A epistemologia genética de Jean Piaget- 29/9/2010

Jean Piaget nasceu na Suíça, na cidade de Neuchâtel, em 1896. Considerado uma criança precoce,
desde cedo demonstrou interesse pela oser!aç"o da nature#a e pela organi#aç"o sistemati#ada dos
dados coletados, tanto $ue aos on#e anos pulicou um pe$ueno artigo cientí%ico a respeito de suas
oser!aç&es de um p'ssaro alino. (urante sua adolesc)ncia, traalhou como assistente do diretor do
*useu de +ist,ria Natural de Neuchâtel, onde se interessou e estudou malacologia, chegando a
pulicar !'rios artigos sore o tema, os $uais ti!eram not,rio reconhecimento pela comunidade
cientí%ica.
-inda na adolesc)ncia, in%luenciado pelo padrinho, $ue era pro%essor de %iloso%ia, iniciou os estudos,
especialmente interessado pelas $uest&es epistemol,gicas, $ue o acompanhariam por todo o seu
traalho como pes$uisador. .ntretanto, precisou escolher entre a iologia e a %iloso%ia aos 18 anos,
para de%inir a sua pro%iss"o. /ptou pela %ormaç"o uni!ersit'ria em iologia e aos 01 anos doutorou2
se em malacologia. Piaget, desde a adolesc)ncia, dese3ou criar uma teoria iol,gica do
conhecimento, e, perseguindo esse ideal, acaou uscando na psicologia da intelig)ncia o meio
termo para os seus interesses iol,gicos e epistemol,gicos. - psicologia 4 a ci)ncia $ue in!estiga o
comportamento humano e, portanto, in!estiga como o ser humano aprende e se apropria do
conhecimento. .specialmente, admite o m4todo e5perimental de pes$uisa, %ato $ue chamou a
atenç"o de Piaget.
Piaget receeu um con!ite para traalhar no laorat,rio de 6inet 73' %alecido8, tendo como che%e
Simon, $ue tam4m n"o permanecia no laorat,rio. -tra!4s do traalho de padroni#aç"o dos
resultados de testes de intelig)ncia, Piaget encontrou um espaço de traalho pri!ilegiado, no $ual
p9de analisar n"o os resultados dos testes, mas a regularidade das respostas das crianças e a an'lise
!eral do raciocínio delas. / encontro com a criança le!ou Piaget a retornar : Suíça 719018 tra#endo
consigo esses dados interessantes $ue d"o início : construç"o da ;eoria da .pistemologia <en4tica.
Piaget elaorou um m4todo pr,prio de pes$uisa, o m4todo clínico, e iniciou sistematicamente as
in!estigaç&es sore o desen!ol!imento in%antil e a construç"o da intelig)ncia.
/ autor produ#iu uma !asta ora, com mais de =1 li!ros e >11 artigos. / seu traalho te!e r'pida
repercuss"o mundial, o $ue aconteceu $uando Piaget ainda era 3o!em e pulica!a os seus primeiros
li!ros, $ue representa!am, na !erdade, um esoço da ;eoria .pistemol,gica <en4tica. .le receeu
mais de >1 doutoramentos honoris causa, %oi diretor do ?nstituto Jean Jac$ues @ousseau, na d4cada
de 1901, su2diretor geral da Anesco na d4cada de 19B1, encarregado do (epartamento de .ducaç"o
da Suíça, pro%essor uni!ersit'rio. (epois de mais de 61 anos dedicados : pes$uisa, Piaget %aleceu em
<enera em 1981. /s seus estudos %oram replicados em um nCmero signi%icati!o de países e a sua
teoria ainda 4 utili#ada como %undamentaç"o te,rica de pes$uisas contemporâneas em psicologia em
!'rios lugares do mundo, inclusi!e no 6rasil. *as $uais as principais ideias da ;eoria
.pistemol,gica <en4tica de Jean PiagetD
Epistemologia Genética
?nicialmente, 4 importante e5plicar o nome da teoria de Jean Piaget. -s $uest&es epistemol,gicas
interessaram a Piaget desde sua 3u!entude. - epistemologia 4 utili#ada comumente para designar o
$ue chamamos a teoria do conhecimento. / o3eti!o da pes$uisa de Piaget %oi de%inir, a partir da
perspecti!a da iologia, como o su3eito passaria de um conhecimento menor anterior para um ní!el
de maior conhecimento. / prolema $ue uscou solucionar durante toda a sua !ida de pes$uisador e
$ue %e# dele um te,rico e autor conhecido e respeitado mundialmente, %oi o da construç"o do
conhecimento pelo su3eito, o $ue o %e#, partindo da iologia, estudar %iloso%ia, epistemologia, l,gica,
matem'tica, %ísica, psicologia, entre outras ci)ncias.
- %ormaç"o inicial de Piaget na iologia in%luenciou todo o desen!ol!imento da sua teoria,
primeiramente, na perspecti!a dos instrumentos cientí%icos utili#ados por ele como compro!adores
empíricos, sempre aseados em m4todos cientí%icos rigorosos, isto 4, possí!eis de serem replicados.
