinos criem oposiç#o% mesmo entre os irm#os" Muitas
das vees também este mal é causado pelo inimigo de nossas almas%
que agir' de alguma !orma para levantar oposiç#o contra toda e
qualquer atividade que venha representar ameaça ao seu império das
trevas" Meu querido irm#o% quando voc& estiver em guerra espiritual
através de oraç#o% louvor% adoraç#o e jejum% posso garantir que o
inimigo insurgir' com di!iculdades e obst'culos espirituais no seu
caminho"
>os anos e décadas que se passaram% desde que Deus me
revelara o poder secreto do jejum% através da libertaç#o de (tevie%
esta revelaç#o se tornou uma palavra viva e !undamento em minha
vida e ministério em Cristo" 2gora% entendo que Deus me tem or-
denado a restaurar esta verdade acerca da pr'tica do jejum na igreja
nestes @ltimos dias" 7 jejum !oi um aspecto importante na vida da
?greja neotestament'ria assim como o é na ?greja destes @ltimos
dias" 7 (enhor com certea conduiu-me a 5N per9odos de jejum
para !aer-me conhecedor desta verdade !undamental% pois n#o
podemos comunicar nenhuma verdade espiritual% a menos que esta
seja uma realidade concreta em nossas vidas"
,oi h' apenas de anos atr's o (enhor me disseK "2gora que
voc& tem esta verdade em seu coraç#o% Eu te dou autoridade para
repartir com a ?greja nestes @ltimos dias% para homens e mulheres
que estar#o realiando a minha obra"" >este mesmo instante em que
escrevo estas palavras% sinto o cumprimento do propFsito de algo
eterno" Este livro é parte do !ruto da semente semeada durante
todos aqueles anos de obscuridade quando tudo que sabia era que eu
estava obedecendo a palavra vinda do 3rono"
Deus talve% nunca te pedir' para estar jejuando durante M6
dias Qse Ele o !ier% voc& ser' capa de !a&-lo por meio de (ua
graçaR% no entanto um !ato é incontest'velK como membros da ?greja
de Cristo% Deus espera que cada um de nFs observe a necessidade da
pr'tica do jejum em nosso viver di'rio" ?sto é na verdade% uma parte
indispens'vel de nossas vidas como membros da vinha do (enhor e
da gloriosa >oiva% além de ser também um estilo de vida segundo o
nosso modelo maior de vida% Cristo"
Cap#t"$o 7
JESUS/ 4 6OSSO MA!OR E8EMP'O
$esus trans!ormou a vida de (eus disc9pulos quando% pouco depois
de (ua ressurreiç#o% apareceu a eles no exato momento em que se
encontravam lacrados entre quatro paredes% desmanchando-se de
medo" Ele disse a elesK 6<ssim como o pai me en!iou, eu !os en!io a
!9s'.Q$o 56K5ObR +re!erimos pensar que esta passagem é realmente
maravilhosa para ser lida% ao invés de procurarmos ser tocados pelo
o seu signi!icado real D ou seja% um insond'vel chamado a segui-Lo e
alcançar o mundo com as *oas >ovas de (eu Evangelho"
6?omo o pai me en!iou, eu tamb#m !os en!io a !9s. Q$o 56K5ObR
Esta é a gloriosa palavra do (enhor para todo disc9pulo que
esteja disposto a ouvir a (ua vo" 8oc& é um disc9pulo de $esusI D
8oc& deseja ser (eu disc9puloI D Ent#o repita agora comigo onde
voc& estiverK "Como o +ai enviou $esus% Ele também est' me
enviando:" 7 (enhor $esus é o nosso maior exemplo de vida% !é e
mi ni stéri o" De acordo com (ua pal avra% voc& e eu somos
comissionados e ungidos para seguir os (eus passos como "enviados"
ao mundo"
Xs vees !ico um pouco irritado com pessoas que n#o t&m a
completa vis#o do amor de Deus aos perdidos" H imposs9vel% ao
lermos as Escrituras (agradas% n#o captarmos a vastid#o de (eu amor
ao homem ca9do" Juando !alamos em alcançar as naç1es e salvar
centenas de milhares de vidas em nome de $esus% elas geralmente
diemK "?sto é um absurdo: 8oc& n#o est' sendo pr'tico ou sensato)"
Estou convencido de que estas palavras teriam soado ainda mais
absurdas e n#o muito pr'ticas se $esus as tivesse pro!erido 0queles
medrosos disc9pulos escondidos naquele lugar" 3alve estas poderiam
ter sido as (uas palavras 0queles homensK "8oc&s v#o trans!ormar o
mundo e re!aer sua histFria" ?sto mesmo% até mesmo a histFria do
?mpério Zomano e das naç1es gentias% acerca das quais voc&s nem
ouviram !alar)"Com certea% se o (enhor tivesse lhes !eito este
comunicado% isto soaria muito longe da realidade deles% mas na
verdade !oi exatamente isso que aconteceu apFs o estabelecimento da
?greja" 7 !ato # que o (enhor os enviara e nos envia da mesma !orma
que o +ai o enviou" 2lgum tempo apFs aquele important9ssimo
encontro entre o Zessurreto (enhor e (eus !r'geis disc9pulos% um
exército ungido se levantou e seguiu adiante cheio do Esp9rito (anto"
Este grandioso exército se movia implacavelmente de cidade em cidade%
de naç#o em naç#o" Eles proclamavam o evangelho do Zeino que
mudava o destino da humanidade e trans!ormava vidas onde quer
que !ossem" 2quele exército est' se levantando novamente em nossos
dias:
$esus !oi enviado para realiar uma obra" Ele% como o nosso
Mestre% nos concedeu a mesma vis#o% autoridade e responsabi-
lidade: >o momento em que recebemos as *oas >ovas de $esus em
nossas vidas% !omos instantaneamente !eitos novas criaturas e
"trans!ormadores sobrenaturais" da histFria" +odemos% sem sombra
de d@vida mudar o destino de nossa igreja% nossa cidade% nosso pa9s e
até mesmo outras naç1es ao nosso redor através de nossa
obedi&ncia 0 vis#o celestial a nFs revelada pelo (enhor $esus" +ara
isto vamos precisar do poder de Deus" 7 segredo deste poder para a
realiaç#o de (ua obra encontramos em (ua prFpria +alavraK
6Em !erdade, em !erdade !os digo que aquele que cr" em
mim tamb#m far= as obras que eu faço. E as far= maiores do que
estas, porque eu !ou para o (ai. E farei tudo que pedirdes em meu
nome, para que o (ai se&a glorificado no fil.o.
Q$o OMK O5KOGR
De uma coisa podemos estar certosB o (enhor n#o limitou esta
declaraç#o somente para aqueles que creram >ele no primeiro
(éculo% para (eus apFstolos ou aos judeus ortodoxos" Em outras
palavras% n#o importa em qual século voc& esteja vivendo% pois a
@nica condiç#o necess'ria para !aer as mesmas obras que Ele !eB
ainda é a mesmaK "(implesmente crer >ele""
Eu% sinceramente% louvo a Deus pela vida de nosso querido
irm#o *ill= <raham% por Charles ,inne=% $ohn ;esle=% Martin Luther
Aing e tantos outros intrépidos no (enhor% todavia eles n#o s#o o
padr#o% o qual devemos almejar" Esta honra esta reservada somente
para o nosso (enhor e (alvador $esus Cristo" 3enho certea de que
estes homens concordariam comigo" 7 meu maior desejo nestas
p'ginas é !a&-lo ver com a maior clarea poss9vel o exemplo que
temos para ser imitado em Cristo $esus% tanto em vida% quanto em
chamado e ministério"
Oc"$to do m"ndo
Embora $esus Cristo tivesse investido tr&s longos anos de (ua
vida treinando% revelando-(e% instruindo e dando aos disc9pulos% aqueles
homens que o haviam acompanhado t#o de perto !icaram desalenta-
dos quando Ele !oi cruci!icado" Eles enterraram o seu l9der% e com Ele%os
seus sonhos" 2 esperança deles parece ter sido selada na tumba com
o corpo de $esus" 7 problema% na verdade% era que eles n#o podiam
entender o que realmente estava acontecendo no dom9nio espiritual"
Eles também n#o tinham a m9nima idéia que estavam destinados a
desempenhar um papel sobrenatural no estabelecimento da ?greja que
é% igualmente% sobrenatural" 7 Mestre na verdade ainda n#o tinha
terminado o (eu trabalhoK "Chegando à tarde daquele dia, o primeiro
da semana, e estando cerradas as portas do lugar onde esta!am os
disc*pulos, com medo dos &udeus, c.egou ;esus, pôs-se no meio e l.es
disse3 6(az se&a con!osco,6 Q$o 56KONR
*om% n#o sejamos t#o apressados em julgar aqueles pobres
homens pelo !ato de terem se escondido do mundo l' !ora" >Fs% na
verdade% estamos nesta mesma situaç#o: 2 ?greja em nossos dias%
em sua maioria% est' se ocultando das pessoas !eridas e desalenta-
das deste mundo" ?n!elimente% este isolamento tem se perpetuado
século apFs século" Jual é o motivo deste t#o "con!ort'vel" escon-
derijoI D Eu acredito que é devido ao !ato de termos apenas o
su!iciente da vida de Deus para "sobrevivermos" e manter o nosso
"estilo de vida)"3odavia% n#o temos vida o su!iciente para nos
aventurarmos e% ousadamente% ir por todo o mundo para ministrar
aos !eridos como $esus o !e"
Depois de terem% momentaneamente% perdido $esus de vista%
aqueles disc9pulos passaram a ter apenas o su!iciente para "so-
breviverem)"Eles haviam subestimado o poder de Deus em cumprir
os (eus planos" Eles pensavamK "(e mataram o nosso Mestre%
certamente matar#o a nFs também)"7 motivo deste pensamento
era que eles tinham uma perspectiva incorreta de quem de !ato era
$esus" Eles 7 tinham apenas como o homem que tinha sido cruci-
!icado e n#o como o Deus-homem que havia se entregado e que
ressurgiria da morte" >aturalmente% n#o compreendiam também
quem eram em Cristo e qual era o (eu propFsitoK Mudar a histFria do
mundo através deles"

62s o o"-mos pre.ando a Pa$a-ra1
C' v'rios anos atr's% realiei uma cruada na Costa Zica"
>aquelas reuni1es% o (enhor operou tremendos milagres como
con!irmaç#o da (ua prFpria +alavra que estava sendo pregada" 2lém
do glorioso mover de Deus naquele lugar% as nossas mensagens
também !oram transmitidas simultaneamente por toda a >icar'gua%
+anam' e Costa Zica% inclusive no serviço p@blico de transmiss#o do
2eroporto" >o terceiro dia de nossa cruada naquele pa9s% meu !ilho
mais velho e minha esposa voaram para estarem comigo" Logo ao
chegarem ao aeroporto% a primeira coisa que ouviram !oi a vo do
papai ministrando"
$amais esquecerei o momento em que meu !ilho de O6 anos chegou
perto de mim naquele dia com sua !ace radiante de !elicidade e
orgulho" Ele me disseK "+apai nFs ouvimos a transmiss#o de sua
pregaç#o no aeroporto:" Me abençoou muito a alegria de meu !ilho
em ver que a +alavra estava sendo proclamada" >a verdade% meu
!ilho sempre teve um coraç#o muito inclinado para miss1es e sempre
impus a m#o sobre ele e oreiK "(enhor% se ainda o tardares a voltar%
eu peço a 3i que use o meu !ilho *en em (ua obra de maneira
poderosa e que ele seja mais e!iciente que eu)"Creio que assim
devem ser os coraç1es dos pais% n#o é mesmoI 7 pro!undo desejo
de meu coraç#o é que meus !ilhos sejam bem mais aptos a realiarem
a obra de Deus do que eu e minha esposa"
7 (enhor $esus revelou o coraç#o de nosso pai celestial
quando Ele disseK """" far=s as obras que Eu faço. E as far= maiores
do que estas, porque eu !ou para o pai. 6 Q$o OMKO5bR Este é o
encorajamento% a t[nica da vis#o celestial% a oportuna palavra do
(enhor para a nossa geraç#o: (e% de !ato% estamos nos
aproximando do !inal dos tempos e da vinda do (enhor% esta
palavra ser' rapidamente cumprida em nossos dias" +ortanto% se
$esus est' voltando% brevemente esta promessa divina deve primeiro se
tornar realidade na minha e na sua vida" Eu te asseguro que ainda
nessa geraç#o veremos coisas grandiosas acontecerem:
&"as são as o9ras de Jes"s Crsto*
Ema ve que $esus Cristo é o nosso maior exemplo e% levando
em consideraç#o que !omos ordenados a realiar as mesmas obras e
ainda maiores% precisamos olhar para estas obras e ter pleno
entendimento do suprimento que temos em Cristo" 7 quarto
cap9tulo do livro de Lucas nos revela a primeira obra de $esusK Ele
estava cheio da unç#o do Esp9rito (anto"
%;esus, c.eio do Esp*rito anto, !oltou do ;ordão e foi le!ado
pelo Esp*rito anto ao deserto onde por quarenta dias não comeu
coisa alguma, e terminados eles, te!e fome'. QLc MKO%5R
2 +alavra nos di que $esus estava com !ome% mas n#o nos
relata nada se estava com sede" Em outras palavras% $esus jejuou
por quarenta dias bebendo somente 'gua" H de suma import/ncia
voc& observar uma particular !rase no registro sagradoK 6c.eio do
Esp*rito anto...' $esus estava cheio do Esp9rito antes de ser levado
pelo prFprio Esp9rito ao deserto" Ele jejuou por M6 dias e enquanto
isso era tentado" ,inalmente% conclui aquele per9odo no deserto em
um con!ronto com o diabo"
(atan's procurou tentar $esus com as tr&s maiores tentaç1es
que ele sempre usou contra o homemK
Prmero: Ele questionou a identidade do (enhor como o ,ilho
de Deus e tentou lev'-Lo a usar o (eu poder em bene!9cio prFprio em
sua sugest#o de trans!ormar pedras em p#o e satis!aer a (ua !ome"
Se."ndo: 7 diabo tentou o (enhor a tomar para si a autoridade
e glFria de todos os reinos deste mundo" (e assim o (enhor !iesse%
o diabo teria alcançado o seu objetivoK ser adorado"
)ercero: (atan's novamente questionou a identidade do
(enhor usando citaç1es das Escrituras para sedui-Lo a se lançar do
penhasco% colocando assim% (ua con!iança nos anjos para salv'-Lo"
Esta atitude novamente tinha como objetivo !a&-lo provar alguma
coisa" $esus% no entanto% derrotou o tentador todas as vees usando a
palavra de Deus% sempre diendoK 6Est= escrito. 6
Estas tr&s !ormas de tentaç1es continuaram sempre se ma-
ni!estando de alguma !orma durante o ministério de $esus aqui na
terra" >a cru% por exemplo% Ele !oi desa!iado a agir em leg9tima
de!esa% a salvar-se a si mesmo para provar% quem de !ato% Ele era"
(emelhante ato% com certea% teria traido !rustraç#o ao plano de
Zedenç#o do +ai" Ele também !oi tentado pela multid#o a apoderar do
trono e se tornar um (alvador pol9tico de ?srael ao invés de Zedentor
espiritual" ,inalmente% o desa!io escarnecedor de !aer $esus chamar
os anjos enquanto Ele estava na cru !oi também uma repetiç#o da
terceira tentaç#o% que levaria $esus a desistir de (ua vida e a con!iar
nos anjos para salvarem-na" $esus% voluntariamente/ entregou a (ua
vida para o resgate de muitos" Ele recusou ser salvo da morte D +elo
contr'rio% Ele decidiu en!rent'-la e destru9-la para sempre"
O Se.redo do Poder
Como poderia $esus !aer tantas coisas e executar t#o
espantosos milagres que vemos através dos quatro evangelhosI D 7
segredo de (eu poder é encontrado em Lucas MKOM que di assimK
6Então pelo poder do esp*rito !oltou ;esus para a Dalil#ia...'.
7bserve cuidadosamente as di!erenças entre os versos O e OM
deste mesmo cap9tulo de LucasK 2ntes da tentaç#o no deserto% a *9blia
di que $esus !oi cheio do Esp9rito (anto" Entretanto% veja o verso OM%
no !inal da tentaç#o no deserto por M6 dias% no término dos M6 dias
de jejum" $esus havia derrotado o inimigo totalmente e sa9do daquela
experi&ncia no "poder do Esp9rito:" (e nos determos nestes
vers9culos% perceberemos que existe uma clara di!erença entre "estar
cheio do Esp9rito" e "operar no poder do Esp9rito:" 2lguma coisa havia
trans!ormado $esus de um homem cheio do Esp9rito para um homem
que andava no "poder" do Esp9rito" 7h% irm#os% como precisamos
também !aer do segredo do poder de $esus o nosso segredo" Ele é%
a!inal de contas% o nosso Mestre e o nosso maior exemplo de vida"
Este !oi o segredo que o (enhor revelou em minha experi&ncia
de deserto% quando trabalhei com (tevie e as demais crianças em
Lubbock% 3exas" 7 deserto% este é o lugar onde Deus quer que todos
nFs% (eus !ilhos% se movam" Muitos de nFs !uncionam no n9vel de
estar cheios do Esp9rito e !irmemente acreditam que o estar cheio
do Esp9rito (anto é simplesmente maravilhoso" +orém% este é apenas
o primeiro est'gio de nosso progresso depois de nossa salvaç#o"
+recisamos perseverar em alcançar o nosso progresso espiritual"
M"demos do ;estar c+eo; para o ;mo-er no Poder do
Esp#rto;
$esus Cristo nos mostrou o caminho e% pessoalmente% !oi
modelo para nFs" Ele nos demonstrou que o estar cheio do Esp9rito em si
n#o nos !a aptos para estarmos !uncionando na plenitude de (eu
chama- do em nossas vidas" +recisamos estar dispostos a nos
submetermos 0 disciplina do Esp9rito e% a partir da9% o (enhor tratar'
conosco em pontos cruciais de nosso ser% comoK a vida de oraç#o%
jejum e habilidade no manejar da +alavra de Deus" Ema ve sendo
tratados nestas 'reas% estaremos plenamente !uncionando no poder
do Esp9rito (anto"
2 +alavra de Deus tem ocupado um lugar de destaque por
séculos e temos aprendido muitas coisas em todos estes anos" Em
nossos dias% estamos crescendo muito e dando passos mais de!ini-
tivos em obedi&ncia 0 disciplina da oraç#o% todavia o jejum é
raramente praticado e continua sendo um mistério para a ?greja
Moderna" >#o obstante% nele temos a principal chave para
avançarmos além do ponto de estarmos "cheios do Esp9rito" para o
mover pleno da plenitude de (ua vida em nFs"
$esus completou o "processo" do "estar cheio do Esp9rito" e
"mover-se no poder do Esp9rito" em M6 dias mas% provavelmente/ eu
e voc& levar9amos bem mais tempo" 7s disc9pulos estiveram com
$esus por tr&s longos anos e% durante este tempo% !oram disciplinados
sob a unç#o de $esus Cristo" 8emos% portanto% que somente depois
do "deserto" da pFs-cruci!icaç#o e o tempo de jejum e oraç#o no
cen'culo quando todos !oram cheios do Esp9rito (anto" Eles
receberam o "dunamis"% ou melhor diendo% o poder do Esp9rito
(anto os capacitou a proclamar o Evangelho com autoridade% mesmo
em !ace a toda oposiç#o"
6 meu desejo é que voc& compreenda que o jejum leva o
poder do Esp9rito em nossas vidas a ser liberado" >#o signi!ica%
necessariamente% que voc& "receber'" mais graça de Deus"
3odavia% Ele !acilitar' o livre !luir do Esp9rito (anto de Deus através de
8oc& dissolvendo e removendo tudo aquilo que n#o tem nada a ver com
Cristo em sua vida"
(e voc&% t#o somente% se entregar ao (enhor em
comprometimento a uma vida de jejum e oraç#o% a unç#o do (enhor
começar' a !luir através de seu viver" Esta% portanto% é a "primeira
obra " que somos chamados para !aer" 7 in9cio ou o primeiro
trabalho de $esus antes de iniciar (eu ministério no poder do Esp9rito
!oi jejuar e empreender uma luta espiritual na oraç#o e na +alavra"
Eu% particularmente% n#o acredito em acidentes no Zeino de
Deus" >#o é por acidente que voc& est' lendo estas palavras" Creio
que voc& !oi guiado a !a&-lo movido pelo Esp9rito porque% na
verdade% voc& é um dos escolhidos pelo (enhor para servi-Lo em (eu
exército neste tempo do !im" 8oc& !oi chamado e ungido para "realiar as
obras que Cristo realiou e ainda maiores)"
Deixe-me rapidamente di&-lo que voc& n#o precisa estar
dramaticamente empreendendo longos per9odos de jejum para re-
ceber os bene!9cios do jejum e da guerra espiritual" >em todo mundo
é chamado a !aer o que Deus demanda de certos l9deres ordenados
para traer a revelaç#o de grandes verdades da parte de Deus" Eu
tenho observado que% no decorrer dos anos% Deus sempre tem levantado
certos homens e mulheres para receberem e viverem% de maneira
pr'tica% algumas verdades em pro!undidade% e assim% serem
capaes de ensinar a outros com autoridade comprovada" ,oi isto
que aconteceu comigo" 7 (enhor levantou-me para ensinar com
autoridade sobre a verdade gloriosa do jejum e da oraç#o" 3odavia%
isto somente !oi poss9vel apFs tais verdades se tornarem cristaliadas
em minha vida% no decorrer de duas décadas" 7 mesmo podemos
dier de Mike *ickle% um pastor em Aansas cit= que orava e intercedia
numa média de seis a de horas por dia% por uma década ou mais" Coje
ele ensina acerca da oraç#o com muita autoridade e humildade% pois
n#o !ala de uma "teoria"% mas de uma verdade baseada em uma
sFlida experi&ncia de aplicaç#o de princ9pios de oraç#o encontrados
na +alavra"
>#o se condene quando% por exemplo% ouvir ou ler acerca das
"proeas" de alguns l9deres e digaK "7h% eu nunca serei capa de
!aer isso" ou% ">unca serei capa de me equiparar a eles"" 7ra irm#os%
nunca !oi desejo de Deus que voc& se comparasse com alguém" 7
propFsito e a atuaç#o Dele em sua vida é realiado de acordo com a
(ua prFpria soberania" 7 (enhor nos d' tais pessoas como exemplo
para nos aper!eiçoarmos >ele em determinadas 'reas de import/ncia
em (eu plano e propFsitos para as nossas vidas"
2 di!erença entre a Enç#o do Esp9rito e o +oder do Esp9rito é
en!aticamente ilustrada no incidente descrito no cap9tulo OT do
Evangelho de Mateus% logo apFs a trans!iguraç#o de $esus no monteK
"E% quando c.egaram para &unto da multidão, apro)imou-se
dele um .omem, que se a&oel.ou e disse3
en.or, compadece-te de meu fil.o, porque # lun=tico e sofre
muito- pois muitas !ezes cai no fogo, e outras muitas na =gua.
<presentei-o a teus disc*pulos, mas eles não puderam cur=-lo. ;esus
então e)clamou3 E geração incr#dula e per!ersa, <t# quando
estarei con!oscoB <t# quando !os sofrereiB 1razei-me aqui o
menino.
E ;esus repreendeu o demônio, e este saiu do menino- e
desde aquela .ora ficou o menino curado.
Então os disc*pulos, apro)imando-se de ;esus, perguntaram em
particular3 (orque moti!o não pudemos n9s e)puls=-loB E Ele l.es
respondeu3 (or causa da pequenez de !ossa f#. (ois em !erdade !os
digo que, se ti!eres f# como um grão de mostarda, direis a este monte3
passa daqui para acol=, e ele passar=. Fada !os ser= imposs*!el. Cas
esta casta não se e)pele senão por meio de oração e &e&um'. GCt
4534H-I4J
7 moti!o de ;esus ter sido tão 6rigoroso6 com os seus discipulos,
foi o fato /ele &= .a!er delegado a eles ua autoridade G ou unção J
como representantes do Keino. Em Cateus, cap*tulo 4L, Ele disse3
6 ?urai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos e
e)pulsai demônios. /e graça recebei, de graça dai.6 G!.M J

