GLOBALIZAÇÃO E IDENTIDADE: DESAFIOS DO

MULTICULTURALISMO
Joanildo A. Burity
1
1. Proposições iniciais
Falar de multiculturalismo é falar do manejo da diferença em nossas
sociedades. No entanto, isto é ainda pouco para defnir as
implicações do termo. Pois, ela remete no apenas a um discurso
em defesa da di!ersidade de formas de !ida e"istentes nas
sociedades contempor#neas, mas a um conjunto de aspectos
fortemente li$ados entre si e %ue carre$am a marca de um
contencioso& a' o recon(ecimento da no)(omo$eneidade étnica e
cultural dessas sociedades* +' o recon(ecimento da no)inte$raço
dos $rupos %ue carre$am e defendem as diferenças étnicas e
culturais , matri- dominante do nation-building nessas sociedades .
ap/s o fracasso seja de pol0ticas assimilacionistas, seja de pol0ticas
diferencialistas 1+aseadas na restriço de acesso ou mesmo na
idéia de 2desen!ol!imentos separados3'* c' a mo+ili-aço dos
1 4oordenador da 5rea 6em7tica 4ultura e 8dentidade, Fundaço Joa%uim Na+uco, e
professor das p/s)$raduações em 4i9ncia Pol0tica e em :ociolo$ia da ;FP<. 6ra+al(o
apresentado na =esa >edonda =ulticulturalismo, >elações 8nter)étnicas e
?lo+ali-aço, durante a 8 4onfer9ncia @atino)Americana e 4ari+en(a de 4i9ncias
:ociais, promo!ida pelo 4@A4:A e Fundaço Joa%uim Na+uco, em >ecife, Brasil, de BB
a BCD11DEE.
CALLAO 875, PISO 3
1023 BUENOS AIRES, ARGENTINA
TEL: (5!11" 811!#588$81!2301 FA%:
(5!11" 812!85&
E!MAIL: clacsoFclacso.edu.ar
(ttp&DDGGG.clacso.edu.ar
pr/prios recursos pol0ticos e ideol/$icos da tradiço dominante nos
pa0ses ocidentais . o li+eralismo . contra os efeitos desta no)
inte$raço* d' a demanda por incluso e por pluralidade de esferas
de !alor e pr7ticas institucionais no sentido da reparaço de
e"clusões (ist/ricas* e' a demanda por reorientaço das pol0ticas
pH+licas no sentido de asse$urar a di!ersidadeDpluralidade de
$rupos e tradições.
Além disto, (7 %ue considerar %ue a crescente sensi+ilidade para o
tema da diferença e sua articulaço em termos socio)culturais so+ a
forma de uma rei!indicaço de direitos para $rupos su+ordinados
se li$a a um descentramento da cultura ocidental %ue assume duas
modalidades parado"ais. Ie um lado, atra!és da matri- colonialista
e imperialista %ue difundiu)se mundo afora entre os séculos 1C e
in0cio do século BJ, le!ando com ela modelos de or$ani-aço social,
desen!ol!imento e mudança pol0tica %ue em lar$a medida se
institucionali-aram no atual sistema de estados nacionais e numa
economia mundial dominada inteiramente pelo capitalismo.
Pr7ticas, !alores e instituições (istoricamente constru0das a partir
da modernidade européia e norte)americana se espal(aram pelo
mundo, tornaram)se ideais de pro$resso e emancipaço, mas
tam+ém se impuseram onde a resist9ncia se fe- mostrar. ;ma
intrincada composiço de a$entes 2metropolitanos3 e locais
encarre$ou)se de do+rar a resist9ncia, forjando uma uniformidade
%ue atendia pelo apelo da Naço em +usca de seu futuro no
2mundo moderno3, atri+uindo lu$ares aos %ue se posiciona!am .
contra ou a fa!or . frente ,s formas concretas de implementaço
destes projetos de moderni-aço. <ste descentramento do Acidente
%ue le!a ao modelo do estado nacional e , trajet/ria da
moderni-aço representa o $rau -ero das disputas multiculturais
B
.
Ie outro lado, a (ist/ria do século BJ foi acumulando uma
crescente desconfança ou recusa dos modelos moderni-adores .
li+erais como socialistas . %ue sofre, a partir dos anos CJ, uma
importante inKe"o atra!és de mo!imentos sociais e intelectuais de
contestaço pol0tica e cultural, ocorridos em !7rias partes do
mundo, os %uais contri+u0ram para desle$itimar, %uestionar e
enfrentar a idéia (e$emLnica de Acidente. <ste descentramento
cr0tico se e"pressou na emer$9ncia de no!as formas de
identifcaço coleti!a . ne$ros, mul(eres, po!os ind0$enas, ecolo$ia,
2 =ais recentemente, esta modalidade de descentramento %ue si$nifca a e"panso
do Acidente co+ra not7!el reforço nos Hltimos anos por meio da frenética
mo!imentaço de um capital fnanceiro ao mesmo tempo ap7trida, amoral e
plurifacético 1ou sem face, o %ue d7 no mesmo', intensifcando a ansiedade e a +usca
de anteparos e ra0-es %ue permitam defender)se do 2!enda!al3.
B
pacifsmo, ju!entude, mo!imentos reli$iosos . e no!as formas de
pensamento, %ue puseram em %uesto o etnocentrismo e o car7ter
e"cludente da ordem li+eral !i$ente. Nos pa0ses latino)americanos,
a emer$9ncia destas formas sociais e intelectuais do
descentramento inclu0a ainda a resist9ncia contra a associaço da
moderni-aço capitalista com re$imes autorit7rios e tecnocr7ticos
+aseados em alianças ci!is)militares. <ste descentramento %ue le!a
, afrmaço da pluralidade de esferas pH+licas, dos direitos dos
$rupos (istoricamente e"clu0dos social ou culturalmente, representa
o primeiro momento de emer$9ncia de +andeiras multiculturais
M
.
=ais recentemente, entretanto, uma no!a onda de e"panso
ocidental tem se dado, a %ual é capturada pela idéia de
$lo+ali-aço. <m+ora o car7ter deste processo seja altamente
disputado, ele parece intensifcar o duplo descentramento ao
mesmo tempo em %ue reforça o parado"o entre suas duas
modalidades. Pois, ao mesmo tempo %ue a $lo+ali-aço representa
uma certa forma de intercone"o e interpenetraço entre re$iões,
estados nacionais e comunidades locais %ue est7 marcada pela
(e$emonia do capital e do mercado, ela tam+ém se fa-
acompan(ar por uma potenciali-aço da demanda por
sin$ularidade e espaço para a diferença e o localismo. A discurso
multiculturalista, neste sentido, tanto +enefcia)se de como
impulsiona a $lo+ali-aço, em+ora em direções nem sempre
fa!or7!eis ,s falas dominantes so+re a mesma.