- outra in%lu)ncia da iologia na teoria piagetiana di# respeito : concepç"o de intelig)ncia en$uanto
algo ligado : aç"o e : adaptaç"o ao meio. - principal ora do autor $ue e5p&e esse assunto 4 o li!ro
intitulado Biologia e conhecimento.
;al modelo te,rico e5plica o desen!ol!imento da intelig)ncia, tendo como conteCdo 'sico a aç"o do
su3eito $ue interage com os o3etos, construindo, a partir dessas aç&es, %ormas eEou estruturas de
intelig)ncia $ue lhe permitem, cada !e# mais, adaptar2se ao mundo em $ue !i!e. /s traalhos do
autor, na psicologia, condu#iram2no : ideia da utili#aç"o do modelo l,gico2matem'tico como meio
de an'lise e instrumento de descriç"o do %uncionamento e do desen!ol!imento da intelig)ncia.
.ssa 4 uma das $uest&es principais $ue %a#em da sua teoria uma das re%er)ncias para a compreens"o
do homem moderno. N"o hou!e nenhum cientista depois de Piaget $ue elaorasse como ele um
modelo %ormali#ado, utili#ando a linguagem l,gico2matem'tica 7o agrupamento e o grupo ?N@C8
para e5plicar o desen!ol!imento e a organi#aç"o das estruturas cogniti!as do ser humano. ;rata2se de
um modelo uni!ersal, re%ut'!el, hipot4tico2deduti!o, para e5plicar o %uncionamento das estruturas
mentais orgânicas 7n"o passí!eis de serem oser!adas8, respons'!eis pela intelig)ncia e pela
construç"o do conhecimento pelo ser humano.
-ssim, compreende2se o moti!o de Piaget ter pes$uisado o desen!ol!imento humano a partir do
estudo e oser!aç"o de e)s, crianças e adolescentesF por conceer esse estudo como o mais
apropriado para as suas in!estigaç&es a respeito da g)nese do conhecimento e para demonstrar
empiricamente e e5plicar o seu modelo te,rico de construç"o da intelig)ncia. .ssa 4, portanto, a
e5plicaç"o do título da sua teoriaG .pistemologia <en4tica.
Para o autor, o conhecimento n"o pode ser simplesmente imposto pelo meio ao su3eito, como um
re%le5o das propriedades do amiente 7empirismo8, tampouco estaria inteiramente pr42%ormado no
su3eito, apenas aguardando a maturaç"o 7apriorismo8. - outra no!idade da sua teoria 4 a aordagem
empirista $ue e5plica $ue a construç"o do conhecimento pelo ser humano 4 %ruto das interaç&es do
su3eito com o seu meio. Nas pala!ras da pro%essora do ?nstituto de Psicologia da Ani!ersidade de S"o
Paulo, Zélia Ramozzi Chiaotino, respons'!el por introdu#ir, do ponto de !ista da ;eoria do
Conhecimento e da .pistemologia, as ideias de Jean Piaget no 6rasilG H@esumindoG de um lado,
temos o organismo com suas possiilidadesF de outro, o meio $ue o solicitaI.
Segundo a ;eoria .pistemol,gica <en4tica, con%orme surgem solicitaç&es do meio, as estruturas da
intelig)ncia !"o se construindo e, a partir de no!as solicitaç&es, o su3eito tem a possiilidade de
reorgani#'2las, !i!enciando constantes mecanismos de assimilaç"o de no!os o3etos a es$uemas 3'
e5istentes e mecanismos de ampliaç"o do conhecimento denominados acomodaç"o. / resultado das
sucessi!as assimilaç&es e acomodaç&es 4 chamado por Piaget de e$uiliraç"o 7conceito central da
sua teoria construti!ista do conhecimento8. -ssim, $uando as estruturas $ue o su3eito 3' construiu n"o
lhe permitem assimilar um no!o o3eto de conhecimento, isto 4, determinado o3eto 4 resistente,
pro!oca uma perturaç"o no su3eito, o dese$uilírio 4 desencadeado.
Para o autor, o rec4m2nascido tra# consigo condiç&es de !ir a se tornar inteligente e, con%orme age
sore o mundo, constr,i estruturas $ue lhe permite cada !e# mais se adaptar :s no!as situaç&es, de
maneira a construir est'gios sucessi!os de desen!ol!imento. Ama das principais tare%as da ;eoria da
.pistemologia <en4tica %oi e5atamente estaelecer o caminho da intelig)ncia, desde o nascimento
at4 a possiilidade do raciocínio astrato do adulto.
/s est'gios do desen!ol!imento da intelig)ncia apresentados pela teoria psicogen4tica s"o assim
denominadosG o sens,rio2motor 7da intelig)ncia pr'tica8, o operat,rio concreto 7$ue se constitui
inicialmente de uma intelig)ncia intuiti!a e depois operat,ria, aseada na reciprocidade do
pensamento8 e o est'gio %ormal 7$uando se pode agir e pensar so hip,teses e astraç&es8. .sses
est'gios tal!e# se3am o aspecto mais conhecido da sua teoria. ?n%eli#mente, tam4m s"o %onte de
algumas críticas mal %undamentadas ao seu traalho, como, por e5emplo, o %ato de $ue Piaget teria
in!estigado apenas os seus %ilhos, no caso do est'gio sens,rio2motor, ou $ue Has crianças de PiagetI
eram Hmeio atrasadasI, uma !e# $ue algumas pes$uisas encontram respostas relati!as a determinado
est'gio em crianças com menos idade do $ue a$uelas apontadas por sua teoria.