7s disc9pulos haviam des!rutado grande sucesso naquela
escolha mission'ria" relatada no cap9tulo O6" Entretanto% aqueles t#o
bem sucedidos mission'rios !oram con!rontados com um esp9rito
maligno que n#o se rendia 0 autoridade outorgada a eles" 2pesar de
todo entusiasmo da experi&ncia anterior% ao orarem por aquele menino%
!oram categoricamente derrotados pois n#o tinham poder su!iciente
para expelir a casta de dem[nios que controlava o garoto" 2lguma
coisa os bloqueava" 2lguma !orça ou potestade resistia 0 libertaç#o"
Existia uma nuvem opressora naquele garotinho que havia minado e
colocado em descrédito a unç#o que os disc9pulos possu9am" 7
(enhor% no entanto% entrou em cena quando a credibilidade de
(eus% ministros estava totalmente comprometida" Jual era o
problemaI D 7 pai do menino disse que seu !ilho era a!ligido por
epilepsia% todavia o (enhor n#o o curou mas expulsou o dem[nio que
causava aquela doença"
Mais tarde% quando $esus se encontrou a sFs com os (eus
disc9pulos% Ele lhes comunicou um dos mais importantes princ9pios
que um !ilho de Deus possa aprender no sentido de sempre
alcançar vitFria sobre grandes obst'culos e !ortaleas que o inimigo
possa lançar em sua vida% em seu caminho e ministério" Este
princ9pio% no entanto% apenas pode ser percebido e recebido na re-
alidade do mundo espiritual% porque a nossa vitFria # primeira-
mente nas regi1es celestiais" +or isto precisamos estar conscientes de
que Deus nos tem dado armas poderosas para desmantelar toda e
qualquer !ortalea como nos di o apFstolo +aulo em sua (egunda
carta aos Cor9ntios O6KG-SK
6(orque, andando na carne, não militamos segundo a
carne. (orque as armas da nossa mil*cia não são carnais, mas sim
poderosas em /eus, para destruição das fortalezas- destruindo os
consel.os, e toda a alti!ez que se le!anta contra o con.ecimento
de deus, e le!ando cati!o todo o pensamento a obedi"ncia de
?risto. E estado prontos para !ingar toda a desobedi"ncia, quando
for cumprida a !ossa obedi"ncia. 6
Ema ve que nossas armas Qe portanto% a nossa vitFriaR n#o s#o
encontradas no dom9nio natural da "carne e do sangue"% o nosso
inimigo% (atan's% !ar' de tudo para nos arrastar para uma batalha e
um combate de atmos!era natural e carnal" 2 maneira mais efetiva
para mim e para voc& colocar a nossa carne em seu prFprio lugar e
andar em Esp9rito é jejuar e orar" (e o ,ilho de Deus jejuou e orou em
"busca" de vitFria em (eu ministério terreno% por que eu e voc&
dever9amos pensar que estamos isentos destas coisasI
$esus espera que voc& jejue e ore" Em Mateus SKP-T% Ele n#o
disseK "Juando voc& sentir o desejo de orar"""" De maneira alguma:
Mas o (enhor docemente nos di tr&s veesK 6E quando orares... 6
Da mesma maneira% o nosso (enhor jamais disseK "(e um dia voc&
decidir a jejuar% embora eu saiba que isso seja quase imposs9vel para
voc&"""" em Mateus SKOS% OT" Ele simplesmente disse U""" quando
&e&uardes... 6 Ele n#o nos deu uma segunda opç#o"
Ele considerou estas pr'ticas como algo natural% inerente 0 vida
Crist# Em outras palavras% o (enhor deixou bem claro a (eus
disc9pulos e interlocutores que a "oraç#o" e o4jejum" desempenhariam
um importante papel em suas vidas apFs a (ua partida" 2s
palavras do (enhor n#o mudaram e ainda s#o v'lidas em nossos
dias" (e voc& é um disc9pulo do (enhor $esus também orar'" (e
voc& é um disc9pulo% ent#o voc& jejuar'"
7 desejo do (enhor # liberar sobre nossas vidas porç#o
dobrada de (ua unç#o de tal maneira% que sejamos capaes de traer
sempre que !or preciso% uma palavra de autoridade para cura% libertaç#o
e restauraç#o" (e tivermos esta porç#o da unç#o do (enhor em
nosso viver di'rio% seremos capaes de liberar uma palavra com a
mesma autoridade daquela que os disc9pulos testemunharam na
libertaç#o daquele menino epilético" 2mados% estamos presenciando o
mundo sendo devastado ao nosso redor% portanto% j' # tempo de
realiarmos as obras de $esus para trans!orm'-lo"
>o livro de $oel% a palavra veio ao pro!eta "intimando" os
anci#os% os !ilhinhos% os que mamam e até mesmo o noivo e a
noiva% que esperavam pela cerim[nia de casamento% a se "consa-
grarem" como naç#o diante do (enhor Qveja $l 5KOPR" 2 oraç#o para
a restauraç#o era urgente" Deus respondeu a oraç#o daquele povo
com uma grande promessa concernente aos @ltimos dias que somente
começou a se cumprir no dia de +entecostes% no livro de 2tos% e est'
sendo mani!esta% como nunca antes% em nossos dias"
%E .= de ser que depois, derramarei do meu Esp*rito sobre
toda a carne, e !ossos fil.os e !ossas fil.as profetizarão, os !ossos
!el.os terão son.os, os !ossos mancebos terão !isões- e tamb#m
sobre os ser!os e sobre as ser!as naqueles dias derramarei o meu
Esp*rito'.
Q$O 5K5Y%5NR
2 @nica pré-condiç#o para que o Esp9rito seja derramado é que
sejamos um povo disposto a ter a vis#o do (enhor e a pagar o preço
através da oraç#o e jejum"
(e voc& tem sido impressionado pelo Esp9rito (anto ao ler palavras
deste cap9tulo% certamente Deus o est' preparando para a guerra:
Ele o escolheu para realiar as mesmas obras de $esus em sua
geraç#o e naturalmente isso sF pode ser !eito sob o poder do
Esp9rito (anto" (e voc& deseja em seu coraç#o tomar a "arma so-
brenatural da oraç#o e do jejum)%como parte integrante de seu
"arsenal%" ent#o diga isso ao (enhorK "2ssim seja% (enhor" Eu quero
!aer parte de (eu propFsito"" (e voc& est' disposto a pagar o preço
de uma vida regular de oraç#o e jejum voc& ser' capa% na !orça do
(enhor% de jogar por terra !ortaleas% traer vitFria em sua vida em
todos os aspectos e traer libertaç#o e liberdade aos cativos de sua
geraç#o" (endo assim% diga ao (enhorK "Eis-me aqui (enhor% para
onde 3u quiseres me enviar% irei)"
3alve o (enhor o conduir' a estar jejuando uma ve por m&s%
um dia por semana ou simplesmente um dia a cada dois meses"(eja
qual !or a ordenança de Deus para a sua vida% comprometa-se a
!aer isto e creia que Ele mesmo lhe dar' graça para obedec&-Lo" (e
voc& pastoreia uma congregaç#o% o (enhor poder' estabelecer com
toda a igreja um tempo espec9!ico para jejum e oraç#o" Juerido
leitor% é de suma import/ncia que voc& hoje se prostre diante Dele
esperando a (ua provis#o para o amanh#"
2 sua resposta obediente ao (enhor é a mais temida e mais
perigosa cat'stro!e que pode acontecer no império das trevas" 7
inimigo sabe que voc& com sua atitude trans!ormar' o per!il e o
destino de sua cidade e% até mesmo de sua naç#o" 7 (enhor tem
colocado em meu esp9rito o "encargo" de oraç#o acerca de (ua
obra a ser realiada entre os membros de (eu exército do !imK
"(enhor Deus% eu posso ver os (eus anjos equipando este
exercito com poderosas armas de guerra" Eu vejo também "tropas"
de homens e mulheres posicionadas em di!erentes lugares no mundo"
(enhor% libere a (ua unç#o agora" Libere a porç#o dobrada de (eu
Esp9rito e toca-nos no mais pro!undo de nosso ser"
"
+ermita que (eus !ilhos e !ilhas recebam unç#o e graça para
orarem e jejuarem e que% a unç#o que o (enhor me tem dado% seja
comunicada a todos aqueles que est#o lendo estas palavras e !aem
comigo esta oraç#o agora"
"(enhor% eu posso ver o (eu exército marchando" Estamos
marchando para tomar as cidades para $esus" Estamos marchando para
levar o nome do (enhor em todo o lugar% em todo o canto da terraK norte%
sul% leste e oeste" 7 exército do (enhor est' avançando e todo dem[nio se
dobrar' diante do nome de >osso (enhor $esus Cristo" +ai% nFs nos
comprometemos deste dia em diante em usar estas armas !ielmente"
(enhor% eu oro para que os pastores e l9deres de (eu exército vejam com
clarea as suas responsabilidades" Coloque em seus coraç1es% amado
Deus% a divina sabedoria que eles precisam para guiar a porç#o de (eu
exército con!iada a eles" Desde j' (enhor% obrigado pela total vitFria que
temos em 3i""
>os prFximos cap9tulos estaremos compartilhando os incr9veis
bene!9cios que recebemos quando obedecemos ao (enhor em nossa vida
de oraç#o e jejum"
Cap#t"$o <
AS )RA6S=ORMAÇ>ES E OS ?E6E=@C!OS DO JEJUM
Juase todos os crist#os com os quais tenho conversado% tem tido
quest1es ou alguma m' concepç#o acerca do jejum" 2credito que
poder9amos dier que o jejum é um dos mais incompreendidos assuntos
nas Escrituras (agradas" 8oc& perceber' isto quando começar a descobrir
e des!rutar os inacredit'veis bene!9cios que alcançamos através do jejum
0 lu da +alavra de Deus" Existem O5 bene!9cios espec9!icos no "jejum
escolhido por Deus)"Leia no livro de ?saiasK
6(or!entura não # este o &e&um que escol.iB >ue soltes as
ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do &ugoB E que
dei)es li!res os quebrantados, e despedaces todo o &ugoB (or!entura
não # tamb#m que repartas teu pão com o faminto, e recol.as em
casa os pobres desterradosB E, !endo o nu, o cubras, e não te
escondas da tua carneB
Então romper= a tua luz como a al!a, e a tua cura
apressadamente brotar=, e a tua &ustiça ir= adiante da tua face, e a
gl9ria do en.or ser= a tua retaguarda.N
Então clamar=s, e o en.or te responder=3 gritar=s, e ele dir=3
Eis-me aqui3 se tirares do meio de ti o &ugo, o estender do dedo, e o
falar !aidade.
E se abrires a tua alma ao faminto, e fartares a alma aflita3
então a tua luz nascer= nas tre!as, e a tua escuridão ser= como o meio
dia.
E o en.or te guiar= continuamente, e fartar= a tua alma em
lugares secos, e fortificar= teus ossos- e ser=s como um &ardim
regado, e como um manancial, cu&as =guas nunca faltam. E os que
de ti procederem edificarão os lugares antigamente assolados- e
le!antar=s os fundamentos de geração em geração3 e c.amar-te-ão
reparador de brec.as.
Q?s PYK S-O5R
?sa9as PY é um dos melhores cap9tulos da *9blia no que di respeito
a este assunto" Eu poderia meditar neste cap9tulo por horasB ele é
maravilhoso" Existem pelo menos O5 bene!9cios espec9!icos do "jejum
que Deus escolheu" listados nessa passagemK
O" Zevelaç#o
5" Cura e integridade
G" $ustiça
M" 2 presença da (hekinah de Deus
P" 7raç1es respondidas
S" Direç#o da parte do (enhor
T" Contentamento
Y" Ze!rigério
N" ,orça
O6" Encorajamento
OO" ,uturas geraç1es ser#o levantadas
O5" Zestauraç#o
Como o jejum de !ato !uncionaI Eu n#o conheço todas as respostas
porque este #, sem d@vida% um dos maiores "mistérios" de Deus% mas
creio que posso compartilhar o que tenho aprendido com o (enhor"
De uma coisa podemos ter certeaK os dem[nios !icam muito
descon!ort'veis quando começamos a orar e a jejuar" 2s Escrituras
(agradas nos revelam que muitas doenças% moléstias% problemas
mentais e comportamentos cr[nicos que a!ligem a Cumanidade s#o
instigados ou perpetuados por !orças demon9acas" Estas !orças também
buscam obstacular o povo de Deus traendo tormentas% procurando
mant&-lo 0 parte da vida de Deus"
Eu sempre recomendo 0s pessoas que est#o buscando cura
divina% jejuarem antes de virem para os nossos cultos de cura e
libertaç#o" 2queles que t&m aceito este conselho% !req.entemente%
recebem a cura sobrenatural do (enhor rapidamente" 3ambém cos-
tumo dier 0s pessoas que a observaç#o do jejum é importante pois
demonstra a determinaç#o do irm#o ou da irm# de serem tocados
pelo (enhor Q2quele que é a !onte de todo o poderR" Dem[nios n#o
podem !icar por perto por muito tempo quando uma pessoa jejua"
?sto se deve ao !ato de que o jejum diante do (enhor cria uma
atmos!era completamente di!erente% propiciando assim% o "!luir"
mais !'cil do Esp9rito (anto de Deus e o repelir de !orças e esp9ritos
malignos" H por esta ra#o que os dem[nios !icam incomodados ou
descon!ort'veis ao derredor de pessoas que possuem em suas vidas
a pr'tica do jejum"
Jualquer pastor% ou ministro% que esteja engajado em algum
tipo de ministério de cura e libertaç#o deve !aer da pr'tica do jejum
uma parte integrante do seu estilo de vida" 7ra% irm#os% o
desenvolvimento espiritual pode ser comparado ao atleta que busca
o exercitar os seus m@sculos em uma academia de gin'stica" X
medida que voc& jejua e busca a !ace do (enhor% Ele começar' a
implantar em voc& autoridade" ?sto o conduir' a uma pro!unda
?ntimidade com Ele e% sem d@vida% os dem[nios ir#o reconhecer e
temer#o"
Eu me recordo de um tele!onema que recebi em ONTG de
dois pastores que me diiamK "?rm#o Mahesh% nFs est'vamos orando
pois um homem homossexual e de repente% um dem[nio começou
a !alar através dele: Estamos como medo% o que devemos !aer I)
Ent#o eu disseK "*om% ent#o expulsem o dem[nio dele:"
Mas eles me responderam que estavam com medo" "Mas voc&s s#o
pastores :" A eu disse" 7 homem do outro lado da linha persistiuK "+or
!avor% venha aqui e nos ajude"" ,inalmente concordei em ir ajudar
aqueles irm#os"
Dirigi-me imediatamente para a casa onde se encontravam e%
abrindo a porta da !rente% os encontrei escondidos na dispensa:
Ent#o lhes pergunteiK "7 que voc&s est#o !aendo a9I" Eles se diri-
giram para a outra parte da casa e disseram% com vo tr&mulaK "Ele
est' l' !ora)"
Eu tinha acabado de sair de um per9odo de jejum% ent#o entrei
dentro do recinto onde aquele homem se encontrava" Ele havia sido
homossexual por OY anos e quando entrei o vi em pé numa posiç#o
de a!ronta como se esperando uma chance para intimidar mais
alguém" +ercebi claramente que o dem[nio estava mani!esto em
seu corpo" Era !'cil ver isto% pois o seu semblante se trans!ormara por
completo em uma horrenda m'scara diabFlica" Logo que me viu !alou
com aquela vo demon9acaK "7h% mais um homem" 8em aqui% eu
gostaria de me relacionar com voc&"" Depois de ouvir aquela vFs
maligna% chegou a minha ve de abrir a minha boca no poder do
Esp9rito (antoK
"8oc& quer se relacionar comigoI +ois eu vou lhe dier o que as
Escrituras diemK 6e andarmos na luz, como na luz Ele est=, temos
comun.ão uns com os outros , e o sangue de ;esus ?risto, seu fil.o nos
purifica de todo pecado. 6
"2gora eu lhe pergunto% dem[nio% voc& pode dierK 46 (angue
de $esus tem poderI \Q2quela coisa apenas soltou um resmungo"
2quele tom de vo horripilante desapareceu imediatamenteR" Mais
uma ve eu disseK "Dem[nio% digaK 46 (angue de $esus tem poder:4
Depressa% agora:"
2s m#os daquele homem começaram a se contorcer e eu podia
literalmente ouvir o "ranger" de seus ossos" 7s seus tornoelos
começaram a se contorcer de uma maneira estranha e aquele pobre
homem caiu no ch#o% rolando de um lado para o outro" Ent#o ordenei
0quele esp9ritoK "+are com isto agora e repitaK 46 (angue de $esus tem
+oder"4 Diga isto agora:" D ,inalmente ele começouK 7 san"""% o san"""" -
aquele homem parecia regurgitar e o dem[nio% soltando um grito% o
deixou"
Mais de cinco anos depois retornei 0quela cidade e% estando
hospedado em um hotel% um homem bateu em minha porta" 2 sua
!isionomia era bem !amiliar" +orém% a @ltima ve que eu o tinha
visto h' cinco anos atr's% ele rolava pelo ch#o enquanto dois ministros
escondidos apavorados acotovelavam-se dentro de uma pequena
dispensa" Desta ve% no entanto% a sua vo soava branda e !irmeK
"?rm#o Chavda% eu gostaria de te apresentar alguém" 2pFs apresentar
aquela linda jovem% ele disseK ">Fs estamos casados por cinco
anos% e gostaria que voc& soubesse que quando voc& orou por mim
naquele dia% eu !ui totalmente liberto" 2gora estou casado e os meus
4desejos4 s#o normais" <lFria a Deus: Ele é o meu libertador""
Em uma outra ocasi#o estava ministrando em um culto
dominical em uma cidade universit'ria" Eu tinha acabado de termi-
nar mais um per9odo de jejum e oraç#o% e o culto estava
simplesmente maravilhoso naquele enorme prédio da igreja" 7 altar
era t#o grande que !acilmente poderia acomodar centenas de pessoas
simultaneamente" (enti o desejo de abençoar a audi&ncia% ent#o
chamei todos para subirem até onde eu estava" 7 (enhor começou a
se mover e a mani!estaç#o do Esp9rito sobre aquelas pessoas !oi
grandiosa" >o momento em que eu ministrava% o Esp9rito do (enhor
me deu uma palavra e imediatamente a comuniquei 0quela
audi&nciaK "7 (enhor est' me diendo que existem O5 homossexuais
e lésbicas aqui" (e voc& levantar a sua m#o e se arrepender agora%
o (enhor libertar' a cada um de voc&s""
Doe m#os se levantaram instantaneamente" 7ito daquelas
pessoas eram lésbicas e no momento em que levantaram as m#os% a
?mpress#o que tivemos !oi que% de maneira sobrenatural% elas !oram
jogadas ao ch#o com o golpe de um martelo gigante" Eu tinha
certea em meu coraç#o que o (enhor queria !aer algo mais naquelas
vidas" Dirigi-me% portanto% para onde aquelas pessoas estavam ca9das"
Eu n#o sabia nada sobre lésbicas" +ensava somente que todas
possu9am um corte de cabelo masculino% vestiam jeans e perturbavam
todos ao redor" Ema mulher jovem em particular% con!essou que ela
era lésbica% porém% evitava demonstrar aquele estereFtipo usual" Ela
era uma linda garota de 5O anos de idade% loura e saud'vel" Juando
olhei para ela% a sua t#o gentil !isionomia se tornou terrivelmente
sombria"
Disse ent#o 0quela garotaK "8oc& !oi liberta de um dem[nio de
morte" 8oc& tentou cometer suic9dio recentemente% n#o tentouI" Ela
começou a chorar amargamente e dobrando as mangas de sua
blusa% mostrou-me recente cicatri nos punhos% quando duas
semanas antes% havia tentado cometer suic9dio"
+ouco mais de um ano depois quando voltei 0quela igreja% me
alegrei muito em ver aquela linda jovem servindo no grupo de louvor"
Ela correu para mim e com um grande sorriso mostrou-me uma
!otogra!ia e disse-meK "<ostaria que voc& soubesse que me casei a
tr&s semanas atr's e este é o meu esposo" Estamos juntos% servindo
ao (enhor""
Caro leitor% o meu desejo é que o (enhor lhe abra
%
os olhos
espirituais para ver as pessoas que est#o cativas ao seu redor" Elas est#o
arruinadas% machucadas e vivendo desesperadamente sob terr9veis
in!lu&ncias diabFlicas" 7s psicFlogos ou os psiquiatras n#o podem ajud'-
las" 2 +alavra de Deus nos di% de maneira bem clara% que determinadas
"castas" n#o ser#o expulsas com um simples comando em nome de
$esus elas n#o sair#o exceto% através da oraç#o e do jejum" Meu amigo%
é isto que o (enhor est' nos ordenando a !aer" 8oc& est' disposto a
pagar o preço para traer liberdade aos cativosI H seu desejo liberar
palavras de libertaç#o em sua igreja% em sua viinhança ou cidadeI
>#o podemos estar satis!eitos com o que temos alcançado no
(enhor" Existem terr9veis jugos escraviando vidas preciosas em
nossas cidades" 7 meu desejo é ver a ?greja de $esus Cristo se
levantando com poder e autoridade" Estou !arto de v&-los !erindo-se
mutuamente devido 0 "diverg&ncia de pontos de vista)% enquanto
existem tantas necessidades ao nosso redor precisando ser
prioriadas" 7 nosso chamado é para traer libertaç#o aos cativos e 7
(enhor j' nos tem dado todas as armas necess'rias para% em (eu nome/
jogar por terra toda e qualquer !ortalea"
3odos aqueles que est#o em busca de libertaç#o do pecado ou
algum tipo de debilidade !9sica devem estar perseverantes diante do
(enhor" (e% por exemplo% um pai quer ver seu !ilho curado de alguma
moléstia ou liberto de alguma opress#o maligna% ser' necess'rio que
ele persevere naquilo que busca do (enhor" (e% de !ato% se humilhar e
perseverar diante do (enhor e jejuar por ele mesmo e por seu !ilho% o
caminho da cura ou libertaç#o se tornar' mais !'cil de ser
experimentado ou ministrado"
Por B"e 5 e5 "amos*
Compilei abaixo uma lista de nove ra1es b9blicas para jejuarmos"H
bom lembrar que esta lista n#o tem necessariamente um paralelo com a
lista de O5 bene!9cios do jejum listado em ?sa9as PY" Muitos destes
pontos v#o se encaixar em 'reas de nossa vida com Cristo% além disto
responder#o 0 maioria das quest1es% sobre as quais% tenho sido
procurado nas @ltimas duas décadas"
%0 Je5"amos em o9edCnca D Pa$a-ra de De"s0
2 pr'tica do jejum est' intimamente relacionada com a +alavra de
Deus" (e lermos as Escrituras com o devido cuidado% perceberemos que
ela !oi um instrumento de vitFria para l9deres no 2ntigo e no >ovo
3estamento" Desta maneira% se o registro b9blico é digno de nossa
con!iança e um princ9pio a ser seguido% ent#o podemos a!irmar que "os
vencedores jejuam e os derrotados n#o)"
%<inda assim, agora mesmo diz o en.or3 Ooltai para mim de
todo o !osso coração, com &e&um, com c.oro e com pranto. G;4I3
4IJ'.
6<ntes, como ministros de /eus, recomendamo-nos em tudo3
na muita paci"ncia, nas aflições, nas necessidades, nas angústias,
nos açoites, nas prisões, nos tumultos, nos trabal.os, nas !ig*lias,
nos &e&uns, na pureza, no saber, na longanimidade, na benignidade, no
Esp*rito anto, no amor não fingido. Q5 Cr SKM-SR
%Kespondeu-l.es ;esus3 (odem estar tristes os con!idados para
o casamento, enquanto o noi!o est= com elesB /ias, por#m, !irão
em que o noi!o l.es ser= tirado, e nesse dia &e&uarão. GCt P342J'.
70 62s 5e5"amos para nos +"m$+armos dante do Se,
n+or e o9termos a S"a .raça e poder0
Como precisamos da graça de Deus: 8oc& est' consciente de
que precisa da provis#o e do poder de Deus para executar a obra
que o (enhor colocou em seu coraç#oI D 7ra% todos somos carentes
de (ua cont9nua provis#o para possuirmos uma vida vitoriosa em
nosso dia a dia" (eria ent#o penoso demais jejuar pelo menos uma
ve por semana com o objetivo de manter os "canais" de sua vida
limposI 7 nosso irm#o 3iago deixou bem claro este ponto" (e voc&
quiser poder e graça da parte de Deus voc& precisa se humilharK
6Aumil.ai-!os perante o en.or e ele !os e)altar='.Q3g MKO6R 7
Esp9rito (anto é chamado de Esp9rito da graça" (e voc& almeja este
glorioso Esp9rito da graça operante em sua vida% o caminho é simples%
humilhe-se 6debai)o de ua poderosa mão'.QEstaremos tratando com
mais pro!undidade este tema no cap9tulo PR"
<0 62s 5e5"amos para o9termos -t2ra so9re tentaçEes e
ataB"es B"e nos mpedem de estarmos nos mo-endo no
poder de De"s0
(e a unç#o do alto n#o est' !luindo através de sua vida% isso é
um bom indicativo que voc& precisa introduir em sua vida o jejum e
a oraç#o" Chegado est' o momento de limpar o "canal" para o
mover livre do Esp9rito de Deus através de voc&" Mais uma ve
voltemos para 2quele que tem o padr#o de estatura de var#o
per!eito% o grande 2utor de nossa !é% $esus" De acordo com o
Evangelho de Lucas cap9tulo M% o (enhor saiu do deserto% da tentaç#o
no "+oder do Esp9rito (anto)"(e voc& deseja o mesmo% siga-Lhe os
passos% !aça o que Ele !e" 7 evangelho nos relata que $esus n#o comeu
nada por M6 dias sendo% por todo este tempo tentado pelo diaboB
todavia% o ponto alto do ataque de satan's !oi no momento em que o
(enhor se encontrou !aminto"
30 Je5"amos para nos p"rfcarmos do pecado Fe nos
tornarmos aptos para a5"dar o"tros no camn+o da
consa.raçãoG0
De acordo com as Escrituras (agradas% $esus Cristo tirou todo o
pecado do mundo na cru do Calv'rio" (im% isto é% sem duvida/ uma
realidade gloriosa" Contudo muitos de nFs ainda vivemos "Cercado"
ou "embaraçados" por pecados e parece que por mais que nos
es!orcemos e os evitemos% eles continuam nos assediando e traendo
!rustraç1es" Esta tem sido a realidade da sua vida I - >a verdade% nosso
Deus% sendo conhecedor de nossa naturea providenciou de antem#o
provis#o para sermos% n#o somente vencedores sobre o pecado em
nossas vidas% mas também aptos para nos posicionarmos na brecha
da intercess#o por outros" (e existe algum mal h'bito ou pecado
"cr[nico" em sua vida que ainda insiste em mant&-lo longe daquilo que o
(enhor tem preparado para voc&% saiba que é hora de humilhar a sua
alma no jejum e na oraç#o% e o (enhor o puri!icar' completamente"
Ema ve puri!icado e andando no poder do Esp9rito% esteja de
prontid#o para o momento e que o (enhor o levantar' em
intercess#o para a vida de outros" Em outro modelo desta pr'tica%
além de $esus Cristo% !oi o pro!eta DanielK
%Eu dirigi o meu rosto ao en.or /eus, para o buscar com
oração e rogos, com &e&um, e saco e cinza
E orei ao en.or meu /eus, e confessei, e disse3 <., en.or, /eus
grande e tremendo, que guardas o concerto e a miseric9rdia para com
os que te amam e guardam os teus mandamentos- (ecamos, e
cometemos iniqQidade, e procedemos impiamente, e fomos rebeldes,
apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus &u*zos. 6
QDn NKG-PR
+odemos% sem d@vida% usar este modelo de oraç#o para nossa
congregaç#o% por nossas crianças e até mesmo por nossa cidade e
naç#o" Daniel est' con!essando que eles% a naç#o inteira havia sa9do
dos caminhos do (enhor e% o motivo de estarem vivendo em
tamanha derrota% !oram os pecados e as transgress1es cometidas
pelo seu povo" 7ra% Daniel !oi um dos homens mais justos de sua
geraç#o: Ele !oi aquele homem% que com ousadia e !é% tapou a
boca dos le1es e humildemente con!essouK "(enhor% nFs pecamos)"
+or muitas vees% tenho compartilhado este princ9pio com
pastores que protestam diendoK "8oc& n#o entende: Estamos bem"
Estamos hoj e em um novo contexto% estamos vi vendo na
dispensaç#o da graça)"Eu os ouço e simplesmente digoK "8oc&s é
que n#o entendem% estamos bem% vivemos na dispensaç#o da graça%
mas nossas cidades% o nosso pa9s% as nossas naç1es est#o vivendo de
migalhas: +recisamos tomar sobre nossos ombros este encargo e
orar assimK 4Deus% temos pecado% temos nos tornado preguiçosos"
+erdoa e restaura-nos"
Como crentes e intercessores% temos como exemplo o <rande
intercessor" (omos% portanto% chamados e expectados a tomar sobre
nFs o encargo da vida daqueles que est#o se perdendo" ?sto é t#o
somente uma inevit'vel parte do compromisso que temos ao U
tomar sobre nFs a nossa cru a cada dia"" >o decorrer da histFria
existem registros de cidades ou naç1es inteiras que buscaram o
arrependimento e jejuaram para puri!icaç#o de pecado" ?sto
aconteceu nos dias de $onas" 7s ninivitas eram maus e violentos e
estavam prestes a serem julgados e aniquilados por DeusB porém% eles
encontraram o caminho do jejum Qaté os jumentos% camelos e
cabritos !oram colocados para jejuaremRK
%E os .omens de F*ni!e creram em /eus- e proclamaram um
&e&um e !estiram-se de saco, desde o maior at# o menor'.
(orque esta pala!ra c.egou ao rei de F*ni!e, e le!antou-se do seu
trono e tirou de si os seus !estidos, e cobriu-se de saco, e assentou-se
sobre a cinza.
E fez uma proclamação, que se di!ulgou em F*ni!e, por mandado
do rei e dos seus grandes, dizendo3 Fem .omens, nem animais, nem
bois, nem o!el.as pro!em coisa alguma, nem se l.es d" pasto, nem
bebam =gua.
Cas os .omens e os animais estarão cobertos de sacos, e
clamarão fortemente a /eus, e se con!erterão, cada um do seu mau
camin.o, e da !iol"ncia que .= nas suas mãos.
>uem sabe se !oltar= /eus, e se arrepender=, e se apartar= do
,seu
.
@uror da sua ira, de sorte que não pereceremosB
E /eus !iu as obras deles, como se con!erteram do seu mau
camin.o3 e /eus se arrependeu do mal que tin.a dito l.es faria, e
não o fez.
Q$n GKP-O6R
7 jejum para a puri!icaç#o pode ser% 0s vees% um pouco
con!uso para se entender devido 0 sua naturea no processo de
puri!icaç#o de nossas vidas" 7 jejum tem a capacidade de "traer 0
tona" de nosso ser toda a podrid#o do pecado e sujeira de maus
h'bitos que% diariamente% "borbulham" na super!9cie de nosso viver"
8oc& rapidamente observar'% especialmente em longos per9odos de
jejum% que se voc& tiver um mau temperamento encubado que sF
Deus Qe a sua esposaR sabem% isto começar' a emergir 0 super!9cie
e voc& n#o ter' problema em se expor Qpois agora voc& est'
male'velR" +or ve% isto lhe parecer' pro!undamente doloroso% mas
seja paciente% n#o se desencoraje" 7 (enhor o limpar' completamente"
H0 62s 5e5"amos para nos B"e9rantarmos dante do
Sen+or e/ ao mesmo tempo/ nos forta$ecermos 6e$e0
7 jejum é a arma providenciada por Deus contra a carne"
Juando voc& jejua% voc& ent#o !a uma escolha interior e demonstra
externamente que voc& almeja o poder de Deus em seu viver di'rio"
Muitos anos atr's% quando iniciava meu ministério% recebi um
chamado de um casal% o qual amava muito e por quem orava
constantemente" >aquele instante eu tinha pouqu9ssimo dinheiro
dispon9vel% mas meu coraç#o !oi pro!undamente tocado quando um
deles me disseK "?rm#o Mahesh% estamos passando por grande
necessidade)"Eles estavam terminando a !aculdade e estavam sendo
obrigados a abandon'-la por !alta de recurso !inanceiro% até
mesmo% para necessidade b'sicas"
Eles me disseramK "Mahesh% tudo que queremos é que voc& esteja
em oraç#o em nosso !avor)"Eu% porém% os amava muito e disseK
"*om """""" , Eu estava naquele instante prestes a dier-lhes que
enviaria todo o dinheiro de minha conta banc'ria" Eu% na verdade%
ainda estava na Eniversidade e precisava muito daquele dinheiro
que% com muitos es!orços% havia economiado" 2ssim que aqueles
irm#os compartilharam-me aquela necessidade% eu disse para mim
mesmoK "Eu vou lhes dar todo o dinheiro que tenho guardado para
matr9cula no prFximo semestre)"Era a minha carne !alando" 7ra% n#o
existe mal algum o!ertar 0queles que est#o em necessidadeB todavia%
aquele n#o era o momento para tal procedimento" 6 pedido dos
irm#os era t#o somente por oraç#o" Eles buscavam o mover do
(enhor e eu% simplesmente% queria dar-lhes algum dinheiro"
De repente% Deus parecia !alar comigo ao meu ouvidoK
"Mahesh% voc& vai ajud'-los ou vai deixar Eu agirI" Ent#o eu disse: "6
(enhor é (oberano"" - E orei por eles"
>o dia seguinte os dois !oram contemplados com bolsa de estudo
integral" E o milagre da provis#o n#o parou a9: >os dois anos que se
seguiram% Deus continuou a cuidar de suas necessidades de maneira
sobrenatural: Em contraste a tamanha benç#o% "o desejo da carne" ou
"o braço mortal de Mahesh" poderia ajudar os meus amigos talve
por tr&s dias no m'ximo" <raças a Deus: Ele tem o melhor caminho"
Considere o que (enhor di em (ua +alavraK
6/e &e&uar estão enfraquecidos os meus &oel.os, e a min.a
carne emagrece.
E ainda l.es sir!o de opr9brio- quando me contemplam, mo!em
as cabeças.
<&uda-me, en.or /eus meu3 sal!a-me segundo a tua miseric9rdia.
(ara que saibam que nisto est= a tua mão, e que tu, en.or, o
fizeste.
<maldiçoem eles, mas abençoa tu3 le!antem-se, mas fiquem
confundidos- e alegre-se o teu ser!o.
Gl 4LP3 IH-IMJ
6E disse-me3 < min.a graça te basta, porque o meu poder se
aperfeiçoa na fraqueza. /e boa !ontade pois me gloriarei nas
min.as fraquezas, para que em mim .abite o poder de ?risto. (elo
que sinto prazer nas fraquezas, nas in&úrias, nas necessidades, nas
perseguições, nas angústias por amor de ?risto. (orque quando
estou fraco então sou forte.
GI ?o 4I3 P,4LJ
I0 62s 5e5"amos para o9ter da parte do Sen+or o s",
porte necessáro para eJec"tar a S"a o9ra0
7s l9deres da igreja em 2ntioquia jejuaram e oraram antes de
enviarem *arnabé e (aulo" 2queles l9deres !ieram a escolha certa%
pois buscavam o pleno sucesso na jornada que seria empreendida
por aqueles apFstolos" *arnabé e (aulo sempre seguiram os
mesmos passos executados por eles em 2ntioquia" 3odas as vees
que estabeleciam uma igreja em uma cidade% eles oravam e jejuavam
antes de apontarem os presb9teros daquela cidade" 2 pr'tica do
jejum e oraç#o !oi um instrumento por excel&ncia para condui-los
nesta di!9cil escolha e assim% assegurar o sucesso da pregaç#o do
Evangelho e o crescimento da igreja na cidade" Q8eja 2tos 4R3R,H-
4H3IRJ.
K0 62s 5e5"amos em tempo de crse0
7 homem sempre recorreu a Deus em oraç#o e jejum em
tempos de crise" 7 livro de Ester registra o que% provavelmente% !oi o
tempo mais cr9tico da histFria do povo judeu" Embora o brutal
massacre imposto aos judeus por Citler exterminasse cerca de seis
milh1es de judeus na (egunda <uerra% milhares de judeus ainda
viviam em outros pa9ses no mundo" >o tempo de Ester% entretanto% os
judeus ainda n#o tinham sido dispersos e Cam# estava% literalmente%
na emin&ncia de ter sucesso em seu objetivo macabro de destruir
toda a raça judia" 7 rei medo-persa j' tinha assinado o atestado de
Fbito daquela naç#o% quando Ester trouxe uma palavra aos judeus"
Ela lhes pedia para estarem em um propFsito de jejum antes dela
arriscar a sua vida ao entrar na presença do rei e pedir misericFrdia
para o seu povo"
%Então disse Ester que tomasse a dizer a Cardoqueu'3
Oai, a&unta a todos os &udeus que se ac.arem em usã, e &e&uai
por mim e não comais nem bebais por tr"s dias, nem de dia nem de
noite, e eu e as min.as moças tamb#m assim &e&uaremos- e assim
irei ter com o rei ainda que não # segundo a lei- e, perecendo,
pereço.'
QEt H342,4SJ
Em tempos de crise% o ideal é procurarmos estar em jejum% nos
abstendo de toda e qualquer comida e bebida" Contudo% eu jamais
te recomendaria !aer isto por mais de tr&s dias% a menos que% voc&
esteja goando literalmente da glFria de Deus e possua uma palavra
espec9!ica Dele para tal" Ester pediu a seu povo que estivesse
jejuando por tr&s dias e% no !inal deste per9odo% Deus trans!ormou
toda aquela situaç#o caFtica em que se encontrava o (eu povo% traendo
poderosa libertaç#o"
>ovamente% no (egundo Livro das Cr[nicas 56% $ud' estava
para ser destru9da pelos seus inimigos quando% o rei $osa!'%
ordenou ao seu povo um jejum" Como resultado% eles !oram teste-
munhas de um dos mais dram'ticos atos de libertaç#o sobrenatural
registrados na *9blia"
L0 62s 5e5"amos B"ando 9"scamos a dreção de De"s0
6Então apregoei ali um &e&um &unto ao rio <a!a, para nos
.umil.armos diante da face de nosso /eus para l.e pedirmos camin.o
direito para n9s, e para nossos fil.os e para toda a nossa fazenda.
(orque me en!ergon.ei de pedir ao rei e)#rcito e ca!aleiros
para nos defenderem do inimigo no camin.o, porquanto t*n.amos
falado ao rei, dizendo3 a mão do nosso /eus # sobre todos os que, L
buscam para o bem, mas a sua força e a sua ira sobre todos os que
7 dei)am.'
QEd YK5O-5GR
Juando !oc" precisa da direç#o de Deus ou se encontra
con!uso acerca de qual caminho tomar% a melhor coisa que voc&
pode !aer é

jejuar Especialmente em se tratando da 'rea de relaç#o
interpessoal% em particular% irm#os que est#o na !ase de escolha
sobre com quem se casar" 7 (enhor ensinou-me este princ9pio antes
de me casar e eu jejuava por minha esposa antes mesmo de conhec&-la"
Eu tinha a plena certea que o (enhor n#o tinha me chamado para
o celibato e, certamente Ele sabia quem era ela e onde estava"
2ssim% armado com este pensamento perseverava em meu jejum"
+osteriormente *onnie e eu comparamos as nossas anotaç1es e
descobrimos que no momento mais cr9tico de sua vida% apFs seus pais
se divorciarem% ela entrou em pro!unda crise" E exatamente durante
aquele per9odo% sem ter a m9nima noç#o do que acontecia% senti o
desejo de orar por ela% ministrando-lhe suporte e libertaç#o"
M0 62s 5e5"amos para crescermos no entendmento
esprt"a$ e re-e$ação d-na0
Como crist#os% precisamos muito mais do que direç#o" +recisamos
também de revelaç#o e entendimento de certas quest1es% situaç1es
e verdades b9blicas" 2 palavra nos diK 6(ortanto, entra tu, e l" do
rolo que escre!este da min.a boca as pala!ras do en.or aos
ou!idos do po!o, na casa do en.or, no dia de &e&um. 1amb#m as
ler=s aos ou!idos de todo o ;ud=, que !em de suas cidades'.Q$er
GSKSR
Xs vees a revelaç#o da parte do (enhor n#o vem%
necessariamente% no momento em que jejuamos% mas posteriormente"
?sto
aconteceu comigo% quando o (enhor revelou-me os maravilhosos
princ9pios de cura durante uma cruada no Caiti" Deus operou
tremendos milagres naqueles encontros" Contudo% os sacerdotes
locais de 8odu e !eiticeiros !icaram muito perturbados com a nossas
concentraç1es" Eles convocaram% através do r'dio% todos os
!eiticeiros e bruxos para uma reuni#o com o objetivo de lançar sobre
nFs uma maldiç#o: Eu disseK "7h: ?sto é maravilhoso: 8amos ver
6 que eles podem !aer% pois eu tenho certea que a glFria do
(enhor est' ao nosso redor e% absolutamente% nada pode nos tocar)"
Durante uma daquelas reuni1es% uma certa mulher que havia
nascido cega !oi traida 0 !rente por sua neta" 3ivemos naquele
pa9s v'rias consecutivas de concentraç1es e% todas as noites% aquela
senhora vinha 0 !rente com a sua m#o no ombro de sua netinha
para receber oraç#o e por v'rias vees experimentou o impacto da
unç#o de Deus% e cair pelo ch#o% embora eu mal a tocasse" Durante
um destes momentos% sabendo que alguma coisa tinha acontecido
0quela pobre mulher% me dirigi a ela diendoK "Como voc& est'% vovFI
7lhe para mim:" Ela constrangida e piscando os seus olhinhos inativos%
respondeuK "Eu n#o posso ver"" Eu sF pude lhe responderK "Certo%
vem aqui por !avor:" 7rei por ela e nada aconteceu"
2 mesma coisa aconteceu em todas as concentraç1es nas
noites seguintes" Ela sempre vinha 0 !rente com sua neta" Era
impactada pelo poder do Esp9rito (anto de tal maneira que% sempre
ca9a pelo ch#o" Eu tinha certea que aquilo que acontecia com ela
era o genu9no poder do Esp9rito" Entretanto% a cada momento que a
ajudava levantar-se do ch#o% !aendo a mesma pergunta% ela respondiaK
"Eu ainda n#o posso ver)"
Con!esso que comecei a me sentir um pouco embaraçado com
aquela situaç#o" 8oc& deve imaginar como eu me sentia" Juando
estamos conduindo uma ministraç#o de cura nFs n#o esperamos%
necessariamente% que a primeira pessoa a vir 0 !rente seja um cego"
Existe uma grande tentaç#o para convidarmos aqueles que
padecem com dor de cabeça ou alguma outra moléstia n#o t#o
exposta" 3odavia o (enhor% em (ua soberania% n#o pensa assim"
$' no quarto dia comecei a me preocupar com aquela vovF vindo
0 !rente para receber oraç#o" Eu ent#o simplesmente pude orarK
"+ai% obrigado porque ela n#o est' esperando pela cura que eu
posso realiar% mas pelas (uas maravilhas"" Mais uma ve as
mesmas coisas aconteceramB ali's% a mesma coisa aconteceu no
quinto e no sexto dia" Ela vinha 0 !rente% eu orava% ela ca9a pelo
poder do Esp9rito% eu a ajudava a levantar% perguntava como ela
estava e ela% brandamente% me respondiaK "2inda n#o posso
ver)"Ent#o eu lhe diiaK "7 (enhor te abençoe:"
>o @ltimo dia daquela cruada no Caiti% a minha vovF predileta
mais uma ve veio 0 !rente com a sua m#o sobre o ombro de sua
neta" Ema ve mais orei por ela% e novamente% um inacredit'vel poder
de Deus sacudiu aquele !r'gil corpo e% absolutamente
"nocauteada"% ca9ra no ch#o" Cheguei perto dela diendoK "Deus te
abençoe""
Ema ve mais !i a mesma pergunta dos dias anterioresK
"Como voc& se sente vovFI" E piscando os seus olhinhos negros%
ela me respondeu com regoijoK "Eu posso te ver claramente:"
Deus tinha recriado totalmente os seus olhos e dado a ela vis#o
pela primeira ve em sua vida: Ent#o exclameiK "Jue maravilha:
2leluia: (F o (enhor é Deus:" >o entanto% em meu 9ntimo eu disseK
"2mém% eu sei que (enhor poderia !aer isto desde o primeiro dia""
Muitos meses depois% durante um extensivo per9odo de jejum e
oraç#o% eu estava dirigindo em uma avenida ao sul da ,lFrida% onde
morava" Eu estava distra9do quando% bem em !rente dos meu olhos% se
descortinou a cena daquele dia quando orei por aquela pobre

vovF
haitiana" 2quela vis#o era como se estivesse assistindo a um video-tape
colorido daquele memor'vel dia" Durante muito tempo% !iquei muito
impressionado sobre aqueles sete dias que estive orando por aquela
mulher cega" >aquele momento quando o (enhor me abria os olhos
para considerar aquele milagre% Ele deu-me entendimento daquilo
que estava impedindo aquela mulher de ser curada desde o primeiro
dia" 7 (enhor me mostrou que todas as vees que ela vinha 0 !rente
para receber a oraç#o% uma criatura que se parecia com um polvo%
com os seus v'rios tent'culos% envolvia os olhos daquela mulher"
3odas as vees que orava por ela% a unç#o de Deus a tocava e a
arrebatava de um daqueles horrendos tent'culos"
Durante a primeira oraç#o% um segundo tent'culo era so-
brenaturalmente removido" Durante a segunda oraç#o% o terceiro
tent'culo e% assim por diante" >a @ltima reuni#o aquela mulher
linha vindo 0 !rente apenas com o tent'culo que ainda insistia em
!a&-la cega" >a verdade aquela criatura era um esp9rito de cegueira%
um dem[nio que a tinha mantido amarrada e con!inada num mundo
de trevas" Juando orei por ela naquele @ltimo dia% o @ltimo tent'culo a
abandonou e ela podia ver claramente"
>aquele dia% o (enhor deixou bem claro em meu esp9rito que
obstruç1es demon9acas podem nos impedir de v'rias maneiras" 3oda
ve que voc& ora sob a unç#o do Esp9rito (anto% sem d@vida alguma
coisa acontece no mundo espiritual" Creia nisto: 7 (enhor sempre
nos dir'K ">#o se desencoraje" +ersevere em oraç#o até o @ltimo
obst'culo cair por terra e a cura e a libertaç#o acontecerem)"
Cap#t"$o 3
&UA' ( A 6A)URENA DE SEU M!6!S)(R!O
$amais esquecerei a ve em que est'vamos ministrando no
norte da ]/mbia% W!rica" 7 (enhor usou aquela experi&ncia para
ensinar-me alguma coisa acerca de meu chamado e a naturea de
meu ministério" >aquela oportunidade em que estivemos naquele
pa9s% o (enhor curou muitas pessoas em meio a uma multid#o de
O6"666 pessoas" Dentre todas as pessoas que !oram curadas% me
lembro de um homem coxo que !req.entou nossas reuni1es com
uma simples moleca improvisada em casa por mais de PP anos" 7s
seus tornoelos eram contorcidos e suas pernas grotescamente
tortas"
Depois de receber a oraç#o% as suas pernas imediatamente% se
endireitaram e aquele homem começou a saltar de alegria e goo"
Q2credito que aquela cena !oi bem similar ao que aconteceu em
2tos GKG-N% quando +edro liberou uma palavra de cura para um
homem que se assentava 0 porta !ormosaR" +arecia-me que aquele
velhinho n#o podia se conter de alegria e pulava o tempo todo"
43ambém orei por um garoto de OS anos que havia sido con!inado a
uma cadeira de rodas% v9tima da poliomielite desde a idade de umB
ano" 2 sua m#e o conduiu até a !rente e o colocou na !ila de
oraç#o% onde muitos também esperavam" Depois daquele menino
receber a oraç#o% ele escorregou da cadeira e !oi para o ch#o imundo
e !icou ali% enquanto or'vamos por outras pessoas que também se
encontravam na !ila"
De repente ouvi uma grande gritaria no meio daquela multid#o
e v'rios de!icientes !9sicos começaram a pular" >#o me contive e !ui
para o !undo do sal#o para tirar !otos daqueles milagres de cura" 3emos
que reconhecer que o nosso Deus é poderoso em sinais e
maravilhas" Enquanto eu voltava para o p@lpito% assisti aquele
jovem paral9tico repentinamente pular e começar a correr" Juando%
!inalmente% cheguei ao lugar onde se encontrava ca9do% ele passou
por mim correndo em grande velocidade"
2garrada 0 cadeira de rodas
%
vaia% onde aquele garoto passara
a mai or parte de sua vi da sem nenhuma esperança% a m#e
chorava incontidamente e seus convulsivos soluços sacudiam todo o
seu magro corpo" Juando aquela senhora me viu aproximando%
imediatamente ela se ajoelhou no ch#o e enchendo as m#os de
terra% jogava sobre si" 7 meu intérprete me relatou que ela diiaK
"7brigado% grande che!e% por vir ' W!rica e curar o meu querido
!ilho)"Eu% cuidadosamente% a levantai do ch#o e disseK "Juerida
mam#e eu gostaria que voc& soubesse que sou apenas um pequeno
servo do Che!e dos che!es" 7 (eu nome é $esus e !oi Ele quem
curou o seu !ilhinho)"
Enquanto conversava com aquela mulher ouvi um grande grito
de lamento" 8irando-me% deparei com uma pobre mulher desesperada
vestindo-se apenas com um trapo imundo" QEm pa9ses como estes a
pobrea é extrema e poucas pessoas t&m condiç1es de comprar
roupas e calçados para si" Muitas usam apenas pedaços de panos
para se cobriremR"
2quela miser'vel mulher me disseK "(enhor% eu n#o quero nada
para mim% mas voc& poderia orar pela minha !ilhaI" Ent#o olhei ao
redor e perguntei-lheK 7nde est' a garotaI" Ent#o% levantando
aquele !arrapo de saia% ali estava% escondida atr's da m#e% uma
p'lida garotinha de tr&s anos de idade" Ela vestia uma saia toda
rasgada e uma blusa imunda e podia-se ver claramente grandes
!ur@nculos que lhe brotavam por todo o seu corpo"