:o+ %ual%uer destas formas, o multiculturalismo est7 en!ol!ido
num contencioso, numa disputa %ue !ai além do manejo de uma
di!ersidade %ue simplesmente se d7, como mera constataço
emp0rica. Para além ou na +ase das demandas lançadas ao estado,
ao mercado e a outros atores sociais, (7 mo!imentos de '()*'+*
ao passado, de '(,*+-)'./0* ou de 1+2(+/0* de identidades
coleti!as, +em como (7 co+ranças por redefniço de padrões
societ7rios. < esses mo!imentos disputam entre si ou articulam)se
de formas surpreendentes, mas tam+ém inst7!eis e parciais. A
3 Num tra+al(o recente, Feat(erstone analisa estas duas modalidades em termos de
uma postura +*-)3451,6 face , $lo+ali-aço, uma associada , emer$9nciaDafrmaço
dos estados nacionais e seus s0m+olos e cerimLnias, outra associada ao p/s)
modernismo e %ue reKete pressões para %ue os estados nacionais reconstituam suas
identidades coleti!as em moldes pluralistas e multiculturais %ue confram espaço para
diferenças re$ionais e étnicas 1cf. 1EEN&EN)EC'. :e$undo Feat(erstone, esta nostal$ia
se li$a , asserço do local !is),)!is o $lo+al e se e"pressa como uma perda do %ue
seria o lar, o familiar, um lu$ar f0sico com o %ual se est7 identifcado, e como uma
perda do senso de totalidadeDinte$ridade, certe-a moral, relacionamento social
$enu0no, espontaneidade e e"pressi!idade 18dem&EM)EO'. :o+re a relaço entre
$lo+ali-aço e nostal$ia, especialmente no %ue di- respeito , primeira modalidade, cf.
t+. >o+ertson, 1EEJ'.
M
!inculaço das demandas multiculturais com a pro+lem7tica dos
direitos, atra!és de um discurso so+re a le$itimidade das diferenças
e a necessidade de reparaço tem aparecido, simultaneamente,
como uma tentati!a de 2pacifcar3 o car7ter mais 2truculento3 da
emer$9ncia desses no!os atores sociais %ue postulam uma
identidade de +ase cultural, e como aprofundamento da disputa,
uma !e- %ue claramente (7 rei!indicações de poder en!ol!idas.
Nosso o+jeti!o neste tra+al(o, entretanto, no é discutir
pormenori-adamente o conceito de multiculturalismo ou os casos
concretos de aplicaço de modelos nele inspirados
O
. Antes,
$ostar0amos de nos concentrar so+re dois aspectos fortemente
relacionados , pro+lem7tica multicultural& 6 6--*,16/0* (+)'(
17(+)1767( ( 4*,641-8* 1so+ a é$ide da cultura, da tradiço, da
etnicidade, do nacionalismo, da reli$io' ( 6 ,*+)'671/0* (+)'(
69'86/0* 76 17(+)1767( ( * 626+/* 76 54*:641;6/0*, seja
esta pensada so+ a forma de um processo direcionado a partir de
um 2centro3 ou como um conjunto de Ku"os produtores de
conjunções e disjunções 1cf. Feat(erstone, 1EEN* Appadurai, 1EE1'.
Juntos, estes aspectos marcam o em+ate entre 2locali-aço da
cultura3 1para usar li!remente a e"presso de Pomi B(a+(a' e a
desterritoriali-aço introdu-ida pelos Ku"os $lo+ais. Assim, a
emer$9ncia de demandas identit7rias na cena contempor#nea ora
representam uma recusa dos $randes modelos mas tam+ém das
tend9ncias $lo+ali-antes* ora uma defesa da 2autenticidade3 das
e"peri9ncias particulares e enrai-adas num determinado tempo e
espaço comunit7rio contra as forças desterritoriali-antes,
2a+stratas3, do mercado ou da cultura de massas* ora uma
difculdade de !i!enciar os efeitos do deslocamento %ue a
$lo+ali-aço introdu- nos conte"tos locais, identifcando esta Hltimo
com um complL das $randes pot9ncias capitalistas, a dominaço da
cultura de consumo ou a !iolaço da so+erania nacional
N
.
Q poss0!el, neste conte"to, articular identidade e $lo+ali-açoR Q
preciso opor identidade a $lo+ali-açoR A conte"to $lo+al
representa possi+ilidades ou ameaças , e"peri9ncia localR 4omo
compreender o tipo de pro+lema %ue a l/$ica $lo+al introdu- no
4 Para uma an7lise das pol0ticas multiculturais, se$undo os usos %ue se faça do
multiculturalismo . demo$r7fco)descriti!o, pro$ram7tico)pol0tico e ideol/$ico)
normati!o . cf. 8n$lis, 1EEC* Soeni$, 1EEE. ;ma an7lise latino)americana se encontra
em 8turralde, 1EEN.
5 Alain 6ouraine tem, recentemente, feito da disjunço entre mercado e cultura o
cerne de sua an7lise so+re os impasses da modernidade tardia e a +ase de sua defesa
da introduço de um princ0pio no)social de resist9ncia ao capital e , comunidade,
%ue ele c(ama de 2:ujeito3 1cf. 1EEE* !.t+. 1EET'.
O
espaço)tempo da identidadeR 4omo enfocar a $lo+ali-aço de
forma a entender o lu$ar %ue a0 ocupa a e"peri9ncia da identidadeR
Partiremos a%ui da afrmaço de %ue a $lo+ali-aço, na%uilo em %ue
se presta a uma an7lise cru-ada com o tema da identidade,
representa a !i$9ncia de um princ0pio de ruptura do liame dual
microDmacro, est7!elDdin#mico, concretoDa+strato, particularD$eral,
princ0pio este %ue funciona como um 2terceiro3 e desencadeia uma
l/$ica %ue +0* (<15( * 98 76- '(=('>+,16- 4*,61-, 86- 6-
'(1+-,'(2( +.8 )(''(+* (8 ?.( (-)6- +0* 861- @*7(8 -(
7(9+1' @(4* 1-*468(+)* +(8 )68@*.,* @(46 )(''1)*'1641767(A
S(+7* 6--18, 6 54*:641;6/0* )6+)* =*'86 ,*8* 7(=*'86,
)6+)* (<15( ,*8* '(-1-)( B 17(+)1767( (+?.6+)* -15+* 7*
4*,64, 7* -1+5.46', 7* 6.)>+)1,*, 7* (86+,1@6)C'1*A <ste
elemento, a meu !er, coloca pro+lemas , l/$ica particularista das
disputas multiculturais, como tam+ém reforça a l/$ica multicultural.
A ar$umento a se$uir pretende ser uma tentati!a de e"plicitar esta
pro+lemati-aço.
2. O terceiro e a lógica da globalização
A $lo+ali-aço introdu- um )(',(1'* na relaço entre o local e o
nacional, o local e o re$ional, o re$ional e o nacional %ue interrompe
o Ku"o linear de relações e comunicaço onde estas polaridades se
desen!ol!iam até !inte anos atr7s, re$uladas pela unidade do
estado)naço e pela repartiço territorial das trocas econLmicas,
pol0ticas e culturais 1e"emplarmente capturada na e"presso
2relações internacionais3'
C
. <ste terceiro introdu- .86 4C51,6
7(-)(''1)*'1641;6+)( ( 7(-1+-)1).,1*+641;6+)( em relaço ao
conte"to anterior, '(@4()6 7( @6'67*<*- e e"pressa em aspectos
como& %ue+ra da pretenso de uni!ersalidade dos discursos
pol0ticos e culturais* %ue+ra da so+erania do estado nacional em
%uestões)c(a!e de pol0tica doméstica* introduço de !alores e
par#metros de $esto pH+lica em !o$a no #m+ito da 2sociedade
ci!il $lo+al3 1$9nero* meio am+iente* multiculturalismo* direitos
(umanos* a prima-ia da aço local, efeti!ada por uma pluralidade
de atores em parceria* etc.'* ruptura de modos de !ida associados
,s ra0-es ou atri+utos essenciais de comunidades locais, cate$orias
sociais ou identidades culturais.