-s pro!as piagetianas de diagn,stico do ní!el operat,rio J instrumentos de pes$uisa elaorados pelo
autor como m4todo para in!estigar o ní!el de desen!ol!imento cogniti!o da criança J %oram
replicadas em muitos países e em di%erentes estudos, e os resultados dessas in!estigaç&es s"o
e5atamente similares :$ueles apontados por Piaget, especialmente no $ue di# respeito ao car'ter
sucessi!o 7e n"o cronol,gico8 e integrati!o dos est'gios, por$ue cada um deles 4 necess'rio para a
%ormaç"o do seguinte.
?n%eli#mente, os estudos de Piaget s"o t"o comple5os e in%luenciaram tanto os conhecimentos na 'rea
da psicologia, especialmente a psicologia de desen!ol!imento humano e a psicologia da criança, $ue
$ual$uer tentati!a de resumir ou e5planar a sua teoria acaa muito a$u4m da genialidade da proposta
do autor. ;al!e# se3a interessante e de grande importância, ent"o, citar o título de tr)s oras do
autorG Seis estudos de psicologia 7196B8, Psicologia da criança 719K18 e Epistemologia
genética 719K18. ;ais li!ros %oram uma resposta de Piaget a solicitaç&es $ue lhe %oram %eitas para $ue
escre!esse um resumo de sua teoria, a %im de $ue ela pudesse se tornar mais acessí!el a um nCmero
maior de pessoas. .ssa 4 mais uma pro!a da notoriedade de sua teoria e do reconhecimento de suas
ideias pela comunidade cientí%ica e uma grande dica para o leitor $ue $uiser aprender um pouco mais
sore a ;eoria .pistemol,gica <en4tica.
Piaget e a ed!ca"#o
/ o3eti!o, a$ui, 4 tam4m apresentar ao leitor um Piaget em mais desconhecido, mas cu3as
contriuiç&es n"o podem ser de maneira alguma negligenciadas, num te5to $ue se prop&e a apontar a
sua teoria como de importância signi%icati!a para a compreens"o do mundo moderno. Lue essas
Cltimas linhas descre!am um pouco do Piaget educador.
(esde a adolesc)ncia, Piaget guarda!a uma preocupaç"o com os !alores 4ticos e acredita!a $ue
somente pela educaç"o se poderia regenerar a sociedade. .sse seu empenho humanista pode ser
oser!ado nas suas ati!idades de ensino e em sua atuaç"o em ,rg"os como a Anesco. Para
compreender a e!oluç"o do pensamento da criança com relaç"o a !alores uni!ersais, como respeito e
3ustiça, e suas relaç&es com as regras e a autoridade, Piaget tam4m elaorou estudos de not'!el
importância.
.mora Piaget tenha uma produç"o menos e5pressi!a nessa 'rea, uma !e# $ue a !asta ora do autor
tenha se direcionado para os estudos epistemol,gicos e cogniti!os, tam4m no campo da moralidade,
Piaget %oi Hum poderoso pensadorI, pois emora tenha produ#ido apenas uma ora, O juízo moral na
criança 719>08, tal li!ro prestou2se como %undamentaç"o te,rica para a maior parte das pes$uisas
posteriores, como, por e5emplo, as pes$uisas de MaNrence Oohlerg nos .stados Anidos.
Segundo $%es de &a 'aille, pro%essor da Ani!ersidade de S"o Paulo e pre%aciador da ediç"o
rasileira do li!ro, essa ora isolada do autor a respeito da moralidade tra# tr)s características
ilustrati!as do HpoderI dos conceitos de PiagetG Ha originalidade das pes$uisas, a arang)ncia das
an'lises e a articulaç"o da moralidade com os demais aspectos do uni!erso psicol,gicoI.
Para Piaget, a criança, ao se relacionar com outras crianças e com os adultos, constr,i o
conhecimento das regras $ue organi#am a con!i!)ncia com o outro e consigo mesma. / autor
e5plica $ue a educaç"o moral 4 %ruto das relaç&es $ue os adultos estaelecem com as crianças, uma
!e# $ue os pe$uenos nascem sem $ual$uer conhecimento sore o certo e o errado. ;odo ser humano,
at4 os seus 0 ou > anos, desconhece as regras morais e, por isso, o autor chamou essa %ase do
desen!ol!imento in%antil, em relaç"o ao desen!ol!imento moral, de anomia. .ntretanto, ele e5plica
$ue o processo da g)nese da moral se inicia com o sentimento de origaç"o $ue a criança desen!ol!e
em relaç"o aos mais !elhos, especialmente aos seus pais e pro%essores, pois as crianças pe$uenas
nutrem pelos mais !elhos, pais e pro%essores, uma mistura de sentimentosG a%eto e temor, a $ue o
autor chama de respeito e $ue para ele 4 o sentimento de ingresso da criança no mundo da
moralidade.