;Ma+es+/ O assm B"e E" me snto000;
Eu tinha certea que aquela menininha estava so!rendo uma dor
terr9vel" +ara piorar todo aquele quadro de miséria% quando aquela
m#e se curvou para mostrar-me o que havia de errado com sua !ilha%
o seu xale caiu de seus ombros% e eu pude ver que aquele lado do
corpo daquela mulher tinha sido% literalmente% comido por uma
doença parecida com a lepra" >#o somente a garotinha% mas
também aquela preciosa m#e padecia de uma terr9vel doença"
Contudo% o seu pedido de oraç#o era somente para a sua !ilha"
2bracei as duas ao mesmo tempo e orei ao (enhor com lodo
o meu coraç#o" Depois% aquela so!rida mulher !alou-me com vo
tr&mula e com l'grimas correndo pelo o seu magro rosto% ela diiaK
"7brigado% senhor% por deixar o seu pa9s e vir nos abençoar neste pa9s
t#o pobre:"
Eu% simplesmente% n#o pude conter as minhas l'grimas" 2inda
hoje% n#o posso descrever a compaix#o que senti% naquele momento%
por aquelas pessoas" 2o deixar aquele recinto% senti o Esp9rito de
Deus perguntar-meK "8oc& sentiu compaix#o por esta mulher e
aquela garotinhaI" ZespondiK "(im (enhor:" Ent#o o (enhor !alou-
me pro!undamente ao coraç#oK "Mahesh% é assim que eu me sinto por
todas as pessoas em todas as naç1es" Eles est#o !eridos% sem
esperança e sem nenhum conhecimento da mensagem de meu !ilho
$esus Cristo" Eu quero que voc& os ajude" Compartilhe a mensagem
da 8ida:)"
Onde está o eJOrcto*
7 61e)as Kangers6 Qgrupo de homens que !uncionavam como
uma espécie de exércitoR% que mantinha a lei e a ordem no tempo do
velho 6Test6, deixou-nos um legado inspirador" Certa ve% um xeri!e
de uma pequena cidade do 3exas% enviou um telegrama urgente para
o "quartel" do Kangers diendoK "Envie imediatamente um exército: 2
cidade se tornou um caos" Est' instaurada a total baderna% a anarquia
nos destruir':"
7 xeri!e% ent#o% recebeu de volta a sucinta respostaK
"Encontre-me amanh# na estaç#o 0s quatro horas""
>a tarde do outro dia% aquele ansioso xeri!e e o desesperado
pre!eito esperavam impacientes% na plata!orma% a aproximaç#o do
trem das quatro" Em meio 0quela multid#o que desembarcava eles
observaram um @nico membro do 61e)as Kangers6 calmamente
descer do trem com o seu ri!le sobre o ombro" Entusiasmados%
esperavam ver outros homens" +orém% para o desapontamento de
ambos% o trem novamente partiu e nenhum outro soldado de-
sembarcou" Correndo em direç#o 0quele solit'rio soldado eles per-
guntaram ansiosamenteK "7nde est' o exércitoI"
7 soldado olhou dentro dos olhos deles e disse
categoricamenteK "+ara cada baderna% um Kanger6 2quele pequeno
homem sabia muito bem quem ele era% o que representava e a
extens#o de sua autoridade"
2 minha mensagem para voc& é simplesmente estaK "7 (enhor
tem chamado voc& como um UKangerU para colocar em ordem
algum tumulto)"2 sua miss#o é ter em seu coraç#o o mesmo sentimento
que Deus tem em relaç#o ao mundo e realiar o ministério que o
(enhor tem con!iado a voc&" Ele j' nos concedeu toda a autoridade
necess'ria% a sua ins9gnia e toda arma necess'ria para a destruiç#o
do inimigo"
A descrção da o9ra a ser rea$Pada
3odos os tr&s Evangelhos sinFpticos Qos Evangelhos de
Mateus% Marcos e LucasR registram o dia em que $esus concedeu a
seus disc9pulos autoridade% dando-lhes comando para expulsarem
dem[nios e curar os en!ermos"
E então, se dirigiu a seus disc*pulos3 a seara, na !erdade #
grande, mas os trabal.adores são poucos. Kogai, pois, ao en.or
da seara que mande trabal.adores para a sua seara. 1endo
c.amado os seus disc*pulos, deu-l.es ;esus autoridade sobre os
esp*ritos imundos, para e)pelir e para curar toda sorte de doenças
e enfermidades.
QMt NKGT-O6KOR
2 descriç#o desta obra a ser realiada !oi% na verdade% parcial
por duas ra1es" Prmera% isto !oi "apenas uma leve pincelada"%
uma palavra introdutFria aos disc9pulos" +oder9amos também
considerar esta palavra como um teste prévio ou uma amostra da
nova realidade de vida que os disc9pulos viveriam apFs a obra de
$esus ser consumada na cru e% posteriormente o batismo no Esp9rito
(anto" Se."nda% os disc9pulos en!rentariam um dem[nio%
aparentemente insuper'vel% que atormentava aquele menino
resistindo-lhes o comando QMt OTKOM-5OR" ,oi naquele dia que os
disc9pulos aprenderam sobre o incr9vel poder da oraç#o e do jejum"
Por B"e e"/ Sen+or*
Muitos crist#os !ogem de suas responsabilidades para com
os outros% porém% eles n#o percebem que est#o simplesmente
seguindo o exemplo de Caim% que deu a seguinte resposta 0 pergunta
inquiridora do (enhor acerca de seu irm#oK 6ou eu guardador de meu
irmãoB6 2 resposta do (enhor !oi e ainda continua a serK " (im"
7 pro!eta $eremias% expressamente !risou a eterna conseq.&ncia
de nossa responsabilidade em ajudar a resgatar outrosK casa de
/a!i, assim diz o en.or3 ;ulgai pela man.ã &ustamente e li!rai o
oprimido das mãos do opressor- para que não se&a o meu furor como
fogo e se acenda, sem que .a&a quem o apague, por causa da
maldade das !ossas ações. 6 Q$r 5OKO5R
7 nosso irm#o 3iago também nos adverte no >ovo 3estamentoK
6(ortanto, aquele que sabe que de!e fazer o bem e não o faz nisso
est= pecando. 6 Q3g MKOTR Jual é este "bem" que 3iago est' !alandoI
+ermita-me usar como ilustraç#o um incidente que aconteceu na in!/ncia
de minha esposa% *onnie"
Juando *onnie tinha apenas sete anos de idade% ela e seus primos
estavam brincando de "esconde - esconde" no celeiro de uma
!aenda no >ovo México" *onnie escolheu% o que ela pensou ser% o
esconderijo mais seguro% um lugar bem escuro onde havia v'rios
sacos de cereais estocados" 8estida apenas com uma bermuda%
camiseta e calçando sapatilhas% ela se abaixou silenciosamente entre
as palhas% quase se encostando na parede"
>aquele esconderijo% de um lugar iluminado por uma !resta de
lu% *onnie ouviu um barulho assustador do chocalho de uma cobra
venenosa que j' se preparava para lhe atacar" 2pavorada% *onnie
deu um pulo e correu para a sede da !aenda em busca de seu pai"
Juando eles chegaram no celeiro% ela percebeu que estava calçando
apenas uma sapatilha"
7 pai de *onnie entrou naquele velho celeiro com mais alguns
companheiros e% alguns minutos mais tarde% l' estavam eles de volta
carregando aquela imensa cobra venenosa" 3ravada em suas presas
estava uma das sapatilhas deixada por *onnie quando saiu correndo em
busca de socorro" Creio que poder9amos usar este episFdio para
ilustrar o livramento que tivemos de satan's e do pecado através da
morte e ressurreiç#o de $esus Cristo"
Milh1es de pessoas est#o "inocentemente" se abaixando em lugares
escuros e brincando o "jogo da vida)"Elas acreditam que agem de
maneira correta e segura" 2 realidade é que existe uma cruel e
agressiva serpente espreitando ao redor% insistindo em seu intento
maligno de destruir toda a humanidade" +or nFs mesmos estamos
totalmente despreparados% desprotegidos e incapaes de contrapor o
ataque desta terr9vel serpente" Mas Deus est' chamando o mundo
para 4correr para o +ai4 e (uas M#os Qa ?grejaR para matar a
serpente" $esus j' !e tudo isto no Calv'rio% mas Ele est' dependendo da
?greja para divulgar as *oas >ovas e matar as cobras" ?n!elimente
muitos de nFs% na ?greja% ainda levamos a vida como se a serpente
!osse apenas um sonho ou um mito" 7ra% irm#os% como !ilhos de
Deus e conhecedores da 8erdade% temos a comiss#o de $esus e (eu
poder para traer libertaç#o 0s pessoas" 7 que% estamos esperandoI
2s @ltimas palavras que $esus !alou a (eus disc9pulos% enquanto
estava nesta terra% nos o!erece mais clarea sobre a naturea de (ua
obra% a nFs con!iadaK
6@inalmente, apareceu ;esus aos onze, quando esta!am à mesa,
e censurou-l.es a incredulidade e dureza de coração, porque não
deram cr#dito aos que o tin.am !isto &= ressuscitado. E disse-l.es3 60de
por todo o mundo e pregai o e!angel.o a toda criatura. >uem crer e
for batizado ser= sal!o- quem, por#m, não cr" ser= condenado.
Estes sinais .ão de acompan.ar aqueles que cr"em3 em meu
nome, e)pelirão demônios, falarão no!as l*nguas- pegarão em
serpentes- e, se alguma cousa mort*fera beberem, não l.es far= mal-
se impuserem as mãos sobre os enfermos, eles ficarão curados. /e
fato, o en.or ;esus, depois de l.es ter falado, foi recebido no c#u, e
assentou-se à destra de /eus" "
QMc OSKOM-ONR
De acordo com o @ltimo vers9culo do Evangelho de Marcos% os
disc9pulos se tornariam executores da +alavra pro!erida por $esus a
elesK 6E eles, tendo partido, pregaram em toda parte, cooperando com
eles o en.or e confirmando a pala!ra por meio de sinais que se
seguiam'.QMc OSK56R Eu gostaria de lhe propor% caro leitor% algumas
quest1es para voc& ponderar em seu coraç#oK "Estas palavras s#o
dignas de con!iança para os nossos diasI +or qu&I >a autoridade de
quem realiamos todas as coisasI Juem na terra poderia%
possivelmente% ter mais autoridade que nosso (enhor $esus CristoI
Juem nesta terra poderia% com autoridade% a!irmar que as palavras
de $esus n#o s#o para esta geraç#oI 7 que havia no Evangelho do
(enhor $esus que o !aia declarar tais palavras com tal veem&ncia e
!irmea sabendo Ele da condiç#o do homem ca9do e deste mundo
malignoI" 2 @nica resposta é Fbvia D2s palavras de $esus jamais
passar#o" 7 que Ele !alou realiar'" Cremos que o Evangelho do
(enhor $esus é o mesmo hoje e esperamos ver a cada dia% através da
pregaç#o% dem[nios derrotados% en!ermidades serem curadas%
libertaç#o aos cativos e oprimidos" E por que n#o ressuscitar os
mortosI 2s prFprias palavras de $esus s#o o nosso aval e garantia"
>aturalmente estas obras sF poder#o ser realiadas na depend&ncia
exclusiva do (enhor% através de vidas consagradas 0 oraç#o e ao
jejum"
7s apFstolos e os disc9pulos do primeiro século !oram pessoas
que oravam e jejuavam com muita !req.&ncia" +or esta ra#o eles
mani!estaram e realiaram as mesmas obras vistas no ministério
terreno de $esus Cristo e este padr#o de ministério ousado e
sobrenatural continuou bem até o segundo século Qbem depois da
morte de +aulo e os disc9pulosR" 2 e!etividade do ministério declinou
porque a intimidade do relacionamento entre o homem e Deus declinou-
se 0 medida que a apatia% a heresia e !ormas pol9tico-religiosas
vaias entraram para a ?greja"
$' é tempo de tomarmos de volta todo o territFrio que o inimigo
roubou do povo de Deus" Ele almeja que (ua palavra habite em nFs
ricamente% que estejamos em 9ntima comunh#o com o (eu Esp9rito e
em obedi&ncia 0 (ua vontade" Juando reenvidicamos a nossa herança
como !ilhos e começamos a buscar a (ua !ace em jejum e oraç#o% todos
os milagres dos Evangelhos e do livro de 2tos vir#o bramindo para o
dia-a-dia da ?greja" ?sto é t#o simples quanto a oraç#o de $esus por nFsK
6Fão rogo somente por estes, mas tamb#m por aqueles que
!ierem a crer em mim, por interm#dio da sua pala!ra.
<fim de que todos se&am um- e como #s tu, 9 pai, em mim e
eu em ti, tamb#m se&am eles em n9s- para que o mundo creia que
tu me en!iaste. Eu l.es ten.o transmitido a gl9ria que me tens
dado, para que se&am um, como n9s o somos ,Eu neles, e tu em
mim, afim de que se&am aperfeiçoados na unidade, para que o
mundo con.eça que tu me en!iaste e o amaste, como tamb#m
amaste a mim.
(ai, a min.a !ontade # que onde Eu estou, este&am tamb#m
comigo os que me deste, para que !e&am a min.a gl9ria que me
confiaste, porque me amaste antes da fundação do mundo. (ai &usto, o
mundo não te con.eceu- eu, por#m, te con.eci, e tamb#m estes
compreenderam que tu me en!iaste.
Eu l.es fiz con.ecer o teu nome e ainda o farei con.ecer, a fim
de que o amor com que me amaste este&a neles, e eu neles este&a.
Q$o OTK 56-5SR
2 descriç#o da obra que $esus deu a (eus disc9pulos h' dois
mil anos atr's ainda se aplica 0 (ua ?greja nos dias de hoje" 2ssim
como os disc9pulos !oram orientados% em Mateus OTK5O% para
orarem e jejuarem para serem vitoriosos diante de qualquer obst'culo
em suas vidas% eu e voc& somos também comissionados a jejuarmos
e orarmos nos dias de hoje" 2ssim como o (enhor con!iou aos
disc9pulos a responsabilidade da pregaç#o do evangelho para
arrependimento% de orar pelos en!ermos e expulsar os dem[nios% as
mesmas coisas também s#o esperadas de mim e de voc&: 7 que irei
te dier talve possa lhe parecer estranho% mas é a genu9na palavra de
DeusK "2 voc& !oi dada também a autoridade de ressuscitar os
mortos% embora isto deva ser realiado sob o estrito comando e
direç#o de Deus"" 2credito que a ?greja nesta geraç#o começar' a
ver os mortos se levantarem como um sinal e maravilha em um
n9vel nunca visto na histFria da ?greja" 3odavia isto jamais acontecer'
até que o povo de Deus descubra e pratique 7 +7DEZ (ECZE37 D7
$E$EM E D2 7Z2^_7"
8oc& é um disc9pulo de $esus CristoI Deixe-me clarear este ponto%
se existe alguma con!us#oK (e voc& é um crente em Cristo $esus%
ent#o voc& é um disc9pulo: Jual é a naturea do ministério de um
disc9pulo de $esus CristoI 7 (enhor disseK
6Estes sinais .ão de acompan.ar aqueles que cr"em3 em meu
nome, e)pelirão demônios- falarão no!as l*nguas- pegarão em
serpentes- e, se alguma cousa mort*fera beberem, não l.es far= mal-
se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados. 6
QMc OSKOT%OYR
2s pessoas que $esus comissionou e enviou dois a dois eram
pessoas comuns como eu e voc&% mas o (enhor n#o estava impor-
tando com isto" 2s atribuiç1es do ministério daqueles homens inclu9a
a responsabilidade de curar os en!ermos% ressuscitar os mortos e
expulsar os dem[nios" 7 (enhor disse a elesK """" de graça
recebeste, de graça dai. 6 QMt O6K YbR

?n!elimente% a ?greja perdeu a vis#o da naturea da obra
em !avor de um c[modo comportamento" Ela pre!ere se esconder entre
quatro paredes% se assentar em bancos con!ort'veis% limitando o
poder de Deus" 7ra% os propFsitos% os planos de Deus n#o !oram
mudados" 7 (enhor também nos tem chamado para traer
libertaç#o aos cativos% para sermos as testemunhas vivas de (eu
poder libertador em nossos dias em qualquer lugar que !ormos" >os
custar' um preço para carregar este n9vel de unç#o em nossas !idas
para curarB isto nos demandar' uma vida disciplinada de jejum e
oraç#o" Mas queridos% se n#o existir nenhum objetivo ou alvo em
nosso viver% nunca seremos nada em Cristo" 7 apFstolo +aulo tomou
Cristo como o seu alvo m'ximoK
60rmãos, quanto a mim, não &ulgo .a!"-lo alcançado- mas
uma cousa faço3 esquecendo-me das cousas que para tr=s ficam e
a!ançando para as que diante de mim estão, prossigo para o al!o
para o pr"mio da soberana !ocação de /eus em ?risto ;esus. 1odos,
pois, que somos perfeitos, ten.amos este sentimento- e, se,
por!entura pensais doutro modo, tamb#m isto /eus vos
esclarecer=.
G@p GKG-OPR
Juando estamos vivendo o estilo adequado de vida em $esus% o
(enhor estar' sempre proporcionando !ormas de estarmos servindo aos
outros" ?sto acontecer'% por exemplo% na nossa rotina di'ria de ir para
o trabalho% para o supermercado ou abastecer o nosso carro"
>estes momentos% o (enhor estar' nos dando a chance de
repartirmos com os outros as *oas >ovas do Evangelho" ,oi assim
que aconteceu com os disc9pulos"
Aprenda com a +st2ra
2 histFria é uma grande pro!essora e% aquelas geraç1es que t&m
observado as suas liç1es !oram mais s'bias que aquelas que !oram
distra9das" 7 di!9cil per9odo% que circundou a (egunda <uerra mundial e
o holocausto judeu% possui muitos exemplos que demonstram a
urgente necessidade dos !ilhos da Lu se posicionarem contra os !ilhos
das trevas"
Durante aqueles anos tenebrosos de guerra% alguns indiv9duos
se levantaram com coragem e vis#o tendo o viver como um "!arol
iluminado" que lançava lu contra a sinistra nuvem de morte que
pairava sobre toda a Europa" 2pesar de toda opress#o e tirania vivida
sob a carni!icina do terceiro Zeich de Citler% alguns intrépidos% em
meio a tanta escravid#o% ousaram a exercitar a sua liberdade para
escolher um viver adequado no (enhor e assim !aendo% !oram !onte
de provis#o espiritual para muitos"
7skar (chindler !oi um homem de negFcios e um naista que
intentava construir um império social e !inanceiro para si mesmo em
virtude da exploraç#o daquela caFtica ocasi#o de guerra" (chindler
n#o teve sucesso em seus negFcios antes ou depois da guerra% mas
durante aquele terr9vel con!ronto ele se envolveu pessoalmente no
resgate de mais de O"566 judeus% cujas vidas e linhagem seriam
extintas para sempre nos !ornos ou c/maras de g's dos campos de
exterm9nio naista"
De alguma maneira% este homem de negFcio teve o seu coraç#o
tocado" 7 seu sistema de valores !oi completamente trans!ormado
e% como resultado% começou a direcionar a sua !'brica de muniç#o
para um negFcio voltado a resgatar vidas" Em por um% 7skar !e
com que judeus re!ugiados e prisioneiros !ossem trans!eridos para a
sua !'brica de muniç#o como "escravos" e% propositalmente%
ordenava seus trabalhadores !abricarem muniç1es com de!eitos" Com
o tempo% a situaç#o econ[mica no pa9s se tornou desesperadora"
(chindler começou% ent#o% vender seus bens pessoais e arriscar a sua
prFpria vida na compra de vidas de mais judeus para livr'-los da
morte nos campos de concentraç#o" ,inalmente% como as !orças
aliadas começaram a entrar nas !ronteiras alem#s libertando a
Europa% (chindler% ainda o!icialmente considerado um membro do
partido naista% !oi !orçado a abandonar a 2lemanha"
Em um !ilme que relata a histFria ver9dica deste homem% uma
cena mostra o seu @ltimo adeus 0s centenas de re!ugiados judeus
que ele tinha pessoalmente resgatado das "garras" de Citler" >o
momento em que contempla os rostos daqueles homens%
(chindler percebeu qu#o poucos eles eram em relaç#o 0 milhares que
!oram arrastados para a morte" Juando olhou para os poucos bens
que ainda lhe restava% inclusive o carro que estava prestes o usar para
a sua viagem% ele exclamou para si mesmoK "Mais de vidas% mais
de vidas pelo menos poderiam ter sido salvas se eu tivesse vendido
o resto de minhas coisas" Eu poderia ter !eito muito% muito mais""
>o momento em que assisti esta dram'tica cena no !ilme
"2 lista de (chindler"% o meu coraç#o saltou dentro de mim" 7skar
(chindler gastou toda a !ortuna que tinha !eito para comprar vidas
que estavam na lista de morte de Citler" 2s O"566 pessoas salvas se
multiplicaram para mais de S"666B S milh1es !oram brutalmente
esmagadas e destas% outras milh1es !oram privadas de nascer"
C' uma vo pro!ética clamando através das palavras de
7skar (chindler que di% com a autoridade de DeusK "(em Cristo a
vida perecer'" 7 propFsito principal para todos os crentes é resgatar
aqueles que perecem sob a escravid#o do pecado e caminham para
a morte eterna" 2 comiss#o para todos os crentes é simplesmente
salvar outros"" Em outras palavras o @nico aspecto eterno de nossa
exist&ncia nesta terra é o nosso investimento na 8ida eterna de
outros"
Jual é a naturea do seu chamadoI D (em sombra de duvida é ser
igual a $esus em palavras e !eitos" 2 melhor maneira% creio eu% de
terminar este cap9tulo e preparar os nossos coraç1es para o prFximo
é recordar e meditar a pro!ecia que de!iniu o chamado de nosso
(enhor $esus e que também de!ine o seu chamado nesta geraç#o"
67 Esp*rito do en.or est= sobre mim, pelo que me ungiu para
e!angelizar os pobres. En!iou-me para apregoar liberdade aos cati!os,
dar !ista aos cegos, pôr em liberdade os oprimidos, e anunciar o ano
aceit=!el do en.or.
QLc MKOY%ONR
8oc& também é chamado e ungido pelo Esp9rito (anto para pregar
as *oas >ovas de esperança aos pobres" Como disc9pulo de $esus% a
voc& !oi dada autoridade para% em (eu nome% abrir os olhos aos
cegos e traer libertaç#o a todos os oprimidos de satan's" Coje% talve
como nunca antes% voc& est' ungido para proclamar 6o ano aceit=!el
do en.or,6
2gora a mais di!9cil perguntaK "8oc& est' preparado para
realiar as obras de $esus como voc& !oi comandado por EleI" (e a
resposta !or sim% ent#o voc& deve estar preparado para pagar o
preço e dier como $esus disse a esta geraç#oK 6Ao&e se cumpriu esta
escritura que acabais de ou!ir'. QLc MK5ObR
7 primeiro passo para o sucesso e talve o mais di!9cil é o caminho
para a verdadeira humilhaç#o"
Cap#t"$o H
HUM!'DADE: A POS!ÇÃO DE )R!U6=O
Em ONYS durante um per9odo de M6 dias de jejum% o (enhor !alou-
me que estava enviando um avivamento% a n9vel mundial e%
conseq.entemente% uma grande colheita de vidas sem precedentes"
2credito que estamos entrando em um per9odo que poder9amos
chamar de pFs-carism'tico ou "onda" de avivamento" $' estamos
começando a ver as primeiras gotas desta chuva da unç#o e glFria de
Deus" 2 primeira impress#o que o (enhor colocou em meu esp9rito
sobre esta grande colheita !oi a mais de O6 anos atr's"
Muitos outros pro!etas e l9deres crist#os% incluindo o irm#o +aul
Cain% t&m tido também a mesma vis#o por mais de O6 anos" 2credito
que hoje% como nos dias do pro!eta Elias% estamos presenciando o
in9cio de um grande derramamento do Esp9rito" 7 que estamos
vendo% na verdade% é uma pequena nuvem no horionte Qn#o é
maravilhosoIR" 3odavia% o que se segue a esta pequena nuvem é um
grande mover e !luir de Deus nestes dias em escala nunca vista em
nenhuma geraç#o: 2credito que até mesmo o menor grupo de
oraç#o n#o poder' se conter dentro dos prédios das igrejas" Com
certea haver' congregaç1es locais que ser#o obrigadas a realiar
seus cultos dominicais em est'dios esportivos" Existir' também
tantos reavivamentos em nossas cidades que mesmo o mais secular
dos programas de r'dio ou televis#o estar#o reportando o mover de
Deus em (ua igreja" +ermita-me por um momento me deleitar em um
sonhoK
\Juine pessoas que nasceram cegas est#o agora vendo%depois de
participarem da reuni#o de culto pela manh# na igreja de Dallas que
se re@ne no est'dio local" 8inte e cinco pessoas que t&m levado suas
vidas con!inadas em cadeiras de rodas por motivo de v'rias
en!ermidades começaram a andar e até mesmo a pular diante de
milhares de pessoas durante um culto de reavivamento em Mobile%
2labama% nesta tarde" +oliciais est#o discutindo a melhor maneira de
dispor das centenas de cadeiras de rodas% muletas e dispositivos
ortopédicos deixados para tr's depois de todos os cultos acontecidos
na cidade"4
Eu almejo o dia em que os programas de r'dio e televis#o
estar#o cheios de notici'rios acerca dos tremendos milagres
realiados pelo (enhor $esus antes de (ua vinda" >o entanto%
queridos% a ?greja sF ser' capa de operar na plenitude do Esp9rito
(anto quando os seus membros viverem na plenitude de Deus em
suas vidas" Como obter graçaI D >os humilhando" +rovérbios GKGM di
que Deus """"d' a sua graça aos .umildes. 6
$esus% o nosso maior modelo de ministério% discipulado e
liderança% nos mostrou o caminho" 8eja o que o 2pFstolo +aulo disse
aos !ilipensesK
61ende em !9s o mesmo sentimento que .ou!e tamb#m em
?risto ;esus, pois subsistindo em forma de /eus, não &ulgou como
usurpação o ser igual a /eus- antes, a si mesmo se es!aziou,
assumindo a forma de ser!o, tomando-se em semel.ança de
.omem- e, recon.ecido em figura .umana, a si mesmo se .umil.ou,
tornando-se obediente at# a morte e morte de cruz. (elo que
tamb#m /eus o e)altou soberanamente e l.e deu o nome que est=
acima de todo nome.'
Q,p 5KP-NR
Existe muita con!us#o acerca destas palavras "humildade"e
"humilhaç#o"" Elas carregam em si mesmas uma imagem de
apar&ncia e atitude exterior que% 0s vees% nem sempre corresponde
com a realidade interior" Em outras palavras% este genu9no aspecto
?nterior% pode ser con!undido com aquela apar&ncia exterior que
camu!la o orgulho e a autocon!iança" +ortanto% algumas aç1es con-
sideradas !rutos de um coraç#o humilde podem estar escondendo
uma grande vaidade em nossa obra e ministério" +or isto precisamos
tomar o caminho que a *9blia nos prop1e para a verdadeira
humilhaç#o diante de Deus"
(empre quando alguém me procura diendoK "?rm#o
Mahesh% ore por mim para que eu me torne humilde diante de Deus
e persevere em meu viver di'rio desta !orma"B eu geralmente
compartilho com eles acerca da vida de Davi e os (almos" >o
contexto em que orava por aqueles que eram os seus inimigos%
Davi escreveuK """" eu .umil.o a min.a alma com &e&um e oração...
6 Q(? GPKOGR 2 palavra hebraica traduida para 6min.a alma6 é
nep.es., a qual pode ser literalmente traduida como 6o meu ser que
respira. 2 maioria das vers1es b9blicas% tradu esta palavra como
6alma' Em (almos SN% um cl'ssico salmo sobre o Messias% Davi
escreveu pro!eticamenteK
%Fão se&am en!ergon.ados por min.a causa os que esperam
em ti, 9 en.or, /eus dos E)#rcitos- nem por min.a causa sofram
!e)ames os que te buscam, 9 /eus de 0srael. (ois ten.o suportado
afrontas por amor de ti e o rosto se me encobre de !e)ame.
1ornei-me estran.o a meus irmãos e descon.ecido aos fil.os de
min.a mãe. (ois o zelo da tua casa me consumiu, e as 0n&urias dos
que te ultra&am caem sobre mim. ?.orei, em &e&um est= a min.a
alma, e isso mesmo se me tornou em afrontas. G0 SP3 S-4LJ'.
7 caminho b9blico para nos humilharmos diante de Deus é
através do jejum" 7ra% precisamos disciplinar as nossas almas% e a
maneira mais e!etiva de !a&-lo é através do jejum"