6 A ima$em do 2terceiro3 tem sido usada por outros autores num sentido %ue no
necessariamente se coaduna com o %ue a%ui é utili-ado. ;ma das temati-ações
e"pl0citas aparece em B(a+(a e @aclau.
N
B.1 4aracteri-ando o terceiro da $lo+ali-aço
A terceiro da $lo+ali-aço no é um me$a)sujeito. Nem o sujeito
imperialista . por mais %ue ten(amos a impresso de %ue os
<stados ;nidos se transformam crescentemente no $endarme do
sistema)mundo* nem o sujeito multilateral representado pelas
Nações ;nidas ou por or$anismos internacionais . em+ora estes
sejam percepti!elmente a$entes da $lo+ali-aço 1e"emplo do
Banco =undial ou da Ar$ani-aço =undial do 4omércio'* nem o
sujeito classe . poucos ousam alin(ar a $lo+ali-aço com um
es%uema da +ur$uesia ou uma concertaço das elites empresariais
dos di!ersos pa0ses com !istas a impor um determinado modelo de
dominaço econLmica. Na !erdade, o terceiro da $lo+ali-aço no é
um -.D(1)* em nen(um sentido antropom/rfco ou sociolo$i-ante.
A terceiro da $lo+ali-aço se 2materiali-a3 em mHltiplos a$entes,
uns mais +eni$nos, outros mais per!ersos, %ue t9m em comum no
a adeso a uma Hnica cultura ou estraté$ia de $lo+ali-aço, mas o
recon(ecimento de %ue atuam num terreno mo!ediço e em
indefnida e"panso. <ste terreno j7 no se re$ula pelas
coordenadas cartesianas de tempo e espaço, ou sociol/$icas de
instituiço e mo!imento, antes nele se jo$a com elas e as
possi+ilidades e assimetrias %ue elas a+rem. Nele, a 71-@.)6 @(4*
,*+)(E7* 76 54*:641;6/0* é o $rande elemento impulsionador.
A terceiro é um @'1+,F@1* 7( 6+)65*+1-8* ( 71=('(+,16/0*, al$o
%ue denuncia ou contesta . se justa ou injustamente somente se
pode decidir analisando)se situações concretas ) os limites da
pretenso de sin$ularidade, de desen!ol!imento autLnomo, de
autoridade moral in%uestion7!el, de esta+ilidade das ordens social
ou comunit7ria !i$entes. < isto se fa- em nome da e"ist9ncia de
aspectos no considerados, de $rupos e"clu0dos ou !alores
super!enientes, de processos ou tend9ncias macro)societais ou
macro)econLmicas, os %uais, desde a perspecti!a dos liti$antes,
teriam prioridade so+re a autonomia local de or$ani-aço e
pr7ticas.
Assim, a $lo+ali-aço funciona pela introduço da diferença
e"or+itante ou i$norada ali onde reina o contentamento ou a
pretenso de autonomia contra interfer9ncias e"ternas. Neste
sentido, a l/$ica da $lo+ali-aço pode opor tanto o micro ao micro,
como o micro ao macro, o macro ao me$a, e !ice)!ersa. ?lo+al no
é o %ue é necessariamente maior, mais distante, nem mais forte.
?lo+al é o %ue 1se' diferencia entre um campo %ue se re$ula por
refer9ncias de so+erania, autodeterminaço, distinti!idade, e um
campo %ue pretende se a+rir . ou ser a a+ertura . para a
C
reno!aço, ino!aço ou justiça %ue !9m descortinar no!os
(ori-ontes. :e a diferença %ue emer$e entre em meio , ordem
!i$ente . local, nacional ou internacional . e aponta para o %ue ela
e"clui ou reclama das promessas %ue ela dei"a irreali-adas, é
politica ou moralmente !irtuosa, se desem+oca em alternati!as
!i7!eis , ordem %uestionada, so %uestões pr7ticas, %ue s/ podem
ser determinadas em conte"to. =as é em nome dessas diferenças
no acol(idas, no respeitadas, no perce+idas pela sociedade ou o
estado %ue o terceiro da $lo+ali-aço interrompe a reproduço de
um dado status %uo.
Por outro lado, o terceiro da $lo+ali-aço é um princ0pio de
oposiço, um $erador de anta$onismo. A introduço da diferença
representa um desafo , esta+ilidade dos arranjos e fronteiras
e"istentes, %uestiona a autar%uia da comunidade, da instituiço, do
$o!erno, do <stado. No se trata de uma dicotomi-aço do espaço
social, pol0tico, econLmico ou cultural. Naturalmente, o
anta$onismo produ- uma fronteira entre dois campos. =as esta j7
no é uma fronteira %ue atra!esse o social de um e"tremo a outro.
Nem é uma fronteira entre identidades j7 dadas, pré)constitu0das,
%ue !9m a se c(ocarem. Q uma fronteira constitu0da em torno da
emer$9ncia de uma %uesto em disputa
U
, a0 locali-ando lado a lado,
2dentro3 como 2fora3, atores, temas e cenas %ue em outras
disputas defnem campos distintos. A anta$onismo tam+ém no é
uma situaço de $uerra, no precisa (a!er animosidades pessoais
en!ol!idas, em+ora possa sempre 1:c(mitt sa+ia disto' le!ar ao
confronto f0sico ou , $uerra pura e simplesmente . e as de-enas de
conKitos armados no mundo de (oje no nos permite es%uecer isto.
=as o anta$onismo %ue caracteri-a o terceiro da $lo+ali-aço no
pode ser e"tirpado, nem mesmo pelos tratados de pa-. <le pode
sempre ressur$ir, em outros lu$ares ou so+ outras formas. A
resoluço dos conKitos no -eram a atuaço do anta$onismo,
apenas a deslocam para outros o+jetos
T
.
7 A emer$9ncia desta %uesto . por e"emplo, racismo, discriminaço da mul(er,
etnoc0dio das populações ind0$enas, li+erdade reli$iosa, de$radaço am+iental,
e"cluso social como efeito direto das pol0ticas neoli+erais . no é ponto pac0fco. Q
preciso esta+elecer sua pr/pria o+jeti!idade ou ur$9ncia, donde o fundamental
7(-(+)(+718(+)* %ue funda a pol0tica 1cf. >anciVre, 1EEC'& entre os polos
anta$on0sticos . no nosso caso, as demandas multiculturais e seus ad!ers7rios, +em
como a oposiço entre identidades locais e as forças $lo+ali-antes . (7 um conKito
%ue di- respeito , denHncia de um a$ra!o cometido contra um determinado $rupo e ,
demanda por reparaço ou incluso, mas %ue tra- , cena social al$o %ue no esta!a
l7. Al$o %ue tanto desi$na o 2%uem3 como o 2%u93 em disputa.
8 A %uesto do anta$onismo a%ui introdu-ida tem sua refer9ncia +7sica no tra+al(o de
@aclau e =ouWe 1cf. @aclau e =ouWe, 1ETE* @aclau, 1EEM&B1)NU* !.t+. Xi-eY, 1EEM*
1EEB&1C1)CO* 1EEC &B1)MN'.