Portanto, a partir do sentimento de respeito 7amor e temor8 $ue a criança pe$uena sente pelo adulto,
ela inicia um processo de imitaç"o das regras receidas dos outros e utili#aç"o indi!idual desses
e5emplos receidos, sendo $ue a %ase da anomia 4 sustituída pela moral, $ue o autor
denominou heterônoma, por$ue dependente das regras e dos modelos dos mais !elhos $ue con!i!em
com a criança. .sse momento se constitui na g)nese da moral na criança e pode ser tam4m
denominado de moral da oedi)ncia. / respeito $ue a criança sente em relaç"o ao adulto 4
e5atamente o sentimento de origaç"o $ue a le!a a oedecer :s regras propostas pelos mais !elhos,
de!ido : relaç"o assim4trica $ue estaelece com eles, por isso, esse respeito 4 chamado unilateral.
P preciso lemrar $ue o conteCdo 'sico da teoria psicogen4tica de Piaget 4 a aç"o do su3eito $ue
interage com os o3etos, construindo, a partir dessas aç&es, %ormas eEou estruturas de intelig)ncia $ue
lhe permitem, cada !e# mais, adaptar2se ao mundo em $ue !i!eF o o3eto do conhecimento, no $ue
di# respeito : educaç"o e ao desen!ol!imento moral, s"o as regras ou limites. *as, por se tratar de
um conhecimento social, ou se3a, aprendido a partir dos e5emplos e da orientaç"o receida dos mais
!elhos, pressup&e, ent"o, o traalho educati!o.
- $uest"o 4 $ue esse traalho nem sempre 4 em reali#ado pelos adultos. Por um lado, por$ue a
maioria dos adultos nada conhece a respeito do desen!ol!imento moral in%antil e, por outro lado,
por$ue a maioria dos adultos tam4m 4 considerada heter9noma, ou se3a, emora adultos, ainda
dependentes de estere,tipos ou outros tipos de moti!aç&es e5ternas para agir de %orma ade$uada. /
su3eito oediente n"o 4 li!re para pensar por si mesmo. N"o 4 aut9nomo.
(essa %orma, a grande no!idade $ue a teoria piagetiana apresenta para os estudos de educaç"o moral
di# respeito : moral autônoma. Para o autor, os adultos, reconhecendo o seu papel na %ormaç"o de
personalidades aut9nomas, de!eriam preocupar2se em estaelecer com as crianças relaç&es de
respeito mCtuo, ou se3a, um tipo de relaç"o social $ue denominou cooperaç"o, $ue, em sustituiç"o
:s relaç&es de coaç"o, poderia condu#ir : superaç"o da heteronomia 7moral da oedi)ncia8.
/ Piaget desconhecido pela maioria das pessoas 4, portanto, esse homem $ue se interessou pela
educaç"o a partir de sua preocupaç"o com os !alores 4ticos, o $ue o condu#iu a pensar em uma
educaç"o da pessoa na sua totalidade, considerando a educaç"o da intelig)ncia e da moral como
o3eti!os indissolC!eis e $ue teriam por %unç"o a %ormaç"o para a autonomia e para a cidadania.
/ autor pensa!a $ue atra!4s das relaç&es de cooperaç"o, poder2se2ia educar os po!os para !i!erem
em harmonia, compreendendo2se mutuamente e resol!endo seus con%litos atra!4s da negaç"o do
asolutismo. .m suas pala!rasG
- ideia $ue de%endemos 4 em mais concretaG trata2se apenas de criar em cada pessoa um m4todo de
compreens"o e de reciprocidade. Lue cada um, sem aandonar seu ponto de !ista, e sem procurar
suprimir suas crenças e seus sentimentos, $ue %a#em dele um homem de carne e osso, !inculado a
uma porç"o em delimitada e em !i!a do uni!erso, aprenda a se situar no con3unto dos outros
homens. 7Piaget, 19>B, em HP possí!el uma educaç"o para a pa#DI8Q
.ssas s"o as pala!ras do pr,prio autor, escolhidas para %inali#ar este te5to. Por$ue a ideia 4 $ue, se a
e5pectati!a de $ue este te5to cumpra o seu papel de apresentar a importância da ;eoria
.pistemol,gica <en4tica para a compreens"o do homem moderno n"o %or atingida, ao menos, $ue as
pala!ras de Piaget pro!o$uem a perple5idade. Lue o con!ite do autor para a de%esa de uma educaç"o
$ue priori#e compreens"o e reciprocidade, %atores alcanç'!eis le!ando2se em consideraç"o a
condiç"o necess'ria mas n"o su%iciente do raciocínio desperto, portanto, do desen!ol!imento da
intelig)ncia, %aça o leitor $uerer conhecer mais sore a ;eoria da .pistemologia <en4tica de Jean
Piaget.
Por Luciana Maria Caetano/ComCiência/Labjor/DICYT
Luciana Maria aetano é doutora em psicologia escolar e do desen!ol!imento humano pela "SP#
autora de / conceito de oedi)ncia na relaç"o pais e %ilhos e pro$essora do curso de pedagogia da
"ni!ersidade S%o &rancisco.