Juando nos
humilhamos diante de Deus% recebemos mais de (ua graça e de
(eu poder" 7 2pFstolo +edro escreveuK
6Kogo igualmente aos &o!ens3 sede submissos aos que são mais
!el.os- outrossim, no trato de uns com os outros, cingi-!os todos
de .umildade, porque /eus resiste aos soberbos, contudo, aos .umildes
concede a sua graça. Aumil.ai-!os, portanto, sob a poderosa mão de
/eus, para que Ele, em tempo oportuno, !os e)alte. 6
QO +e PKP%SR
(e !ormos capaes de viver nesta atmos!era de genu9na hu-
milhaç#o% Deus% a (eu tempo% nos exaltar'" 7 problema nos Estados
Enidos e em v'rios pa9ses ocidentais é que nosso estilo de vida di'ria%
sempre voltado para a cultura do praer% produ as pessoas mais
impacientes do mundo" >Fs temos sido% através das décadas%
cuidadosamente ensinados pelo 6marketing6 a esperar a grati!icaç#o
instant/nea"
8oc& n#o acredita no que digoI Ent#o% com um cron[metro%
sente-se diante de sua televis#o por apenas uma noite" 8oc&
rapidamente descobrir' que% em quase todas as situaç1es que se
desenrolam nos programas televisivos% o personagem principal é
capa de resolver seus problemas em um passe de m'gica Qe quase
todos os problemas surgem porque eles n#o podem alcançar o que
querem da maneira e na rapide que desejamR" Muitas das propa-
gandas que s#o "despejadas" em nossas casas todos os dias t&m
como objetivo% convencer a nFs e a nossos !ilhos da necessidade de
"sermos donos de nossos prFprios naries" e das vantagens de sermos
sempre o "numero um"" (uponho que eles acreditam que se !ormos
expostos 0 uma mentira por um tempo su!iciente% ela se tornar' a
pura verdade" 2 nossa vida n#o pode !uncionar desta maneira" Deus%
em (ua palavra% nos di que se nos humilharmos%Ele nos exaltar'"
E$e esco$+e" este peB"eno 2rfão ndano
Considere as promessas Dele novamente" Ele disse que nos
exaltaria" Esta promessa é tremenda e sai da boca daquele que
nunca mente ou !alha em cumprir as (uas promessas" Como eu me
humilho diante da inexplic'vel graça e misericFrdia concedidas a
mim: Ele escolheu aquele pequeno Fr!#o indiano% oriundo de um
remoto lugar% e o conduiu a v'rios anos de jejum e oraç#o"
+osteriormente% o levantou para conduir v'rias cruadas de
evangelismo com curas% sinais e prod9gios em YS pa9ses" Ele o usou
até mesmo Qn#o sei por qual ra#o% Ele o sabeR para ministrar
milagres em $erusalém% apenas a alguns metros de algumas ruas
onde $esus andou: - Juem sou euI +or que eu e minha esposa *onnie
temos sido t#o abençoados com o privilégio de ver Deus realiar
tantos milagres em nosso ministérioI Com certea n#o é por nossa
prFpria causa D 3oda a glFria seja dada somente a Ele" 2 @nica coisa
que posso dier éK "(enhor% a (ua misericFrdia para com este
pequeno indiano Fr!#o é maravilhosa" 7brigado (enhor:"
8oc& pode escolher viver uma vida de cont9nua humilhaç#o
diante de Deus" 7re ao (enhor constantementeK "(enhor% o meu
desejo é me humilhar diante da (ua presença:" 2 coisa mais
maravilhosa que acontece quando nos humilhamos debaixo de (ua po-
tente m#o é que% "ao (eu tempo"% Ele nos exalta e nos unge para
realiar a (ua obra" >#o !iquemos ansiosos por coisa alguma:
2penas humilhemo-nos% reconhecendo que n#o somos nada diante Dele"
Ema das mais interessantes passagens sobre humilhaç#o%
jejum e oraç#o est' no (egundo livro das Cr[nicasK
6e o meu po!o, que se c.ama pelo meu nome, se .umil.ar, e
orar, e me buscar, e se con!erter dos seus maus camin.os, então, eu
ou!irei dos c#us, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra.6
Q5 Cr TKOMR
Juando a *9blia !ala de 6se .umil.ar6, ela n#o est' !alando de
uma atitude exterior% como por exemplo andar maltrapilho e dierK
"`% eu sou muito humilde"" 2 palavra est' se re!erindo 0 maneira
b9blica de se humilhar através do jejum descrito por Davi em (almos"
Deus deseja que nos humilhemos individualmente e
corporativamenteB Ele também quer que oremos e busquemos a
(ua !ace e nos arrependamos de nossos maus caminhos" (e
realiarmos estas coisas% a (ua promessa é que Ele nos ouvir'%
perdoar' nossos pecados e sarar' a nossa terra"
Em9aJadores da $9ertação
+arte da comiss#o que o (enhor nos deu como embaixadores
do Evangelho da reconciliaç#o% é graça e unç#o de expulsar
dem[nios em nome de $esus" Como embaixadores do Zei% seja
onde !or que estejamos% esta responsabilidade estar' conosco" 2
palavra de Deus diK 67 mau mensageiro se precipita no mal, mas o
embai)ador fiel # saúde. 6 Q+v OGKOTR (into que o Corpo de Cristo est' se
movendo para um novo n9vel de autoridade corporativa pura expulsar
dem[nios de indiv9duos% de viinhanças% casas e até mesmo de
comunidades inteiras" >#o podemos ignorar% os esp9ritos malignos
s#o uma realidade e o objetivo deles é atormentar a humanidade" 2
nossa comiss#o% por outro lado% é tomar a nossa cru diariamente e
seguir a $esus" 2leluia: Ele veio para quebrar todo e qualquer jugo"
Muitas !ormas de opress1es demon9acas e in!luencias malignas
n#o suportar#o a palavra de comando liberada por um homem ou
uma mulher cheia do Esp9rito" 3odavia% con!orme as palavras de
nosso (enhor% existem castas que n#o ser#o expelidas até que voc&
combine a oraç#o com o jejum e esteja se movendo no +oder do
Esp9rito"
Esta extrema resist&ncia 0 autoridade espiritual é comumente vista
em casos cr[nicos de alcoolismo% v9cio em drogas% homossexualidade%
magia negra% movimento com ocultismo% esp9rito de suic9dio%
depress#o e rebeli#o" Eu tenho visto% !req.entemente% estes tipos de
!ortaleas malignas associadas com maldiç#o de miséria" Juando um
indiv9duo ou !am9lia est' submetido a algum tipo de in!lu&ncia
demon9aca% ela é também% geralmente% açoitada com graves
problemas !inanceiros" 3ais problemas !inanceiros geralmente s#o
ocasionados com acidentes de carros% desemprego% assaltos ou
qualquer outro tipo de calamidade"
M"tos crstãos sentem,se B"ase desamparados e ndefesos
Ema outra 'rea que sempre o!erece resist&ncia 0s oraç1es
normais dos crist#os é a 'rea concernente 0s en!ermidades" 2lgumas
doenças% tais como c/ncer% 2?D( e a !ebre hemorr'gica% Hbola Qe quase
todas as !ormas de doença mentalR carregam em si mesmas um peso de
temor e invencibilidade que quase todos crist#os sentem-se
desamparados no es!orço de venc&-las através da oraç#o" Entendo
muito bem os seus sentimentos e !rustraç1es" >o entanto% vemos
através das Escrituras (agradas que estas doenças% por mais mortais
que sejam% devem se dobrar diante da autoridade do Zei dos reis"
Eu me recordo de um caso% h' v'rios anos atr's% em uma
cidade chamada Mil-aukee% quando um senhor de origem espana
trouxe-me a sua criança que so!ria um ataque epiléptico a cada
dois ou tr&s minutos QEra um caso bem parecido com o daquele
menino lun'tico relatado nos evangelhosR" Juando me deparei com
aquele menino pela primeira ve durante a reuni#o% a minha im-
press#o era que ele tentava nos perturbar% mas na verdade% estava
so!rendo ataques seq.enciais" Juando aquele pai trouxe o seu !ilho 0
!rente para receber a oraç#o% percebi que estava tratando com uma
das situaç1es imposs9veis% que sF o (enhor com (ua in!inita graça
poderia resolver"
Juando orei por aquele garoto% a minha depend&ncia estava%
mais do que nunca% totalmente no (enhor" Eu tinha passado v'rios
dias de jejum e oraç#o% e quando repreendi aquele dem[nio na
autoridade do nome de $esus% um mau cheiro insuport'vel encheu
todo o ambiente daquele sal#o: Juando aquele esp9rito maligno
deixou aquele pobre garoto% todos sentiram o terr9vel odor de enxo!re e
ovos podres" Mas glFria a Deus: 7 liberto" +osteriormente% chegou
ao nosso conhecimento que aquele menino% desde o dia de seu
nascimento% so!ria constantes ataques epilépticos" >#o sei como ele
conseguira manter a sua integridade !9sica e como o seu cérebro n#o
!ora totalmente dani!icado pelos consecutivos e violentos ataques"
2pesar disso% podemos ver depois de sua total libertaç#o% como Deus o
havia protegido até o dia que aquele dem[nio% !inalmente% !oi banido
de sua vida"
Em meo a tanta fraB"ePa/ De"s ress"scto" "m morto
Deus explodiu a (ua unç#o para cruadas de massa em
minha vida em ONYP% exatamente em um dos momentos mais
trevosos e di!9ceis de minha vida !amiliar" Juando estava gr'vida de
nosso !ilho% 2aron% *onnie teve complicaç1es que colocaram tanto
ela como a criança em risco de vida" Ela !icou con!inada na cama por
tr&s longos meses até 2aron nascer prematuramente"
3udo que poderia acontecer de errado% aconteceu" Dia apFs dia%
nFs batalhamos pela pequena vida que se encontrava no @tero
!ragiliado de *onnie" Em meio 0quela intensa ansiedade e angustia%
o (enhor nos trouxe uma palavra inusitadaK "(orria% d&em
gargalhadas)"7 que nos pareceu totalmente inapropriado naquele
momento se tornou simplesmente o que o médico nos ordenou a
!aer QDeus sabe l' porqueR" Em amigo ent#o nos emprestou
algumas !itas do comediante *ill Cosb=% e começamos a ouvir as
suas piadas extravagantes todos os dias e r9amos até sentirmos
dores" Deus estava certo" Xquelas horas passadas em meio a
risadas nos !ieram sentir como se estivéssemos tomando ![lego apFs
estarmos submergidos em 'gua por um longo tempo" *om% o !inal e a
moral desta histFria é que o nosso Deus é !iel" 2aron nasceu
incrivelmente com 5P semanas e pesando apenas O kilo e meio" Com
complicaç1es pFs-parto% !oi imediatamente submetido a
tratamentos intensivos e melindrosas cirurgias" Coje% pela graça de
Deus% é um jovem saud'vel e !orte"
Logo apFs o nascimento de 2aron% em meio a toda aquela luta
entre a vida e a morte devido a doenças e complicaç1es de seu
nascimento% !i uma viagem para ]/mbia e ]aire QW!ricaR para
ministrar cruadas de curas e treinamento de liderança com o
irm#o Derek +rince e uma equipe apostFlica" +rimeiramente%
estivemos juntos no noroeste da ]/mbia com a !inalidade de ministrar
treinamento para cerca de 5"G66 jovens pastores e evangelistas" De
repente% o Esp9rito de Deus agiu t#o poderosamente na vida do
irm#o Derek% que ele começou a chorar" Ele !alava sobre o trabalho
apostFlico e a import/ncia de disciplinar as pessoas na +alavra% e%
para terminar a sua palestra% adicionouK "Eu ensinei tudo que eu sei
ao irm#o Mahesh% mas Deus o ensinar' um pouco mais e os !rutos
de sua vida ser#o de vees mais abundantes do que em minha
vida""
7uvindo aquelas palavras% me derramei em l'grimas e disse
para mim mesmoK "Como ser' istoI De maneira nenhuma posso ser
comparado 0 sabedoria% unç#o e maravilhosa habilidade em ensinar
que Derek +rince possui)"
Duas semanas e meia mais tarde% eu me encontrava soinho no
]aire Q7 irm#o Derek tinha ido para o ]imb'bueR para ministrar nas
cruadas de cura e libertaç#o" >a primeira noite daquela cruada%
Deus trouxe O66"666 pessoas e j' no !inal da semana cerca de
GS6"666 pessoas estavam !req.entando as reuni1es" 2lgum tempo
depois o irm#o Derek disse-me que o maior n@mero em uma reuni#o
que teve em ]imb'bue !oi a décima parte% ou seja GS"666 pessoas%
ent#o o (enhor !alou em meu coraç#oK "8oc& est' vendoI Eu posso todas
as coisas""
Durante aquela mesma semana em uma daquelas reuni1es no
]aire% anteriormente conhecida como Congo *elga% o (enhor me deu
uma palavra de revelaç#o um tanto quanto perturbadora e espec9!ica"
>aquel' noite estava com o meu coraç#o bem sobrecarregado de
preocupaç1es com *onnie e o meu !ilhinho 2aron que lutava pela
vida "a meio mundo4 distante de mim" Em meio aos meus
pensamentos% a palavra do (enhor veio poderosa e clara como um
sino que tocaK "Existe um homem aqui cujo !ilho morreu esta manh#"
Chame-o" Eu vou ressuscit'-lo""
,i exatamente o que o (enhor havia ordenado e anunciei
0quela grande multid#o 0 minha !rente que Deus havia dito que
tinha um homem naquele lugar% cujo !ilho havia !alecido naquela manh#"
Em burb@rio% que se tornou um grande rugido% estremeceu aquele
lugar" Convidei aquele homem para vir 0 !rente" $amais esquecerei a
vis#o daquele homem correndo em minha direç#o" 2penas existia
uma certea em meu coraç#oK (omente o poder de Deus podia
restaurar a vida e o ![lego ao !ilho daquele homem"
Eu conto a histFria completa deste milagre em meu livro% LnlV
lo!e can make a miracle. +ara o momento relatarei o seguinteK
Aatshin=i tinha morrido 0s quatro horas daquela manh# de mal'ria" +or
volta de meio dia% Deus j' o tinha milagrosamente ressuscitado: Ema
cFpia da certid#o de Fbito de Aatshin=i !oi reproduida em minha
autobiogra!ia" 3oda a glFria deste milagre é somente para o (enhor" Em
minha !raquea% o (enhor revelou-me o (eu poder" Eu atribuo%
de!initivamente% estas maravilhas em meu ministério 0 disciplina que o
(enhor tem me ensinado sobre o jejum e oraç#o" Em todos estes
anos percebo que o (enhor tem lançado !undamento em minha vida
e me puri!icado no sentido de !aer-me mais sens9vel 0 sua
+alavra% e assim% tornar-me um cooperador mais e!etivo com a (ua
obra"
A dferença entre -t2ra e tr"nfo
Juando estamos harmoniados com o coraç#o de Deus% o prFprio
(enhor nos alertar' e nos preparar' antes que o inimigo nos venha
atacar" Leia cuidadosamente nas Escrituras o triun!o do rei $osa!' e de
$ud' contra os seus inimigosK
6Então ;osaf= pôs a buscar ao en.or- e apregoou &e&um em
todo o ;ud=.
;ud= se congregou para pedir socorro ao en.or- tamb#m de
todas as cidades de ;ud= !eio gente para buscar ao en.or.
(ôs-se ;osaf= em p#, na congregação de ;ud= de ;erusal#m, na
casa do en.or, diante do p=tio no!o,
E disse3 <., en.or /eus de nossos pais, por!entura não #s tu
/eus nos c#usB Fão #s tu que dominas sobre todos os reinos dos
po!osB Fa tua mão est= a força e o poder, e não .= quem te possa
resistir.
(or!entura, 9 nosso /eus, não lançaste fora os moradores
desta terra de diante do teu po!o 0srael, e não a deste para sempre à
posteridade de <braão teu amigoB
<gora, pois, eis que os fil.os de <mon e de Coabe, e os do
monte eir, cu&as terras não permitiste a 0srael in!adir, quando
!in.a da terra do Egito, mas deles se des!iaram e não os destru*ram.
Eis que nos dão o pago, !indo para lançar-nos fora da tua
possessão que nos deste em .erança.
<., Fosso /eus, acaso não e)ecutar=s tu o teu &ulgamento
contra elesB (orque em n9s não .= força para resistirmos a essa
grande multidão que !em contra n9s, e não sabemos o que fazer-
por#m os nossos ol.os estão postos em ti.
1odo o ;ud= esta!a em p# diante do en.or, como tamb#m as
suas crianças, as suas mul.eres, e os seus fil.os.
Então !eio o Esp*rito do en.or no meio da congregação, sobre
;aasiel, fil.o de Wacarias, fil.o de +enaia, fil.o de ;eiel, fil.o de matanias,
le!ita, dos fil.os de <safe, e disse3 dai ou!idos todo o ;ud=, e !9s,
moradores de ;erusal#m, e tu, 9 rei ;osaf=, ao que !os diz o en.or3
Fão temais, nem !os assusteis por causa desta grande multidão,
pois a pele&a não # !ossa, mas de /eus.
Feste encontro não tereis que pele&ar- tomais posição, ficai
parados, e !ede o sal!amento que o en.or !os dar=, 9 ;ud= e
;erusal#m. Fão temais nem !os assusteis- aman.ã sa*-l.es ao
encontro, porque o en.or # con!osco.
Então ;osaf= se prostrou com o rosto em terra- e todo o ;ud= e os
moradores de ;erusal#m tamb#m se prostraram perante o en.or, e
o adoraram.
/ispuseram os le!itas, dos fil.os dos coatitas e dos core*tas,
para lou!arem ao en.or /eus de 0srael, em !oz alta sobremaneira.
(ela man.ã cedo se le!antaram e sa*ram ao deserto de 1ecoa-
ao sa*rem eles, pôs-se ;osaf= em p#, e disse3 7u!i-me, 9 ;ud=, e !9s,
moradores de ;erusal#m, ?rede no en.or !osso /eus, e estareis
seguros- crede nos seus profetas, e prosperar=s. <consel.ou-se com o
po!o, e ordenou cantores para o en.or, que !estidos de
ornamentos sagrados, e marc.ando à frente do e)ercito, lou!assem
ao en.or, dizendo3 Kendei graças ao en.or, porque a sua
miseric9rdia dura para sempre. 1endo eles começado a cantar e a
dar lou!ores, pôs o en.or emboscadas contra os fil.os de <mom e
de Coabe, e os do monte eir que !ieram contra ;ud=, e foram
desbaratados. (orque os fil.os de <mon e de Coabe se le!antaram
contra os moradores do monte eir, para os destruir e e)terminar-
e, tendo eles dado cabo dos moradores de eir, a&udaram uns aos
outros a destruir-se.
1endo ;ud= c.egado ao alto que ol.a para o deserto, procurou
!er a multidão, e eis que eram corpos mortos, que &aziam em terra,
sem nen.um sobre!i!ente.
Oieram ;osaf= e o seu po!o para saquear os despo&os, e ac.a-
ram entre os cad=!eres riquezas em abund:ncia e ob&etos preciosos-
tomaram para si mais do que podiam le!ar, e tr"s dias saquearam o
despo&o, porque era muito.
Q5 Cr 56KG-T% O6-OP%OT-5PR
Posconem,se
2 palavra do pro!eta 0 $ud' e 0 ?greja em nossos dias é a
mesmaK 6(osicionem-se. 6 Existe um lugar além da vitFria chamado
triun!o" 2 vitFria !ala de vencer os seus inimigos" Mas o triun!o vai
além de mera vitFria" Juando voc& triun!a% voc& sai da batalha com
muito mais que voc& tinha antes: `% queridos: Deus quer nos dar
muito mais"
+ara sermos vitoriosos e triun!antes temos% primeiramente% que
aprender a nos posicionarmos em tempo de a!liç1es e crises"
?n!elimente tenho observado um triste !ato" Muitas pessoas que
passam por situaç1es dolorosas encontram mais simpatia no mundo
do que no Corpo de Cristo" 2credito que isto se deve ao !ato de
muitos de nFs termos sidos treinados para agir como negociantes
Qdo tipo que sempre est' 0 procura de uma boa "barganha"R ou
como tubar1es Qque sempre atacam os outros quando est#o !eridos%
sangrando e se debatendo nas 'guas da adversidadeR" 7s membros
do Corpo de Cristo parecem mais determinados a atacarem e cortarem
seus membros !eridos do que a caminharem lado a lado% suportando%
curando e corrigindo"
7 (enhor n#o tolera este tipo de atitude em (ua >oiva" ,omos
chamados para estar suportando uns aos outros em amor% pois
estamos unidos em um sF corpoK Cristo" (e um é a!etado% todos
s#o a!etados juntamente" Desta maneira% n#o podemos nos
vangloriar de nada% mas somente contemplar a !ace do (enhor con-
tinuamente e depender Dele"
O $".ar secreto do tr"nfo
Jual !oi a primeira coisa que o rei $osa!' !e quando o seu povo
sucumbiu em seus problemas e derrotasI D Ele convocou um jejum
para a naç#o inteira e todos estavam prostrados diante do (enhor
orandoK 6E, en.or, queremos nos .umil.ar diante de ua presença. 6
7ra% irm#os% quando assumimos uma posiç#o de humilhaç#o%
estamos abrindo a porta para Deus tomar o (eu lugar em nossas
vidas" Certa ve% quando participava de um per9odo de jejum com
mais alguns irm#os% alguém me procurou perguntandoK "+ara que
voc& est' jejuandoI" Con!esso que !iquei um pouco irritado com a
!orma que aquela pergunta me !oi dirigida" 3al pergunta demonstrava
que aquela pessoa sF via o jejum como uma !orma de "troca" com
Deus% ou um "toma l'% me d' c'"" Esta n#o deve ser a nossa atitude"
Juando dispusermos a nos humilharmos diante de Deus% o
nosso @nico desejo deve ser buscar a (ua !ace e n#o meramente as
(uas m#os em busca de d'divas" ">Fs 3e desejamosB acima de
tudo% 3e desejamos" Jueremos ver a (ua glFria e a (ua presença""
Jue esta seja a nossa oraç#o sincera"
Moisés conheceu o segredo da benç#o" Juando o (enhor lhe
ordenou para que seguisse a sua caminhada com o povo no deserto
ele !oi s'bio quando orou ao (enhorK 6e a tua presença não !ai
comigo, não nos faças subir deste lugar. 6 Qax GGKOPRQGR
Creio que o (enhor estava esperando por esta oraç#o de
Moisés: 7 (enhor est' esperando voc& pedi-Lo para se envolver com
a sua vida e com o seu !uturo" 2 maneira correta de !aermos isto%
repito% é nos humilharmos debaixo da m#o poderosa do (enhor"
2ssim% o (enhor nos colocar' n#o somente em posiç#o de vitFria
mas também de triun!o% como nos assegura o vers9culo O5% em 5
Cr[nicas 56"
Esdras feP petção a De"s e 5e5"o"
7 pro!eta Esdras en!rentou uma situaç#o agoniante que
colocava em risco um grande n@mero de !am9lias" 2rtaxerxes% o rei
da +érsia% havia lhe dado ouro% prata e outras mercadorias para a
restauraç#o do templo de $erusalém" Esdras !ora comissionado para
liderar um grupo de !am9lia de levitas e muitos outros judeus no
caminho que voltavam para $erusalém" 2quele rico tesouro em ouro e
prata o!erecido pelo Zei seria transportado através de um territFrio
muito perigoso e sem o cuidado de nenhum exército ou escolta" 2
cada passo% ele se distanciavam cada ve mais de *abil[nia Qonde
estavam protegidosR e% gradativamente% mergulhavam em um
territFrio desguarnecido e sem lei" 3odos os habitantes encontrados
durante aquela longa jornada de retorno% haviam sido abertamente
hostis a eles no passado" Contudo% o sacerdote Esdras tomou uma
atitude que !oi de import/ncia crucial antes de começar a perigosa
viagem de *abil[nia para $erusalém"
%Então apregoei ali um &e&um &unto ao rio <a!a, para nos .umil.ar-
mos perante o nosso /eus, para l.e perdirmos &ornada feliz para n9s,
para nossos fil.os e para tudo o que era nosso'.
(orque ti!e !ergon.a de pedir ao rei, e)#rcito e ca!aleiros para
nos defenderem do inimigo no camin.o, porquanto &= l.e .a!*amos
dito3 < boa mão do nosso /eus # sobre todos os que o buscam, para
o bem deles- mas a sua força e a sua ira contra todos os que o
abandonam.
QEd YK5O%55R
Esdras% pela !é% disse ao rei 2rtaxerxes que a m#o do (enhor
estaria protegendo-os" 3odavia% n#o somente !alou% mas também !e
algo muito importanteK convocou o povo para o jejum e oraç#o" 2
exemplo deste homem de Deus% n#o podemos apenas !alar% mas
precisamos nos lançar diante Dele em humilhaç#o% jejum%
intercess#o e submiss#o 0 (ua vontade" Como ?greja do (enhor $esus
!omos chamados para !aer isto" +recisamos nos tornar oraç#o e
intercess#o viva diante do (enhor e assim seremos ousados como
Esdras o !oi% e diremosK "2 m#o do (enhor ser' sobre nFs""
6F9s, pois, &e&uamos, e pedimos isto ao nosso /eus, e ele nos
atendeu. 6
QEd YK5GR
S.a o camn+o do arrependmento e do tr"nfo
3odos nFs temos h'bitos e padr1es de pensamentos que precisam
ser tratados" 3odos possu9mos !raqueas e pecados que tendem a
nos derrotar e !aer com que situaç1es di!9ceis se tornem ainda
piores"
Muitos de nFs lutamos contra a depress#oB outros%
constantemente% s#o !ragiliados com seus temperamentos di!9ceis"
Juase todo pai com quem tenho conversado% admite que muitas
vees tem !icado nervoso e tem até cometido a injustiça com seus !ilhos"
Depois se corroem em remorso"
+recisamos declarar% como o rei $osa!' em 5 Cr[nicas% que
somos incapaes e carentes de (ua <raça" Este tipo de oraç#o nos
leva 0 puri!icaç#o" +recisamos também orar constantementeK "(e-
nhor% sonda-me% lança a (ua lu nas trevas da minha vida para que% a
todo o momento eu possa des!rutar de 9ntima comunh#o Contigo)"
Cap#t"$o I
AS DUAS CAUSAS DE AC!DE6)ES 6O M!6!S)(R!O
Minha amada esposa% *onnie% numa palavra de saudaç#o em
uma con!er&ncia% começou diendo que n#o tinha nenhuma palavra
espec9!ica a dier" 3odavia% em seu pronunciamento% acabou diendo
palavras relevantes relacionadas 0 ra#o% porque muitos ministros de
Deus t&m ca9do em ostracismo espiritual e t&m estado
sobrecarregados com muitos problemas" Com isto% se esquecem de
quem é o (enhor e de como devem realiar a (ua obra" Estas !oram as
suas palavrasK
"Eu espero que voc& esteja como euK !aminto do Deus vivo"
Eltimamente tenho percebido que existem tr&s grupos de pessoas
distintas" 7 primeiro grupo consiste daquelas que vivem
inteiramente absorvidas no stress e na correria de nosso tempo" 7
segundo é !ormado por aquelas que vivem como meras
espectadoras neste mundo e o tempo todo diemK 4F% meu Deus%
que vamos !aerI4
UEspero que voc& esteja inclu9do no terceiro grupo de pessoas
as quais est#o sempre contemplando o (enhor e diendoK V(enhor%
eu quero conhecer o (eu coraç#o e estar no centro da (ua vontade:b
D ?rm#os eu quero encoraj'-los% pois% estamos vivendo um momento
crucial na historia do povo de Deus" 7 (enhor h' de derramar muito
de (eu Fleo !resco em nossas vidas nestes dias)"
UEma coisa mais quero dier-lhesK 8oc&s precisam estar
!amintos de Deus% portanto% clame-7 diendoK V(enhor eu tenho
!ome de (ua presença"""b - e Ele te tocar' pro!undamente" 8oc&
ver' que quanto mais Ele lhe tocar% mais !aminto voc& estar'
Dele)B e quanto mais (ua presença encher a sua vida% mais sede voc&
ter' Dele" Juanto mais Ele inund'-lo com o (eu Esp9rito% mais voc&
perceber' como é carente da (ua unç#o gloriosa""" Deus é tremendo
e in!initamente rico:
"<ostaria de encoraj'-los também em uma outra quest#o"
Devido 0 esta cultura perniciosa que nos rodeia% temos nos tornado
muito preguiçosos em dois aspectos !undamentais na vida crist#K no
reunir com o povo de Deus e no ouvir e praticar a +alavra" +ermita-
me exort'-los a serem como o cego *artimeu que deixou para tr's a
sua capa e seguiu $esus" +or vees% existe uma capa de apatia e
arrog/ncia que nos envolve e é expressada com desculpas tais comoK
4(enhor eu estou bem" Eu n#o preciso ir 0 igreja toda semana: Ema
ve por m&s é su!iciente porque existem excelentes programas
evangel9sticos na televis#o"""4
"?rm#os% o que realmente precisamos é nos lançarmos diante da
presença do Deus vivo% pois em (ua presença h' descanso e re!rigério"
>unca se canse de se reunir com a igreja e ouvir (ua +alavra D
Esteja !aminto" X medida que voc& começar a !req.entar as reuni1es
da igreja% a ter comunh#o com o povo de Deus% mais desejo voc& ter'
de permanecer nos 'trios do (enhor"
+rocure des!rutar da presença do (enhor e% como o cego
*artimeu% deixe para tr's toda capa% aquilo que o esconde e o !a
permanecer sentado nas trevas% cego e mendigando" Clame em vo
altaK 6@il.o de /a!i, tem miseric9rdia de mim,6
>este cap9tulo% gostaria de !ocar a nossa atenç#o para duas
causas de "acidentes" no ministério Qnaturalmente existem mais
que duas% mas estaremos concentrando a nossa atenç#o nestas duas
em particularR" >a verdade estes problemas n#o s#o novidades para
ninguém% mas est#o sempre presentes em nosso meio e sendo a
causa de muitas derrotas e dissabores na histFria da ?greja" 2credito
que muitos destes "acidentes" que% !req.entemente% vemos no
ministério s#o causados por pessoas que receberam a plenitude do
Esp9rito e !uncionam no ministério !ora do poder do Esp9rito" Em
outras palavras% o apenas estar cheio do Esp9rito n#o é su!iciente"
+recisamos nos mover >ele% estar nos permitindo sermos tratados e
aper!eiçoados por Ele antes de estarmos ministrando a outros" (e
voc& estiver "despreparado" nas coisas de Deus% voc& poder' correr
riscos em seu ministério" 7 (enhor $esus tratou este problema%
imediatamente apFs curar aquele garoto epiléptico% cuja possess#o
maligna desa!iava a unç#o delegada de (eus disc9pulosK
6E quando c.egaram à multidão, apro)imou-se-l.e um .omem,
pondo-se de &oel.os diante dele, e dizendo3
en.or tem miseric9rdia de meu fil.o, que # lun=tico e sofre
muito- pois muitas !ezes cai no fogo e muitas !ezes na =gua- E
trou)e-o aos teus disc*pulos- e, não puderam cur=-lo.
E ;esus, respondendo, disse3 9 geração incr#dula e per!ersa,
<te quando estarei eu con!osco, e at# quando !os sofrereiB 1razei-mo
aqui.
E repreendeu ;esus o demônio, que saiu dele, e desde aquela
.ora o menino sarou.
Então os disc*pulos, apro)imando-se de ;esus em particular,
disseram3 (or que não pudemos n9s e)puls=-loB
E

;esus l.es disse3 (or causa da !ossa pouca f#- porque em
!erdade !os digo que, se ti!erdes f# como um grão de mostarda,
direis a este monte3 (assa daqui para acol= X e .= de passar- e nada
!os ser= imposs*!el.
Cas esta casta de demônios não se e)pulsa senão pela oração
e pelo &e&um. 6
QMt OTKOM-5OR
$ ' menci onamos ant eri ormente que $ esus havi a
comissionado aqueles homens" 7 (enhor j' havia lhes dado autoridade
para curar os en!ermos% expelir os dem[nios e até mesmo
ressuscitar os mortos" 3odavia% nesta passagem das Escrituras (a-
gradas% estes mesmos disc9pulos s#o con!rontados por uma sFlida
"muralha maligna" que% simplesmente% n#o se movia mediante a
nenhuma ordem dada por eles" 3al poderio maligno% portanto% im-
pedia os disc9pulos de traerem libertaç#o 0quela !am9lia" Lendo
este episFdio% uma pergunta poderia surgirK - 42 autoridade que
$esus havia lhes delegado ainda estava com elesI" D 7ra% claro que
sim" 7 (enhor havia dado a eles a autoridade legal para expulsar
dem[nios" Contudo% devido ao arranjo soberano de Deus para tratar
com suas vidas% eles tiveram que en!rentar um tipo de !orça
demon9aca que n#o se rendia ao n9vel de unç#o existente em suas
vidas" Como resultado desta derrota p@blica a que !oram expostos no
con!ronto com aquele dem[nio% eles tiveram grande reprovaç#o em
suas vidas" 2credito que muitos deles devem ter entrado em crise
consigo mesmos e podemos imaginar quais !oram os
questionamentos de seus coraç1esK "(er' que !omos desquali!icados é
para o ministério que o (enhor nos con!iouI (er' que seremos
dispensadosI" 7ra% uma ve expelido aquele dem[nio% o (enhor
amoroso os chamou em um lugar privado e apontou-lhes duas
quest1es problem'ticas em suas vidasK
O" Eles !alharam por !alta de !é"
5" Eles !alharam porque n#o sabiam que existiam certas
obstruç1es% desa!ios ou algum tipo de possess#o demon9aca e
doença que n#o estavam dispostos a se renderem a qualquer n9vel
de unç#o"
2 soluç#o para ambas as quest1es se encontrava no !inal do
coment'rio !eito por $esus acerca daquela situaç#o com o esp9rito de
epilepsia que a!ligia aquele menino" Este coment'rio do (enhor vem
logo apFs (eu ensino cl'ssico sobre a "semente de mostarda)"+ela
naturea de (ua +alavra% podemos aplicar este ensinamento de !é em
casos como estes de expuls#o demon9aca" ?mediatamente% a esta
palavra ainda% Ele declara en!aticamenteK
%Cas esta casta de demônios não se e)pulsa senão pela oração e
pelo o &e&um'.
QMt OTK5OR
?rm#os% estejam certos de uma coisaK a menos que sejamos
capaes de combinar a nossa oraç#o com o jejum% certas vitFrias
nunca ser#o alcançadas em nossas vidas ou na vida daqueles que
amamos" Em !ato n#o podemos negarK temos ouvido !alar muito
acerca de oraç#o nestes @ltimos anos e as estantes das livrarias
evangélicas ao redor do mundo est#o abarrotadas de livros sobre
este tema" +orém% in!elimente% existe muito pouca proclamaç#o ou
divulgaç#o sobre este precioso assunto do jejum" Em outras
palavras% muito poucas pessoas o t&m praticado e gerado !rutos em
suas vidas através dele"
7 jejum é uma verdade escondida que !oi ignorada ou mal
compreendida pelo Corpo de Cristo no @ltimo século" +ela (ua
graça% todavia% temos descoberto que o jejum é uma das maiores
armas que Deus legou ao (eu exército do !im" Ele quer ver% através
de (eu exército% geraç1es e naç1es inteiras conhecendo a (ua (alvaç#o"
Ele quer ver as nossas igrejas locais imersas em genu9no reavivamento"
Ele almeja ver as nossas cidades des!rutando a redenç#o de uma
!orma maravilhosa" Ele quer liberar (eu poder sobrenatural para curar
e libertar os perdidos em um !ogo de avivamento% n#o somente as
cidades% mas também a naç1es inteiras"
A ncred"$dade da !.re5a
Em dos principais problemas da ?greja nestes dias é o pecado de
incredulidade" D@vidas e incredulidade s#o o oposto de !é" 2 +alavra
de Deus nos adverte que """" sem f# # imposs*!el agradar a
/eus'.Muitas congregaç1es na 2mérica do >orte adotaram uma
"!orma piedosa de viver" mas desconheceram a e!etividade do poder
de tal estilo de vida" Muitos aspectos do t#o conhecido "movimento de
!é%" acontecido h' alguns anos atr's neste pa9s% !oram muito bons e
saud'veis para a nossa an&mica ?greja mas% em contrapartida% muitos
excessos e motivaç1es erradas !oram identi!icados" 2 verdade é que
precisamos possuir a realidade 9ntima de uma !é genu9na e n#o uma
!orma exterior porque% a!inal de contas% somos chamados para

ser um
povo de !é"
+recisamos ter a nossa !é mesclada com a nossa obraB tudo
neste mundo e no porvir # medido pelos !rutos que somos capaes de
gerar" 7 que temos !eito para cumprir a nossa jornada em seguir a
$esus e realiar as (uas obrasI 7nde temos errado e onde temos
acertado em nossas vidas e ministériosI Jual é o bom !ruto que
temos geradoI Jue tipo de 'gua tem jorrado de nossas !ontesI
(em d@vida% temos tido como ?greja% uma boa medida de
progresso% embora estejamos longe daquela dimens#o% para a qual% o
(enhor nos tem chamado" 2o analisarmos o progresso da ?greja em
nossos dias veremos que muito do progresso alcançado na propagaç#o
do evangelho procede do trabalho nos séculos anteriores ao nosso"
2través de ministérios de homens como Martin Lutero% os irm#os
moravianos% $ohn ;esle=% <eorge ;hite!ield% D"L" Mood= e outros
que tiveram% na pr'tica do jejum e da oraç#o% a chave para a
riquea e abund/ncia em suas vidas e ministérios" 2credito que%
nestes dias% Deus est' contemplando o que acontece quando
esperamos apenas "pela !idelidade de alguns" em realiar a (ua obra"
7 desejo do (enhor é ver a (ua ?greja se levantar como um todo% um
Corpo completo em seu resplendor e glFriaB em outras palavras% o (eu
desejo é ter para sempre a (ua noiva imaculada% sem ruga e sem
mancha"
2 triste realidade é que a ?greja tem sobrevivido sem o poder de
um viver pleno de vitFria e liberdade% embora% tenhamos 0 nossa
disposiç#o o nome e a autoridade do !ilho de Deus" - >#o é isto muito
estranhoI (o!remos dos mesmos problemas que neutraliaram os
primeiros disc9pulos de $esus:
7 que me alegra muito o coraç#o é saber que $esus é o
mesmo é que a situaç#o caFtica em que atravessamos nestes dias
n#o é problema para Ele" 7ra% # tremendo saber que Ele tem o
tempo em (uas m#os e é conhecedor do amanh#% e que Ele deu 0
?greja uma promessa concernente ao @ltimo grande sinal de (ua
vinda no Evangelho de MateusK
%E este e!angel.o do Keino ser= pregado em todo o mundo, em
testemun.o a todas as gentes, e então !ir= o fim'.
QMt 5MKOMR
Este vers9culo contém um comando pro!ético% um per!eito
modelo do cumprimento de uma promessa" (omos comandados%
portanto% a proclamar "o Evangelho do Zeino)"7 (enhor n#o nos deu
um comando de m@ltipla escolha" Ele nos ungiu para proclamar o
(eu evangelho e t#o somente o (eu evangelhoB que isto esteja
bem claro em nossos coraç1es" +recisamos estar c[nscios que as
boas novas que hoje anunciamos s#o as mesmas proclamadas pelos
apFstolos% os quais !oram capaes de entregar as suas prFprias
vidas" 2leluia: Este é o mesmo Evangelho que ,ilipe e Estev#o
pregaram"
De"s nos -" em Crsto
H bom sempre lembrarmos que% nosso modelo primordial na
proclamaç#o da +alavra é o prFprio $esus de >aaré" Existe
portanto alguém mais que poder9amos nomear além DeleI Esta é
apenas uma pergunta de retFrica que% naturalmente voc& n#o precisa
responder" (e voc& realmente acredita que $esus é (enhor% (alvador
e o @nico ,ilho de Deus% ent#o voc& est' convencido que a sua vida
deve ser inteiramente con!ormada >ele e em ninguém mais" (e
voc& ousar !aer isto% o +ai% em (ua !idelidade% cumprir' outra
promessa que temos em $esusK
%Fa !erdade, na !erdade !os digo que aquele que cr" em mim
tamb#m far= as obras que eu faço, e as far= maiores do que estas-
porque eu !ou para meu (ai'.
Q$o OMKOR
Este Evangelho que !oi proclamado por $esus e por (eus
disc9pulos% !oi sempre acompanhado de grandes sinais e maravilhas"
Estes sinais começaram a acontecer em meu ministério depois que
comecei a !ocaliar em minha vida% o padr#o de Cristo e a combinar o
jejum e a oraç#o" Devido 0s grandes nuvens humanistas que envolvem
as naç1es% especialmente do ocidente% hoje% mais do que nunca% esta
pr'tica se !a necess'ria" >Fs% a ?greja do (enhor% somos chamados e
ungidos para romper estas nuvens e proclamar o genu9no evangelho
de nosso (enhor $esus Cristo para todas as naç1es em meio a
grandes sinais e maravilhas na con!irmaç#o de (ua +alavra"