U
A%ui j7 temos uma +oa indicaço do !0nculo entre $lo+ali-aço e
identidade& 6 69'86/0*, 7(=(-6 *. ,*+)(-)6/0* 7(
17(+)1767(- -0* .8 ,*8@*+(+)( 1+)(5'64 76 4C51,6 76
54*:641;6/0* ,*+)(8@*'G+(6. Por %u9R Por%ue as identidades
so, por !e-es, o pomo da disc/rdia %ue e"pressa o terceiro da
$lo+ali-aço . a $lo+ali-aço neste caso seria o +erço da afrmaço
identit7ria, o conte"to no %ual a c(amada fra$mentaço do sujeito
desencadeia inHmeras tentati!as de recomposiço. Por%ue as
identidades emer$em na esteira dos efeitos desterritoriali-antes e
desinstitucionali-antes da $lo+ali-aço, +enefciando)se do
enfra%uecimento das anti$as unidades pol0ticas e culturais da
modernidade no!ecentista. Por%ue, enfm, as identidades rea$em,
numa tentati!a de ressincroni-aço espaço)temporal, aos efeitos
desestruturadores da $lo+ali-aço, +uscando em ra0-es do passado
ou na ideali-aço do presente uma forma de neutrali-ar o
sentimento de ansiedade ou p#nico ante a incerte-a, a insta+ilidade
e a permanente redefniço das re$ras e cen7rios %ue se instalam
em nome da $lo+ali-aço
E
.
B.B <"plorando a l/$ica da $lo+ali-aço
Iissemos acima %ue o %ue põe em comum os a$entes da
$lo+ali-aço é a disputa pelo seu conteHdo. Q preciso di-er %ue no
se trata de uma disputa pelo poder mundial, uma espécie de
s0ndrome de desen(o animado, onde $9nios do mal mo+ili-am
recursos para dominar o mundo. A inserço desses a$entes t9m
n0!eis e impactos +astante diferenciados e a disparidade dos
recursos é +rutal. =as no (7 mais a possi+ilidade de coordenar
estes processos de disputa (e$emLnica so+ uma Hnica l/$ica ou
direço, por mais a+ran$ente %ue seja. Assim, 6 71-@.)6 @(4*
,*+)(E7* 76 54*:641;6/0* -( )'626 (8 )*'+* 7( *:D()12*-
,*+,'()*-, em+ora al$uns de $rande alcance, cuja resoluço
asse$urar7 a uns a sensaço de $an(o e $arantia de uma 1maior'
2cota3 da cena $lo+al, en%uanto mo+ili-ar7 a outros em diferentes
formas de resist9ncia& a %ue aceita jo$ar o jo$o 1acreditando nas
re$ras', a %ue recusa)se a jo$ar o jo$o 1partindo para o confronto a
partir do lu$ar %ue ocupa, em torno das %uestões mais ur$entes e
9 ;ma +re!e descriço deste processo é oferecida por 4astells, %uando comenta %ue o
car7ter defensi!o de muitas pr7ticas identit7rias se diri$e contra a $lo+ali-aço, os
processos de formaço de redes e de Ke"i+ili-aço, e a crise da fam0lia patriarcal&
2Zuando o mundo se torna $rande demais para ser controlado, os atores sociais
+uscam encol(9)lo de !olta ao taman(o e alcance deles. Zuando as redes dissol!em o
tempo e o espaço, as pessoas se ancoram em lu$ares, e recuperam sua mem/ria
(ist/rica. Zuando a reproduço patriarcal da personalidade fracassa, as pessoas
afrmam o !alor transcendente da fam0lia e da comunidade, como !ontade de Ieus3
11EEU&CC'.
T
ine$oci7!eis %ue ad!o$a' ou a %ue e"plora os interst0cios ainda
dei"ados a desco+erto pelas disputas em curso.
4ertamente (7 al$uns !etores $erais condicionando as disputas no
cen7rio $lo+al, como j7 mencionei antes e retomo a$ora,
ressaltando %ue no so os Hnicos&
 a %ue+ra da pretenso de uni!ersalidade dos discursos pol0ticos e
culturais, tem deslocado as $randes narrati!as da moderni-aço,
seja pela sua ne$aço como modelo* seja pela tentati!a de
desen!ol!imentos autLnomos em contradiço com $randes
interesses pol0ticos e econLmicos internacionais* seja pela
multiplicaço dos camin(os tomados em nome destas narrati!as,
%ue e"plode a sua coer9ncia interna, sua capacidade de dar
unidade a to di!ersas trajet/rias* seja pela multiplicaço dos
atores da moderni-aço.
 A %ue+ra da so+erania do estado nacional em %uestões)c(a!e de
pol0tica doméstica, representa tanto uma perda de autonomia,
como o efeito da maior intercone"o das sociedades
contempor#neas . !ia mercados fnanceiros, os media, os
or$anismos multilaterais e multinacionais . limitando, mas no
e!itando, realin(amentos +ruscos ou resist9ncias aos
2consensos3 $lo+ais.
 A introduço de !alores e par#metros de $esto pH+lica em !o$a
no #m+ito da 2sociedade ci!il $lo+al3, de forma relati!amente
independente da aceitaço ou recon(ecimento das situações %ue
os justifcam. <ntre tais !alores e par#metros se poderia
mencionar& $9nero* meio am+iente* multiculturalismo* direitos
(umanos* a prima-ia da aço local, efeti!ada por uma
pluralidade de atores em parceria* e"i$9ncias de efci9ncia e
aferiço do impacto das ações pH+licas* alar$amento do espaço
para o en!ol!imento da sociedade na $esto pH+lica,
compartil(ando responsa+ilidades e atri+uições ao lado do
estado* etc. <stes no!os critérios defnidores da +oa $o!ernança
!9m interpor uma a$enda para as pol0ticas %ue no se prende ,
sensi+ilidade acumulada nos conte"tos nacionais e locais em
relaço aos !alores e par#metros mencionados. No importa se
$ostemos ou no das pol0ticas de promoço da i$ualdade de
condições entre os se"os, se aceitamos ou no as pol0ticas de
discriminaço positi!a, de di7lo$o intercultural* se praticamos ou
no de +oa !ontade os direitos (umanos, etc. A %ue importa é
%ue a credi+ilidade da or$ani-aço, do $o!erno ou do pa0s é (oje
aferida por sua sensi+ili-aço e operacionali-aço de pol0ticas
E
como estas. A %ue importa é %ue os recursos necess7rios (oje se
!inculam a 2condições aceit7!eis3 %ue passam pela
implementaço das diretri-es acima.
No o+stante esses !etores $erais, sua materiali-aço raramente se
fa- em nome ou atra!és de me$a)atores. <m nome de ou contra a
$lo+ali-aço, pe%uenos e $randes atores, isolada ou
articuladamente, mo+ili-am, rei!indicam e resistem a essas
correntes. A aço intra e inter)or$ani-acional* a aço coleti!a* a
aço $o!ernamental* a aço de redes territoriali-adas, tem7ticas e
de inKu9ncia 1cf. Ioimo, 1EEN', se contraem ou se e"pandem na
din#mica da inter!enço do terceiro da $lo+ali-aço, em torno de
interesses, demandas, !alores e o+jeti!os pontuais ou $erais.