Jean Piaget nasceu na Suíça, na cidade de Neuchâtel, em 1896. Considerado uma criança precoce,
desde cedo demonstrou interesse pela oser!aç"o da nature#a e pela organi#aç"o sistemati#ada dos
dados coletados, tanto $ue aos on#e anos pulicou um pe$ueno artigo cientí%ico a respeito de suas
oser!aç&es de um p'ssaro alino. (urante sua adolesc)ncia, traalhou como assistente do diretor do
*useu de +ist,ria Natural de Neuchâtel, onde se interessou e estudou malacologia, chegando a
pulicar !'rios artigos sore o tema, os $uais ti!eram not,rio reconhecimento pela comunidade
cientí%ica.
-inda na adolesc)ncia, in%luenciado pelo padrinho, $ue era pro%essor de %iloso%ia, iniciou os estudos,
especialmente interessado pelas $uest&es epistemol,gicas, $ue o acompanhariam por todo o seu
traalho como pes$uisador. .ntretanto, precisou escolher entre a iologia e a %iloso%ia aos 18 anos,
para de%inir a sua pro%iss"o. /ptou pela %ormaç"o uni!ersit'ria em iologia e aos 01 anos doutorou2
se em malacologia. Piaget, desde a adolesc)ncia, dese3ou criar uma teoria iol,gica do
conhecimento, e, perseguindo esse ideal, acaou uscando na psicologia da intelig)ncia o meio
termo para os seus interesses iol,gicos e epistemol,gicos. - psicologia 4 a ci)ncia $ue in!estiga o
comportamento humano e, portanto, in!estiga como o ser humano aprende e se apropria do
conhecimento. .specialmente, admite o m4todo e5perimental de pes$uisa, %ato $ue chamou a
atenç"o de Piaget.
Piaget receeu um con!ite para traalhar no laorat,rio de 6inet 73' %alecido8, tendo como che%e
Simon, $ue tam4m n"o permanecia no laorat,rio. -tra!4s do traalho de padroni#aç"o dos
resultados de testes de intelig)ncia, Piaget encontrou um espaço de traalho pri!ilegiado, no $ual
p9de analisar n"o os resultados dos testes, mas a regularidade das respostas das crianças e a an'lise
!eral do raciocínio delas. / encontro com a criança le!ou Piaget a retornar : Suíça 719018 tra#endo
consigo esses dados interessantes $ue d"o início : construç"o da ;eoria da .pistemologia <en4tica.
Piaget elaorou um m4todo pr,prio de pes$uisa, o m4todo clínico, e iniciou sistematicamente as
in!estigaç&es sore o desen!ol!imento in%antil e a construç"o da intelig)ncia.
/ autor produ#iu uma !asta ora, com mais de =1 li!ros e >11 artigos. / seu traalho te!e r'pida
repercuss"o mundial, o $ue aconteceu $uando Piaget ainda era 3o!em e pulica!a os seus primeiros
li!ros, $ue representa!am, na !erdade, um esoço da ;eoria .pistemol,gica <en4tica. .le receeu
mais de >1 doutoramentos honoris causa, %oi diretor do ?nstituto Jean Jac$ues @ousseau, na d4cada
de 1901, su2diretor geral da Anesco na d4cada de 19B1, encarregado do (epartamento de .ducaç"o
da Suíça, pro%essor uni!ersit'rio. (epois de mais de 61 anos dedicados : pes$uisa, Piaget %aleceu em
<enera em 1981. /s seus estudos %oram replicados em um nCmero signi%icati!o de países e a sua
teoria ainda 4 utili#ada como %undamentaç"o te,rica de pes$uisas contemporâneas em psicologia em
!'rios lugares do mundo, inclusi!e no 6rasil. *as $uais as principais ideias da ;eoria
.pistemol,gica <en4tica de Jean PiagetD
Epistemologia Genética
?nicialmente, 4 importante e5plicar o nome da teoria de Jean Piaget. -s $uest&es epistemol,gicas
interessaram a Piaget desde sua 3u!entude. - epistemologia 4 utili#ada comumente para designar o
$ue chamamos a teoria do conhecimento. / o3eti!o da pes$uisa de Piaget %oi de%inir, a partir da
perspecti!a da iologia, como o su3eito passaria de um conhecimento menor anterior para um ní!el
de maior conhecimento. / prolema $ue uscou solucionar durante toda a sua !ida de pes$uisador e
$ue %e# dele um te,rico e autor conhecido e respeitado mundialmente, %oi o da construç"o do
conhecimento pelo su3eito, o $ue o %e#, partindo da iologia, estudar %iloso%ia, epistemologia, l,gica,
matem'tica, %ísica, psicologia, entre outras ci)ncias.
- %ormaç"o inicial de Piaget na iologia in%luenciou todo o desen!ol!imento da sua teoria,
primeiramente, na perspecti!a dos instrumentos cientí%icos utili#ados por ele como compro!adores
empíricos, sempre aseados em m4todos cientí%icos rigorosos, isto 4, possí!eis de serem replicados.