Vsão profOtca do E-an.e$+o na C+na
C' v'rios anos atr's% o (enhor disse-meK "Eu estou te preparando
para envi'-lo 0 China)"Comecei% ent#o% a sentir uma !irme convicç#o
de que Ele começaria a derrubar a "cortina de cegueira" que
envolve a China nesta geraç#o" Em quest#o de alguns anos% o (enhor
deu-me a oportunidade de conduir m@ltiplas cruadas na rep@blica
da China% 3ai-an" 3ivemos em nossas reuni1es% algumas das maiores
multid1es da histFria daquele pa9s" +osteriormente% !omos in!ormados
que% muitos dos tremendos milagres realiados durante aquelas
cruadas nunca !oram vistos no pa9s"
2quelas cruadas !oram% especialmente% muito di!9ceis de conduir
devido 0 grande oposiç#o espiritual que en!rentamos" +rovavelmente%
tal oposiç#o maligna se deva ao !ato de aquela ser uma das
primeiras cruada realiada naquele pa9s" 39nhamos certea que a
batalha que en!rent'vamos era contra dem[nios e potestades que
tinham sido adorados de geraç1es em geraç1es naquela cultura
milenar" 7 que !aer quando tamanha !orça das trevas nos oprimia e
parecia nos dierK ">Fs possu9mos este territFrio: Juem s#o voc&sI"
*om% a @nica coisa a !aer era proclamar o Evangelho do Zeino com
poder e autoridade"
+or muitas vees senti como se estivesse envolvido em um intenso
combate corpo a corpo% tamanha era a ang@stia de meu coraç#o"
>#o obstante% o (enhor nos deu uma grande colheita" Centenas e
centenas de chineses vieram 0 !rente mediante aos apelos !eitos em
cada noite para se arrependerem de seus pecados e serem salvos"
Mesmo alcançando todo este sucesso no ministério% o (enhor disse-
meK "8oc& ainda n#o viu nada)"+ense sobre isto% irm#oK 7 que
acontece quando voc& injeta o poder de trans!ormaç#o de vida deste
evangelho em uma naç#o de O%5 bilh1es de pessoas ainda n#o
evangeliadasI
Existe hoje na China comunista% uma prFspera igreja sub-
terr/nea de cerca de um milh#o de membros que !unciona nas ca-
sas" Mas descobri% quando estive l'% que o n@mero de irm#os desta
igreja é muito in!erior em comparaç#o com a gigantesca populaç#o
que o pa9s possui" *om% o que tem !eito o comunismoI Este movimento
tem tido sucesso em realiar somente uma coisaK criar um imenso
v'cuo espiritual" 2pesar disso% todo so!rimento provocado por este
regime tem redundado em benç#o e !luir da poderosa vida de Cristo
naquele pa9s" +ortanto !iemos nossas% as palavras de $oséK "8Fs bem
intentastes mal contra mim, por#m /eus o tornou em bem, para fazer
como se !" neste dia, para conser!ar em !ida a um po!o grande'. Q<n
P6K56R
2 ?greja é chamada a preencher% com a proclamaç#o do
evangelho% todo e qualquer v'cuo criado pelo totalitarismo
governamental ou pelas !iloso!ias mundanas"
>#o existe nenhuma possibilidade de voc& ou eu cumprir o
nosso divino chamamento sem contarmos com o poder de Deus"
Juando estamos ministrando em um lugar onde toda a atmos!era
espiritual est' impregnada com poderes demon9acos% n#o podemos
simplesmente chegar diante das pessoas e perguntarmosK "8oc&s
j' conhecem as quatro leis espirituaisI" Eu realmente aprecio a
instrumentalidade das quatro leis espirituais e sem d@vida elas
!uncionam em algumas situaç1es" 3odavia% no trabalho de "arrombar"
as portas do in!erno voc& precisa do poder de Deus demonstrado
em sinais e maravilhas que seguem a sua pregaç#o da +alavra de
Deus" Este tem sido o método pre!erido de Deus de evangelismo
desde o dia de +entecostes a dois mil anos atr's e a &n!ase
evangel9stica nos maiores reavivamentos% renovaç1es e despertamentos
espirituais por toda a histFria da ?greja"
2gora tenho que dier-lhes algo bem espec9!ico da parte do Esp9rito
(anto de DeusK 7 (enhor est' preparando voc& para participar
ativamente nesta grande colheita dos @ltimos dias: Sm/ o (enhor
te tem preparado diligentemente" 7s membros de sua igreja local
s#o também chamados para se envolverem ativamente no grande
reavivamento e proclamaç#o do Evangelho que est' para acontecer
nestes dias" 2 escolha é sua para dier "sim" ou "n#o" para Ele"
Juando a cortina do comunismo !inalmente cair e as !ronteiras
da China estiverem abertas para a proclamaç#o do Evangelho% o
nosso prFximo passo ser'% imediatamente% treinar um milh#o de
pastores para cuidarem das centenas de novos irm#os que nascer#o na
grande quantidade de igrejas implantadas por todo o pa9s" 2gora
voc& entende por que Deus tem sido muito claro em colocar juntos
os ministérios apostFlicos em escala globalI 7 (enhor tem pressa na
(ua obra% e um dos (eus objetivos é ver cada um dos (eus !ilhos%
com e!etividade% exercendo os ministérios a eles con!iados" Ele quer
que voc& se posicione em seu chamado% mas saiba que tudo isto
demanda um preço"
Ema outra maneira na qual os evangelistas do primeiro século
di!erenciam em muito dos "modernos" é que eles nunca atuavam
soinhos" >estes dias% Deus est' criando a mesma atmos!era de
relacionamentos entre ministérios que% sem d@vida% !oi uma das
"chaves" da ?greja primitiva para di!undir o evangelho por todo o
mundo conhecido daquela época em uma geraç#o" Eu creio que%
pela graça de Deus% posso !aer certas coisas bem" Ele tem me
con!iado o tipo de ministério para "arrombar" as portas do in!erno"
em algumas cidades e naç1es através de sinais e maravilhasB mas
quem sou euI 2penas um servo que Deus levantou% ungiu e
ordenou para cruadas em massa" 2 minha tare!a é alcançar os
perdidos e plantar igrejasB porém o (enhor n#o me incumbiu de
pastorear estas igrejas ou discipular as centenas de milhares de
novos convertidos" ?sto tra 0 tona a prFxima quest#o% pela qual% o
Esp9rito (anto est' levantando crentes ao redor do globoK "Jual é o
seu encargoI 8oc& est' disposto a pagar o preçoI 8oc& tomar' os
cuidados necess'rios para evitar acidentes no ministérioI"
Eu realmente louvo a Deus por traer multid1es de mais de
G66"666 pessoas por noite e milhares de novos convertidos a
entregarem as suas vidas para $esus em reuni1es na W!rica" >o
entanto% o (enhor !alou em meu coraç#o que tais reuni1es
representavam muito pouco em relaç#o ao que Ele estava para
!aer na 9ndia e China: 2credito que teremos% provavelmente%
O66"666 convertidos em cada concentraç#o que !aremos nestes
pa9ses" 3udo isto é muito maravilhoso% mas saibam que Deus n#o
est' satis!eito em apenas traer muitas ovelhas em nossas reuni1es"
>osso Deus +ai% nosso (alvador e grande +astor est' interessado em t&-
los para a eternidade" H nossa responsabilidade% diante de Deus%
plant'-los nas igrejas para serem instru9dos na +alavra% e%
adequadamente crescerem em Cristo"
De -o$ta D estaca Pero
+ermita-me retornar ao sublime tema do (enhor neste livro" Ema
das coisas que Deus est' !aendo em nossa preparaç#o para o grande
avivamento neste tempo do !im é trans!ormar homens e mulheres
dispostos a pagarem o preço em ter uma vida de jejum e oraç#o"
+recisamos começar a usar esta arma da grande colheita% se% de
!ato% queremos a vitFria de Cristo em nossas vidas e !amiliares%
igrejas e até mesmo em nossa naç#o: $esus disseK
6Cas esta casta de demônios Qopress#o maligna% obst'culos e
controle diabFlicoR não se e)pulsa senão por meio de oração e &e&um'.
QMt OTK5OR Q+ar&nteses acrescentados pelo autorR
H prov'vel que em algum ponto em sua vida e ministério% voc&
tenha se sentido des!alecido% desanimado ou até mesmo ameaçado
diante de terr9veis obst'culos" (eja qual !or o motivo de tal situaç#oK
ataque maligno% !alta de perd#o ou pecado% tal problema estar'
sempre "borbulhando" em sua vida" 8oc& n#o ser' capa de se
mover% a menos que realie a combinaç#o da oraç#o e do jejum" "Eu
tenho aprendido que% quando !aemos isto em momentos !errenhos
de ataques de nosso inimigo% é como se jog'ssemos uma "bomba
nuclear" em seu arsenal espiritual" ?magine que voc& esteja usando
granadas de oraç#o para destruir maciças montanhas de incre-
dulidade% obst'culos ou obstruç1es demon9acas em sua vida e mi-
nistério" 2o combinar as suas oraç1es com o jejum% voc& lançar'
uma bomba de hidrog&nio na montanha que est' bloqueando o
ministério que o (enhor lhe tem concedido" Eu n#o estou !alando de
uma ligeira mudança que esta combinaç#o realia" +elo contr'rio% o
jejum auxiliar' na intensidade e e!etividade de suas oraç1es" H por
isto que precisamos conhecer o poder secreto do jejum e da oraç#o
t#o en!atiado pelo (enhor nestes dias e uma crucial !erramenta na
proclamaç#o do Evangelho 0s naç1es"
Da mesma !orma que en!rentamos as terr9veis lutas de vida ou
morte para traer salvaç#o 0 Zep@blica da China ou W!rica% muitas
igrejas na 2mérica do >orte t&m se aparelhado em um combate%
ombro a ombro% pela nossa naç#o" ?rm#os% temos que entender que
n#o estamos mais no tempo de nos assentarmos e assistirmos
passivos o mover de Deus passar por nFs" Em !igura% a ?greja de
Deus é a "Ester espiritual" que nasceu e !oi traida 0 maturidade
"para um tempo como este"Q4R" 2 (ua soberana +alavra para nFs% o
(eu povo% é estaK "7 Zeavivameto do tempo do !im est' prFximo"
Esqueça as coisas passadas e ganhe a vis#o de seu chamado no
(enhor)"
8oc& é chamado para ser parte deste reavivameto% e a maneira
mais e!etiva para participar é através do jejum e da oraç#o" Comece
j' a interceder pelos perdidos hoje" Esteja com o propFsito de estar
jejuando uma ve por semana% intercedendo por sua naç#o e% em
suas oraç1es% diga ao +aiK "(enhor envia-nos o (eu avivamento"" 2
minha expectativa é ver pelo menos um milh#o de crentes em um
mesmo objetivo em jejum e oraç#o intermitente diante do Zei dos
reis" 7 que aconteceria se cada um de nFs nos compromet&ssemos a
orar e jejuar pelo menos um dia por m&s por nossas naç1es% igrejas e
!am9liasI
7 desejo do (enhor é que sejamos liberados no poder do
Esp9rito" 3odavia% isto somente acontecer' quando estivermos% con-
tinuamente% diendo "sim" ao mover do Esp9rito de Deus" 7 (enhor
quer tratar conosco% e o (eu tratamento começa bem no 9ntimo de
nosso ser" <lFria a Deus: H através deste processo que Ele remove
d@vidas% incredulidade de nossos coraç1es e tr's puri!icaç#o através
do !luir de seu Esp9rito vivi!icante que nos convence e nos cura"
+odemos estar% certos que na (ua presença h' goo e pa e que o
caminho mais seguro para a purea e santidade diante Dele é
encontrado na combinaç#o constante da oraç#o e do jejum"
Em ONYS% *onnie recebeu uma pro!ecia do (enhor" Ela tomou o
cuidado de transcrev&-la em um papel e% para o meu
encorajamento% levou para os presb9teros da igreja em que est'va-
mos servindo na ,lFrida" +or aquele tempo me encontrava minis-
trando e me dedicando a um per9odo de jejum e oraç#o em
;ashinton D"C" e% exatamente neste per9odo% *onnie recebeu aquela
palavra do (enhor" 7 que mais nos !ascinou em tudo isto !oi que%
enquanto o (enhor liberava uma palavra para minha esposa% Ele
também se mani!estou a mim de maneira gloriosa dando-me tam-
bém uma pro!ecia sobre a nossa igreja local"
Em meu retorno para casa% comparei as anotaç1es e desco-
brimos que o (enhor nos tinha dado a mesma palavra: Ele nos
disse a ambos que queria que a nossa igreja local observasse um
jejum de 5O dias" Eu% porém% recebi uma palavra adicional que nos
instru9a a estarmos juntos% como Corpo% das P 0s T horas manh#
durante todos estes dias" Ele me disse aindaK "(e voc&s n#o !ierem isto%
a minha presença sair' do vosso meio e voc&s nem dar#o conta disto)"
Eu j' testemunhei muitas situaç1es nas quais% a presença do
(enhor tinha deixado uma congregaç#o e% embora a vida do (enhor
n#o mais se !aia presente% o povo ainda insistia em sua obra
pessoal" Con!esso que% como congregaç#o% est'vamos prestes a
isto" 3odos os presb9teros examinaram% cuidadosamente% as
anotaç1es da palavra recebida por *onnie e concordaram que
aquela palavra pro!ética era verdadeira e% posteriormente !oi
con!irmado com a palavra que eu também havia recebido do (enhor"
(ubseq.entemente% convocamos toda a igreja para observar 5O dias
de jejum"R e expressamente solicitei a todos para nos encontrarmos
pelas manh#s% para oraç#o em conjunto" Logo no in9cio daquele
jejum coletivo% tanto eu% quanto o irm#o Derek +rince Qque também
!aia parte daquele presbitérioR t9nhamos compromisso para
ministrar !ora de nossa cidade" Embora n#o estivéssemos presentes%
a igreja tinha a direç#o de começar o jejum na (egunda-!eira
seguinte" >o primeiro dia% um total de cinco pessoas% dos seiscentos
membros de nossa congregaç#o% apareceu para o per9odo matutino
de oraç#o" >o dia seguinte% apenas dois" Em destes dois que estiveram
presentes no segundo dia era um homem com um carisma pro!ético
bem acentuado D Ele sempre viajava comigo quando ministrava na
W!rica" Este homem começou a chorar naquela manh# quando o
Esp9rito de Deus veio sobre a sua vida e% em meio a l'grimas ele
entregou a seguinte palavra 0 ?greja na reuni#o da Juarta-!eiraK "7
(enhor em nossa oraç#o matutina me disseK 4Eu estou aqui% onde est'
o meu povoI)
>aquela mesma noite voei de volta% mas n#o soube o que tinha
acontecido durante aqueles tr&s dias" Depois que este homem !alou 0
?greja% o Esp9rito do (enhor começou a incomodar as pessoas%
iniciando pelas crianças" +ercebi que algo excepcional acontecia
quando a minha !ilha (arah% de apenas quatro anos% veio ao meu
quarto 0s M horas da manh# e sacudiu-me o ombro diendoK "+apai%
acorda" Est' na hora de irmos para a igreja"" +osteriormente
descobrimos que muitos pais na igreja !oram acordados por seus
!ilhos"
*onnie relatou-me que no dia anterior 0 minha chegada ela !ora
despertada com um grande barulho na porta 0s quatro horas da
manh#" Ela acordou e% ao atender a porta% n#o encontrou ninguém"
+egou% ent#o% as crianças e !oi para o prédio da igreja e ao abrir a
porta% a glFria do (enhor era t#o !orte que ali mesmo ela caiu ao
ch#o: 2pFs a maioria dos irm#os da igreja serem despertados pelos
seus prFprios !ilhos% OP6 pessoas estiveram na reuni#o de oraç#o
pela manh# e no dia seguinte o n@mero aumentou para 566"
Começamos% gradativamente% a nos submergir no esp9rito de avivamento
e como era maravilhoso ver os irm#os se quebrantando diante de Deus:
Muitos começaram a se arrepender de pecados" Comens tidos como
exemplo de santidade começaram a chorar incontrolavelmente e a se
arrepender de seus compulsivos envolvimentos com o v9cio de
pornogra!ia"
Ema das excepcionais caracter9sticas desta visitaç#o era um
sentimento !orte da presença do (enhor pairando em nossas vidas"
3udo que pod9amos !aer era chorar em um tipo de "santo terror"
diante de (ua presença t#o poderosa naquele lugar" >aquelas
reuni1es eu n#o queria nem mesmo levantar a minha cabeça por
causa de t#o !orte sensaç#o da (ua presença que nos constrangia"
Est'vamos des!rutando um genu9no avivamento e isto aconteceu no
in9cio do ano de ONYS: Derek +rince compartilhou que em seus M6
anos de ministério% até ent#o% ele nunca havia experimentado um
n9vel t#o tang9vel da unç#o de Deus"
(e esta experi&ncia em nossa igreja local !oi t#o !orte% ent#o%
por que este mover n#o !oi ouvido pelas igrejas por todo o mundo%
como se ouviu muito acerca da grande visitaç#o do (enhor em
3oronto% 7nt'rio e +ensacola% ,lFrida em ONN6I 2 resposta é
simplesK >#o soubemos ser mordomos e cultivar a poderosa pre-
sença do (enhor em nossas vidas no dia a dia" 7 Esp9rito (anto n#o
perguntouK "Como posso vir até voc&sI" Ele% t#o somente% em sua
soberania% escolheu se revelar como Esp9rito de arrependimento a
seu povo" ?n!elimente% n#o entendemos que arrependimento é uma
palavra de benç#o" 2 @nica ra#o que nos !a capaes de arrepender
genuinamente diante de Deus é% t#o somente% a aç#o do Esp9rito
(anto que nos d' a sua graça para !a&-lo"
(emana apFs semana% o Esp9rito de Deus se movia poderosamente
em nFs e% através de (ua tremenda glFria que nos envolvia% Ele
conduia a cada um de (eu povo a se prostrar em arrependimento"
Enquanto isso% n#o compreendendo o mover de Deus% começaram a se
sentir descon!ort'veis com tudo aquilo" Eles eram Qe ainda s#oR
irm#os maravilhosos e verdadeiramente amam o (enhor" +orém%
começaram a sentir descon!orto com a maneira que o Esp9rito se movia
e% inadvertidamente% decidiram que j' era hora de "mudar o
mover)"7 problema era que o Esp9rito de Deus n#o queria mudar"
Eles disseramK "2 ?greja j' se arrependeu o su!iciente% vamos agora
louvar e exaltar o (enhor em c/nticos de adoraç#o)"Em outras
palavrasK deixamos de estar sob a direç#o do Esp9rito% quando o
desejo do (enhor era realiar uma pro!unda obra de arrependimento
em nossas vidas ou talve% quem sabe% na naç#o inteira"
(empre tendemos a pensar que Deus deveria estar satis!eito
com o nosso arrependimento e obedi&ncia em uma 'rea particular%
quando o (eu alvo n#o é este" Xs vees Ele est' satis!eito conosco
em nosso arrependimento "no dia 5" e Ele quer trabalhar
arrependimento em nossas !am9lias% igrejas% cidades ou naç1es "do
dia G até o dia 5O"" Ent#o nos tornamos impacientes" Começamos a
desejar uma "!esta de celebraç#o" quando n#o existe ainda nada
para se celebrar: Deixamos o lugar da graça de Deus e nos movemos
para o "praer de nossa alma)"Como abandonamos a direç#o do
(enhor% lentamente o poderoso mover de (ua presença e unç#o
começou a se desvanecer"
3odos nFs que testemunhamos aquele excepcional e glorioso
mover !omos pro!undamente a!etados por ele durante todos os anos
que se seguiram" 2inda posso me lembrar como a presença do
(enhor era poderosa em nossas reuni1es" Coje estamos bem
conscientes que precisamos n#o somente aprender como "traer a
glFria de Deus" mas também aprender "cultiv'-la" com honra%
respeito e obedi&ncia a Ele somente"
Em testemunho sobre o seu encontro com $esus Cristo% $o#o *atista
disseK 6Eu !i o Esp*rito descer do c#u como pomba e permanecer sobre
Ele'.Q$o OKGGR Durante o movimento carism'tico% aprendemos como
honrar Deus e ver (eu Esp9rito descer sobre nFs de uma !orma
intensa de tempo em tempo% mas n#o aprendemos como viver% de tal
maneira% que (ua presença permaneça em nFs"
Eu acredito que um estilo de vida disciplinado% voltado para o
jejum e oraç#o Qindividual e corporativoR # um elemento essencial na
vida de um povo que deseja habitar na presença do Deus vivo"
Carecemos aprender esta liç#o porque acredite-me% o toque de Deus
em sua vida n#o pode ser comparado com nada nesta terra: 2
chave% portanto% para superar as duas causas de acidentes no
ministério é a intimidade com Ele que nasce de uma vida de pessoal
consagraç#o ao jejum e oraç#o"
Cap#t"$o K
='ECHAS DE DOR/ ='ECHAS DE )R!U6=O0
Existe um preço que envolve o chamado e a unç#o de Deus em
nossas vidas" Juando% !inalmente% reconhecemos que nossas vidas
n#o mais nos pertencem e que !omos comprados por um bom
preço% tudo muda" Começamos a sentir em nosso esp9rito a urg&ncia
de Deus em nos usar como servos h'beis em sua seara"
Este sentimento de urg&ncia !oi muito !orte em meu esp9rito
quando ministrava a centenas de milhares de pessoas na W!rica
central" >esta regi#o% um em cada quatro adultos !oram in!ectados
pelo v9rus C?8 Q2idsR além de um n@mero incont'vel de crianças: Em
algumas cidades% mais de sete% entre de gr'vidas% eram soro-
positivo com grande possibilidade de transmitir esta !atal doença
aos seus !i l hos durante a gestaç#o% no nasci mento ou na
amamentaç#o" Muitas daquelas pessoas estavam morrendo e o
Esp9rito (anto de Deus impressionou-me muito sobre a urg&ncia de
proclamar as *oas >ovas antes do !inal de suas vidas"
Juando a compaix#o de Deus pelos perdidos arde em nossos
coraç1es% como (eus servos% muitas vees temos que tomar
algumas decis1es di!9ceis" 3ais momentos t&m ocorrido a muitos
servos de Deus durante toda a histFriaB comigo também aconteceu
quando estive conduindo cinco cruadas em 3ai-an% Zep@blica da
China"
Ministrando neste pa9s% !omos comunicados por l9deres locais
que a média de convers1es nas igrejas do pa9s era cerca de dois
por ano e% quando isto ocorria existia muita celebraç#o" Em nossas
cruadas naquele pa9s% entretanto% vimos centenas de pessoas se
entregando ao (enhor toda noite: Embora a batalha espiritual naquele
lugar !osse uma das mais intensas que j' testemunhei em minha
vida% n#o obstante% tivemos uma grande colheita e o (enhor nos
proporcionou grandes sinais e prod9gios"
Exatamente em meio a todas as demonstraç1es do poder de
Deus e grande vitFria a nFs con!erida% recebi um tele!onema de-
vastador" Meu irm#o mais velho estava seriamente doente" Ele nunca
havia se casado e% desde a morte de meu pai% literalmente sacri!icou
a sua vida e carreira no sentido de cuidar de minha m#e e criar os
irm#os mais novos"
Eu havia orado muito por meu irm#o h' dois anos e meio atr's
quando ele !icou bem doente pela primeira ve e Deus%
miraculosamente% o curou e o susteve" Desta ve ele estava prestes a
morrer em Londres% ?nglaterra% e tudo o que podia !aer era comunicar-
me por tele!one" 7 desejo do meu coraç#o naquele momento era
abraç'-lo !ortemente% beij'-lo e dier-lhe o quanto o amava" (enti
uma grande necessidade de agradecer-lhe por sua !idelidade em
cuidar de mim" +orém% eu estava totalmente comprometido" 2
cruada que conduia j' tinha sido anunciada por um ano e meio"
Centenas de pessoas estavam voando de (ingapura e Cong-Aong"
Centenas de chineses j' estavam sendo salvos D +essoas que nunca
ouviram o Evangelho com poder" Ent#o recebi a not9cia que meu
irm#o tinha morrido"
O B"e faPer*
>a tradiç#o da cultura de meu pa9s de origem% quando um membro
da !am9lia morre% todos os homens devem comparecer ao !uneral%
especialmente os mais velhos Qque agora era o meu casoR" Liguei
para minha m#e em Londres e ela me disse com sua vo so!ridaK
"Juerido% voc& sabe% eu nunca te pedi nada em minha vida% mas
desta ve% por !avor% atenda ao meu pedido e vem estar com o seu
irm#o)"
Eu era esperado em Londres para o !uneral e para isto eu teria
que cancelar no m9nimo cinco noitesK duas noites para !aer a viagem de
3ai-an para Londres% um noite para !icar em Londres e duas noites
para retornar para 3ai-an" Centenas de vidas j' estavam sendo
salvas em cada uma das noite que ministr'vamos a +alavra" Minha
m#e estava me pedindo para estar com os !amiliares e honrar o
homem que sacri!icou toda a sua vida por mim" 7ra% este era um
pedido leg9timo e muito relevante" 7 que !aerI (e atendesse a esta
necessidade !amiliar% centenas de vidas talve se perderiam para
sempre" 8eja como o (enhor nos condu no momento quando
temos que !aer di!9ceis escolhas que desa!iam alguns dos maiores
tesouros e prioridades de nosso viver:
Eu tive que ligar para minha m#e novamente e dier-lheK
"M#e% eu te amo" Mas eu n#o posso estar com voc& agora" Eu
tenho que responder ao chamado do (enhor)"+ermaneci% portanto% na
China e n#o !ui no !uneral de meu precioso irm#o" >#o posso
descrever em palavras como me machucou ligar para minha m#e e
dier-lhe que ela estaria privada de minha presença" 2pesar de
todo o so!rimento de meu coraç#o% a glFria do (enhor !oi sem
medida naquela noite" Centenas de chineses se renderam ao (e-
nhor em cada noite" 3enho certea que um dia encontrarei com
cada um deles no céu% mas tenho que con!essar que tive que !aer
uma dura escolha naquela noite"
7 (enhor nos conduir'% a cada dia% através de jornadas que
ser#o 'ridas 0s vees" Estes momentos nos !orçar' a tomar
decis1es e !aer escolhas di!9ceis acerca da quest#oK "Juem voc&
ama maisI" 2 indescrit9vel dor que senti quando !i aquela escolha
ainda permaneceu no meu 9ntimo por muito tempo" +ro!undamente
amo e respeito minha m#e e% de!initivamente% n#o existem palavras
que possam expressar o amor% a gratid#o% e o respeito que tinha
por meu irm#o" Entretanto% o meu amor pelo (enhor é incom-
paravelmente maior"
?asta apenas "ma pa$a-ra do Sen+or
2 dor daquela crucial decis#o me inquietou muito até um dia%
quando o (enhor mani!estou-se a mim liberando-me uma gloriosa
palavra de cura" Em momento de a!liç#o% saibam que tudo o que
precisamos é uma palavra da boca do (enhor para nos restaurar de
toda l'grima e dor em nosso coraç#o" Ele disse-meK "Mahesh% voc&
estava realiando a minha obra" Como voc& n#o podia ir% eu !ui em
seu lugar)"7ra% como o (enhor !ora em meu lugar% eu creio% pela
!é% que Ele tomou o meu irm#o% que j' era salvo% pela m#o e o levou
pessoalmente 0 presença do +ai"
2s Escrituras (agradas relatam que somos soldados e guer-
reiros no Exército de Deus" Como um soldado sob o comando
soberano de Deus% # prov'vel que muitas vees voc& se con!ronte
com valores inerentes 0 sua vida pessoal com os planos que Deus
para sua vida" (e voc& colocar diante do (enhor tudo aquilo que é de
grande valor em seu viver% com o !irme propFsito de obedec&-Lo%
Deus o honrar' em tudo"
Como o en.or dos sen.ores, e Kei dos reis descrito por $o#o
no livro de 2pocalipse% ;esus # o mesmo ontem, .o&e e o ser= para
sempre. Ele est' disposto a !aer vingança por (eu povo ?srael e
por (ua ?greja com a espada de (ua boca e nos conduir 0 plena
vitFria" +recisamos% contudo% de dois requisitos necess'rios para a
vitFria em qualquer batalhaK
%0 +recisamos nos despojar de todo pecado e impureas de
nossas vidas através do sangue de $esus"
70 +recisamos estar dispostos a obedecer todo comando e
seguir toda estratégia que o (enhor nos d'% tomando sempre
cuidado para n#o desviarmos ou hesitarmos na realiaç#o da obra por
causa de temor"
(e voc& se detém% mesmo que seja por um instante% nos livros
de histFria% revistas% jornais ou em qualquer !orma de m9dia% voc& ser'
capa de listar um grande n@mero de problemas presentes nesta
geraç#o" Eu tenho certea que sua lista incluir'K doenças in!ecto-
contagiosas% !ortaleas sat/nicas% pragas% viol&ncia% humanismo%
drogas e toda sorte de doutrinas do t#o sedutor movimento de nova
era que% com toda a sua carga de pervers#o% tem arrastado
milhares de jovens com os seus tent'culos" 3odas estas coisas tem
uma origem comum"
2 resposta para toda esta in!lu&ncia perversa de satan's é t#o
somente encontrada em Cristo e em (ua ?greja" >#o importa o n@mero
de principados e potestades que estejam dominando uma cidade ou
até mesmo um pa9s% o nosso Deus tem a resposta" Esta resposta !oi
revelada pelo (enhor $esus em (ua oraç#o sacerdotal% encontrada no
Evangelho de $o#o"
7 +ai enviou $esus em miss#o para redimir a humanidade e% da
mesma !orma Ele também nos enviou% nos incumbindo da mesma
tare!a" 7 (eu chamado é o nosso chamado" Ele% por sua ve% j'
consumiu tudo na cru do Calv'rio" >Fs% porém% estamos encarregados
de proclamar as *oas >ovas ao mundo" 2gora% uma perguntaK Estamos
nFs dispostos a observarmos as bases de jejum de Deus descrito no
livro do pro!eta ?sa9asI
67 Esp*rito do en.or ;eo!= est= sobre mim- porque o en.or
me ungiu, para pregar boas no!as aos mansos3 en!iou-me a restaurar
os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cati!os, e a
abertura de prisão aos presos-
< apregoar o ano aceit=!el do en.or e o dia da !ingança do
nosso /eus- a consolar todos os tristes-
< ordenar acerca dos tristes de ião que l.es d" ornamento em
!ez de cinza, 9leo de gozo em !ez de tristeza, !estido de lou!or em
!ez de esp*rito angustiado- a fim de que se c.amem =r!ores de &ustiça,
plantação do en.or para que ele se&a glorificado.
E edificarão os lugares antigamente assolados e restaurarão os
de antes destru*dos e reno!arão as cidades assoladas, destru*das de
geração em geração.
E .a!er= estrangeiros, que apascentarão os !ossos reban.os3 e
estran.os serão os !ossos la!radores e os !ossos !in.ateiros. Cas
!9s sereis c.amados sacerdotes do en.or, e !os c.amarão ministros
de nosso /eus3 comereis a abund:ncia das nações, e na sua gl9ria
!os gloriareis.
Q?s SOKO-SR
Reedfcadores de r"#nas
Este n9vel de chamado divino demanda-nos uma mudança
sobrenatural de valores% direç#o e !oco de vida" (e os valores de
uma pessoa s#o ainda segundo a carne% # porque ela ainda n#o !oi
tocada pela glFria de Deus" $o#o% o homem que Deus usou para nos
traer gloriosas revelaç1es% teve uma experi&ncia sobrenatural que
mudou a sua vida completamente" 2s coisas que ele viu em sua
vis#o celestial% h' cerca de dois mil anos% ainda causam pro!undo
impacto em nosso viver hoje"
Certamente% algo de muito pro!undo acontece quando alguém
tem um encontro real com o Deus vivo" Eu costumo chamar isto de
"entrega gloriosa"" Moisés viu a glFria de Deus como ninguémB $o#o%
+aulo e tantos outros% n#o puderam mais reter as suas vidas% mas
pelo contr'rio% se entregaram inteiramente nos braços do +ai" 3odos
estes trouxeram através de suas vidas a glFria% o governo e o
poder de Deus do céu para a terra" 7ra irm#os% uma ve
conhecendo o sabor do céu% nada mais na terra ser' capa de
satis!aer a sua !ome e sede de Deus"
Eu acredito que% de uma maneira geral% é mais !'cil se achegar a
Cristo e experimentar a (ua <lFria do que crescer em conhecimento
Dele nas igrejas" ,req.entemente pessoas que t&m vivido por anos
no seio da igreja% começam a ver a glFria de Deus como algo normal
e corriqueiro" Muitos respondem ao mover sobrenatural de Deus nas
reuni1es da igreja como algo casualK "`% eu j' sei muito sobre isto"""
ouvi sobre isto durante toda a minha vida"" Eu digo a elesK ">#o%
voc&s n#o sabemB o conhecimento de voc&s é apenas de 4ouvir !alar"4
8oc&s% na verdade% n#o 7 conhecem e n#o experimentaram o gosto de
(ua maravilhosa glFria""
Este é% sem d@vida% um grande problema" Eu era hindu%
quando Deus se mani!estou a mim em uma vis#o celestial" Ele
sacudiu a minha alma% minha mente e transportou-me em um se-
gundo de total trevas para a completa lu" 7 brilho e o resplendor de
(ua +resença excedia em muito de mil raios solares" >o outro dia
quando acordei% estava completamente !an'tico pelo (enhor"
Logo que cheguei nos Estados Enidos comecei a estudar na
!aculdade G@undamental +ible ?ollegeJ, me tornando também
membro de uma igreja !undamentalista" 3odas as pessoas% com as
quais tinha relacionamento% simplesmente n#o entendiam porque eu
era t#o !an'tico por $esus" Elas me diiamK "Calma% rapa% as coisas
n#o s#o bem assim)"Elas !oram pacientes comigo porque sabiam
que eu era apenas "um pequeno pag#o" que havia alcançado a
salvaç#o em Cristo $esus" Com o tempo% comecei a me sentir como se
estivesse morrendo por dentro" 2patia% d@vidas e descrença
começaram a drenar a vida de Cristo em mim" (entia-me vivendo 0
parte" 2quele lugar e o esp9rito de religi#o negavam-me o poder do
Esp9rito (anto de Deus"
X princ9pio% devido 0 minha imaturidade% me senti muito
envergonhado com aquilo que estava se passando em meu cora-
ç#o" Mas posteriormente descobri que n#o ganhava muito no con-
v9vio e na !é dos chamados crist#os histFricos" Eu% sinceramente%
tenho pro!undo respeito a uma herança espiritual que realmente
transmitiram ao longo dos anos% a experi&ncia pessoal de uma vida
genuinamente crist#" 3odavia% n#o podemos negar que a maioria das
heranças crist#s s#o apenas ritos religiosos que parecem determinados
a negar o poder de Cristo e (ua glFria" (endo assim% isto n#o se trata
mais de uma herança% mas de uma doença que precisa urgentemente
ser exterminada" 7 2pFstolo +aulo% pelo Esp9rito (anto% nos exorta
em E!ésios que o exército do !im n#o pode ser composto de pessoas
descuidadasK
6Fo demais, irmãos meus, fortalecei-!os no en.or e na força
do seu poder.
Ke!esti-!os de toda a armadura de /eus, para que possais
estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.
(orque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas
sim contra os principados, contra as potestades, contra os pr*ncipes
das tre!as deste s#culo, contra as .ostes espirituais da maldade, nos
lugares celestiais.
(ortanto tomais toda a armadura de /eus, para que possais
resistir no dia mau e, .a!endo feito tudo ficar firmes.
Estais, pois firmes, tendo cingido os !ossos lombos com a
!erdade, e !estida à couraça da &ustiça,
E calçados os p#s, na preparação do E!angel.o da paz- 1omando,
sobretudo o escudo da f#, com o qual podereis apagar todos os
dardos inflamados do maligno.
1omai tamb#m o capacete da sal!ação, e a espada do Esp*rito,
que # a (ala!ra de /eus.
7rando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Esp*-
rito e !igiando nisto com toda a perse!erança e súplica por todos os
santos.
QE! SKO6-OYR
(e voc& almeja conhecer a Deus e ver a (ua glFria% saiba que
isto implicar' em um preço" Como +aulo% voc& ter' que jogar por
terra todo o seu conhecimento natural e se tornar como uma
criança diante Dele" 8oc& também ser' obrigado a assinar o seu
prFprio atestado de Fbito para o mundo e tomar sobre si a cru da
obedi&ncia e% diariamente submeter a sua vida% a sua agenda e suas
prioridades a Ele" Ent#o% uma ve despojando-se dos trapos de
imund9cia da justiça prFpria e religiosidade vaia% Deus lhe concedera
a (ua justiça e "novas credenciais" voltadas inteiramente para (eus
planos"
Durante um per9odo de OY anos o (enhor% pela (ua graça e
misericFrdia% comicionou-me a observar v'rios per9odos regulares de
M6 dias de jejum" ,ui% por muitas vees% tocado pela glFria de Deus e
naqueles momentos% em minha consci&ncia eu n#o queria mais
viver" Eu% na verdade% anelava pela morte e assim estar com Ele
nesta intimidade para sempre" Em um @nico momento% a (ua glFria
trans!ormou meus valores e percepç#o da vida" (im% eu tenho !é
para acreditar em Deus por me conceder um Mercedes novo ou
qualquer outro bem% todavia% pre!iro !ocar a minha !é e energias em
ver O66"666 pessoas se renderem a $esus em uma @nica noite"
2s b&nç#os materiais e as provis1es s#o coisas muito boas% porém%
o meu coraç#o !oi trans!ormado pela (ua glFria" 2 minha alma
simplesmente deseja estar em (ua presença e realiar os desejos de
(eu coraç#o" Juando somos tocados pela glFria de Deus% as coisas da
terra s#o instantaneamente o!uscadas e perdem o total valor" Juanto
mais perto nos achegamos Dele% mais percebemos a nossa
insigni!ic/ncia e quanto o mundo se torna nada" +aulo diK %Cas
todos n9s, com cara descoberta, refletindo como um espel.o a
gl9ria do en.or, somos transformados de gl9ria em gl9ria na
mesma imagem, como pelo Esp*rito do en.or. 6 3odavia% se n#o
vivemos em Esp9rito% n#o somos capaes de ver as coisas misteriosas
de Deus e muito menos experimentar a (ua glFria" >o entanto% se
estivermos dispostos a pagar o preço de buscar a (ua !ace em jejum
e oraç#o% estaremos assim% aptos a experimentar uma pro!unda
trans!ormaç#o de vida e literalmente viveremos "arraigados" >ele e
!orti!icados na !orça de (eu poder" Esta é a @nica maneira de lutarmos 6o
bom combate da f#6.
6ão retroceder em momentos de conf$tos
6E Eliseu esta!a doente de sua doença de que morreu3 e ;eo=s,
rei de 0srael, desceu a ele, e c.orou sobre o seu rosto, e disse3 meu
pai, meu pai, carros de 0srael, e seus ca!aleiros, E Eliseu l.e disse3
toma um arco e flec.as. E tomou um arco e flec.as.
Então disse ao rei de 0srael3 (ões a tua mão sobre o arco. E pôs,
sobre ele a sua mão, e Eliseu pôs as suas mãos sobre as mãos do rei.
E disse3 <bre a &anela para o oriente. E abri -a. Então disse
Eliseu3 <tira. E atirou- e disse3 < flec.a do li!ramento do en.or # a
flec.a do li!ramento contra os siros- porque ferir=s os siros em
<feque, at# os consumir.
E disse mais3 1oma as flec.as. E tomou-as. Então disse ao rei
de 0srael3 @ere a terra. E feriu a tr"s !ezes e cessou.
Então o .omem de /eus se indignou muito contra ele, e disse3
cinco ou seis !ezes a de!erias ter ferido3 então feririas os siros at#
os consumir3 por#m agora s9 tr"s !ezes ferir=s os siros.
Q5 Zeis OGKOM-ONR
(e voc& quiser saber como alcançar vitFria no reino espiritual%
aprenda a liç#o de $eo's e nunca desanime até que a vitFria seja
totalmente sua em Cristo $esus" >osso Deus nos deu poderosas
!lechas como armas necess'rias em nossa vitFria" +ara isto precisamos
!erir a terra quantas vees !orem necess'rias"
Oto f$ec+as para a -t2ra em De"s
O" (eja cheio do Esp9rito (anto Q2t OKYR"
5" +rocure a direç#o de Deus em sua batalha espiritual Q5 (m
PKONR"
G" Calcule os custos e comprometa-se para a vitFria
QLc lMKGO-GGR"
M" Esteja sFbrio" <eralmente em meio a moment/neas derrotas ou
sucessos% temos a tend&ncia de baixar a guarda ou virar as
costas 0 luta QE! SKOGR"
P" ,ocalie sempre a vitFria" >#o permita de maneira alguma o
desencorajamento% ou distraç1es dissiparem o seu compromisso
com a vitFria em Cristo $esus QOCoOPKPYR"
S" >#o permita que obst'culos imprevistos !orcem-no a regredir
QLc NKS5R"
T" Dai graças" Ema ve tendo a vitFria nas m#os% d& a Ele toda a
honra e glFria QO Co OPKPTR"
Y" Esteja vigilante QO+e"PKYR"
Estas oito "!lechas" s#o instrumentos que nos asseguram o
poder e certea para a nossa vitFria em Cristo $esus" >Fs que !ae-
mos parte do reino de Deus precisamos estar bem conscientes que o
diabo% 6nosso ad!ers=rio, anda em derredor, bramando como leão,
buscando a quem possa tragar
"
7s nossos objetivos de vida%
portanto% devem sempre permanecer claros e sem nenhum compromisso
com este mundo" 2ssim% a nossa !é e as insond'veis riqueas do (enhor
estar#o sempre 0 disposiç#o para nos suprir e !ortalecer"
Eu me recordo os tenebrosos anos da (egunda <uerra mundial%
quando grandes exércitos se con!ederaram no avassalador con!lito
que colocou os hemis!érios ocidental e oriental da Europa em disputa
pelo dom9nio global" Em meio a este terr9vel con!lito% assistimos a
ascens#o da liderança de grandes homens" 2lguns !oram a prFpria
encarnaç#o do maligno e possu9am o propFsito diabFlico de
aniquilar todo e qualquer judeu da !ace da terra e se impor sobre
toda as naç1es" 7utros homens% com propFsitos nobres% viviam
naquela mesma época dentro da direç#o divina" 2 responsabilidade
deles% dentro daquela geraç#o% demandava-lhes dedicaç#o de corpo%
alma e esp9rito no sentido de resistir o dom9nio sat/nico de Citler" Da
mesma !orma% como disc9pulos de Cristo% o nosso viver nesta geraç#o
nos requer total atenç#o e obedi&ncia aos propFsitos de Deus"
Durante todo aquele con!lito% a tenacidade e a devoç#o do
general americano <eorge +atton inspirou e !acilitou a vitFria dos
aliados contra o Gc Zeich de 2dol! Citler" Este general era tido como
implac'vel% em se tratando de alcançar seus objetivos" Juando o
momento crucial de encarar o inimigo chegou% +atton !e o poss9vel
para se posicionar com seus homens na brecha% embora de!ici&ncias
em sua linha de !rente os impediam de acompanhar o r'pido avanço
do exército blindado dos inimigos"
<eneral +atton !oi respons'vel para traer uma palavra de
encorajamento 0s tropas antes do !errenho combate que se aproxi-
mava" 2queles homens bem sabiam que estavam sendo chamados