3. A identidade como resposta, efeito e resistência à globalização
M.1 A terceiro e a identidade
6udo parece indicar, , primeira !ista, %ue o terceiro
desterritoriali-ante da $lo+ali-aço se oporia , e"peri9ncia da
identidade. Acostumados a pensar a identidade como enrai-amento
numa realidade socio)cultural particular e, no plano indi!idual,
como auto)con(ecimento, auto)conceito e presença a si, tendemos
a contrastar mais do %ue associar os dois termos. [ !ista do terceiro
%ue mencionei anteriormente, é preciso desfa-ermos esta idéia. A
$lo+ali-aço pode permitir a emer$9ncia de +*26- =*'86- 7(
17(+)19,6/0* ,*4()126, as %uais, por no mais se defnirem em
funço de um pertencimento territorial, ou de uma tradiço
imemorial, mas em funço de %uestões de rele!#ncia $lo+al, se
su+traem ,s e"i$9ncias de lealdade tradicional ou de atuaço
locali-ada.
Num sentido mais forte, a $lo+ali-aço '(?.(' mesmo a
articulaço da identidade, tanto na dimenso 1+-)'.8(+)64 das
relações de mercado, como na dimenso H(<@'(--126I das
relações intra e inter$rupais, em+ora nem sempre estejamos diante
de e"peri9ncias identit7rias com as caracter0sticas descritas no
par7$rafo anterior. Na sua !erso instrumental, identidade se
defne no conte"to da cultura de consumo, %ue $lo+ali-a a idéia de
li!re escol(a e li!re e"perimentaço com +ens e estilos de !ida,
produ- e estimula a diferenciaço, se alimenta da especiali-aço,
da produço de um diferencial cultural %ue se transforma num
si$no de !italidade da cultura local 1trunfo a ser e"plorado pela
indHstria do turismo', e da le$itimidade de uma ordem social
fundada na l/$ica do mercado. 8dentidade seria a%ui a forma
1J
e"teriori-ada ou rei!indicada de uma no!a su+jeti!idade. Autras
modalidades de identifcaço se defnem nesta perspecti!a, como
nas di!ersas 2redesco+ertas3 . em muitos casos coincidentes com
!erdadeiras in!enções de tradições . de identidades culturais para
di!ersos fns& impulsionar a indHstria do turismo e do la-er*
le$itimar ações $o!ernamentais em disputas por recursos
condicionados , adoço de pr7ticas multiculturais* ajudar a criar
uma no!a ima$em para empresas %ue l(es $arantam acesso a
determinadas fatias do mercado de consumo.
No caso da identidade como 2e"presso3, a $lo+ali-aço re%uer a
identidade na medida em %ue o deslocamento %ue o terceiro da
$lo+ali-aço introdu- no cen7rio local desencadeia mudanças, mas
no pode ser indefnidamente continuado. A desenrai-amento
produ- desorientaço, ansiedade, sofrimento e destruiço de
formas de !ida ou instituições %ue no podem ser suportados
indefnidamente. Assim, a resist9ncia da identidade . j7 no mais a
mesma, porém uma %ue se modifca ao responder e 2se afrmar3
diante do desafo 2de fora3, da l/$ica $lo+al . é uma contrapartida
da $lo+ali-aço. <m nome da identidade enceta)se uma luta para
restaurar um mundo nostal$icamente ideali-ado de simplicidade de
!ida, dura+ilidade dos arranjos sociais e pro"imidade e
confa+ilidade das relações entre as pessoas. <m nome da
identidade se +usca encontrar na ori$em comum ou num destino
manifesto a orientaço %ue contradi$a as tend9ncias
desesta+ili-adoras e a incerte-a do presente.
A terceiro da $lo+ali-aço no implica em %ue a identidade seja
sempre e"perimentada ou rei!indicada em +ases $lo+ais, no)
nacionais ou transnacionais. Antes, o %ue %ueremos ressaltar é %ue
mesmo %uando a identidade se e"pressa atra!és do mais ri$oroso
fundamentalismo e isolacionismo, contra tudo o %ue seja maior do
%ue ou e"terior a ela, especialmente contra tudo o %ue l(e parece
ser um complL das $randes pot9ncias ou $randes tend9ncias
econLmicas, pol0ticas e culturais do sistema mundial, ela no dei"a
de ser afetada pela $lo+ali-aço. Neste caso, o entrinc(eiramento
da identidade como sin$ularidade, localismo ou autenticidade pode
ser uma '(6/0* a forças $lo+ali-antes, mas é tam+ém uma
'(-@*-)6 a elas, um 2sim3 , a$enda da $lo+ali-aço. :er7 reaço
ao tomar o $lo+al como a ameaça %ue !em de fora contra a
inte$ridade de um modo de !ida local ou uma cultura nacional. :er7
uma resposta se sua emer$9ncia for atri+u0da ao afrou"amento dos
laços ideol/$icos, pol0ticos ou econLmicos %ue impediam a
e"presso de tal identidade no #m+ito nacional. :em dH!ida, a
resposta pode ser am+0$ua, uma !e- %ue nem sempre ela sai em
11
defesa da $lo+ali-aço. =as, o fato de +enefciar)se do 2clima3
$lo+al e de rei!indicar seu espaço le$0timo na 2no!a ordem
mundial3 . %ue coordena o $lo+al e o local, no es%ueçamos . situa
tais identidades no re$ime ou l/$ica da $lo+ali-aço.
M.B A l/$ica da $lo+ali-aço e a l/$ica da identidade
Ao falar so+re a l/$ica da $lo+ali-aço, mencionei %ue a disputa
pelo conteHdo da mesma se fa- a partir de o+jeti!os concretos, e
no de uma intan$0!el a$enda $lo+al, e ar$umentei %ue (7 !etores
$erais %ue produ-em efeitos locais e %ue mo+ili-am atores $randes
e pe%uenos. 6rata)se de e"plorar a$ora como isto se relaciona com
o tema da identidade.
<m primeiro lu$ar, eu ressaltaria %ue a l/$ica do terceiro representa
um no!o re$ime da relaço entre o $eral e o particular, o uni!ersal
e o sin$ular, na %ual um curioso mo!imento se d7. A cr0tica aos
uni!ersalismos modernos 1e"pressos em o+jetos culturais ou
modelos institucionais' no si$nifca uma recusa do uni!ersalismo,
mas uma 4*,641;6/0* 7* .+12('-641-8* 1cf. >o+ertson, 1EE1*
@aclau, 1EEC'. Au seja, tanto identidades locais podem, em nome
de certos direitos amplamente recon(ecidos, rei!indicar uma
autonomia parcial ou mesmo secesso* identifcar outros $rupos
sociais cuja presença representaria uma ameaça a ser neutrali-ada*
ou ainda reclamar sua incluso no 2pacto de sociedade3 mais
amplo em %ue se inserem. Assim, ora temos micro)uni!ersalismos
em conKito entre si e com o <stado, ora temos a rei!indicaço local
do uni!ersalismo como demanda por incluso.