- outra in%lu)ncia da iologia na teoria piagetiana di# respeito : concepç"o de intelig)ncia en$uanto
algo ligado : aç"o e : adaptaç"o ao meio. - principal ora do autor $ue e5p&e esse assunto 4 o li!ro
intitulado Biologia e conhecimento.
;al modelo te,rico e5plica o desen!ol!imento da intelig)ncia, tendo como conteCdo 'sico a aç"o do
su3eito $ue interage com os o3etos, construindo, a partir dessas aç&es, %ormas eEou estruturas de
intelig)ncia $ue lhe permitem, cada !e# mais, adaptar2se ao mundo em $ue !i!e. /s traalhos do
autor, na psicologia, condu#iram2no : ideia da utili#aç"o do modelo l,gico2matem'tico como meio
de an'lise e instrumento de descriç"o do %uncionamento e do desen!ol!imento da intelig)ncia.
.ssa 4 uma das $uest&es principais $ue %a#em da sua teoria uma das re%er)ncias para a compreens"o
do homem moderno. N"o hou!e nenhum cientista depois de Piaget $ue elaorasse como ele um
modelo %ormali#ado, utili#ando a linguagem l,gico2matem'tica 7o agrupamento e o grupo ?N@C8
para e5plicar o desen!ol!imento e a organi#aç"o das estruturas cogniti!as do ser humano. ;rata2se de
um modelo uni!ersal, re%ut'!el, hipot4tico2deduti!o, para e5plicar o %uncionamento das estruturas
mentais orgânicas 7n"o passí!eis de serem oser!adas8, respons'!eis pela intelig)ncia e pela
construç"o do conhecimento pelo ser humano.
-ssim, compreende2se o moti!o de Piaget ter pes$uisado o desen!ol!imento humano a partir do
estudo e oser!aç"o de e)s, crianças e adolescentesF por conceer esse estudo como o mais
apropriado para as suas in!estigaç&es a respeito da g)nese do conhecimento e para demonstrar
empiricamente e e5plicar o seu modelo te,rico de construç"o da intelig)ncia. .ssa 4, portanto, a
e5plicaç"o do título da sua teoriaG .pistemologia <en4tica.
Para o autor, o conhecimento n"o pode ser simplesmente imposto pelo meio ao su3eito, como um
re%le5o das propriedades do amiente 7empirismo8, tampouco estaria inteiramente pr42%ormado no
su3eito, apenas aguardando a maturaç"o 7apriorismo8. - outra no!idade da sua teoria 4 a aordagem
empirista $ue e5plica $ue a construç"o do conhecimento pelo ser humano 4 %ruto das interaç&es do
su3eito com o seu meio. Nas pala!ras da pro%essora do ?nstituto de Psicologia da Ani!ersidade de S"o
Paulo, Zélia Ramozzi Chiaotino, respons'!el por introdu#ir, do ponto de !ista da ;eoria do
Conhecimento e da .pistemologia, as ideias de Jean Piaget no 6rasilG H@esumindoG de um lado,
temos o organismo com suas possiilidadesF de outro, o meio $ue o solicitaI.
Segundo a ;eoria .pistemol,gica <en4tica, con%orme surgem solicitaç&es do meio, as estruturas da
intelig)ncia !"o se construindo e, a partir de no!as solicitaç&es, o su3eito tem a possiilidade de
reorgani#'2las, !i!enciando constantes mecanismos de assimilaç"o de no!os o3etos a es$uemas 3'
e5istentes e mecanismos de ampliaç"o do conhecimento denominados acomodaç"o. / resultado das
sucessi!as assimilaç&es e acomodaç&es 4 chamado por Piaget de e$uiliraç"o 7conceito central da
sua teoria construti!ista do conhecimento8. -ssim, $uando as estruturas $ue o su3eito 3' construiu n"o
lhe permitem assimilar um no!o o3eto de conhecimento, isto 4, determinado o3eto 4 resistente,
pro!oca uma perturaç"o no su3eito, o dese$uilírio 4 desencadeado.
Para o autor, o rec4m2nascido tra# consigo condiç&es de !ir a se tornar inteligente e, con%orme age
sore o mundo, constr,i estruturas $ue lhe permite cada !e# mais se adaptar :s no!as situaç&es, de
maneira a construir est'gios sucessi!os de desen!ol!imento. Ama das principais tare%as da ;eoria da
.pistemologia <en4tica %oi e5atamente estaelecer o caminho da intelig)ncia, desde o nascimento
at4 a possiilidade do raciocínio astrato do adulto.
/s est'gios do desen!ol!imento da intelig)ncia apresentados pela teoria psicogen4tica s"o assim
denominadosG o sens,rio2motor 7da intelig)ncia pr'tica8, o operat,rio concreto 7$ue se constitui
inicialmente de uma intelig)ncia intuiti!a e depois operat,ria, aseada na reciprocidade do
pensamento8 e o est'gio %ormal 7$uando se pode agir e pensar so hip,teses e astraç&es8. .sses
est'gios tal!e# se3am o aspecto mais conhecido da sua teoria. ?n%eli#mente, tam4m s"o %onte de
algumas críticas mal %undamentadas ao seu traalho, como, por e5emplo, o %ato de $ue Piaget teria
in!estigado apenas os seus %ilhos, no caso do est'gio sens,rio2motor, ou $ue Has crianças de PiagetI
eram Hmeio atrasadasI, uma !e# $ue algumas pes$uisas encontram respostas relati!as a determinado
est'gio em crianças com menos idade do $ue a$uelas apontadas por sua teoria.