para o supremo sacri!9cio de% até mesmo% perderem as suas vidas
em troca da libertaç#o de milhares de outros" Este é um para!raseado
do discurso do general +atton 0queles homensK
"Comens% um dia quando o seu neto subir em seu colo% olhar
dentro de seus olhos e lhe perguntarK "8ov[% o que voc& !e na
(egunda <uerra mundialI" 8oc& n#o ter' que corar de vergonha e
dier que estava tremendo de medo em casa% mas ser' capa de
dier com toda ousadiaK "Juerido% eu estava bem no meio da
batalha quando as pessoas de todas as naç1es do mundo estavam
descansando em casa" "
Em nossos dias% Deus est' preparando (ua igreja e levantando
(uas "'guias" para a hora decisiva de guerra" Ele est'
posicionando (uas tropas diante das legi1es do in!erno" 7 grande
derramar do Esp9rito% pro!etiado no 8elho 3estamento% est' prestes
acontecer e inundar toda a terra" Este grande mover do (enhor%
nestes @ltimos dias% transbordar' a terra com a (ua <lFria e a puri-
!icar' de todo o mal"
7 grande exército de Deus est' sendo preparado" Ele derrubar'
toda !ortalea sobrenatural que satan's% através dela% tem mantido
toda a criaç#o de Deus no cativeiro do pecado e de doenças por todo
o mundo"
,inalmente precisamos estar bem atentos 0 advert&ncia da
+alavra de Deus no que tange 0 nossa con!iança em tempos de
con!litos% di!iculdades e decis1es importantesK
%(ortanto, não lanceis fora a !ossa confiança, que tem uma
grande recompensa. (ois ainda em pouco tempo àquele que .= de
!ir !ir=, e não tardar=. Cas o meu &usto !i!er= da f#. E se ele
recuar, a min.a alma não tem prazer nele. F9s, por#m, não somos
daqueles que retrocedem para a perdição, mas daqueles que cr"em
para a conser!ação da alma'.
QCb O6KGP-GNR
2 vida de !é e obedi&ncia a Cristo nos trar' !lechas de dores e
!lechas de vitFria" 2ssim # a vida de um verdadeiro soldado de
Cristo" 3odavia% as recompensas nesta vida e na vindoura s#o muito
além da medida" +rostre-se diante Dele e suplique por graça
su!iciente para o dia de hoje" 8oc& e eu n#o estamos% de !orma
alguma% soinhos em nossa caminhada de !é" Em momento de
a!liç1es saibam que muitos j' caminharam 0 nossa !rente e suas vidas
brilham como exemplos da !idelidade e do poder de Deus em todas
as situaç1es"
Cap#t"$o L
OS P!O6E!ROS DA ORAÇÃO E DO JEJUM
+ara a irritaç#o de uns e para a alegria de outros% a disciplina
divina da oraç#o e jejum é revelada pelo Esp9rito por toda as Escrituras
(agradas" +odemos v&-la também evidenciadas ao longo de toda a
histFria da ?greja" 7ra% onde existe oraç#o e jejum% existe vitFria no
meio de di!iculdades% milagres invadindo o imposs9vel e permanente
intervenç#o sobrenatural na vida da ?greja" Em outras palavras% o
desejo de Deus é mani!estar a (ua <lFria e poder sempre que seu
povo% em qualquer lugar% se posicione para buscar a (ua !ace em
jejum e oraç#o "
Ester: 2 jovem judia que tornou-se esposa do rei 2rtaxerxes
convocou todo o povo judeu% que se encontrava sob dom9nio persa% para
se juntar 0 ela em um solene jejum" Ela se absteve de toda comida e
bebida por tr&s dias pois% a vida e a prFpria exist&ncia de seu povo corria
grande perigo Qveja Ester MKOSR"
Ana: Ema vi@va de cerca de YM anos de idade que viveu
literalmente no templo% devotou todo o seu viver 0 pr'tica do jejum e da
oraç#o diante de Deus" Mesmo vivendo naqueles dias tenebrosos%
aquela doce senhora !oi reconhecida e honrada como pro!etisa"
Zeconhecimentos como estes s#o para pessoas cujas vidas est#o
permeadas da disciplina da oraç#o e do jejum" (ime#o% da mesma !orma
que 2na% também amou o (enhor e andou em justiça% terminando a sua
carreira pro!etiando sobre o pequenino $esus"
3anto 2na% como (ime#o% viveram no tempo e na direç#o de Deus
para as suas vidas e seus passos !oram% literalmente% estabelecidos pelo
(enhor" +ara 2na% os mais de oitenta anos camin.ando com o (enhor
culminou no glorioso momento em que ela contemplou a !ace do Deus
encarnado e% imediatamente% começou a proclamar a verdade sobre o
,ilho de Deus" Como poderia aquela mulher andar em direç#o a
pessoas totalmente estranhas e de repente ter a compreens#o que
estava diante da encarnaç#o do Deus vivoI 2 palavra nos relata em
Lucas 5KGT que ela """"n#o se afasta!a do templo, ser!indo a /eus
em &e&uns e orações, de noite e de dia. 6 Muitos de nFs% em nosso dia a
dia% nos envolvemos tanto com a coisas desta vida que a realidade de
Cristo em nosso viver se torna o!uscada" Como precisamos ver $esus a
cada momento: 2na% claramente% viu $esus porque ela orava e
jejuava constantemente diante do (enhor"
CornO$o: Ele era um centuri#o romano e o seu coraç#o era reto
diante do (enhor" Embora ele n#o !osse judeu% ele orava constantemente
ao (enhor e o seu viver ganhou boa reputaç#o entre os judeus" Ele teve
uma visita de um anjo e !ora orientado a contatar com o apFstolo +edro"
Juando +edro encontrou Cornélio% este o!icial gentil lhe disseK
%Kespondeu ?orn#lio3 .= quatro dias esta!a eu em &e&um at#
esta .ora, orando em min.a casa à .ora nona. /e repente diante de
mim se apresentou um .omem com !estes resplandecentes, e
disse3 ?orn#lio, a tua oração foi ou!ida, e as tuas esmolas estão em
mem9ria diante de /eus'.
Q2t O6KG6-GOR
Certamente n#o !oi por acidente que Cornélio% o primeiro gentio
convertido a Cristo% !osse um cidad#o romano" >este contexto Deus
demonstrou o (eu propFsito de estender a (ua graça salvadora para as
naç1es% tribos% raças% incluindo a naç#o envolvida diretamente com
a cruci!icaç#o de (eu ,ilho"
,oi este homem que buscava Deus em jejum e oraç#oB o primeiro
gentio alcançado pelo amor Deus" 2 sua sede do Deus vivo !e com
que ele e sua !am9lia se tornassem os primeiros gentios a entrarem no
Zeino de Deus" 2 moral desta histFria éK (e voc& deseja a unç#o de
Deus% ore e jejue"
O ap2sto$o Pa"$o: Ele e outros 5TS passageiros gentios que
viajavam a bordo de um navio de 2lexandria estiveram% de acordo
com 2tos 5T% jejuando por OM dias" Juando $ulius% o centuri#o
romano respons'vel em conduir +aulo a Zoma% !oi persuadido a navegar
em direç#o contr'ria 0quela aconselhada pelo apFstolo% o navio !oi
totalmente destru9do por uma terr9vel tormenta no mar" (omente a
palavra espec9!ica do Esp9rito (anto a +aulo trouxe salvaç#o para todas
aquelas vidas" Est' claro% pelo contexto b9blico% que !oi a oraç#o e o
jejum de +aulo que trouxeram tamanha salvaç#o para todos naquele
navio"
Dane$: 7 seu jejum solit'rio e oraç1es intercessFrias diante de
Deus salvaram toda a sua naç#o% impedindo assim% os principados
demon9acos !rustrarem os planos de Deus para com o (eu povo"
Esdras: Este pro!eta esteve em jejum diante de Deus no momento
em que !ora con!rontado com o imposs9vel"
Jes"s: Claro% antes de iniciar o (eu ministério no poder do Esp9rito
(anto e se entregar por toda a humanidade% jejuou por M6 dias e superou
o inimigo e suas terr9veis tentaç1es"
Da-: Ele jejuou v'rias vees em sua vida" 7bservamos% pelos
registros sagrados% como Deus trans!ormou sua vida% tirando-o da total
obscuridade como pastor de ovelhas nos campos de seu pai para o trono
de ?srael e $ud'" 2lém disso% tornou-se um homem segundo o coraç#o de
Deus"
2 pr'tica do jejum é encontrada por toda a *9blia" 2 palavra de Deus
sempre parece demonstrar através de sua exposiç#o deste assunto%
como o homem natural precisa do poder% da provis#o de Deus em sua
vida para vencer as impossibilidades% os inimigos e os ataques"
Cistoricamente !alando% todo reavivameto começou quando as
pessoas se dispuseram a buscar o (enhor em jejum e oraç#o" 7 primeiro
grande movimento mission'rio no mundo começou no primeiro século%
mais especi!icamente em 2tos OG" Jual !oi o contexto para esta explos#o
gloriosa do Zeino de DeusI
6er!indo eles ao en.or, e &e&uando, disse o Esp*rito anto3
<partai-me a +arnab# e a aulo para a obra a que os ten.o c.amado.
Q2t OGK5R
Po$carpo: Em OO6 d"c" encorajou os crentes a orar e jejuar para
serem vencedores nas tentaç1es" 3ertuliano% também de!endeu o jejum em
5O6 d"c" como uma arma de vitFria important9ssima para a ?greja" Martin
Lutero% o grande re!ormador% também jejuou" Em seu labor sobre os
antigos manuscritos das Escrituras para tradui-los para a l9ngua alem#%
ele combinou a sua obra de traduç#o com a oraç#o e muito jejum" >#o é
de se surpreender que a vers#o de Lutero das Escrituras em alem#o seja
uma das mais inspiradoras que existem"
C+ar$es =nneQ: Ele escreveu em sua biogra!ia que%
!req.entemente% separava dias somente para jejum e oraç#o" Ele relata
que toda ve que percebia as "baterias" de seu esp9rito "descarregando"
ou que a unç#o do Esp9rito (anto se desvanecia% imediatamente partia
para alguns dias de jejum e% sempre no término destes per9odos% tinha as
suas baterias recarregadas"
Em jornal da época publicou que ,inne= estava em uma cidade
realiando uma de suas cruadas" 2s pessoas que t#o somente cruavam
as !ronteiras da cidade começavam a chorar por causa de um esp9rito de
arrependimento que ca9a sobre elas" 2 presença de Deus era t#o !orte na
vida deste homem que as pessoas ao v&-lo eram constrangidas a se
entregarem ao (enhor"
Jonat+an EdRards: Juando ele pregava o seu !amoso serm#o%
"+ecadores nas m#os de um Deus irado"% as pessoas na audi&ncia diiam
que o sentimento delas era como se o ch#o abrisse debaixo de seus pés e
revelassem as pro!undeas do in!erno" 2 unç#o daquele homem levava-
os a um clamor a Deus por perd#o e misericFrdia" Ed-ard combinava as
suas pregaç1es 0s oraç1es e jejuns"
Jo+n Ses$eQ: Ele acreditava !irmemente na disciplina do jejum"
Ele% pessoalmente% jejuava todas Juartas e (extas-!eiras" Ele tinha tanta
convicç#o que o jejum deveria ser uma pr'tica obrigatFria no estilo de
vida de cada ministro% que sempre !alava da necessidade dele a todos
aspirantes ao ministério" Este homem se tornou t#o poderoso em suas
pregaç1es% que se tornou a primeira vo do grande despertamento e
reavivameto que aconteceu na ?nglaterra e nos Estados Enidos" 2lguns
historiadores s#o contundentes em a!irmar que o derramamento de
sangue e so!rimento da Zevoluç#o ,rancesa% que varreu a Europa%
poderia também !acilmente ter chegado 0 ?nglaterra" >o entanto% a sua
pregaç#o impediu" ;esle= atribuiu o poder e os !rutos de seu ministério
0 disciplina do jejum diante do (enhor"
C+ar$es Haddon Sp"r.eon: 7 grande pregador e mestre% sempre
!oi encorajado e revigorado pelo jejum" Zees Co-ells% um grande
intercessor% regularmente também combinava jejum e a oraç#o no
exercitar de seu ministério"
Sad+" S"ndar Sn.+s: Ele !oi um sick Qreligi#o
proeminente na 9ndiaR% e devoto hindu que se converteu depois de ter
recebido uma vis#o clara do (enhor $esus Cristo" Ele dedicou a sua vida na
propagaç#o do Evangelho e se tornou "o apFstolo +aulo" da 9ndia e do
3ibet" Certa ve% como $esus no deserto% ele tentou estar em um
propFsito de M6 dias completos de jejum e oraç#o" Embora incapa de
completar o seu intento completamente por motivo de sa@de% ele disse
que tal experi&ncia !ortaleceu seu esp9rito% permitindo-lhe superar muitas
d@vidas% cFlera e impaci&ncia em sua vida"
*om% o jejum tem sido uma pr'tica comum entre os l9deres mais
proeminentes da histFria da ?greja e% em nossos dias% é algo que o
(enhor !irmemente requer de cada um de nFs" H bom !risarmos que n#o
jejuamos para obter alguma coisa% mas para revigorar o nosso
esp9rito diante de nosso Deus sobrenatural" 7 jejum desobstrui o
"canal" que nos conecta com a unç#o de Deus% pois este tem a
tend&ncia de se corromper através do curso normal de nossa vida
neste mundo decadente" +or isso% a melhor maneira de puri!icar o
nosso "sistema espiritual" da corros#o do mundo e do pecado é
praticar o jejum e a oraç#o" Juando os médicos precisam controlar
uma determinada in!ecç#o bacteriana de um paciente eles sempre
aplicam% de uma sF ve% dois tipos de antibiFticos combinados para
inibir a proli!eraç#o da doença" 7 tratamento de Deus para germes
que assaltam os nossos corpos é a oraç#o combinada com o jejum"
+ermita-me que eu lhe d& uma outra breve li sta dos
"bene!9cios" do jejum antes de !aermos menç#o de seu lado pr'tico"
Juando voc& jejuaK
%0 8oc& est' se humilhando debaixo da poderosa
m#o de Deus"
70 8oc& ser' capa de ver as prioridades da vida de uma
maneira mais clara" 7 Zeino de Deus se tornar' o primei ro
obj eti vo de sua vida e voc& ter' maior percepç#o sobre os seus
valores" Como Maria% voc& ser' capa de escolher "a melhor parte"
e por de lado aquilo que n#o é bom Qveja Lucas O6KM5R"
<0 8oc& encontrar' equil9brio na 'rea de sua vida que%
geralmente% est' desequilibrada"
30 Ego9smo% ambiç#o e orgulho começaram a ser
banidos de sua vida" 8oc& começar' a valoriar e realmente apreciar
as coisas que Deus tem lhe concedido" 8oc& dir'K "`% que dia
maravilhoso: H bom estar vivo:" - ao invés de murmurarK "Eu serei
!eli somente quando alcançar isto ou aquilo"" 2 pr'tica do jejum e da
oraç#o colocar' em seu coraç#o uma !orte apreciaç#o por sua !am9lia e
um coraç#o agradecido por coisa b'sicas tais como a sua comida% a
sua casa e a sua boa sa@de"
H0 8oc& se tornar' mais sens9vel ao Esp9rito de Deus" 2s
coisas espirituais se tornar#o mais claras e e!etivas em seu viver"
I0 2quelas 'reas de sua vida de !raquea e susceptibilidade
ser#o expostas e o (enhor tratar' com cada uma delas" Eu me
lembro de uma ve quando estava no décimo quinto dia de um dos
meus per9odos de jejum% eu dirigia em ,t" Lauderdade% ,lFrida" *om% eu
estava em alta velocidade% quando um motorista que pensava que eu
n#o estava r'pido o su!iciente% rudemente colocou a m#o pela janela e
me !e um gesto obsceno" >aquele instante% alguma coisa subiu dentro
de mim e comecei a dier palavras que eu nunca havi a di to: Eu
!i quei t#o envergonhando que logo clamei ao (enhorK "` (enhor% eu
pensei que eu era um homem de Deus: +erdoe-me% n#o era o meu
desejo dier estas palavras)">aquele mesmo instante o (enhor !alou
pro!undamente em meu esp9 ri toK "Eu te puri ! i co" " Juando
j ej uamos% descobrimos aquelas "podrid1es" e amarguras que est#o
i ncrustados dentro de nFs% ser#o traidas para a super!9cie de
nosso ser" (em d@vida é uma grande oportunidade para nos livrar
de todo veneno de nossa carne e de nossa alma"
K0 8oc& ter' mais dom9nio prFprio"
O Sen+or B"er nos $-rar de toda .norTnca acerca do
5e5"m
Legalismo e uma certa ignor/ncia das Escrituras (agradas t&m
privado o princ9pio b9blico do jejum e oraç#o da maioria dos crist#os" 7
(enhor quer de uma ve por todas dissipar todo mistério e lançar a (ua lu
neste maravilhoso e simples instrumento de vitFria que nos !oi con!iado" 2
maioria dos problemas que as pessoas t&m com jejum% est' relacionado
com a quest#o de legalismo e idéias r9gidas acerca daquilo que o jejum é
e daquilo que o jejum n#o é" Muitas pessoas acreditam piamente que% se
elas n#o jejuarem M6 dias como $esus% "n#o s#o espirituais)"(e este é o
caso% existem muito poucos que poderiam ser chamados de "espirituais""
2 verdade é que nem todos ser#o convocados pelo (enhor para
jejuarem durante M6 dias e ninguém dever' se sentir culpado por isto"
Juando se !ala em jejum% alguns sF pensam no "jejum total)"Em suas
mentes% a @nica maneira de jejuar é abster-se de todo e qualquer l9quido
ou comida" >a realidade% este tipo de jejum é a !orma mais rara de
jejum% mesmo na *9blia: Em se tratando da quest#o do jejum ou de
qualquer assunto na *9blia% a promessa do (enhor # tremendamente
con!ortanteK 6E con.ecereis a !erdade e a !erdade !os libertar=. 6 Q$o
YKG5R (egue-se nos prFximos par'gra!os algumas das mais comuns
quest1es que tenho observado acerca do jejum"
&"a$ O o tempo s"fcente*
Eu recomendo o jejum pelo menos uma ve por semana se voc&
poder" +rocure !a&-lo e% se preciso !or% tome apenas 'gua" >o caso de
di!iculdade Qpor exemplo% caso voc& trabalhe em um escritFrio ou em
algum ambiente lhe vem que demandar um gasto maior de energiaR beba
suco de !ruta ou de vegetais" Comece depois do jantar 0 noite e procure
estar em jejum até o jantar do prFximo dia" (eria também interessante
iniciar o seu propFsito apFs o jantar% no dia seguinte jejue o dia todo e
apenas coma alguma coisa no segundo dia pela manh#" ,aça do jejum
uma parte regular de sua vida e permita que o (enhor venha tratar com
aquelas 'reas de sua alma que o bloqueia a viver uma vida plena no
(enhor"
Por B"e e" me snto tão ma$ "ma -eP B"e o 5e5"m O tão
9om*
Juase todo mundo experimenta um certo descon!orto dos e!eitos
colaterais no in9cio do jejum" H prov'vel que voc& sinta dor de cabeça ou
um pouco de n'usea no princ9pio" 2 ra#o é que existe um ac@mulo de
toxinas em seu corpo que dever' ser eliminado Qisto% na verdade% é
um !ato cient9!icoR" 2té mesmo autoridades seculares da sa@de a!irmam
que um dia de jejum por semana é excelente para o corpo humano"
O 5e5"m poderá c"rar a$."ma cosa*
7 jejum em si mesmo n#o tra cura" Ele% na verdade% lhe
proporcionar' vitFria no mundo espiritual" Contudo% voc& ter' que se
arrepender de todos os seus pecados antes de se posicionar diante de
Deus em jejum e oraç#o" (e alguém que est' cometendo adultério jejuar e
clamar ao (enhorK "` (enhor% liberta-me:"B mas ainda continua vivendo
na pr'tica do adultério% certamente este homem n#o alcançar' vitFria
alguma" 7 jejum n#o # uma cura de Deus para os males% mas uma
poderosa arma de guerra"
6"nca 5e5"e para mpressonar os o"tros
Como mencionei anteriormente% o (enhor me conduiu através de
5N per9odos de M6 dias de jejum dentro do per9odo de OY anos" +or todos estes
anos% o (enhor n#o me permitiu ensinar sobre este assunto ou até mesmo
!alar sobre o meu estilo pessoal de vida" 2s @nicas pessoas que sabiam acerca
dos jejuns eram a minha esposa e alguns amigos bem 9ntimos" >o décimo
oitavo ano% o (enhor me disseK "2gora voc& pode compartilhar acerca
destes jejuns com outros)">#o obstante% o objetivo pelo qual o (enhor me
dera esta ordem% era levantar e equipar um exército de vencedores que
jejuam e oram% nestes dias do !im" >unca !ui autoriado pelo (enhor a
usar as minhas experi&ncias de jejum para me vangloriar diendoK "8eja%
como sou espiritual: Eu !i isto e aquilo:" +ortanto se voc& quer obedecer ao
(enhor e começar a incorporar o jejum regularmente em sua vida% !aça isto o
mais secretamente poss9vel"
E se e" B"e9rar o me" 5e5"m em momentos de fraB"ePas*
2 !raquea !a parte da disciplina do jejum" 2li's% este é o exato lugar
onde queremos colocar o nosso corpo e alma no momento em que
estamos jejuando" Esta !raquea% entretanto% pode di!icultar por vees a
nossa vida no trabalho e em casa" Em meus primeiros ON per9odos de jejum
de quarenta dias apenas consumi 'gua" +osteriormente% pastoreando e
trabalhando muito no ministério% !icava pro!undamente !raco durante toda a
semana" +or isto% no décimo sexto ou décimo sétimo dia% eu bebia um copo
de suco de cenoura" (eis ou sete dias depois !aia o mesmo para elevar o
meu n9vel de resist&ncia Qquarenta dias de jejum é extremamente rigoroso
devendo a realiaç#o do mesmo ser !eita apenas mediante uma palavra
espec9!ica do (enhorR"
Juando realiei o meu primeiro per9odo de M6 dias consecutivos de
jejum e oraç#o em ONTM% eu era um pastor solteir#o vivendo em um
apartamento em Levelland% 3exas" Eu sempre gostei muito de batata chips%
embora n#o !açam muito bem para a minha sa@de" >o in9cio daquele per9odo
de jejum cometi o erro de comprar uma grande quantidade das minhas
batatinhas prediletas" 3oda manh#% no in9cio de meu jejum% eu era tentado
a dar uma voltinha pela coinha% como que "arrastado" por aquelas batatas
chips que pareciam me dierK "7l'% Mahesh% como voc& se sente nesta
manh#I >Fs estamos bem aqui esperando por voc&""
Com muita di!iculdade resistia e voltava para a sala" Mas o apelo
daquelas deliciosas batatas estavam ali a cada novo dia% e o desejo de
devor'-las aumentava cada ve mais" 2quele desejo parecia muito além
das minhas !orças" Em meio 0s tentaç1es "repreendi" aquelas batatas%
"amarrei"% liberei uma palavra de autoridade sobre elasB mas nada do
problema cessar" >o décimo oitavo dia% !inalmente% eu me rendi: Corri para
a coinha% peguei um daqueles grandes pacotes de batata chips e devorei
uma por uma" Depois% bem embaraçado% clamei ao (enhorK "(enhor% perdoe
a minha !raquea:" Ent#o terminei o meu propFsito de quarenta dias"
Ema ve% compartilhando esta histFria% uma senhora me perguntouK
"8oc& ent#o começou tudo de novoI" D Eu respondiK "8oc& est' brincandoI
Eu apenas estou compartilhando isto porque quero que voc&s se lembrem de
como o (enhor é misericordioso para com as nossas !raqueas:"
Dferentes tpos de 5e5"m
2 maioria das pessoas !icam impressionadas ao descobrirem quantos
di!erentes tipos e variaç1es de jejum existem na *9blia" Este entendimento
pode remover muitos dos mistérios e !rustraç1es que muitos sentem sobre
a quest#o do jejumK
%0 7 jejum completo re!ere-se 0 total abstin&ncia de comida ou bebida"
7 per9odo m'ximo para este tipo de jejum é de tr&s dias e tr&s noites" (e
voc& tentar ir além de tr&s dias sem 'gua Qé lFgico% a menos que o
(enhor o esteja direcionando para istoR% voc& poder' estar correndo sério
risco de sa@de" Este tipo de jejum% realiado por Esdras e Ester é a
express#o da urg&ncia da presença imediata de Deus" ,oi neste estado de
desespero e urg&ncia que Ester usou o jejum para traer salvaç#o para a
sua naç#o"
70 7 jejum normal realiado por $esus Cristo no deserto envolveu
total absti n&nci a de comi da% mas provavelmente regular
quantidade de 'gua" <eralmente% em meus propFsitos de jejum eu
também uso este tempo para limpar o meu organismo% e assim consumo
muita 'gua !iltrada" Esta é a melhor maneira de eliminar toda e qualquer
toxina de seu corpo" (e voc& adicionar suco de lim#o em 'gua !iltrada% o
e!eito da limpea do organismo ainda ser' melhor" (e voc& estiver
jejuando por mais de tr&s dias e perceber que necessita de alguma energia
extra% adicione um pouco de mel na 'gua" (e pre!erir% voc& também
poder' tomar ch' 0 base de ervas% todavia evite qualquer bebida rica em
ca!e9na"
<0 7 jejum de Daniel% ou jejum parcial é o que recomendo se voc&
nunca jejuou antes" Daniel agradou e honrou o (enhor quando observou
este tipo de jejum" Ele n#o comeu "manjares agrad'veis" mas somente
vegetais e 'gua" 7 (enhor ser' t#o honrado por este jejum quanto pelo
completo" Este jejum é o ideal para indiv9duos com certos tipos de
condiç1es !9sicas tais como diabete% hiperglicemia e anemia" Ele é
também muito pr'tico para pessoas que querem jejuar% mas cujos
trabalhos lhes consumam grandes quantidade de energia !9sica ou
mental"
30 7 jejum em grupo% ou jejum corporativo é o tipo de jejum que
desviou a ira de Deus sobre a cidade de >9nive nos dias de $onas" ,oi este
também o tipo de jejum convocado por Esdras e também por Ester" 7 rei
$osa!' convocou $ud' para um jejum Q5 Cr 56R" 7 pro!eta $oel% por sua ve%
também convocou todo ?srael para estarem jejuando" De todos os jejuns
do 2ntigo 3estamento% o mais conhecido é o de Daniel" Ele descreve um
de seus jejuns no cap9tulo O6K5-G de seu livroK 6Faqueles dias, eu, /aniel,
esti!e triste por tr"s semanas completas. Can&ar dese&=!el não comi,
nem carne nem !in.o entraram na min.a boca, nem me ungi com
ungQento, at# que se cumpriram as tr"s semanas'.
QDn O6K5-GR
Em O Zeis OT% voc& ver' que Elias !e um jejum parcial de bolos
!eitos de !arinha e aeite" $o#o *atista era especialmente criativo em seu
jejum parcial" Ele% de acordo com Mateus GKM% comia apenas mel e
ga!anhoto"
Cosas B"e de-emos e-tar B"ando 5e5"amos
Juando voc& somando suco de !rutas% evite aqueles que s#o
'cidos% tais como laranja e abacaxi porque podem traer muito
descon!orto e danos para o organismo" 7 suco de maç# é muito bom%
mas tenha cuidado em n#o saturar o seu organismo com aç@car% até
mesmo em se tratando do aç@car natural de !rutos" Zecomendamos que
todos os sucos sejam dilu9dos em 'gua" (e voc& est' realmente em um
jejum acredite% o seu corpo apreciar' qualquer pequena quantidade de
nutriç#o"
+rocure eliminar carnes e sobremesas" Caver' vees que tudo o
que voc& desejar' comer ser' !rutos e vegetais" Existem jejuns que
demandam um acordo com marido e mulher no sentido de se
absterem de relaç#o sexual por determinado per9odo" (eria também
muito saud'vel evitarmos assistir televis#o" +rocure gastar o maior
tempo poss9vel em oraç#o e leitura da +alavra"
Podemos orar por mas de "m prop2sto*
>o caso de voc& ter muitas necessidades em sua !am9lia ou
igreja% ser' necess'rio que ore e jejue por estes problemas como
um todo" (eria interessante !aer uma lista de todas as quest1es e
necessidades e o!erec&-las diante do (enhor em oraç#o"
Ema outra pergunta que% geralmente% tenho ouvido éK "Como voc&
gasta o tempo durante o per9odo de jejumI" 7 momento em que nos
dispomos a jejuar% precisamos compreender que n#o apenas jejuamos%
mas nos tornamos um sacri!9cio vivo diante de Deus" (aiba que o
ideal durante tal per9odo glorioso de separaç#o é procurarmos
adorar% orar e ler a +alavra" +rocure% se poss9vel% realiar seus
jejuns em momentos que voc& n#o tenha que se preocupar com
mais nada% mas somente estar diante da presença do (enhor"
Juando somos conduidos a estar em propFsito de jejum% é
necess'rio que estejamos sens9veis n#o somente para levar diante
do (enhor as nossas necessidades% mas também para compreender
aqueles encargos de oraç#o que o (enhor coloca em nossos
coraç1es" 7 (enhor pode% por exemplo% colocar no coraç#o de
pastores o encargo de estarem jejuando por um despertamento na
igreja ou por um mover especial para o evangelismo" Eu nunca
esquecerei o dia em que o (enhor gerou em meu coraç#o um
sentimento muito especial para estar jejuando" Meu pai% como j'
relatei anteriormente% morreu quando eu estava apenas com cinco
anos de idade e isto causou um grande vaio em meu coraç#o por toda
a minha vida" 7 (enhor me disseK "Eu quero me revelar a voc&
como +ai)"D E durante todo aqueles quarenta dias de jejum a &n!ase
que o (enhor colocou em meu coraç#o !oi acerca da paternidade
de Deus" 3al revelaç#o trouxe-me grande pa% con!orto e um
sentimento delicioso de preenchimento interior"
Respete o se" corpo d"rante o 5e5"m
Caver' vees em que voc& sentir' pro!undamente cansado durante
o jejum" >estes momentos é de suma import/ncia que voc& saiba
respeitar o seu organismo" Meu corpo tem levado o evangelho a
remotas regi1es da W!rica e tem levado centenas de milhares ao
conhecimento de $esus porque ele é saud'vel" (e eu tivesse abusado
de meu corpo durante alguns de meus jejuns% certamente eu n#o
seria capa de ir a lugares t#o di!9ceis" Juando !eito com sabedoria e
cuidado% o jejum é na verdade uma benç#o para o nosso corpo
porque ele permite que seu sistema digestivo descanse e tenha a
chance de expelir res9duos e toxinas de seu organismo"
Como voc& deve respeitar o seu corpo durante o jejumI (e voc&
se sentir !isicamente cansado depois de algum tempo de jejum% procure
sempre se assentar e descansar um pouco" (e voc& estiver naquele
pique de estar correndo o dia todo e ainda tem o desejo sincero de
estar no propFsito do jejum e oraç#o% saiba que o (enhor te dar'
graça para isto" 3odavia% se voc& se sentir demasiadamente !raco e
impossibilitado de continuar o jejum% ent#o é hora de respeitar o
seu corpo e saber a hora de dar uma pausa no jejum até um tempo
oportuno"
Juando temos uma atitude correta em relaç#o aos nossos
corpos% eles se tornar#o preciosos servos para nFs e para o (enhor"
$im <oll% um bem conhecido mestre na 'rea de intercess#o e
ministério pro!ético% tem ministrado lado a lado comigo em outras
naç1es% e uma ve ele me viu orando e impondo as m#os em mais de
5"P66 pessoas em uma noite" >aquela ocasi#o% as dores em meus pés
!oram t#o intensas% que me vi obrigado a tirar os meus sapatos e calçar
alguma coisa mais leve" >aquela noite o (enhor nos concedeu
maravilhosos milagres e me lembro que $im virou para mim e disseK "?sto
é maravilhoso: De onde voc& consegue tanto poderI" Zespondi-lheK "Do
(enhor" Mas parte do poder veio de todos aqueles anos de jejum e
oraç#o" Meu corpo é um servo""(im% uma das coisas mais importantes
que devemos !aer durante um per9odo de jejum e oraç#o é dier ao nosso
corpo "quem é que manda"" Juando o seu corpo gritaK "Eu estou com
!ome:" -8oc& tem o dever de dier !irmementeK "Cale-se e continue""
3odavia% n#o seja cruel com o seu corpo" Zespeite-o% e uma ve domado%
ele ser' de grande serventia no propFsito eterno de Deus"
A -erdade B"e faP a dferença
Eu gostaria de mencionar alguma coisa de grande valia quando
voc& estiver em um propFsito de jejum e oraç#o tendo em vista algum
evento espec9!ico ou milagre da parte de Deus" Durante uma grande
con!er&ncia para quatro mil pastores na >igéria% em um dado momento
eu lhes a!irmeiK "Eu lhes darei uma palavra que libertar' e ser' um
grande di!erencial no ministério de cada um de voc&s"" Eles !icaram
assombrados% pensando que palavra poderia ser esta" Ent#o lhes disse
pausadamenteK "8oc&s n#o s#o Deus"" Eu sei que isto soa simples e bem
Fbvio mas se voc& !or cuidadoso em lembrar disto% certamente voc& n#o
tentar' tomar sobre si as responsabilidades que s#o de Deus" Existem
certas coisas que eu n#o entendo" Como por exemplo% porque nem todos
!icam curados quando oramos por eles em nome de $esus" Como eu
gostaria de ter respostas para tal questionamento% porém tenho
encontrado pa na verdade revelada em Deuteron[mio 5NK5NK 6<s
cousas encobertas pertencem ao en.or nosso /eus- por#m as
re!eladas nos pertencem a n9s e a nossos fil.os para sempre,
para que cumpramos todas as pala!ras desta lei. 6
Comece $entamente e -á a"mentando o se" rtmo
Derek +rince !oi um dos meus primeiros mestres e ele ensinou-me
grandes princ9pios durante nossas viagens ministeriais" Certa ve ele
compartilhou-me que% até aquele presente momento% o jejum mais longo
que ele empreendera em sua vida havia sido de quatore dias
consecutivos" Eu% de maneira alguma% jamais compararia o seu jejum
com os quarenta dias empreendidos por mim" Derek +rince é um dos
mais ungidos ministros do mundo e possui uma vida disciplinada de
jejum e oraç#o" Ele e sua esposa sempre jejuaram toda Juarta-!eira% ou
seja% eles determinavam P5 dias de jejum todo ano" >a verdade estou
compartilhando isto com voc&s para mostrar que a disciplina de jejum #
bem !lex9vel e deve ser !ocada em uma intimidade pro!unda com Deus e
n#o em alguma per!ormance exterior"
Deus conceder' a voc& graça para responder o (eu chamado para
uma vida disciplinada de jejum e oraç#o% porém seja moderado" >#o
comece imediatamente com um jejum de vinte e um ou quarenta dias"
?nicie com apenas um dia" >a celebraç#o do "dia da Expiaç#o" as crianças
de ?srael dedicavam um dia de jejum ao (enhor" $' compartilhamos
anteriormente os tr&s dias de jejum da rainha Ester e Esdras" Daniel
dedicou um per9odo de tr&s e outro de vinte e um dias de jejum parcial
Qveja Daniel O6K5-GR" 7s per9odos de jejum mais longos !oram de $esus%
Elias e Moisés que empreenderam quarentas dias completos"
(e voc& est' planejando introduir em sua vida esta pr'tica gloriosa
do jejum% mas possui quest1es médicas% tais comoK diabete%
medicamento por prescriç#o médica% gravide% ou amamentaç#o
gostaria de lhe sugerir consultar% primeiramente% o seu médico" De
uma maneira geral% poder9amos a!irmar que quase todas as pessoas
t&m condiç1es de estarem sem alimento durante um dia uma ve
que estejam bebendo 'gua ou suco natural" 3alve voc& queira se
comprometer a limitar a sua alimentaç#o a simplesmente uma salada
durante o dia ou comer apenas lentilhas e vegetais" Existe um grande
valor em cada um destes tipos de jejum porque% de uma maneira ou
de outra% voc& est' procurando colocar o (enhor e o (eu Zeino em
primeiro lugar e suas necessidades !9sicas em segundo"
O B"e -ocC pode esperar d"rante o 5e5"m*
*om% j' discutimos anteriormente os sintomas que a maioria das
pessoas experimentam durante os tr&s primeiros dias de jejum D dor
de cabeça% n'usea% tontura e até mesmo inrregessimento do
pescoço" >o entanto% as boas novas é que quando voc& ultrapassar a
barreira dos tr&s dias% voc& começar' a se sentir muito bem: >o
momento em que estiver no quarto dia% entrar' em um estado de
repouso e perceber' que a necessidade de comer alguma coisa n#o
est' mais t#o presente"
H indispens'vel a leitura da +alavra durante o per9odo de jejum
pois% com certea% os ataques de satan's ser#o implac'veis nestes
tempos e a batalha espiritual pode se intensi!icar muit9ssimo" 7
inimigo de nossas almas odeia quando entramos em um propFsito de
jejum e oraç#o% mas o nosso consolo é que a vitFria é certa"
(atan's% por muitas vees% empreende os seus ataques em nossas
mentes em !orma de depress#o% que nos leva a sensaç#o de pro!undo
peso e opress#o durante os jejuns" +rocure n#o se perturbar% mas
somente persevere em oraç#o e apenas resista aos ataques de satan's"
Muitos questionam o porque de tais ataques t#o intensos: 7ra% voc&
dever' esperar por eles% porque no jejum a sua posiç#o é de ataque e
de "!ranco atirador" contra o império das trevas" E uma ve atacado ele
tentar' retribuir% mas n#o se preocupe% t#o somente 6su&eitai-!os
pois a /eus, resisti ao diabo e ele fugir= de !9s.6
)ermne o 5e5"m com sa9edora
Exercite a sabedoria no momento de terminar o seu jejum" Esta
é especialmente importante se voc& estiver terminando um jejum
de sete dias ou mais" Ema ve mais% eu te exorto a tratar o seu
corpo com respei to" Eu !req.entemente ouço pessoas
conversando durante jejuns em grupo o seguinteK "Eu quero comer o
maior bi!e do mundo ou eu quero devorar uma deliciosa !eijoada"" (e
voc& !ier isto% voc& estar' !erindo seu corpo" Juando voc& estiver
terminando um longo jejum% !aça-o gradativamente" 2 "verdadeira
arte" de jejuar com sabedoria é saber como começ'-lo e como
termin'-lo" 3emos recomendado aqui o uso de saladas% sucos e
algum tipo de iogurte% mas ninguém melhor do que voc& para
descobrir o melhor alimento a ser usado durante ou no término de um
jejum"
2 seguir estaremos examinando o inacredit'vel poder do jejum
que chamamos de jejum corporativo e do papel por ele
desempenhado no grande avivamento do (enhor neste tempo do
!im"
O9ser-ação: Existe um precedente b9blico para quarenta dias
de jejum e oraç#o sem comida e 'gua" Contudo% é necess'rio observar
que estes jejuns !oram conduidos literalmente por uma direç#o
espec9!ica de Deus" 3ais jejuns poderiam ser !atais sob qualquer
outra circunst/ncia"
Cap#t"$o M
ORAÇÃO CORPORA)!VA E 4 AV!VAME6)O DO )EMPO DO =!M
3odos os severos acontecimentos que temos visto nos @ltimos cinco
anos por todo o globo% tais como guerras% desentendimentos
internacionais% calamidades e outros% t&m nos dado uma percepç#o
pro!ética daquilo que j' est' acontecendo e o que est' para acontecer no
mundo espiritual" >#o podemos também esquecer que o grande aumento
de cat'stro!es naturais também nos tra compreens#o espiritual destes
@ltimos dias" 3alve tais cat'stro!es !aem parte da express#o da terra
nas dores "trabalho de parto" para que Cristo seja plenamente gerado na
?greja de hoje"
7s olhos do (enhor est#o sobre todos aqueles que t&m se portado
varonilmente e o (eu desejo é que estes continuem a exercitar a !é
!ielmente em meio a todas as tempestades destes tempos !inais" >os
@ltimos tempos% intercessores% ou seja% todos aqueles que t&m obedecido
ao chamado para uma vida de oraç#o e!ica% t&m determinado a si
mesmos n#o retrocederem diante dos ataques de satan's" Este grupo de
guerreiros de oraç#o est' constantemente en!rentando tremenda
oposiç#o% todavia ele trabalha no resgate de tudo aquilo que o (enhor nos
tem dado mas que tem estado sob a posse do inimigo" Como muitos
recrutas se alistam na aeron'utica ou marinha t#o somente com o intuito
de "viajar e ver o mundo%" talve muitos de nFs temos abraçado o
Evangelho para conseguir um 6ticket6 que nos leve para !ora do in!erno"
(e assim !or% certamente temos em nossa caminhada com o (enhor%
ignorado a vis#o pela qual !omos alistados no exército de Deus"
7 meditar sobre o Corpo de Cristo me !a recordar um !ilme
americano lançado h' alguns anos atr's% chamado U(ri!ate +en&amim6. <
personagem principal deste !ilme era uma mulher que pensava que iria
viajar em um "Crueiro" pelo Caribe% mas na verdade ela acabou
viajando para um r@stico acampamento no meio do mato"
?n!elimente% esta "mentalidade de Crueiro" também descreve
muito bem a atividade e o pensamento do movimento carism'tico
durante os anos Y6 e in9cio da década de N6B mas saibam que os
tempos t&m mudado"
Em grande avivamento est' por chegar na terraB uma !ome
muito grande pelo (enhor est' começando a varrer todas as naç1es
do mundo" >estes dias o (enhor est' liberando uma nova palavra
pro!ética acerca de um princ9pio antigo de (ua +alavra" Este prin-
c9pio antigo é "orar:" E o novo mover de Deus nestes dias é "oraç#o
corporativa:"
7 (enhor tem aberto os nossos olhos para compreendermos a
simples verdade de que a oraç#o # o lugar em que tudo começa e
termina no mundo espiritual" H na oraç#o onde tudo é consumado"
2 oraç#o é o verdadeiro "cFdigo genético" da ?greja% mas
in!elimente temos recebido muitos "genes mutantes" que t&m levado o
Corpo de Cristo% que é a ?greja% 0 "degeneraç#o espiritual"" Estejam
bem conscientes desta verdade irm#osK ">ada do propFsito a ser
realiado pelo (enhor em nossas vidas acontecer' sem uma vida
disciplinada de oraç#o""
Conheço pessoas que diem que !oram chamadas pelo (enhor
a pregar o Evangelho% a impor as m#os sobre os en!ermos% a ensinar
ou a evangeliar e rapidamente adicionam en!aticamenteK "Mas eu
n#o !ui chamado para o ministério de intercess#o"" 2 verdade em
tudo isto é que n#o dever9amos estar ministrando a outros se n#o
estamos gastando tempo diante de Deus em comunh#o e
intercess#o"
2 pro!etia 2na% uma mulher vi@va desde de sua juventude%
vivia constantemente no templo ministrando ao (enhor em jejum e
oraç#o" 2 sua intercess#o !oi a chave para lev'-la ao conhecimento
revelado do Messias" 2 grande tragédia de sua vida a !e se tornar
9ntima ao (enhor em oraç#o" 8oc& 7 conheceI D +odemos ter os dons do
Esp9rito% realiar milagres% expulsar dem[nios e ainda assim ouvir
$esus dier no !inal dos temposK %nunca !os con.eci, apartais-!os de
mim, !9s que praticais a iniqQidade. GCt 53IRJ'.
O poder da snfona +armonosa da oração
61amb#m !os digo que, se dois de !9s concordarem na terra Qse
harmoniarem% !ierem uma sin!onia juntosR acerca de qualquer coisa
que pedirem, ser-l.es-= concedida por meu (ai