A %uestionamento da so+erania do estado nacional, nesta direço,
implica na utili-aço das tend9ncias $lo+ais 1respaldadas em
a$9ncias multilaterais ou em or$ani-ações ci!is de peso na
formaço da opinio pH+lica mundial' para forçar mudanças na
orientaço das pol0ticas nacionais em fa!or de atores coleti!os %ue
se +enefciam diretamente do clima de maior sensi+ilidade e
asserti!idade e"istente em outros conte"tos nacionais . mul(eres,
ne$ros, minorias étnicas 1mi$rantes ou de se$unda e terceira
$erações, +em como ind0$enas', minorias reli$iosas,
am+ientalismo, etc. ., contrariando elites locais ou pol0ticas. =as
pode)se tam+ém rei!indicar contrapartidas , perda da autonomia
do estado so+re certas %uestões de pol0tica doméstica, atra!és de
processos de ne$ociaço e coordenaço supra)nacionais dos %uais
a face mais !is0!el so os +locos de pa0ses or$ani-ados em funço
de interesses econLmicos e pol0ticos, se$undo um imperati!o de
so+re!i!9ncia e reforço da competiti!idade.
1B
Por fm, a introduço de !alores e pr7ticas em contradiço com a
cultura pol0tica nacional ou local !em le$itimar e reforçar a
asserço, !isi+ilidade pH+lica e peso pol0tico de no!os mo!imentos
e alternati!as or$ani-acionais !inculados ,s mudanças culturais do
p/s)CT e pol0ticas dos anos TJ, a+rindo espaços para o
recon(ecimento de diferenças e difcultando sua diluiço nos
am7l$amas da identidade nacional, das ideolo$ias pol0ticas ou das
pr7ticas de cooptaço paternalista. Porém, tais !alores podem
introdu-ir !ieses descon(ecidos no conte"to local, redescre!endo
pro+lemas a0 !i!enciados em termos de padrões culturais e pol0ticos
dominantes em outras sociedades ou re$iões. Iesta forma, as
demandas e conKitos locais se conf$uram em contraste com a
e"peri9ncia compartil(ada, o %ue pode se e"pressar no sentimento
de %ue as %uestões e soluções apresentadas implicam antes na
imposiço de poderes e"ternos, ou na produço de atores coleti!os
(0+ridos, 2$locais3, ao mesmo tempo enrai-ados num conte"to local
e defnindo)se em termos transculturais.
A %ue resulta deste processo é a e"peri9ncia da identidade como
construço, ainda %uando somos confrontados com mo!imentos e
$rupos %ue pretendem estar em direta continuidade com um
passado ameaçado de destruiço ou injust1ifcad'amente
!iolentado. No (7 identidades pristinas, puramente e"pressi!as.
P7, em conse%u9ncia da l/$ica da $lo+ali-aço '(69'86/J(- de
identidades com+inadas ,s no!as 9nfases e o+jetos de disputa*
'(1+2(+/0* de identidades para o+jeti!os pol0ticos ou
mercadol/$icos 1inclusi!e como forma de 2apresentaço3 da
di!ersidade local %ue funciona na indHstria do turismo'* e
-.'518(+)* de no!as identidades. <m cada um dos casos,
construço da identidade . para le$itimar uma situaço, para
resist0)la ou para introdu-ir nela no!as %uestões e pr7ticas %ue
apontam para projetos de mudança social 1cf. 4astells, 1EEU'.
< por %ue construir a identidadeR Por%ue a %uesto do -(+)17*
torna)se +astante a$uda num conte"to onde os referenciais
est7!eis, naturais, de orientaço no mundo se tornaram fr7$eis e
insufcientes para $arantir uma mo!imentaço coerente e pre!is0!el
no espaço social. A l/$ica do terceiro impõe um mo!imento de
e"tenso e contraço da sociedade ci!il e do estado no %ual,
se$undo 4astells, 2no (7 mais uma continuidade entre a l/$ica da
formaço do poder na rede $lo+al e a l/$ica da associaço e
representaço em sociedades e culturas espec0fcas. A +usca de
sentido tem lu$ar ento na reconstruço de identidades defensi!as
ao redor de princ0pios comunais. A maior parte da aço social !em
a se or$ani-ar na oposiço entre Ku"os no)identifcados e
1M
identidades isoladas3 11EEU&11'. 4omo transformar a resist9ncia
local em no!os sujeitos de mudança é, para 4astells, o $rande
desafo de uma teoria da mudança social na era da informaço.
Na medida em %ue o $lo+al se alimenta da diferenciaço, ele
in!este sistematicamente o local, o comunit7rio, o re$ional como
in$rediente de sua e"panso. A local contra o nacional 2atrasado3,
o $lo+al contra o local 2atrasado3. =as tam+ém o local como
possuidor de al$o %ue a idéia ne+ulosa de $lo+alidade no tem,
uma sin$ularidade ou e"/tica %ue podem ser trunfos em termos de
recon(ecimento, competiti!idade e lucro. A resultado disso é %ue a
identidade, retomando o %ue disse anteriormente assume tr9s
conf$urações vis-à-vis o cen7rio $lo+al&
 A identidade é o @*8* 76 71-,C'716 %ue e"pressa o terceiro da
$lo+ali-aço. Assim, a emer$9ncia de no!as identidades, a
economia das relações entre as identidades 1e"plicitamente
posta em tela pelo multiculturalismo', as perspecti!as a+ertas
pelo jo$o da identidade no cen7rio $lo+al e"primem um aspecto
constituti!o da din#mica da $lo+ali-aço. <m outras pala!ras, a
dimenso pol9mica, contro!ertida, a$on0stica da $lo+ali-aço
aponta precisamente para a !isi+ilidade e produti!idade pol0tica
%ue a %uesto da identidade assume. Falar de multiculturalismo
é antes de mais nada apontar para este campo de contestaço
a+erto pela operaço do terceiro da $lo+ali-aço em conte"tos
onde pre!aleceram atitudes desle$itimadoras da diferença
cultural em funço da e"cluso social, da inserço su+ordinada
na ordem econLmica e pol0tica internacional e da adeso aos
modelos da moderni-aço nos discursos li+erais ou de es%uerda.
 As identidades tam+ém emer$em na esteira dos (=(1)*-
7(-)(''1)*'1641;6+)(- ( 7(-1+-)1).,1*+641;6+)(- da
$lo+ali-aço, +enefciando)se do enfra%uecimento das anti$as
unidades pol0ticas e culturais da modernidade no!ecentista .
neste caso, no se trata necessariamente de no!as identidades,
podendo (a!er o retorno de anti$as formas de identifcaço
comunit7ria jul$adas e"tintas pelos discursos da moderni-aço.
Pode ser o caso a%ui %ue uma série de deslocamentos
1econLmicos, pol0ticos, culturais' ten(am o efeito de tornar os
indi!0duos suscept0!eis , interpelaço de uma pluralidade de
formas de identifcaço, fraturando)os como unidades auto)
centradas e causando)l(es mal)estar e sofrimento, ou li+erando)
os de uma su+misso estreita a uma Hnica comunidade ou
instituiço social. 6al interpelaço instaura uma competiço entre
formas de identifcaço, mas tam+ém enseja e"perimentos de
1O
estetici-aço da su+jeti!idade os %uais, em+ora pro!is/rios ou
apenas parcialmente +em sucedidos, !o fa-endo sur$irem
mHltiplos 2a$enciamentos de su+jeti!idade3 1?uattari', no
conte"to de pe%uenos e $randes a$rupamentos de pessoas.