-s pro!as piagetianas de diagn,stico do ní!el operat,rio J instrumentos de pes$uisa elaorados pelo
autor como m4todo para in!estigar o ní!el de desen!ol!imento cogniti!o da criança J %oram
replicadas em muitos países e em di%erentes estudos, e os resultados dessas in!estigaç&es s"o
e5atamente similares :$ueles apontados por Piaget, especialmente no $ue di# respeito ao car'ter
sucessi!o 7e n"o cronol,gico8 e integrati!o dos est'gios, por$ue cada um deles 4 necess'rio para a
%ormaç"o do seguinte.
?n%eli#mente, os estudos de Piaget s"o t"o comple5os e in%luenciaram tanto os conhecimentos na 'rea
da psicologia, especialmente a psicologia de desen!ol!imento humano e a psicologia da criança, $ue
$ual$uer tentati!a de resumir ou e5planar a sua teoria acaa muito a$u4m da genialidade da proposta
do autor. ;al!e# se3a interessante e de grande importância, ent"o, citar o título de tr)s oras do
autorG Seis estudos de psicologia 7196B8, Psicologia da criança 719K18 e Epistemologia
genética 719K18. ;ais li!ros %oram uma resposta de Piaget a solicitaç&es $ue lhe %oram %eitas para $ue
escre!esse um resumo de sua teoria, a %im de $ue ela pudesse se tornar mais acessí!el a um nCmero
maior de pessoas. .ssa 4 mais uma pro!a da notoriedade de sua teoria e do reconhecimento de suas
ideias pela comunidade cientí%ica e uma grande dica para o leitor $ue $uiser aprender um pouco mais
sore a ;eoria .pistemol,gica <en4tica.
Piaget e a ed!ca"#o
/ o3eti!o, a$ui, 4 tam4m apresentar ao leitor um Piaget em mais desconhecido, mas cu3as
contriuiç&es n"o podem ser de maneira alguma negligenciadas, num te5to $ue se prop&e a apontar a
sua teoria como de importância signi%icati!a para a compreens"o do mundo moderno. Lue essas
Cltimas linhas descre!am um pouco do Piaget educador.
(esde a adolesc)ncia, Piaget guarda!a uma preocupaç"o com os !alores 4ticos e acredita!a $ue
somente pela educaç"o se poderia regenerar a sociedade. .sse seu empenho humanista pode ser
oser!ado nas suas ati!idades de ensino e em sua atuaç"o em ,rg"os como a Anesco. Para
compreender a e!oluç"o do pensamento da criança com relaç"o a !alores uni!ersais, como respeito e
3ustiça, e suas relaç&es com as regras e a autoridade, Piaget tam4m elaorou estudos de not'!el
importância.
.mora Piaget tenha uma produç"o menos e5pressi!a nessa 'rea, uma !e# $ue a !asta ora do autor
tenha se direcionado para os estudos epistemol,gicos e cogniti!os, tam4m no campo da moralidade,
Piaget %oi Hum poderoso pensadorI, pois emora tenha produ#ido apenas uma ora, O juízo moral na
criança 719>08, tal li!ro prestou2se como %undamentaç"o te,rica para a maior parte das pes$uisas
posteriores, como, por e5emplo, as pes$uisas de MaNrence Oohlerg nos .stados Anidos.
Segundo $%es de &a 'aille, pro%essor da Ani!ersidade de S"o Paulo e pre%aciador da ediç"o
rasileira do li!ro, essa ora isolada do autor a respeito da moralidade tra# tr)s características
ilustrati!as do HpoderI dos conceitos de PiagetG Ha originalidade das pes$uisas, a arang)ncia das
an'lises e a articulaç"o da moralidade com os demais aspectos do uni!erso psicol,gicoI.
Para Piaget, a criança, ao se relacionar com outras crianças e com os adultos, constr,i o
conhecimento das regras $ue organi#am a con!i!)ncia com o outro e consigo mesma. / autor
e5plica $ue a educaç"o moral 4 %ruto das relaç&es $ue os adultos estaelecem com as crianças, uma
!e# $ue os pe$uenos nascem sem $ual$uer conhecimento sore o certo e o errado. ;odo ser humano,
at4 os seus 0 ou > anos, desconhece as regras morais e, por isso, o autor chamou essa %ase do
desen!ol!imento in%antil, em relaç"o ao desen!ol!imento moral, de anomia. .ntretanto, ele e5plica
$ue o processo da g)nese da moral se inicia com o sentimento de origaç"o $ue a criança desen!ol!e
em relaç"o aos mais !elhos, especialmente aos seus pais e pro%essores, pois as crianças pe$uenas
nutrem pelos mais !elhos, pais e pro%essores, uma mistura de sentimentosG a%eto e temor, a $ue o
autor chama de respeito e $ue para ele 4 o sentimento de ingresso da criança no mundo da
moralidade.