que est= nos c#us. 6
QMt OYKONR Q+ar&nteses acrescentados pelo autorR
$esus disse que se dois de vFs "se harmoniarem" com o mesmo
objetivo% 6ser-l.es-= concedido por meu (ai

6

Deus est' chamando a
?greja hoje para a oraç#o corporativa% em outras palavras% para estar
orando junto% estar em harmonia% com um mesmo propFsito" 7 (enhor
nos conhecer' porque nFs 6 temos conhecido no lugar de oraç#o
Qveja Mt 5PK5GR" 7 altar de oraç#o de Deus est' 0 nossa disposiç#o a
qualquer momento" Ele nos concedeu uma !erramenta espiritual
poderos9ssima para o ministério de oraç#oK orar em l9nguas" X medida
que avançarmos neste mover da oraç#o corporativa% o Esp9rito (anto
nos dar' mais e mais graça para estarmos orando em l9nguas e isto
nos conduir' a uma tremenda riquea espiritual em nossas vidas e
certamente seremos um instrumento nas m#os de Deus para Ele
mudar o destino de muitas pessoas ao nosso redor"
;V.#$as; tCm sdo parte de todo .rande rea--amento
Desde que começamos as nossas vig9lias de oraç#o em Charlotte%
Carolina do >orte% em ONNP% o Esp9rito (anto de Deus tem se movido
poderosamente em nossas oraç1es no sentido de trans!ormar todas as
vidas que desde ent#o t&m se comprometido com as nossas vig9lias"
2 pr'tica de vig9lia de oraç#o !oi parte na vida ministerial de todos
ministros em todos os reavivamentos da histFria da ?greja"
UMr" Call% Aitchen% ?ngram% ;hit!ield% Cutchins e meu irm#o
Charles estavam presentes com mais S6 outros irm#os em uma
vig9lia de oraç#o" Como persever'vamos em oraç#o% 0s G horas da
manh#% o poder de Deus veio sobre as nossas vidas de tal !orma que
muitos gritavam por causa da transbordante alegria e muitos outros
simplesmente ca9am pelo ch#o" Logo apFs nos recobrarmos um
pouco de tamanho espanto e glFria de sua majestade% começamos a
declarar em grande voK V 3e adoramos (enhor% F Deus:
8erdadeiramente reconhecemos que tu és o (enhor:)"
Q3recho de um texto publicado por $ohn ;esle= em um $ornal%
em OTGNR
$oel% o povo de ?srael% ;esle=% os irm#os moravianos% e muitos
outros !oram exemplos da pr'tica de vig9lias de oraç#o" Eles
lavraram o solo e plantaram as sementes da oraç#o corporativa" Deus%
desde ent#o% t&m regado as sementes e levantado nestes dias do !im
novos atalaias para estarem atentos na colheita de uma nova sa!ra
que surgir' através da oraç#o e!etiva" 7 Esp9rito de Deus est' se
movendo% levando a ?greja do (enhor para estar orando de maneira
corporativa% un/nimes% no mesmo objetivo como um sF homem"
7 inimigo detesta oraç#o% particularmente aquela realiada pela
?greja como um todo porque ele sabe que o (enhor prometeu a (ua
presença onde estiverem dois ou tr&s reunidos" 2 principal estratégia de
satan's é dividir e subjugar" $esus disse 6que todo reino di!idido
contra si mesmo ficar= deserto, e a casa di!idida.contra si mesma
cair=.6 QLc OOKOTbR 7 amor de $esus% por sua ve% est' sempre
dispon9vel para curar os nossos coraç1es e mel em nossas
necessidades% todavia o (eu propFsito eterno vai muito além destas
coisas"
7 (eu desejo é que estejamos envolvidos em uma comunidade
corporativa% harmoniando-nos mutuamente em um estilo de vida
caracteriado pela oraç#o e comunh#o" +orém% o nosso chamamento
para este viver nos demandar' algum grau de sacri!9cio e acredito
piamente que todos aqueles que n#o responderem a este chamado
de maneira positiva perder#o muito para as suas vidas no presente e no
porvir" Em Lucas% cap9tulo OY% a persistente vi@va demonstra o
poder da perseverança% insist&ncia e oraç#o com um !oco e objetivo
espec9!icoK
6;esus contou-l.es uma par=bola sobre o de!er de orar sempre,
sem &amais esmorecer
Aa!ia numa cidade certo &uiz que não temia /eus nem
respeita!a o .omem.
Aa!ia tamb#m naquela mesma cidade certa !iú!a, que ia ter
com ele, dizendo3 faze-me &ustiça contra o meu ad!ers=rio.
(or algum tempo não quis atend"-la. Cas depois disse consigo3
<inda que não temo a /eus, nem respeito os .omens,
1oda!ia, como esta !iú!a me molesta, .ei de fazer-l.e
&ustiça, para que enfim não !olte, e me importune muito.
/isse o en.or3 7u!i o que diz o in&usto &uiz.
Fão far= /eus &ustiça aos seus escol.idos, que clamam a ele dia
e de noite, ainda que os faça esperarB
/igo-!os que depressa l.es far= &ustiça. >uando !ier o @il.o do
.omem, ac.ar= f# na terraB6
Perse-erança na oração e o fa-or de De"s
2quela insistente vi@va desta par'bola veio ao injusto jui
pleitear a sua causa dia apFs dia até que% en!im% ele concedeu-lhe a
sua petiç#o" 7ra% aquela pobre senhora procurou um jui injusto% e
como ser' o pleito daquela que busca o $usto $uiI Ju#o abundante
Ele !ar' 0queles que perseverantemente 7 procurarem em oraç#o"
$esus !e uma interessante pergunta relativa 0 perseverança em
oraç#oK 6>uando !ier,o @il.o do .omem, ac.ar= f# na terra B6 Em
outras palavras% $esus est' diendo que a nossa !é é expressa pela
nossa vida de oraç#o"
Em ?sa9as PN% encontramos o povo de Deus espiritualmente
necessitado como descrito pelo pro!etaK
%(elo que a &ustiça est= longe de n9s, e a retidão não nos alcan-
ça. Esperamos pela luz e s9 .= tre!as- pelo resplendor, mas
andamos em escuridão'.
<palpamos as paredes como cego- como os que não t"m ol.os,
andamos apalpando. 1ropeçamos ao meio-dia como nas tre!as, e
nos lugares escuros somos como mortos.
Q?s PNK N%O6R
7 (enhor estava descontente porque o (eu povo n#o via mais
nada a n#o ser trevas" 7 +ro!eta ainda di em ?sa9as PNKOSK 6Ele !iu
que não .a!ia ningu#m, e mara!il.ou-se de que não houvesse
intercessor- pelo que o seu pr9prio braço l.e trou)e a sal!ação, e a
sua pr9pria &ustiça o suste!e'.7 (enhor estava abismado por n#o
encontrar ninguém que buscasse a (ua !ace ou intercedesse pelo (eu
povo" 3r&s versos depois% nFs lemosK 6Então temerão o nome do
en.or desde o poente, e a sua gl9ria desde o nascente do sol. (ois ele
!ir= como uma corrente impetuosa, que o sopro do en.or impele. 6
Q?s PNKONR
2credito que o (enhor% em (ua soberania% viu a ?greja em todas
as naç1es% tateando nas trevas% procurando a lu" Ele por (ua ve%
decidiu se mover e realiar as coisas com as (uas poderosas m#os"
>#o é di!9cil vermos como o Esp9rito do (enhor est' se levantando
com poder em (ua ?greja nestes dias contra todos os intentos de
satan's" Em 2pocalipse O5KOP vemos esta !igura de oposiç#o contra
a ?greja"
De"s está em 9"sca da ;.rande m"ra$+a de oração;
7 (enhor est' diendoK "Esqueça o seu ministério e o seu dom"
Esqueça !inançasB esqueça ter que se casarB é tempo de seguir-Me""
Q8eja Mt SKGGR" Zesponda portanto o chamado de Deus e abra espaço
em sua vida para a realidade da oraç#o corporativa" 2ssim como a
@nica estrutura que pode ser vista pelos satélites s#o as grandes
muralhas da China% a @nica obra realiada por homens que Deus
deseja ver quando olha para a terra # a grande muralha de oraç#o
que se estende por toda a terra" H chegado o momento dos atalaias
do (enhor tomarem os seus lugares sobre este muro:
>unca houve nenhum reavivamento que n#o !osse precedido
pelo levantamento de um grande n@mero de intercessores que se
posi ci onassem e!i camente di ante do Deus vi vo" 3ai s
intercessores simplesmente rejeitavam a idéia de deixarem o
testemunho do (enhor cair por terra% n#o importava qual !osse o
sacri!9cio% eles estariam na brecha se posicionando no (enhor em
!avor de (eu povo"
2 palavra do (enhor no >ovo 3estamento para os disc9pulos !oiK
6@icai na cidade, at# que do alto se&ais re!estidos de poder 6 Esdras%
o pro!eta% registrou uma oraç#o histFrica para os judeus no ex9lio em
que esperavam pelo reavivamento e a oportunidade de reparar os
muros e reconstruir as ru9nas de seus destinosK
6<gora, por bre!e momento, se nos manifestou a graça da
parte do en.or, nosso /eus para nos dei)ar alguns que escapem,
para dar-nos estabilidade no seu anto lugar, para nos alumiar os
ol.os, 9 nosso /eus, e para nos dar um pouco de al*!io em nossa
ser!idão.
Embora se&amos ser!os, não nos desamparou o nosso /eus na
nossa ser!idão. <ntes estendeu sobre n9s a sua miseric9rdia perante os
reis da (#rsia, para nos re!i!er, para le!antar a casa do nosso /eus,
para restaurar as suas ru*nas e para nos dar um muro em ;ud= e em
;erusal#m.'
QEd NKY%NR
Precsamos proc"rar a "ndade1
7 +ro!eta 2mFs !e a seguinte perguntaK 6<ndarão dois
& untos, se não esti !erem de acordoB6 Q2m GKGR Deus est'
conclamando a (ua ?greja para estar em plena harmonia com Ele
em oraç#o% a estar junto em um mesmo lugar de concord/ncia com
os seus propFsitos" 2 ?greja% de uma maneira geral% tem inundado o
povo com uma série de programas e ensinamentos para promover a
unidade% mas tudo isto tem tragicamente dado em nada" +orqueI D 2s
pessoas t&m recebido ensinos ou programaç1es de unidade de
maneira inadequadaI 7ra% a unidade na verdade n#o pode ser
realiada por homem algum% mas tal mover sobrenatural sF pode
ser realiado pelo Esp9rito (anto de Deus nos coraç1es e o @nico
objetivo deste mover soberano é !ocaliar Cristo" Como j' observamos
anteriormente neste cap9tulo% $esus nos revelou a chave para a
oraç#o e!etiva no Evangelho de MateusK
61amb#m !os digo que, se dois de !9s concordarem na terra
acerca de qualquer coisa que pedirem, ser-l.es-= concedida por
meu (ai, que est= nos c#us.
QMt OYKONR
2 palavra do (enhor sobre a oraç#o corporativa% ou em conjunto%
n#o tem nada a ver com programas% agendas% ou pensamento de
homens" Mas o seu objetivo primordial é levar a (ua ?greja a estar
envolvida e submetida 0 direç#o de (eu Esp9rito" 7 mover é Dele% o
realiar é t#o somente Dele" 2 nossa tare!a é somente nos reunirmos e
nos harmoniarmos em oraç#o e adoraç#o na presença gloriosa do
(enhor% o!erecendo as nossas vidas como sacri!9cios vivos" 7ra% uma
ve nos disponibiliando a estar na brecha por outros% obedecer as
(uas instruç1es e esperar% com certea trar' (ua obra sobrenatural
da unidade% que ser' realiada"
3oda oraç#o guiada pelo Esp9rito (anto tocar' o coraç#o de
Deus" (e de !ato% a palavra de Deus é digna de toda con!iança%
precisamos estar certos de que o Esp9rito realmente intercede por
nFs porque 6não sabemos orar como con!#m. 6 GKm M3IG)J 7 (enhor
est' abrindo o nosso entendimento para a e!ic'cia da oraç#o em
conjunto% portanto% se !a necess'rio que comecemos% a pratic'-la na
vida da ?greja" (e o !iermos% saibam que um reavivamento varrer' a
terra de tal maneira como nunca aconteceu"
2 casa do (enhor é casa de oraç#o" 7 (eu "endereço" é a
oraç#o Qveja Mt 5OKOGB ?s PSKTR" (e voc& deseja estar com Ele%
ent#o voc& dever' encontrar-se com Ele em (ua casa" $esus% em
(eus dias aqui na terra% andou em meio a uma express#o vaia de
religi#o% onde as pessoas !aiam de tudo% menos orar" Eles com-
pravam% vendiam% conversavam e até mesmo !ieram do templo
uma extens#o da rua e comercialiavam as suas mercadorias ali"
Juando o (enhor viu aquilo% a (ua proclamaç#o !oiK "2 min.a casa
ser= c.amada casa de oração,6 +ortanto% se queremos estar onde
Deus est'% precisamos estar no lugar da oraç#o em conjunto% como
?greja"
$esus !oi% antes de tudo% um homem de oraç#o" 3oda e qualquer
reaç#o ou resposta realiada por Ele em relaç#o ao povo ou alguma
situaç#o que se desenrolava ao seu redor !oi exclusivamente na
direç#o recebida do +ai em oraç#o: Ele% certa ve disseK 6Em
!erdade, em !erdade !os digo que o @il.o por si mesmo não pode
fazer coisa alguma- ele s9 pode fazer o que !" o (ai fazendo, porque
tudo o que o (ai faz, o @il.o o faz igualmente. 6 Q$o PKONR 2 vitFria de
$esus na cru !oi primeiramente vencida no lugar de oraç#o no
<ets&mane QEnquanto os disc9pulos dormiamR"
>o outono de ONNM% 7 Esp9rito (anto começou a realiar algo
maravilhoso em nossa ?greja e creio que o mesmo Ele tem realiado
por todo o Corpo de Cristo na !ace da terra" 3al realiaç#o !oi a
oraç#o corporativa% oraç#o em conjunto com toda a ?greja que%
geralmente é realiada em vig9lias por toda uma noite" Embora tal
mover seja recente% as suas ra9es s#o bem antigas e originadas do
coraç#o de Deus que disseK "2 min.a casa ser= c.amada casa de
oração para todas as nações'.Q?s PSKTbR 3alve voc& se encontre no
mesmo lugar que aquela mulher de Cantares% que disseK 6Eu
dormia, mas o meu coração !ela!a. 7u!i, < !oz do meu amado,
que est= batendo3 abre-me, min.a irmã, amada min.a, min.a
imaculada. < min.a cabeça est= c.eia de or!al.o, os meus cabelos
das gotas da noite. ;= despi a min.a túnica- como a tornarei a !estirB ;=
la!ei os meus p#s- como os tornarei a su&arB 7 meu amado meteu a
sua mão pela fresta da porta, e as min.as entran.as estremeceram
por amor dele. 6 QCt MK5-MR De repente% alguém bate em sua porta e
l' est' o (enhor esperando voc& abri-la"
)roB"e a s"a ndependCnca por nterdependCnca
$' é tempo de substituirmos a nossa independ&ncia pela a
interdepend&ncia" 2 independ&ncia tende a tornar as pessoas extre-
mamente vulner'veis 0 decepç#o% particularmente em se tratando
das coisas espirituais" Depender mutuamente um do outro é de
import/ncia !undamental para que o nosso ministério !lua livre-
mente na casa do (enhor"
7 (egundo livro das Cr[nicas no cap9tulo 56% nos relata que o
rei $osa!' n#o estava satis!eito em estar meramente orando
individualmente" Ele sabia do risco e tinha plena consci&ncia do
grande perigo em estar soinho no lugar de oraç#o" Ele% portanto%
n#o somente se disp[s a buscar a !ace do (enhor% como também
proclamou jejum e oraç#o para toda a naç#o" Como resultado da
obedi&ncia corporativa de $ud'% o

(enhor respondeu com a (ua
intervenç#o sobrenatural"
7 (enhor espera alcançar as naç1es através da sua ?greja e isto
sF ser' poss9vel através da oraç#o corporativa de (eu povo"
+ortanto% se como igreja% estamos dispostos a cumprir o destino do
(enhor dado 0s naç1es precisamos estar dispostos a abrirmos m#o de
nossa vis#o individual e começar a agir como um sF Corpo na busca
de um @nico objetivo% aquele que sempre esteve no coraç#o de DeusK
traer salvaç#o a todo homem"
>os dias de (alom#o !oi a oraç#o corporativa que moveu%a m#o
de Deus contra os inimigos de ?srael" 2 prescriç#o de Deus para a
libertaç#o do povo nos dias de $oel também !oi conseq.&ncia da
oraç#o em conjunto% tanto do grande quanto do pequeno" De acordo
com o pro!eta% as palavras do (enhor !oram estasK 6antificai um
&e&um, con!ocai uma assembl#ia solene, congregai os anciões e
todos os moradores desta terra para a casa do en.or !osso /eus,
e clamai ao en.or. 6Q $l OKOMR Juando o povo de Deus se humilhar
diante Dele em oraç#o% Ele dir'K """"Eu ou!irei dos c#us, e perdoarei os
seus pecados e sararei a sua terra. 6 Q5 Cr TKOMbR
A Harmona na oração s.nfca poder
Juando voc& se re@ne com irm#os e irm#s para gastar tempo
em consistente% concentrada% e harmoniosa oraç#o no Esp9rito% as
coisas certamente mudar#o" 7 (enhor trans!ormar' as suas pers-
pectivas% o seu grau de resist&ncia 0s tribulaç1es% sua paci&ncia e
muitas outras 'reas de sua vida" 2 oraç#o corporativa% em conjunto
ou como muitos também chamam oraç#o de concord/ncia% é uma
!erramenta que tra disciplina de oraç#o para a vida% para a parte
local do Corpo de Cristo" +edro !oi liberado de sua pris#o devido 0
soberania de Deus e 0s oraç1es que estavam sendo !eitas a seu
!avor: Q8eja 2tos O5KO-O5R" ,oi também depois de um extensivo
per9odo de oraç#o harmoniosa que o Esp9rito (anto caiu sobre aqueles
que estavam reunidos no cen'culo no dia de +entecostes Q8eja 2tos
5KO-MR"
2 oraç#o corporativa% misteriosa e sobrenaturalmente% jogara
por terra todo muro que divide o Corpo de Cristo sobre a !ace da terra
e transcender' as linhas denominacionais" Como crist#os% eu e voc&
precisamos estar no campo de batalha% apresentando-nos a Deus
como um grupo comprometido de guerreiros de oraç#o dispostos a
banir toda atuaç#o diabFlica e levantar com poder o testemunho de
$esus sobre toda a terra" Jueridos% é tempo de nos posicionarmos:
8oc& sabia que Deus libera uma autoridade especial sobre nFs
quando v'rios irm#os se re@nem conjuntamente em (eu nome para
jejuar e orarI E esta autoridade tem poder para deslocar montanhas:
Com esta arma que nos !oi dada% podemos quebrar toda e qualquer
!ortalea diabFlica em nossas vidas% !am9lias% igrej
a
s e até mesmo
cidades e naç1es: H isto o que acontece quando escolhemos
concentrar as nossas energias de oraç#o em um mesmo !oco como
se !osse um !ilete "de raio laser""
+ermita-me !aer uma pergunta conceitual" (omente para
ajud'-lo a entender o poder da oraç#o e do jejum corporativo" (e um
!ilete de "raio laser" é poderoso% por exemplo% para per!urar uma
placa de aço dentro de um determinado tempo% qual seria o poder
de !ogo de 5O% P6 ou O66 !iletes de raio laser concentrados em um
@nico !ocoI Esta !igura d' uma idéia mais clara do poder de Deus a
nFs con!erido quando estamos em um mesmo propFsito de jejum e
oraç#o" 7ra% o (enhor nos deu literalmente a comiss#o e o poder
para derrubar !ortaleas% desbancar o império das trevas e quebrar
toda maldiç#o sobre as nossas !am9lias em (eu poderoso nome"
M"de a +st2ra atra-Os do 5e5"m e da oração corporat-a
Lembre-se que $esus est' nos enviando% a mim e a voc&% ao mundo
assim como o +ai 7 enviou D a @nica exceç#o é que Ele nos envia em
conjunto" Deus% soberanamente realiou um maravilhoso milagre% h'
quase dois mil anos atr's na cidade de $erusalém quando Ele
começou a derramar de (eu Esp9rito sobre toda carne" >aquele
momento% a ?greja nasceu e um exército ungido cheio do Esp9rito
(anto !oi levantado sobre o mundo e contra o ?mpério das trevas" 2gora%
como nunca antes% é tempo de nos levantarmos no poder de Deus
de cidade em cidade% de pa9s em pa9s para proclamarmos o
Evangelho de nosso (enhor $esus Cristo" Ema coisa acontecer'
mediante 0 nossa obedi&nciaK seremos agentes ativos na trans!ormaç#o
do destino das pessoas seja qual !or o lugar que estejamos: 3enho
total con!iança no c/non da revelaç#o das Escrituras" 3odavia%
acredito também que% se andarmos no poder do poderoso nome de
$esus% teremos a oportunidade% pela graça de Deus de escrever o
"(egundo livro dos 2tos dos 2pFstolos" em nossos dias"
Deus quer conceder a sua vis#o para uma colheita global a
cada um de nFs% e assim seremos capaes de olhar além% para onde
os 6campos estão brancos para a seara. 6 $' é tempo de
compreendermos que eu e voc& recebemos as *oas >ovas de $esus
para termos muito mais que salvaç#o em (eu nome"
>Fs temos a responsabilidade em Cristo de mudar a histFria e
trans!ormar o destino de nossas igrejas% nossas cidades e as naç1es"
Esta é a vis#o de $esus e a comiss#o do +ai para cada um de nFs"
2 @nica maneira que% presumidamente% podemos mudar a
histFria é orar e jejuar para Deus revelar a (ua glFria para as
naç1es" +recisamos permitir que a palavra de Deus !ale em nosso
9ntimo e nos venha direcionar nas oraç1es e intercess1es" Juando
Derek +rince e eu estivemos no +aquist#o em miss#o apostFlica% h'
alguns anos atr's% nFs literalmente vimos Deus realiar muitos milagres"
2pFs pregar em uma noite% decidi !aer uma visita aos arredores da
cidade na manh# seguinte" >esta minha oportuna caminhada pela
cidade% encontrei uma mulher que havia nascido cega" 7s seus olhos
eram completamente de!ormados e sem vida" +or alguma ra#o !ui
levado a tirar uma !otogra!ia dela com a minha c/mera !otogr'!ica"
2quela mulher realmente tocou o meu coraç#o e na reuni#o
daquela noite% em minha oraç#o% eu disse ao (enhorK "+ai% aqui
estamos nFs neste pa9s escuro% que possui um dos povos mais po-
bres do mundo" 7nde estar' agora aquela mulher cegaI Juem toma
conta delaI" >o !inal daquela reuni#o% eu estava proclamando o
nome de $esus% e no !inal da mensagem eu orei silenciosamenteK
"Esp9rito (anto% mostre a cada uma destas pessoas que $esus Cristo é
o !ilho de Deus e que somente Ele é o (enhor dos senhores""
De repente ouvi um barulho no lado de tr's da plata!orma onde
eu me encontrava" Juando olhei para saber o motivo da
perturbaç#o% eu n#o podia acreditar no que os meus olhos viam" Era
aquela mesma mulher cega da !otogra!ia" 2quela senhora de apro-
ximadamente S6 anos de idade que havia nascido completamente
cega estava agora pulando em cima do palco de tanta alegria" Ela
exclamava em alta vo 0quela multid#oK "Como voc&s sabem% eu !ui
cega por toda a minha vida% mas enquanto este homem estava
orando% eu vi um clar#o de lu e agora eu posso ver:"
Prmero -ocC precsa amarrar o +omem forte
Estou compartilhando esta histFria para mostrar-lhes a importante
chave deste sucesso" 2 vitFria em meu ministério começou quando
(enhor implantou em meu coraç#o a verdade sobre o jejum e a
oraç#o" 2ntes de estar realiando cruada em pa9ses tais como
+aquist#o% ]ambia% ]aire e Caiti% o (enhor me levou a jejuar muito%
orar% en!im% entrar em agressiva guerra espiritual" 2ntes mesmo de
entrar na regi#o central da W!rica para ministrar ao povo do ]aire ou
]ambia eu j' tinha batalhado espiritualmente contra a !orça que atua
em magia negra nestes pa9ses" 7 segredo da vitFria% portanto% é
primeiro amarrar o homem !orte% sF ent#o saqueamos a sua casa:
Q8eja Lc OOK5O-55R
Eu te asseguro que se sua !am9lia% ministério ou igreja est'
sendo atormentada por poderes das traves ou obst'culos invis9veis%
voc& ter' vitFria sobre tudo isto se t#o somente lançar m#o da arma
especial que Deus% como j' disse antes% nos deixou" 7 (enhor deseja
que estejamos des!rutando de uma nova e gloriosa unç#o e ela sF vir'
através da oraç#o e do jejum"
>#o existe outro caminho% pelo qual% possamos ter vitFria e a
oraç#o é algo que todos nFs !omos comissionados para realiar de
maneira e!etiva% seja individual ou corporativamente" +recisamos
rogar ao (enhor da seara que nos conceda graça para
evangeliarmos e traermos mediante o nosso ministrar% excepcio-
nais sinais e maravilhas para con!irmar a pregaç#o de (ua poderosa
+alavra"
A -são do #ndo amercano
Durante os longos OY anos quando o (enhor me levou a estar
observando v'rios per9odos de quarenta dias de jejum e oraç#o%
houve v'rios momentos em que a atmos!era celestial me envolvia e
a revelaç#o do (enhor vinha doce e poderosa em meu esp9rito"
>os @ltimos sete dias de um de meus per9odos de quarenta dias
de jejum% eu me encontrava realmente cansado" 7 meu dia estava
todo tomado com compromissos inadi'veis e ainda havia uma
reuni#o de culto 0 noite sob a minha responsabilidade" >o !inal da
tarde tentei descansar um pouco antes da reuni#o" E deitado ali
mesmo no so!'% eu n#o me encontrava dormindo e nem completamente
acordado% mas literalmente eu vi a !igura de um !orte 9ndio
americano naquela sala" 2 sua vis#o para mim era t#o clara que
ainda posso descrever a sua pele% os seus longos cabelos negros e
suas vestes" Ent#o ele me perguntouK U7nde est' a 'guaI)"
Estou com muita sede""
Ent#o ouvi uma outra vo lhe respondendoK "2 'gua est' a9""
>aquele momento% ele começou a correr de um lado para o outro"
De repente ele começou a vir em minha direç#o e a sua apar&ncia
era de completa exaust#o% parecia que ele tinha viajado um longo
caminho através de regi1es desérticas e lutado !eromente contra
cactos porque a sua saud'vel pele estava toda per!urada por
espinhos" 2té aquele presente momento ele n#o tinha ainda
encontrado nenhuma 'gua e ele estava literalmente morrendo de
sede" Eu ouvi a vo do (enhor me diendoK "D& a ele 'gua"" Ent#o
entendi que o (enhor queria que eu desse da Wgua da 8ida para
aquele pobre 9ndio" +or aquele momento eu me encontrava maravilhado
porque aquele homem e os eventos que ocorreram naquela sala em
minha vis#o eram muito reais para mim"
Juando !ui para a reuni#o de culto naquela noite% mesmo
durante o per9odo de louvor e adoraç#o% ainda sentia como se esti-
vesse tendo aquela vis#o" Compartilhei com os irm#os% descrevendo
aquele 9ndio em detalhesK os seus lisos e negros cabelos% a exata !orma
de seu nari% a sua m#o segurando uma !lecha e a terr9vel sede que
ele tinha" Juando terminei de descrever o que tinha visto disse aos
irm#osK "7 desejo de Deus é que demos Wgua 8iva para toda tribo e
naç#o por todo o mundo""
>aquele instante um sil&ncio santo pairou sobre toda a con-
gregaç#o porque exatamente naquele instante um jovem 9ndio
entrou naquele recinto e a sua apar&ncia era a mesma que eu havia
descrito alguns minutos antes" Ele entrou na congregaç#o% mas n#o
se assentou% t#o simplesmente andou até o centro do auditFrio e
depois em direç#o ao altar e disse em alta voK "Eu preciso de
$esus"" 2quele 9ndio entregou a sua vida ao (enhor ali mesmo%
apenas alguns instantes depois que eu havia compartilhado a vis#o
que o (enhor havia me dado"
+osteriormente% !iquei sabendo o resto da histFria daquele homem"
Ele era de uma tribo ind9gena que vivia em uma reserva no Missouri%
!aia artesanatos ind9genas e !ornecia o seu produto para v'rios
estabelecimentos comerciais" Ele havia separado de sua esposa e
estava vivendo uma vida de devassid#o% mas no !undo de sua alma
clamava ao (enhor por respostas em sua vida" +assando em viagem
pela nossa cidade em busca de bons negFcios na regi#o% quando
passava pelo nosso prédio ele viu uma lu dourada brilhando ao seu
redor" 2quele prédio n#o possu9a uma torre ou algum sinal particular
indicando que ali era uma igreja% n#o obstante ele viu uma lu
incandescente que envolvia aquela antiga construç#o" Dando ent#o
meia volta entrou para onde est'vamos reunidos" Juando ele nos
ouviu adorando o (enhor% ele percebeu que se tratava de uma
igreja% ent#o ele decidiu entrar" Logo apFs ser sido salvo pelo (enhor%
ele se apressou a voar de volta para encontrar a sua esposa e algum
tempo depois tive o privilégio de batiar a ambos nas 'guas% ent#o
!oram m batiados pelo Esp9rito (anto e Deus gloriosamente restaurou
o seu casamento" 2quele precioso 9ndio realmente recebeu da Wgua
da 8ida"
A rea$dade da re-e$ação O -erdade em B"a$B"er n#-e$
2 revelaç#o vem quando oramos% jejuamosB e quando a
+alavra do (enhor é !alada em nosso coraç#o a sua revelaç#o se
torna realidade para nFs em todas as !ormas e n9veis de nosso ser"
3al revelaç#o do (enhor ser' verdade no mundo natural% no mundo
espiritual e até na histFria" +or exemplo% existem muitas palavras
pro!éticas sobre ?srael que também s#o verdade para a ?greja ou no
m9nimo s#o !ontes de b&nç#os para o ?srael espiritual que somos
nFs% pois a +alavra de Deus é acima de tudo realidade" +ortanto% em
qualquer n9vel em que vemos a (ua +alavra a verdade vai estar l'"
Deus !alou pro!undamente ao meu coraç#o através deste
milagre acontecido na vida daquele 9ndio com as seguintes
palavrasK "Eu quero derramar o meu Esp9rito" Eu quero dar Wgua 8iva
a toda alma sedenta" Existem milhares e milhares de pessoas se-
dentas pela verdadeira 8ida" 8' l' !ora e ganhe as tribos perdidas" 8'
a todos os povos% toda tribo e todo grupo étnico" Eu quero dar-lhes
de beber pois a ?greja tem que dar 'gua para os que est#o
morrendo de sede""
(e voc& examinar as Escrituras (agradas% voc& encontrar'
nelas a verdade pura e simples" 2 (ua palavra ou a (ua cura para
nossas vidas est' 0 nossa disposiç#o a qualquer momento" Ele pro-
meteu curar as nossas almas% corpos% casamentos% igrejas% cidades e
naç1es" (e voc& buscar a (ua !ace% a (ua palavra de cura vir' e
realiar' a obra para a qual ela !oi enviada"
7 (enhor% pela sua +alavra prometeu que quando 7 bus-
c'ssemos em oraç#o e jejum% e or'ssemos pela chuva de (uas
b&nç#os% Ele nos responderia" "(enhor% n#o queremos que o nosso
pa9s perca a (ua chuva preciosa" >Fs precisamos desesperadamente
dela"" (e n#o clamarmos ao (enhor pela (ua chuva ser[dia% ent#o a
nossa naç#o ser' mais e mais sucumbida com coisas destrutivas"
Coje% na verdade% a nossa naç#o est' ardendo em lux@rias e injus-
tiças mas o desejo do (enhor é derramar a (ua chuva de justiça%
santidade e glFria" +ortanto% o (eu povo pisa clam'-Lo"