 As identidades, enfm, '(65(8, num mo!imento de
ressincroni-aço espaço)temporal, aos efeitos desestruturadores
da $lo+ali-aço. <sta reaço pode !ir so+ a forma da retraço,
2pri!ati-aço3, ou da intoler#ncia contra o %ue parecem ser os
peri$os ou inimi$os da 2a+ertura3 aos Ku"os $lo+ais para a
se$urança, a so+re!i!9ncia, a auto)referencialidade dos projetos
do $rupo. Pela impot9ncia ou pela asserti!idade a$ressi!a do
2seu3 espaço, tenta)se reesta+ili-ar o estado de Ku"o, as
e"i$9ncias de cont0nuo reajustamento, as incerte-as de um
futuro descon(ecido. Neste conte"to, a reli$io, o nacionalismo, a
or$ani-aço em +ases territoriais locais so al$umas das
e"pressões deste desejo de interromper os Ku"os de mudanças
permanentes e aparentemente sem direço %ue so+re!9m a
sociedades nacionais ou $ruposDcomunidades su+)nacionais
como efeitos de uma espécie de destino incompreens0!el e
implac7!el.
4. Desafos ao multiculturalismo: o lugar da identidade no contexto global
Iestacamos na introduço o car7ter contencioso das demandas e
pr7ticas multiculturais e procuramos ar$umentar %ue um dos
elementos importantes desta contesta+ilidade reside na din#mica
comple"a dos !0nculos entre identidade e $lo+ali-aço. :e as
ener$ias iniciais para as demandas multiculturais podem remontar
,s lutas pelos direitos ci!is e aos desdo+ramentos dos mo!imentos
estudantis no fnal da década de CJ, ento seria preciso admitir %ue
a emer$9ncia da identidade como preocupaço, como reaço ou
como projeto j7 esta!a implicada num mo!imento de proporções
internacionais. Iurante os anos TJ e EJ, as demandas
multiculturais tornaram)se decididamente $lo+ais em sua e"tenso
e disseminaço.
<sta disseminaço, entretanto, nem ofusca, nem diminui o
potencial pol9mico do multiculturalismo. Assim como o terreno da
$lo+ali-aço é disputado, tam+ém o é o das identidades coleti!as
pass0!eis de constar na lista dos atores 2le$0timos3 do
multiculturalismo. =ais do %ue uma emer$9ncia pura e simples,
tomando a forma de diferenças cuja positi!idade seria indisput7!el,
as identidades rei!indicadoras de pr7ticas multiculturais esto
simultaneamente em processo de construço e em disputa pelo
1N
recon(ecimento dos a$ra!os e cen7rios onde sua postulaço co+ra
ares de o+jeti!idade incontest7!el. A fato, porém, de %ue no
podemos simplesmente escol(er %uais manifestações identit7rias .
por nos parecerem mais aceit7!eis ou pro$ressistas . poderiam
fa-er parte da 2lista3, o fato de %ue (7 identidades reati!as,
intolerantes e fec(adas em si mesmas, nos ad!erte para al$uns
desafos %ue, postos a estas identidades, estendem)se tam+ém ,s
c(amadas 2no!as identidades3 e, a fortiori, ao multiculturalismo.
4oncluir0amos, ento, ressaltando, de forma puramente e!ocati!a,
al$uns desafos %ue o conte"to da $lo+ali-aço coloca , e"peri9ncia
da identidade . pessoal e coleti!a . e ,s pol0ticas multiculturais %ue
se põem em sua defesa.
<m primeiro lu$ar, o desafo da a+ertura. 6radicionalmente, a idéia
de identidade foi associada a um 2seu)pr/prio3 %ue no se di!idia
com outros, %ue se pretendia prote$er dos outros e %ue
determina!a uma uniformidade interna entre os 2portadores3 de
tais atri+utos. Além disso, a identidade se re!estia de uma
atemporalidade %ue escondia tanto a (ist/ria de seu
desen!ol!imento como a e"ist9ncia de outras possi+ilidades de sua
e"presso %ue foram preteridas ou derrotadas ao lon$o desta
(ist/ria. A cen7rio da $lo+ali-aço, ao alterar os processos
tradicionais de produço e reproduço da identidade, confronta)a
com sua pr/pria (istoricidade . e, portanto, com a possi+ilidade de
ser diferente de si mesma, (etero$9nea consi$o mesma . e com a
relaço ao outro . e, portanto, com a necessidade de recon(ecer
dentro de si a presença 1ausente' de outros sujeitos e de ne$ociar
com eles suas demandas e !alores.
<m se$undo lu$ar, o desafo da reKe"i!idade. A 2ameaça3 de
in!aso, destruiço ou su+ordinaço %ue a inserço nos Ku"os
$lo+ais representa para as identidades localistas, ou a resposta ao
desafo da a+ertura, t9m co+rado %ue a identidade tra+al(e so+re si
mesma. >ecompon(a)se, in!esti$ue)se, criti%ue a si mesma e
ela+ore estraté$ias para sua atuaço e suas relações com outras. A
a!aliaço permanente das suas condições de e"ist9ncia e de suas
c(ances de mel(ora relati!a no espaço social, pol0tico, econLmico e
cultural impõe um permanente retorno so+re si mesma %ue,
em+ora no si$nif%ue a possi+ilidade de compensar a perda da
esta+ilidade, a aura atemporal e a falsa (omo$eneidade %ue
$eralmente as e"peri9ncias identit7rias culti!am, torna)se um
elemento (a+ilitador nas relações com outras identidades.
1C
<m terceiro lu$ar, o desafo da pol0tica. <m+ora muito se fale so+re
a decad9ncia ou a retraço da pol0tica no conte"to contempor#neo,
a leitura %ue oferecemos a%ui s/ pode insistir so+re a ,(+)'641767(
76 @*4F)1,6 na an7lise da identidade. No se trata especifcamente
da pol0tica tradicional . centrada na a$re$aço de interesses
atra!és dos partidos e seu processamento atra!és dos mecanismos
de pol0ticas $o!ernamentais. 6rata)se da 718(+-0* @*4F)1,6 76
17(+)1767(. A perda da refer9ncia a)(ist/rica e os deslocamentos
colocados pelo contato com o terceiro da $lo+ali-aço e"i$em das
identidades um esforço de construço. >ei!indicar uma ori$em
indiferenciada e imemorial, ou uma !iso naturali-ada
1determinada pelo nascimento, a condiço +iol/$ica ou o solo
p7trio', no é sufciente ou mesmo poss0!el para asse$urar sua
continuidadeDreproduço. 8dentidades so construções tanto no
sentido (ist/rico, como no sentido da aço estraté$ica* elas so o
resultado de uma série de operações e in!estimentos coleti!os.
=ais, o fato de %ue a identidade no se defne de modo aut7r%uico,
sem refer9ncia com um anta$onismo face a um 2inimi$o3, e sem a
2costura3 de e%ui!al9ncias entre suas demandas e !alores e as de
outras, a +(5*,16/0* 1%ue implica em conKito, ar$umentaço,
mo+ili-aço e compromissos' é outra caracter0stica do desafo
pol0tico , identidade. A peso do $lo+al, as assimetrias entre atores
nacionais e locais, o $rau de or$ani-aço interna de cada $rupo
colocam o desafo da ne$ociaço.