Portanto, a partir do sentimento de respeito 7amor e temor8 $ue a criança pe$uena sente pelo adulto,
ela inicia um processo de imitaç"o das regras receidas dos outros e utili#aç"o indi!idual desses
e5emplos receidos, sendo $ue a %ase da anomia 4 sustituída pela moral, $ue o autor
denominou heterônoma, por$ue dependente das regras e dos modelos dos mais !elhos $ue con!i!em
com a criança. .sse momento se constitui na g)nese da moral na criança e pode ser tam4m
denominado de moral da oedi)ncia. / respeito $ue a criança sente em relaç"o ao adulto 4
e5atamente o sentimento de origaç"o $ue a le!a a oedecer :s regras propostas pelos mais !elhos,
de!ido : relaç"o assim4trica $ue estaelece com eles, por isso, esse respeito 4 chamado unilateral.
P preciso lemrar $ue o conteCdo 'sico da teoria psicogen4tica de Piaget 4 a aç"o do su3eito $ue
interage com os o3etos, construindo, a partir dessas aç&es, %ormas eEou estruturas de intelig)ncia $ue
lhe permitem, cada !e# mais, adaptar2se ao mundo em $ue !i!eF o o3eto do conhecimento, no $ue
di# respeito : educaç"o e ao desen!ol!imento moral, s"o as regras ou limites. *as, por se tratar de
um conhecimento social, ou se3a, aprendido a partir dos e5emplos e da orientaç"o receida dos mais
!elhos, pressup&e, ent"o, o traalho educati!o.
- $uest"o 4 $ue esse traalho nem sempre 4 em reali#ado pelos adultos. Por um lado, por$ue a
maioria dos adultos nada conhece a respeito do desen!ol!imento moral in%antil e, por outro lado,
por$ue a maioria dos adultos tam4m 4 considerada heter9noma, ou se3a, emora adultos, ainda
dependentes de estere,tipos ou outros tipos de moti!aç&es e5ternas para agir de %orma ade$uada. /
su3eito oediente n"o 4 li!re para pensar por si mesmo. N"o 4 aut9nomo.
(essa %orma, a grande no!idade $ue a teoria piagetiana apresenta para os estudos de educaç"o moral
di# respeito : moral autônoma. Para o autor, os adultos, reconhecendo o seu papel na %ormaç"o de
personalidades aut9nomas, de!eriam preocupar2se em estaelecer com as crianças relaç&es de
respeito mCtuo, ou se3a, um tipo de relaç"o social $ue denominou cooperaç"o, $ue, em sustituiç"o
:s relaç&es de coaç"o, poderia condu#ir : superaç"o da heteronomia 7moral da oedi)ncia8.
/ Piaget desconhecido pela maioria das pessoas 4, portanto, esse homem $ue se interessou pela
educaç"o a partir de sua preocupaç"o com os !alores 4ticos, o $ue o condu#iu a pensar em uma
educaç"o da pessoa na sua totalidade, considerando a educaç"o da intelig)ncia e da moral como
o3eti!os indissolC!eis e $ue teriam por %unç"o a %ormaç"o para a autonomia e para a cidadania.
/ autor pensa!a $ue atra!4s das relaç&es de cooperaç"o, poder2se2ia educar os po!os para !i!erem
em harmonia, compreendendo2se mutuamente e resol!endo seus con%litos atra!4s da negaç"o do
asolutismo. .m suas pala!rasG
- ideia $ue de%endemos 4 em mais concretaG trata2se apenas de criar em cada pessoa um m4todo de
compreens"o e de reciprocidade. Lue cada um, sem aandonar seu ponto de !ista, e sem procurar
suprimir suas crenças e seus sentimentos, $ue %a#em dele um homem de carne e osso, !inculado a
uma porç"o em delimitada e em !i!a do uni!erso, aprenda a se situar no con3unto dos outros
homens. 7Piaget, 19>B, em HP possí!el uma educaç"o para a pa#DI8Q
.ssas s"o as pala!ras do pr,prio autor, escolhidas para %inali#ar este te5to. Por$ue a ideia 4 $ue, se a
e5pectati!a de $ue este te5to cumpra o seu papel de apresentar a importância da ;eoria
.pistemol,gica <en4tica para a compreens"o do homem moderno n"o %or atingida, ao menos, $ue as
pala!ras de Piaget pro!o$uem a perple5idade. Lue o con!ite do autor para a de%esa de uma educaç"o
$ue priori#e compreens"o e reciprocidade, %atores alcanç'!eis le!ando2se em consideraç"o a
condiç"o necess'ria mas n"o su%iciente do raciocínio desperto, portanto, do desen!ol!imento da
intelig)ncia, %aça o leitor $uerer conhecer mais sore a ;eoria da .pistemologia <en4tica de Jean
Piaget.
Por Luciana Maria Caetano/ComCiência/Labjor/DICYT
Luciana Maria aetano é doutora em psicologia escolar e do desen!ol!imento humano pela "SP#
autora de / conceito de oedi)ncia na relaç"o pais e %ilhos e pro$essora do curso de pedagogia da
"ni!ersidade S%o &rancisco.