6Ele !iu que não .a!ia ningu#m, e mara!il.ou-se de que não
.ou!esse intercessor- pelo que o seu pr9prio braço l.e trou)e a
sal!ação, e a sua pr9pria &ustiça o suste!e.
Q?s PNKOSR
Eu acredito que o (enhor tem preparado um derramamento de (eu
Esp9rito sobre a (ua ?greja a n9vel global nestes @ltimos dias" E tempo de
nos convertermos a Ele de todo coraç#o em jejum e oraç#o para a (ua
visitaç#o e glFria"
Co$+eta .$o9a$ reB"er oração corporat-a em ma.nt"de
.$o9a$
2ssim como $esus ora e intercede por nFs dia e noite sem cessar%
dever9amos nFs também ter sempre em nossos coraç1es o encargo de
intercedermos pelos perdidos e pelos trabalhadores da seara" Esta @ltima
colheita ser' global em sua magnitude" +ortanto se requer a oraç#o de
toda a ?greja corporativamente na mesma dimens#o" (e um !aendeiro
deseja colher apenas meio alqueire de trigo% ele somente precisa se
planejar para tal" +ortanto se o seu desejo é colher O66"666 alqueires em
um dia o seu planejamento ter' que ser outro"
Deus est' conclamando a (ua ?greja em todo o mundo para a
oraç#o e jejum corporativo como nunca antes e o motivo disto é que Ele
est' preparando uma eminente colheita monumental em proporç1es
globais: +ortanto irm#os% j' é tempo de respondermos de maneira
positiva ao (eu chamado para o jejum e oraç#o como um @nico povo
unidos ao nosso @nico (alvador% em uma sF !é e um sF Esp9rito"
Cap#t"$o %4
COMO '!?ERAR A U6ÇÃO APOS)U'!CA
Eu gosto muito de ler o livro de 2tos porque este livro é o "jornal"
que reporta a primeira ve que o (enhor derramou poderosamente o (eu
Esp9rito sobre toda a carne% liberando o ministério apostFlico sobre a terra"
2 ?greja em nossos dias ainda vive sobre o impacto deste primeiro mover
do Esp9rito e agora o (enhor esta prestes a realiar um novo
derramamento glorioso de sua unç#o" 2credito piamente que nFs
nascemos para este tempo"
Estamos vivendo nos @ltimos dias e os propFsitos !inais de Deus
para o homem est#o para terminar" +ortanto% precisamos estar nos
preparando urgentemente para tudo aquilo que est' por vir" 2 glFria de
Deus em nFs pode ser comparada ao precioso ouro em pF contido em
talhas de pedras" Estas talhas precisam ser quebradas para que tal
preciosidade divina seja !acilmente liberada em santidade e glFria para o
exterior destes recipientes e tocar o mundo"
7 que mais poderia% além deste quebrantar de nossas vidas% !aer
com que o !ogo do Esp9rito em nosso viver queime toda
podrid#o ao nosso redor deixando somente a purea do ouroI 7 que
poderia quebrar tais coraç1es petri!icados para que o "Esp9rito de Deus
em nFs" possa !luir livremente de nossas vidas para este mundo pobre e
a!litoI 7 (enhor quer nos levar ao quebrantamento para que possamos%
como (ua ?greja% trans!ormar grandes quantidades de ouro bruto em
precios9ssimas barras de ouro em !orma de ardor apostFlico para um
apostolado e!etivo" 7 padr#o do >ovo 3estamento para liberaç#o da
unç#o apostFlica é encontrado no livro de 2tosK
6Fa igre&a de <ntioquia .a!ia alguns profetas e mestres, a
aber3 +arnab# e imeão, c.amado F*ger, Yúcio de ?irene, Cana#m, que
fora criado com Aerodes, o tetrarca e aulo. er!indo eles ao en.or, e
&e&uando, disse-l.es o Esp*rito anto. <partai-me a +arnab# e a aulo
para a obra a que os ten.o c.amado.
Então, depois de &e&uarem e orarem, puseram sobre eles as
mãos, e os despediram.
<ssim estes, en!iados pelo Esp*rito anto, desceram a el"ucia,
e dali na!egaram para ?.ipre.
Q2t OGK O-MR
Jual era o contexto no qual o ministério apostFlico !oi liberado no
primeiro séculoI +elo registro (agrado est' claro que isto aconteceu em
um contexto de !ervoroso momento de oraç#o e jejum da ?greja" H
justamente nesta atmos!era que o Esp9rito (anto !ala de maneira bem
clara e de!inida" Este mover apostFlico do primeiro século aconteceu
simplesmente em obedi&ncia a uma direç#o espec9!ica do Esp9rito (anto
para os l9deres da ?greja em 2ntioquia e assim 6depois de &e&uarem e
orarem, puseram sobre eles as mãos e os despediram. 6 7 que isto
signi!ica em nossos diasI
O nosso De"s e os dons B"e E$e nos concede são so9renat"ras
+or séculos% a ?greja tem caminhado desajeitadamente e "usado
apenas metade da velocidade" pois usa apenas tr&s dos cincos
ministérios originalmente designados por Deus para equipar os santos"
7s ministérios apostFlico e pro!ético !oram% em geral% rejeitados ou tidos
como !uncionais somente nos tempos dos primeiros apFstolos" Enquanto
isto os ministérios de evangelismo% pastor e mestre de alguma maneira
escaparam do "sepultamento" acontecido com os dois primeiros" 7ra%
resultado de tal mutilaç#o é previs9vel" H% sem d@vida desnecess'rio tentar
prever o que aconteceria se alguém% que possui um ve9culo de seis
cilindros% decidisse que seu carro teria melhor per!ormance em sua
velocidade se dois ou tr&s deles !ossem desligados"
+ara piorar ainda mais as coisas% quase todos os nove dons listados
pelo o apFstolo +aulo em O Cor9ntios% cap9tulo O5 !oram também tidos
como dispens'veis e considerados como j' cessadas as suas !unç1es
assim como os apFstolos e os pro!etas o !oram" 2pesar da irrelevante
sabedoria humana dier o contr'rio% Deus nunca cometeu nenhum erro
ou desconsiderou nada de (ua eterna +alavra" 7 que Ele disse na Carta
aos E!ésios% cap9tulo M% em O Cor9ntios% cap9tulo O5 e em Zomanos%
cap9tulo O5 !oi por uma ra#o espec9!ica" Deus em si mesmo é
sobrenatural" >#o importa qu#o descon!ort'veis homens e mulheres se
sintam% Deus e a (ua +alavra ser#o sempre imut'veis"
Documentos histFricos comprovam que virtualmente todos os
reavivamentos ou despertamentos acontecidos no mundo !oram liderados
por l9deres ungidos cujos ministérios !oram acompanhados por sinais e
maravilhas sobrenaturais% assim como de uma extensiva percepç#o e
!uncionamento dos dons do Esp9rito" 7 grande reavivamento t#o esperado
em nossos dias n#o acontecer' de maneira di!erente" +recisamos
urgente da autoridade apostFlica e das habilidades de liderança
designadas por Deus durante esta grande "colheita" que est' para
acontecer neste @ltimos dias"
+or esta ra#o% Deus est' conclamando a (ua ?greja neste tempo do
!im para estar vivendo e !uncionando na plenitude dos cinco ministérios
de governo estabelecidos em E!ésios% cap9tulo M" Jueridos% precisamos
estar correndo a carreira que nos !oi ta pelo (enhor com "todos os
cilindros" se almejamos que a glFria de Deus verdadeira cubra toda a
terra" >#o podemos mais estar satis!eitos em simplesmente
caminharmos mancando sem o !undamento apostFlico ou sem a
percepç#o ou vis#o do ministério pro!ético na ?greja" Carecemos do pleno
!uncionamento de cada dom do Esp9rito legado por Deus 0 sua ?greja
para mant&-la !orte% saud'vel e santa" 2 @nica maneira que isso pode
acontecer é a ?greja se posicionar de maneira persistente e corporativa
no lugar da oraç#o e do jejum" Esta atitude criar' uma atmos!era
prop9cia para a glFria de Deus queimar e puri!icar as nossas vidas e
de!initivamente liberar a unç#o apostFlica da ?greja para o mundo"
>este reavivamento% sinais e maravilhas destruir#o instan-
taneamente décadas% e até mesmo séculos de aç#o diabFlica% liberando
assim centenas de milhares para receber a Cristo como (enhor em uma
@nica noite: Esta obra de tamanha magnitude sF poder' acontecer
através do poder do Esp9rito (anto" Louvamos ao (enhor pela unç#o j' a
nFs con!erida% todavia o chamado de Deus para cada um de nFs% (eus
!ilhos% é para mergulharmos mais pro!undamente >ele e des!rutarmos de
(uas riqueas através do jejum e da oraç#o" (e 7 obedecermos% Ele
poder' con!iar-nos o mesmo poder do Esp9rito (anto liberado a (eu !ilho
$esus Cristo% depois de (eus longos M6 dias de jejum e oraç#o"
O poder de De"s e a ár-ore do 9r"Jos
Eu me recordo certa ve% quando conduia uma campanha de
evangelismo em massa na cidade de Aananga% ]aire% em uma 'rea
in!estada de !orças demon9acas proveniente de magia negra% t#o
praticada naquela regi#o" Esta cruada conduida pelo nosso ministério
!oi a primeira realiada naquele pa9s e as coisas estavam% até um dado
momento% correndo muito bem% apesar dos agressiva oposiç#o das obras
de bruxaria que tinha dominado aquela 'rea por muitos e muitos anos"
Logo j' no in9cio os bruxos daquela localidade publicaram nos meios de
comunicaç#o local um pronunciamento de maldiç#o sobre nFs"
?n!elimente alguns de nossa equipe temeram muito a atitude daqueles
!ilhos de satan's" Comunicaram-me pelo pessoal daquele lugar sombrio%
que aqueles !eiticeiros tinham poder para simplesmente dierem a
alguémK "8oc& morrer' em sete dias"" - e realmente a pessoa ca9a
en!erma ou algo acontecia a ela% e aquela palavra maligna se cumpria"
>ossas reuni1es despertaram tanta ira naqueles bruxos que eles
!oram capaes de !aer uma convocaç#o a todos os bruxos da redondea
para um encontro a !im de decidirem o que !ariam no sentido de impedir
a proclamaç#o do Evangelho do Zeino naquele lugar" 2queles bruxos%
ent#o% se reuniram debaixo de uma !rondosa 'rvore usada pelos
!eiticeiros de muitas geraç1es" Eles acreditavam que o poder espiritual
do maligno era emanado das galhas daquela !rondosa 'rvore e ali !oi
realiado todo tipo de cerim[nia diabFlica% inclusive comer carne
humana% no intuito de impedir o mover de Deus"
>a @ltima noite da cruada% aqueles !eiticeiros mais uma ve se
ajuntaram sob aquela gigantesca "'rvore m'gica" com o propFsito de
estar praticando os seus rituais macabros para bloquear a aç#o de Deus
naquele lugar através de nossas vidas" 2queles homens e mulheres
estavam totalmente entregues e embebidos nas densas trevas de
satan's e !uriosamente amaldiçoavam os crist#os% comiam carne
humana e discutiam ardentemente planos determinar de uma ve por
todas com a nossa cruada Q<raças ao nosso bom Deus% nada que eles
intentaram contra nFs !uncionouR"
>o !inal da minha mensagem naquela @ltima noite% o (enhor me
ordenou a liberar uma palavra de quebra de todo o jugo de magia negra
que imperava sobre toda aquela regi#o e libertar todo aquele povo das
cadeias que os prendiam" Enquanto aqueles pobres !eiticeiros se
envenenavam debaixo daquela imensa "'rvore encantada"% eu declarava
diante de milhares de pessoas que te se aglomeravam em nossa reuni#oK
"(atan's% eu te amarro% em nome de $esus: Eu quebro% no nome do (enhor%
toda sorte de maldiç#o neste lugar:"
>aquele momento% de acordo com in!ormaç1es de diversas
testemunhas oculares% naquela 'rea onde os bruxos estavam reunidos
!oram vistos grandes rel/mpagos e raios que ca9am incendiando tudo ao
redor e aquele !ogo expandiu em um raio de cerca de O6 ou O5 quil[metros"
2quele !ogo consumidor deixou aquela grande 'rvore !umegante" 7 tronco
n#o se dividiu como normalmente acontece quando atingido por um raio"
Mas o !ogo começou do topo para baixo queimando o tronco durante tr&s
dias completos até toda a sua destruiç#o ser totalmente consumada" 2inda
existe l' naquela localidade os sinais daquele inc&ndio como uma adver-
t&ncia muda do poder do nome de $esus que est' acima de todo
principado e potestade:
+osteriormente !icamos sabendo mais detalhes% sobre este episFdio
da 'rvore incendiada% da prFpria boca de alguns daqueles homens que se
reuniram ao redor dela" Eles relataram que quando aquele inc&ndio
sobrenatural começou% alguns dos bruxos !icaram cegos% outros !oram
queimados e alguns outros tiveram uma experi&ncia de arrependimento
quando depararam com o poder in!inito de Deus" Muitas daquelas pessoas
nos procuraram nos relatando esta mesma histFria e nos indagando o que
deveriam !aer para serem salvos" Juando tive a oportunidade de visitar
as cinas daquela que outrora !ora uma grande 'rvore% aqueles restos%
lembrei-me do con!ronto do pro!eta Elias com os pro!etas de *aal em O Zeis%
cap9tulo OY" 7 meu esp9rito regoijou dentro de mim e eu clamei em alta
vFs como Eliseu quando o manto da unç#o caiu perto deleK 67nde est=
agora o /eus de EliasB6 Q5 Zs 5KOMR
Eliseu se encontrava sedento" Ele estava !aminto para ver a
mani!estaç#o do poder do Deus vivo passar para a sua geraç#o no momento
em que Elias !oi levado ao céu" Esta transiç#o de poder est' registrado em 5
Zeis e !oi uma sombra da unç#o con!erida aos apFstolos por $esus descrito
em Mateus 5YKOY-56K
6?.egando-se ;esus, falou-l.es, dizendo3 # me dado todo o
poder no c#u e na terra.
(ortanto, ide e fazei disc*pulos de todos os po!os, batizando-os
em nome do (ai e do @il.o e do Esp*rito anto,
Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu !os ten.o man-
dado. E certamente estou con!osco todos os dias, at# à consumação
do s#culo.
QMt 5YKOY-56R
+or séculos a ?greja tem vivido ou com os seus olhos !ixos no céu% com
as malas prontas esperando $esus voltar% ou esperando que $esus !aça do céu
o que Ele t#o veemente comissionou-nos a realiar aqui na terra através de
(eu Esp9rito que habita em nFs" 2 dimens#o da obra de Deus em nossos
dias nos demanda uma posiç#o que nos arrancar' da paralisia espiritual e
nos levar' a tomar o manto da unç#o e poder a nFs con!eridos por $esus e
começar a obedecer os (eus comandos"
E$e nos tem c+amado para 5e5"ar/ orar e o9edecer0
7 (enhor nos tem convocado para a pr'tica do jejum e da oraç#o e
para obedecer a (ua +alavra" Ema ve subjugando o nosso viver nesta
pr'tica Ele poder' liberar a unç#o apostFlica em nossas vidas% em nossas
igrejas e em nossos ministérios neste mundo" +ossuindo a unç#o do alto o
nosso ministério n#o ser' baseado em meros discursos mornos ou ap'ticos%
n#o ser' tomado por nenhum temor% d@vida ou descrença" +elo contr'rio%
ser' pro!ético% apostFlico e capacitado a manusear a 6espada de dois
gumes6 a!iada que nos é concedida somente pelo Esp9rito (anto de
Deus" (eremos con!rontados e% talve nem nos daremos conta disto% as-
sim como aconteceu comigo nesta experi&ncia quando !ui conduido a
orar simplesmente e liberar um comando através do qual Deus
literalmente destruiu o arsenal de satan's naquela cidade no ]aire: 7ra%
tudo que o (enhor deseja de nFs é que estejamos dispon9veis em suas
m#os e tenhamos pleno entendimento que Ele est' conduindo a sua
?greja para o deserto nestes dias: 7 (eu desejo é que aprendamos a
importante liç#o de orar e jejuar de maneira e!etiva para que possamos
!aer di!erença em nosso viver no poder do esp9rito em nossa geraç#o"
Como alguém disse% a oraç#o é a c'psula que contém todos os dons
de Deus concedidos a nFs e% com todo respeito 0 palavra do (enhor%
ent#o podemos in!erir que o jejum é a mola propulsora que levanta as
nossas oraç1es muito acima dos limites da terra e céus" 7 jejum !ornece
ao nosso esp9rito o vigor necess'rio que nos "catapulta" para um viver
além da "gravidade" da carne" 8oc& pode estar certo de que satan's teme
esta santa combinaç#o como ninguém mais neste mundo" (aiba que
toda ve que o povo de Deus ousa deixar de lado as suas di!erenças e
concepç1es pessoais o tempo su!iciente para buscar a !ace do (enhor
em jejum e oraç#o como um sF homem% com um sF objetivo% em um sF
acordo% terr9veis coisas estar#o acontecendo no império das trevas"
Enquanto isto sinais e maravilhas ser#o realiados pelo (enhor no meio
de (eu povo"
2lgo que me impressiona pro!undamente é que apenas poucos
crist#os compreendem% ao ler as Escrituras% que $esus deu aos (eus
disc9pulos um treinamento espec9!ico para o jejum" Ele lhes ensinouK
%>uando &e&uardes, não !os mostreis contristados como os
.ip9critas, porque desfiguram o rosto para parecer aos .omens que
&e&uam. Em !erdade !os digo que &= receberam a sua recompensa'.
1u, por#m, quando &e&uares, unge a cabeça, e la!a o rosto, (ara
não pareceres aos .omens que &e&uas, mas a teu (ai, que est= em
secreto- e teu (ai, que !" em secreto, te recompensar=. QMt SKOSKOYR
>esta passagem% o (enhor $esus !ocou os motivos corretos do jejum
e através de (eu discurso Ele simplesmente disseK 6>uando &e&uardes... 6
Mais uma ve observe que $esus n#o disse "se voc& decidir jejuar"""" ou
"se voc& sentir de jejuar um dia"""" >#o" Ele !alou do jejum com a mesma
!inalidade e objetivo quando !alou da oraç#o" Ele disseK 6>uando orardes6
e n#o "se voc& orar"" +or qu&I +orque $esus esperava que (eus disc9pulos
tivessem o mesmo entusiasmo tanto na oraç#o quanto no jejum"
A a9"ndTnca de c+"-a está c+e.ando
2 pr'tica do jejum nos move do dom9nio natural deste mundo para o
viver e governo sobrenatural do Zeino de Deus" Este é o @nico lugar onde
voc& pode obter revelaç#o% autoridade e poder do Esp9rito (anto" Eu vejo a
?greja envenenada com o brilho do século vinte e virtualmente na mesma
posiç#o que o pro!eta Elias esteve quando orou por chuva no monte
Carmelo depois de ter pro!etiado ao perverso Zei 2cabe que a chuva
estava chegando depois de tr&s anos de total aride e sequid#o" 2
princ9pio n#o existia nenhuma nuvem no céu% mas ele perseverou em
oraç#o"
Depois de um longo per9odo de total aride e sequid#o na ?greja nFs
também% no nome do (enhor% pro!etiamos que as chuvas est#o vindo% e
como Elias nos encontramos em um lugar elevado clamando com nossas
!aces entre nossos joelhos" Este na verdade é o melhor lugar onde
podemos estar: 8eja a histFria de EliasK
6E disse Elias a <cabe3 sobe, come e bebe, pois .= ru*do de
abundante c.u!a.
ubiu <cabe a comer e a beber, mas Elias subiu ao cume do
?armelo e, inclinando-se por terra, meteu o rosto entre os &oel.os.
/isse ao seu moço3 sobe, e ol.a para a banda do mar E ele subiu,
ol.ou e disse3 não .= nada. Então disse Elias3 Oolta l= sete !ezes.
X s#tima !ez, disse3 le!anta-se do mar uma nu!em do taman.o da
mão de um .omem. Então disse Elias3 sobe, e dize a <cabe3 <parel.a o
teu carro, e desce, para que a c.u!a não te apan.e. Em pouco tempo
os c#us se enegreceram de nu!ens e !ento, e caiu uma grande c.u!a.
<cabe subindo ao carro foi para ;ezreeY6
QO Zs OYKMO-MPR
Estamos vivendo hoje o !inal da aride em nossa terra" 2 ?greja est'
começando a ouvir o som da abund/ncia de chuva: $' temos ouvido as
primeiras gotas de chuva da glFria do (enhor cair em alguns lugares
como 2rgentina% *rasil% 3oronto% +ensacola e ,lFrida - e estas gotas s#o
apenas o in9cio"
2 evid&ncia é muito clara D Milh1es t&m se prostrado com suas
!aces entre seus joelhos em !ervorosa intercess#o e jejum" (ervos de
Deus t&m relatado de 3oronto% +ensacola% Couston% *altimore% *uenos
2ires% Londres% 2ustr'lia e em muitos outros lugares que j' existe uma
"nuvem do tamanho de uma m#o de homem levantando-se do mar:"
Embora a princ9pio n#o se via nada% em meados ao ano de ONN6 tivemos o
primeiro vislumbre de uma pequena nuvem do tamanho da m#o de um
homem que se levantava do mar" 2quela vis#o !oi tudo o que
precis'vamos para nos motivarmos no (enhor porque somos um povo
sedento do poder de Deus: 2gora estamos ousadamente pro!etiando
para esta geraç#oK "+reparem-se para um grande derramar que elevar'
os seus pés de onde eles est#o !irmados e trans!ormar' a !isionomia da
terra: 7 Zio de Deus est' nos invadindo com toda a !orça de suas
correnteas" +repare-se para ver a terra coberta com a glFria de Deus""
2credito que in!elimente temos realiado muitas coisas segundo a
capacidade do"-prFprio homem% portanto% precisamos tirar as nossas
m#os !ora do mover poderoso de Deus" Este ser' o (eu reavivamento e
(ua grande "colheita"" Desta ve n#o ter' lugar para a carne ou para a
glFria de homens" 7 vento do Esp9rito est' começando a soprar% o céu j'
est' escurecendo e pesada chuva est' chegando" Este é o grande poder
de Deus que estar' vindo sobre esta geraç#o"
Precsamos ser perse-erantes em oração
>Fs j' estamos vendo mani!estaç1es da glFria de Deus em um grau
que nunca vimos anteriormente" Este é% sem d@vida% tini novo mover da
glFria de Deus que ser' mais glorioso que o derramamento de
+entecostes no in9cio da ?greja ou a chuva ser[dia que caiu sobre a ?greja
na década de quarenta" (er' maior que o aviva mento que varreu a
2mérica do >orte em meados dos anos sessenta" 7 que o (enhor tem
preparado para estes @ltimos d
i
as n#o pode ser comparado com nada
provado pelo (eu povo em toda a histFria da ?greja" 8oc& e eu somos
mordomos de toda riquea que o (enhor dispensar' nesta geraç#o%
porém para que o (enhor realie o (eu propFsito precisamos estar
engajados no desa!io da oraç#o"
(e assim o !iermos estaremos brevemente imergidos
na unç#o gloriosa que nos levar' 0s pro!undidades do (enhor"
+elo jejum e pela oraç#o corporativa podemos ser mais que
vencedores sobre qualquer situaç#o% obstruç#o e até mesmo mon-
tanha que se posicione no caminho da jornada que o (enhor nos
tem proposto" 7ra% precisamos estar convictos que a vitFria no
(enhor sF poder' ser encontrada quando estivermos vivendo no
dom9nio do Esp9rito e esta é a ra#o pela qual satan's n#o perde
uma oportunidade para nos desviar do viver adequado da oraç#o e
do jejum"
2credito que Deus almeja que a ?greja entre para esta vida de
jejum e de oraç#o agora% porque Ele sabe que isto é necess'rio se
vamos entrar na plenitude do nosso manto apostFlico%nosso mi-
nistério apostFlico e unç#o apostFlica para milagres sinais e mara-
vilhas" 2gora uma perguntaK "Estamos nFs dispostos a pagarmos o
preço do jejum e da oraç#oI"
VocC está preparado para pa.ar o preço de traPer $9erdade
aos cat-os*
7 reavivamento e a "colheita" global nunca acontecer#o a
menos que estejamos pessoalmente envolvidos com o propFsito
eterno de Deus através da obedi&ncia 0 oraç#o e ao jejum" 7 terreno
dos coraç1es dos homens precisam ser preparados para receber a
semente salvadora da palavra de $esus" ?sto apenas pode ser
realiado previamente através da "pr'tica" do amor e de joelhos%
diante do +ai das lues" X medida que entramos em combate% e de
joelhos% Deus% por (ua ve% libera o (eu poder para a libertaç#o dos
cativos de satan's"
Mai s uma ve% gostari a de rei nterar que o grande reaviva-
mento e conseq.entemente a "colheita" de muitas vidas para
$esus n#o ser#o realiados de acordo com os caprichos da
mente carnal do homem" Este grande mover da m#o do (enhor
nestes dias ser' de acordo com a (ua prFpria palavra revelada"
+aulo !alou categoricamente aos Cor9ntiosK
"2 min.a pala!ra e a min.a pregação, não consistiram em
pala!ras persuasi!as de sabedoria .umana, mas em demonstração
do Esp*rito e de poder,
(ara que a !ossa f# não se apoiasse na sabedoria dos .omens,
mas no poder de /eus.'
QO Co 5KM-PR
Juando temos uma vida produtiva de jejum e oraç#o o (enhor
nos d' a (ua graça para que no abrir da nossa boca o mistério do
Zeino seja conhecido diante dos indoutos" Ele nos dar'

sabedoria para
estarmos diante de governadores% pre!eitos% l9deres de comunidade e
toda sorte de pessoas para que a nossa pregaç#o seja !eita 6em
tempo e fora de tempo'.
Este O o poder de De"s
Em ONNP% eu e minha esposa% *onnie% alugamos um avi#o
monomotor e voamos para o interior da W!rica% pari uma cidade
chamada Aik-et% no ]aire QEste era um local cheio de mistérios e
cen'rio da mortal epidemia chamada Hbola hemorr'gicaR" >a
primeira noite pregamos para uma multid#o de cerca de M6"666
pessoas% sendo que a grande maioria nunca havia ouvido o Evangelho
de poder" Logo que o poder de Deus caiu sobre aquele lugar% uma
criança aleijada de O6 anos de idade que vivia imobiliada por toda a
sua vida% começou a andar instantaneamente: Ent#o pelo Esp9rito
de Deus comuniquei 0quela multid#oK "Existe um tumor gigantesco
no est[mago de alguém mas j' est' desaparecendo pelo poder de
Deus"" 7 procurador geral da prov9ncia de *andundu Qinclu9a
Aik-etR se encontrava no meio daquela multid#o e havia sido
diagnosticado um imenso c/ncer em sua 'rea intestinal" ?mediatamente
aquele homem subiu para onde nos encontr'vamos e disse em vo
alta para todos ouviremK "Eu sou esta pessoa"" - e continuouK "Eu
quero servir o (enhor $esus para todo o sempre:" DEste é o poder de
Deus e este é o modo que o (enhor deseja usar pessoas simples
como nFs para con!rontar o inimigo e traer os perdidos para $esus"
Deus deseja nos conceder sinais% maravilhas e milagres hoje com
o propFsito de con!irmar a proclamaç#o das *oas >ovas e glori!icar
o (eu grande nome" Juando a resposta ao (eu comando de 6ide6 é
positiva% os (eus sinais e maravilhas certamente nos seguem
porque estamos agindo dentro do campo da !é" +orém% para que
isto comece acontecer em nosso viver% precisamos estar genuinamente
comprometidos em tocar e abençoar os necessitados ao nosso
redor como $esus o !e" 7s milagres a nFs concedidos n#o s#o
simplesmente para serem considerados como atrativos para as
pessoas ou como motivos para nos orgulharmos" De!initivamente
n#o" Estes s#o poderosos sinais de (eu poder e (eu amor para com o
homem e cabe a nFs t#o somente sermos !iéis mordomos de tanta
riquea e glFria"
Zecordo-me certa ve% quando estivemos conduindo uma
campanha no meio da selva a!ricana onde milhares de pessoas se
reuniram" 2quele lugar era t#o remoto que simplesmente n#o havia
casas e nem sequer tendas para proteger o povo do sol ou da
chuva" 2quilo !oi realmente uma concentraç#o ao ar livre" ?nclu9dos
entre aquelas milhares de pessoas que se reuniram al9 para ouvir o
Evangelho% estavam centenas de crianças e bebeinhos"
'9erando "m comando para as densas n"-ens
Eu me preparava para pregar 0quele povo quando uma grande
concentraç#o de nuvens escuras e sinistras se aglomeraram naquela
'rea diretamente sobre as nossas cabeças" Elas n#o estavam
dispersas uni!ormemente sob o !irmamento% mas bem concentradas
sobre aquela 'rea que nos encontr'vamos e t9nhamos a impress#o
que elas tinham sido movidas para aquela posiç#o por alguma !orça
invis9vel" (em sombra de d@vida seria muito desastroso um
temporal despencar exatamente naquele momento e nas circuns-
t/ncias em que nos encontr'vamos" (implesmente n#o existia lugar
para nos escondermos e os rel/mpagos e raios poderiam piorar mais
ainda a situaç#o% talve até com poss9veis !atalidades" Eu clamava ao
(enhor em meu coraç#o sobre aquela terr9vel situaç#o em que nos
encontr'vamos quando% de repente um dos l9deres locais% a plenos
pulm1es% anunciou 0 multid#oK "E agora% o +astor Mahesh Chavda !ar'
uma oraç#o ao (enhor e ordenar' estas negras nuvens de temporal
para se a!astarem daqui"" - E diendo estas palavras olhou para
mim"
>aquele momento eu "engoli seco" e me dirigi onde aquele
irm#o estava e o meu clamor ao (enhor continuava% mas agora
desesperadoK "(enhor% eu n#o sei como !ui chegar aqui neste lugar
ermo e n#o sei o que !aer agora""" 7 (enhor é o @nico
que
pode
responder esta oraç#o" 3enha misericFrdia e
o
u
ça
a oraç#o do teu
servo agora"" Depois de ter orado silenciosamente% aquela grande
platéia ouviu e assistiu-me em poucas palavras pedir ao (enhor que
dispersasse aquelas negras nuvens" Em quest#o de mi
n
utos as nuvens
começaram a se desvanecer e j' era poss9vel Continuar a pregaç#o do
Evangelho sem sequer uma gota de chuva para incomodar" Este sinal
que o (enhor nos trouxe naquele dia !oi um poderoso testemunho
do poder de Deus parti Baqueles% a!ricanos% e muitos se renderem ao
(enhor $esus naquele dia porque a mani!estaç#o de (eu poder a eles !oi
muito signi!icativa"
Juanto maior o mover Deus% maior ser' a oposiç#o de satan's"
3odavia% se estivermos pagando o preço% em obedi&ncia% do jejum e da
oraç#o% o (enhor trans!ormar' os ataques ou as obras de maldiç#o do
inimigo em uma grandiosa b&nç#o" Em muitos casos% enquanto
esperamos a vinda desta grande "colheita" de vidas% estas
trans!ormaç1es podem literalmente se tornarem sinais e maravilhas em
si mesmas traendo convicç#o aos n#o salvos% da glFria de Deus"
Enquanto ministr'vamos no ]aire% em uma cidade chamada Mbuji
Ma=i% local de grande concentraç#o de magia negra% vimos milhares de
pessoas terem a experi&ncia do novo nascimento" 7s bruxos e os
!eiticeiros daquela localidade !icaram extremamente indignados porque
n#o estavam mais sendo pagos para lançarem maldiç1es sobre as
pessoas" +or outro lado% as pessoas que eles tinham amaldiçoado
tinham sido salvas pelo (enhor e as maldiç1es que estavam sobre elas
n#o tinha mais nenhum e!eito" Em outras palavras% o Evangelho das
*oas >ovas de nosso (enhor $esus Cristo estava levando o grande
negFcio daqueles bruxos 0 plena !al&ncia:
Conseq.entemente% os !eiticeiros entraram em acordo para
enviarem o l9der deles em nossa reuni#o e assim pessoalmente nos
amaldiçoar" Em um dado momento de nossa reuni#o quando orando por
v'rias pessoas que estavam em uma grande !ila% aquele che!e dos
bruxos !ingiu estar doente e assim se misturou com centenas de pessoas
que esperavam por oraç#o" 7s pastores locais conheciam muito bem
quem era ele% mas eles estavam com tanto medo do poder de suas
maldiç1es que acabaram permanecendo em sil&ncio acerca da
identidade daquele homem"
2quele bruxo era um homem alto e !orte e usava em seu pescoço
um grande colar de ossos humanos" Juando me aproximei dele% ele
começou a emitir estranhos ru9dos e a vocaliaç#o daqueles sons
estavam além da compreens#o humana" 2quilo parecia a combinaç#o dos
sons emitidos por OM ou OP animais" Eu me arrepiei todo ao ouvir aquele
barulho medonho% ent#o ouvi um grande urro e vi os seus olhos se
entortarem inteiramente" >aquele momento me !oi dado pelo (enhor o
claro discernimento com o que eu estava tratando e eu disse para mim
mesmoK "Este homem realmente precisa de muita ajuda""
AB"e$e 9r"Jo esta-a ;a.arrado no c+ão;
>o momento que pronuncie-lhe uma palavra de libertaç#o% parecia
que milhares de voltes de eletricidade impactava o corpo daquele
homem" Ele !oi arremessado a uma dist/ncia de aproximadamente M
metros e violentamente caiu com o rosto em terra% e toda ve que
tentava se levantar ele se a!ligia percebendo que n#o era capa de mover
um cent9metro sequer e isto o !aia urrar ainda mais alto" Ele estava
colado no ch#o e era como que se um anjo tivesse sido comissionado
para se assentar em cima dele" Eu disseK "*em% (enhor% 3u sabes todas as
coisasB tome pleno controle desta situaç#o""
2lgum tempo depois aquele pobre homem estava dando o seu
testemunho aos pastores locais" Ele explicou que ele n#o !oi capa de se
levantar do ch#o até que con!essasse cosia a sua boca que $esus Cristo é
o (enhor" Juando olhou para mim% ele arregalou os seus olhos% e
apontando o dedo para mim% disseK "Eu conheço esp9ritos% mas o Esp9rito
que est' sobre este homem é imensamente maior do que todos que j' vi
em toda a minha vida:" 2quele ex-bruxo estava t#o somente vendo o
poder sobrenatural do Esp9rito de Deus em aç#o"
>esta grande "colheita" que est' para acontecer% Deus também
usar' novas e excepcionais !ormas de se mover D 2té mesmo 0 dist/ncia%
usando !orma n#o muito convencionais ao nosso entendimento Qora%
a!inal de contas Ele é Deus e pode !aer o que Ele bem entende e da
!orma que quiserR" Ema ve% conduindo cruadas em Costa Zica% os
nossos cultos eram transmitidos "ao vivo" pelo r'dio por todo o pa9s"
>o terceiro dia% uma mulher que tinha ouvido nossas ministraç1es
pelo r'dio veio 0 nossa reuni#o com o desejo de compartilhar
conosco o seu testemunho" Ela nos contou esta tremenda histFria de
poder de cura realiado pelo (enhor em sua vida"
"Eu estava ouvindo a sua pregaç#o pelo r'dio a tr&s dias
atr's" C' muito tempo que padecia com um tumor do tamanho de
uma laranja que me acometia a garganta" >o momento em que
ouvi a sua vo pregando a palavra de Deus% o tumor dentro de
minha garganta começou a vibrar" E a medida que continuava ou-
vindo a palavra de Deus aquelas vibraç1es aumentavam mais e
mais violentamente" De repente ele estourou dentro de minha gar-
ganta e saiu pela minha boca""
Juando aquela mulher voltou ao seu médico% ele teve o
cuidado de tirar-lhe OY chapas de raios-d de sua garganta por um
per9odo de GS horas e n#o !oi capa de encontrar um @nico sinal
daquele tumor maligno que estava ali antes da intervenç#o de Deus:
Este testemunho é muito signi!icante para mim% pois eu n#o estava l'
para estender as minhas m#os sobre ela% todavia o Esp9rito (anto honrou
a pregaç#o da palavra de Deus e a !é daquela mulher"
Muito !req.entemente% Deus estar' trabalhando através de nFs
em um momento em que n#o estaremos sentindo exatamente nada%
apenas para nos provar que Ele é o (enhor que !a a obra n#o eu e
nem voc&" Em reavivamentos% a carne n#o é capa de roubar a glFria
de Deus querendo !aer coisas que somente Deus pode realiar"
Me lembro uma outra ve quando pastoreava em uma igreja no
3exasB uma !am9lia viajou milhares de quil[metros do >ovo México
para receber oraç#o"
Sentmentos não tCm nada a -er com fO
Esta !am9lia possu9a cinco crianças pequenas% sendo que duas
delas ainda eram beb&s" 2 necessidade delas era especialmente
aguda porque o corpo da m#e delas estava quase todo consumido
por um terr9vel c/ncer" Juando impus a minha m#o sobre aquela
mulher% eu n#o senti nenhuma unç#o" >aquele momento% eu n#o
tinha !é para a sua cura% porém esta !oi a minha oraç#o ao (enhorK
"` (enhor% olhe para estes pequeninos" 3enha misericFrdia desta
!am9lia""
Esta mulher% exatamente no dia seguinte tinha exames mar-
cados em um hospital numa cidade viinha" 7s testes revelaram
que em seu corpo n#o havia nem sequer um traço de c/ncer: 3odo o
mal que lhe a!etava a sa@de havia desaparecido" 7 (enhor me deu
graça para tocar-lhe o coraç#o% neste caso% clamando por (ua
imensa misericFrdia da mesma !orma que aconteceu com o cego
*artimeu no >ovo 3estamento" 7 poder de Deus n#o tem nada a ver
com aquilo que sentimos ou com as circunst/ncias vigentes" Como
soldados do (enhor% somos comissionados para 6instar a tempo e
fora de tempo. 6 Mais uma ve repitoB devido a magnitude da "colheita"
que estar' diante de nFs% precisamos aprender como ministrar "em
(eu descanso%" ao invés de !a&-lo com o nosso prFprio es!orço ou
com recursos pessoais"
Ema caracter9stica interessante deste reavivamento que est' por
vir é a !orma que Deus estar' usando jovens e crianças na grande
"colheita"" Eu% pessoalmente% acredito que o (enhor os usar' de uma
maneira muito especial e até mesmo estranha para alguns" Eu estava
ministrando em Couston uma ve% quando orei por um grupo de
setenta crianças que havia vindo 0 !rente para serem cheias pelo
Esp9rito (anto" 2 unç#o de Deus veio poderosamente sobre as
suas vidas e eles começaram a cair no Esp9rito% !alar em l9ngua
estranha e a chorar"
Entre aquelas crianças estava um garoto mexicano de P anos que
começou a clamar ao (enhor em l9nguas estranhas enquanto
l'grimas corriam pelo seu rosto" Ele permaneceu naquele estado por
cerca de vinte minutos quando de repente um homem explodiu em
altos soluços naquele imenso auditFrio" 2quele (enhor mexicano%
que era o pai daquela criança ent#o veio 0 !rente e !icou ao lado de
seu !ilho" >o momento que aquele +ai se rendeu ao (enhor $esus e !oi
completamente cheio do Esp9rito% eu compreendi que aquele
garotinho tinha estado orando em l9nguas durante aqueles instantes
para a salvaç#o de seu pai"
Jo-ens ."erreros estão se $e-antando
>Fs% literalmente% veremos cumprida nestes dias aquela pro!ecia
do 2ntigo testamento que diK 6Oossos fil.os e !ossas fil.as
profetizarão,6 Eu estou absolutamente convencido que Deus usar'
um exército de jovens guerreiros para estarem combatendo e
carregando a monumental "colheita" que est' para acontecer" $'
existem em muitas naç1es da 2mérica do (ul% no Zeino Enido%
Canad' e Estados Enidos o engajamento de um vasto exército de
crianças e adolescentes começando a se despertar do sono" 3alve
ainda n#o sejamos capaes de v&-los% mas tenham certeaK eles
est#o vindo" 2queles de nFs que somos mais velhos precisamos
estar preparados para receb&-los% enconraj'-los e sabiamente ins-
tru9-los nas coisas do (enhor" 2cima de tudo% precisamos estar bem
c[nscios de n#o obstru9-los ou proibi-los de responder ao chamamento
do (enhor"
,inalmente% este reavivamento e grande "colheita" n#o re-
conhecer' !ronteiras% barreiras ou pre!er&ncias" Deus% pelo (eu
poder% tocar' os pobres% os rejeitados% os esquecido e os humilhados
deste mundo" +recisamos ter o mesmo coraç#o de nosso Mestre ou
seremos deixados para tr's% !rustrados"
Enquanto ministrava no ]aire% W!rica% o (enhor me colocou em
meio a uma miraculosa visitaç#o de Deus em multid1es de 566"666
pessoas por noite" >Fs est'vamos t#o sobrecarregados devido ao
imenso n@mero de pessoas que vinham 0 !rente toda noite para
receberem oraç#o% que decidimos designar um dia% no qual% n#o
!ar9amos nada% mas somente impor9amos nossas m#os nos
criticamente doentes ou naqueles que estavam 0 morte%
>aquele dia espec9!ico para oraç1es !ui para a arena esperando
ver O"666 pessoas recebendo oraç#o% mas !iquei impressionado com
a multid#o de 5P"666 pessoas que se aglomerava naquele lugar"
*om% eu tinha dado a minha palavra que estaria orando por cada um
deles% ent#o respirei !undo e comecei aquela que seria uma longa
jornada" 2lgumas daquelas pessoas tinham sido% literalmente% traidas
para a arena em carrinho de m#o e muitas daquelas pessoas tinham
odor de dar n'useas por n#o terem as excreç1es ou !luidos de seus
corpos limpos a v'rios dias"
;E" esto" fe$P por estar aB";
>aquele clima tropical% a sujeira acrescida da doença% se toma
cem vees pior" +ara se ter uma idéia existiam muitos leprosos no
meio daquela multid#o% sem contar v'rias pessoas com terr9veis
!eridas abertas pelos seus corpos" Centenas de pessoas que j' se
encontravam morrendo na !ase !inal da 2?D( vieram também 0 !rente
para receberem oraç#o" >#o importava qu#o maligna @osse a doença
que destru9a seus corpos% eu tinha uma palavra de cura da parte do
(enhor e esta é a mesma palavra que ele tem dado a voc&" >aquele
dia% proclamei a eles o amor de Deus% impus-lhes as minhas m#os e orei
a oraç#o da !é para a cura e salvaç#o"
Juando !i isto% senti o glorioso con!orto do Esp9rito (anto no
coraç#o" Ele ent#o !alou-me pro!undamenteK "Estou !eli por estar aqui""
- e para o meu goo Ele curou muitas daquelas desesperadas pessoas:
Esta é a hora quando o poder de Deus ser' visto na ?greja de nosso
(enhor $esus Cristo como nunca" 3emos recebido uma soberana
comiss#o para traer libertaç#o para as nossas cidades e naç1es do jugo
de satan's" 3odavia% tudo isto depender' da nossa disposiç#o para
sermos guiados pelo Esp9rito e pagarmos o preço do jejum e da oraç#o% e
ent#o recebermos o poder de Deus"
2ssim como a demanda para a invas#o de um pa9s é drama-
ticamente di!erente do necess'rio para uma pequena localidade como
uma cidade% assim também a demanda para um uma reavivamento e
"colheita" a n9vel global ser' di!erente para as mais diversas cidades e
localidades do mundo" 7 (eu chamado # para uma total mobiliaç#o de
(ua ?greja" 7 (eu desejo é ver o pleno !uncionamento de (eu Corpo% é
nos dar poderosos sinais e maravilhas capaes de explodirem toda
!ortalea do inimigo e remover os obst'culos que ainda bloqueiam o
caminho para as cidades e naç1es" +orém% antes de tudo isto% o po!o
de /eus precisa !i!er a pr=tica do &e&um e da oração X Ent#o% assim%
o (enhor liberar' "com abund/ncia% a unç#o apostFlica através de um
inundar de (ua gloria que trar' uma grande "colheita" de vidas% nunca
vista neste mundo"
8oc& est' preparado para este grande desa!ioI 8oc& deseja mais
Dele em sua vidaI Ent#o j' é tempo de descobrir 7 +7DEZ (ECZE37 D7
$E$EM E D2 7Z2^_7"
@im
CO6)RACAPA
Aprenda a usar estas armas espirituais para conuistar o inimigo!
A "usti#a$ a ora#%o$ a &'$ o sangue de (esus$ a pala)ra do seu testemun*o$ e uma
)ida submissa.
"Engajar-se na batalha espiritual não é uma opção mas uma exig!ncia a todos os
cristãos — uma "uestão de vida e morte" afirma Larry Lea. É dever de cada cristão
conscientizar-se do perigo, entender as estratégias do inimigo, e aprender a arte de combatê-
lo.
#s #rmas da $ua %uerra revela o que o nosso inimigo pode e não pode fazer contra
ns, e e!plica as verdades fundamentais que devem tornar-se nossas atitudes di"rias.
Larry Lea é pastor da #gre$a da %oc&a, em %oc'(all, )e!as, e autor de diversos
outros livros ainda não editados em português. *le est" reunindo um e!ército de +,,.,,,
guerreiros de ora-ão a fim de interceder pelos *stados .nidos.
#/01 ,-2345-6743-, 8ida 9ristã