Finalmente, o desafo do pluralismo. As cen7rios da $lo+ali-aço
no remetem a um sistema centrado e $o!ernado a partir de um
Hnico conjunto de critérios, no comportam macro) ou micro)atores
im+u0dos de pretensões imperiais ou autonomistas, nem assumem
o custo da (omo$enei-aço das diferenças. A desafo ento, %ue
tem estado entre os maiores dilemas e contradições da onda
contempor#nea da $lo+ali-aço, é o de %ue o re$ime de repartiço
dos recursos socialmente rele!antes para os diferentes $rupos %ue
rei!indicam incluso, justiça ou recon(ecimento produ-a uma
toler#ncia ati!a das diferenças no conte"to da 2consci9ncia
poss0!el3 da comunidade nacional, da cultura re$ional e local, ou
seja, assumindo)se %ue nunca ser7 poss0!el tolerar todas as
diferenças, nem impedir %ue o intoler7!el reapareça. Pluralismo no
pode, neste conte"to, si$nifcar um con$raçamento $eral, uma no!a
forma de comunidade plena, mas um espaço de emer$9ncia de
demandas %ue no somente e"pressam injustiças passadas, mas a
e"cluso so+re a %ual se assenta toda ordem social.
1U
5. Bibliografa
Appadurai, Arjun. 1EE1. 2Iisjuncture and IiWerence in t(e ?lo+al 4ultural <conomy3,
Feat(erstone, =iYe 1ed.'. G4*:64 C.4).'(& Nationalism, ?lo+ali-ation and =odernity.
@ondonDNeG+ury ParYDNeG Iel(i, :A?<
B(a+(a, Pomi S. 1EEN. TK( L*,6)1*+ *= C.4).'(. @ondonDNeG \orY, >outled$e
4astells, =anuel. 1EEU. TK( P*L(' *= I7(+)1)M 16(e 8nformation A$e& <conomy,
:ociety and 4ulture, !ol. 88'. =aldenDA"ford, BlacYGell
Ioimo, Ana =aria. 1EEN. A N(; ( 6 N*; 7* P*@.46'. =o!imentos sociais e
participaço pol0tica no Brasil p/s)UJ. :o PauloD>io de Janeiro, ANPA4:D>elume)
Iumar7
Feat(erstone, =iYe. 1EEN. U+7*1+5 C.4).'(. ?lo+ali-ation, Postmodernism and
8dentity. @ondonD6(ousand AaYsD.NeG Iel(i, :A?<
Pall, :tuart. 1EE1. 2Ald and NeG 8dentities, Ald and NeG <t(nicities3, Sin$, Ant(ony I.
1ed.'. C.4).'(, G4*:641;6)1*+, 6+7 )K( O*'47!SM-)(8. 4ontemporary 4onditions for
t(e >epresentation of 8dentity. Basin$stoYeD Bin$(amton, =acmillanDIepartment of Art
and Art Pistory, :tate ;ni!ersity of NeG \orY
]]]]]]. 1EEU. A I7(+)1767( C.4).'64 +6 PC-!M*7('+1767(. >io de Janeiro, IP^A
8n$lis, 4(ristine. 1EEC. M.4)1,.4).'641-8: NeG Policy >esponses to Ii!ersity 1=A:6
Policy Paper :eries no. O'. =A:6D;N<:4A, _(ttp&DDGGG.unesco.or$DmostDppO.(tm`
8turralde, Iie$o A. 1EEN. L6 5(-)1C+ 7( 46 8.4)1,.4).'641767 M 46 8.4)1()+1,1767
(+ A8('1,6 L6)1+6 1:érie Iocumentos de de+ate do =A:6, na. N'. =A:6D;N<:4A,
_(ttp&DDGGG.unesco.or$DmostDiturspan.(tm`
Soeni$, =att(ias.1EEE. D(8*,'6)1, G*2('+6+,( 1+ M.4)1,.4).'64 S*,1()1(-: social
conditions for (e implementation of international (uman ri$(ts t(rou$( multicultural
policies 1=A:6 Iiscussion Paper :eries no. MJ'. =A:6D;N<:4A,
_(ttp&DDGGG.unesco.or$DmostDlnBpolB.(tm`
@aclau, <rnesto. 1EEM. N.(26- R(P(<1*+(- -*:'( 46 R(2*4.,1C+ 7( N.(-)'*
T1(8@*. Buenos Aires, Nue!a bisi/n
]]]]]]. 1EEC. E86+,1@6)1*+(-". @ondon, berso
]]]]]] 1ed.'. 1EEO. TK( M6Q1+5 *= P*41)1,64 I7(+)1)1(-. @ondon, berso
=elucci, Al+erto. 1EEC. TK( P46M1+5 S(4=. 4am+rid$eDNeG \orYD=el+ourne, 4am+rid$e
;ni!ersity
>anciVre, Jac%ues. 1EEC. O D(-(+)(+718(+)*: Pol0tica e Filosofa. :o Paulo, MO
>o+ertson, >oland. 1EEJ. 2After Nostal$iaR cilful Nostal$ia and t(e P(ases of
?lo+ali-ation3, 6urner, Bryan :. 1ed.'. TK(*'1(- *= M*7('+1)M 6+7 P*-)8*7('+1)M.
@ondonDNeG+ury ParYDNeG Iel(i, :A?<
]]]]]]]]]]. 1EE1. 2:ocial 6(eory, 4ultural >elati!ism and t(e Pro+lem of ?lo+ality3,
Sin$, Ant(ony I. 1ed.'. C.4).'(, G4*:641;6)1*+, 6+7 )K( O*'47!SM-)(8.
4ontemporary 4onditions for t(e >epresentation of 8dentity. Basin$stoYeDBin$(amton,
=acmillanDIepartment of Art and Art Pistory, :tate ;ni!ersity of NeG \orY
:emprini, Andrea. 1EEE. M.4)1,.4).'641-8*. Bauru, <I;:4
:omers, =ar$aret e ?i+son, ?loria I. 1EEN. 2>eclaimin$ t(e <pistemolo$ical dAt(ere&
Narrati!e and t(e :ocial 4onstitution of 8dentity3, 4al(oun, 4. 1ed.' S*,164 TK(*'M
6+7 )K( P*41)1,- *= I7(+)1)M. 4am+rid$e, =ass.DA"ford, BlacYGell
6ouraine, Alain. 1EET. I5.64767( ( D12('-1767(& o sujeito democr7tico. Bauru,
<I;:4
1T
]]]]]]. 1EEE. P*7('(8*- N12(' R.+)*-S 8$uais e Iiferentes. Petr/polis, bo-es
Xi-eY, :la!oj. 1EEB. TK( S.:418( O:D(,) *= I7(*4*5M. @ondon, berso
]]]]]]. 1EEM. 2=7s all7 del an7lisis del discurso3, @aclau, <rnesto. N.(26-
R(P(<1*+(- -*:'( 46 R(2*4.,1C+ 7( N.(-)'* T1(8@*. Buenos Aires, Nue!a bisi/n
]]]]]]. 1EEC. 28ntroduço& A espectro da ideolo$ia3, Xi-eY, :la!oj 1ed.'. U8 M6@6 76
I7(*4*516. >io de Janeiro, 4ontraponto
1E